Limpar e organizar é só começar!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Limpar e organizar é só começar!"

Transcrição

1 Manual do Descarte Limpar e organizar é só começar! AGE - NPQ - março 2013

2 SUMÁRIO ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1 DESCARTE Cronograma para o Dia D - Descarte Reunião de sensibilização Preparação dos locais para o Descarte Recomendações gerais para iniciar o Descarte Cada servidor efetuará o Descarte, tendo os seguintes cuidados Regras Descarte gerais para objetos e dados Material de consumo Material permanente Descarte virtual: arquivos nos microcomputadores e rede No drive K (REDE) No drive G (REDE) Arquivos do drive C (disco local de cada micro) Relatório de Descarte 6 2 Conclusão 7

3 Dia D na AGE Limpar e organizar é só começar! 1. DESCARTE - SENSO DE UTILIZAÇÃO a) Descarte Físico: objetos e documentos reais. b) Descarte Virtual: arquivos (de texto, imagem ou sons) gravados em disquetes ou discos de microcomputadores. c) Descarte Intangível: stress, sentimentos ruins, ressentimentos, preconceitos, etc. Lema Senso de Utilização é: Viva o essencial! 1.1. CRONOGRAMA PARA O DIA D - DESCARTE DATA ATIVIDADES 27/02/ Quarta - 14h Registro fotográfico da situação atual 01/03/ Sexta Divulgação através da Intranet do Dia D da AGE 04/03/ Segunda -10h Preparativos da AGE para o Descarte. Reunião de sensibilização. 04/03/ Segunda -10h30 Dia da Limpeza e Organização - Dia D - Descarte 05/03/ Terça - 10h Informativos dos primeiros resultados 1.2. REUNIÃO DE SENSIBILIZAÇÃO: Explicar os procedimentos do descarte. Explicar os itens do Kit. Explicar os indicadores que deverão contar do relatório de resultados do descarte e como serão aferidos. Fazer cronograma de atividades para o Dia D definindo tarefas e áreas de atuação.

4 1.3. PREPARAÇÃO DOS LOCAIS PARA O DESCARTE a) Obter embalagens (caixas e ou sacos plásticos) para acondicionar os materiais descartados. b) Afixar cartazes ATENÇÃO: DIA DO DESCARTE na porta de acesso à AGE. c) Definir os locais onde serão depositados os materiais descartados e identificá-los com os cartazes: ÁREA DE DESCARTE, subdividido em 4 subáreas: 1. LIXO; 2. RECICLÁVEL; 3. À TRANSFERIR (para outra unidade específica ou para o SMP); 4. RECUPERAR OU REAPROVEITAR (para encaminhar ao conserto ou para outras Unidades do TRT13). Obs: As duas últimas subáreas dividem-se em MATERIAL PERMANENTE (com placa de tombamento) ou MATERIAL DE CONSUMO (sem placa de tombamento). d) Providenciar uma balança que possa ser utilizada para pesar o material descartado,caso não seja possível, deverá ser feita uma a avaliação estimativa do peso RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA INICIAR O DESCARTE Cada servidor efetuará o descarte, tendo os seguintes cuidados: Seguir preferencialmente a ordem sugerida pelo Check-List de Descarte. Seguir a orientação quanto ao destino de materiais descartados. Quando se tratar de documentos, consultar pessoas habilitadas da AGE ou o Serviço de Arquivo do TRT13, conforme o caso. Colocar o material descartado nos locais corretos previamente definidos. Garantir a inclusão dos materiais descartados ou encaminhados e do lixo retirado no relatório final de Descarte da AGE. Seguir as regras gerais de descarte de objetos e dados a seguir REGRAS DESCARTE GERAIS PARA OBJETOS E DADOS COMO SEPARAR O ÚTIL DO INÚTIL Necessário Necessário ANÁLISE FREQUÊNCIA PROVIDÊNCIAS Necessário, mas precisa de recuperação Desnecessário, mas potencialmente útil Desnecessário, mas potencialmente inútil Constantemente Mantê-lo o mais próximo possível Ocasionalmente Ocasionalmente Raramente ou Nunca Nunca Mantê-lo em locais centrais que permitam uma otimização do uso Enviar à unidade responsável pelo conserto Descartar e enviar o material ao destino correto Descartar e enviar o material ao destino correto

5 MATERIAL DE CONSUMO Materiais de Escritório (tesouras, telefones, grampeadores e furadores sem número de tombamento patrimonial, canetas, etc): Devem ser incluídos na Lista de Objetos Descartados que deverá ser encaminhada ao SMP PAPÉIS Para fragmentação: documentos e suas cópias que exigem sigilo: contendo dados relativos a folha de pagamento e contracheques, documentos da Área de Planejamento, Orçamento e Finanças, lista e catálogos telefônicos específicos do TRT13, catálogo e documentos com informações particulares de integrantes do TRT13. Para reciclar: folhas usadas ou inservíveis, jornais, revistas, listas telefônicas, papelões, boletins internos de exercícios anteriores, pastas, cópias impressas e todo tipo de papel, exceto aqueles provenientes de copas, banheiros e lavabos. Devem aguardar o recolhimento, na AGE, pelo Serviços Gerais. Os livros sem número de tombamento devem ser separados e incluídos na Lista de Objetos Descartados que deverá ser enviada ao SMP. Obs.: Os papéis destinados à reciclagem não devem ser amassados DOCUMENTOS a) PARA TRANSFERIR: Registrar em Lista de Objetos Descartados os documentos passíveis de descarte e encaminhá-los ao Arquivo, conforme o caso. Devem ser transferidos para o Arquivo os documentos que depois de sua fase ativa (em uso) passam para uma fase de guarda segundo as exigências legais, prevenção ou à importância histórica do documento. Os documentos devem ser encaminhados preferencialmente pelas respectivas unidade originárias. Veja alguns documentos que são de responsabilidade exclusiva de algumas Unidades.

6 TIPO DE DOCUMENTO Fotografias e fitas de vídeo Íntegras de Acórdãos do TRT13 Revistas do TRT13 Correspondência expedida antes de 2012: Ofício, Memorando e fax Correspondência recebida antes de 2012 Ata de reunião antes de 2012 Pareceres Conforme o prazo do processo Informativos antes de 2012 Outros documentos QUEM TRANSFERE Unidade que originou Vara ou Juízo que originou Assessoria de Comunicação Assessoria de Gestão Estratégia Assessoria de Gestão Estratégia Assessoria de Gestão Estratégia Assessoria de Gestão Estratégia Assessoria de Gestão Estratégia Conforme determinado pela AGE ou consultar o Arquivo b) PARA AGUARDAR NA AGE DOCUMENTO Correspondência expedida após 2011:Ofício, Memorando e fax Correspondência recebida após 2011 Ata de reunião após 2011 Pareceres Conforme o prazo do processo Informativos após 2010 Outros documentos 1 ano 1 ano 1 ano Tempo de permanência na Unidade Conforme o prazo do processo 2 anos Conforme determinado pela AGE ou consultar o Arquivo c) PARA ELIMINAR Documentos que já constam em processos administrativos. Ex.: cópias de requisições de material, cópias de requisições de serviço, notas fiscais e faturas. Documentos escritos que constam em meio eletrônico. Material de apoio. Ex.: rascunhos, anotações, agendas, cartões de congratulações, manuais de procedimentos, cópias de Instruções ou Orientações Normativas, tabelas de custas, etc. Outros documentos, tais como: cópias de doutrina, legislação, jurisprudência,documentas (índices, material bibliográfico e sumários de periódicos), boletim informativo do TRT13, etc).

7 d) LIXO São considerados LIXO todo e qualquer papel ou objeto que não seja passível de reutilização, reciclagem ou transferência para o arquivo, almoxarifado ou outra unidade qualquer, nem que deva ser fragmentado. O lixo deverá ser pesado, separado, e depositado em local apropriado, junto com o lixo orgânico, onde o pessoal da limpeza procederá o recolhimento MATERIAL PERMANENTE Todo Material Permanente deve ser enviado ao SMP ou SETIC, conforme o caso, e só deve ser liberado após inclusão na Lista de Objetos Descartados, onde será necessário o número de patrimônio e o motivo da liberação PARA DEVOLVER a) Equipamentos de informática: relacionar na Lista de Objetos Descartados e solicitar à SETIC através de memorando no sistema SISPAE, especificamente para os itens - (microcomputadores, impressoras, multifuncionais, scanners, etc), - para que os aparelhos sejam desativados e transferidos oportunamente. b) Móveis e equipamentos com número de tombamento patrimonial: (mesas, cadeiras, estantes, carrinhos, armários) - incluir os materiais na Lista de Objetos Descartados e solicitar ao SMP através de memorando no sistema SISPAE, para que os mesmos sejam recolhidos ou transferidos. Inclui-se nesta categoria os materiais de escritório e outros materiais semelhantes - (máquinas de calcular, fax, grampeador, furadores grandes, material médico, hospitalar, etc) - com número de patrimônio. c) Livros com número de tombamento: livros diversos, doutrina, códigos, revistas de assinaturas e boletins de direito administrativo. Os livros devem ser incluídos na Lista de Objetos Descartados, embalados em caixas com uma identificação afixada, contendo: Nome da Unidade e Identificação dos Materiais - (título, autor, editora e numero do patrimônio - se houver) - e encaminhados ao SMP por meio de memorando no sistema SISPAE, para que os mesmos sejam recolhidos ou transferidos PARA CONSERTAR a) Equipamentos de Escritório e Mobiliário: relacioná-los em expediente como Material para Recuperar, informando o n.º do Patrimônio e observações sobre avaria e/ou defeitos e encaminhar a relação por meio de memorando no Sistema Sispae ao SMP solicitando providências. Depositá-los em local da própria Unidade aguardando instruções para o seu recolhimento. b) Equipamentos de Informática: relacioná-los em expediente como Equipamentos para Recuperar, informando o n.º do Patrimônio e observações sobre avaria e/ou defeitos e encaminhar a relação por meio de memorando no Sistema Sispae à SETIC solicitando providências. Depositá-los em local da própria Unidade aguardando instruções para o seu recolhimento.

8 DESCARTE VIRTUAL: ARQUIVOS NOS MICROCOMPUTADORES E REDE A AGE deverá criar uma pasta da Rede intitulada Descarte Virtual para onde deverão ser transferidos (movidos e NÃO copiados) todos os arquivos destinados ao Descarte. Após a conclusão dos trabalhos, o volume em megabytes, números de Arquivos, desta pasta, bem como a quantidade de disquetes ou CD`s descartados, deverão ser informados no relatório de Resultados do Descarte. Outra forma de apurar os resultados é limpar a lixeira do Windows eliminando qualquer tipo de arquivo que esteja lá. Dessa forma, ao final dos trabalhos será possível quantificar os arquivos eliminados NO DRIVE K (REDE): a) ARQUIVOS QUE NÃO PODEM SER APAGADOS ATENÇÃO: O Arquivo LOGIN.BAT NÃO PODE SER ELIMINADO. As demais pastas foram criadas, a princípio, por demanda ou iniciativa da própria unidade. Somente os próprios usuários sabem o que pode ser apagado. Os arquivos destas pastas devem ser avaliados pelos usuários e poderão ser apagados, gravados em disquete ou CD pelo próprio usuário. b) ARQUIVOS QUE PODEM E DEVEM SER EXCLUÍDOS s: apague os s que você recebeu e não tem mais utilidades. E- mails acumulados representam um dos maiores volumes de dados na Rede. Para contabilizar as mensagens apagadas crie uma pasta chamada Descarte Virtual e arraste para lá os s a descartar. Antes de excluí-los conte quantos são, para acrescentar ao número de arquivos no Relatório de Descarte. Não é necessário computar o tamanho das mensagens em Kbytes. c) ARQUIVOS DO COMPUTADOR QUE PODEM SER ELIMINADOS: aqueles com as extensões: *.avi *.fwt *.mpeg *.bar.gif; *.mp3 *.bmp (exceto brasão) *.jpg *.rtf; *.doc *.jpeg *.tmp *.fac *.mpg *.wma Dica: Utilizando o explorer do windows, caso a data seja anterior a um ano é provável que este arquivo possa ser eliminado. Arquivos de imagens, fotos, música e vídeo, que não sejam relacionados com as rotinas de trabalho como: *.mp3 *.wma *.avi *.mpg *.mpeg *.jpg *.jpeg *.bmp *.gif.

9 Características desse tipo de arquivo: não fazem parte do trabalho do TRT13 ocupam muito espaço na rede podem ser apagados da rede pela SETIC SEM AVISO não entram nos backups diários feitos em fita usuários que queiram mantê-los devem movê-los para a unidade local de seus micros, ou seja, no Drive C Arquivos temporários: Normalmente têm a extensão *.TMP ou têm o nome iniciado pelo símbolo "~" (til). do TRT13. Arquivos particulares do usuário: Que não têm relação com as atividades Cópias de segurança: Quando o usuário troca de microcomputador e deseja garantir cópia dos seus dados do Drive C, eventualmente faz uma cópia no Drive K: e esquece de apagá-la quando está com um microcomputador novo. Arquivos duplicados: Muitos arquivos que estão disponíveis na rede em outros Drives. Não há necessidade de fazer cópias de arquivos da rede, pois diariamente é feito backup em fita dos arquivos da rede. Arquivos de backup automático dos programas: Têm a extensão *.BAK. São arquivos criados automaticamente por alguns programas como cópia de segurança. Não têm muito sentido sua existência uma vez que são feitos backups em fita diariamente. Arquivos antigos não mais utilizados: Se for utilizado o critério de data para eliminação de arquivos NO DRIVE G (REDE): Todos os arquivos deste drive são considerados temporários, podem ser eliminados a qualquer momento e dele não é feito backup ARQUIVOS DO DRIVE C (DISCO LOCAL DE CADA MICRO): a) ARQUIVOS QUE NÃO PODEM SER APAGADOS: ATENÇÃO - Arquivos que possuem as extensões *.COM, *.EXE, *.DLL, *.SYS, *.BAT NÃO PODEM SER ELIMINADOS! Pasta Windows - Para garantir o bom funcionamento do micro, nada deve ser alterado nessa pasta, exceto o conteúdo da subpasta TEMP e TMP. Pasta Arquivos de Programas - é onde ficam instalados os programas, como WORD, INTERNET, etc. Nada deve ser apagado dessa pasta e subpastas. Demais pastas - NÃO devem ser apagados arquivos cuja extensão seja *.COM *.EXE *.DLL *.SYS *.DAT *.BAT *.CFG *DOT. Drive local (C:), Dica geral - Não grave nada importante nele, pois dele não é feito backup.

10 b) ARQUIVOS QUE PODEM SER APAGADOS: Arquivos de imagens, fotos, música e vídeo - como *.MP3 *.WMA *.AVI *.MPG *.MPEG *.JPG *.JPEG *.BMP *.GIF, que não sejam relacionados com as rotinas de trabalho. Arquivos particulares do usuário - que sejam de pouca ou nenhuma utilidade RELATÓRIO DO DESCARTE Os resultados serão aferidos quanto a, pelo menos, 7 (sete) indicadores: 1. Descarte Físico Quilos de lixo retirados. Quilos de material reciclável descartado. Quantidade de itens de material permanente retirados ou descartados. Quantidade de itens de material de consumo retirados ou descartados. Obs.: Além dos indicadores poderão ser mencionados no relatório os itens descartados mais interessantes ou incomuns. 2. Descarte Virtual Megabytes de arquivos excluídos dos computadores e servidores da rede. Número de arquivos excluídos. Quantidade de disquetes e CD`s descartados. 3. Descarte Intangível Além dos indicadores poderão ser mencionados também, em poucos parágrafos, as percepções da equipe envolvida quanto aos resultados intangíveis dos trabalhos, como eventuais melhorias quanto ao bem-estar no local de trabalho, motivação da equipe, ou no relacionamento interpessoal. O Material reciclável recolhido será destinado a Cooperativa de Catadores de Lixo, conforme acordo mantido com o TRT13. Levantamentos fotográficos, tipo antes e depois, embora opcionais, serão bem vindos. 2. CONCLUSÃO O Programa 5S de Qualidade é uma proposta que visa promover melhorias nos hábitos e comportamentos das pessoas, boas condições no ambiente de trabalho, na saúde e segurança, e na redução de desperdícios. Uma das etapas do programa é o dia do descarte. A AGE comprometida com a ideia: Educação combina com limpeza e organização, apresenta-se como parceira de qualquer unidade do TRT13 que queira implantar esta importante ferramenta de gestão da qualidade, solicitando para tanto que o mesmo formalize o deseja por meio de Protocolo, afinal Limpar e organizar é só começar!.

11 FICHA TÉCNICA Supervisão: Produção e Revisão: Pesquisas: Assessoria de Gestão Estratégica. Max Frederico Feitosa Guedes Pereira Núcleo de Processo da Qualidade. Luiza Lúcia de Farias Aires Leal, Márcia Valério TRT20, JFSC, SEBRAE

12 ANEXOS ANEXO I KIT DE DESCARTE KIT DE DESCARTE - LISTA DE OBJETOS ITEM DESCRIÇÃO QUANTIDADE O QUE FAZER 1 Manual do Descarte 1 Leitura 2 Check-List do Descarte 4 cópias Usar como roteiro 3 Cartaz de aviso sobre o Dia do Descarte 2 Afixar na porta dentro e fora. 4 Identificadores das áreas de Descarte 1 conjunto Afixar junto à área 5 Lista de Objetos Descartados 1 Para auxiliar o relatório 6 Formulário para Relatório de Descarte 1 Para auxiliar o relatório 7 Embalagens vazias para descarte caixas e sacos 10 Usar para coleta e envio

13 ANEXO II CHECK-LIST DE DESCARTE N ITENS A SEREM VERIFICADOS OK 1 ÁREA DO CAFÉ OU LANCHE 2 MURAIS 3 MESINHAS AUXILIARES 4 ARMÁRIOS/ ESTANTES 5 ARQUIVOS 6 PASTAS 7 COMPUTADOR 8 MESAS DE IMPRESSORA 9 MESAS Materiais / alimentos não recomendáveis para uso / esquecidos. Mantimentos e medicamentos fora da validade; Equipamentos, móveis e utensílios s/ serventia ou sem condições de higiene. Papéis desatualizados ou obsoletos. Papéis inúteis ou desatualizados colados em paredes/portas. Rascunhos, arquivos, materiais de expediente, envelopes. Guias, listas desatualizadas. Papéis desatualizados / obsoletos. Livros, catálogos, periódicos, apostilas, relatórios, códigos, revistas, guias, boletins, etc. sem utilidade ou desatualizados. Pastas, arquivos, livros de registro obsoletos ou sem uso. Materiais diversos desnecessários, em más condições, fora de validade ou obsoletos. Pastas obsoletas, desatualizadas ou sem utilidade. Pastas em más condições de uso. Papéis sem utilidade. Papéis obsoletos / desatualizados. Capas, fios, extensões, cabos de computador etc. sem uso. Manuais de Software em excesso ou obsoletos. Disquetes avariados, sem utilidade / parados há + de 2 anos. Excesso de papéis, rascunhos, retrabalhos, etc. Peças quebradas, cartuchos vazios ou obsoletos. Excesso de documentos para examinar ou arquivar. Livros, revistas, códigos, jornais, informativos, etc. Objetos pessoais de pouca utilidade / obstruindo movimentos. Objetos de adorno em excesso. Duplicidade de materiais de expediente.

14 0 GAVETAS 11 SALA 12 DESCARTE VIRTUAL Rascunhos, modelos, materiais de expediente em excesso, estragados ou em desuso. Objetos pessoais em excesso, sem uso ou fora da validade. Equipamentos não utilizados / estragados. Móveis não utilizados / subutilizados / danificados. Arquivos repetidos, desnecessários, desatualizados ou obsoletos (não utilizados há mais de 2 anos). Informações / dados não utilizados ou duplicado em outro meio. Softwares desatualizados ou sem utilidade. s sem importância.

15 ANEXO III MODELO DE CRONOGRAMA GERAL DOS TRABALHOS Nº TAREFAS QUA 27 QUI 28 SEX 01 SEG 04 TER 05 QUA 06 QUI 07 1 Registro fotográfico da situação atual 2 3 Contatos prévio com Serviços Gerais e Informática Contatos prévio com Patrimônio e Arquivo 4 Aprovar Plano de Descarte da AGE 5 Divulgação do Dia D da AGE na Intranet 6 Distribuição do Kit de Descarte 7 Reunião de Sensibilização 8 9 Dia D - Dia do Descarte e Organização Descarte Físico Dia D - Dia do Descarte e Organização Descarte Virtual 10 Redação do Relatório Final a AGE 5 DIAS

16 ANEXO IV LISTA DE OBJETOS DESCARTADOS MATERIAL PERMANENTE N º DE ORDEM TOMBAMENTO DESCRIÇÃO DO MATERIAL MOTIVO DA LIBERAÇÃO UNIDADE DESTINO SETOR : RESPONSÁVEL :

17 ANEXO V LISTA DE OBJETOS DESCARTADOS MATERIAL DE CONSUMO QTDE Nº DOC/UNID DESCRIÇÃO DO DOCUMENTO EXERCÍCIO MOTIVO DA LIBERAÇÃO UNIDADE DESTINO TOTAL SETOR : RESPONSÁVEL :

18 ANEXO VI FOMULÁRIO PARA RELATÓRIO DESCARTE DESCARTE FÍSICO ÍNDICE DESCRIÇÃO QUANTIDADE UNIDADE 1 Lixo retirado 2 Material reciclável 3 4 Itens de material de consumo retirados ou descartados Itens de material permanente retirados ou descartados DESCARTE VIRTUAL ÍNDICE DESCRIÇÃO QUANTIDADE UNIDADE 1 Megabytes de arquivos excluídos dos computadores e servidores da rede. 2 Arquivos excluídos 3 CD`s descartados 4 Gigabytes de s excluídos no serviço de corporativo 5 Número de s excluídos SETOR : RESPONSÁVEL :

COMISSÃO DE RESPONSABILIDADESOCIOAMBIENTAL

COMISSÃO DE RESPONSABILIDADESOCIOAMBIENTAL Coordenação: Comissão de Responsabilidade Socioambiental Elaboração: Liégia Maciel de Oliveira e Danuza Pereira Mantuano Diagramação: Assessoria de Comunicação Social/Subsecretaria de Publicidade Capa:

Leia mais

Pastas São indicadas pelo ícone correspondente a uma pasta suspensa.

Pastas São indicadas pelo ícone correspondente a uma pasta suspensa. Janela do Windows Explorer Logo abaixo dos componentes que já conhecemos (barra de título, barra de menus e barra de ferramentas), existe uma divisão vertical, é a exibição de todas as pastas. Modos de

Leia mais

REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO IESUR INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RONDÔNIA

REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO IESUR INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RONDÔNIA REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO IESUR INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RONDÔNIA Tem o presente regulamento a função de nortear as ações e procedimentos necessários ao bom funcionamento

Leia mais

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO CLIENTE DE E-MAIL: MICROSOFT OUTLOOK 2003

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO CLIENTE DE E-MAIL: MICROSOFT OUTLOOK 2003 Universidade do Contestado UnC Campus Mafra/Rio Negrinho/Papanduva MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO CLIENTE DE E-MAIL: MICROSOFT OUTLOOK 2003 SUMÁRIO ENTENDENDO SUA TELA PRINCIPAL...3 Descrição da divisão da

Leia mais

INFORMÁTICA 01. 02. 03. 04. 05.

INFORMÁTICA 01. 02. 03. 04. 05. INFORMÁTICA 01. Na Internet, os dois protocolos envolvidos no envio e recebimento de e-mail são: a) SMTP e POP b) WWW e HTTP c) SMTP e WWW d) FTP e WWW e) POP e FTP 02. O componente do Windows que é necessário

Leia mais

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS.

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. 01. SERVENTE Descrição Sintética: compreende os cargos que se destinam a executar, sob supervisão, serviços de limpeza como varrer, lavar, desinfetar e arrumar as dependências

Leia mais

Manual de boas práticas Correio Eletrônico

Manual de boas práticas Correio Eletrônico Superintendência de Tecnologia da Informação Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerência Técnica de Suporte e Infraestrutura Manual de boas práticas Correio Eletrônico VERSÃO: 0.2 DATA DE REVISÃO:

Leia mais

REGULAMENTO E CRITÉRIO DE PONTUAÇÃO PARA AUDITORIAS DO PROGRAMA 8S s

REGULAMENTO E CRITÉRIO DE PONTUAÇÃO PARA AUDITORIAS DO PROGRAMA 8S s REGULAMENTO E CRITÉRIO DE PONTUAÇÃO PARA AUDITORIAS DO PROGRAMA 8S s 1- INTRODUÇÃO: O Programa 8 S é uma adaptação do 5 S à realidade brasileira que busca a organização e limpeza do ambiente, bem como

Leia mais

NOÇÕES E CONCEITOS BÁSICOS DE 5 S/HOUSEKEEPING

NOÇÕES E CONCEITOS BÁSICOS DE 5 S/HOUSEKEEPING NOÇÕES E CONCEITOS BÁSICOS DE 5 S/HOUSEKEEPING Há quem diga que praticar o 5S é praticar "bons hábitos" ou "Bom senso". Apesar da simplicidade dos conceitos e da facilidade de aplicação na prática, a sua

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva. Redação Inara Vieira. MINISTRO DA CULTURA Juca Ferreira. Revisão Graça Mendes

PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva. Redação Inara Vieira. MINISTRO DA CULTURA Juca Ferreira. Revisão Graça Mendes PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRO DA CULTURA Juca Ferreira PRESIDENTE DO IPHAN Luiz Fernando de Almeida CHEFE DE GABINETE Fernanda Pereira PROCURADORA-CHEFE FEDERAL Lúcia Sampaio

Leia mais

Escritório Verde. Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável

Escritório Verde. Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável Escritório Verde Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável Use a criatividade e o bom senso para gerar conscientização ecológica e economia Escritório Verde Dicas práticas para tornar seu escritório

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Aspectos Avançados. Conteúdo

Aspectos Avançados. Conteúdo Aspectos Avançados Conteúdo Vendo o que existe em seu computador Ambiente de Rede Lixeira Organizando arquivos e pastas Usando o Windows de maneira eficaz Trabalhando com documentos 34 Vendo o que existe

Leia mais

MANUAL INSTALAÇÃO MDMED

MANUAL INSTALAÇÃO MDMED MANUAL INSTALAÇÃO MDMED Contents 3 Indice 0 Part I Instalação MDMED 1 Equipamentos... necessários Part II 1 - Instalando 4 4 4 1 1.1 - CD... de instalação 4 2 1.2 - Escolha... o micro "Servidor" 4 3 1.3

Leia mais

COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA

COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA O órgão público federal que aderiu ao Projeto Esplanada Sustentável PES, será considerado sustentável no tema Coleta Seletiva Solidária (Decreto 5.940/06), se alcançar 90% das

Leia mais

Introdução à Informática. Maria José

Introdução à Informática. Maria José Introdução à Informática Maria José 1 Sistemas Operacionais - SO È o principal software para o funcionamento do computador, pois é através dele que o usuário efetua as tarefas; Um SO faz com que o computador

Leia mais

COPYRIGHT 2011 INTELECTA DISTRIBUIDORA DE TECNOLOGIA LTDA. Todos os direitos reservados. Impresso no Brasil.

COPYRIGHT 2011 INTELECTA DISTRIBUIDORA DE TECNOLOGIA LTDA. Todos os direitos reservados. Impresso no Brasil. COPYRIGHT 2011 INTELECTA DISTRIBUIDORA DE TECNOLOGIA LTDA. Todos os direitos reservados. Impresso no Brasil. De acordo com as leis de Copyright, nenhuma parte desta publicação ou do software pode ser copiada,

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2013 REGULAMENTO

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2013 REGULAMENTO CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2013 REGULAMENTO 1. OBJETO 1.1 O presente regulamento tem por objeto a seleção para patrocínio de projetos a serem realizados

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia da Informação Núcleo de Segurança da Informação Revisão: 00 Vigência:20/04/2012 Classificação:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2012 REGULAMENTO

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2012 REGULAMENTO CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2012 REGULAMENTO 1. OBJETO 1.1. A CAIXA receberá, de 16 de maio a 17 de junho de 2011 projetos a serem realizados ao

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

MANUAL PARA INSCRIÇÃO online EM EDITAIS. Versão 2.0

MANUAL PARA INSCRIÇÃO online EM EDITAIS. Versão 2.0 MANUAL PARA INSCRIÇÃO online EM EDITAIS Versão 2.0 1 Atenção Siga cuidadosamente todas as orientações deste Manual durante o processo de inscrição online >> 1º Passo: Acessar o SalicWeb Para inscrever

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Auslogics BoostSpeed 5 Manual

Auslogics BoostSpeed 5 Manual Página 1 Auslogics BoostSpeed 5 Manual [ Instalando e usando o Auslogics BoostSpeed 5 ] Página 2 Sumário O que é o Auslogics BoostSpeed?... 3 Recursos... 3 Comparando edições... 4 Instalação do programa...

Leia mais

WINDOWS EXPLORER Pro r f. f. R o R be b rt r o t A n A d n r d a r de d

WINDOWS EXPLORER Pro r f. f. R o R be b rt r o t A n A d n r d a r de d WINDOWS EXPLORER Prof. Roberto Andrade Roteiro desta aula 1. OqueéoWindowsExplorer 2. Acionamento do Windows Explorer 3. Entendendo Unidades, Pastas e Arquivos 4. Ambiente gráfico(janela, Barras e Botões)

Leia mais

INTRODUÇÃO. Não é exagero afirmar que é o sistema operacional o programa mais importante do computador, sem ele seu equipamento não funciona.

INTRODUÇÃO. Não é exagero afirmar que é o sistema operacional o programa mais importante do computador, sem ele seu equipamento não funciona. INTRODUÇÃO O Microsoft Windows XP é um sistema operacional de interface gráfica multifunções, isso significa que podemos trabalhar com vários programas de forma simultânea. Por ex: poderíamos escutar um

Leia mais

Conhecendo o Sistema Operacional

Conhecendo o Sistema Operacional Prefeitura de Volta Redonda Secretaria Municipal de Educação NTM Núcleo de Tecnologia Educacional Municipal Projeto de Informática Aplicada à Educação de Volta Redonda - VRlivre Conhecendo o Sistema Operacional

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática. Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador)

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática. Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador) Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática,1752'8d 2,1)250É7,&$ Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador) PROJETO UNESC@LA Junho de 2000 Conteúdo 1. CONCEITOS

Leia mais

Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina Operação de Sistemas Aplicativos I

Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina Operação de Sistemas Aplicativos I CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA Escola Técnica Estadual de Avaré ETE-AVARÉ CURSO DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA NÚCLEO DE APOIO Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina

Leia mais

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS.

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. 01. ADVOGADO Assessorar os vereadores na elaboração de proposições complexas que exijam conhecimentos especializados de técnica legislativa, nos projetos de lei, decreto

Leia mais

RELATÓRIO Coleta Seletiva Solidária 2009

RELATÓRIO Coleta Seletiva Solidária 2009 RELATÓRIO Coleta Seletiva Solidária 2009 Amparado pelo Decreto Federal 5.940/ 2006 - que prevê que todas as instituições federais passem a doar seus materiais recicláveis descartados para cooperativas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO, 3 2 FUNCIONALIDADE ADMINISTRATIVA, 3 2 S ORGANIZACIONAIS DO CENTRO DE ESTUDOS, 3

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO NÚCLEO DE INFORMÁTICA

NORMAS DE FUNCIONAMENTO NÚCLEO DE INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENFERMAGEM CENTRO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM ENFERMAGEM NÚCLEO DE INFORMÁTICA NORMAS DE FUNCIONAMENTO NÚCLEO DE INFORMÁTICA ELABORADO POR PROF. MARK ANTHONY

Leia mais

Guia prático para o descarte de resíduos

Guia prático para o descarte de resíduos Guia prático para o descarte de resíduos 1 2 Apresentação Eleições - vocês já pensaram em quantos resíduos se produz a mais? São tantos manuais e experimentos de toda a natureza que acabamos por não perceber

Leia mais

DIA DA BERMUDA - 2011. Arrumando a nossa casa

DIA DA BERMUDA - 2011. Arrumando a nossa casa DIA DA BERMUDA - 2011 Arrumando a nossa casa 2 Entenda o que são os 5S Para praticar o Dia da Bermuda, primeiro você precisa entender o que são os 5S... Princípios dos 5S 3 O conceito de 5S tem como base

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS ANEXOS

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS ANEXOS Prefeitura Municipal de João Pessoa Fundação Cultural de João Pessoa PROGRAMA MAIS CULTURA PONTO DE CULTURA PONTOS DE CULTURA DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS ANEXOS

Leia mais

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO CARGO Assistente Operacional Assistente Administrativo PRÉ- REQUISITO completo completo TOTAL DE VAGAS VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA 01 R$ 1.813,45 40 horas 02 R$

Leia mais

Portal do Senac: Área Exclusiva para Alunos Manual de Navegação e Operação

Portal do Senac: Área Exclusiva para Alunos Manual de Navegação e Operação Portal do Senac: Área Exclusiva para Alunos Índice 1. Introdução... 4 2. Acessando a área exclusiva... 5 3. Trocando a senha... 6 4. Mensagens... 7 4.1. Conhecendo a tela principal... 7 4.2. Criando uma

Leia mais

Organização de Arquivos. Karina Ferreira Rocha Castilho Seção Técnica de Comunicações IBILCE - UNESP

Organização de Arquivos. Karina Ferreira Rocha Castilho Seção Técnica de Comunicações IBILCE - UNESP Organização de Arquivos Karina Ferreira Rocha Castilho Seção Técnica de Comunicações IBILCE - UNESP A q u e l e s d i a s q u e v o c ê n ã o s a b e o q u e e s t á m a i s b a g u n ç a d o : s e u q

Leia mais

Política de Utilização da Rede

Política de Utilização da Rede Política de Utilização da Rede Complexo Unimed Chapecó CRIADO EM: 14/08/2006 ATUALIZADO EM: 16/08/2012 1 OBJETIVOS O objetivo deste documento é deixar clara a política de utilização da rede de informática

Leia mais

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0 Conteúdo do Manual. Introdução. Capítulo Requisitos. Capítulo Instalação 4. Capítulo Configuração 5. Capítulo 4 Cadastro de Devolução 6. Capítulo 5 Relatório 7. Capítulo 6 Backup 8. Capítulo 7 Atualização

Leia mais

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO COORDENAÇÃO DE RECURSOS LOGÍSTICOS Paulo César Lopes Barsi Comissão de Elaboração do Plano de Logística Sustentável (PLS) Carlos Henrique Feitosa Soares Fábio

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Página 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes básicas pertinentes ao tratamento e manutenção de acervos arquivísticos ou bibliográficos, sejam administrativos, técnicos ou especializados nas instalações

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. DGTEC Diretoria Geral de Tecnologia da Informação. DERUS Departamento de Relacionamento com o Usuário

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. DGTEC Diretoria Geral de Tecnologia da Informação. DERUS Departamento de Relacionamento com o Usuário TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DGTEC Diretoria Geral de Tecnologia da Informação DERUS Departamento de Relacionamento com o Usuário MANUAL DO USUÁRIO Manutenção da Caixa de Correio do

Leia mais

2. Para os bens relacionados na conta contábil 142124200 Mobiliários em Geral:

2. Para os bens relacionados na conta contábil 142124200 Mobiliários em Geral: Reunião realizada no Edifício da Reitoria. Pauta: Rotinas para desfazimento de mobiliários diversos. Presentes: Paulo Hypolito - Coordenador Patrimonial, José Mailho - Presidente da Comissão de Avaliação

Leia mais

MANUAL USUÁRIO AUDATEX WEB

MANUAL USUÁRIO AUDATEX WEB MANUAL USUÁRIO AUDATEX WEB Audatex Web Nível Usuário (Versão 1.0) Gerência de Suporte Técnico Departamento de Treinamento Resp.: Roberto de Luca Jr. Versão 1.0 Revisão 1 Data 13/02/2007 SUMÁRIO GERAL Introdução...

Leia mais

SAUSP. Sistema de Arquivos da Universidade de São Paulo

SAUSP. Sistema de Arquivos da Universidade de São Paulo SAUSP Sistema de Arquivos da Universidade de São Paulo Comissão Setorial do Sistema de Arquivos da EEFEUSP Presidente: Camila N. Favero Membros: Telma Elisa A. V. Sanches Paulo Serson Ilza B. dos Santos

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 2.0

MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 2.0 SCM Sistema de Controle de Manutenção MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 2.0 Sumário 1 INTRODUÇÃO...1 2 USUÁRIOS E PERFIS...1 3 UTILIZAÇÃO DO SISTEMA...1 4 VISÃO GERAL DO SISTEMA...2 4.1 Fluxo normal...2 4.2 Fluxo

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Conceitos Básicos Sistema Operacional: Um Sistema Operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O Propósito do SO é fornecer

Leia mais

Ficha Técnica. Pré-requisitos: não há pré-requisitos. O aluno inicia o curso de Windows 8 com uma introdução à informática.

Ficha Técnica. Pré-requisitos: não há pré-requisitos. O aluno inicia o curso de Windows 8 com uma introdução à informática. Windows 8 O Windows está presente na maior parte dos computadores, seja para uso pessoal ou profissional. Quem vai começar a usar um computador precisa saber trabalhar bem com ele. O Windows 8 é o Sistema

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) É necessário criar várias cópias de documentos importantes em locais diferentes. Esses locais podem ser pastas no HD interno ou HD externo, ou então em

Leia mais

SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - STI

SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - STI AUTOR: MÁRIO SÉRGIO CINTRA CAMARGO ÍNDICE ACESSANDO O WEBMAIL... 04 TRABALHANDO COM O CORREIO ELETRÔNICO... 09 CONCEITOS BÁSICOS... 09 O VISUAL DO CORREIO ELETRÔNICO... 10 CONHECENDO A JANELA INICIAL DO

Leia mais

Copyright. Isenção e limitação de responsabilidade

Copyright. Isenção e limitação de responsabilidade Manual do SMS Copyright 1998-2002 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. Graffiti, HotSync, o logotipo da Palm e Palm OS são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo de HotSync e Palm são marcas comerciais

Leia mais

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS Proposto por: Divisão de Gestão de Documentos - DIGED Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos (DEGEA) Aprovado por: Diretor-Geral de Apoio aos Órgãos Jurisdicionais (DGJUR)

Leia mais

Título I Dos laboratórios de Informática

Título I Dos laboratórios de Informática Título I Dos laboratórios de Informática Capítulo I - Da Organização Artigo 1 o O Centro de Processamento de Dados - CPD, ao qual os laboratórios de Informática da FAPAN estão subordinados, tem como principal

Leia mais

Laplink PCmover Express A Maneira Mais Fácil de Migrar para um Novo PC Windows. Guia do Usuário

Laplink PCmover Express A Maneira Mais Fácil de Migrar para um Novo PC Windows. Guia do Usuário Laplink PCmover Express A Maneira Mais Fácil de Migrar para um Novo PC Windows Guia do Usuário Serviço de Atendimento ao Cliente/ Suporte Técnico Site: http://www.laplink.com/index.php/por/contact E-mail:

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo )

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) A Política de segurança da informação, na A EMPRESA, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e serviços, incluindo trabalhos executados

Leia mais

Guia Rápido TS-991. Modem USB HSPA

Guia Rápido TS-991. Modem USB HSPA Guia Rápido TS-991 Modem USB HSPA Sobre o Modem Telsec TS-991 O modem Telsec TS-991 foi desenhado para habilitar o usuário a acessar a Internet via redes GPRS/EDGE/UMTS/HSPA. Ele usa uma interface USB

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2011 REGULAMENTO

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2011 REGULAMENTO CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2011 REGULAMENTO 1. OBJETO 1.1. A CAIXA receberá, de 26 de abril a 18 de junho de 2010, projetos a serem realizados ao

Leia mais

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos Projeto SeparAção INTRODUÇÃO Há muito tempo o homem vem utilizando os recursos naturais que ele encontra em seu habitat e a cada ano que passa, novas formas de uso são descobertas. O maior problema dessa

Leia mais

NÍVEL ESTRATÉGICO 1. PLENARIA

NÍVEL ESTRATÉGICO 1. PLENARIA NÍVEL ESTRATÉGICO 1. PLENARIA Reunião dos Conselheiros eleitos, com o fim de deliberação.- O Plenário do Conselho Regional reunirse-á ordinariamente, pelo menos, uma vez por ano e, extraordinariamente

Leia mais

REGRAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGRAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGRAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Ricardo Machado Torres Ricardo Ariel Correa Rabelo Renata Azevedo Santos Carvalho Everton Gonçalves Dias ARACAJU JANEIRO DE 2012 TÍTULO I - DOS HORÁRIOS

Leia mais

Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar

Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar Desenvolvido por Hamilton Dias (31) 8829.9195 Belo Horizonte hamilton-dias@ig.com.br www.h-dias.cjb.net ÍNDICE Introdução...3 Implantação...3 Instalação...3

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na FK EQUIPAMENTOS, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e

Leia mais

Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006

Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006 Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA DE MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006 Empresas Especiais Suporte 2.01. Cadastro das empresas 2.02. Relação das empresas 2.03. Controle das emissões 2.04. Exclusão

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 035, DE 22 DE MAIO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

Expresso Livre Correio Eletrônico

Expresso Livre Correio Eletrônico Expresso Livre Correio Eletrônico 1. EXPRESSO LIVRE Para fazer uso desta ferramenta de correio eletrônico acesse seu Navegador de Internet e digite o endereço eletrônico expresso.am.gov.br. Figura 1 A

Leia mais

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC.

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC. Código: MAP-DILOG-004 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Bens e Materiais Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para gestão dos bens e

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001 de 03 de julho de 2012. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO Regulamenta os procedimentos para movimentação física dos bens patrimoniais,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA SGA Nº. 007/2011 DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO, REGISTRO, TRAMITAÇÃO, CONTROLE E EXPEDIÇÃO DE DOCUMENTOS NA. Versão: 01 Aprovação: 13/06/2011 Ato de aprovação: 13/06/2011

Leia mais

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir Prof. Valdir Informática Informática Valdir Prof. Valdir Informática Informática PROVA DPF 2009 Julgue os itens subseqüentes, a respeito de Internet e intranet. Questão 36 36 - As intranets, por serem

Leia mais

Manual de Apoio ao Treinamento. Expresso

Manual de Apoio ao Treinamento. Expresso Manual de Apoio ao Treinamento Expresso 1 EXPRESSO MAIL É dividido em algumas partes principais como: Caixa de Entrada: local onde ficam as mensagens recebidas. O número em vermelho entre parênteses refere-se

Leia mais

Atualizando do Windows XP para o Windows 7

Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizar o seu PC do Windows XP para o Windows 7 requer uma instalação personalizada, que não preserva seus programas, arquivos ou configurações. Às vezes, ela

Leia mais

Operador de Computador (Mulheres Mil) Informática I (12h)

Operador de Computador (Mulheres Mil) Informática I (12h) Operador de Computador (Mulheres Mil) Informática I (12h) Noções de Informática Conceitos: Informática Ciência que estuda o tratamento racional e automático de informação armazenamento, análise, organização

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ DEPARTAMENTO DE ATIVIDDES JUDICIAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ DEPARTAMENTO DE ATIVIDDES JUDICIAIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ DEPARTAMENTO DE ATIVIDDES JUDICIAIS I Introdução: requisitos, acesso e área de trabalho 1 O que é o SIMP?... 3 2 Requisitos Mínimos... 3 2.1 Browser... 3 2.2 Impressora...

Leia mais

Edição 01/08. Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade

Edição 01/08. Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade Edição 01/08 MÓDULO 5S`s Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade 1 Conteúdo Programático do Módulo 5S Conteúdo Origem do 5S Objetivos do 5S

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA DO ORIENTADOR:

RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA DO ORIENTADOR: Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIPPG Coordenadoria de Pesquisa e Estudos Tecnológicos COPET RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA COLETA SELETIVA Conheça algumas medidas importantes para não poluir o meio ambiente na hora de jogar fora o seu lixo Já é inquestionável hoje a importância da reciclagem

Leia mais

Turma Sábado 10:00. Turma Sexta 19h00min às 20h30min. 1º Aula

Turma Sábado 10:00. Turma Sexta 19h00min às 20h30min. 1º Aula Turma Sábado 10:00 1º Aula 1. Inicie as aulas com esta turma dia 04/02/2012, ao qual segundo levantamento dos professores anteriores esta adiantada sendo a ultima aula administrada de formatação e instalação

Leia mais

Assunto Backup Aula 6

Assunto Backup Aula 6 Assunto Backup Aula 6 Backup Cópia de Segurança O termo da informática backup vem do inglês. Mesmo sem uma tradução específica, a expressão americana tornou-se popular no Brasil, mas bem conhecidas mesmo

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Conceitos básicos de informática O que é informática? Informática pode ser considerada como significando informação automática, ou seja, a utilização de métodos

Leia mais

Antes de realizar o backup dos dados é importante anotar as configurações básicas do computador.

Antes de realizar o backup dos dados é importante anotar as configurações básicas do computador. 1. OBJETIVO Descrever o processo de realização de Backup feito pelos que trabalham na Seção de Laboratório. 2. REFERÊNCIAS NBR ISO 9000:2005 Fundamentos e Vocabulários NBR ISO 9001:2008 Requisitos NBR

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO NOÇÕES EM GESTÃO E PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

CURSO DE CAPACITAÇÃO NOÇÕES EM GESTÃO E PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS PAU DOS FERROS COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS CURSO DE CAPACITAÇÃO NOÇÕES

Leia mais

MANUAL DE SOLICITAÇÃO DE MATERIAL DE CONSUMO E PERMANENTE. Analisado por: Diretor de Patrimônio e Material (DEPAM)

MANUAL DE SOLICITAÇÃO DE MATERIAL DE CONSUMO E PERMANENTE. Analisado por: Diretor de Patrimônio e Material (DEPAM) Proposto por: Divisão de Almoxarifado (DIALM) Analisado por: Diretor de Patrimônio e Material (DEPAM) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral de Logística (DGLOG) Este MANUAL tem por objetivo orientar

Leia mais

PETROBRAS. Pallavra Certa. Mídia Eletrônica para web. PGUN - Hotsite Intranet. Campanha Segurança da Informação - Email Marketing

PETROBRAS. Pallavra Certa. Mídia Eletrônica para web. PGUN - Hotsite Intranet. Campanha Segurança da Informação - Email Marketing PORTFOLIO DE PEÇAS ELETRÔNICAS 2011 Pallavra Certa Mídia Eletrônica para web A Pallavra Certa reconhece a importância dos meios eletrônicos na comunicação de uma empresa e, a cada dia, procura se aprofundar

Leia mais

Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas. Grupo de Estudos / 2012

Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas. Grupo de Estudos / 2012 Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas Grupo de Estudos / 2012 Gestão de Bibliotecas Públicas com ênfase em Qualidade Unidades Gerenciais Básicas UGB Biblioteca Municipal Dr. Abelardo de Cerqueira César

Leia mais

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário MANUAL DO USUÁRIO 2 ÍNDICE 1. PRÉ REQUISITOS PARA UTILIZAÇÃO DO SIGEP WEB 04 2. PROCEDIMENTOS PARA DOWNLOAD DO SISTEMA 04 3. INSTALANDO O SIGEP WEB 07 4. CONFIGURAÇÕES DO SISTEMA 09 COMPARTILHANDO O BANCO

Leia mais

15/8/2007 Gerencia de Tecnologia da Informação Claudia M.S. Tomaz

15/8/2007 Gerencia de Tecnologia da Informação Claudia M.S. Tomaz 15/8/2007 Gerencia de Tecnologia da Informação Claudia M.S. Tomaz MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO WEBMAIL GETEC 01 2/13 Como acessar o Webmail da Secretaria de Educação? Para utilizar o Webmail da Secretaria de

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 1. DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO 1.1 O Laboratório de informática pode ser utilizado das 7:30 às 22:30

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais

ESCOLA SENAI MARIO AMATO EQUIPE DE QUALIDADE AMBIENTAL PROGRAMA AMBIENTAL 4: CONTROLE E REDUÇÃO DO USO DE RECURSOS NATURAIS

ESCOLA SENAI MARIO AMATO EQUIPE DE QUALIDADE AMBIENTAL PROGRAMA AMBIENTAL 4: CONTROLE E REDUÇÃO DO USO DE RECURSOS NATURAIS ESCOLA SENAI MARIO AMATO EQUIPE DE QUALIDADE AMBIENTAL PROGRAMA AMBIENTAL 4: CONTROLE E REDUÇÃO DO USO DE RECURSOS NATURAIS Resultados do Subprograma PR 04.30: Redução do Consumo de Papel 2010 São Bernardo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 1786/2015 - Quinta-feira, 06 de Agosto de 2015 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região 1 FL. 2 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS GUIA DE BOAS PRÁTICAS Sumário Requisitos para um bom funcionamento...3 Menu Configurações...7 Como otimizar o uso da sua cota...10 Monitorando o backup...8 Manutenção de arquivos...12 www.upbackup.com.br

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/SGP Nº 034/2012 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e

PORTARIA TRT 18ª GP/SGP Nº 034/2012 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e PORTARIA TRT 18ª GP/SGP Nº 034/2012 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regulamentares, e tendo em vista o que consta do Processo

Leia mais