LIMPEZA URBANA ANÁLISE DOS CUSTOS DOS SERVIÇOS REALIZADOS EM APARECIDA DE GOIÂNIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIMPEZA URBANA ANÁLISE DOS CUSTOS DOS SERVIÇOS REALIZADOS EM APARECIDA DE GOIÂNIA"

Transcrição

1 LIMPEZA URBANA ANÁLISE DOS CUSTOS DOS SERVIÇOS REALIZADOS EM APARECIDA DE GOIÂNIA Mara Rúbia Peres Borges 1 Osmar Mendes Ferreira 2 Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Engenharia Ambiental Av. Universitária, Nº 1440 Setor Universitário Fone (62) CEP: Goiânia - GO. Resumo O crescimento cada vez mais acelerado da produção de resíduos sólidos, a escassez de áreas para disposição final desses resíduos, aliado a falta de comprometimento da população para com questões ambientais e de saúde pública, torna a discussão sobre limpeza urbana de fundamental importância para um entendimento da problemática do gerenciamento dos resíduos sólidos. Com este trabalho objetiva-se analisar e discutir questões que influenciam diretamente nos custos finais dos serviços de limpeza urbana de Aparecida de Goiânia, com o intuito de sugerir medidas que contribuam para a redução desses valores. A metodologia utilizada consistiu essencialmente de levantamento bibliográfico, entrevistas e visitas a área de pesquisa. Após discussões e análises conclui-se que há concordância entre os valores encontrados e os valores referenciais de comparação, e que a população possui papel fundamental na redução desses valores. Palavras-chave: Resíduos Sólidos, Custos da Limpeza Urbana, Aparecida de Goiânia. Abstract: The constant growth of the solid residues production, and the scarcity of areas for final disposal of these residues, allied to the lack of commitment of the population with environmental questions and public health, makes the urban cleanness a discussion of basic importance for an agreement over the problematic management of the solid residues. With this work we try to analyze and to argue about questions that directly influence the final costs of these services of Aparecida de Goiânia, with the intention to suggest measures that contribute for the reduction of these values. The used methodology consisted essentially of bibliographical survey, interviews and study trips. After discussions and analyses we conclude that there is some agreement between the found values and the reference values of comparison, and that the population plays a basic role in the reduction of these values. Key- words: Solid residues, Costs of the Urban Cleanness, Aparecida de Goiânia. Goiânia, Junho/ Acadêmica do curso de Engª Ambiental da Universidade Católica de Goiás.

2 2 1 INTRODUÇÃO Os serviços de limpeza urbana necessitam de avaliações periódicas de seu desempenho, pois com o crescimento acelerado das cidades, do consumo de produtos industrializados, e com o surgimento de produtos descartáveis, o aumento excessivo do lixo tornou-se um dos maiores problemas da sociedade moderna. Isso é agravado pela escassez de áreas para o destino final do lixo. Decorre daí, a importância de se analisar e discutir os serviços de limpeza urbana de uma cidade, pelos riscos que o lixo oferece a população. Esses serviços são de responsabilidade do poder público, com isso, cada município deve buscar seu próprio modelo de gerenciamento, compatível com a realidade local. Podem executá-los diretamente ou por meio de terceiros, mediante licitação e contrato de prestação de serviços. Os custos e preços dos sistemas de limpeza pública diferem de região para região do nosso país, sendo que as quantidades e características dos equipamentos utilizados também influenciam esses valores. A organização da área específica de resíduos sólidos, através do planejamento das etapas, é uma ação necessária para uma prestação de serviços com eficiência e qualidade à comunidade, evitando danos ambientais e de saúde pública. Saber os gastos com a limpeza urbana de uma cidade com uma grande concentração e dispersão de pessoas, como é feita a limpeza, qual o serviço da limpeza que requer maiores investimentos no local, pode ajudar na redução dos gastos para a realização desse serviço. Informar à população que esses gastos podem ser reduzidos e que essa economia pode ser investida em outras áreas, pode contribuir com a conscientização da população. Para o sucesso do trabalho da limpeza urbana é fator fundamental a participação da sociedade na conservação da limpeza e na redução de geração de resíduos. Quando não existe essa participação, os custos são maiores e as dificuldades para a manutenção da qualidade dos serviços são maximizadas. Discutir os custos do serviço de limpeza urbana de Aparecida de Goiânia, que pela forte integração econômica e intensos fluxos de pessoas interagindo com a cidade de Goiânia e pelo crescente processo de urbanização e geração de resíduos sólidos urbanos decorrentes da concentração dessa população na região motivou à realização desse estudo. 2 Orientador Profº Msc. Dep. Engª Universidade Católica de Goiás - UCG.

3 3 A realização do presente estudo justifica-se pela importância da limpeza urbana para uma cidade e para a população em geral. O agrupamento de programas de educação ambiental, associado ao gerenciamento adequado dos serviços de limpeza urbana, certamente contribuirá com a redução dos custos desses serviços e os riscos a saúde humana. Desta forma, essa pesquisa objetivou analisar os custos atuais dos serviços de limpeza urbana de Aparecida de Goiânia e discutir esse serviço como forma de torná-los menos oneroso. Nesta análise, foram considerados os custos dos serviços que englobam a limpeza da cidade, mostrando os gastos com pessoal e equipamentos. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Inicialmente mostraremos a realidade em relação à questão do lixo. É importante definirmos alguns conceitos. Existem as várias definições para lixo, ou resíduos sólidos, dentre ela podemos citar: Resíduos Sólidos são os resíduos provenientes das mais diversas atividades humanas e que são considerados pelos geradores como inúteis, indesejáveis ou descartáveis (MONTEIRO et al., 2001). Uma definição mais completa é apresentada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas NBR (ABNT, 2004) - Resíduos Sólidos são resíduos nos estados sólido e semi-sólido, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e de varrição. Segundo D Almeida (2000), Resíduo municipal é aquele gerado no ambiente urbano e constituído pelos materiais de origem domiciliar, de estabelecimentos de comércio, de serviços de varrição e de feiras livres. De acordo com Campos (1999), sendo os resíduos sólidos urbanos de extrema heterogeneidade, há que se pensar em formas diferenciadas de se tratar suas diferentes parcelas. De uma forma simplificada, o autor caracterizou os resíduos de acordo com sua origem: doméstico todos os tipos de resíduos que normalmente se originam em residências, compreendidos em restos de cozinha, banheiros, produtos de varrição, papéis, invólucros e outros; comercial todo detrito sólido originado de edificações destinadas ao comércio em geral, tais como: supermercados, lojas, bares, restaurantes etc; unidades de saúde resíduos provenientes de hospitais, farmácias, drogarias,

4 4 clínicas, postos de saúde, laboratórios, clínicas médicas e odontológicas e similares; entulhos resíduos resultantes de construções, demolições, e reformas na construção civil; industrial resíduos sólidos e semi-sólidos resultantes dos processos industriais; público são considerados como lixo público, os resíduos produzidos nas vias públicas, praças, jardins, podas de plantas, resíduos de varrição, etc; especial resíduos produzidos de forma eventual: animais mortos, descargas clandestinas, resíduos de acidentes, materiais de grande porte abandonados em vias públicas, entre outros. Até meados do século XIX, as ruas eram o depósito não só de pequenos detritos, mas também de restos de comida e de significativas quantidades de excrementos animais e humanos (MONTEIRO et al., 2001). Foi neste mesmo século que foi descoberto a relação entre o aparecimento de ratos, moscas, baratas e o lançamento de lixo nas ruas, pois o lixo favorece o desenvolvimento desses animais. A partir daí, começaram então a ser tomadas providências efetivas para que o lixo fosse coletado nos domicílios, em vez de permitir que o mesmo fosse simplesmente atirado às ruas ou em terrenos (MONTEIRO et al., 2001). Ainda de acordo com Monteiro et al. (2001), a pavimentação das vias públicas e o ensino de princípios de higiene e saúde pública nas escolas, contribuíram para a redução dos resíduos nos logradouros públicos. No Brasil, o serviço de limpeza urbana foi iniciado oficialmente em 25 de Novembro de 1880, na cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, então capital do Império. Neste dia, foi assinado pelo imperador D. Pedro II, o Decreto nº. 3024, que tratava da aprovação de um contrato de limpeza e irrigação para a cidade (PECHMAN 1985, apud RAMOS, 2004). Em 1885, o governo do Rio de Janeiro contratou temporariamente Aleixo Gary para a realização do serviço de limpeza das praias, com a remoção do lixo da cidade para a Ilha de Sapucaia. Em 1906, o serviço de limpeza dispunha de 1084 animais, os quais eram insuficientes para o trabalho de coleta. Nesta época foram adquiridos, como experiência, dois auto-caminhões, dando início à coleta mecanizada dos resíduos sólidos no Brasil (PECHMAN 1985, apud RAMOS, 2004). Ao longo da história, cada cidade, cada país defrontou-se com o problema do lixo, e cada um a sua maneira, encontrou soluções diversas para enfrentá-lo, dependendo de seu desenvolvimento tecnológico, seus recursos econômicos e a vontade política de seus legisladores para encontrar soluções viáveis para a questão. Hoje, a situação brasileira da

5 5 gestão dos resíduos sólidos se apresenta, em cada município, também de forma diversa, prevalecendo, entretanto, uma situação nada alentadora (MONTEIRO et al., 2001). Os serviços de limpeza urbana são aqueles destinados a manter a limpeza e a higienização de áreas públicas, bem como aqueles destinados a dar tratamento adequado e destinação final aos resíduos gerados no meio urbano. Têm importância sob os aspectos estético, sanitário e até mesmo sócio-econômico e ambiental (CHENNA, 1999). A limpeza das ruas é de interesse comunitário e deve ser tratada priorizando o aspecto coletivo em relação ao individual, respeitando os anseios da maioria dos cidadãos. Os aspectos estéticos associados à limpeza de logradouros públicos são fortes colaboradores nas políticas de incremento da imagem das cidades (MONTEIRO et al., 2001). Vários são os trabalhos que discutem a relação entre a saúde da população e o saneamento. Assim, as ciências sanitárias vêem estudando o aparecimento de algumas doenças transmitidas por determinados vetores, tais como: animais, aves e insetos que tenham tido, de alguma forma, contato com o lixo (FONSECA, 1997; SISINNO & OLIVEIRA, 2000; HELLER, 1998; AZEVEDO, 2001). A destinação inadequada desses resíduos também pode provocar sérios danos ao meio ambiente, como: poluição do ar: a emissão de gases ocasionada pela decomposição da matéria orgânica e queima clandestina dos resíduos sólidos; poluição da água: contaminação dos corpos hídricos superficiais e subterrâneos em função do carreamento e percolação do chorume resultante da decomposição da matéria orgânica; poluição do solo: contaminação pela infiltração do chorume. Ainda de acordo com (M ONTEIRO et al., 2001), é importante manter as ruas limpas também por razões de segurança: prevenindo danos a veículos, causados por impedimentos ao tráfego, como galhadas e objetos cortantes; promovendo a segurança do tráfego, pois a poeira e a terra podem causar derrapagens de veículos, assim como folha e capim seco pode causar incêndios; evitando o entupimento do sistema de drenagem de águas. Sem considerar as etapas de gerenciamento, sob o aspecto estritamente operacional, os serviços de limpeza são bastante variáveis. De acordo com Chenna (1999), cada município, de acordo com a legislação própria ou de acordo com os costumes locais, considera seu próprio rol de serviços atribuídos à limpeza urbana. Ainda de acordo com Chenna (1999), os serviços comumente atribuídos nos municípios brasileiros são:

6 6 coleta de resíduos: coleta e transporte de resíduos descartados pela população (geralmente resíduos domésticos e comerciais); varrição: é o ato de varrer vias, calçadas, túneis, e outros em geral, pavimentados, podendo ser mecânica ou manual; capina: é o corte e retirada total da cobertura vegetal existente em determinados locais; lavação de logradouros: lavagem de espaços públicos como avenidas, ruas, praças, jardins, parques, etc; limpeza de locais após eventos: limpeza realizada para retirada de sujeira acumulada após eventos atípicos; limpeza de bocas-de-lobo: tem por objetivo garantir o perfeito escoamento das águas pluviais e impedir que o material sólido, retido durante a chuva, seja levado para os ramais e galerias; remoção de entulho: remoção de entulhos produzidos em pequenas obras, de galhos provenientes de podas, etc; limpeza de parques e jardins: este serviço consiste na manutenção, corte, capina e varredura do gramado, limpeza de ciclovias, além da instalação de papeleiras; poda de árvores: é uma prática de remoção de galhos das árvores, é feita para evitar problemas de segurança causados pelo crescimento exagerado dos galhos; pintura de meios-fios: utilizado para melhorar a estética e sinalização das cidades. Voltando à discussão da situação brasileira em relação aos Resíduos Sólidos, podemos elencar uma série de dados nada alentadores, mas que mostram o imenso desafio que a sociedade brasileira ainda precisa enfrentar. A geração de resíduos sólidos domiciliares no Brasil é de cerca de 0,6kg/hab/dia, somando-se aos 0,3kg/hab/dia de resíduos de varrição, limpeza de logradouros e entulhos. Grande parte dos resíduos gerados no país não é regularmente coletada, permanecendo junto às habitações (principalmente nas áreas de ba ixa renda) ou sendo vazados em logradouros públicos, terrenos baldios, encostas e cursos d água (MONTEIRO et al., 2001). Segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais (IBGE, 2000), 85% dos domicílios brasileiros localizados na área urbana foram beneficiados com a coleta realizada por empresa pública ou privada (coleta direta), contra 8,8% cujo lixo foi depositado em caçamba, tanque ou depósito para depois ser removido (coleta indireta). E em apenas 3,4% do total, o lixo foi queimado ou enterrado na propriedade ou ainda jogado em terreno

7 7 baldio, rua, rio ou mar. As instituições responsáveis pelos resíduos sólidos municipais, no âmbito nacional, estadual e municipal, são determinadas através dos seguintes artigos da Constituição Federal, quais sejam: incisos VI e IX do art. 23, que estabelecem ser competência comum da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer das suas formas, bem como promover programas de construção de moradias e a melhoria do saneamento básico; nos seus incisos I e V do art. 30 estabelecem como atribuição municipal legislar sobre assuntos de interesse local, especialmente quanto à organização dos seus serviços públicos, como é o caso limpeza urbana. De modo geral, cabe ao município a responsabilidade pela gestão dos resíduos sólidos urbanos que lhe compete, sendo que a partir daí é possível organizá-los, definindo as condições e regras para executá-los. Define-se então a competência do município quanto ao gerenciamento dos serviços de limpeza urbana, como tradicionalmente ocorre no Brasil. Essa tarefa não é fácil devido a alguns fatores como: a inexistência de uma política brasileira de limpeza pública, limitações de ordem financeira, deficiência na capacitação profissional, descontinuidade política e administrativa e ausência de controle ambiental (D ALMEIDA, 2000). O Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos Urbanos é, em síntese, o envolvimento de diferentes órgãos da administração pública e da sociedade civil com um propósito de realizar a limpeza urbana, a coleta, o tratamento e a disposição final do lixo (MONTEIRO et al., 2001). O sistema de limpeza urbana possui o maior número de equipamentos. Seu orçamento é estimado em 35% a 50% de todos os custos de um sistema de limpeza urbana. Caso esses serviços não sejam equacionados corretamente ocasionam gastos excessivos (FONSECA, 2006). Ainda de acordo com o autor, são serviços que exigem freqüência e periodicidade bem definidas e no qual a confiabilidade da população em sua execução é de fundamental importância. Para melhor analisarmos os custos ou preços praticados pela coleta e transporte dos resíduos sólidos regularmente descartados pela população de uma cidade há a necessidade de esclarecermos vários aspectos, tais como: se a atividade é realizada somente pela municipalidade, por empresa contratada ou tanto pela municipalidade quanto por uma empresa;

8 8 os salários praticados na região referentes às diferentes funções existentes (coletores, motoristas, mecânicos, encarregados e outros); a quantidade, tipo, ano de fabricação, capacidade e demais dados dos equipamentos/veículos e máquinas utilizados; a quantidade de ajudantes gerais (coletores) utilizados nos veículos de coleta; a freqüência (diária, alternada ou periódica) e a periodicidade utilizada nos serviços (diurna, noturna ou diurna e noturna) etc; mão-de-obra operacional e administrativa (salários, leis sociais e benefícios); operação e manutenção dos veículos, combustível, pneus, lubrificação, impostos (IPVA), seguros, licenciamento, remuneração e depreciação do investimento, e demais equipamentos utilizados, tais como os contêineres; uniformes e equipamentos de segurança individuais (EPI s). O custo da prestação de serviços em limpeza pública consiste basicamente na soma das despesas relacionadas (FONSECA, 2006). De acordo com Fonseca (2006), os custos de coleta de Resíduos Sólidos Urbanos podem ser classificados em custos fixos e variáveis: custos variáveis: são aqueles que mudam em função da quilometragem percorrida pela frota de veículos. São subdivididos em combustíveis, lubrificantes, rodagem (quilometragem), peças e acessórios; custos fixos: são gastos que independem da quilometragem percorrida, em seu cálculo estão incluídos os custos do capital ( depreciação e remuneração). As despesas com pessoal e as administrativas também devem ser consideradas. A Tabela 1 mostra os percentuais de mão-de-obra operacional, de veículos coletores, de uniformes, de mão de obra administrativa e de custos administrativos, por diversas faixas de população e servem apenas como indicativos referenciais nos custos apropriados em cada município. Tabela 1: Porcentagem dos itens que compõem os custos de um sistema de coleta e transporte regular de resíduos sólidos % POPULAÇÃO Mão de Obra Veículos Mão de Obra Custos Uniformes Operacional Coletores Administrativa Administrativos ,50% 36,69% 1,27% 21,92% 12,62% ,84% 41,50% 1,59% 15,27% 8,80% ,35% 35,87% 1,92% 14,34% 8,51%

9 ,93% 38,04% 2,13% 11,13% 7,77% ,51% 37,88% 2,22% 11,44% 6,96% ,95% 39,23% 2,35% 9,90% 5,57% % POPULAÇÂO Mão de Obra Veículos Mão de Obra Custos Uniformes Operacional Coletores Administrativa Administrativos ,53% 39,58% 2,42% 10,08% 4,39% ,96% 38,96% 2,38% 10,64% 5,05% ,98% 38,03% 2,44% 10,09% 5,45% Fonte: BRETAS, apud LIMA J. D., O Quadro 1 apresenta uma planilha de custos dos serviços de limpeza urbana de uma cidade de habitantes e servem também apenas como referência para pesquisa, devendo cada cidade ter o seu custo apropriado. Quadro 1 Orçamento estimativo para cidade de habitantes DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 1.Coleta e transporte dos resíduos sólidos regulares 2.Varrição manual 3.Varrição mecanizada 4.Capinação química 5.Col. e transp. dos res. sól. através de cont. interc. (caixas brooks) 6.Coleta e transporte dos resíduos hospitalares 7.Desativação de lixão, projeto, implantação e operação de aterro sanitário 8.Equipe de educação ambiental 9.Incineração dos resíduos sólidos oriundos do sistema de saúde UNIDADES Toneladas por Mês (Ton/m) QUANTIDADE PREÇO R$ UNITÁRIO MENSAL GLOBAL , , ,00 Metros Lineares de Sarjetas por Mês (km sarj/m) , , ,70 Quilômetros Lineares de Sarjetas por Mês (km 209,25 14, , ,80 sarj/m) Metros Quadrado por Mês (m 2 /m) , , ,50 Toneladas por Mês (Ton/m) Toneladas por Mês (Ton/m) Toneladas por Mês (Ton/m) 116,40 21, , , , , , , , ,60 Equipe Padrão , , ,60 Toneladas por Mês (Ton/m) 5 755, , ,00 TOTAL GERAL , ,20 Fonte: LIMA, J. D. (2003).

10 10 VALOR PER CAPITA /MÊS: R$ ,82/ = R$ 1,50 No que diz respeito à legislação do Estado de Goiás, a lei que aborda o assunto é a seguinte: - Lei Nº 8544 de 17 de Outubro de 1978, que dispõe sobre a Prevenção e Controle da Poluição do Meio Ambiente no Estado de Goiás. Art O tratamento, quando for o caso, o transporte e a disposição de resíduos de qualquer natureza, de estabelecimentos industriais, comerciais e de prestação de serviços, quando não forem de responsabilidade do Município, deverão ser feitos pela própria fonte de poluição. 1º - A execução, pelo Município, dos serviços mencionados neste artigo não eximirá a responsabilidade da fonte de poluição quanto a eventual transgressão de normas deste regulamento. Quanto à legislação municipal específica para a limpeza urbana, podemos citar o Código de Posturas de Aparecida de Goiânia com a Lei Municipal N 792, de 07 de dezembro de 1988, que diz o seguinte sobre a Higiene Pública em seu capítulo I, Disposições Preliminares: - Art. 5: compete á Prefeitura zelar pela higiene pública, visando melhoria do ambiente, a saúde e o bem estar da população, favoráveis ao seu desenvolvimento social e ao aumento da expectativa de vida. E em seu Capítulo II, da Higiene dos Logradouros Públicos, Art. 9 é dever da população, cooperar com a Prefeitura na conservação e limpeza da cidade. A Lei Orgânica Municipal também trata do assunto em seu capítulo III Da Competência, Art. 3 - Ao Município compete prover tudo que respeite ao seu interesse e ao bem-estar de sua população, competindo-lhe especialmente: - inciso XVI: prover a limpeza das vias e dos logradouros públicos, a remoção e a destinação do lixo domiciliar, do lixo hospitalar, dos rejeitos que impliquem risco à saúde e à segurança da coletividade e de outros resíduos de qualquer natureza. Neste sentido, os custos dos serviços de limpeza urbana na cidade de Aparecida de Goiânia GO serão estudados, para um melhor entendimento a respeito dessa problemática dos resíduos sólidos urbanos.

11 11 3. METODOLOGIA A fase inicial dos estudos envolveu o levantamento de informações para formação da revisão bibliográfica. As pesquisas foram realizadas com levantamentos em fontes bibliográficas, bancos de dados digitais, fontes de dados disponíveis na internet, legislações pertinentes, e em contato com o órgão municipal responsável pela execução dos serviços de limpeza urbana no município. A segunda fase do presente estudo foi realizada com visitas na área de pesquisa situada na região central de Aparecida de Goiânia, compreendido pela região da Igreja Matriz, Fórum e Prefeitura Municipal, bem como visitas à Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia para avaliação dos serviços prestados pela mesma. Nesta fase também foram levantados os gastos com o serviço de limpeza urbana do município, analisando os custos e a forma adotada pelo órgão responsável, para realização desses serviços. A partir da análise dos custos do serviço, o estudo foi concluído com recomendações e sugestões que possam contribuir com a eficiência do serviço. 4 RESULTADOS E DISCUSSÕES As cidades brasileiras que adotam freqüência diária para a coleta de resíduos sólidos domiciliar empregam consideráveis recursos, tais como: equipamentos, pessoal, combustível, pneus, óleo e outros. Esses recursos poderiam ser melhores aplicados em outros serviços de limpeza pública, caso houvesse uma coleta de resíduos sólidos com freqüência mista, ou seja, parte diária, parte alternada ou mesmo periódica. A coleta domiciliar diária somente é necessária em vias públicas com grande produção de resíduos sólidos, como a área central da cidade, ruas de intenso comércio e vias de intenso tráfego e acesso ao centro da cidade. Na Figura 1 é apresentada a área urbana do município de Aparecida de Goiânia. Neste mapa está inserida a representação da coleta de Resíduos Sólidos Urbanos do município, onde é possível visualizar a freqüência e abrangência da coleta em cada área e o limite das áreas de administração dos serviços de limpeza urbana.

12 12 Figura 1: Mapa de Resíduos Sólidos do Município de Aparecida de Goiânia Fonte: Secretaria de Planejamento Urbano do Município de Aparecida de Goiânia, (2006). O custo da prestação de serviços em limpeza pública consiste basicamente na soma de todas as despesas. Somente um levantamento de dados minuciosos das atividades de limpeza pública do município, caracterizando as peculiaridades, os sistemas adotados, a quantidade de pessoal, os salários, os equipamentos nos dá condições de determinar os custos mensais com seus respectivos valores. Quanto menor o custo desenvolvido pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, menor será o valor que cada cidadão pagará pelo uso efetivo destes serviços prestados. Em Aparecida de Goiânia os serviços de limpeza urbana são remunerados através de uma "taxa", cobrada na mesma guia do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). De um modo geral, a receita com a arrecadação da taxa, que raras vezes é cobrada

13 13 fora do carnê do IPTU, representa apenas um pequeno percentual dos custos reais dos serviços, advindo daí a necessidade de recursos complementares por parte do Tesouro Municipal. Segue abaixo os aspectos considerados mais importantes para a composição do custo total desses serviços. A gestão de resíduos sólidos no município de Aparecida de Goiânia está a cargo da Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia. Trabalham na limpeza urbana cerca de 920 pessoas, incluindo pessoal administrativo e trabalhadores operacionais. O Quadro 2 apresenta o resumo dos gastos com mão-de-obra utilizada na realização dos serviços da limpeza pública do município de Aparecida de Goiânia, desde funcionários da área administrativa à funcionários de guarnição. Apresenta o número de funcionários de cada função e o salário médio por funcionário. Observa-se que o número de funcionários encarregados da varrição é significativo, poderia ser reduzido com a colaboração da população na manutenção da limpeza das vias. Quadro 2: Resumo dos Custos com a Mão-de-Obra Grupo N de funcionários Salário médio R$ Valor total pago ao grupo em R$ Coletores , ,63 Varrição , ,35 Carrinheiros , ,35 Motorista dos , ,00 caminhões prensa Administrativos , ,87 Copeiras, Guardas , Grupo especial de trabalho , ,22 Parques e Jardins , ,32 Total Funcionário 921 TOTAL R$ ,44 Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, (2006). O Quadro 3 mostra o levantamento dos gastos com uniformes e equipamentos de proteção individual (EPI s), fornecidos aos trabalhadores pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia. Apresenta o tipo de cada material utilizado na realização dos serviços, a quantidade de cada material, o preço por unidade, o fator consumo mensal e a quantidade gasta mensalmente, resultando no valor mensal por material utilizado. Visto que os trabalhadores ficam expostos diariamente a resíduos urbanos de todos os tipos possíveis, se faz necessário à utilização de EPI's.

14 14 Quadro 3: Levantamento dos Gastos com Uniformes e EPI s Fornecidos aos Trabalhador Materiais Unidade R$/unidade Previsão das Quantidades Mensais Fator (Consumo Mensal) Quantidade Valor em R$ Mensal Luva de couro raspa curta par 2,16 2 x ao ano 0, ,86 Luvas de malha, para varredores e par 1,77 6 x ao ano 0, ,39 carrinheiros Luvas emborrachadas C.A para coletor par 6,28 12 x ao ano 6, ,16 Capa de chuva curta na cor amarela unidade 21,08 1 x ao ano 1, ,13 Capa de chuva longa na cor amarela unidade 29,52 1 x ao ano 2, ,85 Jaleco fechado na cor azul royal unidade 14,07 2 x ao ano 2, ,93 Calça na cor azul royal unidade 14,12 2 x ao ano 2, ,96 Boné modelo toca árabe na cor azul royal unidade 2,43 2 x ao ano 0, ,26 Botina de segurança, sem bico de aço. unidade 31,85 2 x ao ano 5, ,58 Tênis de segurança unidade 33,75 2 x ao ano 5, ,09 Coturno de segurança unidade 49,80 2 x ao ano 8, ,47 Conjunto completo para aplicadores de herbicida com calça, jaleco, boné, avental Óculos para proteção visual Máscara para aplicação de herbicidas Filtro Químico para vapores orgânicos Máscara anti pó tóxico para coletores Máscara anti pó para varredores unidade 63,22 3 x ao ano 15, ,10 unidade 4,78 3 x ao ano 1, ,90 unidade 18,27 2 x ao ano 3, ,66 unidade 12,65 12 x ao ano 12, ,00 unidade 3,57 24 x ao ano 7, ,58 unidade 1,74 24 x ao ano 3, ,40 Total ,32 Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, (2006). O Quadro 4 apresenta os gastos com alimentação e benefícios aos trabalhadores mensalmente, mostrando valores por unidade e a quantidade gasta por mês com cada item, pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia. Devido ao alto grau de esforço físico e desgaste dos funcionários, é necessário o fornecimento de alimentação aos mesmos, vista a impossibilidade de retornarem as suas residências em horário de almoço, pela ampla área da realização de seus serviços.

15 15 Quadro 4: Gastos com Alimentação e Benefícios aos Trabalhadores Unidade R$/unidade Previsão das Quantidades Mensais Fator (Consumo Mensal) Quantidade Valor em R$ Mensal Pão francês unidade 0,20 1 x ao dia 5, ,00 Almoço unidade/marmitex 2,14 1 x ao dia 53, ,00 Leite litros 1,20 1 x ao dia 30, ,00 Cesta unidade 28,80 12 x ao ano 28, ,60 básica Total ,60 Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, (2006). O Quadro 5 exibe os gastos com equipamentos e materiais de limpeza na área administrativa da Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, onde fornece o valor do material por unidade, a previsão da quantidade mensal e a quantidade utilizada mensalmente de cada produto. Quadro 5: Gastos com Equipamentos e Materiais de Limpeza na Área Administrativa Materiais Unidade R$/unidade Previsão das Valor em Quantidade Quantidades Mensais R$ Mensal Álcool etílico caixa 29,70 1 x ao ano 3 74,25 Esponja de aço unidade 0,88 1 x ao ano 17 14,61 Buchas multi uso unidade 0,29 1 x ao ano 13 3,63 Cera líquida caixa 26,20 1 x ao ano 5 131,00 Desinfetante caixa 12,50 1 x ao ano 3 31,25 Detergente caixa 15,50 1 x ao ano 2 28,68 Baldes plásticos unidade 3,15 1 x ao ano 2 6,80 Lustra móvel unidade 2,92 1 x ao ano 8 24,32 Panos de chão unidade 1,10 1 x ao ano 13 13,75 Papel higiênico pacote 1,20 1 x ao ano 8 10,00 Água sanitária caixa 8,50 1 x ao ano 4 35,36 Rodo unidade 1,55 1 x ao ano 10 15,56 Sabão em barra caixa 22,00 1 x ao ano 1 27,50 Sabão em pó caixa 60,26 1 x ao ano 1 75,33 Vassoura de palha unidade 2,40 1 x ao ano 9 22,39 Vassoura de pêlo unidade 4,00 1 x ao ano 5 20,00 Escova de nylon unidade 2,50 1 x ao ano 8 20,83 Escova para vaso 30,18 unidade 12,07 1 x ao ano 3 sanitário Flanelas para limpeza unidade 0,55 1 x ao ano 13 6,88 Cesto plástico pra lixo unidade 1,90 1 x ao ano 1 1,90 Limpador instantâneo caixa 33,50 1 x ao ano 1 27,91 Total 622,13 Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, (2006). O Quadro 6 apresenta os gastos com materiais de escritório utilizados na Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, as quantidades utilizadas

16 16 mensalmente e o preço por unidade formam o gasto mensal com esses materiais. Quadro 6: Gastos com Materiais de Escritório Materiais Unidade R$/unidade Quantidade Valor em RS Mensal Almofada para carimbo unidade 1,78 5 8,90 Livro de ATA unidade 4, ,16 Borracha branca unidade 0, ,84 Papel carbono unidade 31,00 0,50 1,00 Canetas azul, preta, vermelha. caixa 11, ,20 Cartão de ponto unidade 0, ,00 Papel ofício branco resma 8, ,98 Papel ofício timbrado resma 14,00 2,00 28,00 Clipes caixa 0,60 7 4,20 Cola branca unidade 0,26 7 1,82 Disquete caixa 5,48 1 5,48 Marca texto unidade 0,57 7 3,99 Duréx unidade 1, ,22 Reabastecedor para marcador unidade 1, ,36 Réguas unidade 0,17 7 1,19 Fitas de alta tensão unidade 21,31 0,50 10,66 Corretivo unidade 0,50 7 3,50 Estilete unidade 0,07 7 0,49 Fita crepe unidade 1,45 6 8,70 Fita para impressora FX1170 unidade 2,73 2 5,46 Fita para máquina de escrever unidade 2,01 4 8,04 Grampeador unidade 1,86 3 5,58 Grampos caixa 1,86 4 7,44 Impressos para computador caixa 80, ,80 Impressos para computador timbrados caixa 90, ,00 Lápis borracha unidade 0,54 6 3,24 Cartucho de tinta preta para impressora HP unidade 53, ,50 Bobina para fax unidade 4,10 2 8,20 Lápis caixa 14,20 0,50 7,10 Ligas elásticas pacote 0,58 6 3,48 Folhas de papel com pauta 1,00 Pasta az unidade 2, ,60 Pastas elásticas unidade 0,41 7 2,87 Pastas protocolo unidade 0, ,50 Pastas suspensas unidade 0,60 7 4,20 Furador de papel unidade 4, ,40 Envelopes unidade 0, ,00 Total Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, (2006). O Quadro 7 mostra os gastos com materiais e equipamentos utilizados na realização dos serviços de limpeza urbana de Aparecida de Goiânia, apresenta os tipos de materiais utilizados, a quantidade gasta mensalmente e o preço por unidade de tudo que é necessário para a manutenção da limpeza urbana. As quantidades e características dos equipamentos utilizados, o estado de conservação das ruas, a quantidade de lixo coletada ou

17 17 varrida também influencia nestes custos. Quadro 7: Gastos com Materiais e Equipamentos Utilizados na Realização dos Serviços de Limpeza Urbana Materiais Unidade R$/unidade Previsão das Quantidades Mensais Fator (consumo mensal) Quantidade Valor em R$ mensal Martelo carpinteiro unidade 6,70 1 x ao ano 0,56 5 2,79 Alicate n 8 unidade 12,13 1 x ao ano 1,01 5 5,05 Carrinhos 1 carrinho para unidade 225,28 tipo tambor 2 anos 9,39 1, ,77 Pulverizador 1 pulverizador costal unidade 160,00 para 2 anos completo 6, ,31 Cavadeira grande unidade 20,00 1 x ao ano 1, ,00 Cavadeira média unidade 13,48 1 x ao ano 1,12 6 6,74 Facão unidade 4,37 1 x ao ano 0,36 6 2,18 Pá quadrada unidade 9,60 2 x ao ano 1, ,78 Pá redonda unidade 9,60 2 x ao ano 1, ,78 Segueta unidade 8,40 2 x ao ano 1, ,89 Broxa unidade 1,90 1 x ao ano 0, ,33 retangular Cone unidade 13,00 1 x ao ano 1, ,29 Marreta 3kg unidade 89,20 1 x ao ano 7, ,15 Turquês unidade 9,60 1 x ao ano 0,80 5 4,00 grande Carote térmico 12L unidade 58,00 2 x ao ano 9, ,84 Carrinhos de mão unidade 151,74 2 x ao ano 25, ,27 Enxada unidade 8,48 3 x ao ano 2, ,80 Enxadão unidade 8,00 1 x ao ano 0,67 7 4,66 Foice unidade 10,18 2 x ao ano 1, ,99 Lima caixa 42,20 1 x ao ano 3, ,73 Serrote unidade 7,66 1 x ao ano 0,64 6 3,83 médio Garfo grande unidade 24,30 2 x ao ano 4, ,52 Pregos Pacote 5,24 1 x ao ano 0, ,19 Rastelo unidade 3,59 1 x ao ano 0, ,45 Sacos plásticos preto fardo 9,60 1 unidade a cada 100 m varridos ,00 Vassoura para varrição unidade 16,06 5 x ao ano 6, ,79 Vassourinha unidade 6,00 6 x ao ano 3, ,00 Picareta média unidade 10,00 1 x ao ano 0,83 6 5,00 Total 9.853,13 Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, (2006). O Quadro 8 descreve os gastos com materiais de cozinha da área administrativa

18 18 do orgão responsável pelos serviços de limpeza urbana de Aparecida de Goiânia. Mostra os valores por unidade, à previsão das quantidades utilizadas mensalmente e os gastos totais mensais de cada item utilizado. Quadro 8:Gastos com Materiais de Cozinha da Área Administrativa Materiais Unidade R$/unidade Previsão das Quantidades Mensais Fator (consumo mensal) Quantidade Valor em R$ Mensal Bule de café unidade 30,90 1 x ao ano 0, ,03 Caldeirão de unidade 55,90 1 x ao ano 0, ,93 Alumínio Copos de plástico unidade 0,89 1 x ao ano 70, ,75 para gari Rabinha para café unidade 11,90 1 x ao ano 0,58 7 6,90 Coador de café unidade 3,50 1 x ao ano 4, ,58 Mangueira de gás com unidade 17,90 1 x ao ano 0, ,38 registro Garrafa térmica unidade 25,80 1 x ao ano 0, ,50 Copos americanos unidade 0,65 1 x ao ano 8, ,42 Filtros de 10L unidade 65,00 1 x ao ano 0,58 7,00 37,70 Velas para filtros unidade 2,00 1 x ao ano 1,67 20,00 3,33 Gás de cozinha unidade 36,00 1 x ao ano 2 83,88 Total 306,40 Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, (2006). O Quadro 9 traz os gastos com veículos de apoio e operacional, onde está descrito os valores de cada veículo por unidade, o fator mensal de consumo e a quantidade mensal gasta de acordo com o tipo de veículo utilizado nos serviços de limpeza pública do município de Aparecida de Goiânia. Quadro 9:Gastos com Veículos de Apoio Operacional Gastos Unidade R$/unidade Locação de 9 ônibus para transporte de funcionários Previsão das quantidades mensais Fator (consumo mensal) Quantidade R$/Km 1,50 12 x ao ano 1, Valor em R$ Mensal ,61

19 Gastos Unidade R$/unidade Previsão das quantidades mensais Fator (consumo mensal) Quantidade 19 Valor em R$ Mensal Tratores com roçadeira horas 35,80 12 x ao ano ,33 Caminhões 31 carroceria unidade 4.683,61 caminhões utilizado na 12 x ao ano coleta de lixo 4.683, ,91 Combustível dos veículos utilizados para litros 2,09 12 x ao ano 2,09 995, ,80 apoio Total ,65 Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, (2006). O Quadro 10 exibe os gastos administrativos da Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, gastos com telefone, energia elétrica e água das áreas de limpeza e da secretaria. Os valores mensais de cada item estão dispostos no quadro. Quadro 10:Gastos Administrativos da Secretaria Contas R$/Mensal Telefone das áreas de limpeza e secretaria 679,01 Energia elétrica das áreas de limpeza e da secretaria 651,55 Água das áreas de limpeza e da secretaria 576,04 Total 1.906,60 Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, (2006). O Quadro 11 traz os custos com depreciação anual dos veículos e equipamentos utilizados na realização da limpeza urbana do município de Aparecida de Goiânia. Mostra o tipo de veículo ou equipamento, o fator de depreciação anual de cada veículo. E também o valor total de cada veículo e o custo anual de depreciação de cada veículo, que é o valor que deve ser reservado mensalmente para a compra de outro veículo quando necessária uma nova aquisição, devido ao desgaste de outro. Onde então se vê a soma da depreciação mensal de cada veículo utilizado na limpeza, formando a depreciação mensal total. Quadro 11: Custo Depreciação de Veículos e Equipamentos Identificação do veículo ou equipamento 204 Tipo de veículo ou equipamento MB 1113 Ano de fabricação / Estado de conservação 1984/regular Serviço para o qual o veículo é alocado coleta Idade no ano 2005 / Fator de depreciação 21 0,00870 Valor total: chassis + Equipamento Custo anual de depreciação (R$) ,00 391,50

20 Identificação do veículo ou equipamento Tipo de veículo ou equipamento Ano de fabricação / Estado de conservação Serviço para o qual o veículo é alocado Idade no ano 2005 / Fator de depreciação 5 0,08208 Valor total: chassis + Equipamento 205 GMC /bom coleta Ford F- 1980/regular coleta 0, /bom coleta GMC , /bom coleta GMC , /bom coleta GMC , Caminhão 33 MBB /regular coleta 0,00870 Brook 263 Caminhão 22 MBB /regular coleta 0, Caminhão Coleta de 23 MBB /regular entulhos e 0,00870 Brook domiciliares Total Anual R$ ,10 Total Mensal R$ 1.515,17 Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, (2006). 20 Custo anual de depreciação (R$) , , ,00 278, , , , , , , ,00 330, ,00 417, ,00 348,00 O Quadro 12 apresenta o custo do capital investido em máquinas da prefeitura, mostrando o fator do custo de remuneração do capital. Mostra também o valor total do veículo e o custo anual da remuneração de capital, que é o valor gasto com prestações e juros de financiamentos feitos para aquisição de cada máquina. Apresentando os valores anuais e os valores mensais da remuneração de capital. Quadro 12: Custo do Capital Investido em Máquinas da Prefeitura Identificação do veículo ou equipamento Tipo de veículo ou equipamento Ano de fabricação / Estado de conservação Serviço para o qual o veículo é alocado Fator do custo de remuneração do capital Valor total: chassis + equipamentos Custo anual da remuneração de capital 204 MB /regular coleta 0, , , GMC /bom coleta 0, , , Ford F- 1980/regular coleta 0, , , GMC /bom coleta 0, , , /bom coleta 0, , ,00

Município de Carangola. 1. Aspectos Gerais

Município de Carangola. 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Carangola 1. Aspectos Gerais Além da sede, o município de Carangola possui 4 distritos. A população total

Leia mais

Município de Além Paraíba. 1. Aspectos Gerais

Município de Além Paraíba. 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Além Paraíba 1. Aspectos Gerais Além da sede, o município de Além Paraíba possui um único distrito e quatro

Leia mais

Município de Cataguases. 1. Aspectos Gerais

Município de Cataguases. 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Cataguases 1. Aspectos Gerais Além da sede, o município de Cataguases possui 5 distritos. A população total

Leia mais

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte.

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Luzenira Alves Brasileiro Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de

Leia mais

ANEXO 1 Diagnóstico Técnico Operacional de Limpeza Urbana Levantamento de Informações

ANEXO 1 Diagnóstico Técnico Operacional de Limpeza Urbana Levantamento de Informações ANEXO 1 Diagnóstico Técnico Operacional de Limpeza Urbana Levantamento de Informações Projeto: Responsável (is) pelo levantamento: 1. Informações Gerais 1.1 Município: Data: / / População total: População

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos Este sistema garante tratamento e destino adequado aos resíduos gerados na cidade, de modo que eles não

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Gari e Coletores de Lixo

Gari e Coletores de Lixo Gari e Coletores de Lixo Introdução O nome gari nasceu em homenagem ao empresário Aleixo Gary que em 11 de Outubro de 1876, assinou contrato com o Ministério Imperial para fazer o serviço de limpeza da

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

MATERIAL DE EXPEDIENTE

MATERIAL DE EXPEDIENTE MATERIAL DE EXPEDIENTE Almofada para carimbo, cor azul, nº 04 Almofada para carimbo, cor preta, nº 04 Almofada para carimbo, cor vermelha, nº 04 Apagador para quadro branco Barbante Caixa para arquivo

Leia mais

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo Ariovaldo Caodaglio Município de São Paulo DADOS DEMOGRÁFICOS População (2010) 11.253.503 Densidade demográfica (hab./km²) 7.387,69 Território (Km²) 1.521,101

Leia mais

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 CAPÍTULO 15 Lixo O efeito do lixo nas encostas 15. 1 Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 259 15. 1 O efeito do lixo nas encostas LIXO na ENCOSTA DESLIZAMENTO CAUSADO por LIXO na ENCOSTA Adaptado

Leia mais

ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS DO SERVIÇO DE LIMPEZA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA

ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS DO SERVIÇO DE LIMPEZA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS DO SERVIÇO DE LIMPEZA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA DEZEMBRO, 2014 2 Sumário 1 CUSTOS...6 1.2 Remuneração do capital...6 1.3 Despesas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

Resíduos Sólidos Programa Lixo Alternativo Situação atual de Guaraqueçaba: Volume diário 4m³ (aproximadamente 1 tonelada/dia) Coleta: Diária em 980 unidades domésticas / 135 comerciais / 2 industriais

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS Carolina Gaspar Enderle (1) Aluna do curso Técnico em Segurança do Trabalho do Colégio Técnico Industrial

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011 Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP Florianópolis, 03 setembro de 2011 Missão Prestar serviços públicos p de saneamento ambiental com eficiência, qualidade e responsabilidade social. COMCAP

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO CARTA-CONSULTA ANEXO II AO DECRETO 4744 PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS I A EMPRESA 1.1. Caracterização e Outras Informações Razão social:

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Jornada de Trabalho: 44 horas semanais. Repouso remunerado por escala de revezamento

Jornada de Trabalho: 44 horas semanais. Repouso remunerado por escala de revezamento O Profissional Postos Combustíveis FRENTISTA Requisito de escolaridade para exercício da função: Mínimo: Ensino fundamental completo; Comum: Ensino médio em curso; Desejável: estudantes universitários.

Leia mais

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES 3 Definições de lixo: No dicionário: sujeira, imundice, coisa(s) inúteis, velhas, sem valor. Na linguagem técnica: sinônimo

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 6 Armazenamento e Coleta. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 6 Armazenamento e Coleta. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015 Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 6 Armazenamento e Coleta Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Curso sobre a Gestão de resíduos sólidos urbanos

Curso sobre a Gestão de resíduos sólidos urbanos Curso sobre a Gestão de resíduos sólidos urbanos Consideram-se resíduos sólidos como sendo rejeitos resultantes das diversas atividades humanas. Podem ser de diversas origens: industrial, doméstica, hospitalar,

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 Juliana Carla Persich 2, Sérgio Luís Allebrandt 3. 1 Estudo

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO Cabo de Santo Agostinho, 2010. ÍNDICE 1. Local do Projeto...2 2. Descrição do Projeto...2 3.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA CONCORRÊNCIA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO EDITAL DE CONCORRÊNCIA

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

III-006 PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA E COMPARTILHADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, PARA DOIS MUNICÍPIOS DE SERGIPE

III-006 PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA E COMPARTILHADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, PARA DOIS MUNICÍPIOS DE SERGIPE III-006 PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA E COMPARTILHADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, PARA DOIS MUNICÍPIOS DE SERGIPE José Daltro Filho (1) Engenheiro Civil (UFBA,1975); Doutor em Engenharia (Hidráulica/Saneamento-EESC-USP,

Leia mais

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados, o Primeiro e o Segundo Setor da Sociedade. Tem como objetivo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Rosa do Carmo de Oliveira Lima¹ (Orientadora) - Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

Roteiro para Apresentação de Projetos (Para sugestões da II OFICINA NACIONAL DE TRABALHO)

Roteiro para Apresentação de Projetos (Para sugestões da II OFICINA NACIONAL DE TRABALHO) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SEDR - DEPARTAMENTO DE EXTRATIVISMO APOIO A GRUPOS VULNERÁVEIS SESAN COORDENAÇÃO GERAL DE CARTEIRA DE PROJETOS FOME ZERO

Leia mais

APÊNDICE XI SERVIÇOS GERAIS DE APOIO À ADMINISTRAÇÃO

APÊNDICE XI SERVIÇOS GERAIS DE APOIO À ADMINISTRAÇÃO APÊNDICE XI SERVIÇOS GERAIS DE APOIO À ADMINISTRAÇÃO 1 SUMÁRIO 1 CONCEITOS E DIRETRIZES... 3 2 LIMPEZA... 3 2.1 Caracterização do Pessoal... 3 2.2 Materiais e Equipamentos a serem fornecidos e utilizados...

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA Lana Tais da Silva Coelho (1) Estudante do curso de Engenharia Ambiental do Instituto de

Leia mais

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 1 1. O Programa de Gestão Ambiental O Programa de Gestão Ambiental da

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO

ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO OBJETIVO DO DIAGNÓSTICO: Este modelo de diagnóstico contém alguns itens que poderão ser complementados com outras informações e tem o objetivo de possibilitar ao município a

Leia mais

2. Resíduos sólidos: definição e características

2. Resíduos sólidos: definição e características 2. Resíduos sólidos: definição e características Definição e tipologia Lixo é, basicamente, todo e qualquer resíduo sólido proveniente das atividades humanas ou gerado pela natureza em aglomerações urbanas,

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO EM CATALÃO-GO.

VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO EM CATALÃO-GO. VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO EM CATALÃO-GO. Ed Carlo Rosa Paiva Engenheiro Civil, Mestre em Engenharia Civil e Doutor em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de

Leia mais

III-187 - CARACTERIZAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE VARRIÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GOIANÉSIA (GO)

III-187 - CARACTERIZAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE VARRIÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GOIANÉSIA (GO) III-187 - CARACTERIZAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE VARRIÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GOIANÉSIA (GO) Simone Costa Pfeiffer (1) Engenheira Geóloga. Doutora em Engenharia Civil na Área de Hidráulica e Saneamento

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE. PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE. PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1 RELATÓRIO: De autoria do Vereador Amauri Cardoso, este projeto

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS Cristiana Arruda Corsini & Dorival Zanóbia Eng a. Agrônoma, Agrimensor, Verbo Conservação de Áreas Verdes - Araras SP. verbo@laser.com.br

Leia mais

CHECK LIST - LEVANTAMENTO DE CAMPO. Prestadores de Serviços

CHECK LIST - LEVANTAMENTO DE CAMPO. Prestadores de Serviços CHECK LIST LEVANTAMENTO DE CAMPO Prestadores de Serviços Data: 01) Informações sobre cada serviço prestado no gerenciamento de resíduos sólidos: Coleta Domiciliar Multirões Coleta da Capina Coleta Manual

Leia mais

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2010) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 O IMPACTO DA TECNOLOGIA DE RECICLAGEM DE EMBALAGENS LONGA VIDA EM BARÃO GERALDO

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO OBJETO: Fechamento de quadra esportiva da Escola Municipal de Ensino Fundamental

Leia mais

EM HONRA A SÃO BENEDITO

EM HONRA A SÃO BENEDITO 2 CONHECIMENTOS BÁSICOS LÍNGUA PORTUGUESA LEIA O TEXTO PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES NUMERADAS DE 01 A 05, ASSINALANDO A ALTERNATIVA CORRETA. EM HONRA A SÃO BENEDITO Desde o mês de junho, a comissão de devotos

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO MARÇO DE 2012 JOB2178 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Entender como a população brasileira percebe questões relacionadas

Leia mais

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL SOUZA,I.C. ;BUFAIÇAL,D.S.S;SANTOS,M.D.;ARANTES,S.S.;XAVIER,L.;FERREIRA,G.K.S; OLIVEIRA,B.A.;PAGOTTO,W.W.B.S.;SILVA,R.P.;SANTOS.L.G.;SANTOS.F.F.S.;FRANCO,R.

Leia mais

Comprometida com o meio ambiente e a qualidade de vida das pessoas.

Comprometida com o meio ambiente e a qualidade de vida das pessoas. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// Comprometida com o meio ambiente e a qualidade de vida das pessoas. /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

COLETA SELETIVA VIDRO

COLETA SELETIVA VIDRO PROJETO COLETA SELETIVA VIDRO Florianópolis, 29 de abril de 2013 Assessoria Técnica - ASTE Departamento Técnico DPTE 2 1. CONTEXTUALIZAÇÃO As obrigações impostas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANO NO BAIRRO DA VILA PEDROSO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO.

PLANO DE GERENCIAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANO NO BAIRRO DA VILA PEDROSO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO. PLANO DE GERENCIAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANO NO BAIRRO DA VILA PEDROSO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO. Márcia Nayane Rocha Santana (1) Graduada em Gestão Ambiental pela PUC-GO ( Pontifícia

Leia mais

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO TABELA DE PREÇOS CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO ENGENHARIA CONSULTIVA SANEAGO_15-02 8892 ADMINISTRADOR DE EMPRESAS - JÚNIOR (MENSALISTA) MÊS EFETIVAMENTE TODOS OS SERVIÇOS DE COORDENAÇÃO, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem 1) COMO FUNCIONA? O PROBLEMA OU SITUAÇÃO ANTERIOR Anteriormente, todos os resíduos recicláveis ou não (com exceção do papelão), ou seja, papel, plásticos, vidros,

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Promoção da Saúde do Trabalhador da Saúde: conscientização acerca do uso de luvas e higienização das mãos pelos

Leia mais

Indicaçã. Chefe. Poder. Executivo. do egulamentaçã. Recomenda. do Município. ções. edificaçõ

Indicaçã. Chefe. Poder. Executivo. do egulamentaçã. Recomenda. do Município. ções. edificaçõ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC Conselho Municipal de Meio Ambiente - CONSEMAC Indicaçã ção CONSEMAC nº 032/2013, de 18 de junho de 2013. Recomenda ao

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB 203 Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB Tarcísio Valério da Costa Universidade Federal da Paraíba/Pró

Leia mais

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE Erica Grayce de Souza Silva 1 Hélio Rubens Jacintho Pereira Júnior 2 José Antonio Bueno 3 RESUMO O

Leia mais

Cidades e Biodiversidade

Cidades e Biodiversidade Cidades e Biodiversidade Curitiba, 26 a 28 de março Ronaldo Vasconcellos Vice-Prefeito de Belo Horizonte Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, é uma das maiores cidade do Brasil. BH Fica a 585 Km de

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP.

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP. TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO

Leia mais

Certificado de Registro (Averbação)

Certificado de Registro (Averbação) Certificado de Registro (Averbação) Fundaçăo BIBLIOTECA NACIONAL MINISTÉRIO DA CULTURA Registro: 369.734 Livro: 684 Folha: 394 CURSO DE ZELADOR + PORTEIRO EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL Todos os direitos Reservados

Leia mais

Conscientização da Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de São Paulo

Conscientização da Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de São Paulo SECRETARIA MUNICIPAL DE SERVIÇOS Conscientização da Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de São Paulo DEPARTAMENTO DE LIMPEZA URBANA LIMPURB ATRIBUIÇÕES DO LIMPURB LIMPURB E ATRIBUIÇÕES TÉCNICAS LEI

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná LEI Nº 12493-22/01/1999 Publicado no Diário Oficial Nº 5430 de 05/02/1999. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios referentes a geração, acondicionamento, armazenamento, coleta, transporte,

Leia mais

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA 1. ESCOPO Identificar e classificar os aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da XXXX, visando estabelecer quais causam ou poderão causar impactos ambientais significativos. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

Operações de Rotina. 4.13 Arrumação da Loja

Operações de Rotina. 4.13 Arrumação da Loja 4.13 Arrumação da Loja Operações de Rotina O bem-estar na loja depende de muitos fatores. Um dos mais importantes é a arrumação, pois propicia uma boa impressão, tanto aos clientes quanto aos colaboradores.

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS NOTA TÉCNICA PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS Esta Nota Técnica tem o objetivo de reforçar junto aos Municípios do Estado de Pernambuco sobre os Planos Municipais de Gestão

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras No ano de 2012 o Londrina Country Club atualizou o plano de contas de sua demonstração de resultado. O objetivo é atualizar a nomenclatura das contas permitindo

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG Diagnóstico da Infraestrutura do Sistema de Coleta e Tratamento de Resíduos Sólidos no Setor de Mobilização 2, bairros Vargem Alegre, Serra Verde, Rio

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

DER/PR ES-D 11/05 DRENAGEM: DEMOLIÇÃO DE DISPOSITIVOS DE CONCRETO

DER/PR ES-D 11/05 DRENAGEM: DEMOLIÇÃO DE DISPOSITIVOS DE CONCRETO DRENAGEM: DEMOLIÇÃO DE DISPOSITIVOS DE CONCRETO Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O E. M. E. F. P R O F ª. D I R C E B O E M E R G U E D E S D E A Z E V E D O P

Leia mais