SILMA CORTES DA COSTA BATTEZZATI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SILMA CORTES DA COSTA BATTEZZATI"

Transcrição

1 SILMA CORTES DA COSTA BATTEZZATI COMUNICAÇÃO SOCIAL COM SOFTWARE LIVRE Universidade Metodista de São Paulo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social São Bernardo do Campo, 2009.

2 SILMA CORTES DA COSTA BATTEZZATI COMUNICAÇÃO SOCIAL COM SOFTWARE LIVRE Tese apresentada em cumprimento parcial às exigências do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da UMESP Universidade Metodista de São Paulo, para a obtenção do grau de Doutora. Orientador: Prof. Dr. Sebastião Carlos de Morais Squirra Universidade Metodista de São Paulo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social São Bernardo do Campo, 2009.

3 FOLHA DE APROVAÇÃO A tese de doutorado sob o título Comunicação Social com Software Livre elaborada por Silma Cortes da Costa Battezzati foi defendida e aprovada em 14 de abril de 2009, perante a banca examinadora composta por Daniel dos Santos Galindo, Fábio Josgrilberg, Luiz Cláudio Martino, Sérgio Amadeu da Silveira. Assinatura do orientador: Nome do orientador: Sebastião Carlos de Morais Squirra. Data: São Bernardo do Campo, 15 de maio de Visto do Coordenador do Programa de Pós-graduação: Área de concentração: Processos Comunicacionais. Linha de Pesquisa: Processos da Comunicação Científica e Tecnológica. Projeto temático: Comunicação e Tecnologias Digitais..

4 DEDICATÓRIA Dedico este estudo aos meus familiares. Especialmente aos meus filhos Rafael, Bruno e Lígia por terem compreendido os longos momentos de ausência nos quais deixei de lhes dar merecida atenção. Ao Valverde, pelo incondicional apoio, amizade, atenção e carinho de todos os dias.

5 EPÍGRAFE Todos os dias de manhã, na África, o antílope desperta. Ele sabe que terá de correr mais rápido que o mais rápido dos leões, para não ser morto. Todos os dias, pela manhã, desperta o leão. Ele sabe que terá de correr mais rápido que o antílope mais lento para não morrer de fome. Não interessa que bicho você é, se leão ou antílope. Quando amanhecer, é melhor começar a correr. Provérbio Africano. (Friedman 2005, p. 135).

6 AGRADECIMENTOS Ao professor Dr. Sebastião Squirra pela prestimosa atenção e importantes orientações durante esta jornada acadêmica. À Márcia Maria Pitton Henrique, pela constante e carinhosa atenção. Ao professor Márcio Antônio Kowalski, pela valiosa colaboração.

7 LISTA DE TABELAS CATEGORIA 1. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SOFTWARES PARA PROCESSAMENTO DE AUDIOVISUAL Tabela 1. Categoria 1. Dados Gerais 143 Tabela 2. Categoria 1. Plataformas de Operação 145 Tabela 3. Categoria 1. Formatos de Alta Definição para Importação de Vídeo 146 Tabela 4. Categoria 1. Formatos de Arquivos de Trabalho e Saída 149 CATEGORIA 2. COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE SOM Tabela 1. Categoria 2. Dados Gerais 169 Tabela 2. Categoria 2. Plataformas de Operação 170 Tabela 3. Categoria 2. Interfaces aceitas pelos Softwares 171 Tabela 4. Categoria 2. Tipos de Arquivos para Leitura e Gravação 173 CATEGORIA 3. COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA 3D Tabela 1. Categoria 3. Dados Gerais 182 Tabela 2. Categoria 3. Plataformas de Operação 183 Tabela 3. Categoria 3. Tipos de Aplicação Suportada pelo Software 183 Tabela 4. Categoria 3. Funcionalidades e Recursos dos CGI 184 Tabela 5. Categoria 3. Sistema de Rendering 185 Tabela 6. Categoria 3. Suporte a Formatos de Arquivos Vetoriais 3D (Importação/Exportação) 186

8 CATEGORIA 4. COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES EDITORES DE IMAGEM MATRICIAL OU RASTER Tabela 1. Categoria 4. Dados Gerais 197 Tabela 2. Categoria 4. Plataformas de Operação 198 Tabela 3. Categoria 4. Funcionalidades Operacionais 199 Tabela 4. Categoria 4. Sistema de Cores 203 Tabela 5. Categoria 4. Suporte a Formatos de Arquivos Raster 204 CATEGORIA 5. COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES DE DESENHO VETORIAL Tabela 1. Categoria 5. Dados Gerais 209 Tabela 2. Categoria 5. Plataformas de Operação 209 Tabela 3. Categoria 5. Formatos de Arquivos Vetoriais: Importação 210 Tabela 4. Categoria 5. Formatos de Arquivos Vetoriais: Exportação 210

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 12 CAPÍTULO I. COMUNICAÇÃO SOCIAL NO BRASIL CURSOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ÁREA DA COMUNICAÇÃO SOCIAL A COMUNICAÇÃO SOCIAL E O MERCADO DE TRABALHO COMUNICAÇÃO SOCIAL E TECNOLOGIAS DIGITAIS 48 CAPÍTULO II. SOFTWARES DE COMPUTADORES: CONCEITOS GERAIS SOFTWARE PROPRIETÁRIO: PARTICULARIDADES SOFTWARE LIVRE: PARTICULARIDADES O SOFTWARE LIVRE E O PARADIGMA LIBERTÁRIO O MODELO DE DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE LIVRE MOVIMENTO PELO SOFTWARE LIVRE E AS CULTURAS DA INTERNET 84 CAPÍTULO III. O ENSINO DE COMUNICAÇÃO E A TECNOLOGIA DE SOFTWARE UMESP UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO O Curso de Radialismo da UMESP FACULDADES ESEEI: ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS EMPRESARIAIS E INFORMÁTICA O Curso de Radialismo da ESEEI 111 CAPÍTULO IV. COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES PROPRIETÁRIOS E LIVRES 114

10 4.1. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SOFTWARES PARA PROCESSAMENTO DE AUDIOVISUAL 4.2. COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE SOM COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA 3D COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES EDITORES DE IMAGEM MATRICIAL OU RASTER COMPARAÇÃO ENTRE SOFTWARES DE DESENHO VETORIAL 205 CONCLUSÃO 211 REFERÊNCIAS 218 APÊNDICE A. QUESTIONÁRIO SOFTWARES UTILIZADOS NOS CURSOS DE RADIALISMO DA UMESP E DA ESEEI 231 APÊNDICE B. QUESTIONÁRIO - CURSO DE RADIALISMO DA UMESP 237 ANEXO 1. FACULDADE DE COMUNICAÇÃO FAC PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE RADIALISMO ANEXO 2. GRADE CURRICULAR DO CURSO DE RADIALISMO DAS FACULDADES ESEEI ANEXO 3. DIRETRIZES CURRICULARES PARA CURSOS DE RADIALISMO 250 ANEXO 4. LINUX.LOCAL 263 ANEXO 5. SOFTWARES PROPRIETÁRIOS LICENÇAS 267 GLOSSÁRIO 273

11 RESUMO A tecnologização que a sociedade experimenta nas últimas décadas trouxe a profusão de máquinas informatizadas e seus sistemas de operação. Neste período a indústria desenvolveu sofisticados e caros softwares aplicativos proprietários para o pleno uso destas máquinas, o que colocou boa parte do mercado social nas mãos de poucas empresas multinacionais, entre elas, a Microsoft, e outras. Mas, o espírito libertário de membros das comunidades científicas e hackers promoveu o desenvolvimento do software livre e aberto, que pode ser usado como bem social mais amplo e, principalmente, evoluir no melhor do espírito colaborativo. O presente trabalho estuda os dois modelos de produção de software, os compara visando tornar evidentes as qualidades de cada um, seus custos, rendimentos e possibilidades de adoção. Projeta a possibilidade de que as habilitações da área da comunicação possam migrar para o modelo de software livre, dadas as plenas qualidades deste sistema, a radical redução de custos e as constatações que amplos segmentos da produção audiovisual os está adotando. Para tanto, compara as experiências aplicadas com ambos os sistemas em dois cursos de comunicação, em sua habilitação de Rádio e Televisão. Palavras-chave: Comunicação Social. Software Livre. Rádio e Televisão.

12 ABSTRACT The Information Technologies that western societies have been experimenting for the last few decades brought a profusion of digital machines and their operating systems. During this period, industry developed sophisticated and expensive proprietary application softwares for the full use of these machines, and took good part of the social market to the hands of few multinational companies, Microsoft among them. But the libertarian spirit of some members of scientific and hakers communities promoted the development of free and open software, that can be used as a ampler social good, and, mainly, evolve in optimum of the collaborative spirit. The present work studies the two models of software production, compares them aiming at the evidentes of qualities of each one, its costs and possibilities of adoption. It projects the possibility that courses of the Social Communication area could migrate to the free software model, given the qualities of this system, the radical reduction of costs and the conclusions that ample segments of communication production are adopting them. For this purpose, it compares the experiences applied with both systems in two courses of communication, in its qualification for audio and motion picture production. Keywords: Social Communication. Free Software. Radio and Television.

13 12 INTRODUÇÃO Esta pesquisa analisa possibilidades de uso de tecnologias de microcomputadores e softwares em processos de criação de produtos comunicacionais para rádio e televisão pelas faculdades brasileiras no contexto de cursos de Comunicação Social. Para facilitar entendimento sobre o estado da arte destas tecnologias nos cursos de Comunicação Social é importante discorrer, ainda que brevemente, sobre alguns fatos que possibilitaram a evolução, até o estágio atual, de algumas outras tecnologias de comunicação. Uma forma interessante para o agrupamento destes fatos é utilizar a metáfora de Ondas proposta por Alvin Toffler 1 e descrita na obra A Terceira Onda: A Morte do Industrialismo e o Nascimento de uma Nova Civilização (2001). Nesta obra o autor explica as fases do desenvolvimento civilizatório, às mudanças culturais, sociais e tecnológicas que se sucederam, mas que não substituíram integralmente as antigas. Algumas destas mudanças assemelham-se muito mais àquelas Ondas que ao invés de substituírem as águas das Ondas anteriores a elas se misturam. Portanto, conforme descrito no decorrer deste estudo, a metáfora de Ondas é empregada com o objetivo de facilitar a compreensão das etapas da evolução humana e das tecnologias de comunicação, desde nosso surgimento na terra nas três Ondas definidas por Toffler. A Primeira Onda, explica Toffler (2001 p. 8), [...] começou por volta de 800 a.c. e dominou a terra sem qualquer desafio até 1750 d.c. Provocou as mudanças que levaram o homem nômade, caçador e coletor de alimentos a fixar-se no campo e, desse modo, iniciar a Civilização Agrícola. A comunicação humana se desenvolveu durante essa Onda dentro de pequenos grupos na família e na comunidade. O surgimento da fala, da linguagem e a invenção da escrita fonética ilustram algumas tecnologias que marcaram a evolução e a busca dos humanos por recursos que facilitassem sua vida, e o processo de comunicação com outros humanos. Um processo complexo que envolveu interação através da fala, gestos ou de outros meios que permitiram a expressão de ideias e conhecimentos no contexto das relações sociais. Podemos resumir estes fatos com base nas explicações apresentadas por Melvin 1 Alvin Toffler é doutor em Letras, Leis e Ciência. Seus estudos e pesquisas dão enfoque, notadamente, às tecnologias e seu impacto e efeitos para os seres humanos.

14 13 DeFleur e Sandra Ball-Rokeach 2, autores da obra Comunicação de Massa (1989 p. 31), para quem a fala e a linguagem parecem ter se originado por volta de 40 mil anos atrás entre pessoas que fisicamente se assemelhavam com os seres humanos de hoje. Há pouco mais de 5 mil anos, continuam os pesquisadores, os chineses, maias, egípcios e sumérios dominaram a escrita, utilizando pictogramas para representar ideias. Por volta de anos a.c. os sumérios tiveram a ideia de substituir os pictogramas por pequenos símbolos estilizados para representar um determinado som em vez de uma ideia e criaram a escrita fonética. Assim, com a fixação do homem na terra, para beneficiar-se da agricultura, foram criados sistemas numéricos. E a necessidade de ampliar o comércio de produtos levou-o a inventar a escrita a partir de técnicas que haviam sido empregadas nos sistemas numéricos. A escrita fonética simplificou significativamente a escrita complexa dos pictogramas e possibilitou a expansão de seu uso. Mas somente alguns milhares de anos depois, com a descoberta do papiro foi possível transportar a informação com facilidade, e isso contribuiu para um processo de mudança na forma de escrita de modo a agilizá-la. O grande problema com os hieróglifos, e até certo ponto com as tabuletas cuneiformes, foi o da portabilidade. [...] tinha a capacidade de durar através do tempo, mas não podia ser facilmente transportada através do espaço. Cerca de anos a.c. os egípcios descobriram um método de fazer uma espécie de papel duradouro usando o papiro. [...] Os hieróglifos começaram a ser simplificados à medida que os escribas exigiram tipos mais lisos e fáceis para escrever depressa. (DEFLEUR e BALL- ROKEACH 1989 p. 35). A história tem nos mostrado que, uma vez adotadas amplamente pelas sociedades, as tecnologias provocam significativas modificações sociais, culturais e econômicas em todo o tecido social das civilizações que as empregam, porém, conforme DeFleur e Ball-Rokeach (1989, p. 36): O mais importante nessa mudança da pedra pesada para veículos leves e portáteis é ter aberto a possibilidade para uma significativa mudança da organização social e cultural da sociedade. [...] A estrutura institucional inteira foi influenciada. Por exemplo, no Egito em a.c. o papiro era amplamente utilizado para transmitir ordens escritas e registrar informações de vários tipos. A administração central empregava um 2 DeFleur é doutor em Psicologia Social pela Universidade de Washington. Professor e pesquisador da Escola de Comunicação Pública da Universidade de Siracusa. Ball-Rokeach, doutora em sociologia pela Universidade de Washington e professora da Universidade do Sul da Califórnia.

15 exército de escribas. Alfabetização era uma habilidade valiosa, proporcionando uma porta de entrada para a prosperidade e a elevação social. Os escribas tornaram-se uma classe privilegiada sobre o controle da elite. [...] Abriram-se bibliotecas. Doutrinas e escrituras religiosas foram registradas. Foram criadas escolas para ensinar aos escribas. Até as artes e a ciência começaram a se desenvolver. Tratamentos bem sucedidos para doença puderam ser anotados por escrito. Observações de numerosos aspectos da natureza e suas interpretações puderam ser registradas. A mente humana ficou liberada da pesada tarefa de ter de recordar-se de culturas inteiras e reproduzi-las nas mentes e memórias de cada nova geração. As ideias puderam ser armazenadas, acumuladas e consultadas por gerações subsequentes. Esse foi o grande passo para frente quando os seres humanos penetraram na Era da Escrita. 14 Outra característica do impacto das Ondas no desenvolvimento das civilizações é que as tecnologias são absorvidas e ampliadas à medida que de fato resolvem problemas presentes no ceio das sociedades ou grupos sociais, ou trazem vantagens econômicas significativas como ocorreu com a introdução da imprensa no século XV. Anteriormente ao século XV, as pessoas reproduziam livros na Europa preparando manu script cópias de livros pré-existentes, laboriosamente reproduzidos à mão. [...] o processo amiúde introduzia erros. [...] o número de livros disponíveis ficava severamente restrito e só podiam ser adquiridos por pessoas de consideráveis recursos. A impressão trouxe uma modificação fantástica. [...] milhares de cópias de um determinado livro podiam ser reproduzidas com grande precisão. [...] uma invenção fabulosa que espantou o mundo alfabetizado da época. (DEFLEUR e BALL- ROKEACH 1989, p ). Destacamos ainda que as tecnologias não surgem espontaneamente, e sim como resultado de necessidades de determinado estágio de evolução social, de muito trabalho de pesquisa e da existência dos requisitos técnicos, culturais e econômicos necessários ao desenvolvimento de novas tecnologias a partir de outras invenções anteriores. Nesse sentido, DeFleur e Ball-Rokeach (idem p. 37) observam que a invenção da imprensa não teria sido possível sem a tecnologia substituta do papiro, o papel, embora o processo de imprimir já fosse conhecido há muito tempo. Os chineses haviam feito isso e imprimido o Sutra Diamante, o primeiro livro do mundo, por volta do ano de 800 d.c. séculos antes da impressão surgir na sociedade ocidental. [...] Um ponto crítico do eventual surto da impressão no mundo ocidental foi quando o papel começou a substituir o pergaminho no mundo islâmico durante o século VII. (o papel surgira muito antes na China.) A partir daí difundiu-se pela Europa cristã.

16 15 O surgimento da imprensa 3 também não teria sido possível, continuam os pesquisadores, sem a invenção dos tipos móveis adequados à impressão sobre papel. Gutenberg acabou descobrindo um meio de misturar chumbo com outros metais numa espécie de liga que funcionou muito bem mesmo. [...] Prensas haviam sido utilizadas havia séculos para espremer azeite das azeitonas e vinho das uvas. [...] Ficou lindo! A impressão estava nítida e perfeita; não havia erros como os cometidos comumente nas cópias à mão. [...] Sua Bíblia de 42 linhas foi um dos mais belos exemplos jamais produzidos na arte de impressão. [...] Dez anos depois, Gutenberg morreu na pobreza, um homem arruinado. Nunca soube que serviço realmente importante prestara a todos nós [ ] Ao iniciar-se o século XVI, prensas com tipos móveis estavam produzindo milhares de exemplares de livros impressos em papel. [...] podiam ser lidos por qualquer pessoa alfabetizada em seu idioma. A disponibilidade desses livros incentivou interesse mais disseminado pela aprendizagem da leitura. [...] Pela primeira vez, as Escrituras estavam acessíveis em outras línguas e não o latim. Não mais podia a Igreja Romana guardar cautelosamente as escrituras sagradas graças ao emprego de uma língua antiga. A acessibilidade das Escrituras pelas pessoas comuns, em suas próprias línguas, acabou levando desafios à autoridade e às interpretações de Roma. Um novo veículo de comunicação, pois, abriu caminho para protestos contra a cultura religiosa e social existentes. O surto do Protestantismo levou as novas modificações profundas que tiveram impacto na sociedade ocidental até os dias de hoje (DEFLEUR e BALL-ROKEACH 1989, p.38-39). Ao refletir sobre as explicações de DeFleur e Ball-Rokeach podemos constatar que o surgimento e o desenvolvimento da civilização Ocidental Moderna estão diretamente relacionados com o surgimento da imprensa e foram resultado direto da Revolução Industrial e das transformações que ocorreram na Ciência, na Religião, na Arte e Cultura e na Economia. Transformações que segundo Richard Tarnas (2008) 4 levaram o mundo ocidental ao que chamamos de Era Moderna. Como acontecera na revolução cultural da Idade Média muitos séculos antes, as invenções técnicas desempenharam um papel essencial na formação da nova era. Neste momento, especialmente quatro delas (todas com precursores no oriente) entraram em uso disseminado no Ocidente, com imensas ramificações culturais: a bússola magnética, [...] a pólvora, [...] o relógio mecânico e a imprensa, que produziu um fabuloso aumento no aprendizado, levando tanto as obras clássicas como as modernas a um público cada vez mais amplo [...] a imprensa rapidamente divulgava por toda a Europa novas ideias, muitas vezes revolucionárias. Sem ela, a reforma se 3 O alemão Johannes Gutenberg inventou a prensa de tipos móveis em Ph. D. pelo Saybrook Institute em Professor de filosofia e psicologia no California Institute of Integral Studies em San Francisco, fundador e diretor do programa de graduação em Filosofia, Cosmologia e Consciência.

17 teria limitado a uma disputa teológica relativamente pequena em alguma província germânica; a Revolução Científica, tão dependente da comunicação internacional entre muitos cientistas, também seria totalmente impossível. Além do mais, a disseminação da palavra impressa e o crescente aumento da alfabetização contribuíram para um novo ethos cultural, marcado por formas não-comunitárias de comunicação e experiências cada vez mais individualizadas e privadas, incentivando assim o crescimento do individualismo. A leitura silenciosa e a reflexão solitária ajudaram a liberar o indivíduo das maneiras tradicionais de pensar e do controle que a coletividade exercia sobre o pensamento; agora os leitores individuais obtinham acesso privado a inúmeras perspectivas e formas de experiência (TARNAS 2008 p ). 16 A história da mídia impressa tem demonstrado a íntima relação entre a propagação do conhecimento científico e a Revolução Industrial, como demonstra Manuel Castells 5 em sua obra A Sociedade em Rede A Era da Informação: economia, sociedade e cultura (1996 p ): [A] informação em seu sentido mais amplo, por exemplo, como comunicação do conhecimento, foi crucial a todas as sociedades, inclusive à Europa medieval que era culturalmente estruturada e, até certo ponto, unificada pelo escolasticismo, ou seja, no geral uma infra-estrutura intelectual. [...] A primeira Revolução Industrial, apesar de não se basear em ciência, apoiava-se em um amplo uso de informações, aplicando e desenvolvendo os conhecimentos pré-existentes. E a segunda Revolução Industrial 6, depois de 1850, foi caracterizada pelo papel decisivo da ciência ao promover a inovação. De fato, laboratórios de P&D aparecem pela primeira vez na indústria química alemã nas últimas décadas do século XIX [...]. Pois foi justamente a industrialização, resultante da segunda Onda civilizatória, que propiciou o surgimento do que podemos considerar o primeiro veículo de comunicação de massa: O jornal do tostão. Um jornal barato, de ampla distribuição e que, de acordo com DeFleur e Ball-Rokeach, foi o primeiro verdadeiro veículo de comunicação de massa da humanidade. Continuam os autores, Essas coisas, ocorreram em meados da década de 1830 na cidade de Nova York. O jornal de massa foi um grande sucesso e dali a poucos anos espalhara-se por muitas partes do mundo (idem, p. 39). 5 No período de 1967 a 1979 foi professor na Universidade de Paris. Em 1979, nomeado professor de Sociologia e Planejamento Regional na Universidade de Berkeley, Califórnia. Em 2001, tornou-se pesquisador da Universidade Aberta da Catalunha em Barcelona. Em 2003, professor de Comunicação na Universidade da Califórnia do Sul. Segundo o Social Sciences Citation Index foi o quarto cientista social mais citado no mundo no período , e o mais citado acadêmico da área de comunicação no mesmo período. 6 O fato que caracteriza a segunda Revolução Industrial é a mecanização das atividades industriais para a substituição do trabalho humano por máquinas movidas a vapor.

18 17 Portanto, sem dúvida, a invenção de tecnologias como a prensa de tipos móveis por Gutenberg inicialmente usada para produção de livros foi fundamental para o progresso da civilização humana e propiciou a criação do primeiro jornal de massa. Nesse contexto é importante lembrar que o surgimento do Jornal do Tostão, quase 300 anos depois da invenção de Gutenberg, só foi possível a partir de outros fatores que o viabilizaram. Uma contribuição importante nesse contexto está relacionada ao crescimento da produção industrial de grandes volumes de produtos padronizados, pois este fenômeno provocou o aumento das vendas dos produtos que passaram a necessitar de publicidade, assim, foi o valor pago pela publicidade que, por sua vez, financiou o jornal cujo custo de produção não permitiria que fosse vendido por um tostão. Em seu livro Consumidor versus Propaganda (1991) Gino Giacomini Filho 7 esclarece que no contexto brasileiro também houve íntima relação entre a imprensa de massa e a propaganda quando aponta o surgimento da imprensa brasileira no início do século XIX. Mas que se tornou de massa somente no primeiro quarto do século XX: Remonta ao início do século XIX a introdução da imprensa, através do Correio Brasiliense. Em 1808 surge a Gazeta do Rio de Janeiro, publicada em uma coluna com circulação aos sábados [...] o Brasil dá a partida para massificar a imprensa [ ]. Em 1825 surgia o Diário de Pernambuco, jornal mais antigo em circulação no país. [...] Surge em 1875 o jornal A Província de São Paulo, mais tarde transformado em O Estado de São Paulo [...] mas que não teve consistência [...], pois sua aplicação era ao mesmo tempo desnecessária e inviável sob o ponto de vista dos meios de comunicação de massa. [...] Como a publicidade dependeria inicialmente dos veículos impressos, só a partir dos anos 20 do século passado é que começaria a haver um desenvolvimento nessa área. (GIACOMINI 1991, p. 28). Uma segunda contribuição essencial ao surgimento do jornal de massa foi, segundo DeFleur e Ball-Rokeach (1983, p. 39), a criação de um mercado consumidor formado por [...] ampla base de artesãos, mecânicos e mercadores que constituíam as classes média e trabalhadora nascentes da emergente sociedade urbano-industrial, uma nova classe econômica cuja alfabetização foi requisito para empregar-se na indústria e que passou a utilizar o jornal para informar-se sobre assuntos de seu interesse. A terceira e definitiva contribuição também resultante da Revolução Científica e da 7 Bacharel, Mestre e Doutor em Propaganda e Publicidade pela Escola de Comunicação e Artes da USP.

19 18 industrialização foi a invenção da prensa movida a vapor, que revolucionou as técnicas para a impressão anterior e possibilitou a impressão rápida de grande número de exemplares de livros e jornais. Nossa metáfora de segunda Onda, aplicada às tecnologias de comunicação de massa, iniciou-se com a proliferação do conhecimento acerca da eletricidade e do eletromagnetismo. Esse conhecimento e invenções decorrentes de seu uso levaram a fabricação de novas mídias para comunicação de massa, fato que de acordo com Dizard 8 (2000, p. 53) ocorreu com a introdução da transmissão por ondas eletromagnéticas o rádio em 1920 e a televisão em A invenção da tecnologia para transmissão de ondas do rádio em 1873 é atribuída ao italiano Guglielmo Marconi, porém somente em 1915 o americano David Sarnoff encontrou uma utilidade para viabilizar o uso dessa tecnologia na comunicação de massa. Schiffer nos apresenta a ideia de Sarnoff: Eu tenho em mente um plano para desenvolver o rádio no sentido de se transformar numa utilidade doméstica, no mesmo sentido que o piano ou o fonógrafo. A ideia é levar música às casas pela comunicação sem fio... O receptor pode ser desenhado na forma de uma simples Radio Music Box equipada com válvulas de amplificação e um alto-falante. A caixa pode ser colocada numa mesa da sala, a sintonia regulada apropriadamente, e a transmissão da música recebida. (SCHIFFER 9 apud MEDITSCH , p. 32). Foi essa ideia que a empresa Westinghouse, na qual trabalhava Sarnoff, utilizou para produzir aparelhos de receptores de rádio e organizar uma emissão regular de música. No dia 2 de novembro de 1920 a emissora KDKA de Pittsburg, em colaboração com o jornal Pittsburg Post, irradiou os resultados das eleições presidenciais americanas, e desse momento em diante o crescimento foi rápido e constante até seu auge nos anos 1940, com quinhentas emissoras licenciadas nos Estados Unidos: 8 Wilson Dizard Jr., associado sênior do programa de políticas do Center for Strategic International Studies em Washington. 9 Michael Brian Schiffer - um dos fundadores e expoentes da arqueologia comportamental. A partir da década de 1980 realizou estudos sobre mudanças provocadas pelas tecnologias elétricas e eletrônicas. 10 Eduardo Meditsch é doutor pela Universidade Nova de Lisboa. Mestre pela Universidade de São Paulo e professor da Universidade Federal de Santa Catarina. Autor da obra O Rádio na Era da Informação Teoria do Novo Radiojornalismo 2001.

20 [...] foram os chamados 'anos dourados do rádio', período em que este veículo ocupou uma posição hegemônica na mídia, não só como meio de informação, mas sobretudo de propaganda e entretenimento. Nessa época o rádio foi considerado 'a oitava arte', nadou em recursos econômicos e desenvolveu como nunca as suas potencialidades, como centro das atenções de artistas e intelectuais (SCHIFFER apud MEDITSCH, 2001, p. 32). 19 Nessa época as emissoras de rádio possuíam a limitação de somente transmitir programas ao vivo. Essa limitação só foi resolvida em abril de 1948 com a fabricação em escala comercial de gravadores de áudio em fita magnética. Neste ano a Ampex, empresa americana que se dedicara à construção de componentes para radares durante a guerra, tornou-se pioneira na fabricação de gravadores de áudio de qualidade quando entregou as primeiras sete gravadoras modelo 200 à ABC American Broadcasting Company colocadas imediatamente em serviço para reprodução e transmissão de programas gravados antecipadamente. As tecnologias do rádio, acrescidas de outros desenvolvimentos tecnológicos, principalmente relacionados ao desenvolvimento de tubos catódicos para fabricação de aparelhos de TV, tornaram possível a invenção do terceiro e, possivelmente, mais importante meio de comunicação de massa até o presente a televisão. Embora experiências pioneiras tenham sido realizadas na Europa Alemanha (1928), Inglaterra (1929), Itália (1930) e França (1932) o uso da TV como utilidade pública ocorreu somente a partir de 1936 na Inglaterra. Quase uma década mais tarde, em 7 de setembro de 1941, a CBS Columbia Broadcast System fez o primeiro noticiário da televisão na América do Norte mostrando o envolvimento dos EUA na Segunda Guerra Mundial. Em 12 de junho de 1951 passou a emitir sinais de TV em cores, no que foi seguida pela NBC - National Broadcast Corporation em 1954, ambas nos Estados Unidos. O pesquisador e professor Dr. Sebastião Squirra 11 registra na obra O Século Dourado: A comunicação eletrônica nos EUA (1995, p. 36) a importância da televisão quando observa que num terreno amplamente dominado pela mídia impressa, a TV se firmava como ágil veículo de comunicação na abordagem, discussão e esclarecimento dos temas quentes do momento. De modo a enfatizar o poder de mediação por imagens e áudio da TV, Squirra (idem, ibidem), apresenta a eficácia da televisão após o atentado contra Kennedy, no dia 22 de 11 Jornalista de televisão, mestre e doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo, (1992). Pós-Doutorado pela University of North Carolina, Estados Unidos (1996). Professor da UMESP e da ECA/USP. Disponível em: Acesso

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

I CIPPEB - CONGRESSO INTERNACIONAL DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RELATO DE EXPERIÊNCIA

I CIPPEB - CONGRESSO INTERNACIONAL DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA SEMANA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA Mestranda Rita Aparecida Nunes de Souza da Luz PROGEPE UNINOVE Resumo O objetivo desse trabalho é relatar a experiência

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br Fundamentos da Informática História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br História da Computação Hoje em dia, os computadores estão presentes em nossa vida de uma forma nunca vista

Leia mais

AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA

AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA BRASÍLIA - DF 2014 AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim O Panorama da TV Digital no Brasil Leandro Miller Leonardo Jardim Tópicos Abordados TV Aberta no Brasil Vantagens da TV Digital Padrões de TV Digital Sistema Brasileiro de TV Digital Oportunidades na TV

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

O varejo e a era da disrupção

O varejo e a era da disrupção 10Minutos Varejo Total Retail 2015 - Pesquisa anual da PwC com os consumidores O varejo e a era da disrupção Destaques Os consumidores estão definindo sua própria abordagem de relacionamento com o varejo,

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina Blois, Marlene Montezi e-mail: mmblois@univir.br Niskier, Celso e-mail: cniskier@unicarioca.edu.br

Leia mais

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS Anissa CAVALCANTE 2 Jessica WERNZ 3 Márcio CARNEIRO 4, São Luís, MA PALAVRAS-CHAVE: CMS, webjornalismo, TV Vila Embratel, comunicação 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

O que é educação a distância (*)

O que é educação a distância (*) O que é educação a distância (*) José Manuel Moran Professor da Universidade Bandeirante e das Faculdades Sumaré-SP Assessor do Ministério de Educação para avaliação de cursos a distância jmmoran@usp.br

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

A Tecnologia e a Educação (*)

A Tecnologia e a Educação (*) A Tecnologia e a Educação (*) Eduardo O C Chaves I. A Tecnologia Há muitas formas de compreender a tecnologia. Para alguns ela é fruto do conhecimento científico especializado. É, porém, preferível compreendê-la

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS Carlos Jerônimo da Silva Gueiros Um mundo em transformação 1998 / 1999 Mutirão Digital apoiar as escolas públicas no acesso à Internet 2010-12 anos depois...

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 92/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Radialismo, Bacharelado,

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

A produção e a vida na era globalizada Junho/2005

A produção e a vida na era globalizada Junho/2005 A produção e a vida na era globalizada Junho/2005 Clécia Rodrigues da Silva* Introdução O século XXI surge com novas formas de circulação de bens e consumo, a mundialização do capital, as novas formas

Leia mais

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar.

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar. O Inventor 1) Introdução Quem é um inventor? Aquela pessoa que cria ou descobre fórmulas diferentes ou objetos novos para a solução de problemas? Ou pessoas comuns, como eu e você, que conseguem viver

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios

Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios Autor: Dominique Turpin Presidente do IMD - International Institute for Management Development www.imd.org Lausanne, Suíça Tradução:

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

Aula 7 Componentes de um Sistema de Informação Recursos e Atividades

Aula 7 Componentes de um Sistema de Informação Recursos e Atividades Aula 7 Componentes de um Sistema de Informação Recursos e Atividades Curso: Gestão de TI - UNIP Disciplina: Sistemas de Informação Professor: Shie Yoen Fang Ementa: Item 11 e Item 12 2ª semestre de 2011

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

Dia de Descoberta Familiar da RootsTech DIRETRIZES TÉCNICAS ATUALIZAÇÃO DE OUTUBRO DE 2014

Dia de Descoberta Familiar da RootsTech DIRETRIZES TÉCNICAS ATUALIZAÇÃO DE OUTUBRO DE 2014 Dia de Descoberta Familiar da RootsTech DIRETRIZES TÉCNICAS ATUALIZAÇÃO DE OUTUBRO DE 2014 1. Visão Geral O conteúdo para seu Dia de Descoberta Familiar local será fornecido pela RootsTech, uma conferência

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I Prof. Hugo Souza Voltando alguns [vários] anos atrás, teremos uma breve revisão sobre a história e a contextualização do

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte...

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte... ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3 Acervo... 3 Meus Livros... 4 Livros em destaque... 7 Fórum... 7 Notícias... 8 Ajuda... 9 Suporte... 9 POR QUE USAR... 10 EQUIPE RESPONSÁVEL... 12 CONTATO... 13 O

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Convergência óptica de redes

Convergência óptica de redes Convergência óptica de redes Motivação: Em 1837 Samuel Morse inventou o telégrafo. No ano de 1844 transmitiu a primeira mensagem telegráfica pública e demonstrou como ele seria capaz de enviar sinais rapidamente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico Biblioteca UPIS 1 SUMÁRIO 1. Biblioteca... 3 2. Infra-Estrutura... 3 2.1 Espaço físico... 3 Campus I... 3 Instalações para estudos individuais... 3 Instalações para estudos em grupo... 3 3. Acervo Bibliográfico...

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO APRESENTAÇÃO SOBRE O TEMA: GUERRA COMERCIAL DA INFORMÁTICA VITÓRIA ES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO APRESENTAÇÃO SOBRE O TEMA: GUERRA COMERCIAL DA INFORMÁTICA VITÓRIA ES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO APRESENTAÇÃO SOBRE O TEMA: GUERRA COMERCIAL DA INFORMÁTICA VITÓRIA ES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO APRESENTAÇÃO SOBRE O TEMA: GUERRA COMERCIAL DA INFORMÁTICA

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 10 Fato Real A batalha pelos dados Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

Software Livre em Empresas. Cesar Bezerra Teixeira

Software Livre em Empresas. Cesar Bezerra Teixeira Software Livre em Empresas Cesar Bezerra Teixeira 2004 Objetivo Apresentar tópicos diversos, para implantação de uma política de utilização de software livre, em empresas. Cesar Bezerra Teixeira 2 Sumário

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 3 Sistema de Informação Conceito, Componentes e Evolução Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Conceito: Um Sistema de Informação (SI) é um sistema cujo elemento

Leia mais

34 respostas. Resumo. 1. Qual sua principal ocupação ou vínculo institucional? 2. Como tomou conhecimento desta oficina? 1 of 7 15-06-2015 17:22

34 respostas. Resumo. 1. Qual sua principal ocupação ou vínculo institucional? 2. Como tomou conhecimento desta oficina? 1 of 7 15-06-2015 17:22 opensocialsciences@gmail.com 34 respostas Publicar análise Resumo 1. Qual sua principal ocupação ou vínculo institucional? Estudante d Estudante d Professor e Professor ou Trabalho e Funcionário Profissional

Leia mais

Um mercado de oportunidades

Um mercado de oportunidades Um mercado de oportunidades Como grandes, pequenas e médias empresas se comunicam? Quem são os principais interlocutores e como procurá-los? Como desenvolver uma grande campanha e inovar a imagem de uma

Leia mais

Ranking das 100 Melhores Universidades Jovens da Terra: versão 2013

Ranking das 100 Melhores Universidades Jovens da Terra: versão 2013 1 Ranking das 100 Melhores Universidades Jovens da Terra: versão 2013 Clóvis Pereira UFPR Recentemente foi divulgado por Times Higher Education THE, da Thomson Reuters, a versão 2013 de seu Ranking com

Leia mais

A Importância da Informática na Profissão Contábil

A Importância da Informática na Profissão Contábil A Importância da Informática na Profissão Contábil Sumário: I Introdução. II Importância da Informática na Contabilidade. III A Valorização do Profissional Contábil com o Uso da Informática. IV A Vantagem

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

TI no Século XXI. Cesar Bezerra Teixeira 2006

TI no Século XXI. Cesar Bezerra Teixeira 2006 TI no Século XXI Cesar Bezerra Teixeira 2006 Sumário Propósito; Histórico; Tendências Atuais; O Futuro; 2 Propósito Cesar Bezerra Teixeira 2006 3 Propósito Apresentar um histórico da TI e as tendências

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Evolução histórica das redes de computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Objetivos de Aprendizagem Ao final deste módulo você estará apto a conceituar

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING)

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) Thiago Batista de Oliveira¹, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil thiagoolyveira@gmail.com,juliocesarp@unipar.br

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B CONSTRUA COM CARINHO SUA REDE PESSOAL Guilherme Demo Limeira SP 2006 2 GUILHERME DEMO CONSTRUA COM CARINHO A SUA REDE PESSOAL Projeto

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso 6D Estúdio promessa de ir além das 3 dimensões Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso ao design em movimento, em vídeo ou internet. Eles unem diferentes conhecimentos técnicos

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais