POMPEU DE SOUSA O jornalista que mudou o Jornalismo Brasileiro ROSEMARY BARS MENDEZ SÃO BERNARDO DO CAMPO 2006

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POMPEU DE SOUSA O jornalista que mudou o Jornalismo Brasileiro ROSEMARY BARS MENDEZ SÃO BERNARDO DO CAMPO 2006"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL ROSEMARY BARS MENDEZ POMPEU DE SOUSA O jornalista que mudou o Jornalismo Brasileiro SÃO BERNARDO DO CAMPO 2006

2 2 ROSEMARY BARS MENDEZ POMPEU DE SOUSA O jornalista que mudou o Jornalismo Brasileiro Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista de São Paulo, como exigência parcial para a obtenção do título de Doutor em Comunicação Social. Orientador: Prof. Dr. José Marques de Melo. SÃO BERNARDO DO CAMPO 2006

3 MENDEZ, Rosemary Bars Pompeu de Sousa: o jornalista que mudou o jornalismo brasileiro São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, p. 1. Sousa, Pompeu. 2. Jornalismo. 3. Brasil, Roberto Pompeu de Sousa I. Título.

4 4 FOLHA DE APROVAÇÃO A tese: POMPEU DE SOUSA. O jornalista que mudou o Jornalismo Brasileiro, elaborada por Rosemary Bars Mendez como requisito para a obtenção do grau de doutor em Comunicação Social, na Universidade Metodista de São Paulo, área de concentração Processos Comunicacionais, foi defendida dia,, tendo sido: ( ) Reprovada ( ) Aprovada, mas deve incorporar nos exemplares definitivos modificações sugeridas pela banca examinadora. ( ) Aprovada ( ) Aprovada com louvor Banca Examinadora: Presidente: Nome titulação assinatura instituição Examinador(a): Examinador(a): Examinador(a): Examinador(a):

5 5 Para os pequenos Matheus, Allan Yuri, Felipe, Luiz Henrique e Ana Luiza

6 6 Deus quer, o homem sonha, a obra nasce Fernando Pessoa, 1980 Sem paixão não se faz nada Pompeu de Sousa 1916/1991

7 7 AGRADECIMENTOS Muitos caminhos me trouxeram até aqui. Em todos, os familiares, amigos e alguns conhecidos acompanharem os passos que dei para escrever este trabalho. O apoio que recebi possibilitou amenizar as dificuldades e permitir que a solidão, durante horas em frente ao computador, fosse esquecida com momentos de descontração. Assim, quero agradecer a todos que compartilharam comigo e me ajudaram a cruzar a linha de chegada, em especial ao Prof. Dr. José Marques de Melo que sempre me incentivou a progredir na carreira acadêmica e na pesquisa científica; a Othília Pompeu de Sousa, que me recebeu de braços abertos, e a todos que permitiram a pesquisa em arquivos públicos e privados, concederam-me entrevistas e se lembraram dos acontecimentos envolvendo Pompeu de Sousa, contribuições importantes para a construção de sua trajetória na história do Jornalismo Brasileiro.

8 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Metodologia CAPÍTULO I - A IMPRENSA NO BRASIL Influência dos Estados Unidos Modernização Industrialização da imprensa CAPÍTULO II A VIDA NO RIO DE JANEIRO A carreira profissional Intercâmbio Cultural Campanhas no DC CAPÍTULO III A EXPERIÊNCIA EM SALA DE AULA A produção do manual de redação A reação às novas técnicas A reforma do Diário Carioca CAPÍTULO IV A MUDANÇA PARA BRASÍLIA Na UnB Demissão da UNB A favor da arte CAPÍTULO V DE VOLTA PARA A REDAÇÃO Fases na Veja Como senador CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES Entrevista com Eliane Catanhêde Entrevista com Nilson Lage...227

9 9 9.3 Entrevista com Othília Pompeu, esposa de Pompeu de Sousa Entrevista com Ana Arruda Callado Entrevista com o jornalista Armando Nogueira Entrevista com o jornalista Hélio Marcos Prates Doyle Entrevista com Orlando Cariello Filho Entrevista com José Roberto Bassul, ex-assessor parlamentar Entrevista com o jornalista Armando Rollemberg ANEXOS...262

10 10 RESUMO A proposta desta pesquisa é resgatar a trajetória do jornalista Pompeu de Sousa que, ao introduzir a técnica do lide no Diário Carioca (1950), revolucionou o texto jornalístico de sua época, sendo o responsável pelo primeiro Manual de Redação Style Book da imprensa brasileira. Trata-se de uma experiência profissional que lhe abriu portas para a vida acadêmica, primeiro na Faculdade Nacional de Filosofia, Ciências e Artes, no Rio de Janeiro, e para estruturar a Faculdade de Comunicação de Massa na Universidade de Brasília. Cassado após o golpe militar de 1964, o jornalista retornou para a redação, desta vez como diretor da Editora Abril, responsável pela sucursal da revista Veja entre 1968 e Senador Constituinte, no mandato de janeiro de 1987 a janeiro de 1991, autor do parágrafo 1 º, do artigo 220, da Constituição Federal que prevê a liberdade de imprensa. O trabalho visa mostrar a importância de Pompeu de Sousa na transformação do Jornalismo Brasileiro, pesquisa histórica, com suporte na história oral. Palavras chave: Midiologia Comparada, Jornalismo Brasileiro, Ensino de Jornalismo.

11 11 ABSTRACT The projects main goal is an historical research about journalist Pompeu de Sousa's career, who introducing the lead's technique at Diário Carioca newspaper, made a big revolution in his time s journalistic style. He was the first responsible for a Style Book in brazilian press. This professional experience did opened wide doors for his academic life: first at university Faculdade Nacional de Filosofia, Ciências e Artes, in Rio de Janeiro, and then for a remake at structuring the University of Communication of Mass at the Universidade de Brasilia. With his civil rights lost after 1964 's brazilian military coup d'etat, journalist Pompeu de Sousa went back to newsrooms, this time as director at publishing house Editora Abril, where he was chair at Veja magazine's newsroom in Rio, between 1968 and He was a congress man at Senate, from January 1987 to January 1991, author from the first paragraph, article 220, from brazilian Federal Constitution, wich estipulates press freedom. This work entends to show Pompeu de Sousa's importance in brazilian journalism transformation, using historical research based at oral history. Key words: Compared Midiologia, Brazilian journalism, Teaching of Journalism

12 12 RESUM Los proyectos la meta principal es una investigación histórica sobre periodista Pompeu Sousa que introduciendo la técnica de la primacía al Diario Carioca, hecho una revolución grande en el estilo periodístico de su tiempo. Él fue el primero responsable para un Libro de Estilo en la prensa del brazilian. Esta experiencia profesional hizo las puertas anchas abiertas para su vida académica: primero a Faculdade Nacional de Filosofia, Ciências e Artes, en Río de Janeiro, y entonces para un rehaga el La universidad de Comunicación de Masa al Universidade de Brasília. Él ha perdido sus derechos del polytical después del 1964 golpe militar, periodista Pompeu de Sousa regresó a la escritura como director de Editora Abril, como Veja revista rama gerente entre 1968 y Él estaba un hombre del congreso en el Senado, de january 1987 al 1991 de enero, el autor del primer párrafo, artículo 220, del brazilian la Constitución Federal, qué preve la prensa libre. El trabajo apunta la exhibición Pompeu de Sousa el papel principal el periodismo brasileño cambiante, la investigación histórica, basado en la historia oral. Palabras de la llave: Midiologia comparado, Periodismo Brasileño, Maestro de Periodismo

13 13 1 INTRODUÇÃO Este trabalho é resultado de uma intensa peregrinação em arquivos públicos e particulares para recuperar documentos, artigos de jornais, cartas pessoais, discursos, fotos e memórias de amigos e familiares sobre a vida de Roberto Pompeu de Sousa Brasil. Materiais espalhados em três estados brasileiros: São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, recolhidos em várias viagens, contatos telefônicos, horas a fio folheando livros, edições empoeiradas de jornais das décadas de 40 a 90, conquistando fontes para as entrevistas que ajudaram a reconstruir a trajetória de Pompeu na imprensa brasileira. Aos poucos descobri um homem que tinha o espírito do jornalista, dono de uma personalidade irrequieta, ousada, alegre, sempre em busca do novo, fosse no texto ou nas ações de quem sempre se envolveu com os fatos da política nacional e que influenciaram a sua vida profissional. Uma história rica em ações pragmáticas que alteraram padrões estabelecidos pela imprensa e transformaram o Jornalismo Brasileiro, servindo de modelo para o ensino universitário e beneficiando a imprensa na Constituição Federal. Uma história que começa com um sonho, a de cursar Direito no Rio de Janeiro, como todo jovem que vivia no interior do Brasil em sua época. Pompeu de Sousa era do Ceará e descobriu o Brasil ao ser jornalista, profissão que lhe ajudou a caminhar sempre em frente. A inexistência de documentos, ou de qualquer outro registro histórico, sobre a infância no Ceará, deixa uma lacuna nesta trajetória. Nem as pessoas que conviveram de perto com Pompeu, nem a esposa Othília Pompeu de Sousa, têm informações sobre seus primeiros 18 anos de vida, o que restringiu a construção de sua biografia a partir da vida profissional. Seus filhos, principalmente as filhas do primeiro casamento, resistiram a falar sobre o jornalista. Apenas Sonia Pompeu, que também é jornalista e trabalha na Rede Globo, no Rio de Janeiro, contribuiu com este trabalho, ao encaminhar pelos Correios o livro Bilhetinhos a Jânio. A construção desta trajetória mostra as ações de Pompeu de Sousa no Jornalismo Brasileiro: sempre ágil, dinâmico, rápido e objetivo, um estilo próprio e único, de alguém inquieto, intranqüilo com a realidade vivida, sempre procurando mudanças. Um perfil composto por depoimentos de personagens que trabalharam ou conhecerem Pompeu de Sousa, recortes de jornais com entrevistas que concedeu ou sobre eventos e movimentos que participou, documentos sobre sua atuação parlamentar e política e a pesquisa nos arquivos do

14 14 Diário Carioca e da revista Veja. Um quebra-cabeças difícil de ser recomposto pelo tempo em que a pesquisa deveria ser concluída, pressionada pelo tempo acadêmico. Muitos dos entrevistados e dos amigos que deram depoimentos publicados em livros de memória, editados após sua morte em 1991, guardam a lembrança de Pompeu pelos cabelos brancos, outros pelas gargalhadas, outros pela voz alta e firme que determinava como deveria ser a matéria jornalística, as regras técnicas para a produção de texto informativo, sem nunca perder a ternura dos gestos e o tom da voz. Ele esbravejava quando sabia de uma repressão política, de algo que não concordasse, sem nunca ter sido agressivo com os repressores. Tinha liderança e espírito de equipe e consagrou-se na política como senador da República, o quarto do Ceará, seguindo a tradição de seu avô. Pompeu de Sousa marcou a história do Jornalismo Brasileiro ao introduzir na imprensa técnicas para a construção do texto com base na tradição norte-americana, rompendo com os costumes europeus que imperavam nas redações até a década de 40. A primeira pessoa a contar sua história para este trabalho foi sua esposa Othília Pompeu de Sousa. Ela me recebeu em sua casa, pela primeira vez, no dia 14 de julho de Foram cinco horas de conversa, entre o almoço na Praia de Copacabana e o chá da tarde, em seu apartamento. Encontrei uma mulher se preparando para passar as férias de julho em Paris, pois queria rever as obras de Monet. Aos poucos foi revelando tudo que poderia se lembrar sobre Pompeu. De sua memória apenas as datas foram esquecidas, não os fatos, nem as pessoas que conheceu e com quem conviveu. Dona Othília falou sobre o passado como se tudo tivesse acontecido recentemente, ontem ou há algumas horas, apenas. Tudo o que vez na vida foi por Pompeu de Sousa. Tudo o que viveu está em sua memória, presente em cada frase que pronuncia, em seu apartamento em Copacabana, nos objetos que preserva. Tudo lembra o homem com quem viveu durante 41 anos. Eles se conheceram na Confeitaria Colombo, onde sempre ia tomar o lanche da tarde, comer doces ou simplesmente para ver Pompeu. Ela tinha 17 anos quando se encontraram pela primeira vez no ano de Ele já era o editor do Diário Carioca e estava iniciando a revolução nas técnicas jornalísticas. O sentimento foi mais forte do que as convenções sociais e um ano depois estavam juntos. O casamento no civil aconteceu após a Lei do Divórcio, n 6.515, de 26 de dezembro de 1977; e no religioso, depois que Pompeu ficou viúvo. Othília Pompeu de Sousa lembra-se quando o marido, nos dias do carnaval de 1950, produzia em casa o primeiro manual da imprensa brasileira Regras de Redação do Diário Carioca. Em sua pequena biblioteca no apartamento em Copacabana, guarda três exemplares,

15 15 um deles doado para esta pesquisa. Ao lado do manual, estão discos, CDs e livros de escritores admirados por Pompeu de Sousa. Um dos poetas que mais gostava era Manuel Bandeira, com quem conviveu durante a juventude nas noites cariocas. Um dos versos que sempre lia está no livro Itinerário de Pasárgada: Conversando a sós contigo Desfruto o prazer imenso De não pensar no que digo E de dizer o que penso E mais uma vez Afirmo Sem receio de que seja desmentido: - a maior felicidade É ser-se compreendido. Pompeu de Sousa era assim: dizia o que pensava, escrevia o que acreditava, mas morreu sem ser compreendido. Depois de dedicar 55 anos de sua vida ao Jornalismo, e parte deles ao ensino superior e ao mandato de senador constituinte, foi aposentado compulsoriamente em 1991, pela Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília, que ajudara a implantar em 1961, ao lado de Darcy Ribeiro. Ele tinha 77 anos, uma idade considerada avançada demais para retornar às salas de aula. A importância de suas ações para o Jornalismo Brasileiro começou na década de 50, quando fez a reforma editorial no Diário Carioca, priorizando o texto informativo, ao hierarquizar a importância das informações e ao eliminar dos textos as opiniões de seus autores. Para esta reformulação, apoiou-se em dois eixos técnicos que transformaram o texto do Jornalismo Brasileiro, adotado durante todo o século XX e ainda presente na imprensa diária. Ele acabou com o nariz-de-cera, ao implantar a técnica do lide 1, e definiu a atuação do copidesque² nas redações. Esta transformação resultou numa reforma gráfica no Diário Carioca, pela preocupação com a apresentação da mensagem jornalística, com um novo formato, com 1 Na época se grafava lead, que foi aos poucos sendo incorporada a linguagem jornalístico, sendo aportuguesada para lide, segundo consta no dicionário Houaiss, como "linha ou parágrafo que apresenta os principais tópicos da matéria desenvolvida no texto jornalístico; cabeça; seção introdutória de uma reportagem". In: HOUAISS. Antônio e VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2001, 1755 p. A grafia aportuguesada, lide, será a escolha adotada neste trabalho, excetuando-se as transcrições, mantidas fiéis à grafia originalmente usada. ² Na época se escrevia copy-desk, até que a palavra foi aportuguesada pelo uso constante, copidesque, tornandose um chavão nas redações. Consta no dicionário Aurélio como sendo a redação final de um texto com vistas à sua publicação; correção, aperfeiçoamento e adequação de um texto escrito às normas gramaticais, editoriais. In: FERREIRA. Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa 2 a. edição. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1986, 1838 p. Neste trabalho será utilizada a forma consagrada pelo uso no Brasil, copidesque, exceção feita às citações que permanecerão conforme o original.

16 16 títulos diretos e objetivos, com a diagramação do texto e o uso da fotografia. Uma história de vida recuperada nesta tese de Doutorado, cujo objetivo central foi o de traçar a trajetória de Pompeu de Sousa na imprensa brasileira, ao mesmo tempo em que analisa a importância das modificações realizadas por ele no Jornalismo. O trabalho traz à tona, para o conhecimento de pesquisadores, estudiosos e profissionais da área, a vida do jornalista, suas realizações, seus altos e baixos (VILAS BOAS, 2003, p.11). A atuação de Pompeu de Sousa na chefia de redação, respaldado por dois jornalistas que dirigiam o Diário Carioca Danton Jobim, na direção do jornal, e Luís Paulistano, na chefia de reportagem, colocou os jornais brasileiros na era da modernidade, deixando de lado o texto enfadonho, panfletário e repleto de nariz-de-cera, para uma linguagem mais dinâmica, concisa, objetiva e informativa. O Diário Carioca é considerado pelos historiadores da área como um jornal inovador por ter sido o primeiro veículo brasileiro a usar a técnica do lide, o primeiro a contar com uma equipe de copidesque e a desempenhar papel de formador de novos quadros na imprensa (ABREU, 1996, p.15). Essa reforma completa e ousada na apresentação da notícia passou a ser copiada pelos demais veículos de comunicação do país, num movimento contínuo que marcou uma fase de transição da imprensa. Uma mudança que se espelhou na atuação da imprensa norteamericana (LINS DA SILVA, 1991), estabelecendo novos parâmetros textuais para quem escrevia nos jornais daquela época. No final da metade do século XX, a imprensa brasileira viveu uma ampla reformulação. Passou da imprensa artesanal à imprensa industrial (SODRÉ, 1983, 391) e estabeleceu novos traçados para seu desenvolvimento. Porém, esse processo não esteve ligado apenas aos equipamentos introduzidos nas redações dos jornais, agilizando a impressão dos periódicos, por exemplo. Essas modificações aconteceram porque homens da imprensa passaram a ter uma nova visão sobre o fazer jornalístico. Nesse cenário está Pompeu de Sousa que iniciou um trabalho diferenciado já nos primeiros anos de sua vida como jornalista. Traçar historicamente a sua trajetória, esquecida no passado, trazendo-a para o tempo presente, permite que sua memória preencha um capítulo da história sobre a imprensa. Pela amplitude da influência de Pompeu sobre o mundo da Comunicação, fio condutor deste trabalho científico, foi possível mapear o momento da transformação da linguagem jornalística na imprensa brasileira e analisar sua atuação como o jornalista que inovou também no ensino universitário, voltado para o mercado. Para transformar a linguagem jornalística, Pompeu de Sousa adotou um style book - um folheto de 16 páginas, que se tornou referência nacional pelas regras que foram estabelecidas e até hoje são referências básicas

17 17 para a produção de um texto informativo, para a produção da notícia. Desta forma, estão estabelecidas as fronteiras que delimitaram as ações do jornalista Pompeu de Sousa com sua contribuição às modificações sofridas pelo Jornalismo Brasileiro nos anos 50, no momento histórico da expansão dos meios de comunicação de massa no Brasil. Uma história de vida a ser conhecida com este trabalho. Um território que tem espaço no meio acadêmico, pelo esforço de se produzir conhecimento sobre o desenvolvimento do Jornalismo no Brasil, com ênfase nos personagens que participaram de forma ativa na constituição de novos paradigmas comunicacionais, já que esta produção se insere num quadro maior, que procura resgatar a memória do Jornalismo Brasileiro. Um projeto iniciado em 1992, pelo professor José Marques de Melo para analisar comparativamente os processos jornalísticos e verificar como os modos de produção da notícia e dos seus comentários fluem dos centros metropolitanos internacionais para o Brasil e como internamente os padrões difundidos são assimilados, adaptados e reproduzidos" (MARQUES DE MELO, 2003, p. 9). Nos anos 50, no pós-guerra, o Jornalismo buscava adquirir uma identidade própria, uma fisionomia singular, que se manifesta nos gêneros cultivados pelos seus produtores, mas que transparece ainda na forma de organização do trabalho dos jornalistas dentro das empresas (MARQUES DE MELO, 1992, p.25), uma situação histórica que levou o professor a definir um projeto para construir essa identidade, numa ação única para recuperar da história eventos que possam explicar a prática jornalística contemporânea. Com essa preocupação, as linhas do projeto elaborado por Marques de Melo foram publicadas no Anuário Brasileiro da Pesquisa em Jornalismo, pela ECA/USP, visando estabelecer o cenário do desenvolvimento da imprensa no Brasil, através de resgate e estudos biográficos, num esforço acadêmico para se reconstituir a memória da imprensa. Este Doutorado é uma das fatias desse empreendimento científico, que busca analisar as histórias de vida de personalidades para verificar a contribuição para a configuração dos processos informativos dominantes em cada época (MARQUES DE MELO, 2003, p.26). O resultado imediato é o de preservar a memória da própria imprensa e desvendar para pesquisadores e estudiosos da área os bastidores das transformações ocorridas no Jornalismo e na história do ensino em Comunicação no Brasil. Pompeu de Sousa foi um dos homens que se rendeu às técnicas da imprensa norteamericana e, como profissional, se destacou em três fases importantes na história. Em 1950, foi o reformulador das técnicas jornalísticas, tendo como instrumento de aplicação, de experimentação, o Diário Carioca. Em 1960, envolvido pelo ritmo da expansão capitalista do

18 18 governo Juscelino Kubitschek, partiu para Brasília onde ajudou a fundar a Universidade de Brasília 2, resultado da intelectualidade brasileira projetando sua vivência pessoal (ALENCAR, 1975, p. 271). E, por último, na década de 80, como senador constituinte que defendeu a liberdade da imprensa. 1.1 Metodologia Ao mergulhar nos bastidores desta história, entendemos não apenas o indivíduo, mas também suas interfaces, suas relações políticas e sociais para, assim, rever parte de nossa cultura social, ampliando as informações que sustentam o universo do Jornalismo. A importância desta pesquisa está na restauração das ações e realizações de Pompeu de Sousa, ao narrar os eventos que participou para poder compreender o universo de sua vida e como influenciou a prática jornalística no Brasil. Uma metodologia que normalmente não recebe da academia brasileira a mesma atenção que nos Estados Unidos. Enquanto há falta de prestígio para a história de vida no âmbito científico no Brasil, por não apresentar dados convencionais da ciência social (HAGUETTE, 2001), os norte-americanos a utilizam como principal instrumento de pesquisa. A origem da produção biográfica está nas obras gregas que retratavam a vida de seus heróis, como uma reverência aos grandes indivíduos inicialmente apresentados em mármores e bronzes e, depois, perpetuados em livros, como A Ilíada e a Odisséia, réplicas de histórias das vidas dos heróis gregos. Um gênero literário que se expandiu e se consagrou aos poucos na história. A palavra biografia foi usada pela primeira vez pelo historiógrafo real John Dryden, em 1683, na introdução inglesa de Plutarco. Depois, o reconhecimento da importância em realizar uma biografia veio dos alemães em 1709, seguidos pela academia francesa a partir de 2 A iniciativa de Darcy Ribeiro em fundar a Universidade de Brasília é apontada por José Marques de Melo como um fator decisivo para criar no Planalto Central um pólo intelectual arrojado e inovador. A organização da Faculdade de Comunicação de Massa coube a Pompeu de Sousa amadurecido pela experiência profissional no país e no exterior (...) com um perfil consentâneo com a modernidade globalizante, ou seja, inspirado no modelo midiático emergente testado pela Universidade de Stanford (EUA) In: MARQUES DE MELO, José. História do Pensamento Comunicacional São Paulo: Paulus, 2003c. p O curso de Comunicação Social é entendido por seus autores como uma faculdade profissionalizante, preparando o aluno para o mercado de trabalho, ao mesmo tempo em que se respeita a diversidade de conhecimento da área. Na estrutura acadêmica, foi pensada no campo das Letras e das Artes, prevendo que a formação profissional destes especialistas deve ser feita em curso de Comunicação Social cujo ensino prático seja proporcionado pelos órgãos complementares da universidade, como a editora e o Centro de Teledifusão. In: RIBEIRO, Darcy. A Universidade Necessária. Rio de Janeiro: Paz e Terra p.

19 Até 1975, a maioria dos pesquisadores biográficos americanos estava ligada exclusivamente às universidades (VILA BOAS, 2002, p.27), uma realidade que se ampliou gradativamente em outros centros de pesquisas pela importância que este tipo de trabalho vem alcançando. Tornou-se, nos dias de hoje, uma prática principalmente de jornalistas que se debruçam para definir, na linha do tempo, o trabalho de seus biografados. Essa tendência, que se mostra híbrida, em fase de consolidação no meio científico brasileiro, representa um método de pesquisa em busca de espaços que a reconheçam e compreendam a relação estreita entre a história de vida e o contexto social em que está inserido o personagem. No Brasil, o trabalho biográfico foi realizado inicialmente por Simão de Vasconcelos que escreveu a vida dos padres João de Almeida e José de Anchieta, sem despertar interesse dos leitores pelo conteúdo árido e repleto de fábulas e crendices populares. No século XIX voltou a ser produzido pelo Conselheiro Pereira da Silva, também sem a devida valorização, porém foi uma linha que se fortaleceu em direção à biografia política. Este Doutorado mostra uma fatia dos acontecimentos de uma época, retratando-o de forma isenta, ao mesmo tempo em que mantém um diálogo entre o passado e o presente, mesclando a descrição dos eventos e sua contextualização. Para isso, dois pontos metodológicos fundamentais sustentam este projeto que tem como vértice a biografia de Pompeu de Sousa. Em primeiro lugar está o campo da Comunicação, especificamente o Jornalismo, com ênfase para a Escola Latino-Americana (MARQUES DE MELO, 2003c, p.48), teoria defendida em pesquisas científicas que a referendam e a legitimam no espaço acadêmico. Não obstante ocupe um lugar privilegiado nas universidades latinoamericanas em que existem estudos regulares de Comunicação, ao nível de graduação ou pós-graduação, a Escola Latino-Americana ainda não conquistou a hegemonia. O processo de sua difusão se faz lentamente, enfrentando barreiras do modismo teórico ou o preconceito de quantos seguem valorizando exclusivamente as metodologias que trazem o selo dos países metropolitanos (MARQUES DE MELO, 1999, p.23). Um cenário que vem se modificando aos poucos, com projetos de pesquisa que reconhecem a teoria latino-americana, pensando questões próprias à realidade que envolve os processos comunicacionais, no caso, brasileiro. Um cenário propiciado, principalmente, pela criação do Ciespal, com apoio da Unesco, para incentivar o desenvolvimento dos países latino-americanos. O Ciespal exerceu papel preponderante na conformação de nosso campo acadêmico (MEDITISCH, 1999, p.129), possibilitando a consolidação de um novo status para a Comunicação nas instituições de ensino. Nasce, assim, uma visão singular para as

20 20 investigações científicas, com metodologias específicas que valorizam o conhecimento produzido por pesquisadores da América Latina. Dentro dessa perspectiva metodológica está o resgate da memória de personagens importantes para a História da Comunicação na América Latina, propiciando a criação do Acervo do Pensamento Comunicacional Latino-Americano, com o apoio da Cátedra Unesco de Comunicação, instalada em 1996, na Universidade Metodista de São Paulo (MARQUES DE MELO, 2001, p.17). As ciências da comunicação na América Latina, particularmente no Brasil, ganham cada vez mais reconhecimento internacional pela sua inovatividade e criatividade. Isso vem propiciando um colóquio em igualdade de condições acadêmicas com os nossos colegas de países que possuem maior tradição no campo. Trata-se agora de difundir esse espírito em nossas universidades (MARQUES DE MELO, 1997, 21). A perspectiva básica dessas pesquisas é levar em conta as singularidades da América Latina, sua condição histórica, política, econômica e social que a distingue de outros continentes, tendo como ponto de partida os conhecimentos paradigmáticos herdados de correntes teóricas norte-americana e européia. Mostra-se evidente a hegemonia européia sobre o nosso embrionário pensamento comunicacional até a primeira metade do Século XX. No período pós-guerra, cresce a influência norte-americana. Ela reduz, mas não elimina o fascínio que as nossas elites intelectuais sempre demonstraram pelas idéias oriundas de metrópoles como Paris, Roma, Londres ou Berlim (MARQUES DE MELO, 2003c, p.134). Um espaço que vai se modificando aos poucos com as pesquisas realizadas por cientistas latino-americanos, com atenção voltada especialmente para a realidade de seus países. Os pesquisadores ensaiam pouco a pouco caminhos alternativos para superar a dependência (teórica e metodológica) a que se achavam submetidos. Imersos numa cultura marcada pela mestiçagem, não hesitam em praticar o sincretismo metodológico, combinando procedimentos herdados das Escolas de Chicago, Paris, Moscou, Roma ou Frankfurt (MARQUES DE MELO, 1998, p.131). Desta forma, o parâmetro metodológico leva em consideração que a iniciativa se insere no campo que busca a consolidação das pesquisas fundamentadas na Escola Latino- Americana, num esforço que visa contribuir para o crescimento dessa raiz teórica. Para este

21 21 suporte teórico é preciso referendar os estudos relacionados ao Jornalismo Brasileiro (MARQUES DE MELO, 2003), já que este trabalho resgata a trajetória de um jornalista com papel fundamental nas transformações vividas pela imprensa na década de 50, com marcantes influências no ensino e na prática jornalística, tendo como pressuposto a técnica norteamericana. A finalidade é entender igualmente as diferenças do Jornalismo peculiar a determinadas conjunturas brasileiras em relação às estruturas predominantes em países latino-americanos ou naquelas sociedades de expressão cultural portuguesa, cotejando-as com parâmetros hegemônicos no mercado internacional (MARQUES DE MELO, 2003, p.09). Uma perspectiva descrita nesta tese, pela posição de Pompeu de Sousa ao adotar os princípios dos Estados Unidos para a imprensa brasileira. Isso, levando em consideração que os norte-americanos definem Jornalismo como utilidade pública, com informações de interesse público, tendo como pressuposto a teoria funcionalista (MARQUES DE MELO, 2003a, p.27), o que explica a utilização dos jornais diários como instrumentos de atualização do conhecimento diário para o cidadão comum. A instituição jornalística assume o papel de observadora atenta da realidade, cabendo ao jornalista proceder como vigia, registrando os fatos, os acontecimentos e informando-os à sociedade (MARQUES DE MELO, 2003, p.29). Esse suporte teórico tem sintonia com a História, segundo eixo metodológico, para entender as ligações do passado e do presente e interpretar todo o contexto social ao descrever o cenário nacional que marcou as modificações e o desenvolvimento do Jornalismo, numa ação articulada de modo a registrar sistematicamente a história imediata do Jornalismo praticado no Brasil (MARQUES DE MELO, 2003, p.13), para entender o processo de assimilação do modelo norte-americano à tradição brasileira, através da construção de uma história de vida. Para compreender as características fundamentais de certos problemas históricos, é necessário observar e analisar a paisagem atual, porque só ela dá as perspectivas de conjunto, das quais deveríamos partir para nosso estudo. As ligações profundas do passado e do presente exigem a eterna busca e compreensão da mudança, pois a História é a ciência da mudança (RODRIGUES, 1969, p.36). O recurso à metodologia histórica é importante por reunir os dados do passado que possam explicar as ações do presente, num diálogo constante entre as duas temporalidades,

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos PROJETO APRESENTADO PELA ABCP À FUNDAÇÃO FORD E AO INSTITUTE FOR INTERNATIONAL EDUCATION (IIE). Leonardo Avritzer Carlos R. S. Milani Rachel Meneguello

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS Revista Interdisciplinaridade INTERDISCIPLINARIDADE é uma revista de periodicidade anual, cujo volume de cada ano será publicado em outubro e poderão ser realizadas

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

Três exemplos de sistematização de experiências

Três exemplos de sistematização de experiências Três exemplos de sistematização de experiências Neste anexo, apresentamos alguns exemplos de propostas de sistematização. Estes exemplos não são reais; foram criados com propósitos puramente didáticos.

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático.

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático. A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA Fabricio Santos Almeida 1 Márcia Cristiane Eloi Silva Ataide 2 1 Licenciando em Química, Universidade Federal do Piauí - UFPI. 2 Professora

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

A Área de Marketing no Brasil

A Área de Marketing no Brasil A Área de Marketing no Brasil Relatório consolidado das etapas qualitativa e quantitativa Job 701/08 Fevereiro/ 2009 Background e Objetivos A ABMN Associação Brasileira de Marketing & Negócios deseja

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B CONSTRUA COM CARINHO SUA REDE PESSOAL Guilherme Demo Limeira SP 2006 2 GUILHERME DEMO CONSTRUA COM CARINHO A SUA REDE PESSOAL Projeto

Leia mais

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita.

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita. Câmara dos Deputados Centro de Formação e Treinamento CEFOR Programa de Pós-Graduação Nara Lucia de Lima O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...452 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS...454 RESUMOS DE PROJETOS...456

RESUMOS SIMPLES...452 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS...454 RESUMOS DE PROJETOS...456 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 451 RESUMOS SIMPLES...452 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS...454 RESUMOS DE PROJETOS...456 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

O Indivíduo em Sociedade

O Indivíduo em Sociedade O Indivíduo em Sociedade A Sociologia não trata o indivíduo como um dado da natureza isolado, livre e absoluto, mas como produto social. A individualidade é construída historicamente. Os indivíduos são

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE COLUNISTAS CEIRI NEWSPAPER 2013/1

EDITAL DE SELEÇÃO DE COLUNISTAS CEIRI NEWSPAPER 2013/1 EDITAL DE SELEÇÃO DE COLUNISTAS CEIRI NEWSPAPER 2013/1 O CEIRI NEWSPAPER (http://jornal.ceiri.com.br) torna público o presente edital a candidatos interessados em executar atividades como colaboradores

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS

VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS Prof a. Dr a. Dorisdaia Carvalho de Humerez FORÇA DE TRABALHO NA ENFERMAGEM Na Saúde, 65% da Força de Trabalho é formada por profissionais

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 2 a. Série Data: / /2015 Professores: Gabriel e Marcelo Nota: (valor: 1,0) 3º bimestre de 2015 A - Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais 1 Fernando Correia Fernando António Pinheiro Correia nasceu em Coimbra em 1942. Jornalista. Docente universitário, com o grau de Professor Associado Convidado. Investigador em Sociologia, História e Socioeconomia

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2004 Ano Base 2001_2002_2003 SOCIOLOGIA CAPES Período de Avaliação: 2001-2002-2003 Área de Avaliação: SOCIOLOGIA

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 1. Tema As relações interpessoais na atualidade. 2. Delimitação do tema As relações humanas e a socialização. 3. Problema Qual a importância das relações interpessoais

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais