Curso de Engenharia da Computação CMM E PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Engenharia da Computação CMM E PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE"

Transcrição

1 Curso de Engenharia da Computação CMM E PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Cristiano Pereira Godoy Itatiba São Paulo Brasil Novembro de 2004

2 ii Curso de Engenharia da Computação CMM E PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Cristiano Pereira Godoy Monografia apresentada à disciplina Trabalho de Conclusão de Curso, do Curso de Engenharia da Computação da Universidade São Francisco, sob a orientação do Prof. Dr. Carlos Eduardo Camara, como exigência parcial para conclusão do curso de graduação. Orientador: Prof. Dr. Carlos Eduardo Camara Itatiba São Paulo Brasil Novembro de 2004

3 iii O presente exemplar da monografia CMM e Processo de Teste de Software contempla as correções sugeridas pela banca examinadora durante a apresentação do Trabalho de Conclusão de Curso. Itatiba/SP, 08 de Dezembro de 2004 Prof Dr Carlos Eduardo Camara - Orientador

4 iv CMM e Processo de Teste de Software Cristiano Pereira Godoy Monografia defendida e aprovada em 27 de Novembro de 2004 pela Banca Examinadora assim constituída: Prof Dr Carlos Eduardo Camara (Orientador) USF - Universidade São Francisco - Itatiba - SP. Prof Mestre Sidney Piu de Campos USF - Universidade São Francisco - Itatiba - SP Prof Raimundo Cláudio de Vasconcelos USF - Universidade São Francisco - Itatiba - SP

5 v Agradecimentos Agradeço primeiramente ao Professor Carlos Eduardo Camara, meu orientador, que acreditou em mim e incentivou-me para a conclusão deste trabalho, face aos inúmeros percalços do trajeto. Agradeço também à Analista de Teste do CPqD (Centro de Pesquisas e Desenvolvimento), hoje atual namorada, companheira de percurso e de discussões profícuas, dentro e fora do contexto deste trabalho, agraciando-me incontáveis vezes com sua paciência e conhecimento. Alguns experimentos e vários entendimentos não teriam sido possíveis sem a colaboração de Reginaldo Pereira de Souza e José Rubens Garros Parra, por isso não posso deixar de agradecê-los também. Eu agradeço fraternalmente a todos.

6 vi Sumário Lista de Figuras... vii Lista de Tabelas... viii Resumo... ix 1 Introdução CMM (Capability Maturity Model) Nível 1 Inicial Nível 2 Repetível Nível 3 Definido Nível 4 Gerenciado Nível 5 Otimizado Conceito de Teste Formas Básicas de um Teste Verificação Validação Métodos Fundamentais de Teste Estágios dos Testes de Validação Teste de Unidade Teste de Integração Teste de Usabilidade Teste Funcional Teste de Sistema Teste de Aceitação Processo de Desenvolvimento x Estágios de Teste Concepção do Processo de Teste - Cmm nivel Fluxo de Atividades do Processo de Teste Solicitação Planejamento Projeto Preparação de Ambiente Execução Avaliação Conclusão Contribuições Extensões Referências Bibliográficas... 24

7 vii Lista de Figuras FIGURA 2.1 NÍVEIS DO MODELO CMM... 3 FIGURA 3.1 RELAÇÃO ENTRE PROCESSO DE SOFTWARE E TESTE FIGURA 4.1 FLUXO GERAL DAS ATIVIDADES DE TESTE FIGURA 4.2 ATIVIDADE DE SOLICITAÇÃO DE TESTE FIGURA ATIVIDADE DE PLANEJAMENTO DE TESTE FIGURA ATIVIDADE DE PROJEÇÃO DE TESTE FIGURA 4.5 ATIVIDADE DE PREPARAÇÃO DE AMBIENTE DE TESTE FIGURA 4.6 ATIVIDADE DE EXECUÇÃO DE TESTE FIGURA 4.7 ATIVIDADE DE AVALIAÇÃO DE TESTE... 22

8 viii Lista de Tabelas TABELA 3-1 CATEGORIAS DE TESTE DE SISTEMA TABELA 3-2 CATEGORIAS DE TESTE DE ACEITAÇÃO... 13

9 ix Resumo Esta monografia tem como objetivo principal, descrever um Processo de Teste de Software, utilizando praticas de Nível 3 do modelo de qualidade de software CMU/SEI-CMM Carnegie Mellon University/ Software Engineering Institute-Capability Maturity Model, também conhecido como CMM. Este processo é definido como um fluxo de atividades, onde cada uma possui um conjunto de entradas e saídas necessárias para a sua realização, tarefas a serem realizadas e responsabilidades, e tem como objetivo melhorar a qualidade do software produzido. No entanto, para tal definição é necessário ter o conhecimento do conceito de teste de software com algumas formas básicas, métodos e estágios do teste, além do conhecimento do modelo de qualidade de software CMM.

10 1 1 INTRODUÇÃO Nos últimos tempos a preocupação com a qualidade de software está se tornando cada vez maior em função do grande volume de software produzido atualmente e a exigência cada vez maior de seus usuários para que produza os resultados esperados sem erros ou falhos. A qualidade de software e o teste de software são considerados áreas de conhecimento da Engenharia de Software. Estas áreas têm recebido crescente atenção em função do grande volume de software que é produzido na atualidade[6]. Em função dos altos custos e da grande quantidade de tempo exigida pelas atividades de teste, estas atividades muitas vezes são negligenciadas ou reduzidas e, conseqüentemente, é comum a entrega do software para seu usuário com a presença de defeitos não revelados. Como parte da preocupação pela melhoria da qualidade do software (tanto do produto como do processo), muitas metodologias e técnicas têm sido desenvolvidas ao longo dos anos. O teste de software contribui para a melhoria da qualidade do software produzido na empresa, sendo considerada uma atividade essencial para ascensão ao nível 3 (três) do Modelo CMM (Capability Maturity Model), que é um modelo que permite avaliar a maturidade organizacional de uma empresa de software, tendo como foco o processo de software[4]. Na seção 2 (dois) será abordado o modelo CMM, um modelo de para medir a maturidade de uma empresa juntamente com seus níveis. Na seção 3 (três) será mostrado um pouco de teoria de Teste, como definição de teste, algumas formas, métodos e estágios de testes. Na seção 4 (quatro) quatro será apresentado uma concepção de um processo de teste, com suas atividades, seus critérios de entradas e saídas do inicio ao final do processo.

11 2 2 CMM (CAPABILITY MATURITY MODEL) Na década de 90, iniciou-se um movimento de entendimento e solução de problemas crônicos que afetam a indústria de software, principalmente os relacionados a não cumprimento de prazos, orçamentos e funcionalidades requeridas em seus produtos. Foi reconhecido que vários desses problemas estariam baseados no fato da construção de software estar sendo conduzida por métodos improvisados e de maneira artesanal, muitas vezes, mais dependente do talento profissional e de esforços heróicos individuais, do que de processos formais orientados ao gerenciamento e à engenharia de software[4]. O CMM é uma iniciativa do SEI (Software Engineering Institute) para avaliar e melhorar a capacitação de empresas que produzem software. O projeto CMM foi apoiado pelo Departamento de Defesa do governo dos Estados Unidos (DOD), que é um grande consumidor de software e precisava de um modelo formal que permitisse selecionar os seus fornecedores de software de forma adequada. Embora não seja uma norma emitida por uma instituição internacional como a ISO ou o IEEE, este modelo tem tido uma grande aceitação mundial. O CMM é um guia designado a ajudar as organizações de software a selecionar estratégias de melhoria de processos[3]. O objetivo deste modelo é que o processo de software possa ser repetido, controlado e medido e estabelecer uma compreensão comum entre clientes e a equipe de desenvolvimento de software sobre a necessidade dos clientes, o CMM leva a organização em direção a uma visão integrada onde as necessidades técnicas devem ser mantidas consistentes com as atividades desenvolvidas e com o planejamento do projeto. Para efetuar este processo, os requisitos do software devem ser documentados e revistos pelos gerentes de software e grupos afetados, incluindo representantes dos clientes e da comunidade de usuários. O modelo auxilia as organizações a implementarem um processo de melhoria gradativa, baseado em níveis de maturidade. O termo maturidade está associado ao grau de conhecimento, controle e sistemática de execução de um processo de software atingido por uma organização[3]. O CMM se divide nos seguintes níveis como mostra a figura 2.1:

12 3 processo em melhoria contínua Em otimização (5) processo previsível Gerenciado (4) processo disciplinado pouco controlado processo Definido (3) padronizado Repetível (2) Inicial (1) Figura 2.1 Níveis do Modelo CMM[4] Cada nível especifica um conjunto de processos que devem ser estabelecidos para se atingir a maturidade correspondente ao nível. Adicionalmente, cada nível serve de base para o estabelecimento dos processos do nível seguinte. Os cinco níveis do CMM são organizados em áreas chave (KPA). Ao todo, o modelo possui 18 áreas chave[2]. Cada área chave possui 5 características comuns: Compromisso em realizar Capacidade de realizar Atividades realizadas Medição e Análise Verificação da Implementação Cada área chave possui práticas chaves (KP). Ao todo, o modelo possui 316 práticaschave. As áreas chave do processo constituem a primeira divisão sistemática dentro dos níveis de maturidade de uma organização. Esses grupos de atividades, quando executadas em conjunto, satisfazem um conjunto de metas relevantes para a melhoria da capacitação do processo. O CMM considera cada área chave um processo particular[2].

13 4 Os níveis de maturidade descrevem os problemas mais predominantes daquele nível. Uma organização migra de um nível a outro sempre que consegue operacionalizar todas as áreas-chave específicas de um nível. 2.1 Nível 1 Inicial O desenvolvimento normalmente é caótico e dependente de esforços heróicos individuais. Não existem planos realistas de projeto, estimativas de custos, normas, procedimentos, padrões, documentação e controle que permitam ao gerente e à administração sênior conhecerem a situação do projeto, identificarem riscos, problemas e agirem preventiva ou corretivamente. Desvios não são tratados a tempo ocorrendo problemas freqüentes com relação a prazos, orçamentos, qualidade ou funcionalidades do produto de software [4]. Visibilidade do processo[1]: Estágios das atividades mal definidos; Dificuldade de visualizar e gerenciar o progresso e as atividades do projeto; Os requisitos fluem no processo de uma forma não controlada e há um produto resultante; O cliente somente verifica se os seus requisitos foram atendidos na entrega do produto. Áreas-chave de Processo: Este nível não possui áreas-chave de processos. 2.2 Nível 2 Repetível A organização programa controles básicos de gerenciamento de projetos, incluindo administração de requisitos, planejamento e acompanhamento do projeto de software. Adicionalmente, estabelece-se uma área de qualidade (SQA - Software Quality Assurance) para verificar ativamente a conformidade da aplicação de normas, padrões e procedimentos na condução de projetos. Aspectos como sub-contratação de terceiros, bem como gerenciamento de produtos e subprodutos resultantes dos projetos (SCM - Software Configuration Management), também são considerados no nível 2 do CMM. Ao atingir esse nível, a organização de software estará em melhores condições de controlar projetos,

14 5 gerenciar expectativas de clientes, estimar prazos e custos e assegurar a qualidade de seus produtos finais. [4] Visibilidade do processo[1]: As atividades, medições, pontos e verificação estão definidos; Requisitos do cliente e produtos do trabalho são controlados; É possível medir qualidade, custo e cronograma; O processo de desenvolvimento de software permite o gerenciamento entre pontos de transição ( milestones ); O cliente pode analisar o produto durante o processo de software ( Checkpoints ); Existem mecanismos formais para a correção de desvios; Os processos pertencem aos projetos e não às pessoas. Áreas chave de Processo[1]: RM Gerência de Requisitos SPP Planejamento de Projeto de Software SPTO Acompanhamento e Supervisão do projeto de Software SSM Gerenciamento de subcontratado de software SQA Garantia da qualidade de software SCM Gerência da configuração de software 2.3 Nível 3 Definido Nesse nível, é estabelecido um processo de desenvolvimento de software, notadamente baseado em uma metodologia de trabalho com ciclo de vida definido, técnicas e ferramentas apropriadas. Cria-se o grupo SEPG Sofware Engeneering Process Group, que será a equipe de trabalho responsável por estudar e implementar processos cada vez mais otimizados. No nível 3, temos a implementação de controles qualitativos do processo de software[4]. Visibilidade do processo[1]:

15 6 As atividades no processo definido de projeto de software são visíveis; Os processos utilizados estão estabelecidos e padronizados em toda a organização; Como estão estáveis, os processos podem ser medidos quantitativamente; Gerentes e engenheiros entendem suas atividades e responsabilidades no processo; Gerenciamento preparado pró-ativamente para possíveis riscos; O cliente pode obter status atualizado, rapidamente e corretamente, com detalhe entre as atividades; Os processos pertencem agora à organização e não aos projetos. Áreas chave de Processo[1]: OPF Foco no processo da organização OPD Definição do processo da organização TP Programa de treinamento ISM Gerência Integrada de Software SPE Engenharia de Produto de Software IC Coordenação entre grupos PR Revisões técnicas formais 2.4 Nível 4 Gerenciado A organização implementa métricas para medir características específicas dos produtos de software. São definidas e implementadas maneiras de se coletar, armazenar e analisar dados que servirão de base para melhorias específicas nos processos e produtos. Os controles passam a ser também quantitativo com relação à qualidade dos produtos e a eficiência do processo[4]. Visibilidade do processo[1]: Medidas de qualidade e produtividade são coletadas em todos os projetos; Gerentes possuem uma base de dados para tomadas de decisões; A habilidade de prever resultados é maior e a variabilidade do processo é menor;

