WiIP Sistema de Comunicação VoIP Wi-Fi

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WiIP Sistema de Comunicação VoIP Wi-Fi"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA ORLANDO RAFAEL VITAL VINCI PRISCILA CARDOSO FERREIRA WiIP Sistema de Comunicação VoIP Wi-Fi São Paulo 2007

2 ORLANDO RAFAEL VITAL VINCI PRISCILA CARDOSO FERREIRA WiIP Sistema de Comunicação VoIP Wi-Fi Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Engenheiro de Computação. São Paulo 2007

3 ORLANDO RAFAEL VITAL VINCI PRISCILA CARDOSO FERREIRA WiIP Sistema de Comunicação VoIP Wi-Fi Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Engenheiro de Computação, sob orientação da Prof.ª Dra. Regina Melo Silveira e co-orientação do Prof. Dr. Denis Gabos. São Paulo 2007

4 FICHA CATALOGRÁFICA Vinci, Orlando Rafael Vital Sistema de comunicação VoIP Wi-Fi / O.R.V. Vinci, P.C. Ferreira. -- São Paulo, p. Trabalho de Formatura - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais. 1.Sistema de comunicação I.Ferreira, Priscila Cardoso II.Universidade de São Paulo. Escola Politécnica. Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais III.t.

5 À minha família. Todo o suor é por vocês. Orlando Vinci A Deus e a minha família, por todo carinho, dedicação, esforço e por estarem ao meu lado, onde quer que seja. Priscila Cardoso

6 AGRADECIMENTOS Aos nossos pais, por todo o apoio, carinho e atenção que sempre nos deram até hoje. A nossa família e amigos, que torceram por nós ao longo dessa jornada na Escola Politécnica. Aos amigos Marcos Tork, Fernando Henrique Ginês e Samuel Kopp pelo auxílio na execução deste projeto. A Dermeval Garcia da Costa Júnior do LARC por seu apoio dado na configuração da infra-estrutura de rede. À orientadora Prof. Dra. Regina Melo Silveira e ao co-orientador Prof. Dr. Denis Gabos, pela orientação na elaboração deste trabalho de conclusão de curso. Aos professores e funcionários da USP, que além de nos ensinar, participaram de nossas vidas nos ajudando a lidar com os desafios que elas nos oferecem. À Escola Politécnica da USP por nos proporcionar o conhecimento e crescimento nestes anos da graduação criando-nos formadores de opiniões.

7 "Cem frases que resumissem a sabedoria universal tornariam dispensáveis os livros." Carlos Drummond de Andrade

8 RESUMO O objetivo deste projeto de formatura é implementar um mecanismo de comunicação VoIP Wi-Fi com suporte a mobilidade. Isto é, em situações de handover, o mecanismo irá fazer com que não haja interrupção do sinal. Surgiu da necessidade de automatização do processo de comunicação dos dispositivos sem fio existentes no ambiente do ProSemFio da Escola Politécnica da USP, que atualmente não é funcional, pois há a queda do sinal quando se passa de uma área de cobertura de um Access Point a outro. O mecanismo centralizou o controle dos Access Point em um servidor que roda um software chamado ChilliSpot que resolveu o problema da reautenticação dos clientes e, conseqüente, perda do sinal. Palavras-chave: VoIP. Wi-Fi. Handover. ChilliSpot. CommuniGate Pro.

9 ABSTRACT The main goal of this graduation project is to implement a VoIP Wi-Fi communication mechanism with support to mobility. That means, in handover situations, the mechanism will cause no signal interruption. It has emerged from the need of automation of the current process of the wireless devices communication that exists in the ProSemFio environment of the Politécnica School of the São Paulo University, which is not currently functional because of a signal loss when it passes from an Access Point s area of coverage to another. The mechanism centralized the Access Point s control in an application server that runs a software called ChilliSpot that solved the clients reauthentication problem and, then, the signal loss. Keywords: VoIP. Wi-Fi. Handover. ChilliSpot. CommuniGate Pro.

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Camada do Figura 2 - Basic Service Set 4 Figura 3 - Extended Service Set 5 Figura 4 - Extended Service Set (ESS) 6 Figura 5 - Representação do ESS em um prédio 7 Figura 6 - AP em Modo Root 8 Figura 7 - AP em Modo Repetidor 9 Figura 8 - AP em modo Bridge 10 Figura 9 - Esquema de Canais do Figura 10 - Estrutura de Canais sem superposição 12 Figura 11 - Diagramas de Estados Autenticação e Associação 19 Figura 12 - Processo de Handover no IEEE Figura 13 - Pilha protocolar SIP 23 Figura 14 - Infa-estrutura VoIP com o utilizo de SIP 24 Figura 16 - Estrutura e principais campos de uma mensagem SIP 25 Figura 15 - Arquitetura SIP 25 Figura 17 - Autenticação SIP 26 Figura 18 - Trapézio SIP 27 Figura 19 - Estrutura de um pacote contendo dados vocais após receber diversos cabeçalhos ( pacote VoIP ) 29 Figura 20 - Exemplo de uma Solução usando o ChilliSpot 30 Figura 21 - Usuário de um ponto qualquer da Internet tenta ligar para um usuário pertencente a uma rede privada 32 Figura 22 - Registro de um usuário com o uso do CommuniGate Pro como Proxy 34 Figura 23 - Estabelecimento de uma ligação com o uso do CommuniGate Pro como Proxy 35 Figura 24 - O ambiente atual 38 Figura 25 - O ambiente proposto 43 Figura 26 Configuração da iptables 45 Figura 27 Configuração das interfaces de Rede no funcionamento do ChilliSpot 46 Figura 28 - Captura de pacotes na eth1 47 Figura 29 - Captura de pacotes na eth0 48

11 Figura 30 - Modificações no cabeçalho SDP da mensagem de INVITE 48 Figura 31 - Captura de pacotes na eth0 49 Figura 32 - Captura de pacotes na eth1 49 Figura 33 - Cabeçalho SDP modificado 50 Figura 34 - O processo de handover 51 Figura 35 - Troca de mensagens no handover no Ambiente Proposto 52 Figura 36 - Pacote IAPP capturado durante o processo de handover 52

12 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Espectro de Freqüência do padrão IEEE Tabela 2 - Formato do frame MAC 15 Tabela 3 - Formato do campo FC 16 Tabela 4 - Tipos de Pacote Tabela 5 - Principais métodos SIP e suas descrições 26

13 LISTA DE ABREVIAÇÕES E SIGLAS AAA AP BSS DHCP DNS DS DSS DSSS ESS FHSS GSM IAPP IEEE IP LAN LARC MAC LDAP NAS NAT NGN PBX PSTN QoS RADIUS RTCP RTP SDP SGBD SIP S.O. SQL Authentication, Authorization and Accounting Access Point Basic Service Set Dynamic Host Configuration Protocol Domain Name System Distribution System Distribution System Service Direct-Sequence Spread Spectrum Extended Service Set Frequency-Hopping Spread Spectrum Global System for Mobile communications Inter Access Point Protocol Institute of Electrical and Electronic Engineers Internet Protocol Local Area Network Laboratório de Arquitetura e Redes de Computadores Media Access Control Lightweight Directory Access Protocol Network Access Server Network Address Translation Next Generation Network Private Branch exchange Public Switched Telephone Network Quality of Service Remote Authentication Dial In User Service Real-Time Control Protocol Real-Time Transport Protocol Session Description Protocol Sistema Gerenciador de Banco de Dados Session Initiation Protocol Sistema Operacional Structured Query Language

14 SS SSID TCP/IP UAM UDP USP VoIP WLAN WPA WEP WiIP WSN Station Service Service Set Identifier Transmission Control Protocol/Internet Protocol Universal Access Method User Datagram Protocol Universidade de São Paulo Voice Over Internet Protocol Wireless LAN Wi-Fi Protected Access Wired Equivalent Privacy Acrônimo de Wi-Fi VoIP Wireless Sensor Network

15 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO O PROBLEMA HANDOVER EM WI-FI PARA LIGAÇÕES VOIP OBJETIVO MOTIVAÇÃO ESTRUTURA DO DOCUMENTO 2 2 CONCEITOS, TECNOLOGIAS E PRODUTOS WI-FI IEEE TOPOLOGIAS ACCESS POINT (AP) Modo Root Modo Repetidor Modo Bridge Planejamento da freqüência dos APs HOSTSPOT SERVIÇOS Serviços de Estação Serviços do Sistema de Distribuição PACOTES DA CAMADA MAC Quadro MAC Tipos de Pacotes HANDOVER EM WI-FI Descoberta e Rastreamento de um novo AP Reautenticação Troca de Mensagens VOICE OVER INTERNET PROTOCOL (VOIP) SESSION INITIATION PROTOCOL (SIP) SESSION DESCRIPTION PROTOCOL (SDP) REAL-TIME TRANSPORT PROTOCOL (RTP) REAL-TIME CONTROL PROTOCOL (RTCP) CHILLISPOT COMMUNIGATE PRO 30 3 ARQUITETURA DA SOLUÇÃO O AMBIENTE ATUAL PROCEDIMENTOS 38

16 Cliente (telefone wireless) se liga Cliente (telefone wireless) deseja estabelecer uma ligação Cliente (telefone wireless) recebe uma ligação de fora O PROBLEMA DA DESCONTINUIDADE NA COMUNICAÇÃO (O PROBLEMA DO HANDOVER) SEGURANÇA O AMBIENTE PROPOSTO PROCEDIMENTOS Cliente (telefone wireless) se liga Cliente (telefone wireless) deseja estabelecer uma ligação Cliente (telefone wireless) recebe uma ligação de fora SEGURANÇA AMBIENTE DE TESTES: DESCRIÇÃO E COMPROVAÇÃO DO FUNCIONAMENTO Chilli liga para um telefone interno do LARC ( ) Usuário da PSTN liga para Chilli O problema do handover resolvido PROBLEMAS 53 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCLUSÕES RESULTADOS OBTIDOS DIFICULDADES ENCONTRADAS APRENDIZADO COM O PROJETO CONTRIBUIÇÕES TRABALHOS FUTUROS VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO 57 BIBLIOGRAFIA E REFERÊNCIAS 58 ANEXO I CONTEÚDO DO CD 62 ANEXO II CONFIGURAÇÕES DO CHILLISPOT 63 ANEXO III CONFIGURAÇÕES DO COMMUNIGATE PRO 68

17 1 1 INTRODUÇÃO 1.1 O Problema Handover em Wi-Fi para ligações VoIP A tecnologia Wi-Fi, conforme definida pelo IEEE no standard , não suporta a mobilidade de seus usuários, mas somente a nomadicidade dos mesmos. Mobilidade e nomadicidade são conceitos freqüentemente mal interpretados e generalizados somente como mobilidade. A mobilidade é definida como a possibilidade do usuário de se movimentar entre diversas áreas de cobertura de diferentes antenas sem que sua conexão seja prejudicada. Ou seja, o handover (troca de ponto de acesso) é transparente para o usuário. Já a nomadicidade refere-se ao fato de o usuário poder pertencer a uma nova área de cobertura desde que este seja reconfigurado para adaptar-se ao seu novo contexto. Neste caso, o usuário percebe os efeitos do handover. No contexto VoIP Wi-Fi, a nomadicidade representa um grande problema. Clientes em movimento freqüentemente trocam seus pontos de acesso enquanto estão se comunicando. A reconfiguração dos dispositivos móveis (obtenção de um novo endereço IP e renovação do registro de seus usuários junto ao SIP Server) acarreta em perda na comunicação. Portanto, pode-se concluir que um sistema VoIP Wi-Fi só será funcional se levar em conta em sua implementação o conceito de mobilidade. 1.2 Objetivo Implementar um mecanismo de comunicação VoIP Wi-Fi com suporte a mobilidade, ou seja, sem interrupção de sinal em situações de handover, e torná-lo operacional dentro do ambiente do ProSemFio da Escola Politécnica da USP.

18 2 1.3 Motivação Desde que nasceu, por volta de 1995, a tecnologia VoIP ganhou grande importância no cenário das comunicações. De acordo com a reportagem Cable VoIP Equipment Market Outlook, o número de usuários VoIP na América do Norte cresceu 900% entre 2003 e 2004, de menos de para algo em torno de meio milhão de usuários. 1 Uma solução VoIP Wi-Fi, quando bem implementada, permite a mobilidade indoor de seus usuários a um custo muito baixo, muitas vezes até nulo, se comparado com soluções do tipo GSM. Vale ressaltar também a adoção de soluções VoIP como parte de tendências mundiais como a Next Generation Network (NGN), tecnologia que reúne em uma única rede, geralmente baseada no protocolo IP, diferentes informações e serviços: all-ip. 1.4 Estrutura do documento O Capítulo 2 apresenta os conceitos técnicos e a especificação dos produtos utilizados no projeto e mencionados ao longo da monografia. O Capítulo 3 descreve o processo antigo do sistema e, então, ilustra o mecanismo proposto e projetado neste trabalho de conclusão de curso. Além disso, resume algumas dificuldades e problemas encontrados ao longo de sua realização. No Capítulo 4 são apresentadas as considerações finais relacionadas a esse trabalho. Em seguida, encontram-se as referências bibliográficas, os apêndices e os anexos que deram apoio à realização deste projeto. 1 Greg Galitzine autoridade em VoIP

19 3 2 CONCEITOS, TECNOLOGIAS E PRODUTOS Esse capítulo tem como objetivo apresentar conceitos, tecnologias e produtos que formam a base para a realização deste projeto de formatura. 2.1 Wi-Fi IEEE A marca Wi-Fi, licenciada pela Wi-Fi Alliance, descreve a tecnologia de redes locais sem fio embarcadas, Wireless Local Area Networks - WLANs, baseadas no padrão IEEE O padrão foi criado em 1997 por um grupo de trabalho do IEEE para definir o conceito de WLAN. Além da especificação , existem ainda outras tais como a, b, g. O padrão , que define uma arquitetura para as redes sem fio, é baseado na divisão da área coberta pela rede em células. As dimensões das células dependem das características do ambiente e da potência dos transmissores ou receptores utilizados nas estações móveis. O padrão cobre as especificações técnicas das camadas MAC (Media Access Control) e PHY (Physical layer), ou seja, os níveis físico e de enlace, como se pode ver na Figura 1. Figura 1 Camada do Fonte: Adaptado de GARCIA

20 4 O padrão prevê que o nível físico empregará três possíveis formas de transmissão: FHSS, DSSS 2 e o Infra Vermelho (IR). Os padrões FHSS e DSSS operam na freqüência de 2,4MHz,e a grande maioria das implementações utiliza o DSSS. Todas as três trabalham com taxas de 1 e 2 Mbps Topologias A arquitetura celular da rede define que cada célula (chamada de Basic Service Set ou BSS, na nomenclatura ) é controlada por um Access Point (AP). A topologia consiste de sets, dispositivos que permitem mobilidade transparente para os clientes. Existem as seguintes topologias: IBSS (Independent Basic Service Sets): consiste em um grupo de estações que se comunicam diretamente uma com as outras, sem a necessidade de um AP. Esse tipo de topologia, por ser uma conexão peer-to-peer, é também chamada de ad-hoc BSS (Basic Service Sets): é um grupo de estações móveis que se comunicam por uma célula. Pode ser representada por estações que se comunicam através de um ponto comum de conexão, o AP, que está conectado também à rede cabeada. Nenhuma estação conversa entre si sem antes passar pelo AP. Figura 2 - Basic Service Set Fonte: SMITH, Frequency-Hopping Spread Spectrum e Direct-Sequence Spread Spectrum: são tecnologias de transmissão de rádio-frequência baseadas em spread spectrum.

21 5 ESS (Extended Service Sets): trata-se da conexão de múltiplas infra-estruturas de BSS através de suas interfaces de uplink que por sua vez estão conectado no Distribution System (DS) (infra-estrutura de comunicação que interliga as várias células para permitir a construção de redes multi-células). Quando se têm várias BSS interconectadas via DS, tem-se um ESS. Os clientes podem se mover entre os vários AP s através da técnica de roaming, o que permite uma cobertura transparente através da topologia ESS. Figura 3 - Extended Service Set Fonte: SMITH, 2005 Não existem restrições de especificação quanto à disposição das BSS s; por este motivo, são possíveis várias configurações para a ESS, dentre elas: BSS s podem ter uma área de cobertura que sobrepõem outras BSS s. Esta situação é muito utilizada quando uma estação se move de uma para outra BSS, continuando a obter os serviços da rede. BSS s podem estar disjuntas, sendo a distância entre elas logicamente limitadas ao alcance do DS. BSS s podem estar dispostas na mesma área, para fins de redundância. Uma ou mais ESS ou IBSS podem estar na mesma área de cobertura sem interferências de serviços entre elas. Isto pode ocorrer por vários motivos, por exemplo, duas ESS de empresas diferentes podem ter uma área de cobertura sobreposta.

22 6 Figura 4 - Extended Service Set (ESS) Para se entender melhor, considera-se o caso de um edifício. Podese explicitar cada andar como sendo um BSS e a junção dos andares, um ESS. A união de dois ou mais BSSs conectados por um DS, sistema de distribuição, forma um ESS. O caso será ilustrado na Figura 5.

23 7 Figura 5 - Representação do ESS em um prédio Access Point (AP) Access Point é um dispositivo que, geralmente, em uma de suas interfaces conecta diversos dispositivos wireless e na outra se conecta a uma rede cabeada estabelecendo assim uma comunicação entre essas duas infra-estruturas. Dentre suas características também se pode citar o suporte ao roaming e o provimento de funções de sincronização do tempo (beaconing). As duas principais vantagens do seu uso são: dar mobilidade aos usuários da rede e evitar o trabalho associado à criação de uma infra-estrutura cabeada. São funções dos APs: autenticação, associação e reassociação. Permite que uma estação móvel ao sair de sua célula de origem possa continuar conectada à infra-estrutura, não perdendo assim a comunicação. Os APs também criam uma tabela que associa seus clientes a seus respectivos endereços MAC. Os APs também fazem um gerenciamento de potência, pois permitem que as estações operem em modo Power Save, que economiza energia. Eles também garantem que as estações associadas estejam sincronizadas por um relógio comum.

24 8 Suas principais limitações são: número de dispositivos que podem se conectar simultaneamente e a segurança oferecida a essas conexões (geralmente realizada pelos sistemas WPA (Wi-Fi Protected Access) e WEP (Wired Equivalent Privacy, privacidade equivalente a redes cabeadas)). Podem funcionar em três modos: Root, Repetidor e Bridge Modo Root O AP é conectado ao backbone cabeado através de uma interface (geralmente ethernet). Neste modo, ele serve como conexão entre o mundo cabeado e o mundo sem fio, onde todos os clientes wireless se comunicam através dele. Quando há mais de um AP, eles podem trocar informações para permitir a troca de acesso transparente para o cliente. Figura 6 - AP em Modo Root Modo Repetidor Funciona de modo a levar a rede wireless até onde não chegaria com apenas um AP. Ou seja, repete o sinal wireless das estações conectadas a ele para atingir outro AP que está funcionando no modo root. O AP repetidor

25 9 compartilhará a conexão com outros clientes que estarão usando o AP root. Usuários conectados ao AP repetido provavelmente sofrerão com conexões ruins, com muitas falhas e baixas taxas de transferência. Figura 7 - AP em Modo Repetidor Modo Bridge No modo bridge, os APs funcionam como se fossem bridges wireless. São usados para conectar duas redes cabeadas através de um link wireless. Normalmente não possuem clientes wireless diretos, e toda largura de banda é usada para a interconexão das redes cabeadas.

26 10 Figura 8 - AP em modo Bridge Planejamento da freqüência dos APs Em uma infra-estrutura com vários APs, devem-se definir os canais de freqüência utilizados para cada um deles, para assim minimizar a interferência intra-sistêmica. O espectro de freqüência do padrão IEEE é dividido em 11 canais de 22 MHz superpostos, de modo que cada dois canais separados por outros cinco não fiquem superpostos. 3 A distribuição dos canais será ilustrada na tabela a seguir. 3 Padrão adotado nos EUA, Canadá e Brasil, entre outros países.

27 11 ID do canal Freqüência Central (MHz) Tabela 1 - Espectro de Freqüência do padrão IEEE Através da Figura 9, pode-se observar que em uma determinada área de cobertura, só podem existir três APs, pois têm-se apenas três canais que não são sobrepostos, 1, 6 e 11. Portanto, um item importante no momento de realizar as configurações dos APs para o teste do handover, será configurá-los no canal adequado para que não haja interferência. Figura 9 - Esquema de Canais do Fonte: HyperLink Technologies

28 12 O reuso de um canal só poderá ser realizado se dois APs, configurados em um mesmo canal, não estiverem na mesma área de cobertura. Tal configuração pode ser vista na Figura 10, em que, se os APs estiverem cada qual em um Canal 6 específico, não haverá superposição, pois os mesmos encontram-se distantes fisicamente e não há cobertura comum. Figura 10 - Estrutura de Canais sem superposição Hostspot A rede constituída por APs ligados a um servidor consiste em um hostspot. Tem o objetivo de fornecer ligação entre vários dispositivos móveis Serviços A especificação IEEE define duas categorias de serviços: Serviços de Estação (SS Station Service) e os serviços do sistema de distribuição (DSS Distribution System Service), ambos os serviços utilizados pela camada MAC Serviços de Estação São serviços que devem ser implementados por todas as estações que seguem a especificação. Os APs, que podem ser estações, também devem implementar estes serviços.

29 13 As redes sem fio não possuem a segurança física que existe nas redes cabeadas. Nestas, os dados trafegam através de cabos e switches, que possuem certo nível de segurança. Para que essa segurança física exista em redes sem fio, os serviços descritos a seguir são utilizados: Autenticação (Authentication): é responsável pelo controle de acesso da estação à rede. É utilizado para disponibilizar o link para a estação. As estações fornecem suas identidades com as estações que desejam se comunicar. Caso uma estação deseje associar-se a um DS, primeiramente é necessário realizar a autenticação. É possível também operar utilizando o modo chamado Open System Authentication o qual dispensa a autenticação e considera toda estação como sendo autenticada. Quando se utiliza o WEP, é possível fazer a autenticação utilizando uma chave compartilhada. Desautenticação (De-Authentication): é responsável por finalizar uma autenticação existente. Se a estação estiver associada a um DS, a associação será eliminada se o serviço de Desautenticação for ativado. Este serviço é apenas de notificação, ou seja, one-way, não podendo nenhuma das partes envolvidas negar o pedido. Privacidade (Privacy): é um serviço opcional responsável pela segurança dos dados que trafegam pela rede e pode utilizar o esquema de criptografia WEP. Caso esteja ativado, somente os frames de dados e alguns de autenticação serão criptografados. Caso uma das partes envolvidas na comunicação não aceite frames sem criptografia, todos os frames transmitidos que não estejam criptografados serão descartados sem qualquer aviso. Delivery: como nas redes cabeadas, o fornece um método que garante que os dados serão transferidos de um MAC para o outro.

30 14 Para a entrega dos pacotes de dados é utilizado o serviço de entrega de MSDU Serviços do Sistema de Distribuição Quando é utilizada uma estrutura de rede do tipo ESS, é responsabilidade do sistema de distribuição localizar e rotear as mensagens para a devida estação. Para isto são necessários alguns serviços, os quais todos os pontos de acesso ligados ao sistema de distribuição devem implementar. Estes serviços, que trabalham entre as subcamadas LLC e MAC, são: Associação (Association): para a estação transmitir os dados para o ponto de acesso, ela precisa primeiramente associar-se ao ponto de acesso. Para isso é utilizado o serviço de associação. Este serviço tem amplo uso para o sistema de distribuição determinar em qual ponto de acesso se encontra a estação, pois um cliente pode estar autenticado em mais de um AP, mas só pode estar associado a um deles. Este processo de associação é sempre iniciado pela estação. Desassociação (Disassociation): responsável por informar que a estação não estará mais associada ao ponto de acesso, para que não haja roteamento para a estação no ponto de acesso no qual a estação se desassociou. Este serviço, que pode ser inicializado tanto pela estação quanto pelo ponto de acesso, é apenas de notificação, não podendo ser recusado por nenhum dos envolvidos. Reassociação (Re-association): responsável por manter o sistema de distribuição informado sobre a localização da estação, sendo utilizado quando uma estação troca de ponto de acesso. Este serviço é sempre invocado pela estação. Por questões de energia ou roaming, um cliente pode não ficar associado continuamente a um AP, e é exatamente ai que entra o serviço de reassociação, para que não sejam perdidas as informações de conexão. 4 MSDU (MAC Service Data Units) é um dos blocos de dados passados para a camada MAC.

31 15 Distribuição (Distribution): responsável pela distribuição dos frames. Equivalente ao roteamento em uma rede convencional. É de responsabilidade do serviço de distribuição localizar a estação de destino do frame. Conceitualmente todos os frames de estações ligadas a uma ESS passam pelo serviço de distribuição, mesmo aqueles que o destino se encontra a mesma BSS. Integração: responsável pela integração entre o sistema de distribuição e o Portal, todas as funções necessárias como, por exemplo, conversão de endereços, deve ser realizada por este serviço. O processo de entrada de dados pelo Portal para o sistema de distribuição também passa por este serviço Pacotes da Camada MAC Nesta subseção, encontrar-se-á o cabeçalho do pacote MAC, bem como a especificação de cada tipo de pacote Quadro MAC A definição do cabeçalho do frame MAC encontra-se na Tabela 2: Frame Control Duration ID Address 1 Address 2 Address 3 Sequence Control Address 4 Tabela 2 - Formato do frame MAC Fonte: Adaptado de WildPackets WLAN Packet Types Cada um dos campos possui os seguintes conteúdos: Frame Control (FC): contém informações de controle enviadas do transmissor para o receptor. É subdividido em outros campos, como será descrito adiante.

32 16 Duration ID: pode ter significados diversos, dependendo do contexto. Em pacotes do subtipo Power Save, os dois bits mais significativos possuem valores 1 e 1, e no restante dos 14 bits, a identificação da Associação AID (Association Identity) da estação que emitiu o pacote, que é um valor de 1 a Para os outros tipos de pacotes, este campo indica o tempo de duração de transmissão necessário para as estações móveis atualizarem o temporizador. Address 1, 2, 3 e 4: dependendo do tipo de pacote que está sendo enviado, este campo também traz diferentes tipos de endereço que podem ser: DA (Destination Address) endereço do destino final do pacote, SA (Source Address) endereço de origem do pacote, RA (Receiver Address) endereço do destino imediato do pacote, TA (Transmitter Address) endereço da estação que transmitiu o frame, BSSID (Basic Service Set Identification) identifica a BSS em que se encontram as estações móveis e é também utilizado para limitar o alcance de broadcast. Sequence Control (SC): responsável pelo controle de seqüência de pacotes fragmentados. O campo FC da camada MAC está presente em todos os pacotes transmitidos e tem o formato mostrado na Tabela 3: Protocol Version Type Subtype To DS From DS More Frag Retry Pwr Manag More Date WEP Order Tabela 3 - Formato do campo FC Fonte: Adaptado de WildPackets WLAN Packet Types Protocol Version: versão do Protocolo. Type: indica o tipo de frame transmitido, que podem ser: 00 Management 01 Control 10 Data

33 17 11 Reservado Subtype: mostra o subtipo do frame e, juntamente com o campo Type, define a função do frame, que poderá ser de associação, reassociação, RTS, dentre outros, que serão indicados na Tabela 4. ToDS: indica se o destino do frame é um DS. FromDS: indica se a origem do frame é um DS. More Fragments: diz se há mais fragmentos do frame. Retry: diz se o pacote está sendo retransmitido. Power Management: indica o modo de gerenciamento de energia que a estação usará depois da seqüência de troca de quadros bem-sucedidos. More Data: diz se há mais quadros a serem transmitidos do AP para a estação. WEP: diz se o corpo do frame está sendo transmitido criptografado. Se o valor é 1, indica que há criptografia. Order: diz se está sendo usada a classe de serviço StrictOrder, utilizada principalmente quando há fragmentação Tipos de Pacotes A Tabela 4 lista os tipos e subtipos de pacotes especificados no padrão de WLAN e descreverá a utilização de cada um deles. Considerando que: mgmt Management Type ctrl Control Type data Data Type Tipo: Corresponde aos bits 3 e 2 respectivamente. Subtipo: Corresponde aos bits 7, 6, 5 e 4, nesta ordem.

34 18 Tipo Tipos Pacote Subtipo 00 mgmt 0000 Association Request 00 mgmt 0001 Association Response 00 mgmt 0010 Reassociation Request 00 mgmt 0011 Reassociation Response Descrição Este pacote é enviado para o AP (em um BSS ou ESS) ou para qualquer outro ponto (em um IBSS ou rede ad hoc). O remetente deve já ser autenticado para obter sucesso na associação. Este pacote é enviado de um AP (em um BSS ou ESS) ou de qualquer outro ponto (em um IBSS ou rede ad hoc) em resposta a um pacote de Association Request. Se o resquest é bem-sucedido, a resposta incluirá o ID de Associação para o requisitante. Como uma Association Request, mas inclui informações sobre a associação corrente ao mesmo tempo em que ele requisita uma nova associação (serve para a estação original depois de um certo intervalo de tempo, ou para uma nova estação quando se move de um BSS para outro). Este pacote é enviado para um AP (em um BSS ou ESS) ou para outro ponto (em um IBSS ou rede ad hoc). O remetente deve estar já autenticado para obter sucesso na associação. Como uma Association Response, mas serve como resposta para a Reassociation Request. Este pacote é enviado de um AP (em um BSS ou ESS) ou de outro ponto (em um IBSS ou uma rede ad hoc) em resposta para o pacote de Reassociation Request. Se a requisição é bem-sucedida, a resposta incluirá o ID de associação do requisitante. 00 mgmt 0100 Probe Request É usado para localizar ativamente um AP ou BSS. 00 mgmt 0101 Probe Response Responde com parâmetros da estação e suporta taxas de dados. 00 mgmt 1000 Beacon Estes pacotes são enviados por um AP em um BSS (ou seu equivalente em um IBSS) para anunciar o começo de um Contention Free Period (CF), durante o qual o direito para transmitir é conferido por um AP polling. Pacotes de gestão Beacon transmitem timestamps BSS para ajudar a sincronizar estações membros de um BSS, e outras informações para ajudá-las a localizar e escolher a BSS com o melhor sinal e disponibilidade. 00 mgmt 1001 ATIM Announcement Traffic Indication Message. Este pacote serve para a mesma função em um IBSS que um pacote Beacon faz em uma infra-estrutura BSS ou ESS. O pacote seta a sincronização de um grupo e anuncia quais mensagens estão esperando para serem entregues. Estações em modo Power Save acordam periodicamente para ouvir por pacotes ATIM em redes ad hoc (IBSS), como elas fazem com pacotes Beacon em infra-estruturas de rede BSS ou ESS. 00 mgmt 1010 Disassociation Este pacote é um anúncio de quebra de uma associação existente. Trata-se de uma comunicação one-way (o que significa que não requer ou aceita resposta), e deve ser aceita. Deve ser enviada por uma estação associada ou BSS e tem efeito imediato. 00 mgmt 1011 Authentication Estes pacotes são retornados e trocados entre a estação que solicita autenticação e a estação que tenta afirmar sua identidade autentica. O número de pacotes trocados depende do método de autenticação empregado. Informação relativa a um esquema particular é colocada no corpo do pacote de autenticação.

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Comunicação Wireless Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2012 1 / 30 Redes sem Fio Nas redes sem fio (wireless), não exite uma conexão cabeada

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Wireless LAN (IEEE 802.11x)

Wireless LAN (IEEE 802.11x) Wireless LAN (IEEE 802.11x) WLAN: Wireless LAN Padrão proposto pela IEEE: IEEE 802.11x Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Sem estrutura pré-definida. Cada computador é capaz de se comunicar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Padrão IEEE 802.11 Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores IEEE 802.11 Aula 12 Modelo para arquiteturas wireless (1997) Especifica a camada de nível físico (PHY) e seu controle de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UM SNIFFER PARA REDES SEM FIO CURITIBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UM SNIFFER PARA REDES SEM FIO CURITIBA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UM SNIFFER PARA REDES SEM FIO CURITIBA 2008 CAIO RUAN NICHELE UM SNIFFER PARA REDES SEM FIO Trabalho de Graduação II apresentado como requisito parcial à obtenção do grau

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Introdução Camada física Subcamada MAC Estrutura do quadro Segurança Introdução

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WISLIY LOPES JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA LUIZ GUILHERME MENDES PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS GOIÂNIA JUNHO DE 2014 Sumário 1.

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE REDES DE COMPUTADORES PROFESSOR MARCELO BERRÊDO NOTAS DE AULA PADRÃO IEEE 802.11 REVISÃO ABRIL/2004 IEEE 802.11 WIRELESS LAN 1. INTRODUÇÃO O Grupo de trabalho IEEE 802.11

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Redes Locais Sem Fio

Redes Locais Sem Fio Redes Locais Sem Fio Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 13 Aula 13 Rafael Guimarães 1 / 63 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 Introdução 3 Terminologia 4 WiFi 5 Arquitetura 802.11 6 Padrões

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour WLAN: Parte II Controle de Acesso ao Meio e Segurança Padrões WLAN: WiFi Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Apenas computadores computadores

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada.

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada. 2. Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED WAN acenderá; 3. Conecte a porta LAN à placa de rede do PC. O LED LAN acenderá; 4. Conecte o(s) telefone(s)

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR. Projeto de Redes de Computadores. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2014-1

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR. Projeto de Redes de Computadores. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2014-1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR Projeto de Redes de Computadores 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Henrique Machado Heitor Gouveia Gabriel Braz GOIÂNIA 2014-1 RADIUS

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Sistemas de Comunicação. WLANs Prof. Paulo Gonçalves pasg@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~pasg CIn/UFPE

Sistemas de Comunicação. WLANs Prof. Paulo Gonçalves pasg@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~pasg CIn/UFPE Sistemas de Comunicação WLANs Prof. Paulo Gonçalves pasg@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~pasg CIn/UFPE INTRODUÇÃO Introdução 1-2 O que é uma LAN? E uma WLAN? LAN: Local Area Network Rede Local Rede de dados

Leia mais

Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015

Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015 Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015 Engenharia de Controle e Automação Sistema de Controle Baseado e PC versus Controladores Industriais Formas de apresentação:

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Uma Arquitetura para a Integração e Avaliação da Tecnologia Voz sobre IP em Enlaces PLC

Uma Arquitetura para a Integração e Avaliação da Tecnologia Voz sobre IP em Enlaces PLC Uma Arquitetura para a Integração e Avaliação da Tecnologia Voz sobre IP em Enlaces PLC André M. Zenun 1, Diego L. Kreutz 2, Rafael R. Righi 1 1 Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis SENAI-SC Rodovia

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Um roteador wireless é um dispositivo de redes que executa a função de um roteador mas também inclui as funções de um access point.

Leia mais

i) configurar uma rede local sem-fio (WLAN) ii) investigar o funcionamento e desempenho da WLAN iii) criar um enlace sem-fio ponto-a-ponto

i) configurar uma rede local sem-fio (WLAN) ii) investigar o funcionamento e desempenho da WLAN iii) criar um enlace sem-fio ponto-a-ponto Laboratório de IER 11 o experimento Objetivo: Introdução i) configurar uma rede local sem-fio (WLAN) ii) investigar o funcionamento e desempenho da WLAN iii) criar um enlace sem-fio ponto-a-ponto O padrão

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - Padrão 802.11 - WIRELESS 1. INTRODUÇÃO O padrão IEEE 802.11 estabelece os padrões para redes locais sem fio. O modelo tem como premissa o funcionamento da rede de duas formas: - Na presença

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

3 Gerenciamento de Mobilidade

3 Gerenciamento de Mobilidade Gerenciamento de Mobilidade 38 3 Gerenciamento de Mobilidade A Internet não foi originalmente projetada para suportar a mobilidade de dispositivos. A infra-estrutura existente e o conjunto dos principais

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Segurança em Redes Sem Fio Prof. João Henrique Kleinschmidt Redes sem fio modo de infraestrutura estação-base conecta hospedeiros móveis à rede com fio infraestrutura de

Leia mais

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP)

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP) Mobilidade na camada de Aplicação usando o Session Initiation Protocol (SIP) Referências: RFC 3261, IETF SIP Working Group http://www.radvision.com www.cs.columbia.edu/hgs/ www.networkcomputing.com Introdução

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos.

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Equipamentos de Rede O que já conhecemos. Cabos; Atenas; Tipos de transmissão; 1 O que vamos conhecer. Equipamentos

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

Manual do Usuário - Repetidor M300EW

Manual do Usuário - Repetidor M300EW ÍNDICE 1. Introdução... 1 1.1.Sobre o Repetidor Wireless M300EW... 1 1.2..Ethernet / Fast Ethernet... 1 1.3.Wireless LAN... 1 1.4..Conteúdo da Embalagem... 1 1.5.Características... 1 1.6..Requisitos de

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Impressão digital Sistema de eleição SisElege. Projeto Lógico de Rede

Impressão digital Sistema de eleição SisElege. Projeto Lógico de Rede Sistema de eleição SisElege Projeto Lógico de Rede Brasilia DF 25/10/2014 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 27/SET/2010 Grupo 3 Versão Inicial www.siselege.com.br 1.1 28/SET/2010

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

IEEE 802.11a. IEEE 802.11b. IEEE 802.11a/b/g. IEEE 802.11g. IEEE 802.11n 23/09/2015. Histórico Funcionamento Padrões Equipamentos Wimax PLC

IEEE 802.11a. IEEE 802.11b. IEEE 802.11a/b/g. IEEE 802.11g. IEEE 802.11n 23/09/2015. Histórico Funcionamento Padrões Equipamentos Wimax PLC Redes de Computadores Fabricio Alessi Steinmacher Histórico Funcionamento Padrões Wimax PLC H I S T Ó R I C O Wire (cabo, fio) + Less (sem) IEEE 802.11a IEEE 802.11b IEEE 802.11g IEEE 802.11n Faixa 5GHZ

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

Treze razões pelas quais uma rede wireless é lenta

Treze razões pelas quais uma rede wireless é lenta Treze razões pelas quais uma rede wireless é lenta April 29, 2008 No meu último ano de graduação tenho estudado redes sem fio. Confesso que não gostava muito desse assunto mas, passando a conhecê-lo um

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Na implantação de um projeto de rede sem fio existem dois personagens:

Na implantação de um projeto de rede sem fio existem dois personagens: Redes Sem Fio Instalação Na implantação de um projeto de rede sem fio existem dois personagens: O Projetista é o responsável: Cálculo dos link e perdas Site survey (levantamento em campo das informações)

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Nota de Aplicação. Integrando controladores em rede Ethernet com protocolo UDP. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Nota de Aplicação. Integrando controladores em rede Ethernet com protocolo UDP. HI Tecnologia. Documento de acesso público Nota de Aplicação Integrando controladores em rede Ethernet com protocolo UDP HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00030 Versão 1.00 setembro-2013 HI Tecnologia Integrando controladores em rede

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System

BlackBerry Mobile Voice System BlackBerry Mobile Voice System Comunicações móveis unificadas O BlackBerry Mobile Voice System (BlackBerry MVS) leva os recursos do telefone do escritório aos smartphones BlackBerry. Você pode trabalhar

Leia mais

Configurações do adaptador W-U3300nL

Configurações do adaptador W-U3300nL Configurações do adaptador W-U3300nL Introdução Obrigado por adquirir o adaptador para rede sem fio C3 Tech. Apresentando o que há de melhor em Tecnologia Wireless, o Adaptador para Rede Sem Fio C3 Tech

Leia mais

Sumário. Introdução... 15. 1 Fundamentos e Conceitos das Redes Sem Fio... 17. 2 Autenticação e Criptografia em uma Rede Wi-Fi.. 31

Sumário. Introdução... 15. 1 Fundamentos e Conceitos das Redes Sem Fio... 17. 2 Autenticação e Criptografia em uma Rede Wi-Fi.. 31 Sumário Introdução... 15 1 Fundamentos e Conceitos das Redes Sem Fio... 17 1.1 Padronização do Wi-Fi... 18 1.1.1 Spread Spectrum... 19 1.1.1.1 Frequency Hopping Spread Spectrum (FHSS)... 19 1.1.1.2 Direct-Sequence

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais