UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Ciências Contábeis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Ciências Contábeis"

Transcrição

1 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Ciências Contábeis Alessandro Braga Camila Fernanda Lourenço Douglas Fernando Gracio Heloiza Pinheiro de Sena CONTROLADORIA NO TERCEIRO SETOR COM ÊNFASE EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO Instituto Metodista de Educação Lins/SP LINS SP 2009

2 ALESSANDRO BRAGA CAMILA FERNANDA LOURENÇO DOUGLAS FERNANDO GRACIO HELOIZA PINHEIRO DE SENA CONTROLADORIA NO TERCEIRO SETOR COM ÊNFASE EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Banca Examinadora do Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, curso de Ciências Contábeis, sob a orientação da Profª. M.Sc. Rosiane Cristina Sozzo Gouvêa e orientação técnica da Profª. M.Sc. Heloisa Helena Rovery da Silva. LINS SP 2009

3 B792c Braga, Alessandro; Lourenço, Camila Fernanda; Gracio, Douglas Fernando; Sena, Heloiza Pinheiro de Controladoria no terceiro setor com ênfase em instituição de ensino: Instituto Metodista de Educação / Alessandro Braga; Camila Fernanda Lourenço; Douglas Fernando Gracio; Heloiza Pinheiro de Sena. Lins, p. il. 31cm. Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO, Lins-SP, para graduação em Ciências Contábeis, 2009 Orientadores: Rosiane Cristina Sozzo Gouvêa; Heloisa Helena Rovery da Silva 1. Controladoria. 2. Informações. 3. Gerenciamento. 4. Resultados. I Título. CDU 657

4 ALESSANDRO BRAGA CAMILA FERNANDA LOURENÇO DOUGLAS FERNANDO GRACIO HELOIZA PINHEIRO DE SENA CONTROLADORIA NO TERCEIRO SETOR COM ÊNFASE EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, para obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Aprovada em: / / Banca Examinadora: Profª. Orientadora: Rosiane Cristina Sozzo Gouvêa Titulação: Mestre em Contabilidade Avançada pela Universidade de Marília/SP Assinatura: 1º Prof.(a) Titulação: Assinatura: 2º Prof.(a) Titulação: Assinatura:

5 A Deus pela oportunidade, a minha família, em especial minha esposa e filhas, que acreditaram em mim, incentivaram e acompanharam todo o desenvolvimento deste trabalho, pelo apoio e incentivo nos momentos de incerteza. E aos meus queridos amigos, Camila, Douglas e Heloiza pela confiança, paciência e principalmente pela amizade. Alessandro Dedico este trabalho primeiramente a Deus, pois sem Ele, nada seria possível e não estaríamos aqui reunidos, desfrutando, juntos, destes momentos que nos são tão importantes. A minha família, em especial minha mãe, ao meu namorado Fernando e minha cunhada Adriana pelo esforço, dedicação e compreensão, em todos os momentos desta e de outras caminhadas. Aos meus colegas de equipe; Alessandro, Douglas e Heloiza; pelos momentos de aprendizagem constante e pela amizade solidificada. Camila A Deus, por estar sempre ao meu lado, me guiando e enchendo meu coração de ânimo, para que pudesse concluir este trabalho. A minha esposa Tatiane que me deu força, iluminando com suas sabedoria para que eu conseguisse atingir os meus objetivos e sonhos. Amo muito você! Aos meus amigos Alessandro, Camila e Heloiza pelos momentos em que passamos juntos, por toda a compreensão, paciência recebida de cada um e pela amizade conquistada que jamais será esquecida. Não poderia esquecer do meus amigos Guilherme que me ajudou muito no início da faculdade em Tupã/SP, e Plínio que foi fundamental para minha transferência e adaptação no Unisalesiano, ambos sempre estiveram do meu lado me apoiando, jamais esquecerei isso. À professora Heloisa Helena Rovery da Silva e orientadora Rosiane Cristina Sozzo Gouvêa, pelo apoio, sabedoria e por toda a confiança depositada no grupo e pela amizade conquistada. Douglas A Deus pela vida e oportunidade, a minha família, em especial minha mãe razão de ser e existir, meu exemplo de mulher guerreira, batalhadora e determinada, tudo que faço e penso é em te fazer feliz, obrigada por sempre ter me apoiado e ensinado o

6 caminho de conquistas. Ao meu namorado Miguel, quero compartilhar com você este momento, que esteve toda essa etapa do meu lado, que continue sempre me incentivando, apoiando e me e orientando, Amo Você. Aos meus amigos Alessandro, Camila e Douglas, pela paciência, carinho, amizade e dedicação para que esse sonho se tornasse realidade, pelas palavras amiga, pelo carinho e amor, pois sem vocês esta etapa ficaria mais difícil ser der conquistada. À professora Heloisa Helena Rovery da Silva e orientadora Rosiane Cristina Sozzo Gouvêa, pelo apoio, sabedoria Heloiza

7 AGRADECIMENTOS A Deus que nos permitiu estar vivos para concretizarmos este sonho e foi a fonte de toda sabedoria e ânimo. Por sempre estar presente e por ter nos ensinado que o conhecimento é uma das únicas coisas que o homem conquista e ninguém o tira. A todos aqueles que, direta ou indiretamente, acreditaram e nos incentivaram a correr atrás dos nossos ideais. As professoras Rosiane Cristina Sozzo Gouvêa e Heloisa Helena Rovery da Silva, que acreditaram neste projeto, orientando-nos adequadamente e contribuíram para que nosso sonho se tornasse realidade. A todos do Instituto Metodista de Educação, que me permitiram tomar contato com o tema, o que despertou em nós grande interesse em estudar esta matéria para melhor atender nossos futuros clientes, e agradecer especialmente ao Prof. Walter, Roberto e Alessandro, que garantiram o acesso e a tranqüilidade durante nossas pesquisas para colher as informações.

8 RESUMO Observando as tendências de mercado e a concorrência acirrada, percebe-se que as entidades educacionais precisam apresentar um diferencial que as coloquem em uma posição competitiva. O tema do presente trabalho parte da importância da controladoria como instrumento de controle e gerenciamento financeiro, evidenciando reunir informações de um banco único de dados para melhor controlar os departamentos da instituição. Propõe-se a contribuir para a controladoria do Instituto Metodista de Educação, localizada na cidade de Lins/SP, tendo como atividade a prestação de serviços educacionais. Desenvolve todo processo de contabilidade processando os movimentos contábeis, conciliações, emissão de relatórios, fechamento de balanço, gerenciamento de contas, emissão de relatórios para Diretório e Conselho Diretor, observando toda parte de tributação quando necessário, emitindo todos os livros conforme solicitações dos órgãos públicos. A controladoria diante de um cenário globalizado define estabelecer, manter e sistematizar um integrado plano de operação consistente com os objetivos da companhia. Gerencia o risco operacional através da administração dos sistemas de controle interno. Ao final, proporciona-se à Instituição a opção de comparar os resultados gerados pelo presente estudo com os que haviam sido projetados. O controle interno demanda realização de vistoria nos livros da empresa e no relatório de resultado. O controle da empresa tem por objetivo proporcionar a contínua integridade da documentação e de sua autenticidade, para o fim de ostentar, de forma adequada, a classificação contábil dos fatos financeiros e patrimoniais e a exatidão dos lançamentos contábeis, as demonstrações financeiras, radiografando a exatidão das posições financeiras e patrimoniais. A controladoria abrange avaliar a existência de bens, numerários e valores na tesouraria, nos almoxarifados e depósitos; posições financeiras e patrimoniais, inclusive em bancos. Uma sugestão em relação aos controles é comparar os resultados mês a mês dos benefícios com as aplicações contabilizadas. Se, durante o ano ficar comprovado que a aplicação supera o benefício em termos definitivos, deve-se avaliar o custo/benefício da manutenção da filantropia. Palavras-chave: Controladoria. Informações. Gerenciamento. Resultados.

9 ABSTRACT Observing the market trends and the intransigent competition, it is noticed that the education entities need to present one differential that put them in a competitive position. The theme of the present work parts of the importance of the controllery as control s instrument and financial administration, evidencing to gather informations of an only bank of data for best to control the departments of the institution. It is intended to contribute for the controllery of the Methodist Institute of Education, located in the city of Lins/SP, tends as activity the education services rendered. It develops every accounting process processing the accounting movements, conciliations, emission of reports, swinging closing, bills administration, emission of reports for Directory and Director Council, observing every taxation part when necessary emitting all of the books according to requests of the public organs. The controllery before a globalized scenery defines to establish, to maintain and to systematize an integrated plan of solid operation with the objectives of the company. It manages the operational risk through the administration of the systems of internal control. At the end, it is provided to the Institution the option of comparing the results generated by the present study with the ones that had been projected. The internal control demands inspection accomplishment in the books of the company and in the result report. The control of the company has for objective to provide the continuous integrity of the documentation and of its authenticity, for the end of showing, of appropriate form, the accounting classification of the financial and patrimonial facts and the accuracy of the accounting releases, the financial demonstrations x-raying the accuracy of the financial and patrimonial positions. The controllery includes to evaluate the existence of goods, cashes and values in the treasury, in the storerooms and deposits; financial and patrimonial positions, besides in banks. A suggestion in relation to the controls is to compare the results month to month of the benefits with the counted applications. If during the year to stay provened that the application overcomes the benefit in definitive terms, the cost/benefit of the maintenance of the philanthropy should be assessed. Word-key: Controllery. Information. Administration. Results.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Organograma do IMED LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS Art.: Artigo CFC: Conselho Federal de Contabilidade DIPJ: Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica DTI: Departamento de Tecnologia e Informática EUA: Estados Unidos da América Excel: Programa de Planilha Eletrônica de Cálculo Fisco: Conjunto de órgãos da administração pública, incumbidos da arrecadação e fiscalização de tributos. IALIM: Instituto Americano de Lins da Igreja Metodista IMED: Instituto Metodista de Educação INSS: Instituto Nacional do Seguro Social NBC T: Normas Brasileiras de Contabilidade Técnica PIB: Produto Interno Bruto Rev: Reverendo RIR: Regulamento do Imposto de Renda SP: São Paulo UNIMEP: Universidade Metodista de Piracicaba : Seção

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I INSTITUTO METODISTA DE EDUCAÇÃO IMED IMED Origem da empresa Histórico de desenvolvimento Cenário atual da empresa Estrutura organizacional Missão Visão Funcionalidade dos departamentos Prestação de serviço Controladoria Estratégias CAPÍTULO II ABORDAGEM ESPECÍFICA DA DEFINIÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TERCEIRO SETOR E A CONTROLADORIA TERCEIRO SETOR E A CONTROLADORIA Terceiro setor Conceito terceiro setor Objetivos e funções Missão do terceiro setor A contabilidade e o terceiro setor Controle interno das entidades filantrópicas Ciclo operacional Enquadramento de entidade sem fins lucrativos como imune ou isenta de imposto Requisitos para gozo da imunidade do imposto de renda em instituição de educação... 35

12 2.2 Controladoria Controller Funções do controller As atribuições do controller Papel da controladoria no processo de gestão O planejamento e a controladoria Tarefas do controller em relação ao planejamento Fatores a serem considerados no planejamento A controladoria e o planejamento estratégico e tático Relatórios contábil-gerenciais A controladoria e os relatórios gerenciais A contabilidade legal e a contabilidade gerencial As demonstrações contábeis legais Contabilidade gerencial e sistema de informações gerenciais Análise gerencial dos processos de uma empresa Importância das demonstrações contábeis para a controladoria CAPÍTULO III APLICAÇÃO DA CONTROLADORIA NO INSTITUTO METODISTA DE EDUCAÇÃO IMED INTRODUÇÃO O fluxo de informações contábil-gerenciais na instituição Obrigações da entidade com clientes e fornecedores Fluxo de caixa Contas a receber Contas a pagar Orçamento do fluxo de caixa Plano de contas Conciliação e gerenciamento contábil das contas Relatórios contábeis e balanço Orçamento contábil orçado e realizado Orçamento gerador de valores da prestação de serviços A importância da controladoria para o IMED Parecer final... 65

13 PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES ANEXOS... 78

14 12 INTRODUÇÃO Observando as tendências de mercado e a concorrência acirrada, percebe-se que as entidades educacionais precisam apresentar um diferencial que as coloquem em uma posição competitiva. As entidades educacionais vêm adquirindo facilidade para abertura e inicialização de seus trabalhos, porém, grande parte dessas instituições, não tem o reconhecimento dos órgãos competentes, oferecendo a seus clientes uma prestação de serviço inadequada. Nesse sentido, as instituições filantrópicas sem fins lucrativos que estão enquadradas no terceiro setor, enfrentam dificuldades para estabelecer regras, analisar os custos e definir seus preços, ou seja, o governo exige que haja a obtenção de requisitos necessários para que a instituição seja beneficiada sem afetar os resultados financeiros. Muitas entidades sem fins lucrativos são, na realidade, lucrativas ou atendem aos interesses dos próprios usuários. Um clube esportivo, por exemplo, não tem fim lucrativo, mas beneficia somente os respectivos sócios. Muitas escolas, universidades e hospitais tinham no passado suas atividades sem fins lucrativos mas, na verdade, isso não ocorria, pois acabava ficando apenas no papel. Para desenvolver suas atividades, as empresas do terceiro setor devem buscar informações gerenciais na controladoria, ou seja, obter dados que contribuam por meio de relatórios e apresentem resultados de como ocorre a evolução da instituição como um todo. A controladoria, assim como todas as áreas de responsabilidade de uma empresa, deve esforçar-se para garantir o cumprimento da missão e a continuidade da organização. Seu papel fundamental nesse sentido consiste em coordenar os esforços para conseguir um resultado global sinérgico. O objetivo da Controladoria é a gestão econômica, isso é, todo conjunto de decisões e ações orientado por resultados desejados mensurados segundo conceitos econômicos. Sendo assim, a controladoria tem por finalidade garantir informações adequadas ao processo decisório, colaborar com os gestores na obtenção da

15 13 eficácia dos setores da instituição e também quanto aos aspectos econômicos. Devido a quantidade de informações que são geradas para o desenvolvimento das operações da Instituição, nota-se que é necessário identificar os procedimentos gerenciais e verificar sua eficiência ou ineficiência. A elaboração da pesquisa teórica e prática foi realizada no Instituto Metodista de Educação-IMED, localizado na Rua Campos Sales, nº 389 na cidade de Lins/SP, atuando na área educacional e prestando serviços há oitenta e seis anos. Os objetivos do presente trabalho foram: analisar a controladoria e seus procedimentos voltados para o terceiro setor em Instituição de ensino, identificar os métodos gerenciais adotados pelos setores da Instituição e analisar as vantagens e desvantagens do processo gerencial utilizado pela mesma, identificar os benefícios que a Instituição pode obter através da controladoria, calculando as despesas e fazendo orçamentos para a prestação de serviços educacionais. Durante a pesquisa surgiu o seguinte questionamento: A comunicação e o perfeito fluxo de informações entre os setores da Instituição possibilitam a concretização do processo de Controladoria e, consequentemente, êxito na competitividade perante o mercado? Em resposta a tal questionamento, levantou-se a hipótese de que o setor de controladoria, atuando de forma plena, oferece condições e informações estratégicas para a Instituição, promovendo sim êxito na sua competitividade perante o mercado. O estudo relata uma pesquisa de campo visando à proposição de um instrumento que servirá de orientação à controladoria da empresa estagiada. Caracteriza-se pela pesquisa descritiva, com enfoque em análise documental, com respaldo qualitativo, utilizando-se de diversos métodos para sustentar o trabalho realizado. Os métodos e técnicas de pesquisa utilizados, estão descritos no capítulo III. O trabalho é composto por três capítulos: O Capítulo I refere-se aos fundamentos e origem da instituição, seus departamentos, objetivos, missão e estratégias.

16 14 O Capítulo II relata o terceiro setor. Sua origem, conceitos e objetivos. Trata também da controladoria, separadamente. O papel da controladoria e do controller e sua relação com os demais departamentos e processo de gestão. O Capítulo III aborda a implantação e aplicação prática da controladoria em uma Instituição de ensino. Por fim, a Proposta de Intervenção e a Conclusão.

17 15 CAPÍTULO I INSTITUTO METODISTA DE EDUCAÇÃO IMED 1 IMED 1.1 Origem da empresa O Instituto Americano de Lins foi fundado em 11 de fevereiro de 1928 pelo missionário norte-americano Clement Evans Hubbard, filho de um agricultor e comerciante de Rockmart, Geórgia, EUA. Quando adolescente, trabalhou como empregado em fazendas vizinhas e como corretor de lotes de pequenas glebas de terras para custear seus estudos secundários, já que o pai se responsabilizara apenas pelos estudos primários. (ALMEIDA, 2005) Depois de se formar em teologia e servir como soldado na primeira guerra mundial, permaneceu na Europa para fazer curso de aperfeiçoamento em Cambridge, Inglaterra, aproveitando as ofertas de bolsas oferecidas pelo governo inglês. Voltando aos Estados Unidos, passou a lecionar numa escola militar. Foi ordenado presbítero em 1920, ano em que recebeu da junta de Missões da Igreja Metodista Episcopal, órgão responsável pela formação e acompanhamento de missionários que atuariam fora dos Estados Unidos, a autorização para viajar para o Brasil. Seu projeto inicial era abrir uma escola em Bauru, SP, cidade de maior destaque econômico da Região Noroeste. No entanto, num período em que a direção da igreja se precavia diante de todas as iniciativas escolares na missão metodista brasileira, sua tentativa foi frustrada, passando a pastorear a igreja de Birigui, substituindo Cyros Basset Dawsey, o qual estava em férias, nos Estados Unidos. Ao ser transferido para Lins, no final de 1927, percebeu o potencial econômico e as facilidades de comunicação da cidade e que possuía um

18 16 importante entreposto comercial servido pela Estrada de ferro Noroeste. No ano seguinte, iniciou em sua própria casa uma classe de curso Primário, com menos de 10 alunos, sob a orientação da professora Pérsia Pupo. A escola chegou ao final de 1928 com 48 matriculados e, em 1931, foi organizado o curso Ginasial, o primeiro curso secundário do Noroeste Paulista. Na década de 1940, foram instalados o Curso colegial, Escola Remington e Escola normal. Em 1954, abriu-se a Faculdade de Odontologia, na atualidade, um campo avançado da Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP). Desde a década de 1970, o Instituto Americano de Lins da Igreja Metodista - IALIM, hoje Instituto Metodista de Educação - IMED, tem assumido a condição de mantenedora de escolas metodistas ou mesmo organizando outras. Em 1971, passou à condição de mantenedora do Instituto Noroeste de Birigui, fundado em 1918, pelo Rev. Cyrus Basset vdawsey. Em 2001, o Colégio Metodista de Ribeirão Preto, fundado em 1899, por Leonora Dixon Smith, foi integrado ao IALIM, hoje IMED. A mudança foi motivada pela busca de soluções comuns de problemas que fazem parte das instituições metodistas de ensino. Deve-se ressaltar que as fusões têm sido uma prática muito utilizada para a sobrevivência de escolas privadas em tempos de globalização. 1.2 Histórico de desenvolvimento A instituição chegou ao final de 1928 com 48 matriculados e, em 1931, foi organizado o Curso Ginasial, o primeiro curso secundário do Noroeste Paulista. Na década de 1940, foram instalados os cursos Colegiais e em 1954, foi a vez da Faculdade de Odontologia. (ALMEIDA, 2005) Os apoios angariados da cidade e as estratégias utilizadas para o crescimento da escola são importantes para que se compreenda a sua aceitabilidade e o respaldo social que recebeu. Na época, muitos comerciantes que tinham seus filhos estudando na escola colocaram-se à disposição da Instituição na forma de doações de materiais de escritório, material escolar para os alunos que ali estudavam e até dinheiro. Quando mais tarde se

19 17 instalaram os internatos, os supria a crédito até que a escola tivesse condições para liquidar a dívida. Isso representava muito para quem sempre estava na dependência de recursos financeiros, porém buscavam-se alternativas na própria região, na tentativa de baratear os custos com o ensino. A direção da escola adquiriu, na década de 1940, duas propriedades rurais, uma no próprio município, onde instalou uma chácara, registrada com o nome de Chácara Ialense, e outra em um município vizinho, registrada com o nome de Sítio Ialense. Em 1944, foram vendidos vários animais para o abate e isso rendeu cerca de oito contos de réis, tinha também o aluguel dos pastos da chácara, que em um ano rendeu cento e trinta mil réis, entre outros. Também tinha as doações que cobriam as despesas da escola, o que permitia novos investimentos. As verbas originárias das mensalidades dos cursos eram destinadas à compra de materiais didáticos e ao pagamento dos professores e funcionários. De 1977 a 1985, a Instituição passou por um período de crise. Ao final da década de 1980, a escola contava com uma alta concentração de despesas, com salários e demais despesas chegando a atingir 90% da receita. Nos anos iniciais da década de 1990, depois de estabelecidas políticas rígidas de contenção, principalmente relacionadas aos gastos com salários e, consequentemente, as despesas caíram para 63% da receita. A auditoria considerou louvável o trabalho financeiro-administrativo desenvolvido. A análise financeira indicou que a Instituição tinha uma situação estável, pois possuía um patrimônio considerável e o endividamento era insignificante. Por isso, destacou-se que a escola não corria risco de grandes abalos financeiros e administrativos. Até o ano de 2008, a Instituição continua com uma situação estável, mantendo seu patrimônio e não aumentando o endividamento. 1.3 Cenário atual da empresa A Instituição, atualmente, tem todo seu desenvolvimento voltado para a educação, promovendo o ensino e a pesquisa, atendendo a comunidade: local,

20 18 estadual e nacional. Conta atualmente com cerca de 3000 alunos matriculados, sendo que, seu quadro de colaboradores é de 320, tendo um custo de encargos sociais sobre a folha de pagamento na ordem de 65%. O cenário econômico do IMED está estável, apesar da economia estar preocupante. A Administração do IMED está sempre se atualizando no que diz respeito à parte acadêmica, ao econômico e à financeira, para que obtenha todas as informações necessárias para suas tomadas de decisões. Para que isso ocorra, a administração está sempre atualizando seus planejamentos e estratégias, sendo assim, não deixando perecer a parte administrativa da Instituição. A Instituição promove várias ações junto à comunidade onde está inserida, desenvolvendo projetos sociais, os quais envolvem: alunos, professores, funcionários e comunidade. A instituição é de Utilidade Pública Municipal, Estadual e Federal, conforme estatuto. 1.4 Estrutura organizacional Fonte: Instituto Metodista de Educação, 2009 (Antigo IALIM) Figura 1: Organograma do IMED

21 Missão Oferecer uma formação educacional melhor qualificada nas suas diversas fases, possibilitando às pessoas o desenvolvimento de uma consciência crítica e seu compromisso com uma prática libertadora, segundo a missão de Jesus Cristo. 1.6 Visão Ser reconhecido pela excelência em educação, fundamentada nos valores cristãos a serviço da comunidade de forma inovadora, auto-sustentável e socialmente responsável. 1.7 Funcionalidade dos departamentos Os setores administrativos do IMED trabalham numa constante interação entre os departamentos, no que tange a informações e atualizações, através do sistema que operacionaliza em tempo real. Com isso, torna-se possível também a interação com os setores pedagógicos da instituição. Esse trabalho feito pela administração dá suporte aos setores pedagógicos, mostrando, através de controles e informações fidedignas, as necessidades de cada setor, promovendo, assim, a sustentabilidade deles. A princípio, os setores administrativos são coordenados pelos responsáveis de cada área que vão, constantemente, se aprimorando, conforme as mudanças que ocorrem em leis ou na estrutura, estão sempre mantendo um relacionamento de troca de idéias e sugestões entre eles. Os setores pedagógicos são independentes, mas sempre interagem com os demais setores para melhoria dos conceitos e regras estabelecidas em lei ou de forma estrutural.

22 20 Na economia globalizada, é muito importante continuar com esse trabalho, dando ênfase na melhoria daquilo que se deseja, tornando o conceito de que, o bom tem que se tornar ótimo. A composição dos departamentos ocorre da seguinte forma: a) Direção Geral É constituída por um Diretor Geral indicado pela assembléia da igreja de comum acordo com o conselho diretor da Instituição. A Direção Geral trabalha no desenvolvimento de todas as áreas para que as mesmas possam transmitir segurança e apóia, com resposta rápida e eficiente, nas tomadas de decisões, através do planejamento e ações. A direção geral fica ligada a todas as áreas da Instituição direta ou indiretamente; b) Pastoral Escolar É constituída por um pastor designado pela igreja que, por sua vez, dentro da Instituição, vai prestar serviços à comunidade escolar, aos funcionários e aos professores, dando apoio às pessoas que necessitarem de conforto espiritual e aconselhamento. Ele participa das festividades e funerais, quando solicitado e, ministra aulas de ensino religioso, juntamente com as professoras; c) Marketing É constituído por três pessoas, sendo uma em cada unidade. Cada uma cuida da parte de propaganda, envolvendo a parte de imprensa de rádio e televisão, deixando a marca da instituição em evidência perante a sociedade; d) Área Administrativa A instituição é composta por todas as áreas e recursos que uma Instituição precisa para ter. É um suporte necessário para a vida econômica e, no caso, acadêmica; e) Supervisor Administrativo Financeiro e de Controles É constituído por um Supervisor Financeiro que é uma pessoa indicada pela Direção Geral, tem que ser de extrema confiança e, no caso do IMED, ser Metodista. O supervisor, como o próprio nome diz, supervisiona todos os setores que estão ligados a ele e também os controles que esses setores emitem;

23 21 f) Tesouraria É constituída por três pessoas: um caixa, contas a pagar e auxiliar de tesouraria. Tem a finalidade de receber e pagar todas as contas que a Instituição venha a ter e também controlar a parte de inadimplência e emissão de relatórios financeiros a quem necessitar; g) Setor de Compras É constituído por dois compradores. São eles que fazem as compras de matérias-primas para as unidades do IMED. Nesse setor, os funcionários, antes de comprar qualquer produto, fazem cotações, a fim de apurar a melhor forma de pagamento e preço junto aos fornecedores; h) Controladoria É constituída por cinco pessoas, às quais desenvolvem toda contabilidade, processando os movimentos contábeis, conciliações, emissão de relatórios, fechamento de balanço, gerenciamento de contas, emissão de relatórios para Diretoria e Conselho Diretor e observam toda a parte de tributação, quando necessário, emitindo todos os livros, conforme solicitações dos órgãos públicos; i) Setor de Pessoal É constituído por três pessoas que fazem todas as partes de folha de pagamento: dos docentes, dos funcionários administrativos, triagem de pessoal, relatórios e emitem todas as guias a serem pagas referentes ao pessoal empregado por parte da Instituição; j) Departamento de Tecnologia e Informática - DTI O DTI é constituído por quatro pessoas que fazem com que a parte de hardware e software da Instituição rode em perfeita harmonia em todos os setores. Está divido em partes: acadêmica, financeira, contábil, informática e suporte físico. A Instituição desenvolve um sistema próprio que gera todas as rotinas para todos os setores que dele usufruir; k) Coordenador Administrativo É constituído por três pessoas, sendo uma em cada unidade. Essas são responsáveis por manter toda a parte de estrutura física das unidades em perfeito funcionamento, tais como: manter os prédios

24 22 sempre limpos; fazer as manutenções necessárias, quando preciso, fazer o planejamento das obras, alteração na estrutura física dos prédios e equipamentos; l) Área Educacional A área Educacional é a principal parte. Como é uma Instituição de ensino, essa parte é a responsável por toda a movimentação econômica, financeira e acadêmica. As áreas administrativas citadas acima é que dão suporte necessário para que tudo que a área educacional precisar, seja atendido; m) Dirigente Pedagógico É constituído por quatro pessoas. Fica uma em cada unidade, sendo elas responsáveis por atender as necessidades dos cursos junto aos seus coordenadores, estabelecer metas e objetivos, promover a acessibilidade junto à sociedade e implantar cursos; n) Coordenação dos Cursos É constituída por quatorze pessoas. Uma para cada segmento, proporcionando, assim, uma melhor qualidade no que se refere ao atendimento aos alunos e, também, na área acadêmica, junto aos professores; o) Corpo Docente O Corpo Docente é constituído pela quantidade necessária de professores por nível de cursos oferecidos nas unidades perfazendo a quantidade informada no cenário atual da empresa. Esses professores são todos Graduados e Pós-Graduados, conforme estabelecido em lei; p) Secretaria Ela é constituída por doze pessoas, ficando cada uma alocada em sua unidade. Elas estão preparadas para atender o público interno e externo, fazer a emissão de diplomas, boletins, contratos de matrículas, controlar chamadas e prontuários dos alunos; q) Biblioteca É constituída de quatro pessoas, uma em cada unidade. Elas são encarregadas do atendimento ao público e também no que se refere à atualização do acervo, conforme necessidade dos cursos.

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo III Gestão das Políticas Públicas Aula 5 Parcerias na gestão e execução

Leia mais

PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello

PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello No dia 30 de novembro de 2009 foi publicado no Diário Oficial

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO DO PIS/PASEP MEDIANTE ALÍQUOTA DE 1% (UM POR CENTO) INCIDENTE SOBRE A FOLHA DE SALÁRIO

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

ABERTURA DE CAPITAL COMO FORMA DE ALAVANCAGEM NO BRASIL. AUTOR: EVANGELISTA, Aparecida Conceição de Oliveira. ORIENTADOR: LIMA, Hyder Marcelo de.

ABERTURA DE CAPITAL COMO FORMA DE ALAVANCAGEM NO BRASIL. AUTOR: EVANGELISTA, Aparecida Conceição de Oliveira. ORIENTADOR: LIMA, Hyder Marcelo de. ABERTURA DE CAPITAL COMO FORMA DE ALAVANCAGEM NO BRASIL AUTOR: EVANGELISTA, Aparecida Conceição de Oliveira. ORIENTADOR: LIMA, Hyder Marcelo de. O presente artigo visa apresentar a abertura de capital

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP Diretoria Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP O Terceiro Setor no Brasil Sumário: Histórico e Legislação Bandeira: a figura da Filantropia (do

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social Associação Fundação Privada Associação Sindical Partidos Políticos (1) renúncia fiscal Subvencionada 1 Entidades

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

Gestão Financeira e Contábil para o Terceiro Setor. Transparência, Prestação de Contas e Orçamento

Gestão Financeira e Contábil para o Terceiro Setor. Transparência, Prestação de Contas e Orçamento Gestão Financeira e Contábil para o Terceiro Setor Transparência, Prestação de Contas e Orçamento Reflexão Como acontece a Gestão Financeira e Contábil na minha Entidade? Gestão Assim, como nas entidades

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Responsabilidade Social Guia para Boas Práticas O destino certo para seu imposto Leis de Incentivo Fiscal As Leis de Incentivo Fiscal são fruto da renúncia fiscal das autoridades públicas federais, estaduais

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos

A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos Torres RS 9 de julho de 2015. Mário Kemphel da Rosa Mário Kemphel

Leia mais

Principais dificuldades

Principais dificuldades Principais dificuldades A maior dificuldade apontada pelas organizações contábeis pesquisadas foi receber informações dos clientes com qualidade e prazo. Apenas 16% delas indicaram problemas com a aderência

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

FACULDADE DE SÃO VICENTE CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

FACULDADE DE SÃO VICENTE CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS FACULDADE DE SÃO VICENTE CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS SANDRA REGINA ALMEIDA DE SOUZA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO São Vicente 2011 SANDRA REGINA ALMEIDA DE SOUZA RELATÓRIO

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos AUDITORIA GOVERNAMENTAL Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos KPMG no Mundo A KPMG é uma rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory presente

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS Índice Item CONTETO 1 6 ALCANCE 7 8 RECONHECIMENTO 9 10 REGISTROS CONTÁBEIS 11 22 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 23 25 CONTAS DE

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

TERCEIRO SETOR. Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado

TERCEIRO SETOR. Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado TERCEIRO SETOR Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado Modalidade de apoio e financiamento por parte do Estado ESPÉCIE Auxílios Contribuições Subvenções PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002

INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002 INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002 NO CONTEXTO OPERACIONAL DEVE TER OS REQUISITOS QUE ENQUADRAM A ENTIDADE COMO SEM FINS LUCRATIVOS: A) pessoas jurídicas de direito privado sem finalidade

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

FUNDAÇÃO LAR HARMONIA CNPJ: 00.405.171/0001-09 NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

FUNDAÇÃO LAR HARMONIA CNPJ: 00.405.171/0001-09 NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 FUNDAÇÃO LAR HARMONIA CNPJ: 00.405.171/0001-09 NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 I- OBJETIVOS DA ENTIDADE E CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Lar Harmonia

Leia mais

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF Selene Peres Peres Nunes 03/8/2015 Por que avaliação de custos no setor público? possível realocação orçamentária (uso no orçamento) onde podem ser realizados

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

LISTA DE CONFERÊNCIA DOS REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO COMO OSCIP

LISTA DE CONFERÊNCIA DOS REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO COMO OSCIP LISTA DE CONFERÊNCIA DOS REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO COMO OSCIP I DOCUMENTAÇÃO: Checar se, de acordo com o artigo 5º, da Lei n.º 9.790/99, o requerimento de qualificação como OSCIP (Modelo II) está acompanhado

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS DO INVESTIMENTO SOCIAL ESTRANGEIRO NO BRASIL. w w w. m m s o. c o m. b r

ASPECTOS JURÍDICOS DO INVESTIMENTO SOCIAL ESTRANGEIRO NO BRASIL. w w w. m m s o. c o m. b r ASPECTOS JURÍDICOS DO INVESTIMENTO SOCIAL ESTRANGEIRO NO BRASIL w w w. m m s o. c o m. b r Tipos Societários Fundações - Pessoas jurídicas de direito privado Dotação de bens livres. Objeto: fins religiosos,

Leia mais

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada?

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? Parecer: I - Conceitos e objetivos: Associação Sem Fins Lucrativos: Associação é uma entidade de direito privado, dotada de personalidade

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS OBJETIVO 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos de avaliação, de registro dos componentes e variações

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE AMCE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS www.amce.com.br PROJETOS ESPECIAIS FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE 10º EVENTO TEMA: Investimento Social Privado: é possível

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Dom Macedo Costa. ESTADO DA BAHIA Município de Dom Macedo Costa Prefeitura Municipal Onde Pulsa o Desenvolvimento

Dom Macedo Costa. ESTADO DA BAHIA Município de Dom Macedo Costa Prefeitura Municipal Onde Pulsa o Desenvolvimento Terça-feira 54 - Ano I - Nº 98 Dom Macedo Costa LEI MUNICIPAL Nº 400/2010 De 27 de dezembro de 2010 Dispõe sobre a criação do Sistema Municipal de Cultura e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO...

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... Manual do Cooperado Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... 3 5 COOPERHIDRO... 3 6 RECONHECIMENTO PARA FUNCIONAMENTO...

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas 1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso GEPAG UNIFESP abril / 2009 CONTEXTO Características do Trabalho no

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade Gestão Democrática Diagnóstico Em agosto de 2002, o Fórum de Educação da Zona Leste promoveu o 2º seminário Plano Local de Desenvolvimento Educativo. Realizado no

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais