Calibração dos Geradores Primários de Umidade do DCTA / IFI, INPE / CPTEC e PAME-RJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Calibração dos Geradores Primários de Umidade do DCTA / IFI, INPE / CPTEC e PAME-RJ"

Transcrição

1 Calibração dos Geradores Primários de Umidade do DCTA / IFI, INPE / CPTEC e PAME-RJ Alexandre Terra, Luiz Silva, Cesar Botura, Erik Almeida, Guilherme Vieira, Júlio Mesquita, Márcio Santana, Marcos Cavalcante, Patrícia Guimarães, Pedro Pompéia, Roberto Carlos, e Washington Rodrigues.

2 climaeambiente.wordpress.com {Meteorologia} Umidade relativa do ar É a razão entre a pressão de vapor de água do ar (E) e a pressão de vapor de saturação (Es). UR pv 100 psv Onde: Pv = pressão parcial do vapor d água : parcela da pressão total do gás que é exercida pelo vapor d água. Psv = pressão de saturação do vapor d água : pressão máxima que o vapor d água pode exercer no gás em uma determinada temperatura. Usualmente, é a quantidade de vapor de água contida no ar.

3 Porque medir umidade relativa do ar? Porque afeta muitas propriedas do ar e dos materiais em contato com o ar. Para a observação meteorológica, porque o vapor de água é um agente fundamental para a previsão de tempo e clima. Porque afeta criticamente processos de fabricação, armazenamento, transportes, agrícolas e testes. Para evitar condensação, corrosão, mofo, deformação ou deterioração de produtos (alimentos, produtos farmacêuticos, produtos químicos, combustíveis, madeira, papel, etc). Para monitoramento e controlar as condições do ar condicionado em edifícios. Para tomar ações para prevenir/minimizar as descargas elétricas (eletricidade estática). Porque afeta diretamente à Saúde Humana.

4

5 Sensores de Umidade Relativa

6 Termohigrômetros Barotermohigrômetros Estações meteorológicas compactas

7 Meios para geração de umidade Câmaras climáticas Gases engarrafados Sais Geradores de umidade (ou ponto de orvalho) Calibração utilizando câmara climática (foto:lim/cptec) Ajuste de higrômetro utilizando sais (foto:lim/cptec) Gerador de umidade por princípio de dupla pressão (foto: LIM/CPTEC)

8 Geradores de umidade relativa / Temperatura de ponto de orvalho

9 Especificações técnicas do Gerador de Umidade Relativa Thunder Scientific, modelo 2500 ST Faixa: 10 a 95 % R.H. Incerteza*: 0,5 % R.H. Faixa de temperatura da câmara*: 0 a 70 oc Uniformidade de temperatura na câmara*: ± 0,1 oc Incerteza da temperatura na câmara*: 0,06 oc Taxa média de aquecimento/resfriamento: 2,5 min / oc Dimensões da câmara: (381 x 381 x 305) mm

10 Gerador de umidade relativa pelo método de dupla-pressão O método de duas pressões para gerar ou produzir ar com umidade conhecida envolve a saturação do ar ou outro gás em alta pressão e em seguida a expansão do ar para uma pressão mais baixa. O processo de geração de umidade pelo método dupla-pressão" envolve a saturação do ar com vapor de água (destilada) a uma temperatura e pressão conhecidos. O ar saturado em alta pressão flui através de uma válvula redutora de pressão, onde o ar é isotermicamente reduzido para a pressão de teste (Pc) em uma temperatura desejada (Tc). Esta tecnologia* de gerador de umidade relativa pelo método de duas pressões foi desenvolvido pelo NBS - National Bureau of Standards (atual NIST - National Institute of Standards and Technologies) em 1976 para substituir um modelo antigo que estava em uso, desde (S. Hasegawa and J. W. Little, The NBS Two-Pressure Humidity Generator, Mark 2, Journal of Research of the NBS, jan-feb., 1977) Válvula de expansão e câmara de teste - NBS

11 Usuários: Institutos Nacionais de Metrologia. Laboratórios de metrologia Aeroespacial: Boeing, Lockheed, Northrop Grumman, Raytheon e DCTA/IFI. Laboratórios de Institutos/Centros Meteorológicos: NOAA, WMO-RICs, INPE/CPTEC, INMET. Laboratórios da área Militar: U.S. Air Force, Army and Navy e DECEA/PAME-RJ. Laboratórios de Indústrias farmacêuticas: Abbott Laboratories, Merck, and Eli Lilly. Laboratórios de Indústrias em geral: Johnson Controls, GE Companies, Honeywell, Intel, Vaisala e Fluke Instruments. No Brasil: Aché (1), PAME-RJ (2), CPTEC (1), IFI (1) e INMET (1). jila-kecklab.colorado.edu

12 Procedimento de calibração do Gerador de Umidade Relativa O procedimento de calibração baseia-se na comparação indireta aos padrões de referência de temperatura de ponto de orvalho do INPE/CPTEC e de temperatura (Escala Internacional de Temperatura de 1990) e pressão do DCTA/IFI, conforme documento Calibration of the twopressure humidity generator, Thunder Scientific Co, procedure version 17/10/ pag. 64. A incerteza expandida de medição (incerteza da calibração) relatada equivale à incerteza padrão combinada multiplicada pelo fator de abrangência k, para um nível de confiança de 95,45%, e foi determinada pelo software Humicalc da empresa Thunder Scientific Corporation. E porque calibrar no Bra$il?

13 Calibração dos geradores primários de umidade relativa do ar DCTA / IFI (1) - INPE / CPTEC / LIM (1) - PAME-RJ (2) Fevereiro / Março de 2015

14 Calibração da Temperatura de Ponto de Orvalho Padrões utilizados / Rastreabilidade Metrológica: Higrômetro óptico, Optidew/ST2 - espelho resfriado, Michell Instruments Ltd. Números de série: / Certificado: DIMCI 2321/ Validade: NOV Rastreabilidade: INMETRO/LAHIG Termômetro padrão de resistência de platina, modelo 162CE, Rousemount Número de série: Certificado: DIMCI 2262/ Validade: 18/10/ Rastreabilidade: INMETRO/LATER Multímetro Digital, modelo 3458A, HP Número de série: 2823A Certificado: LIT06-LIT00-CC Validade: 18/06/ Rastreabilidade: INMETRO/RBC/LIT

15 Calibração de Temperatura Padrões utilizados / Rastreabilidade Metrológica: Termômetro padrão de resistência de platina, modelo 8163Q, YellowSpring Número de série: Certificado: Validade: Rastreabilidade: C91333 DIMCI 2261/ /10/2015 INMETRO/LATER Multímetro Digital, modelo 3458A, Agilent Número de série: Certificado: Validade: Rastreabilidade: MY LIT06-LIT00-CC /08/2015 INMETRO/RBC/LIT

16 Calibração de Pressão Padrão utilizado / Rastreabilidade Metrológica: Piston-Cylinder, modelo , Fluke Número de série: 6148 Certificado: Validade: 09/10/2015 Rastreabilidade: Fluke Calibration Phoenix / Primary Pressure and Flow Laboratory

17 Equipes do DCTA / IFI / CMA, INPE / CPTEC / LIM e COMAER / DECEA / PAME-RJ: Alexandre Terra Alves de Lima (CPTEC); André Luiz Silva de Almeida (IFI); Cesar Augusto Botura (IFI); Erik Valter Almeida (IFI) Guilherme Franco Vieira (IFI); Júlio Mesquita (PAME RJ); Márcio A. A. Santana (CPTEC); Marcos Cavalcante de Melo (IFI); Patrícia L. O. Guimarães (CPTEC); Pedro José Pompéia (IFI); Roberto Carlos Duarte de Freitas (CPTEC) e Washington Luiz Rana Rodrigues (IFI).

18 Resultados

19 Resultados

20 Resultados

21 Sensores de temperatura - RTD0, RTD1, RTD2 e RTD3

22 Resultados

23 Resultados

24 Resultados

25 Resultados

26 Considerações finais O propósito deste trabalho era de aprimorar e adquirir o conhecimento sobre a utilização e a calibração dos geradores de umidade relativa utilizados no PAME, INPE e DCTA. Parte do resultado está apresentado neste seminário. A primeira experiência mostrou que a motivação persistente nos encontros MetroMeteoro fez as equipes tecerem soluções alternativas, sobrepondo as condições de contorno do cenário atual e obtendo resultados que realimentarão futuros trabalhos, para resolver os novos questionamentos adquiridos. Na sequência, uma comparação interlaboratorial com um termohigrômetro deve ser realizada. Sugestões, como uma agenda formal para as próximas calibrações dos geradores e a elaboração de procedimento de calibração de termohigrômetros interinstitucional, devem ser avaliadas pelas equipes.

27 Agradecimentos: Ao IFI/CMA, ao CPTEC/LIM, ao DECEA/PAME-RJ e à INCAL pelo apoio e aos participantes dos Encontros Metro-Meteoro e ao INMETRO/LAHIG pelo incentivo constante.

28 sieitreinamentos.com.br M RCIO.S NT

AVALIAÇÃO DE TEMPERATURA E UMIDADE EM UMA CÂMARA CLIMÁTICA

AVALIAÇÃO DE TEMPERATURA E UMIDADE EM UMA CÂMARA CLIMÁTICA ENQUALAB-2006 Congresso e Feira da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 30 de maio a 01 de junho de 2006, São Paulo, Brasil AVALIAÇÃO DE TEMPERATURA E UMIDADE EM UMA

Leia mais

Soluções para Calibração de Umidade

Soluções para Calibração de Umidade Soluções para de Umidade www.michell.com Soluções para de Umidade A Importância da Regular A operação confiável de um higrômetro e também de um instrumento de medição, só pode ser verificada por meio de

Leia mais

Rede Brasileira de Calibração - RBC

Rede Brasileira de Calibração - RBC Página 1 de 7 BRASIL Acesso à informação --------Site do Inmetro -------- Acreditação Nº 24 Data da Acreditação 08/10/1997 Data de Validade do Certificado Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do

Leia mais

Certificado de Calibração Nº 23032-102

Certificado de Calibração Nº 23032-102 Contratante Contracting Nome Name Endereço : Rua César Ladeira, 183 - Piracicaba - SP - CEP 13424-385 Address Dados do objeto da calibração Object's data of calibration Objeto da calibração : Calibrador

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM METROLOGIA E QUALIDADE BANCO DE SUGESTÕES DE TEMAS PARA DISSERTAÇÕES

MESTRADO PROFISSIONAL EM METROLOGIA E QUALIDADE BANCO DE SUGESTÕES DE TEMAS PARA DISSERTAÇÕES Folha: 01/06 Nº SUGESTÃO DE TEMAS 01 Tema: Incertezas nos jogos olímpicos. A ideia seria investigar algumas das modalidades olímpicas, com foco na estimativa da incerteza de medição e como ela poderia

Leia mais

CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO Nº 0362/2009 Pág. 1 de 9

CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO Nº 0362/2009 Pág. 1 de 9 CERTIFICDO DE CLIBRÇÃO Nº 0362/2009 Pág. 1 de 9 1. SOLICITNTE: Cliente: VEGTRON SSISTÊNCI TÉCNIC LTD Endereço: Rua Teerã, 989 - Vl. Hamburguesa - São Paulo - SP 2. CRCTERÍSTICS DO INSTRUMENTO: calibrado:

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE GRANDEZA: MEDIÇÃO DE TENSÃO CONTÍNUA E ALTERNADA, CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA Revisão

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE. GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz

RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE. GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado

Leia mais

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura Umidade do ar Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Teresina, março-2010 Umidade do ar A água é a única substância que ocorre nas três

Leia mais

Medição de temperatura Comparação de termómetros Calibração

Medição de temperatura Comparação de termómetros Calibração Temperatura Fundamentos teóricos A temperatura é uma grandeza que caracteriza os sistemas termodinâmicos em equilíbrio térmico. Por definição, dois sistemas em equilíbrio térmico estão à mesma temperatura.

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA Revisão 00-11 de outubro 2011 Fol. 1 de 11 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES

Leia mais

Série P3000. Testadores pneumáticos de peso morto - modelo P3000. Dados técnicos. Recursos

Série P3000. Testadores pneumáticos de peso morto - modelo P3000. Dados técnicos. Recursos Série P3000 Testadores pneumáticos de peso morto - modelo P3000 Dados técnicos Recursos A pressão varia de Vácuo até 2.000 psi (140 bar) Precisão superior a 0,015 % de leitura. (Opção de precisão aumentada

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA ÁREA DE ELETRICIDADE NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 30 de OUTUBRO de 2015

Leia mais

ertificado de Calibración

ertificado de Calibración Software de Calibração ertificado de Calibración ISOPLAN-5 Sistema completo para sua Gestão de Calibração Benefícios Melhora a produtividade do serviço dos técnicos. Fácil revisão dos dados e históricos

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões WIKA Referência Mundial em produtos para medição, controle e calibração de pressão e temperatura, a WIKA está presente em mais de 75 países, fornecendo

Leia mais

Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica. Brasília, 31 de março de 2009.

Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica. Brasília, 31 de março de 2009. Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica Brasília, 31 de março de 2009. Local: Centro de convenções Israel Pinheiro Presentes: Afonso Reguly ( LAMEF-UFRGS RS-S reguly@ufrgs.br), Gustavo Donatelli

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE GRANDEZA: TENSÃO CONTÍNUA E ALTERNADA, CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA PROCESSO CERTIFICADO ISO

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 084, de 06 de junho de 2006.

Leia mais

Os Dados Meteorológicos e a Rastreabilidade de Medição aplicada à Instrumentação Meteorológica

Os Dados Meteorológicos e a Rastreabilidade de Medição aplicada à Instrumentação Meteorológica Os Dados Meteorológicos e a Rastreabilidade de Medição aplicada à Instrumentação Meteorológica Márcio A. A. Santana¹, Ianuska R. Oliveira¹, Patrícia L. O. Guimarães¹, Paulo R. A. Aquino¹ ¹ INPE / CPTEC

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 01-15 de abril de 2013 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

Instrumentos e Transmissores de Ponto de Orvalho. A medição confiável de umidade para um controle de processo fundamental

Instrumentos e Transmissores de Ponto de Orvalho. A medição confiável de umidade para um controle de processo fundamental Instrumentos e Transmissores de Ponto de Orvalho A medição confiável de umidade para um controle de processo fundamental Análise e Medição da Umidade Os sensores da Michell Instruments oferecem uma medição

Leia mais

Noemi Cristina Hernandez

Noemi Cristina Hernandez Noemi Cristina Hernandez METROLOGISTA Metrologia, gerência de laboratorio, instrumentação, certificação/normalização QUALIFICAÇÕES Experiência de 09 anos em metrologia de fluidos, atuando em laboratório

Leia mais

Valério Lucas Gonçalves 13/12/12 Técnico Saulo de Tarso Mota 14/12/12

Valério Lucas Gonçalves 13/12/12 Técnico Saulo de Tarso Mota 14/12/12 Pág.: 01/05 Elaboração (nome/ass): Data: Departamento: Aprovação (nome/ass.): Data: Valério Lucas Gonçalves 13/12/12 Técnico Saulo de Tarso Mota 14/12/12 SUMÁRIO 1 Objetivo 6 Glossário 2 Âmbito 7 Procedimento

Leia mais

Comparação Interlaboratorial com Termopar tipo K de -40 a 300 C

Comparação Interlaboratorial com Termopar tipo K de -40 a 300 C Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Protocolo de Comparação n.º 001/2008 (Dimci/Dicep)

Leia mais

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME E MASSA ESPECÍFICA Revisão 02 de 04-set-2009 Q SETTING

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2012

TABELA DE PREÇOS 2012 TABELA DE PREÇOS 2012 1. Calibrações Dimensionais / Massas Micrómetros de exteriores 0-25 / 0-30 / 0-50 mm 31,00 25-100 mm / (Cap. Individual de 25 mm) 40,00 100-300 mm / (Cap. Individual de 25 mm) 50,00

Leia mais

Certificado de Calibração

Certificado de Calibração 1 Calibração Número: 01000/2011 Data da Calibração: 11/12/2011 1.Empresa 2.Equipamento Código : MUL001 Descrição: Multimetro digital de 4000 contagens Faixa Nominal : 0...600 Vcc, 0...600 Vca, 0...400

Leia mais

CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA

CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 R CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA 1. APRESENTAÇÃO 5. Levante lentamente a ponta da mangueira

Leia mais

Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos

Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos 1 Concepção O que é a bancada de testes da Valeq? Esta bancada foi desenvolvia com a intenção de agilizar os testes de campo e de bancada que envolvem pressão.

Leia mais

Soluções para produção de Oxigênio Medicinal

Soluções para produção de Oxigênio Medicinal Soluções para produção de Oxigênio Medicinal Page1 O propósito da BHP é de fornecer ao hospital uma usina de oxigênio dúplex e enchimento de cilindros para tornar o hospital totalmente independente do

Leia mais

Smart Probes. Medição inteligente.

Smart Probes. Medição inteligente. Faça o download! Smart Probes. Medição inteligente. testo Smart Probes: Instrumentos de medição compactos e otimizados para smartphone e tablet com a qualidade profissional da Testo. Smart Probes para

Leia mais

CALILAB - LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO E ENSAIOS RBC - REDE BRASILEIRA DE CALIBRAÇÃO.

CALILAB - LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO E ENSAIOS RBC - REDE BRASILEIRA DE CALIBRAÇÃO. da TOTAL ner SAFETY CALILAB Laboratório de Calibração RBC - REDE BRASILEIRA DE CALIBRAÇÃO. CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO Na: RBC3-9319-482 1- CLIENTE/ EQUIPAMENTO Data da calibração: Processo: Nome: Labor

Leia mais

FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA

FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA DEFINIÇÃO "Ar condicionado é um processo de tratamento de ar, que visa controlar simultaneamente a temperatura, a umidade, a pureza e a distribuição

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

OBJETIVO. Apresentar as principais atividades do Órgão Central do Sistema de Metrologia Aeroespacial SISMETRA no âmbito do Comando da Aeronáutica.

OBJETIVO. Apresentar as principais atividades do Órgão Central do Sistema de Metrologia Aeroespacial SISMETRA no âmbito do Comando da Aeronáutica. OBJETIVO Apresentar as principais atividades do Órgão Central do Sistema de Metrologia Aeroespacial SISMETRA no âmbito do Comando da Aeronáutica. ROTEIRO HISTÓRICO SISMETRA ATIVIDADES ROTEIRO HISTÓRICO

Leia mais

Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA

Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA Caracterizado no Capítulo 3, à luz da prática internacional de normalização, o sistema normativo do SISMETRA foi objeto de criteriosa análise de

Leia mais

Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro

Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro Dra. Vanderléa de Souza Chefe da Divisão de Metrologia Química Objetivo principal da Metrologia Química Prover confiança

Leia mais

Série de Transmissores Intrinsecamente Seguros de Umidade e Temperatura HMT360

Série de Transmissores Intrinsecamente Seguros de Umidade e Temperatura HMT360 www.vaisala.com Série de Transmissores Intrinsecamente Seguros de Umidade e Temperatura HMT360 série HMT360 é verdadeiramente flexível. Os clientes podem especificar a configuração do transmissor ao encomendar

Leia mais

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES BENEFÍCIOS AOS PARTICIPANTES: Sistema de gestão que opera seguindo os requisitos da norma técnica ISO/IEC 17043; Programas concluídos cadastrados na base de dados internacional EPTIS European Proficiency

Leia mais

Luiz Fernado Rust Especialista Senior Inmetro Brasil

Luiz Fernado Rust Especialista Senior Inmetro Brasil Luiz Fernado Rust Especialista Senior Inmetro Brasil 19 a 21 de outubre de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Agenda Processo de Homologação de Medidores Centralizados Demandas Controle metrológico

Leia mais

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Joselino Lacerda - Gerente de Qualidade Acumuladores Moura PRESENÇA Marca líder na América do Sul 6 plantas industriais Mais de 70 centros de

Leia mais

COMPRESSORES DE AR RESPIRÁVEL PRODUTOS DE ALTO DESEMPENHO DA SCOTT

COMPRESSORES DE AR RESPIRÁVEL PRODUTOS DE ALTO DESEMPENHO DA SCOTT COMPRESSORES DE AR RESPIRÁVEL PRODUTOS DE ALTO DESEMPENHO DA SCOTT ÍNDICE COMPRESSORES SCOTT DE SÉRIE... 1 Sistemas de Purificação FreshAir e Controlador X4 COMPRESSOREs... 2 Simple Air e Hush Air ESTAÇÕES

Leia mais

Controladores de temperatura

Controladores de temperatura Controladores de temperatura - Aplicações Controls A/S - Assegura eficiência no controle dos sistemas de aquecimento, refrigeração e ventilação. Clorius Controls: solução para o controle de temperatura

Leia mais

Medidor de Monóxido de Carbono (CO) Portátil

Medidor de Monóxido de Carbono (CO) Portátil GUIA DO USUÁRIO Medidor de Monóxido de Carbono (CO) Portátil Modelo CO40 Introdução Obrigado por escolher o Extech Instruments Modelo CO40. O CO40 mede simultaneamente a concentração CO e a Temperatura

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE. Recife/2013 Accacio Rodrigues

CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE. Recife/2013 Accacio Rodrigues CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE Recife/2013 Accacio Rodrigues Formado em Direito, pós graduado em Tributos e Gestão comercial pela Escola de ensino superior Esamc. Há 6 anos trabalha na Empresa

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013 Página 1 de 6 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul LABELO - Laboratórios Especializados em Eletroeletrônica Calibração e Ensaios Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios Laboratório

Leia mais

Medidor de Umidade/Moisture sem Pino com Memória + Termômetro IV

Medidor de Umidade/Moisture sem Pino com Memória + Termômetro IV GUIA DO USUÁRIO Medidor de Umidade/Moisture sem Pino com Memória + Termômetro IV Modelo MO295 mbar GPP RH% 01 MEM STORE MO295 Introdução Parabéns por sua compra do Medidor de Umidade/Moisture Sem Pino

Leia mais

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2,

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2, METROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para

Leia mais

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR. Ar úmido CONCEITO DE AR SECO, AR ÚMIDO E AR SATURADO

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR. Ar úmido CONCEITO DE AR SECO, AR ÚMIDO E AR SATURADO METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR COMET Professor: Ar úmido A água está presente em certo grau em toda atmosfera em três estados: sólido, líquido e gasoso. O estado gasoso, ou vapor de água atmosférico

Leia mais

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR Todo programa de monitoramento contínuo da qualidade do ar precisa de algum sistema que forneça uma garantia de que os valores medidos são válidos.

Leia mais

Apresentação. Joinville - SC. São José dos Pinhais - PR

Apresentação. Joinville - SC. São José dos Pinhais - PR Apresentação Fundada em 1990, em Joinville/ SC, a K&L iniciou suas atividades com serviços de manutenção em instrumentos de medição da área dimensional. O rápido reconhecimento permitiu investimentos em

Leia mais

Série DMT340 de Transmissores de Ponto de Orvalho e Temperatura para condições muito secas

Série DMT340 de Transmissores de Ponto de Orvalho e Temperatura para condições muito secas www.vaisala.com Série DMT340 de Transmissores de Ponto de Orvalho e Temperatura para condições muito secas O visor mostra as tendências de medição, dados em tempo real e histórico Características/Benefícios

Leia mais

Tel/fax: +55-11-36735020

Tel/fax: +55-11-36735020 Temperatura Termômetros: Bimetálicos Analógicos Capela Digitais Infravermelhos Máxima e mínima Ambientais Clínicos para Refrigeração para Laticínios ASTM Químicos Industriais em geral Registradores e Calibradores

Leia mais

A importância da Metrologia na Meteorologia em Lançamento deveículos Espaciais. Uma Visão Simples)

A importância da Metrologia na Meteorologia em Lançamento deveículos Espaciais. Uma Visão Simples) A importância da Metrologia na Meteorologia em Lançamento deveículos Espaciais Uma Visão Simples) ( O QUE É ISTO Para realizar as atividades de meteorologia aeroespacial com precisão, são necessários

Leia mais

Proteção para os data centers

Proteção para os data centers MISSÃO CRÍTICA Proteção para os data centers Diferentes das áreas limpas comumente usadas na indústria farmacêutica, as chamadas salas-cofre ou salas de missão crítica são destinadas a proteger data centers,

Leia mais

Sistemas de limpeza aquosa de precisão Benchmark Design modular, limpeza superior, assistência constante

Sistemas de limpeza aquosa de precisão Benchmark Design modular, limpeza superior, assistência constante Benchmark LAVAGEM l ENXÁGUE l PASSIVAÇÃO l SECAGEM Sistemas de limpeza aquosa de precisão Benchmark Design modular, limpeza superior, assistência constante O padrão de referência para todos os outros produtos

Leia mais

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica Descrição Geral: Equipamento esterilizador horizontal automático para esterilização por vapor saturado de alta temperatura com duas

Leia mais

Monitoramento de emissões:

Monitoramento de emissões: Monitoramento de emissões: Monitoramento de emissões: Emissão de gases SO2 NOx NH3 CO2 O2 Vazão Monitoramento de particulados Monitoramento de Emissões: Uma monitoração exata e de confiança das emissões,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I CONCEITOS INICIAIS Professor: Emerson Galvani Atuação do Geógrafo Climatologista: Ensino, pesquisa e profissional

Leia mais

õ ç MODELO 3030.60 Klimalogg Smart Termo-higrômetro em M iç ão USB Agronegócio Transporte Laboratórios Alimentos Processo Aquecimento Refrigeração

õ ç MODELO 3030.60 Klimalogg Smart Termo-higrômetro em M iç ão USB Agronegócio Transporte Laboratórios Alimentos Processo Aquecimento Refrigeração õ ç lu So es em M de Manual e d iç ão Instruções USB Agronegócio Transporte SMART KLIMALOGG T E R M O - H I G R Ô M E T R O Laboratórios Alimentos Processo Termo-higrômetro Klimalogg Smart MODELO 3030.60

Leia mais

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas.

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Ar Úmido Ar úmido significa uma mistura de ar seco (substância pura) mais vapor d água. É assumida que essa mistura comporta-se

Leia mais

Rastreabilidade Nacional em Ultra-som

Rastreabilidade Nacional em Ultra-som Rastreabilidade Nacional em Ultra-som Laboratório de Ultra-som (Labus) Divisão de Metrologia Acústica e de Vibrações (Diavi) Diretoria de Metrologia Científica e Industrial (Dimci) Instituto Nacional de

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0198, de 01 de julho de 2011.

Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0198, de 01 de julho de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0198, de 01

Leia mais

O testo 480 oferece apoio integral a consultores, especialistas,

O testo 480 oferece apoio integral a consultores, especialistas, Compromisso com o futuro Profissionais no fluxo de ar Instrumento de medição para análise de VAC testo 480 O testo 480 lhe oferece: > Sondas digitais de elevada qualidade e conceito inteligente de calibração

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR 1 Validade: A partir de 01/91 Departamento: Engenharia Elétrica Curso: Engenharia Industrial Elétrica Carga Horária: 60H ( Teórica: 30H Lab.: 30H Exerc.: 00H ) Créditos: 03 Pré-requisitos: Controle e Servomecanismos

Leia mais

METTLER TOLEDO Tecnologia de Sensores Analíticos Digitais

METTLER TOLEDO Tecnologia de Sensores Analíticos Digitais METTLER TOLEDO Tecnologia de Sensores Analíticos Digitais ISA Distrito 4 Seção Vale do Paraíba Jacareí SP Setembro de 2009 Ciro Medeiros Bruno Especialista em Desenvolvimento de Mercado Mettler Toledo

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO DE MICROFONES ACÚSTICOS. RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE)

IMPLANTAÇÃO DE MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO DE MICROFONES ACÚSTICOS. RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) IMPLANTAÇÃO DE MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO DE MICROFONES ACÚSTICOS RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) Leandro Lessa Cândido Nascimento (UNIP, Bolsista PIBIC/CNPq) E-mail: leandro.lessa@lit.inpe.br

Leia mais

Conhecimento é poder / PROTEGENDO BENS E DESEMPENHO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES ONLINE

Conhecimento é poder / PROTEGENDO BENS E DESEMPENHO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES ONLINE Conhecimento é poder / PROTEGENDO BENS E DESEMPENHO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES ONLINE Um pequeno investimento para gerar benefícios mensuráveis Às vezes, resolver desafios é surpreendentemente fácil e de baixo

Leia mais

TERMO HIGRÔMETRO CONFORT CONTROL. Manual de Instruções

TERMO HIGRÔMETRO CONFORT CONTROL. Manual de Instruções TERMO HIGRÔMETRO CONFORT CONTROL MODELO 30.5011 Manual de Instruções Termo-higrômetro Confort Control Funções: Temperatura Interna Umidade relativa do ambiente Valores máximos e mínimos Ponto de orvalho

Leia mais

PROPOSTA DE ESCOPO PARA CALIBRAÇÃO ANEXO A

PROPOSTA DE ESCOPO PARA CALIBRAÇÃO ANEXO A Norma de Origem: NIT-DICLA-005 Folha: 1 / 2 LABORATÓRIO ANEXO MEC-Q Comercio e Serviços de Metrologia Industrial Ltda ( