SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA"

Transcrição

1 Anais do XIX Congresso Brasileiro de Automática, CBA SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CLEBER C. FONSECA, DENNIS BRANDÃO Laboratório de Automação Industrial, Departamento de Engenharia Elétrica, Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo Av. Trabalhador Sãocarlense, 400 São Carlos SP CEP s: Abstract Street lighting systems are composed of devices attached to the points of light connected via network, and applications that run on computers that indicate problems at the points of light and determining the amount of energy consumption. List the lighting in failure, positioning the lighting in failure on maps, automate the process of reading the energy consumption and adopt standards to enable collaboration and scalability of the solution are the motivations of this work. The proposed system architecture is modular and scalable, cell-based model allows a new set of devices can be added according to demand. In developing this work the C # language is adopted to develop control and monitoring via standard CyberOPC (Cybernetic OPC) and the type XML files are used for description of devices and definition of network topology. Preliminary results validate the methodology, the proposed architecture and motivations. The next step of work is to implement the proposed system in a pilot test to validate the characteristics of measuring energy consumption and receive alarms. Keywords Street lighting system, Supportability, CyberOPC. Resumo Sistemas de controle e monitoramento de iluminação pública são compostos por dispositivos acoplados aos pontos de luz interligados via rede, e aplicativos que são executados em computadores que indicam problemas nos pontos de iluminação e apuram o valor do consumo de energia. Listar os pontos de iluminação em falha, posicionar os pontos de iluminação em falha em mapas, automatizar o processo de leitura do consumo de energia e adotar padrões para permitir a colaboração e expansibilidade da solução são as motivações deste trabalho. A arquitetura do sistema proposto é modular e expansível, o modelo baseado em células permite que novos conjuntos de dispositivos possam ser adicionados de acordo com a demanda. No desenvolvimento do trabalho a linguagem C# é adotada para desenvolver o controle e monitoramento através do padrão CyberOPC (Cybernetic OPC) e arquivos do tipo XML são aplicados para descrição dos dispositivos e definição da topologia da rede. Os resultados preliminares validam a metodologia, arquitetura proposta e as motivações. O próximo passo do trabalho é implementar o sistema proposto em um teste piloto para a validação das características de medição de consumo de energia e recepção de alarmes. Palavras-chave Sistema de iluminação pública, Suportabilidade, CyberOPC. 1 Introdução A resolução 414 de setembro de 2010 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL, 2010) estabelece que a pessoa jurídica de direito público é o responsável pela operação e manutenção da iluminação pública, sendo a pessoa jurídica de direito público um dos seguintes poderes públicos federal, estadual ou distrital e municipal. A resolução ainda cita que a pessoa jurídica de direito público pode contratar empresas ou concessionárias de energia elétrica para manter os pontos de iluminação. As principais atribuições da empresa ou concessionária contratada são de estipular o valor de consumo de energia elétrica da iluminação pública mensalmente do município e manter o parque de iluminação pública operando. A metodologia adotada para cálculo do consumo de energia é baseado em número de pontos de iluminação instalados e quantidade fixa de horas de operação da lâmpada, podendo provocar dúvidas com relação ao valor estipulado do consumo de energia elétrica. A resolução 414 de setembro de 2010 (Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL, 2010) determina que uma lâmpada permaneça ligada diariamente onze horas e cinquenta e dois minutos para efeitos do cálculo de consumo de energia elétrica na iluminação pública. Atualmente a notificação de problemas relacionados aos pontos de iluminação publica são de responsabilidade do usuário do sistema, as concessionárias são obrigadas a disponibilizar plantões por telefone vinte e quatro horas por dia e sete dias por semana para atender reclamações dos usuários. No contrato entre o poder público e a concessionária, multas podem ser estabelecidas, caso a reclamação não seja atendida dentro de um prazo estipulado. O pronto atendimento para resolução de problemas de iluminação pública, como exemplo substituição de lâmpadas defeituosas, esta relacionada diretamente com a segurança, pontos não iluminados facilitam a execução de atos ilícitos por parte de criminosos, assim a substituição deve ser providenciada o mais rápido possível pela concessionária. Outro problema na iluminação pública são as lâmpadas que permanecem acesas durante todo o dia desperdiçando energia elétrica. Para que o gestor de iluminação de pública possa solucionar prontamente as falhas sem a dependência do relato do usuário, Sistemas de controle e monitoramento de iluminação pública são propostos. Estes Sistemas são compostos por dispositivos acoplados 3511

2 aos pontos de luz interligados via rede, e aplicativos que são executados em computadores que indicam problemas nos pontos de iluminação, além de obter o valor do consumo de energia do município. Listar os pontos de iluminação em falha, posicionar os pontos de iluminação em falha em mapas, automatizar o processo de leitura do consumo de energia e adotar padrões para permitir a colaboração e expansibilidade da solução são as motivações deste trabalho. 2.1 Arquitetura 2 Trabalhos Correlatos Nos trabalhos de Atici et al. (2011), Yao et al. (2006), Long et al. (2009), Chunguo et al. (2007), Chen e Liu (2009), Iordache et al. (2008) e Hong et al. (2011), nota-se um padrão no que se refere a concepção da arquitetura, onde os nós sensores são a- grupados por controladores de comunicação, que formam uma célula. Essas células são formadas para que geograficamente uma área possa ser monitorada/controlada, o controlador de comunicação coordena a comunicação entre os nós sensores da célula com um aplicativo de gerenciamento. 2.2 Requisitos Na literatura e nas soluções de mercado percebese um padrão das funcionalidades necessárias para gestão de um sistema de iluminação pública. De forma geral, Denardin et al. (2009) afirmam que um sistema de iluminação pública deve ser capaz de executar tarefas básicas como ligar, desligar, controlar luminosidade (quando possível), medir consumo e controlar o tempo de vida útil da lâmpada. A partir da analise dos trabalhos correlatos podese dividir os requisitos em supervisão, controle, a- larmes, operação remota e suportabilidade. Nesta seção cada um deles é detalhado. Supervisão: Lee et al. (2006) ilustram um exemplo bem típico de como um aplicativo de gerenciamento pode disponibilizar as informações do estado das lâmpadas em tempo real, através de uma perspectiva gráfica onde o usuário pode facilmente identificar os estados de operação de um trecho da rede. O aplicativo da empresa Streetlight.Vision, por exemplo, monitora e antecipa o fim da vida útil de uma lâmpada supervisionando seu estado. Denardin et al. (2009) e Long et al. (2009) afirmam que além de supervisionar os estados de operação dos pontos de iluminação em tempo real, o sistema dever ser capaz de monitorar variáveis de consumo das lâmpadas. Controle: Operações como ligar, desligar e controlar luminosidade das lâmpadas são recursos presentes nos aplicativos das empresas Central Software - Streetlight Intelligence Inc, EpiSensor, Strategic Telemetry e Streetlight.Vision. Tais operações são efetuadas individualmente, ou seja, um nó sensor é selecionado e o comando é enviado somente àquele dispositivo. A empresa Streetlight.Vision e Long et al. (2009) apresentam que o sistema de iluminação pública pode de acordo com a necessidade de o usuário estabelecer controle unitário ou em grupo dos nós sensores, um determinado comando é aplicado a vários nós sensores simultaneamente, possibilitando uma maior produtiva para o operador do sistema. Alarmes: Long et al. (2009) afirmam que o aplicativo de gerenciamento do sistema instalado no centro de controle deve ser capaz de suportar alarmes para condições anormais de operação. Operação à Distância: Os aplicativos das empresas Central Software - Streetlight Intelligence Inc e Streetlight.Vision disponibilizam o controle completo do sistema via Internet, onde qualquer usuário em qualquer lugar do mundo pode acessá-lo e comandar os nós sensores. Redes de iluminação pública de grandes centros consumidores são complexas e possuem um grande número de dispositivos acoplados, para um melhor gerenciamento e fácil localização dos dispositivos, Chunguo et al. (2007) e as empresas Central Software - Streetlight Intelligence Inc (2008), EpiSensor (2009) e Streetlight.Vision (2009) reconhecem que postes de iluminação devem ser georeferenciados em mapas. Suportabilidade: A integração de novos modelos de nós sensores possibilita o aplicativo de gerenciamento a supervisionar/controlar nós sensores com diferentes funcionalidades. Hong et al. (2011) emprega na sua solução nós sensores multifunção capazes de realizar as medições como: nível de CO2 presente no ambiente, a luminosidade do ambiente e umidade. 2.3 Técnicas de supervisão e controle Um sistema de controle de monitoramento de i- luminação pública deve adotar um padrão para disponibilizar supervisão e controle. O padrão permite a expansibilidade do sistema, assim novos aplicativos podem ser integrados, sem que haja a necessidade do entendimento do protocolo de comunicação por parte do aplicativo. Trabalhos correlatos em sua maioria não aplicam padrões para supervisão e controle. Porém, o autor Atici et al. (2011) apresentam uma arquitetura centralizada no servidor OPC-DA (OPC Data Access), múltiplos segmentos de nós sensores comunicam-se com o servidor OPC-DA, dispondo as suas variáveis. O servidor OPC-DA facilita a manutenção de supervisão/controle dos nós sensores, funções como adição, remoção e edição são centralizadas, como exemplo, ao se adicionar novos nós sensores a uma célula já existente, as variáveis são mantidas no servidor e automaticamente os novos nós sensores estarão disponíveis ao aplicativo de gerenciamento para monitoração/controle, sem que nenhuma mudança seja necessária no aplicativo. Outra vantagem na a- 3512

3 doção de um servidor OPC-DA é a capacidade de expansão do sistema, múltiplos servidores podem ser gerenciados por um único aplicativo de gerenciamento, centralizando assim a gestão do sistema. A padronização na comunicação entre o aplicativo de gerenciamento e o controlador de comunicação permite uma arquitetura: aberta, distribuída, de fácil manutenção e expansível. As informações trocadas entre o aplicativo e o OPC-DA são binárias, o que limita a aplicação na Internet, firewalls restringem o trafego deste tipo de informação, limitando a operação remota do sistema de controle e monitoramento. Os padrões OPC XML-DA (OPC XML Data Access) e o CyberOPC foram concebidas para troca de dados remotos pela Internet. O autor TORRISI (2011) apresenta um estudo comparativo entre OPC XML-DA e o CyberOPC, e como conclusão apresenta que o CyberOPC prove serviços similares ao OPC XML-DA de leitura e escrita e desempenho superiores na troca de dados pela Internet. O CyberOPC é uma alternativa viável e eficaz para supervisão e controle em sistemas que requerem a operação remota. 3 Sistema proposto O escopo do sistema de controle e monitoração de iluminação pública é dispor aplicativos no computador de operação e no computador industrial, estabelecer comunicação entre o computador industrial e o controlador de comunicação, possibilitar a integração de dispositivos com funcionalidades distintas nos aplicativos de gerenciamento e possibilitar o acesso remoto do sistema ao usuário. 3.1 Arquitetuta A arquitetura proposta se baseia no modelo de células. A célula tem como função prover o acesso de supervisão/controle para um determinado número de nós sensores aos aplicativos de gerenciamento. Por definição, o nó sensor é o dispositivo acoplado ao ponto de iluminação capaz de comunicar-se via rede sem fios. A Figura 1 apresenta a arquitetura do sistema e ilustra a célula 01 responsável por agrupar alguns sensores, ainda mostra a capacidade de adição de novas células até que todos os pontos de iluminação de uma cidade sejam mapeados. Figura 1. Arquitetura do Sistema. 3.2 Requisitos Os requisitos propostos são supervisão, controle, alarmes, operação remota e suportabilidade. Nesta seção cada um deles é detalhado. Supervisão: O sistema propõe apresentar em mapas e indicar os estados de operação dos nós sensores, além de periodicamente obter valores das variáveis de processo, como o consumo das lâmpadas, além de permitir ao usuário solicitar dados de supervisão disponibilizados em interfaces gráficas. Controle: O controle de múltiplos nós sensores é determinado quando um comando de controle poderá ser enviado a mais de um dispositivo simultaneamente. As características de controle do nó sensor deverão ser descritas e disponibilizadas pelo fabricante do nó sensor. Alarmes: A recepção de alarmes deve ser assíncrona, sem a necessidade de varredura periódica por parte do aplicativo, quando uma falha ocorrer no ponto de iluminação à notificação deve ser enviado ao aplicativo do sistema e opcionalmente podem ser enviados por correio eletrônico ou via mensagens instantâneas para telefones celulares dos operadores do sistema, desde que estes serviços estejam disponíveis. Operação remota: Este trabalho se propõe a disponibilizar ao usuário os pontos de iluminação em mapas com o estado de operação aplicando o Google maps. As operações como supervisionar, controlar, listar alarmes e visualizar a topologia são requisitos desejados. Suportabilidade: Permitir que diferentes fabricantes de nós sensores integrem seus dispositivos a solução é um requisito. O arquivo do tipo XML é adotado para descrever os dispositivos. 4 Metodologia A linguagem de programação adotada na metodologia é a C#. Esta linguagem apresenta as seguintes características suporte a orientação a objetos baseado em herança simples de classes, herança múltipla de interfaces, gerenciamento de memória automática, tipagem forte e executa num ambiente gerenciado, no qual a segurança e integridade das operações efetuadas pelos programas podem ser garantidas. A ferramenta adotada para se desenvolver as classes e componentes é o Visual C# 2008 Express Edition. Na metodologia, arquivos do tipo XML são adotados, uma vez que a linguagem XML permite fácil categorização, é compreensível pelo ser humano, é considerada como uma linguagem que pode ser portável e não é proprietário, podendo ser utilizada para armazenamento de informação em qualquer plataforma computacional. O padrão adotado de comunicação entre os computadores de operação e o industrial é o CyberOPC. O CyberOPC é um projeto de pesquisa acadêmico 3513

4 que propõe se a ser um sistema de comunicação aberto, baseado em HTTP (Hyper Text Transfer Protocol), especialmente desenvolvido para controlar e supervisionar sistemas industriais remotamente através de redes IP (Internet Protocol) públicas (Torrisi, 2011). 4.1 Supervisão, controle e alarmes A comunicação funciona da seguinte forma: os aplicativos de gerenciamento dispostos no computador de operação solicitam dados de supervisão e controle via rede Ethernet ao computador industrial instalado na cabine. Logo após, a solicitação é recebida pelo computador e repassada ao controlador de comunicação conectado a porta de serial. O controlador de comunicação por sua vez transmite via rede sem fio a solicitação, identificando o pedido. Os nós sensores recebem as notificações, processam a requisição e transmitem a resposta via rede sem fio até o controlador. A resposta é recebida pelo controlador via rede sem fio e repassada via porta serial ao computador, o computador industrial envia a resposta ao computador de operação pela rede Ethernet. 4.2 Suportabilidade (Verifique o formato do parágrafo) A suportabilidade é aplicada adotando-se para cada modelo de nó sensor um arquivo do tipo XML, nomeado como arquivo de descrição do nó sensor ou arquivo de descrição. No arquivo do tipo XML o fabricante do nó sensor descreve a coleção de parâmetros, grupos de variáveis de alarmes/processo e opcionalmente grupos de interface homem máquina (IHM). 4.3 Serviço de monitoração O serviço de monitoração é responsável por monitorar os estados de operação e coletar periodicamente valores de processo e armazená-los. O usuário deve configurar o período de varredura para coleta dos valores de processo. A monitoração é realizada em um computador de operação, que é um cliente CyberOPC. 4.4 Operação remota A operação é remota é subdividida em duas partes o servidor de operação remota e o navegador de Internet. No servidor de operação remota, páginas do tipo HTML e serviços são dispostos. Na operação remota, o usuário abre uma página em formato HTML armazenada no Servidor de operação remota em seu navegador de Internet. Para mapear os pontos de iluminação em mapas, o serviço de mapeamento Google maps (2010) dispõe de recursos de software para manipular mapas utilizando bibliotecas escritas em Java Script. 5 Resultados preliminares Para validar a metodologia e o sistema proposto foram desenvolvidos um simulador de nós sensores, os serviços responsáveis pela monitoração de alarmes e consumo, e uma página HTML. A célula é composta pelo simulador acoplado a um servidor CyberOPC. A função do servidor é de disponibilizar supervisão e controle aos aplicativos dispostos no computador de operação via rede Ethernet. A página apresenta os alarmes em forma de lista ou em mapas e o gráfico de consumo mensal de energia. O aplicativo de simulação dispõe ao servidor CyberOPC os valores das variáveis de supervisão e controle e simula as condições de um sistema de iluminação pública sem fio. No simulador de nós sensores, o usuário define os parâmetros ciclo de um dia, potência da lâmpada, atraso da rede, tempo de operação e limite de operação, seleciona-se os nós sensores e inicia a simulação. Ao iniciar a simulação, os parâmetros potência da lâmpada, tempo de operação e limite de operação são atribuídas as variáveis internas dos sensores selecionados. O parâmetro ciclo de um dia é especificado em segundos e determina qual é a frequência de um dia para simulação. A cada ciclo de dia, o consumo de energia é calculado, o tempo de operação é incrementado em 12 horas e os alarmes tempo de operação da lâmpada e de lâmpada queimada são verificados. O alarme tempo de operação da lâmpada excedido é ativado, caso o tempo de operação supere o limite de operação estabelecido. O alarme lâmpada queimada é habilitado, quando o tempo de operação for superior a 10% do limite de operação. Para simular atraso nas respostas da rede sem fio, o parâmetro atraso da rede é aplicado. A Figura 2 apresenta o simulador de nós sensores. Figura 2. Simulador de nós sensores. 3514

5 Outro recurso disponível no simulador é a modificação dos valores das variáveis dos nós sensores. Ao selecionar um nó sensor em simulação uma lista é apresentada. Essa lista é composta pelas variáveis, obtidas no arquivo de descrição, e os valores calculados pelo simulador. O usuário seleciona a variável na lista, modifica o valor e submete a alteração ao simulador. A figura 3 ilustra a lista de variáveis disponíveis para edição de um sensor. servidor CyberOPC para averiguar a existência de ocorrência de alarmes. Os alarmes ativos são mantidos pelo serviço. Outra característica do serviço é executar a leitura mensal do consumo de energia dos nós sensores e armazená-lo. Para prover a IHM, uma página HTML foi desenvolvida e disposta em um servidor HTTP. A página comunica-se com o serviço de monitoração e dispõe os alarmes ativos em forma de lista ou em mapas, além do consumo de energia. No mapa somente os nós sensores com alarme ativo são indicados. A Figura 5 mostra a página MapaAlarmesGoogleV3.htm mapeando os pontos de iluminação no mapa em um navegador de Internet. Figura 3. Lista de variáveis de um nó sensor. Outro resultado obtido foi a integração da comunicação bidirecional entre o servidor CyberOPC e o simulador dispostos no mesmo computador, aplicando a técnica de conexão de loopback virtual entre portas seriais. Esta técnica permite que duas portas se conectem virtualmente, permitindo a troca de dados entre as mesmas. Assim foi possível disponibilizar os valores das variáveis dos nós sensores em simulação ao servidor CyberOPC, além do envio de requisições de supervisão/controle do servidor pro simulador. O servidor CyberOPC foi testado por um cliente CyberOPC usual, validando a supervisão e controle das variáveis dos sensores em simulação. No cliente foi possível visualizar os valores das variáveis em simulação. A Figura 4 apresenta o servidor CyberOPC. Figura 5. Página MapaAlarmesGoogleV3.htm. A lista de alarmes possui as seguintes colunas: número de identificação do sensor (Sensor), variável do nó sensor que originou o alarme (Parâmetro), descrição (Alarme) e o horário de ocorrência da falha. A lista pode apresentar simultâneos alarmes para um único sensor. A severidade do alarme é apresentada na coluna Alarme, conforme especificado no arquivo XML de descrição. A Figura 6 ilustra a lista de alarmes ativos. Neste cenário foi testada a capacidade de apresentar alarmes na IHM. Eventos de alarmes ocorridos no simulador foram apresentados na lista e no mapa. Figura 4. CyberOPC Servidor. Uma vez validada a supervisão e controle do CyberOPC, e a integração com o simulador, o serviço de monitoração foi desenvolvido e disposto no computador de operação, para supervisão dos alarmes. O serviço de monitoração por definição é um cliente CyberOPC, que periodicamente conecta-se ao Figura 6. Lista de alarmes ativos. O consumo de energia é apurado mensalmente pelo serviço de monitoramento e registrado. Um gráfico foi desenvolvido com o objetivo de ilustrar o consumo de um sistema de iluminação público. A Figura 7 apresenta o gráfico de consumo. 3515

6 Figura 7. Gráfico de consumo. 6 Conclusão O grande objetivo da leitura e análise de trabalhos correlatos é balizar o estabelecimento e definição da arquitetura e características, pra prover a comunicação entre um software disposto em um computador e o sistema de iluminação pública, assim diversas soluções são apresentadas na literatura e no mercado. O desafio é escolher qual é a melhor rede para a comunicação, muitos trabalhos correlatos empregam o padrão GPRS ou GSM, ou seja, aplicam a infraestrutura da rede de celular para estabelecerem a comunicação. O grande problema de se aplicar este tipo de solução é a cobertura plena de um centro urbano, onde a rede de celulares é limitada a uma determinada região. Outro ponto negativo é a tarifação por transferência de dados, tornando a operação do sistema oneroso. A arquitetura proposta adota a sua própria infraestrutura de comunicação, com isso a operação do sistema não se torna onerosa economicamente, pois não é tarifada por transferência dos dados. Outra vantagem é a possibilidade de cobertura e expansão independentemente. Para validar a arquitetura proposta, uma célula foi criada com nós sensores simulados acoplados ao servidor CyberOPC. A comunicação entre os nós sensores e o serviço de monitoração foi testada com sucesso. O próximo resultado esperado é criar múltiplas células para verificar os limites e desempenho da solução proposta. Nos testes preliminares foi possível testar a supervisão e recepção de alarmes. O requisito de controle foi testado entre o servidor CyberOPC e o cliente CyberOPC usual, e como resultado futuro esperase dispô-lo na página HTML. A integração de dispositivos é um recurso limitado em trabalhos correlatos e soluções de mercado, ou seja, são soluções proprietárias, apenas os dispositivos do próprio fabricante da solução são integrados ao sistema, impossibilitando a integração de dispositivos de outros fabricantes. O Sistema proposto atende ao requisito de integração, múltiplos fabricantes de nós sensores podem acoplar os seus nós sensores a solução, aplicando a técnica de suportabilidade, descrevendo suas características em arquivos do tipo XML. Com os resultados preliminares conclui-se que, o sistema atende aos requisitos necessários para supervisão e controle de um sistema de iluminação pública, além de empregar uma arquitetura expansível e abrangente. A integração de dispositivos reais com a solução e visualizar o estado de operação da lâmpada (ligada/desligada) são resultados esperados. Agradecimentos Os autores agradecem à estrutura acadêmica de pesquisa da Escola da Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo. Reconhecem também as contribuições técnicas da empresa Smar Equipamentos Industriais Ltda. Referências Bibliográficas Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. Resolução Normativa Nº 414: Estabelece as Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica de forma atualizada e consolidada, de 9 de Setembro de Disponível em: < >. Acesso em 01 nov Atici, Ç., Özçelebi, T., Lukkien, J.J. (2011). System architecture for road lighting. Consumer Electronics (ICCE), 2011 IEEE International Conference on, pp , 9-12 Jan C# (2006). Standard ECMA-334 C# Language Specification. Disponível em: <http://www.ecma- international.org/publications/standards/ecma- 334.htm>. Acesso em 10 fev Chen, Y., Liu, Z. (2009). Distributed Intelligent City Street Lamp Monitoring and Control System Based on Wireless Communication chip nrf401. Networks Security, Wireless Communications and Trusted Computing, NSWCTC '09. International Conference on, vol.2, pp , April 2009 Central Software - Streetlight Intelligence Inc (2008). Lumen IQ Central. Disponível em: <http://www.streetlightiq.com/products/overvie w/networkedlampcontrol/centralsoftware/tabi d/112/default.aspx>. Acesso em 20 ago Chunguo, J., Dongmei, S., Deying, G. (2007). Design of Streetlight Monitoring and Control System 3516

7 Based on Wireless Sensor Networks. Industrial Electronics and Applications, ICIEA nd IEEE Conference on, pp.57-62, May 2007 CyberOPC (2010). CyberOPC JSON-RPC-DA 1.0 Specification. Disponível em: < https://docs.google.com/doc?docid=0achee_w0 kx9uzgh0z2y4czlfmmzndzribmnu&hl=en >. Acesso em 18 fev Denardin, G.W., Barriquello, C.H., Campos, A., Do Prado, R.N. (2009). An intelligent system for street lighting monitoring and control. Power Electronics Conference, COBEP '09. Brazilian, vol., no., pp , Sept Oct EDDL (2011). White paper - EDDL Makes System Life-Cycle Management Easier - Keeping system up-to-date. Disponível em : < echpapers/wp_eddl%20easy%20admin.pdf>. Acesso 10 ago EpiSensor (2009). Sica Studio Software. Disponível em: <http://www.episensor.com/products/software/si ca-studio>. Acesso em 10 ago Google maps (2010). API do Google Maps. Disponível em: <http://code.google.com/intl/pt- BR/apis/maps/documentation/javascript/>. Acesso em 13 set Hong, S.-I.; Lyu, H.-S.; Yoon, D.-H.; Lin, C.-H. (2011). Development of road light gateway with sensor network. International Conference on Advanced Communication Technology, ICACT, pp Iordache, C., Gavat, S., Mada, C., Stanciu, D., Holban, C. (2008). Streetlight monitoring and control system Part I: System structure. Automation, Quality and Testing, Robotics, AQTR IEEE International Conference on, vol.3, pp , May 2008 Jiang, Y.; Jiang, W.; Ren, H. (2010). Research on XML-based network lighting device description approach. Computer Science and Education (ICCSE), th International Conference on, pp , Aug Lee, J.D.; Nam, K.Y.; Jeong, S.H.; Choi, S.B.; Ryoo, H.S.; Kim, D.K. (2006). Development of Zigbee based Street Light Control System. Power Systems Conference and Exposition, PSCE ' IEEE PES, pp , Oct Nov Long, L., Xiumin, C., Yong, W., Qing, W. (2009). The Development of Road Lighting Intelligent Control System Based on Wireless Network Control. Electronic Computer Technology, 2009 International Conference on, pp , Feb OPC-DA (1998). OPC Overview White Paper. Disponível em: <http://www.opcfoundation.org/archive/2a8336 6b-da1c-490a-99d2- f321e2d4ce51/general/opc%20overview% pdf>. Acesso 30 ago OPC XML-DA (2004). OPC XMLDA 1.01 Specification. Disponível em: <http://www.opcfoundation.org/downloads.aspx?cm=1&cn=key&ci=278&cu=55>. Acesso 30 ago Pantoni, R.P.; Brandao, D. (2009). Developing and implementing an open and non-proprietary device description for FOUNDATION fieldbus based on software standards. Computer Standards & Interfaces, vol. 31, Issue 2, pp Shu, Y.-Z.; Tao, C.-G.; Quan, L.; Xiaohong, P. (2009). Research of Optimizing Device Description Technology Based on XML in EPA. Electronic Commerce and Security, ISECS '09. Second International Symposium on, vol.1, pp , May 2009 Strategic Telemetry (2009). SmartLights 2.0. Disponível em: <http://www.strategictelemetry.net/ourproducts. aspx>. Acesso em 01 set Streetlight.Vision (2009). Streetlight.Vision Monitoring Software. Disponível em: <http://www.streetlightmonitoring.com/slvwebsit e/index.php/slvsolution>. Acesso em 07 set Torrisi, N.M. (2011). Monitoring Services for Industrial. Industrial Electronics Magazine, IEEE, vol.5, no.1, pp.49-60, March 2011 Yao, Y., Zhang, D., Wang, C., Sun, Y., Xu, D. (2006). Design of Remote Street Lamp Monitoring and Communicating Node Controller Based on Spread Spectrum Carrier. Industrial Electronics, 2006 IEEE International Symposium on, vol.3, pp , 9-13 July

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço Elenilson Vieira da S. Filho 1, Ângelo L. Vidal de Negreiros 1, Alisson V. Brito 2 1 Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS AUTOR(ES):

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

MSc. Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo. Escola SENAI Anchieta - DR São Paulo

MSc. Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo. Escola SENAI Anchieta - DR São Paulo MSc. Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Controle de Processo pela Internet INTRODUÇÃO: Rede Mundial de Computadores WWW World Wide Web Influência

Leia mais

MONITORAMENTO RESIDENCIAL UTILIZANDO O ZABBIX E O PADRÃO IEEE 802.15.4 RESIDENTIAL MONITORING USING ZABBIX AND IEEE 802.15.

MONITORAMENTO RESIDENCIAL UTILIZANDO O ZABBIX E O PADRÃO IEEE 802.15.4 RESIDENTIAL MONITORING USING ZABBIX AND IEEE 802.15. MONITORAMENTO RESIDENCIAL UTILIZANDO O ZABBIX E O PADRÃO IEEE 802.15.4 W. ROMEIRO * e F. COSTA Instituto Federal de Ciências e Tecnologias do Rio Grande do Norte wr.romeiro@gmail.com * Artigo submetido

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

TOMADAS INTELIGENTES: SISTEMA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE TOMADAS ELÉTRICAS BASEADO EM SMARTPHONES

TOMADAS INTELIGENTES: SISTEMA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE TOMADAS ELÉTRICAS BASEADO EM SMARTPHONES TOMADAS INTELIGENTES: SISTEMA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE TOMADAS ELÉTRICAS BASEADO EM SMARTPHONES Sérgio Freitas da Silva Jr - 9º ano do Ensino Fundamental 1, Lucas Santos do Nascimento Portela 3º ano

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS

UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS Prof. Roberto A. Dias, Dr. Eng CEFET-SC Igor Thiago Marques Mendonça Reginaldo

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

O Conversor Serial Ethernet MUX-10

O Conversor Serial Ethernet MUX-10 O Conversor Serial Ethernet MUX-10 M. B. Pereira, E. Araujo, ENAUTEC e F. Santana, COELBA Resumo - O Conversor Serial Ethernet MUX-10 é um protótipo destinado a interconectar equipamentos baseados em porta

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação. Seminário Interno de Preparação para o Colóquio do SC B5 2009

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação. Seminário Interno de Preparação para o Colóquio do SC B5 2009 Cigré/Brasil CE B5 Proteção e Automação Seminário Interno de Preparação para o Colóquio do SC B5 2009 Rio de Janeiro, 15-16 de setembro de 2009 Dados do Artigo Número: PS1 107 Título: Client Conformance

Leia mais

RESULTADOS PRELIMINARES NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA PARA MAPEAMENTO REMOTO DE RADIAÇÃO

RESULTADOS PRELIMINARES NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA PARA MAPEAMENTO REMOTO DE RADIAÇÃO 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 RESULTADOS PRELIMINARES NO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Robson Paoli Clóvis Simões José Aurélio SB Porto

Robson Paoli Clóvis Simões José Aurélio SB Porto GRUPO V ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E COMUNICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA (GPC) PROJETO CEB A INTEGRAÇÃO COMPLETA ENTRE COS, EMS, DMS, REDE CORPORATIVA, CORs, SUBESTAÇÕES E CHAVES DE POSTE Robson

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores SISTEMA SICES Rewind e SI.ces MO.nitoring NE.twork (SI.MO.NE.) Sistema de monitoramento remoto REWIND Rewind é um módulo microprocessado

Leia mais

Utilização do aplicativo ODK como suporte na inspeção de Via Permanente

Utilização do aplicativo ODK como suporte na inspeção de Via Permanente Utilização do aplicativo ODK como suporte na inspeção de Via Permanente Eric Pretti Serafim 1 * 1 VALES/A. Rod. BR155, s/n, Pátio Ferroviário de Marabá, 68508-970, Marabá - Pará e-mail: eric.pretti@vale.com

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS

A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS Descrição As necessidades de telemedição (ou telemetria) e telecomando têm sido cada vez mais utilizadas nas mais variadas aplicações, principalmente onde o volume

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos

Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos Quem é a Zaruc? Empresa que atua desde 2008 no desenvolvimento de projetos tecnológicos inovadores oferecendo soluções

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CIAPORTE SOLUÇÕES E SOFTWARE LTDA ME AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010

Leia mais

1 Gerenciamento de Ativos

1 Gerenciamento de Ativos 1 Gerenciamento de Ativos 1 - OBJETIVO Esse documento tem por objetivo a especificação do sistema de gerência de ativos para um sistema de automação. 2 - CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS Esse documento foi baseado

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação Técnica Última atualização em 31 de março de 2010 Plataformas Suportadas Agente: Windows XP e superiores. Customização de pacotes de instalação (endereços de rede e dados de autenticação).

Leia mais

MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER

MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER Alex Lage de Morais 1 ; Wilson Cabral de Sousa Jr. 2 ;Elaine Nolasco Ribeiro 3 RESUMO - Uma parte do projeto

Leia mais

Tecnologias de Automação para Eficiência Energética na Irrigação de Lavouras de Arroz

Tecnologias de Automação para Eficiência Energética na Irrigação de Lavouras de Arroz Tecnologias de Automação para Eficiência Energética na Irrigação de Lavouras de Arroz Luciano L. Pfitscher, Daniel P. Bernardon, Luciana M. Kopp, Marcos V. T. Heckler UNIPAMPA Universidade Federal do Pampa,

Leia mais

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse)

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse) A palavra SCADA é um acrônimo para Supervisory Control And Data Acquisition. Os primeiros sistemas SCADA, basicamente telemétricos, permitiam informar periodicamente o estado corrente do processo industrial,

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Esclarecimento: As versões dos navegadores a serem utilizadas pelo PSIM estão descrito no item 2.4.1.12 do projeto básico.

Esclarecimento: As versões dos navegadores a serem utilizadas pelo PSIM estão descrito no item 2.4.1.12 do projeto básico. 1 Dúvida: Por favor, nos explique alguns casos tipicos de uso para o monitoramento central? Esclarecimento: Recepção e tratamento de eventos provenientes da central de alarme, validação de ocorrências

Leia mais

Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015

Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015 Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015 Engenharia de Controle e Automação Sistema de Controle Baseado e PC versus Controladores Industriais Formas de apresentação:

Leia mais

Engenheiro da Computação pelo Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL (2012).

Engenheiro da Computação pelo Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL (2012). Redes Cognitivas: Análise de Protocolos de Múltiplo Acesso A tecnologia de rádio cognitivo é forte candidata como solução para as próximas gerações de redes de comunicações sem fio. O protocolo de múltiplo

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Foundation Fieldbus HSE

Foundation Fieldbus HSE Foundation Fieldbus HSE Diego Silva Eduardo Coelho Plínio Altoé Professor Luiz Affonso Introdução HSE: High Speed Ethernet Conjunto de especificações criado pela Fieldbus Foundation Especificações Foundation

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Interfaces Homem-Máquina Universais (IHM) Aplicações e Características Principais

Interfaces Homem-Máquina Universais (IHM) Aplicações e Características Principais Interfaces Homem-Máquina Universais (IHM) Aplicações e Características Principais A grande versatilidade da nossa família deinterfaces Homem-Máquina (IHM)permite que a mesma seja utilizada nas mais diversas

Leia mais

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação Cigré/Brasil CE B5 Proteção e Automação Seminário Interno de Preparação para o Colóquio do SC B5 2009 Paper 109 Intelligent Electronic Device Remote Test Architecture Solution Using a Test Unit Rio de

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais

Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais Proposta de Trabalho

Leia mais

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Sistemas Supervisórios são sistemas digitais de monitoração e operação da planta que gerenciam as

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

Arquitetura de uma Rede JXTA

Arquitetura de uma Rede JXTA Page 1 of 6 Redes de Proteção SP Produtos de Rede Confiança e credibilidade. fone Produtos TrendNet: qualidade, (011) 6197-0707 garantia e ótimo custo/benefício. www.tudoderedesdeprotecao.com.br http://www.trendware.com.br

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE TIPOS DE ALGORITMOS DE DISPATCHER PARA WEB CLUSTERS

UM ESTUDO SOBRE TIPOS DE ALGORITMOS DE DISPATCHER PARA WEB CLUSTERS REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 04, FEVEREIRO DE 2006.

Leia mais

Teste de IEDs Baseados na IEC 61850

Teste de IEDs Baseados na IEC 61850 1 Teste de IEDs Baseados na IEC 61850 M. E. de C. Paulino, Member, IEEE Abstract - A integração de IEDs multifuncionais em subestações complexas requer desenvolvimento de um protocolo padrão que reúna

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 Londrina, 07 de outubro de 2015. EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 OBJETO: Art.1º. Constitui objeto desta licitação a aquisição de 01 (uma) Plataforma de Solução

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

PowerCommand iwatch. 100

PowerCommand iwatch. 100 PowerCommand iwatch. 100 Monitoração Remota de Rede Descrição O sistema PowerCommand. iwatch. 100 proporciona os meios convenientes de monitoração remota de grupos geradores e de chaves de transferência

Leia mais

AUTOR(ES): LUIS WAGNER PASSINHO, ALESSANDRA CRISTINA SILVA, DANIEL ALVES DA ROCHA

AUTOR(ES): LUIS WAGNER PASSINHO, ALESSANDRA CRISTINA SILVA, DANIEL ALVES DA ROCHA TÍTULO: AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL PELA INTERNET COM PHP E ARDUINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE CAMPINAS AUTOR(ES):

Leia mais

APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS

APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS RESUMO Alessandro Lumertz Garcia 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo apresenta tipos de aplicações que podem existir nas casas inteligentes,

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

CONTROLADORES ELETRÔNICOS SICES. Linha de Produtos

CONTROLADORES ELETRÔNICOS SICES. Linha de Produtos CONTROLADORES ELETRÔNICOS SICES Linha de Produtos FAMÍLIA GC XXX GC 310: Controlador Simples AMF-ATS-SPM Emergência, falha dos canos principais, comutação GC 350: Controlador Avançado AMF-ATS-SPM Emergência,

Leia mais

Sistemas de Informação. Profª Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Instrutora Cisco Networking Academy - UNISUL 2013

Sistemas de Informação. Profª Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Instrutora Cisco Networking Academy - UNISUL 2013 Sistemas de Informação Profª Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Instrutora Cisco Networking Academy - UNISUL 2013 Conjunto de Módulos Processadores (MP) capazes de trocar informações e compartilhar recursos,

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Automação Residencial

Automação Residencial Automação Residencial F. A. Dias G. M. de Paula L. S. de Oliveira G.F. Vieira 1 CEFET-MG, Brasil Contexto Social e Profissional, 2009 Graduação em Engenharia Mecatrônica Motivação Questão fundamental O

Leia mais

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd.

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. XXI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2014-08 a 13 de novembro Santos - SP - Brasil CLOVIS SIMOES Thomas Mach Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. simoes@spinengenharia.com.br

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

JAVA MESSAGE SERVICE, UMA ALTERNATIVA ENTRE COMUNICAÇÃO DE SISTEMAS: uma abordagem prática. Lucas Yokowo dos Santos 1 RESUMO

JAVA MESSAGE SERVICE, UMA ALTERNATIVA ENTRE COMUNICAÇÃO DE SISTEMAS: uma abordagem prática. Lucas Yokowo dos Santos 1 RESUMO JAVA MESSAGE SERVICE, UMA ALTERNATIVA ENTRE COMUNICAÇÃO DE SISTEMAS: uma abordagem prática Lucas Yokowo dos Santos 1 RESUMO Mesmo com a consolidação de protocolos de comunicação via rede no mercado, como

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

tecnologia para prédios inteligentes S

tecnologia para prédios inteligentes S tecnologia para prédios inteligentes S O Sistema: Características O VisAct é um produto da empresa Spherical Networks Ltda., um conjunto de softwares e hardwares integráveis que conforme suas configurações

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Localização Geográfica no Google Maps com o Auxílio de Redes Wireless

Localização Geográfica no Google Maps com o Auxílio de Redes Wireless Localização Geográfica no Google Maps com o Auxílio de Redes Wireless Henrique G. G. Pereira 1, Marcos L. Cassal 1, Guilherme Dhein 1, Tarcízio R. Pinto 1 1 Centro Universitário Franciscano (UNIFRA) Rua

Leia mais

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL Adson Diego Dionisio da SILVA 1, Saulo Soares de TOLEDO², Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO³, Valderí Medeiros

Leia mais

Gerenciamento Integrado de QoS em Redes de Computadores

Gerenciamento Integrado de QoS em Redes de Computadores Gerenciamento Integrado de QoS em Redes de Computadores Lisandro Zambenedetti Granville, Liane Margarida R. Tarouco Instituto de Informática - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Caixa Postal

Leia mais

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS Capítulo 3 Interfaces e Protocolos para Redes de Sensores Inteligentes sem Fios 36 3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS A tecnologia sem fios vem sendo comumente utilizada

Leia mais

LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA - DTB

LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA - DTB LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB PARA UTILIZAÇÃO COM SISTEMAS NO BREAKS MONOFÁSICOS GUARDIAN LINHAS ENERGIZA E SEICA DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA

Leia mais

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento A solução para relacionamento de Smart Grid com os consumidores Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento asmart Grid + Relacionamento ferramenta

Leia mais

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos*

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos* Aula Prática 114 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Especificação de sistemas de monitoração on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO

CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO Existem várias maneiras com as quais dados geográficos podem ser distribuídos pela Internet, todas fundamentadas

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO

DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO Luiz Carlos Miller Araras, outubro de 2010 DA LOCALIZAÇÃO DO DISPOSITIVO: O GPTD captura

Leia mais

Positivo Network Manager 4

Positivo Network Manager 4 Positivo Network Manager 4 O gerenciamento eficiente de informações e de tecnologia da informação (TI) é um fator reconhecidamente crítico na maioria das organizações. As informações e as tecnologias que

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

TÍTULO: APLICAÇÃO DE REDE DE SENSORES SEM FIO PARA SENSORES DE FLUXO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES PREDIAIS E INDUSTRIAIS

TÍTULO: APLICAÇÃO DE REDE DE SENSORES SEM FIO PARA SENSORES DE FLUXO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES PREDIAIS E INDUSTRIAIS TÍTULO: APLICAÇÃO DE REDE DE SENSORES SEM FIO PARA SENSORES DE FLUXO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES PREDIAIS E INDUSTRIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Mensagem de Voz Mensagem Unificada Caminho da Migração Wireless DECT/2.4GHZ TDA Facilidades Celulares Integradas Novo Cartão Principal Atualização do TDA para Tipo Call Control proprietáio Call Control

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850 O. J. M. da MOTTA e C.A. CORDEIRO FURNAS M. G. CASTELLO BRANCO* e C. H. R. de OLIVEIRA CPqD Brasil RESUMO Neste trabalho, os autores propõem uma abordagem dos

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

Instrumentos para medição de energia, de parâmetros ambientais e de processos.

Instrumentos para medição de energia, de parâmetros ambientais e de processos. Electrex - instrumentos e softwares para a medição, economia, gerenciamento de consumos e de produç Quem somos Desde 1993, a Electrex projeta, produz e comercializa, na Itália e no mundo, instrumentos

Leia mais

Secullum Acesso.Net ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Secullum Acesso.Net. Ficha Técnica. Serviço de Comunicação. Módulo. Estacionamento.

Secullum Acesso.Net ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Secullum Acesso.Net. Ficha Técnica. Serviço de Comunicação. Módulo. Estacionamento. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Serviço de Comunicação Secullum Acesso.Net Estacionamento Gerencial Integração CFTV Pessoal Recepção Refeitório Automação Sistema Operacional: compatível com Windows XP ou superior

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais