Norma Regulamentadora n 10- Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Norma Regulamentadora n 10- Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade"

Transcrição

1 Norma Regulamentadora n 10- Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade SUMARIO 1. Introdução Desenvolvimento Objetivo e campo de aplicação Medidas de controle Medidas de proteção coletiva Medidas de proteção individual Segurança em projetos Segurança na construção, montagem, operação 11 e manutenção 2.7. Segurança em instalações elétricas desenergizadas Segurança em instalações elétricas energizadas Trabalhos envolvendo alta tensão (AT) Habilitação, qualificação, capacitação e autorização dos trabalhadores Proteção contra incêndio e explosão Sinalização de segurança Procedimentos de trabalho Situação de emergência Responsabilidades Disposições finais Questões comentadas Lista das questões comentadas Gabaritos das questões Conclusão 54 Errata aula NR 9 Nas questões 7, 8, 28 e 39 digitei os gabaritos de forma equivocada. As respostas são (B), (C), (D) e (C), respectivamente. Na questão 25, o gabarito é (E), e não (D). Pelo item , deve elaborar o PPRA o SESMT "ou pessoa que, a critério do empregador, sejam capazes de desenvolver o disposto nesta NR". A banca entendeu que os técnicos e engenheiros de segurança do trabalho sempre seriam capazes (não é o texto da NR, mas é uma interpretação bastante razoável).

2 1. Introdução Oi pessoal, Veremos agora a temida NR 10, com seus termos extremamente técnicos. Procurei acrescentar na aula definições importantes que, apesar de não estarem expressas na NR, são necessárias para que possamos compreender alguns dispositivos da Norma. 2. Desenvolvimento 2.1. Objetivo e campo de aplicação O item inicial representa o objetivo da NR 10. À semelhança do estudamos no PCMSO (NR 7) e no PPRA (NR 9), a NR 10 também dispõe que estabelece requisitos mínimos, os quais não exaurem as medidas de controle e sistemas preventivos já desenvolvidos para o setor elétrico. Vejamos o item: " Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece os requisitos e condições mínimas objetivando a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores que, direta ou indiretamente, interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade." A propósito, vamos ler o conceito de instalações elétricas, conforme glossário da NR: conjunto das partes elétricas e não elétricas associadas e com características coordenadas entre si, que são necessárias ao funcionamento de uma parte determinada de um sistema elétrico. Ainda sobre o item , percebam que o mesmo fala de "garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores que, direta ou indiretamente (...)". Dessa forma, a NR se aplica não só aos eletricistas e instaladores que trabalham diretamente envolvidos com serviços em instalações elétricas e serviços com eletricidade. Ela também se aplica aos trabalhadores indiretos que, apesar de não trabalharem diretamente na instalação elétrica, estejam sujeitos aos riscos laborais que essas instalações geram (choque, arco elétrico, queimaduras, etc.). No caso, são as pessoas que laborem na Zona controlada - ZC (entorno de parte condutora energizada, não segregada, acessível, de dimensões estabelecidas de acordo com o nível de tensão, cuja aproximação só é permitida a profissionais autorizados). Quanto à aplicabilidade, o item diz que "a NR 10 se aplica às fases de geração, transmissão, distribuição e consumo, incluindo as etapas de projeto, construção, montagem, operação, manutenção das instalações elétricas e quaisquer trabalhos realizados nas suas proximidades, observando-se as normas técnicas oficiais estabelecidas pelos órgãos competentes e, na ausência ou omissão destas, as normas internacionais cabíveis". Prof. Mário Pinheiro 4 3

3 Desse conceito é oportuno destacarmos que o item acima abrange desde a produção ou geração até o consumo final da energia elétrica. Além disso, ressalte-se que a NR também se aplica a quaisquer trabalhos realizados nas suas proximidades. É bom memorizarmos isso porque a palavra "quaisquer" em questões de múltipla escolha induz a crermos que a alternativa estaria errada. Bem, e o que é considerado ou não em proximidade? Vamos ver o que o glossário nos diz sobre trabalho em proximidade: trabalho durante o qual o trabalhador pode entrar na Zona controlada (ZC), ainda que seja com uma parte do seu corpo ou com extensões condutoras, representadas por materiais, ferramentas ou equipamentos que manipule. Já que começamos a falar em ZC, e falaremos em PE, ZL, etc., vamos trazer esses conceitos juntamente com a figura do Anexo II da NR 10: Legenda: ZL = Zona livre ZC = Zona controlada, restrita a trabalhadores autorizados. ZR = Zona de risco, restrita a trabalhadores autorizados e com a adoção de técnicas, instrumentos e equipamentos apropriados ao trabalho. PE = Ponto da instalação energizado. SI = Superfície isolante construída com material resistente e dotada de todos dispositivos de segurança. Já tínhamos visto o conceito de ZC, então vejamos o de Zona de risco - ZR: entorno de parte condutora energizada, não segregada, acessível inclusive acidentalmente, de dimensões estabelecidas de acordo com o nível de tensão, cuja aproximação só é permitida a profissionais autorizados e com a adoção de técnicas e instrumentos apropriados de trabalho. Agora vamos comparar os conceitos:

4 ZONA DE RISCO Entorno de parte condutora energizada, não segregada, acessível inclusive acidentalmente, de dimensões estabelecidas de acordo com o nível de tensão, cuja aproximação só é permitida a profissionais autorizados e com adoção de técnicas e instrumentos apropriados de trabalho ZONA CONTROLADA Entorno de parte condutora energizada, não segregada, acessível, de dimensões estabelecidas de acordo com o nível de tensão, cuja aproximação só é permitida a profissionais autorizados Perceberam que os conceitos são bastante semelhantes e as diferenças estão em negrito? Igualmente os leitores devem ter notado que a ZR está mais próxima do PE que a ZC, motivo pelo qual o acesso àquela zona requer maiores cuidados (e por isso o conceito da ZR é mais "completo" que o de ZC). Os espaços externos à ZR e ZC são chamados Zona livre - ZL Medidas de controle Pessoal, alguns itens desse tópico são reiteradamente exigidos em prova, então vamos estudá-los com muita atenção. O item diz que: " Em todas as intervenções em instalações elétricas devem ser adotadas medidas preventivas de controle do risco elétrico e de outros riscos adicionais, mediante técnicas de análise de risco, de forma a garantir a segurança e a saúde no trabalho." Em outras palavras, podemos dizer que antes das referidas intervenções devem-se aplicar técnicas de análise de risco para a definição das medidas de controle mais adequadas à situação. Essas técnicas consistem em ferramenta importante para analisar as etapas do trabalho a ser desenvolvido, para que os riscos potenciais sejam identificados e as medidas preventivas sejam implementadas oportunamente. No conceito de técnicas de análise de risco incluem-se a Análise Preliminar de Risco (APR) e a Análise Preliminar de Perigo (APP), entre outras. Estes termos não constam da NR, muito menos a descrição de cada um. Como não poderia deixar de ser, consta da NR que as medidas de controle adotadas devem integrar-se às demais iniciativas da empresa, no âmbito da preservação da segurança, da saúde e do meio ambiente do trabalho. Adiante, a NR obriga as empresas a manter esquemas unifilares atualizados das instalações elétricas dos seus estabelecimentos com as especificações do sistema de aterramento e demais equipamentos e dispositivos de proteção. No esquema unifilar não aparecem todos os equipamentos e componentes elétricos da instalação, apenas os mais importantes.

5 Segue abaixo um exemplo de diagrama unifilar (calma, não é exigido em provas para AFT o conhecimento dos símbolos e componentes; só coloquei a figura pra vocês saberem do que se trata). As instalações de obras, fábricas e demais estabelecimentos evoluem com o tempo, em face de mudanças de layout, instalação de novas máquinas, ampliações, etc. Com essas mudanças, as características da instalação elétrica se alteram, e por isso o item diz que esses esquemas unifilares devem ser mantidos atualizados. Passemos agora ao estudo do item , que cai em prova com freqüência: "Os estabelecimentos com carga instalada superior a 75 kw devem constituir e manter o Prontuário de Instalações Elétricas, contendo, além do disposto no subitem , no mínimo: a) conjunto de procedimentos e instruções técnicas e administrativas de segurança e saúde, implantadas e relacionadas a esta NR e descrição das medidas de controle existentes; b) documentação das inspeções e medições do sistema de proteção contra descargas atmosféricas e aterramentos elétricos; c) especificação dos equipamentos de proteção coletiva e individual e o ferramental, aplicáveis conforme determina esta NR; d) documentação comprobatória da qualificação, habilitação, capacitação, autorização dos trabalhadores e dos treinamentos realizados; e) resultados dos testes de isolação elétrica realizados em equipamentos de proteção individual e coletiva; f) certificações dos equipamentos e materiais elétricos em áreas classificadas; g) relatório técnico das inspeções atualizadas com recomendações, cronogramas de adequações, contemplando as alíneas de "a" a "f"." O Prontuário de Instalações Elétricas é um conjunto de documentos que representam a "história" da instalação elétrica. O usuário que ler o Prontuário deve conseguir obter informações importantes, como, por exemplo: as medidas de controle existentes, especificação dos EPI usados pelos empregados, comprovação dos treinamentos e capacitações realizados pelos trabalhadores.

6 Quando falamos em cursos, capacitações, certificações, resultado de testes, etc. percebemos que tudo é formalizado por meio de documentos. Sendo assim, o Prontuário de Instalações Elétricas visa a reunir toda essa documentação de forma ordenada, servindo de memória documental da instalação elétrica. No glossário da NR consta definição de prontuário, que é oportuno conhecermos: "Prontuário: sistema organizado de forma a conter uma memória dinâmica de informações pertinentes às instalações e aos trabalhadores". O que mais costuma aparecer em provas é a característica do estabelecimento que o obriga a possuir o Prontuário. Nos termos da NR, é obrigado a constituir e manter o Prontuário estabelecimentos com carga instalada superior a 75 kw. Vimos acima que o item possui 6 (seis) alíneas, que enumeram a documentação mínima que comporá o Prontuário. Entretanto, quando tratar-se de empresa que integre o Sistema Elétrico de Potência (SEP), há mais 2 (dois) documentos obrigatórios (item ), que são: a) descrição dos procedimentos para emergências; b) certificações dos equipamentos de proteção coletiva e individual; Conforme glossário, SEP é o conjunto das instalações e equipamentos destinados à geração, transmissão e distribuição de energia elétrica até a medição, inclusive. Percebam que a empresa que opera no SEP (independente de sua carga instalada) é obrigada a constituir o Prontuário com toda a documentação dos itens e Há ainda outra situação específica com relação à organização do Prontuário de Instalações Elétricas. Trata-se das empresas que realizam trabalhos em proximidade do Sistema Elétrico de Potência (empresas de telefonia e de iluminação pública, por exemplo). Elas devem constituir Prontuário com alguns documentos do item (alíneas "a", "c", "d" e "e") e os 2 (dois) documentos do item Ainda com relação ao Prontuário de Instalações Elétricas, este deve ser organizado e mantido atualizado pelo empregador ou pessoa formalmente

7 designada pela empresa, devendo permanecer à disposição dos trabalhadores envolvidos nas instalações e serviços em eletricidade. Finalizando este tópico, a NR obriga a que os documentos técnicos previstos no Prontuário de Instalações Elétricas sejam elaborados por profissional legalmente habilitado. O conceito de profissional legalmente habilitado gera algumas controvérsias. A depender da situação e do documento, pode-se entender como tal o técnico de segurança do trabalho, o engenheiro de segurança do trabalho, o engenheiro eletricista, o médico do trabalho, etc. Para fins de prova, basta sabermos que os documentos que integram o Prontuário devem ser elaborados por profissional legalmente habilitado Medidas de proteção coletiva Medidas de proteção coletiva podem ser conceituadas como providências adotadas com o objetivo de eliminar, reduzir ou controlar os riscos ambientais visando a garantir a segurança e a saúde do coletivo de trabalhadores. Como já estudamos na NR 6 (EPI) e na NR 9 (PPRA), as medidas de proteção coletiva devem ser aplicadas prioritariamente, estando numa escala "superior" à simples distribuição de EPI aos funcionários. A NR 10 não destoa de tal entendimento, que consta do item : " Em todos os serviços executados em instalações elétricas devem ser previstas e adotadas, prioritariamente, medidas de proteção coletiva aplicáveis, mediante procedimentos, às atividades a serem desenvolvidas, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores." A NR 10 não traz conceituação de medidas de proteção coletiva, mas traz a de Equipamento de Proteção Coletiva, que está intrinsecamente relacionado ao tema. Vejamos o conceito: Equipamento de Proteção Coletiva (EPC): dispositivo, sistema, ou meio, fixo ou móvel de abrangência coletiva, destinado a preservar a integridade física e a saúde dos trabalhadores, usuários e terceiros. E quais seriam as medidas de proteção coletiva aplicáveis ao setor elétrico? Elas apresentam ordem de prioridade em sua aplicação? Os itens seguintes respondem a essas perguntas. " As medidas de proteção coletiva compreendem, prioritariamente, a desenergização elétrica conforme estabelece esta NR e, na sua impossibilidade, o emprego de tensão de segurança." Desse modo, há hierarquia entre as medidas de proteção coletivas aplicáveis. A primeira medida a ser aplicada face ao risco elétrico é a desenergização elétrica. Quando esta não for viável, deve-se recorrer ao emprego de tensão de segurança (extra-baixa tensão). E quando nem uma nem outra forem tecnicamente viáveis?

8 " Na impossibilidade de implementação do estabelecido no subitem [desenergização elétrica e emprego de tensão de segurança], devem ser utilizadas outras medidas de proteção coletiva, tais como: isolação das partes vivas, obstáculos, barreiras, sinalização, sistema de seccionamento automático de alimentação, bloqueio do religamento automático." Reforçando então, será aplicada, por exemplo, uma barreira (dispositivo que impede todo e qualquer contato com as partes vivas) quando forem tecnicamente inviáveis, cumulativamente, a desenergização elétrica e o emprego da tensão de segurança. Segue uma questão (simples) sobre o assunto: (CESGRANRIO_ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO_CASA DA M0EDA_2009) As medidas de proteção coletiva compreendem, prioritariamente, a desenergização elétrica, conforme estabelece a NR 10 e, na sua impossibilidade, o emprego de tensão de (A) alívio. (B) base. (C) corte. (D) segurança. (E) tratamento. Gabarito (D). Para fechar o tópico medidas de proteção coletiva vamos ler o item sobre aterramento: " O aterramento das instalações elétricas deve ser executado conforme regulamentação estabelecida pelos órgãos competentes e, na ausência desta, deve atender às Normas Internacionais vigentes." Aterramento pode ser conceituado como uma ligação intencional à terra (solo) através da qual a corrente elétrica pode fluir. O aterramento elétrico tem os objetivos de evitar acidentes gerados pela energização acidental da rede e promover proteção aos trabalhadores contra descargas atmosféricas que possam interagir ao longo do circuito em intervenção. Tanto o aterramento quanto outras medidas aplicadas no setor elétrico estão preconizados em normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas

9 (ABNT) e, também, em publicações de organismos internacionais como o IEC - Internacional Eletrotecnic Commission Medidas de proteção individual Vimos que as medidas de proteção coletiva têm prioridade sobre as medidas de proteção individual. Entretanto, em muitos casos deve-se aplicar tanto uma quanto outra no ambiente de trabalho. De acordo com o normatizado pela NR 10, " Nos trabalhos em instalações elétricas, quando as medidas de proteção coletiva forem tecnicamente inviáveis ou insuficientes para controlar os riscos, devem ser adotados equipamentos de proteção individual específicos e adequados às atividades desenvolvidas, em atendimento ao disposto na NR 6". Verifiquem que a Norma fala "em quando as medidas de proteção coletiva forem tecnicamente inviáveis ou insuficientes (...)". Está faltando alguma coisa nessa relação entre proteções coletivas e proteções individuais? Bem, quem estranhou essa regra lembrou-se do que estudamos na aula sobre NR 9 (item ). No âmbito do PPRA, a obrigatoriedade do uso do EPI também contempla outras situações além dos casos de inviabilidade técnica e insuficiência das medidas de proteção coletiva, estão lembrados? Lá vimos o caso das medidas que ainda estão em estudo, no caso de emergência, etc. Em resumo, é interessante reler e comparar os dois trechos, pois o regramento no PPRA é mais abrangente mas, se a questão se relacionar ao item , os critérios são distintos. O próximo item trata das vestimentas de trabalho em serviços de eletricidade. No caso, as vestimentas são equipamentos de proteção individual (EPI) para proteção contra choques elétricos. No Anexo I da NR 6 (EPI) vemos que consta a vestimenta de corpo inteiro, manga, luvas e calçados específicos para serviços em eletricidade. Vamos ler o item : " As vestimentas de trabalho devem ser adequadas às atividades, devendo contemplar a condutibilidade, inflamabilidade e influências eletromagnéticas." Para fins de prova é interessante memorizar essas características que as vestimentas devem contemplar: condutibilidade (as vestimentas não devem se constituir de elementos condutivos), inflamabilidade (para proteger de efeitos térmicos dos arcos voltaicos e não pegar fogo) e influências eletromagnéticas (para proteger contra os efeitos provocados por campos eletromagnéticos). Fechando o tópico de medidas de proteção individual, a NR estabelece que "é vedado o uso de adornos pessoais nos trabalhos com instalações elétricas ou em suas proximidades". Isso porque certos adornos (anéis,

10 alianças, colares metálicos) podem agravar as lesões na eventualidade de acidentes com eletricidade Segurança em projetos O tópico segurança em projetos abrange os itens a Veremos as principais disposições do mesmo. Iniciando pelo item : " É obrigatório que os projetos de instalações elétricas especifiquem dispositivos de desligamento de circuitos que possuam recursos para impedimento de reenergização, para sinalização de advertência com indicação da condição operativa". Além da obrigatoriedade acima, todo projeto de instalação elétrica deve prever condições para a adoção de aterramento temporário. Vejamos uma questão que exige tal conhecimento: (FEPESE_ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO_PM_ FLORIANÓPOLIS/SC_2007) Segundo a NR10, todo projeto deve prever: a. ( ) Redução da carga instalada. b. ( ) Integração em grupos geradores. c. ( ) O desligamento parcial dos equipamentos de proteção. d. ( ) A possibilidade de ampliação da rede. e. ( ) A adoção de aterramento temporário. Como já estudamos (e estudaremos) em outras, a NR 10 também enfatiza a interrelação entre as Normas, estabelecendo que os projetos elétricos devem atender ao que dispõem as Normas Regulamentadoras de Saúde e Segurança no Trabalho e as regulamentações técnicas oficiais estabelecidas. Tais projetos devem, adicionalmente, ser assinados por profissional legalmente habilitado. Os projetos elétricos devem possuir memorial descritivo, com o conteúdo mínimo enumerado no item Esse memorial deverá ser composto de itens de segurança, que promovam a segurança das pessoas que trabalhem na instalação elétrica. A documentação do memorial deverá conter, entre outros, a especificação das características relativas à proteção contra choques elétricos, queimaduras e outros riscos adicionais; indicação de posição dos dispositivos de manobra dos circuitos elétricos: (Verde - "D", desligado e Vermelho -"L", ligado) e recomendações de restrições e advertências quanto ao acesso de pessoas aos componentes das instalações. Fechando o tópico segurança em projetos, o item dispõe que os projetos devem assegurar que as instalações proporcionem aos trabalhadores iluminação adequada e uma posição de trabalho segura, de acordo com a NR 17 - Ergonomia. Estudaremos a NR 17 em detalhes neste curso.

