Benefícios da Utilização do Session Initiation Protocol (SIP) em Aplicações de Comunicação Multimídia para a Saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Benefícios da Utilização do Session Initiation Protocol (SIP) em Aplicações de Comunicação Multimídia para a Saúde"

Transcrição

1 Benefícios da Utilização do Session Initiation Protocol (SIP) em Aplicações de Comunicação Multimídia para a Saúde Dácio Miranda Ferreira 1, Paulo Roberto de Lima Lopes 2, Daniel Sigulem 3, Ivan Torres Pisa 4 1,2,3,4 Departamento de Informática em Saúde (DIS), Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Brasil Resumo - Com a evolução das tecnologias de comunicação e a melhoria do desempenho nas transmissões de dados através de uma rede IP, várias aplicações que permitem a comunicação e a interação entre pessoas geograficamente distantes estão sendo desenvolvidas. Para estabelecer sessões de comunicação capazes de transportar dados, vídeo, áudio, texto ou imagens, surgiram alguns protocolos que permitem realizar a troca de informações entre as pessoas. Este artigo apresenta uma visão geral do Session Initiation Protocol (SIP), um protocolo de sinalização capaz de iniciar, gerenciar e finalizar sessões multimídia entre pessoas geograficamente distantes. O artigo também mostra algumas aplicações da área de saúde que podem utilizar o SIP para estabelecer sessões capazes de prover comunicação e interação entre médicos, enfermeiros e pacientes em locais distintos. Palavras-chave: Telemedicina, Assistência Médica, SIP, Voz sobre IP. Abstract With the evolution of communication technologies and the improvement of the data transmission performance by IP network, several applications that allow communication and interaction between remote people have been developed. To establish communication sessions that can transport data, video, audio, text, and images, have been surged some protocols that allow make information exchange between people. This paper presents an overview of Session Initiation Protocol (SIP), a signalling protocol that can initiate, manage, and halt multimedia sessions between people geographically distant. The paper aims mainly in applications in health area that can use SIP to establish sessions that can provide communication and interaction between doctors, nurses, and patients in distinct places. Key-words: Telemedicine, Medical Assistance, SIP, Voice over IP. Introdução Atualmente, com o aumento da capilaridade das redes de dados e a disseminação dos mais variados tipos de dispositivos que permitem acesso a internet, é possível oferecer uma série de serviços capazes de trocar informações entre pessoas ou máquinas distantes independentemente do tipo de mídia utilizado, seja, dados, voz, vídeo, texto ou imagens em formato digital. Esta demanda fez surgir diversos padrões de comunicação capazes de estabelecer uma sessão multimídia e trocar informações entre seus participantes, mas devido à falta de interoperabilidade entre eles, muitos acabaram não sendo utilizados ou se tornaram soluções proprietárias, que tiveram sua utilização limitada [1]. Um dos protocolos destinados para este fim foi o Session Initiation Protocol (SIP) [2]. O SIP é um protocolo aberto originado em meados dos anos 90 a partir dos estudos de um grupo de pesquisa do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Columbia, Nova York, e foi publicado como especificação pelo Internet Engineering Task Force (IETF) primeiramente como a RFC 2543 de Em 2001 sofreu algumas atualizações que culminaram na publicação de uma nova versão, ainda atual, denominada RFC 3621 de 2002 [2]. Este artigo apresenta uma revisão sobre o protocolo SIP e analisa algumas situações na área da saúde no qual esse protocolo apresenta um grande potencial de utilização em benefício dos médicos e pacientes. Metodologia Foi realizado um estudo da RFC 3621 de 2002, que especifica o protocolo SIP e todos os componentes que envolvem sua arquitetura. A partir da visão sobre o funcionamento do protocolo, seus componentes e suas funcionalidades, foi elaborada uma revisão de artigos da área da saúde publicados em congressos no Brasil e na Espanha nos últimos três anos, que citavam o protocolo SIP. O critério de seleção dos artigos levou em consideração a descrição de experiências obtidas por grupos de pessoas ou instituições ligadas a saúde, que

2 utilizaram o protocolo SIP para estabelecer sessões de comunicação multimídia em tempo real destinadas à aplicações ou atividades médicas. Estas sessões deveriam possibilitar a troca de informações (texto, voz, vídeo ou dados) entre profissionais da área presentes em locais remotos. Do total de 22 artigos avaliados, apenas dois artigos [3, 4] satisfizeram essas condições. Resultados Apesar de grande parte das discussões que envolvem o SIP estarem ligadas a questões sobre o tráfego de voz em redes IP, é importante ressaltar que o protocolo pode ser utilizado para várias outras finalidades, como, suporte para presença contínua, notificação de eventos, troca de mensagens instantâneas etc. De acordo com Camarillo [5], o SIP é capaz de oferecer comunicação multimídia entre seus usuários, assim, ele consiste num protocolo de sinalização desenvolvido para gerenciar, modificar e finalizar sessões multimídia sobre redes IP. Entende-se como sessão a troca de informações entre os participantes. Dentre as várias funcionalidades do protocolo, podemos destacar: Localização dos pontos participantes; Contato com determinado ponto para negociar o estabelecimento da sessão; Estabelecimento da sessão; Notificação para modificação do tipo de mídia utilizado numa sessão em andamento; Finalização de sessões existentes; Publicação e atualização de informações de presença; Transporte de mensagens instantâneas. O SIP é baseado em dois protocolos largamente utilizados na Internet, o HiperText Transport Protocol (HTTP), utilizado para navegação na web e o Simple Mail Transport Protocol (SMTP) empregado durante o envio de s. Ele foi modelado a partir destes protocolos e assim como eles, é um protocolo textual, no qual, clientes efetuam requisições a servidores que retornam uma resposta [6]. Algumas características encontradas nestes protocolos foram herdadas pelo SIP, por exemplo, utilizar os campos de cabeçalho To, From, Date e Subject. Vários de seus códigos de resposta são baseados na versão 1.1 do protocolo HTTP, por exemplo, o código 404 Not Found de página não encontrada também é utilizado quando um usuário não é encontrado [7]. Sua similaridade com estes protocolos e o fato de ser um padrão aberto transformou SIP em um padrão popular, com grande aceitação perante a comunidade em geral, empresas de tecnologia e instituições acadêmicas. As seções a seguir descrevem uma visão geral do SIP, citando seus componentes, sua arquitetura, as mensagens de requisição e resposta e descrevem uma série de aplicações voltadas para a área da saúde, que podem usufruir dos benefícios oferecidos pelo SIP no momento de se estabelecer sessões multimídia que podem aumentar o poder de comunicação entre médicos, enfermeiros, pacientes etc. geograficamente distantes. O Protocolo SIP O protocolo SIP funciona como um componente que, ao ser utilizado em conjunto com outros protocolos do IETF, formam uma arquitetura de comunicação multimídia completa. Normalmente esta arquitetura inclui protocolos como o Real Time Protocol (RTP) (RFC 1889 [8]) para transporte de dados em tempo real, Session Description Protocol (SDP) (RFC 2627 [9]) que descreve as características da sessão multimídia, o Real-Time Streaming Protocol (RTSP) (RFC 2326 [10]) que controla a entrega de streaming de mídia áudio-visual na web, o Media Gateway Control Protocol (MEGACO) (RCF 3015 [11]) que controla os gateways que se comunicam com a rede pública de telefonia entre muitos outros [2]. Como o próprio nome já diz, o Session Initiation Protocol (SIP) é um protocolo de inicialização da sessão e baseia-se fundamentalmente em transações, que podem ser entendidas como uma requisição enviada de um cliente para um servidor e as posteriores respostas a essa requisição. A partir da troca inicial de mensagens, ou seja, o processo de sinalização, as partes podem estabelecer uma sessão. Estas de mensagens são baseadas em texto, o que facilita a sua implementação [12]. Iniciada a sessão, a responsabilidade de sincronização dos pacotes para que estes sejam entregues na ordem correta fica sob responsabilidade do protocolo RTP, a de definir o conteúdo e as características da sessão fica com o SDP e assim segue. O SIP é responsável unicamente pela inicialização, gerenciamento, modificação e término das sessões. Um sistema SIP é composto por duas entidades descritas a seguir: Terminais SIP - User Agents O user agent (UA) representa um terminal SIP ou o software da estação final. Ele funciona como um cliente no pedido de inicialização da sessão e também age como um servidor quando responde a um pedido. Ele é capaz de armazenar e gerenciar a situação da chamada durante sua realização [13]. Quando age como cliente, é chamado de user agent client (UAC); quando age como servidor, é denominado user agent server (UAS). O UAC é responsável por realizar

3 requisições e tratar respostas dos UAS, enquanto um UAS responde a requisições recebidas de UAC. A presença de ambos no user agent possibilita a realização de sessões multimídia ponto a ponto utilizando a arquitetura clienteservidor [6]. Servidores SIP - SIP Network Servers As principais funções dos servidores SIP são determinar a localização do usuário e efetuar a resolução de nomes. Quando um user agent deseja iniciar uma sessão, seu UAC envia uma mensagem de convite ao UAS de outro user agent. Geralmente o solicitante não conhece o número IP nem o nome do host do destinatário, ele possui somente o nome ou um endereço SIP que o representa, cuja sintaxe é similar a um endereço de convencional. Este endereço é conhecido como um uniform resource identifier (URI) e segue a forma onde user é o nome do usuário e host consiste no seu domínio. Utilizando o SIP URI, o UAC pode determinar qual servidor SIP será capaz de resolver o SIP URI para um endereço IP. Eventualmente, este servidor pode redirecionar a requisição para outros servidores até chegar a algum que conheça o IP do destinatário. Os servidores SIP são subdivididos em três categorias: SIP Registrar Servers: São bases de dados que contém as informações para localização dos user agents. No momento em que um user agent envia uma requisição de registro, estes servidores armazenam seu endereço IP e outras informações adicionais que permitem determinar sua localização. Estas informações são então encaminhadas para o servidor solicitante; SIP Proxy Servers: Atuam como um proxy HTTP ou como um agente de transferências de mensagem SMTP (MTA). Ele recebe uma requisição e determina para qual servidor ela será encaminhada. Pode encaminhar a requisição para qualquer outro tipo de servidor, inclusive para um UAS. Desta forma uma mensagem SIP pode trafegar por diversos servidores no seu caminho entre um UAC e um UAS. SIP Redirect Server: Recebe requisições, mas ao invés de encaminhá-las para o próximo servidor ele informa ao requisitante o endereço do destinatário. Ele responde à requisição, utilizando uma mensagem contendo o endereço do próximo servidor, desta forma o cliente pode contatar o endereço diretamente. A distinção entre os três tipos de servidores SIP é exclusivamente lógica, portanto, todos eles podem estar fisicamente instalados no mesmo hardware. A seguir serão apresentadas algumas arquiteturas que podem ser implementadas para ofertar serviços baseados no protocolo SIP. Arquitetura do SIP Existem basicamente três representações diferentes da arquitetura do protocolo SIP. Devido à complexidade das terminologias, estruturas e formato do protocolo, um exemplo prático que represente este ambiente contribui para facilitar a compreensão sobre seu funcionamento, seus componentes e sobre os protocolos que trabalham em conjunto com ele. Exemplo 1 - Sessão SIP Ponto a Ponto Nesta arquitetura, o solicitante inicia a troca de mensagens enviando um convite ao receptor. A mensagem que representa o convite leva em seu conteúdo os detalhes do tipo da sessão que se deseja iniciar. Deve-se lembrar que o conteúdo transmitido numa sessão multimídia pode ser áudio, vídeo, texto, dados ou ainda uma combinação destes tipos. Ao receber o convite o receptor envia uma mensagem de retorno informando que a solicitação está sendo processada. Se o receptor decide aceitar o convite, ele envia uma mensagem de retorno confirmando o estabelecimento da sessão. Esta resposta também indica que o tipo de mídia proposto pelo solicitante foi aceito. Lembre-se que esta tarefa é responsabilidade do protocolo SDP. Esta troca de mensagens mostra que o SIP é um protocolo de comunicação fim-a-fim. Uma rede SIP ou servidores SIP não são necessários para que o protocolo seja utilizado. Dois dispositivos que rodam o protocolo e que conhecem mutuamente seus números IP podem utilizar o SIP para estabelecer uma sessão multimídia entre eles [7]. Exemplo 2 - Sessão SIP no Mesmo Domínio Neste exemplo um dispositivo não conhece o número IP do outro, portanto, é necessária a presença de servidores SIP que auxiliarão no estabelecimento da sessão. Ambos os dispositivos devem se registrar no SIP Registrar Server pertencente a seu domínio. Este passo deve ser efetuado antes do estabelecimento da sessão. Como os usuários podem utilizar dispositivos SIP a partir de qualquer ponto com conexão à internet, seu número IP pode variar, mas seu nome é mantido. Desta forma, o IP é associado ao nome e ambos são armazenados no SIP Registrar Server. O dispositivo solicitante envia uma mensagem ao SIP Proxy Server informando que ele pretende estabelecer uma sessão com o

4 dispositivo receptor. Este solicita ao SIP Registrar Server o endereço IP e outras informações pertinentes ao receptor. O SIP Proxy Server transmite o convite efetuado pelo solicitante ao receptor já informando o tipo de mídia que deve ser utilizado entre eles. O receptor então informa ao SIP Proxy Server que o convite efetuado pelo solicitante foi aceito e que ele está pronto para estabelecer a sessão. O SIP Proxy Server transmite esta informação ao solicitante. Neste instante, os dispositivos passam a se conhecer e estabelecem a sessão diretamente. O SIP Proxy Server finaliza seu trabalho e a sessão continua sem a sua intermediação [2], conforme o esquema da Figura 1. Como no exemplo anterior, a partir do momento que os dois dispositivos se conhecem, eles estabelecem a sessão diretamente e não necessitam mais dos servidores SIP, a menos que o conteúdo da sessão seja alterado ou que um dos dispositivos demonstre interesse em finalizar [2], conforme esquema da Figura 2. Consulta não SIP Sinalização SIP RTP 11 User Agents SIP Software SIP User Agent A Solicitante Telefone SIP DOMÍNIO: dominio2.com.br 1 10 Serviço de Registro e Localização Proxy Server 1. Chamar User Agent B 2. Consulta: Onde se encontra B? 3. Resposta informando o endereço SIP de B 4. Encaminha solicitação ao receptor 5, 6. Resposta de B 7. Estabelece a sessão multimídia Serviço de Registro e Localização dominio1.com.br 3 Consulta não SIP Sinalização SIP RTP DOMÍNIO: dominio1.com.br 2 Proxy Server dominio1.com.br Software SIP 7 Telefone SIP User Agent B Receptor User Agent A Solicitante Palmtop User Agent B Receptor Telefone SIP User Agents SIP 8 7 Proxy Server Serviço de Registro e Localização DOMÍNIO: dominio1.com.br Serviço de Redirecionamento 1. Chamar User Agent B 2. Consulta: Como alcançar o usuário B? 3. Retorna o endereço do controlador de domínio de B 4. A chamada é encaminhada o SIP Proxy de B 5. Consulta: "Onde está B?" 6. Retorna o endereço de B 7. A chamada é encaminhada 8, 9, 10. Resposta de B 11. Estabelece a sessão multimídia Figura 2 Desenho representativo de uma sessão SIP em domínios diferentes. Mensagens Figura 1 Desenho representativo de uma sessão SIP dentro de um mesmo domínio. Exemplo 3 - Sessão SIP em Domínios Diferentes Neste exemplo, os dispositivos participantes não se conhecem e também necessitam do auxílio dos servidores SIP. Aqui, temos a presença de um servidor adicional, o SIP Redirect Server, que é o responsável pelo encaminhamento das mensagens ao servidor de um segundo domínio. Quando o SIP Proxy Server do solicitante recebe uma requisição, ele percebe que o receptor não pertence ao seu domínio e então pergunta ao SIP Redirect Server pelo endereço do receptor. Para determinar a localização do receptor, o SIP Redirect Server pode utilizar várias alternativas disponíveis, tais como, busca DNS, acesso a bases de dados, entre outras. O SIP Redirect Server entrega ao SIP Proxy Server do solicitante as informações referentes ao receptor, que então encaminha o convite do solicitante ao SIP Proxy Server pertencente ao domínio do receptor. Este último entrega o convite do solicitante ao dispositivo receptor que encaminha sua aceitação de volta ao solicitante. Mensagens SIP podem ser requisições efetuadas pelo cliente ao servidor ou respostas do servidor para o cliente [12]. Existem seis tipos de mensagens de requisição definidas pela RFC 3261; outros tipos são definidos em RFC diferentes. As mensagens de resposta são classificadas em seis classes, sendo que as cinco primeiras foram herdadas do protocolo HTTP. Mensagens de requisição definem uma ação específica que deve ser realizada pelo UAS. As mensagens INVITE, REGISTER, BYE, ACK, CANCEL e OPTIONS são os seis tipos de mensagens originais do protocolo SIP. As mensagens REFER, SUBSCRIBE, NOTIFY, MESSAGE, UPDATE, INFO e PRACK são definidas por outras RFC. As mensagens de resposta são geradas por um UAS ou por um servidor SIP em resposta a uma requisição enviada por um UAC. A Tabela 1 mostra alguns tipos destas mensagens. Classe Descrição Ação Exemplos 1XX Informação 100 Trying Indica o progresso de uma chamada antes 180 Ringin que ela seja completada. 183 Session Progress 2XX Sucesso Indica que a requisição obteve êxito ou foi 200 OK aceita. 202 Accepted Enviada para servidores SIP que atuam 300 Multiple Choices 3XX Redirecionamento como Sip Redirect Server em resposta a 301 Move Permanently um INVITE. 305 Use Proxy 4XX Erro no cliente Utilizada por um servidor ou por um UAS 400 Bad Request para indicar que a requisição não pode ser 403 Forbidden executada da forma que foi submetida. 404 Not Found 5XX Falha do servidor Indica que a requisição não pode ser processada devido a erro com o servidor. 500 Server Internal Error 502 Bad Gateway 504 Gateway Timeout

5 Classe Descrição Ação Exemplos 600 Busy Everywhere Indica que o servidor sabe que a 6XX Falha Global 603 Decline requisição irá falhar de qualquer forma. 606 Not Acceptable Tabela 1 Exemplos de mensagens de resposta. Potencial do SIP na Saúde A informática em saúde é uma área que possui um enorme potencial no que diz respeito ao desenvolvimento de aplicações médicas que demandam recursos de comunicação multimídia. Atividades como realização de exames, consultas, obtenção de segunda opinião, pesquisas e ensino à distância, podem ser bem aplicadas quando utilizadas corretamente e em conjunto com este tipo de recurso, pois possibilitam o acompanhamento em tempo real por meio de voz, vídeo ou texto utilizando a internet [3]. Nestes casos vale ressaltar que, além do conhecimento relacionado à medicina, os profissionais de saúde envolvidos devem ser capacitados e treinados para realizar as atividades necessárias em conjunto com a tecnologia. A implantação de recursos tecnológicos computacionais por si só em ambientes médicos não oferece benefícios diretos aos pacientes, a menos que os profissionais estejam preparados para executar as devidas ações. Portanto, a adaptação do profissional com relação à tecnologia é um ponto importante dentro do processo de inserção da mesma. Uma das possibilidades de utilização de recursos de comunicação multimídia dentro da área médica, utilizando o protocolo SIP, seria em situações que envolvam o processo de aprendizado. Como exemplo, podemos citar o Centro Alfa de Humanização do Ensino, UNIFESP, cujo objetivo é melhorar as condições de ensino da prática médica e proporcionar um avanço qualitativo e quantitativo na educação com o apoio de recursos de informática [14]. Neste ambiente poderia ser desenvolvido um modelo de comunicação baseado em texto e/ou voz, pelo qual os alunos, presentes em consultórios distintos, poderiam estabelecer sessões para tirar dúvidas com os professores, compartilhar informações de pacientes ou ainda trocar experiências. Atualmente está sendo desenvolvido no Departamento de Informática em Saúde (DIS) da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) um projeto de colaboração médica baseada em voz sobre IP para ser aplicado no Parque Indígena do Xingu [15]. Este projeto utiliza o protocolo SIP para estabelecer comunicação de voz entre os médicos e enfermeiros dos postos de saúde, presentes em aldeias do parque, com um centro especialista de referência. Um dos maiores problemas encontrados em regiões remotas se refere justamente à comunicação. O projeto visa eliminar esta barreira e desta forma, permitir que os profissionais de saúde do parque tenham como se comunicar com um centro de referência em ocasiões que necessitem de uma segunda opinião, discussão de caso ou tomada de decisão. Existe um piloto do projeto dentro do DIS, UNIFESP e logo ele será implantado nas dependências do parque para que seja medido seu impacto neste tipo de situação [15]. Em breve será produzido um artigo que se refere às experiências encontradas no desenvolvimento do projeto piloto. O Laboratório de Bioinformática da UNIOESTE (LABI), em conjunto com o Serviço de Coloproctologia da UNICAMP, desenvolveu um sistema denominado Sistema de Aquisição e Análise de Dados Biomecânicos (SABI) [3]. O SABI foi desenvolvido para auxiliar a realização de experimentos médicos e também permitir a participação de pesquisadores de outras instituições nos experimentos realizados com ele. Os pesquisadores, além de acompanhar o processo pela internet, podem interagir durante a realização dos experimentos médicos por meio de comunicação por voz e mensagens de texto em tempo real [3]. O protocolo SIP foi adotado como a tecnologia que tornou possível a construção deste sistema de comunicação. Um outro exemplo, de telemonitorização de pacientes de emergências, permite conectar os médicos em uma ambulância com especialistas em um hospital remoto, baseado em protocolos de sinalização que estabelecem sessões multimídia. O sistema conta com a transmissão de sinais biomédicos (incluindo ECG, pressão sanguínea etc.), videoconferência, transmissão de imagens de alta resolução, além de outras funcionalidades como colaboração de dados, bate-papo e acesso à internet [4]. Discussão e Conclusões São diversas as possibilidades que o protocolo SIP oferece para o desenvolvimento de aplicações de comunicação multimídia, tanto para a área médica, quanto para qualquer outra área. No caso específico da saúde, a utilização destas aplicações requer cuidados porque, geralmente, implicam em uma mudança cultural da atividade médica, e em muitos casos geram alguma recusa por parte dos profissionais de saúde que serão envolvidos. Se devidamente aplicadas, estas novas tecnologias de comunicação têm muito a acrescentar, no sentido de oferecer acesso mais rápido a informação, compartilhamento de experiências e troca de informações entre pessoas distantes Referências [1] Fernandes NLL (2006). Voz sobre IP: Uma Visão Geral. 11 Junho.

6 [http://www.ravel.ufrj.br/arquivospublicacoes/nels on_voip.pdf]. 10 Setembro [2] Misson K (2006). Understanding SIP Today s Hottest Communication Protocol Comes of Age. Ubiquity Software. April 19. [https://developer.ubiquitysoftware.com/support/w hitepapers/understanding-sip.pdf/view]. 10 Setembro [3] Bueno MAF, Machado RB, Lee HD, Wu FC, Fagundes JJ, Goés JRN (2004), Conferência Multimídia em Experimentos Médicos. In: I WorkComp Sul, Florianópolis. [4] Viruete E, Hernández C, Ruiz J, Fernández J, Alesanco A, Lleida E, Ortega A, Hernández A, Valdovinos A, García J (2004), Sistema de telemonitorización em vehículos de emergencias médicas sobre UMTS. In: XXII Congreso Anual de la Sociedad Española de Ingeniería Biomédica, Santiago de Compostela. [14] Universidade Federal de São Paulo. Departamento de Informática em Saúde. Relatório de Atividades. São Paulo, Brasil. [http://www.unifesp.br/dis/relatorioativid/desenv.ht m]. Julho [15] Universidade Federal de São Paulo. Setor de Telemedicina. São Paulo, Brasil. [http://telemedicina.unifesp.br/voip]. Julho Contato O mestrando Dácio Miranda Ferreira e o Prof. Dr. Ivan Torres Pisa, podem ser contactados no endereço. Universidade Federal de São Paulo, Departamento de Informática em Saúde, Rua Botucatu, 862, , São Paulo, SP. Telefones: (11) / s: e [5] Camarillo, G. (2002), SIP Demystified, New York: McGraw-Hill. [6] Schulzrinne HG, Rosenberg JD (1988). The Session Initiation Protocol: Providing Advanced Telephony Services Across the Internet. Bell Labs Technical Journal, October-December. [7] Johnston AB (2004). SIP Understanding The Session Initiation Protocol, Artech House, Second Edition. [8] Schulzrinne H, Casner S, Frederick R, Jacobson V (1996). RTP: A Transport Protocol for Real-Time Applications. RFC [9] Handley M, Jacobson V (1988). SDP: Session Description Protocol. RFC [10] Schulzrinne H, Rao R, Lanphier R (1997). Real Time Streaming Protocol (RTSP). RFC [11] Cuervo F, Greene N, Rayhan A, Huitema C, Rosen B, Segers J (2000). Megaco Protocol Version 1.0. RFC [12] Rosenberg J, Schulzrinne H, Camarillo G, Johnston A, Peterson J, Sparks R, Handley M, Schooler E (2002), SIP: Session Initiation Protocol. RFC [13] ViDe Video Development Initiative. Tecnologias Colaborativas Populares [http://penta3.ufrgs.br/videoconferencia/manual/si p.htm]. Julho 2006.

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP)

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP) Mobilidade na camada de Aplicação usando o Session Initiation Protocol (SIP) Referências: RFC 3261, IETF SIP Working Group http://www.radvision.com www.cs.columbia.edu/hgs/ www.networkcomputing.com Introdução

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol Session Initiation Protocol Carlos Gustavo A. da Rocha Session Initiation Protocol Desenvolvido pelo IETF RFC 2543 (Fev 1999) RFC 3261 (Jun 2002) É um protocolo de sinalização para sessões multimídia Negociação;

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA E TRANSMISSÃO DE DADOS MÉDICOS EM TEMPO REAL PELA WEB

VIDEOCONFERÊNCIA E TRANSMISSÃO DE DADOS MÉDICOS EM TEMPO REAL PELA WEB VIDEOCONFERÊNCIA E TRANSMISSÃO DE DADOS MÉDICOS EM TEMPO REAL PELA WEB Rafael Mendes Pereira {rafael mpereira}@hotmail.com Orientador: Renato Bobsin Machado {renato}@unioeste.br Co-orientadores: Feng Chung

Leia mais

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Protocolo SIP Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL Comunicação de Dados Resumo Neste documento pretende-se explicar o funcionamento do protocolo

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

2 Fundamentação Conceitual

2 Fundamentação Conceitual Fundamentação Conceitual 19 2 Fundamentação Conceitual Este capítulo apresenta alguns conceitos importantes que são utilizados ao longo do trabalho. Primeiramente, é apresentado o Session Initiation Protocol

Leia mais

Um estudo do protocolo SIP e sua utilização em redes de telefonia móvel

Um estudo do protocolo SIP e sua utilização em redes de telefonia móvel Um estudo do protocolo SIP e sua utilização em redes de telefonia móvel Romildo Martins da Silva Bezerra 1 1 Mestrado em Redes de Computadores (UNIFACS) romildo@cdl.com.br Resumo. Este trabalho visa apresentar

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES. Enunciado do Projecto de. VoIP

REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES. Enunciado do Projecto de. VoIP REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES Enunciado do Projecto de VoIP Paulo Rogério Pereira, SETEMBRO DE 2011 1. Objectivo Este trabalho tem como objectivo desenvolver um sistema de Interactive Video Voice Response

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF

Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF Gelson Dias Santos, Valter Roesler UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP

Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP João Paulo Sousa Instituto Politécnico de Bragança R. João Maria Sarmento Pimentel, 5370-326 Mirandela, Portugal + 351 27 820 13 40 jpaulo@ipb.pt RESUMO

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR SIP Fabrício Tamusiunas Comitê Gestor Internet BR SIP RFC 3261 (antiga RFC 2543) Protocolo de controle que trabalha na camada de aplicação Permite que EndPoints encontrem outros EndPoints Gerencia sessões

Leia mais

Videoconferência: H.323 versus SIP

Videoconferência: H.323 versus SIP Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Web Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Agentes de usuário para a Web (browsers) Servidores Web Protocolo de transferência de hipertexto (HyperText Transfer Protocol HTTP) Web

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Desenvolvimento de um Software Livre de Videophone baseado em VoIP

Desenvolvimento de um Software Livre de Videophone baseado em VoIP Desenvolvimento de um Software Livre de Videophone baseado em VoIP Yuri C. Gomes, Diego M. O. Bezerra, Fernanda B. C. Campos, Joelma B. Silva, Danilo F. S. Santos, Hyggo O. Almeida e Angelo Perkusich 1

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

H.323 E SIP - COMPARATIVO

H.323 E SIP - COMPARATIVO H.323 E SIP - COMPARATIVO Jean Seidi Ikuta Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense Rua Passo da Pátria, 156 São Domingos Niterói RJ 24210-040 Brasil jeanseidi@yahoo.com.br Abstract. This paper

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

TP 318 Introdução às Redes Multimídia

TP 318 Introdução às Redes Multimídia Especialização em Telecomunicações TP 318 Introdução às Redes Multimídia Prof. Antônio M. Alberti Prof. José Marcos C. Brito 1 Tópicos Introdução RTP RSTP RTCP Arquitetura SIP Arquitetura OPT Referências

Leia mais

Carlos Eduardo Wagner. Uma proposta de comunicação unificada utilizando os protocolos SIP e XMPP

Carlos Eduardo Wagner. Uma proposta de comunicação unificada utilizando os protocolos SIP e XMPP Carlos Eduardo Wagner Uma proposta de comunicação unificada utilizando os protocolos SIP e XMPP São José SC Fevereiro / 2012 Carlos Eduardo Wagner Uma proposta de comunicação unificada utilizando os protocolos

Leia mais

Arquitetura da Aplicação Web (Comunicação Cliente/Servidor)

Arquitetura da Aplicação Web (Comunicação Cliente/Servidor) Desenvolvimento de Sistemas Web Arquitetura da Aplicação Web (Comunicação Cliente/Servidor) Prof. Mauro Lopes 1-31 25 Objetivos Iniciaremos aqui o estudo sobre o desenvolvimento de sistemas web usando

Leia mais

Atualmente dedica-se ao mestrado no Departamento de Microondas e Ótica DMO, na Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação- FEEC, Unicamp.

Atualmente dedica-se ao mestrado no Departamento de Microondas e Ótica DMO, na Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação- FEEC, Unicamp. Push-to-Talk no Celular II: Protocolos Esta série de tutoriais sobre Push-to-Talk no Celular apresenta a descrição dessa funcionalidade para o uso do Celular como um equipamento para realização de chamadas

Leia mais

Administração de Sistemas

Administração de Sistemas UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Informática Administração de Sistemas Licenciatura em: - Tecnologias e Sistemas de Informação 5. Serviços de Voz sobre IP Docente: Prof. Joel Rodrigues Ano

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

Análise de Desempenho do Protocolo SIP na Sinalização de Chamadas de Voz sobre IP

Análise de Desempenho do Protocolo SIP na Sinalização de Chamadas de Voz sobre IP Leonardo Nahmias Scheiner Análise de Desempenho do Protocolo SIP na Sinalização de Chamadas de Voz sobre IP Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso

Universidade Federal de Mato Grosso Universidade Federal de Mato Grosso Programação III Curso de Ciência da Computação Prof. Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Material basedado em [Kurose&Ross 2009] e [Gonçalves, 2007] Agenda Internet

Leia mais

SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP

SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP Jeremias Neves da Silva 1 RESUMO Este artigo traz uma forma simplificada para a compreensão de todos os que desejam conhecer um pouco mais sobre segurança em protocolos SIP,

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interafir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP

ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP CURITIBA 2006 ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP Trabalho apresentado para a disciplina de REDES,

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

4. Qual seria o impacto da escolha de uma chave que possua letras repetidas em uma cifra de transposição?

4. Qual seria o impacto da escolha de uma chave que possua letras repetidas em uma cifra de transposição? Prova de 2011-02 1. Descreva duas maneiras de estabelecer uma conexão entre processos na camada de transporte sem o conhecimento da porta (TSAP) ao qual o servidor remoto esteja associado. 2. Estabelecer

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

3. Explique o motivo pelo qual os protocolos UDP e TCP acrescentam a informação das portas (TSAP) de origem e de destino em seu cabeçalho.

3. Explique o motivo pelo qual os protocolos UDP e TCP acrescentam a informação das portas (TSAP) de origem e de destino em seu cabeçalho. Entregue três questões de cada prova. Prova de 2011-02 1. Descreva duas maneiras de estabelecer uma conexão entre processos na camada de transporte sem o conhecimento da porta (TSAP) ao qual o servidor

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP

O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP Visão Geral As redes convergentes trilharam um longo caminho desde a década de 1990. Novas aplicações, como as mensagens instantâneas,

Leia mais

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com)

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) INF-207 Sistemas Computacionais para Processamento Multimídia Sistemas Multimídia Aula 04 Redes Multimídia 2 Q-20102010 Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) Prof. Marcelo Z. do Nascimento (marcelo.ufabc@gmail.com)

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança Protocolos de Segurança A criptografia resolve os problemas envolvendo a autenticação, integridade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS GANASCIM, R.; FERNANDES, F. N. RESUMO O artigo apresenta um estudo relacionado a tecnologias de voz sobre IP, ou telefonia IP, que tratam do roteamento

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA ESTUDOS DE DOMÍNIO DE APLICAÇÃO Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP por VICTOR MANAIA GONÇALVES

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP Alan Jelles Lopes Ibrahim, alan.jelles@hotmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TROCAS DE MENSAGENS DO PROTOCOLO HTTP ATRAVÉS DE UM SIMULADOR DE REDES DE COMPUTADORES

UMA ANÁLISE DAS TROCAS DE MENSAGENS DO PROTOCOLO HTTP ATRAVÉS DE UM SIMULADOR DE REDES DE COMPUTADORES UMA ANÁLISE DAS TROCAS DE MENSAGENS DO PROTOCOLO HTTP ATRAVÉS DE UM SIMULADOR DE REDES DE COMPUTADORES Alan Jelles Lopes Ibrahim Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul alan.jelles@hotmail.com Eduardo

Leia mais

2Arquitetura cliente-servidor

2Arquitetura cliente-servidor Redes de computadores e a Internet Capítulo Camada de aplicação Nossos objetivos: Conceitual, aspectos de implementação de protocolos de aplicação de redes Paradigma cliente-servidor Paradigma peer-to-peer

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Redes Mul)mídia Streaming de Áudio e Vídeo Mário Meireles Teixeira Departamento de Informá:ca UFMA 2012 Tópicos Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Áudio e Vídeo de

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

Ameaças a Tecnologia VoIP. Frederico Madeira LPIC-1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br

Ameaças a Tecnologia VoIP. Frederico Madeira LPIC-1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br Ameaças a Tecnologia VoIP Frederico Madeira LPIC-1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br Agenda Introdução Infra-Estrutura VoIP Cenário Atual Protocolos SIP (Session Initiation Protocol) s Ameaças

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

VoIPFix: Uma ferramenta para análise e detecção de falhas em sistemas de telefonia IP

VoIPFix: Uma ferramenta para análise e detecção de falhas em sistemas de telefonia IP XXIX Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos 915 VoIPFix: Uma ferramenta para análise e detecção de falhas em sistemas de telefonia IP Paulo C. Siécola 1, Fabio Kon 1 1 Departamento

Leia mais

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Servidor de E-mails e Protocolo SMTP Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Definições Servidor de Mensagens Um servidor de

Leia mais

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com SERVIÇOS DE REDES DE COMPUTADORES Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com Modelo TCP/IP É o protocolo mais usado da atualidade

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

Atua nas áreas de segurança em redes de computadores e sistemas operacionais UNIX.

Atua nas áreas de segurança em redes de computadores e sistemas operacionais UNIX. VoIP: Segurança da Informação em Telefonia Baseada em SIP Este tutorial apresenta uma revisão bibliográfica sucinta acerca dos principais protocolos empregados na telefonia VoIP e sobre questões de segurança

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun

VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun Fabrício José Rodrigues Costa 1, Luis Augusto Mattos Mendes 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

UMA ARQUITETURA DE TELEFONIA IP PARA

UMA ARQUITETURA DE TELEFONIA IP PARA Tese apresentada à Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa do Instituto Tecnológico de Aeronáutica, como parte dos requisitos para obtenção do título de Mestre em Ciências no Curso de Engenharia Eletrônica

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Desenvolvimento de uma aplicação VoIP baseada no protocolo SIP

Desenvolvimento de uma aplicação VoIP baseada no protocolo SIP Desenvolvimento de uma aplicação VoIP baseada no protocolo SIP João Guilherme A. Martinez 1, Jucimar Maia da Silva Jr 2 1 Fucapi, Caixa Postal 69075-351 Manaus AM Brasil 2 Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

Aula 14 Serviços Internet (Servidor Web Apache)

Aula 14 Serviços Internet (Servidor Web Apache) CST Redes de Computadores Disciplina: Serviços de Rede Professor: Jéferson Mendonça de Limas Aula 14 Serviços Internet (Servidor Web Apache) Roteiro de Aula Conceitos Básicos Funcionamento de Servidores

Leia mais

JSR 120 (SMS), JSR 205 (WMAPI 2.0) JULIAN PRADA SANIMIGUEL Grupo 6

JSR 120 (SMS), JSR 205 (WMAPI 2.0) JULIAN PRADA SANIMIGUEL Grupo 6 JSR 120 (SMS), JSR 205 (WMAPI 2.0) e JSR 180 (SIP) JULIAN PRADA SANIMIGUEL Grupo 6 Protocolo SIP Desenho do Protocolo Funcionamento do Protocolo API JSR 180 (SIP) Exemplos Protocolo de iniciação de sessão

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP

PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP TRABALHO

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

A Camada de Aplicação

A Camada de Aplicação A Camada de Aplicação Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Afinal, o que faz a camada de aplicação?... 2 Paradigma Cliente/Servidor [4]... 2 Endereçamento... 2 Tipo de Serviço... 2

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

ESTUDO DAS TECNOLOGIAS DE TRANSMISSÃO DE VOZ SOBRE IP (VoIP) e DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO VoIP

ESTUDO DAS TECNOLOGIAS DE TRANSMISSÃO DE VOZ SOBRE IP (VoIP) e DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO VoIP ESTUDO DAS TECNOLOGIAS DE TRANSMISSÃO DE VOZ SOBRE IP (VoIP) e DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO VoIP Aida A Ferreira (1); Glória A V C Brandão (2); (1) Centro Federal de Educação Tecnológica de Pernambuco:

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula)

Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2013.09 v2 2013.09.10 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Arquiteturas

Leia mais

Uma Arquitetura de IPTV Utilizando Software Livre

Uma Arquitetura de IPTV Utilizando Software Livre Uma Arquitetura de IPTV Utilizando Software Livre Danilo F. S. Santos, Sabrina F. Souto, Hyggo O. Almeida e Angelo Perkusich 1 Laboratório de Sistemas Embarcados e Computação Pervasiva Centro de Engenharia

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA Caio Fernandes Gabi cfgabi@hotmail.com Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Av. 1º de Maio, nº. 720,

Leia mais

03.03 Session Initiation Protocol (SIP)

03.03 Session Initiation Protocol (SIP) 03.03 Session Initiation Protocol (SIP) Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1 Introdução Desenvolvido pelo grupo Multiparty Multimedia Session Control do IETF Devido ao

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero Servidor, Proxy e Firewall Professor Victor Sotero 1 Servidor: Conceito Um servidor é um sistema de computação centralizada que fornece serviços a uma rede de computadores; Os computadores que acessam

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 Índice 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE...3 1.1 O protocolo FTP... 3 1.2 Telnet... 4 1.3 SMTP... 4 1.4 SNMP... 5 2 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE O sistema

Leia mais

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL 1 HTTP Uma página WWW é composta de objetos e endereçado por uma

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação. Guilherme Pereira Carvalho Neto. Portas e Serviços

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação. Guilherme Pereira Carvalho Neto. Portas e Serviços Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação Guilherme Pereira Carvalho Neto Portas e Serviços Goiânia 2015 Relatório de portas e serviços na rede Relatório produzido com base em dados colhidos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais