RELATÓRIO DE CONSULTORIA. Estruturação e Apresentação do Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais PRODUTO V RELATÓRIO FINAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE CONSULTORIA. Estruturação e Apresentação do Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais PRODUTO V RELATÓRIO FINAL"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE CONSULTORIA Estruturação e Apresentação do Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais PRODUTO V RELATÓRIO FINAL Roberto Maximiano Pereira Março de 2011

2 Sumário 1. Identificação do objeto da Consultoria Introdução Objetivos OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrição das atividades desenvolvidas e resultados alcançados Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais Pagamento por Serviços Ambientais conceituação, princípios e partes envolvidas Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais proposto para a Bahia Definição de Área Arcabouço Jurídico-Legal Arranjo Institucional Arranjo Econômico para o PSA Ferramentas de Execução e Monitoramento do PSA Quem deve Pagar pelos Serviços Ambientais? Poder Público ou Agentes Privados? Conclusão Referências Bibliográficas: Anexos Anexo 1 Visita a Campo em possível área para implementação de um Programa de Pagamentos por Serviços Ambientais na Bacia do Rio Santa Maria em Ilhéus/Itabuna BA Anexo 2 Fotos da visita técnica a campo para conhecer a experiência de Pagamentos por Serviços Ambientais na Bacia do Rio Guandu no município de Rio Claro RJ Anexo 3 - Fotos da visita técnica a campo para conhecer a experiência de Pagamentos por Serviços Ambientais na Bacia do Rio Pipiripau no Distrito Federal

3 1. Identificação do objeto da Consultoria. Serviço de consultoria por produto, prestado por Roberto Maximiano Pereira na área de elaboração de Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais voltados para Recursos Hídricos, especialmente em relação às ferramentas econômicas e fontes de recursos para a sua implementação.

4 2. Introdução Este Produto está dividido em seis partes. Além desta introdução temos a identificação do objeto da Consultoria que é o Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais voltados para Recursos Hídricos, os objetivos gerais e específicos desta consultoria, a descrição das atividade desenvolvidas e resultados alcançados e o Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais e as conclusões. O Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais foi dividido em duas partes: na primeira foram abordadas a conceituação, os princípios e as partes envolvidas diretamente num modelo de PSA, na segunda pare foi elaborado um modelo econômico de Pagamento por Serviços Ambientais para o Estado da Bahia subdividido em: Definição de Área, Arcabouço Jurídico Legal, Arranjo Institucional, Arranjo Econômico para o PSA, Ferramentas de Execução e Monitoramento do PSA e a pergunta de Quem deve pagar pelos serviços ambientais, Poder Público ou Agentes Privados. O Pagamento por serviços ambientais aponta hoje como uma ferramenta de mercado importante na recuperação, proteção e conservação dos recursos naturais, sendo um instrumento econômico que vem a garantir que os recursos naturais sejam aproveitados de forma racional por esta geração e por gerações futuras.

5 3. Objetivos 3.1. OBJETIVO GERAL Elaborar um Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais do Estado da Bahia tendo como possíveis áreas para a sua implementação as RPGAs do Paraguaçu e do Leste OBJETIVOS ESPECÍFICOS Promover e prestar suporte técnico qualificado na elaboração do Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais do Estado da Bahia, inserindo a discussão sobre o princípio do provedor recebedor na melhoria da qualidade e quantidade de água e conservação dos recursos hídricos; Participar de reuniões junto aos Comitês de Bacias Hidrográficas, ao Conselho Estadual de Recursos Hídricos CONERH, junto ao INGÁ e demais órgãos e instituições para discussão do Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais para o Estado da Bahia; Identificar os possíveis compradores e vendedores de serviços ambientais; Estruturar e apresentar um Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais para o Estado da Bahia; Identificar estratégias e ações relevantes, passíveis de serem replicadas no Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais para o Estado da Bahia;

6 4. Descrição das atividades desenvolvidas e resultados alcançados. 1 - Foi elaborado o Programa de Execução da Consultoria PEC com detalhamento das atividades que seriam desenvolvidas e o resultado foi o Produto 1 contendo o PEC. 2 - Dando prosseguimento no desenvolvimento das atividades para a apresentação das Experiências de Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil e no Mundo e na caracterização dos instrumentos econômicos utilizados foram realizadas duas visitas técnicas a campo, uma na bacia do rio Guandu no município de Rio Claro RJ e outra na bacia do ribeirão Pipiripau no Distrito Federal conforme podem ser observadas no relatório fotográfico nos Anexos 2 e 3. Foi feita uma visita técnica numa possível área para implementação de um Projeto de Pagamentos por Serviços Ambientais PSA, como resultado foi elaborado um relatório fotográfico que se encontra no Anexo 1. Como resultado da atividade de levantamento de experiências de Pagamento por Serviços Ambientais foi feito o Produto 2 desta consultoria que elenca 39 experiências de PSA sendo 10 no Brasil e 29 no restante do Mundo. 3 A atividade de caracterização dos possíveis compradores de Serviços ambientais e o levantamento das principais fontes de recursos para o financiamento do Pagamento por Serviços Ambientais visou identificar as possíveis fontes de financiamento para o PSA e caracterizar os possíveis compradores de Serviços Ambientais em áreas prioritárias no Estado da Bahia. Foram atingidos os resultados através de consultas bibliográficas e levantamento de fontes de financiamento para o PSA e para o levantamento dos possíveis compradores de serviços ambientais foram feitas reuniões com a equipe técnica do INGÁ para delimitar as Região de Planejamento de Gestão de Águas - RPGAs consideradas estratégicas para esta consultoria, as quais: RPGA do Rio Grande, RPGA do Rio Paraguaçu e RPGA do Leste gerando assim como resultado o Produto 3 desta consultoria. Os resultados mais relevantes deste Produto 3 foram a caracterização dos possíveis compradores de serviços ambientais nas RPGAs escolhidas e as possíveis fontes de financiamento para o PSA. O produto serve como fonte de informações para buscar aporte financeiro para o Pagamento por Serviços Ambientais e deve ser usado para acessar os recursos disponíveis e negociar com Possíveis compradores dos Serviços Ambientais. 4 A atividade de caracterização dos possíveis vendedores de serviços ambientais e uso de um modelo de suporte de tomada de decisão de área possibilitam dentro das RPGAs identificar quais áreas são mais propícias, prioritárias e prováveis para a implementação de um programa de PSA. Para tanto foi construído juntamente com os técnicos do INGÁ um modelo de suporte de tomada de decisão de áreas para a identificação dos possíveis vendedores de serviços ambientais, resultando assim no Produto 4 desta consultoria. Como resultado mais relevante deste produto temos a identificação de áreas prováveis que melhor se caracterizam como Vendedoras de Serviços Ambientais. Para potencializar o uso deste produto 4 ele deve ser discutido e analisado por cada um dos três comitês de bacias hidrográficas que representam as RPGAs que foram analisadas e se valer dos dados inferidos no produto para decidir qual a melhor área para implementar um projeto de PSA. 5 A atividade final de elaboração de Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais voltados para Recursos Hídricos, especialmente em relação às ferramentas econômicas e fontes de recursos para a sua implementação, para tanto

7 5. Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais 5.1. Pagamento por Serviços Ambientais conceituação, princípios e partes envolvidas. Para definirmos o que é Pagamento por Serviços Ambientais primeiro devemos definir o que deve ser considerado como serviço ambiental, para tanto recorremos ao Projeto de Lei nº 792 em tramitação no Congresso Nacional que traz em seu artigo 1º a definição de Serviços Ambientais: Art.1º Consideram-se serviços ambientais aqueles que se apresentam como fluxos de matéria, energia e informação de estoque de capital natural, que combinados com serviços do capital construído e humano produzem benefícios aos seres humanos, tais como: I - os bens produzidos e proporcionados pelos ecossistemas, incluindo alimentos, água, combustíveis, fibras, recursos genéticos, medicinas naturais; II - serviços obtidos da regulação dos processos ecossistêmicos, como a qualidade do ar, regulação do clima, regulação da água, purificação da água, controle de erosão, regulação enfermidades humanas, controle biológico e mitigação de riscos; III - benefícios não materiais que enriquecem a qualidade de vida, tais como a diversidade cultura, os valores religiosos e espirituais, conhecimento tradicional e formal, inspirações, valores estéticos, relações sociais, sentido de lugar, valor de patrimônio cultural, recreação e ecoturismo; IV - serviços necessários para produzir todos os outros serviços, incluindo a produção primária, a formação do solo, a produção de oxigênio, retenção de solos, polinização, provisão de habitat e reciclagem de nutrientes. Para Wunder (2005)1, pagamento por serviços ambientais é uma transação voluntária na qual um serviço ambiental bem definido ou uma forma de uso da terra que possa segurar este serviço é comprado por pelo menos um comprador de pelo menos um provedor sob a condição de que o provedor garanta a provisão deste serviço. A descrição do surgimento de sistemas de Pagamento por Serviços Ambientais segundo Alexandre Altman esclarece o que vem a ser o conceito de provedor-recebedor e é a seguinte: O reconhecimento econômico das funções ambientais como valiosas e escassas ao bem-estar humano conduziram os esforços para valorizar os serviços ambientais através de esquemas que visam a sua remuneração (WERTZ-KANOUNNIKOFF, 2006). Surge assim o sistema de PSA. A ideia principal do sistema consiste em pagamentos espontâneos por parte dos beneficiários dos serviços ambientais aos provedores desses serviços, remuneração esta condicionada à sua manutenção. O sistema de PSA, portanto, é também uma estratégia de incentivo àqueles que preservam, através da qual o provedor recebe uma contrapartida pelo custo de oportunidade do uso do solo. Daí a concepção do conceito de provedorrecebedor. Esquematicamente podemos ter de acordo com o Projeto de Lei nº 792/07 e com Pagiola 2005: 1 Apud in: MMA Pagamentos por serviços ambientais: perspectivas para a Amazônia Legal.

8 Quadro 1 Esquema de pagamentos por serviços ambientais adaptado ao Brasil com texto do Projeto de Lei 792 que trata do Pagamento por Serviços Ambientais. I - serviços ambientais: serviços desempenhados pelo meio ambiente que resultam em condições adequadas à sadia qualidade de vida, constituindo as seguintes modalidades: a) serviços de aprovisionamento: serviços que resultam em bens ou produtos ambientais com valor econômico, obtidos diretamente pelo uso e manejo sustentável dos ecossistemas; b) serviços de suporte e regulação: serviços que mantêm os processos ecossistêmicos e as condições dos recursos ambientais naturais, de modo a garantir a integridade dos seus atributos para as presentes e futuras gerações; c) serviços culturais: serviços associados aos valores e manifestações da cultura humana, derivados da preservação ou conservação dos recursos naturais. Serviços provedores IV - recebedor do pagamento pelos serviços ambientais: aquele que restabelece, recupera, mantém ou melhora os ecossistemas no âmbito de planos e programas específicos, podendo perceber o pagamento. Pagamento II - pagamento por serviços ambientais: retribuição, monetária ou não, às atividades humanas de restabelecimento, recuperação, manutenção e melhoria dos ecossistemas que geram serviços ambientais e que estejam amparadas por planos e programas específicos. usuarios III - pagador de serviços ambientais: aquele que provê o pagamento dos serviços ambientais. Adaptado de Stefano Pagiola, World Bank, 2005 Fonte: Adaptado pelo autor com base em PAGIOLA, World Bank, 2005 e pelo PL 792/2007.

9 Desta forma os compradores de serviços ambientais são aqueles que pagam pelos serviços ambientais que podem ser Poder Público ou Agente Privado situado na condição de beneficiário ou usuário de Serviços Ambientais, em nome próprio ou de uma coletividade. Os provedores de serviços ambientais (aqueles que produzem estes serviços ambientais por meio de práticas e manejo conservacionistas, venham a contribuir para o abatimento efetivo da erosão e da sedimentação e para o aumento da infiltração de água) devem receber pelo serviço ambiental prestado. De ambas as partes existem princípios que caracterizam estes dentro do PSA. Os Princípios aplicáveis aos provedores de serviços ambientais num sistema de PSA são: 1 Princípio do Provedor-Recebedor pelo qual quem prove um serviço ambiental deve receber uma contrapartida pelo custo de oportunidade do uso do solo reservado para o serviço ambiental; 2 Princípio da Adesão Voluntária dos Proprietários pelo qual os proprietários de áreas que são prioritárias para prover serviços ambientais devem aderir aos sistemas de Pagamento por Serviços Ambientais voluntariamente, ou seja, nenhum produtor deve ser obrigado a participar do sistema de PSA; 3 Principio de que as áreas prioritárias para implantação de um sistema de PSA devem ser áreas que promovam serviços ambientais para outras regiões. Princípios aplicáveis aos beneficiários de serviços ambientais num sistema de PSA são: 1 Princípio do Usuário-Pagador pelo qual os recursos naturais devem estar sujeitos à aplicação de instrumentos econômicos para que o seu uso e aproveitamento se processem em benefício da coletividade, definindo valor econômico ao bem natural. A apropriação desses recursos por parte de um ou de vários entes privados ou públicos devem favorecer à coletividade o direito a uma compensação financeira. (BRAGA, 2002) 2 O Principio do Poluidor-Pagador estabelece que o poluidor deva arcar com os custos necessários ao combate à poluição, estes custos são determinados pelo Poder Público a fim de manter o meio ambiente em estado aceitável, ou promover a sua melhoria. 3 Principio da Valoração econômica dos serviços ambientais que reconhece que os serviços ambientais são dotados de valor econômico para a sociedade. A seguir será discutido o modelo econômico de Pagamento por Serviços Ambientais que será proposto nesta consultoria para o Estado da Bahia.

10 5.2. Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais proposto para a Bahia A estruturação do Modelo Econômico de Pagamento por Serviços Ambientais pode ser esquematizada através do quadro 2 a seguir que foi discutido e estudado junto com os técnicos de planejamento do INGÁ-BA Quadro 2 Estruturação do Modelo Econômico para Serviços Ambientais na Bahia Fonte: Discussão técnica entre técnicos da COPLA/DPR INGÁ-BA e o consultor Roberto Maximiano Pereira, Definição de Área A definição de áreas é o primeiro passo para a Estruturação do Modelo Econômico para Serviços Ambientais. As definições de quais Bacias Hidrográficas devem usar do instrumento de Pagamento por Serviços Ambientais o Poder Público deve escolher entre as bacias que são geradoras de serviços ambientais para a população. Na definição da área dentro da bacia hidrográfica que possam vir a ser implementado um projeto de PSA o Comitê de Bacia tem papel preponderante, pois, é ele quem deve definir quais as áreas prioritárias para um PSA, preferencialmente através de estudos técnicos e levantamento de dados sobre a região. Para os estudos técnicos de definição de área foi criado o Modelo de Suporte de Tomada de Decisão de Área MSDA criado pela Coordenadora de Planejamento de Recursos Hídricos COPLA/DPR do INGÁ Elba Alves e pelo consultor Roberto Maximiano Pereira. Este MSDA originou em dados que apontaram as seguintes áreas para implementação do PSA nas RPGAs escolhidas: Para maiores detalhes sobre definição de área e possíveis vendedores de Serviços Ambientais consultar o Produto IV desta Consultoria que trata do assunto.

11 Mapa 1 Possíveis áreas e Vendedores de Serviços Ambientais para PSA segundo o Modelo de Suporte de Tomada de Decisão de Área para a RPGA do Rio Grande Fonte: Elaborado pelo autor com base no Google Earth, hidrografia e aproveitamentos hidrelétricos do I3Geo do Ministério do Meio Ambiente, Divisão Hidrográfica e Municipal do INGÁ.

12 Mapa 2 Possíveis áreas e Vendedores de Serviços Ambientais para PSA segundo o Modelo de Suporte de Tomada de Decisão de Área para a RPGA do Rio Paraguaçu Barragem de Apertado Captação de Água para Região Metropolitana de Salvador e Usina Hidrelétrica de Pedra do Cavalo Agropolo de Mucugê-Ibicoara Nascente do Paraguaçu Fonte: Elaborado pelo autor com base no Google Earth, hidrografia e aproveitamentos hidrelétricos do I3Geo do Ministério do Meio Ambiente, Divisão Hidrográfica e Municipal do INGÁ.

13 Mapa 3 Possíveis áreas e Vendedores de Serviços Ambientais para PSA segundo o Modelo de Suporte de Tomada de Decisão de Área para a RPGA do Leste Fonte: Elaborado pelo autor com base no Google Earth, hidrografia e aproveitamentos hidrelétricos do I3Geo do Ministério do Meio Ambiente, Divisão Hidrográfica e Municipal do INGÁ.

14 Arcabouço Jurídico-Legal A definição do arcabouço Jurídico Legal para o PSA deve ser feito ou pelo Município que receberá o projeto de PSA ou pelo Estado que definirá as regras gerais sobre como deve funcionar o Pagamento por Serviços Ambientais Arranjo Institucional O arranjo institucional deve ser integrado minimamente pelo órgão estadual de recursos hídricos INGÁ, pelo Comitê de Bacia Hidrográfica e sua Agência de Bacia (quando instituída), pela administração municipal na qual será implementado o PSA, as ONGs e OSCIPs e fundações, preferencialmente regionais, (pois possuem maior conhecimento da região e de sua população) que tiverem interesse na implementação do PSA, os possíveis compradores de serviços ambientais, os possíveis vendedores de serviços ambientais e pelo agente financeiro participante. É importante ampliar o número de parceiros nos projetos de PSA e estabelecer cooperações técnicas com órgãos federais como a ANA em Recursos Hídricos, o Ministério do Meio Ambiente e o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento por exemplo. No quadro 2 fazem parte do arranjo institucional a Integração institucional, Conselhos Comitês e Associações, Fundações, ONGs e OSCIPs, Instituições Financeiras, Compradores e Vendedores de Serviços Ambientais Arranjo Econômico para o PSA O Pagamento por serviços ambientais pode ser pensado sobre três formas diferentes: a) pagamento, na qual um provedor do bem ambiental recebe um pagamento contratual em dinheiro por um serviço ambiental bem definido; b) compensação pela qual não há pagamento em dinheiro, mas na forma de melhorias técnicas e de produtividade, planos de manejo sustentável dos recursos naturais, assistência técnica rural, dentre outras, e; c) gratificação como uma forma de recompensar aos usuários das florestas que adotem voluntariamente regras práticas para manter os serviços ambientais já existentes como a adoção de sistemas agroflorestais (SAF) ou de preservação florestal. Assim é do entendimento do consultor que o PSA na forma de pagamento e gratificação seja dado aos micro e pequenos proprietários de terra que se enquadrem como vendedores de serviços ambientais. Os médios e grandes proprietários de terra que se enquadrem como vendedores de serviços ambientais, e os micro e pequenos proprietários de terra, devem receber compensações pelos serviços ambientais prestados tais como assistência técnica rural, educação ambiental e assistência para se adequar aos mecanismos de desenvolvimento limpo MDL para se qualificar ao mercado de crédito de carbono. No que diz respeito às Fontes de Recursos e Instituições Financeiras para o Financiamento do Pagamento por Serviços Ambientais o Produto III desta consultoria elencou as principais possíveis fontes de financiamento entre: Instituições Bancárias Públicas e Privadas; Fundos Nacionais e Internacionais; Fontes Orçamentárias; Royalties, Compensações Financeiras e Instrumentos de Gestão de Meio Ambiente; Apoios e Programas Governamentais; Iniciativas de financiamento, apoios, programas de empresas e entidade privadas e fundo federal de PSA. Fazem parte do arranjo Econômico para o PSA no quadro 2 as Fontes de Recursos e Instituições de Financiamento, os Compradores e Vendedores de Serviços Ambientais e as Ferramentas Econômicas para Serviços Ambientais

15 Ferramentas de Execução e Monitoramento do PSA Para executar o PSA é necessário o comprometimento de todos os atores do PSA, os quais: vendedores e compradores de serviços ambientais, Fundações, ONGs e OSCIPs que serão gestoras dos projetos de PSA, Instituições Públicas que serão parceiras e darão suporte à recuperação e de áreas e monitoramento do PSA, os Conselhos, Comitês e associações que agem também como fiscalizadores junto ao Poder Público do andamento do PSA. Assim as ferramentas de execução do PSA são as Ferramentas Econômicas que no caso é o Pagamento pelo Serviço Ambiental que deve ser pelo menos o custo de oportunidade do uso da terra para quem provem o serviço ambiental como pode ser visto no quadro 3 a seguir: Quadro 3 Pagamento pelos Serviços Ambientais Quanto será pago? Pagamento aos Provedores Pelo menos, seu custo de oportunidade Desmatamento e uso para pasto Conservação Conservação com pagamento Beneficios para os usuários de terra Pagamento mínimo Pagamento Custos para as populações à jusante Pagamento máximo Fonte: Adaptado pelo autor com base em PAGIOLA, World Bank, 2005 Adaptado de Stefano Pagiola, World Bank, 2005 A recuperação, proteção e conservação das matas ciliares e dos recursos naturais que serão valorados devem ser de responsabilidade dos vendedores de serviços ambientais que firmarão contrato de cumprimento de metas de recuperação, proteção e conservação em troca do pagamento por serviços ambientais com as Agências de Bacia Hidrográficas pela prestação de tais serviços e fiscalizados pela sociedade e pelos pagadores de serviços ambientais. O controle de Erosão e Manejo Sustentável dos Solos e Água deve ser disponibilizado pela assistência técnica rural e através do estabelecimento de parcerias técnicas com a EBDA e com a CAR, assim como com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que se mostra aberto para essas parcerias. O Monitoramento de dados Fluviais e Pluviais e de Qualidade das Águas e Sedimentos nos rios deve ser de responsabilidade do órgão Estadual de Recursos Hídricos que pode vir a firmar termo de cooperação técnica com especialistas da Agência Nacional de Águas ANA para a implantação de uma rede de monitoramento para os programas de PSA.

16 A Avaliação do andamento dos projetos de PSA deve ser feita por todos e de acordo com os contratos firmados a fim de fazer jus ao pagamento pelos serviços ambientais prestados. É salutar a revisão de metas de tempos em tempos para adequar o pagamento à realidade dos serviços ambientais e os contratos devem ser de no mínimo 3 anos e no máximo 5 anos e podendo ser prorrogados por períodos que se fizerem necessários para a manutenção dos serviços ambientais Quem deve Pagar pelos Serviços Ambientais? Poder Público ou Agentes Privados? Os compradores de serviços ambientais se encaixam no princípio do usuário-pagador que estabelece que quem utilizar o recurso ambiental deve suportar seus custos, sem que essa cobrança resulte na imposição taxas abusivas. Então, não há que se falar em Poder Público ou terceiros suportando esses custos, mas somente naqueles que dele se beneficiaram. Ou seja, existe um impasse se o Poder Público entra ou não como comprador de serviços ambientais. A literatura sobre o assunto acredita que o Poder Público como comprador não é sustentável em pagamentos por serviços ambientais de longo prazo, podendo, em mudanças de poder, levar o pagamento a ser suspenso por existirem outras prioridades do novo governo que entra. Os compradores por serviços ambientais devem estar entre os usuários de água a jusante de onde os serviços ambientais são realizados e devem se beneficiar dos serviços ambientais prestados. Companhias de abastecimento de água, usinas hidrelétricas e irrigantes são potenciais beneficiários destes serviços. Assim, o Poder Público pode atuar como parceiro na viabilização de etapas anteriores ao pagamento, tais como o ato de legislar sobre o assunto, possível financiador de ações de reflorestamento e assistência técnica aos produtores rurais que quiserem se integrar no sistema de pagamento por serviços ambientais, na criação, viabilização, monitoramento e fiscalização dos programas de pagamento por serviços ambientais.

17 6. Conclusão Conclui-se que no Estado da Bahia existem três RPGAs, do Rio Grande, do Rio Paraguaçu e do Leste, que foram escolhidas como estratégicas para a implementação de projetos de PSA. Nestas RPGAs foram escolhidas regiões de acordo com as características físicas, geográficas, hidrológicas, sociais, econômicas e bióticas que seriam propícias para um projeto de PSA. Dentro destes projetos de PSA o papel do Estado pode ser variável de acordo com a RPGA sendo que uma intervenção Estatal mais ativa pode ser benéfica na RPGA do Rio Paraguaçu visto que variáveis politicas, de mobilização e de implementação são melhor exercidas pelo Estado e podendo até o Estado arcar com o Pagamento pelos Serviços Ambientais num primeiro momento, até que o arranjo institucional esteja melhor definido e mais amadurecido. Na RPGA do Rio Grande a parceria Estado da Bahia e Governo Federal juntamente com ONGs nacionais, internacionais e regionais podem formar um arranjo institucional mais forte e as responsabilidades podem ser melhor definidas entre os entes com o Estado da Bahia fazendo o papel de fiscalizador e garantidor de etapas iniciais na implementação dos projetos de PSA. Na RPGA do Leste as ONGs regionais e sociedades organizadas estão discutindo a implementação de projetos de PSA sendo papel do Estado dar suporte para que isso aconteça da melhor forma possível criando um arranjo institucional e de suporte técnico para que isso aconteça. Nesta consultoria foram elaborados cinco produtos técnicos que se complementam para a criação de projetos de PSA no Estado da Bahia. O Produto I foi o plano de trabalho desta consultoria. O Produto II elencou no Brasil e no mundo um total de 39 Experiências de Pagamento por serviços ambientais que podem auxiliar como base de dados sobre como proceder para implementar um projeto de PSA e quais os instrumentos utilizados por estes. O Produto III mostrou a caracterização dos possíveis compradores de serviços ambientais e o aporte financeiro pode ser levantado de acordo com o elenco de fontes de financiamentos apresentadas neste Produto III, disponível na página do IICA. O Produto IV mostrou a caracterização dos possíveis vendedores de serviços ambientais e o modelo de suporte de tomada de decisão de área apontou aonde são mais propícias as áreas para implementar um projeto de PSA. O Produto V mostra assim como deve ser montado o arranjo do PSA com o Modelo Econômico para Pagamento por Serviços Ambientais que leve em consideração o princípio do provedor-recebedor. O Estado da Bahia tem a possibilidade de avançar sobre três áreas diferentes de forma diferente e com êxito em todas elas respeitando as diferenças de biomas e propondo projetos com arranjos institucionais característicos de cada região.

18 7. Referências Bibliográficas: ALTMANN, Alexandre, PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS: ASPECTOS JURÍDICOS PARA A SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Encontrado no site: 26 out BRAGA, Edson Tavares. Poluidor-pagador, uma necessidade ambiental. Jus Navigandi, Teresina, ano 7, n. 53, 1 jan Disponível em: < Acesso em: 10 marc Ministério do Meio Ambiente MMA, Pagamentos por serviços ambientais: perspectivas para a Amazônia Legal / Sven Wunder, Coordenador; Jan Börner, Marcos Rügnitz Tito e Lígia Pereira. Brasília: 136 p. : il. color.; 28 cm + 11 lâms. (Série Estudos, 10) PAGIOLA, Stefano. Concepto y aplicación del Pago por Servicios Ambientales, Environment Department, World Bank, Caracas, Venezuela, 6 de Septiembre Disponível em Projeto de Lei 792 de Dispõe sobre a definição de serviços ambientais e dá outras providências. Câmara dos Deputados Federais, Disponível em: Acesso em: 21 junh

19 Anexos Anexo 1 Visita a Campo em possível área para implementação de um Programa de Pagamentos por Serviços Ambientais na Bacia do Rio Santa Maria em Ilhéus/Itabuna BA. Figura 1 Localização Geográfica da Bacia do rio Santa Maria Fonte: Instituto de Estudos Socioambientais do Sul da Bahia IESB, Foto 1 Estrada vicinal de acesso às propriedades na bacia do rio Santa Maria

20 Foto 2 Margem de estrada vicinal na Bacia do Rio Santa Maria Foto 3 Sistema Cabruca de florestas e plantação de cacauais.

21 Fotos 4 e 5 Pontes em estradas vicinais e carreamento de sedimentos para dentro do Rio Santa Maria. Fotos 6 e 7 Erosão em estradas vicinais e carreamento de solo para dentro do rio Santa Maria.

22 Foto 8 Voçoroca em estrada vicinal. Foto 9 - Danos Ambientais causados pela expansão agrícola desordenada.

23 Foto 10 Nascente desmatada para formar área de pastagem. Foto 11 Área em recuperação natural Pastagem suja ou capoeira.

24 Foto 12 Após queimada na área desmatada é plantada mandioca como primeira plantação em terrenos inclinados e nas margens do Rio Santa Maria Foto 13 Plantação de cacau nas margens da várzea inundada.

25 Foto 14 Plantação de Café e assoreamento de margem do rio a beira da estrada vicinal. Foto 15 Assoreamento de margem e nascente do rio Santa Maria.

26 Fotos 16 e 17 Organizações dos agricultores existentes na comunidade do Japu na bacia do rio Santa Maria.

27 Fotos 18 e 19 Nascentes em terrenos desmatados e em terreno em recuperação da natural da floresta.

28 Foto 20 Nascente em área desmatada e represamento da nascente em propriedade particular.

29 Anexo 2 Fotos da visita técnica a campo para conhecer a experiência de Pagamentos por Serviços Ambientais na Bacia do Rio Guandu no município de Rio Claro RJ. Fotos 1 e 2 Serra da Carioca e RPPN Sítio Fim da Picada Foto 3 e 4 Melhorias em infraestrutura da comunidade local em função da adoção do PSA

30 Foto 5 Consultor do INGÁ e a placa do Projeto Produtores de Água e Floresta Foto 6 Cercamento das áreas de preservação e plantio de mudas para recuperação das matas ciliares Cerca Cerca

31 Foto 7 Cercamento de parte da propriedade para recuperação de florestas Foto 8 - Reflorestamento de áreas degradadas e recuperação de matas em áreas prioritárias e cercamento

32 Foto 9 - Funcionária contratada para cuidar do projeto Produtores de Água e Florestas na sede do programa na escola comunitária que foi reaberta, reformada e ampliada com o Programa Fotos 10 e 11 Veículo do programa Produtores de Água e Floresta da bacia do rio Guandu e Consultores do IICA e técnicos do INGÁ e do INEA com representante do Programa e com o Presidente do Instituto Terra

33 Fotos 12 e 13 Ampliação da escola para a sede do programa Produtores de Água e Floresta e madeira para cercamento Fotos 14 e 15 Madeiras para cercamento e canteiro de mudas para reflorestamento Fotos 16 e 17 Cerca normal de uma propriedade com quatro arames e dois metros e meio entre mourões e as cercas do Programa Produtores de Água e Florestas utilizam três fios de arames e os mourões são colocados numa distância de cinco metros uns dos outros economizando recursos com a mesma eficiência.

34 Fotos 18 e 19 Rede de Alta Tensão sobre as propriedades (mais uma possível fonte de recursos para financiamento de PSA) e equipe visitando parte da floresta em estado de recomposição Fotos 20, 21,22 e 23 Biodigestor construído em comunidade quilombola para a melhoria da qualidade da água e da vida, canos de captação de esgotamento sanitário para biodigestor e cano que leva o gás metano para ser usado no fogão e galpão erguido pelo Programa para reuniões com a comunidade quilombola

35 Fotos 24 Régua para monitoramento colocada após a criação do Programa Produtores de Água e Florestas

36 Anexo 3 - Fotos da visita técnica a campo para conhecer a experiência de Pagamentos por Serviços Ambientais na Bacia do Rio Pipiripau no Distrito Federal. Foto 1 - Explicação de Devanir (ANA) sobre o programa Produtor de Águas da ANA na bacia do Pipiripau Foto 2 - Transposição de água para canal de Irrigação(Vazão de Reforço CAESB)

37 Foto 3 - Canal de Irrigação Santos Dumont Figura 1 Sistema de Abastecimento Integrado Sobradinho/Planaltina da CAESB Fonte: CAESB

38 Foto 4 Desarenador da CAESB na bacia do rio Pipiripau Foto 5 Projeto Trilhas do Pipiripau

39 Foto 6 Placa da CAESB na bacia do Ribeirão Pipiripau Foto 7 Vertedouro da represa do Sistema de Abastecimento da CAESB

40 Foto 8 Cooperativa de Produtores Rurais na Bacia do Ribeirão Pipiripau Foto 9 Bacia do Ribeirão Pipiripau - Produtores de Água

41 Foto 10 Técnicos e Consultores do INGÁ, ANA, CAESB, EMATER-DF, TNC - visão geral da nascente Foto 11 Fatores de uma Bacia Hidrográfica Ribeirão Pipiripau

42 Foto 12 Nascente do Ribeirão Pipiripau Foto 13 Pivô Central na Bacia do Ribeirão Pipiripau

43 Foto 14 Equipe Técnica e Consultores do INGÁ em visita técnica à bacia do Pipiripau

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

Convidamos você a participar do III Workshop sobre pagamentos por serviços ambientais: a caminho da implementação do programa municipal.

Convidamos você a participar do III Workshop sobre pagamentos por serviços ambientais: a caminho da implementação do programa municipal. Rio Claro, 10 de janeiro de 2017. Prezado(a) cidadão(ã), Convidamos você a participar do III Workshop sobre pagamentos por serviços ambientais: a caminho da implementação do programa municipal. O Objetivo

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações para a implementação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, e dá outras

Leia mais

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Assegurar água bruta em quantidade e qualidade para o SAA

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

Restauração de paisagens e florestas

Restauração de paisagens e florestas Restauração de paisagens e florestas Desenvolvimento de estratégias subnacionais e integração de agendas globais Marco Terranova Um conceito com enfoque na funcionalidade dos ecossistemas A restauração

Leia mais

Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz

Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz agronomia@veracruz-rs.gov.br dema@veracruz-rs.gov.br 51 37183778 Vera Cruz - RS Distância de Porto

Leia mais

Mosaico Mantiqueira. Clarismundo Benfica. São Paulo, Maio de 2009

Mosaico Mantiqueira. Clarismundo Benfica. São Paulo, Maio de 2009 Mosaico Mantiqueira Integração de Ações Regionais Foto: Clarismundo Benfica Clarismundo Benfica São Paulo, Maio de 2009 Mosaicos de UCs rede formal de UCs trabalhando para melhorar as capacidades individuais

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 059-P

FICHA PROJETO - nº 059-P FICHA PROJETO - nº 059-P PADEQ Grande Projeto 1) TÍTULO: Apoio a Alternativas Sustentáveis no Território Portal da Amazônia. 2)MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Nova Guarita, Terra Nova do Norte MT. 3)LINHA

Leia mais

Mobilização e Capacitação para Elaboração dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Região Sudeste

Mobilização e Capacitação para Elaboração dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Região Sudeste Mobilização e Capacitação para Elaboração dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Região Sudeste Contexto do Projeto Lei da Mata Atlântica (Lei nº 11.428 de 22/12/2006) e Decreto

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001)

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) Página 1 de 5 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 9.433,

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

É COM VOCÊ. cartilha. Reservatórios: degradação ambiental (?) Meio Ambiente / Série: Água Nº 2 Escassez de chuva ou. Janeiro/ ,00 556,00

É COM VOCÊ. cartilha. Reservatórios: degradação ambiental (?) Meio Ambiente / Série: Água Nº 2 Escassez de chuva ou. Janeiro/ ,00 556,00 cartilha Janeiro/2013 É COM VOCÊ Reservatórios: Meio Ambiente / Série: Água Nº 2 Escassez de chuva ou degradação ambiental (?) 558,00 556,00 Nível máximo operativo 554,00 552,00 550,00 Nível mínimo operativo

Leia mais

CARTILHA COMO ELABORAR PROJETOS DE PSA

CARTILHA COMO ELABORAR PROJETOS DE PSA CARTILHA COMO ELABORAR PROJETOS DE PSA 1. INTRODUÇÃO Pesquisas recentes sobre o funcionamento das florestas tem revelado que esses ambientes apresentam um papel muito além do que se pensa e não são somente

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Nome: Denise Maria Lara de Souza Seabra Formação: Enga. Civil e Sanitarista Instituição: Caixa Econômica Federal Agenda Contextualização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO 1 - Identificação da Consultoria GEO 3.1 Prestação de serviço especializado de consultoria pessoa

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO ETAPA I MÓDULO I: Organização do processo de elaboração e Mobilização PT/ MOBILIZAÇÃO quecoso Etapas do PMMA ETAPA II proncovo MÓDULO II: Elaboração do Diagnóstico da Situação Atual

Leia mais

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 POLÍTICA NACIONAL DA BIODIVERSIDADE Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 Os princípios estabelecidos na PNBio (20 ao todo) derivam, basicamente, daqueles estabelecidos na Convenção sobre Diversidade Biológica

Leia mais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais Usos Inovadores do Gás Natural (GN) Promoção da eficiência energética em Arranjos Produtivos Locais (APLs) Temas Estrutura Geral do Projeto As investigações em Viena As investigações em Viena Propostas

Leia mais

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE 2009 PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE GESTORES AMBIENTAIS PNC/PR Elias Araujo Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Texto de apoio

Leia mais

O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem

O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem Stanley Arguedas Mora, Coordenador Tecnico ELAP Márcia Regina Lederman, especialista Áreas Protegidas GIZ Marcos Roberto Pinheiro, consultor Áreas

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA Secretaria Nacional de Economia Solidária Ministério do Trabalho e Emprego Seu tamanho no Brasil 21.859 EES 1,7 Milhão de Pessoas 2.934 municípios (52%)

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ)

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) MARCOS LEGAIS CONSÓRCIO PÚBLICO - CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 241 - Emenda nº 19/1998) - LEI FEDERAL

Leia mais

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012.

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. INSTITUI O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO, INSTRUMENTO DA POLITICA MUNICIPAL DE

Leia mais

19 Encontro Anual dos Dirigentes Municipais de Meio Ambiente

19 Encontro Anual dos Dirigentes Municipais de Meio Ambiente 19 Encontro Anual dos Dirigentes Municipais de Meio Ambiente RECURSOS FINANCEIROS PARA PROJETOS CONDIMMA Conselho de Dirigentes Municipais do Meio Ambiente Julio Cesar Salecker Engenheiro Agrícola/Eletrotécnico

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE MÉTODOS DE PAGAMENTO DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS e proposta para a restauração de nascentes do rio Gramame no Estado da Paraíba

ESTUDO COMPARATIVO DE MÉTODOS DE PAGAMENTO DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS e proposta para a restauração de nascentes do rio Gramame no Estado da Paraíba UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA ESTUDO COMPARATIVO DE MÉTODOS DE PAGAMENTO DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS e proposta para a restauração de nascentes do rio Gramame no Estado da Paraíba Autores: Maria Camerina

Leia mais

FICHA PROJETO C

FICHA PROJETO C FICHA PROJETO - 035-C CONSOLIDAÇÃO Grande Projeto 1) TÍTULO: Estruturação da Reserva Extrativista Mandira 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Cananéia-SP 3) LINHA TEMÁTICA: Gestão Participativa de Unidade

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 Aprova o Plano de Aplicação Plurianual - PAP dos recursos da cobrança pelo uso de recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio São Francisco, referente

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 226-MA

FICHA PROJETO - nº 226-MA FICHA PROJETO - nº 226-MA Mata Atlântica Grande Projeto Chamada 03 1) TÍTULO: Apoio a criação de Unidades de Conservação na Floresta Atlântica de Pernambuco. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Água Preta,

Leia mais

Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica. Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU)

Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica. Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU) Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU) Índice da Apresentação Lições aprendidas Projeto Proteção da Mata Atlântica II (2009 a 2012)

Leia mais

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida Projeto Nascentes Urbanas MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida O projeto Nascentes Urbanas conjuga ações de recuperação e preservação ambiental, abrange o

Leia mais

PANORAMA BAIANO DAS ENTIDADES ATUANTES NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NO MEIO RURAL

PANORAMA BAIANO DAS ENTIDADES ATUANTES NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NO MEIO RURAL PANORAMA BAIANO DAS ENTIDADES ATUANTES NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NO MEIO RURAL Maria Valéria G. de Q. Ferreira Renavan Andrade Sobrinho Anésio Miranda Fernandes Neli Bonfim Cerqueira Jefferson Cerqueira

Leia mais

PROJETO VIDA NO TRÂNSITO PARANÁ

PROJETO VIDA NO TRÂNSITO PARANÁ PROJETO VIDA NO TRÂNSITO PARANÁ PACTO NACIONAL PELA REDUÇÃO DE ACIDENTES NO TRÂNSITO Ação do Governo Federal, lançada em 11/05/2011 pelos Ministérios da Saúde e das Cidades; Resposta brasileira à demanda

Leia mais

SÍNTESE DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (LEI , DE 02 DE AGOSTO DE 2010) NA PERSPECTIVA DAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO BRASILEIRAS

SÍNTESE DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (LEI , DE 02 DE AGOSTO DE 2010) NA PERSPECTIVA DAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO BRASILEIRAS SÍNTESE DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (LEI 12.305, DE 02 DE AGOSTO DE 2010) NA PERSPECTIVA DAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO BRASILEIRAS O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? Art. 3º, item XVI - material,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES NATURAIS NA AMAZÔNIA PLANO DE TRABALHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES NATURAIS NA AMAZÔNIA PLANO DE TRABALHO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES NATURAIS NA AMAZÔNIA PLANO DE TRABALHO ANÁLISE DOS IMPACTOS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS NO

Leia mais

GA079 Cadastro Técnico e Planejamento Urbano, Plano Diretor. Resultante das Ações do Planejamento Urbano Integrado

GA079 Cadastro Técnico e Planejamento Urbano, Plano Diretor. Resultante das Ações do Planejamento Urbano Integrado GA079 Cadastro Técnico e Planejamento Urbano, 2011 Plano Diretor Resultante das Ações do Planejamento Urbano Integrado CONCEITO: O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU

DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU Albieri, Rafael 1 ; Firmino, Felipe 2 ; Ribeiro, Ariel 2 1 Colégio Técnico da Universidade Federal Rural

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

PARECER DO REPRESENTANTE DO MINISTÉRIO PÚBLICO

PARECER DO REPRESENTANTE DO MINISTÉRIO PÚBLICO PARECER DO REPRESENTANTE DO MINISTÉRIO PÚBLICO Sobre pedido de vistas na 94ª Reunião do COPAM SUL DE MINAS Processo Administrativo para exame da Licença Prévia LP. Procedimento de Licenciamento Ambiental:

Leia mais

Sessão de Divulgação TAGUS2020 Ribatejo Interior. Diversificação de Atividades na Exploração Agrícola e Bolsa Nacional de Terras

Sessão de Divulgação TAGUS2020 Ribatejo Interior. Diversificação de Atividades na Exploração Agrícola e Bolsa Nacional de Terras Sessão de Divulgação TAGUS2020 Ribatejo Interior Diversificação de Atividades na Exploração Agrícola e Bolsa Nacional de Terras A nossa Visão Potenciar o máximo aproveitamento e utilização do território

Leia mais

2.1 As ações deste projeto serão desenvolvidas nos seguintes estados: RS, SC, PR, SP, RJ, ES, SE, AL, RN, PB e CE.

2.1 As ações deste projeto serão desenvolvidas nos seguintes estados: RS, SC, PR, SP, RJ, ES, SE, AL, RN, PB e CE. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE EXTRATIVISMO E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL GERÊNCIA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL Assunto: Origem: PROJETO

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente Manaus, junho/2006 Empresa de Pesquisa Energética Empresa pública, vinculada ao Ministério de Minas e Energia,

Leia mais

AGRICULTURA FAMILAR E SUA IMPORTÂNCIA PARA A CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS

AGRICULTURA FAMILAR E SUA IMPORTÂNCIA PARA A CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS AGRICULTURA FAMILAR E SUA IMPORTÂNCIA PARA A CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS RESUTADOS E EXPERIÊNCIAS DO PROJETO SEMEANDO SUSTENTABILIDADE FABIANA B. GOMES CES RIOTERRA RECURSOS NATURAIS ENERGIA SOLAR

Leia mais

A TNC está resente em mais de 30 países, com a missão de conservar as terras e águas das quais a vida depende.

A TNC está resente em mais de 30 países, com a missão de conservar as terras e águas das quais a vida depende. Quem somos? A TNC está resente em mais de 30 países, com a missão de conservar as terras e águas das quais a vida depende. No Brasil, onde atua há 25 anos, a TNC desenvolve iniciativas nos cinco principais

Leia mais

Prémio Floresta e Sustentabilidade 2016

Prémio Floresta e Sustentabilidade 2016 Prémio Floresta e Sustentabilidade 2016 Formulário de Candidatura Categoria Sustentabilidade Florestal Iniciativa desenvolvida pela CELPA em associação com o Correio da Manhã e o Jornal de Negócios, com

Leia mais

Seminário Certificação e Fomento Florestal

Seminário Certificação e Fomento Florestal Programa Klabin Fomento Florestal Seminário Certificação e Fomento Florestal Diálogo Florestal Canoinhas SC Out 2012 Fomento Florestal Fomento Florestal tem o objetivo formar florestas produtivas em áreas

Leia mais

As Zonas Úmidas e a Política Nacional

As Zonas Úmidas e a Política Nacional As Zonas Úmidas e a Política Nacional de Recursos Hídricos no Brasil 8 th Intecol, Cuiabá, julho de 2008 Maria Carolina Hazin Orientação à aprensentação: o Zonas Úmidas O conceito científico e o utilizado

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

Gestão de Inundações urbanas. Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS

Gestão de Inundações urbanas. Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS Gestão de Inundações urbanas Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS tucci@rhama.net Tipos de inundações Inundações ribeirinhas: inundações naturais resultado da flutuação dos rios durante

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA MICROBACIA DO RIO SÃO PEDRO.

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA MICROBACIA DO RIO SÃO PEDRO. Aaaaa PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA MICROBACIA DO RIO SÃO PEDRO. JUNHO/2013 Parceiros: CMDRs, CMMAs, REUNIÃO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO 24/06/2013 Presentes: Comitê Guandu, Rebio Tingua,

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P.TJAM 67 Planejamento Estratégico Elaborado por: Carla Winalmoller

Leia mais

PARANAPANEMA EM FOCO

PARANAPANEMA EM FOCO Encontro Ampliado do PIRH Nos dias 15 e 16 de fevereiro, acontece no Hotel Sumatra, em Londrina (PR), o primeiro Encontro Ampliado do Plano Integrado de Recursos Hídricos (PIRH) da Unidade de Gestão dos

Leia mais

O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica

O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica Este relatório foi produzido para a Fundação SOS Mata Atlântica sob contrato firmado entre as partes em

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PIÇARRA

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PIÇARRA LEI MUNICIPAL N.183/2013. Institui o Plano Manicipal de Saneamento Básico do Município de Piçarra, instrumento da Política Municipal de Saneamento Básico e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA - LEI 11.445/07 - ÁGUA 1 ESGOTO LIXO 2 CHUVA Lei nº 11.445/07, de 5/1/07 Água potável Esgoto sanitário Tratamento do lixo Drenagem da chuva 3 Lei 8.080/90 (promoção, proteção e recuperação da saúde) Art.

Leia mais

A gestão dos serviços ambientais e a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica

A gestão dos serviços ambientais e a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica A gestão dos serviços ambientais e a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica PqC. Elaine Aparecida Rodrigues SEMINÁRIO MATA ATLÂNTICA E SERVIÇOS AMBIENTAIS Mesa: PSAs e Biodiversidade Governo do

Leia mais

Rede de Pesquisa, Inovação, Tecnologia, Serviços e Desenvolvimento Sustentável. em Microbacias Hidrográficas

Rede de Pesquisa, Inovação, Tecnologia, Serviços e Desenvolvimento Sustentável. em Microbacias Hidrográficas PROGRAMA RIO RURAL Núcleo de Pesquisa Participativa Pesagro-Rio / Rio Rural Rede de Pesquisa, Inovação, Tecnologia, Serviços e Desenvolvimento Sustentável em Microbacias Hidrográficas Facilitar a integração

Leia mais

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte Prefeitura de Belo Horizonte Belo Horizonte, fevereiro/2011 ASPECTOS GERAIS DA CIDADE DE BELO HORIZONTE Área superficial : 330 km 2 População : 2,5 milhões

Leia mais

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA Regulação dos serviços públicos de saneamento básico e aproveitamento energético do gás metano de aterros sanitários Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento

Leia mais

PRÊMIO GESTÃO AMBIENTAL NO BIOMA AMAZÔNIA. 1 a Edição 2015/2016 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO

PRÊMIO GESTÃO AMBIENTAL NO BIOMA AMAZÔNIA. 1 a Edição 2015/2016 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO PRÊMIO GESTÃO AMBIENTAL NO BIOMA AMAZÔNIA 1 a Edição 2015/2016 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Realização Apoio Forneça as informações a seguir para participar da 1ª edição 2015/2016 do Prêmio Gestão Ambiental

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais Governo do Estado de São Paulo

Pagamentos por Serviços Ambientais Governo do Estado de São Paulo Pagamentos por Serviços Ambientais Governo do Estado de São Paulo Perspectivas Política Estadual de Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA) Princípios gerais: Criação de programas estaduais Focos principais:

Leia mais

Experiência da TNC em Projetos de PSA hídrico

Experiência da TNC em Projetos de PSA hídrico Scott Warren Experiência da TNC em Projetos de PSA hídrico Programa de Conservação Mata Atlântica e Savanas Centrais Mananciais: uso rural predominante Bacias com cobertura natural nas áreas sensíveis

Leia mais

Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis

Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis Semasa Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis 00 TEMA: Definição

Leia mais

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Política Nacional de Recursos Hídricos Lei Federal Nº 9.433/97 A partir da década de 1990: a legislação propõe substituir um sistema centralizador e setorial por outro

Leia mais

Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO

Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO A parceria do UFF inclui ONGs, institutos de setores de salvaguarda ambiental e social, peritos do sector financeiro e consultores

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 2: Piloto do Monitoramento do PPA 2012-2015 - Programa Mudanças Climáticas) Professor:

Leia mais

INSTRUMENTOS E MECANISMOS DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS NA AMAZÔNIA

INSTRUMENTOS E MECANISMOS DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS NA AMAZÔNIA INSTRUMENTOS E MECANISMOS DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS NA AMAZÔNIA Daiane Barbosa de Oliveira 1 ; José das Dores de Sá Rocha 2 RESUMO Este trabalho teve como objetivo identificar e caracterizar

Leia mais

Conceitos sobre Manejo de Bacias Hidrográficas e Recuperação de Nascentes

Conceitos sobre Manejo de Bacias Hidrográficas e Recuperação de Nascentes Conceitos sobre Manejo de Bacias Hidrográficas e Recuperação de Nascentes Nosso papel... Promover uma melhor postura da população Mostrar os resultados a sociedade Manter vivos os programas de MBH Prevenção

Leia mais

PORTARIA N o 29 DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 (publicada no DOU de 22/09/2006, seção I, página 105) ARIOSTO ANTUNES CULAU

PORTARIA N o 29 DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 (publicada no DOU de 22/09/2006, seção I, página 105) ARIOSTO ANTUNES CULAU PORTARIA N o 29 DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 (publicada no DOU de 22/09/2006, seção I, página 105) O SECRETÁRIO DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 62, inciso III, da Lei

Leia mais

Zoneamento e a Licença Ambiental como Instrumentos Garantidores de uma Cidade Sustentável

Zoneamento e a Licença Ambiental como Instrumentos Garantidores de uma Cidade Sustentável Zoneamento e a Licença Ambiental como Instrumentos Garantidores de uma Cidade Sustentável Qualidade de Vida Goiânia é hoje sinônimo de qualidade de vida e preservação ambiental. Estudos produzidos pela

Leia mais

Proposta de reestruturação do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos

Proposta de reestruturação do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Proposta de reestruturação do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Secretário Gabinete COPAM e CERH Assessoria Jurídica Auditoria Setorial Assessoria de Comunicação Social Assessoria de

Leia mais

Restauração Ecológica

Restauração Ecológica Restauração Ecológica A importância das florestas Seres humanos e sociedade: uso de recursos direta e indiretamente Diretamente: madeira para móveis, lenha, carvão, frutos, sementes e castanhas, óleos,

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO Formular e implementar estratégias de gestão com participação, transparência, compromisso, responsabilidade e efetividade, potencializando a administração pública

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

PLANO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA E DO SOLO EM ÁREAS DE PRODUÇÃO RURAL NO DISTRITO FEDERAL

PLANO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA E DO SOLO EM ÁREAS DE PRODUÇÃO RURAL NO DISTRITO FEDERAL PLANO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA E DO SOLO EM ÁREAS DE PRODUÇÃO RURAL NO DISTRITO FEDERAL Foto: Ganem, S. Apresentação A qualidade de vida passa, necessariamente, pelo uso sustentável e equilibrado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO: 08/2010 2. IDENTIFICAÇÃO DO CONTRATANTE CONTRATANTE:

Leia mais

Como nós trabalhamos. Equinocio consultoria - copyright

Como nós trabalhamos. Equinocio consultoria - copyright Como nós trabalhamos A Equinócio e seus parceiros se associam para garantir uma equipe multidisciplinar experiente na elaboração metodológica e de ferramentas para o desenvolvimento sustentável e a responsabilidade

Leia mais

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 1 PETROBRAS Fundada em 1953, a partir de uma campanha popular O petróleo é nosso. Empresa integrada de energia Sociedade anônima de capital aberto

Leia mais

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O SNS Espanhol Evolução 1975-2009 Da segmentação na coordenação

Leia mais

Programa de RPPN do Estado do Rio de Janeiro. RPPN REGUA, Cachoeiras de Macacu/RJ. Créditos: Roberta Guagliardi.

Programa de RPPN do Estado do Rio de Janeiro. RPPN REGUA, Cachoeiras de Macacu/RJ. Créditos: Roberta Guagliardi. Programa de RPPN do Estado do Rio de Janeiro RPPN REGUA, Cachoeiras de Macacu/RJ. Créditos: Roberta Guagliardi. Serviço de RPPN Com a instituição do Programa através do Decreto 40.909/2007 foi criado o

Leia mais

4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003

4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003 4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003 4.1. AS METAS DE CURTO PRAZO PQA X PLANO DE BACIAS 2000-2003 Esse capítulo faz uma comparação e explicita ações e metas já definidas nos dois principais

Leia mais

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 1 Sumário Executivo Apresentação A Bacia Hidrográfica do Alto

Leia mais

PREFEITURA DE OURO VERDE DO OESTE PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS DO USO DO SOLO E ÁGUA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PREFEITURA DE OURO VERDE DO OESTE PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS DO USO DO SOLO E ÁGUA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL PREFEITURA DE OURO VERDE DO OESTE PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS DO USO DO SOLO E ÁGUA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL OURO VERDE DO OESTE PR 2016 SUMÁRIO 1 INFORMAÇÕES... 2 2 DIAGNÓSTICO... 2 3 JUSTIFICATIVA... 3 4

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE GEAM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE GEAM UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE- GEAM PROJETO I ENCONTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA UFPA: OS DEZ ANOS DO GRUPO DE ESTUDOS

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA. Agenda 21 local : da teoria à prática

Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA. Agenda 21 local : da teoria à prática Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA Agenda 21 local : da teoria à prática Gina Rizpah Besen Psicóloga Mestre em Saúde Pública FSP-USP consultora em Gestão Ambiental rizpah@usp.br Desenvolvimento

Leia mais

Apoio Institucional 2

Apoio Institucional 2 Cap-Net Brasil - Rede Brasileira de Capacitação em Recursos HídricosH 2 Apoio Institucional Apresentação 1. Contextualização para GIRH 2. Rede Mundial de Capacitação em GIRH (Cap-Net) 2.1 Estrutura Organizacional

Leia mais

Gestão Integrada em uma Empresa Florestal

Gestão Integrada em uma Empresa Florestal Gestão Integrada em uma Empresa Florestal XVI SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE SISTEMAS DE COLHEITA DE MADEIRA E TRANSPORTE FLORESTAL 11 a 12 de abril de 2011 Wanderley Luiz Paranaiba Cunha ArcelorMittal

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Audiência Pública O PLANO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO (PDA) E A AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO MATOPIBA (MARANHÃO,

Leia mais

SISTEMA DE IRRIGAÇÃO EFICIENTE POR PIVÔ CENTRAL

SISTEMA DE IRRIGAÇÃO EFICIENTE POR PIVÔ CENTRAL SISTEMA DE IRRIGAÇÃO EFICIENTE POR PIVÔ CENTRAL Definição da Problemática Necessidade de produzir mais alimentos X Restrição para ampliar a área plantada Como Resolver o Impasse? Investimento em pesquisa

Leia mais

Brasília, 20 de novembro de

Brasília, 20 de novembro de NOTA TÉCNICA /2012 Redefine as diretrizes e normas para a organização e o funcionamento dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) no âmbito da Atenção Básica, cria a Modalidade NASF 3, e dá outras

Leia mais

II FORMULÁRIO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE VOLTADOS A PROJETOS DE RESPOSTA A AMEAÇAS IMEDIATAS

II FORMULÁRIO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE VOLTADOS A PROJETOS DE RESPOSTA A AMEAÇAS IMEDIATAS II FORMULÁRIO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE VOLTADOS A PROJETOS DE RESPOSTA A AMEAÇAS IMEDIATAS Com o objetivo de auxiliar no preenchimento deste documento de Manifestação de Interesse, o Centro de Agricultura

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Estabelece as diretrizes que devem ser observadas na regulamentação, na vigilância e na supervisão das instituições de pagamento e dos arranjos de pagamento

Leia mais

Fortalecendo o mercado de seguros para um desenvolvimento sustentável

Fortalecendo o mercado de seguros para um desenvolvimento sustentável Fortalecendo o mercado de seguros para um desenvolvimento sustentável Confederação Nacional de Seguros São Paulo 15 de Setembro Francisco Gaetani Secretário Executivo do Ministério do Meio Ambiente A Nova

Leia mais

PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS

PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS Consórcio público é uma pessoa jurídica criada por lei com a finalidade de executar a gestão associada de serviços públicos, onde

Leia mais

PRIORIZAÇÃO DE SUB-BACIAS E DE ÁREAS PARA EXPANSÃO DO PROGRAMA PRO-PSA - COMITÊ GUANDU

PRIORIZAÇÃO DE SUB-BACIAS E DE ÁREAS PARA EXPANSÃO DO PROGRAMA PRO-PSA - COMITÊ GUANDU PRIORIZAÇÃO DE SUB-BACIAS E DE ÁREAS PARA EXPANSÃO DO PROGRAMA PRO-PSA - COMITÊ GUANDU Reunião CTEP, 03 de outubro de 2013 Photo credits: (Top) Mark Godfrey; (Bottom) Sergio Pucci; Rick McEwan Linha do

Leia mais

4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe

4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe 4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais Abiquim São Paulo, 18 de outubro de 2007 O Programa Atuação

Leia mais