RESUMO. Assunto - CAPACITAÇÃO EM PROCESSOS DE SOFTWARE MODELOS DE CAPACITAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO. Assunto - CAPACITAÇÃO EM PROCESSOS DE SOFTWARE MODELOS DE CAPACITAÇÃO"

Transcrição

1 RESUMO Assunto - CAPACITAÇÃO EM PROCESSOS DE SOFTWARE MODELOS DE CAPACITAÇÃO Consiste em um programa de melhoria de processos nas empresas que deve refletir o acervo de experiência dos profissionais e organizações da área. Deve-se desenvolver paradigmas para a melhoria dos processos de software, assumir diversas formas que servem de referência para avaliar os processos existentes que podem ser aferidos ou avaliados comparando-se suas práticas reais com aquelas que o modelo de capacitação prescreve ou recomenda. Essas recomendações podem ser consolidadas em um plano de melhoria, como sugere o modelo ideal que normalmente se denomina como MODELO SW-CMM ( Software Capability Maturity Model ) do Software Engineering Institute patrocinado pelo departamento de defesa americano, utilizado para a avliação da capacidade de seus fornecedores de software. Originalmente conhecido apenas como CMM, teve aceitação da indústria americana de software e considerável influência no resto do mundo, recebeu a denominação atual para distinguir-se de modelos de capacitação em outras áreas que foram formulados posteriormente pelo SEI. O SW-CMM foi baseado em algumas idéias mais importantes dos movimentos de qualidade industrial das últimas décadas e é específico para a área de software e destacam-se entre elas os conceitos W.E. Deming, que também teve grande influência na filosofia de qualidade industrial japonesa e foram adaptados para área de software por WATTS HUMPHREY ( Humphrey 90 ) e a primeira versão oficial do SW-CMM foi divulgada no final dos anos 80. Estão fora do escopo do SW-CMM as áreas de marketing, finanças, administração, informática, bem como hardware e banco de dados, portanto, a aplicação desse sistema de capacitação ou paradigma equivalente não garante por si só a viabilidade de uma organização, embora possa ser um fator importante de melhoria da eficácia e competitividade. Além disso o SW-CMM focaliza os processos com maior potencial de melhoria em curto prazo. Está atualmente em testes um novo modelo chamado CMMI que aborda de forma integrada processos de engenharia de software, de sistemas de definição de produtos e de aquisição. Se trata de um modelo de capacitação muito mais complexo, provavelmente, vários anos serão necessários para que ele atinja o grau de aceitação que o SW-CMM tem na industria mundial de software.

2 NÍVEIS DE MATURIDADE O SW-CMM é um exemplo de modelo de capacitação de ARQUITETURA EM ESTÁGIOS. Isso significa que as práticas que ele descreve ou recomenda são agrupadas em níveis de maturidade que são escolhidos de acordo com os seguintes critérios: - representar fazes históricas razoáveis na vida de organizações típicas; - prover degraus intermediários de maturidade, em sequência razoável; - sugerir medidas de progresso e objetivos intermediários; - definir, para cada estágio, prioridades de melhoria. É reconhecida a dificuldade de uma organização na melhoria de todos os seus processos simultaneamente e oferece, por isso uma sequência de estados intermediários que possam ser atingidos em tempo relativamente curto. É possível resumir o resultado de uma aferição ou aveliação em um único número, representativo do estágio de maturidade alcançado e embora seja uma medida extremamente simplista, esse número é útil para comparar organizações produtoras de software. A tabela abaixo, resume os níveis do SW-CMM, destacando as características mais marcantes de cada nível. Número Nome do nível do nível Nível 1 Inicial Nível 2 Repetitivo Nível 3 Definido Nível 4 Gerido Nível 5 Otimizante Característica da Organização Não segue rotinas Segue rotinas Escolhe rotinas Cria e aperfeiçoa rotinas Otimiza rotinas Característica dos processos Processos caóticos Processos disciplinados Processos padronizados Processos previsíveis Processos em melhoria contínua

3 ÁREAS CHAVES Dentro de cada nível do SW-CMM, com exceção do nível 1, é composto de várias ÁREAS DE CHAVES DE PROCESSO ( Key process áreas, ou KPAs ) que identifica cada área chave em um grupo de atividades correlatas que realizam um conjunto de metas consideradas importantes e que devem ser resolvidas para atingir o nível. Cada área chave reside em um único nível de maturidade. Para ser classificada em um determinado nível a organização tem de implementar completamente as áreas chaves desse nível e todos os níveis inferiores. A área chave define um conjunto de metas que representam o estado atingido por uma organização que domine a área chave e o grupo principal de práticas chaves é chamado de Atividades a executar ( activities to perform ). Essas atividades estão diretamente relacionadas com as metas que a área chave pretende atingir e serão também chamadas de Atividades de Implementação. Ocorre normalmente que organizações recaem nos velhos processos viciados assim que o comitê avaliador dá sua nota e se retira, por isso o SW-CMM define em cada área chave, vários grupos de Atividades de Institucionalização, atividades essas que formam uma espécie de sistema de travas organizacionais que dificultam o retrocesso nas atividades de implementação seguindo as divisões nos seguintes grupos: - Comprometimento na execução gera condições que garantem a permanência da mehoria dos processos com a existência de patrocinadores e políticas documentadas; - Capacitação para execução fatores que contribuem para que a área seja efetivamente implantada, compreendendo as estruturas existentes, identificando recursos e treinando os profissionais; - Medição e análise medições básicas necessárias para avaliar o status da área chave. Em virtude da falta de visibilidade real do progresso dos projetos, a gerência geralmente não entende os verdadeiros problemas técnicos e não possuem formação em práticas gerenciais, por terem sido promovidos por carreira técnica. Esses gerentes causam pressão e na melhor das hipóteses, os processos são seguidos quando os projetos estão tranqüilos, pois em crise, os envolvidos abandonam os métodos e o projeto reverte-se à condição desenfreada.

4 ORGANIZAÇÃO NÍVEL 2 A tônica da organização é ser capaz de cumprir compromissos e metas estabelecidas no processo de melhorias. No nível repetitivo, uma organização é capaz de assumir compromissos referentes a requisitos, prazos e custos com alta probabilidade de ser capaz de cumpri-los e isso requer o domínio das seguintes áreas chaves: - a gestão de requisitos permite definição e controle dos requisitos em que se baseiam os compromissos; - o planejamento de projetos prevê prazos e custos para cumprimento dos compromissos, como bases técnicas e não apenas ituitivas; - a supervisão e o acompanhamento conferem o atendimento dos compromissos, comparando e conseguido com o planejamento; - a gestão da subcontratação cobra de organizações subcontratadas para desenvolver partes de software os mesmos padrões de qualidade que oferece a seus clientes; - grupo de garantia da qualidade confere o cumprimento dos compromissos, de forma independente em relação aos projetos; - a gestão de configurações garante a consistência permanente dos resultados dos projetos, mesmo quando ocorrem alterações nos compromissos. Observe as siglas abaixo: Sigla em inglês RM SPP PTO SSM SQA SCM Nome em inglês Requerements Management Software Project Planning Software Project Tracking and Oversight Software Subcontract Management Software Quality Assurance Software Configuration Management Tradução adotada Gestão de Requisitos Palanejamento de Projetos Supervisão e Acompanhamento de Projetos Gestão da Subcontratação Garantia da Qualidade Gestão de Configurações

5 A organização é disciplinada em nível dos projetos, sabe estimar e controlar projetos semelhantes a projetos anteriores bem sucedidos. Entretanto, corre o risco de vários tipos de mudanças a que está sujeita, tais como: - mudanças de ferramentas e métodos; - mudanças de tipos de produtos, causadas por variações e evoluções no mercado; - mudanças de estrutura organizacional. ORGANIZAÇÃO NÍVEL 3 Esse nível de organização, não repete simplesmente os sucessos de projetos anteriores, mas estabelece um infra-estrutura de processos que permite a adaptação a vários tipos de mudanças e requer domínio das seguintes áreas chaves: - grupo de engenharia de processos de software responsável pelas atividades de desenvolvimento, melhoria e manutenção de processos de software; - processo padrão de software devem ser derivados os processos definidos para os projetos; - programa de treinamento estabelecido em processos de software no nível da organização; - gestão integrada dos projetos uso de procedimentos documentados para gestão de tamanho, esforços, prazos e riscos; - engenharia de produtos de software padronização no nível da organização, abrangendo requisitos, testes, desenho, codificação e documentação; - coordenação entre grupos coordena os grupos participantes no projeto de sistemas na organização; - revisões revisão dos processos no nível da organização.

6 Observe a tabela abaixo: Sigla em inglês OPF OPD TP ISM SPE IC PR Nome em inglês Tradução adotada Organization Process Focus Focalização dos Processos da Organização Organization Process Definition Definição dos Processos da Organização Training Program Programa de Treinamento Integrated Software Management Gestão Integrada de Software Software Product Engineering Engenharia de Produtos de Software Intergroup Coordination Coordenação entre Grupos Peer Reviews Revisões No nível 3, a organização sabe manter-se dentro do processo mesmo durante as crises, pois as ferramentas passam a ser aplicadas de forma sistemática, padronizada e coerente com os processos e passam a contribuir significativamente para a melhoria da produtividade e da qualidade. ORGANIZAÇÃO NÍVEL 4 No nível 4, o domínio dos processos de software evolui para uma forma quantitativa, isso não quer dizer que apenas organizações desse nível devam coletar métricas de processos. Todas as chaves do SW-CMM contêm pelo menos uma prática de medição e análise que sugere métricas adequadas para medir o sucesso da implantação da respectiva área. VISÃO GERAL A organização é o volume de controle do SW-CMM e as eferições focalizam as préticas de uma organização, que pode ser uma companhia, divisão de uma companhia, órgão do governo ou uma ramificação de qualquer uma dessas entidades, considerando-se o desenvolvimento de produtos feito através de produtos. Um produto pode envolver componentes, além de software tendo tipicamente orçamento e cronograma próprios. Não distingue subprojetos, embora esses possam existir em organizações reais, atividades permanentes executadas rotineiramente, sem datas de início e fim, não são projetos.

7 PAPÉIS ORGANIZACIONAIS O SW-CMM descreve um conjunto de práticas recomendáveis de engenharia e gestão e não de leis exatas, tenta ser independentes da estrutura da organização. A descrição de algumas funções e estruturas é necessária para o correto entendimento do SW-CMM. É mais fácil definir entre as estruturas do SW-CMM em organizações de grande porte, as estruturas reais, em organizações de pequeno porte o SW-CMM deve ser interpretado adequadamente, para isso devem ser bem entendidos os papéis organizacionais mencionados. Esses papéis são usados para descrever funções lógicas e devem ser mapeados nas estruturas reais de cada organização. GERENTES Um gerente é o responsável técnico e administrativo de uma área da organização, essa responsabilidade inclui as tarefas de planejamento, coordenação, gerência e controle dessa área e em todas as áreas chaves atribuídas responsabilidades aos seguintes papéis: - Gerência executiva ( sênior Management ) representa o nível hierárquico e estratégico mais alto da organização. É responsável pelas decisões estratégicas da organização, envolvendo-se em todos os projetos em nível mais alto de abstração, cabendo decisões sobre metas e recursos para a melhoria dos processos. - Gerência de projeto ( Project manager ) tem a responsabilidade completa pelo projeto, inclusive sua direção, controle e sua administração. Aos olhos dos clientes, o gerente de um projeto deve ser o único responsável por ele. O SW-CMM prevê que certas decisões devem ser reservadas à Gerência Executiva, que podem assumir compromissos com clientes externos nas realizações de reuniões periódicas para verificar a execução das práticas de todas as chaves do SW-CMM. Outros papéis gerenciais menores são mencionados em algumas práticas, em projetos maiores, o gerente de projeto pode ser auxiliado por um ou mais gerentes imediatos ( first line managers ), podem ser formadas equipes para resolver tarefas específicas que são chefiadas por um líder de tarefa ( task leader ). GRUPOS É um conjunto de profissionais e unidades que têm uma responsabilidade definida, não é composto necessariamente por uma equipe de várias pessoas, pode ser formado por uma pessoa em tempo parcial ou integral, por pessoas de um ou vários departamentos ou até por departamentos inteiros.

8 O SW-CMM chama de grupo de engenharia de software, os profissionais responsáveis pelas técnicas de desenvolvimento e manutenção de software. Atribui muitas funções aos grupos relacionados com software, representando uma disciplina de engenharia de software praticada no nível da organização e não de projetos individuais. Os principais grupos requeridos pelo SW-CMM são: - Grupo de Garantia da Qualidade de Software GGQSw ( SQA Software Quality Assurance ) planeja e implementa atividades que asseguram a qualidade do produto; - Grupo de Gestão de Configurações de Software GGCSw ( SCM Software Configuration Management ) planeja, coordena e implementa ações para gerir um sistema centralizado de guarda de configurações de software; - Grupo de Engenharia de Processos de Software GPESw ( SEPG Software Engineering Process Group ) responsável pela definição, manutenção e melhoria dos processos de software da organização. Outros grupos mencionados no SW-CMM incluem: - Em projeto de sistemas o grupo de Engenharia de Sistemas especifica requisitos de nível de sistema, alocando requisitos de sistema de hardware, software e outros componentes; - Grupo de testes de software planejada desenha e realiza testes de aceitação do produto de um projeto para garantir a eficácia desses testes, deve atuar independentemente dos desenvolvedores; - Grupo de treinamento coordena e executa as atividades de treinamento em software.

9 EXEMPLO DE ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A estrutura organizacional é lógica inspirada no SW-CMM, assim é possível que cada gerência ou cada grupo corresponda a uma comissão. A gerência de negócios é responsável pelas atividades de negócio necessárias em qualquer tipo de organização, como administração, marketing e relacionamento com clientes. As atividades-fim são agrupadas em uma gerência de produtos, à qual estão subordinados os projetos em desenvolvimento, os produtos em operação e as equipes especializadas de engenharia de software. Os três principais grupos de suporte mencionados no SW-CMM, foram agrupados em uma gerência de processos, essa vinculação facilita a ligação desses grupos com a gerência executiva e entre si. Observe o organograma abaixo:

10 ORGANIZAÇÃO FORNECEDORA DE SOFTWARE Gerência Executiva Gerência de Negócios Gerência de Produtos Grupo de Requisitos e Análise Grupo de Desenho e Implementação Grupo de Gestão da Qualidade Grupo de teste Projeto 1 Projeto 2 Produto 1 Produto 2 Gerência de Processos Grupo de Garantia da Qualidade Grupo de Gestão de Configurações Grupo de Engenharia de Processos Gerência de Infra- estrutura Grupo de Recursos Computacionais Grupo de Documentação

11 INSTITUCIONALIZAÇÃO Uma vez que uma organização consiga melhorar seus processos, aparece a questão de como manter o que foi conseguido, geralmente a duras penas. Quando as primeiras crises acontecem, muitos têm reações de pânico e acham que a bagagem de processo deve ser a primeira a ser jogada ao mar. Os que resistiram à mudanças dos processos aproveitarão todas as oportunidades possíveis para reclamar da suposta burocracia de processo. Esses problemas ocorrem com todos os tipos de alteração da cultura organizacional. Quando surgem as primeiras dificuldades, as pessoas apelam para improvisação. A proposta do SW-CMM para fugir desse círculo vicioso está nas atividades de institucionalização que estabelecem diversas amarrações organizacionais para garantir a prática e a estabilidade das atividades principais. COMPROMETIMENTO EM EXECUTAR O comprometimento em executar descreve ações que a organização deverá realizar para garantir que as melhorias de processo sejam estáveis e duradouras, envolvendo definições de políticas organizacionais ou de responsabilidades. CAPACITAÇÃO PARA EXECUTAR As capacitações para executar são prévias para implantação correta dos processos de desenvolvimento de software, referem-se em alguns casos aos projetos e em outros à organização como um todo, envolvem recursos, estrutura da organização e treinamento. MEDIÇÃO E ANÁLISE As medições e análises servem para determinação do estado atual dos processos da organização, fornecem os elementos para que a Gerência Executiva avalie com mais precisão o grau de sucesso da implantação de cada área chave, o mais adequado é que sirva de base para o cálculo do retorno do investimento em cada área. VERIFICAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO O SW-CMM considera que na maioria das organizações, a adesão aos processos estabelecidos não se dá espontaneamente, por isso, as práticas de todas as áreas chaves são sujeitas a no mínimo três instâncias de averiguação pela Gerência Executiva, Gerentes de Processos e pelo Grupo de Garantia da Qualidade de Software.

12 FILOSOFIA DE COMPROMETIMENTO O caminho para a melhoria dos processos pela capacitação em cumprir compromissos. A organização deve aprender a cumprir o que promete a seus clientes e isso não significa eliminar as incertezas inerentes a qualquer planejamento, significa que os erros de previsão deverão se tornar pequenos e aleatórios. Esse sistema é semelhante à filosofia de comprometimento que pode ser observada na norma ISO Os gerentes têm obrigações particularmente importantes em relação aos compromissos, tomando muito cuidado ao assumir compromissos. BASES MATERIAIS DO COMPROMETIMENTO O sistema de comprometimento abrange uma filosofia de trabalho, mas tem de ser traduzido em artefatos reais. Os principais artefatos do sistema de comprometimento são a Especificação de Requisitos, Plano de desenvolvimento e o Plano da Qualidade. O trabalho a ser executado deve ter uma definição documentada, completa, consistente e precisa, consiste na especificação de requisitos e deve ser no mínimo aprovada pelo cliente. Finalmente o plano da qualidade estabelecerá os mecanismos de controle necessários para garantir o cumprimento dos compromissos, definirá responsáveis e datas para as diversas ações de garantia da qualidade. OUTROS MODELOS DE CAPACITAÇÃO Além do SW-CMM existem vários outros modelos que podem ser usados como referência para avaliação de capacitação das organizações em processos de software. Alguns modelos alternativos importantes foram criados por organizações que desenvolvem padrões como a ISO ( International Organization for Standardizarion ) e o IEEE ( institute os Electrical and Electronics Engineers ). Outros modelos de maturidade foram desenvolvidos: - recursos humanos ( P-CMM ); - engenharia de sistemas ( SE-CMM ); - definição de produtos ( IPD-CMM ); - aquisição de software ( AS-CMM ). Muitos outros padrões têm relação com a engenharia de software e os relacionamentos entre eles são as vezes, bastante complexos.

13 MODELOS ISO ISO A denominação ISO-9000 abrange uma família de padrões com âmbitos diferentes, descreve sistemas de qualidade para processos industriais, abrangendo as atividades de desenho, desenvolvimento. Produção, instalação e assistência técnica. O padrão ISSO , chamado no Brasil de NBR ISO ( ABNT93 ), representa uma adaptação do padrão ISO-9001 para o desenvolvimento, o fornecimento e a manutenção de software, ele não deve ser confundido com o ISO-9003 que é outro padrão genérico da série. ISO/ IEC Esse modelo, conhecido no Brasil como NBR ISO/IEC ( ABNT98 ), descreve os principais processos componentes do ciclo de vida do software e os relacionamentos entre eles. ISO Mais recentemente, a ISO desenvolveu esse modelo ( conhecido como Spice ), que representa um guia para a avaliação de maturidade de processos. Esse modelo tem arquitetura contínua, isto é, a avaliação da organização é separada por área de processos. Não existe o conceito de níveis de maturidade globais, mas cada área de processo pode ser avaliada em níveis que vão desde o nível 0 ( não-executado ) até o nível 5 ( em melhoria contínua ). O ISO pode ser considerado um metamodelo, a partir do qual podem ser derivados modelos específicos de capacitação. CMMI Esse modelo de capacitação deverá substituir futuramente os vários CMMs, como o SW-CMM e o SE-CMM ( engenharia de sistemas ). As principais diferenças entre o CMMI de software e sistemas, de arquitetura em estágios e o SW-CMM, são as seguintes: - o nome dos níveis foi modificado para dar maior precisão; - muitas áreas tiveram pequenas modificações de nome e conteúdo; - as medições e análise deixaram de ser um grupo de atividades de institucionalização para serem uma área do nível 2;

14 - no nível 3, a área de engenharia de produtos de software foi dividida em cinco áreas, chamadas de requisitos; - no nível 3, a área de gestão integrada de projetos absorveu as áreas de gstão integrada de software e coordenação entre grupos; - no nível 3, o tópico de gestão de riscos da gestão itegrada de software foi elevado a área; - no nível 3, foi criada uma área de análise e resolução de decisões, que organiza processos estruturados de decisão, antes dispersos em várias práticas de outras áreas; - no nível 4, o material das duas áreas foi reorganizado nas áreas de desempenho dos processos organizacionais, orientada para o entendimento quantitativo dos processos e de gestão quantitativa de projetos, orientada para a aplicação desse entendimento ao alcance de objetivos quantitativos de desempenho e qualidade, por parte dos projetos; - no nível 5, as áreas de gestão das mudanças de tecnologia e gestão das mudanças de processos foram fundidas em uma área de inovação e implantação organizacionais. Existem também versões contínuas, como no modelo ISO-15504, com o qual o CMMI pretende manter conformidade. Nessas versões, as áreas de processo são agrupadas nas categorias de gestão de processos, gestão de projetos, engenharia e suporte. Resumo elaborado por: Marcos Antonio Ferreira Cabral Rodrigo Jonas Tomas Barone Neto Março-2010

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model

Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade VI GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Capability Maturity Model Integration CMMI SW-CMM (Software Capability Maturity Model): prove informações para o aprimoramento de processos de desenvolvimento

Leia mais

No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2

No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2 Os níveis 3, 4 e 5 No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2 descrição sucinta das KPAs dos níveis 3, 4 e 5 INF310 - Modelos

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos. CMM Capability Maturity Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.br 8/3/2002 Pró-Reitoria de Administração - Diretoria de Serviços

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Extreme Programming e Qualidade de Software

Extreme Programming e Qualidade de Software Extreme Programming e Qualidade de Software Antonio Sergio Ferreira Bonato Departamento de Sistemas Digitais Escola Politécnica da USP Objetivo (I) mostrar que o uso de um processo de desenvolvimento de

Leia mais

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software 167 Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software Josiane Banov Russo 1, Ettore Bresciani Filho 2 1 Gerente da Qualidade Instituto de Pesquisas Eldorado Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 118,5

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

Capítulo 6: PSP. Capítulo 6: PSP Personal Software Process

Capítulo 6: PSP. Capítulo 6: PSP Personal Software Process Capítulo 6: PSP Personal Software Process Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6: PSP

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina. Campus da Grande Florianópolis Pedra Branca. CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE ALUNO: Volnei A. Caetano Palhoça 02 de Junho de 2000 C.M.M. Capability

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

ISO 9000-3 3 e ISO 9001

ISO 9000-3 3 e ISO 9001 QUALIDADE DO PROCESSO ISO 9000-3 3 e ISO 9001 Baseado no material do prof. Mario Lúcio Cortes http://www.ic.unicamp.br/~cortes/mc726/ 1 Normas da Série ISO 9000 Introdução ISO 9000 (NBR ISO 9000, versão

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

PMBok & CMM + CMMi Resumo

PMBok & CMM + CMMi Resumo PMBok & CMM + CMMi PMBok & CMM + CMMi Resumo Mauro Sotille, PMP mauro.sotille@pmtech.com.br www.pmtech.com.br Fontes SEI/Carnegie Mellon University Apresentação: Gerência de Projetos de Software, José

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Início Qualidade de Software Álvaro Rocha amrocha@ufp.pt http://www.ufp.pt/~amrocha Início>Tópicos Tópicos 1. Fundamentos 2. Qualidade e Maturidade do Processo de SW ISO 9000, ISO 12207, SW-CMM, TRILLIUM;

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

Mapeamento entre PMBOK, CMM e RUP

Mapeamento entre PMBOK, CMM e RUP Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Monografia de Conclusão de Curso MBIS Master Business Information System Mapeamento entre PMBOK, CMM e RUP Maurício Nacib Pontuschka Coordenadora Prof.ª Lavínia

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. CMMI Visão Geral

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. CMMI Visão Geral Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação CMMI Visão Geral Agenda Um histórico dos modelos CMM e CMMI Modelo CMMI Suíte do modelo Representações Níveis de maturidade Áreas de processo

Leia mais

Capability Maturity Model Integration - CMMI

Capability Maturity Model Integration - CMMI Capability Maturity Model Integration - CMMI Para Desenvolvimento Versão 1.2 M.Sc. Roberto Couto Lima ÍNDICE 1. Definição ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações www.asrconsultoria.com.br

CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações www.asrconsultoria.com.br 30 de outubro de 2003 CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações Renato Luiz Della Volpe Sergio Massao Jomori Ana Cecília Peixoto Zabeu www.asrconsultoria.com.br 1 Agenda Introdução Evolução

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

O Rational Unified Process Um Ativador para a Maturidade de Processo Avançado

O Rational Unified Process Um Ativador para a Maturidade de Processo Avançado O Rational Unified Process Um Ativador para a Maturidade de Processo Avançado Annie Kuntzmann Combelles, Q-Labs France Philippe Kruchten, Rational Software Canada A Rational Software and Q-Labs White Paper

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM Capability Maturity Model O que é o CMM? Modelo para avaliação da maturidade dos processos de software de uma organização Identificação das práticas chave

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Garantia da Qualidade de Processo e Produto Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. É permitido o uso deste material

Leia mais

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos 3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos A complexidade que caracteriza a implantação de um sistema ERP é uma das maiores preocupações das organizações que pretendem desenvolver projetos desta natureza.

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Qualidade do Processo de Software

Qualidade do Processo de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Qualidade do Processo de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais

Leia mais

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 1 VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Elvis Ferreira da Silva* Msc. Marta Alves de Souza** Msc. Helder

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

Extreme Programming e Qualidade de Software

Extreme Programming e Qualidade de Software Extreme Programming e Qualidade de Software Antonio Sergio Ferreira Bonato Departamento de Sistemas Digitais Escola Politécnica Universidade de São Paulo asbonato@ieee.org Resumo Nos últimos anos tem surgido

Leia mais

Visão Geral do SW-CMM Capability Maturity Model for Software

Visão Geral do SW-CMM Capability Maturity Model for Software Visão Geral do SW-CMM Capability Maturity Model for Software Renato Luiz Della Volpe Renato Luiz Della Volpe Formado em 1983 em Engenharia Mecânica pela FEI Pós graduação em Administração Industrial pela

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software UFES - Universidade Federal do Espírito Santo Engenharia de Software Notas de Aula E-mail: falbo@inf.ufes.br 2005 Capítulo 1 - Introdução UFES - Universidade Federal do Espírito Santo 1 Capítulo 1 Introdução

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE - PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3 Objetivos Histórico Evolução da Qualidade Princípios de Deming CMMI Conceitos Vantagens Representações Detalhamento Gerenciamento Comparação Out/11 2 Histórico SW-CMM (Software Capability Maturity Model):

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos

MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez, DSc martius@kmpress.com.br MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação Gestão do Conhecimento evolução conceitual.

Leia mais

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA PMBoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelos de gerência CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelo de maturidade: CMM CMM (Capability Maturity Model) é um modelo subdividido em 5 estágios

Leia mais

CMMI Capability Maturity Model Integration

CMMI Capability Maturity Model Integration www.asrconsultoria.com.br CMMI Capability Maturity Model Integration Visão Geral Capability Maturity Model and CMMI are registered in the U.S. Patent and Trademark Office 1 Agenda Introdução Maturidade

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

SEQUÊNCIA: TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. PROF. MARTIUS V R Y RODRIGUEZ, DSc TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

SEQUÊNCIA: TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. PROF. MARTIUS V R Y RODRIGUEZ, DSc TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 Prof. Martius Vicente Rodriguez y Rodriguez, DSc - 1 TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1. TIPOS DE 2. ARQUITETURAS DE SISTEMAS - CRM 3. KNOWLEDGE DISCOVERY IN DATABASE 4. SISTEMAS

Leia mais

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e fortes, que serão utilizados para a criação de um plano

Leia mais

(C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I. Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA BATERIA. PMBoK COBIT

(C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I. Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA BATERIA. PMBoK COBIT Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA ATERIA (C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I PMoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

Problemas Produção. Requisitos. Prof. Ana Paula A. de Castro. Prazos e custos

Problemas Produção. Requisitos. Prof. Ana Paula A. de Castro. Prazos e custos PRODUTOS ENGENHARIA DE SOFTWARE - I Prof. Ana Paula A. de Castro anapaula.rna@gmail.com Problemas Produção Ciclos de vida Projetos Requisitos Características Especificação dos requisitos Engenharia dos

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

Melhorias de Processos de Engenharia de Software

Melhorias de Processos de Engenharia de Software Melhorias de Processos de Engenharia de Software CMMI 1 Profa. Reane Franco Goulart O que é CMMI? O Capability Maturity Model Integration (CMMI) é uma abordagem de melhoria de processos que fornece às

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504 PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504 MARCELO NORTE DE OLIVEIRA 1 marcelonorte.ti@gmail.com IREMAR NUNES DE LIMA 2 iremar.prof@uol.com.br RESUMO: Este artigo trata

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software José Barreto Júnior O que é qualidade? Existem diversas definições. Algumas pessoas que tentaram uma definição simples chegaram a frases como: Qualidade é estar em conformidade com

Leia mais

Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3

Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3 Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3 Carlo Giovano Pires, Fabiana Marinho, Gabriela Telles, Márcia Sampaio Instituto Atlântico, Rua Chico Lemos, 946, 60822-780, Fortaleza -

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Capítulo 5: CMMI, o Capability Maturity Model Integration

Capítulo 5: CMMI, o Capability Maturity Model Integration Capítulo 5: CMMI, o Capability Maturity Model Integration Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE - 02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software.

Leia mais

Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas?

Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas? Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas? Fábio Martinho. obtido [on-line] na URL http://www.testexpert.com.br/?q=node/669, em 11/03/2008. Segundo a NBR

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

CMM Capability Maturity Model

CMM Capability Maturity Model CMM Capability Maturity Model Grupo: Espedito Anderson Américo Jean Pós-graduação Lato Sensu em Software Livre Auditoria e Segurança em Software Livre Laerte Peotta Agenda Introdução CMM CMMI CoBIT Conclusão

Leia mais