V SBQEE SOBRECARGA HARMÔNICA E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO E ALARME NAS SUBESTAÇÕES DE IBIÚNA E FOZ DO IGUAÇU DE FURNAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "V SBQEE SOBRECARGA HARMÔNICA E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO E ALARME NAS SUBESTAÇÕES DE IBIÚNA E FOZ DO IGUAÇU DE FURNAS"

Transcrição

1 V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de Dados SOBRECARGA HARMÔNICA E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO E ALARME NAS SUBESTAÇÕES DE IBIÚNA E FOZ DO IGUAÇU DE FURNAS Alexandre Lima Farias(*) Davi Sixel Arentz Ubiratan F Castellano FURNAS Centrais Elétricas SA FURNAS Centrais Elétricas SA Joule Energy Ltda RESUMO Este trabalho apresenta a descrição de um problema real de sobrecarga harmônica em filtros AC de um Sistema de Transmissão em Corrente Contínua e o resumo do desenvolvimento e implantação de uma versão especificamente modificada do sistema Power Auditor de monitoramento de qualidade de energia com funções de alarme de harmônicas especiais desenvolvidas para atender aplicação nas Subestações Conversoras de Ibiúna e Foz do Iguaçu. Apresentam-se alguns dos registros das medições em diversas condições operativas, resumo da analise das mesmas e as conseqüentes decisões de ampliar a capacidade de filtragem e realizar uma campanha de medições para identificar o comportamento dos harmônicos neste sistema. PALAVRAS CHAVE: Qualidade de energia, Monitoramento, harmônicos, sistema de corrente contínua, filtros. 1. INTRODUÇÃO Ao longo dos últimos anos foram identificadas diversas ocorrências de sobrecarga harmônica em filtros AC do Sistema de Corrente Contínua de FURNAS que vem ocorrendo nos dois filtros sintonizados para 3 a e 5 a ordem (180 e 300Hz), localizados em Ibiúna. Existem registros de sobrecarga harmônica, com conseqüente desligamento destes filtros, mesmo com o Sistema de Corrente Contínua fora de operação. Tal problema tem obrigado a utilização contínua dos 2 filtros desta sintonia, em desacordo com o projeto original que previa a utilização de apenas um dos filtros, ficando o outro como reserva. Isto dificulta severamente a realização de manutenções preventivas. Adicionalmente, a indisponibilidade destes dois filtros deixa o Sistema de Corrente Contínua vulnerável, sendo necessário reduzir a potência transmitida drasticamente causando grandes transtornos operativos para o Sistema Interligado. FURNAS vem realizando diversos monitoramentos e investigações nas SE Ibiúna e Foz do Iguaçu e, em 2000, definiu a necessidade de monitoramento especial de harmônicos associado a alarmes especiais disparados em condições de níveis programáveis para diversos componentes harmônicas selecionadas e diversos tempos de integração, em acordo com as proteções dos filtros, e que pudesse dar suporte tanto a análise de situações específicas e também suporte a operação dos filtros e prevenção de situações limite. Este trabalho apresenta a visão geral do problema, o desenvolvimento do sistema de monitoramento, sua implantação e importância dos resultados obtidos, contemplando alguns exemplos de sua utilização que vem contribuindo nos estudos para a solução do problema. 2. O SISTEMA DE CORRENTE CONTÍNUA DE FURNAS Com capacidade de transmissão nominal de 6300MW, o Sistema de Corrente Contínua é composto por dois bipolos que operam com tensão nominal de +600kV. Com aproximadamente 800km, interliga a subestação de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, à subestação de Ibiúna, próxima da capital de São Paulo. A subestação retificadora recebe a tensão no nível de 500kV proveniente da usina de Itaipu (50Hz), estando interligada ao sistema paraguaio através de um tronco de 220kV que chega à subestação Margem Direita, localizada a menos de 10km de Foz do Iguaçu. A subestação inversora está ligada à Rede Básica brasileira (60Hz) através de linhas de transmissão de 345kV que se dirigem para o centro de São Paulo e de * Rua Real Grandeza CEP Rio de Janeiro - RJ - BRASIL Tel.: +55 (021) FAX: +55 (021)

2 400 uma transformação para 500kV, que permite a sua interligação com os sistemas do Sul e Sudeste. Em ambas a subestações há um grande montante de filtros, responsáveis por diminuir os harmônicos injetados na rede e fornecer parte da potência reativa necessária ao processo de conversão AC/DC. Estes filtros são sintonizados para as principais freqüências esperadas no processo de conversão (harmônicos de ordem 3,5,11,13 e passa-alta), sendo filtros passivos RLC. 3. A FILTRAGEM AC DO SISTEMA DE CORRENTE CONTÍNUA DE FURNAS A conversão AC/DC é realizada através de pontes tiristorizadas de 12 pulsos, onde as harmônicas características que são da ordem 12n+1, onde n é qualquer inteiro e as harmônicas não-características, que são as de outras ordens. Um banco de filtros de dupla sintonia em 3 o e 5 o harmônicos, conectado ao sistema em caráter obrigatório, visa auxiliar a atender aos requisitos de desempenho de distorção harmônica e interferência telefônica, além de participar no balanço de potência reativa. No caso de Ibiúna, os filtros reduzem picos de sobretensões harmônicas durante eliminação de faltas trifásicas, que foram observadas em estudos do projeto. As subestações foram dimensionadas com dois bancos de filtros desta sintonia. A presença de apenas um dos filtros seria suficiente para manter o desempenho do sistema considerando a operação das conversoras e uma contribuição adicional do sistema interligado. O segundo filtro garante confiabilidade através da redundância para eventuais manutenções. Pelo projeto, a distorção da tensão AC para cada harmônico individual deveria ser menor que 1 % e a Distorção Total (DHT) inferior a 4 % e o desbalanço do sistema AC deveria ser tal que a componente de seqüência negativa não fosse superior a 0,5 % do valor da seqüência positiva. 4. O PROBLEMA DA SOBRECARGA HARMÔNICA Conforme estudos desde 1988 têm sido identificadas situações com elevados índices de distorção de 5 o harmônico em Ibiúna, principalmente em períodos de carga leve. Isto levou à necessidade de operação constante do segundo filtro conectado. A manutenção de algum destes filtros é muito dificultada pois é vedada a operação do Sistema de Corrente Contínua na indisponibilidade dos 2 bancos de 3 o /5 o harmônicos e, em caso de distúrbio do banco remanescente, a potência transmitida teria que ser reduzida rapidamente. Os altos índices seriam causados pelo excesso de harmônicos no sistema de corrente alternada. Medidas operativas foram apontadas mas não têm sido suficientes para reduzir a sobrecarga nos filtros. 4.1 Proteção de sobrecarga harmônica dos filtros Os filtros têm proteção específica de sobrecarga harmônica para o controle da corrente que circula em cada um de seus componentes (reator, resistor e capacitores) e opera integrando o conteúdo de distorção ( ( i 2 h ), onde i h é o conteúdo harmônico da corrente i na freqüência h*60 Hz) presente na corrente que circula nesses componentes. Ela age temporizadamente, dando alarme e desligando o equipamento, de modo adaptado à suportabilidade dos componentes. Há alguns anos foi instalado um esquema de alarmes configurados para 75% dos níveis de disparo da proteção do filtro. Foi verificado um grande número de alarmes, mesmo com ambos os filtros conectados a rede, e hoje em dia os mesmos ocorrem durante todo período de operação do sistema de Corrente Continua, com potências acima de MW ou com potência nula. Nos últimos anos, além de alarmes e desligamentos de filtros por sobrecarga foram registradas varias queimas de reatores de filtros de 3º/5º e alguns de outras sintonias também. 4.2 Novo sistema de monitoramento e alarme Em função do exposto viu-se necessário um acompanhamento constante do nível de distorção harmônica total e para isso foi instalado um Sistema de Aquisição de Dados de Qualidade de Energia modelo Power Auditor customizado, para monitorar continuamente o índice de distorção harmônica de tensão do barramento de 345kV de Ibiúna. No ano 2000 se iniciaram testes de funcionalidades do sistema Power Auditor em Ibiúna, utilizando a princípio uma versão básica do sistema e posteriormente a versão customizada, configurado para aquisição com taxa de amostragem de 64 a 256 pontos por ciclo e registro contínuo dos valores de tensão e corrente RMS, calculando e registrando a cada minuto a distorção harmônica total e valores individuais de cada componente harmônica para o sinal de tensão e corrente, dispondo de dois níveis de alarmes especiais. 5. DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO ESPECIAL DE HAMONICOS O Power Auditor é um sistema de aquisição de dados especializado para qualidade de energia elétrica, baseado em plataforma de computador de arquitetura aberta e no software QSR2000, e cujo diagrama geral de blocos é apresentado na figura 1. O sistema foi desenvolvido pelas empresas sulafricanas TLC Software e Quality of Supply Technologies, sendo integrado com suporte no desenvolvimento de aplicações e engenharia no Brasil pela Joule Energy. É composto por um hardware de arquitetura aberta, utilizando computador padrão PC e aquisição de dados via placa A/D de 12 bits, número de canais analógicos e digitais modularizáveis em até

3 canais analógicos e 92 digitais por unidade do Power Auditor. FIGURA 1 diagrama do sistema Power Auditor forma a complementar o antigo esquema para monitoramento de harmônicos já existente e fornecer registros para os estudos pós-eventos. Assim foram especificadas e desenvolvidas: - função especial no software para o monitoramento especial de harmônicos, integrando no tempo a exposição dos filtros aos níveis de distorção harmônica total e suas componentes - função de alarme, em dois níveis, associado ao monitoramento especial, com o software acionando relés auxiliares associados a cada nível de alarme assim temporizado. A figura 2 ilustra a página de configuração da função de alarme especial implantada no sistema. Toda configuração do sistema, gerenciamento de aquisição, cálculo de grandezas, indicadores, estatísticas e geração de relatórios de resultados é executado pelo software QSR2000, um software especialista para monitoramento de qualidade de energia, com funcionalidade completa abrangendo todos os aspectos pertinentes, fornecendo os resultados em conformidade com normalização internacional (NRS, IEC e outros), sendo possível o desenvolvimento de novas funcionalidades e implementação de novas modalidades e metodologias de cálculos primários e secundários. Pela característica de ser um sistema bastante configurável tanto em hardware como em software, os trabalhos integrados entre FURNAS e o fornecedor da solução possibilitaram o desenvolvimento, em um prazo relativamente curto, das novas funcionalidades especiais de software e hardware em etapas de implantação conforme descritas. De interface e conceito de configuração bastante claro e simples, permitiu também no curtíssimo prazo a obtenção e utilização de resultados diretamente aplicáveis ainda durante o desenvolvimento. 5.1 Teste inicial do sistema de aquisição O Power Auditor, instalado inicialmente em sua versão padrão, foi configurado somente para armazenar em banco de dados local os valores RMS de tensão e corrente, distorção harmônica total e as componentes harmônicas individuais, sendo acessível remotamente pela equipe da engenharia de FURNAS no Rio de Janeiro através de comunicação por linha telefônica, que era o único meio disponível nas subestações. Atualmente a comunicação é realizada através da Intranet, com maior velocidade de transferência de dados. 5.2 Especificação e desenvolvimento de versão do Power Auditor com função e alarmes de harmônicos especiais Com os resultados iniciais, definiu-se como segundo objetivo desenvolver uma versão do sistema visando fornecer também indicação e alarme em tempo real do nível de harmônicos medidos integrados no tempo de Figura 2 Tela de configuração do alarme especial Essa nova função alarme especial criada permite selecionar, para cada canal de tensão ou corrente adquirido, o monitoramento dos níveis de distorção harmônica total e/ou cada componente harmônica individual. Para cada um dos dois níveis de alarme, programáveis independentemente, é definido um intervalo de tempo de integração de janela deslizante e um nível para cada harmônica individual até a 9 a. ordem. Caso a média dos valores registrados de DHT ou suas componentes ultrapasse, em qualquer um dos canais configurados, os níveis de disparo definidos em um dos dois alarmes, a saída à relé relacionada ao alarme especial será ativada gerando sinalização na mesa de operação, permitindo ação e tomada de decisão. Os

4 402 alarmes assim podem ser configurados para atuar em níveis progressivos de severidade de eventos. As sucessivas versões do Power Auditor foram testadas e as funcionalidades aprovadas nesta fase, ao longo de 2000 e início de 2001, com o monitoramento se processando de maneira continuada e simultânea, com registro do comportamento das harmônicas ao longo desta fase. 5.3 Especificação de precisão do sistema de aquisição desenvolvimento de hardware Utilizando os resultados colhidos ao longo das etapas de testes preliminares e desenvolvimento das funções de alarmes especiais de harmônicos, comparados aos históricos e desempenho observado nos filtros e sua proteção, FURNAS especificou para o sistema níveis de precisão mais rígidos que os de norma para a medição de cada harmônico individual, bem como uma rotina particular de testes de laboratório e de campo para aferir a performance do conjunto de hardware e software. Especialmente quanto ao resultado da rotina de integração de harmônicos individuais e a precisão no acionamento dos reles associados aos dois níveis de alarme, foi requisitado que o sistema mantivesse a performance de precisão mesmo em condições de reduzidos sinais na entrada de aquisição, o que foi alcançado. Nessa fase, o fornecedor desenvolveu paralelamente os ajustes no software e o desenvolvimento e nacionalização da interface de condicionamento de sinal, de modo a atingir os requisitos da especificação. 5.4 Comissionamento O sistema fornecido passou por diversos testes tanto no campo, instalado na subestação de Ibiúna, como nos laboratórios de FURNAS, o mesmo se dando com o sistema instalado na subestação de Foz do Iguaçu, e com o fornecido para a equipe de qualidade, no Rio de Janeiro. As especificações foram atendidas, e essa fase se concluiu no início do RESULTADOS DO MONITORAMENTO DE QUALIDADE DE ENERGIA EM IBIÚNA Assim, ao longo dos últimos dois anos foi efetuado um acompanhamento contínuo do desempenho harmônico da tensão em Ibiúna. Neste período de análise foram identificadas diversas ocorrências, algumas com desligamento de filtros, em que o Sistema de Corrente Contínua se encontrava em condições operativas variadas. A seguir são apresentados alguns detalhes relativos a uma determinada ocorrência envolvendo os filtros de 3 o /5 o harmônicos de Ibiúna e o comportamento de um dia típico, sem registro de perturbações próximas. Estes dois momentos servem para exemplificar as situações comuns que são encontradas em Ibiúna Ocorrência de 27/01/2002 Às 14:00 h de 27/01/2002 a SE Ibiúna operava com um bípolo desligado, potência transmitida pelo sistema de corrente contínua próxima de 800 MW e com um circuito da LI Ibiúna Interlagos 345 kv desligado. A seqüência de eventos da Tabela 1, apenas com os desligamentos de filtros por proteção e as manobras mais importantes, é apresentada para demonstrar a gravidade do problema. Tabela 1 Seqüência de Eventos. Hora Descrição do evento 14:20 Desligamento do filtro ZRN 14:21 Desligamento do filtro ZRC 14:22 Energizados os filtros ZRC e ZRN 14:49 Acionada a parada do pólo 3 para controle de tensão 14:57 Potência transmitida reduzida para 700 MW 15:10 Potência transmitida reduzida para 300 MW 15:50 Acionada a parada do conversor 8 15:52 Desligamento do filtro ZRN 15:53 Desligamento do filtro ZRC 15:54 Acionada parada completa da transmissão pelo HVDC. 15:56 Energizado o filtro ZRC. 15:57 Energizado o filtro ZRN 16:03 Desligamento do filtro ZRN 16:05 Desligamento do filtro ZRC 19:24 Energizado o filtro ZRC 19:25 Energizado o filtro ZRN 19:25 Acionada a partida do HVDC 19:35 Desligamento do filtro ZRN 19:35 Desligamento do filtro ZRC 19:37 Energizado um filtro passa-alta (HP) e um banco de capacitores 19:38 Energizado o filtro ZRC 19:39 Energizado o filtro ZRN 19:40 A partir deste instante foram efetuados diversas manobras e ações de partida de conversoras, sem mais desligamentos. As Figuras 3 e 4 apresentam a potência transmitida pelo Sistema de Corrente Contínua e o índice de Distorção Harmônica Total (DHT) medido em Ibiúna neste dia. A Figura 5 mostra o índice de 5 o harmônico durante o mesmo período. MW Potência - HVDC (Ibiúna) 0 00:00 01:05 02:10 03:15 04:20 05:25 06:30 07:35 08:40 09:45 10:50 11:55 13:00 14:05 15:10 16:15 17:20 18:25 19:30 20:35 21:40 22:45 23:50 Hora (27 Janeiro 2002) FIGURA 3 Potência Transmitida (MW)

5 403 FIGURA 4 Distorção Harmônica Total (%) FIGURA 7 3 o e 5 o Harmônicos de Tensão (%) FIGURA 5 5 o Harmônico de Tensão (%) Pode-se notar que o comportamento da Distorção Harmônica Total é fortemente influenciado pelo 5 o harmônico. As amplitudes dos harmônicos de outras ordens são bastante reduzidas, podendo ser desprezadas em comparação com a componente de 300Hz. Não é possível obter uma relação entre a potência transmitida e o comportamento dos harmônicos Ocorrência de 26/10/2002 Neste dia, um sábado, não houve registro de qualquer distúrbio ou chaveamento importante próximo de Ibiúna, com pouca variação na transmissão pelo Sistema de Corrente Contínua. Os registros desta medição são apresentados nas Figuras 6 e 7 por mostrarem comportamentos típicos que foram identificados ao longo do acompanhamento dos últimos anos. Da sua análise podemos destacar : - O perfil da Distorção Harmônica Total acompanha a variação da Distorção Individual de 5 a ordem, que é da ordem de 70% da distorção total. - Pouco antes do horário de ponta ocorre uma redução sensível no 5 o harmônico, que aumenta lentamente até por volta das 23 horas. Este comportamento se repete em qualquer dia da semana. - O 3 o harmônico tem um comportamento estável, com valor inferior a 0,3% da tensão nominal, índice que não causa preocupação. - É difícil determinar uma relação clara entre a potência transmitida pelo Sistema de Corrente Contínua e o perfil da distorção harmônica. No período analisado houve pouca variação na transmissão, sem correspondência com o comportamento do nível de harmônico. 6.3 PROPOSTAS DE SOLUÇÃO O alto nível de harmônicos e o numero de ocorrências encontrado em Ibiúna levou à realização de diversas discussões técnicas, inclusive com o ONS, onde se levantaram várias hipóteses de ações das quais as principais são aqui sumarizadas Operação sem os filtros de 3 O /5 O harmônicos Na situação em que os dois filtros estivessem indisponíveis, seja por manutenção, queima ou atuação de sua proteção de sobrecarga. Depois de uma análise criteriosa, esta proposta foi descartada. Conforme situações previstas nos estudos do projeto do Sistema de Corrente Contínua, há riscos operacionais nestas condições, com possíveis repercussões financeiras pela própria indisponibilidade bem como por custos de reposição de equipamentos. FIGURA 6 Distorção Harmônica Total (%) Instalação de novos filtros A proposta de solução mais rápida foi o reforço da capacidade de filtragem de 3 o /5 o de Ibiúna através da instalação de 2 novos bancos de filtros, de potência nominal de 59 Mvar para cada módulo. O pedido de autorização para a instalação destes equipamentos foi encaminhado à ANEEL, mas durante a elaboração deste artigo ainda não havia uma decisão sobre o assunto.

6 Campanha de medição de harmônicos A solução definitiva só será possível após o entendimento completo do desempenho dos harmônicos naquela região, com uma detalhada campanha de medição, verificando a influência dos mais diversos aspectos como configuração de rede, período de carga, presença de cargas não-lineares, disponibilidade de filtros e bancos de capacitores na região, sob coordenação do nos, o que neste momento se encontra em providência. 7. RESULTADOS DO MONITORAMENTO DE QUALIDADE DE ENERGIA EM FOZ DO IGUAÇU No período de análise o desempenho da distorção harmônica foi bastante regular, com pequenas variações registradas que não trouxeram maior preocupação para a operação. Nesta subestação não ocorrem problemas de sobrecarga harmônica, como é normal em Ibiúna. Entretanto, pode-se destacar a utilização do sistema de medição para identificação da queima de reator de um dos filtros monitorados. Tal evento não causou a atuação de proteção, sendo identificado no campo através de inspeção visual durante manutenção. A Figura 8 mostra o instante da queima da fase A do reator, ocorrendo a perda de sintonia do filtro, diminuindo as componentes de 3 o e 5 o harmônicos de corrente e aumentando o índice de 4 o harmônico. Para as outras fases e para o filtro em paralelo não se nota qualquer alteração no resultado da medição. Esta informação foi empregada para a análise da ocorrência. operar normalmente o sistema de Corrente Contínua sem a presença de dois filtros de 3 o /5 o harmônicos. O monitoramento implantado em Ibiúna e Foz do Iguaçu com o sistema Power Auditor, realizado de forma contínua, vem sendo utilizado tanto para se compreender o comportamento do sistema em situações de operação normal como nas ocorrências. Assim, os resultados até o momento permitiram concluir que a sobrecarga harmônica que vem ocorrendo nos filtros de Ibiúna é causada pela injeção proveniente do sistema interligado, conforme exemplificado pelos registros analisados da ocorrência de 27/01/2002. A solução de reforçar a filtragem de 3 o /5 o harmônicos de Ibiúna é aquela que se apresenta como a de mais rápida implantação. A solução definitiva para o problema apresentado só pode ser definida após um longo estudo, com monitoramento continuado das barras e incluindo medição e simulação, em que fique esclarecido o motivo do desempenho e responsabilidades por este comportamento dos harmônicos. O sistema de monitoramento se mostrou uma ferramenta também útil para a análise de eventos, auxiliando na pesquisa das causas de problemas operacionais diversos. 9. AGRADECIMENTOS À Eng. Ana Cristina F. Marotti que, trabalhando para FURNAS, foi responsável pela condução dos trabalhos de investigação, especificação e instalação dos sistemas em Ibiúna e Foz do Iguaçu. Às equipes de Ibiúna e Foz, do laboratório central (CTE.O) e da área de qualidade em Furnas, pelo envolvimento crítico e construtivo durante o desenvolvimento. Aos profissionais da Joule Energy, e em especial o eng. João Nojiri. Ao Eng. Luiz Coelho e sua competente equipe da Lynx pelo trabalho com o hardware do sistema. Ao eng. Luis Valentim e equipe, na TLC, e Richard Goodland da QST, pelo competente e paciente trabalho de desenvolvimento do Power Auditor e do QSR REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FIGURA 8 Distorção Harmônica Individual de Corrente - fase A (%) 8. CONCLUSÕES O Sistema de Corrente Contínua de FURNAS foi projetado de tal forma que a presença de apenas um filtro de 3 o /5 o harmônicos seria capaz de garantir a qualidade de sua operação. No entanto, não é possível [1] Madzarevic, V. et all, General Description and Principal Characteristics of the Itaipu HVDC Transmission System, International Symposium on HVDC Technology, março 1983 [2] Relatório SCEL-002/92, Sobrecarga harmônica na SE Ibiúna Diagnóstico e expectativa de solução. [3] A.L.Farias, D.S. Arentz, S.L.I. Gonçalves, Sobrecarga harmônica em filtros AC do sistema de corrente continua de Furnas, X ERLAC, maio 2003 [4] Referência Técnica - Sistema Power Auditor - Joule Energy, abril/2002

* R. Real Grandeza, 281 Rio de Janeiro RJ CEP: 22283-900 Fone: (21) 5282188 / fax: (21) 5285576 / e-mail: alfarias@furnas.com.br

* R. Real Grandeza, 281 Rio de Janeiro RJ CEP: 22283-900 Fone: (21) 5282188 / fax: (21) 5285576 / e-mail: alfarias@furnas.com.br GAT/029 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA (GAT) ESQUEMA DE CONTROLE DE EMERGÊNCIAS NA CONFIGURAÇÃO FINAL DO

Leia mais

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 05 102 Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de Dados ESTUDO, PROJETO

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

COMISSIONAMENTO DE BANCOS DE CAPACITORES SÉRIE CONVENCIONAIS E CONTROLADOS A TIRISTORES

COMISSIONAMENTO DE BANCOS DE CAPACITORES SÉRIE CONVENCIONAIS E CONTROLADOS A TIRISTORES GSE/ 03 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDOS DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) COMISSIONAMENTO DE BANCOS DE CAPACITORES SÉRIE CONVENCIONAIS E

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO GSE/ 19 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII GRUPO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Siemens Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Processo: 48500.000560/2015-44 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

V SBQEE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE TENSÃO EM CONSUMIDORES INDUSTRIAIS PARA AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE

V SBQEE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE TENSÃO EM CONSUMIDORES INDUSTRIAIS PARA AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 04 167 Tópico: Análise, Diagnósticos e Soluções MONITORAMENTO DA QUALIDADE

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

ELO DE ITAIPU - FILTROS DE 3/5 HARMÔNICOS DA ESTAÇÃO INVERSORA DE IBIÚNA NECESSIDADE, ESPECIFICAÇÃO E PROJETO

ELO DE ITAIPU - FILTROS DE 3/5 HARMÔNICOS DA ESTAÇÃO INVERSORA DE IBIÚNA NECESSIDADE, ESPECIFICAÇÃO E PROJETO Puerto Iguazú Argentina XIII ERIAC DÉCIMO TERCER ENCUENTRO REGIONAL IBEROAMERICANO DE CIGRÉ 24 al 28 de mayo de 2009 XIII/PI-B4-03 Comité de Estudio B4 - Alta Tensión en Corriente Continua y Electrónica

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG GPC / 02 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO V TEMA 2 SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG Gomes, N.S.(*) Andrade, S.R.C. Costa, C.A.B. Coutinho, C. E. B. CEMIG

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO A indústria de energia elétrica tem as seguintes atividades clássicas: produção, transmissão, distribuição e comercialização, sendo que esta última engloba a medição

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 05 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Inversor Solar Conectado à Rede Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i

Inversor Solar Conectado à Rede Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i HIVERTER - Série NP201i Os Inversores Fotovoltaicos da Hitachi são do tipo Grid-Tied (GT Conectados à Rede) com controle reativo de potência e alta eficiência,

Leia mais

1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL

1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL 1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Corte de geração 5. Finalidade: A finalidade deste esquema é evitar que

Leia mais

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA

INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA Equipe de Proteção e Controle - Garabi DIEGO ROBERTO MORAIS, DR. ENG. CONHECENDO O GRUPO

Leia mais

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC - 26 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR Flávio Augusto Mereu Pioto Técnico Pleno de Desenvolvimento Divisão de Gestão de Manutenção Centro de Manutenções Especiais CTEEP Brasil fpioto@cteep.com.br

Leia mais

Módulo de Aquisição de Dados e Controle. Catálogo

Módulo de Aquisição de Dados e Controle. Catálogo DM Catálogo Módulo de Aquisição de Dados e Controle O Módulo de Aquisição de Dados e Controle - DM efetua a interface de sistemas digitais com qualquer equipamento analógico ou eletromecânico que não possui

Leia mais

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Nível de Óleo para Transformadores e reatores MNO, é um equipamento microprocessado de alta precisão que indica o nível de óleo em escala

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 42BEspecificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva 38BEngetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: Hwww.engetron.com.br

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO

ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO Ricardo Camilo Zampieri Técnico Senior de Desenvolvimento Divisão de Gestão de Manutenção

Leia mais

O circuito integrado 555 (ART011)

O circuito integrado 555 (ART011) O circuito integrado 555 (ART011) Pela utilidade do circuito integrado 555, este artigo é um dos mais acessados deste site. Nele explicamos quase tudo (pois tudo que ele pode fazer é impossível de descrever)

Leia mais

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC/024 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA O SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DA COSERN EXPERIÊNCIA COM UTR S E

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

DPP/GPE. Janela : 51-52 Hz - Corta a segunda máquina

DPP/GPE. Janela : 51-52 Hz - Corta a segunda máquina DPP/GP BANCO D DADOS D SISTMAS SPCIAIS D PROTÇÃO Relatório ONS R 3/04/004 SISTMA ITAIPÚ - C n o : 3.47.0 - squema de corte de geração em Itaipu 50Hz, quando de bloqueio de 4 ou mais conversores do lo CC,

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 CATÁLOGO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Relé de Proteção de Motores RPM foi desenvolvido para supervisionar até 2 (dois) grupos ventiladores/motores simultaneamente, é utilizado

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 03

ESCLARECIMENTO Nº 03 PE.GCM.A.00130.2013 1/30 ESCLARECIMENTO Nº 03 FURNAS Centrais Elétricas S.A. comunica resposta ao pedido de esclarecimento sobre o Edital, efetuado por empresa interessada: 1. GERAL Entendemos que os Relés

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES A6. Dispositivos Eletrônicos Inteligentes IED s (Relés Microprocessados) A6.1 Introdução Esta especificação técnica tem como objetivo estabelecer

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

Regulador Digital de Tensão DIGUREG

Regulador Digital de Tensão DIGUREG Regulador Digital de Tensão DIGUREG Totalmente digital. Software para parametrização e diagnósticos extremamente amigável. Operação simples e confiável. Ideal para máquinas de pequena a média potência.

Leia mais

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp Plus foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Autores: Luis Fabiano dos Santos, Odair Tolardo, Anderson S. Nogueira

Autores: Luis Fabiano dos Santos, Odair Tolardo, Anderson S. Nogueira Esquema de Rejeição de Cargas Inteligente com Funcionalidade Distribuída Utilizando Recursos da Norma IEC61850 Autores: Luis Fabiano dos Santos, Odair Tolardo, Anderson S. Nogueira Apresentado por: Maurício

Leia mais

XII SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL AND EXPANSION PLANNING AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO HARMÔNICO DE SISTEMAS COM MÚLTIPLOS ELOS CCAT

XII SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL AND EXPANSION PLANNING AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO HARMÔNICO DE SISTEMAS COM MÚLTIPLOS ELOS CCAT SP166 XII SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA XII SEPOPE 2 a 23 de Maio 212 May 2 th to 23 rd 212 RIO DE JANEIRO (RJ) - BRASIL XII SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC

Leia mais

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 CE 6003 CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 APLICAÇÕES: Testes manuais em relés (eletromecânicos, estáticos, numéricos) Testes automáticos em relés. Testes dinâmicos em relés com reprodução

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RF-ETIM-01/2010-SFE

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RF-ETIM-01/2010-SFE RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RF-ETIM-01/2010-SFE I OBJETIVOS Verificar o desempenho da concessionária Expansion Transmissão Itumbiara Marimbondo S/A ETIM em face do blecaute do dia 10 de novembro de 2009,

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006 RELATÓRIO ONS - 3/107/06 EMITIDO EM: 28/04/2006 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt 26 Capítulo XIII Proteção de Bancos de Capacitores Shunt Por Cláudio Mardegan* A utilização de bancos de capacitores em sistemas elétricos industriais tem crescido ultimamente devido ao fato de se constituir

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Monitor de Temperatura M96

Monitor de Temperatura M96 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura M96 foi desenvolvido para supervisionar até 8 (oito) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

Alexandre Arcon, M.Sc. ABINEE TEC 2007 Abril, 2007. Soluções para Qualidade e Eficiência em Transmissão de Energia

Alexandre Arcon, M.Sc. ABINEE TEC 2007 Abril, 2007. Soluções para Qualidade e Eficiência em Transmissão de Energia Alexandre Arcon, M.Sc. Gerente Eng. Subest. ABB PSS - Subestações Soluções para Qualidade e Eficiência em Transmissão de Energia ABINEE TEC 2007 Abril, 2007 Sumário Introdução: Qualidade e eficiência em

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento Submódulo 12.3 Manutenção do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

DPP/GPE -120 < IZPD C1+C2 < 1900 MW; 900 < IZPD + IZCO < 1900 MW; - Janela de tempo de observação de pré-falta =2,0 SEG.

DPP/GPE -120 < IZPD C1+C2 < 1900 MW; 900 < IZPD + IZCO < 1900 MW; - Janela de tempo de observação de pré-falta =2,0 SEG. 1. ECE 7.14.27 ESQUEMA DESABILITADO 2. ESQUEMA DE CONTROLE DE TENSÃO POR ABERTURA DA 3. EMPRESA RESPONSÁVEL: ELETRONORTE. 4. CATEGORIA DO ESQUEMA: Abertura de linhas de transmissão. 5. FINALIDA DE: Este

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

UMA COMPARAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA SOBRE A APLICAÇÃO DE BANCOS DE CAPACITORES SHUNT COM FUSÍVEIS EXTERNOS, FUSÍVEIS INTERNOS E FUSELESS

UMA COMPARAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA SOBRE A APLICAÇÃO DE BANCOS DE CAPACITORES SHUNT COM FUSÍVEIS EXTERNOS, FUSÍVEIS INTERNOS E FUSELESS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 19 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1.1 Introdução Em sistemas de potência, as unidades geradoras compreendem os equipamentos conectados ao sistema capazes de transformar vários tipos de energia

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável O primeiro controlador Lógico Programável nasceu na General Motors Americana em 1968, em função da dificuldade de se alterar a lógica dos circuitos em painéis de relés

Leia mais

Projeto de instalação de sistemas UPS

Projeto de instalação de sistemas UPS 22 Capítulo IX Projeto de instalação de sistemas UPS Por Luis Tossi e Azarias Macedo Júnior* Neste capítulo, abordaremos os aspectos relacionados ao projeto de sistemas UPS. Trataremos de forma separada

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 19 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS GSI Nº: ART061-09 - CD 382-09 SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS Carlos Alberto Murari Pinheiro João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico,

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento Submódulo 2.2 Instalação do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S UMG 96S UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida Os instrumentos de medição universal com montagem embutida da família de produto UMG 96S foram principalmente concebidos para utilização

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: (Não preencher) Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: (Não preencher) Maceió, Brasil, Agosto de 2005 PALAVRAS-CHAVE: medições em subestações previsor de energia protocolo DNP perdas de energia COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

X-004 - SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE BAIXO CUSTO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

X-004 - SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE BAIXO CUSTO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO -004 - SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE BAIO CUSTO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Celso J. Munaro Engenheiro Eletricista pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestre e Doutor em Automação

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

Perfil. Proteções. Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão. 10 a 100 kva

Perfil. Proteções. Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão. 10 a 100 kva 10 a 100 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas de 10 a 50KVA de 60 a 100KVA Perfil Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios 30 Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A principal ferramenta para a operação de uma subestação de energia

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

CARLOS ROBERTO SUTTER

CARLOS ROBERTO SUTTER CARLOS ROBERTO SUTTER CREA-RJ.: xxxxx Engenheiro Eletricista - UFRJ, 1971. Idiomas: Inglês Cursos e Aperfeiçoamento Máquinas Elétricas -por Edward T. metcalf, PROMON, Rio de Janeiro, 1978, 1979 Congressos

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER

GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER Rocilda José Nogueira Santana Engenheiro de Analise da Manutenção Divisão de Gestão da Manutenção São Paulo CTEEP-Brasil

Leia mais

CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA

CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA Inversor de frequência Grupo: Energe Introdução FEC Uniara - 2012- Eng. Elétrica O presente trabalho abordará sobre inversor de frequência, um dispositivo capaz de

Leia mais

Aplicação de Bancos de Capacitores Série na Transmissão CA de Longa Distância: o Exemplo da Interligação Tucuruí Macapá - Manaus

Aplicação de Bancos de Capacitores Série na Transmissão CA de Longa Distância: o Exemplo da Interligação Tucuruí Macapá - Manaus Aplicação de Bancos de Capacitores Série na Transmissão CA de Longa Distância: o Exemplo da Interligação Tucuruí Macapá - Manaus Manfredo Correia Lima (*), Fernando Rodrigues Alves Chesf André Luiz Oliveira,

Leia mais

ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO

ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO Guilherme Sebastião da Silva, Cassiano Rech Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUI

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai CONEXÃO DE GERADORES COM O SISTEMA ELÉTRICO DE DISTRIBUIÇÃO Senne, E. F.; CPFL Energia; flausino@cpfl.com.br;

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II ESCLARECIMENTO A QUESTIONAMENTOS Referente à tensão de entrada e saída: O documento ANEXO+I+-+15-0051-PG+-+Especificação+Técnica solicita fornecimento de nobreak

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação digital apresenta fácil aprendizado em princípios e aplicações da moderna tecnologia de comunicação

Leia mais

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor 1 A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor Flávio R. Garcia(*), Tércio dos Santos e Alexandre C. Naves SADEFEM S/A Ernesto A. Mertens,

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais