ASPECTOS DE IDENTIDADE PATRIMONIAL EM UMA CIDADE LIMPA: O CASO CURITIBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS DE IDENTIDADE PATRIMONIAL EM UMA CIDADE LIMPA: O CASO CURITIBA"

Transcrição

1 ASPECTOS DE IDENTIDADE PATRIMONIAL EM UMA CIDADE LIMPA: O CASO CURITIBA Orientando: Guilherme Alves Bomba (História UEL) Orientadores: Zueleide Casagrande e Jorge Romanelo Este artigo tem como principal função analisar a percepção de um visitante, vindo de uma cidade nova e tida como modernista, sobre a cidade de Curitiba, buscando entender os elementos que auxiliem na percepção de uma consciência patrimonial histórica e cultural. Partindo do ponto que a cidade de Curitiba possui um amplo campo de discussões possíveis, sejam estas historiográficas, memoriais ou identitárias, por ser uma cidade secular e manter preservado muito de sua origem, o presente trabalho busca como principal foco a discussão sobre uma cidade limpa, como premissa de uma valorização do patrimônio, memória e da própria identidade. PALAVRAS CHAVE: PATRIMÔNIO; CURITIBA; IDENTIDADE; O objetivo deste trabalho vai muito além do que um relatório sobre uma viagem a uma cidade como Curitiba, seria este uma tentativa de análise sobre o patrimônio histórico e cultural da capital paranaense, buscando determinados elementos que ajudem na idéia de uma identidade, e até mesmo de um saudosismo, sem aludir com isso um desprendimento ao novo, longe disso, mas uma valorização do novo preservando o que já se possui. Contudo, antes que se possa discutir o patrimônio histórico-cultural em Curitiba, e indispensável definir o que seria este. Caso se fale somente sobre patrimônio isolando os termos do conjunto supramencionado, entender-se-ia sobre aquilo que é passado de pais para filhos, um bem de herança, segundo termos legais. Entretanto, quando a análise partir para o sentido histórico e cultural, o conceito é bem mais complexo, pois

2 envolve diversos meandros da vida de uma dada sociedade, por se referir aos bens incomensuráveis como a memória coletiva construída socialmente e identidade de um povo. Neste sentido, o que se entende é que por meio da valorização do patrimônio histórico-cultural, pode-se obter um favorecimento da identidade local. O patrimônio só fará sentido se contextualizado, por isso além do elemento em si, o entorno será de grande valia para a análise em questão. Por esse motivo, a atenção principal deste trabalho recorrerá a uma forma de preservação do patrimônio e seu entorno. A proposta de Cidade Limpa, inicialmente promulgada na cidade de São Paulo, limitava o tamanho dos outdoors e outras formas de limitação da poluição visual na cidade. Isso proporcionaria uma valorização do que já se há construído que inclusive é de muito valor, seja econômico ou culturalmente dito. Houve muitas opiniões controvérsias, tanto dos comerciantes que deveriam regularizar a fachada de suas empresas, importante citar que a fachada deveria ser ocupada no máximo em 50% (cinqüenta por cento) por uma propaganda, além dos publicitários que as planejariam. Os argumentos foram diversos, contudo há um que chama muito a atenção, em um site de relacionamentos pessoais é colocada uma questão que foi muito debatido por outras pessoas que ali também escreveria nesta página ela chama de velhos saudosistas, aqueles que valorizam a lei cidade limpa, possuem medo do novo, saudade e querem voltar ao passado. Uma resposta chamou muito a atenção, por ser um profissional da mesma área que a pessoa que fez o comentário inicial, um publicitário, ele cita que longe disso cidades como Nova York também possuem limitações, entretanto existem espaços determinados para que preencha com propagandas e telões, um exemplo a Times Square. Isso foi debatido no início de 2006, quando a Lei /06 ainda era um projeto municipal. Antes destes existem outros projetos para tal, mas nenhum com um impacto tamanho na sociedade como um todo. Voltando a Curitiba, que também adotou oficialmente o projeto em 08 de fevereiro de 2008, as placas de lojas ou também chamados de letreiros, podem ocupar somente 20% (vinte por cento) da edificação. O decreto assinado em 2005, por Beto Richa, prefeito de Curitiba, tinha como intuito deixar a cidade mais bonita e valorizar as edificações, querendo melhorar a paisagem urbana e a veiculação publicitária. Agora a questão que definirá o desenvolvimento deste trabalho: Como o controle de letreiros, e até mesmo essa manutenção do patrimônio histórico-cultural pode auxiliar na percepção

3 de uma identidade curitibana, ou, além disso, de uma identidade paranaense com traços históricos diferentes daqueles encontrados no Norte Novo do Paraná? Curitiba é uma cidade com mais de 350 anos de história. Desde que o capitão Ébano Pereira estabeleceu-se na região com um grupo de garimpeiros, em 1649, Curitiba cresceu muito e passou por vários ciclos econômicos. Seus habitantes construíram um amplo patrimônio histórico e cultural ao longo desses três séculos e meio. É uma cidade antiga para os padrões brasileiros. Esses três séculos e meio de vida, trazem a Curitiba a grandiosidade da experiência e feitos que devem ser preservados. Acredita-se que as primeiras construções na região de Curitiba iniciaram-se na atual Praça Tiradentes e no bairro de São Francisco. Nessa área se concentram edificações importantes do século 18, como a Igreja da Ordem e a Casa Romário Martins, além de várias construções do século 19 e início do 20. O patrimônio histórico tem o seu lugar no sagrado reservado, ou seja, um patrimônio só será considerado como tal, a partir do momento em que ele seja valorizado e representado em seu sentido real, como identificação da memória de um povo e de sua história. O se deve cuidar é para que este estudo, não se torne um catálogo de coleções desprovido de sentido, sendo assim não é possível analisar uma imagem da Basílica de Curitiba querendo dela retirar o significado, se não possuir o conhecimento sobre o seu entorno, e sobre sua própria história. O presente trabalho procura muito mais do que fatos históricos expressos em edificações, além disto, toda uma significação embasada em teóricos de outras áreas, afinal, por que não utilizar textos de arquitetos, já que estes ajudaram na compreensão de estilos, momentos artísticos e objetivos de cópias ou réplicas? E outras matérias devem ser consideradas. A antropologia nos ensina, em seus princípios fundantes, que cultura não pode ser pensada a partir da idéia de um conjunto fixo de elementos que resistem imunes à longa noite dos tempos, sejam eles artefatos, canções ou mitos. As culturas são dinâmicas, e a existência dessa propriedade independe do grau de contato com outras culturas. Em outras palavras, usos e sentidos estão sendo constantemente ressignificados, não implicando esse processo perda, mas

4 justamente vitalidade. Embora possa parecer sacrílego, a incorporação de qualquer bem num acervo ou inventário exemplifica exatamente essa dinâmica. O patrimônio cultural está dividido em diversas etapas e formas, e falar somente do patrimônio material, ou de edificações, traria para este trabalho determinada falta de significação, isso, pois ao falar das edificações o que se busca é a sua relação com a construção de atos e hábitos sociais que representam e individualizem a sociedade curitibana. Neste sentido, pode-se e devem-se retomar os espaços arquitetônicos, sociais e de memórias apontados, desde que se façam relações com outros elementos e que se chame atenção para a tensão das vivências e das seleções. Um reexame da história do patrimônio no Brasil mostra que na sua origem as políticas relativas ao patrimônio foram pensadas de forma ampla, incorporando muitos dos elementos que estão hoje em cena nesse debate. Reconhecidamente um pioneiro mundial nessa área, Mario de Andrade elaborou, em 1936, juntamente com Paulo Duarte, o texto do decreto que dispõe sobre a criação do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Sphan), promulgado pelo Presidente da República no ano seguinte. Logo no seu primeiro artigo, o texto versa que: "Constitui o patrimônio histórico e artístico nacional o conjunto dos bens móveis e imóveis existentes no País e cuja conservação seja de interesse público, quer por sua vinculação a fatos memoráveis da história do Brasil, quer por seu excepcional valor arqueológico ou etnográfico, bibliográfico ou artístico." A lei implicava, portanto, tanto o material, quanto o que hoje se denomina de imaterial. As discussões sobre patrimônio intensificaram-se nas décadas de 60 e 70, quando várias reuniões, conferências e encontros foram realizadas tanto nacionalmente como internacionalmente. Inúmeros documentos com objetivo de proteção ao patrimônio de diversas nações surgiram e a idéia de patrimônio ampliou-se como adjetivo Cultural apresentado também pela Constituição do Brasil de 1988 no artigo 216. Dessa forma, o termo cultural abrange uma diversidade de trabalhos que resultam na ação do homem como bem cultural e assim, como patrimônio que é, deve ser considerado e protegido. Os bens culturais que herdamos do passado e vivenciamos no presente contribuem para a formação da identidade, na formação de grupos, nas categorias

5 sociais e no resgate à memória, permitindo estabelecer elos entre o pertencimento, a história e as raízes. Atribuir significação a algo implica um valor, portanto, a significação cultural de um bem pressupõe um valor estético, histórico, científico ou social a ele atribuído por gerações passadas, presentes ou futuras. (IPHAN, 1995, p. 283). A capital do Estado do Paraná possui diversas colonizações, e trouxe consigo em cada colonizador o ar europeu, que é bem retratado em sua arquitetura e culturas. Curitiba pode ser vista, de duas formas, a primeira de uma metrópole com cara de interior, ou interior com cara de metrópole, pois a dualidade entre passado e futuro é grandiosa. Não há como se buscar em uma viagem entender tudo sobre uma cidade e seu povo, entretanto muito disso pode ser apreendido em detalhes que fazem toda a diferença. Se comparada com Londrina, cidade do norte do Paraná com pouco mais de setenta anos, e tantas outras cidades do Brasil, Curitiba é uma cidade muito antiga e cheia de traços desta idade em suas edificações. Entretanto há muito de moderno em Curitiba recentemente estudos realizados apontam para um mesmo arquiteto nestas duas cidades, que com seus traços modernistas pode em alguns pontos dar uma determinada idéia de identidade unitária ao Paraná, seu nome Villanova Artiga, é reconhecido nacionalmente, inclusive uma de suas obras em Londrina, a estação rodoviária foi tombada como patrimônio histórico. Este trabalho não se preocupa com o que foi tombado ou não, pois cabe aí uma série de detalhes políticos e econômicos que não condiz com as necessidades deste projeto. O que se interessa não pelo denominação que este receba, mas pelo seu papel psico - social, no sentido de ampliação e aplicação na construção de uma identidade. Partindo das análises dos monumentos e dos hábitos sociais em relação a estes, o que se procura é entender como a manutenção e a conservação do patrimônio histórico, pode auxiliar para que uma pessoa possa se autodenominar e reconhecer, enquanto parte de um todo social, ou seja, que ela possa se assimilar com outros indivíduos seja por afinidades ou por sua história.

6 Toda história deve ter heróis ou patronos, e uma das funções do patrimônio histórico e cultural é exatamente esta, a de salva-guardar a imagem e os feitos de homens que com suas habilidades e coragem, tenham sido símbolos de um povo e/ou de um local. E aqueles que tenham um mesmo idealizado, compartilham de uma mesma história e sendo assim, partem para uma unificação. Não há como considerar somente os homens de renome e que são colocados nas paredes e nos monumentos, mas há muitos que em limites de bairros fazem e são a sua própria história. Em Curitiba, cada monumento tem um nome, seja de quem fez, ou o de quem é representado. E isso é indispensável para a compreensão da identidade curitibana, um nome, ás vezes não representa um individuo, mas uma nação. A capital paranaense é repleta de povos e culturas diferentes, desta forma se pode encontrar diversas representações de credos e tradições européias nos monumentos e edificações. Entender a representação de uma sociedade é algo muito complicado. Momentos e movimentos são diversos, e se não considerados trarão o erro. O início do século XX foi marcado por uma forte ânsia de modernidade. E o momento agora de Curitiba e de tantas outras cidades do Brasil e do mundo, e de uma troca entre o velho e o novo. A região curitibana ou do sul do Paraná, é especifica e muito diferente das regiões como do norte do Estado. É necessário para se definir a noção de região estabelecida para este trabalho. Grosso modo, uma região é uma unidade definível no espaço, que se caracteriza por uma relativa homogeneidade interna com relação a certos critérios. Os elementos internos que dão uma identidade à região (e que só se tornam perceptíveis quando estabelecemos critérios que favoreçam a sua percepção) não são necessariamente estáticos. Daí que a região também pode ter sua identidade delimitada e definida com base no fato de que nela poder ser percebido um certo padrão de interrelações entre elementos dentro dos seus limites. Vale dizer, a região também pode ser compreendida como um sistema de movimento interno. Por outro lado, além de ser uma porção do espaço organizada de acordo com um determinado sistema ou identificada através de um padrão, a região quase sempre se insere ou pode se ver inserida em um conjunto mais vasto. Curitiba e sua identidade não podem ser definidas por suas edificações ou monumentos. A sua origem, as pessoas que a concretizaram e até mesmo as relações atuais com outras regiões do país, são indispensáveis para tal.

7 Como previsto, ainda não há uma conclusão já pronta deste trabalho, já que as trocas e as construções identitárias são ininterruptas. Mas uma coisa é certa, tirar gigantescos anúncios das fachadas históricas, manter visualmente limpa a imagem da cidade, trás consigo a possibilidade de se analisar o passado e o desejo de tantos que fizeram da cidade ser o que é hoje. Não há saudosismo em valorizar o antigo, há a infinda possibilidade de perceber o surgimento e evolução de um povo, e mais que isto, a criação de uma identidade. Nem todos os homens são iguais, por que suas histórias seriam as mesmas? Modernizar é necessário, entretanto se saber de onde vêm é indispensável. Como a pergunta principal do trabalho ainda não foi respondida, ele não trás em si respostas ou soluções, haja vista muitas perguntas existem para guiar e não para serem respondidas. REFERÊNCIAS: BRASIL. Iphan (Org.). O Registro do Patrimônio Imaterial. Disponível em: <www.iphan.org.br>. Acesso em: 14 set GOUBERT, Pierre. História Local in História & Perspectivas, Uberlândia, , Jan/Jun VEYNE, Paul. Como se Escreve a História. Brasília: UNB, BURKE, Peter. A Escola dos Annales, São Paulo: UNESP, BRASIL. Departamento do Patrimônio Histórico Dph (Org.). Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo - Conpresp. Disponível em: <http://www.patrimoniohistorico.sp.gov.br>. Acesso em: 14 jun INDUSRSKY, Freda.(org.). Discurso, memória, identidade. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzato, 2000 CIDADE Limpa em Curitiba: Nova regra padroniza e disciplina a publicidade externa. (mas não proíbe) Disponível em:

8 <http://omacondominios.wordpress.com/2007/10/16/cidade-limpa-em-curitiba-novaregra-padroniza-e-disciplina-a-publicidade-externa-mas-nao-proibe/>. Acesso em: 12 maio TEVES, Nilda. Imaginário social, identidade e memória. In: FERREIRA, Lucia. Linguagem, identidade e memória social - novas fronteiras, novas articulações. Rio de Janeiro: DP&A, 2002 Icléia e Orrico, Evelyn.(org.) Memória, cultura e sociedade. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2002 LOUZADA, Nilson Moulin. Diferentes suportes para a memória. In: CUNHA, Maria Clementina Pereira. (Org.). O direito à memória, op. cit., p. 15. ARANTES, Antonio Augusto; BOLLE, Willi (Org.). Cultura, patrimônio e preservação. In: ARANTES, Antonio Augusto. Produzindo o passado. São Paulo: Brasiliense, Cap. 1, p. 10 a 23. KERSTEN, Márcia Scholz de Andrade. Os Rituais do tombamento e a escrita da História. Curitiba: Ufpr, p. BARROS, José D Assunção. História, região e espacialidade. Revista de História Regional 10(1): , Verão, MACIEL, Laura Antunes. O direito ao passado: memória e cidadania. Este artigo compõe a mesa: Memória popular e patrimônios culturais. Integrante do IX Cidade Revelada. COSTA, Alcidea Coelho. Educação patrimonial como instrumento de preservação. DePHA/ SEC-DF, 2007.

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Florianópolis (SC), 2013 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA INSTITUIÇÃO Mantenedora: Sistema Barddal de Ensino Grupo UNIESP Mantida: Faculdades

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009.

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009. INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DE RIBEIRÃO PRETO SP Henrique Telles Vichnewski 1 Lílian Rodrigues de O. Rosa 2 Nainôra Maria B. de Freitas 3 O Inventário de Bens Culturais de Ribeirão Preto faz parte do

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL 1 A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL Colégio Londrinense Alunos(as): Natalia Bergamini da Silva Lucas Tsuchya Hubacek Nasser Nasser Orientadora

Leia mais

UNIDADE Escola de Ciência da Informação CARGA TEÓRICA PRÁTICA TOTAL CRÉDITOS HORÁRIA 60 60 0 60 04 ANO LETIVO

UNIDADE Escola de Ciência da Informação CARGA TEÓRICA PRÁTICA TOTAL CRÉDITOS HORÁRIA 60 60 0 60 04 ANO LETIVO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE TEORIA E GESTÃO DA INFORMAÇÃO DISCIPLINAS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DISCIPLINA Patrimônio Cultural no Brasil CÓDIGO ECI -101 PROFESSOR Rubens Alves da

Leia mais

O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural

O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural Adriana Machado Pimentel de Oliveira Kraisch Mestranda do Programa de Pós-graduação em História da UFPB E-mail: adriana.butija@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

Secretaria de Estado da Cultura

Secretaria de Estado da Cultura Secretaria de Estado da Cultura UPPM Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico GTC SISEM-SP Grupo Técnico de Coordenação do Sistema Estadual de Museus de São Paulo MUSEUS E PATRIMÔNIO Os museus

Leia mais

Paraná - Escolas estaduais tombadas vão passar por obras de restauro

Paraná - Escolas estaduais tombadas vão passar por obras de restauro Paraná - Escolas estaduais tombadas vão passar por obras de restauro Colégio Estadual do Paraná. Foto: Hedeson Alves Estudar na mesma sala de aula onde os avôs, pais e irmãos aprenderam a ler e escrever.

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PO-05/2013 Unidade Responsável: Gestão de Programas OBJETIVO: Fornecer a metodologia e ferramentas para implementação da Política de Salvaguardas

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO NÚCLEO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS E PESQUISAS EM DIREITOS HUMANOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL

CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL Universidade Federal de Goiá/Faculdade de Artes Visuais Rodrigo Cesário RANGEL Rodrigoc_rangel@hotmail.com

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados,

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados, Dircurso proferido Pela Dep. Socorro Gomes, na Sessão da Câmara dos Deputados do dia 08 de novembro de 2006 acerca da 19ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, promovido pelo Instituto do Patrimônio

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Obra civil de recuperação/restauração de patrimônio edificado, com tombamento federal ou estadual.

Obra civil de recuperação/restauração de patrimônio edificado, com tombamento federal ou estadual. Artistas, historiadores, arquitetos, designers, arqueólogos, paleontólogos, produtores culturais, educadores, pesquisadores e demais interessados podem apresentar propostas de projetos de patrimônio dentro

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE RESUMO A reconstituição e o resgate da memória do centro de histórico da cidade foi o audacioso trabalho que a franquia O Boticário

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: UMA POSSIBILIDADE PARA REFLETIR, INFORMAR, EDUCAR E PRESERVAR.

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: UMA POSSIBILIDADE PARA REFLETIR, INFORMAR, EDUCAR E PRESERVAR. 25 a 27 de maio de 2010 Facom-UFBa Salvador-Bahia-Brasil EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: UMA POSSIBILIDADE PARA REFLETIR, INFORMAR, EDUCAR E PRESERVAR. Ana Maria Garcia Moura 1 Cristiane Batista dos Santos 2 Resumo:

Leia mais

Estruturas institucionais esfera federal

Estruturas institucionais esfera federal Estruturas institucionais esfera federal Departamento do Patrimônio Imaterial Princípio de atuação: respeito à diversidade cultural e valorização da diferença são os princípios organizadores da atuação

Leia mais

Concurso Fotográfico Património e Paisagem Urbana do Concelho

Concurso Fotográfico Património e Paisagem Urbana do Concelho JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO 2011 PATRIMONIO E PAISAGEM URBANA As Jornadas Europeias do Património, promovidas em Portugal pelo IGESPAR a 23/24/25 de Setembro, são uma iniciativa anual do Conselho

Leia mais

Aula5 LEGISLAÇÃO PATRIMONIAL. Verônica Maria Meneses Nunes Luís Eduardo Pina Lima

Aula5 LEGISLAÇÃO PATRIMONIAL. Verônica Maria Meneses Nunes Luís Eduardo Pina Lima Aula5 LEGISLAÇÃO PATRIMONIAL META Indicar as leis preservacionistas que recomendam a proteção do patrimônio. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: detectar as principais referências internacionais

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/26

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/26 Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/26 Função social do Museu 2/26 O museu é uma instituição permanente sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

A preocupação com a memória e o Patrimônio Cultural vem ganhando espaço,

A preocupação com a memória e o Patrimônio Cultural vem ganhando espaço, MEMÓRIA GASTRONÔMICA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIC MEMORY AND LONDRINENSE CULTURAL HERITAGE Prof. Dr. Leandro Henrique Magalhães 1 Profa. Dra. Mirian Cristina Maretti 1 Sonia Maria Dantas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional CAPITULO I Do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Art. 1º. Constitui o patrimônio histórico e artístico nacional o conjunto dos bens móveis

Leia mais

Historia das relações de gênero

Historia das relações de gênero STEARNS, P. N. Historia das relações de gênero. Trad. De Mirna Pinsky. Sao Paulo: Contexto, 2007. 250p. Suellen Thomaz de Aquino Martins Santana 1 Historia das relações de gênero aborda as interações entre

Leia mais

Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS

Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS PRÁTICA 1) TÍTULO Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: O Hotsite da Carta de Serviços ao Cidadão do MDS foi um projeto realizado pela Ouvidoria

Leia mais

As Múltiplas Faces De Um Prédio Histórico 1

As Múltiplas Faces De Um Prédio Histórico 1 As Múltiplas Faces De Um Prédio Histórico 1 Bruno Rafael dos SANTOS 2 Amanda Barbosa LEMES 3 Ana Cristina Herrero de MORAIS 4 Cezar Augusto MOREIRA 5 Debora Cristina dos SANTOS 6 Drieli Costa LOPES 7 Jéssica

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho.

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho. 1 A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Marlene das Graças de Resende 1 RESUMO Este artigo científico de revisão objetiva analisar importância do trabalho na vida das pessoas portadoras

Leia mais

Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1

Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1 MEMÓRIA. JOÃO PESSOA.BR INFORMATIZANDO A HISTÓRIA DO NOSSO PATRIMÔNIO Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1 RESUMO Este projeto de extensão desenvolvido junto

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE PATRIMNIO E GESTÃO DAS CIDADES. As políticas públicas de patrimônio objetivam a manutenção de bens que representem

POLÍTICAS PÚBLICAS DE PATRIMNIO E GESTÃO DAS CIDADES. As políticas públicas de patrimônio objetivam a manutenção de bens que representem POLÍTICAS PÚBLICAS DE PATRIMNIO E GESTÃO DAS CIDADES Regina Andréa Martins 1 - CUNP 1- INTRODUÇÃO As políticas públicas de patrimônio objetivam a manutenção de bens que representem os valores de uma sociedade,

Leia mais

Plano de Conservação Preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa: Documentação para Preservação Segundo Módulo

Plano de Conservação Preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa: Documentação para Preservação Segundo Módulo CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação Título do Projeto Coordenador do Projeto: Endereços para contato: Setor: Plano de Conservação Preventiva do Museu

Leia mais

Edital de Abertura 01/2013 CONCURSO CULTURAL: Eu também conheço o Patrimônio

Edital de Abertura 01/2013 CONCURSO CULTURAL: Eu também conheço o Patrimônio Edital de Abertura 01/2013 CONCURSO CULTURAL: Eu também conheço o Patrimônio O PROJETO MEMÓRIA E RESGATE, dentro das atividades da II Semana Limeirense do Patrimônio Cultural, a se realizar entre os dias

Leia mais

Estilhaçando a Degradação Ambiental 1. Sávio Wesley Moura GOMES 2 Renata Campos MOREIRA 3 George Gustavo Moura de FREITAS 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5

Estilhaçando a Degradação Ambiental 1. Sávio Wesley Moura GOMES 2 Renata Campos MOREIRA 3 George Gustavo Moura de FREITAS 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5 Estilhaçando a Degradação Ambiental 1 Sávio Wesley Moura GOMES 2 Renata Campos MOREIRA 3 George Gustavo Moura de FREITAS 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE RESUMO O seguinte

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

O QUE É MUSEU? Definições e Tipologias

O QUE É MUSEU? Definições e Tipologias O QUE É MUSEU? Definições e Tipologias Desde o início, o ICOM tinha como um dos seus objetivos definir museu. No primeiro número do ICOM News, em 1948, o museu é definido como voltado apenas para a coleção,

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

Guia do Aluno. Curso a Distância (EAD) Patrimônio Imaterial: fortalecendo o Sistema Nacional

Guia do Aluno. Curso a Distância (EAD) Patrimônio Imaterial: fortalecendo o Sistema Nacional Curso a Distância (EAD) Patrimônio Imaterial: fortalecendo o Sistema Nacional Guia do Aluno 2013 1 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 1.1 O GUIA... 3 1.2 - INTRODUÇÃO AO CURSO... 3 1.3 OBJETIVOS... 4 2 - Conteúdo

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território Graça Filipe Modelos de redes de museus I Encontro de Museus do Douro Vila Real 24 Setembro

Leia mais

Consulta Pública sobre as Normas de Preservação do Sítio Histórico de Ouro Preto. Memória de Reuniões

Consulta Pública sobre as Normas de Preservação do Sítio Histórico de Ouro Preto. Memória de Reuniões Consulta Pública sobre as Normas de Preservação do Sítio Histórico de Ouro Preto Memória de Reuniões 1.0-Sobre as Normas de Preservação para o Conjunto Tombado de Ouro Preto O Departamento do Patrimônio

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT

EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT 269 EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT Joilda Bezerra dos Santos (UFT) joildabezerra@uol.br 1 Raylon da Frota Lopes (UFT) railonfl@hotmail.com 2

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA

EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA ESTEVAN LISKA 1, DENIS DE OLIVEIRA RODRIGUES 1, GUSTAVO COSTA 1, GUSTAVO FIALHO 1, JENNIFER SILVA 1, JOSIAS OLIVEIRA 1, RENAN FERNANDO 1, TAMARES

Leia mais

O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde

O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde Florianópolis SC Junho/2012 2 SUMÁRIO Resumo do Caso...3 Natureza do Caso e Ambiente Externo...3 Problemas e Oportunidades...4 Diagnóstico:

Leia mais

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba Andréia Miranda de Moraes Nascimento, UNIMEP, chicobororo@gmail.com Mariana de

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR-4.3.2 e ao IPHAN. 2-No item

Leia mais

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO MARIA CRISTINA LOZANO Grupo de Pesquisa Educação Física FEUSP / CNPQ Este estudo é um relato de um projeto de educação física, entitulado

Leia mais

Tombamento, Patrimônio Cultural e Natural e a Vida na Cidade.

Tombamento, Patrimônio Cultural e Natural e a Vida na Cidade. 1 Tombamento, Patrimônio Cultural e Natural e a Vida na Cidade. Ana Paula de Albuquerque Grillo* José Rodolpho Perazzolo** Ao se pensar a Cidade, na sua imensa complexidade de relações e efervescente vida

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA ARQUIVOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA ARQUIVOS 1/5 PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA IPAC N º 011/2011 ARQUIVOS MUNICÍPIO: Uberlândia DISTRITO : Sede DESIGNAÇÃO: Coleção Rádio Educadora ENDEREÇO : Av. João Naves de Ávila, n. 2121. Bairro Santa Mônica,

Leia mais

Funções de um objecto. na comunicação visual

Funções de um objecto. na comunicação visual Funções de um objecto na comunicação visual Na civilização em que vivemos estamos rodeados de objectos com as suas mensagens incorporadas. Se quiser-mos sistematizá-las, podemos referirmo-nos a elas consoante

Leia mais

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA Mayas: revelação de um tempo sem fim reúne pela primeira vez mais de 380 objetos e homenageia esta civilização em todo

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA

REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA Kelli Carvalho Melo Mestre em Geografia - PPGG/UNIR. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Modos de Vidas e Culturas

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO nº, de 2009 (DO SR. FERNANDO GABEIRA)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO nº, de 2009 (DO SR. FERNANDO GABEIRA) REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO nº, de 2009 (DO SR. FERNANDO GABEIRA) Requerimento de Informação ao Senhor Ministro da Cultura sobre as normas de proteção do patrimônio histórico incidentes no Distrito de Trancoso,

Leia mais

PATRIMÔNIO E REFERÊNCIAS CULTURAIS NAS SUB-PREFEITURAS : UM PROGRAMA DE GESTÃO E VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DA CIDADE DE SÃO PAULO.

PATRIMÔNIO E REFERÊNCIAS CULTURAIS NAS SUB-PREFEITURAS : UM PROGRAMA DE GESTÃO E VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DA CIDADE DE SÃO PAULO. PATRIMÔNIO E REFERÊNCIAS CULTURAIS NAS SUB-PREFEITURAS : UM PROGRAMA DE GESTÃO E VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DA CIDADE DE SÃO PAULO. Mirthes Baffi* HERITAGE AND CULTURAL REFERENCES IN THE DISTRICTS

Leia mais

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Colégio Cenecista Dr. José Ferreira QUADRINHOS NA CIÊNCIAS Área de Concentração: Ciências Naturais Disciplina de Concentração: Ciências Professores: Maria José Lima, Polyana Noronha e Thaianne Lopes Uberaba

Leia mais

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER APRESENTAÇÃO O CAU/RS Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul, na qualidade de Autarquia Federal deve na

Leia mais

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos HISTÓRIA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura GRAU ACADÊMICO: Licenciado em História PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO A definição

Leia mais

Arqueologia das indústrias calçadistas de Novo Hamburgo em seu período fabril (1890-1920)

Arqueologia das indústrias calçadistas de Novo Hamburgo em seu período fabril (1890-1920) Arqueologia das indústrias calçadistas de Novo Hamburgo em seu período fabril (1890-1920) Inês Caroline Reichert- Feevale No espaço deste texto, procurarei apresentar a proposta de pesquisa, e seus resultados

Leia mais

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999.

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. Ana Paula Pupo Correia* O livro de Anne-Marie Châtelet, 1 O nascimento

Leia mais

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO AQUI TEM HISTÓRIA : LUGARES DE MEMÓRIA Adriely M. de Oliveira (C. Sociais UEL/ Bolsista IC/Fundação Araucária). Orientadora: Ana Cleide Chiarotti Cesário. Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso.

Leia mais

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários.

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários. PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS Zeni Aguiar do Nascimento Alves i Zênio Hélio Alves ii O SESC LER Zona Norte de Natal desenvolve atividades que evidenciam a questão da

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

Prêmio Sinepe. 10 Prêmio Responsabilidade Social Categoria: Desenvolvimento Cultural. Literarte 2015 Artes Visuais no Distrito Criativo.

Prêmio Sinepe. 10 Prêmio Responsabilidade Social Categoria: Desenvolvimento Cultural. Literarte 2015 Artes Visuais no Distrito Criativo. Prêmio Sinepe 10 Prêmio Responsabilidade Social Categoria: Desenvolvimento Cultural Literarte 2015 Artes Visuais no Distrito Criativo tempo Apresentação do Projeto Um pouco de História do Colégio Batista

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE Resumo Natália Cândido da Cruz Silva 1 - UFPB Márcia Verônica Costa Miranda 2 - UFPB Rebeca Nogueira Martins 3 -

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet

Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet (RECUERO, Raquel. Porto Alegre, RS: Editora Sulina, 2012) Vinicius Paiva Cândido dos SANTOS 1 Diante de uma

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

CIVILIDADE E EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS JAPONESAS: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES COM NORBERT ELIAS

CIVILIDADE E EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS JAPONESAS: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES COM NORBERT ELIAS CIVILIDADE E EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS JAPONESAS: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES COM NORBERT ELIAS Orientanda: Joice Camila dos Santos Kochi Orientadora: Magda Sarat Co-orientadora: Míria Izabel Campos Universidade

Leia mais

DECRETO Nº 17.108, DE 8 DE AGOSTO DE 2014.

DECRETO Nº 17.108, DE 8 DE AGOSTO DE 2014. DECRETO Nº 17.108, DE 8 DE AGOSTO DE 2014. Estabelece normas e procedimentos para cooperação entre o e a sociedade, no que concerne à adoção de áreas verdes públicas, institui o Programa Floresça Caxias,

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Filosofia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Introdução à Filosofia, o estudo da filosofia;

Leia mais

PROJETO - CONHECENDO A HISTÓRIA E O PATRIMÔNIO DO MEU MUNICÍPIO CHUÍ/RS-BRASIL

PROJETO - CONHECENDO A HISTÓRIA E O PATRIMÔNIO DO MEU MUNICÍPIO CHUÍ/RS-BRASIL PROJETO - CONHECENDO A HISTÓRIA E O PATRIMÔNIO DO MEU MUNICÍPIO CHUÍ/RS-BRASIL Caroline Vergara Fuhrmann Eliane Candido da Silva Lucimari Acosta Pereira RESUMO: O presente trabalho traz resultados do desenvolvimento

Leia mais

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES A valorização comercial dos produtos agrícolas e dos géneros alimentícios que, ou pela sua origem ou pelos seus modos particulares

Leia mais

V SEMINÁRIO INTERNACIONAL POLÍTICAS CULTURAIS 7 a 9 de maio/2014. Setor de Políticas Culturais Fundação Casa de Rui Barbosa Rio de Janeiro Brasil

V SEMINÁRIO INTERNACIONAL POLÍTICAS CULTURAIS 7 a 9 de maio/2014. Setor de Políticas Culturais Fundação Casa de Rui Barbosa Rio de Janeiro Brasil GESTÃO DAS ÁREAS DE ENTORNO DE BENS TOMBADOS - ESTUDOS DE CASO NAS CIDADES GAÚCHAS DE PIRATINI E NOVO HAMBURGO- Ana Luisa Jeanty de Seixas 1 Jurema Kopke Eis Arnaut (Orientadora) 2 RESUMO: A preservação

Leia mais