Desenvolvimento de Sistema de Segurança Patrimonial Aplicado a Linhas de Transmissão de Energia Elétrica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento de Sistema de Segurança Patrimonial Aplicado a Linhas de Transmissão de Energia Elétrica"

Transcrição

1 1 Desenvolvimeno de Sisema de Seguança Paimonial Aplicado a Linhas de Tansmissão de Enegia Eléica R.T. Clao, CTEEP 1 ; J. K, C. Pino, EPUSP 2 ; F. S. Coea, EPUSP;L. C. Babosa; A. Souza, D.Y. Kikuchi; M. Masuda Resumo- Ese aigo apesena um sisema de seguança paimonial aplicado ao monioameno da faixa de sevidão e da esuua de oes de Linhas de Tansmissão. O sisema uiliza uma câmea com ecusos de pan, il e zoom, insalada em uma Toe da Linha de Tansmissão paa capa imagens de posições pé-deeminadas em ono da oe. Essas imagens são ansmiidas aavés de um sisema de comunicação sem fio paa uma cenal de monioameno insalada em uma subesação de enegia eléica. Um sofwae especialmene desenvolvido pemie defini condições de movimenação na faixa de sevidão que geam alames e dispaam gavação auomáica das imagens adquiidas, possibiliando aua com ponidão em casos de aos de vandalismo. O sisema inclui um ansmisso meeoológico insalado juno à câmea, que fonece infomações paa geação de banco de dados de condições climáicas. Os equipamenos insalados na Toe da Linha de Tansmissão são alimenados po meio de painéis de células foovolaicas e baeias. Palavas-chave Faixa de sevidão, monioameno em empo eal, seguança paimonial, vandalismo em oes. I. INTRODUÇÃO A invasão das faixas de sevidão das Linhas de Tansmissão de Enegia Eléica associadas a aos de vandalismo, como oubo de paes da esuua das oes, pejudica a opeação do sisema, podendo ocasiona ineupções da opeação das linhas. Uma ação peveniva que pemia deeca essas invasões em empo eal e evia os aos de vandalismo é de ineesse paa gaani a opeação segua do sisema, eduzindo a necessidade da ealização de manuenções coeivas emegenciais e dos cusos decoenes de epaos e de penalidades que possam se imposas pela ANEEL devido ao desligameno da Linha de Tansmissão. Ese aigo apesena o pojeo de um sisema de vigilância paimonial que pemie monioa echos de Linhas de Tansmissão em empo eal a pai de um compuado localizado em uma Subesação. As imagens da Linha de Tansmissão são capadas po uma câmea insalada em uma das Toes da mesma. Essas imagens são ansmiidas po meio de um sisema de comunicação sem fio paa o compuado de monioameno localizado na Subesação. O mesmo sisema de comunicação pemie que a câmea seja comandada emoamene po um opeado do sisema de vigilância paimonial, que pode ealiza uma inspeção dealhada da egião em ono da oe. Adicionalmene, infomações climáicas são coleadas po um ansmisso meeoológico, insalado na mesma Toe que a câmea, e ansmiidas paa o compuado de monioameno, viabilizando a ciação fuua 1 CTEEP Companhia de Tansmissão de Enegia Eléica Paulisa. 2 EPUSP - Escola Poliécnica da Univesidade de São Paulo. de bancos de dados. Um sisema de alimenação auônomo, composo po painéis foovolaicos e baeias, insalado na Toe da Linha de Tansmissão fonece enegia paa a câmea, o ansmisso meeoológico, o ádio de micoondas e demais cicuios O sisema de vigilância paimonial desenvolvido é descio na seção II. O dimensionameno do sisema de comunicação sem fio uilizado é apesenado na seção III. Na seção IV é discuido o sofwae especialmene desenvolvido paa monioameno das imagens capadas pela câmea. A seção V apesena os eses de campo ealizados com o sisema opeando na Linha de Tansmissão Sana Bábaa-Sumaé. Finalmene, na seção VI são descios os esulados obidos e as conclusões do pojeo. II. DESCRIÇÃO DO SISTEMA O sisema de vigilância paimonial aplicado a linhas de ansmissão é apesenado de foma esquemáica na figua 1. Ele é composo po um conjuno de equipamenos que são insalados em uma das Toes da Linha de Tansmissão a se monioada, localizada em áeas suscepíveis a aos de vandalismo e po equipamenos localizadas em Subesação que aua como cenal de monioameno. Os equipamenos insalados na Toe da Linha de Tansmissão incluem uma câmea digial com facilidades de pan, il e zoom, que pemie monioa de foma sisemáica á- eas pedefinidas pelo supe usuáio do sisema, que pode se ambém conolada emoamene pelo opeado paa invesiga as cecanias da oe quando da deecção de invasões ou aos de vandalismo. Na Toe é insalado adicionalmene um ansmisso meeoológico que colea infomações sobe empeaua do a, umidade elaiva do a, velocidade do veno e dieção do veno, visando fuua fomação de um banco de dados climaológicos que foneça subsídios paa esudos de edimensionameno da Linha de Tansmissão. As infomações meeoológicas e as imagens capadas pela câmea são conecadas a um Hub cuja saída alimena um ádio de micoondas opeando em 2,45 GHz, que ansmie esses dados aé a Subesação que aua como cenal de monioameno. Esse ádio ambém ecebe comandos do opeado do sisema localizado na Subesação, paa conola emoamene a movimenação da câmea. A alimenação dos equipamenos da Toe é de 12 VDC, sendo fonecida po painéis foovolaicos associados a um banco de baeias, que gaanem a opeação dia e noie do sisema sem ineupção, mesmo em peíodos com ês dias consecuivos nublados ou com chuva. A figua 2 apesena o diagama de blocos dos equipamenos insalados na Toe da Linha de Tansmissão. A comunicação ene a câmea e o senso meeoológico e a Subesação é feia po meio de dois enlaces de micoondas o pimeio enlace ineliga a Toe da Linha de Tansmis-

2 2 são com a Toe de Comunicações da Subesação; o segundo enlace eansmie o sinal capado na Toe de Comunicações paa o compuado de monioameno do sisema localiza nas dependências da Subesação. Os ádios empegados nos dois enlaces de micoondas opeam como Access Poin, na faixa de 2,45 GHz. O compuado de monioameno uiliza um sofwae especialmene desenvolvido paa analisa as imagens enviadas pela câmea, emiindo alames e gavando auomaicamene imagens quando condições de invasão definidas pelo supe usuáio do sisema foem deecadas. Linha de Tansmissão Subesação R disância ene os anscepoes; G ganho da anena de ansmissão; G ganho da anena de ecepção; P poência enegue à anena na ansmissão; P poência ecebida pela anena no ecepo. Tx/Rx A P G Figua 3. Diagama de blocos de um enlace. Paa cálculo do enlace uilizou-se a equação (1) conhecida como equação de Fiss [1,2]. R G P Tx/Rx B Toe da LT Câmea Tansmisso Meeoológico Toe de Comunicações Sendo, onde, 2 G. G. λ P = P (1) ( 4πR) λ = 2 c f Figua 1. Esquema do sisema de vigilância paimonial λ f c compimeno de onda do sinal ansmiido feqüência do sinal ansmiido velocidade da luz no vácuo Tansmisso Meeoológico Câmea HUB +12 VDC Painéis foovolaicos e Banco de Baeias Rádio de micoondas Figua 2. Equipamenos insalados na Toe da LT. III. SISTEMA DE COMUNICAÇÃO SEM FIO Anena O sisema de comunicações sem fio é composo po dois enlaces de compimenos difeenes, opeando na feqüência de 2,45 GHz, uilizando o padão LAN IEEE802.11b/g. O pimeio enlace que ineliga a Toe da Linha de Tansmissão com a Toe de Comunicações da Subesação em 3 km de exensão. O segundo enlace ineconeca a Toe de Comunicações com o compuado de monioameno insalado nas dependências da Subesação, siuado a apoximadamene 200 meos de disância. Paa dimensionameno dos enlaces considee-se a figua 3 que apesena o diagama de blocos de um enlace consiuído po dois anscepoes (Tx/Rx) e as especivas anenas, onde, Consideando-se que em feqüências de micoondas os ganhos das anenas são fonecidos em db e as poências em dbm, a equação de Fiis pode se escia de foma mais conveniene po (2). P 4πR 20 (2) λ ( dbm) = G( db) + G ( db) + P( dbm) log A feqüência de ansmissão e a disância ene os anscepoes são os dados de paida paa dimensionameno do enlace. Os anscepoes e anenas a seem usados no sisema devem se selecionados de modo que a poência ecebida seja maio que a sensibilidade do sisema, que é a mínima poência a se ecebida paa opeação do sisema com baixa axa de eo de bi. Deve-se obseva que a fómula de Fiis considea a aenuação de sinal no espaço live em condições ideais de ansmissão, não consideando o efeio de chuvas [2] e de eflexões do sinal ansmiido. Paa considea esses fenômenos aplica-se a fómula de Fiss com um fao de seguança de apoximadamene 10 db. Paa o enlace ene a Toe da Linha de Tansmissão e a Toe de Comunicações da Subesação selecionou-se o ádio WAP 6000 da Plane, com poência de ansmissão de Mbps e Mbps e sensibilidade de ecepção de Mbps e Mbps. Nas duas ponas do enlace uilizaam-se anenas do ipo fla panel, com ganho de 18 dbi. Aplicando-se a equação de Fiss veifica-se que esse enlace 54 Mbps adequadamene paa disâncias de aé 15 km em condições ideais de popagação. Consideando-se uma peda de 10 db devido ao

3 3 efeio combinado de eflexões do sinal, desalinhameno de anenas e chuvas, o alcance é eduzido paa 5 km, aendendo ainda nesse caso aos equisios do sisema. O enlace ene a Toe de Comunicações da Subesação e o compuado de monioameno em compimeno meno que 300 meos, endo sido ealizado po meio de ádios WAP 6100 da Plane, com anena inegada de 12 dbi. Esse ádio opea com poência de ansmissão de Mbps e Mbps e sensibilidade de ecepção de Mbps e Mbps. O enlace pode se esabelecido ene ponos disanes de aé 1,7 km, opeando com axa de 54 Mbps. IV. SOFTWARE DE MONITORAMENTO Foi desenvolvido um pogama de compuado que pemie o monioameno das imagens capadas pela câmea insalada na Toe da Linha de Tansmissão. Analisando essas imagens aavés de écnicas de visão compuacional, a aefa pincipal do pogama é deeca possíveis aleações significaivas que possam ocoe no ambiene vigiado. A aplicação desse pogama esá elacionada a um campo abeo conendo linhas de ansmissão de enegia com suas oes de supoe. Dessa maneia, as possíveis aleações a seem deecadas pelo sofwae de vigilância coespondem a aos de vandalismo, como os popocionados po invasões do campo po indivíduos não auoizados, ou mesmo depedação das oes. A câmea escolhida paa ealiza o monioameno do ambiene é a câmea AXIS 214 PTZ. Taa-se de uma câmea IP, que possui um sevido ineno que pemie a comunicação com ouos disposiivos siuados na mesma ede. Dene suas caaceísicas, ela possibilia o acesso às suas funcionalidades aavés de uma ineface de pogamação (API) chamada AXIS Media Conol SDK, disponível no sie da empesa [4], que pemie a ealização de pogamas em ambiene Micosof Windows. O sofwae de monioameno foi desenvolvido em um ambiene Micosof Visual C++ 6.0, em um sisema Micosof Windows XP, implemenado em um compuado pessoal (PC). O algoimo de deecção de aleações uilizado no sofwae é baseado na écnica apesenada po Huwe e Niemann [5]. A enada é um fluxo de imagens, que coesponde a uma seqüência de imagens obidas pela câmea a inevalos egulaes. O algoimo uiliza um pocedimeno chamado subação de plano de fundo (backgound), que coesponde a uma imagem que epesena o ambiene sendo monioado em suas condições nomais. Nese pocedimeno é uilizada uma écnica de modelagem adapaiva do backgound, pemiindo que pequenas aleações do ambiene, que não coespondam a defeios ou invasões, sejam englobadas no plano de fundo ao longo do empo. Um backgound que se adape com o empo é ineessane em algumas siuações, como no caso de mudanças de iluminação a que o ambiene é suscepível com o passa das hoas do dia. Paa um manuseio adequado do sofwae de monioameno, é necessáia uma ineface gáfica que pemia um clao acesso de suas funcionalidades. A figua 4 apesena a janela inicial do sofwae de monioameno. Figua 4: Janela inicial do sofwae de monioameno. A ineface é consiuída pedominanemene pelo conole da câmea, que pode se dividido em ês paes: a supeio e de maio amanho é a egião em que a imagem é exibida, a inemediáia é uma baa de saus e a pae infeio coném boões de conole da câmea. A baa de saus exibe mensagens sobe o esado aual da janela de conole da câmea, epesenando, po exemplo, se ela esá pona paa mosa imagens, caegando infomações de seu sevido ineno ou gavando vídeos no disco ígido do compuado. Em elação aos boões de conole, sua função é pemii ao usuáio execua alguns pocedimenos com a câmea, como: - inicia ou encea a ansmissão de imagens pela câmea; - exibi as imagens da câmea em ela cheia; - gava a imagem aual (snapsho) da câmea; - inicia ou encea a gavação de vídeo da câmea; - alena o modo de conole pan-il-zoom da câmea paa emulação de joysick ou cenalizado. À dieia da janela de conole da câmea, há ouos componenes visíveis. O pimeio deles é um sinalizado que coesponde ao alame de monioameno (cículo em vede na figua 4). Se a opeação do sofwae ocoe nomalmene, ele pemanece com a co vede. Se o algoimo de monioameno deeca alguma aleação significaiva no ambiene, o alame se ona vemelho, é emiido um sinal sonoo e a função de gavação de vídeo da câmea no disco é iniciada. Há ambém uma indicação inemediáia em que o sinalizado se ona amaelo, que consise de uma siuação de aenção em que ainda não é soado o alame. A sensibilidade do algoimo de monioameno em elação a aleações na imagem e o ajuse dos ês níveis de sinalização podem se ealizadas aavés da sub-janela de configuação. Abaixo do sinalizado de alame, a ineface apesena um boão de ese, cuja função é a de desliga o alame, desaivando o sinal sonoo e ineompendo a gavação de vídeo. O sofwae incopoa uma funcionalidade de pese que possibilia movimena a câmea com ecusos de pan-ilzoom paa uma das posições peviamene definidas. O objeivo desa função é pemii ao usuáio movimena a câmea livemene paa obseva o ambiene, mas com a possibili-

4 4 dade de eona à posição de abalho desejada selecionando o pese coespondene. O algoimo de monioameno implemenado no sofwae pemie que alguns paâmeos uilizados em seus cálculos possam se modificados. Assim, confome as caaceísicas paiculaes do ambiene a se monioado, é possível adapa o algoimo de modo a oimiza o seu desempenho na siuação desejada. A configuação do algoimo de monioameno é ealizada aavés dos conoles ofeecidos em uma sub-janela do pogama, mosada logo abaixo da janela pincipal quando o boão Configua é selecionado. A figua 5 apesena a ela do pogama com a sub-janela de configuação do sofwae abea, na pae infeio da imagem. O méodo de deecção de aleações uilizado pelo algoimo de monioameno foi desenvolvido po Sefan Huwe and Heinich Niemann [5]. Ele consise basicamene em compaa os valoes dos pixels (em ons de cinza) de cada imagem ecebida com os de uma imagem de fundo, que coesponde ao ambiene padão, ou seja, em suas condições nomais. Dessa maneia, se um copo esanho se adena no ambiene monioado, deve ocoe uma aleação na co dos pixels em sua localização na imagem. Além disso, a imagem de fundo uilizada na compaação é consanemene aualizada paa que pequenas aleações (devido a fenômenos que não necessiam de se monioados, como no caso de uma mudança gadual de iluminação devido à passagem do dia) possam se englobadas no modelo padão do ambiene. A sensibilidade do algoimo é definida po faoes configuáveis, cujos valoes podem se ediados aavés da sub-janela de configuação do sofwae. Mudando-se esses valoes é possível conola, po exemplo, o nível de aleação na imagem necessáio paa se aciona o alame ou a apidez de incopoação de pequenas aleações na imagem sobe o modelo do ambiene monioado. São vaiáveis configuáveis do sisema, ene ouas: - o peíodo de amosagem de imagens, dado em segundos; - o nível de influência de uma nova medida sobe o modelo de fundo de imagem (ambiene em condições nomais) uilizado, conolando a apidez com que pequenas aleações são englobadas; - oleância nos valoes (médios) de difeença ene pixels de duas imagens obidas consecuivamene que indica a ocoência ou não de uma mudança imediaa; - númeo de ieações consecuivas do algoimo sem que o valo da oleância nos valoes (médios) de difeença de um pixel seja ulapassado. Oua configuação pemiida pelo sofwae é a limiação da áea da imagem em que o algoimo de deecção aua. Como padão, é definido que o pogama veifica a pesença de aleações sobe a imagem ineia, mas é possível limia o campo de busca paa uma egião de ineesse meno no ineio da imagem. Figua 5: Sub-janela de configuação do sofwae. V. TESTES DE CAMPO O sisema de vigilância paimonial aplicado a linhas de ansmissão foi insalado paa eses de campo na Linha de Tansmissão Sana Bábaa-Sumaé e na Subesação da CTEEP em Sana Bábaa D Oese. A figua 6 apesena uma foogafia da oe da linha de ansmissão em que foi monado o sisema e a figua 7 desaca a monagem da câmea e do painel foovolaico. Figua 6: Monagem do sisema na oe da LT. A figua 8 apesena a foogafia de um dos ádios de micoondas insalado na Toe de Comunicações da Subesação Sana Bábaa D Oese.

