AULA 00: Princípios de Contabilidade sob a perspectiva do Setor Público (Resolução CFC 1.111/07 e alterações posteriores)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 00: Princípios de Contabilidade sob a perspectiva do Setor Público (Resolução CFC 1.111/07 e alterações posteriores)"

Transcrição

1 Aula 00 - Contabilidade Aplicada ao Setor Público para Analista Contábil DPE/RO Professor: Bruno Ventim

2 AULA 00: Princípios de Contabilidade sob a perspectiva do Setor Público (Resolução CFC 1.111/07 e alterações posteriores) Sumário 1. Apresentação A Banca Metodologia das aulas Observações finais A Contabilidade Aplicada ao Setor Público Resolução CFC 1.111/2007: Princípios de Contabilidade sob a perspectiva do Setor Público Resumo dos Principais Pontos Lista das Questões Utilizadas na Aula Futuros colegas de serviço público, Meu nome é Bruno Ventim, tenho 31 anos e sou de Salvador-BA. Sou professor de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, matéria cobrada em diversos concursos top de linha e que derruba muito candidato bom. Obviamente, não será o caso de vocês!! Vou falar um pouco sobre mim: sou formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal da Bahia (período de 2002 a 2007). Então nosso professor de Contabilidade, na verdade, é um Engenheiro? Calma, tudo na vida tem uma explicação... Na verdade, eu nem cheguei a fazer meu registro no CREA e nunca atuei como Engenheiro. Pensei em desistir várias vezes durante os 5 anos de curso, mas meus pais (ambos Contadores) sempre me convenciam a continuar. Logo depois de formado, fui aprovado no Página 2 de 27

3 processo seletivo de uma grande empresa de auditoria contábil e consultoria. Foi lá que descobri o que era Contabilidade... Decidi fazer o curso na Fundação Visconde de Cairu no período de 2008 a 2011, conciliando o trabalho de consultor/auditor com a Faculdade. Em 2013 pedi demissão para começar a difícil, a cansativa, a dolorosa carreira de concurseiro... Entre 2013 e 2014, fui aprovado em 6 concursos públicos. Fui nomeado em 2014 para Analista de Finanças e Controle da STN, passei 4 meses em Brasília e voltei para Salvador como Auditor Estadual de Controle Externo do TCE-BA (minha atual carreira e onde pretendo ficar por muito tempo). Página 3 de 27

4 1. Apresentação 1.1. A Banca A Fundação Getúlio Vargas (FGV), banca do nosso concurso, é conhecida por não ter um padrão muito previsível de prova. Ou seja, cada concurso é uma nova surpresa... No caso específico de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, veremos que muitas questões são cópias das bases legais que orientam a disciplina (Lei 4.320/64, Resoluções CFC, Manuais da STN, etc) e outras questões exigem interpretação deste conteúdo para aplicação em situações reais. Mas não se preocupem!! Vamos analisar cada uma das questões dos seus últimos concursos para diminuir o risco de desagradáveis surpresas... Além do tradicional exame da Ordem dos Advogados (OAB), os últimos concursos que a FGV organizou foram relacionados, em sua maioria, à esfera Estadual: Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas do Estado, Assembleia Legislativa e Conder na BAHIA; Tribunal de Justiça e Prefeitura de Florianópolis em SANTA CATARINA; Governo do Estado e Assembleia Legislativa do MARANHÃO; Assembleia Legislativa, Defensoria Pública e Prefeitura de Cuiabá no MATO GROSSO; Câmaras Municipais de Caruaru e Recife, Prefeitura de Recife e Compesa em PERNAMBUCO; Tribunal de Justiça, Procuradoria Geral do Município de Niterói, Defensoria Pública e Instituto Estadual do Ambiente do RIO DE JANEIRO; Secretaria de Estado de Segurança a Pública, Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino, Tribunal de Justiça e Secretaria de Estado da Saúde do AMAZONAS; entre outros Metodologia das aulas O objetivo deste curso é trazer uma teoria sintética, com os tópicos que serão cobrados no concurso do DPE/RO: Resoluções do CFC (os Princípios de Contabilidade e as Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público) e o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público (MCASP, 5a edição). Parece pousa coisa, mas não é... Página 4 de 27

5 Teremos um curso de questões comentadas com aproximadamente 30 páginas por aula, as quais poderão variar em quantidade dependendo do assunto tratado e da abordagem oferecida, mas tentando sempre manter tal média. Prometo que serei sucinto e objetivo, mas sem esquecer nenhum dos conteúdos que podem ser cobrados. Mas por que um curso de questões comentadas? Explico: os editais estão cada vez maiores, exigindo que os candidatos se esforcem para assimilar uma infinidade de tópicos dos mais variados conteúdos para dezenas de disciplinas. Porém, quando analisamos o histórico de questões das bancas, vemos que há um certo padrão de cobrança. Certos conteúdos estão no edital apenas para cumprir tabela e dificilmente são cobrados; já outros assuntos são cobrados de forma até exaustiva. Assim, o curso de questões comentadas facilita a vida do aluno em termos de priorização daquilo que deve ser completamente dominado e daqueles tópicos que podem receber uma dedicação um pouco menor. Mas atenção: nada deve ser completamente desprezado!! Se está no edital, há uma possibilidade (mesmo que mínima) de aparecer em sua prova... Focaremos ao máximo na resolução de questões específicas da banca em questão. Entretanto, como alguns assuntos possuem um volume de questões maior do que outros, poderemos eventualmente utilizar algumas questões de outras bancas Observações finais Pontos importantes para que não tenhamos um rendimento abaixo do esperado: a) Como estamos falando de aulas textuais, a informalidade e a medida descontração farão parte delas para que tenhamos o maior nível de integração possível entre nós, lembrem-se que a única coisa que mudou aqui foi a interface entre professor e alunos e se os senhores quisessem livros cheios de formalidade e teorias, comprariam em livrarias, ias, então vamos abusar desta nossa interface. Página 5 de 27

6 b) Planejem seus estudos e cumpram os seus horários de forma adequada. Lembremse que aprovação em concurso não é uma questão de inteligência, mas sim de planejamento, disciplina, organização e muito suor!! c) Não deixem de acessar o fórum em caso de dúvidas. Essa interação é muito importante para que possamos otimizar nosso rendimento. Página 6 de 27

7 2. Conteúdo programático e planejamento das aulas (Cronograma) O Conteúdo programático está distribuído de forma que os alunos, mesmo mo que nunca tenham tido contato com o assunto, possam compreender o contexto da disciplina e também a forma com que ela se encaixa dentro das instituições e que pode ser cobrada na prova. Aula Aula Demonstrativa 05/04/2015 Conteúdo a ser trabalhado Princípios fundamentais de contabilidade sob a perspectiva do setor público (aprovados pelo Conselho Federal de Contabilidade, Resolução CFC nº 1.111/2007); Aula 1 12/04/2015 Normas brasileiras de contabilidade aplicadas ao Setor Público NBC TSP 16.1 a do Conselho Federal de Contabilidade: conceituação, objeto e campo de aplicação; patrimônio e sistemas contábeis; planejamento e seus instrumentos, sob o enfoque contábil; transações no setor público; registro contábil, demonstrações contábeis; consolidação olidação das demonstrações contábeis; controle interno; depreciação, amortização e exaustão; avaliação e mensuração de ativos e passivos em entidades do setor público; Aula 2 19/04/2015 MCASP (5a edição) Parte II Procedimentos Contábeis Patrimoniais; Aula 3 26/04/2015 MCASP (5a edição) Parte IV Plano de contas aplicado ao setor público: conceito, diretrizes, sistema contábil, registro contábil, composição do patrimônio público, conta contábil, estrutura básica; Página 7 de 27

8 Aula 4 03/05/2015 MCASP (5a edição) Parte V Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público; Balanços financeiro, patrimonial, orçamentário e demonstrativo das variações, de acordo com a Lei nº 4.320/64, e as NBC T SP 16; Aula 5 10/05/2015 MCASP (5a edição) Parte III Procedimentos Contábeis Específicos. Seguiremos na próxima página com a nossa aula de demonstração e vejam que já com tal conhecimento e no formato apresentado algumas questões já serão resolvidas. Bons estudos!! Página 8 de 27

9 3. A Contabilidade Aplicada ao Setor Público De acordo com o Conselho Federal de Contabilidade (CFC), a Contabilidade Aplicada ao Setor Público é o ramo da ciência contábil que aplica, no processo gerador de informações, os Princípios de Contabilidade e as normas contábeis direcionados ao controle patrimonial de entidades do setor público. É um ramo específico da Contabilidade que abrange todas as entidades do setor público: órgãos, fundos, pessoas jurídicas de direito público, pessoas jurídicas de direito privado (que utilizam recursos públicos nas suas atividades) e pessoas físicas (que recebam recursos de entidade governamental). Dá para ver que, apesar de ser um ramo específico, tem uma abrangência enorme!! Nos últimos anos, as normas contábeis passaram por um processo de internacionalização. Significa que vários países, inclusive o Brasil, estão convergindo seus padrões contábeis para um padrão internacional, de modo a facilitar o acesso e o entendimento de informações contábeis de diferentes localidades. Por conta disso, além do estudo da Lei 4.320/1964 (base legal que sempre fundamentou a Contabilidade Pública no Brasil) é necessário o estudo dos normativos que são emitidos visando o processo de convergência internacional (as Resoluções do CFC, os Manuais da Secretaria do Tesouro Nacional, etc). Página 9 de 27

10 4. Resolução CFC 1.111/2007: Princípios de Contabilidade sob a perspectiva do Setor Público A resolução 1.111/2007 aprova o Apêndice II da Resolução 750/1993. A resolução 750 dispõe sobre os Princípios de Contabilidade em termos gerais, enquanto que a resolução promove uma interpretação dos Princípios sob a perspectiva do setor público. Como vocês verão no decorrer da aula, a leitura da resolução será mais do que suficiente para acertar as questões ligadas ao assunto. Portanto, vocês não precisam ler a resolução 750. De acordo com a referida norma, o ponto de partida para qualquer área do conhecimento humano deve ser sempre os princípios que a sustentam. Esses princípios espelham a ideologia de determinado sistema, seus postulados básicos e seus fins. Vale dizer, os princípios são eleitos como fundamentos e qualificações essenciais da ordem que institui. Segue o link para acessar a Resolução CFC 1.111/2007 (não vou trazer o texto na íntegra para não inchar o material): Recomendo que salvem ou imprimam o documento e façam uma leitura superficial, apenas para terem o primeiro contato com o texto. ATENÇÃO: sempre que um novo edital sair, é importante que vocês analisem se a norma ainda está em vigor ou se foi alterada por uma nova resolução. A resolução de cada questão terá a transcrição do trecho da norma que suporta a alternativa correta. Sinalizem nos seus documentos (digital ou impresso) os trechos que forem surgindo ao longo da resolução das questões para que, ao final do estudo, vocês tenham uma indicação de quais os trechos mais cobrados pela banca. Página 10 de 27

11 5. Resumo dos Principais Pontos Princípio da ENTIDADE: o patrimônio da entidade não se confunde com o patrimônio do seu gestor; o patrimônio pertence à entidade, mas a recíproca não é verdadeira; a soma de patrimônios autônomos não resulta em nova entidade, mas em nova unidade; autonomia patrimonial: destinação social do patrimônio; responsabilização do patrimônio: obrigatoriedade da prestação de contas pelos agentes. Princípio da CONTINUIDADE: entidade continuará em operação no futuro; vinculação ao cumprimento da destinação social do patrimônio; continuidade se dá enquanto perdurar sua finalidade (não há relação com lucro). Princípio da OPORTUNIDADE: mensuração e apresentação do patrimônio de forma íntegra e tempestiva; base indispensável à integridade e à fidedignidade da informação contábil; variações reconhecidas na sua totalidade, independentemente de formalidades legais (essência sobre a forma). Princípio do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL: Página 11 de 27

12 registro inicial pelos valores originais das transações, atualizados com outras bases de mensuração ao longo do tempo (custo histórico não é o único); Atualização Monetária deixou de ser princípio e passou a ser base de mensuração. Princípio da COMPETÊNCIA: reconhecimento simultâneo de receitas e despesas correlatas; efeitos reconhecidos no próprio período do fato gerador, independente do fluxo de caixa; aplicação integral no setor público (enfoque patrimonial). Princípio da PRUDÊNCIA: na dúvida entre alternativas válidas para a realização de um lançamento contábil, registrar ativos/receitas menores e passivos/despesas maiores; não deve levar a excessos ou situações de manipulação do resultado, ocultação de passivos, super ou subavaliação de ativos. Página 12 de 27

13 6. 1. (FGV SEFAZ- MT - Auditor Fiscal Tributário da Receita Municipal) Assinale a opção que indica o princípio contábil que é base indispensável à integridade e à fidedignidade dos registros contábeis dos atos e dos fatos que afetam o patrimônio da entidade pública. a) Princípio da Oportunidade b) Princípio da Entidade c) Princípio da Continuidade d) Princípio da Prudência e) Princípio da Competência De acordo com a resolução 1.111/07: "O Princípio da OPORTUNIDADE é base indispensável à integridade e à fidedignidade dos processos de reconhecimento, mensuração e evidenciação da informação contábil, dos atos e dos fatos que afetam ou possam afetar o patrimônio da entidade pública, observadas as Normas Brasileiras de Contabilidade aplicadas ao Setor Público". DICA: atenção aos termos "integridade" e "fidedignidade". Sempre que eles aparecerem, a questão estará ligada ao princípio da Oportunidade. GABARITO: A 2. (FGV PROCEMPA - Analista Administrativo - Contador) De acordo com a Resolução CFC nº 1.111/2007, o Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela autonomia patrimonial e pela responsabilização do patrimônio, que a ele pertence. Nesse sentido, a autonomia patrimonial e a responsabilização do patrimônio têm origem, respectivamente, a) na destinação social do patrimônio e na obrigatoriedade da prestação de contas pelos agentes públicos. Página 13 de 27

14 b) na gestão autônoma e na destinação social do patrimônio. c) na integridade e na fidedignidade dos registros contábeis dos atos e dos fatos que afetam ou possam afetar o patrimônio da entidade pública. d) na obrigatoriedade da prestação de contas pelos agentes públicos e no registro orçamentário das receitas e das despesas públicas. e) na necessidade da diferenciação de um patrimônio particular no universo dos patrimônios existentes e na gestão e no registro orçamentário das receitas e das despesas públicas. De acordo com a resolução: "A autonomia patrimonial tem origem na destinação social do patrimônio e a responsabilização pela obrigatoriedade da prestação de contas pelos agentes públicos". GABARITO: A 3. (FGV Prefeitura de Recife - PE - Auditor do Tesouro Municipal) O princípio contábil que serve de base à integridade e à fidedignidade dos registros contábeis dos atos e fatos que afetam o patrimônio da entidade pública é o Princípio da a) Oportunidade. b) Continuidade. c) Competência. d) Prudência. e) Entidade. De acordo com a resolução 1.111/07: "O Princípio da OPORTUNIDADE é base indispensável à integridade e à fidedignidade dos processos de reconhecimento, mensuração e evidenciação da informação contábil, dos atos e dos fatos que afetam ou possam afetar o patrimônio da entidade pública". DICA: atenção aos termos "integridade" e "fidedignidade". Sempre que eles aparecerem, a questão estará ligada ao princípio da Oportunidade. Página 14 de 27

15 GABARITO: A 4. (FGV TJ-GO - Analista Judiciário - Contador) O prefeito de um determinado município incluiu no orçamento anual uma despesa na função Educação para custear as mensalidades do curso de graduação de uma de suas filhas. Do ponto de vista dos princípios de contabilidade aplicados ao setor público, esse procedimento está em desacordo com o princípio da: a) entidade; b) continuidade; c) competência; d) oportunidade; e) transparência. De acordo com a resolução 1.111/07: "O Princípio da ENTIDADE reconhece (...) a necessidade da diferenciação de um Patrimônio particular no universo dos patrimônios existentes (...). Por conseqüência, nesta acepção, o patrimônio não se confunde com aqueles dos seus sócios ou proprietários, no caso de sociedade ou instituição". A situação ilustrada na questão demonstra que houve uma "confusão" entre os patrimônios do Prefeito e da Prefeitura, contrariando o princípio da ENTIDADE. GABARITO: A 5. (FGV SEDUC-AM - Contador) De acordo com a Resolução CFC 1.111/07, o princípio contábil que é base para a integridade e para a fidedignidade dos registros contábeis dos fatos que afetam o patrimônio da entidade pública, é o princípio: a) da Prudência. b) da Entidade. Página 15 de 27

16 c) da Competência. d) da Oportunidade. e) do Registro pelo valor original De acordo com a resolução 1.111/07: "O Princípio da OPORTUNIDADE é base indispensável à integridade e à fidedignidade dos processos de reconhecimento, mensuração e evidenciação da informação contábil, dos atos e dos fatos que afetam ou possam afetar o patrimônio da entidade pública". DICA: atenção aos termos "integridade" e "fidedignidade". Sempre que eles aparecerem, a questão estará ligada ao princípio da Oportunidade. GABARITO: D 6. (FGV SUSAM - Contador) A Resolução CFC nº 1.111/2007 aprovou o Apêndice II da Resolução CFC nº 750/93, trazendo uma interpretação dos princípios fundamentais de contabilidade sob a perspectiva do setor público. Sobre essa interpretação, tação, assinale a afirmativa incorreta. a) O Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela autonomia patrimonial e responsabilização do patrimônio a ela pertencente. b) O Princípio do Valor Original, no âmbito da entidade pública, corresponde ao valor resultante de consensos de mensuração com agentes internos ou externos, com base em valores de entrada ou valores de saída. c) O Princípio da Competência é aplicado parcialmente no setor público, já que os atos e os fatos que afetam o patrimônio público devem ser contabilizados pelo regime de caixa, assim como o registro orçamentário das receitas e das despesas públicas. d) O Princípio da Oportunidade aplicado ao patrimônio da entidade pública implica que as variações devem ser reconhecidas em sua totalidade, independente do cumprimento das formalidades legais para sua ocorrência. e) O Princípio da Continuidade, no âmbito da entidade pública, está vinculado ao cumprimento da destinação social do seu patrimônio, ou seja, a continuidade da entidade se dá enquanto perdurar sua finalidade. Página 16 de 27

17 A afirmativa C está incorreta pois, de acordo com a resolução 1.111/07: "O Princípio da Competência aplica-se integralmente ao Setor Público". Sob o ponto de vista orçamentário, vale o que está no artigo 35 da Lei 4.320/64: as receitas serão reconhecidas pela arrecadação e as despesas serão reconhecidas pelo empenho. Entretanto, sob o ponto de vista patrimonial, os efeitos das transações e outros eventos sejam reconhecidos nos períodos a que se referem, independentemente dentemente do recebimento ou pagamento. As outras afirmativas estão corretas. GABARITO: C 7. (FGV AL-BA - Técnico de Nível Superior - Ciências Contábeis) A Resolução CFC nº 1.111/2007 aprovou o Apêndice II da Resolução CFC nº 750/93, que traz uma interpretação dos princípios fundamentais de contabilidade sob a perspectiva do setor público. De acordo com essa resolução, o Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela autonomia e responsabilização do patrimônio a ele pertencente. A autonomia patrimonial tem origem a) na destinação social do patrimônio e na responsabilização pela prestação de contas facultativa pelos agentes públicos. b) na destinação do patrimônio aos responsáveis pela entidade e pela prestação de contas obrigatória. c) no estrito cumprimento da destinação social do seu patrimônio, de modo que a entidade é considerada enquanto perdurar sua finalidade. d) na destinação social do patrimônio e na responsabilização pela obrigatoriedade da prestação de contas pelos agentes públicos. e) na tempestividade e na integridade do registro do patrimônio e das suas mutações, independentemente das causas que as originaram. Página 17 de 27

18 De acordo com a resolução 1.111/07: "A autonomia patrimonial tem origem na destinação social do patrimônio e a responsabilização pela obrigatoriedade da prestação de contas pelos agentes públicos". DICA: atenção aos termos "autonomia patrimonial" e "responsabilização patrimonial". Sempre que eles aparecerem, a questão estará ligada ao princípio da Entidade. GABARITO: D 8. (CESGRANRIO CEFET-RJ - Auditor) A Resolução nº 1.111/07 do Conselho Federal de Contabilidade trata da interpretação dos princípios de contabilidade sob a perspectiva do setor público. A resolução define que a autonomia patrimonial tem origem na destinação social do patrimônio e a responsabilização pela obrigatoriedade da prestação de contas pelos agentes públicos. Essa definição referese ao Princípio da: a) Continuidade b) Competência c) Entidade d) Oportunidade e) Transparência De acordo com a resolução 1.111/07: "O Princípio da ENTIDADE se afirma, para o ente público, pela autonomia e responsabilização do patrimônio a ele pertencente. A autonomia patrimonial tem origem na destinação social do patrimônio e a responsabilização sabilização pela obrigatoriedade da prestação de contas pelos agentes públicos." GABARITO: C 9. (CESGRANRIO CEFET-RJ - Auditor) Página 18 de 27

19 Os princípios fundamentais e normas brasileiras de contabilidade estabelecem as regras e conceitos doutrinários que serão aplicados às entidades no momento do registro contábil e da elaboração das suas demonstrações financeiras. Nesse sentido, o princípio da competência determina que: a) a contabilização das transações seja realizada e reconhecida no exato momento do pagamento de uma despesa ou recebimento de uma receita. b) o patrimônio da empresa ou sociedade não pode se confundir com o patrimônio dos seus sócios. c) a entidade continuará em operação no futuro e, portanto, a mensuração e a apresentação dos componentes do patrimônio levam em conta esta circunstância. d) os componentes do patrimônio devem ser inicialmente registrados pelos valores originais das transações, expressos em moeda nacional. e) os efeitos das transações e outros eventos sejam reconhecidos nos períodos a que se referem, independentemente do recebimento ou pagamento De acordo com a resolução 1.111/07: "O Princípio da COMPETÊNCIA determina que os efeitos das transações e outros eventos sejam reconhecidos nos períodos a que se referem, independentemente do recebimento ou pagamento." A afirmativa A refere-se ao princípio da Competência; a afirmativa B refere-se ao princípio da Entidade; a afirmativa C refere-se ao princípio da Continuidade; e a afirmativa D refere-se ao princípio do Registro Pelo Valor Original. GABARITO: E 10. (CESGRANRIO IBGE - Analista - Auditoria) O Apêndice II da Resolução CFC no 750/1993 faz menção a um princípio que diz respeito à necessidade de as variações serem reconhecidas na sua totalidade, independentemente do cumprimento das formalidades legais para sua ocorrência, visando ao completo atendimento da essência sobre a forma. Sob o enfoque dos princípios contábeis aplicados ao setor público, a afirmação acima caracteriza o Princípio da: a) Entidade Página 19 de 27

20 b) Prudência c) Oportunidade d) Continuidade e) Competência De acordo com a resolução 1.111/07: "O Princípio da OPORTUNIDADE é base indispensável à integridade e à fidedignidade (...). A integridade e a fidedignidade dizem respeito à necessidade de as variações serem reconhecidas na sua totalidade, independentemente do cumprimento das formalidades legais para sua ocorrência, visando ao completo atendimento da essência sobre a forma." GABARITO: C Página 20 de 27

21 7. Lista das Questões Utilizadas na Aula 1. (FGV SEFAZ- MT - Auditor Fiscal Tributário da Receita Municipal) Assinale a opção que indica o princípio contábil que é base indispensável à integridade e à fidedignidade dos registros contábeis dos atos e dos fatos que afetam o patrimônio da entidade pública. a) Princípio da Oportunidade b) Princípio da Entidade c) Princípio da Continuidade d) Princípio da Prudência e) Princípio da Competência 2. (FGV PROCEMPA - Analista Administrativo - Contador) De acordo com a Resolução CFC nº 1.111/2007, o Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela autonomia patrimonial e pela responsabilização do patrimônio, que a ele pertence. Nesse sentido, a autonomia patrimonial e a responsabilização do patrimônio têm origem, respectivamente, a) na destinação social do patrimônio e na obrigatoriedade da prestação de contas pelos agentes públicos. b) na gestão autônoma e na destinação social do patrimônio. c) na integridade e na fidedignidade dos registros contábeis dos atos e dos fatos que afetam ou possam afetar o patrimônio da entidade pública. d) na obrigatoriedade da prestação de contas pelos agentes públicos e no registro orçamentário das receitas e das despesas públicas. e) na necessidade da diferenciação de um patrimônio particular no universo dos patrimônios existentes e na gestão e no registro orçamentário das receitas e das despesas públicas. Página 21 de 27

22 3. (FGV Prefeitura de Recife - PE - Auditor do Tesouro Municipal) O princípio contábil que serve de base à integridade e à fidedignidade dos registros contábeis dos atos e fatos que afetam o patrimônio da entidade pública é o Princípio da a) Oportunidade. b) Continuidade. c) Competência. d) Prudência. e) Entidade. 4. (FGV TJ-GO - Analista Judiciário - Contador) O prefeito de um determinado município incluiu no orçamento anual uma despesa na função Educação para custear as mensalidades do curso de graduação de uma de suas filhas. Do ponto de vista dos princípios pios de contabilidade aplicados ao setor público, esse procedimento está em desacordo com o princípio da: a) entidade; b) continuidade; c) competência; d) oportunidade; e) transparência. 5. (FGV SEDUC-AM - Contador) Página 22 de 27

23 De acordo com a Resolução CFC 1.111/07, o princípio contábil que é base para a integridade e para a fidedignidade dos registros contábeis dos fatos que afetam o patrimônio da entidade pública, é o princípio: a) da Prudência. b) da Entidade. c) da Competência. d) da Oportunidade. e) do Registro pelo valor original 6. (FGV SUSAM - Contador) A Resolução CFC nº 1.111/2007 aprovou o Apêndice II da Resolução CFC nº 750/93, trazendo uma interpretação dos princípios fundamentais de contabilidade sob a perspectiva do setor público. Sobre essa interpretação, assinale a afirmativa incorreta. a) O Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela autonomia patrimonial e responsabilização do patrimônio a ela pertencente. b) O Princípio do Valor Original, no âmbito da entidade pública, corresponde ao valor resultante de consensos de mensuração com agentes internos ou externos, com base em valores de entrada ou valores de saída. c) O Princípio da Competência é aplicado parcialmente no setor público, já que os atos e os fatos que afetam o patrimônio público devem ser contabilizados pelo regime de caixa, assim como o registro orçamentário das receitas e das despesas públicas. d) O Princípio da Oportunidade aplicado ao patrimônio da entidade pública implica que as variações devem ser reconhecidas em sua totalidade, independente do cumprimento das formalidades legais para sua ocorrência. e) O Princípio da Continuidade, no âmbito da entidade pública, está vinculado ao cumprimento da destinação social do seu patrimônio, ou seja, a continuidade da entidade se dá enquanto perdurar sua finalidade. Página 23 de 27

24 7. (FGV AL-BA - Técnico de Nível Superior - Ciências Contábeis) A Resolução CFC nº 1.111/2007 aprovou o Apêndice II da Resolução CFC nº 750/93, que traz uma interpretação dos princípios fundamentais de contabilidade sob a perspectiva do setor público. De acordo com essa resolução, o Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela autonomia e responsabilização do patrimônio a ele pertencente. A autonomia patrimonial tem origem a) na destinação social do patrimônio e na responsabilização pela prestação de contas facultativa pelos agentes públicos. b) na destinação do patrimônio aos responsáveis pela entidade e pela prestação de contas obrigatória. c) no estrito cumprimento da destinação social do seu patrimônio, de modo que a entidade é considerada enquanto perdurar sua finalidade. d) na destinação social do patrimônio e na responsabilização pela obrigatoriedade da prestação de contas pelos agentes públicos. e) na tempestividade e na integridade do registro do patrimônio e das suas mutações, independentemente das causas que as originaram. 8. (CESGRANRIO CEFET-RJ - Auditor) A Resolução nº 1.111/07 do Conselho Federal de Contabilidade trata da interpretação dos princípios de contabilidade sob a perspectiva do setor público. A resolução define que a autonomia patrimonial tem origem na destinação social do patrimônio e a responsabilização pela obrigatoriedade da prestação de contas pelos agentes públicos. Essa definição refere- se ao Princípio da: a) Continuidade b) Competência c) Entidade d) Oportunidade Página 24 de 27

25 e) Transparência 9. (CESGRANRIO CEFET-RJ - Auditor) Os princípios fundamentais e normas brasileiras de contabilidade estabelecem as regras e conceitos doutrinários que serão aplicados às entidades no momento do registro contábil e da elaboração das suas demonstrações financeiras. Nesse sentido, o princípio da competência determina que: a) a contabilização das transações seja realizada e reconhecida no exato momento do pagamento de uma despesa ou recebimento de uma receita. b) o patrimônio da empresa ou sociedade não pode se confundir com o patrimônio dos seus sócios. c) a entidade continuará em operação no futuro e, portanto, a mensuração e a apresentação dos componentes do patrimônio levam em conta esta circunstância. d) os componentes do patrimônio devem ser inicialmente registrados pelos valores originais das transações, expressos em moeda nacional. e) os efeitos das transações e outros eventos sejam reconhecidos nos períodos a que se referem, independentemente do recebimento ou pagamento 10. (CESGRANRIO IBGE - Analista - Auditoria) O Apêndice II da Resolução CFC no 750/1993 faz menção a um princípio que diz respeito à necessidade de as variações serem reconhecidas na sua totalidade, independentemente do cumprimento das formalidades legais para sua ocorrência, visando ao completo atendimento da essência sobre a forma. Sob o enfoque dos princípios contábeis aplicados ao setor público, a afirmação acima caracteriza o Princípio da: a) Entidade b) Prudência c) Oportunidade Página 25 de 27

Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01. Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público

Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01. Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01 Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público Princípios de contabilidade: Entidade Continuidade Oportunidade Registro pelo valor original

Leia mais

TCM-SP Agente de Fiscalização - Administração

TCM-SP Agente de Fiscalização - Administração TCM-SP Agente de Fiscalização - Administração Pessoal, vou comentar as questões da prova da área administrativa. Conhecimentos Específicos 40 Considerando as diretrizes das Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis

Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis Prof.: Humberto Lucena 2.8 Princípios e convenções contábeis Com o fim de obter a uniformização dentro do campo de atuação profissional em que se

Leia mais

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário.

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Assunto: Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. 1 Trata-se de orientação acerca do reconhecimento contábil de obrigações sem suporte orçamentário

Leia mais

Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública

Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública Marcus Vinicius P. de Oliveira Contador, Administrador, Especialista

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC n.º 750/93 (Esta Resolução possui o Apêndice II aprovado pela Resolução CFC nº 1111/07). Dispõe sobre os Princípios Fundamentais de Contabilidade (PFC). Dispõe sobre os Princípios de Contabilidade

Leia mais

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013.

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013. SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre regras gerais acerca das diretrizes, normas e procedimentos contábeis aplicáveis aos entes da Federação, com vistas

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

A Nova Contabilidade do Setor Público. Conselho Federal de Contabilidade

A Nova Contabilidade do Setor Público. Conselho Federal de Contabilidade A Nova Contabilidade do Setor Público Conselho Federal de Contabilidade 1 Conteúdo: Antecedentes Novo foco da contabilidade Convergência às IPSAS Principais entidades normativas O conjunto das NBC T SP

Leia mais

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público A nova visão da Contabilidade Aplicada ao Setor Público Constituição Federal Lei de Responsabilidade Fiscal 101/2000 Lei 4.320/64 Finanças Públicas Lei 12.249/2010 Conselho Federal de Contabilidade Lei

Leia mais

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG CONCURSO: APO/MPOG/2010 66. (ESAF APO/MPOG/2010) Assinale a opção verdadeira a respeito do objeto, regime e campo de aplicação da contabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA AULA 01 - DEMONSTRATIVA APRESENTAÇÃO

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA AULA 01 - DEMONSTRATIVA APRESENTAÇÃO AULA 01 - DEMONSTRATIVA APRESENTAÇÃO Sou Bosco Silveira e fui convidado pelo Felipe Souza para colaborar com os candidatos a cargos e empregos públicos nos certames promovidos por órgãos e entidades da

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE ALAGOAS VII ENCONTRO DE CONTABILIDADE DO AGRESTE ALAGOANO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Fernando Carlos Almeida MAIO - 2014 Contabilidade

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN MÓDULO: RECONHECIMENTO DO PASSIVO POR COMPETÊNCIA - RPC COLABORADORES DO MATERIAL: STELA ALVES ASSIS Página 1 de 24 Página 2 de 24 RECONHECIMENTO DO PASSIVO

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : O Processo de Convergência aos Padrões Internacionais

A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : O Processo de Convergência aos Padrões Internacionais A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : O Processo de Convergência aos Padrões Internacionais Conselho Federal de Grupo de Estudo da Área Pública do CFC Coordenador Adjunto: Joaquim Liberalquino

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL

AS NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL AS NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL Portaria STN 184/08 Desenvolve Ações do Processo Convergência; Portaria STN 406/11 Prazo Legal 2012; Portaria STN 828/11 (Procedimentos Contábeis de Bens

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 03. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 03. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Olá, ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À Aula 03 MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Dando continuidade ao nosso estudo dirigido, hoje veremos os seguintes tópicos: 01.04.04

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA Demonstrações Contábeis José Rafael Corrêa Quanto mais eu sei, mais eu descubro que nada eu sei Sócrates 1 Conceitos CONTABILIDADE INFORMAÇÃO Informação

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

Marcus Vinicius P. de Oliveira Contador Diretor Técnico da Pi Contabilidade. Elaborado por Equipe Técnica da Pi Contabilidade Pública.

Marcus Vinicius P. de Oliveira Contador Diretor Técnico da Pi Contabilidade. Elaborado por Equipe Técnica da Pi Contabilidade Pública. Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público: Socialização e Preparação dos Profissionais de Contabilidade das entidades às novas demandas. Marcus Vinicius P. de Oliveira Contador Diretor

Leia mais

à luz dos princípios de contabilidade

à luz dos princípios de contabilidade A contabilidade aplicada ao setor público A Lei 4.320/64 representa um marco histórico para a contabilidade aplicada ao setor público, sendo este instrumento legal o ponto de partida para o presente estudo.

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

DECRETO 011 / 2012. ATENDER aos dispositivos da Portaria nº 828, de 14 de dezembro de 2011, da Secretaria do Tesouro Nacional, e;

DECRETO 011 / 2012. ATENDER aos dispositivos da Portaria nº 828, de 14 de dezembro de 2011, da Secretaria do Tesouro Nacional, e; DECRETO 011 / 2012 Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP.

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO PARTE GERAL Aplicado à União, Estados, Distrito Federal e Municípios Válido para o exercício de 2013

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP.

NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP. NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP. A CONTADORIA GERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Entendendo a estrutura administrativa

Leia mais

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF Selene Peres Peres Nunes 03/8/2015 Por que avaliação de custos no setor público? possível realocação orçamentária (uso no orçamento) onde podem ser realizados

Leia mais

Transição para Nova Contabilidade. Evandro Buiati. Superintendência de Gestão Técnica SGT

Transição para Nova Contabilidade. Evandro Buiati. Superintendência de Gestão Técnica SGT Transição para Nova Contabilidade Evandro Buiati. Superintendência de Gestão Técnica SGT Agenda Transição para Nova Contabilidade 1 - Como está a transição para Nova Contabilidade? 2 - Quais os benefícios

Leia mais

Análise do Edital AFRFB 2014

Análise do Edital AFRFB 2014 Análise do Edital AFRFB 2014 Olá amigos concurseiros, Hoje (dia 10/03/2014) saiu o edital para o concurso de AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL (AFRFB). Serão 278 vagas. Entretanto, já sabemos

Leia mais

GESTÃO, seus reflexos NA NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA E OS RECENTES CONTROLES DO TCEES

GESTÃO, seus reflexos NA NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA E OS RECENTES CONTROLES DO TCEES GESTÃO, seus reflexos NA NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA E OS RECENTES CONTROLES DO TCEES Projeto do CFC 2013: Ano da Contabilidade no Brasil A importância da Contabilidade para o desenvolvimento socioeconômico

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 01. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 01. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Aula 01 MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Abordaremos os seguintes pontos: 01.03.03 reconhecimento da receita orçamentária. 01.03.03.01 relacionamento do regime orçamentário com o regime

Leia mais

Subsistema de Custos no Setor Público: as contribuições da NBC TSP 16.11

Subsistema de Custos no Setor Público: as contribuições da NBC TSP 16.11 Subsistema de Custos no Setor Público: as contribuições da NBC TSP 16.11 Msc. João Eudes Bezerra Filho Membro do Grupo Assessor das NBCASP CFC Auditor das Contas Públicas TCE/PE Professor do Mestrado da

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE CONTABILIDADE GERENCIAL E CONTABILIDADE FINANCEIRA

DIFERENÇAS ENTRE CONTABILIDADE GERENCIAL E CONTABILIDADE FINANCEIRA Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre as principais características da Contabilidade Gerencial e suas diferenças em relação à Contabilidade Financeira, que é o outro nome da Contabilidade Geral. Trata-se

Leia mais

A Consolidação das NBC T SP no Brasil: Cronograma de Implantação e a evidenciação contábil dos Riscos Fiscais e Passivos Contingentes.

A Consolidação das NBC T SP no Brasil: Cronograma de Implantação e a evidenciação contábil dos Riscos Fiscais e Passivos Contingentes. A Consolidação das NBC T SP no Brasil: Cronograma de Implantação e a evidenciação contábil dos Riscos Fiscais e Passivos Contingentes. Wanderlei Pereira das Neves 1 Julho de 2012. Em 25 de agosto de 2008

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, nos

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, nos PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1937, DE 14 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre a divulgação do cronograma de Procedimentos Contábeis Orçamentários (PCO), Procedimentos Contábeis Patrimoniais

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS JÚLIO RAIZER

CONHECIMENTOS GERAIS JÚLIO RAIZER 1º BLOCO...2 I. Conhecimentos Gerais Júlio Raizer...2 Concursos Públicos no Brasil...2 Áreas...2 II. Características das Bancas Organizadoras...2 Fundação Carlos Chagas (FCC)...2 Cesgranrio...3 Vunesp...3

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas.

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01 Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010 6º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais 17 e 18 de junho de 2010 RECEITAS E DESPESAS PÚBLICAS: Enfoque Orçamentário X Enfoque Patrimonial

Leia mais

Aula 00 Curso básico de conceitos de Direito Administrativo. MAPAS MENTAIS, DESENHOS E FLUXOGRAMAS. Professora: Lorenna Morais.

Aula 00 Curso básico de conceitos de Direito Administrativo. MAPAS MENTAIS, DESENHOS E FLUXOGRAMAS. Professora: Lorenna Morais. Aula 00 Curso básico de conceitos de Direito Administrativo. MAPAS MENTAIS, DESENHOS E FLUXOGRAMAS. Professora: Lorenna Morais. MAPAS MENTAIS, DESENHOS E FLUXOGRAMAS. AULA: 00 Direito Administrativo Sumário

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE TÉCNICAS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCT SP

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE TÉCNICAS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCT SP NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE TÉCNICAS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCT SP O Papel e a Missão do CFC: (1) No processo de adoção, no Brasil, do paradigma científico para a Contabilidade Aplicada ao

Leia mais

Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF

Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF MUDANÇAS NA ESTRUTURA CONCEITUAL Demonstrações Contábeis Plano de

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Do Município de Carlos Barbosa, do Exercício de 2013, de forma consolidada.

Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Do Município de Carlos Barbosa, do Exercício de 2013, de forma consolidada. Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Do Município de Carlos Barbosa, do Exercício de 2013, de forma consolidada. NOTA 1 - Contexto Operacional A administração direta desta municipalidade compreende

Leia mais

Olá, pessoal! Fraternal abraço! Alipio Filho

Olá, pessoal! Fraternal abraço! Alipio Filho Olá, pessoal! Comento neste toque as questões de Contabilidade Pública que caíram no concurso para conselheiro substituto do TCE-GO. A banca foi a Fundação Carlos Chagas. Aproveito a oportunidade para

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 1. Apresentação. Aula 1. Conceitos e definições. Bases legais. Contabilidade Pública.

Contabilidade Pública. Aula 1. Apresentação. Aula 1. Conceitos e definições. Bases legais. Contabilidade Pública. Contabilidade Pública Aula 1 Apresentação Prof. Adilson Lombardo Aula 1 Conceitos e definições Bases legais Contabilidade Pública Orçamento Público Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas 16 Normas

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

I SEMINÁRIO POTIGUAR SOBRE CONTABILIDADE DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO

I SEMINÁRIO POTIGUAR SOBRE CONTABILIDADE DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO I SEMINÁRIO POTIGUAR SOBRE CONTABILIDADE DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO: Desafios para a consolidação de um novo modelo de Pública

Leia mais

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás TCE/GO Auditor de Controle Externo Área Controle Externo ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Língua Portuguesa Ortografia oficial... 01 Acentuação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011. Sistema de Controle Patrimonial

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011. Sistema de Controle Patrimonial INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011 Versão: 01 Aprovação em: 22/12/2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Finanças e Patrimônio - CFP SPA: Sistema de Controle Patrimonial I FINALIDADE Estabelecer as diretrizes,

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA)

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA) DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA) Vou abordar, neste artigo, um assunto relativamente novo, mas que já foi cobrado por algumas bancas. Trata-se da Demonstração do Resultado Abrangente (DRA). Resultado

Leia mais

PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE A CONTABILIDADE PÚBLICA E A CONTABILIDADE GERAL

PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE A CONTABILIDADE PÚBLICA E A CONTABILIDADE GERAL PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE A CONTABILIDADE PÚBLICA E A CONTABILIDADE GERAL Aspectos Contabilidade Pública Contabilidade Geral Legislação Lei nº 4.320/64 Lei nº 6.404/76 Princípios PFC e Princípios PFC

Leia mais

Nota Técnica nº 5/2013/CCONF/SUCON/STN/MF-DF

Nota Técnica nº 5/2013/CCONF/SUCON/STN/MF-DF Ministério da Fazenda Secretaria do Tesouro Nacional Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação Nota Técnica nº 5/2013/CCONF/SUCON/STN/MF-

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UMUARAMA ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE UMUARAMA ESTADO DO PARANÁ ERRATA - EDITAL N 058/2010 CONCURSO PÚBLICO SÚMULA: Dispõe sobre a retificação do Edital nº. 056/2010 que trata da abertura de vagas para o Concurso Público Municipal. O Presidente da Comissão Especial

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA

CONTABILIDADE PÚBLICA CONTABILIDADE PÚBLICA 1. Conceito: Para Bezerra Filho (2006, p.131), a Contabilidade pública pode ser definida como o ramo da ciência contábil que controla o patrimônio público, evidenciando as variações

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL QUESTÃO Nº 13 Gabarito divulgado: D Mantemos o gabarito apresentado na alternativa D. A candidata indicou a alternativa correta, ou seja a alternativa D. Recurso improcedente.

Leia mais

ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente.

ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. Evelyse Amorim Lourival Amorim Florianópolis, 11 de novembro de 2014 ITG 2002 Introdução e Principais

Leia mais

Previsão da receita e fixação da despesa referente à aprovação do orçamento com base na Lei Orçamentária Anual, no valor de R$ 50.000.

Previsão da receita e fixação da despesa referente à aprovação do orçamento com base na Lei Orçamentária Anual, no valor de R$ 50.000. Olá, pessoal! Comento neste toque as questões de Contabilidade Pública que caíram no concurso para conselheiro substituto do TCE-CE. A banca foi a Fundação Carlos Chagas. Aproveito a oportunidade para

Leia mais

2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA

2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA... 1 3. PROCEDIMENTOS E CONTABILIZAÇÃO NO FIPLAN... 3 3.1 REGISTROS CONTÁBEIS DA DÍVIDA ATIVA... 5 3.1.1 REGISTRO DA INSCRIÇÃO DO CRÉDITO EM DÍVIDA

Leia mais

Plano de implantação dos Procedimentos Contábeis Patrimoniais

Plano de implantação dos Procedimentos Contábeis Patrimoniais Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação Plano de implantação dos Procedimentos Contábeis Patrimoniais Agenda Processo de Convergência

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis Contabilidade Pública Aula 4 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Plano de Contas Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão Consiste em um rol ordenado de forma sistematizada de contas

Leia mais

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE 1. Introdução No dia 28 de maio de 2010 houve uma atualização na Resolução CFC 750/93 para a Resolução CFC 1282/10, com o intuito de assegurar a aplicação correta das normas

Leia mais

Nota Técnica nº. 003/2015/GECOG Vitória, 02 de setembro de 2015.

Nota Técnica nº. 003/2015/GECOG Vitória, 02 de setembro de 2015. Nota Técnica nº. 003/2015/GECOG Vitória, 02 de setembro de 2015. Assunto: Orientações sobre o controle de obrigações contratuais no SIGEFES a partir de 10 de setembro de 2015. 1. Com base no art. 105 da

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Competências a serem trabalhadas PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO GESTÃO FINANCEIRA CONTABILIDADE ACI : ESTUDO

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROFESSOR IGOR N OLIVEIRA CONTABILIDADE PÚBLICA E AFO. Apresentação

APRESENTAÇÃO PROFESSOR IGOR N OLIVEIRA CONTABILIDADE PÚBLICA E AFO. Apresentação Olá meus nobres concurseiros (as)! Apresentação Meu nome é Igor Nascimento Oliveira, tenho 30 anos e sou natural de Minas Gerais. Fui oficial da Marinha do Brasil, formado pela Escola Naval em 2002. Naquela

Leia mais

Artigo - 10 de julho de 2006 comentários das Questões 29 e 30 da prova de AFRF/2005 (DOAR) 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2

Artigo - 10 de julho de 2006 comentários das Questões 29 e 30 da prova de AFRF/2005 (DOAR) 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2 2.1 ENUNCIADO...3 2.2 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIOS...3 2.3 GABARITO...5 3 QUESTÃO 30 DOAR...6 3.1 ENUNCIADO...6 3.2 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIOS...6 3.3 GABARITO...9 4 FECHAMENTO...9

Leia mais

Tópicos Contemp. de Contabilidade ( Contabilidade Internacional) 16-08-2013 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 3º CONTAB Aula - 4

Tópicos Contemp. de Contabilidade ( Contabilidade Internacional) 16-08-2013 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 3º CONTAB Aula - 4 AULA 4 Princípios e Convenções Além dos princípios éticos no exercício de sua profissão, o contador, deverá observar e aplicar os princípios e convenções contábeis, porque são eles que norteiam e direcionam

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 22/12/2015 ATENÇÃO 1 Declaração de Imunidade Tributária Municipal deve ser enviada até 31.12.2015 Nos termos da Instrução Normativa nº 07/2015 da Secretaria

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE PÚBLICA 1ª PARTE Leonardo Silveira do Nascimento cpublicaconcursos@yahoo.com.br

CAMPO DE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE PÚBLICA 1ª PARTE Leonardo Silveira do Nascimento cpublicaconcursos@yahoo.com.br CAMPO DE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE PÚBLICA 1ª PARTE Leonardo Silveira do Nascimento cpublicaconcursos@yahoo.com.br Olá pessoal! Nesta aula iremos abordar um assunto cada vez mais recorrente nas provas

Leia mais

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas SIAFI Básico ABOP Slide 1

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas SIAFI Básico ABOP Slide 1 SIAFI Básico ABOP Slide 1 Oficina nº 65 - SIAFI BÁSICO Carga Horária: 4h Conteúdo: 1. Aspectos históricos do SIAFI. 1.1 Apresentação do Sistema. 1.2 Conceituações básicas do SIAFI. 1.3 Objetivos. 1.4 Abrangência.

Leia mais

Espero que todos tenham passado bem pelas festas de fim de ano e que consigam atingir os objetivos traçados para o ano de 2008.

Espero que todos tenham passado bem pelas festas de fim de ano e que consigam atingir os objetivos traçados para o ano de 2008. Pessoal, Finalmente, retornei de férias. Após um mês de praia e sol, estou de volta a Brasília para mais um ano de muito trabalho. Espero que consiga, neste ano, ajudá-los a estudar e dirimir as dúvidas

Leia mais

ANEXO I CARGO ANALISTA PERFIL/PRÉ-REQUISITO/ATRIBUIÇÕES/CIDADE/VAGAS/UNIDADE CÓDIGO ÁREA PERFIL PRÉ-REQUISITO ATRIBUIÇÕES CIDADE VAGAS UNIDADE

ANEXO I CARGO ANALISTA PERFIL/PRÉ-REQUISITO/ATRIBUIÇÕES/CIDADE/VAGAS/UNIDADE CÓDIGO ÁREA PERFIL PRÉ-REQUISITO ATRIBUIÇÕES CIDADE VAGAS UNIDADE CÓDIGO ÁREA PERFIL PRÉ-REQUISITO ATRIBUIÇÕES CIDADE VAGAS UNIDADE BAN2001 Contabilidade Graduação em Contabilidade e registro no Conselho de Classe. ANEXO I CARGO ANALISTA PERFIL/PRÉ-REQUISITO/ATRIBUIÇÕES/CIDADE/VAGAS/UNIDADE

Leia mais

Aula 00. Contabilidade Pública para Analista MP RJ Teoria e Exercícios Aula 00 Professor Marcelo Seco

Aula 00. Contabilidade Pública para Analista MP RJ Teoria e Exercícios Aula 00 Professor Marcelo Seco Aula 00 Contabilidade Pública Conceitos Iniciais www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 00 A Contabilidade Pública Bem vindos!!! Alunas e alunos do Ponto, olá! É com muito prazer que passo a acompanhá-los

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS 1. DIVULGAÇÃO DE POLÍTICAS CONTÁBEIS Políticas contábeis são os princípios, bases, convenções, regras e procedimentos específicos aplicados pela entidade na elaboração e na apresentação

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : A BASE DO CONTROLE. Prof. LD. Lino Martins da Silva lino.martins@gmail.com

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : A BASE DO CONTROLE. Prof. LD. Lino Martins da Silva lino.martins@gmail.com CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : A BASE DO CONTROLE Prof. LD. Lino Martins da Silva lino.martins@gmail.com UMA REFLEXÃO INICIAL O estudo da Ciência do Direito mostrará àqueles que acreditam na

Leia mais

Auditoria Externa do Terceiro Setor

Auditoria Externa do Terceiro Setor Auditoria Externa do Terceiro Setor 24 de setembro de 2004 AUDIT 2004 KPMG Auditores Independente, é uma sociedade brasileira simples, membro da KPMG International, uma coorperativa suíça. Obrigatoriedade

Leia mais

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA/97/032 Coordenação do Programa de Modernização Fiscal dos Estados Brasileiros - PNAFE Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR entre a República Federativa do Brasil e o Banco

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001-41

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001-41 DECRETO Nº. 075, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2015. Dispõe sobre os procedimentos para o encerramento do exercício financeiro de 2015 no âmbito da Administração Pública Municipal e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

PLANOS DE CURSO E PLANO DE AULA DE CONTABILIDADE PÚBLICA PLANO DE CURSO E PLANO DE AULA DE CONTABILIDADE PÚBLICA 1. PLANO DE CURSO

PLANOS DE CURSO E PLANO DE AULA DE CONTABILIDADE PÚBLICA PLANO DE CURSO E PLANO DE AULA DE CONTABILIDADE PÚBLICA 1. PLANO DE CURSO PLANOS DE CURSO E PLANO DE AULA DE CONTABILIDADE PÚBLICA Na terceira edição do meu livro Auditoria, Contabilidade e Controle Interno no Setor Público o capítulo 3 apresenta as mudanças na aplicação da

Leia mais

Programa de Estudos CASP 2012

Programa de Estudos CASP 2012 Programa de Estudos CASP 2012 Procedimentos Patrimoniais Apropriação da Receita por Competência Grupo de Estudos CASP : Sub Grupo Créditos Tributários Justificativa Técnica ( IPSAS, NBCASP, PRINCÍPIOS)

Leia mais

Discente do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Internacional (UNINTER). E-mail: lsgustavo92@ig.com.br.

Discente do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Internacional (UNINTER). E-mail: lsgustavo92@ig.com.br. 559 ASPECTOS GERAIS SOBRE OS PRINCÍPIOS GERAIS DA CONTABILIDADE E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E O PAPEL PREPONDERANTE DA CONTABILIDADE PÚBLICA NA PROBIDADE ADMINISTRATIVA Luis Gustavo Esse Discente do curso

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA *

CONTABILIDADE PÚBLICA * NIVELAMENTO EM CONTABILIDADE CONCEITOS DE CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL CONTABILIDADE PÚBLICA * Professor ALBANIR RAMOS 2006 Contabilide Contabilide Pública Governamental é uma especialização Contabilide

Leia mais

PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL. Parte 3 Procedimento Contábil da Reavaliação

PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL. Parte 3 Procedimento Contábil da Reavaliação PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL Parte 3 Procedimento Contábil da Reavaliação Conforme comentado na parte 2, durante o período de transição da contabilidade municipal aos novos

Leia mais

Oportunidades do mercado de concursos e atual conjuntura política e econômica.

Oportunidades do mercado de concursos e atual conjuntura política e econômica. Oportunidades do mercado de concursos e atual conjuntura política e econômica. Diretoria Comercial Diretoria e Marketing DIA de Agosto MÊS de de ANO 2011 Atraso nos concursos federais PL 4330/94 Terceirizações

Leia mais

NO 4o ENCONTRO VEREMOS OS ITENS 4, 5, 7, 8 e 9 do EDITAL

NO 4o ENCONTRO VEREMOS OS ITENS 4, 5, 7, 8 e 9 do EDITAL NO 4o ENCONTRO VEREMOS OS ITENS 4, 5, 7, 8 e 9 do EDITAL 4. Orçamento-programa. 5 Planejamento no orçamento-programa. 7 Conceituação e classificação de receita pública. 8 Classificação orçamentária de

Leia mais

A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS

A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS NUTRINDO RELAÇÕES A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS APRESENTAÇÃO José Alberto Tozzi Adm. Empresas FGV MBA USP Mestre pela PUC-SP Instrutor de Gestão

Leia mais

Análise do Edital ISS Salvador 2014

Análise do Edital ISS Salvador 2014 Análise do Edital ISS Salvador 2014 Olá amigos concurseiros, É com um carinho mais que especial que divulgo que no dia 15/09/2014) saiu uma BOMBA NORDESTINA, ou seja, o concurso para Auditor Fiscal do

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais