PANORAMA HISTÓRICO DA PESQUISA EM LÍNGUA INDÍGENA NO MATO GROSSO DO SUL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PANORAMA HISTÓRICO DA PESQUISA EM LÍNGUA INDÍGENA NO MATO GROSSO DO SUL"

Transcrição

1 PANORAMA HISTÓRICO DA PESQUISA EM LÍNGUA INDÍGENA NO MATO GROSSO DO SUL Letícia Reis de Oliveira (UEMS) Taís Turaça Arantes (UEMS) Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) RESUMO: O Brasil conta com cerca de 185 línguas indígenas, porém, de acordo com a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e a Cultura), uma boa parte delas está em perigo, vulneráveis ou em situação crítica. Muitas línguas foram se extinguido com o passar do tempo, consequências que vem desde o período colonial até a atualidade, há vários fatores que ocasionaram a morte de seus falantes nativos. Os estudos sobre as línguas indígenas ajudam a registrar, identificar a origem de cada uma delas e consequentemente a ações à sua sobrevivência, revelando assim a importância dos estudos linguísticos na área. Fatores como os mencionados anteriormente contribuem para que esse tipo de pesquisa cresça, tanto que no Brasil existem núcleos de estudos voltados para o assunto. Dessa forma o presente trabalho busca apresentar um panorama histórico de como são desenvolvidas as pesquisas sobre línguas indígenas, com um olhar também voltado para as culturas desses povos. No último tópico foram abordadas questões de duas dessas línguas presentes no estado de Mato Grosso do Sul MS, que são: Terena e Kadiwéu, pelo fato de estarem inseridas no Atlas da Unesco como línguas que estão em perigo. Palavras-chave: Terena; Kadiwéu; Língua Indígena; pesquisa linguística RESUMEN: Brasil cuenta con un gran número de cerca de 185 lenguas indígenas, pero de acuerdo con la UNESCO (Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura), una buena parte de ellas están en peligro de extinción, vulnerables o en situación crítica muchas lenguas fueran extinguido con el tiempo pasado, consecuencias que vienen desde el periodo colonial hasta la actualidad, hay varios factores que llevaron a la muerte de sus hablantes nativos. Los estudios sobre las lenguas indígenas ayudan a registrar, identificar el origen de cada una de ellas y en consecuencia las acciones por su supervivencia, lo que revela la importancia de los estudios lingüísticos en el área. Factores como los mencionados anteriormente contribuyen para que este tipo de pesquisa crezca, tanto que en Brasil existen núcleos de estudios centrados a este tema. De esa forma el presente trabajo busca presentar un panorama histórico de como son desarrolladas las pesquisas sobre las lenguas indígenas, con una visión también convertida para las culturas de estos pueblos. En el último tópico fueran abordadas cuestiones de estas lenguas presentes en el Estado de Mato Grosso do Sul MS, que son: Terena y Kadiwéu, porque se insertan en el Atlas de la UNESCO como lenguas que están en peligro. Palabras-clave: Terena; Kadiwéus, Lenguas Indígenas; pesquisa lingüística Introdução A pesquisa em Língua Indígena é muito mais complexa do que pensamos, pois 88

2 assim como todas as línguas é necessário levar em consideração a cultura, e voltar um olhar para ela de forma individualizada, ou seja, não é recomendado que o pesquisador use outras línguas para fazer comparação de estrutura, como as não indígenas. No entanto, apesar dos desafios, como o acesso as etnias, a necessidade de materiais e financiamento para que o trabalho seja realizado, mesmo assim é necessário que as línguas indígenas sejam objetos de pesquisas, pois muitas delas correm o risco de serem extintas, por possuir poucos falantes e registro, como o Guató, o Terena e o Kadiwéu localizadas no Mato Grosso do Sul. Devido o perigo dessas línguas serem extintas, como apontado em pesquisas pela UNESCO i, que apresenta um quadro que aponta algumas dessas línguas presentes em território brasileiro, por isso ressalta-se que muitas línguas se perderam por não haver estudos e registro sobre as mesmas. Nesse aspecto se desenvolve o papel importante do linguista, pois o mesmo pode coletar dados e isso pode funcionar como uma maneira de conservar a língua. Outra questão é de como existe uma visão estereotipada da cultura dos índios, pois não é incomum escutar algumas afirmações, sem nexo, sobre ela, tais como: o índio é preguiçoso, que ele não planta, que não precisa de terra e nem pode desfrutar de confortos, como de ter uma casa, um carro, coisas que os homens brancos têm. Contudo o que realmente acontece a falta de aprofundamento no quesito de conhecer a cultura deles, ou seja, os não índios tentam julgar pela forma que interagem na sua própria cultura, na qual os valores são diferentes. E sabe-se que para a pesquisa de língua indígena é extremamente necessário entender a cultura e as individualidades de cada etnia indígena. Logo, o que influenciou a escrita do presente trabalho foi à intenção de demonstrar um panorama histórico da pesquisa acerca das línguas indígenas, uma vez que existem diversos estudos sobre o assunto no Brasil e fora do país. E o fato disso acontecer contribui como uma forma de preservar a língua dos povos nativos. Para o desenvolvimento do trabalho foram elaborados três tópicos para uma melhor apresentação da pesquisa realizada, sendo que o primeiro trata de maneira ampla sobre a cultura indígena e de como começou a existir os registros da língua. Em um 89

3 segundo momento é apresentado os estudos no Brasil, visto que se faz necessário explicar os troncos das famílias e de como alguns registros ajudam a preservar a língua indígena. No terceiro tópico o recorte será especificado para as línguas do estado de Mato Grosso do Sul MS, e serão trabalhadas as três: Terena, Kadiwéu e Guató. Menciona-se aqui que a escolha dessas três línguas não foi por acaso, pois as mesmas estão em perigo e compreendemos a importância de se trabalhar com as três. Mencionase também que durante o processo de escrita do trabalho foi utilizada a abreviação LI para o termo Língua Indígena e a construção do trabalho se pautou em pesquisadores comprometidos com a língua indígena. 1. Cultura e língua indígena Ao pensar sobre esses dois aspectos, cultura e língua, a última como sendo algo que caracteriza e registra a cultura de um povo, seja esse registro de forma oral ou escrito, é importante desmistificar algumas questões, como por exemplo, a visão idealizada que se tem dos povos indígenas. Para isso recortamos a fala de um indígena da etnia Tikuna situada na região do alto do Solimões, no Amazonas - que faz uma reflexão sobre pensamentos comuns sobre os povos nativos brasileiros. Quando pensamos no índio, a primeira imagem que vem a mente é aquela do homem nu, guerreiro com arco e flecha nas mãos, de olhos puxados, cabelos lisos e de rosto e corpo pintados. Há nessa imagem um misto de belo e exótico, ora idealizador ora preconceituoso. (CATACHUNGA p.55). A visão idealizada foi uma das mais divulgadas por meio do romance brasileiro, sobretudo quando se trata do autor José de Alencar, e mediante a esses estereótipos equivocados que se constroem dos nossos ancestrais. Dessa forma quando pensamos em cultura e língua indígena se faz necessário retomar as questões histórias de colonização do Brasil. Por meio dos conhecimentos históricos que nos é transmitidos nas escolas, aprendemos que os portugueses ao chegarem em terras brasileiras encontraram nativos, que hoje conhecemos como os povos indígenas. Lembramos que pelo fato de não servirem para o trabalho escravo, são popularmente conhecidos, desde aquele 90

4 período, como preguiçosos. É necessário refletir a respeito da diferença cultural desses povos, visto que não podemos compará-los ao homem branco, pelo fato de haver um equivoco, pois o povo indígena não busca produzir em longa escala, ou seja, ele produz para ele mesmo, apenas o necessário. Os povos indígenas têm uma economia de subsistência e não lucrativa. O que parece incomodar a visão capitalista dos madeireiros, garimpeiros e dos amantes do capitalismo, este sim, selvagem.. (GOMES, 2009, p. 01) Com relação ao conceito do homem branco a cerca do indígena, nos deparamos com uma série de preconceitos gerados pelo fato da sociedade acreditar que os índios devem viver, exclusivamente, em ambientes naturais, ou seja, fora do contexto urbano. Saber que o indígena usufrui de benefícios sociais garantidos constitucionalmente gera certa inconformidade e trás á tona novamente o pensamento de que os mesmos não trabalham. Abaixo uma explicação sobre esses benefícios: Do governo federal vêm auxílios e bolsas, tais como Salário Maternidade, Bolsa Família, aposentadorias e salários, além das atividades praticadas pelos dois órgãos federais de auxílio ao indígena: a Funais (Fundação Nacional do Índio) e a Funasa (Fundação Nacional da Saúde). Dos governos estaduais e municipais vêm projetos desenvolvimentistas, apoio para projetos locais, além da educação e saúde, operacionalizados na esfera municipal. O universo indígena brasileiro está em franco transformação social por diversos motivos, e poucas etnias continuam alheias a este processo. (SILVA et Alli, 2008, p.10) O que se faz necessário compreender é que esses benefícios são uma forma de ajudá-los a viver com qualidade, pois atualmente eles estão inseridos em outro contexto que não é o originário deles. Dessa forma para a melhor adequação dos mesmos se faz necessário essa ajuda, já que eles adaptam a sua cultura a um novo ambiente social, eles tanto se esforçam para serem inseridos que muitas vezes quando eles deixam o ambiente da tribo em rumo ao meio urbano, ele aprende a língua portuguesa, que hoje é considerada a segunda língua. À medida que o indígena se aproxima de um contexto distinto e urbanizado, ele se insere em um ambiente onde é facilmente discriminado por não se adequar ás exigências sociais locais. Isso gera um misto de frustração em relação ao meio e anseio por encontrar uma medida de concordância entre ser índio e ao mesmo tempo poder ser respeitado e usufruir do novo que juga bom. (SILVA et Alli, 2008 p 11) 91

5 Pode-se atribuir esse fato á decorrência da colonização portuguesa, ao chegarem ao Brasil e encontrarem aqui os nativos e ao perceberem que a cultura e língua desses povos eram diferentes, mas isso não foi empecilho e eles rapidamente encontraram meios para educá-los, ressaltamos então, as missões jesuíticas. Veiga nos explica como os jesuítas se apropriaram da língua indígena na tentativa de catequizá-los. Vejamos abaixo: [ ] para aproximarem sua cultura da cultura indígena os jesuítas produziram estratégias pedagógicas nada convencionais. Com o objetivo de conhecer o outro e realizar a educação das vontades, os padres combinaram escrita, expressão corporal e oralidade nas ações educativas, chegando a aprender o idioma dos índios em especial a língua mais falada na costa, o tupiguarani,que denominaram língua brasílica. Assim, os padres passaram a realizar as pregações nas missas e ensinar orações em idioma brasílico, além de cantos religiosos e cantigas portuguesas. O recurso á oralidade cantada foi muito utilizado e encontrou boa receptividade entre os índios, cuja a cultura valoriza o canto e a dança. (VEIGA. 2007, p. 57) A língua foi uma forma que eles encontraram para conseguir uma aproximação dos índios. Nota-se também que nesse período não houve respeito sobre a cultura indígena, uma vez que eles tiveram que aprender os modos da cultura portuguesa. Recordamos aqui que foi nesse período que houve uma das iniciativas jesuíticas mais ousada voltada para o campo da escrita, ou seja, a criação da primeira gramática do tupinambá: a Arte da gramática da língua mais usada na costa do Brasil, organizada por Anchieta. Mesmo manuscrita foi utilizada em colégio, tal como: Colégio da Bahia, porém sua primeira versão impressa é de Quase um século depois, a mesma obra foi utilizada pelo padre Antônio Vieira, que em seus Sermões, fez uma sinterização do processo de elaboração das regras gramaticais: ouvir a língua percebê-la, reduzi-la à gramática e aos preceitos e só então estudar e pronunciar. Tudo isso facilitou quando os jesuítas chegaram ao Brasil, pois os ajudaram a entender a língua local. (VEIGA, 2007, p.58) Outro ponto que deve ser mencionado á respeito das línguas indígenas é que existia uma grande diversidade delas no período colonial, não era somente o tupiguarani, que na verdade é uma família linguística, composta por línguas como o 92

6 tupinambá, o guarani e outras, que prevalecia no Brasil. Em suma, que muitas outras línguas estavam presentes, mas se perderam pela questão da escravidão e outros motivos que levaram os membros dos povos indígenas morrerem. É provável que na época da chegada dos primeiros europeus ao Brasil, há quase quinhentos anos, o número das línguas indígenas fosse o dobro do que é hoje. A redução teve como maior causa o desaparecimento dos povos que as falavam, em consequência das campanhas de extermínio ou de caça aos escravos, movidas pelos europeus e por seus descendentes e prepostos, ou em virtudes das epidemias de doenças contagiosas do Velho Mundo, deflagradas involuntariamente (em alguns casos voluntariamente) no seio de muitos povos indígenas; pela redução progressiva de seus territórios de coleta, caça e plantio e, portanto, de seus meios de subsistência, ou pela, assimilação, forçada ou induzida, aos usos de costumes dos colonizadores. Naturalmente, o maior número de línguas indígenas desapareceu nas áreas que foram colonizadas há mais tempo e mais intensamente, constituídas pela região Sudeste e pela maior parte das regiões Nordeste e Sul do Brasil.(RODRIGUES, p. 19). Rodrigues explica na citação acima como algumas línguas foram extintas no período colonial. Mas essa questão sobre o desaparecimento de algumas línguas indígenas não está restrita somente a esse período, pois ainda há um grande número delas que estão em perigo no Brasil. O Atlas Interativo de Línguas em Perigo no Mundo organizado pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), existe atualmente cerca de 190 línguas indígenas que estão em perigo, entre elas podemos citar: Terena e Kadiwéu 1. Duas línguas de tribos indígenas que habitam no Mato Grosso do Sul, estado no qual focaremos para uma maior abordagem da situação das pesquisas de LI. 2. Pesquisa de língua indígena no Brasil O estudo sobre as línguas indígenas no Brasil começou no período da colonização com o intuito de catequizar os índios, esse interesse pelas diversas línguas que aqui já existiam, visavam um interesse da colônia, e não se pensava em algo que 1 Informações retiradas do Atlas Interativo de Línguas em Perigo no Mundo, organizado pela Unesco. Disponível em: Acesso em 24 de junho de 2013, às 09:44. 93

7 pudesse contribuir para uma melhor qualidade de vida dos nativos e desenvolvimento deles. Mesmo assim foram estudos iniciais e de grande contribuição para as pesquisas atuais possam se desenvolver e aprofundar suas análises. No passado as informações e dados linguísticos sobre as línguas indígenas brasileiras pertenciam ao registro dos etnógrafos, principalmente no século XIX, e as obras jesuíticas a um passado ainda mais remoto. Queremos dizer os primeiros contatos científicos com as línguas indígenas foram feitos através de missionários nos tempos da colonização, com grande repercussão para os estudos da atualidade. (GOMES, 2009, p. 2) Diante dessa constatação é equivocado desconsiderar completamente o trabalho que os jesuítas desenvolveram, como aqueles de análise das línguas Tupi da costa que hoje estão extintas, no entanto, o problema que podemos detectar das pesquisas desse período é a supervalorização do Tupi a ponto de torná-lo padrão, o que consequentemente contribuiu para o apagamento de muitas outras línguas indígenas existentes naquele período. E a tentativa de criar uma língua geral a fim de facilitar a exploração das terras brasileiras a partir de uma melhor comunicação, pois tanto índios como também os não índios se utilizavam dessa língua para se comunicar. Desvalorizar algumas línguas e valorizar outras é o mesmo que dizer que todo índio é igual e possuem os mesmos costumes e preservam as mesmas culturas, o que na prática percebemos que não ocorre. Um exemplo disso é os xetá que vivem da caça, mesmo sendo pertencentes à mesma família dos Tupinambás e esses caracterizam-se por serem agricultores, essa diferença simples irá exercer grande influência na construção das línguas desses dois povos indígenas. Por isso que a língua está estritamente vinculada à cultura, aos usos e costumes de um povo, e não seria diferente quando se tem a intenção de pesquisar uma LI. ii O que ocorre é que quando um pesquisador volta o seu olhar para as questões de línguas indígenas, é preciso que ele esteja consciente de que é fundamental dissociar a cultura do homem branco e olhar o índio por ele mesmo, ao invés de compará-los a outra etnia como algumas pessoas costumam fazer. Dessa forma se percebeu que a própria denominação indígena é uma generalização, pois são diversas etnias que se diferem entre si no Brasil. 94

8 O próprio termo indígena é resultado de nosso simplismo ao imaginarmos um grupo homogênio, com anseios e necessidades semelhantes, ao passo que as mais de 250 etnias indígenas brasileiras formam um universo pulverizado e heterogêneo, linguística, cultural e socialmente. (SILVA et Alli, 2008, p.11) Atualmente no Brasil, mais de 70% dos índios estão no Amazonas (55 mil), Mato Grosso do Sul (30 mil), Roraima (23,4 mil), Mato Grosso (16,3 mil), Pernambuco (15,8 mil), Maranhão (12,1 mil) e Pará (11,3 mil). Os demais 65 mil índios (28,4%) estão no resto do país. Não há índios no Piauí nem no Rio Grande do Norte. Perto de 90 % dos índios vivem nas regiões Norte (45,46%), Centro-Oeste (22,36%) e Nordeste (20,13%). iii Quando pensamos especificamente nas línguas precisamos atentar para os vários troncos e famílias linguísticas algumas delas são: a família Tupi-Guaraní, Tronco Tupí, Tronco macro jê, Família Karíb, as famílias Aruák e Arawá, família Guaikurú, família Múra, família Katukína, família Tukáno, família Makú, família Yanománi e as línguas isoladas que não se encaixam em nenhuma família ou tronco por ser difícil detectar semelhanças linguísticas, ou seja, de mesmo parentesco genérico como aponta Rodrigues. As línguas presentes nesses trocos ou famílias foram unidas em um mesmo grupo por meio de comparações linguísticas e das semelhanças que elas apresentam entre si, muitas vezes, por estarem próximas, ou devido às guerras entre as tribos, tiveram contato o que causou uma mistura proporcionando essas aproximações linguísticas. Outro dado importante é que muitas das línguas indígenas aqui no Brasil são as influências que sofreram com outras línguas desde a colonização. Além do contato com a língua portuguesa também podemos perceber influências do espanhol, pois muitas das LI situam-se em regiões de fronteira como acontece com as línguas da família Karíb que estão na região das guianas brasileira, francesa e inglesa além de fazerem fronteira com a Venezuela. Mesmo diante de tantas pesquisas linguísticas no Brasil sobre as LI, ainda se faz necessário que muitas línguas sejam transcritas, muitas ainda possuem documentação 95

9 vaga e que pouco contribuem com dados para pesquisas. Um desafio na pesquisa de LI é o fato de que algumas línguas possuem poucos falantes, o que dificulta a coleta de corpus para posterior análise e transcrição da língua. Há casos em que os índios foram exterminados em regiões de minas de ouro e hoje eles se recusam em falar suas línguas por acreditarem que seus irmãos morreram por não saberem o português, um exemplo disso são os Tupinikín que hoje de acordo com Rodrigues (2002) só falam língua portuguesa. 3. Pesquisa sobre as línguas indígenas de Mato Grosso do Sul O tópico tentará explicar como se dá a pesquisa da língua indígena referente á alguns pontos do estado de Mato Grosso do Sul MS. Porém, esse recorte será feito sobre os Terenas e kadiwéus. Essa escolha se deu pelo fato de serem duas línguas que estão em perigo. Mas antes de falar sobre as pesquisas iremos explorar um pouco sobre o povo (onde estão) e a língua deles Terena Povo e Língua De acordo com a Tabela de Territórios Indígenas em MS, disponível na revista Tekoha 2, organizada pelo Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul, o povo Terena está espalhado pelo estado. Ressaltando que a tabela foi elaborada com os dados da Funai Campo Grande em O quadro abaixo tem por objetivo demonstrar os locais que o povo Terena ocupa: Terra Indígena Água Limpa Município Campo Grande / Rochedo 2 Disponível em: Acessado em 26 de junho de 2013, às 10:01. 96

10 Aldeinha Buriti Buritizinho Cachoeirinha Dourados Kadiwéu Lalima Limão Verde Nioaque Nossa Senhora de Fátima Pilade Rebuá Taunay/ Ipegue Anastácio Dois Irmãos do Buriti / Sidrolândia Sidrolândia Aquidauana/ Miranda Dourados Corumbá / Porto Murtinho Miranda Aquidauana Nioaque Miranda Miranda Aquidauana O quadro apresenta os locais onde os terenas estão e suas terras, sobre a origem do povo Terena existem várias histórias, pois ela está ligada com as histórias de outros povos indígenas, como também do homem branco, africanos e consequentemente de seus descendentes. Pode-se conhecer também o seu passado pelo produto de cultura material, como a tecelagem e cerâmica que revelam costumes antigos e hábitos. (BITTENCOURT et LADEIRA, 2000) O site Povos Indígenas no Brasil 3, traz em sua página sobre os Terenas que a língua desse povo é da família linguística Aruák. Explica que a língua terena é falada pelas pessoas que atualmente se reconhecem como Terena. Porém, há uso desigual da língua, algumas aldeias utilizam mais que outras. Bittencourt e Ladeira também explicam a origem da língua pela Aruák: 3 Disponível em: Acessado em 26 de junho de 2013, ás 13:45. 97

11 A língua falada pelos terena conserva elementos em comum com a língua usada pelos Laiana e pelos Kinikinau e que, embora com algumas diferenças, permite reconhecer que ele pertence a uma língua de origem comum denomianda Aruák. A identificação dessa língua comum é importante porque, por intermédio dela, podemos saber um pouco sobre a origem dos Terena e localizar o lugar onde vivem e viveram em outros tempos. Pode-se conhecer o lugar de origem das pessoas porque as línguas têm elementos comuns e podese perceber que cada povo recebe várias influências no contato com outras populações. Com a convivência são acrescentadas novas palavras, alterando constantemente a língua original. Quando uma comunidade se separa, a convivência entre as pessoas diminui e, em consequência, aumentam as diferenças fala dos habitantes desses lugares. (BITTENCOURT et LADEIRA, 2000, p. 12) 3.2 Kadiwéu Povo e Língua Os Kadiwéus são conhecidos como índios cavaleiros e guerreiros, pois sua história é carregada de conflitos com outros indígenas e não-indígenas, inclusive eles têm a sua importância na história do antigo estado do Mato Grosso, hoje dividido e denominado Mato Grosso do Sul pois eles lutaram na guerra do Paraguai, foi então que Dom Pedro II lhes deu a terra que possuem até hoje. (SILVA, 2004, p. 40 apud SOUZA, 2012, p. 21). A Tabela de Territórios Indígenas em MS apresenta que os Kadiwéus ocupam uma terra em Corumbá/ Porto Murtinho e esse povo são um total de (Funasa, 2009). Segundo Rodrigues, a língua Kadiwéu faz parte da família Guaikurú que se localiza numa região mais oriental. Terra Indígena Kadiwéu Município Corumbá / Porto Murtinho As demais línguas da família Guaikurú encontram-se na região ao Sul do Amazonas, já o Kadiwéu é a única ao leste do rio Paraguai, e provavelmente devido ao seu distanciamento das línguas da mesma família ela seja a mais distinta delas. Confira alguns exemplos retirados da obra de Rodrigues (2002), sobre a família Guaikurú: 98

12 Português Kadiwéu Toba Pedra wetiga Koma Sangue Lawodi Tagoq Casa Diimigi ma É perceptível as diferenças que o Kadiwéu apresenta com relação ao Toba, se pensarmos nas semelhanças que há entre as línguas de outras famílias como, por exemplo, a Aruák, por isso é necessário que cada língua seja vista e estudada em suas particularidades. 3.3 Guató Povo e Língua Segundo Costa não há uma origem ao certo dos Guatós, o que a linguista relata em sua tese é que eles são (...) filhos legítimos do Pantanal. Com a extinção das tribos Guaxarapós e Paiaguás, os Guatós ficaram conhecidos, historicamente, como os últimos índios canoeiros do Pantanal, por excelência, pois viviam quase sempre sobre a água, em suas canoas usadas para o transporte (Costa. 2010, p. 20). Essa língua possui alguns estudos, um dos pioneiros no Brasil a citá-la em sua obra foi Aryon Rodrigues em 1970 e posteriormente por seu orientando Adair Palácio em A perda dessa língua é consequência da tentativa de unificação da LI ainda no Brasil colônia, por isso em um de seus trabalhos sobre os Guatós, Palácio (2004, p. 162) afirma que nesse período: acredita-se que havia cerca de 50 falantes, e desses, apenas 20 a 30 eram falantes ativos. O pesquisador ainda aponta que a maior parte desse povo era bilíngue Guató e Português. Sobre a situação linguística Postigo (2009. p.27): Os guató são monolíngues em Português e após algumas iniciativas da Secretaria de Educação e da Funai, estão utilizando saudações e algumas palavras em guató, pois apenas alguns idosos são bilíngues em Português Guató. Dessa língua se tem alguns registros, teses, documentos e até mesmo dicionário, mas mesmo assim corre o risco de ser extinta devido a influências do espanhol, devido 99

13 ao fato de estarem na fronteira com a Bolívia. O fato de haver poucos falantes e a dificuldade que os pesquisadores encontram em coletar dados devido à localização em que a etnia vive, onde só se tem acesso de barco e pelo fato de os informantes serem poucos também são fatores que contribuem para o apagamento da língua. Considerações Finais A partir das informações pesquisadas e apresentadas neste trabalho, pode-se constatar que as pesquisas de LI ainda são escassas, mas há um número significativo de pesquisadores que dedicaram e continuam a dedicar suas vidas ao estudo das mesmas. É notório que muitos são os desafios que permeiam uma pesquisa de Língua indígena, pois requer o esforço de profissionais de várias áreas do conhecimento, como historiadores, antropólogos e linguistas para que o trabalho seja completo, porque uma pesquisa sobre qualquer língua requer conhecimentos sobre o povo e a sua cultura. Pode-se constatar que ainda há muito a ser pesquisado quando se refere à língua indígena, pois muitas delas estão se apagando devido à falta de falantes e ao sufocamento provocado pela cultura do homem branco, que faz com que muitos indígenas não queiram falar suas línguas maternas, apenas o português. O intuito dessa breve pesquisa era apontar algumas questões a respeito da pesquisa em LI, pois há mais de 180 línguas e muitas ainda precisam ser pesquisadas e transcritas, apontar o valor de cada uma e os riscos que algumas delas correm por falta de pesquisa, como as do Mato Grosso do Sul, Terena, Kadiwéu e o Guató. Para que essas línguas permaneçam só um caminho, a pesquisa, a elaboração de materiais e a educação dos indígenas em suas línguas maternas, para que se resgate um dos aspectos que representam a cultura e identidade das etnias indígenas. Referências BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes; LADEIRA, Maria Elisa. A história do povo Terena. Brasília : MEC ; São Paulo : USP/CTI, CATACHUNGA, E.L. Autonomia indígena e escolha de rumo. In: SOUZA, I. C. & 100

14 LIDÓRIO, R. (Org.). A questão indígena - uma luta desigual: missões, manipulações e sacerdócio acadêmico. Viçosa, MG: Ultimato, COSTA, Natalina Sierra Assencio. Variações entoacionais na língua portuguesa falada por mulheres guatós. São Paulo, Disponível em: < acesso em 03 de julho de GOMES, N.S. A SIL e os estudos das línguas indígenas brasileiras. Instituto Antropos, Disponível em: < 89&catid=35&Itemid=3> acesso 22 de junho de PALÁCIO,A.P. Alguns aspectos da língua guató. Liames 4, Disponível em: < acesso em 08 de julho de POSTIGO, A.V. Fonologia da língua guató. Três Lagoas: MS, Disponível em: < 439/Publico/Adriana.pdf> acesso em 11 de julho de RODRIGUES, A. D. Línguas Brasieliras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Edições Loyola, SILVA et Alli. O evangelho e a cultura indígena. In: SOUZA, I. C. & LIDÓRIO, R. (Org.). A questão indígena - uma luta desigual: missões, manipulações e sacerdócio acadêmico. Viçosa, MG: Ultimato, SOUZA, L.M.A. Descrição da fala masculina e da fala feminina na Língua Kadiwéu. In: O povo Kadiwéu. Três Lagoas, MS: Disponível em:< acesso em o7 de julho de VEIGA, Cynthia Greive História da Educação. São Paulo: Ática: Recebido Para Publicação em 15 de julho de Aprovado Para Publicação em 26 de julho de i Informações retiradas do Atlas Interativo de Línguas em Perigo no Mundo, organizado pela Unesco. Disponível em: <http://www.unesco.org/culture/languages-atlas/index.php?hl=en&page=atlasmap>. Acesso em 24 de junho de ii Informações sobre as distinções de culturas entre tribos indígenas com línguas pertencentes ao mesmo tronco foram retiradas do livro de Rodrigues. iii Informações retiradas do artigo de Nataniel dos Santos Gomes: A SIL e os estudos das línguas indígenas brasileiras publicado em 2009, disponível em <http://instituto.antropos.com.br/v3/index.php?option=com_content&view=article&id=489&catid=35&it emid=3> acesso em 20 de junho de

Atualmente, há apenas dois estados brasileiros nos quais não vivem populações indígenas: Piauí e Rio Grande do Norte.

Atualmente, há apenas dois estados brasileiros nos quais não vivem populações indígenas: Piauí e Rio Grande do Norte. AS LÍNGUAS INDÍGENAS Odesenvolvimento das pesquisas de ciências como a antropologia, a etnologia e a linguística permite que tenhamos hoje informações e conhecimentos aprofundados a respeito das populações

Leia mais

O TRONCO MACRO-JÊ EM MS: O CASO DA LÍNGUA TERENA Letícia Reis de Oliveira (Graduando - UEMS) Nataniel dos Santos Gomes (UEMS)

O TRONCO MACRO-JÊ EM MS: O CASO DA LÍNGUA TERENA Letícia Reis de Oliveira (Graduando - UEMS) Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) O TRONCO MACRO-JÊ EM MS: O CASO DA LÍNGUA TERENA Letícia Reis de Oliveira (Graduando - UEMS) Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) Resumo: As línguas indígenas brasileiras estão dividas em troncos ou famílias

Leia mais

Línguas indígenas brasileiras ameaçadas de extinção. Aryon Dall Igna Rodrigues (Laboratório de Línguas Indígenas, Universidade de Brasília)

Línguas indígenas brasileiras ameaçadas de extinção. Aryon Dall Igna Rodrigues (Laboratório de Línguas Indígenas, Universidade de Brasília) Línguas indígenas brasileiras ameaçadas de extinção Aryon Dall Igna Rodrigues (Laboratório de Línguas Indígenas, Universidade de Brasília) Como em outras partes do mundo, também no Brasil os povos minoritários

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

MAPEAMENTO DA LÍNGUA TERENA DA ALDEIA ALDEINHA ANASTÁCIO/MS Evelin Tatiane da Silva Pereira¹ Margareth Fialho Candido² Elisangela Castedo Maria³

MAPEAMENTO DA LÍNGUA TERENA DA ALDEIA ALDEINHA ANASTÁCIO/MS Evelin Tatiane da Silva Pereira¹ Margareth Fialho Candido² Elisangela Castedo Maria³ 1 MAPEAMENTO DA LÍNGUA TERENA DA ALDEIA ALDEINHA ANASTÁCIO/MS Evelin Tatiane da Silva Pereira¹ Margareth Fialho Candido² Elisangela Castedo Maria³ RESUMO O presente trabalho teve como objetivo principal

Leia mais

A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA

A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA Arcenio Francisco Dias Neste artigo iremos apresentar o ensino da Língua Terena e Artes e Cultura Terena no município

Leia mais

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS INDÍGENAS NO BRASIL Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG Conhecendo os povos indígenas Para conhecer melhor os povos indígenas, é importante estudar sua língua.

Leia mais

TEMAS E CONTEÚDOS ABORDADOS POR PROFESSORES INDÍGENAS EM OFICINAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA TERENA

TEMAS E CONTEÚDOS ABORDADOS POR PROFESSORES INDÍGENAS EM OFICINAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA TERENA TEMAS E CONTEÚDOS ABORDADOS POR PROFESSORES INDÍGENAS EM OFICINAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA TERENA Ingrid Joyce de Lima Patrocínio 1 ; Sandra Cristina de Souza 2 1 Estudante do Curso de Letras da

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

Devastação e perigo nos ecossistemas terrestres

Devastação e perigo nos ecossistemas terrestres COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Lições de Língua Portuguesa, História e 4º A Troca do Livro 4º Vivência Religiosa - 4º ano quarta-feira segunda 4º B 4º C feira segunda-feira quinta-feira Leia o texto abaixo

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE DICIONÁRIO PARA A LÍNGUA WAYORO: PASSOS INICIAIS Eurides Aires RIBEIRO (UFPA) Antônia Fernanda de Souza NOGUEIRA (UFPA)

CONSTRUÇÃO DE DICIONÁRIO PARA A LÍNGUA WAYORO: PASSOS INICIAIS Eurides Aires RIBEIRO (UFPA) Antônia Fernanda de Souza NOGUEIRA (UFPA) CONSTRUÇÃO DE DICIONÁRIO PARA A LÍNGUA WAYORO: PASSOS INICIAIS Eurides Aires RIBEIRO (UFPA) Antônia Fernanda de Souza NOGUEIRA (UFPA) RESUMO: O objetivo mais amplo deste artigo é apresentar resultados

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

REVITALIZAÇÃO LINGUÍSTICA E CULTURAL SATERÉ-MAWÉ

REVITALIZAÇÃO LINGUÍSTICA E CULTURAL SATERÉ-MAWÉ REVITALIZAÇÃO LINGUÍSTICA E CULTURAL SATERÉ-MAWÉ José de Oliveira dos S. da Silva (Nek i Satere Mawe) OPISMA 1 Dulce do Carmo Franceschini UFU / LALI-UNB 2 Denize de Souza Carneiro UFU 3 Introdução Com

Leia mais

Contribuçoes para o projeto de revitalizaçao da lingua indigena kyikatêjê na amazônia paraense

Contribuçoes para o projeto de revitalizaçao da lingua indigena kyikatêjê na amazônia paraense Pereira Machado Soares, Eliane; Rodrigues Brito, Áustria Contribuçoes para o projeto de revitalizaçao da lingua indigena kyikatêjê na amazônia paraense V Jornadas Internacionales de Investigación en Filología

Leia mais

célia collet mariana paladino kelly russo

célia collet mariana paladino kelly russo Apresentação Este livro é produto de uma inquietação resultante de nossas pesquisas e de práticas docentes e de extensão universitária, ao apreender o modo como as culturas e as histórias indígenas são

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos CONDORITO NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA Talita Galvão dos Santos (UEMS) tali_galvao@hotmail.com Taís Turaça Arantes (UEMS) taistania@gmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@uol.com.br

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso do Sul

Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social www.setas.ms.gov.br Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso SETAS Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social Governadoria ANDRÉ PUCCINELLI

Leia mais

2- (0,5) O acúmulo de lixo é um grave problema dos ambientes urbanos. Sobre o lixo responda: a) Quais são os principais destino do lixo?

2- (0,5) O acúmulo de lixo é um grave problema dos ambientes urbanos. Sobre o lixo responda: a) Quais são os principais destino do lixo? Data: /11/2014 Bimestre: 4 Nome: 7 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 9 1- (0,5) Sobre o ecossistema da caatinga do sertão do Nordeste, responda.

Leia mais

Mestrado Profissional:

Mestrado Profissional: Mestrado Profissional: reflexões e proposições para sua avaliação e sustentabilidade Documento aprovado na Assembléia Ordinária do FOPROF em Florianópolis, 9 de novembro de 2011 NOVEMBRO 2011 DIRETÓRIO

Leia mais

O Ensino da Língua Estrangeira nas Escolas Públicas e a Distância 1.

O Ensino da Língua Estrangeira nas Escolas Públicas e a Distância 1. O Ensino da Língua Estrangeira nas Escolas Públicas e a Distância 1. Antonio Veras Nunes 2 RESUMO - O presente artigo pretende compreender o que são crenças no ensino de Língua Estrangeira, nas escolas

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA

A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA Tassiana Quintanilha de Souza (G CLCA UENP/CJ) Denise da Silva de Oliveira (Orientadora CLCA UENP/CJ) RESUMO: Este artigo visa discorrer sobre a formatação

Leia mais

REVISTA AVEPALAVRA WWW2.UNEMAT.BR/AVEPALAVRA

REVISTA AVEPALAVRA WWW2.UNEMAT.BR/AVEPALAVRA O INDÍGENA FAZENDO HISTÓRIA NAS RUAS DE CAMPO GRANDE Laís Rigolin Chaves 1 Talita de Almeida Paula 2 Elisângela Leal da Silva Amaral 3 Resumo Este artigo, resultado de fase inicial de pesquisa, tem como

Leia mais

HISTÓRIA DE MATO GROSSO DO SUL

HISTÓRIA DE MATO GROSSO DO SUL MAYRA COUTINHO HISTÓRIA DE MATO GROSSO DO SUL TEORIA 71 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS E EXERCÍCIOS PROPOSTOS GABARITADOS Teoria e Seleção das Questões: Profª. Mayra Coutinho Organização e Diagramação:

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Política de alimentação escolar para populações indígenas

Política de alimentação escolar para populações indígenas Política de alimentação escolar para populações indígenas IV Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar 25 a 28 de novembro de 2008 Profª Dulce Ribas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Leia mais

HISTÓRIA DE MATO GROSSO DO SUL

HISTÓRIA DE MATO GROSSO DO SUL MAYRA COUTINHO HISTÓRIA DE MATO GROSSO DO SUL TEORIA 39 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS E EXERCÍCIOS PROPOSTOS GABARITADOS Teoria e Seleção das Questões: Profª. Mayra Coutinho Organização e Diagramação:

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

Um estudo da cultura na formação de professores de E/LE na modalidade EaD

Um estudo da cultura na formação de professores de E/LE na modalidade EaD Um estudo da cultura na formação de professores de E/LE na modalidade EaD Ricardo Paulo Costa dos Anjos (UNEB) 1 Resumo: Na contemporaneidade é imprescindível que o professor de Língua Estrangeira (LE)

Leia mais

Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi

Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi Lux Vidal Apresentação Os povos indígenas do extremo Norte do Amapá, habitantes da bacia do rio Uaçá e do baixo curso do rio Oiapoque - Karipuna, Palikur,

Leia mais

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo ÍNDIOS NO BRASIL Cristina Langendorf Luciana Catardo AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrissem as suas vergonhas. Traziam nas mãos arcos e setas. Historiadores

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 Sociologia Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Antropologia Literatura Atuação política Propostas

Leia mais

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás.

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. Comunicação, Ciência e Conservação do Cerrado: Mídia e Jornalismo na conscientização e

Leia mais

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Girllaynne Marques Vinícius Nicéas 1 Universidade Federal de Pernambuco A obra A norma oculta, do linguista brasileiro Marcos Bagno 2 (2003),

Leia mais

Panorama da produção científica de pesquisadores surdos no Brasil

Panorama da produção científica de pesquisadores surdos no Brasil ARTIGO Panorama da produção científica de pesquisadores surdos no Brasil por Alcebíades Nascimento Júnior Mestrando em Linguística pelo IEL da UNICAMP, atualmente é professor das disciplinas de Libras

Leia mais

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Série Movimentos Sociais Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Entre os dias 22 e 25 de abril, houve a IV Festa Nacional do Índio, na Praia da Enseada, em Bertioga. Trata-se

Leia mais

DISCURSO PELA PASSAGEM DO DIA DO ÍNDIO

DISCURSO PELA PASSAGEM DO DIA DO ÍNDIO DISCURSO PELA PASSAGEM DO DIA DO ÍNDIO Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara dos Deputados, em nome de quem cumprimento os demais integrantes da Mesa Diretora dessa Casa. Senhores e senhoras parlamentares

Leia mais

Demográfica dos povos indígenas: Karajá, Javaé e Xambioá, no rio Araguaia, Estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso e Pará

Demográfica dos povos indígenas: Karajá, Javaé e Xambioá, no rio Araguaia, Estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso e Pará Demográfica dos povos indígenas: Karajá, Javaé e Xambioá, no rio Araguaia, Estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso e Pará 1. Marcos Clodoaldo Morais Garcia, Mestre em Ciências do Ambiente - Docente da

Leia mais

Palavras-chave: Ensino e aprendizagem. Projetos. Língua Espanhola.

Palavras-chave: Ensino e aprendizagem. Projetos. Língua Espanhola. O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA ATRAVÉS DE PROJETOS: TRABALHANDO A DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E CULTURAL Ivoneide Aires Alves do Rego Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/UERN ivoneideaires@gmail.com

Leia mais

A conquista do Sertão. Expedições de apresamento

A conquista do Sertão. Expedições de apresamento A conquista do Sertão Expedições de apresamento As bandeiras contribuíram para a expansão do território em direção ao interior, porém houve muitas mortes de nativos. O principal alvo era as missões dos

Leia mais

DIFERENÇAS LINGUÍSTICAS E A ESCOLARIZAÇÃO DE ÍNDIOS SURDOS: EXPERIÊNCIAS DO BRASIL E DO MÉXICO 1

DIFERENÇAS LINGUÍSTICAS E A ESCOLARIZAÇÃO DE ÍNDIOS SURDOS: EXPERIÊNCIAS DO BRASIL E DO MÉXICO 1 DIFERENÇAS LINGUÍSTICAS E A ESCOLARIZAÇÃO DE ÍNDIOS SURDOS: EXPERIÊNCIAS DO BRASIL E DO MÉXICO 1 Me. Luciana Lopes Coelho Faculdade de Educação Universidade Federal da Grande Dourados Eixo Temático: Política

Leia mais

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Questão 1 O canto das três raças, de Clara Nunes Ninguém ouviu Um soluçar de dor No canto do Brasil Um lamento

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

Setembro/2015. Novas Doações do Prof. Charles Bicalho!

Setembro/2015. Novas Doações do Prof. Charles Bicalho! Setembro/2015 Novas Doações do Prof. Charles Bicalho! PRÊMIO Culturas Indígenas. Brasília: Ministério da Cultura; São Paulo: Sesc SP, 2007- v. MÕGMÕKA yõgkutex. Belo Horizonte: INCTI (Instituto de Inclusão

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE

MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE Silvana Marpoara 1, Maria do Rosário de Fátima de Andrade Leitão 2 1 Silvana Marpoara é jornalista, produtora

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Saúde Indígena no Brasil

Saúde Indígena no Brasil PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Saúde Indígena no Brasil Mário R. Castellani Abordarei um pouco do que estamos

Leia mais

AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR

AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR Gisele Kava 1 Natália Raquel Niedermayer 2 RESUMO: O trabalho

Leia mais

O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO

O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO Marinaldo de Almeida Cunha 1 - PUCSP Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O presente

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

Ser humano, sociedade e cultura

Ser humano, sociedade e cultura Ser humano, sociedade e cultura O ser humano somente vive em sociedade! Isolado nenhuma pessoa é capaz de sobreviver. Somos dependentes uns dos outros,e por isso, o ser humano se organiza em sociedade

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

A (DES)VALORIZAÇÃO DA LÍNGUA TERENA PELO NÃO INDÍGENA NA ESCOLA MUNICIPAL SULIVAN SILVESTRE DE OLIVEIRA TUMUNE KALIVONO CRIANÇA DO FUTURO.

A (DES)VALORIZAÇÃO DA LÍNGUA TERENA PELO NÃO INDÍGENA NA ESCOLA MUNICIPAL SULIVAN SILVESTRE DE OLIVEIRA TUMUNE KALIVONO CRIANÇA DO FUTURO. A (DES)VALORIZAÇÃO DA LÍNGUA TERENA PELO NÃO INDÍGENA NA ESCOLA MUNICIPAL SULIVAN SILVESTRE DE OLIVEIRA TUMUNE KALIVONO CRIANÇA DO FUTURO. Marcia Aparecida da Cruz Silva 1 marciaapcruzsilva@gmail.com Elisângela

Leia mais

Carta Final do IX Encontro sobre Leitura e escrita em Sociedades Indígenas IX ELESI.

Carta Final do IX Encontro sobre Leitura e escrita em Sociedades Indígenas IX ELESI. Carta Final do IX Encontro sobre Leitura e escrita em Sociedades Indígenas IX ELESI. Nós, povos indígenas Atikum, Baniwa, Fulniô, Guarani, Guarani Mbya, Ka apor, Kaimbé, Kaiowá, Kantaruré, Karajá, Kiriri,

Leia mais

BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO

BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT n & ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO UMA PALAVRA 11 PARTE I OS POVOS DE NOSSA TERRA UNIDADE 1 A GRANDE 1 FAMÍLIA HUMANA i CAP. 1 Milhões de anos atrás 14

Leia mais

Educação Escolar Indígena entre os Aikewara: do projeto político e pedagógico à ação docente 1

Educação Escolar Indígena entre os Aikewara: do projeto político e pedagógico à ação docente 1 Educação Escolar Indígena entre os Aikewara: do projeto político e pedagógico à ação docente 1 Joelma Cristina Parente Monteiro Alencar-UEPA/Brasil Resumo A escola do povo Aikewara foi instalada pela FUNAI,

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Aula 12 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III 2 Brincadeira Ação de brincar, de entreter, de distrair. Utilizam uma variedade de movimentos corporais e capacidades físicas Caráter

Leia mais

Da formação á prática na saúde

Da formação á prática na saúde REALIZAÇÃO: GRUPO DE PESQUISA EM SOCIOLOGIA DA SAÚDE UFPR/CNPq PRROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA DA UFPR Mestrado e Doutorado em Sociologia PATROCÍNIO: APOIO: SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 ÀS

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES MARTYRES, Thais Raffaela dos Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco Acadêmica do Curso de Farmácia Membro do Grupo de Bolsista

Leia mais

Senhoras e Senhores Deputados,

Senhoras e Senhores Deputados, DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO GERALDO RESENDE (PPS/MS), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM 13 / 04 / 2005. Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados, A tragédia que se abate sobre os índios

Leia mais

PRECONCEITO LINGUÍSTICO E DIVERSIDADE CULTURAL UM ESTUDO FEITO COM ALUNOS DO 7º PERÍODO DE LETRAS DO INSTITUTO DE NATUREZA E CULTURA

PRECONCEITO LINGUÍSTICO E DIVERSIDADE CULTURAL UM ESTUDO FEITO COM ALUNOS DO 7º PERÍODO DE LETRAS DO INSTITUTO DE NATUREZA E CULTURA 1 PRECONCEITO LINGUÍSTICO E DIVERSIDADE CULTURAL UM ESTUDO FEITO COM ALUNOS DO 7º PERÍODO DE LETRAS DO INSTITUTO DE NATUREZA E CULTURA Ricardo Diego Cavalcante ANGULO Instituto de Natureza e Cultura -

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

INDÍGENAS NO BRASIL DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA

INDÍGENAS NO BRASIL DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA Capítulo 14 EDUCAÇÃO INDÍGENA Conhecimento sobre o recebimento e adequação da educação regular (parâmetros nacionais de educação) nas aldeias indígenas Estimulada e única, em % MACRO REGIÕES PROXIMIDADE

Leia mais

LEVANTAMENTO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD/UFMS

LEVANTAMENTO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD/UFMS LEVANTAMENTO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD/UFMS 5 Educação Superior Karoline dos Reis Macedo 1 Carina Elisabeth Maciel 2 Pôster Resumo: Este texto é parte da pesquisa

Leia mais

Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em Cenários de Minorias Linguísticas

Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em Cenários de Minorias Linguísticas Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em Cenários de Minorias Linguísticas Jefferson Machado BARBOSA 1 CAVALCANTI, M. Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em contextos de minorias

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão final: Karla Bento de Carvalho Projeto Gráfico: Fernando Selleri Silva Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT

EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT 269 EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT Joilda Bezerra dos Santos (UFT) joildabezerra@uol.br 1 Raylon da Frota Lopes (UFT) railonfl@hotmail.com 2

Leia mais

II Jornadas Internacionales Sociedades Contemporáneas, Subjetividad y Educación. 9, 10 y 11 de abril de 2014 ISBN 978-987-3617-11-9

II Jornadas Internacionales Sociedades Contemporáneas, Subjetividad y Educación. 9, 10 y 11 de abril de 2014 ISBN 978-987-3617-11-9 A PERCEPÇÃO DO GESTOR SOBRE OS PROFISSIONAIS DAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS DOURADOS/MS. PERCEPCIÓN DEL GESTOR DE LOS PROFESIONALES DE LAS CLASES RECURSOS MULTIFUNCIONALES EN DOURADOS/MS. Autores:

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

A Pós-Graduação em Psicologia no Brasil

A Pós-Graduação em Psicologia no Brasil SEÇÃO LIVRE Entrevista com Oswaldo Hajime Yamamoto Pollyanna Santos da Silveira I Leonardo Fernandes Martins I I Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFJF. O Doutor Oswaldo Hajime Yamamoto é professor

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O ESTUDO ETNOGRÁFICO NA ESCOLA COMO INSTRUMENTO PARA A SUPERAÇÃO DA DESIGUALDADE RACIAL

A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O ESTUDO ETNOGRÁFICO NA ESCOLA COMO INSTRUMENTO PARA A SUPERAÇÃO DA DESIGUALDADE RACIAL Universidade Federal de Santa Maria I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 e 21 de outubro de 2015 A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

OS ECONOMISTAS E O MEIO AMBIENTE

OS ECONOMISTAS E O MEIO AMBIENTE OS ECONOMISTAS E O MEIO AMBIENTE Marcus Eduardo de Oliveira (*) A relação dos economistas com o meio ambiente passa, indubitavelmente, pela seguinte pergunta: Quando é que os economistas vão entender definitivamente

Leia mais

enfoque Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil

enfoque Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil enfoque Qual é a questão? Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil Luís Donisete Benzi Grupioni Doutorando em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo e pesquisador

Leia mais

Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI)

Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI) Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI) Professora Doutora Dulce do Carmo Franceschini - Coordenadora Universidade Federal de Uberlândia - UFU Instituto de Letras e Linguística

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1 CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1 FABRI, Ana Sophia 2 ; RANGEL, Eliane 3 ; BARIN, Nilsa Reichert 4 1 Artigo final produzido no PROBIC- Projeto de bolsisita

Leia mais

PLC 180/08 Cotas Raciais. A mestiçagem unifica os homens divididos pelos mitos raciais, Gilberto Freyre

PLC 180/08 Cotas Raciais. A mestiçagem unifica os homens divididos pelos mitos raciais, Gilberto Freyre PLC 180/08 Cotas Raciais A mestiçagem unifica os homens divididos pelos mitos raciais, Gilberto Freyre Art. 3º Em cada instituição federal de ensino superior, as vagas de que trata o art. 1º desta Lei

Leia mais

A arte das Missões Jesuíticas: cultura genuinamente brasileira ou imposição Européia?

A arte das Missões Jesuíticas: cultura genuinamente brasileira ou imposição Européia? A arte das Missões Jesuíticas: cultura genuinamente brasileira ou imposição Européia? Israel Tavares Boff Licenciado em História pela UNILASALLE - Prof. substituto do Colégio Maria Auxiliadora de Canoas

Leia mais

UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS

UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS Cínthia dos Santos Sêna 1 Esp Luziane Albuquerque 2 RESUMO O presente trabalho visa analisar as diversas paisagens que compõem a

Leia mais

Estratégia de escuta psicanalítica aos imigrantes e refugiados: uma oficina de português

Estratégia de escuta psicanalítica aos imigrantes e refugiados: uma oficina de português Estratégia de escuta psicanalítica aos imigrantes e refugiados: uma oficina de português Christian Haritçalde Miriam Debieux Rosa Sandra Letícia Berta Cristiane Izumi Bruno Maya Lindilene Shimabukuro O

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 Iasmin Araújo Bandeira Mendes Universidade Federal de Campina Grande, email: iasminabmendes@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais