LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO: EVASÃO E REPROVAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE, CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO: EVASÃO E REPROVAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE, CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO"

Transcrição

1 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO: EVASÃO E REPROVAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE, CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO Autores: Vinícius dos Santos FERNANDES, Vanderlei FREITAS JUNIOR. Identificação autores: Aluno e Bolsista Projeto de Ensino; Orientador IFC Campus Avançado Sombrio; Introdução Historicamente tem-se verificado nas disciplinas de Linguagens e Lógica de programação uma alta taxa de reprovação e/ou evasão, em muitos casos já nos primeiros semestres dos cursos relacionados à tecnologia da informação e comunicação, nos diferentes níveis de ensino (DETERS, 2008). Diversos autores têm abordado esta temática, inclusive propondo metodologias para o ensino destas disciplinas, de modo a reduzir o fenômeno da reprovação e evasão. Angelo et al. (2010), por exemplo, apresenta como alternativa para o ensino de programação uma metodologia conhecida como PBL, centrada no aluno, que o ajuda a desenvolver o raciocínio e a comunicação, onde o estudante é estimulado a aprender e a fazer parte do processo de ensino proposto pela metodologia. Outros, como Rocha et al. (2010) e Fassbinder, Paula e Araújo (2012), apresentam em suas pesquisas o uso do ambiente virtual de aprendizagem Moodle, onde os alunos possuem acesso ao conteúdo e podem adotar o seu próprio ritmo de estudo. Rocha Paulo et al. (2010) afirmam que independentemente da metodologia utilizada, lógica de programação é requisito fundamental nos cursos de computação, sendo instrumento importante na estruturação de raciocínio lógico e construção de algoritmos corretos. Neste sentido, Fassbindes, Paula e Araújo (2012), confirmam a importância do aprendizado de programação, ao afirmarem que indivíduos motivados costumam ser mais persistentes e apresentam níveis de desempenho mais altos. Apesar da relevância da disciplina, Castro et al. (2003) constata em seus estudos que as dificuldades encontradas pelos alunos estão ligadas ao primeiro contato com o raciocínio lógico gerado pela programação. No entanto, Raabe e Silva (2005), afirmam que o ritmo de aprendizado, o material do aluno, o perfil comportamental ou mesmo problemas particulares são apontados como relevantes. O Instituto Federal Catarinense Campus Avançado Sombrio enfrenta problema semelhante. A instituição oferece cursos de nível médio nas áreas de Informática e

2 Hospedagem, e superior, nas áreas de Redes de Computadores, Gestão de Turismo e Matemática. Nos cursos voltados à área de TIC, esta realidade pode ser também verificada. Diante disto, este estudo tem por objetivo identificar os índices de evasão e reprovação no ensino médio e superior, dos estudantes matriculados nas disciplinas de lógica e programação, do Instituto Federal Catarinense, Campus Avançado Sombrio, analisando a literatura cientifica disponível e demonstrando a realidade verificada na Instituição. Material e Métodos Para a realização deste trabalho foi realizada uma revisão bibliográfica em bases internacionais e análise de documentos produzidos pelas disciplinas para levantar informações a respeito da reprovação e evasão nos cursos de Tecnologia em Redes de Computadores e Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio do Instituto Federal Catarinense Campus Sombrio. A pesquisa bibliográfica é definida por Marconi e Lakatos (2003) como sendo um apanhado geral sobre os principais trabalhos já realizados, revestidos de importância, por serem capazes de fornecer dados atuais e relevantes relacionados com o tema. Por outro lado, a análise de documentos, segundo Moreira (2005), consiste em identificar, verificar e apreciar os documentos com uma finalidade específica e, nesse caso, recomenda-se a utilização de uma fonte paralela e simultânea de informação para complementar os dados e permitir a contextualização das informações contidas nos documentos. Foram analisadas turmas no período de 2010 a 2015, das disciplinas de lógica e programação dos dois níveis de ensino, envolvendo 945 alunos, distribuídos da seguinte forma: 535 alunos do ensino médio e 410 alunos no ensino superior. Resultados e discussão A análise dos dados apurados identifica um alto índice de reprovação e evasão nos cursos pesquisados, evidenciando um pior desempenho dos alunos do curso superior em relação ao curso técnico de nível médio. Gomes e Mendes (2010), demonstram em seus estudos que os estudantes apresentaram muitas dificuldades de carácter matemático (falta de conceitos básicos,

3 dificuldades de cálculo, dificuldade em traduzir a descrição textual de um problema numa fórmula matemática que o resolvesse, falta de conhecimentos básicos sobre figuras geométricas e sobre trigonometria). Além disso, foram encontradas dificuldades de interpretação, fator presente em diversas pesquisas científicas, fracos níveis de abstração e falta de treino lógico e de raciocínio. Os alunos apresentam muitas dificuldades para entender a lógica de programação, que requer uma prática intensiva para ser desenvolvida. Nas turmas geralmente existe uma quantidade muito grande de alunos, o que impossibilita o professor de acompanha-los individualmente. Além disso, Araújo (2007) afirma que é comum encontrar, nas etapas iniciais de uma disciplina de programação, uma dificuldade em conseguir identificar a necessidade do problema a ser resolvido e isso impede o desenvolvimento do raciocínio e, consequentemente, o aprendizado da programação. Foram analisadas turmas no período de 2010 a 2015, das disciplinas de Linguagem de Programação 1 e Linguagem de Programação 2, totalizando 410 alunos. Apenas 58% obteve êxito, totalizando 239 aprovados neste período. O alto índice de evasão e reprovação é ilustrado no gráfico a seguir, que demonstra que 104 alunos desistiram das disciplinas e 67 alunos foram reprovados, respectivamente. O Gráfico 1 detalha a realidade verificada de forma abrangente. dos anos: Gráfico 1 Desempenho dos estudantes Ao analisarmos o Gráfico 2 podemos identificar os dados distribuídos ao longo

4 Gráfico 2 Desempenho do período analisado Conclusão A literatura científica é unânime em evidenciar o alto índice de evasão e reprovação nas disciplinas de lógica e programação, dos cursos da área de tecnologia da informação e comunicação. Por outro lado, também reconhece a relevância destas áreas para a formação dos estudantes nestes cursos. Assim, este trabalho procurou identificar a realidade verificada no Campus Avançado Sombrio, do Instituto Federal Catarinense, apurando os índices de reprovação e evasão nestas disciplinas, presentes no Curso Técnico em Informática integrado ao Ensino Médio e no Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Após a realização de revisão bibliográfica e análise de documentos, de modo a identificar os números de evasão e reprovação das disciplinas relacionadas a programação do IFC Campus Sombrio no período de 2010 a 2015, observou-se um elevado número de evasão nos cursos superiores, corroborando a ampla literatura consultada, enquanto no ensino médio verificou-se uma alta taxa de aprovação. Estes dados indicam um caminho para trabalhos futuros, onde é possível identificar os fatores responsáveis pela desmotivação dos alunos de modo geral, bem como realizar um diagnóstico das

5 reprovações e evasões da Instituição pesquisada, identificando, inclusive as causas da discrepância apurada entre os níveis médio e superior. Referências ARAÚJO, E.; Algoritmos: Fundamento e Prática. 3ª ed. ampl. e atual. Florianópolis: VisualBooks CASTRO, C. T.; CASTRO JUNIOR, A., MENESES, C., B., M. E RAUBER, M.; Utilizando Programação Funcional em Disciplinas Introdutórias de Computação, XI Workshop de Educação em Computação WEI. Campinas/SP DETERS, J. I.; DA SILVA, J. M. C.; DE MIRANDA, E. M.; FERNANDES, A. M. R.; O Desafio de Trabalhar com Alunos Repetentes na Disciplina de Algoritmos e Programação. Simpósio Brasileiro de Informática na Educação FASSBINDER, A. G. de O.; PAULA, L. C de; ARAÚJO, J. C. D.; Experiências no estímulo à prática de Programação através do desenvolvimento de atividades extracurriculares relacionadas com as competições de conhecimentos. XX Workshop sobre Educação em Informática GOMES, A. J.; MENDES, A. J. À procura de um contexto para apoiar a aprendizagem inicial de programação. Educação, Formação & Tecnologias, v. 8, n. 1, p Maio/2015. MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. 5. ed. Atlas, São Paulo MOREIRA, S. V. Análise documental como método e como técnica. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio (Org.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. Atlas, p , São Paulo, RAABE, A. L. A., SILVA, J. M. C.; Um Ambiente para Atendimento as Dificuldades de Aprendizagem de Algoritmos. XXV Congresso da Sociedade Brasileira de Computação. São Leopoldo/RS ROCHA, P. S, FERREIRA, B. MONTEIRO, D. NUNES, D. S. C. GÓES, H. C. N.; Ensino e Aprendizagem de Programação: Análise da Aplicação de Proposta Metodológica Baseada no Sistema Personalizado de Ensino. Cinted-UFRGS, v. 8, n. 3, p.1-11, Porto Alegre, dez/2010.

Módulo: 1ª fase C-H: 36 h-a Ano: Professora: Karoliny Correia. ESTRATÉGIAS DE ENSINO 4 h-a Aula expositivodialogada;

Módulo: 1ª fase C-H: 36 h-a Ano: Professora: Karoliny Correia. ESTRATÉGIAS DE ENSINO 4 h-a Aula expositivodialogada; IDENTIFICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DE ENSINO Unidade Curricular:

Leia mais

MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO

MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL Alex Junior Bilhoto Faria 1, Yuka Garcia Kinoshita 2, Winnie Mandela de Paula Raimundo 3 Karina Oliveira Silva 4 Marieli

Leia mais

Orientações de Inscrição nas Unidades Curriculares. da Licenciatura em Informática

Orientações de Inscrição nas Unidades Curriculares. da Licenciatura em Informática SIFT/DCeT Orientações de Inscrição nas Unidades Curriculares da Licenciatura em Informática Versão 2016-07-14 Introdução Este documento pretende servir de guia de aconselhamento aos estudantes para a inscrição

Leia mais

O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas.

O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas. PROJETO MULTIDICIPLINAR Professor: Roberto César O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas. É a Atividade básica das ciências na sua

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário

Cursos Profissionais de Nível Secundário Cursos Profissionais de Nível Secundário Técnico de Apoio à infância e Técnico de Turismo Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (100 horas) 10º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A1 Geometria Resolução de problemas

Leia mais

O remédio certo na dose certa!

O remédio certo na dose certa! O remédio certo na dose certa! Programa DC-DinsmoreCompass de Avaliação e Desenvolvimento de Competências em Gestão de Projetos A DC-DinsmoreCompass, com base em padrões de referência publicados pelo PMI

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO-TCC RSGQ-19.01

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO-TCC RSGQ-19.01 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO-TCC RSGQ-19.01 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO APRESENTAÇÃO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Curso de Engenharia da Faculdade de Engenharia de Sorocaba

Leia mais

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO Pamella Soares Rosa Resumo:A Prova Brasil é realizada no quinto ano e na oitava série do Ensino Fundamental e tem como objetivo medir o Índice de Desenvolvimento da

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO

CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO ONLINE NOME DO CURSO FORMAÇÃO DE TUTORES COORDENAÇÃO Professor Mestre Ivan Carlos Alcântara de Oliveira ÁREA DO CONHECIMENTO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA ESTRATÉGIA DE NEGOCIAÇÃO

PROGRAMA DE DISCIPLINA ESTRATÉGIA DE NEGOCIAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CÂMPUS DE ARAGUAÍNA CURSO DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA Avenida Paraguai esq. com a rua Uxiramas, S/N, Setor CIMBA 77.824-838 Araguaína/TO (63)

Leia mais

O uso da Informática na Educação faz parte de um processo natural do avanço da ciência, não tendo mais sentido a discussão sobre usar ou não o

O uso da Informática na Educação faz parte de um processo natural do avanço da ciência, não tendo mais sentido a discussão sobre usar ou não o O uso da Informática na Educação faz parte de um processo natural do avanço da ciência, não tendo mais sentido a discussão sobre usar ou não o computador nas escolas, pois ele está inserido, diretamente

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR. Matriz Curricular

ESTRUTURA CURRICULAR. Matriz Curricular ESTRUTURA CURRICULAR A estrutura apresentada na organização curricular do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas fundamenta-se e obedece ao disposto na Lei nº 9.394, de 20

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE VIII Auditoria em Informática Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Noções gerais de auditoria na empresa em SI Conceito de auditoria Etapas do processo de auditoria

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Art. 1º. As atividades complementares têm por finalidade oportunizar ao acadêmico a realização, concomitantemente às disciplinas

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de BIOLOGIA Dinâmica Eu não sou eu.sou o momento:passo. Mario Quintana Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES FACULDADE DOS GUARARAPES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES Conceitos Básicos Prof. Rômulo César romulodandrade@gmail.com romulocesar@faculdadeguararapes.edu.br www.romulocesar.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Interação Humano-Computador

Interação Humano-Computador Interação Humano-Computador Aula 8-01/04/2016 Marcelle Mota http://mpmota.ufpa.br/ihc-en05178/ Contato: mpmota@ufpa.br 2 Agenda O que é design? Perspectivas de design Processos de design de IHC Ciclo de

Leia mais

PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO

PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO Formação de Professores e Educação Matemática (FPM) GT 08 RESUMO Melquisedec Anselmo da Costa AZEVEDO

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 NOVA ANDRADINA MS DEZEMBRO/2013 ESCOLA IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 Plano de ações previstas a serem executadas no

Leia mais

FUNDAÇÃO LUSÍADA Centro Universitário Lusíada Regulamento TCC-Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Administração

FUNDAÇÃO LUSÍADA Centro Universitário Lusíada Regulamento TCC-Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Administração 1.1. Trabalho de Conclusão de Curso - TCC A Resolução CNE nº 04 de 13 de junho de 2005, institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Administração, bacharelado, em seu artigo

Leia mais

Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Computação Habilitação: Licenciatura em Computação

Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Computação Habilitação: Licenciatura em Computação Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Habilitação: Licenciatura em LC101 Leitura e produção textual 30-10 40 2 - LC102 Informática e sociedade 30-10 40 2 - LC103 Inglês básico 50-10 60 3-1º LC104

Leia mais

Sem fronteiras para o conhecimento. MS Project para Gerenciamento de Projetos

Sem fronteiras para o conhecimento. MS Project para Gerenciamento de Projetos 1 Sem fronteiras para o conhecimento MS Project para Gerenciamento de Projetos 2 MS Project para Gerenciamento de Projetos Em projetos, planejamento e gerenciamento são as palavras chaves para o sucesso.

Leia mais

ScholarApp: um catálogo de aplicativos educacionais

ScholarApp: um catálogo de aplicativos educacionais ScholarApp: um catálogo de aplicativos educacionais Daniel Victor Nunes dos Santos 1 Wellington Gonçalves Ferreira Brito 2 Cleiane Gonçalves Oliveira 3 1 Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG)

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO JULIANA LEME MOURÃO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO JULIANA LEME MOURÃO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO JULIANA LEME MOURÃO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI SIMULADORES VIRTUAIS ALIADOS AO ENSINO DE FÍSICA GOIOERÊ

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE CENECISTA DE VARGINHA Administração e Ciências Contábeis: Reconhecimento pelo Decreto Federal Nº 76177/75 - D.O. 02/09/75 Ciências Econômicas: Reconhecimento através da Portaria Ministerial Nº

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO LÍNGUA ESTRANGEIRA ALEMÃO Profª Lourdes Sufredini Profª Luciane Probst Unidade de Ensino I Prédio João

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente PLANO DE ENSINO Escola ENGENHARIA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (EETI) Engenharias: Ambiental; Civil; de Computação; de Petróleo; de Produção; Elétrica; Curso(s) Mecânica; Mecatrônica e Química Disciplina

Leia mais

RESOLUÇÃO n 048 TÍTULO I DA NATUREZA, DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS

RESOLUÇÃO n 048 TÍTULO I DA NATUREZA, DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS RESOLUÇÃO n 048 0 CONSUPER/2012 Regulamenta o Programa de Assistência Estudantil do Instituto Federal Catarinense. Processo nº 23348.000931/2012-24. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Plano de Ensino 2003 (Plano de ensino do anos anteriores: ) Identificação Objetivos Conteúdo Estratégias Avaliação Bibliografia

Plano de Ensino 2003 (Plano de ensino do anos anteriores: ) Identificação Objetivos Conteúdo Estratégias Avaliação Bibliografia Página 1 de 5 Atualizado: 23-Oct-2003 Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas/ Escola de Ciências M édicas de Alagoas Departamento de Medicina Social

Leia mais

TRABALHO FINAL I CEAP Prof.ª Maria Helena Carvalho /Prof. Msc. Paulo José Morais

TRABALHO FINAL I CEAP Prof.ª Maria Helena Carvalho /Prof. Msc. Paulo José Morais TRABALHO FINAL I CEAP 2011.2 PROBLEMATIZAÇÃO Tendo a certeza de que o problema está adequadamente delimitado, será preciso realizar um cuidadoso processo de problematização. A Sugestão é que cada problema

Leia mais

O SOFTWARE WINPLOT COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE SISTEMAS LINEARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA

O SOFTWARE WINPLOT COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE SISTEMAS LINEARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA O SOFTWARE WINPLOT COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE SISTEMAS LINEARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Resumo Prof a. Dr a. Julhane A. Thomas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SALESIANO DE SÃO PAULO - UNISAL Campinas - Campus Liceu. V SEMINÁRIO DE EXTENSÃO 24 de setembro de 2016

CENTRO UNIVERSITÁRIO SALESIANO DE SÃO PAULO - UNISAL Campinas - Campus Liceu. V SEMINÁRIO DE EXTENSÃO 24 de setembro de 2016 CENTRO UNIVERSITÁRIO SALESIANO DE SÃO PAULO - UNISAL Campinas - Campus Liceu V SEMINÁRIO DE EXTENSÃO 24 de setembro de 2016 Edital n.º 05 Chamada de Trabalhos Tema: Planeta Terra: O cuidado da casa comum.

Leia mais

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas:

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas: Normas para Realização do Projeto Supervisionado ou Trabalho de Graduação para o Curso de Sistemas de Informação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, da Universidade de São Paulo Versão: Dezembro/2012

Leia mais

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos PLANO DE ENSINO Disciplina Fundamentos de Matemática Código Docente Daniela Macêdo Damaceno Pinheiro Semestre I/2013.1 Carga horária 80h 1 EMENTA Frações Produtos notáveis Funções, equações e inequações

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I. Introdução

PROGRAMAÇÃO I. Introdução PROGRAMAÇÃO I Introdução Introdução 2 Princípios da Solução de Problemas Problema 1 Fase de Resolução do Problema Solução na forma de Algoritmo Solução como um programa de computador 2 Fase de Implementação

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2015)

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2015) Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2015) I. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA ESTATÍSTICA APLICADA CARGA HORÁRIA 46 CURSO

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ESCOLA DE ENGENHARIAS

CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ESCOLA DE ENGENHARIAS 1 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ESTAGIÁRIO(A): XXXXXXXXXXXXXX RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Relatório Final de Estágio Curricular

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER ANDRADINA/SP 2016 NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO:

Leia mais

SOFTWARE EDUCACIONAL PARA ELABORAÇÃO DE PROVAS E EXERCÍCIOS

SOFTWARE EDUCACIONAL PARA ELABORAÇÃO DE PROVAS E EXERCÍCIOS SUZETE KEINER SOFTWARE EDUCACIONAL PARA ELABORAÇÃO DE PROVAS E EXERCÍCIOS CIOS Orientador: Prof.. Carlos Eduardo Negrão Bizzotto ROTEIRO Introdução Objetivos Informática na Educação Etapas de Implantação

Leia mais

CAPACITAÇÃO DOS USUÁRIOS DA BIBLIOTECA DA FIEO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO PARA OSASCO - PARA A NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

CAPACITAÇÃO DOS USUÁRIOS DA BIBLIOTECA DA FIEO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO PARA OSASCO - PARA A NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 CAPACITAÇÃO DOS USUÁRIOS DA BIBLIOTECA DA FIEO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO PARA OSASCO - PARA A NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 INTRODUÇÃO A primeira e fundamental atividade de ligação entre

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação

Leia mais

Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia

Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia O Uso da Lógica Fuzzy na Avaliação dos Impactos de Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia Autores: Vilma Guimarães Antonio Morim - Fabio Krykhtine Guilherme Weber Eduardo Sá Fortes A FERRAMENTA

Leia mais

Introdução a Algoritmos Aula 1

Introdução a Algoritmos Aula 1 Introdução a Algoritmos Aula 1 Professor: Maurício Archanjo Nunes Coelho Metodologia Aulas expositivas Transparências Quadro negro Material disponível em PDF Resolução de exercícios Leitura/Estudo do material

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2016)

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2016) Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2016) I. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA CURSO PROFESSOR CÓDIGO DA DISCIPLINA Normalização

Leia mais

CAIU NA NET : UM ESTUDO SOBRE A CONCEPÇÃO DOS ESTUDANTES DA ESCOLA ESTADUAL DOS RODOVIÁRIOS NO MUNICIPIO DE ALAGOINHAS-BA

CAIU NA NET : UM ESTUDO SOBRE A CONCEPÇÃO DOS ESTUDANTES DA ESCOLA ESTADUAL DOS RODOVIÁRIOS NO MUNICIPIO DE ALAGOINHAS-BA CAIU NA NET : UM ESTUDO SOBRE A CONCEPÇÃO DOS ESTUDANTES DA ESCOLA ESTADUAL DOS RODOVIÁRIOS NO MUNICIPIO DE ALAGOINHAS-BA Anderson José da Silva Brito¹ Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Como elaborar um relatório

Como elaborar um relatório Francisco Carrapiço, 2001 Biologia Celular Como elaborar um relatório 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência

Leia mais

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art 1º. A Extensão Acadêmica se constitui em uma prática permanente de interação universidade-sociedade, articulada ao ensino

Leia mais

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Etapas do Trabalho de Pesquisa Escolha do

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA 2012 2013 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Curso Profissional de Técnico de Multimédia ELENCO MODULAR A7 Probabilidades 28 A6 Taxa de variação 36 A9 Funções de crescimento

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1

ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1 ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1 Priscilla Régia de Castro PEREIRA 2 Ivanilton José de OLIVEIRA 3 Introdução Dentre as pesquisas existentes

Leia mais

Avaliação dos Estudantes sobre o Uso de Imagens como Recurso Auxiliar no Ensino de Conceitos Químicos

Avaliação dos Estudantes sobre o Uso de Imagens como Recurso Auxiliar no Ensino de Conceitos Químicos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA BOLSISTA: LIANE ALVES DA SILVA Avaliação dos Estudantes sobre o Uso de Imagens como Recurso Auxiliar

Leia mais

SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS

SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS Seminário Motivações para o Início e o Fim do Consumo de Drogas: uma análise das comunidades virtuais relacionadas ao tema SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS Arthur Guerra de Andrade Coordenação da Área

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL Carmen Leite Ribeiro Bueno* A Avaliação Profissional tem como objetivo geral auxiliar o indivíduo em seu desenvolvimento pessoal e profissional, utilizando sistematicamente

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE INTEGRAÇÃO ENTRE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE INTEGRAÇÃO ENTRE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE INTEGRAÇÃO ENTRE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO AMPLIADO Portfólio de Projetos Estratégicos de 2013 Objetivo Estratégico: Aumentar em 36,84% os investimentos

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO POLÍCIA MILITAR CENTRO DE CAPACITAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E PESQUISA ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR COSTA VERDE.

ESTADO DE MATO GROSSO POLÍCIA MILITAR CENTRO DE CAPACITAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E PESQUISA ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR COSTA VERDE. PLANO DE ENSINO ESTADO DE MATO GROSSO POLÍCIA MILITAR CENTRO DE CAPACITAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E PESQUISA ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR COSTA VERDE. GRUPO DE PRODUÇÕES ACADÊMICAS CURSO CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC Diretoria de Pós-graduação e Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC Diretoria de Pós-graduação e Pesquisa CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC Diretoria de Pós-graduação e Pesquisa PLANO DE ENSINO MODALIDADE PRESENCIAL 1 Ano 2016 1º Semestre Curso: Marketing Digital e E-commerce Disciplina: Fundamentos do Ambiente Digital

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES DE ENERGIA 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES DE ENERGIA 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES DE ENERGIA 1 Antonio Carlos Catani Neto 2, Guilherme Fabrin Franco 3, Paulo Sérgio Sausen 4. 1 Projeto de Iniciação Científica, realizado

Leia mais

PROJETO. Gincana Matemática

PROJETO. Gincana Matemática PROJETO Gincana Matemática APRESENTAÇÃO DO PROJETO: QUE D+ I IDENTIFICAÇÃO Projeto: Gincana Matemática ESCOLA JOÃO MARIANO DA SILVA Diretor: Coordenadora de ensino: Coordenadora Pedagógica: Professores

Leia mais

Projeto para a Implementação do Banco de Preços de Medicamentos da União das Nações Sul-americanas (UNASUL)

Projeto para a Implementação do Banco de Preços de Medicamentos da União das Nações Sul-americanas (UNASUL) SECRETÁRIA-GERAL DA UNASUL Ficha para a identificação de Iniciativas Conjuntas da UNASUL (PIC-UNASUL) I Nome do projeto: Implementação do Banco de Preços de Medicamentos da União das Nações Sul-americanas

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

ANALIZANDO A CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ANALIZANDO A CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ANALIZANDO A CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Betânia Evangelista mbevangelista@hotmail.com Fabiola Santos M.de A. Oliveira fabiprestativa@hotmail.com Paulo Marcos Ribeiro

Leia mais

Curso de Desenvolvimento de Negócios Sociais e Inclusivos

Curso de Desenvolvimento de Negócios Sociais e Inclusivos Curso de Desenvolvimento de Negócios Sociais e Inclusivos O curso de Desenvolvimento de Negócios Sociais e Inclusivos visa a despertar o interesse de pessoas que queiram empreender na área social. Trata-se

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM FRAÇÕES NO SEGUNDO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM FRAÇÕES NO SEGUNDO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES CAMPUS DE ERECHIM ÂNGELA MARIA BORTOLASSI GEMPKA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM FRAÇÕES NO SEGUNDO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ERECHIM 2008 ÂNGELA

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Usabilidade em aplicações web 1.2 Câmpus de Origem: São Borja 1.3

Leia mais

Rodrigo Claudino Diogo 1, Valéria A. Ribeiro de Lima 2, Vanusa Maria de Paula 3, Rosymeire Evangelista Dias 4

Rodrigo Claudino Diogo 1, Valéria A. Ribeiro de Lima 2, Vanusa Maria de Paula 3, Rosymeire Evangelista Dias 4 A formação docente em Ciência, Tecnologia, Sociedade e Educação Ambiental TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA SALA DE AULA: PRODUÇÃO DE VÍDEOS POR MEIO DE SMARTPHONES COMO UMA POSSIBILIDADE VIÁVEL

Leia mais

Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Com

Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Com Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Computação Maria Angélica de Oliveira Camargo Brunetto Universidade Estadual de

Leia mais

O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti

O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti 1 http://www.bahianoticias.com.br O QUE É O ENADE? 2 ENADE Exame Nacional de Desempenho de Estudantes. Integra o Sinaes - Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

DISCIPLINA/ATIVIDADE. Total disciplinas Atividades Complementares DISCIPLINA/ATIVIDADE

DISCIPLINA/ATIVIDADE. Total disciplinas Atividades Complementares DISCIPLINA/ATIVIDADE Fundação Educacional de Ituverava Faculdade Dr. Francisco Maeda O Diretor da Faculdade Dr. Francisco Maeda de Ituverava-SP, mantida pela Fundação Educacional de Ituverava, tendo em vista o disposto nas

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás. Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás. Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa Proeja no IFG - Campus Goiânia: os desafios do trabalho docente

Leia mais

E.E. Prof. Antônio Alves Cruz Sala 8 / 1ª. Sessão

E.E. Prof. Antônio Alves Cruz Sala 8 / 1ª. Sessão Engenharia do Papel & Criação de livros Pop-Up E.E. Prof. Antônio Alves Cruz Sala 8 / 1ª. Sessão Professor Apresentador: Narahan Dib Fracalanza Realização: Foco Aquisição de linguagem gráfica geometria

Leia mais

Apresentação do Sistema O Pen

Apresentação do Sistema O Pen Apresentação do Sistema O Pen Apresentação da empresa Makem A Makem Tecnologia nasceu da necessidade de agilizar o processo de envio de dados gerados em campo ou ambiente interno da empresa. Percebemos

Leia mais

II CONGRESSO 2015 FAMINAS-BH COMPARTILHANDO IDEAIS NA BUSCA POR DIAS MELHORES: DISCUTINDO A SUSTENTABILIDADE

II CONGRESSO 2015 FAMINAS-BH COMPARTILHANDO IDEAIS NA BUSCA POR DIAS MELHORES: DISCUTINDO A SUSTENTABILIDADE CHAMADA DE TRABALHOS: A comissão técnico-científica do II CONGRESSO FAMINAS-BH 2015 convida para a submissão de trabalhos técnicos para apresentação e discussão no evento. TEMA: SUSTENTABILIDADE: SOCIAL,

Leia mais

Pesquisa Operacional. Evanivaldo Castro Silva Júnior

Pesquisa Operacional. Evanivaldo Castro Silva Júnior Evanivaldo Castro Silva Júnior Conteúdo Fundamentos da Pesquisa Operacional. Modelos Lineares. Métodos de solução gráfica e algoritmo simplex. Aplicações de Programação Linear. Análise de Sensibilidade.

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN UM ESTUDO DAS MULTIPLAS CAPACIDADES DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM PARALISIA CEREBRAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FISICA Lilian Ravazzi Universidade Estadual de Londrina RESUMO Quando se fala em Paralisia Cerebral,

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Fundão

Agrupamento de Escolas do Fundão Agrupamento de Escolas do Fundão MATEMÁTICA P GPI 13 12º Ano CURRÍCULO DA DISCIPLINA E Nº DE AULAS PREVISTAS Período PLANIFICAÇÃO ANUAL Módulos a leccionar + Conteúdos Programáticos Módulo A6- Taxa de

Leia mais

Faculdades Integradas de Ponta Porã FIP/MAGSUL

Faculdades Integradas de Ponta Porã FIP/MAGSUL Faculdades Integradas de Ponta Porã FIP/MAGSUL PROJETO DAS FACULDADES FIP/MAGSUL 2011 ( ) ENSINO ( ) PESQUISA ( X ) EXTENSÃO 1. Título: Acompanhamento e divulgação dos preços de produtos sazonais no município

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO: 2008/2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO: 2008/2 DISCIPLINA: Créditos: 6 Caráter: Obrigatório Professor regente: Ály Ferreira Flores Filho UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO

Leia mais

Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?)

Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?) Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?) O que é Pesquisa? O que é Metodologia? David González david.epidemio@gmail.com O que é Método? E dai? Pesquisa 1. Indagação; inquirição; busca; investigação;

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Administração Disciplina: METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Profª Msc: Maria Gilvanira Gomes da Silva e-mail: gilvaniragomes@yahoo.com.br

Leia mais

1.1. Caracterização do Problema. Capítulo 1. Introdução 20

1.1. Caracterização do Problema. Capítulo 1. Introdução 20 1 Introdução Projetos de software normalmente estão bastante suscetíveis a passar por inúmeras modificações ao longo do seu ciclo de vida. Muitos deles falham ao atingir seus resultados necessários dentro

Leia mais

NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS A APRESENTAR NAS II JORNADAS DE EQUITAÇÃO COM FINS TERAPÊUTICOS

NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS A APRESENTAR NAS II JORNADAS DE EQUITAÇÃO COM FINS TERAPÊUTICOS NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS A APRESENTAR NAS II JORNADAS DE EQUITAÇÃO COM FINS TERAPÊUTICOS Data prevista do evento: 19 e 20 de Maio de 2012 Data de entrega dos trabalhos: 29 de Fevereiro de 2012

Leia mais

Plano de aula Objeto de Aprendizagem: Pontos em Batalha

Plano de aula Objeto de Aprendizagem: Pontos em Batalha Plano de aula Objeto de Aprendizagem: Pontos em Batalha Dados de identificação Disciplina: Matemática. Assunto: Geometria analítica. Séries indicadas: 1/ 2/ 3º ano do ensino médio. Material utilizado:

Leia mais

LANÇAMENTOS DE LIVROS

LANÇAMENTOS DE LIVROS PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR (SUJEITA A ALTERAÇÕES) - 01/Ago/2016 LANÇAMENTOS DE LIVROS EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: IMPACTOS NOS PLANOS PROFISSIONAL E PESSOAL PACO EDITORIAL Autor: LETÍCIA MACHADO DOS SANTOS A OBRA

Leia mais

PROPOSTA DE MINI-CURSO AS OPERAÇÕES EM FRAÇÕES CONCEITUADAS ATRAVÉS DO OPERA- FRAÇÕES E O LOCALIZA NA RETA (SOFTWARES LIVRES)

PROPOSTA DE MINI-CURSO AS OPERAÇÕES EM FRAÇÕES CONCEITUADAS ATRAVÉS DO OPERA- FRAÇÕES E O LOCALIZA NA RETA (SOFTWARES LIVRES) PROPOSTA DE MINI-CURSO AS OPERAÇÕES EM FRAÇÕES CONCEITUADAS ATRAVÉS DO OPERA- FRAÇÕES E O LOCALIZA NA RETA (SOFTWARES LIVRES) TARLIZ LIAO e ROSANE MELLO 1 PALAVRAS-CHAVE: MODELOS DE FRAÇÕES USO DO COMPUTADOR

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Período Letivo:2016-1

PLANO DE ENSINO. Período Letivo:2016-1 Fone (49) 353-4300 PLANO DE ENSINO BACHARELADO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Componente Curricular: Microcontroladores Carga Horária: 60h Professor: Giovani Pasetti 1. Ementa Período Letivo:016-1

Leia mais

Plano de Atendimento Individualizado. Anexo II Instrução CGEB de 14/01/2015 Área da Deficiência Intelectual Resolução SE nº 61, de 11/11/2014

Plano de Atendimento Individualizado. Anexo II Instrução CGEB de 14/01/2015 Área da Deficiência Intelectual Resolução SE nº 61, de 11/11/2014 Plano de Atendimento Individualizado Anexo II Instrução CGEB de 14/01/2015 Área da Deficiência Intelectual Resolução SE nº 61, de 11/11/2014 Atendimento Pedagógico Especializado Deve ser assegurado para

Leia mais

Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso.

Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso. Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso. Objetivo: Construção de uma ferramenta capaz de auxiliar a construção de modelos de casos de uso de sistemas,

Leia mais

TENDÊNCIAS DA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA NO BRASIL DE 2000 A 2013: EVENTOS CIENTÍFICOS

TENDÊNCIAS DA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA NO BRASIL DE 2000 A 2013: EVENTOS CIENTÍFICOS TENDÊNCIAS DA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA NO BRASIL DE 2000 A 2013: EVENTOS CIENTÍFICOS Ailton Paulo de Oliveira Júnior UFTM Tayrinne Helena Vaz - UFTM Resumo: Com a intenção de obter indicadores

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL DEPARTAMENTO: PLANIFICAÇÃO ANUAL - ANO LETIVO: DISCIPLINA: Matemática A (12.º ano) Matemática e Ciências Experimentais 2015/2016 UNIDADE Tema 1 - Probabilidades e Combinatória

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística RESOLUÇÃO N o 01/2011, DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ESTATÍSTICA Regulamenta a composição, as competências

Leia mais

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Estrutura da UCS Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas A UCS é formada por diferentes unidades de ensino, cada uma relacionada com uma área do conhecimento: CCET Centro de Ciências

Leia mais

Volta Redonda, março de 2009

Volta Redonda, março de 2009 Trabalho de Conclusão de Curso TCC Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Núcleo de Graduação Tecnológica Volta Redonda, março de 2009 Agenda Objetivos Alcance Coordenação Orientação O Aluno Pesquisador

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO A Faculdade Fleming dispõe atualmente de infraestrutura de Tecnologia da Informação com rede de computadores que interliga em torno de 300

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR Aluno: Igor Szczerb Orientador: Marcos Venicius Soares Pereira Introdução A termografia ativa é um método

Leia mais

Manufatura por FMS e CIM

Manufatura por FMS e CIM Campus Divinópolis Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica. Grupo 06 Manufatura por FMS e CIM Felipe Wagner Guilherme Henrique Gabriel Aparecido Renan 1º PERIODO ENGENHARIA MECATRÔNICA

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA MARKETING II

PROGRAMA DA DISCIPLINA MARKETING II 1. IDENTIFICAÇÃO PROGRAMA DA DISCIPLINA MARKETING II CURSO: ADMINISTRACAO ANO: 2014 DISCIPLINA: MARKETING II CÓDIGO: ADM10598 PERÍODO: 2014/1 CARGA HORÁRIA: 60h PROFESSOR (A): MICHEL VASCONCELOS 2. DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil

Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil Fabrício Bueno Borges dos Santos fabriciob@cefetsc.edu.br Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil Trabalho ilustrativo da disciplina Informática Aplicada Araranguá, 2008 Sumário 1Introdução...1

Leia mais

Avaliação Institucional Docentes

Avaliação Institucional Docentes Avaliação Institucional Docentes A avaliação é um processo fundamental para a qualidade do trabalho desenvolvido nas Instituições de Ensino Superior. Nesse sentido, a Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Leia mais