Entretenimento e Publicidade: presente ou futuro?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Entretenimento e Publicidade: presente ou futuro?"

Transcrição

1 São Revista Acadêmica do Grupo Comunicacional de São Bernardo Ano 1 - nº 1 - (janeiro/junho de 2004) Textos previamente publicados em anais, livros ou periódicos nacionais e/ou internacionais Entretenimento e Publicidade: presente ou futuro? Daniel Galindo* (Universidade Metodista de São Paulo - Brasil) Resumo Entendendo a propaganda como informação e persuasão Comunicação de massa, consumo de massa A produção customizada e a busca pela desmassificação da propaganda A sociedade da informação e do entretenimento Entretenimento ou propaganda? Referências bibliográficas Texto publicado na revista Idade Mídia n.3 da UniFIAM-FAAM em junho de 2003 Palavras-chave: Entretenimento. Propaganda. Sociedade do Espetáculo.

2 Resumo Este artigo discute o papel do entretenimento, recorrente nos meios de comunicação de massa, delimitando o seu enfoque na publicidade, entendendo o seu aspecto persuasivo frente à sociedade da informação, promotora por excelência do espetáculo e dos fenômenos promotores de lazeres. Nesta circunstância, temos o entretenimento como um elemento socializador e mercadológico, que envolve a audiência no consumo, tanto das informações como de bens e serviços, ao mesmo tempo que a distrai, proporcionando devaneio e gratificação emocional. A atividade comunicacional voltada ao mercado nasceu e floresceu no descompasso da produção e do consumo, o produzir mais levou ao vender mais. No entanto, a crescente presença de concorrentes associada à inevitável padronização ou estandardização dos produtos e serviços culminaram com uma forma muito peculiar de se comunicar com o mercado. Este momento caracterizou-se pelo ato de persuadir, quer seja diferenciando-se o produto/serviço, quer seja no ato de comunicar, passando da proclamação para o discurso da mais valia, tudo isso a partir da evolução dos suportes midíaticos, mais precisamente da mídia massiva, culminando hoje com a mediação individualizada proposta pelo marketing do um a um. Contextualizar hoje o papel da propaganda significa contextualizar a sociedade contemporânea, denominada por alguns teóricos como sociedade pós-moderna ou por outros como sociedade da informação. Entretanto, visualizamos como elemento comum e integrador desta contextualização o caráter hedonista de nossa atual sociedade, que tem como gênese o discurso do tempo livre e a conseqüente oferta do prazer, do divertimento, do entretenimento e do lúdico como busca pela eterna gratificação. Entendendo a propaganda como informação e persuasão Quando falamos em informação/persuasão, estamos nos referindo a características tão intrínsecas à atividade publicitária, como o oxigênio e o hidrogênio na composição da água. Devemos, contudo, retomar o final do século XIX, quando a publicidade conheceu sua verdadeira expansão. A tecnologia e as técnicas de produção em massa já tinham atingido um nível de desenvolvimento em que um maior número de empresas produzia mercadorias de qualidade mais ou menos igual a preços mais ou menos iguais. Com isso, veio a superprodução e a subdemanda (...) tornando-se necessário estimular o mercado de modo que a técnica publicitária mudou da proclamação para a persuasão. (Vestergaard & Schroder, 1996, p. 4) Ainda nesta linha temos o trabalho de Gérard Lagneau, A sociologia da publicidade, em que o autor considera: O reclamo já não encontrava lugar numa sociedade industrial que se dispunha finalmente a medir as ameaças que sobre ela pairavam, se o seu conteúdo não atingisse o nível de racionalidade a que chegara a sua produção. O catálogo de receitas empiricamente elaboradas pelos agentes de anúncios do século XIX já não atendia às necessidades. Para substituir o amontoado heteróclito de anúncios geniais ou imbecis pespegados nos muros e nos jornais, era mister organizar campanhas articuladas e coerentes, baseadas numa análise dos mercados (um estudo de seus hábitos, de seus recursos, dos veículos adequados para atingi-los), concebidas à maneira de variações de argumentos moduladas em torno de um tema central (o eixo da campanha, escolhido em função do alvos visados), e finalmente prolongadas através de ações promocionais (junto aos revendedores e no local de venda) e relacionais (junto aos líderes do gosto e da opinião, dos críticos e censores, dos jornalistas ou figuras de proa). (Lagneau, 1981, p. 23)

3 Esta nova postura faz com que a atividade publicitária venha a sofrer uma radical e definitiva mudança, estando a partir deste momento atrelada a objetivos de vendas claros e definida, como também a se constituir em uma indústria, um grande e lucrativo negócio, com características bem diferenciadas, simplesmente baseada na criação, produção e distribuição de mensagens (persuasivas) destinadas ao mercado consumidor, patrocinadas por um anunciante (emissor). Ao falarmos deste primeiro momento da propaganda, não podemos deixar de abordar a primeira fase de seu processo persuasivo. A chave estava em valorizar um bem (produto ou serviço) frente aos demais, trazendo o fazer-valer, ou seja, agregando todo e qualquer processo socialmente utilizado para valorizá-lo. A partir deste momento nenhum objeto seria o mesmo, afinal ele precisava se destacar em meio à concorrência. Embora sejam tão exageradas quanto rudimentares, essas práticas sociais da valorização não deixam de esclarecer a dificuldade peculiar à profissão de publicitário e que consiste em modificar a relação que estabelecemos com um objeto qualquer. (Idem, ibid., p. 9). Ainda nesta mesma linha, temos Vestergaard, citando Barthes, que credita à função publicitária a semantização dos objetos, ou seja: Dessa forma, os objetos que usamos e consumimos deixam de ser meros objetos de uso para se transformar em veículos de informação sobre o tipo de pessoa que somos ou gostaríamos de ser (Vestergaard & Schroder, 1996, p. 5). E ainda complementando esta proposta: De um modo geral o anunciante quer dar ao seu produto uma imagem destinada a funcionar como vantagem extra para ele no mercado, onde é preciso diferenciá-lo um pouco dos produtos concorrentes, que são (quase) iguais quanto ao seu valor de uso material. Para Tânia Márcia C. Hoff, professora de redação publicitária da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da usp: o produto vem sempre envolvido em uma rede de idéias de caráter afetivo, pois, segundo ela, seus atributos não são mencionados, as campanhas publicitárias usam as paixões e opiniões do consumidor, envolvendo-o com argumentos emocionais que ficam associados ao produto. A autora conclui que predomina o que não tem comprovação, e não argumentos que comprovem racionalmente uma idéia, como o preço (Gazeta Mercantil, 14 dez. 1999, p.18). Estamos ampliando nossa abordagem porque será nesta proposta de diferenciação ou da mais-valia de um produto que toda a atividade da indústria da propaganda estará baseada. Por conseqüência, o processo persuasivo estará possibilitando a construção desta aura eminentemente simbólica, ou, como define Pierre Martineau, o halo de significações psicológicas, as associações de sentimentos, as mensagens estéticas escritas indelevelmente sobre e por cima das qualidades físicas (apud Dunn, 1967, p. 71). Não podemos deixar de mencionar que toda a propaganda moderna carrega em seu interior as propostas de um velho publicitário que edita, em 1923, um manual de como fazer propaganda com os recursos existentes naquele período, porém com técnicas que seriam retrabalhadas mais tarde e apresentadas como novidades. Seu livro tornou-se uma referência para os publicitários e, apesar do título questionável (A ciência da propaganda), descreve, por exemplo, que tentamos dar a cada anunciante um estilo apropriado. Tornando-o distinto, talvez não em aparência, mas em maneira e tom. É-lhe dada uma individualidade que melhor convenha às pessoas a que se dirige (Hopkins, 1966, p. 110). Portanto, será em busca da individualidade que se deve atender aos anseios deste ou daquele consumidor, que os denominados mecanismos de persuasão da propaganda moderna serão desenvolvidos, tendo como base os princípios da psicologia humana e o estudo das reações do consumidor visado e, como leitura direta, os resultados de vendas que, de certa forma, representam um feedback do esforço comunicacional. Comunicação de massa, consumo de massa Acompanhando a evolução econômica, que requer o consumo em massa diante da produtividade em massa, os meios de comunicação de massa (mcm), cercados de todo o aparato tecnológico, revolucionaram a difusão das mensagens ao alcançarem grandes proporções de consumidores por um

