Democratização da permanência na escola: uma análise exploratória para o Estado do Rio de Janeiro *

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Democratização da permanência na escola: uma análise exploratória para o Estado do Rio de Janeiro *"

Transcrição

1 Marcos Rangel de Lima Fábio Odilon Alves Gomes Democratização da permanência na escola: uma análise exploratória para o Estado do Rio de Janeiro * Palavras-chaves: educação; fluxo escolar; Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro Setembro de 2016 Doutorando em População, Território e Estatísticas Pútlicas (ENCE/IBGE) Mestre em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais (ENCE/IBGE) * Trabalho apresentado (Sessão Pôster) no VII Congreso de la Asociación LatinoAmericana de Población e XX Encontro Nacional de Estudos Populacionais, realizado em Foz do Iguaçu/PR Brasil, de 17 a 22 de outubro de 2016.

2 Introdução Ao lado da extensão da educação a toda a população em idade escolar, ou seja, a democratização do acesso à escola 1, outra preocupação reiteradamente levantada nas discussões sobre o atendimento educacional no Brasil diz respeito ao fluxo adequado dos alunos através das várias etapas do ensino, de modo a garantir que todos os estudantes ou o máximo possível deles consigam completar todos os anos do ensino obrigatório, preferencialmente sem evasões ou retenções e na idade prevista. Esta é, portanto, a problemática do aumento do rendimento interno do sistema escolar (ROMANELLI, 2014, p. 91). Do ponto de vista do estudante, o fluxo adequado através dos anos de escolarização do ensino básico constituiria o chamado sucesso escolar. Este seria traduzido pela conclusão do Ensino Fundamental em nove anos, do 1º Ano, ou antiga Classe de Alfabetização, até o 9º Ano, ou antiga 8ª Série, preferencialmente cursados dos 6 aos 14 anos de idade. Para o Ensino Médio, considerando a duração mais comum dessa etapa de ensino, de três anos, a faixa etária ideal seria dos 15 aos 17 anos. Ao longo dos últimos anos, esforços e estudos foram empreendidos no intuito de se estabelecer metas voltadas para a universalização da Educação Básica e a conclusão das etapas nos prazos adequados. Todavia, embora a expansão do acesso tenha obtido percentuais próximos da universalização, a redução do atraso escolar ao longo de seus anos não atingiu os mesmos patamares, ainda que esses resultados para o Brasil tenham evoluído significativamente. Tendo esses pontos em mente, elabora-se o presente estudo para analisar aspectos do fluxo escolar no Ensino Básico. Para tanto, procura-se restringir seu escopo de análise, ao tomar por base apenas as matrículas discentes nas modalidades regulares e seriadas da Educação Básica no Estado do Rio de Janeiro. Pela observação da evolução dos números de matrículas, por ano de escolaridade, pretende-se tornar visíveis aspectos da retenção e evasão escolar, principalmente a diminuição do número de matrículas, ao longo dos anos de escolaridade, ou séries que constituem cada etapa de ensino. Breve Contextualização Há muito se tem o entendimento da importância da democratização do acesso de alunos e da permanência dos mesmos em programas de ensino de qualidade. Essa preocupação encontra-se inscrita na Carta Constitucional de 1988, em seu artigo 206 e incisos, em que os mesmos informam 1 De certa forma, segundo Romanelli (2014, p.83), essa questão tem se resolvido pela superação da oferta insuficiente de ensino.

3 que são princípios fundamentes norteadores da educação a igualdade de condições para o acesso e permanência nas escolas, bem como a garantia de padrão de qualidade. 2 princípios esses igualmente inseridos na Lei de Diretrizes e Bases (LDB), principal lei estruturante do sistema educacional brasileiro 3 Aos conceitos de acesso e permanência escolar, acompanhados por indicadores como número e proporções de matrícula escolar, assim como taxas de distorção idade-série e de evasão escolar, integrou-se outro, o de sucesso escolar, como elemento fundamentalmente ligado à ideia de qualidade de ensino. Eles constituiriam os pilares fundamentais de uma gestão democrática de ensino, garantidora, em última instância, de direito à educação não limitado apenas ao desempenho escolar, mas também a uma trajetória escolar sem interrupções 4 Já caracterizado acima, o conceito de sucesso escolar embasa a meta 4 do movimento Todos pela Educação, que busca atingir, até o ano de 2022, um percentual mínimo de 95% dos brasileiros de 16 anos com Ensino Fundamental completo; e, pelo menos, 90% dos brasileiros de 19 anos com Ensino Médio completo. Essa meta foi parcialmente incorporada na meta 2 do Plano Nacional de Educação, estabelecido pela Lei nº /14, que prevê [...] universalizar o ensino fundamental de 9 (nove) anos para toda a população de 6 (seis) a 14 (quatorze) anos e garantir que pelo menos 95% (noventa e cinco por cento) dos alunos concluam essa etapa na idade recomendada, até o último ano de vigência deste PNE [ou seja, 2023]. (BRASIL, 2014) Já a segunda parte da meta 4 do Todos pela Educação não foi incorporada pelo Plano Nacional da Educação. A meta 3 do PNE estabeleceu, além da matrícula de todos os brasileiros de 15 a 17 anos, a taxa líquida de matrícula 5 em um mínimo de 85% no Ensino Médio, sem nenhuma referência ao percentual da população concluinte. A meta 8 do PNE, por sua vez, estabeleceu o aumento da média de escolarização para 12 anos, tempo correspondente ao Ensino Médio completo, em segmentos específicos da população, mas não como um mínimo de escolarização para jovens de 19 anos (BRASIL, 2014). Uma série histórica com os valores apresentados pelos indicadores propostos na meta 4 do Todos pela Educação pode ser vista no Gráfico 01. Observa-se nele que, em 2014, 73,7% dos jovens brasileiros de 16 anos haviam concluído o Ensino Fundamental, ao passo que 56,7% dos jovens de 19 anos haviam concluído o Ensino Médio. 2 Ver CCRFB/88, art. 206, incisos I e VII. 3 Ver Lei nº 9.394/96, art. 3º, incisos I e IX. 4 Ver documento de referência da CONAE (2010, p ). Esse documento procurou encaminhar as discussões sobre elementos constitutivos de Plano Nacional de Educação, suas diretrizes e estratégias de ação, onde o sucesso escolar foi abordado. 5 A taxa líquida de matrícula em um nível ou etapa do ensino se refere à proporção de pessoas da faixa etária adequada matriculadas naquele nível ou etapa.

4 Gráfico 01 Percentuais de sucesso escolar entre jovens de 16 e 19 anos Brasil 2007 a 2014 Fonte: IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Dados compilados por: Todos pela Educação < metas?task=indicador_educacao&id_indicador=22>. Acesso em: set As taxas baixas de conclusão dessas duas etapas da Educação Básica não se explicam por níveis baixos de matrícula, já que as taxas de atendimento à população em idade escolar são significativamente altas, como se pode observar no Gráfico 02. A população de 6 a 14 anos apresenta há anos uma taxa de mais de 95% de assistência à escola. Já a população de 15 a 17 anos apresenta percentuais mais baixos, mas que desde 2008 são maiores do que 80%. Isto significa que a maioria dos jovens em idade escolar encontra-se na escola.

5 Gráfico 02 Percentuais de atendimento escolar à população de 6 a 17 anos Brasil 2007 a 2014 Fonte: IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Dados compilados por: Todos pela Educação < metas?task=indicador_educacao&id_indicador=9#filtros>. Acesso em: set Se as causas do fracasso escolar não estão localizadas fundamentalmente no acesso da população de 6 a 17 anos à Educação Básica, 6 elas poderiam ser encontradas nas taxas de evasão e repetência, evidenciadas no fato de que apenas 40% dos que ingressam no nível obrigatório concluem a 3ª série do Ensino médio, num prazo de aproximadamente 13,9 anos (FORGIARINI & SILVA, 2007, p. 2). A própria retenção de alunos por meio da reprovação é definida por mais de um autor como o sintoma mais visível do fracasso no ensinar e da frustração em não aprender (BOMENY, 2003, p. 7). Neste sentido, entende-se aqui que um dos maiores desafios da educação brasileira seria atingir a universalização na conclusão do ensino fundamental e não apenas no acesso (SAMPAIO, 2007, p. 3). O mesmo pode ser dito a respeito do Ensino Médio. Este trabalho parte da ideia de que isto não será alcançado sem o conhecimento continuamente aprofundado a respeito dos obstáculos à democratização da permanência na escola. 6 Este estudo, porém, não ignora a necessidade de aumentar a taxa de atendimento à população de 15 a 17 anos. Outro aspecto a ser lembrado é a necessidade de aumento do atendimento da população até os 6 anos de idade - ou seja, a ampliação da oferta da Educação Infantil, etapa da Educação Básica que não é tratada aqui.

6 Material e métodos Este estudo tem como fonte de dados os resultados do Censo Escolar, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), autarquia subordinada ao Ministério da Educação. Foram acessados os microdados referentes às matrículas discentes, de modo a produzir dados sobre o número total de matrículas, bem como sua distribuição por etapas de ensino e anos de seriação. De modo a obter séries históricas, trabalhou-se com dados do Censo Escolar de 2007 a O ano inicial foi escolhido por ser o início do preenchimento dos formulários do levantamento utilizando o serviço online Educacenso. A pesquisa utilizou as modalidades seriadas do Ensino Fundamental e Médio regulares, a saber: o Ensino Fundamental de 9 anos 7, desdobrado nos anos iniciais (1º ao 5º Anos) e anos finais (6º ao 9º Anos); o Ensino Médio não profissionalizante (ainda conhecido pela designação formação geral ); o Ensino Médio integrado; e o curso Normal, de formação de professores para a Educação Infantil e anos iniciais do Ensino Fundamental. Procurou-se analisar o fluxo escolar por estratos, definidos por séries históricas de números anuais de matrículas, compreendendo períodos de cinco, quatro ou três anos, dependendo do número de anos de seriação mínima da etapa de ensino observada. Em cada estrato, foram consideradas, a cada ano da série histórica, as matrículas correspondentes ao respectivo ano da etapa de ensino observada 8. Sobre os números obtidos, foram calculadas as proporções do número de matrículas em relação ao ano inicial da série ou estrato. Resultados e discussão O Gráfico 03 abaixo mostra os totais de matrículas discentes nos estabelecimentos de Educação Básica do Estado do Rio de Janeiro, no período de 2007 a 2015, e sua distribuição e evolução segundo as quatro dependências administrativas: federal, estadual, municipal e privada. 7 Neste trabalho, as matrículas em estabelecimentos que ainda mantinham o Ensino Fundamental de oito anos (1ª a 8ª Séries) foram contabilizadas e somadas no ano correspondente do Ensino Fundamental de 9 anos, ou seja, matrículas da 1ª Série no 2º Ano do Ensino Fundamental, matrículas da 2ª série no 3º Ano, matrículas da 3ª Série no 4º Ano, e assim por diante. 8 Assim, por exemplo, em cada quinquênio definido para observar as matrículas dos anos iniciais, o primeiro ano do quinquênio apresentará o número de matrículas no 1º Ano do Ensino Fundamental, o segundo ano apresentará o número de matrículas do 2º Ano do Ensino Fundamental, e assim por diante.

7 Gráfico 03 Matrículas na Educação Básica por dependência administrativa Estado do Rio de Janeiro 2007 a 2015 Fonte: INEP. Microdados do Censo Escolar Observa-se, em primeiro lugar, uma relativa estabilidade do número de matrículas, seguida da redução, no último ano da série, para um total ainda menor do que o do ano inicial. Estes números podem estar refletindo os efeitos da transição demográfica sobre a demanda por educação, que impactam a necessidade da ampliação de oferta de vagas nas escolas, em razão da redução das taxas de fecundidade. Por outro lado, observa-se que as instituições privadas conheceram um contínuo crescimento do número de matrículas entre 2007 e 2014, ao passo que a rede estadual teve um declínio ininterrupto de 2007 a A partir de 2013, as escolas particulares superaram o conjunto das escolas estaduais em número de matrículas. O Gráfico 04, por sua vez, traz informações sobre a distribuição de matrículas por etapa e modalidade de ensino, demonstrando que mais da metade das matrículas encontra-se no Ensino Fundamental regular. A estas se seguem o Ensino Médio regular e a Educação Infantil. As modalidades de Educação de Jovens e Adultos (EJA) são visivelmente minoritárias, tanto no Ensino Fundamental quanto no Ensino Médio.

8 Gráfico 04 Matrículas no Ensino Básico por nível e/ou modalidade de ensino Estado do Rio de Janeiro 2007 a 2015 Fonte: INEP. Microdados do Censo Escolar Constatando que a maior parte das matrículas discentes se encontra nas modalidades regulares do Ensino Básico, procedeu-se à análise do fluxo escolar nas diversas etapas desse nível de ensino. Assim, o Gráfico 05 procura apresentar o fluxo de matrículas nos nove anos do Ensino Fundamental, em um período que se estende também por nove anos, de 2007 a Gráfico 05

9 Fluxo de Matrículas do 1º ao 9º Ano do Ensino Fundamental em milhares de matrículas e percentual de incremento anual Estado do Rio de Janeiro 2007 a 2015 Fonte: INEP. Microdados do Censo Escolar Nos números do gráfico acima, estão incluídos os estudantes que, no período observado, apresentaram uma trajetória de sucesso escolar pleno - ou seja, conseguiram cursar os nove anos do Ensino Fundamental sem repetência ou evasão. No entanto, o Gráfico 03 não apresenta apenas aqueles que podem ser classificados como bem-sucedidos. O crescimento dos números de matrículas de um ano para o outro dentro desta série indicaria a persistência da retenção escolar, especialmente visível no 2º, 3º, 5º e 6º Anos do Ensino Fundamental, respectivamente nos anos de 2008, 2009, 2011 e 2012, todos apresentando incremento em relação ao ano imediatamente anterior. A Tabela 01 apresenta cinco estratos que, em cada um dos cinco quinquênios formados dentro do período observado, mostram a evolução dos números de matrículas ao longo dos anos iniciais do Ensino Fundamental, com a proporção de matrículas dos diversos anos de escolaridade mostradas em proporção às do 1º Ano do Ensino Fundamental no início de cada quinquênio. Tabela 01 Nota-se uma progressão nos números de cada quinquênio, com as matrículas apresentando, em geral, um pequeno crescimento ao longo dos anos de seriação em cada estrato. Como observado nos comentários feitos acima ao Gráfico 05, isto poderia ser consequência da retenção nos anos de escolaridade desta fase do Ensino Fundamental. Deste modo, alunos aprovados de uma série para a outra encontrariam já uma quantidade de alunos repetentes. No entanto, em relação a outras fases do Ensino Básico, com se verá a seguir, pode-se dizer que os números de matrículas nos anos

10 iniciais do Ensino Fundamental apresentam certa regularidade. Essa situação é comparável com a dos anos finais do Ensino Fundamental, para os quais se elaborou a Tabela 02. Tabela 02 Ao contrário dos anos iniciais, em que se vê um pequeno crescimento nos números de matrículas ao longo do curso, os números de matrículas nos anos finais do Ensino Fundamental apresentam um decréscimo constante e visível em proporção ao 6º Ano do Ensino Fundamental, em cada um dos seis estratos formados. Mantém-se, assim, certa regularidade na proporção de 67% a 72% de matrículas no 9º Ano, no fim de cada estrato, em relação ao total de matrículas no 6º Ano no início de cada quadriênio. A explicação imediata para esse decréscimo de matrículas seria a evasão escolar, que reduziria o número de alunos a cada ano de seriação. Além disso, é necessário observar que o número de matrículas nos últimos anos de cada quadriênio ainda inclui os repetentes. Em outras palavras, a proporção de estudantes que de fato conseguem completar os anos finais em quatro anos é ainda menor do que a de matrículas observadas no 8º e 9º Anos. Por outro lado, estudantes matriculados no 6º Ano podem, devido à retenção ou à evasão seguida de retorno à escola, completar o Ensino Fundamental após os quatro anos ideais. No tocante ao Ensino Médio, por sua vez, distinguem-se, na própria base de dados do Censo Escolar, três modalidades distintas. A primeira delas seria o Ensino Médio não profissionalizante, ainda conhecido como Formação Geral, cujos dados podem ser vistos na Tabela 03. Tabela 03

11 Observam-se proporções ainda menores de matrículas ao final desta etapa e modalidade de ensino do que as proporções verificadas ao final da etapa anterior, o Ensino Fundamental. O 3º Ano do Ensino Médio, ao final de cada triênio observado, apresenta uma proporção que varia de 51% a 62% do número de matrículas do 1º Ano no início do respectivo período de três anos. Mais uma vez, é necessário reparar que essa proporção inclui os estudantes retidos no 2º e 3º Anos. Como também é preciso lembrar que estudantes retidos ao longo de cada triênio podem vir a encerrar o Ensino Médio após os três anos regulamentares. A Tabela 04 apresenta as proporções de matrícula ao longo do Ensino Médio Integrado, que é a modalidade correspondente ao antigo 2º Grau profissionalizante. Tabela 04

12 Com exceção dos triênios mais recentes, que apresentam uma evolução dos números pouco melhor do que a verificada em relação ao Ensino Médio regular, os anteriores apresentam grande oscilação, com anos intermediário e final de triênio com mais matrículas do que no seu ano inicial. Tais números podem ser sinais de reprovações ou de mudanças na própria organização dos cursos, tendo em vista a necessidade de adequação à legislação mais recente que rege tal modalidade de ensino. Por sua vez, a Tabela 05 exibe as proporções de matrículas para o chamado Ensino Normal, ou Formação de Professores, uma modalidade de ensino ainda muito presente no Estado do Rio de Janeiro. Tabela 05 Nota-se, de imediato, uma diminuição na duração do curso, que passou de quatro para três anos, com uma proporção ínfima de matrículas no 4º Ano a partir de No entanto, mesmo com a redução do tempo de curso, observam-se proporções de matrículas no ano final compatíveis tanto com a modalidade regular do Ensino Médio, como com a modalidade Integrada em triênios recentes. Conclusão Este estudo procurou utilizar dados do Censo Escolar para observar aspectos do fluxo escolar ao longo dos anos de estudo que compõem os níveis, etapas e modalidades seriadas da Educação Básica. Tomando os números de matrículas discentes a cada ano de escolaridade e observando-os inseridos em estratos que procurariam representar a trajetória ideal do sucesso escolar, foi possível verificar que o número de matrículas, notadamente a partir dos anos finais do Ensino Fundamental, apresenta irregularidades ao longo das séries que compõem cada fase ou

13 etapa. Assim sendo, considerando-se que o sucesso escolar está fortemente centrado na trajetória escolar, os resultados obtidos são esclarecedores e localizam, em termos globais, os gargalos da Educação Básica fluminense. Inicialmente, a percepção de que os anos finais do Ensino Fundamental constituem o primeiro obstáculo visível à permanência do aluno na escola se confirma. Percentuais de matrículas que gravitam em torno de 70%, aqui incluídos os repetentes, mostram problemas de permanência que dificultam o atingimento das metas estabelecidas. De igual maneira, os resultados encontrados nas diferentes modalidades do Ensino Médio indicam que os esforços no sentido de garantir que os alunos cursem a série adequada a sua idade também estão produzindo efeitos pouco significativos. Os resultados, no entanto, não clarificam elementos fundamentais do problema, relacionados às razões pelas quais esses gargalos se formam no fluxo escolar. Por essa razão, pode-se considerar esse estudo exploratório como ponto de partida para aprofundamento das questões abordadas nas agendas de pesquisa dos autores, especialmente na vinculação dos dados relativos ao fluxo escolar aos programas e ações governamentais voltados para o cumprimento das diretrizes e metas educacionais fixadas. Referências BOMENY, Helena. Quando os números confirmam impressões: desafios na educação brasileira. Rio de Janeiro: CPDOC, BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de Disponível em: < Acesso em: set BRASIL. Documento de referência da CONAE Disponível em: < Acesso em: set BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de Disponível em: < Acesso em: set BRASIL. Lei nº , de 25 de junho de Disponível em: < Acesso em: set FORGIARINI, Solange Aparecida Bianchini. SILVA, João Carlos da. Escola Pública: fracasso escolar numa perspectiva histórica Disponível em: Acesso em: set

14 INEP. Microdados para download. Página disponível em: < Acesso em: mai ROMANELLI, Otaíza. História da educação no Brasil. 40. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, SAMPAIO, Carlos E. M. Situação educacional dos jovens brasileiros na faixa etária de 15 a 17 anos. Seminário de Análise dos Resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, 2., 2007, Anais... TODOS PELA EDUCAÇÃO. Indicadores da educação. Página disponível em: < Acesso em: set

MEC. Censo Escolar 2015 Notas Estatísticas. Brasília-DF março de 2016

MEC. Censo Escolar 2015 Notas Estatísticas. Brasília-DF março de 2016 MEC Censo Escolar 215 Notas Estatísticas Brasília-DF março de 216 MEC Agenda O desafio da universalização Educação infantil Creche e Pré-escola Ensino fundamental Anos iniciais e anos finais Ensino médio

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira INFORMATIVO TÉCNICO Nº 2/2015 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2014-2024: LINHA DE BASE E PROJEÇÕES DE METAS INTRODUÇÃO A Lei do Plano Nacional de Educação (Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014) estabelece

Leia mais

O Plano Nacional de Educação. Maria Alice Setubal, educadora e presidente dos conselhos do Cenpec e da Fundação Tide Setubal

O Plano Nacional de Educação. Maria Alice Setubal, educadora e presidente dos conselhos do Cenpec e da Fundação Tide Setubal O Plano Nacional de Educação Maria Alice Setubal, educadora e presidente dos conselhos do Cenpec e da Fundação Tide Setubal Plano Nacional de Educação Diretrizes Superação das desigualdades educacionais

Leia mais

Indicadores confeccionados com dados do IBGE

Indicadores confeccionados com dados do IBGE Indicadores confeccionados com dados do IBGE IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Pesquisas domiciliares Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Censo Demográfico Taxa

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS PLANOS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO. Maria Margarida Machado FE/UFG Fórum Goiano de EJA

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS PLANOS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO. Maria Margarida Machado FE/UFG Fórum Goiano de EJA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS PLANOS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO Maria Margarida Machado FE/UFG Fórum Goiano de EJA Construção histórica do pne2001-2010 Debate intenso da sociedade civil (CONED) Apresentação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUMADO ESTADO DA BAHIA CNPJ/MF Nº / Praça Cel. Zeca Leite, nº. 415 Centro CEP: Brumado-BA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUMADO ESTADO DA BAHIA CNPJ/MF Nº / Praça Cel. Zeca Leite, nº. 415 Centro CEP: Brumado-BA PROJETO DE LEI Nº 012/2010. Dispõe sobre a alteração do Sistema Municipal de de Brumado para a implantação do de 9 (nove) anos, a partir de 2010 e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE BRUMADO,

Leia mais

Conhecendo o Ensino Fundamental no Rio Grande do Norte

Conhecendo o Ensino Fundamental no Rio Grande do Norte Conhecendo o Ensino Fundamental no Rio Grande do Norte O Ensino Fundamental constitui a segunda etapa da Educação Básica. É obrigatório e gratuito na escola pública, com duração de 9 (nove) anos, iniciando-se

Leia mais

CIRANDA DA EDUCAÇÃO CONQUISTA D OESTE CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONQUISTA D OESTE

CIRANDA DA EDUCAÇÃO CONQUISTA D OESTE CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONQUISTA D OESTE CIRANDA DA EDUCAÇÃO CONQUISTA D OESTE - 2016 CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONQUISTA D OESTE TEMA PRINCIPAL PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO UM COMPROMISSO DE TODOS VIDEO ABERTURA ANTONIO NÓVOA NIVEIS DA GRATIDÃO

Leia mais

O ACESSO E PERMANÊNCIA DOS ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR E A PRÁXIS DO GESTOR

O ACESSO E PERMANÊNCIA DOS ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR E A PRÁXIS DO GESTOR O ACESSO E PERMANÊNCIA DOS ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR E A PRÁXIS DO GESTOR Gisele do Rocio Cordeiro Luis Fernando Lopes RESUMO A pesquisa tem o intuito de contribuir com a discussão sobre o papel do

Leia mais

PNE: Metas do PNE: Meta 16. Formação Continuada e Pós-Graduação de Professores

PNE: Metas do PNE: Meta 16. Formação Continuada e Pós-Graduação de Professores Dados Estatísticos: Segundo estimativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), apenas no Ensino Médio e nas séries finais do Ensino Fundamental o déficit de professores

Leia mais

AULA 03 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; ; LEI DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 03

AULA 03 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; ; LEI DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 03 AULA 03 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 03 CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 205 a 214) CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO,

Leia mais

RESULTADOS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE NOVA IGUAÇU: DESAFIOS DO IDEB NA PERIFERIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO.

RESULTADOS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE NOVA IGUAÇU: DESAFIOS DO IDEB NA PERIFERIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO. RESULTADOS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE NOVA IGUAÇU: DESAFIOS DO IDEB NA PERIFERIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO. Dayana Kelly Lemos de Souza; José Roberto da Silva Rodrigues Universidade do Estado

Leia mais

Governo do Estado de Rondônia Secretaria de Estado da Educação

Governo do Estado de Rondônia Secretaria de Estado da Educação ISSN 2317-2118 1943 1981 RONDÔNIA Governo do Estado de Rondônia Secretaria de Estado da Educação GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA FINANCEIRA GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 2014 Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 Indicadores Sociais Construção baseada em observações geralmente

Leia mais

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem.

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. Está pautada no compromisso, no diálogo, no planejamento

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA ENEM 2015 POR ESCOLA

NOTA EXPLICATIVA ENEM 2015 POR ESCOLA NOTA EXPLICATIVA ENEM 2015 POR ESCOLA 1 - RESULTADOS DO ENEM 2015 AGREGADOS POR ESCOLA Os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) auxiliam estudantes, pais, professores, diretores das escolas

Leia mais

Prefeitura Municipal da Barra

Prefeitura Municipal da Barra EDITAL Nº 0/26 COMPLEMENTAÇÃO DE CARGA HORARIA O Secretário Municipal de Educação, Cultura, Esporte e Lazer e GESTOR DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL, no uso de suas atribuições de acordo com a Lei Orgânica Municipal

Leia mais

A EJA após 10 anos do PNE, PEE e PME: avanços e desafios. Maria Margarida Machado FE/UFG Fórum Goiano de EJA

A EJA após 10 anos do PNE, PEE e PME: avanços e desafios. Maria Margarida Machado FE/UFG Fórum Goiano de EJA A EJA após 10 anos do PNE, PEE e PME: avanços e desafios Maria Margarida Machado FE/UFG Fórum Goiano de EJA Desafio de constituir-se MODALIDADE Construção histórica do PNE 2001-2010 Debate intenso da sociedade

Leia mais

Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta

Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta NOTA TÉCNICA N. 0011/2013 Brasília, 08 de março de 2013. ÁREA: Educação TÍTULO: Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta REFERÊNCIA: PORTARIA Nº 152, DE 31 DE MAIO DE 2012

Leia mais

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE TANQUE NOVO, ESTADO DA BAHIA, usando de uma das suas atribuições que lhes são conferidas por lei, e

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE TANQUE NOVO, ESTADO DA BAHIA, usando de uma das suas atribuições que lhes são conferidas por lei, e PORTARIA Nº 01/2011 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre o processo de matrícula/2012 dos alunos nas Unidades Escolares Municipais - UEM e organização do período letivo de ensino 2012 no município de

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

1.1.1 Caracterização geográfica e econômica da região do Vale do Itajaí Mesorregião

1.1.1 Caracterização geográfica e econômica da região do Vale do Itajaí Mesorregião 1.1 INSERÇÃO REGIONAL DA FURB 1.1.1 Caracterização geográfica e econômica da região do Vale do Itajaí Mesorregião O Estado de Santa Catarina está dividido em seis mesorregiões, a saber: Grande Florianópolis,

Leia mais

Indicadores de Qualidade da Educação Superior. Brasília-DF Agosto 2015

Indicadores de Qualidade da Educação Superior. Brasília-DF Agosto 2015 Indicadores de Qualidade da Educação Superior Brasília-DF Agosto 2015 Sobre o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES MARCOS LEGAIS da AVALIAÇÃO da EDUCAÇÃO SUPERIOR Constituição Federal

Leia mais

NOTA TÉCNICA INSTÂNCIAS, ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS PARA O CUMPRIMENTO DAS METAS E ESTRATÉGIAS

NOTA TÉCNICA INSTÂNCIAS, ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS PARA O CUMPRIMENTO DAS METAS E ESTRATÉGIAS NOTA TÉCNICA INSTÂNCIAS, ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS PARA O CUMPRIMENTO DAS METAS E ESTRATÉGIAS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO LEI 13.005/2014 PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO/RS LEI 14.05/2015 PLANO MUNICIPAL

Leia mais

Mauro Luiz Rabelo Decano de Ensino de Graduação Universidade de Brasília

Mauro Luiz Rabelo Decano de Ensino de Graduação Universidade de Brasília Mauro Luiz Rabelo Decano de Ensino de Graduação Universidade de Brasília Art. 2 São diretrizes do PNE: I. erradicação do analfabetismo; II. universalização do atendimento escolar; III. superação das desigualdades

Leia mais

Evento de Alinhamento de Conhecimentos e Habilidades para Aplicação do SAEB

Evento de Alinhamento de Conhecimentos e Habilidades para Aplicação do SAEB SEÇÃO 1 Evento de Alinhamento de Conhecimentos e Habilidades para Aplicação do SAEB SAEB: Compromisso com a promoção, melhoria da qualidade da Educação Básica e promoção da equidade Em uma escola pública...

Leia mais

PARECER Nº, DE RELATOR: Senador WILSON MATOS

PARECER Nº, DE RELATOR: Senador WILSON MATOS PARECER Nº, DE 2007 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 277, de 2007, que acrescenta parágrafo único ao art. 4º da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Reunião Ordinária UNDIME/SP

Reunião Ordinária UNDIME/SP Reunião Ordinária UNDIME/SP 20 de maio de 2016 São Paulo / SP Judicialização da Infância Cenário Novo Ciclo do Par Meta 1 PNE Creches Verticais Creche em Período Parcial e Integral Desafios Universalização

Leia mais

Wanda Engel Outubro de 2009

Wanda Engel Outubro de 2009 O Instituto Unibanco como instrumento de responsabilidade social empresarial Wanda Engel Outubro de 2009 Um momento favorável: CENÁRIO ATUAL Avanços na estabilidade e na governabilidade democrática Crescimento

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394/96

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394/96 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394/96 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara 1992 Darcy Ribeiro, apoiado por

Leia mais

Empoderando vidas. Fortalecendo nações.

Empoderando vidas. Fortalecendo nações. Empoderando vidas. Fortalecendo nações. Nota metodológica sobre o cálculo de indicadores demográficos do Brasil Apesar dos avanços na qualidade das estatísticas vitais no Brasil, eles ocorreram de forma

Leia mais

50 Anos de Estatísticas da Educação (ensino não-superior)

50 Anos de Estatísticas da Educação (ensino não-superior) 5 Anos de Estatísticas da Educação (ensino não-superior) A publicação 5 Anos de Estatísticas da Educação apresenta um conjunto de indicadores estatísticos demonstrativos da evolução do sistema educativo:

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A MATRÍCULA - ANO LETIVO 2017 NAS UNIDADES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA ESTADUAL

ORIENTAÇÕES PARA A MATRÍCULA - ANO LETIVO 2017 NAS UNIDADES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA ESTADUAL ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação. Diretoria de Gestão da Rede Estadual Diretoria de Gestão de Pessoas ORIENTAÇÕES PARA A MATRÍCULA - ANO LETIVO 2017 NAS UNIDADES ESCOLARES DA REDE

Leia mais

PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO

PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO Audiência Pública Câmara dos Deputados Brasília 2014 Extensão: 8,5 milhões km 2 População: 191,5 milhões População

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO Orientações para organização das turmas do Programa Mais Educação e informação das turmas

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA O movimento Constitucional; O processo de discussão que antecedeu a LDB nº9394/96; A concepção de Educação Básica e a universalização do

Leia mais

Avaliação e Monitoramento do PME. Professora Marcia Adriana de Carvalho

Avaliação e Monitoramento do PME. Professora Marcia Adriana de Carvalho Avaliação e Monitoramento do PME Professora Marcia Adriana de Carvalho TEMAS 1 Por que avaliar e monitorar o PME 2 Qual a diferença entre avaliar e monitorar 3 4 Como definir plano de ações para o período

Leia mais

JUVENTUDE E ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

JUVENTUDE E ENSINO SUPERIOR NO BRASIL CAPÍTULO 4 JUVENTUDE E ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Ana Maria Nogales Vasconcelos 1 1 INTRODUÇÃO A partir da metade do século XX a população brasileira sofreu grandes transformações, marcadas pela transição

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guarujá, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 143,71 km² IDHM 2010 0,751 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 290752 hab. Densidade

Leia mais

3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES

3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES 3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) é o indicador nacional que reflete a situação da unidade escolar a partir do resultado de dois componentes:

Leia mais

1 Verificar num primeiro momento as ações para cumprimento das Metas/estratégias com prazo definido para 2015;

1 Verificar num primeiro momento as ações para cumprimento das Metas/estratégias com prazo definido para 2015; Subcomissão permanente para Acompanhar, monitorar e avaliar o processo de implementação das estratégias e do cumprimento das metas do Plano Nacional de Educação PNE sugestões para Plano de Trabalho Consultorias

Leia mais

Avaliação da Educação Superior SINAES e Indicadores de Qualidade. Brasília-DF 25 de abril de 2016

Avaliação da Educação Superior SINAES e Indicadores de Qualidade. Brasília-DF 25 de abril de 2016 Avaliação da Educação Superior SINAES e Indicadores de Qualidade Brasília-DF 25 de abril de 2016 Indicador de Desempenho no Enade (IDE) 1 - O Conceito Enade, atualmente, é calculado pela metodologia de

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 19 DEMOGRAFIA NO BRASIL: PROCESSOS E FLUXOS

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 19 DEMOGRAFIA NO BRASIL: PROCESSOS E FLUXOS GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 19 DEMOGRAFIA NO BRASIL: PROCESSOS E FLUXOS BRASIL 1980 HOMENS 90 anos MULHERES 60 anos 50 anos 15 anos BRASIL 2030 HOMENS MULHERES 60 anos 50 anos 15 anos BRASIL 1980 E 2030

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Esperança, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 166,54 km² IDHM 2010 0,623 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 31095 hab. Densidade

Leia mais

RS Texto de Referência 6. Situação da Educação no RS 1

RS Texto de Referência 6. Situação da Educação no RS 1 RS 2030 - Texto de Referência 6 Situação da Educação no RS 1 Um dos aspectos mais importantes, em termos de educação, é a taxa de alfabetização. No caso do Rio Grande do Sul, a taxa de alfabetização da

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Patos, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 515,74 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 100674 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sinop, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3204,92 km² IDHM 2010 0,754 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 113099 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guarabira, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 166,77 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 55326 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Rondonópolis, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4181,58 km² IDHM 2010 0,755 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 195476 hab. Densidade

Leia mais

NOTA TÉCNICA No 001/2014

NOTA TÉCNICA No 001/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA NOTA TÉCNICA No 001/2014 Assunto: Recuperação Contínua e Recuperação Paralela

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Taperoá, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 664,9 km² IDHM 2010 0,578 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 14936 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Mãe D'Água, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 243,65 km² IDHM 2010 0,542 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 4019 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Real do Colégio, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 240,46 km² IDHM 2010 0,551 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pirpirituba, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 79,64 km² IDHM 2010 0,595 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 10326 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Félix do Araguaia, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 16915,81 km² IDHM 2010 0,668 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10625

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Palmeira dos Índios, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 462,76 km² IDHM 2010 0,638 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo

Leia mais

Ensino Médio Noturno

Ensino Médio Noturno Ensino Médio Noturno - Uma análise da disparidade entre o aprendizado dos alunos e a qualidade de ensino no período da noite em comparação com o turno matutino - Instituto Ayrton Senna São Paulo, 2015

Leia mais

Acesso e Permanência no Ensino Superior

Acesso e Permanência no Ensino Superior Acesso e Permanência no Ensino Superior José Francisco Soares Presidente do INEP Brasília-DF Março 2015 Censo da Educação Superior Características: Anual e sistemático; Declaratório; Participação obrigatória;

Leia mais

Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do PNEM. Programas Integrados

Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do PNEM. Programas Integrados MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE FORMULAÇÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do

Leia mais

XLV Reunião Plenária. 25 a 28 de novembro de 2015, Belém/PA. Um país pensando a educação para a próxima década

XLV Reunião Plenária. 25 a 28 de novembro de 2015, Belém/PA. Um país pensando a educação para a próxima década XLV Reunião Plenária 25 a 28 de novembro de 2015, Belém/PA Um país pensando a educação para a próxima década Prof. Heleno Araújo Filho Diretor do SINTEPE Diretor da CNTE Coordenador do FNE O PNE é um documento

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Boca da Mata, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 187,11 km² IDHM 2010 0,604 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Belém, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 48,36 km² IDHM 2010 0,593 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 4551 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Casserengue, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 202,67 km² IDHM 2010 0,514 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 7058 hab. Densidade

Leia mais

PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre

PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre - 2010 INFORME GESTOR teste capa verde.indd 1 13/1/2010 08:40:47 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Xingu, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7493,63 km² IDHM 2010 0,657 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5240 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Olho D'Água das Flores, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 183,96 km² IDHM 2010 0,565 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio Tiragem Limitada República Federativa do Brasil Fernando Henrique Cardoso Ministério da Educação e do Desporto - MEC Paulo Renato Souza Secretaria

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA Aparecida Vieira de Melo 1 INTRODUÇÃO Dados do censo demográfico de 1991 e da contagem populacional de 1996 mostram que

Leia mais

Resultados do Ideb 2015

Resultados do Ideb 2015 Resultados do Ideb 2015 1. Introdução 1. Introdução O que é o Ideb? O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) foi criado pelo Ministério da Educação em 2007 com a finalidade de mensurar e avaliar

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua FINANCIAMENTO DA POLÍTICA EDUCACIONAL BRASILEIRA compreendendo os sistemas de ensino federal, estadual e municipal, a Constituição Federal

Leia mais

ESTADO DA BAHIA Prefeitura Municipal de Araçás Praça da Matriz, Nº 160. Centro. CEP: Tel: (75) / Araçás BA PORTARIA Nº 004/2015

ESTADO DA BAHIA Prefeitura Municipal de Araçás Praça da Matriz, Nº 160. Centro. CEP: Tel: (75) / Araçás BA PORTARIA Nº 004/2015 ESTADO DA BAHIA Prefeitura Municipal de Araçás Praça da Matriz, Nº 160. Centro. CEP: 48108-000 Tel: (75) 3451-2142 / Araçás BA PORTARIA Nº 004/2015 Estabelece normas, procedimentos e cronograma para efetivação

Leia mais

Indicadores Demográficos e Educacionais - SALVADOR - BA

Indicadores Demográficos e Educacionais - SALVADOR - BA Page 1 of 5 SALVADOR - BA Este conjunto de doze tabelas traz informações sobre população, Produto Interno Bruto (PIB), Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), Índice de Desenvolvimento da Infância (IDI)

Leia mais

Resolução Nº /2010, DE DE DE 2010.

Resolução Nº /2010, DE DE DE 2010. Resolução Nº /2010, DE DE DE 2010. Regulamenta os processos de efetivação, renovação, trancamento, cancelamento da matrícula e reingresso, para alunos dos cursos técnicos de nível médio e cursos superiores,

Leia mais

Situação do Aluno Desmistificando Conceitos e Alterações para 2012

Situação do Aluno Desmistificando Conceitos e Alterações para 2012 Situação do Aluno Desmistificando Conceitos e Alterações para 2012 O que é a Situação do Aluno? Segunda etapa do Censo Escolar da Educação Básica; Levantamento de dados sobre o rendimento (aprovado, reprovado)

Leia mais

Educação Brasileira Anos 90

Educação Brasileira Anos 90 Programação Maio/2013 06/05 A Educação nos anos 90; Políticas educacionais no governo FHC 07/05 LDB 9394 1996 Trazer cópia LDB 13/05 LDB 9394 1996 Trazer cópia LDB Leitura prévia do texto de Pedro Demo

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010.

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. Institui as orientações e as atividades aprovadas para a realização da carga horária de Estágio Supervisionado

Leia mais

Política Educacional: A experiência de Sobral/CE. Sobral - Ceará

Política Educacional: A experiência de Sobral/CE. Sobral - Ceará Política Educacional: A experiência de Sobral/CE Sobral - Ceará Ponto de partida Resultado da avaliação de leitura com alunos de 2ª série Final de 2000 48% não liam textos, frases e nem palavras 48,0%

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, considerando:

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, considerando: RESOLUÇÃO Nº 03/2016 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Regulamenta os Processos de Mobilidade Acadêmica no âmbito da UFCG e

Leia mais

CENSO ESCOLAR - EDUCACENSO

CENSO ESCOLAR - EDUCACENSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Campo Novo do Parecis, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9480,98 km² IDHM 2010 0,734 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 27577

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento visa normatizar as Atividades Complementares do Curso de História. Parágrafo único As Atividades Complementares

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cáceres, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 24478,87 km² IDHM 2010 0,708 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 87942 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Juara, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 21474,36 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 32791 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Projeto de Lei da Câmara nº 2002

Projeto de Lei da Câmara nº 2002 Projeto de Lei da Câmara nº 2002, de Dispõe sobre a extinção do analfabetismo no Brasil. O Congresso Nacional decreta: Art 1º - Fica declarado em extinção, a partir desta data, o analfabetismo no Brasil.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Lucas do Rio Verde, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3674,76 km² IDHM 2010 0,768 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 45556 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Matupá, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5172,94 km² IDHM 2010 0,716 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14174 hab. Densidade

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Metodologia utilizada para o estabelecimento das metas intermediárias para a trajetória do Ideb no Brasil, Estados, Municípios e Escolas

NOTA TÉCNICA. Metodologia utilizada para o estabelecimento das metas intermediárias para a trajetória do Ideb no Brasil, Estados, Municípios e Escolas NOTA TÉCNICA Metodologia utilizada para o estabelecimento das metas intermediárias para a trajetória do Ideb no Brasil, Estados, Municípios e Escolas Nesta nota técnica será apresentada a metodologia utilizada

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vila Rica, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7468,7 km² IDHM 2010 0,688 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 21382 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Major Isidoro, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 455,14 km² IDHM 2010 0,566 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS DE MIRACEMA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS DE MIRACEMA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS DE MIRACEMA PROCESSO SELETIVO PARA MATRÍCULA EM DISCIPLINAS ISOLADA ALUNO ESPECIAL EDITAL Nº 002/2009 de 06 de agosto de 2009 O CAMPUS DE

Leia mais

EDITAL N. 03/2009 I DAS VAGAS DE ESTÁGIO:

EDITAL N. 03/2009 I DAS VAGAS DE ESTÁGIO: EDITAL N. 03/2009 PROVA DE SELEÇÃO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE ESTÁGIO DE DIREITO DO ESCRITÓRIO MODELO - DOM PAULO EVARISTO ARNS A Coordenadoria Geral de Estágios, através de sua Coordenadora Prof ª. Dra.

Leia mais

O Brasil possui uma população de , com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²;

O Brasil possui uma população de , com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²; A POPULAÇÃO BRASILEIRA Características Gerais O Brasil possui uma população de 191.715.083, com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²; A população brasileira ocupa o território de modo bastante irregular.

Leia mais

Carta de princípios. O CONSED, por meio dessa carta de princípios propõe:

Carta de princípios. O CONSED, por meio dessa carta de princípios propõe: Carta de princípios O CONSED, por meio dessa carta de princípios propõe: Um Novo Modelo de Ensino Médio a ser adotado por todas os sistemas de ensino e que considera trajetórias flexíveis na formação do

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 Soeli do Rocio Nunes Lechinhoski Pedagoga do Departamento de Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação (2013-2016) Secretaria

Leia mais

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) Diretoria de ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS

Leia mais

- EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 59, DE 11 DE NOVEMBRO DE

- EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 59, DE 11 DE NOVEMBRO DE Encarte à Legislação Brasileira sobre Educação ISBN 978-85-736-5561-2 - EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 59, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 1 - Acrescenta 3º ao art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG Estrutura da Apresentação Cenário das Avaliações em larga escala, no Brasil, implementadas pela União, no contexto da

Leia mais

Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula

Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula Com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2013, este informativo apresenta um perfil dos 50.798 profissionais

Leia mais

São Tomé-e-Príncipe Perfil do país EPT 2014

São Tomé-e-Príncipe Perfil do país EPT 2014 São Tomé-e-Príncipe Perfil do país EPT 4 Contexto geral País pequeno de África central, composto de duas ilhas situadas em frente ao Gabão, no Golfo da Guiné, São Tomé e Príncipe tinha cerca de 7 habitantes

Leia mais