11 2.6. Segurança na construção, montagem, operação e manutenção Pessoal, esse tópico não costuma aparecer em provas, então vamos destacar apenas os aspectos mais relevantes. O item dispõe que "nos trabalhos e nas atividades referidas devem ser adotadas medidas preventivas destinadas ao controle dos riscos adicionais, especialmente quanto à altura, confinamento, campos elétricos e magnéticos, explosividade, umidade, poeira, fauna e flora e outros agravantes, adotando-se a sinalização de segurança". Por que o item fala em riscos adicionais? Ora, porque o risco "principal" em instalações e serviços de eletricidade é o risco elétrico mas, em determinadas situações, haverá outros riscos a que o trabalhador estará exposto, os quais o item denominou de adicionais. Como vemos a lista de riscos adicionais é exemplificativa, envolvendo queda em altura (lembram-se do tamanho das redes de alta tensão que vemos na beira das estradas?), riscos no trabalho em espaços confinados (aqueles tratados na NR 33) e risco de queda de árvores durante a execução dos serviços, por exemplo. Já no item consta que "nos locais de trabalho só podem ser utilizados equipamentos, dispositivos e ferramentas elétricas compatíveis com a instalação elétrica existente, preservando-se as características de proteção, respeitadas as recomendações do fabricante e as influências externas". Dessa assertiva podemos concluir que os equipamentos desenvolvidos para o setor elétrico não são utilizáveis em toda e qualquer instalação elétrica. Antes de utilizar equipamentos e ferramentas em determinado ambiente de trabalho, deve-se verificar se seu isolamento elétrico é compatível com a tensão elétrica e condições de operação daquela instalação na qual será feita intervenção. E com relação, por exemplo, à vestimenta condutiva para proteção de todo o corpo contra choques elétricos (EPI). Todas as vestimentas podem ser utilizadas em qualquer instalação elétrica? A resposta é não, pois cada EPI tem suas características e limitações de proteção. Quanto aos locais de serviços elétricos, compartimentos e invólucros de equipamentos e instalações elétricas, o item assevera que os mesmos são "exclusivos para essa finalidade, sendo expressamente proibido utilizá-los para armazenamento ou guarda de quaisquer objetos". Do exposto, verifica-se que salas e cabines de comando devem possuir acesso restrito a pessoas autorizadas, e quadros e painéis não devem servir de armário para guarda de pertences pessoais dos trabalhadores. Por fim, destaco que está expresso na NR (item ) que nas atividades em instalações elétricas deve ser garantida ao trabalhador "iluminação adequada e uma posição de trabalho segura, de acordo com a NR 17 - Ergonomia, de forma a permitir que ele disponha dos membros superiores livres para a realização das tarefas".

12 Para atingir tal objetivo é importante que se faça uma análise ergonômica do trabalho (AET). Veremos esse assunto com maior profundidade no estudo da NR 17 - Ergonomia Segurança em instalações elétricas desenergizadas Este tópico abrange os itens e Existe uma seqüência préestabelecida pela NR 10 para que uma instalação elétrica possa ser considerada desenergizada, e outra para que, após os serviços realizados (manutenção, reforma, reparos, etc.), a instalação seja reenergizada. " Somente serão consideradas desenergizadas as instalações elétricas liberadas para trabalho, mediante os procedimentos apropriados, obedecida a seqüência abaixo: a) seccionamento; b) impedimento de reenergização; c) constatação da ausência de tensão; d) instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos condutores dos circuitos; e) proteção dos elementos energizados existentes na ZC (zona controlada); f) instalação da sinalização de impedimento de reenergização". Seccionamento é uma medida que causa a descontinuidade elétrica total, com a utilização (manual ou automática) de dispositivos como disjuntor ou interruptor. O impedimento de reenergização é realizado por meios mecânicos, para evitar que alguém religue a instalação elétrica por desconhecimento da operação (manutenção, inspeção, etc,) que está sendo realizada. Pode-se impedir a reenergização colocando um cadeado na chave que está desligada, por exemplo. Foto com exemplo de impedimento de reenergização, medida de travamento mecânico que impede a reversão indesejada do seccionamento efetuado na instalação elétrica que será objeto de intervenção. A constatação da ausência de tensão deve ser realizada de acordo com os procedimentos da empresa, constituindo-se em meio eficaz para

13 verificar que, de fato, há ausência de tensão nos condutores. Para isso é utilizado um equipamento chamado detector de tensão. Depois de constatada a ausência de tensão deve ser instalado aterramento temporário, tantos quantos forem necessários, de acordo com o tamanho e a complexidade da instalação elétrica que sofrerá intervenção. Os avisos e etiquetas de sinalização do travamento ou bloqueio devem ser claros e adequadamente fixados, para que todas as pessoas possam tomar conhecimento da razão de desenergização. " O estado de instalação desenergizada deve ser mantido até a autorização para reenergização, devendo ser reenergizada respeitando a seqüência de procedimentos abaixo: a) retirada das ferramentas, utensílios e equipamentos; b) retirada da zona controlada de todos os trabalhadores não envolvidos no processo de reenergização; c) remoção do aterramento temporário, da equipotencialização e das proteções adicionais; d) remoção da sinalização de impedimento de reenergização; e) destravamento, se houver, e religação dos dispositivos de seccionamento". A primeira etapa para a desenergização é a retirada, da zona controlada, do ferramental usado na intervenção (reparo, manutenção, etc.). Após retirado o ferramental os trabalhadores deverão ser evacuados da zona controlada, até porque as intervenções já foram finalizadas. Feito isso deve haver a remoção do aterramento temporário, da equipotencialização e das proteções adicionais, lembrando que, como vimos acima, pode haver vários dispositivos de aterramento temporário, e todos devem ser removidos. Em seguida serão retiradas as placas e avisos (sinalização) de impedimento de reenergização. Por fim, será procedida a remoção dos elementos de bloqueio e travamentos e religados os dispositivos de seccionamento. Todo esse regramento que acabamos de ver é bem detalhado, e não costuma cair muito em provas; entretanto, considero interessante dar uma olhada e procurar ter uma visão geral de como ocorre o procedimento de desenergização e reenergização. Montei o esquema abaixo pra vocês memorizarem melhor. O topo do esquema representa a instalação energizada, e o fundo a instalação desenergizada. A coluna da esquerda é o "caminho" para desenergizar, e coluna da direita para energizar:

14 Abaixo uma questão sobre o tópico, que pode ser resolvida com o conhecimento do esquema acima: (NCE_TECNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO_ ELETRONORTE_2006) Os procedimentos que devem ser utilizados para que uma instalação elétrica possa ser considerada desenergizada e liberada, para trabalho de manutenção ou reparo, são: 1. Proteção dos elementos energizados 2. Seccionamento 3. Impedimento de reenergização 4. Sinalização de impedimento de reenergização 5. Constatação de ausência de tensão 6. Instalação de Aterramento temporário A seqüência correta, em ordem crescente, da operação é: (A) 1, 2, 4, 5, 6, 3 (B) 2, 3, 5, 6, 1, 4 (C) 3, 5, 2, 1, 4, 6 (D) 4, 1, 6, 3, 5, 2 (E) 5, 6, 3, 4, 2, 1 Gabarito (B), correto?

15 Bem, vistas as regras gerais sobre desenergização e reenergização, é importante sabermos que há situações particulares, como os casos de instalações elétricas nas quais, por questões de ordem técnica, é inviável aplicar algumas das medidas acima enumeradas. Em vista disso, algumas das medidas obrigatórias para desenergização e reenergização podem ser alteradas, substituídas, ampliadas ou eliminadas, em função das peculiaridades de cada situação, por profissional legalmente habilitado, autorizado e mediante justificativa técnica previamente formalizada, desde que seja mantido o mesmo nível de segurança originalmente preconizado Segurança em instalações elétricas energizadas Este tópico envolve as disposições dos itens a Podemos ressaltar o que segue. As intervenções em instalações elétricas com tensão igual ou superior a 50 Volts em corrente alternada ou superior a 120 Volts em corrente contínua somente podem ser realizadas por trabalhadores que possuam habilitação, qualificação, capacitação e autorização dos trabalhadores, conforme definido no item 10.8 da NR 10. As operações elementares como ligar e desligar circuitos elétricos, realizadas em baixa tensão (ou seja, em valores de tensão menores que 50 V em CA e 120 V em CC), com materiais e equipamentos elétricos em perfeito estado de conservação, adequados para operação, podem ser realizadas por qualquer pessoa não advertida. Operações elementares são interferências nas instalações elétricas, simples e rotineiras, que não exponham a qualquer risco as pessoas que as realizam, como ligar ou desligar disjuntores ou conectar plugs a tomadas, etc. Operações, mesmo que elementares, a serem realizas em alta tensão devem ser feitas por pessoas advertidas. Segundo o Glossário da NR 10, pessoa advertida é a pessoa informada ou com conhecimento suficiente para evitar os perigos da eletricidade. Já o conceito de pessoa não advertida designa trabalhadores que não foram informados ou não possuem capacidade para interagir com o risco elétrico, e que, por isso, devem operar equipamentos ou manusear materiais isentos de riscos. Encerrando o tópico apresento o item , que traz a obrigatoriedade de realização de análise de risco quando haja inovações tecnológicas ou novas instalações: " Sempre que inovações tecnológicas forem implementadas ou para a entrada em operações de novas instalações ou equipamentos elétricos devem ser previamente elaboradas análises de risco, desenvolvidas com circuitos desenergizados, e respectivos procedimentos de trabalho". Já tínhamos visto disposição sobre análise de risco no tópico medidas de controle, que trago abaixo para relembrarmos:

16 " Em todas as intervenções em instalações elétricas devem ser adotadas medidas preventivas de controle do risco elétrico e de outros riscos adicionais, mediante técnicas de análise de risco, de forma a garantir a segurança e a saúde no trabalho." 2.9. Trabalhos envolvendo alta tensão (AT) Caracteriza Alta Tensão (AT), conforme glossário da NR 10, tensão superior a 1000 volts em corrente alternada ou 1500 volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra. Os trabalhadores que intervenham em instalações elétricas energizadas com alta tensão, que exerçam suas atividades dentro dos limites estabelecidos como zonas controladas (ZC) e de risco (ZR) devem receber treinamento de segurança, específico em segurança no Sistema Elétrico de Potência (SEP) e em suas proximidades, com currículo mínimo, carga horária e demais determinações estabelecidas no Anexo II da NR 10. Os serviços em instalações elétricas energizadas em AT, bem como aqueles executados no Sistema Elétrico de Potência - SEP, não podem ser realizados individualmente. Esse item foi introduzido na NR tendo em vista o elevado risco existente nas intervenções em instalações elétricas energizadas em AT e no SEP, situações nas quais é elevado o número de acidentes de trabalho. Todo trabalho em instalações elétricas energizadas em AT, bem como aquelas que interajam com o SEP, somente pode ser realizado mediante ordem de serviço (OS) específica para data e local, assinada por superior responsável pela área. Falaremos mais sobre ordem de serviço (OS) no tópico Procedimentos de Trabalho. Antes de iniciar trabalhos em circuitos energizados em AT, o superior imediato e a equipe, responsáveis pela execução do serviço, devem realizar uma avaliação prévia, estudar e planejar as atividades e ações a serem desenvolvidas de forma a atender os princípios técnicos básicos e as melhores técnicas de segurança em eletricidade aplicáveis ao serviço. Essa medida visa a identificar a antecipar eventos indesejáveis que possam gerar acidentes. A avaliação prévia deve ser feita levando-se em consideração a descrição de procedimentos de segurança e instruções da ordem de serviço Habilitação, qualificação, capacitação e autorização dos trabalhadores Veremos agora as disposições do item e seguintes. Pela definição da NR, o trabalhador será qualificado comprovando a conclusão de curso específico reconhecido pelo Sistema Oficial de Ensino (seria o Ministério da Educação e Cultura - MEC).

17 Após concluir o curso, esses profissionais irão se registrar nos respectivos Conselhos de Classe (os Conselhos Regionais que fiscalizam o exercício profissional). Dessa forma, podemos afirmar que os trabalhadores habilitados são um subconjunto dos trabalhadores qualificados (pois alguns qualificados podem não ter cumprido a formalidade de se registrar junto ao conselho profissional respectivo. Já o trabalhador capacitado não concluiu curso específico reconhecido pelo Sistema Oficial de Ensino. Ele recebeu capacitação sob orientação e responsabilidade de profissional habilitado e autorizado, e trabalha sob a responsabilidade deste (não é necessário que o trabalho seja realizado juntamente com o mesmo profissional que orientou a capacitação). A capacitação só terá validade para a empresa que capacitou o trabalhador, e nas condições estabelecidas pelo profissional habilitado e autorizado responsável pela capacitação. Assim, se o empregado foi capacitado pela Itaipu Binacional e resolver ir trabalhar na Eletronorte, a capacitação anterior não será válida para permitir que ele trabalhe na nova empresa. No novo trabalho deverá haver nova capacitação. Por fim, a autorização constitui anuência da empresa para que o empregado trabalhe em suas instalações elétricas. A autorização recairá sobre trabalhadores previamente habilitados, qualificados ou capacitados. A empresa concederá autorização na forma da NR 10 aos trabalhadores capacitados ou qualificados e aos profissionais habilitados que tenham participado com avaliação e aproveitamento satisfatórios dos cursos constantes do ANEXO II (Treinamento) da NR 10. Segue quadro com as definições de trabalhador habilitado, qualificado, capacitado e autorizado: Definição Trabalhador qualificado Profissional legalmente habilitado Trabalhador capacitado Trabalhador autorizado Conceito Aquele que comprovar conclusão de curso específico na área elétrica reconhecido pelo Sistema Oficial de Ensino Trabalhador previamente qualificado e com registro no competente conselho de classe Aquele que atenda às seguintes condições, simultaneamente: a) receba capacitação sob orientação e responsabilidade de profissional habilitado e autorizado b) trabalhe sob a responsabilidade de profissional habilitado e autorizado Trabalhadores qualificados ou capacitados e os profissionais habilitados, com anuência formal da empresa A empresa deve estabelecer sistema de identificação que permita a qualquer tempo conhecer a abrangência a autorização de cada trabalhador, e

18 os trabalhadores autorizados a trabalhar em instalações elétricas devem ter essa condição consignada no sistema de registro de empregado da empresa. Também há previsão na NR 10 para que os trabalhadores autorizados a intervir em instalações elétricas sejam submetidos a exame de saúde compatível com as atividades a serem desenvolvidas, realizado em conformidade com a NR 7 (PCMSO) e registrado em seu prontuário médico. Os trabalhadores autorizados a intervir em instalações elétricas devem possuir treinamento específico sobre os riscos decorrentes do emprego da energia elétrica e as principais medidas de prevenção de acidentes em instalações elétricas, de acordo com o estabelecido no Anexo II (Treinamento) da NR 10. Deve ser realizado um treinamento de reciclagem bienal e sempre que ocorrer alguma das situações a seguir: a) troca de função ou mudança de empresa; b) retorno de afastamento ao trabalho ou inatividade, por período superior a três meses; c) modificações significativas nas instalações elétricas ou troca de métodos, processos e organização do trabalho. O último item do tópico Habilitação, qualificação, capacitação e autorização dos trabalhadores determina que os trabalhadores com atividades não relacionadas às instalações elétricas desenvolvidas em zona livre e na vizinhança da zona controlada devem ser instruídos formalmente com conhecimentos que permitam identificar e avaliar seus possíveis riscos e adotar as precauções cabíveis. Esse item mostra a preocupação da NR com pessoas que não trabalham diretamente com as instalações elétricas, mas que laboram em suas proximidades e, portanto, devem conhecer os riscos existentes na vizinhança de seus postos de trabalho Proteção contra incêndio e explosão Este tópico é bem curto. O item estabelece que as áreas onde houver instalações ou equipamentos elétricos devem ser dotadas de proteção contra incêndio e explosão, conforme dispõe a NR 23 (PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS). A NR 23, diga-se de passagem, foi totalmente reformulada em maio de 2011, e agora ela se compõe de apenas 5 itens! Já o item dispõe que os materiais, peças, dispositivos, equipamentos e sistemas destinados à aplicação em instalações elétricas de ambientes com atmosferas potencialmente explosivas devem ser avaliados quanto à sua conformidade, no âmbito do Sistema Brasileiro de Certificação. Esse item se relaciona aos materiais utilizados em áreas classificadas (locais com potencialidade de ocorrência de atmosfera explosiva). Há várias normas (NBR) da ABNT que determinam as características técnicas para as instalações em áreas classificadas. Prof. Mário Pinheiro 18

19 Conforme item , os processos ou equipamentos susceptíveis de gerar ou acumular eletricidade estática devem dispor de proteção específica e dispositivos de descarga elétrica. Há processos industriais e equipamentos que acumulam carga elétrica, e quando isso ocorre há risco de descarga elétrica nos empregados e também a ocorrência de arcos elétricos que podem gerar incêndios e explosões. Por isso devem haver as proteções específicas e dispositivos que garantam a dissipação segura das cargas elétricas Sinalização de segurança Da mesma forma que o item anterior, neste tópico a NR 10 remete às regras de outra NR específica, que no caso é a NR 26 (SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA). A NR 26 também sofreu grandes alterações em maio de 2011, tendo seu texto significativamente reduzido. Conforme item , nas instalações e serviços em eletricidade deve ser adotada sinalização adequada de segurança, destinada à advertência e à identificação, obedecendo ao disposto na NR 26 (SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA), de forma a atender, dentre outras, as situações a seguir: a) identificação de circuitos elétricos; b) travamentos e bloqueios de dispositivos e sistemas de manobra e comandos; c) restrições e impedimentos de acesso; d) delimitações de áreas; e) sinalização de áreas de circulação, de vias públicas, de veículos e de movimentação de cargas; f) sinalização de impedimento de energização; g) identificação de equipamento ou circuito impedido Procedimentos de trabalho O tópico Procedimentos de Trabalho inicia no item e se estende até o item Falaremos sobre esse tópico relacionando-o com outras disposições que já estudamos. Inicialmente cumpre destacar que o glossário da NR 10 traz uma conceituação de Procedimento, que é "a seqüência de operações a serem desenvolvidas para realização de um determinado trabalho, com a inclusão dos meios materiais e humanos, medidas de segurança e circunstâncias que impossibilitem sua realização". No primeiro item do tópico há previsão de que os serviços em instalações elétricas devam ser planejados e realizados em conformidade com procedimentos de trabalho específicos, padronizados, com descrição detalhada de cada tarefa, passo a passo, assinados por profissional que atenda ao que estabelece o item 10.8 da NR (habilitação, qualificação, capacitação e autorização dos trabalhadores).

20 Sendo assim, o procedimento de trabalho deve conter o passo a passo para realização de todas as tarefas necessárias, com a descrição das medidas de segurança aplicáveis aos trabalhos. Já o item determina que os serviços em instalações elétricas devem ser precedidos de ordens de serviço (OS) específicas, aprovadas por trabalhador autorizado, contendo, no mínimo, o tipo, a data, o local e as referências aos procedimentos de trabalho a serem adotados. Nesse aspecto, devemos lembrar que já estudamos sobre exigência de ordem de serviço específica no tópico Trabalhos Envolvendo Alta Tensão (AT); vamos comparar os itens: PROCEDIMENTOS DE TRABALHO Os serviços em instalações elétricas devem ser precedidos de ordens de serviço específicas, aprovadas por trabalhador autorizado, contendo, no mínimo, o tipo, a data, o local e as referências aos procedimentos de trabalho a serem adotados TRABALHOS ENVOLVENDO ALTA TENSÃO (AT) Todo trabalho em instalações elétricas energizadas em AT, bem como aquelas que interajam com o SEP, somente pode ser realizado mediante ordem de serviço específica para data e local, assinada por superior responsável pela área. Ainda com relação ao tema é de se destacar que a NR já menciona os procedimentos de trabalho em outras partes de seu texto, que seguem abaixo para compreensão sistemática da Norma: PROCEDIMENTOS DE TRABALHO Os procedimentos de trabalho devem conter, no mínimo, objetivo, campo de aplicação, base técnica, competências e responsabilidades, disposições gerais, medidas de controle e orientações finais SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ENERGIZADAS Os trabalhos que exigem o ingresso na zona controlada devem ser realizados mediante procedimentos específicos respeitando as distâncias previstas no Anexo I (delimita as zonas controlada, de risco e livre) TRABALHOS ENVOLVENDO ALTA TENSÃO (AT) Os serviços em instalações elétricas energizadas em AT somente podem ser realizados quando houver procedimentos específicos, detalhados e assinados por profissional autorizado. Seguindo adiante, o item estabelece que os procedimentos de trabalho, o treinamento de segurança e saúde e a autorização de que trata o item 10.8 devem ter a participação em todo processo de desenvolvimento do Serviço Especializado de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho - SESMT, quando houver. Como já estudamos, nem toda empresa é obrigada a constituir e manter SESMT, por isso a NR fala em "quando houver". Prof. Mário Pinheiro 4 3

21 O item seguinte, , traz uma regra sobre avaliação prévia, que estudamos anteriormente; comparando os trechos: PROCEDIMENTOS DE TRABALHO Antes de iniciar trabalhos em equipe os seus membros, em conjunto com o responsável pela execução do serviço, devem realizar uma avaliação prévia, estudar e planejar as atividades e ações a serem desenvolvidas no local, de forma a atender os princípios técnicos básicos e as melhores técnicas de segurança aplicáveis ao serviço TRABALHOS ENVOLVENDO ALTA TENSÃO (AT) Antes de iniciar trabalhos em circuitos energizados em AT, o superior imediato e a equipe, responsáveis pela execução do serviço, devem realizar uma avaliação prévia, estudar e planejar as atividades e ações a serem desenvolvidas de forma a atender os princípios técnicos básicos e as melhores técnicas de segurança em eletricidade aplicáveis ao serviço. Para finalizar o tópico vamos relembrar um item que estudamos sobre Medidas de Controle: " Os estabelecimentos com carga instalada superior a 75 kw devem constituir e manter o Prontuário de Instalações Elétricas, contendo, além do disposto no subitem , no mínimo: a) conjunto de procedimentos e instruções técnicas e administrativas de segurança e saúde, implantadas e relacionadas a esta NR e descrição das medidas de controle existentes". Dessa forma, pode-se concluir que os procedimentos de trabalho adotados pela empresa devem compor o seu Prontuário de Instalações Elétricas, quando a empresa esteja obrigada a constituí-lo e mantê-lo Situação de emergência O principal risco nos serviços em eletricidade é o choque elétrico. De acordo com a intensidade da corrente elétrica pode haver contrações musculares, perturbações no ritmo cardíaco, paralisação respiratória e até morte imediata. Em face desse risco, a empresa deve elaborar procedimentos emergenciais para responder prontamente em casos de acidentes. O item estabelece que as ações de emergência que envolvam as instalações ou serviços com eletricidade devem constar do plano de emergência da empresa. O item seguinte determina que os trabalhadores autorizados devem estar aptos a executar o resgate e prestar primeiros socorros a acidentados, especialmente por meio de reanimação cardio-respiratória. Quando há parada cardio-respiratória, a prestação de socorro imediatamente ou após alguns minutos significa a diferença entre a vida e a Prof. Mário Pinheiro 4 3

22 morte. Nesses casos, cada minuto passado sem socorro diminui exponencialmente as chances de salvamento. Por isso, deve haver meios adequados e treinamento para que possa ser realizada, o quanto antes, a reanimação cardio-respiratória. Seguindo adiante, o item obriga a empresa a possuir métodos de resgate padronizados e adequados às suas atividades, disponibilizando os meios para a sua aplicação. Há uma série de locais distintos onde são realizados serviços em eletricidade (postes, torres, túneis, galerias, etc.), e para realizar salvamentos nesses locais, a empresa deve manter disponíveis meios adequados (macas, imobilizador cervical, etc.) e ter procedimentos de resgate padronizados. O tópico Situação de Emergência termina com o item : " Os trabalhadores autorizados devem estar aptos a manusear e operar equipamentos de prevenção e combate a incêndio existentes nas instalações elétricas." Tal medida é necessária para que incêndios sejam controlados em seu início, evitando assim problemas de maior proporção Responsabilidades Esse tópico também é curto. Iniciando pelo item , este traz uma diretriz muito semelhante á que vimos no estudo da NR 1 (DISPOSIÇÕES GERAIS): NR 1 NR Sempre que uma ou mais empresas, tendo, embora, cada uma delas, personalidade jurídica própria, estiverem sob direção, controle ou administração de outra, constituindo grupo industrial, comercial ou de qualquer outra atividade econômica, serão, para efeito de aplicação das Normas Regulamentadoras - NR, solidariamente responsáveis a empresa principal e cada uma das subordinadas As responsabilidades quanto ao cumprimento desta NR são solidárias aos contratantes e contratados envolvidos. É de responsabilidade dos contratantes (ou seja, dos tomadores de serviço) manter os trabalhadores informados sobre os riscos a que estão expostos, instruindo-os quanto aos procedimentos e medidas de controle contra os riscos elétricos a serem adotados. Já o item dispõe que cabe à empresa, na ocorrência de acidentes de trabalho envolvendo instalações e serviços em eletricidade, propor e adotar medidas preventivas e corretivas.

23 Quando um acidente ocorrer, é providência obrigatória realizar análise criteriosa dos fatores causais do acidente, de modo a possibilitar a implantação de medidas preventivas e mudanças nas rotinas de forma a limitar os riscos. Segundo o , cabe aos trabalhadores: a) zelar pela sua segurança e saúde e a de outras pessoas que possam ser afetadas por suas ações ou omissões no trabalho; b) responsabilizar-se junto com a empresa pelo cumprimento das disposições legais e regulamentares, inclusive quanto aos procedimentos internos de segurança e saúde; e c) comunicar, de imediato, ao responsável pela execução do serviço as situações que considerar de risco para sua segurança e saúde e a de outras pessoas Disposições finais Para finalizar a parte teórica da NR 10 vejamos os 6 itens do tópico Disposições Finais. Segundo o item , os trabalhadores devem interromper suas tarefas exercendo o direito de recusa, sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes para sua segurança e saúde ou a de outras pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis. Percebam que essa comunicação imediata se relaciona com a atribuição que estudamos logo acima: cabe aos trabalhadores comunicar, de imediato, ao responsável pela execução do serviço as situações que considerar de risco para sua segurança e saúde e a de outras pessoas. Conforme item , as empresas devem promover ações de controle de riscos originados por outrem em suas instalações elétricas e oferecer, de imediato, quando cabível, denúncia aos órgãos competentes. Tal fato ocorre quando, por exemplo, alguém faz uso inadequado da instalação elétrica ou constrói muito próximo da mesma, gerando risco. Na ocorrência do não cumprimento das normas constantes nesta NR, o MTE adotará as providências estabelecidas na NR 3. A NR 3 (EMBARGO E INTERDIÇÃO) traça diretrizes para embargar obra e interditar máquinas, equipamentos, setores de serviço, etc. Se o não cumprimento da NR configurar risco grave e iminente, a solução cabível será embargar ou interditar. A documentação prevista na NR 10 (principalmente a que compõe o Prontuário de Instalações Elétricas, que estudamos no começo da aula) deve estar permanentemente à disposição dos trabalhadores que atuam em serviços e instalações elétricas, respeitadas as abrangências, limitações e interferências nas tarefas. A documentação prevista nesta NR também deve estar, permanentemente, à disposição das autoridades competentes. Encerrando a parte teórica, o item exclui da aplicabilidade da NR 10 as instalações elétricas alimentadas por extra-baixa tensão: " Esta NR não é aplicável a instalações elétricas alimentadas por extra-baixa tensão". Prof. Mário Pinheiro 18

NR 10. Prof. Felipe A. Camargo

NR 10. Prof. Felipe A. Camargo QMASS NR 10 Prof. Felipe A. Camargo NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE 01 10.1 - OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 10.1.1 Esta NR estabelece os requisitos e condições mínimas objetivando

Leia mais

Certificado de Registro (Averbação) Fundaçăo BIBLIOTECA NACIONAL MINISTÉRIO DA CULTURA

Certificado de Registro (Averbação) Fundaçăo BIBLIOTECA NACIONAL MINISTÉRIO DA CULTURA Certificado de Registro (Averbação) Fundaçăo BIBLIOTECA NACIONAL MINISTÉRIO DA CULTURA NORMA REGULAMENTADORA - NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS DE ELETRICIDADE, Educação de Inclusão Social Todos

Leia mais

Segurança em instalações e projetos, conforme a nova NR-10

Segurança em instalações e projetos, conforme a nova NR-10 Segurança em instalações e projetos, conforme a nova João Cunha Algumas questões iniciais 2 Norma x Regulamento Regulamento Técnico: Documento aprovado por órgãos governamentais em que se estabelecem as

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA NR-10 NAS OPERADORAS METROFERROVIÁRIAS IMPACTOS E OPORTUNIDADES

IMPLANTAÇÃO DA NR-10 NAS OPERADORAS METROFERROVIÁRIAS IMPACTOS E OPORTUNIDADES IMPLANTAÇÃO DA NR-10 NAS OPERADORAS METROFERROVIÁRIAS IMPACTOS E OPORTUNIDADES Engº Wilmar Fratini Comissão Metroferroviária - GT de Gestão Integrada São Paulo - 29.08.07 Norma Regulamentadora nº 10 SEGURANÇA

Leia mais

Diretor Executivo da ABRACOPEL Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade

Diretor Executivo da ABRACOPEL Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade Engenheiro Eletricista Edson Martinho Diretor Executivo da ABRACOPEL Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade abracopel@abracopel.org.br 11-99688-1148 PROXIMIDADE COM A

Leia mais

NR-10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR-10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Segurança e Saúde do Trabalho ao seu alcance! NR-10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou efeito de prevenir ou de se prevenir;

Leia mais

Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi. NR 8 e NR-10. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira

Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi. NR 8 e NR-10. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR 8 e NR-10 Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira NR-8 Edificações Dispõe sobre os requisitos técnicos mínimos que devem ser observados nas edificações

Leia mais

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL *NORMA REGULAMENTADORA Nº 10* SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Vitória ES 2006 D.O.U de 08/12/2004 NR-10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6.514/77 -Portaria 3.214/78 de 08/06/1978.

LEGISLAÇÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6.514/77 -Portaria 3.214/78 de 08/06/1978. ENG GLAUBER MAURIN LEGISLAÇÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6.514/77 -Portaria 3.214/78 de 08/06/1978. Aprova as Normas Regulamentadoras NR do Capítulo V, título II, da CLT- Consolidação das Leis do

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA ADENDO AS NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADAS DO SISTEMA ENERGISA À NORMA REGULAMENTADORA Nº010 NR

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA ADENDO AS NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADAS DO SISTEMA ENERGISA À NORMA REGULAMENTADORA Nº010 NR NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-021 ADENDO AS NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADAS DO SISTEMA ENERGISA À NORMA REGULAMENTADORA Nº010 NR 010 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES...

Leia mais

Entenda a nova Norma Regulamentadora NR-10

Entenda a nova Norma Regulamentadora NR-10 Entenda a nova Norma Regulamentadora NR-10 *Autor: Engº Jaques Sherique A nova NR-10 teve como base um texto técnico, elaborado por 53 empresas do setor energético. Esta norma que teve por base o tripartidarismo

Leia mais

O que é NR10? Por quê fazer o curso de NR10? Por quê fazer o curso no NR10 ONLINE? NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NR-10

O que é NR10? Por quê fazer o curso de NR10? Por quê fazer o curso no NR10 ONLINE? NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NR-10 NR-10 O que é NR10? Esta Norma Regulamentadora NR estabelece os requisitos e condições mínimas objetivando a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança

Leia mais

Conforme a Portaria MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO nº 598 de

Conforme a Portaria MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO nº 598 de NORMA REGULAMENTADORA 10 - NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Conforme a Portaria MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO nº 598 de 07.12.2004 10.1- OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

NR-10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR-10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR-10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Alterado pela Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 - D.O.U. 06/07/78 Alterado pela Portaria SSMT n.º 12, de 06 de junho de 1983 - D.O.U.

Leia mais

NR-10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR-10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR-10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Alterado pela Portaria MTPS nº 508, de 02/05/2016 - DOU de 02/05/2016 Alterado pela Portaria GM nº 598, de 07 de dezembro de 2004 - DOU 08/09/2004

Leia mais

EXIGÊNCIA PARA FUNCIONÁRIOS E PRESTADORES DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS!

EXIGÊNCIA PARA FUNCIONÁRIOS E PRESTADORES DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS! Treinamento: Obrigatoriedade prevista na NR-10: Todos devem ter Treinamento básico de 40 horas; Trabalhos em SEP e proximidades o Treinamento complementar, além do básico, mais 40 horas Conteúdo e carga

Leia mais

Palestra Técnica Interpretando a NR-10 Palestrante: Eng. Carlos Alberto Elyseo Schneider Electric Brasil Ltda. the

Palestra Técnica Interpretando a NR-10 Palestrante: Eng. Carlos Alberto Elyseo Schneider Electric Brasil Ltda. the Palestra Técnica Interpretando a NR-10 Palestrante: Eng. Carlos Alberto Elyseo Schneider Electric Brasil Ltda the Palestra Técnica Interpretando a NR-10 I. Introdução II. Legislação Brasileira III. Norma

Leia mais

NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE (Texto dado pela Portaria GM n.º 598, de 07 de dezembro de 2004) 10.1 - OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Publicação D.O.U. Portaria MTb n.º 3.214,

Leia mais

LISTA DE EXERCÌCIOS 1

LISTA DE EXERCÌCIOS 1 Faculdade Anhanguera de Guarulhos Rua do Rosário, 300, Centro - Guarulhos SP. Data: / / 2014 Nota: Nome RA Assinatura Ergonomia e Segurança do Trabalho José Jorge Alcoforado Curso/Turma Disciplina Professor

Leia mais

PORTARIA 598 MTE, DE (DO-U DE )

PORTARIA 598 MTE, DE (DO-U DE ) PORTARIA 598 MTE, DE 7-12-2004 (DO-U DE 8-12-2004) TRABALHO SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Instalações e Serviços em Eletricidade Modifica as normas relativas à segurança em Instalações e Serviços em

Leia mais

Projetos Elétricos Especiais

Projetos Elétricos Especiais Projetos Elétricos Especiais Prof. Laís Hauck de Oliveira Disciplina de Projetos Elétricos Especiais - PEE Departamento de Engenharia Elétrica - DEE Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Universidade do

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM SITUAÇÕES DE RISCO QUE ENVOLVA ELETRICIDADE

NORMAS DE SEGURANÇA EM SITUAÇÕES DE RISCO QUE ENVOLVA ELETRICIDADE NORMAS DE SEGURANÇA EM SITUAÇÕES DE RISCO QUE ENVOLVA ELETRICIDADE Anderson Rocha Ramos¹, Bruna Neves de Andrade², Felipe Matos Lopes dos Santos 3, Phablo Cabral de Oliveira 4,Silvani Ramos de Oliveira

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE - NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE 10.1 - OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Item 10.1 da NR 10 alterado pelo art. 1º da Portaria MTE nº 598 - DOU 08/12/2004.

Leia mais

CHECK-LIST TRABALHO EM ALTURA - NR 35

CHECK-LIST TRABALHO EM ALTURA - NR 35 CHECK-LIST TRABALHO EM ALTURA - NR 35 LOCAL: INSPETOR: RESPONSÁVEL PELO LOCAL: TELEFONES DE EMERGÊNCIA: DESCRIÇÃO DO SERVIÇO: DADOS DA INSPEÇÃO DATA: TELEFONE: TELEFONE: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 Condições

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 O que são vasos e caldeiras para fins de aplicação da NR 13? Caldeiras a vapor são equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS Saúde e Seguranca Ocupacional Prof. Carlos William de Carvalho 1 NR-1 Disposições Gerais Determina a aplicabilidade de todas as normas regulamentadoras, assim como os direitos e

Leia mais

Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades

Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades CLT Consolidação das Leis do Trabalho É de obrigação legal para os empregadores a Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977 relativa a segurança e medicina do trabalho

Leia mais

NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade

NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade Treinamento e-learning NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Redação Anterior Portaria MTPS nº 509/2016. Comentários:

Redação Anterior Portaria MTPS nº 509/2016. Comentários: Comparação da Redação Anterior da NR 12 com as principais alterações da Portaria MTPS nº 509/2016 Redação Anterior Portaria MTPS nº 509/2016 12.5 Na aplicação desta Norma devem-se 12.5 Na aplicação desta

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA.. Exceto Capítulo 3 (Capacitação e Treinamento) e item 6.4 que entram em vigor em 27/03/2013

NR-35 TRABALHO EM ALTURA.. Exceto Capítulo 3 (Capacitação e Treinamento) e item 6.4 que entram em vigor em 27/03/2013 Prazos:. Entra em vigor em 27/09/2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12. Exceto Capítulo 3 (Capacitação e Treinamento) e item 6.4 que entram

Leia mais

2º Work Shop Internacional de Trabalhos em Altura engº Gianfranco Pampalon Auditor fiscal do trabalho

2º Work Shop Internacional de Trabalhos em Altura engº Gianfranco Pampalon Auditor fiscal do trabalho 14/03/2011 2º Work Shop Internacional de Trabalhos em Altura engº Gianfranco Pampalon Auditor fiscal do trabalho NR.36 TRABALHOS EM ALTURA Esta norma é aplicável a qualquer trabalho realizado acima de

Leia mais

Legislação do Ministério do Trabalho e Emprego (NR s)

Legislação do Ministério do Trabalho e Emprego (NR s) Legislação do Ministério do Trabalho e Emprego (NR s) http://www.mte.gov.br/ NR 01 Disposições Gerais 02 Inspeção Prévia 03 Embargo ou Interdição TEMA 04 Serviços Especializados em Eng. de Segurança

Leia mais

VII IEEE ESW-Brasil 2015

VII IEEE ESW-Brasil 2015 VII IEEE ESW-Brasil 2015 Engenharia Elétrica na Segurança do Trabalho 2 a 3 de dezembro de 2015 Rio de Janeiro Brasil DESENERGIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA E ALTA TENSÃO João Gilberto Cunha

Leia mais

NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE PROPOSTA DA NOVA REDAÇÃO. Engº Aguinaldo Bizzo de Almeida

NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE PROPOSTA DA NOVA REDAÇÃO. Engº Aguinaldo Bizzo de Almeida NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE PROPOSTA DA NOVA REDAÇÃO. Engº Aguinaldo Bizzo de Almeida SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA NÍVEIS DE TENSÃO ALTA TENSÃO TENSÃO DE TRANSMISSÃO TENSÃO

Leia mais

Art. 1º Aprovar a Norma Regulamentadora nº 35 (NR-35), sob o título "Trabalho em Altura", com a redação constante no Anexo desta Portaria.

Art. 1º Aprovar a Norma Regulamentadora nº 35 (NR-35), sob o título Trabalho em Altura, com a redação constante no Anexo desta Portaria. Fonte: Diário Oficial da União, nº 60, Seção I, p. 140, 27.02.2012 Portaria SIT nº 313, de 23.03.2012 - Aprova a Norma Regulamentadora nº 35 (Trabalho em Altura). A Secretária de Inspeção do Trabalho,

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE SEGURANÇA : SERVIÇOS COM ELETRICIDADE

LAUDO TÉCNICO DE SEGURANÇA : SERVIÇOS COM ELETRICIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA ELÉTRICA (SISTEMAS ELETRÔNICOS EMBARCADOS) LAUDO TÉCNICO DE SEGURANÇA : SERVIÇOS COM ELETRICIDADE ADRIANO LEAL CARLOS

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA N.º

NORMA REGULAMENTADORA N.º SUMÁRIO SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NORMA REGULAMENTADORA N.º 10 2. Formação profissional 2.1 Qualificação 2.2 Habilitação 2.3 Capacitação 2.4 Autorização 3. Medidas de controle

Leia mais

INFORMATIVO 09/2016. NOVAS ALTERAÇÕES NA NR 12 DOU de 02/05/2016

INFORMATIVO 09/2016. NOVAS ALTERAÇÕES NA NR 12 DOU de 02/05/2016 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di INFORMATIVO 09/2016 NOVAS ALTERAÇÕES NA NR 12 DOU de 02/05/2016 O Ministério do Trabalho e Previdência Social, através da Portaria MTPS nº 509 de 29 de

Leia mais

BEM-VINDO. Ao Seminário Estadual sobre Segurança em Máquinas com NR 12. TEMA Conceitos Fundamentais

BEM-VINDO. Ao Seminário Estadual sobre Segurança em Máquinas com NR 12. TEMA Conceitos Fundamentais BEM-VINDO Ao Seminário Estadual sobre Segurança em Máquinas com NR 12 TEMA Conceitos Fundamentais Marcelo Vandresen, Dr.Eng.Mec. 1989 - Tecnico em Mecânica Manutenção 1994 - Engenheiro Mecânico 1995 -

Leia mais

NR-12 aplicada à máquinas da linha amarela. Marcus C. Lacerda Engenheiro Mecânico e Sócio-diretor OPERACTION

NR-12 aplicada à máquinas da linha amarela. Marcus C. Lacerda Engenheiro Mecânico e Sócio-diretor OPERACTION NR-12 aplicada à máquinas da linha amarela Marcus C. Lacerda Engenheiro Mecânico e Sócio-diretor OPERACTION Mercado de Máquinas Pesadas - Brasil (Estimativa) Retroescavadeiras Pás carregadeiras Escavadeiras

Leia mais

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12:

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12: COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12: Com a publicação do texto revisado da Norma Regulamentadora 12, em Dezembro de 2010 pela Portaria SIT 197 do Ministério do Trabalho e Emprego, surgiram

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 01. Procedimento para fundações, escavações e desmonte de rocha.

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 01. Procedimento para fundações, escavações e desmonte de rocha. Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. Objetivo Este Manual de Recomendação, tem como objetivo, assegurar que todas as obras efetuem proteção coletiva que prever a adoção de medidas que evitem a ocorrência de desmoronamento,

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral Curso Técnico Segurança do Trabalho Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral A NR18 é a norma que regulamenta a Segurança e Medicina do Trabalho na Indústria da Construção

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL CAPÍTULO 2: CONSTITUIR COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA

MANUAL DE PESSOAL CAPÍTULO 2: CONSTITUIR COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA 1 MÓDULO 20: SEGURANÇA NO TRABALHO CAPÍTULO 2: CONSTITUIR COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA ANEXOS: 1 Fluxo do Subprocesso Constituir Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA 2 Formulário

Leia mais

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI 1 - NOME DO CURSO: Qualificação para instalador de equipe de serviços de Rede de Distribuição Aérea. (multifuncional) 2 - ÁREA: Energia Elétrica Sub área Sistema Elétrico

Leia mais

Supervisor de Espaços Confinados

Supervisor de Espaços Confinados Supervisor de Espaços Confinados PROFESSOR AZEVEDO REVELA EXATAMENTE TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O ASSUNTO NR 33 - Espaço Confinado SUPERVISOR Espaços Confinados para Supervisor O que é? A Norma

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA TRABALHOS PRÓXIMOS DE INSTALAÇÕES EM TENSÃO 2 DESCRIÇÃO Nas tarefas de exploração, construção e manutenção das instalações eléctricas são susceptíveis

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO A norma brasileira para instalações elétricas de baixa tensão é a NBR 5410 Fixa as condições que as instalações de baixa tensão devem atender; Primeira edição de 1941;

Leia mais

Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho

Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho SEGURANÇA DE PESSOAS: TECNOLOGIAS E CONCEITOS 1 Sumário Acidentes com a eletricidade. Porque acontecem Proteção contra choques elétricos Prevenção de

Leia mais

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição:

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição: RESOLUÇÃO N 2554 Dispõe sobre a implantação e implemenação de sistema de controles internos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO

Leia mais

NR-10 COMENTADA. SERAE - Serviço de Ensino de Refrigeração, Automação e Elétrica Ltda. Rua Padre Telêmaco, Cascadura - Rio de Janeiro - RJ

NR-10 COMENTADA. SERAE - Serviço de Ensino de Refrigeração, Automação e Elétrica Ltda. Rua Padre Telêmaco, Cascadura - Rio de Janeiro - RJ NR-10 COMENTADA SERAE - Serviço de Ensino de Refrigeração, Automação e Elétrica Ltda Rua Padre Telêmaco, 111 - Cascadura - Rio de Janeiro - RJ Site: c Apresentação Objetivo e campo de aplicação 7 Medidas

Leia mais

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s):

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s): título: Resolução RDC nº 81, de 14 de abril de 2003 ementa: Dispõe sobre a obrigatoriedade de identificação do fabricante do produto palmito em conserva, litografada na parte lateral da tampa metálica

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE

COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE 1 COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE 2 1. OBJETIVO Comunicar os procedimentos que devem ser adotados para homologação de conjuntos blindados

Leia mais

Deuteronômios /10/2012

Deuteronômios /10/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Deuteronômios 22.8 Quando edificares uma casa nova, farás um parapeito, no eirado (terraço), para que não ponhas culpa de sangue na tua casa, se alguém de algum modo cair

Leia mais

Prevenção Contra Incêndio e Pânico. Palestra em Paraty. A Contribuição Possível dos Profissionais do Sistema Confea/Crea

Prevenção Contra Incêndio e Pânico. Palestra em Paraty. A Contribuição Possível dos Profissionais do Sistema Confea/Crea Prevenção Contra Incêndio e Pânico Palestra em Paraty A Contribuição Possível dos Profissionais do Sistema Confea/Crea Sistema Confea/Crea O Conselho Federal regulamenta o exercício profissional na área

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Gerenciamento de risco Químico Edson Haddad CETESB Gerenciamento de risco Propósito do PGR Programa de Gerenciamento

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 : A 13º norma regulamentadora, estabelece todos os requisitos

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

Maquinas, equipamentos e ferramentas diversas na construção civil. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Maquinas, equipamentos e ferramentas diversas na construção civil. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho na construção civil Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho A operação de máquinas e equipamentos que exponham o operador ou terceiros a riscos só pode ser feita por trabalhador

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos. Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos. Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho Tem o objetivo de evitar que o trabalhador entre em contato com partes móveis da máquina. Definições Maquinas

Leia mais

Módulo de Expansão de Entrada de Encoder EEN1 SCA06

Módulo de Expansão de Entrada de Encoder EEN1 SCA06 Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Módulo de Expansão de Entrada de Encoder EEN1 SCA06 Guia de Instalação, Configuração e Operação Índice ÍNDICE 1 INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA...

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO Sistema de Ar-Condicionado Tipo Split. ÌNDICE 1. INTRODUÇÃO 1.1 NORMAS TÉCNICAS 1. 2 ORIENTAÇÕES INICIAIS 2. SERVIÇOS 3. EQUIPAMENTOS E MATERIAIS 4. REQUISITOS PARA FORNECEDORES

Leia mais

Capítulo 3. Proteção contra choques elétricos fundamentos. 3.1 A corrente elétrica no corpo humano 26/04/2010

Capítulo 3. Proteção contra choques elétricos fundamentos. 3.1 A corrente elétrica no corpo humano 26/04/2010 Capítulo 3 Proteção contra choques elétricos fundamentos 2008 by Pearson Education slide 1 3.1 A corrente elétrica no corpo humano A publicação IEC/TS 60479-1: Effects of current on human beings and livestock.

Leia mais

SEGURANÇA FRENTE A RISCOS ELÉTRICOS EM BAIXA TENSÃO NORMAS E RECOMENDAÇÕES

SEGURANÇA FRENTE A RISCOS ELÉTRICOS EM BAIXA TENSÃO NORMAS E RECOMENDAÇÕES SEGURANÇA FRENTE A RISCOS ELÉTRICOS EM BAIXA TENSÃO NORMAS E RECOMENDAÇÕES ACIDENTES PRODUZIDOS POR ELETRICIDADE CONTATOS DIRETOS Contatos com partes da instalação energizadas CONTATOS INDIRETOS Contatos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2676, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº 2676, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº 2676, DE 2015 Torna obrigatória a implantação de instalações de distribuição de gás combustível em edifícios de uso público. I RELATÓRIO A proposição em análise tem como objetivo tornar

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: INCÊNDIO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. Apresentação... 03 2. Extintores... 04 3. Iluminação de Emergência...

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA OPERAÇÃO DO COD

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA OPERAÇÃO DO COD 1/6 1. Objetivo O objetivo desta orientação técnica é estabelecer planos de contingência a serem aplicados nos casos de alteração das condições normais de operação do COD, seja por motivo de concentração

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

Apresentado por Hilton Moreno

Apresentado por Hilton Moreno Apresentado por Hilton Moreno Cuidando dos seus bens mais valiosos. Um projeto de conscientização e orientação sobre a necessidade de modernizar as instalações elétricas, minimizando os riscos de acidentes,

Leia mais

Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas

Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas 1 Objetivo Estabelecer diretrizes para o tratamento de não conformidades detectadas na unidade de gestão, e estabelecer um método para realizar ações corretivas e ações preventivas que possam ser executadas

Leia mais

Procedimentos que o Grupo Arteseg Oferece com sua Consultoria NR10:

Procedimentos que o Grupo Arteseg Oferece com sua Consultoria NR10: Adequação e Consultoria à norma NR10 A NR10 é uma norma regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego que estabelece uma série procedimentos e condutas para a realização de atividades que envolvem

Leia mais

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas de BT I Odailson Cavalcante de Oliveira NBR 5410 Evolução: Primeira edição em 1941 (Norma Brasileira para Execução de Instalações Elétricas). Segunda edição em 1960. Terceira edição

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Higiene e Segurança no Trabalho Capítulo IV EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (NR-6), D.Sc. 1/29 Equipamento de Proteção Individual (EPI) 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora NR,

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01 NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS 2016.1/01 QUANTO A MISSÃO DO LADAMS Art.01º A missão do LADAMS é oferecer aos alunos infraestrutura de suporte à execução

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde. Ocupacional Procedimento para instalações elétricas provisórias. Revisão: 00 Folha: 1 de 18

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde. Ocupacional Procedimento para instalações elétricas provisórias. Revisão: 00 Folha: 1 de 18 provisórias. Revisão: 00 Folha: 1 de 18 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras tenham maior embasamento técnico sobre instalações elétricas temporárias, orientar profissionais presentes

Leia mais

(12) Rod. Geraldo Scavone, 2080 Jd. Califórnia Condomínio Indusvale Incubadora CEP: Jacareí/SP

(12) Rod. Geraldo Scavone, 2080 Jd. Califórnia Condomínio Indusvale Incubadora CEP: Jacareí/SP (12) 9 7404.2887 Rod. Geraldo Scavone, 2080 Jd. Califórnia Condomínio Indusvale Incubadora CEP: 12.305-490 - Jacareí/SP 02 Localizada no Vale do Paraíba, a Energy Economy surgiu com o intuito de gerar

Leia mais

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços Famílias Todos Todos Todas Critério SMS Critério CONJUNTO DE REQUISITOS DE SMS PARA CADASTRO CRITÉRIO DE NOTAS DO SMS Portal do Cadastro SMS MEIO AMBIENTE Certificação ISO 14001 - Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade O Comitê - ISO A Organização Internacional de Normalização (ISO) tem sede em Genebra na Suíça, com o propósito

Leia mais

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ O presente regulamento visa estabelecer normas, procedimentos de funcionamento e atividades atribuídas à Gerência de Serviços, conforme estabelecido no Capítulo

Leia mais

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação.

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. O que é Avaliação? Conceito de Avaliação AVALIAR É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. Quebra de paradigmas Tipos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES LUMINÁRIAS DE EMERGÊNCIA LED

MANUAL DE INSTRUÇÕES LUMINÁRIAS DE EMERGÊNCIA LED MANUAL DE INSTRUÇÕES LUMINÁRIAS DE EMERGÊNCIA LED * Estas luminárias apenas ser montados em superfícies não-combustíveis (gesso, concreto, peças de metal, etc.), de modo que: "EM NENHUMA CIRCUNSTÂNCIA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO: Curso FIC de Reciclagem em NR-10 PARTE 1 (SOLICITANTE)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO: Curso FIC de Reciclagem em NR-10 PARTE 1 (SOLICITANTE) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA APROVAÇÃO DE CURSO E AUTORIZAÇÃO DA OFERTA PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

PESQUISA INFORMATIVO SENAI 5.5. Sua participação é importante para o SENAI continuar elevando o nível de qualidade da Educação Profissional

PESQUISA INFORMATIVO SENAI 5.5. Sua participação é importante para o SENAI continuar elevando o nível de qualidade da Educação Profissional INFORMATIVO SENAI 5.5 TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O MUNDO SENAI PESQUISA INSTITUCIONAL S E N A I - R O. 2 01 5 MOSTRAR SEU SORRISO DE SATISFAÇÃO Sua participação é importante para o SENAI continuar

Leia mais

ANEXO IV NR16 ATIVIDADES E OPERAÇOES PERIGOSAS COM ENERGIA ELÉTRICA PORTARIA N.º DE 16 DE JULHO DE 2014

ANEXO IV NR16 ATIVIDADES E OPERAÇOES PERIGOSAS COM ENERGIA ELÉTRICA PORTARIA N.º DE 16 DE JULHO DE 2014 ANEXO IV NR16 ATIVIDADES E OPERAÇOES PERIGOSAS COM ENERGIA ELÉTRICA PORTARIA N.º 1.078 DE 16 DE JULHO DE 2014 Apresentação: Eng. Aguinaldo Bizzo de Almeida Engenheiro Eletricista / Segurança do Trabalho

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Segurança

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) Oficina 07 Política de Meio Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho Objetivos, Metas e Programas 4.2 Política de SSTMA A Alta Administração

Leia mais

LEVANTAMENTO DE PERIGOS E RISCOS À SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL 1. OBJETIVO 2. PROCEDIMENTO

LEVANTAMENTO DE PERIGOS E RISCOS À SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL 1. OBJETIVO 2. PROCEDIMENTO 1. OBJETIVO Definir a metodologia para levantamento de perigos e riscos relacionados ao sistema de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional da (nome da organização). 2. PROCEDIMENTO 2.1 Definições Perigo

Leia mais

Modificações nas Normas Regulamentadoras e seus impactos na escolha de máquinas e equipamentos S I N D U S C O N S P 1 7 / 1 2 /

Modificações nas Normas Regulamentadoras e seus impactos na escolha de máquinas e equipamentos S I N D U S C O N S P 1 7 / 1 2 / Modificações nas Normas Regulamentadoras e seus impactos na escolha de máquinas e equipamentos S I N D U S C O N S P 1 7 / 1 2 / 2 0 1 0 Montagem CARACTERÍSTICAS de pré-moldados Fotografias do Acidente

Leia mais

NR 3 EMBARGO OU INTERDIÇÃO. Portaria de 08 de junho de 1978

NR 3 EMBARGO OU INTERDIÇÃO. Portaria de 08 de junho de 1978 NR 3 EMBARGO OU INTERDIÇÃO Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A Norma Regulamentadora 3, cujo título é Embargo ou Interdição, estabelece as situações em que as empresas se sujeitam a sofrer paralisação

Leia mais

Manual de instruções

Manual de instruções Manual de instruções Carregador de Bateria Monofásico Versão: 4 Sumario 1. Descrição---------------------------------------------------------------------- 3 1.1 Composição Básica----------------------------------------------

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA

TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA Objetivo Formar profissional com habilitação Técnica de Nível Médio em Eletrotécnica, para atuar nos diversos segmentos do mercado, tais como: concessionárias de energia elétrica,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS CURSOS E TREINAMENTOS

APRESENTAÇÃO DOS CURSOS E TREINAMENTOS 1. APRESENTAÇÃO: APRESENTAÇÃO DOS CURSOS E TREINAMENTOS A SETC Consultoria é uma empresa fundada no município de Parauapebas PA, no ano de 2011, voltada para atender com soluções ágeis e necessárias às

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Normativas Gerais da NR-18

Normativas Gerais da NR-18 Normativas Gerais da NR-18 18.12 - ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS 2 ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS - A transposição de pisos com diferença de nível superior a 40cm deve ser feita por meio de escadas ou rampas.

Leia mais