A CONTRIBUIÇÃO METODISTA ÀS POLÍTICAS AFIRMATIVAS NO BRASIL Almir de Souza Maia Beatriz Helena Vicentini

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONTRIBUIÇÃO METODISTA ÀS POLÍTICAS AFIRMATIVAS NO BRASIL Almir de Souza Maia Beatriz Helena Vicentini"

Transcrição

1 1 A CONTRIBUIÇÃO METODISTA ÀS POLÍTICAS AFIRMATIVAS NO BRASIL Almir de Souza Maia Beatriz Helena Vicentini R e s u m o Este artigo integra a pesquisa(1) sobre a contribuição metodista para a construção de políticas e estabelecimento de ações afirmativas no Brasil, movimento iniciado na década de Traz informações sobre a chegada dos afrodescendentes ao país e descreve a discriminação sofrida por eles ao longo de séculos. Trata do compromisso com os excluídos assumido pela Igreja Metodista. Evidencia a postura a favor da inclusão social liderada pela Universidade Metodista de Piracicaba e registra sua participação na formação da Faculdade Zumbi dos Palmares em Unitermos: Igreja Metodista, políticas afirmativas, afrodescendentes, UNIMEP, UNIPALMARES Synopsis This article forms part of a research on the Methodist contribution to the construction of policies and the establishment of affirmative actions in Brazil, a movement which started in the 1970s. It gives information about the arrival of Africans in the country and describes the discrimination suffered by them over the centuries. It discusses the commitment to the excluded assumed by the Methodist Church. It shows the posture in favor of social inclusion led by the Universidade Metodista de Piracicaba and records its participation in the formation of the Faculdade Zumbi dos Palmares in Terms: Methodist Church, affirmative actions, Africans, UNIMEP, UNIPALMARES R e s u m e n Este artículo integra la investigación sobre la contribución metodista para la construcción de políticas y el establecimiento de acciones afirmativas en Brasil, movimiento iniciado en la década de Trae informaciones sobre la llegada de los afrodescendientes al país y describe la discriminación sufrida por ellos a lo largo de siglos. Trata del compromiso con los excluidos asumido por la Iglesia Metodista. Evidencia la postura en pro de la inclusión social liderada por la Universidade Metodista de Piracicaba y registra su participación en la creación de la Faculdade Zumbi dos Palmares, en el Términos: Eclesia Metodista, acciones afirmativas, afrodescendientes, UNIMEP, UNIPALMARES Introdução O Brasil é considerado a quinta nação mais populosa do planeta - cerca de 193 milhões de habitantes em e é o segundo país em população negra do mundo. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2008, 51,2% desses eram considerados 1 MAIA, A.S; ELIAS, B.V. Methodist contribution to the affirmative policies in Brazil. Piracicaba: Centro de Documentação e Pesquisa, Pesquisa realizada em 2009 e patrocinada pela General Board of Higher Education and Ministry (GBHEM) of the United Methodist Church, EUA.

2 2 negros, categoria onde se incluem também os mulatos ou pardos, confirmando projeção de que a quantidade de negros superaria a de brancos na população. 2 Entretanto, essa presença étnica marcante não é acompanhada por uma participação econômica e social, tendo se mantido, ao longo de toda a história do país, a marca da discriminação e de condições adversas para sua ascenção social. Os negros chegaram ao país como escravos, trazidos da Guiné e Angola (África) a partir de Até 1850, entre 3 e 5 milhões de africanos tiveram como destino o Brasil, número que representa 37% do tráfico negreiro entre a África e as Américas. Quando houve a abolição da escravidão brasileira, em 1888, o país contava com 14 milhões de brancos, 2 milhões de negros e 6 milhões de pardos, o que mostra a composição étnica que marcaria o país ao longo das décadas seguintes. 3 Foi dessa origem de pobreza que a população negra se desenvolveu ao longo do século XX. Libertos, sem qualquer compensação pela escravidão, os negros tiveram à disposição apenas subempregos, sendo vistos como perigosos, inadequados como mão de obra dentro de um sistema de trabalho livre. O país preferiu os brancos para o seu desenvolvimento ao incentivar ondas migratórias nas décadas de 1940 e 1950, quando era dada preferência àqueles que atendessem a necessidade de se preservar e desenvolver na composição étnica da população as características mais convenientes da sua ascendência européia. 4 A educação, durante anos, permaneceu como privilégio das elites. À época da escravidão a legislação proibia que os negros frequentassem escolas públicas; 5 até poucos anos antes do início do século XX o único avanço foi autorizá-los a frequentarem aulas em escolas públicas no período noturno. 6 Até mesmo no que se refere à vida religiosa havia discriminação: somente a partir de 1960, quando uma lei de caráter nacional foi promulgada punindo atitudes de discriminação racial, é que as congregações religiosas católicas atuantes no Brasil tiraram de seus estatutos e normas internas a proibição de negros e mestiços de entrarem para a vida religiosa. 7 Ao contrário de sistemas de apartheid, com separação de espaços físicos para moradia, transporte, lazer e a proibição da miscigenação, como ocorreu em muitos países, a discriminação brasileira se consolidou nas esferas econômica e social. Com o passar dos anos, 2 Desafios do Desenvolvimento. Brasília, IPEA, maio LESSA, Carlos. Jornal da Ciência. Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, BRASIL. Decreto 7967, Art. 2º, de 18/9/ BRASIL. Decreto 1331, de 17/2/ BRASIL. Decreto 7031-A, de 7/9/ SANTOS, Frei David Raimundo. As religiões são importantes para os afrodescendentes. Disponível em: Acesso em: 16/8/2009.

3 3 embora o Brasil tenha se caracterizado mundialmente como uma nação sem preconceito, ela se desenvolveu de forma mais sutil, o que não impedia, no entanto, determinadas manifestações racistas, introduzidas nas piadas mais comuns, em expressões adotadas pela língua ou até mesmo na proibição de uso de elevadores sociais em prédios e a exigência de boa aparência para acesso a emprego. Em 1990, 65% da massa carcerária brasileira era constituída por negros anos depois, chegando a 400 mil presos, o Ministério da Justiça indicava que a maioria deles era constituída de negros e pardos, entre 18 e 20 anos. 9 Em 2002, se consideradas as estatísticas da chamada linha da pobreza, 65,8% dos brasileiros nessa condição ainda eram os negros. Em 2007 o Ministério do Trabalho divulgou oficialmente que homens brancos tinham rendimentos médios 55,7% superiores aos dos negros em todo o país. Em 2008 uma pesquisa que mapeou o universo das 500 maiores empresas do país indicava que apenas 3,5% de negros ocupavam cargos executivos. 10 Segundo dados de 2009, 60% dos trabalhadores negros brasileiros têm rendimento de aproximadamente US$500, 59,5% estão empregados na construção civil e 55,3% não possuem garantias trabalhistas. Em denúncia feita pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2010, relacionada a trabalhadores em condições degradantes ainda existentes no Brasil, três em cada quatro eram negros. 11 No entanto, conhecidos os números do PNAD de 2008, o que se verificou foi uma significativa melhora, se analisado o período dos 15 anos anteriores em termos de ascenção social: em 1993 apenas 23,8% dos negros estavam na classe média, com quase 80% nas classes D e E. Em 2008 o percentual subiu para 53,5%, incluindo-se nesse segmento as classes A, B e C, segundo estudo da Fundação Getúlio Vargas. 12 Ações afirmativas Em 1988, com a promulgação da nova Constituição Brasileira, o racismo passou formalmente a ser considerado crime inafiançável e imprescritível, sujeito a pena de 8 USP. Pesquisa desenvolvida pelo Núcleo de Estudos de Violência da Universidade de São Paulo. 9 BRASIL. Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça, Pesquisa IBOPE/Instituto Ethos. Disponível em: dos-cargos-de-chefia. Acesso em: 10/8/ PAIXÃO, Marcelo. Pesquisa realizada pelo economista, da Universidade Federal do Rio de Janeiro diz que para a ONU, o trabalhador está sujeito a condições degradantes quando enfrenta jornadas exaustivas, mantém dívidas com o empregador e corre risco de morte. Disponível no Portal Nacional do Pacto contra Erradicação do Trabalho Escravo (http://www.reporterbrasil.com.br/pacto/clipping/view/1120). Acesso em: 4/7/ DANTAS, Fernando. 53,8% dos negros já estão na classe média. Disponível em: ig.com. br/2010/03/535-dos-negros-brasileiros-ja-estao-na-classe-media/ Acesso em: 25/6/2012.

4 4 reclusão, nos termos da lei. 13 Nos anos seguintes, seus desdobramentos, vindos em forma de lei, levariam a indicar a pena de reclusão de um a três anos e multa. 14 Entretanto, as chamadas ações afirmativas foram iniciadas muito antes, a partir de iniciativas dos próprios negros. No início do século XX (1931), a Frente Negra Brasileira teve, entre suas propostas, a educação como meio de ascensão social, levando à inclusão de mais de 400 negros na Força Pública de São Paulo. O Teatro Experimental do Negro, criado na década de 1940 do século passado, contribuiu para a formação de atores negros. Em 1978 surgiu o Movimento Negro Unificado, a partir de uma manifestação de várias organizações negras nas escadarias do Teatro Municipal de São Paulo em protesto contra a morte, sob tortura, de um trabalhador negro e a discriminação de atletas negros expulsos de um clube na capital paulista. Foi a partir dos anos 1980 que as ações afirmativas se ampliaram para a esfera pública, especialmente a área educacional e o mercado de trabalho. Até então a discriminação do negro na sociedade brasileira se escondia adequadamente sob o conceito de democracia racial, que passou a ser considerado efetivamente como um mito. Do ideal do Brasil mestiço começaram a surgir ações que caminharam para o reconhecimento étnico-racial dos negros. A luta nos anos seguintes priorizava a garantia do acesso à educação para começar a romper a imensa distância até então existente entre brancos e negros na sociedade brasileira. Uma das primeiras entidades a se organizarem foi a Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes (EDUCAFRO), uma rede de cursinhos pré-vestibulares comunitários que funcionava em forma de voluntariado e era coordenada pelo Serviço Franciscano de Solidariedade. Foi também nesse período (1997) a criação de uma organização não governamental denominada Sociedade Afrobrasileira de Desenvolvimento Sócio Cultural (AFROBRAS), que reunia artistas, intelectuais e profissionais liberais e teve como primeiro projeto concreto viabilizar duas mil bolsas de estudos na educação superior particular para afrodescendentes. A entidade teria papel fundamental na criação, anos depois, da primeira instituição de educação superior voltada prioritariamente para afrodescendentes em toda a América Latina: a Faculdade Zumbi dos Palmares (UNIPALMARES). Começaram, então, a se concretizar, a partir de 2001, várias iniciativas no que se refere ao sistema de reserva de vagas na educação superior pública através de cotas para negros. É também desse ano a reconhecida participação brasileira na Conferência das Nações Unidas Contra o Racismo, realizada em Durban, cuja declaração final, extremamente 13 BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Artigo 5º, Inciso XLII. 14 BRASIL. Código Penal Brasileiro, Art. 140.

5 5 polêmica e subscrita pelo governo brasileiro, pela primeira vez admitiu formalmente a existência do racismo, em seu artigo 2º: Reconhecemos que o racismo, a discriminação racial, a xenofobia e as formas correlatas de intolerância são produzidas por motivos de raça, cor, descendência, origem nacional ou étnica, e que as vítimas podem sofrer formas múltiplas ou agravadas de discriminação por outros motivos correlatos, como o sexo, o idioma, a religião, opiniões políticas ou de outra índole, origem social, situação econômica, nascimento ou outra condição. 15 A Conferência, que contou com a presença de 18 mil participantes, incluindo 16 chefes de Estado, 58 ministros das Relações Exteriores e mil representantes de organizações não governamentais, teve resultados instáveis, na análise da Alta Comissária das Nações Unidas para Direitos Humanos, Louise Arbour, oito anos mais tarde: os estados ainda resistem em reconhecer a existência do fenômeno do racismo. As leis nacionais e medidas para a sua eliminação são inadequadas ou ineficazes na maioria dos países. 16 No Brasil, ao mesmo tempo em que alguns ministérios passavam a garantir 20% de suas contratações para afrodescendentes, a partir de 2002 o Ministério das Relações Exteriores passou a conceder 20 bolsas de estudos federais a afrodescendentes que se preparassem para o concurso de admissão ao Instituto Rio Branco, encarregado da formação do corpo diplomático brasileiro. 17 A partir de 2003 foi tornada oficial a exigência de adoção da disciplina História e Cultura Afro-Brasileira e da África para todos os estudantes do ensino médio. O governo federal criou, ainda nesse ano, a Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial, que propiciou, como desdobramento, a criação de superintendências e coordenações de promoção da igualdade racial em vários estados e municípios brasileiros. Várias cidades passaram a incluir cotas para negros em concursos para seleção de cargos públicos. Uma nova consciência de raça começava a crescer com a adoção opcional, em muitas cidades, do Dia da Consciência Negra, comemorado em 20 de novembro. 18 Um novo programa de acesso a instituições particulares de educação superior criado pelo governo federal em 2004, o Universidade para Todos (PROUNI), passou a garantir 30% de suas vagas 15 ONU. Relatório da Conferência Mundial contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e Intolerância. Durban: Organização das Nações Unidas, Países da América Latina e Caribe preparam revisão da Conferência da ONU contra o racismo. Disponível em: Acesso em: 8/8/ MOEHLECKE, Sabrina. Ação afirmativa: história e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, nov (versão online). 18 A data refere-se ao assassinato de Zumbi, líder do maior grupo de escravos negros fugidos que a história das Américas registrou. Foram cerca de 30 mil, que se mantiveram durante mais de 100 anos no chamado Quilombo de Palmares no Brasil.

6 6 anuais para negros e pardos. Segundo o Prof. José Jorge de Carvalho, da Universidade de Brasília, em 7 anos, mais jovens negros entraram em universidades públicas do que nos 20 anos anteriores. Somente em 2009 foram mais 50 mil universitários negros incorporados à educação superior pelo PROUNI, o que representou um acréscimo de 5% no sistema. 19 A implementação de ações afirmativas e, especialmente, a política do estabelecimento de cotas, vieram acompanhadas de muita polêmica, inclusive nos meios acadêmicos e universitários. Um dos principais argumentos utilizados era a sua inconstitucionalidade, levando juristas a repetirem debates já ocorridos em outras partes do mundo, inclusive nos EUA, questionando se ações afirmativas caracterizariam a garantia de um direito ou o estabelecimento de um privilégio. O caso brasileiro, considerando-se a Constituição de 1988, teve diferentes interpretações. Os que defendem as ações afirmativas fundamentam-se no entendimento de que, para além da igualdade formal, a Magna Carta estabeleceu no seu texto a possibilidade do tratamento desigual para pessoas ou segmentos historicamente prejudicados nos exercícios de seus direitos fundamentais. 20 Até porque a própria Constituição estabeleceu a proteção do mercado de trabalho para a mulher através de incentivos específicos e a reserva de percentual de empregos públicos para pessoas portadoras de deficiências. 21 Anteriormente, a legislação eleitoral brasileira já havia estabelecido uma cota mínima de 30% de mulheres para as candidaturas de todos os partidos políticos. Um dos argumentos dos que criticam a sua adoção é que as ações afirmativas desconsideram a ideia do mérito individual, favorecendo um grupo em detrimento de outro, o que também contribuiria para a inferiorização do grupo supostamente beneficiado, incapaz de vencer por si mesmo. Os principais opositores insistem que a questão das cotas não pode se restringir à questão racial, mas deve se ampliar para um problema de caráter socioeconômico, que abrangeria uma problemática ainda maior no Brasil. Seu principal argumento é a defesa em torno de políticas universalistas que gerassem maiores oportunidades e qualidade na educação básica oferecida e na expansão da educação superior. Por trás desse argumento se fixa a lógica de que, ao se beneficiar a população mais pobre, necessariamente estariam sendo beneficiados também os negros que seriam o maior percentual desse universo. Lideranças 19 José Jorge de Carvalho é professor da Universidade de Brasília, onde participou da elaboração dos parâmetros do sistema de cotas da UnB, o pioneiro do país. O docente também coordena o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT). Entrevista ao site Acesso em: 4/7/ MARTINS, Sérgio. In: MOEHLECKE, Sabrina. Ação afirmativa: história e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, nov.2003 (versão online). 21 BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Título II - Dos direitos e Garantias Fundamentais, capítulo II - Dos Direitos Sociais, artigo 7º e Título III - Da Organização do Estado, capítulo VII - Da Administração Pública, Art. 37.

7 7 negras rebatem o argumento indicando que ele reforça ainda mais a vinculação entre negro e pobreza. Neste contexto, o estigma atua reforçando uma ciranda perversa na qual a existência da pobreza surge como parte constitutiva e natural de nossa realidade, especialmente quando sua cor é negra [...] pobreza se enfrenta com um conjunto amplo de políticas de cunho universalista, tendo como pano de fundo o crescimento econômico e a distribuição mais equânime da riqueza. Racismo, preconceito e discriminação devem ser enfrentados com outro conjunto de políticas e ações. Conjunto esse que, infelizmente, ainda está por se consolidar. 22 O Estatuto da Igualdade Racial, aprovado em 20 de julho de 2010, é um documento amplamente negociado por políticos, governo e movimentos populares, que acabou por decepcionar a grande maioria dos movimentos negros organizados. A ele não se incorporaram as políticas públicas de saúde específicas para o negro, inicialmente previstas, e nem a garantia de cotas no serviço público, partidos políticos e universidades, amplamente debatida, mas o governo defende o Estatuto, com seus 65 artigos, como uma nova ordem de direitos para os negros brasileiros. Ao sancioná-lo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou que a democracia brasileira parece mais justa e representativa com a entrada em vigor do Estatuto da Igualdade Racial. Estamos todos um pouco mais negros, um pouco mais brancos e um pouco mais iguais. 23 A Universidade Federal da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), também criada em 20 de julho de 2010, é uma instituição pública concebida para atender as demandas dos integrantes da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Seus campi estão instalados em Acarape e Redenção (Ceará), esta última a cidade que pioneiramente aboliu a escravatura em 1883, e terão capacidade para atender cinco mil alunos, sendo metade deles originários de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor Leste. A outra metade é reservada para alunos brasileiros. Segundo Paulo Speller, reitor da UNILAB, o projeto prevê o desenvolvimento de ações conjuntas com outras instituições sociais e comunitárias que se destacam na integração étnico-racial e na cooperação com países africanos e asiáticos, entre as quais a Faculdade Zumbi dos Palmares ocupa lugar de destaque. 24 Em seu primeiro vestibular, em 2011, a 22 THEODORO, Mario. A guisa de conclusão: o difícil debate da questão racial e das políticas públicas de combate à desigualdade e à discriminação racial no Brasil. In: THEODORO, Mário (org.). As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil 120 anos após a abolição. Brasília: IPEA, Lula diz que democracia fica mais justa com Estatuto. Agência Brasil de Notícias. Acesso em: 21/7/ SPELLER, Paulo. A universidade Afro-Brasileira e a ousadia na integração internacional. Afirmativa Plural, Ano 6, nº 31, p

8 8 UNILAB ofereceu 360 vagas, igualmente divididas para brasileiros e estrangeiros e distribuídas em seis cursos. Houve três mil estudantes brasileiros inscritos e as aulas se iniciaram em março daquele ano. 25 Em 26 de abril de 2012 o Supremo Tribunal Federal decidiu, por unanimidade, que as cotas raciais nas universidades são constitucionais. Naquela data, segundo a Advocacia Geral da União, 13 universidades brasileiras já possuíam políticas de cotas raciais e outras 20 combinavam o critério de raça com a questão social para fazer a seleção dos candidatos. 26 A Igreja Metodista compromisso com os excluídos 27 A questão do racismo só recebeu das igrejas evangélicas brasileiras espaço específico de atuação e preocupação a partir dos anos A Igreja Metodista, entretanto, sempre apresentou como uma de suas marcas de fé o comprometimento com a justiça social, a defesa e promoção social dos mais fracos e oprimidos vistos como vítimas da estrutura socioeconômica. Também prega a tolerância e respeito às diferentes culturas e religiões. O Credo Social da Igreja Metodista, já com mais de cem anos, estabelece de maneira mais ampla: A Igreja Metodista não só deplora os problemas sociais que aniquilam as comunidades e os valores humanos, mas orienta a seus membros [...] a propugnar por mudanças estruturais da sociedade que permitam a desmarginalização social dos indivíduos, grupos e das populações [...] Em 1982 a Igreja Metodista aprovou um documento referencial para seu posicionamento, denominado Plano para a vida e missão da Igreja (PVMI) e que em 2012 completa 30 anos. Nele, ao expor a herança wesleyana, é feita menção ao compromisso permanente metodista com os aspectos sociais que envolvem o ser humano: De modo especial, os metodistas se preocupam com a situação de penúria e miséria dos pobres. Como Wesley, combatem tenazmente os problemas sociais que oprimem os povos e as sociedades onde Deus os tem colocado, denunciando as causas sociais, políticas, econômicas e morais que determinam a miséria e a 25 UNILAB: número de brasileiros inscritos no processo seletivo supera expectativas. Disponível em: br/noticias/2011/02/01/unilab-numero-de-brasileiros-inscritos-no-processo-seletivosupera-expectativas. Acesso em: 25/6/ STF decide, por unanimidade, pela constitucionalidade das cotas raciais. Publicado em 26/4/2012. Disponível em: globo.com/vestibular-e-educacao/noticia/2012/04/stf-decide-por-unanimidade-pelaconstitucionalidade-das-cotas-raciais.html 27 Esse item do artigo contou com a contribuição de Diná da Silva Branchini Coordenadora do Ministério de Ações Afirmativas Afrodescendentes da 3ª Região Eclesiástica da Igreja Metodista - São Paulo.

9 [...]. 29 Em 1985 a Igreja criou a Comissão Nacional de Combate ao Racismo, a partir do I 9 exploração e anunciando a libertação que o Evangelho de Jesus Cristo oferece às vítimas de opressão. Reforçando sua preocupação social e de inclusão, o PVMI define como missão da Igreja atuar em qualquer situação onde a opressão e morte negaram a realidade da vida com a qual Deus se compromete desde o começo do mundo; as estruturas sociais que se tornaram obsoletas e desumanizantes, opressoras e injustas. Nesse contexto surge, então, uma menção específica ao negro, indicando como meios de atuação, entre outras, criar estruturas e instrumentos que visem ao desenvolvimento da consciência nacional para promoção dos discriminados e marginalizados: o negro, o índio, a mulher, o idoso, o menor, deficientes, aposentados e outros. 28 O documento Diretrizes para a educação na Igreja Metodista, também aprovado em 1982, deteve-se no tema ao indicar que o racismo é um mal social que merece atenção de toda ação educativa: Toda a ação educativa da Igreja deverá proporcionar aos participantes condições para que se libertem das injustiças e males sociais que se manifestem na organização da sociedade, tais como: [...] o racismo [...] a usurpação dos direitos do índio Encontro Nacional Negro Metodista, realizado no Rio de Janeiro, com apoio financeiro da Junta de Mulheres Metodistas dos Estados Unidos e do Programa de Combate ao Racismo do Conselho Mundial de Igrejas. Houve a participação de 42 metodistas negros vindos de várias partes do país. 30 Seu objetivo era identificar as posturas racistas dentro da própria Igreja, como na hinologia e literatura adotadas na escola dominical, e promover lideranças para atuar em programas de inclusão e diversidade. Da Comissão Nacional de Combate ao Racismo resultaram as versões regionais, existindo atualmente pastorais em várias regiões. Na 3ª Região Eclesiástica foi instituído o Ministério de Ações Afirmativas Afrodescendentes desde 2005, voltado para a sensibilização das igrejas em relação ao racismo, preconceitos e discriminação raciais e também para o resgate do valor cultural afro-brasileiro, a auto-estima étnico-racial e a releitura bíblica a partir da presença africana. Esses movimentos também geraram grupos atuantes fora do território metodista na década de 1980 do século passado, sob as lideranças negras evangélicas e católicas, 28 IGREJA METODISTA. Vida e Missão. 3 ed. Piracicaba: Ed. UNIMEP, 1983, p.xx,xxi,xxii. (Plano para a vida e missão da Igreja, aprovado pelo 13º Concílio Geral da Igreja Metodista em julho de 1982). 29 IGREJA METODISTA. Vida e Missão. 3 ed. Piracicaba: Ed. UNIMEP, p.xiv. (Diretrizes para a educação na Igreja Metodista, aprovado pelo 13º Concílio Geral da Igreja Metodista em julho de 1982). 30 Entrevista com Antonio Olympio de Sant Anna, parcialmente reproduzida no jornal Expositor Cristão em maio de Disponível em: Acesso em: 10/8/2009.

10 10 facilitando o surgimento de uma movimentação ecumênica em torno do tema. No Rio de Janeiro, com o apoio do Instituto Superior do Estudo das Religiões (ISER), 16 afrodescendentes metodistas, batistas e católicos organizam um grupo de trabalho objetivando produzir uma Teologia Negra de Libertação, a partir do trabalho dos líderes populares. 31 Em 1986 foi criada a Comissão Ecumênica Nacional de Combate ao Racismo (CENACORA) reunindo representantes das igrejas que então compunham o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil - Metodista, Episcopal, Evangélica de Confissão Luterana, Presbiteriana Unida, Católica. Uniram-se, ainda, ao órgão recém-criado, a Igreja Católica Ortodoxa Siriana e a Igreja Evangélica Luterana. Em São Paulo surgiu, em 1988, o Coral Resistência Negra, que nasceu da proposta de uma mulher metodista, Benedita de Oliveira, e do valioso comprometimento do Maestro Moisés da Rocha, também metodista. Esse grupo, cuja proposta é promover discussões e denunciar o preconceito, inicialmente foi acolhido na Igreja Metodista da Luz. Hoje é um grupo ecumênico e independente. No Rio Grande do Sul, a Organização não Governamental (ONG) Centro Ecumênico de Cultura Negra começou em 1987 nas dependências da Igreja Metodista de Porto Alegre. Atualmente tem como uma de suas ações a viabilização de cotas raciais, através de convênio com o Instituto Porto Alegre da Igreja Metodista (IPA), que possibilita bolsa integral de estudo para o acesso de pessoas negras à Universidade. 32 Também, foram criados Fóruns Permanentes de Mulheres Negras Cristãs no Rio de Janeiro e São Paulo em 2000, por iniciativa da CENACORA, tendo na liderança mulheres negras metodistas. No Rio de Janeiro estas mulheres têm participado de movimentos políticos e busca de direitos das mulheres contra o sexismo e o racismo. Em 2005, durante a Consulta Nacional da Igreja Metodista sobre Racismo, várias conclusões foram formalizadas e encaminhadas a órgãos diretivos nacionais metodistas. Entre elas destaca-se a que afirma: que a Igreja Metodista assuma uma postura pública contra o racismo e a favor das ações afirmativas e inclusivas e em relação aos afrodescendentes e outros grupos minoritários, que a questão raça e etnia sejam abordadas em todos os encontros e eventos promovidos pelas igrejas e instituições metodistas, de maneira a promoverem desmistificação da igualdade racial e a explicitação das manifestações de racismo, que seja criado um fórum para acolher e tratar os casos de racismo na 31 SANTOS, Frei David Raimundo. As religiões são importantes para os afrodescendentes. Disponível em: Acesso em: 16/8/ Disponível em: Acesso em: 28/8/2009

11 11 Igreja, que se inclua no Código de Ética da Igreja estrutura de justiça eclesiástica que garanta sanções em casos de posturas e atitudes racistas. 33 Segundo o bispo Luiz Vergílio, 34 o 16º Concílio Geral da Igreja Metodista, realizado em 1997, aprovou, por proposta da Comissão Nacional de Combate ao Racismo e à Discriminação, uma política de cotas para negros e negras em nossas escolas, como resgate de uma dívida histórica e a favor da formação de lideranças sociais. No entanto, até hoje a proposta conciliar não vigora formalmente nas instituições da Igreja. Foi nesse mesmo Concílio que o bispo Adriel de Souza Maia, então presidente do Colégio Episcopal, também distinguiu a questão dos negros de forma clara na mensagem distribuída à nação brasileira ao final do encontro: Não é possível transpor o término destes cinco séculos sem nos darmos conta das dívidas sociais que contraímos para com os povos que aqui viviam. Eles foram dizimados ou reduzidos em número e cultura a meros espectros [...] temos dívidas para com aqueles que foram trazidos para esta terra na humilhante condição de escravos. Há que confessar este nosso débito assumido por toda a sociedade, inclusive as igrejas. 35 Em 2006 encontros regionais caminharam na mesma direção, aprovando outros documentos que expressam reivindicações e anseios de grupos de pessoas negras metodistas em relação à inclusão cultural e valorização da negritude no meio metodista, como a inclusão da temática racial dentro da programação das igrejas e dos currículos educacionais das instituições metodistas; programas de inclusão de negros na educação; mapeamento dos negros metodistas; elaboração de uma Carta Pastoral que aponte as diretrizes da Igreja Metodista em relação à questão racial. O Colégio Episcopal assumiu a prioridade de elaborar essa manifestação em forma de Carta Pastoral. Lideranças negras que hoje atuam na própria Igreja entendem, entretanto, que a temática da desigualdade sócio-racial, o racismo e seus desdobramentos - preconceito de cor e discriminação racial - ainda estão em processo de assimilação dentro da Igreja Metodista brasileira. Entretanto, de maneira pessoal, ao longo dos últimos anos, bispos metodistas, inclusive afrodescendentes como o bispo Luiz Vergílio, têm se manifestado sobre o tema, escrevendo sobre a questão das ações afirmativas: 33 IGREJA METODISTA. Recomendações à Igreja Metodista. Consulta Nacional sobre Racismo. São Paulo, SP, 29/4 a 01/5/ ROSA, Luiz Vergílio Batista. Igreja, Ações Afirmativas e Políticas de cidadania. In: Identidade. Boletim do Grupo de da EST/IECLB, v. 09, janeiro-junho IGREJA METODISTA. Plano Nacional: Ênfases e Diretrizes & Mensagem da Igreja Metodista à Nação. 16º Concílio Geral. Biblioteca Vida e Missão/Documentos, nº 4, 1997.

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil LUGAR COMUM Nº30, pp. 95-100 Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil Alexandre do Nascimento Políticas de ação afirmativa são medidas

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR.

DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR. DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR. Elienai R.Fonseca 1, Consuela de Souza Romão 2, Marcelo Expedito Costa 3, Ana Maria da S. Raimundo 4, Vera Lucia Ignácio Molina 5 1,

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

OS MANIFESTOS, O DEBATE PÚBLICO E A PROPOSTA DE COTAS

OS MANIFESTOS, O DEBATE PÚBLICO E A PROPOSTA DE COTAS COMO CITAR ESTE TEXTO: NASCIMENTO, Alexandre do. Os Manifestos, o debate público e a proposta de cotas. Revista Lugar Comum: Estudos de Mídia, Cultura e Democracia, n. 23/24. Ou NASCIMENTO, Alexandre do.

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADA FEDERAL ALICE PORTUGAL - PCdoB/BA

CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADA FEDERAL ALICE PORTUGAL - PCdoB/BA Pronunciamento da deputada Alice Portugal (PCdoB/BA) na sessão da Câmara dos Deputados do dia 26 de abril de 2006, em defesa da adoção do sistema de cotas sociais e raciais nas universidades públicas brasileiras.

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais

IGUALDADE RACIAL. 146 políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 ipea

IGUALDADE RACIAL. 146 políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 ipea IGUALDADE RACIAL Constituição da República Federativa do Brasil (CRFB) 1988 Artigo 5 o Caput Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros

Leia mais

COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS

COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS Francisco Carlos Vitória Professor de História do Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça - Universidade Federal de Pelotas A partir do ano 2000, setores

Leia mais

As desigualdades sociorraciais no Brasil

As desigualdades sociorraciais no Brasil 1 A Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen) e as eleições de 2010 As desigualdades sociorraciais no Brasil No Brasil republicano do século 21 existe igualdade apenas no papel da Lei. Não há efetivamente

Leia mais

O MOVIMENTO DOS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES PARA NEGROS E A POLÍTICAS DE COTAS NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

O MOVIMENTO DOS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES PARA NEGROS E A POLÍTICAS DE COTAS NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR O MOVIMENTO DOS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES PARA NEGROS E A POLÍTICAS DE COTAS NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR Alexandre do Nascimento Dr. Serviço social (UFRJ) Professor da FAETEC-RJ Políticas de ações

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

Os novos manifestos sobre as cotas

Os novos manifestos sobre as cotas LUGAR COMUM Nº25-26, pp. 11-16 Os novos manifestos sobre as cotas Alexandre do Nascimento O debate sobre as cotas raciais no Brasil parece longe de uma conclusão. Apesar de ter sido ratificada pelo Brasil

Leia mais

ALICE PORTUGAL, PCDOB,

ALICE PORTUGAL, PCDOB, ALICE PORTUGAL, PCDOB, Bahia. Saudação aos Prefeitos participantes da IX Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios. Realização de reunião da Frente Parlamentar em Defesa da Polícia Rodoviária Federal

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Considerações sobre o PIMESP e cotas nas universidades paulistas Kabengele Munanga UJniversidade de São Paulo

Considerações sobre o PIMESP e cotas nas universidades paulistas Kabengele Munanga UJniversidade de São Paulo Considerações sobre o PIMESP e cotas nas universidades paulistas Kabengele Munanga UJniversidade de São Paulo O debate sobre cotas para negros e indígenas ocorre desde 2002 depois da III Conferência Mundial

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

NOSSA CLASSE TEM COR E NOSSA COR É DE LUTA - Contribuição à tese 02 Unidade e Luta - Construindo o Vamos À Luta Nacional

NOSSA CLASSE TEM COR E NOSSA COR É DE LUTA - Contribuição à tese 02 Unidade e Luta - Construindo o Vamos À Luta Nacional NOSSA CLASSE TEM COR E NOSSA COR É DE LUTA - Contribuição à tese 02 Unidade e Luta - Construindo o Vamos À Luta Nacional A GLOBALIZAÇÃO E A COR DA EXCLUSÃO Em oposição a um projeto da classe trabalhadora,

Leia mais

EDUCAÇÃO GRUPO POSITIVO

EDUCAÇÃO GRUPO POSITIVO EDUCAÇÃO 38 GRUPO POSITIVO Contribuição para o desenvolvimento Positivo trabalha para que sua contribuição ao ensino de O qualidade extrapole suas unidades e alcance de forma construtiva toda a sociedade.

Leia mais

Reunião Plenária Final da

Reunião Plenária Final da Reunião Plenária Final da Conferência Regional das Américas sobre Avanços e Desafios no Plano de Ação contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e as Intolerância Correlatas Resumo da Presidenta

Leia mais

Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados,

Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Conhecemos as desigualdades raciais no Brasil, que estão inequivocamente

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

UFRPE adotam ações afirmativas com bônus

UFRPE adotam ações afirmativas com bônus USP, Unicamp, UFPE e UFRPE adotam ações afirmativas com bônus Amanda Rossi e Antonio Biondi 16 Julho 2008 Na USP, maior das oito instituições de ensino superior que adotam sistemas de bonificação no vestibular

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

AS POLÍTICAS DE COTAS PARA O ACESSO DE NEGROS AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E A IMPORTÂNCIA DOS CURSOS PRÉ VESTIBULARES PARA NEGROS NA SUA CONSOLIDAÇÃO

AS POLÍTICAS DE COTAS PARA O ACESSO DE NEGROS AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E A IMPORTÂNCIA DOS CURSOS PRÉ VESTIBULARES PARA NEGROS NA SUA CONSOLIDAÇÃO IX SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL Universidade Federal da Paraíba João Pessoa 31/07 a 03/08/2012 Anais Eletrônicos ISBN 978-85-7745-551-5 AS POLÍTICAS

Leia mais

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012 Princípios Gerais Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Profª Carla Pintas A Constituição de 1988 assumiu o caráter de Constituição Cidadã, em virtude

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não Este é um tema atual de debate na sociedade brasileira, motivado principalmente pela discussão das cotas étnicas e, a partir do Projeto de Lei nº 3627/04, com ênfase nas socioeconômicas (origem dos alunos

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 416/2006

RESOLUÇÃO Nº 416/2006 RESOLUÇÃO Nº 416/2006 Regulamenta o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africanas e dá outras providências. O Conselho de Educação do Ceará CEC, no uso de suas atribuições legais no uso de suas

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas e consultores

Leia mais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais Momento do Tipo de Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Desenvolvimento Social e Erradicação da Miséria Valor de Referência para Individualização de Projetos em Iniciativas Esferas Fiscal

Leia mais

O SENADO. ETNIAS e as AÇÕESA AFIRMATIVAS. Frei David Santos OFM 18/12/2008

O SENADO. ETNIAS e as AÇÕESA AFIRMATIVAS. Frei David Santos OFM 18/12/2008 O SENADO ETNIAS e as AÇÕESA AFIRMATIVAS Frei David Santos OFM 18/12/2008 UMA BOA NOTÍCIA: POR 54 VOTOS A FAVOR E APENAS 2 VOTOS CONTRA OS CORAJOSOS DEPUTADOS DO RIO DE JANEIRO, APROVARAM A CONTINUAÇÃO

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 Objeto da contratação Consultor sênior Título do Projeto Projeto BRA 07/010 Designação funcional Duração do contrato Consultoria por produto 04 meses Data limite para envio

Leia mais

AFIRMATIVA. Por Dentro da UFOP. Ouro Preto 25 de abril de 2009

AFIRMATIVA. Por Dentro da UFOP. Ouro Preto 25 de abril de 2009 POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA Por Dentro da UFOP Ouro Preto 25 de abril de 2009 Debate sobre as ações afirmativas no ensino superior Democratização do acesso a este importante nível de ensino. Está diretamente

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria.

Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria. 1 Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria. Quem somos: A Abrasa Associação Brasileiro-Afro-Brasileira para o Desenvolvimento da Dança, Cultura Educação e Arte, é uma Instituição

Leia mais

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. ¹Gislaine De Oliveira Correia; ²Maria José de Jesus Alves Cordeiro. ¹Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

UNIDADE 5 O MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL: SUAS LUTAS E CONQUISTAS

UNIDADE 5 O MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL: SUAS LUTAS E CONQUISTAS UNIDADE 5 O MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL: SUAS LUTAS E CONQUISTAS Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 5- O movimento negro no Brasil: suas lutas e conquistas Objetivos:

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL DISCIPLINA: SOCIOLOGIA O propósito desta sequência didática é discutir com e/em interação com os jovens-alunos, a questão do preconceito racial e o

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais

Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia

Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia Missão da FLD Apoiar e acompanhar programas e projetos de grupos organizados da sociedade civil que fortaleçam o protagonismo das pessoas e suas comunidades,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI N.º 13.694, DE 19 DE JANEIRO DE 2011. (publicada no DOE nº 015, de 20 de janeiro de 2011) Institui o Estatuto

Leia mais

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com Direitos Humanos A mulher negra brasileira Walkyria Chagas da Silva Santos Pós-graduanda em Direito do Estado pela Fundação Faculdade de Direito da Bahia - UFBA E-mail: kyriachagas@yahoo.com.br A articulação

Leia mais

No STF, relator vota pela legalidade de cotas raciais em universidades

No STF, relator vota pela legalidade de cotas raciais em universidades Page 1 of 15 globo.com notícias esportes entretenimento vídeos e-mail Globomail Pro Globomail Free Criar um e-mail central globo.com assine já todos os sites Vestibular e Educação 25/04/2012 19h09 - Atualizado

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

Papa Bento XVI visita o Brasil

Papa Bento XVI visita o Brasil Papa Bento XVI visita o Brasil Análise Segurança Fernando Maia 23 de maio de 2007 Papa Bento XVI visita o Brasil Análise Segurança Fernando Maia 23 de maio de 2007 No período de 09 a 13 de maio, o Papa

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

CARTA À POPULAÇÃO BRASILEIRA Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o Brasil

CARTA À POPULAÇÃO BRASILEIRA Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o Brasil CARTA À POPULAÇÃO BRASILEIRA Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o Brasil Há séculos que estamos em luta. Antes contra a escravidão, hoje enfrentamos a discriminação e o racismo. Os anos

Leia mais

revele quem são os cotistas recebidos nas universidades. "Você pode, talvez, estar beneficiando uma classe média negra, o que não se justifica diante

revele quem são os cotistas recebidos nas universidades. Você pode, talvez, estar beneficiando uma classe média negra, o que não se justifica diante Ricardo se submeteu a um exame de vestibular para a Universidade de Tupiniquim, ele conseguiu pontuação suficiente para ser aprovado, porem não foi chamado para realizar sua matricula, pois duas vagas

Leia mais

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Documento para a Audiência Pública sobre as políticas de ação afirmativa de acesso ao ensino superior- STF Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Leia mais

AUniversidade terá um papel fundamental PARA MUDAR O BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO. Eleições 98

AUniversidade terá um papel fundamental PARA MUDAR O BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO. Eleições 98 Eleições 98 LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO PARA MUDAR O BRASIL Divulgação AUniversidade terá um papel fundamental na discussão, elaboração e implementação de um novo projeto nacional de desenvolvimento.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES GESTÃO 2014/2017. RuaDr. Paulo Ramos nº 78- Centro Presidente Dutra-Maranhão

PLANO MUNICIPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES GESTÃO 2014/2017. RuaDr. Paulo Ramos nº 78- Centro Presidente Dutra-Maranhão PLANO MUNICIPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES GESTÃO 2014/2017 Juran Carvalho de Sousa Prefeito Orlando Pinto Gomes Vice-Prefeito Maria de Fátima Sodré Carvalho Secretária Municipal da Mulher Assessoramento

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001

EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001 BOLETIM DIEESE DIEESE EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001 Há 306 anos morria Zumbi dos Palmares, o maior líder da resistência anti-escravista nas Américas. A sua luta contra a discriminação racial permanece

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS CAS Subcomissão Permanente em Defesa do Emprego e da Previdência Social CASEMP

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS CAS Subcomissão Permanente em Defesa do Emprego e da Previdência Social CASEMP COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS CAS Subcomissão Permanente em Defesa do Emprego e da Previdência Social CASEMP AUDIÊNCIA PÚBLICA Assunto: Os direitos da mulher no Sistema de Seguridade Social Data: 27/04/2010

Leia mais

ANÁLISE DE CICLO POLÍTICAS PÚBLICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS PARA INDÍGENAS : REFLEXÕES PRELIMINARES SOBRE A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

ANÁLISE DE CICLO POLÍTICAS PÚBLICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS PARA INDÍGENAS : REFLEXÕES PRELIMINARES SOBRE A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL 913 ANÁLISE DE CICLO POLÍTICAS PÚBLICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS PARA INDÍGENAS : REFLEXÕES PRELIMINARES SOBRE A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL Erika Kaneta Ferri Universidade Estadual de Mato

Leia mais

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO -

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - INTRODUÇÃO O Colégio Episcopal da Igreja Metodista, no uso de suas atribuições (Cânones, Art. 63, item XVII)

Leia mais

carentes, seleciona alunos carentes alunos, os critérios raça e renda.

carentes, seleciona alunos carentes alunos, os critérios raça e renda. RADIOGRAFANDO DOIS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES PARA NEGROS E CARENTES EM PORTO ALEGRE-RS SANGER, Dircenara dos Santos - UFRGS e Centro Universitário Feevale GT: Afro-brasileiros e Educação / n.21 Agência Financiadora:

Leia mais

Consultor/a Local Direitos do Trabalho da Mulher

Consultor/a Local Direitos do Trabalho da Mulher PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CCBB SCES, Trecho 2, Lote 22 Edifício Tancredo Neves, 1º andar Cep 70200-002 Brasília / DF Telefone (61) 3313-7101 Central de Atendimento

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela 1 Introdução O Programa Bolsa Família (PBF) é o maior programa sócio assistencial atualmente no país, que atende cerca de 11,1 milhões de famílias brasileiras. O PBF tem sido objeto de várias questões

Leia mais

A NOVA QUESTÃO SOCIAL *

A NOVA QUESTÃO SOCIAL * COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. A Nova Questão Social. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. A NOVA QUESTÃO SOCIAL

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Cardeal Sebastião Leme Grito por justiça Dom Helder Câmara Não deixe morrer o profetismo Dom Luciano Mendes de Almeida Não esqueçam

Leia mais

http://www.youtube.com/watch?v=h54vsr wwueo

http://www.youtube.com/watch?v=h54vsr wwueo http://www.youtube.com/watch?v=h54vsr wwueo Site:http://www.ccnma.org.br Coordenador: Carlos Sérgio Ferreira (coordenação cultura e identidade Afro brasileira) O Centro de Cultura Negra do Maranhão é uma

Leia mais

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS Personalidade Personalidade Carreira 521 Personalidade Personalidade Perfil 412 Estética Cabelos Femininos 157 Negritude Discriminação Racial 130 Sociedade Eventos 122 Estética Moda Feminina & Masculina

Leia mais

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente :

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente : TRABALHO É toda atividade humana, remunerada ou não, sistemática, obrigatória, que pode ou não exigir conhecimentos específicos sobre determinado tema, arte ou ofício, cujo objetivo é o alcance de uma

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Movimento Negro Contemporâneo: Lutas e desafios

Movimento Negro Contemporâneo: Lutas e desafios Movimento Negro Contemporâneo: Lutas e desafios *Valdisio Fernandes Para pensar o movimento negro contemporâneo é preciso buscar algumas referências no passado. Eis alguns marcos centrais: Luta e resistência

Leia mais

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social III Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social Muito fizemos entre uma conferência e outra... 2 Não, não tenho caminho novo. O

Leia mais

A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES

A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES Delydia Cristina Cosme e Silva 1 Resumo Este trabalho apresenta um panorama da inclusão da história e cultura afro-brasileira nos currículos

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL.

A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL. Anais do SILIAFRO. Volume, Número 1. EDUFU,2012 131 A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL. Douglas Henrique de S. Xavier Universidade

Leia mais

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora Escritório da OIT no Brasil Brasília, 3 de

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

MOVIMENTO PRÉ-VESTIBULAR PARA NEGROS E CARENTES Histórico, Organização e Perspectivas

MOVIMENTO PRÉ-VESTIBULAR PARA NEGROS E CARENTES Histórico, Organização e Perspectivas COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. O Movimento Pré-Vestibular para Negros e Carentes: Hostórico, Organização e Proposta. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE 19 EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE Alexandre do Nascimento - FAETEC - RJ Resumo No Brasil, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação,

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida As ações afirmativas na construção de um horizonte ético Democracia, Republicanismo e Cidadania - Questão racial:

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais