AUTOMAÇÃO DE AVIÁRIO UTILIZANDO A PLATAFORMA ARDUINO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUTOMAÇÃO DE AVIÁRIO UTILIZANDO A PLATAFORMA ARDUINO"

Transcrição

1 AUTOMAÇÃO DE AVIÁRIO UTILIZANDO A PLATAFORMA ARDUINO Paulo Sergio Mattos Périgo¹, Bruno Fernando Serrano¹, Wyllian Fressati¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Resumo: Com o grande crescimento no setor de aviários e a exigência do mercado em qualidade no produto final. Veremos no decorrer do trabalho como utilizar componentes existentes na eletrônica e fazendo uso da plataforma Arduino para criar uma solução para a automação climática de estufas. O dispositivo desenvolvido apresenta uma melhora significativa na qualidade do produto e uma redução de energia. 1. Introdução Com o crescimento e o rápido avanço da tecnologia, as atividades exercidas de forma manual por colaboradores da zona rural, estão a cada dia que passa sendo menos utilizadas, sendo elas substituídas por soluções automatizadas. Isso está se tornando realidade graças ao baixo custo e os resultados que podem ser obtidos com a utilização da tecnologia, onde nos permite aplicar em diversas áreas independentes do ramo de atividade a ser desempenhada. Podemos destacar entre os mais diversos ramos de atividades a avicultura, sendo ela responsável pela criação de aves para produção de alimentos, como ovos e carne, setor esse que faz uso da tecnologia presente atualmente. A Avicultura vem se tornando a cada dia, mais desenvolvida e com alto índice de crescimento, mais os resultados do setor depende de diversos fatores, entre eles o manejo e a acomodação das aves [Santos, 2014]. Um dos recursos utilizados para a acomodação e manejo de forma adequada dos animais são as estufas, tendo como característica principal manter os animais protegidos de temperatura ou qualquer variação climática que possam afetar a produção, dando prioridade na qualidade final do produto apresentando assim maior lucro. Mais para que as estufas trabalhem em temperaturas adequadas se faz necessário a utilização de recursos para que independente da estação climática a temperatura e a umidade do ar sejam sempre as mais adequadas. Para que possa obter tais resultados é feito uso de ventiladores, climatizadores e aquecedores, tendo a variação de tamanhos e potências conforme a necessidade da estufa. Atualmente o processo de controle de temperatura e umidade e feito de forma manual, sendo necessário um operador para monitorar as temperaturas e os acionamentos dos dispositivos que fazem à adequação do ambiente a temperatura e

2 umidade adequada, visto que o custo de uma solução automatizada exigem investimentos sendo eles de alto custo. Matuchaki [2011] afirma que o processo de controle climático manual tenha resultados satisfatórios é necessário esforço e atenção do responsável pela operação dos equipamentos, sendo necessária em alguns casos a presença de duas ou mais pessoas para execução da tarefa. Com o intuito de utilizar recursos de baixo custo e fazendo uso da plataforma Arduino tendo sua vantagem na compatibilidade com diversos componentes existentes propondo assim desenvolver uma solução que atenda as necessidades encontradas sendo elas o controle de forma automática da temperatura e umidade do ar e também a economia de energia. 2. Metodologia Para o desenvolvimento do trabalho foi realizado um levantamento de informações sobre a área de atuação para a descoberta das necessidades do ramo de negócio, recursos e capacidade disponíveis na plataforma Arduino, informações essas coletadas através de artigos científicos, revisões bibliográficas e publicações através da internet. 3. Desenvolvimento 3.1 Arduino Arduino pode ser definido como um computador que tem a possibilidade de controlar diversas características em nosso mundo físico, a plataforma tem o critério de ser opensorce ter baixo custo e de tamanho reduzido, diferente dos computadores pessoais nos quais tem preço elevado e tamanho desfavoráveis em alguns projetos. [Arduino, 2014] Mcroberts [2011] afirma que a plataforma Arduino pode ser descrita como um computador de pequeno porte permitindo ser programado, possibilitando o controle de componentes externos que de alguma forma estejam conectados a ela conhecida também como plataforma embarcada, permitindo assim ter total interação com o ambiente através de software e hardware, a plataforma Arduino tem a vantagem de ser conectado a uma rede local ou até mesmo a internet fazendo o uso de shields (escudos) tornando possível o recebimento e envio de informações qualquer lugar que haja uma conexão. Uma das principais características da plataforma são suas variações, nas quais possibilitam a utilização de cada variação a determinada necessidade de aplicação, sendo variadas em tamanhos, portas de entrada e saídas e até mesmo capacidade de processamento, uma das principais variações é o modelo UNO.

3 Figura 1 - Arduino UNO Fonte: < O Arduino UNO faz uso do micro controlador ATmega328, disponibilizando um total de 14 portas digitais de entrada e saída, 6 portas analógicas as quais permitem a leitura de sensores. [Arduino, 2014] 3.2 Sensores Sensores são dispositivos que permitem o contato de circuitos eletrônicos com variações externas que possam ocorrer em nosso mundo real. Fornecendo valores que possam ser uteis para tomar decisões pré-definidas. Uma das características do sensores é ser sensível suficientemente para sentir variações térmicas, ou até mesmo luminosas. Para que essas informações possam ser manipuladas é necessário a utilização de um sistema de controle que possa fazer a manipulação dos sinais coletados, processando assim através de um controlador [Wendling, 2014]. Entre os mais diversos sensores podemos salientar o modelo DHT11. O modelo permite coletar informações tanto de temperatura como de umidade. Uma das vantagens em utilizar o modelo DHT11 é a sua grande capacidade de permitir a utilização em diversas aplicações, podendo ser um simples controle de temperatura ou até mesmo em uma estação meteorológica. O modelo permite a transmissão de dados a longas distancias e uma calibração precisa, possibilitando uma maior confiabilidade nos dados coletados. Figura 2 - Sensor DHT11 Fonte: <

4 3.3 Implementação O projeto proposto faz uso de quatro sensores DHT11, distribuídos estrategicamente em toda a estufa, permitindo uma maior precisão das informações coletas. Após ser coletadas as informações a plataforma Arduino disponibilizará em um display de LCD a temperatura e umidade média de todo o ambiente. A aplicação ira permitir o controle de temperatura e umidade adequada para cada faze da vida dos animais, através de um menu interativo, controlado através de 4 botões disponíveis em uma painel físico e robusto. Além do projeto permitir o controle climático do ambiente o mesmo proporcionara uma economia de energia, haja visto que os equipamentos de aquecimento, ventilação e climatização só serão acionados se realmente houver a necessidade. Figura 3 - Ilustração do projeto 4. Considerações finais Apesar da plataforma Arduino, modelo UNO escolhida, possuir pouco processamento a relação custo benéfico se destaca e atende as necessidades encontradas para concluir o projeto. Também é possível destacar a fácil utilização da linguagem utilizada para programação da plataforma. Uma das vantagens encontradas na utilização do projeto é a economia de energia concebida através dos acionamentos automáticos. Os equipamentos acoplados a aplicação, só serão acionados se realmente houver a necessidade, resultando em uma rica economia de energia e aumentando até mesmo na vida útil dos equipamentos. Com os resultados obtidos na automação e na economia de energia é possível aumentar a qualidade e reduzir o custo do produto. 5.Referências: SANTOS, Diego Chiaveli. (2014) Protótipo para o controle da temperatura de um aviário utilizando Arduino. MATUCHAKI, Graziel. (2011) Projeto de um sistema de climatização de aviário.

5 ARDUINO. (2014) O que é Arduino. Disponível em: < Acessado em: 10 de agosto de MCROBERTS, Michael. (2011) Arduino básico. Tradução Rafael Zanolli. São Paulo: Novatec.

DESENVOLVIMENTO DE PROTÓTIPO AUTOMATIZADO PARA O CULTIVO PROTEGIDO DE HORTALIÇAS. Ituporanga/SC

DESENVOLVIMENTO DE PROTÓTIPO AUTOMATIZADO PARA O CULTIVO PROTEGIDO DE HORTALIÇAS. Ituporanga/SC DESENVOLVIMENTO DE PROTÓTIPO AUTOMATIZADO PARA O CULTIVO PROTEGIDO DE HORTALIÇAS Carvalho, Renon Steinbach 1 ; Hoffmann, Ane Fernanda 2 ; Fiamoncini, Gabriel 3 ; Neto, João Vieira 4 1,2,3 Instituto Federal

Leia mais

CURSO DE ROBÓTICA PARA ENSINO MÉDIO

CURSO DE ROBÓTICA PARA ENSINO MÉDIO CURSO DE ROBÓTICA PARA ENSINO MÉDIO Autor (1): José Torres Coura Neto; Co-autor (2): Fernando Costa Fernandes Gomes; Orientador (3): Euler Cássio Tavares de Macêdo (1) Universidade Federal da Paraíba,

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controle de Processos

Fundamentos de Automação. Controle de Processos Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controle

Leia mais

Sistema Shaftless para Máquinas Gráficas

Sistema Shaftless para Máquinas Gráficas Sistema Shaftless para Máquinas Gráficas Seguindo uma tendência mundial no segmento da indústria gráfica, a Yaskawa desenvolve no Brasil o primeiro sistema Shaftless Servoacionado. O termo Shaftless em

Leia mais

ARDUINO E RASPBERRY PI : UMA COMPARAÇÃO DE ESPECIFICAÇÕES E APLICAÇÕES DE MINICOMPUTADORES

ARDUINO E RASPBERRY PI : UMA COMPARAÇÃO DE ESPECIFICAÇÕES E APLICAÇÕES DE MINICOMPUTADORES ARDUINO E RASPBERRY PI : UMA COMPARAÇÃO DE ESPECIFICAÇÕES E APLICAÇÕES DE MINICOMPUTADORES Autores : Eduarda Botelho FRUTUOSO, Gabriel dos Reis PEREIRA, Vanderlei FREITAS JUNIOR. Identificação autores:

Leia mais

Arduino Básico Michael McRoberts

Arduino Básico Michael McRoberts Arduino Básico Michael McRoberts Novatec Original English language edition published by Apress Inc., Copyright 2010 by Apress, Inc.. Portuguese-language edition for Brazil copyright 2011 by Novatec Editora.

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de irrigação automático

Desenvolvimento de um sistema de irrigação automático Desenvolvimento de um sistema de irrigação automático Orientador: Rodrigo Grassi Martins Coorientador: Rodrigo do Prado Costa Alunos: Daruick Fagundes da Silva Cunha Gabriel Resende Miranda Marcossuel

Leia mais

CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ASSOCIADO A UM INVERSOR DE FREQUÊNCIA

CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ASSOCIADO A UM INVERSOR DE FREQUÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIENCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA LEMA LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA E CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

Leia mais

hardware software software computador microcontrolador hardware sensores sistema de controle de malha fechada.

hardware software software computador microcontrolador hardware sensores sistema de controle de malha fechada. Sistema de Controle O sistema de controle de qualquer robô é realizado por meio de hardware e software. Este sistema processa os sinais de entrada e converte estes sinais em uma ação ao qual foi programado.

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE TEMPERATURA RESULTADOS PRÁTICOS

SISTEMA DE CONTROLE DE TEMPERATURA RESULTADOS PRÁTICOS SISTEMA DE CONTROLE DE TEMPERATURA RESULTADOS PRÁTICOS Jung, Felipe 1 ; Padilha, Marina 1 ; Souza, Otávio Rafael de 1 ; Balan, Renan Jr. 1 ; Fiorin, Marcos 2 ; Dequigiovani, Tiago 2 1,2 Instituto Federal

Leia mais

Gestão de Energia pelo Lado da Demanda

Gestão de Energia pelo Lado da Demanda Gestão de Energia pelo Lado da Demanda A participação do Consumo na Gestão Energética Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores Vitória, 27 de novembro de 2015 Marco Antonio Siqueira Necessária maior

Leia mais

Sensores e sua Utilização: História e Definições

Sensores e sua Utilização: História e Definições Sensores e sua Utilização: História e Definições Objetivos: O que é um sensor? Funções de um sensor Desenvolvimento Sistemas de controle Sensores inteligentes O que é um sensor? Definições: i Sensor: Equipamento

Leia mais

Relé de Proteção Térmica EP4 - SLIM ANSI 23/ 26/49. Catalogo. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6

Relé de Proteção Térmica EP4 - SLIM ANSI 23/ 26/49. Catalogo. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 Catalogo ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 Relé de Proteção Térmica EP4 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRINCIPAIS CARACTERISTICAS... 3 DADOS TÉCNICOS... 4 ENSAIOS DE TIPO ATENDIDOS... 4 DIMENSÕES...

Leia mais

Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 -

Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para

Leia mais

Edição Controladores para Aquecimento

Edição Controladores para Aquecimento Edição 2016 Controladores para Aquecimento Controlador Lógico para Aquecimento Conjugado O Controlador Lógico para Aquecimento Conjugado (CLAC) foi desenvolvido para o controle de sistemas de aquecimento

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 05 Introdução ao CLP Profª Danielle Casillo CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL -CLP 2 CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE ESTUFAS AGRÍCOLAS. 1. Introdução. 2. Estufas Agrícolas. Automação de estufas agrícolas. Ronaldo Tadeu Murguero Junior

AUTOMAÇÃO DE ESTUFAS AGRÍCOLAS. 1. Introdução. 2. Estufas Agrícolas. Automação de estufas agrícolas. Ronaldo Tadeu Murguero Junior AUTOMAÇÃO DE ESTUFAS AGRÍCOLAS Ronaldo Tadeu Murguero Junior 1. Introdução A utilização de estufas no plantio vem crescendo a cada ano, pois através da utilização de estufas consegue-se ter um controle

Leia mais

Manufatura por FMS e CIM

Manufatura por FMS e CIM Campus Divinópolis Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica. Grupo 06 Manufatura por FMS e CIM Felipe Wagner Guilherme Henrique Gabriel Aparecido Renan 1º PERIODO ENGENHARIA MECATRÔNICA

Leia mais

O desafio: Desenvolver um analisador de segurança elétrica e desempenho para avaliação de marcapassos cardíacos externos e implantáveis.

O desafio: Desenvolver um analisador de segurança elétrica e desempenho para avaliação de marcapassos cardíacos externos e implantáveis. Analisador de marcapassos cardíacos "Com as condições ilustradas foi possível perceber que o programa desenvolvido em plataforma LabVIEW, com auxílio da interface para entrada e saída de sinais analógicos

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO

INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO Título do Trabalho: Desenvolvimento de Módulo Didático para a Utilização em Plataforma Arduino Autor (es): Marielle Jordane da Silva, Corina Fonseca de Carvalho Macedo, Deborah

Leia mais

ARDUINO BÁSICO E T A P A 1 O QUE É ARDUINO? Prof. Amadeu Zanon Neto

ARDUINO BÁSICO E T A P A 1 O QUE É ARDUINO? Prof. Amadeu Zanon Neto E T A P A 1 O QUE É ARDUINO? Segundo o site WIKIPEDIA, Arduino é: É um microcontrolador de placa única e um conjunto de software para programá lo. O hardware consiste em um projeto simples de hardware

Leia mais

Montagem e Manutenção de Computadores

Montagem e Manutenção de Computadores Montagem e Manutenção de Computadores Organização dos Computadores Aula de 04/03/2016 Professor Alessandro Carneiro Introdução Um computador consiste de vários dispositivos referidos como hardware: o teclado,

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia

DIGIMAN. WTB Tecnologia DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Equipamentos WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Equipamentos da Solução CANETA DIGITAL e APARELHO CELULAR A integração do DIGIMAN com a Caneta Digital Anoto e um aparelho

Leia mais

AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS

AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS Prof. Fabricia Neres Tipos de Acionamento Os acionadores são dispositivos responsáveis pelo movimento nos atuadores. Podem ser classificados em: Acionamento Elétrico; Acionamento

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM ELETRÔNICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM ELETRÔNICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM ELETRÔNICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DC 4018 09/10/13 Rev. 01 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 324 de 21/11/2006, Decreto 4.945 Publicado D.O 18.018 de 04/12/2006.

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Acesso sem fio Existem diversos tipos de acesso sem fio [1], dependendo do tipo de aplicação implementada. Sistemas sem fios podem ser usados de forma a permitir mobilidade ao

Leia mais

P ODER J U D I C IÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO

P ODER J U D I C IÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO QUESTIONAMENTO 1 Referência: PREGÃO ELETRÔNICO 003/2012 Objeto: Registro de preços para aquisição de lousa interativa de 87 polegadas com projeção integrada e sistema de áudio. Abaixo as respostas aos

Leia mais

Controle de Automação para Aviários

Controle de Automação para Aviários Controle de Automação para Aviários José Marques Martinelli, Robert Bruno Pereira 2, Alderico Rodrigues de Paula Jr 3 Univap/FEAU, Rua João Fonseca dos Santos, 9, jmmartinelli@itelefonica.com.br 2 Univap/FEAU,

Leia mais

Arquitetura de sistemas distribuídos

Arquitetura de sistemas distribuídos Arquitetura de sistemas distribuídos 1. Evolução da computação 1.1 Computação centralizada mainframe 1.2 Microcomputadores e redes de computadores 1.3 Sistemas distribuidos 1 Visão geral Na década de 1950:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS MODERNAS PARA CADASTRAMENTO DAS FAMÍLIAS DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE COARI

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS MODERNAS PARA CADASTRAMENTO DAS FAMÍLIAS DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE COARI UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS MODERNAS PARA CADASTRAMENTO DAS FAMÍLIAS DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE COARI Adrya da Silva Neres 1 Elionai de Souza Magalhães 2 1 Discente do Curso Técnico Integrado

Leia mais

Supervisor de Monitoramento e Diagnóstico de Sensores aplicado a um Sistema Experimental

Supervisor de Monitoramento e Diagnóstico de Sensores aplicado a um Sistema Experimental Supervisor de Monitoramento e Diagnóstico de Sensores aplicado a um Sistema Experimental "Este trabalho se propõe a desenvolver um sistema experimental que englobe todas as funcionalidades de uma planta

Leia mais

Sistemas Embarcados. Projeto de Sistemas Embarcados

Sistemas Embarcados. Projeto de Sistemas Embarcados Sistemas Embarcados Projeto de Sistemas Embarcados Projeto de Sistemas Embarcados Identificação do problema Identificação da melhor tecnologia para a solução do problema Elaboração de um modelo de arquitetura

Leia mais

Nobreaks. Smart-UPS C. Proteção e disponibilidade para aplicações críticas.

Nobreaks. Smart-UPS C. Proteção e disponibilidade para aplicações críticas. Nobreaks Smart-UPS C Proteção e disponibilidade para aplicações críticas. APC Smart-UPS C Proteção inteligente e eficiente de energia, ideal para servidores, pontos de venda e equipamentos de rede. Design

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES DE ENERGIA 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES DE ENERGIA 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES DE ENERGIA 1 Antonio Carlos Catani Neto 2, Guilherme Fabrin Franco 3, Paulo Sérgio Sausen 4. 1 Projeto de Iniciação Científica, realizado

Leia mais

AULA: Introdução à Informática I

AULA: Introdução à Informática I Campus Muriaé Professor: Luciano Gonçalves Moreir Disciplina: Informática Aplicada I AULA: Introdução à Informática I O que é Informática? Pode dizer-se que informática é ciência que estuda o processamento

Leia mais

Problemas típicos com a indicação de posição em válvulas de acionamento manual Eduardo de Oliveira 1

Problemas típicos com a indicação de posição em válvulas de acionamento manual Eduardo de Oliveira 1 Problemas típicos com a indicação de posição em válvulas de acionamento manual Eduardo de Oliveira 1 Assunto O presente artigo tem por objetivo descrever os problemas típicos para proceder à indicação

Leia mais

Projectores AEGIS da Bosch Iluminação de Segurança

Projectores AEGIS da Bosch Iluminação de Segurança Projectores AEGIS da Bosch Iluminação de Segurança 2 Projectores AEGIS Projectores AEGIS Iluminação de Segurança A tecnologia de luz constante com patente pendente compensa a degradação dos LEDs. A tecnologia

Leia mais

Áreas de aplicação das TIC

Áreas de aplicação das TIC Informação 7 Áreas de aplicação das TIC Unidade 1 A informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias As áreas de aplicação das TIC podem ser agregadas em três categorias: Controlo e Automação Comunicação

Leia mais

Estudo da placa de prototipagem Intel Galileo Gen2. Apostila de acompanhamento para o aluno.

Estudo da placa de prototipagem Intel Galileo Gen2. Apostila de acompanhamento para o aluno. Estudo da placa de prototipagem Intel Galileo Gen2 Apostila de acompanhamento para o aluno. 1 Conteúdo Conteúdo... 2 1. Introdução... 3 2. Informações Gerais... 3 3. Componentes da Placa... 4 4. Especificações

Leia mais

4 Arquitetura Adotada

4 Arquitetura Adotada 4 Arquitetura Adotada Neste trabalho foi desenvolvido um sistema para a inspeção de dutos de óleo, gás e outros fluidos. Este sistema está sendo usado em inspeções que utilizam como ferramenta de inspeção

Leia mais

Sistema de Informação

Sistema de Informação Sistema de Informação TCC em Re vista 2009 125 LOTTE, Rodolfo Georjute. Aprendizado conexionista em um sistema de busca por imagens. 2009. 104 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Sistemas

Leia mais

SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS

SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS BROCHURE VENTURES SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS O DESAFIO DO CONTROLE DE EQUIPAMENTOS MÓVEIS Com o desafio econômico atual e a alta concorrência,

Leia mais

Bruno Ribeiro da Silva. A adaptação de um sistema operacional para a execução em uma diferente arquitetura

Bruno Ribeiro da Silva. A adaptação de um sistema operacional para a execução em uma diferente arquitetura Bruno Ribeiro da Silva A adaptação de um sistema operacional para a execução em uma diferente arquitetura Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, Fevereiro de 2007 1 Bruno Ribeiro da Silva

Leia mais

Sistemas de Automação em Dark House para Ambiência de Frango de Corte. Workshop Embrapa Suínos e Aves Eng Agrícola Paulo Verdi.

Sistemas de Automação em Dark House para Ambiência de Frango de Corte. Workshop Embrapa Suínos e Aves Eng Agrícola Paulo Verdi. Sistemas de Automação em Dark House para Ambiência de Frango de Corte Workshop Embrapa Suínos e Aves Eng Agrícola Paulo Verdi. 1 Dark House BRASIL... Como ocorreu a nossa Evolução Histórica DÉCADA DE 90:

Leia mais

Arduíno: Uma possibilidade de integração com o gvsig

Arduíno: Uma possibilidade de integração com o gvsig Arduíno: Uma possibilidade de integração com o gvsig Gilberto Cugler1 Eduardo Nardine Gomes2 Vilmar Antonio Rodrigues2 1- Bel em Matemática, técnico em Geoprocessamento e Aerofotogrametria. 2-Professor

Leia mais

SAFETY Tecnologia de Safety Passivo

SAFETY Tecnologia de Safety Passivo SAFETY Tecnologia de Safety Passivo Fiação SAFETY MVK Metálico Cube67 MASI67 / MASI68 02 O MÓDULO SAFETY Combinados de forma inteligente, módulos de rede de campo e saídas seguras de acordo com as exigências

Leia mais

ELETRONICA DIGITAL. Aula 01 Apresentação da disciplina; Representação Digital x Analógica. Prof. Franklin Alves 1

ELETRONICA DIGITAL. Aula 01 Apresentação da disciplina; Representação Digital x Analógica. Prof. Franklin Alves 1 ELETRONICA DIGITAL Aula 01 Apresentação da disciplina; Representação Digital x Analógica. Prof. Franklin Alves 1 Objetivo Entender os conceitos fundamentais de lógica digital. Estudo de Sistemas Digitais

Leia mais

PAINEL ELETRÔNICO DE MENSAGENS MANUAL DE OPERAÇÃO

PAINEL ELETRÔNICO DE MENSAGENS MANUAL DE OPERAÇÃO PAINEL ELETRÔNICO DE MENSAGENS MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. DESCRIÇÃO DO PAINEL 3. CONEXÃO 4. OPERAÇÃO 5. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 5.1. Instalando o software de configuração 5.2. Iniciando

Leia mais

Aula 1: A Evolução dos Sistemas Computacionais

Aula 1: A Evolução dos Sistemas Computacionais Aula 1: A Evolução dos Sistemas Computacionais O primeiro computador digital foi projetado pelo matemático Charles Babbage (1792-1871). Embora Babbage tenha dispendido muito de sua vida e de sua fortuna

Leia mais

Visualização de processos e manutenção baseada no estado na unidade de tratamento de águas residuais de Warendorf

Visualização de processos e manutenção baseada no estado na unidade de tratamento de águas residuais de Warendorf Visualização de processos e manutenção baseada no estado na unidade de tratamento de águas residuais de Warendorf PHOENIX CONTACT Ind. Com. Ltda. Rua Francisco Corazza, 20 a 100 Pq. Residencial da Lapa

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Samarone Ruas

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Samarone Ruas EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Samarone Ruas 1 Introdução O aumento dos preços da energia, a consciência ambiental e o número crescente de regulamentações, têm levado as pessoas do mundo da indústria a cada vez

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE TELECOMUNICAÇÕES: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE TELECOMUNICAÇÕES: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE TELECOMUNICAÇÕES: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DC 4014 08/10/13 Rev. 02 1.Dados Legais Autorizado pelo Parecer 324 de 21/11/2006,

Leia mais

S12 - Software e Engenharia de Software

S12 - Software e Engenharia de Software S12 - Software e Engenharia de Software ENGENHARIA DE SOFTWARE PRESSMAN, 2011 Gilberto Wolff UTFPR Introdução Introdução Introdução Introdução Busquem respostas para: 1. Há diferença entre Software e Programa?

Leia mais

TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA CANETAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA CANETAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA CANETAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

Sistema de acesso a dispositivos eletrônicos através da TV Digital interativa. Aluno: Rodrigo Brüning Wessler Orientador: Francisco Adell Péricas

Sistema de acesso a dispositivos eletrônicos através da TV Digital interativa. Aluno: Rodrigo Brüning Wessler Orientador: Francisco Adell Péricas Sistema de acesso a dispositivos eletrônicos através da TV Digital interativa Aluno: Rodrigo Brüning Wessler Orientador: Francisco Adell Péricas Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos Fundamentação

Leia mais

Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WSMIO2DI2DO

Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WSMIO2DI2DO Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos Manual CP-WS1 Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WSMIO2DI2DO PROXSYS Versão 1.3 Abril -2015 Controlador Industrial CP-WS1 1- Configurações

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO KIT CPLD_EE01

APRESENTAÇÃO DO KIT CPLD_EE01 APRESENTAÇÃO DO KIT CPLD_EE01 O kit CPLD_EE01 foi desenvolvido para alunos de cursos técnicos, engenharia e desenvolvedores na área de circuitos digitais, o mesmo conta com alguns módulos que podem ser

Leia mais

INVERSORES DE FREQÜÊNCIA

INVERSORES DE FREQÜÊNCIA INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 1. INTRODUÇÃO A eletrônica de potência, com o passar do tempo, vem tornando mais fácil (e mais barato) o acionamento em velocidade variável de motores elétricos. Com isto, sistemas

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR Lei Federal n o 9394/96 Decreto Federal n o 5154/04 Resolução CNE n o 3/2002. LEGISLAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI SUÍÇO-BRASILEIRA PAULO ERNESTO TOLLE ESTRUTURA CURRICULAR A estrutura do Curso Superior

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

CONTEÚDOS CURRICULARES

CONTEÚDOS CURRICULARES CONTEÚDOS CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES PROCESSOS DE FABRICAÇÃO RESUMO DE CONTEÚDOS Processos de Usinagem em Máquinas Operatrizes, Usinagem a CNC, Ferramentas e Técnicas para Usinagem com Precisão,

Leia mais

KIT DIDÁTIDO MOCK UP MOTOR DIESEL

KIT DIDÁTIDO MOCK UP MOTOR DIESEL KIT DIDÁTIDO MOCK UP MOTOR DIESEL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS/DESCRIÇÃO A bancada didática para treinamento em motores de combustão interna do tipo ciclo diesel (motor vivo) tem como objetivo auxiliar as aulas

Leia mais

Proposta e desenvolvimento de um sistema de controle de baixo custo para irrigação automatizada

Proposta e desenvolvimento de um sistema de controle de baixo custo para irrigação automatizada II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG - Campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009 Proposta e desenvolvimento de um sistema de controle de baixo custo para irrigação automatizada

Leia mais

Controle a Distância de um Barco com Arduino+Bluetooth

Controle a Distância de um Barco com Arduino+Bluetooth Controle a Distância de um Barco com Arduino+Bluetooth Wagner Y. Nishi [Voluntário PIBIC/UTFPR], Marcio Mendonça [orientador] Coordenação de Engenharia Elétrica Campus Cornélio Procópio Universidade Tecnológica

Leia mais

Desenvolvimento com a placa Altera DE1 Prof. Rodrigo de Paula Rodrigues

Desenvolvimento com a placa Altera DE1 Prof. Rodrigo de Paula Rodrigues UNIFEI Universidade Federal de Itajubá IESTI - Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologia da Informação ELT029/ELT041/ELT512 Laboratórios de Eletrônica Digital I e Eletrônica Digital II Desenvolvimento

Leia mais

Redes para Automação Industrial. Capítulo 1: Automação Industrial. Luiz Affonso Guedes 2006

Redes para Automação Industrial. Capítulo 1: Automação Industrial. Luiz Affonso Guedes 2006 Redes para Automação Industrial Capítulo 1: Automação Industrial Luiz Affonso Guedes affonso@dca.ufrn.br 2006 Objetivos do Capítulo Estudo sistêmico de sistemas de automação industrial. Caracterização

Leia mais

MANUAL DE TREINAMENTO

MANUAL DE TREINAMENTO MANUAL DE TREINAMENTO 1- Diagrama de cabos AUX GPS LIGTHBAR POWER CABO Swath Advance CABO POWER 10 1 30 volts DC CABO GPS Recaptor- Antena CABO Sprey on/off Chave CABO BARRA DE LUZES 2- Precauções e cuidados

Leia mais

Sistema de Telemetria Automotiva com Data Logger Incorporado Via LabVIEW

Sistema de Telemetria Automotiva com Data Logger Incorporado Via LabVIEW Sistema de Telemetria Automotiva com Data Logger Incorporado Via LabVIEW "O meio mais prático e acessível encontrado para tornar possível a telemetria para fins didáticos é a utilização do programa LabVIEW

Leia mais

2. INSTRUMENTOS, PADRÕES E ACESSÓRIOS UTILIZADOS NA CALIBRAÇÃO

2. INSTRUMENTOS, PADRÕES E ACESSÓRIOS UTILIZADOS NA CALIBRAÇÃO 2. INSTRUMENTOS, PADRÕES E ACESSÓRIOS UTILIZADOS NA CALIBRAÇÃO Neste capítulo, estão descritos todos os instrumentos, padrões e acessórios utilizados no procedimento de calibração do multímetro da dissertação

Leia mais

Centros de Distribuição e Movimentação Física: (ler capítulo 9 do livro Administração de Materiais, de Paulo Sérgio Gonçalves, Ed.

Centros de Distribuição e Movimentação Física: (ler capítulo 9 do livro Administração de Materiais, de Paulo Sérgio Gonçalves, Ed. Nesta aula você verá: O que é um centro de distribuição; As principais funções de um centro de distribuição; Os equipamentos destinados à movimentação, à armazenagem e à transporte de materiais; Sistemas

Leia mais

Integração do Arduíno com Elipse Scada para aplicações de força

Integração do Arduíno com Elipse Scada para aplicações de força Integração do Arduíno com Elipse Scada para aplicações de força Com intuito obter uma ferramenta visual para demonstrar as forças exercidas em um sensor de força resistivo. Foi integrado o Arduíno a um

Leia mais

HARDWARES. mais usados para o. CONTROLE de ACESSO

HARDWARES. mais usados para o. CONTROLE de ACESSO HARDWARES mais usados para o CONTROLE de ACESSO HARDWARES de ACESSO Leitores Portas Internas Acessórios para Cadastramento Leitor de Identificação Scanner de documentos WebCam para fotografias Fechaduras

Leia mais

BOMBAS VELOCIDADE VARIÁVEL. Gamas Bombas

BOMBAS VELOCIDADE VARIÁVEL. Gamas Bombas BOMBAS BOMBAS VELOCIDADE VARIÁVEL Super Pump VS Tristar VST Intelliflo Davey Gamas Bombas VANTAGENS Ao contrário de uma bomba de velocidade normal, a bomba de velocidade variável ajusta a sua velocidade

Leia mais

Arduino Lab 06 Leitura de um sensor de temperatura do tipo NTC com o Arduino

Arduino Lab 06 Leitura de um sensor de temperatura do tipo NTC com o Arduino Arduino Lab 06 Leitura de um sensor de temperatura do tipo NTC com o Arduino Imagem montagem Resumo Neste Lab trataremos da leitura de temperatura utilizando um sensor do tipo NTC (Negative Temperature

Leia mais

Redes wireless PRO. WiseFi. Software de gerenciamento centralizado. Características

Redes wireless PRO. WiseFi. Software de gerenciamento centralizado. Características Redes wireless PRO Software de gerenciamento centralizado WiseFi DOWNLOAD GRATUITO O WiseFi é um software de gerenciamento de Access Points Intelbras, desenvolvido para sistemas de redes corporativas em

Leia mais

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 3ª Reunião do GIC Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 Acionamento de motores elétricos em sistemas de irrigação via Inversor de Frequência e Qualidade na Aplicação e Operação de Sistema Carretel

Leia mais

Noções sobre Redes de Computadores. Aula 16/06 Secretariado Executivo

Noções sobre Redes de Computadores. Aula 16/06 Secretariado Executivo Noções sobre Redes de Computadores Aula 16/06 Secretariado Executivo Conceito básico de redes Conjunto de computadores interligados compartilhando, softwares, arquivos e periféricos Objetivos Compartilhamento

Leia mais

Estudo do Ambiente de Programação Arduino Software (IDE) com Intel Galileo Gen2. Apostila de acompanhamento para o aluno.

Estudo do Ambiente de Programação Arduino Software (IDE) com Intel Galileo Gen2. Apostila de acompanhamento para o aluno. Estudo do Ambiente de Programação Arduino Software (IDE) com Intel Galileo Gen2 Apostila de acompanhamento para o aluno. 1 Conteúdo Conteúdo... 2 1. Introdução... 3 2. Informações Gerais... 3 3. Sketches...

Leia mais

ARDUINO. Profº. Engº. Robson Dias Ramalho

ARDUINO. Profº. Engº. Robson Dias Ramalho ARDUINO Profº. Engº. Robson Dias Ramalho 3. Microprocessador (E/S) 4. Memória RAM (E/S) 5. Placa de vídeo (E/S) 8. Disco Rígido (E/S) 9. Mouse (Saída) 10. Teclado (E/S) 2. Placa mãe (barramento de dados)

Leia mais

Relé de Proteção Térmica EP3 - SLIM ANSI 23/ 26/49 CATALOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6

Relé de Proteção Térmica EP3 - SLIM ANSI 23/ 26/49 CATALOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 CATALOGO Relé de Proteção Térmica EP3 - SLIM ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 Relé de Proteção Térmica EP3 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 3 DADOS TÉCNICOS... 4 ENSAIOS

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 Desenvolvimento de um cinto para auxílio na locomoção de deficientes visuais Marco Túlio Jacovine NORONHA 1 ; Samuel Cleto Soares NAMETALA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; Itagildo Edmar GARBAZZA 3 1 Estudante

Leia mais

REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local.

REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1. Introdução 1.1. - Conceitos REDES LOCAIS Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1 1.2. Tipos de Aplicações As Redes Locais têm em geral

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 06 Elementos de Interconexões

Leia mais

Sistema TermoMistura

Sistema TermoMistura Sistema TermoMistura ESTABILIZADOR DE TEMPERATURA Linha MGE- 90 Aquecedores para Molde Sistema sem reservatório com bomba Sistema de troca direta ( Alta Vazão de água Alto poder de refrigeração ) O estabilizador

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Ementa do Curso O treinamento ios+swift Intro foi criado pela Catteno com o intuito de introduzir os alunos em programação de Apps para a plataforma ios (tablets e smartphones), utilizando a linguagem

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v

Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Anexo 2.8 Especificações do Sistema de Monitoramentoda Frota

Anexo 2.8 Especificações do Sistema de Monitoramentoda Frota Anexo 2.8 Especificações do Sistema de Monitoramentoda Frota ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 3 2 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA... 3 2.1 AQUISIÇÃO DE DADOS MONITORADOS DO VEÍCULO... 3 2.2 AQUISIÇÃO DE DADOS DE LOCALIZAÇÃO...

Leia mais

Fonte de alimentação confiável para encadernadoras

Fonte de alimentação confiável para encadernadoras Fonte de alimentação confiável para encadernadoras PHOENIX CONTACT Ind. Com. Ltda. Rua Francisco Corazza, 20 a 100 Pq. Residencial da Lapa São Paulo/SP CEP: 05038-130 (11) 3871-6400 (PABX) 11.10.2016 phoenixcontact.pt

Leia mais

ARTIGO. Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos.

ARTIGO. Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos. ARTIGO Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Autor: Marcos José Sanvidotti Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos. Resumo: O monitoramento a distância

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: CÁLCULO I DISCIPLINA: FÍSICA I Estudo do centro de Massa e Momento Linear. Estudo da Rotação. Estudo de Rolamento, Torque

Leia mais

22ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA CATEGORIA 3 EM VEÍCULOS METROFERROVIÁRIOS A PARTIR DA ENERGIA SOLAR

22ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA CATEGORIA 3 EM VEÍCULOS METROFERROVIÁRIOS A PARTIR DA ENERGIA SOLAR 22ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA 3º PRÊMIO TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO METROFERROVIÁRIOS CATEGORIA 3 DESENVOLVENDO UM CIRCUITO DE CONTROLE DE ILUMINAÇÃO E GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PARA CARREGAMENTO

Leia mais

CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12

CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12 CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12 1. Funções e Características - Interface totalmente em português. - Possui um eficaz sistema de medição de fator de potência da onda fundamental, o que

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 5ª. Série Programação Distribuída A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução

Partida de Motores Elétricos de Indução Partida de Motores Elétricos de Indução 1 Alta corrente de partida, podendo atingir de 6 a 10 vezes o valor da corrente nominal. NBR 5410/04: a queda de tensão durante a partida de um motor não deve ultrapassar

Leia mais

Introdução aos sistemas de informação

Introdução aos sistemas de informação Introdução aos sistemas de informação Sistemas de Informação Sistemas de Informação Um conjunto de informações relacionadas que coletam, manipulam e disseminam dados e informações e fornecem realimentação

Leia mais

Este é o segundo modulo, nele abordaremos os métodos de gerenciamento do Windows Server 2008.

Este é o segundo modulo, nele abordaremos os métodos de gerenciamento do Windows Server 2008. Gerenciando o Windows Server 2008 Bem vindo(a), Este é o segundo modulo, nele abordaremos os métodos de gerenciamento do Windows Server 2008. Após essa aula você será capaz de: Definir quais são as formas

Leia mais

Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES

Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES Usinas termoelétricas ( U = 0) Convertem energia térmica em energia elétrica Vantagens de uma usina termoelétrica A curto prazo, pode fornecer energia

Leia mais

Arduino Lab 04 Leitura de temperatura com o sensor MCP9700

Arduino Lab 04 Leitura de temperatura com o sensor MCP9700 Arduino Lab 04 Leitura de temperatura com o sensor MCP9700 Componentes deste Lab Neste Lab discutiremos a integração do sensor de temperatura MCP9700 aos dispositivos já abordados no Lab 03, que são o

Leia mais