5 5 Foam esadas com sucesso as funções implemenadas no pogama compuacional, conolando-se emoamene os ecusos pan, il e zoom da câmea. Foam definidas posições de pese, configuando-se as condições de alame do sisema. Obeve-se a ocoência de alames quando da passagem de veículos e pessoas pela egião monioada. Nessas cicunsâncias, o pogama compuacional salvou as imagens gavadas em aquivo, viabilizando a poseio visualização do eveno. Os dados do ansmisso meeoológico foam obidos na ela do compuado aavés de pogama que acompanha o mesmo. Figua 7: Câmea e painel foovolaico na oe da LT. VI. CONCLUSÕES O sisema de vigilância paimonial foi desenvolvido e implanado com sucesso, endo pemiido inspeciona emoamene a áea da Linha de Tansmissão em ono da Toe na qual foam insalados os equipamenos. As imagens capadas pela câmea e as infomações climáicas fonecidas pelo ansmisso meeoológico foam adequadamene ansmiidas paa o compuado de monioameno aavés do sisema de comunicação sem fio pojeado. O sofwae de monioameno pemiiu defini egiões a seem inspecionadas pela câmea, bem como configua as condições de movimenação na áea que deveiam gea alames. Obeve-se a ocoência de alames, com gavação auomáica de imagens do eveno, como equeido paa coibi aos de vandalismo. O sisema insalado opeou adequadamene nas condições de campo eleomagnéico elevado que caaceizam a oe da Linha de Tansmissão, endo funcionado em pesença de condições climáicas advesas, como chuva. Figua 8: Anena e ádio monados na esuua de M.O. O sisema de vigilância paimonial foi esado, capandose imagens da câmea no compuado de monioameno. A figua 9 apesena uma imagem da base da Toe em que esá insalada a câmea, apesenada na ela do compuado. VII. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] H. T. Fiss, "A Noe on a Simple Tansmission Fomula," in Poc. of he IRE and Waves and Elecons, May, 1946, pp [2] D. M. Poza, Micowave and RF Design of Wieless Sysems, vol. I. New Yok: JohnWiley & Sons, 200, pp [3] R. L. Olsen, D. V. Roges and D. B. Hodge, "The ar b Relaion in he Calculaion of Rain Aenuaion," in Poc. of he IEEE Tansacions on Anennas and Popagaions, vol. AP-26, n.2, Mach, 1978, pp [4] Axis Communicaions -Newok Camea Develope Pages. [Online]. Disponível: <hp://www.axis.com/echsup/cam_seves/dev/acive x.hm> Figua 9: Visão geal do sofwae fonecido com a câmea. [5] Sefan Huwe and Heinich Niemann. Adapive Change Deecion Fo Real-Time Suveillance Applicaions. IEEE Inenaional Wokshop on Visual Suveillance Poceedings, 2000, Dublin, Ilanda, pp

SISTEMA DE SEGURANÇA PATRIMONIAL APLICADO A LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA BRASIL

SISTEMA DE SEGURANÇA PATRIMONIAL APLICADO A LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA BRASIL SISTEMA DE SEGURANÇA PATRIMONIAL APLICADO A LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA RTC, RODRIGO TADEU CLARO CTEEP JKCP, JOSÉ KLEBER DA CUNHA PINTO USP BRASIL RESUMO Este artigo apresenta um sistema

Leia mais

Campo magnético criado por uma corrente eléctrica e Lei de Faraday

Campo magnético criado por uma corrente eléctrica e Lei de Faraday Campo magnéico ciado po uma coene elécica e Lei de Faaday 1.Objecivos (Rev. -007/008) 1) Esudo do campo magnéico de um conjuno de espias (bobine) pecoidas po uma coene elécica. ) Esudo da lei de indução

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO -III GRUPO DE ESTUDO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO GLT SISTEMA DE SEGURANÇA PATRIMONIAL

Leia mais

UMA METODOLOGIA PARA A SIMULAÇÃO NUMÉRICA DE COMPRESSORES. Dissertação submetida à UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. para a obtenção do grau de

UMA METODOLOGIA PARA A SIMULAÇÃO NUMÉRICA DE COMPRESSORES. Dissertação submetida à UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. para a obtenção do grau de UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UMA METODOLOGIA PARA A SIMULAÇÃO NUMÉRICA DE COMPRESSORES Disseação submeida à UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Leia mais

Movimentos bi e tridimensional 35 TRIDIMENSIONAL

Movimentos bi e tridimensional 35 TRIDIMENSIONAL Moimenos bi e idimensional 35 3 MOVIMENTOS BI E TRIDIMENSIONAL 3.1 Inodução O moimeno unidimensional que imos no capíulo aneio é um caso paicula de uma classe mais ampla de moimenos que ocoem em duas ou

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRATÉGIAS LONG-SHORT TRADING COM RÁCIOS DE VARIÂNCIAS. Por José Sousa. Resumo 1

ANÁLISE DE ESTRATÉGIAS LONG-SHORT TRADING COM RÁCIOS DE VARIÂNCIAS. Por José Sousa. Resumo 1 ANÁLIE DE ETRATÉGIA LONG-HORT TRADING COM RÁCIO DE VARIÂNCIA Po José ousa Resumo Nese abalho são aplicados os eses de ácios de vaiâncias aos speads de índices accionisas. Os speads uilizados foam consuídos

Leia mais

5 Propagação em redes WiFi

5 Propagação em redes WiFi 98 5 opagação em ees WiFi aa aa os moelos e popagação em ambienes e ees sem fio, é impoane pimeiamene que o leio ena um enenimeno sobe o meio pelo qual o sinal e infomação afega. aa os sisemas e ees sem

Leia mais

GPS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Curso de Engenharia Cartográfica. Professor Dr. SÍLVIO ROGÉRIO CORREIA DE FREITAS HENRY MONTECINO

GPS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Curso de Engenharia Cartográfica. Professor Dr. SÍLVIO ROGÉRIO CORREIA DE FREITAS HENRY MONTECINO UNIVERSIDDE FEDERL DO PRNÁ Cuo de Engenhaia Caogáfica GPS Pofeo D. SÍLVIO ROGÉRIO CORREI DE FREITS luno HENRY MONTECINO MRLY TEREZINH QUDRI SIMÕES D SILV NVSTR-GPS (NVigaion Saellie wih Time nd Ranging)

Leia mais

O sistema constituído por um número infinito de partículas é vulgarmente designado por sólido.

O sistema constituído por um número infinito de partículas é vulgarmente designado por sólido. Capíulo CINEMÁTIC DE UM SISTEM DE PRTÍCULS. INTRODUÇÃO Po sisema de paículas, ou sisema de ponos maeiais, designa-se um conjuno finio ou infinio de paículas, de al modo que a disância ene qualque dos seus

Leia mais

CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS

CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS. Moivaçõe Como vio o Regulado de Eado maném o iema em uma deeminada condição de egime pemanene, ou eja, ena mane o eado em uma dada condição eacionáia.

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC CDERNO DE QUESTÕES 2008 1 a QUESTÃO Valo: 1,0 Uma bóia náutica é constituída de um copo cilíndico vazado, com seção tansvesal de áea e massa m, e de um tonco

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISPONIBILIDADE DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO DE COMPONENTES E GERADORES DIESEL DE EMERGÊNCIA DE ANGRA-II CONSIDERANDO "OUTAGE TIMES"

AVALIAÇÃO DA DISPONIBILIDADE DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO DE COMPONENTES E GERADORES DIESEL DE EMERGÊNCIA DE ANGRA-II CONSIDERANDO OUTAGE TIMES VLIÇÃO D DISPONIBILIDDE DOS SISTEMS DE REFRIGERÇÃO DE COMPONENTES E GERDORES DIESEL DE EMERGÊNCI DE NGR-II CONSIDERNDO "OUTGE TIMES" Celso Macelo Fanklin Lapa,, 2 Cláudio Mácio do Nascimeno beu Peeia e

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

Cap. 3: ROI do Governo e as Contas Públicas 1GE211: MACROECONOMIA II

Cap. 3: ROI do Governo e as Contas Públicas 1GE211: MACROECONOMIA II Cap. 3: ROI do oveno e as Conas Públicas E: MACROECONOMIA II Equipa de Macoeconomia II, 04/05 Capíulo 3. Resição Oçamenal Ineempoal do oveno e as Conas Públicas 3.. Facos sobe as Conas Públicas na Economia

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice:

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice: ANEXO 4 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DO CÁLCULO DO CUSTO DO CAPITAL Roteio de Veificação do Cálculo do Custo do Capital Índice: Índice: Conceitos Veificações 1 VISÃO GERAL... 3 1.1 O QUE É CUSTO DE CAPITAL...

Leia mais

OPÇÕES FINANCEIRAS - Exame

OPÇÕES FINANCEIRAS - Exame OPÇÕES FINANCEIRAS - Exame (esolução) /4/6 . (a) Aendendo a que e aplicando o lema de Iô a ln S, enão ST ln q S ds ( q) S d + S d ~ W ; Z T + d W ~ u ; () sendo : T. Na medida de pobabilidade Q, o valo

Leia mais

Resposta no tempo de sistemas de primeira e de segunda ordem só com pólos

Resposta no tempo de sistemas de primeira e de segunda ordem só com pólos Resposa o empo de sisemas de pimeia e de seguda odem só com pólos Luís Boges de Almeida Maio de Iodução Esas oas apeseam, de foma sumáia, o esudo da esposa o empo dos sisemas de pimeia e de seguda odem

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

Capítulo 5 Trabalho e Energia

Capítulo 5 Trabalho e Energia Caíulo 5 Tabalho e Enegia 5.1 Imulso Resolvendo a equação fundamenal da dinâmica, aa uma aícula; d F = (5.1) d conhecendo a foça F em função do emo, o inegação, emos; ou d = Fd (5.) = Fd = I (5.3) I chamamos

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Bombas com Variadores de Frequência Inteligentes Integrados

Bombas com Variadores de Frequência Inteligentes Integrados Bombas com Variadores de Frequência Ineligenes Inegrados soluion ouline file no: 100.11p dae: january 2013 supersedes: new dae: new máxima performance durane odo o empo 125 a Armsrong desenvolveu o Design

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Infotec Cusos Pofissionalizantes Ltda. Nome Fantasia: CEBRAC Cento Basileio de Cusos Data de fundação:

Leia mais

CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PARTÍCULA: FORÇA E ACELERAÇÃO

CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PARTÍCULA: FORÇA E ACELERAÇÃO 13 CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PATÍCULA: OÇA E ACELEAÇÃO Nese capíulo seá aalsada a le de Newo a sua foma dfeecal, aplcada ao movmeo de paículas. Nesa foma a foça esulae das foças aplcadas uma paícula esá elacoada

Leia mais

Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina

Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina 1 Tansfomado de Coente com Núcleo Tooidal de Liga Nanocistalina Benedito A. Luciano, Membe, EEE, Raimundo C. S. Feie, José Gutembegue A. Lia, Glauco Fontgalland, Membe, EEE, e Walman B. de Casto. Abstact-

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Capiulo V SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 5.1 - INTRODUÇÃO I - QUALIDADE DA ÁGUA A água em sua uilização obedece a padrões qualiaivos que são variáveis de acordo com o seu uso (domésico, indusrial,

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Montese Educação pofissional Ltda. Nome Fantasia: SOS Educação Pofissional Data de fundação: 10/03/2010

Leia mais

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo Gavitação ecusos com copyight incluídos nesta apesentação: Intodução A lei da gavitação univesal é um exemplo de que as mesmas leis natuais se aplicam em qualque ponto do univeso. Fim da dicotomia

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E ESPECIFICAÇÃO DE FILTRO SINTONIZADO PARA INSTALAÇÃO NA REDE SECUNDÁRIA

DIMENSIONAMENTO E ESPECIFICAÇÃO DE FILTRO SINTONIZADO PARA INSTALAÇÃO NA REDE SECUNDÁRIA DIMENSIONAMENTO E ESPEIFIAÇÃO DE FITRO SINTONIZADO PARA INSTAAÇÃO NA REDE SEUNDÁRIA ANTÔNIO. B. AVES 1, EUER B. DOS SANTOS 1, FÁVIO R. GARIA, RAFAE NIESON 3 1 - Escola de Engenhaia Elética e de omputação,

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: MF 1000 FRANQUIA DE COSMÉTICOS LTDA Nome Fantasia: VITA DERM DAY CLINIC Data de fundação: 12/03/1984

Leia mais

MIGRAÇÃO RURAL-URBANO, CAPITAL HUMANO E CRESCIMENTO DE CIDADES

MIGRAÇÃO RURAL-URBANO, CAPITAL HUMANO E CRESCIMENTO DE CIDADES MIGRAÇÃO RURAL-URBANO, CAPITAL HUMANO E CRESCIMENTO DE CIDADES Bno Da Badia Ceno de Desenvolvimeno e Planejameno Regional (CEDEPLAR/UFMG E-mail: bbadia@cedepla.fmg.b Rbens Agso de Mianda Ceno de Desenvolvimeno

Leia mais

Dinâmica Trabalho e Energia

Dinâmica Trabalho e Energia CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 1 diano do Valle Pág. 1 Enegia Enegia está elacionada à capacidade de ealiza movimento. Um dos pincípios básicos da Física diz que a enegia pode se tansfomada ou

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio Fenômenos de Tanspote Equações Básicas na Foma Integal - I Pof. M. Sc. Lúcio P. Patocínio Objetivos Entende a utilidade do teoema de Tanspote de Reynolds. Aplica a equação de consevação da massa paa balancea

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

x p - O Valor do total das actividades consideradas, na região padrão p.

x p - O Valor do total das actividades consideradas, na região padrão p. Conceitos e Metodologias Medidas de Especialização Regional As medidas de análise egional, tadicionalmente utilizadas na análise dos tecidos podutivos egionais e em análises económicas sectoiais à escala

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep.

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep. X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Avaliação do índice de utilização de máquinas feamentas CC em uma empesa de usinagem, po meio da análise da técnica de pé ajustagem de feamentas. - van

Leia mais

Análise de uma Fila Única

Análise de uma Fila Única Aálise de ua Fila Úica The A of oue Syses Pefoace Aalysis Ra Jai a. 3 Fila Úica O odelo de filas ais siles coé aeas ua fila Pode se usado aa aalisa ecusos idividuais e siseas de couação Muias filas ode

Leia mais

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatóio Inteno Método de Calibação de Câmaas Poposto po Zhang Maia Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavaes Setembo de 23 Resumo O pesente elatóio

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

PROBLEMA DE ESTOQUE E ROTEIRIZAÇÃO: UM MODELO COM DEMANDA DETERMINÍSTICA E ESTOCÁSTICA

PROBLEMA DE ESTOQUE E ROTEIRIZAÇÃO: UM MODELO COM DEMANDA DETERMINÍSTICA E ESTOCÁSTICA Pesqusa Opeaconal e o Desenolmeno Susenáel 27 a 30/09/05, Gamado, RS PROBLEMA DE ESTOQUE E ROTEIRIZAÇÃO: UM MODELO COM DEMADA DETERMIÍSTICA E ESTOCÁSTICA Paíca Pado Belfoe Unesdade de São Paulo A. Pof.

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

UNIDADES DE ROLAMENTOS DE ESFERAS

UNIDADES DE ROLAMENTOS DE ESFERAS 280 UIDDE DE ROMETO DE EFER UIDDE DE ROMETO TIPO E DE FERRO FUDIDO COM PRFUO DE TRV UCP2 Diâmero do eixo 12-90... 286 1/2-3 1/2 polegada UIDDE DE ROMETO TIPO FGE DE FERRO FUDIDO COM PRFUO DE TRV UCF2 UCF2

Leia mais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais 8. Pojetos de nvestimento como Opções Reais Uma fima que possui uma opotunidade de investimento adquiiu algo semelhante a uma opção de compa financeia: ela possui o dieito, mas não necessaiamente a obigação

Leia mais

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da algeba geomética) 008 DEEC IST Pof. Calos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da álgeba geomética) 1 De Keple a Newton Vamos aqui mosta como, a pati das tês leis de Keple sobe

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

Introdução. O trabalho encontra-se resumidamente estruturado da seguinte forma:

Introdução. O trabalho encontra-se resumidamente estruturado da seguinte forma: Intodução. À medida que sistemas wieless se tonam mais ubíquos, um entendimento da popagação em ádio-feqüência (RF) paa popósitos de planejamento, tona-se significativamente impotante. Com a cescente utilização

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL OBJETIVOS DO CURSO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL Fonece ao aluno as egas básicas do cálculo vetoial aplicadas a muitas gandezas na física e engenhaia (noção de

Leia mais

67.301/1. RLP 10 & 20: Controlador pneumático de volume-caudal. Sauter Components

67.301/1. RLP 10 & 20: Controlador pneumático de volume-caudal. Sauter Components 7./ RL & : Conrolador pneumáico de volume-caudal Usado em conjuno com um prao orifício ou com um sensor de pressão dinâmica e um acuador pneumáico de regiso para conrolo do volume de ar em sisemas de ar

Leia mais

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução Capítulo Técnicas de Caacteização Estutual: RS.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD.6. Intodução De modo a complementa a análise estutual das váias amostas poduzidas paa este tabalho, foi utilizada a técnica

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto Data de fundação: 07 de feveeio de 1999 Númeo

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

HOW TO Procedimento para efetuar a autenticação no Aker Firewall utilizando token.

HOW TO Procedimento para efetuar a autenticação no Aker Firewall utilizando token. Pocedimento paa efetua a autenticação no Ake Fiewall utilizando token. Poduto Ake Fiewall Vesão do poduto Vesão do documento Data de evisão 1 de 6 Intodução Este documento ensina a maneia coeta efetua

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto. Data de fundação: 07 de feveeio de 1999. Númeo

Leia mais

Prof. Josemar dos Santos

Prof. Josemar dos Santos Engenharia Mecânica - FAENG Sumário SISTEMAS DE CONTROLE Definições Básicas; Exemplos. Definição; ; Exemplo. Prof. Josemar dos Sanos Sisemas de Conrole Sisemas de Conrole Objeivo: Inroduzir ferramenal

Leia mais

Renato Frade Eliane Scheid Gazire

Renato Frade Eliane Scheid Gazire APÊNDICE A CADENO DE ATIVIDADES PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DE MINAS GEAIS Mestado em Ensino de Ciências e Matemática COMPOSIÇÃO E/OU DECOMPOSIÇÃO DE FIGUAS PLANAS NO ENSINO MÉDIO: VAN HIELE, UMA OPÇÃO

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Pé Vemelho Ensino Pofissionalizante SS LTDA Nome Fantasia: BIT Company Data de fundação: 23/05/2009

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO Calos de O. Galvão 11, Fancisco V. Basileio 1, Cledson Souto Santana 1, Éica Machado 1, Esthe V. Basileio 1, Buno

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

Introdução ao Estudo da Interferência Eletromagnética (EMI) no Projeto de Placas de Circuito Impresso (PCBs) de Fontes Chaveadas.

Introdução ao Estudo da Interferência Eletromagnética (EMI) no Projeto de Placas de Circuito Impresso (PCBs) de Fontes Chaveadas. 1 Intodução ao Estudo da Intefeência Eletomagnética (EMI) no Pojeto de Placas de Cicuito Impesso (PCBs) de Fontes Chaveadas. Andé Baos de Mello Oliveia Resumo Este tabalho apesenta, inicialmente, o conceito

Leia mais

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Pofa Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Dinâmica estudo dos movimentos juntamente com as causas que os oiginam. As teoias da dinâmica são desenvolvidas com base no conceito

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

Medidas Macroprudenciais Impactos dos Recolhimentos Compulsórios

Medidas Macroprudenciais Impactos dos Recolhimentos Compulsórios Meddas Macopudencas Impacos dos Recolmenos Compulsóos A pa da década de 8, quando boa pae dos bancos cenas começou a abandona a dea de conole de agegados moneáos, os ecolmenos compulsóos se onaam menos

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

Manoel Leandro de Lima Júnior 1, Jorge Dantas de Melo 2, Adrião Duarte Dória Neto 3

Manoel Leandro de Lima Júnior 1, Jorge Dantas de Melo 2, Adrião Duarte Dória Neto 3 Copyrigh 2004, Insiuo Brasileiro de Peróleo e Gás - IBP Ese Trabalho Técnico Cienífico foi preparado para apresenação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Peróleo e Gá a ser realizado no período de 2 a

Leia mais

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng.

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng. UNIVERSIDDE FEDERL DO PRÁ MESTRDO EM ENGENHRI MECÂNIC GRUPO DE VIRÇÕES E CÚSTIC nálise Modal Expeimental Pofesso: Newton Sue Soeio, D. Eng. elém Paá Outubo/00 Gupo de Vibações e cústica UFP nálise Modal

Leia mais

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites OK Necessito de ee esta página... Necessito de apoio paa compeende esta página... Moimentos de satélites geoestacionáios: caacteísticas e aplicações destes satélites Um dos tipos de moimento mais impotantes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SUBSTRATO CERÂMICO BiNbO 4 PARA ANTENAS DE MICROFITA DE SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES SEM FIO

DESENVOLVIMENTO DE SUBSTRATO CERÂMICO BiNbO 4 PARA ANTENAS DE MICROFITA DE SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES SEM FIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE SUBSTRATO CERÂMICO BiNbO 4 PARA ANTENAS DE MICROFITA

Leia mais

SANEAMENTO AMBIENTAL I SISTEMAS DE ADUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA

SANEAMENTO AMBIENTAL I SISTEMAS DE ADUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA SANEAMENTO AMBIENTAL I SISTEMAS DE ADUÇÃO EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA LISBOA, SETEMBRO DE 200 ÍNDICE DO TEXTO. INTRODUÇÃO... 2. BASES PARA O DIMENSIONAMENTO HIDRÁULICO DAS ADUTORAS... 2. Tipos de escoameno...

Leia mais

Manual de Instruções. Máquina de Eletroerosão EX 60 MS

Manual de Instruções. Máquina de Eletroerosão EX 60 MS Manual de nsruções Máquina de Eleroerosão EX 60 MS FUNÇÕES DOS COMANDOS Liga / Desliga Acia os caores do ransformador e da bomba do aciameno. Não inerrompe a alimenação para as réguas digiais e para a

Leia mais

Simulador de Transmissões Digitais

Simulador de Transmissões Digitais Simulado de Tansmissões Digitais Fancisco A. Taveia Banco. Monteio, Fancisco A. B. Cecas IST - Depatamento de Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Instituto de Telecomunicações, IST - Toe ote -9, Av.

Leia mais

DMX Light Control. Daniel Ribeiro, Pedro Torres, Paula Pereira

DMX Light Control. Daniel Ribeiro, Pedro Torres, Paula Pereira DMX Ligh Conrol Daniel Ribeiro, Pedro Torres, Paula Pereira Resumo DMX-Ligh Conrol efecua o conrolo de sisemas de luzes que funcionam segundo o proocolo DMX, aravés de rádio frequência. Ese sisema foi

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Licenciatura em Matemática Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Licenciatura em Matemática Trabalho de Conclusão de Curso 3 ó-reioia de Gaduação Cuso de iceciaua em aemáica Tabalho de Coclusão de Cuso [Digie o íulo do documeo] [Digie o subíulo do RÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO documeo] TRABAHO DE CONCUSÃO DE CURSO ROBABIIDADE AICADA

Leia mais

Ensaio não destrutivo. Cargas dinâmicas. Procedimento.

Ensaio não destrutivo. Cargas dinâmicas. Procedimento. 2006 ABNT Associação Basileia de Nomas Técnicas Ensaios não destutivos Povas de cagas dinâmicas em gandes estutuas - Pocedimento Sede: Rio de Janeio Av. Teze de Maio, 13 28º anda CEP 20003-900 Caixa Postal

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

UM MODE~O DE CONTRO~E CTIMO DE ABASTECIMENTO EM

UM MODE~O DE CONTRO~E CTIMO DE ABASTECIMENTO EM SBA: Conole e Auomação, Vol. 1, Nq 1, pp 72-81. UM MODE~O DE CONTRO~E CTIMO DE ABASTECIMENTO EM P~ANO DE ESTABI~IZAÇ~ ECONOMICA Henique Pacca ~. ~una Univesidade DCC - ICEx CEP 30161 Fedeal de Minas Geais

Leia mais

MtN STER O DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS coordenação GERAL DE COMPRAS E CONTRATOS

MtN STER O DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS coordenação GERAL DE COMPRAS E CONTRATOS MtN STER O DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS coordenação GERAL DE COMPRAS E CONTRATOS NOTA TÉCNICA NO 01/2009 Assunto: Seviços de natueza contínua 1. O Tibunal

Leia mais

Os Fundamentos da Física

Os Fundamentos da Física TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 1 s Fundamentos da Física (8 a edição) AMALH, NCLAU E TLED Tema especial DNÂMCA DAS TAÇÕES 1. Momento angula de um ponto mateial, 1 2. Momento angula de um sistema de pontos

Leia mais

MODELAGEM DE CANAL DE UMA REDE SEM FIO 802.16 APLICAÇÃO PARA A AVENIDA ENTRE ENTRADAS 2 E 3 DO CAMPUS I DA PUC-CAMPINAS

MODELAGEM DE CANAL DE UMA REDE SEM FIO 802.16 APLICAÇÃO PARA A AVENIDA ENTRE ENTRADAS 2 E 3 DO CAMPUS I DA PUC-CAMPINAS MODELAGEM DE CANAL DE UMA EDE SEM FIO 8.16 APLICAÇÃO PAA A AVENIDA ENE ENADAS E 3 DO CAMPUS I DA PUC-CAMPINAS Guilherme Cezarini eieira PUC-Campinas CEAEC gui_cezarini@puc-campinas.edu.br Norma eggiani

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais