Qualidade do Processo de Manutenção de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade do Processo de Manutenção de Software"

Transcrição

1 Qualidade do Processo de Manutenção de Software CLAUDIA CAPPELLI¹ MARCOS R. S. BORGES² RENATA ARAUJO 3α 1 PROCESS IMPROVEMENT TECHNOLOGY Rua Cambaúba 1145 / Ilha do Governador, Rio de Janeiro, RJ, , Brasil ² NCE & IM / UFRJ Caixa Postal 2324 Rio de Janeiro, RJ, , Brasil 3 Escola de Informática Aplicada UNIRIO Av. Pasteur 458, Térreo, Urca Rio de Janeiro, RJ, , Brasil Resumo A Engenharia de Software tem avançado muito na definição de modelos de qualidade para melhoria do processo de desenvolvimento de software, visando obter software totalmente aderente aos requisitos do usuário e com menor nível de defeitos. Isso se torna possível na medida que estes modelos procuram garantir a qualidade dos produtos de software gerados ao longo do processo de desenvolvimento. Levando-se em conta que a Manutenção do Software também pode ser considerada como parte do processo de desenvolvimento, esses modelos deveriam ter continuidade de utilização qualquer que fosse a modificação realizada no software, de forma a se garantir a não deterioração da qualidade atestada ao mesmo durante seu desenvolvimento. O que ocorre no entanto é que a maioria dos modelos propõe processos bastante formais que podem não se justificar para determinados tipos de manutenções. O presente trabalho descreve uma proposta de adaptação de um modelo para garantia da continuidade da qualidade de software durante toda sua vida útil, assim como o desenvolvimento de uma ferramenta (TRACE) para auxílio neste processo. PALAVRAS-CHAVE: padrões, processo, manutenção, adaptação de processo, CMM. α também professora colaboradora do Programa de Mestrado NCE & IM/UFRJ

2 Qualidade do Processo de Manutenção de Software 1 Introdução Atualmente, a área de Engenharia de Software tem parte de sua atenção voltada para a definição de modelos para melhoria da qualidade na construção de software. Hoje já são utilizados largamente, de forma prática, modelos que buscam melhoria da qualidade de software [1][2][3][5][4]. Estes modelos, em sua maioria, atribuem a qualidade do software ao processo como ele foi construído e aos produtos gerados. Entretanto, a qualidade alcançada ao término do processo de desenvolvimento não garante necessariamente que a mesma irá se perpetuar durante toda a vida útil deste software. Ou seja, utilizar um modelo de qualidade para desenvolvimento de projetos não é garantia para uma manutenção de software com qualidade. Os produtos de software gerados durante o desenvolvimento de um projeto e que poderão sofrer algum tipo de alteração após a implantação do mesmo, necessitam de processos que garantam sua qualidade durante o ciclo de manutenção. O problema que vamos focar neste artigo é a deterioração da qualidade do software a partir do momento em que este é implantado e passa a sofrer manutenções. Se as manutenções que o software for sofrendo ao longo de sua existência não forem realizadas utilizando-se também algum modelo de qualidade, esta irá se deteriorar rapidamente. Por outro lado, utilizar o mesmo modelo de qualidade para o desenvolvimento de projetos pode tornar o processo inviável por ser, em muitos casos, principalmente para manutenções pequenas e emergenciais, mais custoso e demorado que a própria manutenção. Este artigo apresenta uma proposta para a adaptação de um modelo de qualidade de software para a manutenção de sistemas tanto corretivas, adaptativas e perfectivas, mas, cuja característica principal seja seu caráter de pequeno porte de alteração e a urgência de sua realização. O modelo que nos baseamos nesta proposta é o modelo CMM [5], dada sua demanda por utilização nas organizações de software. Tal adaptação do CMM compreende a revisão dos processos, padrões e procedimentos deste modelo para apoiar efetivamente e com menos custos as manutenções mencionadas. A proposta apresentada neste artigo compreende também a definição de uma ferramenta de suporte à atividade de manutenção baseada no modelo adaptado. O artigo está dividido em seis partes. A segunda seção apresenta definições de manutenção de software. A terceira seção apresenta a manutenção no modelo de maturidade de software CMM. A quarta seção trata da adaptação das práticas do modelo CMM, através da adaptação de procedimentos e padrões utilizados para projetos e determinados tipos de manutenção - pequenas manutenções e manutenções emergenciais. A quinta seção apresenta os objetivos da construção de uma ferramenta para apoio ao processo de manutenção, seus pré-requisitos, escopo, sua arquitetura e seus requisitos funcionais. Finalmente, a sexta seção apresenta as conclusões do trabalho.

3 2 Manutenção de Software Após a implantação, grande parte dos sistemas sofre alterações ao longo do período em que estão sendo utilizados. Seus requisitos originais são modificados para refletir algum tipo de mudança nas necessidades do usuário, mudança de ambiente, introdução de novo hardware ou software, correção de erros e outros. Este processo de mudança do software após sua implementação é chamado de Manutenção de Software [6]. A literatura classifica a manutenção de software basicamente em quatro categorias: preventiva, adaptativa, corretiva e perfectiva [6]. A manutenção preventiva, por se tratar de uma modificação do software para melhorias em sua confiabilidade, manutenibilidade, ou para oferecimento de uma base melhor para futuras ampliações, pode ser desenvolvida como um projeto e consequentemente usar na íntegra a aplicação de um modelo de qualidade utilizado para desenvolvimento de novos projetos. Para as demais categorias (corretiva, adaptativa e perfectiva), não fica tão clara a aplicação direta de um mesmo modelo utilizado para o desenvolvimento de software. Os fatores que irão decidir a forma como iremos utilizar um modelo de qualidade para manutenção de software, são o que chamaremos de características ou sub-classificações, que se referem basicamente ao tamanho da manutenção e o prazo de entrega da mesma: o Prazo de entrega: Agendável: Manutenção necessária, porém para a qual não existe uma data final pré-determinada, ou seja, a mesma pode ser planejada sem que previamente já se tenha uma data para o término da mesma; Emergencial: Manutenção para a qual tem-se uma data final prédeterminada, mesmo antes de ser feito um levantamento inicial do escopo da mesma; o Tamanho: Grande / Média: Manutenção que envolve mais do que 40 HH (homens hora) de esforço para sua realização; Pequena: Manutenção que envolve menos do que 40 HH (homens hora) de esforço para sua realização. Estas 4 (quatro) classificações podem ser combinadas, onde manutenções agendáveis podem ser grandes/médias ou pequenas, bem como manutenções emergenciais também podem ser de grande/médio porte ou pequenas.

4 1.1. Dificuldades da Manutenção Podemos dizer que a manutenção do software é um processo de mudança para garantir a sobrevivência do mesmo. No entanto, segundo Schneidewind [7], o processo de manutenção é bastante árduo devido a 3 fatores: a) Não existem formas ainda eficazes de acompanhar os produtos gerados e o processo de geração dos mesmos na manutenção de software. Os modelos disponíveis para garantia da qualidade de software são bastante completos, porém muito focados no desenvolvimento de novos projetos; b) Dependendo de como o software foi construído, a realização de mudanças em geral desencadeia um efeito dominó sobre o qual tem-se muita dificuldade de previsão. Isso se deve ao fato de não se ter uma ferramenta apropriada para identificação de conseqüências que uma manutenção poderá acarretar. Este efeito é citado também por Rajlich [10], o qual propõe um modelo que permite identificar a propagação da mudança; c) Em geral a manutenção é apresentada na Engenharia de Software como um processo iniciado imediatamente após a implantação do software. Isso não seria um problema, não fosse o pouco ou nenhum envolvimento das equipes de manutenção durante o processo de desenvolvimento do software. Uma visão diferente é dada por Cousin e Collofello [8]. Eles acreditam que as equipes de manutenção poderiam resolver melhor todos os problemas de manutenção de software se dispusessem de documentação atualizada, treinamento contínuo e ferramentas automatizadas. Uma combinação destes três itens poderia ser o melhor caminho para a continuidade da qualidade do software. Focando mais diretamente a documentação do software, muitos esforços tem sido feitos na tentativa de melhorar o processo de documentação de software. No estudo de Garland [11] é discutido um método para se incorporar informações sobre a solução de problemas numa base de dados que contém todo o acompanhamento da manutenção do software. Muitas das questões citadas nos levam a identificar que a falta de modelos de qualidade definidos especificamente para a manutenção de software ou adaptados para a mesma, e a carência de ferramentas que permitam a implementação destes modelos, podem vir a deteriorar a qualidade do software ao longo do processo de manutenção. 3 A Manutenção de Software no modelo CMM O modelo de maturidade e capacitação em software CMM (Capability Maturity Model), assim como tantos outros modelos desenvolvidos ao longo do final dos anos 80, propõe mudanças culturais na organização referente ao trabalho de desenvolvimento de software nas empresas. Ele tem como principal objetivo a padronização e a documentação através da definição de procedimentos do processo de desenvolvimento de software, assim como a melhoria de qualidade. O modelo vem sendo implantado em várias empresas ao longo dos últimos anos ao redor do

5 mundo e tem sido também utilizado como parte do processo de globalização das mesmas. O modelo CMM é composto de cinco níveis de maturidade que determinam qual a capacitação do processo. Com exceção do nível 1, cada nível é composto por várias Áreas Chave de Processo (KPAs). Uma visão das áreas-chave de processo sugeridas para cada nível de maturidade é apresentada na Figura 1. Processo continuamente aprimorado Otimizado 5 Prevenção de defeitos Gerência de mudanças tecnológicas Gerência de mudanças no processo Processo disciplinado Inicial 1 Processo consistente, padrão Repetitível 2 Processo previsível Definido 3 Gerenciado 4 Gerência de requisitos Planejamento de Projetos Acompanhamento de projetos Gerência de subcontratos Garantia de qualidade Gerência de configuração Foco no processo Definição do processo Programa de treinamento Administração de software integrada Engenharia de produto Coordenação entre grupos Gerência quantitativa de p rocessos Gerência da qualidade de software Figura 1 Áreas-Chave de Processo por nível de maturidade CMM Cada área conduz a metas de melhoria do processo para um determinado nível. A definição de cada Área Chave está organizada em cinco seções chamadas de Características Comuns. As Características Comuns, por sua vez contém as Práticas Chave, que por sua vez determinam as atividades necessárias para a melhoria de uma Área Chave do Processo. A Figura 2 mostra um esquema detalhado desta estrutura. Para as manutenções agendáveis de porte grande / médio, podemos aplicar por completo as práticas sugeridas pelo modelo CMM utilizads para desenvolvimento independentemente de serem corretivas, adaptativas ou perfectivas. Como se tratam de manutenções agendáveis e de grande ou médio porte, podemos seguir os mesmos passos utilizados para o desenvolvimento de novos projetos. Os fatores que permitem isso se deve ao fato de serem agendáveis, ou seja, não terem uma data pré-definida para término e de necessitarem de mais de 40 HH para sua elaboração, permitindo então o seguimento de todos os processos previstos para atendimento de um modelo de qualidade e documentação formal. Para as manutenções pequenas agendáveis e para as emergenciais, não importando se são corretivas, adaptativas ou perfectivas, já não podemos dizer o mesmo. A pequenas agendáveis não justificariam um processo tão completo quanto os definidos para desenvolvimento de projetos. Na maioria das vezes o simples seguimento do processo formal de desenvolvimento poderia ser mais extenso do que a execução da manutenção em si. Para as emergenciais normalmente o

6 requisito principal é o prazo (já possui uma data de término pré definida para a mesma), o que implica num cronograma com data fim já pré-estabelecida e sendo assim, devido a premência de tempo, faz-se o que é necessário (vai-se direto para a fase de construção do software) e depois documenta-se (em alguns casos) o que foi feito e não o processo de desenvolvimento da manutenção. Processo Capacitação indica Objetivos Nível de Maturidade contém Área Chave Processo alcança Implementação ou Institucionalização abordam Infraestrutura ou Atividades organizado por Características Comuns contém Práticas Chaves descrevem Figura 2 - Estrutura do modelo CMM Algumas práticas definidas pelo CMM não são de tão fácil aplicação nas manutenções emergenciais e de pequeno porte principalmente pela premência de tempo e pela inviabilidade do custo, ou seja, para serem aplicadas necessitam de adaptação ou redução de escopo. O problema está no tratamento a ser dado aos requisitos e as necessidades do gerenciamento. Deve haver um processo de adaptação para cada uma das práticas, se necessário. As áreas chaves do processo devem ser interpretadas de acordo com os princípios das práticas de manutenção de software. Neste processo é importante verificar que o escopo da manutenção é limitado a correções e melhorias, o que é bastante diferente da criação de novos softwares [9]. 4 Adaptação do Modelo CMM para manutenções emergenciais e de pequeno porte

7 De acordo com o que foi discutido em seções anteriores, temos dois casos basicamente para os quais deveríamos adaptar a utilização do modelo CMM. São eles: Manutenções de Pequeno Porte e Manutenções Emergenciais. Para estes tipos de manutenção precisamos de processos mais ágeis. Para tal mostramos abaixo as atividades definidas em cada Área Chave do modelo que poderiam ser aplicadas ou não nestes tipos de manutenções de forma diferente do que num projeto ou outro tipo de manutenção. Tais adaptações foram devidamente analisadas e não impactam na perda de qualidade do produto. Nível 2 Área Chave: Gerência de Requisitos Finalidade: Estabelecer e manter um acordo com o usuário com relação aos requisitos a serem observados no software a fim de se ter um entendimento comum entre as partes envolvidas. Esta gerência controla a evolução dos requisitos de um sistema. Atividade Revisar requisitos alocados antes de incorporá-los ao projeto de software Utilizar requisitos alocados como base para o desenvolvimento do software Revisar alterações nos requisitos alocados e incorporá-los ao projeto de software Aplicável Prática (S/N) S - Identificar requisitos imcompletos ou ausentes - Verificar se os requisitos são apropriados, possíveis e consistentes - Negociar os compromissos resultantes da implementação destes requisitos - Analisar impacto de inclusão alteração do requisito S - Os requisitos devem ser a base para a manutenção - Os requisitos devem ser a base para o modelo de dados - Os requisitos devem estar integrados aos já existentes N - Como estamos tratando de manutenções emergenciais e de pequeno porte, os requisitos costumam ser definidos uma primeira vez e como o tempo é premissa básica para implementação ou sua complexidade é muito pequena em geral não há alterações nos requisitos ao longo de sua implementação, não sendo portanto necessário um processo de revisão no caso de alteração dos mesmos.

8 Área Chave: Planejamento do Projeto de Software Finalidade: Estabelecer planos exeqüíveis para desenvolver um determinado software, bem como para gerenciar o projeto de software segundo estes planos. Atividade Estimar o tamanho dos produtos de Software Estimar o esforço e custo do projeto de software Estimar recursos computacionais críticos Estabelecer o cronograma de software do projeto Identificar os produtos de software Aplicável Prática (S/N) S - Realizar estimativa para os principais produtos a serem criados/alterados assim como para as atividades a serem realizadas. No caso de manutenções emergenciais identificar para cada produtos quais serão contemplados antes e quais serão contemplados após a realização da manutenção. S - Baseado no tamanho estimado, derivar o esforço necessário e o custo da manutenção. S - No caso da manutenção envolver aquisição ou alteração de recursos computacionais, estimar o custo dos mesmos. S - Identificar a data de realização da manutenção e o prazo para execução da mesma. No caso das manutenções emergenciais a data de término já é pré-definida S - Os produtos de software que deverão ser mantidos atualizados para as manutenções emergenciais e de pequeno porte são os requisitos, modelos de dados, código e testes. Todas as demais atividades previstas nesta Área Chave dizem respeito à elaboração do plano do projeto, participar da proposição do projeto, iniciar planejamento, documentar o plano e gerenciar dados de planejamento que não se aplicam às manutenções emergenciais e de pequeno porte. Área Chave: Supervisão e Acompanhamento do Projeto de Software Finalidade: Fornecer uma visão realista do progresso do projeto de software, permitindo que a gerência tome ações eficazes quando o projeto desviar-se de forma significativa dos planos de software. Como esta área chave é apoiada na premissa da existência de um plano para o desenvolvimento do software, nos tipos de manutenção abordados neste trabalho, sua prática não será necessária. Nestes tipos de manutenção em geral não é feito

9 um acompanhamento do progresso da mesma devido as suas próprias características de tempo de execução. Área Chave: Garantia de Qualidade de Software Finalidade: Fornecer à gerência a visibilidade da eficácia do processo que está sendo utilizado para o desenvolvimento do software e da qualidade dos produtos que estão sendo gerados. No caso das práticas previstas por esta área, a proposta é que as mesmas sejam realizadas por amostragem e não necessariamente durante a execução da manutenção emergencial ou de pequeno porte. As revisões e auditorias poderiam ser realizadas para um grupo de manutenções de forma a documentar desvios e recomendar melhorias caso necessário. A visibilidade destas manutenções poderia ser dada em grupo ao invés de caso a caso. Área Chave: Gerência de Configuração de Software Finalidade: Estabelecer e manter a integridade dos produtos de software ao longo do ciclo de vida do software. As práticas previstas por esta área são gerais para toda a instalação. Não se aplicando diretamente a um tipo específico de manutenção ou projeto. Os itens que devem ser colocados sob gerência de configuração já devem estar definidos para o processo de manutenção como um todo e serão os mesmos para manutenções emergenciais e de pequeno porte. Deve haver uma área encarregada de manter o repositório de baselines, controlar a liberação de produtos para manutenção, gerar relatórios de problemas entre outras atividades. Quanto à geração de planos para gerência de configuração e registros dos itens que ficarão sob gerência de configuração, estas só se justificariam no caso de projetos ou manutenções maiores. Área Chave: Gerência de Contrato de Software Finalidade: Selecionar contratadas de software qualificadas e gerenciá-las efetivamente. Esta área chave em geral não se aplica diretamente para manutenções emergenciais e de pequeno porte pelas próprias características das mesmas. Não é prática nas organizações que vá se desenvolver um contrato para a realização de uma manutenção emergencial ou de pequeno porte. Em geral estas são realizadas nas próprias instalações da empresa ou nas instalações da empresa responsável pela manutenção do software, não sendo necessária a elaboração e gerência de um contrato específico para as mesmas. Nível 3 Área Chave: Foco no Processo da Organização Finalidade: Estabelecer a responsabilidade organizacional para as atividades do processo de software que melhoram a capacitação de processo de software da organização. Esta área chave é responsável pela criação de um grupo de processo de engenharia de software que por sua vez é o encarregado de coordenar, desenvolver e manter os processos de software da organização. Como suas metas estão voltadas para

10 esta coordenação e planejamento de atividades de melhoria e para a identificação de pontos de melhoria no processo de software, não há aqui nenhuma prática específica para o processo de manutenção de software. Área Chave: Definição do Processo da Organização Finalidade: Desenvolver e manter um conjunto de ativos de processo de software que sejam úteis e melhorem o desempenho dos processos utilizados nos diversos projetos. Esta área chave é responsável pela criação do processo padrão da organização de onde são derivados os processos de software definidos do projeto que por sua vez derivam no plano do projeto. Como suas atividades estão voltadas para o desenvolvimento e manutenção do processo de software padrão e para a coleta e disponibilização de informações a respeito do uso do processo de software padrão da organização, nenhuma de suas práticas é específica para a manutenção de software. Área Chave: Gerência de Software Integrada Finalidade: Integrar as atividades de engenharia e gerência de software em um processo de software coerente e bem definido, e que é adaptado a partir do processo de software padrão da organização. Esta área chave implementa a forma de se gerar o processo de software definido do projeto a partir do processo de software padrão da organização. Sendo assim tem como maioria de suas atividades itens já relacionados na área chave de planejamento de projetos, apenas agregando a elas o fato de estarem baseadas num processo padrão e como derivá-las deste processo. O único item que tem relevância para manutenções emergenciais e de pequeno porte é o mesmo citado na área chave de planejamento de projetos, ou seja, estimativa. Nesta área chave, é agregada à estimativa o fato de utilizar dados contidos em bancos de dados da organização, ou seja, dados reais sobre outros projetos ou manutenções já realizadas. Esta atividade também é recomendada para as manutenções contidas no escopo deste trabalho. Área Chave: Engenharia de Produtos de Software Finalidade: Executar de forma consistente um processo de engenharia bem definido que integra todas as atividades de engenharia de software, para conduzir, de maneira eficaz e eficiente, produtos de software corretos e consistentes. Atividade Integrar instrumentos de engenharia de software ao processo de software definido do projeto Implementar os requisitos de software Implementar o projeto do software Aplicável Prática (S/N) N - Esta atividade é definida para o processo de desenvolvimento e manutenção como um todo. S - Idem ao que foi definido na Área Chave de Gerência de Requisitos (Nível 2) S - Aderir aos padrões de projeto - Aderir aos padrões de interfaces

11 e bases de dados - Integrar-se na arquitetura do software - Afetar o projeto com todos os requisitos solicitados - Atualizar documentação que demonstre os padrões de dados e relacionamentos da aplicação. Controlar o código S - Identificar que módulos estarão sendo alterados para garantir a implementação dos requisitos solicitados - Garantir que o código contenha todos os requisitos incluídos e alterados - Identificar bases de dados afetadas - Utilizar os mesmos métodos e padrões utilizados pelo desenvolvimento - Integrar novo código ao já existente Implementar testes de software S - Identificar testes por módulo alterado - Ter definido para cada teste os dados envolvidos e o resultado esperado. Planejar e executar testes de integração Planejar e executar testes de sistema e aceitação Implementar documentação de software Coletar e analisar dados de defeitos Manter consistência do conjunto de produtos de software S - Testar os componentes do software afetados pela manutenção S - Identificar testes para verificação de requisitos - Apresentar ao usuário os testes executados para aceitação destes. S - Documentar requisitos alterados / incluídos - Atualizar documentação dos módulos - Atualizar documentação de dados - Atualizar documentação de testes N - Esta atividade deve ser realizada na organização como um processo geral para a manutenção e desenvolvimento. S - Garantir a coerência entre requisitos, dados, código e

12 testes. Área Chave: Coordenação entre Grupos Finalidade: Estabelecer mecanismos para o grupo de engenharia de software participar ativamente junto aos outros grupos de engenharia de maneira que o projeto satisfaça as necessidades dos clientes. Esta área chave envolve a interação do grupo de engenharia de software com outros grupos de engenharia e procura resolver através de alguns procedimentos as questões técnicas e as dependências críticas entre estes grupos. No caso de manutenções emergenciais e de pequeno porte não há necessariamente um procedimento específico para a coordenação entre grupos caso isso se faça necessário. O procedimento que estiver definido para qualquer outro tipo de manutenção também pode ser aqui utilizado dado que qualquer negociação antecederá a execução da mesma. Área Chave: Revisão por Pares Finalidade: Remover de forma eficiente os defeitos de software ainda nos estágios iniciais de sua criação e como conseqüência identificar melhorias para estes produtos. Esta área chave estabelece a prática de revisões de software do tipo Walkthrough e Inspeções. No caso das manutenções emergenciais e de pequeno porte, o que recomendamos é que sejam feitos grupos para realização das atividades previstas por esta área por amostragem. Todo software que sofrer alteração emergencial ou de pequeno porte deverá poder ser identificado e posteriormente verificado, identificando-se se a manutenção foi realizada dentro dos padrões de qualidade estabelecidos para a organização. Não haveria portanto nenhuma prática específica para estes tipos de manutenção a não ser o fato de serem realizadas por amostragem e posteriormente a sua implantação. Área Chave: Programa de Treinamento Finalidade: Desenvolver as habilidades e os conhecimentos das pessoas da organização, de maneira que venham a desempenhar efetiva e eficientemente seus papéis. Esta área chave define a existência de um Programa de Treinamento para toda a Área de desenvolvimento e manutenção de software de forma a capacitar seus profissionais. Portanto não há nenhuma prática específica a ser praticada de forma diferenciada para profissionais que realizem manutenções emergenciais ou de pequeno porte. O mesmo treinamento deve ser dado para qualquer profissional que atue em manutenção de software Benefícios Esperados

13 A utilização das práticas do CMM para controle do processo de manutenções pequenas e emergenciais pode trazer grandes benefícios para a organização. A aplicação de um modelo na manutenção de software poderá trazer como resultado métricas que poderão ajudar na melhoria contínua do processo e consequentemente na redução de custo e risco da manutenção de software. O principal resultado esperado na viabilidade de adoção de algumas atividades de um modelo de qualidade para a manutenção de software, poderia proporcionar: Atualização contínua da documentação dos produtos de software que sofrem algum tipo de alteração após sua implantação; Geração de medições sobre o processo de manutenção de software; Atualização da base de conhecimento da organização sobre seus produtos de software; Suporte do trabalho das equipes de manutenção de software; Redução de risco; Aumento do controle sobre as manutenções que estão sendo realizadas no software; Redução do prazo de entrega; Aprimoramento das estimativas por se ter produtos com documentação atualizada. 5 A Ferramenta TRACE Em geral, o processo tradicional de desenvolvimento e manutenção de software define que a documentação do software deve ser feita através de manuais que expliquem seu funcionamento e operação. A documentação dos processos e produtos de software que foram produzidos durante a concepção do mesmo, ficam muito mais por definição do responsável pelo projeto de desenvolvimento ou manutenção. A documentação sobre o funcionamento e operação do software tem uma conotação mais forte do que as demais, por se tratar de produtos que terão utilização imediata após sua entrada em funcionamento, ou seja, são necessário à sua implantação. A documentação dos processos utilizados para a criação do software e os produtos gerados ao longo desta criação, só passarão a ser utilizados após a implantação do mesmo no caso deste ser alterado. Ou seja, esta documentação não é vital para a implementação do software. Um outro grande problema encontrado é que em geral esta documentação, apesar de poderem seguirem determinados padrões e procedimentos documentados para sua elaboração, os quais são definidos pelo CMM, não seguem necessariamente uma forma estruturada de utilização destes padrões e não obrigatoriamente são utilizadas ferramentas para este fim. Esta forma de documentação não estruturada, apesar de armazenar processos e produtos que documentam o desenvolvimento do software, não são capazes de permitir a utilização destes dados, e mais, não permitem que se possa transformar estes dados em informações úteis para o próprio processo de desenvolvimento e manutenção. O que se precisa para se manter qualidade no software é justamente o maios número de informações sobre o mesmo de forma fácil e simples de acesso. A

14 necessidade de conhecimento sobre os software existentes numa organização é fundamental para se garantir uma redução nos riscos de processamento dos mesmos e um aumento de produtividade no processo de desenvolvimento e manutenção. Atentado para estes e outros problemas, podemos dizer que para o processo de documentação de software ser viável é necessário que o mesmo seja feito de forma automatizada. Isso eqüivale a dizer que deve haver uma ferramenta de software que auxilie neste processo de forma a viabilizá-lo. Voltando agora as atenções para a manutenção de software, podemos dizer, que um dos fatores primordiais para se manter a qualidade do mesmo, é a existência de uma ferramenta na qual seja permitido o cadastramento de todos os produtos de software que são modificados durante toda a vida útil do software (Requisitos, Design, Código e Testes), os quais são gerados ao longo do desenvolvimento do software ou de manutenções no mesmo. O uso efetivo das adaptações às práticas do CMM nas pequenas manutenções e manutenções emergenciais exige a existência de uma ferramenta para suporte e consequente aumento de produtividade deste processo. Neste sentido, foi especificada uma ferramenta TRACE cujo objetivo principal é permitir a atualização constante dos produtos de software em manutenção, facilitando e agilizando o trabalho, tornando viável a documentação com qualidade de qualquer tipo de manutenção. 5.1 Principais Funcionalidades A ferramenta TRACE permite um conjunto de funcionalidades próprias do modelo proposto, desde o armazenamento de requisitos, módulos, casos de teste, estruturas de dados até a inclusão/manutenção de regras de negócio da empresa (Figura 3) ao acompanhamento de todas as mudanças ocorridas (Figura 4), verificando através de medições, se há aumento na produtividade e melhoria de qualidade. A ferramenta proporciona visibilidade aos diversos grupos de manutenção e as gerências, sobre o que está sendo realizado, de forma a facilitar o processo inter-grupos e o melhor gerenciamento da área. O tipo de informação contida nesta ferramenta pode aumentar a produtividade das equipes de manutenção e facilitar a documentação dos produtos de software alteradois pois permite o conhecimento da lista de requisitos por sistema, do mapa de requisitos X os módulos que os implementam, do mapa de módulos X os testes utilizados pelos mesmos, entre outros. 6 Conclusão Este artigo apresentou a adaptação de um modelo e a adoção de uma ferramenta para melhoria da qualidade no processo de manutenção de software. Este trabalho foi baseado na utilização do modelo de maturidade e capacitação em software CMM. Figura 3 Principais funçoes TRACE e exemplo de cadastramento de módulos

15 Foram identificados diversas atividades neste modelo que poderiam dificultar na utilização completa no processo de manutenção de software, provocando a degradação da qualidade dos software ao longo do processo de manutenção. A aplicação de processos sugeridos pelo CMM também durante o processo de manutenção pode auxiliar a continuidade da qualidade atestada ao software no momento de sua criação. A principal contribuição deste trabalho é a proposta de uma adaptação do CMM para a área de manutenção de software. Esta adaptação tem por objetivo identificar atividades deste modelo que poderiam não ser realizadas no processo de manutenção, tornando o mesmo mais rápido e menos custoso. Algumas necessidades podem ser citadas como fortes argumentos para a adaptação de um modelo de qualidade para a manutenção de software e a instalação de uma ferramenta como a desenvolvida neste trabalho num ambiente de manutenção de software. São eles: Existência de controle sobre o processo de manutenção; Existência de padrões e procedimentos adaptados às necessidades da manutenção; Identificação da abrangência da manutenção; Redução do risco da manutenção;

16 Aumento da produtividade; Melhoria das estimativas de custo e esforço Figura 4 Principais relatórios TRACE Para que se tenha bons resultados com a utilização da adaptação do modelo CMM e com a utilização da ferramenta desenvolvida, é esperado que de certa forma haja uma mudança na forma de trabalho da área de manutenção de software. Todos os envolvidos com manutenção de software precisam utilizar o modelo adotado e a ferramenta, que servirá de auxílio a eles próprios. No caso das manutenções emergenciais, o processo a ser realizado não muda muito o que acontece na maioria das instalações. Devido a premência de tempo, constroe-se o que for necessário e depois documenta-se o que foi feito. O fator prazo continua sendo o mais importante nas manutenções emergenciais. O que muda na realidade são dois fatores. O primeiro é que após a manutenção toda a documentação do que foi realizado poderá ser registrada e segundo, e mais

17 importante, é a utilização da ferramenta para dar apoio ao processo, pois a mesma possui inúmeros recursos que podem auxiliar o desenvolvedor na construção. Mesmo com o prazo bastante exíguo o desenvolvedor pode lançar mão da ferramenta através de suas listas de referências cruzadas (relatórios disponíveis) a fim de identificar que itens estarão sendo afetados na manutenção. A ferramenta TRACE é relativamente genérica e pode ser utilizada no processo de manutenção de software independentemente das técnicas adotadas para o levantamento de requisitos ou definição de testes. A simplicidade de utilização permite que pessoas pouco familiarizadas com modelos de qualidade possam realizar contribuições de maneira bem intuitiva, sem necessidade de treinamento. Por ser uma ferramenta projetada para a web, pode ser facilmente disponibilizada. Permite ainda, por ter arquitetura aberta, integração com outras ferramentas de Engenharia de Software, como para Gerência de Configuração, Gerência de Requisitos, Design etc. Referências [1] K. El Eman, J. Drouin, W. Melo, SPICE The theory and practice of Software Process Improvement and Capability Determination. 1 ed. Los Alamitos, California, IEEE Computer Society Press [2] ISO/IEC a ISO/IEC Information Technology Software Process Assessment, [3] W.S. Humphrey, Characterizing the Software Process Maturity Framework, CMU-SEI-87-TR-11 ESD-TR , Software Engineering Institute, Carnegie Mellon University, Pittsburgh, Pennsylvania. [4] ISO-/IEC Information Technology Software Life-Cycle Processes, [5] M.C.Paulk, Capability Maturity Model for Software version 1.1 CMU/SEI-93-TR-24, Carnegie Mellon University, Software Engineering Institute, Pittsburgh, Pennsylvania, [6] R.S. Pressman, Engenharia de Software. MAKRON Books do Brasil Editora Ltda., [7] N.F.Schneidewind, Introduction to the Special Section on Software Maintenance. The State of Software Maintenance. IEEE Transactions on Software Engineering, [8] L. Cousin, J.S. Collofello, A task-based approach to improving the software maintenance process - International Conference on Software Maintenance (ICSM) IEEE Orlando, Flórida Nov., 9-12, [9] D. Drew, Tailoring the software engineering Institute (SEI) Capability Maturity Model (CMM) to a software sustaining engineering organization - International Conference on Software Maintenance (ICSM) IEEE Orlando, Flórida Nov., 9-12, [10] V. Rajlich, R. Sridhar, VIFOR 2: A tool for browsing and documentation - International Conference on Software Maintenance (ICSM) IEEE Monterey, California Nov., 4-8, [11] J. Garland, F. Calliss, Improved change tracking for software maintenance - International Conference on Software Maintenance (ICSM) IEEE Sorrento, Italy Oct., 15-17, 1991.

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Rodrigo Araujo Barbalho 1, Marília Paulo Teles 2, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1,2 1 Faculdade de Computação

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504 PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504 MARCELO NORTE DE OLIVEIRA 1 marcelonorte.ti@gmail.com IREMAR NUNES DE LIMA 2 iremar.prof@uol.com.br RESUMO: Este artigo trata

Leia mais

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos. CMM Capability Maturity Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.br 8/3/2002 Pró-Reitoria de Administração - Diretoria de Serviços

Leia mais

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina. Campus da Grande Florianópolis Pedra Branca. CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE ALUNO: Volnei A. Caetano Palhoça 02 de Junho de 2000 C.M.M. Capability

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1 Qualidade Plácido A. S. Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de Projetos Agenda Introdução

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Recursos e Cronograma Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Recursos; Pessoal; Software; Hardware; Outros recursos;

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Análise da Maturidade de um Processo de Teste Orientado a Artefatos

Análise da Maturidade de um Processo de Teste Orientado a Artefatos Análise da Maturidade de um Processo de Teste Orientado a Artefatos Paulo M. S. Bueno 1*, Adalberto N. Crespo 1, Mario Jino 2 1 Divisão de Melhoria de Processo - CenPRA Rodovia Dom Pedro I, km 143,6 -

Leia mais

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Conceitos de Qualidade. CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Conceitos de Qualidade. CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA 2º SEMESTRE 2002 CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Conceitos de Qualidade CES-32 / CE-230

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software André Mesquita Rincon Instituto de Informática/Universidade Federal de Goiás (UFG) Goiânia GO Brasil Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas/Fundação

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM Capability Maturity Model O que é o CMM? Modelo para avaliação da maturidade dos processos de software de uma organização Identificação das práticas chave

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Métricas de Software. Sistemas de Informação

Métricas de Software. Sistemas de Informação Métricas de Software Sistemas de Informação Objetivos Entender porque medição é importante para avaliação e garantia da qualidade de software Entender as abordagens principais de métricas e como elas são

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model

Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação

Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação Carlos Eduardo Sanches da Silva, Dr. (UNIFEI) sanches@iem.efei.br Dalton Péricles de Almeida (UNIFEI) dalton.almeida@ig.com.br

Leia mais

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE - PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

CMM Capability Maturity Model

CMM Capability Maturity Model CMM Capability Maturity Model Grupo: Espedito Anderson Américo Jean Pós-graduação Lato Sensu em Software Livre Auditoria e Segurança em Software Livre Laerte Peotta Agenda Introdução CMM CMMI CoBIT Conclusão

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software

Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software Alessandro Liebmam Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) CEP: 31270-010

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software 167 Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software Josiane Banov Russo 1, Ettore Bresciani Filho 2 1 Gerente da Qualidade Instituto de Pesquisas Eldorado Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 118,5

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Uma Implementação do Processo de Medição usando a Spider-MPlan

Uma Implementação do Processo de Medição usando a Spider-MPlan Uma Implementação do Processo de Medição usando a Spider-MPlan Simone Nayara Costa Carneiro 1, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1 1 Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais Universidade

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software UFES - Universidade Federal do Espírito Santo Engenharia de Software Notas de Aula E-mail: falbo@inf.ufes.br 2005 Capítulo 1 - Introdução UFES - Universidade Federal do Espírito Santo 1 Capítulo 1 Introdução

Leia mais

Proposta de um Modelo Simplificado de Aquisição de Software para Pequenas Empresas

Proposta de um Modelo Simplificado de Aquisição de Software para Pequenas Empresas Proposta de um Modelo Simplificado de Aquisição de para Pequenas Empresas Paulo Sérgio Brandão Lima e Lúcia Vilela Leite Filgueiras Resumo: Para muitas empresas, considerando-se o custo e o prazo de implantação,

Leia mais

Definição e Implantação de Modelo de Maturidade em Testes. Fone/Fax: +55 11 3384.4113 - www.qualiti.com - info@qualiti.com

Definição e Implantação de Modelo de Maturidade em Testes. Fone/Fax: +55 11 3384.4113 - www.qualiti.com - info@qualiti.com Definição e Implantação de Modelo de Maturidade em Testes Objetivo e Produto Objetivo Melhorar a medição de qualidade dos códigos antes de promovê-los para produção. Produto Modelo de Maturidade em Testes,

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Introdução a CMMI Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Campina Grande, 29 de setembro de 2008 Agenda Processos Motivação Sintomas de falha de processo Aprimoramento de Processos O Framework

Leia mais

Melhorias de Processos de Engenharia de Software

Melhorias de Processos de Engenharia de Software Melhorias de Processos de Engenharia de Software CMMI 1 Profa. Reane Franco Goulart O que é CMMI? O Capability Maturity Model Integration (CMMI) é uma abordagem de melhoria de processos que fornece às

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

Modelo de Referência para Avaliação da CERTICS

Modelo de Referência para Avaliação da CERTICS CTI RENATO ARCHER Relatório Técnico CTI TRT0084113 Modelo de Referência para Avaliação da CERTICS Documento de Detalhamento Versão 1.1 Este documento apresenta o detalhamento do Modelo de Referência para

Leia mais

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 1 VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Elvis Ferreira da Silva* Msc. Marta Alves de Souza** Msc. Helder

Leia mais

Workshop de Teste de Software. Visão Geral. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br

Workshop de Teste de Software. Visão Geral. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br Workshop de Teste de Software Visão Geral Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br 1 AGENDA DO CURSO Conceitos Básicos Documentação Processo Plano de Teste Caso de Teste BIBLIOGRAFIA

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software Marcello Thiry 1 2, Christiane Gresse von Wangenheim 1 2, Alessandra Zoucas 12, Leonardo Reis Tristão 1 1 (II-MPS.BR) Incremental

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. COBIT José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com COBIT Control Objectives for Information and Related Technology Copyright 1996, 1998, 2000 Information Systems Audit and Control Foundation. Information

Leia mais

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional Promovendo a Melhoria de Processos e a Qualidade de Software em Minas Gerais Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães, Fernando Silva Parreiras, Frederico Faria Comitê Gestor do SPIN-BH Direitos reservados

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE MODULO 3 SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE CONTEÚDO 3.1 A ABORDAGEM NBR ISO 9000 3.2 MODELOS DE QUALIDADE DE PRODUTO DE SOFTWARE 3.2.1 NBR ISO/IEC 9126 (SOFTWARE) 3.2.2 NBR ISO/IEC

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY

ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY FABRÍCIO DE ALMEIDA OLIVEIRA ANA CRISTINA ROUILLER UFLA - Universidade Federal de Lavras

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Ciência da Computação Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Agenda Histórico Conceitos básicos Objetivos Visão Geral do Modelo Publicações: Estratégia de

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

NORMAS E PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO

NORMAS E PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO Tatiany Cristina Ferreira Soares NORMAS E PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO Monografia apresentada à Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC- Barbacena, como requisito para

Leia mais

Capability Maturity Model Integration - CMMI

Capability Maturity Model Integration - CMMI Capability Maturity Model Integration - CMMI Para Desenvolvimento Versão 1.2 M.Sc. Roberto Couto Lima ÍNDICE 1. Definição ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas

Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas Luciano Gomes Helvinger, Rodrigo Prestes Machado Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdade

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa

Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa Odair Jacinto da Silva 1, Carlos Alberto Borges 1, Clênio Sampaio Salviano 2, Adalberto N. Crespo

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 04 ISOs / IEC 12207 15504 9001 9126 25000 Agenda Descrição sumária da ISOs afetas ao nosso curso de qualidade ISO/IEC 12207 ISO/IEC

Leia mais