CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANÁ Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANÁ Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial"

Transcrição

1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANÁ Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial DISSERTAÇÃO apresentada ao CEFET-PR para obtenção do título de MESTRE EM CIÊNCIAS por ANA CRISTINA BARREIRAS KOCHEM CONTROLE DE ADMISSÃO DE CHAMADAS, RESERVA DE RECURSOS E ESCALONAMENTO PARA PROVISÃO DE QOS EM REDES GPRS Banca Examinadora: Presidente e Orientador: PROF a. DR a. ELIANE LÚCIA BODANESE CEFET-PR Examinadores: PROF. DR. RÔMULO SILVA DE OLIVEIRA PROF. DR. LUIZ NACAMURA JÚNIOR PROF a. DR a. NELCY KEFFER CAMIÑA UFSC CEFET-PR PUC-PR Curitiba, março de 2003.

2 ANA CRISTINA BARREIRAS KOCHEM CONTROLE DE ADMISSÃO DE CHAMADAS, RESERVA DE RECURSOS E ESCALONAMENTO PARA PROVISÃO DE QOS EM REDES GPRS Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial do Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Ciências - Área de Concentração: Telemática. Orientadora: Prof a. Dr a. Eliane Lúcia Bodanese. Curitiba 2003

3 Nunca ande pelo caminho traçado, pois ele conduz somente até onde os outros foram. Alexandre Graham Bell iii

4 Agradecimentos Presto os meus sinceros agradecimentos a todas as pessoas que, direta ou indiretamente, contribuíram para a realização deste trabalho. Em primeiro lugar agradeço a Deus que permitiu que esse momento chegasse. A minha eterna gratidão aos meus pais Antônio Kochem e Lúcia C. Barreiras Kochem que abriram mão de muitas coisas para tornar seus sonhos o meu sonho e que fizeram sacrifícios para que eu pudesse chegar onde cheguei e ser quem sou. Agradeço também a minha irmã Vera Lúcia Barreiras Kochem que, mesmo distante, me apoiou durante os anos de meus estudos. Ao meu namorado Joelson Tadeu Vendramin, que sempre acreditou no meu potencial, agradeço por todo o amor, carinho e compreensão. Agradeço a minha orientadora Professora Eliane Lúcia Bodanese pelo incentivo, orientação e conselhos concedidos durante o desenvolvimento desse trabalho. Aos meus amigos do Laboratório de Sistemas Distribuídos (LaSD): Adriano, Alexandre, Anderson, Cláudio, Dequech, Edson, Emerson, Fábio, Hermes, Ioquir, Karina e Rômulo; o meu obrigado pela companhia e pela troca de experiências durante todo o nosso convívio. Agradeço também ao estagiário Diego Marcel Dallastella pela sua importante contribuição no desenvolvimento desse trabalho. Agradeço a CAPES pelo apoio financeiro. iv

5 Índice 1 Introdução Objetivo Descrição de trabalhos existentes Organização do documento General Packet Radio Service (GPRS) Introdução Arquitetura dos sistemas GSM e GPRS Conceito geral do sistema GSM Arquitetura de uma rede GPRS Pilha de Protocolos - Plano de Transmissão GPRS Interface de rádio GPRS Canais lógicos GPRS Mapeamento de canais lógicos Esquemas de codificação de canal Procedimentos de attach e detach GPRS Ativação de um contexto PDP Estabelecimento de um fluxo de bloco temporário Roteamento de pacotes de dados Gerenciamento de mobilidade GPRS Conclusão Qualidade de Serviço (QoS) em Redes Móveis Sem Fio Introdução Requisitos de QoS QoS em GPRS Fases de gerenciamento de QoS em GPRS Controle de admissão de chamadas (CAC) Alocação de recursos de rádio Policiamento Escalonamento Disciplinas de escalonamento de filas FIFO (First In First Out) PQ (Priority Queuing) FQ (Fair Queuing) WFQ (Weighted Fair Queuing) WRR (Weighted Round Robin) DRR (Deficit Round Robin) Disciplinas de escalonamento aplicadas em GPRS Conclusão Esquema de Provisão de QoS em Redes GPRS Introdução CAC e reserva de recursos CAC e reserva de recursos aplicados nos elementos de uma rede GPRS Escalonamento Disciplina MDRR Conclusão...58 v

6 5 Modelo de Simulação Introdução Descrição do modelo de simulação Parâmetros da simulação Conclusão Resultados e Análise da Simulação Introdução Resultados da simulação do CAC e reserva de recursos Resultados da simulação do escalonador MDRR+ e FIFO Conclusão Conclusões Limitações e sugestões para trabalhos futuros...86 Referências Bibliográficas...88 vi

7 Lista de Figuras Figura 1 Arquitetura de um sistema GSM...6 Figura 2 Arquitetura de uma rede GPRS...7 Figura 3 Pilha de protocolos: plano de transmissão GPRS...8 Figura 4 Estrutura multiquadros GPRS...12 Figura 5 Ativação de um contexto PDP...18 Figura 6 Acesso randômico para transferência de pacotes uplink (a) e downlink (b)...19 Figura 7 Roteamento de pacotes...20 Figura 8 Modelo de estados para gerenciamento de mobilidade de uma MS...22 Figura 9 Sistema de filas...32 Figura 10 Pseudocódigo da disciplina de escalonamento DRR...37 Figura 11 Primeiro ciclo de serviço do escalonador...38 Figura 12 Segundo ciclo de serviço do escalonador...39 Figura 13 Último ciclo de serviço do escalonador...39 Figura 14 Pseudocódigo do algoritmo de CAC e reserva de recursos adaptado para GPRS 48 Figura 15 Função Enqueue() da disciplina de escalonamento MDRR Figura 16 Configuração dos parâmetros de cada fluxo...55 Figura 17 Função Dequeue() da disciplina de escalonamento MDRR Figura 18 Modelo de simulação da rede celular GPRS...62 Figura 20 Taxa de rejeição de pedidos de handoff (R h )...71 Figura 21 Taxa de rejeição de conexões (R t )...72 Figura 22 Utilização da largura de banda na célula α em função de λ...75 Figura 23 Utilização da largura de banda em função de max b para λ = 0, Figura 24 Utilização da largura de banda em função de max b para λ = 0, Figura 25 Throughput no enlace sem fio utilizando a disciplina FIFO...80 Figura 26 Throughput no enlace sem fio utilizando a disciplina MDRR vii

8 Lista de Tabelas Tabela 1 Canais lógicos GPRS...14 Tabela 2 Requisitos de QoS definidos para um conjunto de aplicações...25 Tabela 3 Classes de Atraso GPRS...27 Tabela 4 Parâmetros das aplicações utilizados na simulação...67 Tabela 5 Conexões geradas nas simulações...73 Tabela 6 Conexões admitidas e rejeitadas...74 Tabela 7 Número de conexões admitidas e rejeitadas em função de max b...77 Tabela 8 Pior caso de três cenários de simulação...79 Tabela 9 Resultados da Simulação...82 viii

9 Lista de Siglas e Abreviaturas APN Access Point Name AuC Authentication Center BCS Block Check Sequence BTS Base Transceiver Station BSC Base Station Controller BSS Base Station Subsystem BSSGP BSS GPRS Protocol CAC Call Admission Control CBQ Class-based Queuing CBR Constant Bit Rate CS Coding Scheme CSPDN Circuit-Switched Public Data Network DLCI Data Link Connection Identifier DNS Domain Name Server DRR Deficit Round Robin EDF Earliest Deadline First EIR Equipment Identity Register E-OTD Enhanced Observed Time Difference ETSI European Telecommunications Standards Institute FDMA Frequency Division Multiple Access FIFO First In First Out FQ Fair Queuing FTP File Transfer Protocol FUNET Finnish University and Research Network GGSN Gateway GPRS Support Node GPRS General Packet Radio Service GPS Global Positioning System GSM Global System for Mobile Communications GTP GPRS Tunneling Protocol HLR Home Location Register HTTP Hiper Text Transfer Protocol IETF Internet Engineering Task Force IMEI International Mobile Equipment Identity IMSI International Mobile Subscriber Identity IP Internet Protocol ISDN Integrated Services Digital Network LLC Logical Link Control MAC Medium Access Control MDRR+ Modified Deficit Round Robin Plus MED Modified Earliest Deadline MS Mobile Station MSC Mobile Switching Center NAM Network Animator NOAH Non-Adhoc NC Network Control NS Network Simulator ix

10 NSAPI Network layer Service Access Point Identifier PACCH Packet Associated Control Channel PAGCH Packet Access Grant Channel PBCCH Packet Broadcast Control Channel PCCCH Packet Common Control Channel PCU Packet Control Unit PCUSN PCU Support Node PDCCH Packet Dedicated Control Channel PDCH Packet Data Channel PDN Packet Data Network PDP Packet Data Protocol PDTCH Packet Data Traffic Channel PDU Packet Data Unit PLL Physical Link Layer PLMN Public Land Mobile Network PNCH Packet Notification Channel PPCH Packet Paging Channel PQ Priority Queuing PRACH Packet Random Access Channel PSPDN Packet-Switched Public Data Network PSTN Public Switched Telephone Network P-TMSI Packet Temporary Mobile Subscriber Identity QoS Quality of Service RCPQ Rate-Controlled Priority Queuing RFL Radio Frequency Layer RLC Radio Link Control SAP Service Access Point SGSN Serving GPRS Support Node SIM Subscriber Identity Module SMTP Simple Mail Transfer Protocol SNDCP Sub-Network Dependent Convergence Protocol SPQ Strict Priority Queuing SPS Static Priority Scheduling TBF Temporary Block Flow TCP Transmission Control Protocol TDMA Time Division Multiple Access TFI Temporary Flow Identifier TID Tunnel Identifier TLLI Temporary Logical Link Identifier TOA Time of Arrival UDP User Datagram Protocol VLR Visited Location Register WFQ Weighted Fair Queuing WRR Weighted Round Robin x

11 Resumo Espera-se que redes móveis sem fio suportem diferentes aplicações, principalmente aquelas baseadas em voz, vídeo e dados. Entretanto, aplicações diferem muito em termos de exigências de qualidade de serviço (QoS Quality of Service). Um problema fundamental em suportar diferentes aplicações em redes móveis sem fio é gerenciar a escassa largura de banda. Esse trabalho propõe um esquema de provisão de QoS em redes GPRS (General Packet Radio Service) através da combinação de Controle de Admissão de Chamadas (CAC - Call Admission Control), Reserva de Recursos e Escalonamento. Juntos esses mecanismos podem fornecer um tratamento diferenciado para o tráfego de vários tipos de mídias. O efeito do emprego deste esquema no atraso, na variação do atraso e no throughput gerado pelos diferentes tráfegos é analisado com o simulador NS (Network Simulator). Os resultados mostram que utilizando CAC, reserva de recursos e escalonamento podemos atender à diversidade de exigências impostas por um conjunto de aplicações. xi

12 Abstract It is aimed that mobile wireless networks support different applications, specially those based on voice, video and data. However, applications differ a lot in terms of quality of service (QoS) requirements. A key problem in supporting different applications across mobile wireless networks is managing the scarce bandwidth. This work proposes a QoS provisioning scheme over General Packet Radio Service (GPRS) networks by combining Call Admission Control (CAC), Resource Reservation and Scheduling. Together these mechanisms can provide a differentiated treatment to the traffic of various media types. Their effect on the delay, delay variation and throughput generated by different traffic is analyzed with the Network Simulator (NS). Results show that using CAC, resource reservation and scheduling we can meet the diversity of QoS requirements of an applications set. xii

13 1 Introdução Desde as últimas décadas, um crescimento explosivo e um potencial inovador das tecnologias de comunicações sem fio vem revolucionando o mercado que exige um acesso cada vez mais rápido e eficiente aos recursos de rádio. A demanda por diferentes tipos de serviços tem proporcionado um movimento em busca da convergência das redes de comunicação existentes. O objetivo é integrar de forma eficiente uma variedade de mídias, tais como voz, vídeo e dados, em uma mesma infra-estrutura de rede. A comunicação de voz, vídeo e dados em enlaces (links) sem fio, através do uso de equipamentos móveis, tem sido uma tarefa desafiadora para as operadoras de redes celulares. O tráfego gerado por essas mídias é altamente diversificado e impõe requisitos únicos de qualidade, tais como limites de atraso e largura de banda mínima exigida para o seu bom desempenho na rede. Para suprir tais requisitos, as redes móveis sem fio precisam lidar com problemas como a mobilidade dos usuários, o gerenciamento do limitado espectro de freqüências e a alta variabilidade na qualidade dos enlaces sem fio principalmente na presença de interferências e sob uma alta utilização do meio de comunicação. De modo a evitar congestionamentos e atender as mais diversas exigências de QoS (Quality of Service), mecanismos devem ser implementados nos elementos de uma rede para gerenciar e garantir a qualidade dos serviços oferecidos. 1.1 Objetivo Embora existam pesquisas relatadas na literatura sobre gerenciamento de QoS em redes GPRS (General Packet Radio Service), a aplicação de mecanismos eficazes para prover uma qualidade fim-a-fim para os mais variados tipos de mídias, principalmente voz e vídeo, ainda continua sendo um desafio. Por esse motivo, o objetivo do presente trabalho é propor um esquema de gerenciamento de QoS em redes GPRS através da combinação de Controle de Admissão de Chamadas (CAC - Call Admission Control), Reserva de Recursos e Escalonamento. Juntos esses mecanismos podem fornecer um tratamento diferenciado para um conjunto de mídias (voz, vídeo e dados) enquanto atendendo as exigências de QoS impostas pelos usuários dessas aplicações. Isso é alcançado diferenciando as aplicações quanto aos requisitos necessários para seu adequado funcionamento na rede. Tais requisitos são negociados entre a operadora da rede e o

14 2 usuário móvel GPRS durante a assinatura de um contrato de prestação de serviço. As aplicações podem possuir diferentes perfis de QoS, impondo exigências específicas quanto, por exemplo, ao limite de atraso esperado na transferência de seus pacotes, taxa de dados requerida para a transferência dos pacotes, entre outras. Para atender as exigências definidas em um perfil de QoS e prover serviços previsíveis, conexões consideradas sensíveis ao atraso são classificadas como sendo de maior prioridade e somente são admitidas se a rede for capaz de oferecer os recursos necessários para a aplicação operar adequadamente. Uma vez que a conexão é aceita, os pacotes pertencentes a diferentes aplicações são transmitidos na ordem de sua prioridade. O esquema sendo proposto também limita a taxa de dados de cada aplicação de acordo com o perfil de QoS negociado, principalmente as aplicações que geram tráfego em rajada como, por exemplo, uma aplicação de transferência de arquivos. Isso proporciona um comportamento mais regular aos serviços, prevenindo que serviços mal comportados prejudiquem serviços sensíveis a atrasos. 1.2 Descrição de trabalhos existentes Várias pesquisas têm sido realizadas com o objetivo de garantir QoS para diferentes tipos de mídias em redes móveis sem fio. Em [JAYARAM 00], são apresentados esquemas de QoS com o objetivo de prover um tratamento diferencial e garantir qualidade para fluxos multimídia aplicados em sistemas sem fio. Tal esquema inclui compactação de largura de banda, reserva de canal e degradação de chamadas reduzindo a porção da largura de banda alocada para um fluxo em caso de escassez de recursos de rádio. Com base nos requisitos de serviço negociados entre um assinante móvel e a rede, em [OLIVEIRA 98] é proposto um esquema de controle de admissão de chamadas baseado em uma reserva adaptativa de largura de banda cujo objetivo é prover qualidade para uma variedade de aplicações multimídia transportadas em redes celulares de alta velocidade. Dentro da literatura relacionada ao gerenciamento de QoS em redes GPRS é relevante citar trabalhos como o de Shiao-Li Tsao [TSAO 00], que propõe gerenciar a qualidade de serviço oferecida em redes GPRS através de duas fases: (1) controle de admissão de chamadas e reserva dos recursos de rádio; (2) policiamento e escalonamento de pacotes durante uma transferência de dados. O objetivo do autor é aplicar esses mecanismos de QoS aos componentes da rede visando atender as exigências de qualidade especificadas em um

15 3 contrato de prestação de serviço. Em [STUCKMANN 01] é avaliada a melhoria no desempenho e na capacidade obtida pelas aplicações de e WWW através do gerenciamento de QoS em GPRS. Em [SAU 98] e [PANG 99] diferentes disciplinas de escalonamento de filas são avaliadas com o intuito de atender aos requisitos de atraso impostos por fontes que geram, por exemplo, serviços de correio eletrônico, transferência de arquivos e acesso remoto. 1.3 Organização do documento O presente trabalho encontra-se estruturado em sete capítulos. Esse capítulo descreve as motivações e os objetivos para o desenvolvimento do trabalho, bem como a descrição de algumas pesquisas relacionadas. O próximo capítulo introduz a arquitetura e a funcionalidade do GPRS, um serviço de dados comutado a pacotes projetado para a fase 2+ da rede celular GSM (Global System for Mobile Communications). O terceiro capítulo apresenta questões relativas à qualidade de serviço (QoS) em redes móveis sem fio e, mais especificamente, em uma rede GPRS, descrevendo os requisitos de qualidade de algumas aplicações e apresentando mecanismos de gerenciamento de QoS, tais como controle de admissão de chamadas, reserva de recursos, policiamento e escalonamento. O quarto capítulo é dedicado à apresentação do esquema de provisão de QoS sendo proposto para proporcionar o uso de diferentes aplicações em redes GPRS enquanto suprindo seus requisitos de desempenho. O modelo de simulação aplicado para investigar o desempenho do esquema proposto é apresentado no quinto capítulo. No sexto capítulo são avaliados os resultados obtidos a partir das simulações. No último capítulo, são apresentadas as conclusões obtidas com o desenvolvimento do esquema de provisão de QoS em redes GPRS e, no final do capítulo, são propostas sugestões para o desenvolvimento de trabalhos futuros.

16 2 General Packet Radio Service (GPRS) 2.1 Introdução O GPRS (General Packet Radio Service), padronizado pelo ETSI (European Telecommunications Standards Institute), é um serviço de dados de pacote projetado para a fase 2+ da rede celular GSM (Global System for Mobile Communications) [BRASCHE 97, BETTSTETTER 99]. Uma rede GPRS pode ser usada para transportar tráfego IP (Internet Protocol) ou X.25 de/para um terminal GPRS para/de outro terminal GPRS e/ou PDNs (Packet Data Networks) externas (tais como: Internet, Intranets corporativas/privadas, redes X.25 e outras redes GPRS controladas por diferentes operadoras de rede). O padrão GPRS que é baseado na transmissão comutada a pacotes surgiu para tornar mais eficiente a utilização de recursos de rádio para o transporte de aplicações que geram tráfego em rajada (tráfego assíncrono com taxas de bit bastante variáveis), tais como aplicações Internet (serviços de páginas e ). O conceito de capacidade sob demanda foi introduzido para possibilitar o uso de serviços GPRS sem a necessidade de alocar permanentemente os recursos de rádio [CAI 97]. Ao contrário das conexões comutadas a circuito (como nos sistemas GSM), nas quais um recurso é alocado permanentemente para um usuário durante o período inteiro de sua chamada (esteja este enviando ou não dados), uma rede comutada a pacotes aloca um recurso somente quando este for necessário e o libera após a transmissão/recepção dos dados. Conseqüentemente, uma rede GPRS utiliza mais eficientemente os recursos de rádio escassos, possibilitando que múltiplos usuários compartilhem um mesmo canal físico. Operadoras de redes GPRS podem oferecer tempos de acesso mais rápidos, maiores taxas de dados, diferenciação de usuários móveis baseado em contratos de qualidade de serviço (QoS Quality of Service) e aplicar novos métodos de cobrança com base no volume de dados transmitidos/recebidos por cada usuário, ao invés da duração de uma conexão, o que pode conduzir a tarifas mais baixas.

17 5 2.2 Arquitetura dos sistemas GSM e GPRS Conceito geral do sistema GSM Para entender a arquitetura do sistema GPRS, primeiramente faz-se necessário compreender o conceito geral de um sistema GSM. A área de serviço de uma rede GSM é composta pelos vários países onde uma estação móvel (MS - Mobile Station) pode ser servida. Dentro de um país, pode haver uma ou mais PLMN (Public Land Mobile Network). Uma PLMN é uma rede operada ou licenciada por uma operadora. Cada PLMN, por sua vez, pode ser dividida em diferentes áreas de serviço controladas por um centro de comutação móvel (MSC - Mobile Switching Center). O MSC é responsável pela gerência de serviços móveis dentro de sua área de jurisdição e pela comutação de chamadas entre MSs e entre uma MS e um usuário de uma rede fixa. Para isso ser possível, o MSC atua como uma interface provendo a interoperabilidade entre um sistema GSM e outras redes, tais como: PSTN (Public Switched Telephone Network), ISDN (Integrated Services Digital Network), CSPDN (Circuit-Switched Public Data Network), PSPDN (Packet-Switched Public Data Network) e PLMN [MEHROTRA 96]. Dentro de uma área de serviço gerenciada por um MSC pode haver várias áreas de localização (LAs - Location Area). Em uma LA, uma MS pode se mover livremente sem precisar atualizar seus dados de localização. Por último, uma LA é subdividida em células que representam a área de cobertura de rádio de uma estação base transceptora (BTS - Base Transceiver Station). A função de uma BTS é prover e monitorar as interfaces de rádio em direção as MSs possibilitando que estas sejam capazes de estabelecer/receber chamadas em uma célula. Duas ou mais BTSs são controladas por um controlador de estação base (BSC - Base Station Controller) que é responsável pelo gerenciamento dos recursos de um grupo de células e pelo controle de handoffs (executado quando uma MS muda de canal físico, por exemplo, ao se mover para uma nova célula). A BTS e o BSC juntos formam o subsistema de estação base (BSS - Base Station Subsystem). A arquitetura do sistema GSM com seus principais componentes e interfaces é ilustrada na Figura 1. O sistema GSM possui várias bases de dados utilizadas para controlar as chamadas e gerenciar a rede [BETTSTETTER 99]: AuC (Authentication Center): gera e armazena dados relacionados a segurança, tais como: chaves, usadas para autenticação e codificação;

18 6 EIR (Equipment Identity Register): armazena dados do equipamento como, por exemplo, o IMEI (International Mobile Equipment Identity). O IMEI é uma espécie de número serial, alocado pelo fabricante do equipamento e registrado pela operadora de rede, que identifica unicamente e internacionalmente um equipamento móvel; HLR (Home Location Register): armazena os dados permanentes (como o perfil de serviços) e temporários (como a localização corrente) dos assinantes registrados com uma operadora de rede; VLR (Visited Location Register): armazena os dados dos usuários que estejam atualmente em sua área de responsabilidade. Esses dados incluem parte dos dados permanentes recebidos do HLR. Além disso, o VLR também pode armazenar dados locais (como uma identidade temporária) para um usuário em roaming, isto é, uma MS que tenha saído da sua área de serviço domiciliada e esteja estabelecendo uma chamada em uma nova área associada a um MSC diferente do seu de domicílio. BSC MS EIR BTS MS HLR BTS BSC MSC PSTN ISDN CSPDN PSPDN PLMN MS VLR Rede Pública MS BTS AUC BTS BSC Interface Um Interface Abis Interface A Figura 1 Arquitetura de um sistema GSM Cada assinante registrado com a operadora de rede é unicamente identificado pela sua IMSI (International Mobile Subscriber Identity). A IMSI é armazenada no cartão SIM (Subscriber Identity Module) que por sua vez é inserido no equipamento móvel. As interfaces utilizadas em um sistema GSM são: (1) Interface Um: também conhecida como interface aérea ou enlace de rádio, que permite a comunicação entre a MS e a BTS; (2) Interface Abis: utilizada entre a BTS e o BSC; (3) Interface A: utilizada entre o BSC e o

19 7 MSC; (4) Interface MAP (Mobile Application Part): utilizada entre o MSC e as bases de dados (AuC, EIR, HLR, VLR) Arquitetura de uma rede GPRS A rede GPRS foi construída como uma extensão da rede GSM, sendo que ambas utilizam a mesma infra-estrutura e compartilham os mesmos recursos de rádio. Porém, de modo a oferecer um serviço de comutação de pacotes, dois novos elementos foram adicionados formando a rede backbone GPRS [GSM 03.02]: o SGSN (Serving GPRS Support Node) e o GGSN (Gateway GPRS Support Node). A Figura 2 ilustra a arquitetura de uma rede GPRS com seus principais componentes e interfaces. O SGSN é um roteador responsável pela localização dos assinantes móveis dentro de sua área de serviço, roteamento de pacotes dentro da PLMN, gerenciamento de mobilidade, gerenciamento de enlace lógico, segurança, autenticação e cobrança. O GGSN atua como uma interface lógica para PDNs externas, sendo responsável pelas seguintes funções: tradução de formatos de dados, protocolos de sinalização e mapeamento de endereços para permitir comunicação entre diferentes redes, classificação de tráfego proveniente de PDNs externas, autenticação e cobrança. MS MS Um BTS Um BTS Abis BSC Abis Gb EIR Gf SGSN Gs VLR Gn GGSN Gr Gc D HLR Gi PDN Internet Intranet X.25 Interface de Sinalização Interface de Sinalização e Transferência de Dados do Usuário Figura 2 Arquitetura de uma rede GPRS Uma rede GPRS utiliza o mesmo BSS que os serviços de voz GSM, com uma atualização de software na BTS e no BSC e a instalação de um novo componente de hardware chamado PCU (Packet Control Unit), geralmente, localizado no PCUSN (PCU Support Node) [BATES 02]. O PCUSN reside tipicamente entre o BSC e o SGSN sendo o responsável pela transferência de pacotes entre o BSS e a rede GPRS. As bases de dados AuC, EIR, HLR e VLR também fazem parte da arquitetura de uma rede GPRS. O AuC e o EIR são utilizados para controlar a segurança e autenticação dos

20 8 assinantes móveis, o HLR mantém informações atualizadas de cada assinante registrado na rede GPRS (tais como: IMSI, informações de localização corrente, perfil de serviços contratados, endereço do SGSN corrente, um ou mais endereços PDPs (Packet Data Protocol), permissões de roaming e estado de atividade) e o VLR armazena informações sobre usuários ativos dentro da sua área de serviço, por exemplo, usuários em roaming. A entidade MSC é usada em GPRS somente quando ambos os serviços de dados comutados a pacote e comutados a circuito são suportados. O tráfego de voz é enviado pelo BSC para o MSC como no sistema GSM, enquanto o tráfego de dados é enviado para o SGSN, através da PCU, em uma interface Frame Relay. A BTS é responsável pela modulação, demodulação e transmissão/recepção no enlace de rádio. O BSC suporta os protocolos GPRS relevantes para a comunicação na interface aérea, gerencia as chamadas e executa a atribuição de recursos de rádio. Um novo conjunto de interfaces foi desenvolvido para permitir a comunicação entre os elementos de uma rede GPRS, entre elas destacam-se: (1) Interface Gb: entre a PCU e o SGSN, usando Frame Relay; (2) Interface Gr: responsável pela troca de informações entre o SGSN e o HLR; (3) Interface Gn: utilizada entre o SGSN e o GGSN quando estes estão localizados na mesma PLMN; (4) Interface Gp: utilizada entre o SGSN e o GGSN caso estes estejam em PLMNs diferentes. Ambas as interfaces Gn e Gp transmitem dados do usuário e de sinalização entre o SGSN e o GGSN; (5) Interface Gc: possibilita a troca de informações entre o GGSN e o HLR; (6) Interface Gf: utilizada entre o SGSN e o EIR; (7) Interface Gs: utilizada entre o SGSN e o VLR; Interface Gi: utilizada entre o GGSN e PDNs externas. 2.3 Pilha de Protocolos - Plano de Transmissão GPRS A pilha de protocolos GPRS é ilustrada na Figura 3 [3GPP 03.60]. Aplicação Camada de Rede (IP/X.25) SNDCP LLC RLC MAC PLL RFL RLC MAC PLL RFL Relay BSSGP Frame Relay Camada Física SNDCP BSSGP Frame Relay Camada Física TCP/UDP IP Camada de Link de Dados Camada Física GTP TCP/UDP IP Camada de Link de Dados Camada Física MS BSS SGSN GGSN Interface Um Interface Gb Interface Gn Interface Gi LLC Relay GTP Camada de Rede (IP/X.25) Figura 3 Pilha de protocolos: plano de transmissão GPRS P D N

21 9 O plano de transmissão GPRS é utilizado para transferir dados do usuário e de sinalização entre os diferentes nós físicos que compõem uma rede GPRS. A camada de aplicação fornece os serviços para os usuários finais. Os seguintes protocolos, por exemplo, podem fazer parte da camada de aplicação: HTTP (Hiper Text Transfer Protocol), FTP (File Transfer Protocol), SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) e TELNET. Um pacote de dados do usuário ou PDU (Packet Data Unit) é recebido da camada de rede e encapsulado na camada SNDCP (Sub-Network Dependent Convergence Protocol) [3GPP 04.65]. O protocolo SNDCP é responsável pela multiplexação de várias conexões da camada de rede em uma única conexão lógica da camada LLC (Logical Link Control), criptografia, segmentação e compressão/descompressão de dados do usuário e informações de cabeçalho redundante. Após executar a função de compressão, o SNDCP segmenta a PDU em um ou mais quadros LLC, dependendo do tamanho máximo definido para um quadro LLC, e os envia para a camada inferior. O SNDCP suporta a transmissão/recepção de PDUs entre a MS e o SGSN no modo com reconhecimento (acknowledged) e sem reconhecimento (unacknowledged). No modo de transferência com reconhecimento, o número máximo de bytes que o campo de informação de um quadro LLC pode conter é 1520 bytes e a recepção do(s) quadro(s) LLC é confirmada na camada LLC. No modo sem reconhecimento, o número máximo de bytes contidos no campo de informação de um quadro LLC é 500 bytes sendo que nenhuma confirmação é retornada pela camada LLC [BATES 02]. No lado do receptor, o SNDCP reagrupa os quadros LLC recebidos antes de efetuar a descompressão dos dados. A comunicação de rádio entre a MS e a rede GPRS abrange as funcionalidades da camada de enlace de dados e da camada física. A camada de enlace de dados é dividida em duas sub-camadas: a camada LLC (MS- SGSN) e a camada RLC/MAC (Radio Link Control/Medium Access Control) (MS-BSS). A camada LLC [3GPP 04.64] opera acima da camada RLC fornecendo um enlace lógico único e altamente confiável entre uma MS em particular e o seu SGSN corrente. Um DLCI (Data Link Connection Identifier) identifica esse enlace lógico. O DLCI é composto pelo TLLI (Temporary Logical Link Identifier) e pelo identificador SAP (Service Access Point). Os SAPs são os pontos onde a camada SNDCP pode acessar os serviços oferecidos pela camada LLC. As principais funções da camada LLC incluem: controle de seqüência, controle de fluxo, criptografia e tratamento de erros (detecção e/ou correção de erros). A camada LLC

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

Agilent Conheça o General Packet Radio Service (GPRS)

Agilent Conheça o General Packet Radio Service (GPRS) Agilent Conheça o General Packet Radio Service (GPRS) Nota de Aplicação 1377 Aumente os seus conhecimentos sobre a tecnologia GPRS. Saiba mais sobre o GPRS: redes protocolos interface aérea métodos de

Leia mais

General Packet Radio Service GPRS

General Packet Radio Service GPRS GPRS 1 General Packet Radio Service GPRS FEUP/MRSC/SCO 2001 MPR GPRS 2 Bibliografia Christian Bettstetter, Hans-Jorg Vogel and Jorg Eber Spacher, GSM Phase 2+ General Packet Radio Service GPRS: Architecture,

Leia mais

General Packet Radio Service GPRS

General Packet Radio Service GPRS GPRS 1 General Packet Radio Service GPRS FEUP MPR GPRS 2 Bibliografia Christian Bettstetter, Hans-Jorg Vogel and Jorg Eber Spacher, GSM Phase 2+ General Packet Radio Service GPRS: Architecture, Protocols

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Simulação de Alternativas de Alocação de Recursos Rádio no Sistema GSM/GPRS

Simulação de Alternativas de Alocação de Recursos Rádio no Sistema GSM/GPRS Simulação de Alternativas de Alocação de Recursos Rádio no Sistema GSM/GPRS O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Breno Perim Pimenta para a etapa de classificação do I Concurso

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ALEXANDRE GADDO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ALEXANDRE GADDO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ALEXANDRE GADDO AVALIAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DE INFORMAÇÕES DE RASTREAMENTO

Leia mais

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR Antes de qualquer coisa é preciso apresentar o conceito de telefone celular. Este conceito pode ser definido como um transmissor de baixa potência onde freqüências podem

Leia mais

ESTUDO DO COMPORTAMENTO DOS PROTOCOLOS GPRS EM UMA CHAMADA DE DADOS

ESTUDO DO COMPORTAMENTO DOS PROTOCOLOS GPRS EM UMA CHAMADA DE DADOS 1 UNIÃO EDUCACIONAL MINAS GERAIS S/C LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS Autorizada pela Portaria no 577/2000 MEC, de 03/05/2000 BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTUDO DO COMPORTAMENTO

Leia mais

Transmissão de dados através de telefonia celular: arquitetura das redes GSM e GPRS

Transmissão de dados através de telefonia celular: arquitetura das redes GSM e GPRS Transmissão de dados através de telefonia celular: arquitetura das redes GSM e GPRS Resumo Rodolfo Pedó Pirotti 1 Marcos Zuccolotto 2 O padrão de telefonia celular mais difundido no Brasil e no mundo é,

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 28 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

2 Arquitetura do UMTS

2 Arquitetura do UMTS 2 Arquitetura do UMTS Este capítulo apresenta a arquitetura física do UMTS, com a descrição de todos os seus componentes. Em seguida é analisada a arquitetura de protocolos, com a apresentação das principais

Leia mais

Segurança de Rede Sem Fio

Segurança de Rede Sem Fio Segurança de Rede Sem Fio Dilson Catói Felipe Boeira João Cancelli Marcelo Dieder Rafael Dreher Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS dilsoncatoi@gmail.com, felipecboeira@gmail.com, jvcancelli@gmail.com,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Tecnologias de telefonia celular GSM (Global System for Mobile Communications) Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Goiás (2005).

Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Goiás (2005). Telefonia Móvel Celular e sua Aplicação para Tráfego de Dados Esta Série Especial de Tutoriais apresenta os trabalhos premiados no I Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) 2005. O conteúdo

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Redes de Computadores I Internet - Conceitos

Redes de Computadores I Internet - Conceitos Redes de Computadores I Internet - Conceitos Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2012/1 v1-2012.03.29 O que é a Internet Milhões de elementos de computação interligados: Hosts,

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Versão: 1.5 Vodafone 2009. Reservados todos os direitos. A reprodução e uso escrito ou verbal de

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Redes de Telefonia Móvel Celular. Sumário. Introdução

Redes de Telefonia Móvel Celular. Sumário. Introdução Redes de Telefonia Móvel Celular $OXQR &DUORV $OEHUWR 9LHLUD &DPSRV 2ULHQWDGRU /XtV )HOLSH 0DJDOKmHV GH 0RUDHV Sumário Introdução Evolução das redes celulares Comparação entra algumas tecnologias Arquitetura

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Anexo I - DEFINIÇÕES. Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições:

Anexo I - DEFINIÇÕES. Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições: Anexo I - DEFINIÇÕES Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições: 1. 3G: terceira geração; 2. AA.13: documento da GSMA que contém os

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE INTRODUÇÃO (KUROSE) A Camada de Rede é uma peça central da arquitetura de rede em camadas A sua função é a de fornecer serviços de comunicação diretamente aos processos

Leia mais

Redes de Computadores 1

Redes de Computadores 1 Redes de Computadores 1 IF66B Introdução Objetivos dessa aula: Obter contexto, terminologia, conhecimentos gerais de redes Maior profundidade e detalhes serão vistos durante o semestre Abordagem: Usar

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 26 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay Interligação de redes remotas Introdução Frame Relay é um protocolo WAN de alto desempenho que funciona nas camadas física e de enlace do modelo OSI. Serviços Comutados por pacote Frame Relay / X.25 Prof.

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

! " Universidade Federal de Pernambuco posgraduacao@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~posgraduacao. RECIFE, Fevereiro/2003

!  Universidade Federal de Pernambuco posgraduacao@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~posgraduacao. RECIFE, Fevereiro/2003 ! "! Universidade Federal de Pernambuco posgraduacao@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~posgraduacao RECIFE, Fevereiro/2003 ANTONIO RICARDO LEÃO DE ALMEIDA! "#$% ""& ESTE TRABALHO FOI APRESENTADO À PÓS- GRADUAÇÃO

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de omputadores 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 2.1 Introdução 2.2 Vantagens do Modelo de amadas 2.3 Modelo de inco amadas 2.4 Funções das amadas 2.5 Protocolos de Rede 2.6 Arquitetura de

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

HSPA: Conceitos Básicos

HSPA: Conceitos Básicos HSPA: Conceitos Básicos Este tutorial apresenta a tecnologia contida no padrão HSPA (High Speed Packet Access) para as redes celulares de 3ª geração (3G) baseada no conjunto de padrões WCDMA (Wideband

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

5 NOVA PROPOSTA DE TOLERÂNCIA À FALHA DOS AGENTES DE MOILIDADE

5 NOVA PROPOSTA DE TOLERÂNCIA À FALHA DOS AGENTES DE MOILIDADE 5 NOVA PROPOSTA DE TOLERÂNCIA À FALHA DOS AGENTES DE MOILIDADE Neste capítulo será descrita uma nova a proposta de tolerância à falha dos Agentes Estrangeiros e uma outra proposta para os Agentes de Origem,

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA.

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA. GERAÇÕES DA TELEFONIA MÓVEL A Telefonia móvel iniciou no final dos anos 70. A 1ª geração de telefonia era a analógica. O serviço padrão era o AMPS (Advanced Mobile Phone System). Esse sistema tinha como

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores TCP/IP Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Pilha TCP/IP Desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos EUA Objectivos: garantir a comunicação sob quaisquer circunstâncias garantir

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

2 Tecnologia LTE. 2.1. Arquitetura da Rede. 2.1.1. Enhanced Base Stations

2 Tecnologia LTE. 2.1. Arquitetura da Rede. 2.1.1. Enhanced Base Stations 2 Tecnologia LTE 2.1. Arquitetura da Rede Existe há alguns anos uma tendência para que as redes migrem os serviços que utilizam circuit switch (CS) para uma rede baseada totalmente em IP, packet switch

Leia mais

Modelo de Referência OSI

Modelo de Referência OSI Modelo de Referência OSI Hermes Senger Pós-Graduação Lato Sensu em Redes de Computadores - DC - UFSCar Modelo OSI- 1 A necessidade de padronização Década de 70 : Sucesso das primeiras redes de dados (ARPANET,

Leia mais

Capítulo1 Redes de computador es e a Internet

Capítulo1 Redes de computador es e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo Redes de computador es e a Internet O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações

Leia mais

Protocolos de Redes Revisão para AV I

Protocolos de Redes Revisão para AV I Protocolos de Redes Revisão para AV I 01 Aula Fundamentos de Protocolos Conceituar protocolo de rede; Objetivos Compreender a necessidade de um protocolo de rede em uma arquitetura de transmissão entre

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP 1 INTRODUÇÃO Devido ao crescimento da Internet, tanto do ponto de vista do número de usuários como o de serviços oferecidos, e o rápido progresso da tecnologia de comunicação sem fio (wireless), tem se

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais