E finalmente às áreas ISO com normas para processos de Software, Processos de Sistema e Melhoria de processos ( ISO/IEC 12207, e 15504).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E finalmente às áreas ISO com normas para processos de Software, Processos de Sistema e Melhoria de processos ( ISO/IEC 12207, 15288 e 15504)."

Transcrição

1 QUALIDADE DE SOFTWARE CMMI Olá vamos focar no conceito de qualidade de software que tem sido muito cobrado em concursos, são 6 posts que estão condensadas aqui, ok? PARTE I - Conceitos básicos 1 - CMMI Origem - CMM (93) que foi o primeiro modelo de maturidade para a área de TI. SW-CMM Que deu origem a uma série de modelos: SE - CMM - Engenharia de sistemas SA - CMM - Aquisição de software SECAN - S.E. Capability Assessment Model EIA Capabily model E finalmente às áreas ISO com normas para processos de Software, Processos de Sistema e Melhoria de processos ( ISO/IEC 12207, e 15504). Neste constexto temos vários modelos sendo desenvolvidos, e em várias organizações. O que acontece que as organizações começaram se defrontrar com n modelos a seguir, mas a partir do momento que eu quanto organização adoto modelos diferentes de diferentes fontes, isso acaba tornando um problema na integração das ações. Por conta disso as organizações se viam limitadas na melhoria dos processos. Então surgiu a demanda pela Integração desses modelos. CMMI é a integração: idéia para unificar conceitos O projeto do CMMi teve que com grande objetivo INTEGRAR (SE, SE, SA) e mais estrutura conceitual comum construída de maneira tal para permitir a agregação de novos conteúdos,novas disciplinas, esse foi o objetivo. Então é que o projeto CMMI foi buscar no mercado as referências: 1 - CMM for software (93) v CMM for software (97) v EIA 731 (98) engenharia de sistemas 4 - IPPD CMM (97) des. de produtos e processos de trabalho. Foram integrados dentro do CMMI versão 1.1(2002) 1.2(2007) CMMi para aquisição (2007) CMMi para serviços (2007) É preciso conhecer as duas versões para concursos.

2 DISCIPLINAS SW - Engenharia de software: Desenvolvimento de software (aplicativos) a engenharia de software envolve abordagem para desenvolvimento, operação e manutenção de software. Ainda que não temos nenhum processo que foque operação. SE - Engenharia de sistemas: abordagem sistemática aplicada a transformação da necessidade de uma organização em produtos completos Solução completa ou sistemas que pode envolver hardware ou pode envolver software. IPPD (desenvolvimento integrado de produto e processo) : trata da colaboração entre a equipe de desenvolvimento e a equipe de produção/operação para garantir que ao longo do projeto elas participem do processo de desenvolvimento, e com isso garantir que as necessidades dos usuários serão atendidos. SS ( Gestão de fornecedores) é uma abordagem mais complexa, mais abrangente, quando essas contratações são mais críticas. Dentro das disciplinas de Engenharia de software e sistemas temos a gestão de contratos. De fato gerenciar o trabalho do fornecedor. Essas 4 disciplinas podem ser agregadas em variáções do modelo. Versão conjuntos possíveis de disciplinas: CMMI - SW CMMI -SE/SW CMMI-SE/SW/IPPD CMMI-SE/SW/IPPD/SS

3 CADA UM em duas representações possíveis: - CONTÍNUA - ESTÁGIO Versão 1.2: novo conceito - CONSTELAÇÃO: que é o CONJUNTOS DE ÁREAS relacionadas entre si,isto é, conjunto de componentes para que vou reunir em um modelo para atender a uma necessidade específica. O CMMI 1.1 evoluiu para CMMI 1.2 Dev: CMMI para desenvolvimento de software, o que a organização deve tratar para desenvolver software. E da versão 1.1 nasce novos modelos para tratar especificamente de aquisições e serviços: CMMI para Aquisições (CMMI - Acq) -ótica de qum esta contratando um terceiro para desenvolver. CMMI pra SErviços (CMMI-Svc): na verdade não é um modelo exclusivo de TI, e sim gerencia de serviço de qq natureza. Nâo é concorrencia do ITIL. CMMI 1.2 DEV= o modelo passa ser mais consolidado. Conjuntos possíveis de disciplinas. (Eng. de software- SW, Eng. de Sistemas-SE, Gestão de fornecedores-ss) só IPPD fica como opcional. CMMI 1.1: 4 conjuntos possíveis de disciplinas. ( CMMI - SW, CMMI -SE/SW, CMMI-SE/SW/IPPD,CMMI-SE/SW/IPPD/SS) PARTE II CMMI 1.2 Vamos continuar falando da estrutura do modelo: CMMI 1.1 CONJUNTO DE DISCIPLINAS CMMI 1.2 CONSTELAÇÕES O temos aí? As áreas de processo. No CMM tínhamos as famosas KPAs, áreas chaves de processo. No CMMI temos áreas de processo ou simplesmente processo muito utilizado nos concursos o termo apenas processo. Uma área de processo é um conjunto de práticas que são relacionadas entre si, no sentido de que elas satisfazem um conjunto de metas, de objetivos que são importantes para realizar melhorias significativas na área.

4 Área de processo: aspecto da Engenharia de software e dentro deste aspecto que se relacionam e que deven allcançar um objetivo. As Áreas de processos estarão vinculadas à disciplinas. SE/SW : 22 áreas de processos. Eng de software = software (vrs 1.1) Engenharia de Sistemas = o que muda em relação Engenharia de Software é apenas a abrangência do modelo. Se eu estou só com engenharia de software o que vale é só para software, se eu agrego engenharia de sistemas, então passa a valer para software e sistemas. SS: 1 área de processo adicional (Gerência integrada de fornecedores), no CMMI 1.1 é opcional, se eu agregar o modelo passará a ter 23 áreas de processos. IPPD: 2 áreas de processos adicionais (integração de equipes e ambiente organizacional para integração ocorra. -->IPPD sempre opcional, em qualquer versão. Na Versão 1.2 o modelo já inclui sistemas, software e gestão integrada de fornecedores --> 23 áreas de processos. Então, dependendo da versão e conjunto de disciplina que estou usando o CMMI pode ter 22, 23 ou 25 áreas de processo. A descrição dessas áreas de processos, vai ser sempre a mesma, tanto faz se estou na representação Contínua ou por Estágio, que veremos na parte III mais detalhadamente, ok? Importante lembrar os processos são os mesmos o que muda a forma como vamos lidar com esses processos. Temos na Versão 1.2: Constelação, Disciplinas e dentro das disciplinas áreas de processos. Outros componentes do CMMI: Metas e Práticas (para que a área de processo serve e não tanto os detalhes, como deve ser executada.) -->Para concurso: Área processos e as Metas das áreas de processos. Práticas entender o conceito, mas não tem sido foco em concursos, que são nosso objetivo ok? Metas Específicas: recebem esse nome porque são específicas de cada área de processa, ou seja, cada área de processo tem suas próprias metas específicas, que vão dizer qual é o resultado que aquela área de processo tem que alcançar. O que define uma área de processo são exatamente suas metas específicas. Práticas Específicas, que nos dizem que atividades eu preciso realizar para garantir que eu vou sim alcançar aquelas metas da área de processo. Foco: Execução do Processo. As metas definem o que é importante em cada área de processo (metas específicas) as práticas nos indicam o que é necessário fazer para alcançar essas metas (práticas específicas).

5 Daí nós temos um segundo conjunto, metas genéricas e práticas genéricas: Metas genéricas: são vinculadas aos níveis de capacidade dos processos (cada processo pode ser avaliado de forma individual em um nível de capacidade, que nós veremos no modelo contínuo parte III). Para cada um desses níveis eu tenho uma meta genérica que diz, o que o processo tem que alcançar para que eu possa considerar que ele está em um determinado nível de capacidade. As metas genéricas são aplicáveis indistintamente a todos os processos do modelo. --> Meta Específica cada processo tem o seu. --> Meta genérica cada nível de capacidade tem o seu e vale para todos os processos. -->As Práticas Genéricas vão me dizer como é que consigo alcançar aquelas metas genéricas, isto é, quais as atividades de gerenciamento que eu preciso ter, para garantir que o processo chegue aquele nível de capacidade. Foco : Gerenciamento do processo. Os elementos do CMMI podem ser classificados em 3 grandes grupos: -Requeridos (obrigatórios, mandatórios): a organização não tem como fugir deles, quer dizer quando vai fazer uma avaliação baseada no modelo. Para responder qual o Nível de capacidade dos meus processos, Modelo Contínuo ou qual o Nível de Maturidade da minha organização - modelo por Estágios. --> METAS são elementos obrigatórios, a organização tem que comprovar esta alcançando as metas. --> PRÁTICAS, são o que o modelo chama-se de esperado, no sentido de que espera-se que a organização adote determinadas práticas como forma de alcançar as metas que ela é obrigada a alcançar. - Esperados: espera-se que a organização alcance determindas práticas como forma de alcançar o que deseja alcançar. Num processo de avaliação a práticas podem ser substituídas por outras práticas 'não padrão' para determinada área de processo, isto é, alternativas aceitáveis, para que as metas possam ser alcançadas. Orientam a implementação de melhoria de processos e a realização de avaliações. - Elementos Informativos: todos os demais elementos do modelo, informações complementares, apenas para explicar a área de processo. Fornecem detalhes que ajudam a compreender as metas e as práticas e como elas podem ser realizadas. -->Do ponto de vista de uma avaliação, a organização têm as práticas recomendadas ou práticas equivalentes? E com base na aplicação destas práticas consegue demonstrar que alcança as práticas estabelecidas no processo? Nas avaliações CMMI, lembre-se do conceito de Organização, sinônimo de escopo de avaliação, ou seja, não se faz uma avaliação CMMI na empresa inteira, mas sim em uma área, uma filial, um grupo, um padrão de processo específico, delimitado. Organização diz respeito ao escopo definido para cada avaliação, que pode ser muito pequeno ou eventualmente grande.

6 Vamos amarrar os conceitos até aqui: Quanto à estrutura geral do modelo CONSTELAÇÃO -- dentro da constelação:várias Disciplinas dentro do modelo (SW-engenharia de software, SE-Engenharia de Sistemas, SS-gestão de fornecedores, IPPD-desenvolvimento integrado de produtos e processos)--> se destrobram em Áreas de Processo e vinculadas a cada área de processo --> Metas específicas e por fim --> Práticas Específicas ligadas a Metas Específicas. Relação sempre de 1-N. Uma constrelação com várias disciplinas, cada disciplina com várias Áreas de Processo, cada Área de Processo com um ou mais Metas Específicas e Cada Meta Específica, vinculada a uma ou mais Metas Específicas e por fim Práticas Específias ligadas a essas Metas Específicas (Relação 1-N) Constelação--<Disciplinas(SW, SE,SS,IPPD)--<Área de Processo--<Meta Específica--<Prática Específica Em paralelo, na estrutura de Avaliação, temos os Níveis de Capacidade que será a parte de estrutura comum, conceitual do modelo. Dentro desta estrutura temos a defininção de Metas Genéricas: Cada nível de capacidade tem a sua (relação 1-1), que será decomposto em Práticas Genéricas. Da mesma forma cada Meta Genérica pode se desdobrar em uma ou mais Práticas Genéricas. (Relação 1-N) NÍVEL DE CAPACIDADE---Meta Genérica---<Prática Genérica Lembrando que: Metas específicas cada área de processo tem a sua. Metas genéricas cada nível de capacidade tem a sua. Dentro dessas metas genéricas vamos fazer a decomposição nas Práticas Genéricas. --> Esta é a estrutura geral do CMMI. Para cada área de processo as metas específicas e vinculada a cada meta específica um conjunto de práticas especícas. No estrutura de avaliação do CMMI: Nível de capacidade, uma meta genérica para cada nível de capacidade (1-1) e várias práticas genéricas associadas a cada um dessas práticas genéricas. CONCEITOS BÁSICOS ATÉ AQUI: Constelação, Disciplinas, Áreas de Processo, Práticas Específicas e Genéricas, Metas Específicas e Genéricas e por fim saber a origem do modelo: CMM, EIA 731,IPD CMM. Próxima parte: estruturas, representação contínua e representação por estágio. Não perca!

7 PARTE III REPRESENTAÇÃO CONTÍNUA A visão é dos processos individuais - Se o meu objetivo é tratar cada processo como uma entidade isolada. Atribuo níveis de capacidade para cada processo. Na representação contínua o resultado é representado sobre a forma de um gráfico de barras, considerando dois eixos (X - dimensão de processos, onde o meu foco é na definição de quais processos são relevantes a serem avaliados, o segundo eixo Y é a dimensão de capacidade, ou seja, qual o nível de capacidade do meu processo). Cada área de processo pode ter um nível de capacidade distinto, de acordo com a realidade da minha organização. Existem seis níveis de capacidade, de 0 a 5: 5 - Otimizado 4 - Gerenciado Quantitativamente; 3 - Definido; 2 - Gerenciado; 1 - Executado; 0 - Incompleto; REPRESENTAÇÃO POR ESTÁGIOS Um nível de maturidade é uma base evolucionária definida de melhoria de processo. Cada nível de maturidade estabiliza uma parte importante dos processos da organização. Nos modelos CMMI com representação por estágio, existem cinco níveis de maturidade, onde cada camada inferior estabelece a fundação para a camada superior, para permitir a continuação de uma melhoria consolidada do processo. É como seu eu tivesse fatias da organização, onde cada fatia seria um degrau para subir para chegar a um nível maior de maturidade. Estes níveis encontram-se numerados de 1 a 5: 5 - Otimizado 4 - Gerenciado Quantitativamente 3 - Definido 2 - Gerenciado 1 Inicial

8 Na representação contínua, as áreas de processo encontram-se organizadas por categoria: Categoria Gestão de Processo Gestão de Projeto Engenharia Suporte * Enfoque no Processo Organizacional * Definição do Processo Organizacional * Formação Organizacional * Desempenho de Processo Organizacional * Inovação e Implementação Organizacional * Planeamento de Projeto * Monitorização e Controle de Projeto * Gestão de Acordo com o Fornecedor * Gestão Integrada do Projeto * Gestão de Risco * Integração de Equipes * Gestão Integrada de Fornecedores * Gestão Quantitativa do Projeto * Gestão de Requisitos * Desenvolvimento de Requisitos * Solução Técnica * Integração do Produto * Verificação * Validação * Gestão de Configurações * Garantia da Qualidade do Processo e do Produto * Medição e Análise * Análise das Decisões e Resolução * Ambiente Organizacional para Integração * Análise e Resolução Causal Áreas de Processo As áreas de processo existentes por cada nível de maturidade são as seguintes na representação por ESTÁGIOS: Nível de Maturidade Nível 1 - Inicial Nível 2 - Gerenciado Heróis * Gestão de Requisitos * Planeamento de Projeto * Monitorização e Controle do Projeto * Gestão do Acordo com o Fornecedor Áreas de Processo

9 Nível 3 - Definido Nível 4 - Gerido Quantitativamente Nível 5 - Otimizado * Medição e Análise * Garantia da Qualidade do Processo e do Produto * Gestão de Configurações * Desenvolvimento de Requisitos * Solução Técnica * Integração do Produto * Verificação * Validação * Enfoque no Processo Organizacional * Definição do Processo Organizacional * Formação Organizacional * Gestão Integrada do Projeto * Gestão de Risco * Integração de Equipes * Gestão Integrada de Fornecedores * Ambiente Organizacional para Integração * Análise das Decisões e Resolução * Desempenho do Processo Organizacional * Gestão Quantitativa do Projeto * Inovação e Desenvolvimento Organizacional * Análise e Resolução Causal Diferenças entre as duas representações No quadro seguinte são apresentadas de forma sucinta as principais diferenças entre a representação contínua e segmentada: Representação Contínua Permite a liberdade para selecionar a ordem das melhorias a implementar que melhor respondem aos objetivos de negócio e que reduzem as áreas de risco da organização. Permite maior visibilidade relativamente à capacidade alcançada em cada área de processo individual. Fornece uma ordem de níveis de capacidade que é utilizada principalmente para a melhoria interna de uma organização e que raramente é comunicada para o exterior. Permite que a melhoria de diferentes processos seja realizada a diferentes velocidades. Representação por estágios Permite que as organizações disponham de um caminho de melhoria predefinido e com provas dadas (dados históricos). Coloca o enfoque num conjunto de processos que fornecem à organização uma capacidade específica caracterizada por cada nível de maturidade. Fornece uma ordem de níveis de maturidade que é utilizada frequentemente na comunicação interna de gestão, nas declarações externas e durante as aquisições como um meio de qualificar as propostas. Resume os resultados da melhoria dos processos de forma simples - num único nível de maturidade.

10 Reflete uma nova abordagem que ainda não tem dados históricos para demonstrar a sua ligação ao retorno do investimento (ROI). Permite a migração fácil do SECM - Systems Engineering Capability Model para o CMMI. Permite uma fácil comparação da melhoria de processos com a ISO/IEC 15504, uma vez que a organização das áreas de processo deriva desta norma. Assenta numa história relativamente longa de utilização que inclui casos de estudo e dados capazes de demonstrar o retorno do investimento (ROI). Permite a migração do SW-CMM para o CMMI. Permite a comparação com a ISO/IEC 15504, mas a organização das áreas de processo não corresponde à organização utilizada na norma. A representação contínua disponibiliza uma abordagem flexível à melhoria dos processos. Uma organização poderá optar por melhorar o desempenho de um único aspecto relacionado com um processo, ou poderá trabalhar em várias áreas alinhadas de forma estreita com os objectivos de negócio da organização. Esta representação também permite que uma organização melhore diferentes processos a velocidades variáveis. Existem, no entanto, algumas limitações no nível das escolhas da organização, devido às dependências entre algumas áreas de processo. A representação por estágios já não permite uma abordagem tão flexível como à representação contínua, no entanto simplifica a comparação entre as organizações que utilizam este modelo de representação, sendo o único que permite o reconhecimento por parte do SEI - Software Engineering Institute que uma organização se encontra num determinado nível de maturidade. Não existe uma representação melhor do que a outra. A decisão deverá pertencer à organização, que deverá escolher o modelo que melhor satisfaça as suas necessidades de melhoria de processo. PARTE IV - Gerenciamento de Projetos Já vimos os conceitos básicos e estrutura do CMMI, agora vamos ver os processos. Dentro do CMMI os processos podem ser agrupados de duas formas: 1 - Níveis de Maturidade (2 a 5) 2 - Categorias de Processos - vamos ver aqui as categorias que pertencem aos processos de Gerenciamento de Projetos. Teremos três processos de nível 2, quatro processos de nível 3 e um processo de nível 4. Oito processos, portanto sendo que os três primeiros do nível 2 são as Áreas Básicas do Gerenciamento de projetos, as duas últimas Áreas Avançadas. Veja a tabela resumo:

11 Categoria Maturidade Processos Objetivo Metas Específicas Comentários 1 Estabelecer estimativas Muito parecido com o grupo de processo (escopo, tempo, custo) de planejamento do PMBOK. Gestão de Projeto Nível 2 Áreas básicas do (PMC) Gerencimento do projeto Nível 3 *Planejamento de Projeto (PP) *Monitoramento e Controle de Projeto * Gestão de Acordo com o Fornecedor (Contratos) (SAM) * Gestão Integrada do Projeto Estabelecer e manter planos que definem as atividades do projeto Compreender o progresso do projeto para que ações corretivas possam ser tomadas quando o desempenho se desviar do plano. Gerenciar a aquisição de produtos de fornecedores dom os quais exista um contrato formal - Estabelecer e gereciar o projeto e o envolvimento das partes interessadas de acordo com o processo definido a partir do processo padrão da organização 2- Desenvolver o Plano do projeto 3 Obter compromisso com o projeto das partes interessadas. 1 Monitorar o projeto de acordo com o plano 2- Gerenciar ações corretivas até sua conclusão. Ou seja comparo executado com o planejado. 1 Estabelecer contratos com os fornecedores 2 Satisfazer contratos com fornecedores Não se fala no trabalho do fornecedor, aqui é apenas um foco geral, contratei e verifico se me entregou o produto. 1 Usar o processo definido para o projeto 2 Colaborar com as partes interessadas - Para IPPD esse processo inclui o 3 Usar uma visão estabelecimento de uma estrutura compartilhada para IPPD. de equipe e de uma visão Relação com o grupo de monitoramento e controle do PMBOK. Vou gerenciar meu projeto de acordo com o processo que é trazido da organização - Defino a estrutura, equipes, papéis.

12 compartilhada para intergração 4 Organizar equipes integradas para IPPD. Nível 4 * Gestão de Risco (RSKM) * Gestão Integrada de Fornecedores *Integração de Equipes * Gestão Quantitativa do Projeto (QPM) Identificar problemas potenciais antes que ocorram, para que eu possa mitigar esses riscos e portanto reduzir seu impato no projeto Identificar fontes de produtos que possam ser usados para atender aos requisitos do proejto e gerenciar fornecedores selecionados em uma relação cooperativa Formar e sustentar equipes integradas para o desenvolvimento de produtos Gerenciar quantitativamente o processo definido para o projeto alcançar metas estabelecidas de qualidade e desemplenho 1- Preparar o gerenciamento de riscos 2- Identificar e analisar riscos 3- Mitigar riscos 1 Analisar e selecionar fontes de produtos 2 Coordenar trabalho com fornecedores 1- Estabelecer a composição da equipe; 2- Governar a operação da equipe. 1 - Gerenciar quantitativamente o projeto 2- Gerenciar estatísticamente o desempenho de subprocessos. Aqui a abordagem é diferente do PMBOK, pois aqui o foco é problema (risco negativo), lá eram oportunidades, poderiam ser positivos. Entra quando agregamos a disciplina de gerencia de fornecedores. Aplicamos integralmente o conceito da gerência de aquisições do PMBOK (planejo a contratação, seleciono os fornecedores e administro o trabalho desses fornecedores. Processo opcional, só entra se eu selecionar a disciplina de IPPD. Lido com as pessoas diretamente, Este processo é o que vai gerenciar o projeto, pois baseado nas análises estatísticas as medidas de acompanhamento serão tomadas. O que é importante guardar na área de Gerenciamento de Projetos? quais são os processos a que nível de maturidade cada processo pertence que categoria pertencem quais são seus objetivos. Faremos abordagem semelhante para a próxima categoria: Gerenciamento de Processos. Até lá!

13 PARTE V No post anterior a parte IV vimos o Gerenciamento de PROJETOS, vamos iniciar agora com o Gerenciamento de PROCESSOS Gerenciamento de Processos só aparece no CMMI só no Nível 3: Foco no Processo Organizacional Definição do Processo Organizacional Treinamento Organizacional Vamos detalhá-los, sempre pelos objetivos e metas específicas de cada um, vamos lá: 1 Foco no processo organizacional Objetivo: estabelecer a capacidade de melhoria de processos, baseada na compreensão de pontos fortes e pontos fracos do processo padrão. META 1 Determinar as oportunidades de melhoria de processo META 2 Planejar e implementar as atividades de melhoria de processos. 2 Definição do Processo Organizacional (Onde de fato eu construo o meu padrão) Objetivo: Estabelecer e manter um conjunto útil de ativos dos processos organizacionais. O que são Ativos de Processos? São os artefatos relacionados à descrição, implementação e melhoria de processos (políticias, indicadores, descrições, ferramentas, etc.) META1 Estabelecer ativos de processos organizacionais 3 Treinamento Organizacional Objetivo: Desenvolver habilidades e conhecimentos das pessoas para que elas desempenhem seus papéis de forma eficiente e efetiva. META 1 Estabelecer a capacidade de treinamento, montar a estrutura de treinamento.

14 META 2 - Prover o treinamento necessário, o conhecimento certo para cada um exercer o seu papel. Vou evoluir para o Nível 4, preciso conhecer esse processo em termos quantitativos temos então teremos o 4 - Desempenho do Processo Organizacional Objetivo: Estabelecer e manter compreensão quantitativa do desempenho do processo padrão da organização e suportar a definição de objetivos quantitativos de desempenho e qualidade para o gerenciamento quantitativo dos projetos. GQP = onde eu vou ver onde o projeto esta ou não alcançando as suas metas. META 1 Estabelecer modelos e linhs de base de desempenho do processo, os meus parâmetros que retratam o desempenho. Evoluo para o Nível 5: 5 - Inovação e Implantação Organizacional Objetivo: Selecionar e implementar melhorias incrementais e inovações que melhorem de forma mensurável os processos e tecnologias da organização, em suporte aos objetivos do negócio. META 1 Selecionar melhorias META 2 Implementar melhorias Quando se fala em gerencia de processos, temos uma área bem reduzida, mas com grandes desafios. É importante entender a finalidade de cada processo então fica mais tranquilo compreender como ele se relaciona, OK? Lembram-se da tabela que postei na parte IV? Separação por nível, objetivos e metas. Faça a sua também para este processo! Próxima categoria: PROCESSOS DE ENGENHARIA Apenas um processo nível 2 e todos os outros o nível 3 Aqui sim temos os processos para engenharia de software de Sistemas, porque o conceito básico do CMMI é que só se alcança maturidade via GESTÃO, por isso no nível 2 temos apenas Gerencia de Requisitos que é o próprio Escopo. No nível 3 é que aparecem os demais requisitos de Engenharia. A lógica é, Engenharia só é requisito em um processo quando eu for definir um padrão.

15 Enquanto eu estiver no nível 2 o foco é gerenciar projetos individuais então o processo que eu estou utilizando de Engenharia não é tão importante. O importante é capacidade de gerenciar cada processo dentro de cada projeto. Já no nível 3 quando eu vou criar um padrão aí sim esse padrão tem que ser mais robusto e se incluem os requisitos da área de Engenharia. OK? Vamos ver quais são e entendê-los: 1- Gerenciamento de Requisitos Objetivo: Gerenciar os requisitos de produtos e componentes de produtos e identificar inconsistências entre esses requisitos e os planos de produtos do projeto. Isto é, garantir que o trabalho que eu faço está corente com os requisitos, ao escopo definido. META 1 Gerenciar requistos Indo para o nível 3 teremos: 2 Desenvolvimentos de Requisitos Cuidado com esta diferença entre os nomes (Gerenciamento e Desenvolvimento) e os níveis de cada um. Como vamos guardar? Nível 2 o foco é Gerenciar e só no nível 3 teremos o Desenvolvimento porque as atividades e Engenharia só aparecem no nível 3. Objetivo: Produzir e analisar requisitos de cliente, produto e componente de produto. O processo é sistemático para as metas serem alcançadas. META 1 Desenvolver requisitos de cliente META 2 - Desenvolver requisitos de produto Meta 3 Analisar e validar requisitos, para garantir que estejam completos. Muito bem, terminei a Engenharia de Requisitos, o CMMI coloca que o próximo processo é SOLUÇÃO TÉCNICA, que seráno item Solução Técnica A Análise, Projeto e Desenvolvimento tá tudo aqui dentro. Objetivo: Desenhar, Desenvolver e implementar as soluções (produtos, componentes e processos para atender os requisitos estabelecidos). META 1 Selecionar soluções de componentes do produto.

16 E por fim META 2 Desenvolver o desenho. 4 Integração de Protudos Objetivo: montar o produto a partir dos componenetes, garantir que o produto integrado funciona adequadamente e entregar o produto para o cliente. É o final da cadeia. META 1 preparar a integração de produto META 2 Assegurar a compatibilidade de interfaces. Como um quebra cabeça, uma vez que vários componentes foram desenvolvidos, precisam agora se juntar. META 3 Montar os componentes do produto e entregar o produto. Além desses que formam por assim dizer a cadeia produtiva de Engenharia de Sistemas temos dois outros processos que também são do nível 3 que vão focar na Qualidade. 5 Verificação 6 - Validação Objetivo: assegurar que os produtos atendem aos requisitos especificados, ou seja, podemos fazer uma associação com o conceito de Teste. META 1 Preparar a verificação META 2 Realizar revisão por pares (um faz o outro revisa) META 3 Verificar produtos selecionados (componentes que precisam ser testados, não precisa ser todos). Objetivo: demonstrar que o produto ou componente atende ao seu objetivo esperado quando colocado no ambiente esperado é que tradicionamente chamamos de homologação. META 1 preparar a validação META 2- Validar produtos ou componentes.

17 Lembram-se da prova da APEX/2009 estes dois conceitos foram cobrados, assim mesmo, apenas a diferença entre Validar e Verificar com uma sopa de letrinhas. Muito bem, podemos dizer que esses processos de Engenharia eles funcionam num fluxo, diferentemente dos demais, ou seja: GERENCIAMENTO DE REQUISITOS É aqui o início para Desenvolvimento de Requisitos Solução Técnica (construir componentes a partir dos requisitos) Integração de Produtos e por fim dando sustenção os dois processos: Verificação e Validação. Então até temos aqui os 6 processos da categoria de Engenharia. No próximo post teremos o último que é Processo de Suporte e fecharemos o assunto CMMI, ok? GERENCIAMENTO DE REQUISITOS Desenvolvimento de Requisitos Solução Técnica (construir componentes a partir dos requisitos) Integração de Produtos Verificação e Validação PARTE VI Vamos ver a última categoria de processos que está faltando do CMMI para fecharmos este assunto, que á categoria de SUPORTE. São aqueles que vão dar apoio aos processos de Gerente de Processos, Gerencia de Projeto e Engenharia. Por isso recebem este nome processos de SUPORTE, são processos absolutamente acessórios aos demais.

18 Temos dois processos nível 2, mais dois processos nível 3 e um processo nível 5: Processo do Nível 2 Gerenciamento de Configuração Garantia de Qualidade de Processo e Produto Medição e Análise Processo do Nivel 3 Análise e Solução de Decisões Ambiente Organizacional para Integração Processo do Nível 5 Análise e Solução de Causas Vamos entedente em detalhes: 1 - Gerenciamento de Configuração No PMBOK dentro os processos controle integrado de mudanças no PMBOK, tínhamos a exigência de um sistema de gerencia de configuração. Aqui no CMMI a lógica se inverte o CMMI, define o processo Gerencia de Configuração e diz como meta da gerencia de configuração eu vou rastrear e controlar mudanças. Na prática quer dizer eu vou controlar mudanças e eu preciso fazer gestão de configuração. Objetivo: Estabelecer e manter a integridade de produtos por meio da identificação, controle e auditora da configuração. Então lá no PMBOK temos Controle Integrado de mudanças, no CMMI é a Gerencia de Configuração, no processo nível 2, enfase em gerencia de projetos. Meta 1- Estabelecer linhas de base Meta 2- Rastrear e controlar mudanças Meta 3 Estabelecer integridade 2 Garantia de Qualidade de Processo e Produto O nome não poderia ser mais claro, quer dizer eu vou querer verificar a qualidade do Processo que eu estou utilizando e a qualidade dos produtos que estão sendo gereados.

19 Objetivo: Prover a gerencia com visão objetiva sobre os processos e produtos associados. Meta 1 Avaliar objetivamente processos e produtos Meta 2 Prover visão objetiva 3 Medição e Análise Processo que vai se preocupar em estabelecer minha capacidade de mensuaração, capacidade de coletar informações sobre os processos e entregá-las a quem precisa desta informação, para subsidiar a gestão. Objetivo: desenvolver e sustentar capacidade de mensuração usada para suportar as necessidades de informações gerenciais. Meta 1 Alinhar atividades de mensuração e análise Meta 2 Prover resultados das medições Agora nós temos mais outros dois processos de Nìvel 3: 1 - Análise e Solução de Decisões Esse junto com o gerenciamento de riscos é o responsável pela proatividade no nível 3, não é para apagar incêndio, pois existem critérios para se tomar decisão. Objetivo: Analisar possíveis decisões usando um processo formal de avaliação com critérios estaelecidos. Meta 1 Avaliar alternativas 2 Ambiente Organizacional para Integração Este é o processo que estava faltando de IPPD, o foco é dar a infraestrutura e dar a gestão necessária para que eu consiga de fato integrar as equipes. Objetivo: Prover a infraestrutura para a integração de pessoas no desenvolvimento integrado de produto e processo (IPPD). Meta 1 Prover infraestrutura de IPPD Meta 2 Gerenciar pessoas para integração Por fim nosso último processo, agora no nível 5: 1 Análise e Solução de Causas

20 O que se quer neste nível é melhoria sistemática de processos e produtos. Identificar e agir para que não ocorram novamente. Objetivo: Identificar causas de defeitos e outros problemas e tomar ações para prevenir sua recorrência. Meta 1 Determinar causas e defeitos Meta 2 Endereçar causas de defeitos Vamos resumir? No quadro abaixo temos um quadro onde nas colunas temos o nível de maturidade, nas linhas categoria de processos e nas células qual área de processo pertence a cada nível e maturidae e cada categoria de processos. Depois de estudar este material, você precisa ter absorvido os conceitos básicos: disicplina, área de processos, metas e práticas e as estruturas da representação contínua e por estágios. Além desses conceitos básicos, esse quadrinho deve ser totalmente internalizado, de tal forma que você consiga fazer outro sem olhar. Vamos tentar? Pense assim para começar seu estudo? Quais os níveis? Coloque nas colunas (azul) Quais as categorias? Coloque nas linhas (verde) E quais são os 25 processos e onde eles entram em cada células (cinza) Tendo esse quadro na cabeça e conceitos básicos de CMMI é fato que até hoje, 90% das questões de provas perguntam ou os conceitos, ou que área de processos pertence a qual categoria, ou qual é a finalidade ou objetivo de uma determinada área deprocesso. Enão é disso é o que precisamos para as provas! Vejam o quadro: Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 Engenharia Gerenciamento de requisitos Desenvolvimento de requisitos Solução técnica Integração do produto Verificação Validação

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Comentários de questões sobre COBIT na prova do CESPE. Olá servidores!

Comentários de questões sobre COBIT na prova do CESPE. Olá servidores! Comentários de questões sobre COBIT na prova do CESPE Olá servidores! Com o tão esperado edital do TCU vamos focar em resolução de exercícios e decidi compartilhar com vocês algumas questões. Preparados?

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

Integração dos Modelos de Gestão de TI

Integração dos Modelos de Gestão de TI Integração dos Modelos de Gestão de TI Olá servidores!! (Acredite você será!). Temos agora uma bateria com a integração dos modelos de gestão de TI, vamos rever o que vem sendo pedido? Ajeite-se na cadeira,

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Melhorias de Processos de Engenharia de Software

Melhorias de Processos de Engenharia de Software Melhorias de Processos de Engenharia de Software CMMI 1 Profa. Reane Franco Goulart O que é CMMI? O Capability Maturity Model Integration (CMMI) é uma abordagem de melhoria de processos que fornece às

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade VI GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Capability Maturity Model Integration CMMI SW-CMM (Software Capability Maturity Model): prove informações para o aprimoramento de processos de desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3 Objetivos Histórico Evolução da Qualidade Princípios de Deming CMMI Conceitos Vantagens Representações Detalhamento Gerenciamento Comparação Out/11 2 Histórico SW-CMM (Software Capability Maturity Model):

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, a primeira norma ambiental internacional do mundo tem ajudado milhares de

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina. Campus da Grande Florianópolis Pedra Branca. CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE ALUNO: Volnei A. Caetano Palhoça 02 de Junho de 2000 C.M.M. Capability

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Gerência de Projetos Oferece uma visão integrada de todos

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO INSTRUÇÕES

Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO INSTRUÇÕES P1-MPS.BR - Prova de Introdução ao MPS.BR Data: 21 de maio de 2007 Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA

ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA ITIL - Livros Estratégia de Serviços (Service Strategy): Esse livro

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Explorando as Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projeto Entendendo como Projetos Acontecem

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução Após décadas de incontáveis promessas sobre como aumentar à produtividade e qualidade de software,

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico V Transição de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto transição de serviço transição de serviço Objetivo: orientar e coordenar o desenvolvimento e a implantação

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Capability Maturity Model Integration - CMMI

Capability Maturity Model Integration - CMMI Capability Maturity Model Integration - CMMI Para Desenvolvimento Versão 1.2 M.Sc. Roberto Couto Lima ÍNDICE 1. Definição ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

CMMI: Capability Maturity Model Integration

CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model Integration Adriano J. Holanda http://holanda.xyz 21/10/2015 Adriano J. Holandahttp://holanda.xyz CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

MELHORIA DE SERVIÇO CONTINUADA ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Melhoria de Serviço

MELHORIA DE SERVIÇO CONTINUADA ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Melhoria de Serviço MELHORIA DE SERVIÇO CONTINUADA ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Melhoria de Serviço Melhorias continuas Proporcionar um Guia Prático para avaliar

Leia mais

Melhoria de Processos CMMi

Melhoria de Processos CMMi Melhoria de Processos CMMi Prof. Marcelo Maia 1 O que é o CMMI? Um modelo previamente comprovado de melhoria de processos na organização; Um framework para organizar e priorizar atividades de melhoria;

Leia mais

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães Agenda Contextualização da Qualidade Dificuldades na construção de software Possíveis soluções

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM Capability Maturity Model O que é o CMM? Modelo para avaliação da maturidade dos processos de software de uma organização Identificação das práticas chave

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelos de gerência CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelo de maturidade: CMM CMM (Capability Maturity Model) é um modelo subdividido em 5 estágios

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC O CTIC/UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação da Universidade Federal do Pará define neste documento sua Política Organizacional

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto

Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto 4. Gerenciamento de integração do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 4.1 Desenvolver o termo de abertura do projeto 4.2 Desenvolver

Leia mais