4 custo relativamente baixo. Com características bem definidas e funções próprias, os mcm vêm despertando polêmicas sobre suas causas e efeitos. Apesar de historicamente recentes, as pesquisas sobre os mcm já apresentam algumas conclusões, dividindo-se em duas vertentes bem distintas: de um lado estão os teóricos que pesquisam os efeitos que esses meios provocam nas pessoas e, de outro, pesquisadores que buscam respostas sobre o que é que as pessoas fazem com esses meios. Dentro da segunda abordagem, a teoria funcionalista ao mesmo tempo em que passa do estudo dos efeitos para os estudo das funções (...) passa-se para a situação comunicativa mais normal e usual da produção e difusão cotidiana das mensagens de massa (Wolf, 1995, p. 55). Buscando um referencial nas Ciências Sociais, essa linha de pesquisa baseia-se no pressuposto de que a influência das comunicações de massa só será possível se levar em consideração o contexto onde o receptor está inserido e seu inventário cultural, fruto do acúmulo de suas experiências. Mesmo a comunicação sendo homogênea na produção e distribuição, a recepção provocará reações diversas devido às diversidades culturais, econômicas, políticas, sociais e geográficas dos receptores. A análise da teoria funcionalista está centrada principalmente na hipótese dos usos e gratificações, que procura associar o consumo e os efeitos dos mcm à utilidade dos mesmos pelos receptores, na intenção de satisfazer uma necessidade. Segundo Katz, mesmo a mensagem do mais potente dos mass media não pode influenciar um indivíduo que não faça uso dela no contexto sócio-psicológico em que vive (Katz et al 1973, p. 38). Incluindo em sua colocação diversas necessidades dos indivíduos que os mcm satisfazem diante das funções psicológicas e sociais da comunicação de massa: a. necessidades cognitivas (aquisição e reforço de conhecimentos e de compreensão); b. necessidades afetivas e estéticas (reforço da experiência estética, emotiva); c. necessidades de integração a nível da personalidade (segurança, estabilidade emotiva, incremento da credibilidade e da posição social); d. necessidades de integração a nível social (reforço dos contatos interpessoais, com a família, os amigos etc.); e. necessidades de evasão (abrandamento das tensões e dos conflitos). Neste sentido, alguns teóricos buscaram relacionar as funções dos mcm, entre eles, Laswell (1948) apresentou três funções principais desempenhadas pelos mcm: fornecer informações, fornecer interpretações que tornem significativas e coerentes as informações, exprimir os valores culturais e simbólicos próprios da identidade e da continuidade sociais apud Wolf (1995, p. 64). Às funções relacionadas pelo autor foi acrescentada mais uma, considerada também de extrema importância: a de entreter o espectador, fornecendo-lhe um meio de se evadir das ansiedades e dos problemas da vida social (Wright, 1975, p. 91). De Fleur & Ball Rokeach (1993, p. 43) também reforçam essa função citando que os meios de comunicação de massa, dentre as suas atribuições, proporcionam divertimento diário inócuo para as massas cansadas da força de trabalho. Atualmente, vivendo sob tensão e angústia, próprios da modernidade, os indivíduos procuram no entretenimento e no lazer um meio para aliviar as pressões do cotidiano. Em uma sociedade em que se registra o aumento do lazer e da valorização da informação como conseqüência de conquistas sociais e tecnológicas (Galindo; Dejavite, 2000), os meios de comunicação de massa representam um instrumento importante para a satisfação dessas necessidades, da mesma forma que aumentam sua participação no contexto social. Segundo pesquisa da revista Meio & Mensagem (jan. 2002), referente aos investimentos globais em propaganda no ano de 2001, temos: Propaganda em mídia de massa (45%); Propaganda em mídias direcionadas (18%); Merchansiding no pdv (12%); Marketing direto (8%); Promoção de vendas (6%); Eventos (6%) e Marketing social (5%). Esta constatação do volume na distribuição do uso dos meios a serviço do mercado revela o poder da mídia massiva frente à realidade de um mercado, carente e ao mesmo tempo privado do consumo de mídias mais seletivas, cujo hábito de consumo passa quase sempre pela possibilidade da aquisição e pelo processo de decodificação. (...) dado que cada meio de comunicação apresenta uma combinação específica de conteúdos característicos, atributos expressivos e técnicos, situações e contextos de consumo, tal combinação de fatores pode tornar os vários mass media mais ou menos adequados

5 à satisfação de diferentes tipos de necessidades. (Wolf, 1985, p. 67) Diante dessa realidade, o entretenimento ganha mais espaço na mídia, transformando-se na principal característica dos mcm, principalmente dos meios eletrônicos, como cinema, rádio e televisão. Em pesquisa realizada por Comstock et al., em 1978, ficou constatado que o consumo de TV é tipicamente motivado pelo desejo de se estar entretido e o seu objetivo é entreter. A produção customizada e a busca pela desmassificação da propaganda A dinâmica do mercado consumidor, ou das relações entre a produção e consumo, continua proporcionando mudanças. Entramos nesta nova década com uma nova proposta ou simplesmente com uma nova realidade, como podemos ver na matéria de capa do The New York de 3 out. 1989, reproduzida no trabalho de Rapp & Collins (1991) anunciando que: Mudanças na estratégia de marketing surpreendem a indústria da propaganda. Logicamente, esta matéria sinalizou o que seria o ponto de partida para um novo contexto ou direcionamento do marketing; nela o seu autor comentava: Após cinco anos de estagnação, a indústria americana de propaganda vê-se em face de um futuro obscuro e incerto (...). As agências de propaganda estão fazendo uma adaptação apenas intermitente a uma mudança profunda: a divisão do mercado de massa em centenas de mercados menores, e o desenvolvimento de novas maneiras para se comunicar com eles (...). O crescimento da propaganda de massa atingiu uma interrupção virtual, as margens de lucro de agência foram cortadas ao meio, e as agências de propaganda estão passando por uma consolidação dolorosa que atinge as áreas mais profundas da indústria(...) (Rapp & Collins, 1991, p. 12) Os efeitos desta matéria alastraram-se pela imprensa especializada, que percebeu de imediato a transformação que estava às portas, como podemos observar no trecho extraído de uma entrevista com Randall Rothenberg para um programa de televisão, citado em seguida por Rapp & Collins, Existirá uma introdução contínua de novas formas de mídias, que persistirão diminuindo o poder e o alcance da mídia de massa, da televisão de rede e das revistas de circulação de massa. Outra coisa que vai acontecer é que as novas tecnologias de pesquisa permitirão que anunciantes e suas agências localizem com muito mais precisão quem são seu mercado ou mercados-alvo. Isso exigirá que as agências de propaganda tenham a capacidade de focalizar esses mercados específicos dentro de uma abordagem muito mais precisa, utilizando a mídia específica. Dado o fato de que essa é uma indústria construída com base na mídia e nos mercados de massa, isso pressupõe uma mudança dramática. (Rapp & Collins, 1991, p. 12) (Grifos nossos) Nesta citação, podemos perceber claramente que, quando se fala em um novo marketing, fala-se em uma nova forma de comunicar ou um novo momento da mídia que se desenvolve tecnologicamente, proporcionando novas possibilidades de falar com este ou aquele consumidor sempre a respeito de um produto, serviço ou um determinado bem, deste ou daquele fabricante. Contudo, estamos diante de uma nova forma de atuação do marketing que, neste momento, recebe a denominação de Maximarketing, ou seja, os autores propõem que o conceito do marketing seja entendido como uma abordagem estratégica e unificada, na qual as pessoas que são real ou potencialmente os melhores clientes são identificadas, contatadas, persuadidas, motivadas, convertidas e fidelizadas de uma forma que maximiza as vendas e os prospects. Com isso, o processo total dessa nova forma de praticar marketing amplia a imagem de marca, constrói a lealdade do cliente e maximiza as vendas, utilizando informações de uma banco de dados para moldar um relacionamento interativo e receptivo com prospects-alvo ou clientes individuais. Estamos no início dos anos 90, exatamente quando a discussão sobre o poder da massificação dos produtos e da comunicação começa a ser questionada. Kelvin J. Clancy e Robert S. Shulman, em seu

6 livro The marketing revolution, asseguram que não é possível manter uma prática inadequada de fazer marketing, diante desta nova realidade: Hoje em dia a demanda pela maioria dos produtos de consumo está crescendo apenas na mesma e vagarosa velocidade de crescimento da população. (...) E os avanços tecnológicos resultaram em uma avalanche de produtos de qualidade similar, o que torna difícil para uma empresa distinguir-se das outras, enquanto a competição de preços batalha por parcelas do mercado que destruíram a margem de lucros. Nenhuma firma pode vencer tais lutas cortando custos e continuando a trabalhar da mesma forma que fazia no passado. (Clancy & Shulman, 1993, p. 13) Neste importante trabalho, Clancy & Shulman, citando o professor Philip Kotler como um dos mais influentes pesquisadores com grande trânsito no empresariado norte-americano, descrevem as modificações que hoje ocorrem como uma mudança de paradigma, a qual, como definida por Thomas Kuhn em The structure of scientific revolutions, acontece quando os praticantes de determinada disciplina não estão satisfeitos com as variáveis que definem a matéria ou com o alcance da referida disciplina (idem, ibid., p. 1). Esta busca por um novo paradigma, ou uma nova leitura dos princípios de marketing para uma nova realidade, pode ser constatada por meio de um simples e contundente questionamento junto a experientes e calejados profissionais de marketing, que já presenciaram grandes mudanças em suas vidas profissionais. A pergunta era: Qual é o mais importante princípio de marketing em que você acreditava quando iniciou a carreira e no qual não acredita mais?. Eles disseram que não mais crêem que: - Um bom marketing vende ou pode vender qualquer produto; - O melhor produto ganha a maior parte do mercado; - A propaganda é a arma mais eficiente do arsenal do marketing; - Um produto, para ter sucesso, tem que apelar para a massa; - O produto com preço mais barato vende mais; - Os resultados das pesquisas de mercado podem influenciar a direção geral das empresas e as companhias entendem a importância desses levantamentos (Clancy & Shulman, 1993, p. 5). É exatamente nesse contexto que vamos encontrar o clima ou o ambiente da desmassificação, afinal estamos em plena Terceira Onda. Neste ponto, Alvin Toffler deixa de ser guru para ser um dos autores citados por todo um côro de publicitários, que conseguem perceber em seu trabalho algo perfeitamente viável e aplicável na dinâmica dos anos 90. O publicitário Mário Kempenich, ao escrever sobre o marketing da Terceira Onda, menciona que o marketing já se divide em dois mundos, o da propaganda e o da comunicação dirigida, argumentando inclusive que não se trata de uma inovação ou exclusividade de uma ou de outra nação, mas sim do sistema industrial como um todo. Vejamos: Já é hoje muito mais fácil segmentar o produto e a sua oferta. Com um simples apertar de botão, se obtém um novo design no computador, uma nova peça redesenhada, com novas cores, tudo reposicionado para atender a uma necessidade e a uma vontade muita específica do consumidor: é a demanda segmentada, que começa a tomar conta do social. A revolução industrial sempre preconizou a produção em massa, e agora estamos falando de

7 desmassificação. Ou seja, teremos muitas produções em pequena escala, o que obrigará e continuará impondo a necessidade de grandes empresas produzirem os mesmos produtos, só que com pequenas alterações para o atendimento de públicos específicos. (Kempenich, 1985, p. A 3) As colocações de outro importante publicitário brasileiro, Sérgio Amado, responsável hoje pela administração da multinacional Ogilvy, demonstram que estamos em um outro momento, pois... Nada funciona mais como no passado. Isso sem falar que os recursos estão ficando cada vez mais escassos. Vamos ter que aplicar o dinheiro do cliente em mídias que proporcionem o melhor resultado em termos de custo/benefício e para isso precisa de um foco muito bem dirigido. A mídia hoje é mensurada e comprovada, nenhum cliente vai investir 10 ou 15 milhões de dólares se não tiver absoluta certeza de que conseguirá resultados efetivos em suas vendas e no processo de construção de sua marca. (Amado, 1998, p. 7) Na realidade, seu depoimento caracteriza-se pela proposta de um foco muito bem definido, talvez até pela abordagem feita mais adiante de que nós fazemos propaganda para vender e propaganda que não vende é um suicídio. Esclarece por que as agências de propaganda contam agora com o trabalho de comunicação dirigida e preocupam-se com uma mídia mais segmentada, fazendo com que a própria agência que Amado dirige criasse a OgilvyOne, uma agência de marketing direto ou de relacionamento, segundo alguns. Talvez possamos compreender o que significa a desmassificação, por meio do depoimento de J. Tyleer Wilson, diretor da rjr Nabisco, que alegou: Já se foi o tempo do grande funil eletrônico, pelo qual poderíamos despejar nossos produtos dentro da corrente da consciência americana (Rapp & Collins, 1991, p. 14). Como vimos nesses depoimentos, uma grande mudança ocorreu e vem ocorrendo, conseqüência, por exemplo, das mudanças demográficas ocorridas nas diversas sociedades em que o modelo tradicional de família foi substituído por famílias com um ou dois membros, ou por casais não casados que vivem juntos, ou por um contingente de mulheres que trabalham e detêm um enorme potencial de consumo, ou mesmo por solitários que vivem de forma totalmente exclusiva, com menos tempo e energia disponíveis para cozinhar em casa (estima-se que, das três refeições regulares, uma refeição e meia é feita fora de casa e a metade restante já é comprada pronta). Enfim, graças à família de duas rendas, com menor tempo para compras e com maior renda disponível, o marketing direto continua em crescimento. Afinal, aquele tempo em que toda a família se reunia na sala para ouvir o seu programa favorito de rádio ou, mais recentemente, de TV, ficou no passado distante. A sociedade da informação e do entretenimento Na sociedade atual, uma nova e expressiva situação vem afetando a vida das pessoas: o aumento do lazer e da valorização da informação como conseqüência de conquistas sociais e tecnológicas. Dessa maneira, os meios de comunicação de massa (mcm) encontram-se em lugar estratégico na promoção desse fenômeno. Sabe-se que, dentre os principais papéis que estes meios desempenham, estão a capacidade de informar e entreter a audiência: receptor/consumidor. Nesse sentido, a publicidade como atividade da comunicação de massa viabiliza e promove tanto a informação como a persuasão, colocando-se como um dos importantes vetores dentro dessa nova realidade, decorrente da sociedade do ócio ou do tempo livre, que, por sua vez, é caracterizada por diversas atividades de consumo. Tanto o consumo de bens culturais, quanto de lazeres são promovidos pelos mcm. No entanto, esse papel de entreter é considerado por muitos um subproduto, ou até mesmo como um desvio da atenção do receptor frente a assuntos considerados de maior importância. Na verdade, a maioria dos autores analisa o entretenimento como um instrumento ideológico utilizado pelos mass media para manipular a audiência, esquecendo seu caráter socializador e mercadológico.

8 Diante disso, este artigo aborda o papel de entreter, presente nos meios de comunicação de massa delimitando o seu enfoque na publicidade, encarando-a como importante fenômeno promotor de lazeres; e entendendo o entretenimento como um elemento socializador e mercadológico, que envolve a audiência em circunstâncias do dia-a-dia, como o consumo tanto da informação como de bens e serviços, ao mesmo tempo em que a distrai. Isso porque o tempo disposto pelos receptores não pode ser concebido como uma mera exposição frente aos meios, mas como uma utilização ativa e seletiva por parte dos mesmos no uso desses meios. Os sistemas de comunicação de massa, frente à introdução das novas tecnologias de ponta que vêm surgindo de forma surpreendente, sofrem mudanças significativas. Como resultante desse processo, observa-se um papel diferenciado para o entretenimento tanto na vida pessoal como profissional. Abordando o mundo em que vivemos, John Naisbitt menciona que as telas estão invadindo as nossas vidas: São as telas de cinema, telas de TV, telas do monitor de computador, telas do Gameboy, telas da agenda eletrônica pessoal, telas do beeper, telas do telefone celular, telas do forno microondas, telas do monitor cardíaco, enfim, as telas estão em todos os lugares, orientando-nos, informando-nos, divertindo-nos. Frente a esta constatação o autor conclui que mesmo sem nossa percepção consciente, elas estão nos modelando. As telas que nos entretêm (...) o entretenimento número um nos Estados Unidos da atualidade é a mídia. (Naisbitt, 1999, p. 28) Essa nova sociedade que se desenha tem oferecido novos valores, demandando pelos agentes de mercado, novos bens e serviços. Nesse sentido, os produtos comunicacionais também se mostram diferenciados. Embora ainda recente esse fenômeno era esperado já na década de Toffler (op. cit.), um dos primeiros teóricos a registrar o aparecimento desses novos paradigmas sociais pós-industriais, acredita que essa nova civilização (...) traz consigo novos estilos de família, modos de trabalhar, amar e viver diferentes; uma nova economia; novos conflitos políticos, e, além de tudo isso, igualmente uma consciência alterada (...). Alguns falam em Idade de Informação, de uma Era Eletrônica ou de uma Aldeia Global (Toffler, 1980, p. 23). Para Negroponte (1995, p. 175), a superestrada da informação é mais do que um simples atalho para o acervo da Biblioteca do Congresso. Ela está criando um tecido social inteiramente novo e global. Já Bill Gates atribui à sociedade da informação um sistema de valores em que a expansão da distribuição da informação propiciará maior espaço para o lazer e para o enriquecimento cultural. Conforme analisa, essa sociedade Vai ajudar a aliviar a pressão nas áreas urbanas permitindo que os indivíduos trabalhem em casa ou em escritórios remotos. (...) Vai nos dar maior controle sobre nossas vidas e permitir que experiências e produtos sejam adequados aos nossos interesses. Os cidadãos da sociedade da informação terão novas oportunidades no que se refere à produtividade, aprendizado e lazer. (Gates, 1995 p. 38) Na opinião de Luis Escobar de la Serna, em um mundo global, com rede de informação crescente, assiste-se a uma maior comunicação e conhecimento entre os diversos países e a uma aproximação cultural. O desenvolvimento de novas tecnologias atuará em diferentes países em várias formas de consumo cultural nas modalidades de utilização do ócio, em um novo tipo de ócio contraposto a um ócio passivo, no qual essas novas tecnologias dotam de dimensões sociais e culturais muito amplas (Serna, 1991, p. 126). De origem latina, o entretenimento tem como definição mais familiar aquilo que diverte com distração ou recreação e um espetáculo público ou mostra destinada a interessar ou divertir (Gabler, 1999, p.

9 25). Os mcm, ao exercerem o papel de promotores de lazer, envolvem a audiência e aumentam a sua utilidade diante dos receptores. Galindo & Dejavite (2000, p.4) entendem o entretenimento nos mcm como um elemento socializador e mercadológico, que envolve a audiência em circunstâncias do dia-adia, como consumo tanto da informação como de bens de serviços, ao mesmo tempo em que a distrai. De acordo com Dumazedier (1973, p. 34), o lazer é um conjunto de ocupações às quais o indivíduo pode entregar-se de livre vontade, seja para repousar, seja para divertir-se, recrear-se e entreter-se, ou ainda para desenvolver sua informação ou formação desinteressada, sua participação social voluntária ou sua livre capacidade criadora após livrar-se ou desembaraçar-se das obrigações profissionais, familiares e sociais. Segundo esse autor, as definições de lazer são relacionadas com os aspectos de tempo e atitude. Para que uma atividade seja considerada de tal forma, é preciso que o sujeito tenha com ela uma relação de satisfação, no sentido da atitude, e que seja realizada no tempo livre entendendo-se este como aquela hora sem coações ou normas de conduta social. Na opinião de Rita de Cássia Giraldi Santini, dentre os muitos hábitos de consumo, O conteúdo do tempo livre conquistado se enche de atividades consumidoras, não só de consumo de bens, mas, também, de consumo de lazeres. Esses lazeres surgem através das imagens veiculadas como um estilo de vida, em cuja essência podemos encontrar os mitos de gozar a vida, da felicidade e da aventura (...). Esses mitos veiculados através das mensagens e imagens do sistema de comunicação são incorporados pelos indivíduos através dos processos psicológicos de identificação e projeção (...). Os conteúdos das propagandas, de certos filmes, das estórias em quadrinhos, ignoram até certo ponto os problemas do trabalho e dirigem às necessidades de lazer, do consumo de bens materiais por um lado, e pelo outro, ao amor, aventura e felicidade. (Santini, 1993, p.64). Segundo Gabler, etimologicamente a palavra entretenimento tem sua origem: Com toda certeza vem de inter(entre) e tenere(ter). Em inglês, a evolução da palavra entertainment levou-a a significar tanto uma forma de servidão quanto o fornecimento de apoio ou sustento, a maneira de tratar alguém, uma forma de ocupar o tempo, receber ou aceitar algo, dar hospitalidade a uma pessoa, bem como à definição mais familiar: aquilo que diverte com distração ou recreação e um espetáculo público ou mostra destinada a interessar ou divertir. (Gabler, 1999, p. 25) Mas, para ele, todas as definições mantêm um vínculo com a origem latina da palavra, que possui a idéia de ter entre. Hoje, o entretenimento diz respeito a filmes, rock, romances sanguinários, histórias em quadrinhos, televisão, jogos eletrônicos, cultura de massa, sendo basicamente uma forma de experiência sensória prazerosa. Próximo ao final dos anos 60, Guy Debord lança na França o livro A sociedade do espetáculo, que mesmo chegando ao Brasil três décadas depois (1997) apresenta de forma sucinta e clara o estágio em que nos encontramos, quanto a uma sociedade que faz de sua própria existência um espetáculo contínuo. Debord correlaciona a sociedade de consumo e o suporte midiático das comunicações de massa que possibilitam a esta mesma sociedade sua transformação na sociedade do espetáculo, ou melhor, segundo o autor, o espetáculo tornara-se a forma de ser da sociedade de consumo, pois o espetáculo Consiste na multiplicação de ícones e imagens, principalmente através dos meios de comunicação de massa, mas também dos rituais políticos, religiosos e hábitos de consumo, de tudo aquilo que falta a vida real do homem comum: celebridades, atores, políticos, personalidades, gurus, mensagens publicitárias tudo transmite uma sensação de permanente aventura, felicidade, grandiosidade e ousadia. (Debord, 1997, p. 69) O autor insiste na colocação do espetáculo como uma forma integradora de uma sociedade esfacelada, dividida e presa ao fetichismo da mercadoria (felicidade identifica-se ao consumo),

10 mediada pelos meios massivos que fazem do indivíduo um ser infeliz, anônimo e solitário. Portanto, alguém propenso à evasão, pronto para navegar pela fantasia ou pelo imaginário, carregando nas mãos bens e produtos concretos ou tangíveis. Entretenimento ou propaganda? Na publicidade, o recurso do entretenimento tem sido visto como uma forma de diferenciar-se frente a uma concorrência brutal dentro da própria mídia, ou seja, primeiramente precisa-se ultrapassar a barreira dos demais produtos oferecidos nos diversos meios, para logo de imediato chegar ao consciente do receptor. Segundo Jacques Durand (1973, p. 32), a publicidade se [...] apresenta assim como um monoteísmo universalista: existe um só deus, adorem-no todos!. Isso explica o porquê da busca desenfreada pela diferenciação junto ao próprio suporte midiático e frente aos demais concorrentes que atuam na mesma categoria de produto/serviço. Ainda nessa linha, Georges Péninou coloca a publicidade como a mensagem e paisagem ao mesmo tempo. Uma das raras mensagens que é além de tudo uma paisagem (olha-se a publicidade, mais contemplada do que lida); lugar de recreação informativa, de informação recreativa; expressão de um certo olhar sobre o objeto, não do próprio objeto, a imagem publicitária acomoda sua estrutura à sua função. (Péninou, 1973, p. 62). Em um artigo denominado Os criativos têm razão! Mais uma vez, Jaime Troiano consegue resumir todo um questionamento sobre a importância do esquema clássico de persuasão na propaganda, através da teoria da cebola, ou seja: primeiro é preciso obter compreensão, depois envolvimento, depois, sim, a persuasão. Dessa forma não seria possível persuadir, se antes não obtiver a compreensão sobre o produto, bem ou serviço divulgado. Portanto, em um primeiro estágio, o consumidor precisa tornar-se consciente de um estímulo (awareness) e procurar entender o que é dito ou apresentado a respeito da marca e do produto. A partir deste ponto entra em cena uma outra necessidade, tal qual a primeira, que é a reação do consumidor em relação à comunicação, ou seja, o quanto a comunicação foi capaz de gerar reações positivas (liking). Isto significa que buscar o Likability é mais importante até mesmo que a própria compreensão, em outras palavras: Se eu gosto da comunicação, eu me disponho a entendê-la e posso estar preparado para ser persuadido por ela. (Troiano, 1994, p. 47) Portanto, o gostar da comunicação é o mesmo que se expor. Olhar para a publicidade é olhar para uma paisagem, é puro entretenimento e diversão. É participar deste roteiro lúdico, que apresenta a publicidade. De maneira semelhante, tem-se as colocações do publicitário Nizan Guanaes. Procuro mostrar aos meus anunciantes que as pessoas não vivem para ver comerciais. Elas compram as revistas para ler e ligam a tevê para ver programas. O anúncio está interferindo na vida delas. Se você não tiver essa concepção muito clara, não vai se levar a sério. Você tem que chamar a atenção dessas pessoas, tem que buscar audiência. O comercial é a programação do intervalo e ele só se torna relevante se emocionar as pessoas, se é memorável. A publicidade só se torna relevante quando ela se compreende relevante. (Isto É, 24 nov. 1999, p. 10) Nesse sentido, encontra-se no trabalho de Ivan Santo Barbosa Propaganda e significação: do conceito à inscrição psicocultural uma abordagem bem sintética e objetiva sobre o caráter persuasivo do discurso publicitário, tudo embalado pelo entretenimento através do humor dos bordões das sacadas criativas e, acima de tudo, do imaginário e dos devaneios de um receptor ávido por novidades.

11 Grosso modo, os anúncios publicitários remetem a temas aparentemente muito comuns às pessoas: o desejo de amor, de afeto, de amizade e de reconhecimento. Propõe o prazer, volta à infância e à família feliz: traz humor, leva fantasia, ao erotismo, ao lúdico e à alegria. Para isto se vale de estereótipos e clichês, onde as personagens, mesmo as mais humildes, possuem o biótipo e a estética dos dominantes. Para parecerem tão felizes e realizados, a fórmula utilizada foi aparentemente simples. (Barbosa, 1995, p. 48) Essa mecânica aparentemente simples, ou inocente, permeia todo o trabalho dos redatores, diretores de arte, produtores gráficos ou da mídia eletrônica, que elaboram o discurso publicitário. Para Barbosa, são bastante lúdicos, agradáveis, estimulantes, envolventes, imaginativos, de modo a torná-los persuasivos (idem, ibid.). Aliás, o autor reforça que seus aspectos persuasivos ocorrem quer pela forma plena de recursos muito bem elaborados tecnicamente, quer pelo conteúdo, instigando as pulsações básicas no nível psíquico, ou sugerindo soluções para os problemas sociais, capazes de convencer a audiência-alvo de que as respostas às carências serão dadas satisfatoriamente como consumo de um produto específico. Ou, ainda, para se atingir o lucro, a mercadoria deve seduzir, lançar olhares amorosos aos compradores potenciais (idem, ibid., p ). Sedução e persuasão ganham uma grande dimensão nesse contexto, afinal o ato da persuasão passa pelo ritual da sedução. Isso significa, em um primeiro momento, que, quanto mais atraente o produto, mais as pessoas desejarão adquiri-lo e menor será o intervalo entre a data em que sai da fábrica e aquela em que é vendido. Todavia, a estética do produto só é percebida por meio da estética dada a ele por meio da comunicação, que tem na propaganda esta possibilidade de transformar todo e qualquer produto esteticamente o mais agradável possível, como, também, o próprio anúncio se converte numa realização estética. Contudo, não podemos ignorar um instigante texto de Francisco Gracioso, denominado A nova era da comunicação total, onde o autor nos mostra de forma clara a intersecção da mídia com a propaganda, logicamente através de seu caráter entretenedor: Na verdade as forças que interagem com o consumidor são hoje mais difusas, variadas e sutis. Os opinion leaders são agora bombardeados e manipulados de mil maneiras diferentes, por notícias, entrevistas e artigos na mídia, vitrines e corredores de shopping centers, filmes, novelas de TV, videogames, brinquedos inocentes e espetáculos esportivos. A TV oferece de graça as corridas de Fórmula 1 e as partidas da decisão do campeonato de futebol, mas junto com elas recebemos também as mensagens do Marlboro e da Nike. ( Gracioso, 2001, p. 45). Ao verificar a questão do envolvimento do receptor/consumidor em relação às novas mídias ou as chamadas mídias digitais o fenômeno do entretenimento vai bem mais além do brincar com o mouse, pois, mesmo que a estrutura do discurso não apresente significativa diferença quanto à publicidade convencional, o receptor/consumidor precisa de um tempo maior de exposição. Segundo Rosa Neto, a multimídia interativa é uma integração de mídias que têm como mérito envolver mais o usuário, por garantir sua participação ativa na aplicação, dando-lhe a liberdade de consultar as mesmas informações de acordo com o seu jeito de pensar. (...) Isto porque a multimídia possibilitará identificar e alcançar individualmente todos os compradores potenciais. É o relacionamento one to one com o consumidor. Surge a técnica do infocomercial, comerciais interativos de até 30 minutos de duração. A propaganda em multimídia elimina o efeito da passividade, pois ela não é um meio de expor as pessoas a uma mensagem, mas um meio de guiá-las através de apresentações de vendas feitas sob medida para elas. (Rosa Neto, 1995, p. 59)

12 Assim, verifica-se que esta mídia não difere de qualquer outra no sentido de promover a venda de um produto, um bem, ou mesmo uma imagem, estando sempre a serviço de uma proposta de marketing. Podendo também conter, necessariamente, elementos persuasivos, talvez com uma flexibilidade maior de envolvimento do receptor, mas, sem dúvida alguma, com uma estrutura que resgata até mesmo ingredientes da propaganda clássica, ou seja, precisa ser intuitiva, atraente e comunicar através de ícones. Quando aceitamos ser o mundo da publicidade o reflexo do mundo real, devemos entendê-lo não na forma de como o vivenciamos, pois o mundo da propaganda funciona, segundo Vestergaard, ao nível do devaneio, o que implica uma constante insatisfação com o mundo real, sempre expressado por meio de representações imaginárias do futuro, tal como ele poderia ser: uma utopia. Tudo muito próximo da proposta do entretenimento ou do consumidor ávido por belas mensagens/paisagens que alimentem o devaneio nosso de cada dia. Referências bibliográficas BARBOSA, I.S. Propaganda e significação: do conceito à inscrição psico-cultural. In: Corrêa, T.G. (Org.). Comunicação para o mercado. São Paulo: Edicon, CLANCY J.K.; Shulman, R.S. The marketing revolution. New York: Harper & Collins, COMSTOCK, G. et al. Television and human behavior. New York: Columbia University Press, CESAREO, G.; RODI, P. Il mercato dei sogni. Introduzione alle comunicazioni di massa. Milão: Scolastiche Bruno Mondadori, DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. São Paulo: Contraponto, DUMAZIDIER, J. Lazer e cultura popular. São Paulo: Perspectiva, DUNN, S. WATSON. Publicidad su papel en la mercadotecnia moderna. México: Uteha, p. DURAND, J. at all Retórica e imagem publicitária. In: A análise das imagens. Seleção de ensaios da revista Communications. Petrópolis: Vozes, GABLER, N. Vida o filme: como o entretenimento conquistou a realidade. São Paulo: Companhia das Letras, GALINDO, D., Dejavite, F.A. Entretenimento: uma variável comunicacional no jornalismo e na publicidade. Trabalho apresentado na XX felafacs Encontro Latino-Americano de Escolas de Comunicação, outubro de GATES, B. A estrada do futuro. São Paulo: Companhia das Letras, GRACIOSO, F. A nova era da comunicação total. IN: Revista Marketing. São Paulo, nº 340, maio 2001, p KATZ, E.; Gurevitch, M.; Haas, H. On the use of mass media for important things. American Sociological Rewiew, New York, n 38, 1973, 181.

13 NAISBITT, J.; NAISBITT, N.; PHILIPS, D. High tech & high touch: a tecnologia e a nossa busca por significado. São Paulo: Cultrix, NEGROPONTE, N. A vida digital. 2a ed. São Paulo: Companhia das Letras, O tropicalista Nizan. Isto É, São Paulo, n. 1573, 24 set. 1999, p PÉNINOU, G. Física e metafísica da imagem publicitária In: A análise das imagens. Seleção de ensaios da revista Communications. Petrópolis: Vozes, ROSA NETO, A. Interatividade e o futuro da comunicação. In: Revista da ESPM. São Paulo, abr. 1995, volume 2 -n1, 98p. ROSA NETO, A. A nova realidade da comunicação. In: Revista da ESPM. São Paulo, nov. 1995, volume 2- n3, 122 p. SANTINI, R.C.G. Dimensões do lazer e da recreação: questões espaciais, sociais e psicológicas. São Paulo: Angelotti, SERNA, L.E de la. La cultura del ocio. Madri: Edeuma, TOFFLER, A. A terceira onda. 5a ed. Rio de Janeiro: Record, TROIANO, J. Os criativos têm razão! Mais uma vez. In: Revista da ESPM. São Paulo, vol. 1, n. 2, nov. 1994, 118 p. VESTERGAAD, T.; SCHRODER, K. A linguagem da propaganda. 2a ed. São Paulo: Martins Fontes, WRIGHT C.R. Mass communications: a sociological approach. 2a ed. New York: Random House, WEINER, R. Webster new world dictionary of media and communications. New York: Macmillan, WOLF, M. Teorias da comunicação. 4a ed. Lisboa: Editorial Presença, * Doutor em Comunicação Científica e Tecnológica pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), professor no programa de mestrado da mesma Universidade e do programa de mba em marketing da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM); coordenador da agência experimental em propaganda do Centro Universitário Municipal de São Caetano do Sul (IMES).

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

2. Abordagens empíricas da Comunicação

2. Abordagens empíricas da Comunicação 2. Abordagens empíricas da Comunicação A Abordagem Empírico-Experimental (ou da Persuasão) é o nome dado a um conjunto de estudos de base psicológica (ainda sob forte influência behaviorista, mas já se

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Captação através da fidelização: segmentar como oportunidade

Captação através da fidelização: segmentar como oportunidade Captação através da fidelização: segmentar como oportunidade A essência da vida é aproximar as pessoas. Tempo, espaço, tecnologia, números. Nada na vida é tão autossuficiente que não precise de interferência

Leia mais

Publicidade e propaganda: teorias e estratégias

Publicidade e propaganda: teorias e estratégias Este texto é o capítulo 5 da segunda parte (gestão da comunicação nas organizações) integrante do livro Gestão Estratégica em Comunicação Organizacional e Relações e Públicas, organizado por Margarida

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Marcelo Ivanir Peruzzo

Marcelo Ivanir Peruzzo 5 Web Marketing Marcelo Ivanir Peruzzo É comum as pessoas utilizarem o termo marketing nas mais variadas situações, como na política: Ele está fazendo uma jogada de marketing para conquistar o cargo de

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Teorias e estratégias de publicidade e propaganda

Teorias e estratégias de publicidade e propaganda Este texto é o capítulo 5 da segunda parte (gestão da comunicação nas organizações) integrante do livro Gestão Estratégica em Comunicação Organizacional e Relações Públicas, organizado por Margarida Maria

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO As necessidades humanas estão diretamente

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MARKETING II Comunicação Integrada de Marketing Profª: Michele Freitas Santa Maria, 2012. O que é comunicação integrada? É o desenvolvimento

Leia mais

O texto: A comunicação integrada de marketing e o seu caráter multidisciplinar é o capítulo 10 - integrante do volume 1 da coletânea em anexo,

O texto: A comunicação integrada de marketing e o seu caráter multidisciplinar é o capítulo 10 - integrante do volume 1 da coletânea em anexo, O texto: A comunicação integrada de marketing e o seu caráter multidisciplinar é o capítulo 10 - integrante do volume 1 da coletânea em anexo, publicada pela editora Saraiva, 2009. 190 2 A comunicação

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores**

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** 16 revistas 3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** Fonte: *IV (Out/09 a Set/10) E **Ipsos-Estudos Marplan/EGM- Out/09 a Set/10 Leitores Ambos, 10/+ anos Audiência Líquida das Revistas

Leia mais

ÁREA TÍTULO OBJETIVO SINOPSE RH - Liderança 1- OS 10 PAPÉIS DE UM LÍDER Trabalhar a liderança de acordo com a situação apresentada.

ÁREA TÍTULO OBJETIVO SINOPSE RH - Liderança 1- OS 10 PAPÉIS DE UM LÍDER Trabalhar a liderança de acordo com a situação apresentada. ÁREA TÍTULO OBJETIVO SINOPSE RH - Liderança 1- OS 10 PAPÉIS DE UM LÍDER Trabalhar a liderança de acordo com a situação apresentada. Best - Seller com milhares de cópias vendidas. Prático, dinâmico, com

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Luciano Mattana (UNIFRA) lucianomattana@unifra.br Greice de Bem Noro (UNIFRA) greice@unifra.br Milena Marinho Mottini (UNIFRA) milleninhamm@hotmail.com

Leia mais

ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL

ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL Este é um roteiro completo, com pontos gerais e específicos. Na elaboração do plano, procure adaptar os tópicos que o compõe, à realidade da empresa-cliente. Priorize a qualidade

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

Custe o Que Custar: uma análise do programa CQC sob a aplicação da Teoria Funcionalista e Hipóteses dos Usos e Gratificações 1

Custe o Que Custar: uma análise do programa CQC sob a aplicação da Teoria Funcionalista e Hipóteses dos Usos e Gratificações 1 Custe o Que Custar: uma análise do programa CQC sob a aplicação da Teoria Funcionalista e Hipóteses dos Usos e Gratificações 1 Milanna C. Ambrósio 2 Vitor F. Gavirati 3 Soriany Simas Neves 4 Sue Anne G.

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

Manual do bom vendedor Como vender mais e melhor

Manual do bom vendedor Como vender mais e melhor Manual do bom vendedor Como vender mais e melhor 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> Perfil do profissional... 5 >> Características essenciais da venda... 10 >> As 4 dicas para vender mais e melhor... 12 >>

Leia mais

Publicidade. Monitoramento: Percepções sobre Publicidade. Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações

Publicidade. Monitoramento: Percepções sobre Publicidade. Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações Crédito da imagem: ronnestam.com Anúncio Upex Publicidade Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações Introdução Foram realizadas buscas na mídia social Twitter, através de ferramenta de monitoramento

Leia mais

- Aula 04_2012 - Profa. Ms. Karen Reis

- Aula 04_2012 - Profa. Ms. Karen Reis Protótipos de Jogos Digitais - Aula 04_2012-1 O documento do game (GDD) Game Design Document (GDD) usa palavras, tabelas e diagramas para explicar o conceito e o funcionamento de um game, a partir de uma

Leia mais

Poucos setores sofreram tanto com o avanço das tecnologias

Poucos setores sofreram tanto com o avanço das tecnologias GESTÃO O declínio dos jornais Poucos setores sofreram tanto com o avanço das tecnologias de informação como o de jornais. Por longo tempo, eles foram o meio privilegiado pelo qual as pessoas tinham acesso

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

Interatividade UniNorte 1

Interatividade UniNorte 1 Interatividade UniNorte 1 Anne Caroline BARROS 2 Francisco BARBOZA 3 Heverton PAULA 4 Igor SANTOS 5 Eudóxia Pereira da SILVA 6 Márcio Alexandre dos Santos SILVA 7 Centro Universitário do Norte (UniNorte),

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Informações Gerais A Nielsen recentemente pesquisou mais de 25.000 consumidores online em

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

Celular 3G como mídia: características da plataforma e condicionantes para a produção de conteúdo 1

Celular 3G como mídia: características da plataforma e condicionantes para a produção de conteúdo 1 Celular 3G como mídia: características da plataforma e condicionantes para a produção de conteúdo 1 Priscila Grison 2 Carlos Augusto Locatelli 3 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Resumo: Este

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva.

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. Mariana Carneiro da Cunha CAMPELO 1 Resumo Ao longo dos anos, na publicidade televisiva brasileira, vem ocorrendo algumas mudanças na comunicação

Leia mais

Unidade: Jogos e Educação. Unidade I:

Unidade: Jogos e Educação. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Jogos e Educação O JOGO Os jogos constituem uma forma de atividade própria do ser humano desde as épocas mais remotas, assumindo ao longo da história, diversos significados e tomando

Leia mais

Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido!

Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido! Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido! 1.1. MIX DE MARKETING Você já deve ter feito o nosso Teste de Conhecimentos

Leia mais

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS RELACIONADOS À FUNÇÃO REFERENCIAL: RESUMO RESUMO DESCRITIVO > Resume estrutura temática > Inclui

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

Eurípedes Alcântara Diretor de Redação

Eurípedes Alcântara Diretor de Redação 1 Informar, esclarecer e entreter o leitor, elevando seu nível de compreensão dos fatos, das tendências que sejam relevantes para a sua vida pessoal, profissional e sua compreensão do mundo. Eurípedes

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação de Marketing

Planejamento Estratégico de Comunicação de Marketing Prof. Edmundo W. Lobassi O único objetivo da propaganda é vender, não há nenhuma outra justificativa que mereça ser mencionada. (Young & Rublican) Satisfazer a necessidade do consumidor. (David Ogilvy)...

Leia mais

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu A diferença entre marketing, propaganda e publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu Communication and social media specialist, passionate tech journalism and Noah's Dad A comunicação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL?

POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL? POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL? Por que oferecer um atendimento multicanal? Este livro reúne em uma única fonte dicas para inovar na experiência com clientes, de um jeito simples e prático;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

A comunicação e o marketing. como ferramentas estratégicas de gestão social

A comunicação e o marketing. como ferramentas estratégicas de gestão social A comunicação e o marketing como ferramentas estratégicas de gestão social Ricardo Voltolini* Transformar causas em marcas fortes que tenham longevidade, personalidade, consistência e sejam uma referência

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

Projetos culturais: desenvolvimento, captação e gestão

Projetos culturais: desenvolvimento, captação e gestão Projetos culturais: desenvolvimento, captação e gestão Módulo 4: Captação de recursos (parte 1) André Fonseca Santo André / maio 2009 Captação de recursos Fases anteriores à captação Preparação do projeto

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Mídia Digital 1. Palavras-chave: Sinval; Cabeleireiro; Beleza; Estética; Maquiagem.

Mídia Digital 1. Palavras-chave: Sinval; Cabeleireiro; Beleza; Estética; Maquiagem. Mídia Digital 1 Daniel Souza TEIXEIRA 2 Eduardo dos Santos LEAL 3 Elieber Potiguar Luna de SOUZA 4 Natasha Maria Cantalice Wanderley de ARAUJO 5 Priscilla Ferreira de Souza Gadelha SIMAS 6 Ruth Marreiro

Leia mais

RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1

RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1 RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1 Jeaine Cardoso Soares 2 Resumo Parafraseando a célebre indagação Shakespeariana: Ser ou não ser, eis a questão e aproveitando

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Capítulo 1 Por que Google Marketing?

Capítulo 1 Por que Google Marketing? Capítulo 1 Por que Google Marketing? O Google modificou substancialmente a maneira como o mercado lida com a informação e informação, na nossa sociedade pós terceira onda, é tudo. Do dinheiro ao eletrodoméstico,

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e MBA Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Março e Abril de 2014 Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Planejamento Estratégico

Leia mais

ÍNDICE PERFIL COMUNICAÇÃO COM UM PENSO A MAIS NOSSA FORMA DE PENSAR DIFERENCIAL O QUE FAZEMOS RELAÇÃO DE COMPETÊNCIAS METODOLOGIA GRÁFICO METODOLÓGICO

ÍNDICE PERFIL COMUNICAÇÃO COM UM PENSO A MAIS NOSSA FORMA DE PENSAR DIFERENCIAL O QUE FAZEMOS RELAÇÃO DE COMPETÊNCIAS METODOLOGIA GRÁFICO METODOLÓGICO ÍNDICE PERFIL COMUNICAÇÃO COM UM PENSO A MAIS NOSSA FORMA DE PENSAR DIFERENCIAL O QUE FAZEMOS RELAÇÃO DE COMPETÊNCIAS METODOLOGIA GRÁFICO METODOLÓGICO ESTRUTURA ORGANOGRAMA TALENTOS SINCRONIZANDO IDEIAS

Leia mais

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Sumário 07 11 12 12 13 13 13 14 15 15 17 18 19 20 21 21 23 Guia rápido

Leia mais

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria?

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria? Custom Publishing O mercado das publicações próprias e suas (excelentes) oportunidades de negócios para as empresas antenadas de qualquer setor, com qualquer público Um guia de consulta rápida sobre a

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 Tiago Miranda RIBEIRO 2 Kenney Alves LIBERATO 3 Thays Regina Rodrigues PINHO 4 PALAVRAS-CHAVE: comunicação; marketing; estratégia.

Leia mais