LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO: EVASÃO E REPROVAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE, CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO: EVASÃO E REPROVAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE, CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO"

Transcrição

1 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO: EVASÃO E REPROVAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE, CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO Autores: Vinícius dos Santos FERNANDES, Vanderlei FREITAS JUNIOR. Identificação autores: Aluno e Bolsista Projeto de Ensino; Orientador IFC Campus Avançado Sombrio; Introdução Historicamente tem-se verificado nas disciplinas de Linguagens e Lógica de programação uma alta taxa de reprovação e/ou evasão, em muitos casos já nos primeiros semestres dos cursos relacionados à tecnologia da informação e comunicação, nos diferentes níveis de ensino (DETERS, 2008). Diversos autores têm abordado esta temática, inclusive propondo metodologias para o ensino destas disciplinas, de modo a reduzir o fenômeno da reprovação e evasão. Angelo et al. (2010), por exemplo, apresenta como alternativa para o ensino de programação uma metodologia conhecida como PBL, centrada no aluno, que o ajuda a desenvolver o raciocínio e a comunicação, onde o estudante é estimulado a aprender e a fazer parte do processo de ensino proposto pela metodologia. Outros, como Rocha et al. (2010) e Fassbinder, Paula e Araújo (2012), apresentam em suas pesquisas o uso do ambiente virtual de aprendizagem Moodle, onde os alunos possuem acesso ao conteúdo e podem adotar o seu próprio ritmo de estudo. Rocha Paulo et al. (2010) afirmam que independentemente da metodologia utilizada, lógica de programação é requisito fundamental nos cursos de computação, sendo instrumento importante na estruturação de raciocínio lógico e construção de algoritmos corretos. Neste sentido, Fassbindes, Paula e Araújo (2012), confirmam a importância do aprendizado de programação, ao afirmarem que indivíduos motivados costumam ser mais persistentes e apresentam níveis de desempenho mais altos. Apesar da relevância da disciplina, Castro et al. (2003) constata em seus estudos que as dificuldades encontradas pelos alunos estão ligadas ao primeiro contato com o raciocínio lógico gerado pela programação. No entanto, Raabe e Silva (2005), afirmam que o ritmo de aprendizado, o material do aluno, o perfil comportamental ou mesmo problemas particulares são apontados como relevantes. O Instituto Federal Catarinense Campus Avançado Sombrio enfrenta problema semelhante. A instituição oferece cursos de nível médio nas áreas de Informática e

2 Hospedagem, e superior, nas áreas de Redes de Computadores, Gestão de Turismo e Matemática. Nos cursos voltados à área de TIC, esta realidade pode ser também verificada. Diante disto, este estudo tem por objetivo identificar os índices de evasão e reprovação no ensino médio e superior, dos estudantes matriculados nas disciplinas de lógica e programação, do Instituto Federal Catarinense, Campus Avançado Sombrio, analisando a literatura cientifica disponível e demonstrando a realidade verificada na Instituição. Material e Métodos Para a realização deste trabalho foi realizada uma revisão bibliográfica em bases internacionais e análise de documentos produzidos pelas disciplinas para levantar informações a respeito da reprovação e evasão nos cursos de Tecnologia em Redes de Computadores e Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio do Instituto Federal Catarinense Campus Sombrio. A pesquisa bibliográfica é definida por Marconi e Lakatos (2003) como sendo um apanhado geral sobre os principais trabalhos já realizados, revestidos de importância, por serem capazes de fornecer dados atuais e relevantes relacionados com o tema. Por outro lado, a análise de documentos, segundo Moreira (2005), consiste em identificar, verificar e apreciar os documentos com uma finalidade específica e, nesse caso, recomenda-se a utilização de uma fonte paralela e simultânea de informação para complementar os dados e permitir a contextualização das informações contidas nos documentos. Foram analisadas turmas no período de 2010 a 2015, das disciplinas de lógica e programação dos dois níveis de ensino, envolvendo 945 alunos, distribuídos da seguinte forma: 535 alunos do ensino médio e 410 alunos no ensino superior. Resultados e discussão A análise dos dados apurados identifica um alto índice de reprovação e evasão nos cursos pesquisados, evidenciando um pior desempenho dos alunos do curso superior em relação ao curso técnico de nível médio. Gomes e Mendes (2010), demonstram em seus estudos que os estudantes apresentaram muitas dificuldades de carácter matemático (falta de conceitos básicos,

3 dificuldades de cálculo, dificuldade em traduzir a descrição textual de um problema numa fórmula matemática que o resolvesse, falta de conhecimentos básicos sobre figuras geométricas e sobre trigonometria). Além disso, foram encontradas dificuldades de interpretação, fator presente em diversas pesquisas científicas, fracos níveis de abstração e falta de treino lógico e de raciocínio. Os alunos apresentam muitas dificuldades para entender a lógica de programação, que requer uma prática intensiva para ser desenvolvida. Nas turmas geralmente existe uma quantidade muito grande de alunos, o que impossibilita o professor de acompanha-los individualmente. Além disso, Araújo (2007) afirma que é comum encontrar, nas etapas iniciais de uma disciplina de programação, uma dificuldade em conseguir identificar a necessidade do problema a ser resolvido e isso impede o desenvolvimento do raciocínio e, consequentemente, o aprendizado da programação. Foram analisadas turmas no período de 2010 a 2015, das disciplinas de Linguagem de Programação 1 e Linguagem de Programação 2, totalizando 410 alunos. Apenas 58% obteve êxito, totalizando 239 aprovados neste período. O alto índice de evasão e reprovação é ilustrado no gráfico a seguir, que demonstra que 104 alunos desistiram das disciplinas e 67 alunos foram reprovados, respectivamente. O Gráfico 1 detalha a realidade verificada de forma abrangente. dos anos: Gráfico 1 Desempenho dos estudantes Ao analisarmos o Gráfico 2 podemos identificar os dados distribuídos ao longo

4 Gráfico 2 Desempenho do período analisado Conclusão A literatura científica é unânime em evidenciar o alto índice de evasão e reprovação nas disciplinas de lógica e programação, dos cursos da área de tecnologia da informação e comunicação. Por outro lado, também reconhece a relevância destas áreas para a formação dos estudantes nestes cursos. Assim, este trabalho procurou identificar a realidade verificada no Campus Avançado Sombrio, do Instituto Federal Catarinense, apurando os índices de reprovação e evasão nestas disciplinas, presentes no Curso Técnico em Informática integrado ao Ensino Médio e no Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Após a realização de revisão bibliográfica e análise de documentos, de modo a identificar os números de evasão e reprovação das disciplinas relacionadas a programação do IFC Campus Sombrio no período de 2010 a 2015, observou-se um elevado número de evasão nos cursos superiores, corroborando a ampla literatura consultada, enquanto no ensino médio verificou-se uma alta taxa de aprovação. Estes dados indicam um caminho para trabalhos futuros, onde é possível identificar os fatores responsáveis pela desmotivação dos alunos de modo geral, bem como realizar um diagnóstico das

5 reprovações e evasões da Instituição pesquisada, identificando, inclusive as causas da discrepância apurada entre os níveis médio e superior. Referências ARAÚJO, E.; Algoritmos: Fundamento e Prática. 3ª ed. ampl. e atual. Florianópolis: VisualBooks CASTRO, C. T.; CASTRO JUNIOR, A., MENESES, C., B., M. E RAUBER, M.; Utilizando Programação Funcional em Disciplinas Introdutórias de Computação, XI Workshop de Educação em Computação WEI. Campinas/SP DETERS, J. I.; DA SILVA, J. M. C.; DE MIRANDA, E. M.; FERNANDES, A. M. R.; O Desafio de Trabalhar com Alunos Repetentes na Disciplina de Algoritmos e Programação. Simpósio Brasileiro de Informática na Educação FASSBINDER, A. G. de O.; PAULA, L. C de; ARAÚJO, J. C. D.; Experiências no estímulo à prática de Programação através do desenvolvimento de atividades extracurriculares relacionadas com as competições de conhecimentos. XX Workshop sobre Educação em Informática GOMES, A. J.; MENDES, A. J. À procura de um contexto para apoiar a aprendizagem inicial de programação. Educação, Formação & Tecnologias, v. 8, n. 1, p Maio/2015. MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. 5. ed. Atlas, São Paulo MOREIRA, S. V. Análise documental como método e como técnica. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio (Org.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. Atlas, p , São Paulo, RAABE, A. L. A., SILVA, J. M. C.; Um Ambiente para Atendimento as Dificuldades de Aprendizagem de Algoritmos. XXV Congresso da Sociedade Brasileira de Computação. São Leopoldo/RS ROCHA, P. S, FERREIRA, B. MONTEIRO, D. NUNES, D. S. C. GÓES, H. C. N.; Ensino e Aprendizagem de Programação: Análise da Aplicação de Proposta Metodológica Baseada no Sistema Personalizado de Ensino. Cinted-UFRGS, v. 8, n. 3, p.1-11, Porto Alegre, dez/2010.

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB Autor Ginaldo Ribeiro da Silva Graduando de Lic. Computação e Informática IFPB Campus Cajazeiras/PB

Leia mais

Engenharia Da Qualidade Parte III

Engenharia Da Qualidade Parte III Metodologia da Pesquisa Engenharia Da Qualidade Parte III William Malvezzi, MSc. Como Formular um Problema de Pesquisa? Problema: questão não resolvida e que é objeto de discussão, em qualquer domínio

Leia mais

Módulo: 1ª fase C-H: 36 h-a Ano: Professora: Karoliny Correia. ESTRATÉGIAS DE ENSINO 4 h-a Aula expositivodialogada;

Módulo: 1ª fase C-H: 36 h-a Ano: Professora: Karoliny Correia. ESTRATÉGIAS DE ENSINO 4 h-a Aula expositivodialogada; IDENTIFICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DE ENSINO Unidade Curricular:

Leia mais

Algo+: um app para o auxílio na aprendizagem de programação

Algo+: um app para o auxílio na aprendizagem de programação Algo+: um app para o auxílio na aprendizagem de programação Antônio Márcio Divino 1, Eduardo Júnior da Silva Resende 1, Renan Resende Gusmão Xavier 1, Luciano Vilas Boas Espiridião 1 1 Licenciatura em

Leia mais

Orientações de Inscrição nas Unidades Curriculares. da Licenciatura em Informática

Orientações de Inscrição nas Unidades Curriculares. da Licenciatura em Informática SIFT/DCeT Orientações de Inscrição nas Unidades Curriculares da Licenciatura em Informática Versão 2016-07-14 Introdução Este documento pretende servir de guia de aconselhamento aos estudantes para a inscrição

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas.

O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas. PROJETO MULTIDICIPLINAR Professor: Roberto César O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas. É a Atividade básica das ciências na sua

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Sistemas de Informação FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( X ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO

MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL Alex Junior Bilhoto Faria 1, Yuka Garcia Kinoshita 2, Winnie Mandela de Paula Raimundo 3 Karina Oliveira Silva 4 Marieli

Leia mais

Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Computação Habilitação: Licenciatura em Computação

Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Computação Habilitação: Licenciatura em Computação Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Habilitação: Licenciatura em LC101 Leitura e produção textual 30-10 40 2 - LC102 Informática e sociedade 30-10 40 2 - LC103 Inglês básico 50-10 60 3-1º LC104

Leia mais

CONSTRUINDO UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE NÚMEROS COMPLEXOS POR MEIO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS

CONSTRUINDO UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE NÚMEROS COMPLEXOS POR MEIO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS CONSTRUINDO UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE NÚMEROS COMPLEXOS POR MEIO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS Fernando Valério Ferreira de Brito fernandobrito500@gmail.com Ewerton Roosewelt Bernardo da Silva e.roosewelt@hotmail.com

Leia mais

Metodologia Científica. Aula 2

Metodologia Científica. Aula 2 Metodologia Científica Aula 2 Proposito da aula Conhecer a definição de Metodologia Científica; A importância da Metodologia Científica; Objetivos da Metodologia Científica enquanto disciplina; Divisão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ 13 específica, de segunda-feira a sexta-feira e aos sábados, caso seja necessário para complementação do período letivo e/ou carga horária curricular. Cada aula tem durafao de 50min (cinquenta minutos),

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA ESTRATÉGIA DE NEGOCIAÇÃO

PROGRAMA DE DISCIPLINA ESTRATÉGIA DE NEGOCIAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CÂMPUS DE ARAGUAÍNA CURSO DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA Avenida Paraguai esq. com a rua Uxiramas, S/N, Setor CIMBA 77.824-838 Araguaína/TO (63)

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 5ª. Série Programação Distribuída A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR. Matriz Curricular

ESTRUTURA CURRICULAR. Matriz Curricular ESTRUTURA CURRICULAR A estrutura apresentada na organização curricular do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas fundamenta-se e obedece ao disposto na Lei nº 9.394, de 20

Leia mais

7.1. Discussão teórica A aula foi produzida a partir dos tópicos presentes no currículo nacional do Ensino Médio.

7.1. Discussão teórica A aula foi produzida a partir dos tópicos presentes no currículo nacional do Ensino Médio. 1. Escola: Aníbal de Freitas 2. Bolsista Aline Chinalia 3. Data: 05/08/2015 4. Atividade: Aula Tema: Equações do Segundo Grau 5. Duração: 1h20 min 6. Objetivo: O objetivo desta atividade é trabalhar um

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2016)

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2016) Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2016) I. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA CURSO PROFESSOR CÓDIGO DA DISCIPLINA Normalização

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso Algumas Informações Importantes: a) O modelo da proposta está especificado

Leia mais

SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO E ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO E ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO BOLETIM OFICIAL NÚMERO ESPECIAL SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO E ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO B. O.

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº aprovado pela portaria Cetec nº de / / Etec: Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Habilitação Profissional:

Leia mais

Bruno Ribeiro da Silva. A adaptação de um sistema operacional para a execução em uma diferente arquitetura

Bruno Ribeiro da Silva. A adaptação de um sistema operacional para a execução em uma diferente arquitetura Bruno Ribeiro da Silva A adaptação de um sistema operacional para a execução em uma diferente arquitetura Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, Fevereiro de 2007 1 Bruno Ribeiro da Silva

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar VII e

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar VII e UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar VII e VIII Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Recursos Humanos 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 NOVA ANDRADINA MS DEZEMBRO/2013 ESCOLA IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 Plano de ações previstas a serem executadas no

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Turno: Quartas-feiras das 9:30 as 12:15 Carga Horária: 3 créditos (45 h)

PLANO DE ENSINO. Turno: Quartas-feiras das 9:30 as 12:15 Carga Horária: 3 créditos (45 h) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Dados de Identificação Campus: Uruguaiana Curso: Enfermagem Componente Curricular: Abordagens administrativas

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário

Cursos Profissionais de Nível Secundário Cursos Profissionais de Nível Secundário Técnico de Apoio à infância e Técnico de Turismo Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (100 horas) 10º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A1 Geometria Resolução de problemas

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO-TCC RSGQ-19.01

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO-TCC RSGQ-19.01 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO-TCC RSGQ-19.01 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO APRESENTAÇÃO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Curso de Engenharia da Faculdade de Engenharia de Sorocaba

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

EDITAL nº 08/2016, de 06 de Junho de 2016 DIGER/IFAP NORMAS PARA INSCRIÇÃO NO PERÍODO ESPECIAL DE ESTUDOS

EDITAL nº 08/2016, de 06 de Junho de 2016 DIGER/IFAP NORMAS PARA INSCRIÇÃO NO PERÍODO ESPECIAL DE ESTUDOS EDITAL nº 08/2016, de 06 de Junho de 2016 DIGER/IFAP NORMAS PARA INSCRIÇÃO NO PERÍODO ESPECIAL DE ESTUDOS O DIRETOR GERAL DO CAMPUS MACAPÁ DO INSTITUTO FEDERAL DO AMAPÁ DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

MANUAL ED ED GRAMÁTICA E ED LÓGICA MATEMÁTICA PLATAFORMA ADAPTATIVA

MANUAL ED ED GRAMÁTICA E ED LÓGICA MATEMÁTICA PLATAFORMA ADAPTATIVA DEDMD MANUAL ED 2016.2 ED GRAMÁTICA E ED LÓGICA MATEMÁTICA PLATAFORMA ADAPTATIVA boas-vindas Seja bem-vindo aos Estudos Dirigidos (EDs). É com grande satisfação que apresentamos a você o Manual dos EDs,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO

CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO ONLINE NOME DO CURSO FORMAÇÃO DE TUTORES COORDENAÇÃO Professor Mestre Ivan Carlos Alcântara de Oliveira ÁREA DO CONHECIMENTO

Leia mais

Portanto, a atividade de monitoria visa fornecer elementos que colaborem na formação de profissionais na área de Gastronomia.

Portanto, a atividade de monitoria visa fornecer elementos que colaborem na formação de profissionais na área de Gastronomia. PROJETO DE MONITORIA 2014 Centro Universitário SENAC: Águas de São Pedro Curso: Gastronomia Disciplina: Cozinha fria Professor responsável: Fabio Stoco Período letivo: 2 Período 1. Justificativa A monitoria

Leia mais

O SOFTWARE WINPLOT COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE SISTEMAS LINEARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA

O SOFTWARE WINPLOT COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE SISTEMAS LINEARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA O SOFTWARE WINPLOT COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE SISTEMAS LINEARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Resumo Prof a. Dr a. Julhane A. Thomas

Leia mais

PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4-

PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4- PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4- Prof. Alexandre Paiva da Silva Pombal PB SUMÁRIO Pesquisa Conceitos Características Objetivos Finalidades Requisitos Qualidades do pesquisador Tipos de pesquisa científica

Leia mais

FUNDAÇÃO LUSÍADA Centro Universitário Lusíada Regulamento TCC-Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Relações Internacionais

FUNDAÇÃO LUSÍADA Centro Universitário Lusíada Regulamento TCC-Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Relações Internacionais 1.1. Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Como o curso de Relações Internacionais não possui, até este momento, uma resolução aprovada, utilizamos a Resolução CNE nº 04 de 13 de junho de 2005, que institui

Leia mais

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN:

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 PROMOVENDO O MELHOR APRENDIZADO DOS ALUNOS: ELABORAÇÃO DE APOSTILA DE CITOLOGIA Camilla Maria Campelo De Araújo

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente PLANO DE ENSINO Escola ENGENHARIA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (EETI) Engenharias: Ambiental; Civil; de Computação; de Petróleo; de Produção; Elétrica; Curso(s) Mecânica; Mecatrônica e Química Disciplina

Leia mais

Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa

Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa 2014. 1 Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa FACULDADE POLIS DAS ARTES Professor: Tiago Silva de Oliveira E-mail: psicotigl@yahoo.com.br Noturno/2014.1 Carga Horária 80h 1 Dia da Semana

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regulamento apresenta a definição, os objetivos, a caracterização e a explicitação das condições

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PROJETO DISCENTE CAPA

ANEXO I MODELO DE PROJETO DISCENTE CAPA ANEXO I MODELO DE PROJETO DISCENTE Segue abaixo o modelo para apresentação de projeto discente ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), Campus São Gonçalo, com o

Leia mais

Palavras-chave: TIC; experimento; espaço amostral; evento.

Palavras-chave: TIC; experimento; espaço amostral; evento. UMA INTRODUÇÃO À TEORIA DA PROBABILIDADE: O USO DE AULAS MULTIMÍDIAS COMO FACILITADOR DO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM Diánis Ferreira Irias dianis.irias@hotmail.com Laura Lima Dias laura_limadias@hotmail.com

Leia mais

PROJETO: Projeto Juntando os Cacos :

PROJETO: Projeto Juntando os Cacos : ESCOLA ESTADUAL MARECHAL RONDON PROJETO: Projeto Juntando os Cacos : Produção e Divulgação de Textos, vídeos, entrevistas. Nova Andradina-MS Setembro de 2014 ESCOLA ESTADUAL MARECHAL RONDON PROJETO: Projeto

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1

ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1 ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1 Priscilla Régia de Castro PEREIRA 2 Ivanilton José de OLIVEIRA 3 Introdução Dentre as pesquisas existentes

Leia mais

NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS

NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS CRIXÁS 2016 NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS Projeto de Pesquisa

Leia mais

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art 1º. A Extensão Acadêmica se constitui em uma prática permanente de interação universidade-sociedade, articulada ao ensino

Leia mais

INTRODUÇÃO [Times New Roman 12, Justificado, Caixa Alta, espaçamento 1,5]

INTRODUÇÃO [Times New Roman 12, Justificado, Caixa Alta, espaçamento 1,5] 1 TÍTULO DO ARTIGO [fonte Times New Roman 14, Centralizado, espaçamento 1.0] Subtítulo [Se houver, fonte Times New Roman 14, Centralizado, espaçamento 1.0] Nome do Autor 1 [Fonte Times New Roman 10, Texto

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Art. 1º. As atividades complementares têm por finalidade oportunizar ao acadêmico a realização, concomitantemente às disciplinas

Leia mais

Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL. No processo ensino-aprendizagem

Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL. No processo ensino-aprendizagem Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL No processo ensino-aprendizagem Rio de Janeiro 2005 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE DINÂMICA GRUPAL OBJETIVOS: Estudar

Leia mais

Plano de Ensino 2003 (Plano de ensino do anos anteriores: ) Identificação Objetivos Conteúdo Estratégias Avaliação Bibliografia

Plano de Ensino 2003 (Plano de ensino do anos anteriores: ) Identificação Objetivos Conteúdo Estratégias Avaliação Bibliografia Página 1 de 5 Atualizado: 23-Oct-2003 Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas/ Escola de Ciências M édicas de Alagoas Departamento de Medicina Social

Leia mais

AMBIENTE INTERDISCIPLINAR DE APRENDIZAGEM EM GEOCIÊNCIAS: SEM FROTEIRAS PARA ENSINAR E APRENDER (PAP015647)

AMBIENTE INTERDISCIPLINAR DE APRENDIZAGEM EM GEOCIÊNCIAS: SEM FROTEIRAS PARA ENSINAR E APRENDER (PAP015647) AMBIENTE INTERDISCIPLINAR DE APRENDIZAGEM EM GEOCIÊNCIAS: SEM FROTEIRAS PARA ENSINAR E APRENDER (PAP015647) VLANDER VERDADE SIGNORETTI; ROSELY A. L. IMBERNON Referências BEHAR, Patrícia (Org.). Modelos

Leia mais

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 C U R S O D E O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Metodologia da Pesquisa Científica Código: ---

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Modelagem e Educação Matemática (MEM) GT 4 Ângela Tereza Silva de SOUZA Universidade Federal da Paraíba anjinhatereza@hotmail.com RESUMO Neste

Leia mais

PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM ORIENTAÇÕES GERAIS E ENCAMINHAMENTOS PARA A EQUIPE GESTORA 1

PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM ORIENTAÇÕES GERAIS E ENCAMINHAMENTOS PARA A EQUIPE GESTORA 1 M E G A Z I D N E R P A A P S I C O LO G I A D CAMINHAMENTOS EN E IS A ER G ES Õ Ç TA ORIEN RA PARA A EQUIPE GESTO 1 1 o DIA: 02/02/15 (segunda-feira) ORIENTAÇÕES GERAIS E ENCAMINHAMENTOS PARA A EQUIPE

Leia mais

DISCIPLINA/ATIVIDADE. Total disciplinas Atividades Complementares DISCIPLINA/ATIVIDADE

DISCIPLINA/ATIVIDADE. Total disciplinas Atividades Complementares DISCIPLINA/ATIVIDADE Fundação Educacional de Ituverava Faculdade Dr. Francisco Maeda O Diretor da Faculdade Dr. Francisco Maeda de Ituverava-SP, mantida pela Fundação Educacional de Ituverava, tendo em vista o disposto nas

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) são referências para o ensino fundamental e médio de todo Brasil, tendo como objetivo: (A) Garantir, preferencialmente,

Leia mais

Técnico de Informática

Técnico de Informática Técnico de Informática Redes e Sistemas Certificado - Inclui Certificação Formato: Presencial Preço: 1800 ( Os valores apresentados não incluem IVA. Oferta de IVA a particulares e estudantes. ) Horário:

Leia mais

Identificar e avaliar criticamente uma variedade métodos de investigação utilizados pelos investigadores.

Identificar e avaliar criticamente uma variedade métodos de investigação utilizados pelos investigadores. METODOLOGIAS DE INVESTIGAÇÃO [25800] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Fornecer os conceitos teóricos inerentes ao conhecimento científico e, por outro lado, fornecer os instrumentos metodológicos essenciais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação

Leia mais

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO Pamella Soares Rosa Resumo:A Prova Brasil é realizada no quinto ano e na oitava série do Ensino Fundamental e tem como objetivo medir o Índice de Desenvolvimento da

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO LÍNGUA ESTRANGEIRA ALEMÃO Profª Lourdes Sufredini Profª Luciane Probst Unidade de Ensino I Prédio João

Leia mais

Agenda. O que é Exclusão Digital? Números Conseqüências Proposta de Solução Poção Mágica Fábula do Beija-Flor O que posso fazer hoje?

Agenda. O que é Exclusão Digital? Números Conseqüências Proposta de Solução Poção Mágica Fábula do Beija-Flor O que posso fazer hoje? Exclusão Digital Agenda O que é Exclusão Digital? Números Conseqüências Proposta de Solução Poção Mágica Fábula do Beija-Flor O que posso fazer hoje? Bate-papo O que é Exclusão Digital? A Exclusão O que

Leia mais

Grupo de Pesquisa em Tecnologias, Informações e Informática em Saúde e Enfermagem - GIATE

Grupo de Pesquisa em Tecnologias, Informações e Informática em Saúde e Enfermagem - GIATE Grupo de Pesquisa em Tecnologias, Informações e Informática em Saúde e Enfermagem - GIATE REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES: Art.1º - O Grupo Pesquisa em Tecnologias, Informações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA CENTRO QA-133 Pesquisa em Química I e Monografia CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CRÉDTOS C.H. PRÉ-REQUISITO DEPARTAMENTO T P o 90h/a 2 2 QA-117

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA. Ministério da Educação

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA. Ministério da Educação INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - Campus Cajazeiras Diretoria de Ensino / Coord. do Curso

Leia mais

Engenharia de Controle e Automação

Engenharia de Controle e Automação ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Cálculo I Engenharia de Controle e Automação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Sistema de Informação

Sistema de Informação Sistema de Informação TCC em Re vista 2009 125 LOTTE, Rodolfo Georjute. Aprendizado conexionista em um sistema de busca por imagens. 2009. 104 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Sistemas

Leia mais

PLANO DE CURSO I EMENTA

PLANO DE CURSO I EMENTA Disciplina: Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Carga horária total: 75 H PLANO DE CURSO I EMENTA Definições e esboço histórico da cartografia; Representações da Terra; Coordenadas;

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

PROJETO. Gincana Matemática

PROJETO. Gincana Matemática PROJETO Gincana Matemática APRESENTAÇÃO DO PROJETO: QUE D+ I IDENTIFICAÇÃO Projeto: Gincana Matemática ESCOLA JOÃO MARIANO DA SILVA Diretor: Coordenadora de ensino: Coordenadora Pedagógica: Professores

Leia mais

FUNDAÇÃO LUSÍADA Centro Universitário Lusíada Regulamento TCC-Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Administração

FUNDAÇÃO LUSÍADA Centro Universitário Lusíada Regulamento TCC-Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Administração 1.1. Trabalho de Conclusão de Curso - TCC A Resolução CNE nº 04 de 13 de junho de 2005, institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Administração, bacharelado, em seu artigo

Leia mais

O uso da Informática na Educação faz parte de um processo natural do avanço da ciência, não tendo mais sentido a discussão sobre usar ou não o

O uso da Informática na Educação faz parte de um processo natural do avanço da ciência, não tendo mais sentido a discussão sobre usar ou não o O uso da Informática na Educação faz parte de um processo natural do avanço da ciência, não tendo mais sentido a discussão sobre usar ou não o computador nas escolas, pois ele está inserido, diretamente

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Abelheira Escola EB 2, 3 de Viana do Castelo Ano letivo: 2015/2016

Agrupamento de Escolas da Abelheira Escola EB 2, 3 de Viana do Castelo Ano letivo: 2015/2016 SUB Informação A informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias; 1. Compreender a evolução das tecnologias de informação e comunicação (TIC) e o seu papel no mundo contemporâneo; a) Conhecer os grandes

Leia mais

ANALIZANDO A CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ANALIZANDO A CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ANALIZANDO A CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Betânia Evangelista mbevangelista@hotmail.com Fabiola Santos M.de A. Oliveira fabiprestativa@hotmail.com Paulo Marcos Ribeiro

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2015)

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2015) Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2015) I. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA ESTATÍSTICA APLICADA CARGA HORÁRIA 46 CURSO

Leia mais

1.1. Caracterização do Problema. Capítulo 1. Introdução 20

1.1. Caracterização do Problema. Capítulo 1. Introdução 20 1 Introdução Projetos de software normalmente estão bastante suscetíveis a passar por inúmeras modificações ao longo do seu ciclo de vida. Muitos deles falham ao atingir seus resultados necessários dentro

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Administração Disciplina: METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Profª Msc: Maria Gilvanira Gomes da Silva e-mail: gilvaniragomes@yahoo.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PLANO DE ENSINO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA - EMI - 1º ANO PROFESSOR GIL EDUARDO DE ANDRADE DADOS GERAIS Disciplina: Linguagem de Programação Período: 1º Ano- Turma 2016 Período letivo: Ano 2016 Carga

Leia mais

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico.

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. PROJETO ARARIBÁ Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. Araribá Ciências Organização do Conteúdo: Por que estudar

Leia mais

Edital para Candidatura à Bolsa PPSIG/UFF-PDSE/CAPES

Edital para Candidatura à Bolsa PPSIG/UFF-PDSE/CAPES Edital para Candidatura à Bolsa PPSIG/UFF-PDSE/CAPES - 2017 EMENTA: Normatiza os procedimentos para inscrição e seleção de alunos do PPSIG-UFF interessados na candidatura à Bolsa do Programa Institucional

Leia mais

SISTEMA DE APOIO EDUCACIONAL

SISTEMA DE APOIO EDUCACIONAL SISTEMA DE APOIO EDUCACIONAL Vandor R. V. Rissoli UnB Gama Apoio CNPq e FAPDF AGENDA Processo Educacional Ambiente Virtual de Aprendizagem Interoperabilidade Sistema Tutor Inteligente Educação Personalizada

Leia mais

O Título em Português Deverá Ser Centralizado, Com a Primeira Letra de Cada Palavra em Maiúsculas, Usando-se Fonte Arial Tamanho 12 Negrito

O Título em Português Deverá Ser Centralizado, Com a Primeira Letra de Cada Palavra em Maiúsculas, Usando-se Fonte Arial Tamanho 12 Negrito O Título em Português Deverá Ser Centralizado, Com a Primeira Letra de Cada Palavra em Maiúsculas, Usando-se Fonte Arial Tamanho 12 Negrito The English title should be centered, with the first letter of

Leia mais

CAIU NA NET : UM ESTUDO SOBRE A CONCEPÇÃO DOS ESTUDANTES DA ESCOLA ESTADUAL DOS RODOVIÁRIOS NO MUNICIPIO DE ALAGOINHAS-BA

CAIU NA NET : UM ESTUDO SOBRE A CONCEPÇÃO DOS ESTUDANTES DA ESCOLA ESTADUAL DOS RODOVIÁRIOS NO MUNICIPIO DE ALAGOINHAS-BA CAIU NA NET : UM ESTUDO SOBRE A CONCEPÇÃO DOS ESTUDANTES DA ESCOLA ESTADUAL DOS RODOVIÁRIOS NO MUNICIPIO DE ALAGOINHAS-BA Anderson José da Silva Brito¹ Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Plano de aula Objeto de Aprendizagem: Arquitetura das Escadas

Plano de aula Objeto de Aprendizagem: Arquitetura das Escadas Plano de aula Objeto de Aprendizagem: Arquitetura das Escadas Dados de identificação Disciplina: Matemática. Assunto: Adição e subtração. Séries indicadas: 6ª série/ 7º ano, 8ª série/ 9º ano do ensino

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER ANDRADINA/SP 2016 NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO:

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Acompanhamento aos Projetos de Pesquisa I Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Trabalho resultante

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SIMULADOR PARA CONTROLE DE VAGAS DE ESTACIONAMENTO UTILIZANDO AUTÔMATOS FINITOS E ARDUINO

DESENVOLVIMENTO DE UM SIMULADOR PARA CONTROLE DE VAGAS DE ESTACIONAMENTO UTILIZANDO AUTÔMATOS FINITOS E ARDUINO 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG DESENVOLVIMENTO DE UM SIMULADOR PARA CONTROLE DE VAGAS DE ESTACIONAMENTO

Leia mais

OFERTA DE DISCIPLINAS ALUNOS REGULARES

OFERTA DE DISCIPLINAS ALUNOS REGULARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO OFERTA DE DISCIPLINAS 2015.1 ALUNOS REGULARES DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS (ALUNOS REGULARES): MESTRADO

Leia mais

O remédio certo na dose certa!

O remédio certo na dose certa! O remédio certo na dose certa! Programa DC-DinsmoreCompass de Avaliação e Desenvolvimento de Competências em Gestão de Projetos A DC-DinsmoreCompass, com base em padrões de referência publicados pelo PMI

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA 2012 2013 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Curso Profissional de Técnico de Multimédia ELENCO MODULAR A7 Probabilidades 28 A6 Taxa de variação 36 A9 Funções de crescimento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL PROFª ESTHER DA SILVA VIRGOLINO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL PROFª ESTHER DA SILVA VIRGOLINO GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL PROFª ESTHER DA SILVA VIRGOLINO ROBÓTICA ASSISTIVA ROBÓTICA PARA PESSOAS COM POUCA MOBILIDADE Macapá-AP ROBÓTICA ASSISTIVA ROBÓTICA

Leia mais

Educar pela Pesquisa?

Educar pela Pesquisa? UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Rede de estudos e colaboração para inclusão social e desenvolvimento da cultura científica Projeto nº: 67049. Aprovado pelo Edital 055/2012 Programa Novos Talentos Capes

Leia mais

CURSOS MODULARES ESCOLA DA COMPUTAÇÃO MARÇO/2011 DIA 26 4 AULAS ABRIL/2011 DIA 16 REAVALIAÇÃO

CURSOS MODULARES ESCOLA DA COMPUTAÇÃO MARÇO/2011 DIA 26 4 AULAS ABRIL/2011 DIA 16 REAVALIAÇÃO Sistemas Para Internet PROFESSOR: Leandro Campi Prearo DIA 12 DISCIPLINA: Estatística 14h 17h20min 14h 17h20min 14h 17h20min 14h 17h20min Sistemas Para Internet PROFESSOR: Carlos Alberto Botelho DIA 12

Leia mais

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas:

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas: Normas para Realização do Projeto Supervisionado ou Trabalho de Graduação para o Curso de Sistemas de Informação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, da Universidade de São Paulo Versão: Dezembro/2012

Leia mais

(ESPAÇO PARA SER COLOCADO O TÍTULO DO TRABALHO)

(ESPAÇO PARA SER COLOCADO O TÍTULO DO TRABALHO) (CAPA) (ESPAÇO PARA SER COLOCADO O NOME DA INSTITUIÇÃO) (ESPAÇO PARA SER COLOCADO O NOME DO AUTOR) (ESPAÇO PARA SER COLOCADO O TÍTULO DO TRABALHO) (ESPAÇO PARA SER COLOCADA A CIDADE - ESTADO) (ESPAÇO PARA

Leia mais

EDUCAÇÃO E LEITURA: o ensino-aprendizagem da literatura nas escolas municipais e estaduais de cinco municípios do nordeste

EDUCAÇÃO E LEITURA: o ensino-aprendizagem da literatura nas escolas municipais e estaduais de cinco municípios do nordeste EDUCAÇÃO E LEITURA: o ensino-aprendizagem da literatura nas escolas municipais e estaduais de cinco municípios do nordeste 1 Introdução Autor(a): Humberto de Medeiros Silva Coautor(es): Inalmir Bruno Andrade

Leia mais

APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES

APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES Rafael Pereira da Silva Universidade Estadual da Paraíba rafaelpereira.jt@hotmail.com Jailson Lourenço de Pontes

Leia mais

MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG

MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

1. RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

1. RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1. RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO O relatório de estágio supervisionado tem como desenvolver e avaliar o aluno em: Nível de conhecimento; Organização; Sistematização de pensamentos; Habilidade de

Leia mais