UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA - (UNIMEP) PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI Período SUMÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA - (UNIMEP) PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI Período 2011-2015 SUMÁRIO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA - (UNIMEP) PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI Período Res. Consun nº 056/12, de 26/09/12. SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 I. PERFIL INSTITUCIONAL HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO OBJETIVOS E VALORES IDENTIDADE E DESAFIOS... 9 II. PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL POLÍTICA ACADÊMICA O MOVIMENTO INSTITUCIONAL E O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA ACADÊMICA VALORES E REFERÊNCIAS DA POLÍTICA ACADÊMICA O ENSINO a) Inovação Curricular b) Projetos Pedagógicos dos Cursos c) Política para as Licenciaturas A PESQUISA a) Programa de Apoio à Produção Científica b) Programa de Apoio à Formação Científica do Discente c) Programa de Apoio à Divulgação do Conhecimento A EXTENSÃO a) Programa de Apoio a Projetos de Extensão b) Programa de Formação Teórico-Prática do Discente PROGRAMAS DE APOIO À POLÍTICA ACADÊMICA E ÀS DEMAIS POLÍTICAS a) Política de Capacitação Docente b) Política de Arte e Cultura c) Política da Biblioteca d) Política de comunicação RESPONSABILIDADE SOCIAL a) Núcleo de Estudos e Programas em Educação Popular NEPEP b) Centro de Qualidade de Vida (CQV) c) Política Ambiental d) Ações Afirmativas... 34

2 2 III. ORGANIZAÇÃO ACADÊMICA DA UNIMEP FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Graduação: Pós-Graduação Stricto Sensu: FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA Graduação: Pós-Graduação Stricto Sensu: FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Graduação: Pós- Graduação Stricto Sensu: FACULDADE DE COMUNICAÇÃO Graduação: FACULDADE DE DIREITO Graduação: Pós-Graduação Stricto Sensu: FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO Graduação: Pós-Graduação Stricto Sensu: FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS Graduação: Pós-Graduação Stricto Sensu: FACULDADE DE ODONTOLOGIA Graduação: IV. CORPO DOCENTE CARACTERIZAÇÃO NO PERÍODO DE 2005 A PROCESSO DE CONTRATAÇÃO E DEMISSÃO DOCENTE TITULAÇÃO DOCENTE REGIME DE TRABALHO CARREIRAS DO MAGISTÉRIO SUPERIOR PRODUÇÃO ACADÊMICA, EXPERIÊNCIA E CAPACITAÇÃO DOCENTES V. CORPO TÉCNICO ADMINISTRATIVO POLÍTICA SALARIAL PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO ADMISSÃO QUADRO DE FUNCIONÁRIOS E QUALIFICAÇÃO... 79

3 3 VI. CORPO DISCENTE APOIO ACADÊMICO PROGRAMAS DE ATENDIMENTO ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO VII. ORGANIZAÇÃO ACADÊMICA E ADMINISTRATIVA COM INFRAESTRUTURA E INSTALAÇÕES ESTRUTURA E COMPETÊNCIAS ÓRGÃOS SUPERIORES a) CONSUN b) CONSEPE c) REITORIA ÓRGÃOS CONSULTIVOS a) Assembleia Universitária b) Conselho Comunitário c) Colegiado de Discentes d) Câmara de Gestão - CAGES e) Faculdades, Cursos, Núcleos e Grupos de Áreas f) Órgãos Auxiliares VIII. ESTRUTURA FÍSICA E INSTALAÇÕES ÁREA FÍSICA a) Instalações físicas do Campus Taquaral b) Salas de aula c) Instalações administrativas d) Auditórios e salas de conferência e) Biblioteca f) Central de Hospedagem Fazendinha: g) Instalações físicas em geral h) Recursos Técnicos - Laboratórios e Clínicas MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DAS INSTALAÇÕES FÍSICAS E DOS EQUIPAMENTOS DO CAMPUS TAQUARAL IX. AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO INSTITUCIONAL X. PROGRAMAS E METAS DO QUINQUENIO ANÁLISE DE CONJUNTURA EXTERNA - SETOR EDUCACIONAL ANÁLISE DE CONJUNTURA INTERNA UNIMEP XI. SUSTENTABILIDADE: ESTRATÉGIA E PROGNÓSTICO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

4 4 APRESENTAÇÃO A Resolução n.º 10/02, da Câmara de Ensino Superior do Conselho Nacional de Educação, de 11/03/2002, abrange várias questões relativas ao Ensino Superior no Brasil. Dá orientações sobre Estatutos e Regimentos de Instituições, sobre os processos de Reconhecimento e Renovação de Reconhecimento de Cursos, além de apontar normas e critérios para a supervisão do Ensino no País, bem como estabelece as formas de Credenciamentos e de transferências de mantenças, determinando também a estrutura e a importância do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI para as IES. A partir do modelo apresentado no artigo VI, da seção 2, do capítulo I, dessa Resolução, a comunidade da Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP organizou a estrutura do seu Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), respeitando as exigências da legislação, mas criando metodologia própria para a construção do seu trabalho. O primeiro capítulo terá o perfil institucional, os objetivos da Instituição e os dados relativos ao histórico da Universidade. O segundo capítulo, intitulado Política Acadêmica, será dedicado ao Projeto Pedagógico Institucional, e relatará sua metodologia de construção, com os principais aspectos das políticas específicas: de ensino, pesquisa e pós-graduação, extensão, biblioteca e acervo, artes e cultura, e responsabilidade social. O terceiro capítulo fará a apresentação da organização acadêmica da Instituição, suas faculdades, cursos de graduação (bacharelados, licenciaturas e tecnólogos), pósgraduações (mestrados e doutorados) e toda a organização didático-pedagógica. O quarto capítulo apresentará o perfil do corpo docente, carreiras e critérios de seleção. O quinto capítulo, do mesmo modo, será dedicado ao corpo técnico administrativo. O sexto capítulo será destinado ao perfil do corpo discente, programas de apoio acadêmico e pedagógico, tais como: apoio ao aluno ingressante, orientação profissional, convênios e relações internacionais, atendimento aos alunos com necessidades especiais, facilidades de acesso às informações acadêmicas e financeiras e outros. O sétimo capítulo descreverá a gestão da vida universitária com sua organização administrativa, bem como a infraestrutura e instalações da universidade. O nono capítulo abordará os programas e metas do quinquênio 2011/2015. O décimo capítulo fará considerações sobre a sustentabilidade financeira.

5 5 I. PERFIL INSTITUCIONAL 1. Histórico da Instituição A Universidade Metodista de Piracicaba, reconhecida em dezembro de 1975 conforme o Decreto do MEC de n.º , assinado pelo Presidente da República, pertence à Igreja Metodista que, por sua vez, nasceu de um movimento de renovação na Igreja Anglicana, no século XVIII. As raízes da preocupação do Metodismo com a educação remetem à figura de João Wesley, iniciador do movimento, e fundador, na Inglaterra, em 1748, da Kingswood School. A Unimep possui história de mais de 100 anos, pois se originou do Colégio Piracicabano, fundado em 13 de setembro de 1881, pela missionária miss Martha Watts. Em 1964, foram iniciados os primeiros cursos superiores oferecidos pela Faculdade de Ciências Econômicas, Contábeis e Administração de Empresas Piracicabana. A expansão do ensino superior no Brasil, na década de 70, propiciou o reconhecimento da Unimep como Universidade e, mais ainda, tornou-se a primeira universidade metodista na América Latina. A preocupação por um ensino de qualidade que busca o aperfeiçoamento, sem se acomodar diante dos desafios que se apresentam em distintas etapas do desenvolvimento do País, teceu esta história que alinhava um século e que evidencia em seus contornos, similaridades próprias à sua época, ou seja: [...] o crescimento do terceiro grau na América Latina no decênio foi altíssimo e os 6% da população, entre 20 e 24 anos, que frequentavam a Universidade, passaram para 14%, o que, no Brasil, significou aumentar, em um milhão, o número de estudantes nas escolas. (ALMEIDA, 1988, p. 112). Inúmeros fatores, tais como o processo de industrialização, as mudanças científicotecnológicas, o aumento do número de alunos do Ensino Médio com o consequente aumento de pressão para acesso ao Ensino Superior, as mudanças políticas e as avaliações da necessidade da educação contribuir para o crescimento econômico foram responsáveis pela criação dos cursos superiores e pela ampliação de vagas para atender às demandas da sociedade, na década de 70. Neste contexto se circunscreve a origem da Universidade Metodista de Piracicaba, cujo perfil, no entanto, vai se delineando com marcas próprias ao longo da sua própria história. Destinada à educação em nível superior e à ampliação, preservação e difusão da cultura, segundo os artigos 4º e 5º do seu Estatuto, o objetivo geral da Unimep estabelece que a sua proposta é de uma educação libertadora, visando à ciência comprometida com a sociedade e suas contradições, o que implica competência científica na

6 6 formação profissional, identificação com as classes menos favorecidas, postura crítica com relação ao modelo e ao subsistema de ensino. Com cerca de 12 mil alunos e 42 Cursos de Graduação (Bacharelado, Licenciatura e Tecnólogos) nas áreas de Ciências da Saúde, Exatas e Tecnológicas, e Humanas e Sociais, a Unimep funciona em três períodos nos campi de Piracicaba (Taquaral e Centro), Santa Bárbara d Oeste e Lins. Possui Programas de Mestrado e Doutorado em Educação, Engenharia de Produção e Administração; havendo, também, Programas de Mestrado em Direito, Educação Física, Ciência da Computação e Fisioterapia. Além desses, a Universidade oferece Cursos Sequenciais de Formação Específica e de Complementação de Estudos. Os alunos distribuem-se, a grosso modo, da seguinte forma: aproximadamente matriculados nos Cursos de Graduação (Bacharelados, Licenciaturas, Tecnólogos e Sequenciais), nos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e 700 no Stricto Sensu. O corpo docente da Instituição é constituído por 450 professores, dos quais 203 são Doutores e 185 são Mestres (base estatística: dezembro de 2010), atingindo o percentual de 86,2% de docentes titulados. 2. Objetivos e valores A Universidade Metodista de Piracicaba é regida pela legislação federal para o Ensino Superior, pelos documentos da Igreja Metodista, pelo Estatuto do Instituto Educacional Piracicabano, sua Entidade Mantenedora. Fazem parte de seus documentos normativos também, o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade, as Resoluções de seus órgãos colegiados e os Atos do Reitor, bem como, e especialmente, a Política Acadêmica Institucional e as demais políticas decorrentes. A Igreja Metodista aprovou no XXIII Concílio Geral, em 1982, o Plano para a Vida e Missão da Igreja e o documento Diretrizes para a Educação na Igreja Metodista. Neste último, a educação é considerada parte da missão da Igreja, ao afirmar que: é o processo que visa a oferecer à pessoa e comunidade, uma compreensão da vida e da sociedade, comprometida com uma prática libertadora, recriando a vida e a sociedade, segundo o modelo de Jesus Cristo, e questionando os sistemas de dominação e morte, à luz do reino de Deus. (Colégio Episcopal da Igreja Metodista, 2001, p. 94) O documento Diretrizes para a Educação na Igreja Metodista, depois de fazer uma análise da atuação das instituições metodistas de educação, propõe uma prática educativa na qual os indivíduos e grupos desenvolvam uma consciência crítica da realidade, igualmente, aprendam que o interesse social é mais importante que o individual, exercitem o senso e a

7 7 prática da justiça e da solidariedade, assim como, alcancem sua realização como fruto do esforço comum. Além disso, propõe que as pessoas tomem consciência de que todos e todas têm direito de participar de modo justo dos frutos do trabalho e, finalmente, que reconheçam que, dentro de uma perspectiva cristã, útil é aquilo que tem valor social. Conforme o artigo 1º, do capítulo I, do Estatuto da Unimep, a Instituição tem autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, conforme estabelece a Constituição Federal Brasileira. No artigo 4º, do capítulo II, do seu Estatuto, a Unimep afirma os seguintes princípios: a formação do ser humano em conformidade com os valores cristãos e com o processo de construção da cidadania como patrimônio coletivo da sociedade civil, nos referenciais éticos que priorizam o direito à vida; a gestão acadêmica e administrativa parametrizada institucionalmente por uma Política Acadêmica e por políticas setoriais; a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão; o respeito à liberdade, à diversidade e ao pluralismo de ideias, sem discriminação de religião, etnia, gênero, geração, condição física ou de qualquer outra natureza; a universalidade do conhecimento e fomento à interdisciplinaridade e transdisciplinaridade; o compromisso com a qualidade e a ética; a preservação do meio ambiente e a melhoria da qualidade de vida; o compromisso com a democracia, a justiça, a defesa dos direitos humanos e a conscientização dos deveres do indivíduo como cidadão, e; o compromisso com o desenvolvimento educacional, cultural, artístico, científico, tecnológico e socioeconômico do País. Ao mesmo tempo, no artigo 5º, do capítulo III, a Universidade apresenta as seguintes finalidades para a sua atuação: cumprir as diretrizes da Igreja Metodista para a educação; contribuir, em seus Projetos de Ensino, Pesquisa e Extensão, para a construção de uma sociedade civil fundamentada na cidadania como patrimônio coletivo; promover e cultivar por meio do Ensino, da Pesquisa e da Extensão todas as formas de conhecimento, produzindo-as, sistematizando-as e difundindo-as, sempre no interior dos limites éticos que priorizam a dignidade da vida; formar profissionais, pesquisadores, professores e técnicos, nas diferentes áreas do conhecimento, aptos para inserção construtiva e crítica em setores profissionais e para participar no desenvolvimento da sociedade brasileira;

8 8 estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico, incentivando a Pesquisa; incentivar a solidariedade nacional e internacional na perspectiva da construção de uma sociedade justa, fraterna e democrática; estimular o estudo e conhecimento dos problemas socioeconômicos do mundo presente, em particular os regionais e nacionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta, uma relação de reciprocidade; proporcionar a capacitação e o aperfeiçoamento contínuos dos corpos docente e funcional, visando à qualificação do Ensino, da Pesquisa e da Extensão; incentivar e praticar o intercâmbio com instituições educacionais, científicas, tecnológicas, culturais e artísticas, brasileiras e estrangeiras; promover, em parceria com segmentos da sociedade, no contexto da cultura, programas e práticas de extensão, visando à adequação social, política e científica de sua produção de saber, à solução de problemas da sociedade e à apropriação pela mesma. A construção do PDI é, para a Unimep, a oportunidade de apresentar, de forma sintetizada, sua experiência com o Ensino Superior. O relato sobre a realidade institucional, sobre o envolvimento dos vários segmentos da Universidade, ou seja, o corpo discente, o corpo docente e os funcionários, de forma planejada e orgânica, demonstra também a experiência acumulada pela Unimep com processos que envolvem a tomada de decisões de forma colegiada. Entendendo-se o conceito de planejamento como fundamental para a vida da Universidade, incorporado há muito ao seu cotidiano e, além disso, a experiência de Avaliação Institucional implantada nos últimos anos, as ações para a organização do Plano de Desenvolvimento Institucional aconteceram respeitando-se a estrutura que envolve a forma coletiva e crítica com a qual toda a comunidade acadêmica se identifica. Essas ações, além de atender às necessidades de continuidade do processo de planejamento institucional, respondem às exigências do MEC, nos termos da Resolução n.º 10/02, da Câmara de Ensino Superior do Conselho Nacional de Educação, a qual define a elaboração, pelas Instituições de Ensino, de seu Plano de Desenvolvimento Institucional, para um período de cinco anos. Para a Unimep, o PDI é o documento que afirma a identidade institucional, pergunta pela responsabilidade interna e social da IES e propõe formas planejadas para alcançar as metas desejadas e para realizar as interferências necessárias ao contexto social.

9 9 3. Identidade e Desafios A identidade da Unimep está construída a partir dos traços que a distinguem de outras instituições e constituintes de sua singularidade em seu campo de atuação, podendo ser concebida de forma contrastiva, por meio de sinais diacríticos, marcadores de diferenças na relação com outras organizações de natureza semelhante. É nos momentos de incerteza, instabilidade e crise que a identidade institucional se torna uma questão 1, posto que se trata de um conceito complexo, suscetível a deslocamentos e mudanças, em face do tempo presente e dos desafios de um futuro em construção, mas que se pretende seja fiel ao seu legado e papel histórico. Num mundo marcado pela fragmentação, descontinuidade e ruptura com aquilo que se julgava sólido e estável, a questão da identidade ganha relevância e pertinência. Os valores, sentidos e símbolos são revisitados, tensionados e confrontados para que uma nova asserção seja feita em torno do que é compreendido como fundamental para o que se intenciona realizar. Nessa direção, a releitura da identidade institucional pode ser vista como um processo de decantação, permanecendo os traços mais importantes e essenciais para o seu reconhecimento social, precisamente por se articularem ao presente e darem significado aos acontecimentos desse momento. Como instituição de origem centenária, é herdeira de um legado extraordinário, expresso fundamentalmente na capacidade de ver adiante, em perspectiva ampliada, e posicionar-se na liderança dos processos educacionais e sociais. Como instituição educativa, tem por finalidade a produção e difusão/socialização do conhecimento, permanentemente reexaminadas pelo exercício da crítica como procedimento, sustentado na pesquisa, no ensino e na extensão como dimensões indissociáveis, constituintes do conceito/modelo de universidade proposto. Nessa direção, a Política Acadêmica da Unimep, expressão da identidade institucional, orienta a vida universitária e sua relação com a sociedade, aponta em sua dimensão ética a construção da cidadania enquanto patrimônio coletivo da sociedade civil, indicando ações potencialmente transformadoras da sociedade, na perspectiva da instauração e zelo de espaços democráticos que privilegiem o debate, a diversidade e a pluralidade de pensamento, bem como o compromisso com a igualdade social e o desenvolvimento humano. 1 HALL, Stuart. A identidade em questão, 2002.

10 10 Na condição de instituição educativa é função da Universidade concorrer para a humanização da sociedade, possibilitando pela via da educação que todos possam usufruir e participar dos avanços e descobertas da civilização, favorecendo simultaneamente a consciência de que é preciso criar estratégias de superação dos danos causados por esse mesmo processo. A compreensão da Universidade como comunidade de estudos permite visualizar suas principais finalidades focadas no desenvolvimento, difusão e crítica do conhecimento científico, técnico e artístico e na formação profissional, As instituições de ensino superior enfrentam desafios consideráveis como o desenvolvimento de um projeto institucional sustentável, em seus múltiplos aspectos; a inclusão social com qualidade de ensino, por meio da ampliação de vagas para um contingente de sujeitos, até há pouco tempo, alijados do ensino universitário; a formação de profissionais competentes para interferir científica, técnica, cultural e socialmente na construção de uma sociedade que se quer justa e democrática; a formação de pesquisadores e o desenvolvimento de pesquisa e tecnologia; a relação e parceria com a sociedade civil e o governo; a formação contínua do corpo docente da instituição, por meio de uma pedagogia universitária. II. PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL POLÍTICA ACADÊMICA 1. O movimento institucional e o processo de construção da Política Acadêmica As reflexões sobre a necessidade da avaliação institucional na Unimep orientaram e aceleraram o processo de discussão e sistematização de um projeto político e acadêmico para a Instituição. No período compreendido entre 1987 e 1989, alguns acontecimentos são marcos significativos em direção ao desenho desse projeto: a criação do Programa Institucional de Apoio à Pesquisa e definição do seu Fundo (FAP), a realização do I Seminário de Pesquisa e Extensão e as discussões colegiadas, com vistas à formulação de políticas específicas para as áreas do Ensino, da Pesquisa e da Extensão. Após a realização do Seminário Pedagógico de 1989, o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão discutiu a necessidade de se instituir princípios e procedimentos de avaliação institucional que fossem compatíveis com a trajetória democrática da Universidade e sua realidade acadêmica e administrativa, apontando, assim, para a definição de uma Política Acadêmica que deveria resultar de um processo de construção coletiva, com ampla participação de todas as instâncias da estrutura universitária. A partir disto, foi constituído um Grupo de Trabalho que propôs o I Fórum de Política e Avaliação Acadêmicas, realizado em fevereiro de 1990 e que representa um importante marco da iniciativa da

11 11 academia e da vontade política da Reitoria. Neste Fórum buscou-se identificar a realidade institucional e discutir o método de construção do seu projeto. Assim, a Política Acadêmica começou a ser pensada como a objetivação coletiva das ações acadêmicas que já se desenvolviam no rico cenário democrático internamente construído. Ela [...] deve ser o resultado de um processo que garanta a participação da academia, que leve em conta as limitações de realidade da Instituição e que esteja voltada para a relação de intervenção universidade-sociedade. (UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA, 1991, p. 48). As referências originadas ou sistematizadas a partir desse Fórum orientaram ações acadêmicas e administrativas, tanto por parte do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, quanto das diversas unidades da Instituição, numa clara evidência da organicidade do processo em desenvolvimento. Exemplos disso são as discussões do conceito de Extensão na Universidade e sua necessária articulação com o Ensino e a Pesquisa; a discussão da metodologia de construção dos critérios para o estabelecimento de prioridades institucionais e a adoção/incorporação desses aspectos no delineamento das diretrizes institucionais: [...] nossa identidade deriva do processo histórico interno acumulado, respaldado pela condição peculiar de instituição confessional. Nesta gestão (1991/94), vem se consubstanciando, pouco a pouco, uma Política Acadêmica, articulada para fornecer parâmetros de decisões a ações setoriais e institucionais, e para estabelecer processos avaliativos que corrijam e aperfeiçoem nossas práticas. A Universidade não se define por segmentos distintos e independentes, nem pelo exercício voluntarista e personalista do poder. O crescente processo de institucionalização da Universidade terá como eixo a Política Acadêmica, expressão de nossa identidade. (UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA, 1990). Dessa forma, a elaboração da Política Acadêmica começa a se fazer visível enquanto uma referência valorativa e normativa, importante para o planejamento da vida institucional. Na apresentação da Política Acadêmica à Universidade, o Reitor afirma que esta [...] faz parte do processo de institucionalização que visa a ordenar a vida da Unimep segundo diretrizes que orientem o seu desenvolvimento e consolidem a sua proposta de Universidade diferenciada, que prioriza a qualidade acadêmica em todos os níveis, bem como o compromisso de participação no processo de construção da cidadania enquanto patrimônio coletivo da sociedade brasileira. (UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA, 1996, p.8).

12 12 2. Valores e Referências da Política Acadêmica Aprovada por unanimidade pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, ao término de 1991, a Política Acadêmica foi também aprovada pelo Conselho Universitário em reunião de 24 de abril de 1992, sendo que o Conselho Diretor do Instituto Educacional Piracicabano, após manifestar-se favoravelmente ao seu texto, a aprovou em 22 de agosto de Numa definição precisa, pode-se afirmar que a Política Acadêmica da Universidade Metodista de Piracicaba propõe, e ao mesmo tempo é, um sistema de valores e ações que devem orientar a vida universitária e sua relação com a sociedade, constituindo-se uma peça normativa das práticas acadêmico-administrativas. Enquanto peça normativa deve orientar outras, como, por exemplo, o Estatuto e o Regimento da Universidade. Isto significa dizer que o norte desta Instituição deve ser buscado na dimensão ética que a baliza a construção da cidadania enquanto patrimônio coletivo da sociedade civil e que esta, ao mesmo tempo que é uma dimensão ética, também é utopia a ser buscada, tanto no universo das relações/ações unimepianas, quanto no universo das relações que se travam com a sociedade. Enquanto princípio e utopia, essa dimensão transforma-se na possibilidade de ação para as mudanças, conjuntural e estrutural da sociedade, na medida em que, enquanto a dimensão ética que constitui a referência da Política Acadêmica é precisa naquilo que nega, a manutenção de uma sociedade que remete o homem à condição de objeto de exploração e opressão também o é naquilo que busca a instauração de novos espaços democráticos e o zelo por aqueles arduamente construídos, onde privilegia-se a radicalidade do debate de ideias sob o referencial do compromisso que a Unimep historicamente vem concretizando. 3. O Ensino Dentro dos parâmetros da Política Acadêmica, a dimensão do Ensino constitui-se a ação pedagógica que busca socializar o conhecimento acumulado pela humanidade no contexto do Projeto Pedagógico de cada curso, onde se dá a materialização da própria Política Acadêmica. Na concretização efetiva de algumas ações voltadas para o Ensino, encontram-se as bases para a definição de uma Política para o Ensino: a adoção da Inovação Curricular como uma metodologia para orientar os cursos e suas práticas acadêmicas; as referências para a elaboração dos Projetos Pedagógicos dos Cursos, para criação de cursos novos, para alterações na estrutura curricular dos Cursos e para a definição e aprovação de uma Política para as Licenciaturas da Unimep.

13 13 a) Inovação Curricular O conceito de inovação em educação compreende uma série de mecanismos e processos deliberados e sistemáticos, por meio dos quais se tenta produzir e promover mudanças nas práticas educativas vigentes. Sua característica de processo de definição, construção e participação social, que considera os conteúdos e orientações dos processos educativos em um dado momento histórico, à luz de coordenadas ideológicas, sociais, econômicas e culturais do sistema, parece oferecer alternativas reais de mudanças no contexto curricular, por onde as mudanças em educação têm historicamente sido pensadas e quase nunca concretizadas. De todo modo, essas características aliadas a outros aspectos ou dimensões retirados dos modelos que sustentam a Inovação, nos fazem adotar a proposta de Inovação Curricular (UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA, 1999, p. 5) como metodologia para orientar as práticas acadêmicas dos cursos. Ou seja, ao afirmar a importância de se considerar, tanto as condições culturais, socioeconômicas e ideológicas, quanto as dimensões axiológicas, morais e políticas que constituem qualquer processo de mudança, a inovação não escamoteia que as decisões sobre o que modificar, em que direção e como fazer, devem ser amplamente debatidas e avaliadas pelos participantes do processo. Apenas isto, por si, a legitima como instrumento e metodologia da Política Acadêmica, construída nas mesmas bases, pelo corpo social da Unimep. Dessa forma, a Inovação Curricular foi adotada como um instrumento pedagógico fundamental para a (re)construção dos Projetos Pedagógicos dos Cursos, não se firmando como um corolário de regras e procedimentos fixos ou imutáveis, mas como um processo de definição, construção e participação, que implica deliberação e planejamento, de modo a considerar os conteúdos e orientações dos processos educativos à luz de referências institucionais. A adoção da Inovação Curricular como metodologia para orientar as práticas dos cursos, considera as seguintes dimensões do Projeto Pedagógico: relação universidade e sociedade, ética, historicidade da instituição e processo de conhecimento. No que diz respeito à relação entre universidade e sociedade, a ênfase está em definir o cenário externo que motiva a construção de um projeto pedagógico e as medidas norteadoras que devem dar sentido social e político à ação educativa, buscando impedir que a ciência e a tecnologia se efetivem como forças produtivas, transformando os cientistas e os técnicos em meros agentes econômicos diretos de um modelo de sociedade excludente. A dimensão da ética, de onde emergem os valores guias de um projeto pedagógico, enfatiza a criação e desenvolvimento de valores no espaço acadêmico, de forma a possibilitar aos indivíduos fazerem escolhas sob a égide de uma ética cidadã, de modo que a formação profissional não seja orientada apenas para atender à lógica do mercado de trabalho, mas para transformá-la criticamente.

14 14 A dimensão da historicidade da instituição define que qualquer ação atual ou planejamento para o futuro, deve interpretar o passado da instituição, de forma a se evitar realidades estranhas à dinâmica institucional; assume que os conflitos são parte do processo e seu movimento é que produz a legitimidade firmada pela competência e não pelo autoritarismo, baseando-se sempre na força do argumento. A dimensão do processo de conhecimento traduz a especificidade dos cursos, direcionando os conhecimentos e metodologias de ensino para o processo de ensinar e aprender e buscando tornar indissociáveis a teoria e a prática e o ensino, a pesquisa e a extensão. Neste sentido, compreende-se que o processo de formação acadêmica supera os espaços formais da grade curricular, devendo o projeto pedagógico criar espaços que efetivem a prática pedagógica como uma ação social e política capaz a partir das especificidades próprias da instituição de ensino de contribuir para a construção de uma sociedade igualitária, solidária e democrática. b) Projetos Pedagógicos dos Cursos O Projeto Pedagógico de Curso foi concebido como um plano de ação que tem como objetivo, construir o futuro a partir de avaliações e reorientações do presente, e tendo, como parâmetro, as exigências da realidade externa, interna e científica/técnica. Os Projetos Pedagógicos assumem as referências da Política Acadêmica e buscam ampliar o universo de atividades pedagógicas e científicas nas suas várias frentes de atuação, mediante métodos inovadores de participação do estudante e de interação social na aprendizagem; priorizar ações acadêmicas relacionadas direta ou indiretamente a problemas e desenvolver estudos (inter) transdisciplinares que favoreçam a criação e a inovação no ambiente acadêmico. Consoante com os princípios da Inovação Curricular, a sistematização do Projeto Pedagógico foi concebida como processual e coletiva, cabendo aos Cursos construírem seus projetos segundo as perspectivas da área de conhecimento, as referências institucionais e as principais demandas profissionais para o mundo do trabalho. No contexto de cada curso/disciplina, a Unimep valoriza que, ao lado da exposição do conhecimento produzido pela humanidade, seja inseparável a apresentação do método de sua construção. Assim busca-se assegurar a articulação entre método e conhecimento, associando-se a exposição do saber à pesquisa, teoria e prática. Além disso, cuida-se de explicitar a inserção do conhecimento na sociedade, tanto na história de sua construção, quanto na sua contemporaneidade e relevância. Deste modo, a articulação entre método e conhecimento deve contemplar sua própria historicidade e sua contemporaneidade, superando-se o reprodutivismo do conhecimento.

15 15 Os Projetos Pedagógicos devem: garantir a pluralidade em seu processo; ser necessariamente participativa, sob a liderança do Conselho do Curso, com participação obrigatória da Assembléia do Curso e representação discente; expressar como e quando se deu o processo de participação do corpo social do Curso; contemplar elementos da historicidade do Curso; tornar explícito como as atividades e ações do Curso se relacionam com o Processo Administrativo; conter valores guias que podem ser materializados nas relações acadêmicas e que assegurem a formação política e ética do discente. O Projeto Pedagógico considera ainda que o conhecimento científico/técnico não é neutro, mas impregnado de valores da época de sua produção, e é componente da cultura e não apenas instrumento para o exercício da profissão. Deste modo, o Projeto Pedagógico deve também: apontar as estratégias que impulsionam o movimento de tornar Ensino, Pesquisa e Extensão indissociáveis; identificar os aspectos que pertencem ao fazer educativo, entre estes, deve-se enfatizar as características do corpo docente e discente, principais atores da relação pedagógica; deixar claro os fundamentos que o norteiam, de forma que se perceba a busca da coerência entre sua concepção, os objetivos e a estrutura curricular, assim como também a metodologia de ensino do Curso; permitir diferentes abordagens de um mesmo problema, com fundamentação e contextualização histórica; garantir a apreensão da especificidade da área de saber e também de outras áreas necessárias para o conhecimento daquela especificidade; indicar como a realidade é trazida para o interior do Curso e como e onde se dá sua transformação em categorias teóricas e respostas às demandas colocadas. A definição destas referências exigiu do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão a aprovação de parâmetros complementares para criação de cursos e alterações de estrutura curricular, estabelecidos pelas Resoluções n.º 17/2000 do CONSEPE e n.º 18/01 do CONSUN.

16 16 c) Política para as Licenciaturas A partir de 1994, a crise das licenciaturas na Unimep passou a ser discutida e aprofundada e, não por acaso, a busca de soluções se afasta de meros arranjos estruturais ou organizativos. Isto se deve ao fato de que esta Universidade tem, ao longo de sua história, buscado com muita ênfase, definir sua identidade no contexto educacional brasileiro por meio da afirmação de sua vocação pública e de seu compromisso social. A Política para as Licenciaturas da Unimep, aprovada em 1998 define: O princípio fundamental dos cursos de Licenciatura da Unimep é a formação do professor alicerçada na episteme específica de cada curso e no seu papel políticocultural na sociedade. Os cursos de Licenciatura, de modo mais visível que os demais cursos da Instituição, serão gestados por Projetos Pedagógicos. A razão para essa exigência de maior visibilidade é o fato de que, no contexto da Política Nacional de Educação, os Projetos Pedagógicos constituem instrumento pedagógico regular de todo professor, ou, antes, a prática pedagógica dos docentes e discentes das Licenciaturas da Unimep se constituem paradigma para o futuro exercício do magistério por nossos atuais alunos. Os Projetos Pedagógicos das Licenciaturas da Unimep se voltarão para a formação do homem e do cidadão, no sentido de prover uma formação superior completa, alicerçada em princípios éticos e democráticos, articulada a uma política consistente de profissionalização. Esses Projetos acolherão, qualquer que seja a área de saber, o cultivo regular e sistêmico da literatura, poesia, música, artes plásticas e cênicas, da teologia e da filosofia, consideradas como dimensões fundamentais do ser humano e, portanto, necessárias para todo e qualquer projeto de formação. Os Projetos Pedagógicos das Licenciaturas propiciarão aos licenciados a compreensão rigorosa dos métodos envolvidos na produção dos saberes em cada área do conhecimento, a apropriação crítica dos clássicos da educação e da respectiva área de saber, além do enfrentamento competente das questões relativas à transmissão específica dos saberes e do processo de aprendizagem, articulando, no desenvolvimento curricular, o Ensino, a Pesquisa e a Extensão. Cabe também aos Projetos Pedagógicos das Licenciaturas promover a indissociação entre curso e estágio, de tal forma que se crie entre ambos, um processo de mútua alimentação. Os Projetos Pedagógicos das Licenciaturas da Unimep estabelecerão uma relação consistente e clara entre a Licenciatura e o Bacharelado, tanto quanto entre a formação teórica e a atividade prática.

17 17 As Licenciaturas da Unimep desenvolverão necessariamente parceria sistemática e contínua com a rede de ensino básico, pública e privada, e esforços aglutinadores com Secretarias Municipais de Educação, Delegacias Regionais de Ensino, Secretaria da Educação do Estado, Associações Docentes, IES, entre outros, como parte integrante de seus projetos de formação. Cumpre salientar que é nesse feixe de relações que serão projetados e implantados programas de educação permanente e continuada. Cabe à Universidade, como contexto específico deste Projeto de Licenciaturas: a. implantar laboratórios específicos para a área que possibilitem a recriação das aulas e dos processo de ensino em educação infantil, fundamental e média; b. equipar os cursos de modo a propiciar-lhes acesso às novas tecnologias de informação; c. garantir, não só a manutenção desses cursos, mas cuidar para que eles tenham acesso equânime aos benefícios previstos nas políticas institucionais. (UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA, 1998, p. 27). 4. A Pesquisa As primeiras discussões sobre a pesquisa na Unimep ocorreram, durante a década de 80, por iniciativa da Comissão de Pesquisa do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, quando eram temas recorrentes: a necessidade de se institucionalizar a prática da pesquisa, a contratação de docentes em tempo de dedicação para viabilizar o desenvolvimento de projetos, o mapeamento da produção científica em andamento na instituição, a necessidade de projetos de pesquisa voltados para as realidades local e regional. As demandas originadas da Política Acadêmica e dos Projetos Pedagógicos dos cursos, a experiência acumulada na prática de pesquisa e na administração dos seus recursos financeiros motivaram o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão a repensar a pesquisa na Instituição. A Política Institucional de Apoio à Pesquisa foi então concebida, de modo a materializar a pluralidade da Universidade na prática de investigação, incentivando tanto a diversidade das metodologias e temas como a unicidade dos mesmos em torno do Projeto Institucional. Além disso, esta Política deveria também apoiar pesquisas que tivessem claro compromisso com o equacionamento de problemas que dissessem respeito à maioria da população, ou seja, a pesquisa da Universidade Metodista de Piracicaba deve contribuir para concretizar o paradigma da Universidade que sustenta a indissociabilidade do Ensino, da Pesquisa e da Extensão e, na perspectiva dos Projetos Pedagógicos, deveria garantir uma

18 18 prática que dialogue com o Ensino e a Extensão, permitindo o desenvolvimento de uma cultura de reafirmação da indissociabilidade como tarefa coletiva. Em busca do processo de indissociabilidade, a Pesquisa contextualizada no Processo de Ensino, e vista dentro da dimensão ético-valorativa da Política Acadêmica, parte de duas direções. A primeira emerge do fato da Universidade ser geradora de questionamentos e propostas que buscam respostas científicas para problemas que emergem da comunidade o que exige permanente análise da relação sociedade-universidade de modo que a produção do saber se torne serviço científico, social e cultural que responda às exigências de nossa realidade regional e nacional. A segunda direção parte do princípio ético de que só haverá sociedade digna deste nome onde for possível o mais amplo compartilhar do bem comum, em bases sociais, econômicas e culturais justas e onde a participação democrática, na construção deste mesmo bem seja amplamente garantida a todos. Assim, a Pesquisa orienta tanto o primeiro nível básico da iniciação científica, como a apetência para o saber novo no contexto ético-valorativo já afirmado. Nessa perspectiva, a pesquisa é vista como um elemento que compõe o Processo de Ensino que tem como primeira dimensão, a socialização do conhecimento o qual enfatiza a importância do discente ter acesso ao método de construção do conhecimento e como segunda dimensão, a produção do saber novo. A indissociabilidade do Ensino, Pesquisa e Extensão, na vertente da socialização do conhecimento, pode ser efetivada na exposição do conhecimento, do seu método de construção e na historicidade que expressa a sua contemporaneidade. Na vertente da produção do saber novo, a indissociabilidade marca uma forte relação entre a Pesquisa e a Extensão, dado que as atividades de Pesquisa e Extensão são imprescindíveis para a produção do novo conhecimento a ser socializado na Instituição, na comunidade científica e na sociedade como um todo. A Política de Pesquisa, construída neste contexto e a partir destas bases, foi aprovada em 1995 com os seguintes programas: a) Programa de Apoio à Produção Científica Destina-se a financiar o desenvolvimento de projetos de pesquisa de docentes, com qualidade acadêmica, mérito científico e social, que contribuam para a materialização dos Projetos Pedagógicos das unidades acadêmicas. São objetivos deste Programa: responder às demandas da sociedade sob o prisma da pesquisa qualificando-a como um bem social; contribuir para a materialização da Política Acadêmica e, em particular, no Processo de Ensino em práticas específicas da produção do conhecimento;

19 19 criar oportunidades de interação entre pesquisadores doutores, mestres e não mestres e alunos em iniciação científica; contribuir para o aprimoramento da formação do docente pesquisador; apoiar grupos de pesquisa emergentes; possibilitar maior aproximação entre a graduação e a pós-graduação; aumentar a produção científica docente; aprimorar a qualidade da produção científica do docente. b) Programa de Apoio à Formação Científica do Discente É um programa de bolsas de iniciação científica para apoiar a formação de futuros pesquisadores em todas as áreas do conhecimento. Formulado para o aluno de graduação, privilegia a participação ativa dos estudantes em projetos de pesquisa com qualidade acadêmica, mérito científico e orientação docente individual e sistemática. São objetivos deste Programa: despertar a curiosidade científica e incentivar a participação do aluno de graduação em projetos de pesquisa, introduzindo-o no universo da produção do conhecimento científico; proporcionar ao bolsista, orientado por pesquisador qualificado, a aprendizagem de técnicas e métodos científicos, e o estímulo ao desenvolvimento do pensar cientificamente e da criatividade, decorrentes das condições criadas pelo confronto direto com problemas de pesquisa; valorizar a investigação científica como uma prática cotidiana da universidade que permita firmar seu compromisso com a sociedade; preparar alunos para estudos pós-graduados; possibilitar a produção científica discente; formar alunos que respondam, de forma crítica e autônoma, enquanto profissionais, às demandas do mercado; estimular pesquisadores a envolverem alunos de graduação em seus projetos de pesquisa, intensificando a interação docente-discente na prática investigativa; estimular a produção científica do docente; acumular experiência na orientação de alunos para a pesquisa de modo a permitir a introdução da pesquisa como prática rotineira do Processo de Ensino na formação de todos os alunos.

20 20 c) Programa de Apoio à Divulgação do Conhecimento É um programa que permite a participação de docentes em encontros científicos no país e no exterior, de modo que haja a socialização da produção científica entre pares. Este programa conta também com apoio à publicação de artigos científicos em periódicos indexados ou na forma de livros. São objetivos deste programa: apoiar a participação de pesquisadores para apresentação de trabalho de pesquisa que não tenha sido publicado, em reuniões no país ou no exterior; projetar, na comunidade científica, o pesquisador e a Instituição; intensificar o diálogo dos pesquisadores da Unimep com a comunidade científica; constituir-se num instrumento de capacitação dos docentes; apoiar a produção científica do pesquisador. Esses Programas contam com recursos diferenciados originários do Fundo de Apoio à Pesquisa (FAP) e geridos pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. A distribuição dos recursos do FAP entre os programas é feita respondendo a prioridades definidas por este Conselho e também, pelo Conselho Universitário (CONSUN), sendo as Bolsas de Iniciação Científica, oriundas em parte do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) e do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBIT) do CNPq e em outra parte, do FAP, como contrapartida institucional. À medida que os grupos de pesquisa se consolidam, recursos adicionais da FAPESP, CAPES, CNPq, FINEP e outras agências podem ser incorporados aos programas institucionais por meio de projetos específicos. Tem sido crescente o número de projetos de docentes da Unimep contemplados com apoio financeiro de tais agências de fomento, o que tem permitido qualificar a pesquisa, favorecendo a divulgação do conhecimento produzido em veículos científicos de maior impacto. Após quase 15 anos, desde sua aprovação, pode-se constatar que a Política de Pesquisa e a Política de Apoio à Pesquisa foram fundamentais para a criação e a consolidação dos grupos de pesquisa, para a capacitação do corpo docente da Instituição e para a criação de vários Cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu. Com a institucionalização da pesquisa, foram aprimorados os fluxos internos, também para contemplar as exigências externas. Neste sentido, desde a sua criação, a Unimep participa do Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq e do Programa PIBIC/CNPq. Vários docentes obtiveram Bolsa Produtividade do CNPq, que representa, no país, o reconhecimento da relevância e produção científica pelos seus pares. Também em 2002, a Instituição criou e certificou, junto ao Conselho Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP) ligado ao Ministério da Saúde, o Comitê de Ética em Pesquisa, exigido pela Resolução 196/96 CNS, nas instituições que realizam

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL LONDRINA 2002 2 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO (2014-2018)

PLANO DE GESTÃO (2014-2018) PLANO DE GESTÃO (2014-2018) Reitor: Prof. Dr. Fernando Guaragna Martins Vice-Reitor: Prof. Dr. Leonardo Beroldt Porto Alegre, junho de 2014. PLANO DE GESTÃO (2014-2018) AVANÇAR PARA CONSOLIDAR! A Uergs

Leia mais

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 Institui as Diretrizes de Pesquisa e Pós-graduação da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS e providências pertinentes. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG Maio de 2015 SUMÁRIO I - INTRODUÇÃO...2 II - CONCEPÇÃO EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...3 III - CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação DOCUMENTO PARA SUBSIDIAR DISCUSSÃO NA AUDIÊNCIA PÚBLICA REGIONAL RECIFE 21/03/01. ANÁLISE DA VERSÃO PRELIMINAR DA PROPOSTA DE DIRETRIZES

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVO DE GESTÃO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVO DE GESTÃO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVO DE GESTÃO INOVA, UERGS! Por uma Universidade Estadual pública, de excelência e comprometida com o desenvolvimento regional. Reitor: Prof. Dr. Fernando Guaragna

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

Elizabeth Fontoura Dorneles Reitora

Elizabeth Fontoura Dorneles Reitora Elizabeth Fontoura Dorneles Reitora Sirlei De Lourdes Lauxen Vice-Reitora de Graduação Fábio Dal-Soto Vice-Reitor de Administração Cléia Rosani Baiotto Vice-Reitora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A FACIPLAC compreende a importância do desenvolvimento da Iniciação Científica em uma faculdade de ensino superior como alicerce na construção

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 40 DE 28 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regulamento do Processo de Auto- Avaliação da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

RESOLUÇÃO UNIV N o 40 DE 28 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regulamento do Processo de Auto- Avaliação da Universidade Estadual de Ponta Grossa. RESOLUÇÃO UNIV N o 40 DE 28 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regulamento do Processo de Auto- Avaliação da Universidade Estadual de Ponta Grossa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 668, publicada no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 18. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 CHAMADA DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EXECUÇÃO: 19 DE ABRIL DE 2010 A 10 DE MAIO DE 2010

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA 1 A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA Ms. Rafael Ângelo Bunhi Pinto UNISO - Universidade de Sorocaba/São Paulo Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

RESOLUÇÃO. Habilitação em Língua Espanhola extinta pela Res. CONSEPE 51/2003, de 29 de outubro de 2003.

RESOLUÇÃO. Habilitação em Língua Espanhola extinta pela Res. CONSEPE 51/2003, de 29 de outubro de 2003. RESOLUÇÃO CONSEPE 53/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE LETRAS, DO CÂMPUS DE ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 019/2009 AD REFERENDUM DO CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 019/2009 AD REFERENDUM DO CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 019/2009 AD REFERENDUM DO CONSUNI Aprova o Regimento da Faculdade Indígena Intercultural F.I.I., da Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. O Reitor da Universidade do Estado de Mato

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL EIXO: ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO Objetivos Específicos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO (versão preliminar) Brasília, setembro

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

Estatuto da UFPB. Parte II

Estatuto da UFPB. Parte II Estatuto da UFPB Parte II ESTATUTO - UFPB REGIME DIDÁTICO-CIENTÍFICO Indissociabilidade do ensino pesquisa extensão ENSINO Modalidades de Cursos e Programas Sequenciais por campo do saber, de diferentes

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL QUADRIÊNIO 2012-2015 Cascavel set/2011. APRESENTAÇÃO Nasci em Umuarama/PR em 31/07/1973. Sou técnico em Contabilidade pelo

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 Elaine Turk Faria 1 O site do Ministério de Educação (MEC) informa quantas instituições já estão credenciadas para a Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor POTENC. PTO. A MELHOR. FRAGIL. 1

Leia mais

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre.

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. LEI N.º 8.198 18/08/1998 Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte lei: TÍTULO I PRINCÍPIOS

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Resumo Andréia Silva da Mata 1 Márcia Regina F. de Brito 2 O presente estudo teve como objetivo principal analisar o desempenho dos estudantes dos

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE Regulamenta o regime de trabalho de Tempo Integral, em Dedicação Exclusiva

Leia mais