SILMA CORTES DA COSTA BATTEZZATI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SILMA CORTES DA COSTA BATTEZZATI"

Transcrição

1 SILMA CORTES DA COSTA BATTEZZATI COMUNICAÇÃO SOCIAL COM SOFTWARE LIVRE Universidade Metodista de São Paulo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social São Bernardo do Campo, 2009.

2 SILMA CORTES DA COSTA BATTEZZATI COMUNICAÇÃO SOCIAL COM SOFTWARE LIVRE Tese apresentada em cumprimento parcial às exigências do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da UMESP Universidade Metodista de São Paulo, para a obtenção do grau de Doutora. Orientador: Prof. Dr. Sebastião Carlos de Morais Squirra Universidade Metodista de São Paulo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social São Bernardo do Campo, 2009.

3 FOLHA DE APROVAÇÃO A tese de doutorado sob o título Comunicação Social com Software Livre elaborada por Silma Cortes da Costa Battezzati foi defendida e aprovada em 14 de abril de 2009, perante a banca examinadora composta por Daniel dos Santos Galindo, Fábio Josgrilberg, Luiz Cláudio Martino, Sérgio Amadeu da Silveira. Assinatura do orientador: Nome do orientador: Sebastião Carlos de Morais Squirra. Data: São Bernardo do Campo, 15 de maio de Visto do Coordenador do Programa de Pós-graduação: Área de concentração: Processos Comunicacionais. Linha de Pesquisa: Processos da Comunicação Científica e Tecnológica. Projeto temático: Comunicação e Tecnologias Digitais..

4 DEDICATÓRIA Dedico este estudo aos meus familiares. Especialmente aos meus filhos Rafael, Bruno e Lígia por terem compreendido os longos momentos de ausência nos quais deixei de lhes dar merecida atenção. Ao Valverde, pelo incondicional apoio, amizade, atenção e carinho de todos os dias.

5 EPÍGRAFE Todos os dias de manhã, na África, o antílope desperta. Ele sabe que terá de correr mais rápido que o mais rápido dos leões, para não ser morto. Todos os dias, pela manhã, desperta o leão. Ele sabe que terá de correr mais rápido que o antílope mais lento para não morrer de fome. Não interessa que bicho você é, se leão ou antílope. Quando amanhecer, é melhor começar a correr. Provérbio Africano. (Friedman 2005, p. 135).

6 AGRADECIMENTOS Ao professor Dr. Sebastião Squirra pela prestimosa atenção e importantes orientações durante esta jornada acadêmica. À Márcia Maria Pitton Henrique, pela constante e carinhosa atenção. Ao professor Márcio Antônio Kowalski, pela valiosa colaboração.

7 LISTA DE TABELAS CATEGORIA 1. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SOFTWARES PARA PROCESSAMENTO DE AUDIOVISUAL Tabela 1. Categoria 1. Dados Gerais 143 Tabela 2. Categoria 1. Plataformas de Operação 145 Tabela 3. Categoria 1. Formatos de Alta Definição para Importação de Vídeo 146 Tabela 4. Categoria 1. Formatos de Arquivos de Trabalho e Saída 149 CATEGORIA 2. COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE SOM Tabela 1. Categoria 2. Dados Gerais 169 Tabela 2. Categoria 2. Plataformas de Operação 170 Tabela 3. Categoria 2. Interfaces aceitas pelos Softwares 171 Tabela 4. Categoria 2. Tipos de Arquivos para Leitura e Gravação 173 CATEGORIA 3. COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA 3D Tabela 1. Categoria 3. Dados Gerais 182 Tabela 2. Categoria 3. Plataformas de Operação 183 Tabela 3. Categoria 3. Tipos de Aplicação Suportada pelo Software 183 Tabela 4. Categoria 3. Funcionalidades e Recursos dos CGI 184 Tabela 5. Categoria 3. Sistema de Rendering 185 Tabela 6. Categoria 3. Suporte a Formatos de Arquivos Vetoriais 3D (Importação/Exportação) 186

8 CATEGORIA 4. COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES EDITORES DE IMAGEM MATRICIAL OU RASTER Tabela 1. Categoria 4. Dados Gerais 197 Tabela 2. Categoria 4. Plataformas de Operação 198 Tabela 3. Categoria 4. Funcionalidades Operacionais 199 Tabela 4. Categoria 4. Sistema de Cores 203 Tabela 5. Categoria 4. Suporte a Formatos de Arquivos Raster 204 CATEGORIA 5. COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES DE DESENHO VETORIAL Tabela 1. Categoria 5. Dados Gerais 209 Tabela 2. Categoria 5. Plataformas de Operação 209 Tabela 3. Categoria 5. Formatos de Arquivos Vetoriais: Importação 210 Tabela 4. Categoria 5. Formatos de Arquivos Vetoriais: Exportação 210

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 12 CAPÍTULO I. COMUNICAÇÃO SOCIAL NO BRASIL CURSOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ÁREA DA COMUNICAÇÃO SOCIAL A COMUNICAÇÃO SOCIAL E O MERCADO DE TRABALHO COMUNICAÇÃO SOCIAL E TECNOLOGIAS DIGITAIS 48 CAPÍTULO II. SOFTWARES DE COMPUTADORES: CONCEITOS GERAIS SOFTWARE PROPRIETÁRIO: PARTICULARIDADES SOFTWARE LIVRE: PARTICULARIDADES O SOFTWARE LIVRE E O PARADIGMA LIBERTÁRIO O MODELO DE DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE LIVRE MOVIMENTO PELO SOFTWARE LIVRE E AS CULTURAS DA INTERNET 84 CAPÍTULO III. O ENSINO DE COMUNICAÇÃO E A TECNOLOGIA DE SOFTWARE UMESP UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO O Curso de Radialismo da UMESP FACULDADES ESEEI: ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS EMPRESARIAIS E INFORMÁTICA O Curso de Radialismo da ESEEI 111 CAPÍTULO IV. COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES PROPRIETÁRIOS E LIVRES 114

10 4.1. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SOFTWARES PARA PROCESSAMENTO DE AUDIOVISUAL 4.2. COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE SOM COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA 3D COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES EDITORES DE IMAGEM MATRICIAL OU RASTER COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES DE DESENHO VETORIAL 205 CONCLUSÃO 211 REFERÊNCIAS 218 APÊNDICE A. QUESTIONÁRIO SOFTWARES UTILIZADOS NOS CURSOS DE RADIALISMO DA UMESP E DA ESEEI 231 APÊNDICE B. QUESTIONÁRIO - CURSO DE RADIALISMO DA UMESP 237 ANEXO 1. FACULDADE DE COMUNICAÇÃO FAC PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE RADIALISMO ANEXO 2. GRADE CURRICULAR DO CURSO DE RADIALISMO DAS FACULDADES ESEEI ANEXO 3. DIRETRIZES CURRICULARES PARA CURSOS DE RADIALISMO 250 ANEXO 4. LINUX.LOCAL 263 ANEXO 5. SOFTWARES PROPRIETÁRIOS LICENÇAS 267 GLOSSÁRIO 273

11 RESUMO A tecnologização que a sociedade experimenta nas últimas décadas trouxe a profusão de máquinas informatizadas e seus sistemas de operação. Neste período a indústria desenvolveu sofisticados e caros softwares aplicativos proprietários para o pleno uso destas máquinas, o que colocou boa parte do mercado social nas mãos de poucas empresas multinacionais, entre elas, a Microsoft, e outras. Mas, o espírito libertário de membros das comunidades científicas e hackers promoveu o desenvolvimento do software livre e aberto, que pode ser usado como bem social mais amplo e, principalmente, evoluir no melhor do espírito colaborativo. O presente trabalho estuda os dois modelos de produção de software, os compara visando tornar evidentes as qualidades de cada um, seus custos, rendimentos e possibilidades de adoção. Projeta a possibilidade de que as habilitações da área da comunicação possam migrar para o modelo de software livre, dadas as plenas qualidades deste sistema, a radical redução de custos e as constatações que amplos segmentos da produção audiovisual os está adotando. Para tanto, compara as experiências aplicadas com ambos os sistemas em dois cursos de comunicação, em sua habilitação de Rádio e Televisão. Palavras-chave: Comunicação Social. Software Livre. Rádio e Televisão.

12 ABSTRACT The Information Technologies that western societies have been experimenting for the last few decades brought a profusion of digital machines and their operating systems. During this period, industry developed sophisticated and expensive proprietary application softwares for the full use of these machines, and took good part of the social market to the hands of few multinational companies, Microsoft among them. But the libertarian spirit of some members of scientific and hakers communities promoted the development of free and open software, that can be used as a ampler social good, and, mainly, evolve in optimum of the collaborative spirit. The present work studies the two models of software production, compares them aiming at the evidentes of qualities of each one, its costs and possibilities of adoption. It projects the possibility that courses of the Social Communication area could migrate to the free software model, given the qualities of this system, the radical reduction of costs and the conclusions that ample segments of communication production are adopting them. For this purpose, it compares the experiences applied with both systems in two courses of communication, in its qualification for audio and motion picture production. Keywords: Social Communication. Free Software. Radio and Television.

13 12 INTRODUÇÃO Esta pesquisa analisa possibilidades de uso de tecnologias de microcomputadores e softwares em processos de criação de produtos comunicacionais para rádio e televisão pelas faculdades brasileiras no contexto de cursos de Comunicação Social. Para facilitar entendimento sobre o estado da arte destas tecnologias nos cursos de Comunicação Social é importante discorrer, ainda que brevemente, sobre alguns fatos que possibilitaram a evolução, até o estágio atual, de algumas outras tecnologias de comunicação. Uma forma interessante para o agrupamento destes fatos é utilizar a metáfora de Ondas proposta por Alvin Toffler 1 e descrita na obra A Terceira Onda: A Morte do Industrialismo e o Nascimento de uma Nova Civilização (2001). Nesta obra o autor explica as fases do desenvolvimento civilizatório, às mudanças culturais, sociais e tecnológicas que se sucederam, mas que não substituíram integralmente as antigas. Algumas destas mudanças assemelham-se muito mais àquelas Ondas que ao invés de substituírem as águas das Ondas anteriores a elas se misturam. Portanto, conforme descrito no decorrer deste estudo, a metáfora de Ondas é empregada com o objetivo de facilitar a compreensão das etapas da evolução humana e das tecnologias de comunicação, desde nosso surgimento na terra nas três Ondas definidas por Toffler. A Primeira Onda, explica Toffler (2001 p. 8), [...] começou por volta de 800 a.c. e dominou a terra sem qualquer desafio até 1750 d.c. Provocou as mudanças que levaram o homem nômade, caçador e coletor de alimentos a fixar-se no campo e, desse modo, iniciar a Civilização Agrícola. A comunicação humana se desenvolveu durante essa Onda dentro de pequenos grupos na família e na comunidade. O surgimento da fala, da linguagem e a invenção da escrita fonética ilustram algumas tecnologias que marcaram a evolução e a busca dos humanos por recursos que facilitassem sua vida, e o processo de comunicação com outros humanos. Um processo complexo que envolveu interação através da fala, gestos ou de outros meios que permitiram a expressão de ideias e conhecimentos no contexto das relações sociais. Podemos resumir estes fatos com base nas explicações apresentadas por Melvin 1 Alvin Toffler é doutor em Letras, Leis e Ciência. Seus estudos e pesquisas dão enfoque, notadamente, às tecnologias e seu impacto e efeitos para os seres humanos.

14 13 DeFleur e Sandra Ball-Rokeach 2, autores da obra Comunicação de Massa (1989 p. 31), para quem a fala e a linguagem parecem ter se originado por volta de 40 mil anos atrás entre pessoas que fisicamente se assemelhavam com os seres humanos de hoje. Há pouco mais de 5 mil anos, continuam os pesquisadores, os chineses, maias, egípcios e sumérios dominaram a escrita, utilizando pictogramas para representar ideias. Por volta de anos a.c. os sumérios tiveram a ideia de substituir os pictogramas por pequenos símbolos estilizados para representar um determinado som em vez de uma ideia e criaram a escrita fonética. Assim, com a fixação do homem na terra, para beneficiar-se da agricultura, foram criados sistemas numéricos. E a necessidade de ampliar o comércio de produtos levou-o a inventar a escrita a partir de técnicas que haviam sido empregadas nos sistemas numéricos. A escrita fonética simplificou significativamente a escrita complexa dos pictogramas e possibilitou a expansão de seu uso. Mas somente alguns milhares de anos depois, com a descoberta do papiro foi possível transportar a informação com facilidade, e isso contribuiu para um processo de mudança na forma de escrita de modo a agilizá-la. O grande problema com os hieróglifos, e até certo ponto com as tabuletas cuneiformes, foi o da portabilidade. [...] tinha a capacidade de durar através do tempo, mas não podia ser facilmente transportada através do espaço. Cerca de anos a.c. os egípcios descobriram um método de fazer uma espécie de papel duradouro usando o papiro. [...] Os hieróglifos começaram a ser simplificados à medida que os escribas exigiram tipos mais lisos e fáceis para escrever depressa. (DEFLEUR e BALL- ROKEACH 1989 p. 35). A história tem nos mostrado que, uma vez adotadas amplamente pelas sociedades, as tecnologias provocam significativas modificações sociais, culturais e econômicas em todo o tecido social das civilizações que as empregam, porém, conforme DeFleur e Ball-Rokeach (1989, p. 36): O mais importante nessa mudança da pedra pesada para veículos leves e portáteis é ter aberto a possibilidade para uma significativa mudança da organização social e cultural da sociedade. [...] A estrutura institucional inteira foi influenciada. Por exemplo, no Egito em a.c. o papiro era amplamente utilizado para transmitir ordens escritas e registrar informações de vários tipos. A administração central empregava um 2 DeFleur é doutor em Psicologia Social pela Universidade de Washington. Professor e pesquisador da Escola de Comunicação Pública da Universidade de Siracusa. Ball-Rokeach, doutora em sociologia pela Universidade de Washington e professora da Universidade do Sul da Califórnia.

15 exército de escribas. Alfabetização era uma habilidade valiosa, proporcionando uma porta de entrada para a prosperidade e a elevação social. Os escribas tornaram-se uma classe privilegiada sobre o controle da elite. [...] Abriram-se bibliotecas. Doutrinas e escrituras religiosas foram registradas. Foram criadas escolas para ensinar aos escribas. Até as artes e a ciência começaram a se desenvolver. Tratamentos bem sucedidos para doença puderam ser anotados por escrito. Observações de numerosos aspectos da natureza e suas interpretações puderam ser registradas. A mente humana ficou liberada da pesada tarefa de ter de recordar-se de culturas inteiras e reproduzi-las nas mentes e memórias de cada nova geração. As ideias puderam ser armazenadas, acumuladas e consultadas por gerações subsequentes. Esse foi o grande passo para frente quando os seres humanos penetraram na Era da Escrita. 14 Outra característica do impacto das Ondas no desenvolvimento das civilizações é que as tecnologias são absorvidas e ampliadas à medida que de fato resolvem problemas presentes no ceio das sociedades ou grupos sociais, ou trazem vantagens econômicas significativas como ocorreu com a introdução da imprensa no século XV. Anteriormente ao século XV, as pessoas reproduziam livros na Europa preparando manu script cópias de livros pré-existentes, laboriosamente reproduzidos à mão. [...] o processo amiúde introduzia erros. [...] o número de livros disponíveis ficava severamente restrito e só podiam ser adquiridos por pessoas de consideráveis recursos. A impressão trouxe uma modificação fantástica. [...] milhares de cópias de um determinado livro podiam ser reproduzidas com grande precisão. [...] uma invenção fabulosa que espantou o mundo alfabetizado da época. (DEFLEUR e BALL- ROKEACH 1989, p ). Destacamos ainda que as tecnologias não surgem espontaneamente, e sim como resultado de necessidades de determinado estágio de evolução social, de muito trabalho de pesquisa e da existência dos requisitos técnicos, culturais e econômicos necessários ao desenvolvimento de novas tecnologias a partir de outras invenções anteriores. Nesse sentido, DeFleur e Ball-Rokeach (idem p. 37) observam que a invenção da imprensa não teria sido possível sem a tecnologia substituta do papiro, o papel, embora o processo de imprimir já fosse conhecido há muito tempo. Os chineses haviam feito isso e imprimido o Sutra Diamante, o primeiro livro do mundo, por volta do ano de 800 d.c. séculos antes da impressão surgir na sociedade ocidental. [...] Um ponto crítico do eventual surto da impressão no mundo ocidental foi quando o papel começou a substituir o pergaminho no mundo islâmico durante o século VII. (o papel surgira muito antes na China.) A partir daí difundiu-se pela Europa cristã.

16 15 O surgimento da imprensa 3 também não teria sido possível, continuam os pesquisadores, sem a invenção dos tipos móveis adequados à impressão sobre papel. Gutenberg acabou descobrindo um meio de misturar chumbo com outros metais numa espécie de liga que funcionou muito bem mesmo. [...] Prensas haviam sido utilizadas havia séculos para espremer azeite das azeitonas e vinho das uvas. [...] Ficou lindo! A impressão estava nítida e perfeita; não havia erros como os cometidos comumente nas cópias à mão. [...] Sua Bíblia de 42 linhas foi um dos mais belos exemplos jamais produzidos na arte de impressão. [...] Dez anos depois, Gutenberg morreu na pobreza, um homem arruinado. Nunca soube que serviço realmente importante prestara a todos nós [ ] Ao iniciar-se o século XVI, prensas com tipos móveis estavam produzindo milhares de exemplares de livros impressos em papel. [...] podiam ser lidos por qualquer pessoa alfabetizada em seu idioma. A disponibilidade desses livros incentivou interesse mais disseminado pela aprendizagem da leitura. [...] Pela primeira vez, as Escrituras estavam acessíveis em outras línguas e não o latim. Não mais podia a Igreja Romana guardar cautelosamente as escrituras sagradas graças ao emprego de uma língua antiga. A acessibilidade das Escrituras pelas pessoas comuns, em suas próprias línguas, acabou levando desafios à autoridade e às interpretações de Roma. Um novo veículo de comunicação, pois, abriu caminho para protestos contra a cultura religiosa e social existentes. O surto do Protestantismo levou as novas modificações profundas que tiveram impacto na sociedade ocidental até os dias de hoje (DEFLEUR e BALL-ROKEACH 1989, p.38-39). Ao refletir sobre as explicações de DeFleur e Ball-Rokeach podemos constatar que o surgimento e o desenvolvimento da civilização Ocidental Moderna estão diretamente relacionados com o surgimento da imprensa e foram resultado direto da Revolução Industrial e das transformações que ocorreram na Ciência, na Religião, na Arte e Cultura e na Economia. Transformações que segundo Richard Tarnas (2008) 4 levaram o mundo ocidental ao que chamamos de Era Moderna. Como acontecera na revolução cultural da Idade Média muitos séculos antes, as invenções técnicas desempenharam um papel essencial na formação da nova era. Neste momento, especialmente quatro delas (todas com precursores no oriente) entraram em uso disseminado no Ocidente, com imensas ramificações culturais: a bússola magnética, [...] a pólvora, [...] o relógio mecânico e a imprensa, que produziu um fabuloso aumento no aprendizado, levando tanto as obras clássicas como as modernas a um público cada vez mais amplo [...] a imprensa rapidamente divulgava por toda a Europa novas ideias, muitas vezes revolucionárias. Sem ela, a reforma se 3 O alemão Johannes Gutenberg inventou a prensa de tipos móveis em Ph. D. pelo Saybrook Institute em Professor de filosofia e psicologia no California Institute of Integral Studies em San Francisco, fundador e diretor do programa de graduação em Filosofia, Cosmologia e Consciência.

17 teria limitado a uma disputa teológica relativamente pequena em alguma província germânica; a Revolução Científica, tão dependente da comunicação internacional entre muitos cientistas, também seria totalmente impossível. Além do mais, a disseminação da palavra impressa e o crescente aumento da alfabetização contribuíram para um novo ethos cultural, marcado por formas não-comunitárias de comunicação e experiências cada vez mais individualizadas e privadas, incentivando assim o crescimento do individualismo. A leitura silenciosa e a reflexão solitária ajudaram a liberar o indivíduo das maneiras tradicionais de pensar e do controle que a coletividade exercia sobre o pensamento; agora os leitores individuais obtinham acesso privado a inúmeras perspectivas e formas de experiência (TARNAS 2008 p ). 16 A história da mídia impressa tem demonstrado a íntima relação entre a propagação do conhecimento científico e a Revolução Industrial, como demonstra Manuel Castells 5 em sua obra A Sociedade em Rede A Era da Informação: economia, sociedade e cultura (1996 p ): [A] informação em seu sentido mais amplo, por exemplo, como comunicação do conhecimento, foi crucial a todas as sociedades, inclusive à Europa medieval que era culturalmente estruturada e, até certo ponto, unificada pelo escolasticismo, ou seja, no geral uma infra-estrutura intelectual. [...] A primeira Revolução Industrial, apesar de não se basear em ciência, apoiava-se em um amplo uso de informações, aplicando e desenvolvendo os conhecimentos pré-existentes. E a segunda Revolução Industrial 6, depois de 1850, foi caracterizada pelo papel decisivo da ciência ao promover a inovação. De fato, laboratórios de P&D aparecem pela primeira vez na indústria química alemã nas últimas décadas do século XIX [...]. Pois foi justamente a industrialização, resultante da segunda Onda civilizatória, que propiciou o surgimento do que podemos considerar o primeiro veículo de comunicação de massa: O jornal do tostão. Um jornal barato, de ampla distribuição e que, de acordo com DeFleur e Ball-Rokeach, foi o primeiro verdadeiro veículo de comunicação de massa da humanidade. Continuam os autores, Essas coisas, ocorreram em meados da década de 1830 na cidade de Nova York. O jornal de massa foi um grande sucesso e dali a poucos anos espalhara-se por muitas partes do mundo (idem, p. 39). 5 No período de 1967 a 1979 foi professor na Universidade de Paris. Em 1979, nomeado professor de Sociologia e Planejamento Regional na Universidade de Berkeley, Califórnia. Em 2001, tornou-se pesquisador da Universidade Aberta da Catalunha em Barcelona. Em 2003, professor de Comunicação na Universidade da Califórnia do Sul. Segundo o Social Sciences Citation Index foi o quarto cientista social mais citado no mundo no período , e o mais citado acadêmico da área de comunicação no mesmo período. 6 O fato que caracteriza a segunda Revolução Industrial é a mecanização das atividades industriais para a substituição do trabalho humano por máquinas movidas a vapor.

18 17 Portanto, sem dúvida, a invenção de tecnologias como a prensa de tipos móveis por Gutenberg inicialmente usada para produção de livros foi fundamental para o progresso da civilização humana e propiciou a criação do primeiro jornal de massa. Nesse contexto é importante lembrar que o surgimento do Jornal do Tostão, quase 300 anos depois da invenção de Gutenberg, só foi possível a partir de outros fatores que o viabilizaram. Uma contribuição importante nesse contexto está relacionada ao crescimento da produção industrial de grandes volumes de produtos padronizados, pois este fenômeno provocou o aumento das vendas dos produtos que passaram a necessitar de publicidade, assim, foi o valor pago pela publicidade que, por sua vez, financiou o jornal cujo custo de produção não permitiria que fosse vendido por um tostão. Em seu livro Consumidor versus Propaganda (1991) Gino Giacomini Filho 7 esclarece que no contexto brasileiro também houve íntima relação entre a imprensa de massa e a propaganda quando aponta o surgimento da imprensa brasileira no início do século XIX. Mas que se tornou de massa somente no primeiro quarto do século XX: Remonta ao início do século XIX a introdução da imprensa, através do Correio Brasiliense. Em 1808 surge a Gazeta do Rio de Janeiro, publicada em uma coluna com circulação aos sábados [...] o Brasil dá a partida para massificar a imprensa [ ]. Em 1825 surgia o Diário de Pernambuco, jornal mais antigo em circulação no país. [...] Surge em 1875 o jornal A Província de São Paulo, mais tarde transformado em O Estado de São Paulo [...] mas que não teve consistência [...], pois sua aplicação era ao mesmo tempo desnecessária e inviável sob o ponto de vista dos meios de comunicação de massa. [...] Como a publicidade dependeria inicialmente dos veículos impressos, só a partir dos anos 20 do século passado é que começaria a haver um desenvolvimento nessa área. (GIACOMINI 1991, p. 28). Uma segunda contribuição essencial ao surgimento do jornal de massa foi, segundo DeFleur e Ball-Rokeach (1983, p. 39), a criação de um mercado consumidor formado por [...] ampla base de artesãos, mecânicos e mercadores que constituíam as classes média e trabalhadora nascentes da emergente sociedade urbano-industrial, uma nova classe econômica cuja alfabetização foi requisito para empregar-se na indústria e que passou a utilizar o jornal para informar-se sobre assuntos de seu interesse. A terceira e definitiva contribuição também resultante da Revolução Científica e da 7 Bacharel, Mestre e Doutor em Propaganda e Publicidade pela Escola de Comunicação e Artes da USP.

19 18 industrialização foi a invenção da prensa movida a vapor, que revolucionou as técnicas para a impressão anterior e possibilitou a impressão rápida de grande número de exemplares de livros e jornais. Nossa metáfora de segunda Onda, aplicada às tecnologias de comunicação de massa, iniciou-se com a proliferação do conhecimento acerca da eletricidade e do eletromagnetismo. Esse conhecimento e invenções decorrentes de seu uso levaram a fabricação de novas mídias para comunicação de massa, fato que de acordo com Dizard 8 (2000, p. 53) ocorreu com a introdução da transmissão por ondas eletromagnéticas o rádio em 1920 e a televisão em A invenção da tecnologia para transmissão de ondas do rádio em 1873 é atribuída ao italiano Guglielmo Marconi, porém somente em 1915 o americano David Sarnoff encontrou uma utilidade para viabilizar o uso dessa tecnologia na comunicação de massa. Schiffer nos apresenta a ideia de Sarnoff: Eu tenho em mente um plano para desenvolver o rádio no sentido de se transformar numa utilidade doméstica, no mesmo sentido que o piano ou o fonógrafo. A ideia é levar música às casas pela comunicação sem fio... O receptor pode ser desenhado na forma de uma simples Radio Music Box equipada com válvulas de amplificação e um alto-falante. A caixa pode ser colocada numa mesa da sala, a sintonia regulada apropriadamente, e a transmissão da música recebida. (SCHIFFER 9 apud MEDITSCH , p. 32). Foi essa ideia que a empresa Westinghouse, na qual trabalhava Sarnoff, utilizou para produzir aparelhos de receptores de rádio e organizar uma emissão regular de música. No dia 2 de novembro de 1920 a emissora KDKA de Pittsburg, em colaboração com o jornal Pittsburg Post, irradiou os resultados das eleições presidenciais americanas, e desse momento em diante o crescimento foi rápido e constante até seu auge nos anos 1940, com quinhentas emissoras licenciadas nos Estados Unidos: 8 Wilson Dizard Jr., associado sênior do programa de políticas do Center for Strategic International Studies em Washington. 9 Michael Brian Schiffer - um dos fundadores e expoentes da arqueologia comportamental. A partir da década de 1980 realizou estudos sobre mudanças provocadas pelas tecnologias elétricas e eletrônicas. 10 Eduardo Meditsch é doutor pela Universidade Nova de Lisboa. Mestre pela Universidade de São Paulo e professor da Universidade Federal de Santa Catarina. Autor da obra O Rádio na Era da Informação Teoria do Novo Radiojornalismo 2001.

20 [...] foram os chamados 'anos dourados do rádio', período em que este veículo ocupou uma posição hegemônica na mídia, não só como meio de informação, mas sobretudo de propaganda e entretenimento. Nessa época o rádio foi considerado 'a oitava arte', nadou em recursos econômicos e desenvolveu como nunca as suas potencialidades, como centro das atenções de artistas e intelectuais (SCHIFFER apud MEDITSCH, 2001, p. 32). 19 Nessa época as emissoras de rádio possuíam a limitação de somente transmitir programas ao vivo. Essa limitação só foi resolvida em abril de 1948 com a fabricação em escala comercial de gravadores de áudio em fita magnética. Neste ano a Ampex, empresa americana que se dedicara à construção de componentes para radares durante a guerra, tornou-se pioneira na fabricação de gravadores de áudio de qualidade quando entregou as primeiras sete gravadoras modelo 200 à ABC American Broadcasting Company colocadas imediatamente em serviço para reprodução e transmissão de programas gravados antecipadamente. As tecnologias do rádio, acrescidas de outros desenvolvimentos tecnológicos, principalmente relacionados ao desenvolvimento de tubos catódicos para fabricação de aparelhos de TV, tornaram possível a invenção do terceiro e, possivelmente, mais importante meio de comunicação de massa até o presente a televisão. Embora experiências pioneiras tenham sido realizadas na Europa Alemanha (1928), Inglaterra (1929), Itália (1930) e França (1932) o uso da TV como utilidade pública ocorreu somente a partir de 1936 na Inglaterra. Quase uma década mais tarde, em 7 de setembro de 1941, a CBS Columbia Broadcast System fez o primeiro noticiário da televisão na América do Norte mostrando o envolvimento dos EUA na Segunda Guerra Mundial. Em 12 de junho de 1951 passou a emitir sinais de TV em cores, no que foi seguida pela NBC - National Broadcast Corporation em 1954, ambas nos Estados Unidos. O pesquisador e professor Dr. Sebastião Squirra 11 registra na obra O Século Dourado: A comunicação eletrônica nos EUA (1995, p. 36) a importância da televisão quando observa que num terreno amplamente dominado pela mídia impressa, a TV se firmava como ágil veículo de comunicação na abordagem, discussão e esclarecimento dos temas quentes do momento. De modo a enfatizar o poder de mediação por imagens e áudio da TV, Squirra (idem, ibidem), apresenta a eficácia da televisão após o atentado contra Kennedy, no dia 22 de 11 Jornalista de televisão, mestre e doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo, (1992). Pós-Doutorado pela University of North Carolina, Estados Unidos (1996). Professor da UMESP e da ECA/USP. Disponível em: Acesso

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

4/4/2007 5:09 PM. SEMANA DE 02/04 a 08/04 de 2007 NOTÍCIAS ROTEIROS PRODUTOS E SERVIÇOS PODCASTS BUSCA OK

4/4/2007 5:09 PM. SEMANA DE 02/04 a 08/04 de 2007 NOTÍCIAS ROTEIROS PRODUTOS E SERVIÇOS PODCASTS BUSCA OK SEMANA DE 02/04 a 08/04 de 2007 NOTÍCIAS ROTEIROS PRODUTOS E SERVIÇOS PODCASTS BUSCA OK ESTA SEMANA SAIBA COMO Solte o som no seu celular musical Memória, um item fundamental na hora da compra Lojas virtuais

Leia mais

Inventos e Inventores

Inventos e Inventores BIP Inventos e Inventores agosto/2007 O ser humano é, por natureza, curioso. E essa curiosidade aliada à necessidade de tornar a vida mais prática e confortável fez, e faz, com que uma infinidade de produtos

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

Computação nas nuvens (Vantagens)

Computação nas nuvens (Vantagens) Computação em Nuvem Computação em nuvem O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à possibilidade de utilizarmos computadores menos potentes que podem se conectar à Web e

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO ULISSES F. ARAÚJO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO Copyright 2004, 2014 by Ulisses F. Araújo Direitos

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio

Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio O desenvolvimento do rádio como MCM faz parte da expansão capitalista. Apesar do senso comum atribuir a invenção do rádio ao italiano

Leia mais

TI no Século XXI. Cesar Bezerra Teixeira 2006

TI no Século XXI. Cesar Bezerra Teixeira 2006 TI no Século XXI Cesar Bezerra Teixeira 2006 Sumário Propósito; Histórico; Tendências Atuais; O Futuro; 2 Propósito Cesar Bezerra Teixeira 2006 3 Propósito Apresentar um histórico da TI e as tendências

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br Fundamentos da Informática História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br História da Computação Hoje em dia, os computadores estão presentes em nossa vida de uma forma nunca vista

Leia mais

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim O Panorama da TV Digital no Brasil Leandro Miller Leonardo Jardim Tópicos Abordados TV Aberta no Brasil Vantagens da TV Digital Padrões de TV Digital Sistema Brasileiro de TV Digital Oportunidades na TV

Leia mais

O televisor ou aparelho de televisão capta as ondas eletromagnéticas e através de seus componentes internos as converte novamente em imagem e som.

O televisor ou aparelho de televisão capta as ondas eletromagnéticas e através de seus componentes internos as converte novamente em imagem e som. TELEVISÃO Temos a definição da palavra TELEVISÃO do grego como tele - distante e do latim visione visão; é um sistema eletrônico de recepção de imagens e som de forma instantânea. Funciona a partir da

Leia mais

NAVEGANDO NA INTERNET

NAVEGANDO NA INTERNET UNIDADE 2 NAVEGANDO NA INTERNET OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Definir a forma de utilizar um software de navegação; Debater os conteúdos disponibilizados

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

CLC5 Formador: Vítor Dourado

CLC5 Formador: Vítor Dourado 1 A designação da Internet advém de Interconnected Network, ou seja, rede interligada. A Internet é uma gigantesca teia mundial de redes de computadores, em constante crescimento e evolução, oferecendo

Leia mais

Universidade Católica de Petrópolis Centro de Engenharia e Computação Introdução as Telecomunicações. Professor: Erasmus Couto de Miranda Aluno: Rgu:

Universidade Católica de Petrópolis Centro de Engenharia e Computação Introdução as Telecomunicações. Professor: Erasmus Couto de Miranda Aluno: Rgu: Universidade Católica de Petrópolis Centro de Engenharia e Computação Introdução as Telecomunicações Professor: Erasmus Couto de Miranda Aluno: Rgu: ATIVIDADE 1: REALIZAR PESQUISA A RESPEITO DO SEGUINTE

Leia mais

O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas

O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas A humanidade sempre dependeu de se comunicar para poder sobreviver melhor, transmitir os conhecimentos acumulados sempre foi algo muito

Leia mais

A tradição da escrita e a Bíblia

A tradição da escrita e a Bíblia Perspectiva histórica A tradição da escrita e a Bíblia Erní Walter Seibert* Os historiadores ensinam que, anterior à experiência da escrita e mesmo ao lado dela, há sempre uma tradição oral. Prova disso

Leia mais

A produção e a vida na era globalizada Junho/2005

A produção e a vida na era globalizada Junho/2005 A produção e a vida na era globalizada Junho/2005 Clécia Rodrigues da Silva* Introdução O século XXI surge com novas formas de circulação de bens e consumo, a mundialização do capital, as novas formas

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

- Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES

- Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES - Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO Centenas de tipos diferentes de computadores foram projetados e construídos ao longo do ciclo evolutivo dos computadores digitais.

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

Novo mundo, nova web, novas habilidades

Novo mundo, nova web, novas habilidades Novo mundo, nova web, novas habilidades Novo mundo. Globalizado.. Comunicação possível 24 horas/dia, 7 dias/semana. Empresas tornam-se multinacionais. Trabalhadores podem estar em qualquer lugar. (orientais

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

ICE INSTITUTO CUIABADO DE EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 4º SEMESTRE RECURSOS HUMANOS CARLOS EDUARDO JULIANI

ICE INSTITUTO CUIABADO DE EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 4º SEMESTRE RECURSOS HUMANOS CARLOS EDUARDO JULIANI ICE INSTITUTO CUIABADO DE EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 4º SEMESTRE RECURSOS HUMANOS CARLOS EDUARDO JULIANI SOFTWARE LIVRE E SOFTWARE PROPRIETARIO Software Livre. O software livre foi desenvolvido,

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA

AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA BRASÍLIA - DF 2014 AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing

Leia mais

Software Livre e o ensino da comunicação social

Software Livre e o ensino da comunicação social Software Livre e o ensino da comunicação social Danilo Borges do Couto Resumo Com a expansão das tecnologias da informação, o campo profissional da comunicação social vê-se diante de uma inevitável demanda

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

CURSO EFA NS CULTURA, LÍNGUA E COMUNICAÇÃO. CLC 5 Cultura, comunicação e média

CURSO EFA NS CULTURA, LÍNGUA E COMUNICAÇÃO. CLC 5 Cultura, comunicação e média CURSO EFA NS CULTURA, LÍNGUA E COMUNICAÇÃO CLC 5 Cultura, comunicação e média Formadora Sandra Santos O ser humano, sempre insatisfeito, sentiu sempre a necessidade de comunicar mais rápido, mais longe,

Leia mais

O Uso de Tecnologias de Informação Geográficas no Ensino de Geografia

O Uso de Tecnologias de Informação Geográficas no Ensino de Geografia Samira Franqui Fanti Christian Junior Licheski Díaz Clayton Luiz da Silva Marcos Aurélio Pelegrina UNICENTRO - Universidade Estadual do Centro Oeste (samira_ff@hotmail.com), (licheski.diaz@gmail.com),

Leia mais

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda TOMITA, Iris Y. mestre Unicentro - PR RESUMO A expansão dos cursos de Publicidade e Propaganda nos anos 1990 reflete um contexto histórico

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br 1. Introdução O advento dos microprocessadores disseminou a informática a tal ponto

Leia mais

Características do jornalismo on-line

Características do jornalismo on-line Fragmentos do artigo de José Antonio Meira da Rocha professor de Jornalismo Gráfico no CESNORS/Universidade Federal de Santa Maria. Instantaneidade O grau de instantaneidade a capacidade de transmitir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo REGIMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM JORNALISMO Capítulo I Da concepção de estágio O Estágio visa oportunizar

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

Celular 3G como mídia: características da plataforma e condicionantes para a produção de conteúdo 1

Celular 3G como mídia: características da plataforma e condicionantes para a produção de conteúdo 1 Celular 3G como mídia: características da plataforma e condicionantes para a produção de conteúdo 1 Priscila Grison 2 Carlos Augusto Locatelli 3 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Resumo: Este

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma Aula 04 B Interfaces Prof. Ricardo Palma Interface SCSI SCSI é a sigla de Small Computer System Interface. A tecnologia SCSI (pronuncia-se "scuzzy") permite que você conecte uma larga gama de periféricos,

Leia mais

CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS

CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS INTRODUÇÃO A imagem e o áudio têm ocupado cada vez mais espaço na constituição e expressão do conhecimento humano, seja no âmbito da informação, do entretenimento

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Introdução à Computação DCA0800 - Algoritmos e Lógica de Programação Heitor Medeiros 1 Informática x Computação

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO RESUMO

IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO RESUMO IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO AMADIO Renato Arnaut 1 RESUMO A região do Vale do São Lourenço já está inserida na era digital, ela se caracteriza pela economia sustentada na agropecuária,

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens Aprenda a Trabalhar com Telemensagens 1 Incluindo dicas de Cestas, Flores, Presentes e Internet Do Iniciante ao Profissional www.as2.com.br 1 Aprenda a Trabalhar com Telemensagens FASCÍCULO 1 Adquira o

Leia mais

Acesse nosso blog: www.abmeseduca.com

Acesse nosso blog: www.abmeseduca.com Realização: Apoio: Acorda Pessoal!!! Pela primeira vez na história: a próxima geração terá menos oportunidades do que seus pais; a crise ecológica dificultará a sobrevivência das gerações futuras; O aquecimento

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira Sistemas Cooperativos Professor Alan Alves Oliveira 1. Sistemas de Informação e Sistemas Cooperativos 2 Sistemas de Informação 3 Sistemas de Informação Sistemas ampamente utilizados em organizações para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Planejamento de TI usando Cenários Prospectivos: Tecnologias de Desenvolvimento de Sistemas

Planejamento de TI usando Cenários Prospectivos: Tecnologias de Desenvolvimento de Sistemas Planejamento de TI usando Cenários Prospectivos: Tecnologias de Desenvolvimento de Sistemas Sidnei da Silva 11 de julho de 2007 1 Sumário 1 Dados Fundamentais 3 2 Definição do Problema 3 2.1 Questão...............................

Leia mais

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 Otavio OLIVEIRA 2 Cintia BARIQUELO 3 Jamile SANTINELLO 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste Resumo

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online?

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? Edgar Marcucci Reis 1 Jéssica Naiara dos Santos Batista 2 Resumo: O artigo apresenta uma visão sobre os ambientes online encontrados

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 92/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Radialismo, Bacharelado,

Leia mais

Security Officer Foundation

Security Officer Foundation Security Officer Foundation As comunicações e os meios de armazenamento das informações evoluíram mais nestes últimos anos do que em outro tempo na história conhecida. A internet comercial foi consolidada

Leia mais

Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE

Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE Garantindo que o código certo está no produto certo Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE 2 As soluções CLARiSUITE ajudam a garantir que o código certo esteja no produto

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes FLORIANÓPOLIS 2014 2 RESUMO: O projeto apresentado é resultado

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

Módulo 11- Disciplina da Segurança Penitenciária IV. Disciplina: Comunicação de Dados

Módulo 11- Disciplina da Segurança Penitenciária IV. Disciplina: Comunicação de Dados Módulo 11- Disciplina da Segurança Penitenciária IV Módulo 11- Disciplina da Segurança Penitenciária IV 1. CONCEITO DE COMUNICAÇÃO A Comunicação é entendida como a transmissão de estímulos e respostas

Leia mais

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Tendências, desenvolvimentos e dicas para tornar o seu ambiente de storage mais eficiente Smart decisions are built on Storage é muito mais do que

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Construindo Comunidades Virtuais de Aprendizagem : TôLigado O Jornal Interativo da sua Escola Brasilina Passarelli Brasília 2004 Artigo publicado,

Leia mais

Introdução. Sistemas Computacionais Classificação. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação

Introdução. Sistemas Computacionais Classificação. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação Sistemas Computacionais Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor :

Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor : Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor : Marco Antônio Chaves Câmara Lista de Exercícios 3 Nome do Aluno : 1. Sobre as unidades de disco rígido

Leia mais

Gestão de Documento. 1. Introdução

Gestão de Documento. 1. Introdução Gestão de Documento 1. Introdução Os documentos possuem um incrível poder em ambientes de negócios do governo e estão passando pela maior evolução que agitará os negócios governamentais e que os reformará

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Computadores: Ferramentas para a Era da Informação Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Componentes de um Sistema

Leia mais

Bom dia a todos, Gostaria de cumprimentar a mesa [...]

Bom dia a todos, Gostaria de cumprimentar a mesa [...] 1 Antonio Ernane Cacique de New-York Junior Presidente da Associação Software Livre do Maranhão Palestra proferida no I Seminário de Software Livre e Inclusão Digital Democratizando o conhecimento. Data:31

Leia mais

ELETROELETRÔNICO, TIC E AUDIOVISUAL

ELETROELETRÔNICO, TIC E AUDIOVISUAL ELETROELETRÔNICO, TIC E AUDIOVISUAL Introdução A Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), eletroeletrônico e audiovisual é um dos complexos mais importantes da economia, uma vez que pode proporcionar

Leia mais