16 7 O cliente pode estabelecer um entendimento quantitativo da capacidade do processo e riscos antes do projeto iniciar; Áreas chave de Processo[1]: QPM Gestão quantitativa dos processos SQM Gestão da qualidade de software 2.5 Nível 5 Otimizado A organização implementa meios automáticos para coletar dados sobre métricas visando prevenir a ocorrência futura de problemas e ineficiências. Enquanto os dados coletados no nível 4 possam informar, por exemplo, erros existentes em determinadas porções do software, os dados coletados no nível 5 servirão para otimizar o processo de desenvolvimento como um todo. O enfoque IDEAL é proposto pelo SEI para o ciclo de melhoria do processo de software baseado na iniciação dos esforços de melhoria, diagnóstico do processo de software, estabelecimento de mecanismos para melhoria do processo, ação para implementar as melhorias e nivelamento do processo por toda a organização[4]. Visibilidade do processo[1]: Melhoria contínua do processo objetivando produtividade e qualidade; Gerentes são aptos a estimar e monitorar a eficácia das mudanças; Forte relação de parceria com o cliente. Áreas chave de Processo[1]: DP Prevenção de não-conformidades TCM Gestão de Mudança Tecnológica PCM Gestão de Mudança do Processo

17 8 3 CONCEITO DE TESTE Teste é o processo de executar um programa com o objetivo de revelar a presença de erros e contribui para aumentar a confiança de que o software desempenha as funções especificadas[7]. 3.1 Formas Básicas de um Teste Existem duas formas de se testar um software, de acordo com o momento do processo de software em que o teste será realizado que são: Verificação e Validação[6] Verificação Trata-se de um processo de avaliação dos documentos e informações coletadas nas primeiras fases do processo de desenvolvimento do software devendo ser aplicado a todos os produtos produzidos em cada fase, evitando que os problemas migrem de uma fase para a outra, ou seja, é o processo de avaliar um software para determinar se o produto de uma dada fase de desenvolvimento satisfaz às condições impostas no inicio dessa dada fase. Não envolve em nenhum momento a execução do software no computador. A verificação garante que o software implementa corretamente uma função específica, ou seja, O produto esta sendo desenvolvido de maneira certa? [6] Validação Trata-se de um processo de avaliação de um sistema ou componente durante o seu processo de desenvolvimento ou no final, tendo o objetivo de comprovar se ele está de acordo com os requisitos e especificações realizadas e validadas pelas fases iniciais do projeto, ou seja, é o processo de avaliar um software, durante ou após o processo de desenvolvimento, para determinar se ele satisfaz aos requisitos especificado. A validação garante que o software que foi construído é adequado aos requisitos do cliente, ou seja, O produto certo foi desenvolvido? [6].

18 9 3.2 Métodos Fundamentais de Teste Existe enfoque diferente para categorizarem-se os teste de software e os conceitos divergem entre as pessoas. Do ponto de vista de quem testa, da cobertura, dos riscos, de como os testes estão sendo feitos e dos fornecedores de ferramentas pode-se encontrar diferentes abordagens, mas basicamente podem-se destacar os três métodos abaixo: Método da Caixa Branca - tem por objetivo determinar defeitos na estrutura interna do produto, através de testes que exercitem suficientemente os possíveis caminhos de execução. Requer conhecimento e acesso às estruturas internas do software em desenvolvimento, sendo considerado por alguns autores como teste estrutural. Os testes feitos pelos programadores nos seus códigos são normalmente caixas brancas[7]. Métodos da Caixa Preta - tem por objetivo determinar se os requisitos foram totais ou parcialmente satisfeitos pelo produto. Não verifica como ocorre o processamento apenas os resultados produzidos e não requer conhecimento interno do sistema apenas conhecimento dos requisitos do negócio. É considerado por alguns autores como teste funcional. Os testes feitos pelos usuários do sistema são normalmente caixas pretas[4]. Método da Caixa Cinza - utiliza o método da caixa preta, mas se baseia no conhecimento do funcionamento do software para a construção dos casos de teste.poderia ser exemplificado como um programador testando o seu código (caixa branca), mas avaliando a funcionalidade (caixa preta) ou vice-versa. 3.3 Estágios dos Testes de Validação Os métodos ou técnicas de teste (caixa branca, preta e cinza) devem ser utilizados em conjunto, organizados em estágios (também chamados de fases ou estratégias de teste) estabelecendo como, em que ordem e quem realizarão cada tarefa. Uma estratégia de teste de software integra técnicas de projeto de casos de teste em uma série bem definida de passos que resultam na construção bem sucedida do software [4]. Abaixo será descrito cada estágio do processo de Validação.

19 Teste de Unidade Concentra-se em cada unidade (ou módulo) do software, de acordo com o que é implementado no código-fonte, podendo ser realizado em paralelo para vários módulos. Uma unidade pode ser uma classe ou um conjunto de classes correlatas. Os testes de unidade são geralmente de caixa branca[6] Teste de Integração Concentra-se no projeto e na construção da arquitetura do software, identificando os erros associados às interfaces entre os módulos do software. As unidades que foram testadas separadamente são testadas de forma integrada. Os testes de integração geralmente misturam teste de caixa branca e de caixa preta[7] Teste de Usabilidade Este teste é aplicado várias vezes no processo de desenvolvimento do software, sendo responsável pela interação antecipada do usuário com o software em desenvolvimento, através de desenhos, protótipos ou produtos semi-acabados. Apesar desse tipo de teste ser iniciado na fase de verificação, é considerado uma atividade de validação, pois requer interação do usuário final com o produto acabado[7] Teste Funcional Tem o objetivo de detectar erros entre as especificações funcionais do software e seu atual comportamento. Nesta fase, o software já está totalmente produzido, não sendo necessário o conhecimento das estruturas internas do projeto. São realizados testes de validação de alto nível, se utilizado o Método da Caixa preta. Esses testes devem ser feitos por um grupo independente do desenvolvimento para aumentar a eficiência dos testes a serem aplicados[7] Teste de Sistema O software e outros elementos do sistema são testados como um todo, tendo como meta encontrar erros de comportamento do software em relação aos requisitos e objetivos originalmente especificados. O planejamento deste teste não é uma tarefa fácil, pois não existe um método genérico aplicável em qualquer situação. Uma forma para organizar os teste é relacioná-los em categorias, com objetivos bem definidos e distintos[6]. Os testes de sistemas podem ser subdivididos em categorias como mostra tabela 3.1.

20 11 Funcionais Não- Funcionais Categorias de Testes de Sistemas Utilizam o método caixa preta e têm como objetivo encontrar erros em relação às regras de negócio, aos requisitos e às funcionalidades da aplicação. Estresse Objetivo: Determinar o limite máximo de picos de carga que o software poderá suportar. Confronta o sistema com situação anormais de uso. Condições: Elevação momentânea de parâmetros chave do software como taxa de erros, volume transações, número de usuários simultâneos e combinações destes. Comentários:Trata-se de um tipo de teste fundamental. Carga Objetivos: Determinar o limite máximo de carga que o /Volume software poderá suportar. Condições: Ao contrário de teste de carga/estresse, esse tipo de teste não focaliza situações de pico, mas o aumento contínuo das condições de carga. Configuração Objetivos: Determinar configurações de software hardware, previstas na especificação de requisitos, em que o software não opera de forma adequada. Condições: Produto deve ser testado com todos os softwares e hardwares especificados nos requisitos. Compatibilidade Objetivos: Determinar as áreas em que o software apresenta incompatibilidade, especialmente quando se planeja realizar convenções. Uma situação típica em que isto ocorre é a mudança de versão de ambiente. Condições: Deve-se verificar a compatibilidade entre interfaces de hardware e software de diversas situações. Segurança Objetivos: Detectar formas de quebra de segurança do software. Condições: Validar todas as condições de segurança definidas nos requisitos. Performance Objetivos: Determinar se o desempenho em situações normais e de pico está consistente com os requisitos de

21 12 desempenho especificados. Condições: Medição das taxas de transação e tempos de resposta típicos e comparação com os valores especificados. Comentários: Este depende da especificação dos atributos de desempenho que são difíceis de estimar. Dados baseados em versões anteriores ou protótipos são fundamentais se tais metas são factíveis. Omitir estas informações é altamente indesejável. Instabilidade Objetivos: Determinar se os procedimentos de instalação geram erros. Condições: Devem-se executar as instruções de instalações em ambientais simulados (Laboratório de teste) ou reais, verificando se estas estão claras e completas, observando os resultados produzidos. Comentários: Recomenda-se que este seja executado, por usuários típicos. Confiabilidade/ Objetivos: Determinar as medidas de confiabilidade e Disponibilidade disponibilidade quando o software estiver operando com cargas típicas. Condições: Esse tipo de teste geralmente envolve a operação de software por longos períodos para que se possa medir o grau de confiabilidade e disponibilidade. Comentários: Geralmente é obtida a execução de outros testes de sistema. Recuperação Objetivos: Determinar o comportamento do software após ocorrência de um erro ou outras condições anormais. Condições: Geralmente são obtidos durante a execução de outros testes de Sistema. Comentários: Testar o tempo máximo estabelecido para recuperação de falhas.

22 13 Manutenibilidade Objetivos: Identificar situações em que, dada uma situação de erro do software, informações, documentações, e facilidades de manutenção não estejam disponíveis ou suficientes para a equipe de suporte. Condições: Devem-se provocar erros mais comuns do software e analisar a informação fornecida e o comportamento do sistema. Tabela 3-1 Categorias de Teste de Sistema Teste de Aceitação Tem por objetivo permitir ao cliente e/ou usuário final executar o software já finalizado. É aplicado após os testes de usabilidade, funcionalidade e o de sistemas. A tabela 3.2 lista as categorias de Teste de Aceitação. Categorias de Testes de Aceitação Teste Alpha Quando os clientes são convidados a operar o software em um ambiente simulado no fornecedor. Teste Beta É realizado por alguns clientes selecionados em seu próprio ambiente. Teste de Progressão São elaborados de acordo com a evolução do produto. Na medida em que o software ganha novas funcionalidades, um novo conjunto de testes deve ser criado. Todos os casos de testes nascem como testes de progressão e acabam tornando-se posteriormente testes de regressão durante o ciclo de vida do produto. Teste de Regressão Re-execução total ou parcial de testes previamente executados após uma manutenção corretiva ou evolutiva. Tabela 3-2 Categorias de Teste de Aceitação

23 Processo de Desenvolvimento x Estágios de Teste Cada estágio dos testes de validação é aplicado em um determinado momento do processo de desenvolvimento. Na figura 3.1 apresentamos a relação entre o Processo de Desenvolvimento e os Estágios dos Testes de Validação. Engenharia do Sistema Teste de Sistema Especificação de Requisitos Teste de Validação Projeto Teste de Integração Código Teste de Unidade Figura 3.1 Relação entre Processo de Software e Teste[7] O processo de teste inicia com os testes unitários, que visam verificar se cada módulo ou unidade satisfaz à sua especificação. Após testar separadamente cada módulo, estes são agrupados para compor os subsistemas, conforme a arquitetura do sistema definida na fase de projeto, sendo esta a fase de teste de integração; o objetivo destes testes é mais encontrar falhas de interfaceamento entre os módulos e subsistemas. Os testes de validação visam determinar se o software satisfaz aos requisitos especificados na fase de Análise/ Especificação de Requisitos e os testes de sistema visam exercitar o sistema como um todo, incorporando todos os componentes para determinar se o sistema completo satisfaz à sua especificação.

24 15 4 CONCEPÇÃO DO PROCESSO DE TESTE - CMM NIVEL 3 O Processo de Testes está organizado em atividades, onde cada uma possui um conjunto de entradas e saídas necessárias para a sua realização, tarefas a serem realizadas e responsabilidades. O Processo de Testes diz respeito à organização dos testes para o projeto do sistema, onde as atividades se iniciam em paralelo ao planejamento do projeto, seguindo um modelo iterativo e incremental. O Processo de Testes que está sendo definido diz respeito à organização das atividades de testes de sistemas de software, sendo executados inclusive por uma equipe de testes independente da equipe de desenvolvimento (Equipe de Teste). 4.1 Fluxo de Atividades do Processo de Teste Neste item será abordada cada atividade especifica do processo de teste, juntamente com seus objetivos, tarefas, entradas, saídas e responsáveis. A figura 4.1 mostra o fluxo geral das atividades do processo.

25 16 Início do Processo Solicitar Teste de Software Planejar Teste de Software Projetar Teste de software Preparar Ambiente de Teste Executar Teste de Software Avaliar Teste de Software Fim do Processo Figura 4.1 Fluxo Geral das Atividades de Teste Solicitação As atividades de testes se iniciam a partir de uma solicitação formal, feita por , por exemplo, pela área técnica ou equipe de desenvolvimento do projeto de acordo com a figura 4.2. Objetivo: Iniciar demanda para realização dos testes. Tarefa: Solicitar a necessidade de realização de teste. Entrada: Solicitação de Teste. Saída: Inicio das Atividades de Teste. Responsável: Área Técnica.

26 17 de Solicitação Área Técnica Solicitar Teste de Software Figura 4.2 Atividade de Solicitação de Teste Planejamento A partir da solicitação de testes, é feito um planejamento em conjunto com a área técnica responsável pelo sistema para atender os objetivos do produto a ser testado ( software, sistema ou componentes), definir o que vai ser testado (escopo dos testes), quem vai testar, quando serão realizados os testes, e os recursos necessários. Esta atividade prevê a elaboração de um documento chamado de Plano de Testes de Software, que terá como insumos alguns artefatos de especificação de requisitos. A figura 4.3 irá ilustrar o que foi descrito. Objetivo: Entender os objetivos do produto a ser testado e prever recursos necessários para a realização dos testes. Tarefa: Definir os item a serem testados a partir dos requisitos do projeto; Definir os tipos de testes a serem realizados e a necessidade de utilização de ferramentas de apoio; Definir condições de completeza dos testes (itens a serem testados e grau de cobertura por item); Definir condições termino dos testes; Definir recursos necessários para os testes (software, hardware, pessoas); Definir cronograma das atividades. Entrada: Requisitos do Projeto, para este processo será adotado que minimamente existam três documentos de requisitos, que são: Documento de Requisitos Suplementar, Documento de Caso de Uso e Documento de Requisitos Funcionais. Saída: Plano de Teste de Software. Responsável: Equipe de Teste de Software.

27 18 Documento de Requisitos Suplementar Documento de Caso de Uso Documento de Requisito Funcional Outros Documentos (se aplicável) Plano de Teste de Software Equipe de Teste Planejar Teste Figura Atividade de Planejamento de Teste Projeto Após o planejamento, a bateria de teste deve ser definida. Para tal os casos de teste e os procedimentos de teste são definidos, juntamente com a ordem de execução dos mesmos e são selecionados artefatos de teste de outros projetos que possam ser reaproveitados. Os casos de teste contêm valores de entrada e valores de saída esperados para cada instância de teste e as pré-condições necessárias para que o caso de teste possa ser executado. Os valores de entrada são escolhidos de acordo com critérios que maximizam a cobertura dos testes. Os casos de teste serão descritos em um documento chamado Especificação de Teste de Software. Os procedimentos de teste contem uma seqüência de passos a serem executados para a realização de um conjunto de testes semelhantes. Cada procedimento de teste corresponde a um roteiro para: instalação da aplicação a ser testada, instalação de ferramentas de apoio, realização de um caso de uso (teste funcional), scripts de teste (no caso de utilização de ferramentas de automação de testes). Os procedimentos de teste serão descritos em um documento chamado Procedimentos de Teste de Software. A figura 4.4 irá ilustrar o que foi descrito. Objetivo: Definir bateria de Teste, estabelecendo os procedimentos de teste, os casos de teste e a ordem de execução dos mesmos. Define-se como fazer. Tarefa: Definir bateria de testes estabelecendo: os objetivos dos testes e pré-condições necessárias para que o caso de teste possa ser executados; Especificar os Procedimentos de teste; Especificar os Casos de teste.

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Verificação x validação Verificação prova que o produto vai ao encontro dos requerimentos especificados no desenvolvimento

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade VI GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Capability Maturity Model Integration CMMI SW-CMM (Software Capability Maturity Model): prove informações para o aprimoramento de processos de desenvolvimento

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software 167 Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software Josiane Banov Russo 1, Ettore Bresciani Filho 2 1 Gerente da Qualidade Instituto de Pesquisas Eldorado Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 118,5

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Análise de Pontos por Função

Análise de Pontos por Função Análise de Pontos por Função Uma Aplicação na Gerência de Subcontratação de Software Claudia Hazan, MSc. Certified Function Point Specialist Agenda! Introdução à Gerência de Subcontratação! Melhores Práticas:!

Leia mais

UNIP Ciência da Computação / Sistemas de Informação TED I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos

UNIP Ciência da Computação / Sistemas de Informação TED I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos A seguir, orientações fundamentais para a elaboração dos documentos do projeto, tendo em vista a complexidade inerente neste processo. Este roteiro

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

PROFESSOR: CRISTIANO MARIOTTI

PROFESSOR: CRISTIANO MARIOTTI PROFESSOR: CRISTIANO MARIOTTI Conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto de software; Considerado um dos principais mecanismos para se obter software de qualidade

Leia mais

Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model

Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

CMM. Práticas de Gerência de Configuração

CMM. Práticas de Gerência de Configuração REGINALDO PEREIRA DE SOUZA CMM Práticas de Gerência de Configuração Universidade São Francisco Itatiba 2004 ii REGINALDO PEREIRA DE SOUZA CMM Práticas de Gerência de Configuração Pesquisa desenvolvida

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina. Campus da Grande Florianópolis Pedra Branca. CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE ALUNO: Volnei A. Caetano Palhoça 02 de Junho de 2000 C.M.M. Capability

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1 Qualidade Plácido A. S. Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de Projetos Agenda Introdução

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL v.3

Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame simulado B, versão 3.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Não existem perguntas capciosas.

Leia mais

Capability Maturity Model Integration - CMMI

Capability Maturity Model Integration - CMMI Capability Maturity Model Integration - CMMI Para Desenvolvimento Versão 1.2 M.Sc. Roberto Couto Lima ÍNDICE 1. Definição ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 8 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 8-17/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software (Caps. 13 e 14 do

Leia mais

Extreme Programming e Qualidade de Software

Extreme Programming e Qualidade de Software Extreme Programming e Qualidade de Software Antonio Sergio Ferreira Bonato Departamento de Sistemas Digitais Escola Politécnica da USP Objetivo (I) mostrar que o uso de um processo de desenvolvimento de

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM Capability Maturity Model O que é o CMM? Modelo para avaliação da maturidade dos processos de software de uma organização Identificação das práticas chave

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

Atividade da gerência da qualidade

Atividade da gerência da qualidade O que é qualidade de software? Qualidade, de forma simplista, significa que o produto deve esta de acordo com a especificação. Problemas: Tensão entre requisitos do cliente: Eficiência, confiança, etc.

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Recursos e Cronograma Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Recursos; Pessoal; Software; Hardware; Outros recursos;

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Karla Pires de Souza (FPM ) karlapsouza@hotmail.com Angelita Moutin Segoria Gasparotto (FPM ) angelita@usp.br A atividade de teste de

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Planejamento e Gerenciamento de Software. Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias

Planejamento e Gerenciamento de Software. Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias Planejamento e Gerenciamento de Software Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias Planejamento A primeira atividade do gerenciamento de projeto é Planejamento Depende de estimativas (Grado

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2 Testes de Software Sumário Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões Testes de Software 2 Objectivos Verificação o programa está de acordo com a especificação (construímos bem o produto?) Validação

Leia mais

Capítulo 6: PSP. Capítulo 6: PSP Personal Software Process

Capítulo 6: PSP. Capítulo 6: PSP Personal Software Process Capítulo 6: PSP Personal Software Process Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6: PSP

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Melhorias de Processos de Engenharia de Software

Melhorias de Processos de Engenharia de Software Melhorias de Processos de Engenharia de Software CMMI 1 Profa. Reane Franco Goulart O que é CMMI? O Capability Maturity Model Integration (CMMI) é uma abordagem de melhoria de processos que fornece às

Leia mais

RESUMO. Assunto - CAPACITAÇÃO EM PROCESSOS DE SOFTWARE MODELOS DE CAPACITAÇÃO

RESUMO. Assunto - CAPACITAÇÃO EM PROCESSOS DE SOFTWARE MODELOS DE CAPACITAÇÃO RESUMO Assunto - CAPACITAÇÃO EM PROCESSOS DE SOFTWARE MODELOS DE CAPACITAÇÃO Consiste em um programa de melhoria de processos nas empresas que deve refletir o acervo de experiência dos profissionais e

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Verificação é um processo para se determinar se os produtos, (executáveis ou

Verificação é um processo para se determinar se os produtos, (executáveis ou ATIVIDADES VV&T E A NORMA IEEE 1012 A qualidade do software está diretamente relacionada à satisfação do cliente, sendo assim, as empresas estão percebendo a importância em produzir software com qualidade.

Leia mais

Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste

Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste ERIKA DE FREITAS NITA CI&T SYSTEMS S/A www.cit.com.br Resumo Atualmente, a maioria das empresas de

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais