Alcançando Qualidade de Software com SW-CMM e ISO9000-3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alcançando Qualidade de Software com SW-CMM e ISO9000-3"

Transcrição

1 Alcançando Qualidade de Software com SW-CMM e ISO ALEXANDRE NOVAES DORNELAS 1 HAMILTON TRINDADE VIVAS 2 EsAEx Escola de Administração do Exército, Rua Território do Amapá, Nº455, Pituba, Salvador BA, Brasil 1 2 Resumo. A busca pela qualidade motivou as organizações a adotarem modelos para qualidade de software, dentre os quais destacam-se os modelos ISO e SW-CMM. O primeiro integra a família ISO9000, um conjunto de padrões e referências cujo reconhecimento pode ser medido pelo esforço das empresas por suas certificações. O modelo SW-CMM procura enquadrar a organização em níveis de maturidade e tem como meta a melhoria contínua dos processos de desenvolvimento de software. Este artigo apresenta estes modelos e compromete-se a demonstrar como cada um contribui na produção de software de qualidade. Palavras-chaves. Qualidade, software, maturidade. Abstract. The search for the quality has motivated the organizations to adopt models for quality of software, among which, the ISO and SW-CMM models are distinguished. The first one integrates the ISO9000 family, a set of standards and references which are highly recognized. It can be measured by the companies effort to get such certificates. The SW-CMM model tries to classify the organization according to maturity levels. Its main goal is the continuous improvement of software development processes. This paper presents these models and demonstrates how each of them contributes in the production of quality software. Key words. Quality, software, maturity. 1. Introdução A existência de uma vasta gama de produtos e serviços, associados uma oferta cada vez mais global, obriga as empresas a atingir um padrão de qualidade elevado para que possam competir por um mercado cada vez mais exigente. A expressão clara desse fenômeno pode ser observado nas campanhas publicitárias, freqüentemente veiculadas pelos meios de comunicação, que garantem a melhor qualidade ao menor preço, buscando dessa forma apresentar ao público um elemento diferenciador. Qualidade é um conceito há muito debatido e diversos fatores devem ser considerados ao se julgar a qualidade de qualquer produto ou serviço. Um produto com determinada qualidade pode ser julgado de formas diversas por pessoas com experiências, educação, idade, formação e necessidades diferentes. Entre dezenas de definições a que obteve maior aceitação determina que qualidade consiste em adequação ao uso (JURAN, 1974). A norma NBR ISO8402 define qualidade como A totalidade das características de uma entidade que lhe confere a capacidade de satisfazer às necessidades explícitas e implícitas. As necessidades explícitas são aquelas expressas na definição dos requisitos do produto e que determinam as condições em que o este deve ser utilizado, seus objetivos, funções e o desempenho esperado. As necessidades implícitas são aquelas que, embora não expressas, são necessárias para o produto e englobam os requisitos que não são percebidos como necessários no desenvolvimento, mas que pela gravidade de suas consequências devem ser atendidos. Para assegurar a qualidade de software que produzem, o profissionais envolvidos devem estar conscientes do que exatamente seus clientes esperam: um produto sem defeitos que atenda plenamente aos requisitos especificados, disponibilizando uma farta quantidade de funções de fácil utilização sem comprometer o desempenho. O cliente também procura por rapidez de desenvolvimento associada a um baixo custo. A qualidade de software, segundo Pressman, "é a conformidade a requerimentos e a características implícitas que são esperadas de software profissionalmente desenvolvido" (Pressman, 2002) e pode ser dividida em três abordagens distintas: qualidade de projeto de software, qualidade de produto de software e qualidade de processo de software. Qualidade de projeto se refere a características que projetistas especificam para um item. O enfoque maior é nos requerimentos, na especificação e no projeto do sistema. A qualidade de produto de software é definida por um conjunto de características que devem ser alcançadas para que o produto atenda às necessidades de seus usuários, isto é, o produto deve atender seus requisitos. A qualidade do processo de software é determinada pela capacidade de adicionar novas características,

2 métodos, técnicas e ferramentas ao processo de software, viabilizando sua melhoria contínua. O processo de software é a seqüência de passos para construção de um produto de software. A qualidade de um produto de software é alcançada a partir da qualidade do processo (BUENO, 2000). A série ISO9000 (ISO9001, 2000) é um conjunto de documentos que trabalham com sistemas de qualidade que podem ser usados para propostas de garantia de qualidade externa. O ISO9000 ( Padrões de Gerenciamento e de Garantia de Qualidade - Diretrizes para Seleção e Uso ) descreve elementos de garantia de qualidade em termos genéricos que podem ser aplicados para qualquer empresa de produtos ou serviços oferecidos. O ISO 9001 ( Sistemas de Qualidade - Modelo para Garantia de Qualidade em Projeto/Desenvolvimento, Produção, Instalação e Serviço ) é o padrão de garantia de qualidade que é aplicado para engenharia de software. O padrão contém uma série de requerimentos que devem estar presentes para um sistema de garantia de qualidade efetivo. Como o padrão ISO 9001 é aplicado a todas as disciplinas de engenharia, um conjunto especial de guia ISO (ISO ) tem sido desenvolvido para ajudar a interpretar o padrão para uso no processo de software O Modelo de Maturidade de Capacidade para Software (CMM) desenvolvido pela SEI (Software Engineering Institute) descreve os princípios e práticas relacionados à maturidade do processo de software, e é aplicado pelas organizações que desejam aprimorar seus processos de desenvolvimento de software (SILVA, 2000). O CMM é organizado em cinco níveis de maturidade. Um nível de maturidade é uma base evolucionária bem definida direcionada a obter um processo de software maduro. Cada nível de maturidade fornece uma camada como base para um processo de melhora contínuo. O presente artigo tem por finalidade apresentar como os modelos ISO e CMM podem ser estrategicamente empregados de forma a garantir a qualidade do software desenvolvido por uma organização. A escolha deste tema levou em consideração o panorama dos projetos de software ainda marcados pela complexidade de trabalhar com unidades de conhecimento e pela ainda presente imaturidade da engenharia de software. 2. Qualidade de Produto de Software Duas normas ISO foram estabelecidas para determinar e avaliar as características de um software de qualidade: A norma ISO9126 define as características de um software de qualidade, enquanto a norma ISO14598 define como avaliar o software atribuindo conceitos para cada característica. 2.1 Norma ISO Características de Qualidade do Produto de Software A norma ISO9126 define as características de qualidade do produto de software: Funcionalidade, confiabilidade, usabilidade, eficiência, manutenibilidade e portabilidade. Esses fatores, embora não se prestam necessariamente a medidas diretas, fornecem uma base valiosa para medidas indiretas e uma excelente lista de verificação para avaliar a qualidade de um sistema Funcionalidade A funcionalidade é o grau em que o software satisfaz as necessidades declaradas, ou seja, as funções desenvolvidas satisfazem as necessidades explícitas e implícitas para a finalidade a que se destina o produto. Um software funcional satisfaz os seguintes subatributos: - Adequação ao problema: O conjunto de funções desenvolvido e sua apropriação para as tarefas; - Precisão: Geração de resultados corretos - Interoperabilidade: Capacidade de interagir com outros sistemas; - Segurança de acesso: Capacidade de evitar acesso não autorizado a programas e dados; - Conformidade: Estar de acordo com leis, normas, convenções Confiabilidade Confiabilidade está associada ao período de tempo em que o software está disponível para uso e em condições estabelecidas. São subcaracterísticas: - Maturidade: Freqüência de falhas; - Tolerância a falhas: Manter o nível de desempenho em caso de falha; - Recuperabilidade: Capacidade de se restabelecer e restaurar dados após falha Usabilidade Usabilidade é o atributo que leva o desenvolvedor a se colocar na posição do usuário final, a considerar a facilidade de uso do software de acordo com o perfil deste usuário. Implica em: - Facilidade de entendimento (documentação, interface gráfica); - Facilidade de aprendizagem (usuários leigos, especializados, treinamento); - Facilidade de operar e controlar a operação Eficiência Eficiência é o grau em que o software faz uso otimizado dos recursos do sistema, considerando que o tempo de resposta e a velocidade de execução são compatíveis com o nível de desempenho requerido para o produto Mantenibilidade

3 Mantenibilidade é a facilidade com a qual podem ser feitos reparos, atualizações e alterações no software levando em conta: - Facilidade de diagnosticar deficiências e causas de falhas; - Facilidade de remoção e remoção de defeitos; - Estabilidade (ausência de riscos de defeitos inesperados); - Facilidade de ser testado Portabilidade Portabilidade é a capacidade de um software ser implantado em ambientes ou plataformas diferentes com mínimo esforço de adaptação, tendo como subatributos: - Adaptabilidade: Capacidade de ser adaptado a ambientes diferentes; - Facilidade de instalação ; - conformidade com padrões de portabilidade; - Capacidade para substituir outro software. 2.2 Norma ISO14598 Uma vez estabelecidos os atributos que determinam a qualidade do produto de software, torna-se necessário fazer uso de instrumentos que permitam avaliar o software de acordo com essas características. A série ISO14598 disponibiliza um conjunto de guias e requisitos para avaliação do software e oferece uma visão geral dos processos de avaliação dos produtos de software. Segundo a norma, podem existir três visões diferentes para a avaliação da qualidade do produto, conforme a figura abaixo: São também disponibilizados modelos para relatórios de avaliação, técnicas para medição das características, documentos necessários para avaliação e fases de avaliação. A norma segue a seguinte estrutura: Quem desenvolve o software VISÕES Quem certifica o software Quem adquire o software : Visão Geral (como utilizar as outras normas) : Planejamento e Gerenciamento (como fazer uma avaliação) : Guia para Desenvolvedores (como avaliar sob ponto de vista de quem desenvolve) : Guia para Aquisição (como avaliar sob o ponto de vista de quem vai adquirir o software) : Guia para avaliação (como avaliar sob o ponto de vista de quem certifica) : Módulos de Avaliação (como avaliar cada característica) Norma ISO A norma ISO merece especial atenção e aprofundamento, uma vez que se trata do processo de avaliação de software para certificação. O processo de avaliação deve ser: Repetível: a avaliação repetida de um mesmo produto, com mesma especificação, realizada pelo mesmo avaliador, deve produzir resultados que podem ser aceitos como idênticos; Reprodutível: a avaliação do mesmo produto, com mesma especificação de avaliação, realizada por avaliadores diferentes, deve produzir resultados que podem ser aceitos como idênticos; Imparcial: A avaliação não deve ser influenciada frente a nenhum resultado particular; Objetiva: Os resultados das avaliações não devem ser influenciadas pelos sentimentos ou opiniões do avaliador. O processo proposto pela norma inclui cinco atividades: análise dos requisitos da avaliação, especificação da avaliação, projeto da avaliação, execução da avaliação e conclusão da avaliação Análise dos Requisitos da Avaliação Esta fase busca descrever os objetivos da avaliação, levando em consideração pontos de vistas distintos, dependendo dos diferentes usuários do produto, tais como comprador, fornecedor, desenvolvedor e operador Especificação da Avaliação É definido o escopo da avaliação e as medidas a serem executadas no produto sob avaliação Projeto da Avaliação Fase em que o avaliador deve produzir um plano de avaliação que descreve os recursos necessários para executar a avaliação especificada, assim como a distribuição desses recursos nas várias ações a serem executadas Execução da Avaliação Nesta fase deve-se obter resultados da execução de ações para medir e verificar o produto de software de acordo com os requisitos de avaliação, como determinado na especificação da avaliação e como

4 planejado no plano de avaliação. Ao executar essas ações, tem-se o rascunho do relatório de avaliação e os registros da avaliação Conclusão da Avaliação Nesta fase faz-se a revisão do relatório de avaliação e disponibiliza-se os dados resultantes da mesma. 3. Qualidade de Processo de Software Um processo de software consiste em um conjunto de atividades, métodos, práticas e transformações que as pessoas utilizam para desenvolver e manter software e produtos relacionados (CMM). Dos requisitos do usuário à entrega do produto final, existe um processo de desenvolvimento complexo e dividido em fases, que pode comprometer a qualidade do software. Além disso, a qualidade do processo de software envolve uma série de fatores (fatores de qualidade) essenciais que devem ser considerados em todas as fases do desenvolvimento: - Métodos, procedimentos, padrões e técnicas; - Ferramentas; - O processo; - Pessoal habilitado que compreenda e use o processo. Uma vez que a qualidade do software é largamente determinada pela qualidade dos processos utilizados para o desenvolvimento, cabe a cada organização adotar o processo que melhor se adeqüe as suas necessidades, mas deve-se ter consciência que a melhoria da qualidade de software somente é obtida pela melhoria da qualidade dos processos, significando que não basta apenas a adoção do processo, mas também o esforço de aperfeiçoá-lo continuamente. Esta melhoria contínua deve obedecer aos seguintes princípios: - Grandes mudanças devem ser iniciadas de cima para baixo, ou seja, é preciso que o alto escalão da organização esteja envolvida no procedimento de melhoria do processo; - Todos os membros da organização devem estar envolvidos; - Mudanças efetivas devem ser construídas com base em conhecimento; - Mudanças são contínuas; - Mudanças no processo são incorporadas através de motivação e esforço; - Melhoria de processo de software requer investimento. Tal visão resultou na elaboração de modelos de definição, avaliação, melhoria de processos de software. Entre os modelos mais significativos encontram-se os modelos da ISO para qualidade de processo de software e da família ISO (ISO12207, ISO9001:2000 e ISO9000-3) e o modelo CMM. 4. Modelos da ISO para Qualidade de Processo de Software A ISO (International Organization for Standardization) é uma organização nãogovernamental cujo propósito é estabelecer referências internacionais para regulamentar obrigações contratuais entre fornecedores e compradores que focalizem a garantia da manutenção e uniformidade da qualidade de produtos. No Brasil é representada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). No contexto de qualidade do processo de software, a ISO apresenta os seguintes modelos: a normas ISO12207 de definição do modelo de ciclo de vida para produtos de software, ISO9001:2000 que especifica requisitos para um sistema gerencial de qualidade de uma organização e a norma ISO que atua como um guia para aplicação da ISO9001:2000 para desenvolvimento, suporte e manutenção de software. 4.1 A Norma ISO12207 A norma ISO12207 define um modelo e ciclo de vida para produtos de software, onde são estabelecidos dezessete processos do ciclo de vida de software que são organizados em três classes: processos fundamentais, processos de apoio e processos organizacionais. Os processos fundamentais estabelecem o início e a execução do desenvolvimento, operação e manutenção do software durante seu ciclo de vida. Processos de apoio provêem suporte aos outros processos e processos organizacionais implementam uma estrutura constituída de processos de ciclo de vida e pessoal associados, melhorando continuamente a estrutura e os processos. 4.2 A Norma ISO9001:2000 A norma ISO9001:2000 é um padrão internacional que especifica requisitos para um sistema gerencial de qualidade de uma organização. Ela incentiva a adoção de uma abordagem de processo para o desenvolvimento, implementação e melhoria da eficácia de um sistema de gestão da qualidade para aumentar a satisfação do cliente pelo atendimento aos requisitos do cliente. Quando utilizada em um sistema de gestão da qualidade, esta abordagem enfatiza a importância de: - Entendimento e atendimentos dos requisitos; - Necessidade de considerar os processos em termos de valor agregado; - Obtenção de resultados de desempenho e eficácia de processos; - Melhoria contínua de processos baseada em medições objetivas. São objetivos desta norma estabelecer o sistema de gestão da qualidade, a responsabilidade gerencial, a gestão de recursos, realização do produto, além da medição, análise e melhoria do processo.

5 4.2.1 Sistema de Gestão da Qualidade A organização deve estabelecer, documentar, implementar, manter e melhorar continuamente a eficácia de um sistema de gestão da qualidade. Para tal ela deve identificar os processos necessários para o sistema e sua aplicação por toda organização, além de constantemente monitorar, medir e analisar esses processos. Sua documentação deve incluir o manual da qualidade além do controle de documentos e registros. O manual da qualidade determina: - O escopo do sistema de gestão da qualidade; - Os procedimentos documentados estabelecidos para o sistema de gestão de qualidade, ou referencia a eles; - A descrição da interação entre os processos. O controle de documentos e registros tem por objetivo prover evidências da conformidade com os requisitos e da operação eficaz do sistema de gestão da qualidade Responsabilidade Gerencial A alta direção da organização deve evidenciar seu comprometimento com o desenvolvimento, implementação e melhoria contínua do sistema de gestão da qualidade. Para tanto devem ser observados a adoção de uma política da qualidade apropriada aos seus propósitos, o foco no cliente, planejamento e uma revisão gerencial esporádica de forma a assegurar sua contínua eficácia Gestão de recursos Cabe a organização prover recursos necessários para implementar e manter o sistema de gestão da qualidade e melhorar continuamente sua eficiência, disponibilizando recursos humanos, infra-estrutura e ambiente de trabalho adequados Realização do Produto A realização do produto lida com os roteiros e processos que a organização passa para entregar seus produtos e serviços finais. Um sistema de gestão da qualidade precisa desenvolver uma abordagem compreensiva desde o ponto de partida até a linha final. Esta abordagem precisa ser planejada e os passos e estágios importantes devem ser descritos. Compõe a realização do produto: - Planejamento da realização do produto; - Processos relacionados a clientes; - Projeto e desenvolvimento; - Aquisição; - Produção e fornecimento de serviço; - Controle de dispositivos de medição e monitoramento Medição, Análise e Melhoria É requerido que as organizações meçam e monitorem a conformidade dos seus processos e produtos. Os dados coletados devem ser analisados para iniciar ações corretivas e preventivas da melhoria contínua. É importante também determinar como medir a satisfação dos clientes e monitorar as como a percepção do cliente quanto a organização. Para tal temos: - Medição e monitoramento; - Controle de produto não conforme: Assegurar que produtos que não estejam conforme com os requisitos sejam identificados e controlados para evitar seu uso ou entrega não intencional. - Análise de dados; - Melhorias (melhoria contínua, ação corretiva e preventiva). 4.3 A Norma ISO A norma ISO9001:2000 é aplicável a organizações em geral e não apenas a empresas que lidam especificamente com o desenvolvimento, fornecimento e manutenção do software. Sendo assim os documentos dessa série são genéricos, o que levou a elaboração de um documento complementar onde fosses abordados os aspectos específicos de software. A norma ISO estabelece um guia para facilitar a aplicação da ISO9001:2000 para desenvolvimento, suporte e manutenção de software, e para cada item da ISO9001:2000 existe um correspondente na ISO que o detalha e o adequar ao software. Suas diretrizes cobrem questões como o entendimento entre o contratante e contratado a respeito dos requisitos funcionais e o uso de metodologias consistentes para o desenvolvimento de software e o gerenciamento do projeto, desde a concepção a manutenção. São cláusulas da ISO9000-3: 1. Responsabilidade da Administração; 2. Sistema da Qualidade: manual da qualidade, metodologia, ferramentas, técnicas; 3. Análise Crítica de Contratos: Especificação dos requisitos, definição de responsabilidades, capacidade de entendimento; 4. Controle de projeto: Meta, conformidade com os requisitos especificados, planos para o desenvolvimento, modelo de ciclo de vida, revisões, verificações e validações; 5. Controle de Documentos e Dados: Padrões e procedimentos para aprovação, emissão, distribuição, revisão, controle do que é obsoleto e descarte; 6. Aquisição de Produtos: O fornecedor deve assegurar que os produtos adquiridos e serviços subcontratados que afetam a qualidade dos produtos de software estejam conforme os requisitos especificados no ato da aquisição; 7. Controle de Produtos Fornecidos pelo Cliente: Procedimentos para controle de verificação,

6 armazenamento, preservação, manutenção e disposição de produtos fornecidos pelo cliente; 8. Identificação e Rastreabilidade do Produto: Controle efetivo de versões de cada cliente, identificando as alterações implementadas em uma versão específica; 9. Controle do Processo: Garantir a continuidade e melhoria do processo de desenvolvimento, manutenção e serviços associados; 10. Inspeção, Teste e Validação de Software: Consiste em demonstrar a conformidade do produto com a especificação dos requisitos; 11. Controle de Equipamentos de Inspeção: antivírus, suporte técnico, massa de teste; 12. Identificação de Situação de Inspeção: Exame dos registros de teste; 13. Manuseio, Armazenamento, Embalagem, Preservação e Entrega: Métodos e procedimentos de manuseio do produto que previnam danos ou deterioração; 14. Controle de Registros da Qualidade; 15. Auditoria no Sistema da Qualidade; 16. Treinamento: Consiste no planejamento, execução e avaliação de treinamentos realizados em ambiente externo e interno. 17. Serviços associados: Suporte ao cliente, treinamento para o usuário, instalação e implantação do software, manutenção e conversão de dados. 18. Técnicas Estatísticas: Desempenho da empresa no mestrado, níveis de satisfação do cliente e características que afetam o desempenho do processo. É importante salientar que a ISO9001 indica apenas a não-conformidade de um produto e recomenda ações corretivas e preventivas. A melhoria contínua do processo não é explicitamente abordada por essa norma, tal como é abordada no modelo SW-CMM. 5. O Modelo SW-CMM O modelo SW-CMM propõe a avaliação da capacidade e maturidade de uma organização, descrevendo o caminho para a melhoria de um processo caótico, para um processo maduro e disciplinado. Desenvolvida pela Software Engineering Institute (SEI) tornou-se um dos modelos de maior prestígio, sendo aplicada inclusive pelo departamento de defesa norte-americano. 5.1 Maturidade do Processo Quando a organização faz uso de um processo imaturo no desenvolvimento do software fica sujeita a diversos contratempos, uma vez que neste nível o processo não é rigorosamente seguido, controlado e é altamente dependente dos profissionais atuais da empresa. Dessa forma, a ausência de um profissional envolvido no processo pode comprometer o desenvolvimento do produto e o cumprimento dos prazos. Além do mais esse tipo de processo não gera documentação, elevando os custo de manutenção e os riscos de incorporar novas tecnologias. Um processo maduro deve ser construído sobre uma infra-estrutura que possui processos eficazes, utilizáveis e consistentemente aplicados em toda organização. É explicitamente definido, documentado e continuamente melhorado, contando com o apoio visível da alta administração. Um processo de software maduro é rigorosamente controlado, gerenciado, previsível e estimável. 5.2 Níveis de Maturidade Os níveis de maturidade de um processo definem um caminho para o alcance de um processo de software maduro. Com exceção do primeiro nível (processo imaturo, caótico), cada nível possui áreas-chaves do processo, que são atividades a serem executadas de forma a satisfazer o grau de qualidade previsto. CMM define cinco níveis de maturidade: - Inicial (nível 1): - Repetível (nível 2); - Definido (nível 3); - Gerenciado (nível 4); - Otimização (nível 5); Nível 1 Inicial O processo de software é caracterizado como ad hoc, ocasionalmente até caótico, onde poucos processos são definidos. O sucesso do produto depende de iniciativas individuais. Normalmente, durante os momentos de crise, os procedimentos planejados são abandonados e a atenção é focada na codificação. Não existem áreas-chaves de processo neste nível Nível 2 - Repetitivo São estabelecidos processos básicos de gerenciamento de projetos para acompanhamento de custos, cronograma e funcionalidade. A disciplina necessária de processo permite repetir sucessos anteriores em projetos de aplicação similar. São áreas-chaves do processo: - Gerenciamento da Configuração de Software; - Garantia da Qualidade de Software; - Gerenciamento de Subcontrato de Software; - Acompanhamento de Projeto de Software; - Planejamento de Projeto de Software; - Gerenciamento de Requisitos Nível 3 Definido O processo para desenvolvimento de software é estabelecido, padronizado e documentado pela organização. Todos os projetos utilizam uma versão

7 aprovada e adaptada deste processo para o desenvolvimento e manutenção. São áreas-chaves: - Revisões; - Coordenação de Intergrupos; - Engenharia de Produto de Software; - Gerenciamento de Software Integrado; - Programa de Treinamento; - Definição do Processo da Organização; - Foco no Processo da Organização Nível 4 - Gerenciado São efetuados medições detalhadas do processo de software e qualidade do produto. Tanto o processo como o produto são entendidos e controlados quantitativamente, o que permite prever o desempenho dentro de limites quantificados. Áreaschaves do processo: - Gerenciamento da Qualidade de Software; - Gerenciamento Quantitativo do Processo Otimização A melhoria contínua do processo é possibilitada pela realimentação quantitativa do processo e conduzida a partir de idéias e tecnologias inovativas. O objetivo é identificar e eliminar causas crônicas da baixa performance e analisar a relação de custo/benefício de novas tecnologias. São áreas-chaves do processo: - Gerenciamento da Mudança no Processo; - Gerenciamento da Mudança Tecnológica; - Prevenção de Defeito. 6. Conclusão A implantação bem sucedida de um sistema de qualidade de software permite um aumento de produtividade, uma melhoria da qualidade do produto final e, consequentemente, um aumento da satisfação dos clientes e da própria empresa. Visto que qualidade é um conceito complexo, não existe uma medida padrão para qualidade de software que seja aplicável para todos os projetos de todas as organizações. Os modelos ISO e SW-CMM, embora sejam aplicados para alcançar qualidade, possuem objetivos distintos e bem definidos. O modelo ISO busca certificar a organização de acordo com padrões estabelecidos em contratos de fornecimento de software e seu principal instrumento de avaliação consiste em uma lista de verificação de conformidade dos processos aos padrões documentados, porém é limitado pela ausência de suporte a melhoria contínua. Embora seja uma norma internacional e de reconhecido valor de certificação, uma organização estará cometendo um equívoco caso adote o ISO tendo a apenas a certificação como objetivo principal. O modelo SW-CMM objetiva determinar a estágio de maturidade de organizações que buscam a comprovação formal de sua capacidade e apoiar sua evolução de acordo com os cinco níveis estabelecidos. O modelo estabelece diretrizes para melhoria contínua do processo de desenvolvimento de software e vem alcançando grande difusão no mercado. Contudo o modelo peca ao não considerar a diversidade das organizações bem como na dificuldade de ser implantado em pequenas empresas. Uma estratégia viável para as organizações seria aplicar o casamento do ISO e do SW-CMM, que consiste em implantar o ISO na empresa de software utilizando o modelo CMM como guia. Depois da certificação, a empresa poderá melhorar seu sistema da qualidade implantado seu próprio modelo CMM. Independente do modelo a ser adotado, a organização deve considerar que estará realizando uma mudança cultural na empresa, exigindo a participação da alta administração e o envolvimento de todos os seus membros. Agradecimentos Agradeço a 1º Tenente Aluna Flavia Huber pelo auxílio na revisão da seção abstract. Referências (BUENO, 2000) BUENO, Cassiane; CAMPELO, Gustavo. Qualidade de Software. Centro de Informática UFPE. Disponível em os/quality.doc (CMM, 1993) CMU/SEI-93-TR-25. CMM Nível (ISO9001, 2000) NBR ISO9001. Sistemas de Gestão da qualidade. Dez (JURAN, 1974) JURAN, J.M. Quality Control Handbook, McGraw-Hill, Nova Iorque, (SILVA, 2000) SILVA, Elisabeth; NASCIMENTO, Rogério. Modelo da Maturidade para Capacitação para Software. Centro de Informática UFPE. Disponível em os/cmm/cmm.doc

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Introdução Qualidade é um dos principais objetivos da Engenharia de Software. Muitos métodos, técnicas e ferramentas são desenvolvidas para apoiar a produção com qualidade. Tem-se

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Visão Geral da Qualidade de Software

Visão Geral da Qualidade de Software Visão Geral da Qualidade de Software Glauber da Rocha Balthazar Faculdade Metodista Granbery (FMG) Bacharel em Sistemas de Informação Rua Batista de Oliveira, 1145-36010-532 - Juiz de Fora - MG glauber_rochab@yahoo.com.br

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

Gestão da qualidade do software

Gestão da qualidade do software Gestão da qualidade do software Empenhada em assegurar que o nível de qualidade requerido de um produto de software é atingido Envolve a definição de normas e procedimentos de qualidade apropriados, e

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

Qualidade de Software. Prof.: Ivon Rodrigues Canedo. PUC Goiás

Qualidade de Software. Prof.: Ivon Rodrigues Canedo. PUC Goiás Prof.: Ivon Rodrigues Canedo PUC Goiás Qualidade Subjetiva Não sei o que é mas reconheço quando a vejo Qualidade Baseada no Produto O produto possui algo que produtos similares não têm Qualidade Baseada

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

O USO DA NORMA 14598 NA AVALIAÇÃO DE SOFTWARE COM RELAÇÃO À QUALIDADE. Evaluation of Software With the use of Norm Iso 14598

O USO DA NORMA 14598 NA AVALIAÇÃO DE SOFTWARE COM RELAÇÃO À QUALIDADE. Evaluation of Software With the use of Norm Iso 14598 O USO DA NORMA 14598 NA AVALIAÇÃO DE SOFTWARE COM RELAÇÃO À QUALIDADE Evaluation of Software With the use of Norm Iso 14598 Walteno Martins Parreira Júnior, Izaura Pereira Pradela, Lucineida Nara de Andrade

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Início Qualidade de Software Álvaro Rocha amrocha@ufp.pt http://www.ufp.pt/~amrocha Início>Tópicos Tópicos 1. Fundamentos 2. Qualidade e Maturidade do Processo de SW ISO 9000, ISO 12207, SW-CMM, TRILLIUM;

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Engenharia Nesta seção você encontra artigos voltados para testes, processo, modelos, documentação, entre outros Qualidade de Software Desvendando um requisito essencial no processo de desenvolvimento

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

Normas e Padrões de Qualidade em Software - I

Normas e Padrões de Qualidade em Software - I Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em - I Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Certificação da Qualidade Certificações emitidas por entidades públicas conceituadas: 9 ABIC Selo

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE MODULO 3 SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE CONTEÚDO 3.1 A ABORDAGEM NBR ISO 9000 3.2 MODELOS DE QUALIDADE DE PRODUTO DE SOFTWARE 3.2.1 NBR ISO/IEC 9126 (SOFTWARE) 3.2.2 NBR ISO/IEC

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

ISO 9000-3 3 e ISO 9001

ISO 9000-3 3 e ISO 9001 QUALIDADE DO PROCESSO ISO 9000-3 3 e ISO 9001 Baseado no material do prof. Mario Lúcio Cortes http://www.ic.unicamp.br/~cortes/mc726/ 1 Normas da Série ISO 9000 Introdução ISO 9000 (NBR ISO 9000, versão

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3

Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 9000-3 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software José Barreto Júnior O que é qualidade? Existem diversas definições. Algumas pessoas que tentaram uma definição simples chegaram a frases como: Qualidade é estar em conformidade com

Leia mais

IC-UNICAMP IC-UNICAMP

IC-UNICAMP IC-UNICAMP Capítulo 3: Qualidade de Produto e a ISO 9126 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação. Laboratório de Tecnologia de Software LTS

Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação. Laboratório de Tecnologia de Software LTS Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação Laboratório de Tecnologia de Software LTS Qualidade de Produto Cláudio Martins claudiomartins2000@gmail.com www.ufpa.br/redetic

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM Capability Maturity Model O que é o CMM? Modelo para avaliação da maturidade dos processos de software de uma organização Identificação das práticas chave

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e fortes, que serão utilizados para a criação de um plano

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias CONSULTORIA Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias PADRÃO DE QUALIDADE DESCRIÇÃO ISO 9001 Esse Modelo de Produto de Consultoria tem por objetivo definir e melhorar todos os processos da empresa,

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 04 ISOs / IEC 12207 15504 9001 9126 25000 Agenda Descrição sumária da ISOs afetas ao nosso curso de qualidade ISO/IEC 12207 ISO/IEC

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br ISO/DIS 9001:2015 Tradução livre* Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Sumário Prefácio... 5 Introdução... 6 0.1 Generalidades... 6 0.2 A Norma ISO para

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

Garantia da Qualidade de Software

Garantia da Qualidade de Software Especialização em Gerência de Projetos de Software Garantia da Qualidade de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto de Ciências Exatas e Naturais

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Departamento de Informática Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Laboratório de Desenvolvimento Distribuído de Software Estágio de Docência http://www.din.uem.br/~pg45640/ Qualidade de Software

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Introdução a CMMI Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Campina Grande, 29 de setembro de 2008 Agenda Processos Motivação Sintomas de falha de processo Aprimoramento de Processos O Framework

Leia mais

Qualidade de Produto de Software

Qualidade de Produto de Software Qualidade de Produto de Software Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer-CTI Rodovia Dom Pedro I km 143,6 Campinas SP Brasil Divisão de Qualificação em Software - DQS Ana Cervigni Guerra ana.guerra@cti.gov.br

Leia mais

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente;

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente; ISO 9000 A série ISO 9000 é uma concentração de normas que formam um modelo de gestão da Qualidade para organizações que podem, se desejarem, certificar seus sistemas de gestão através de organismos de

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais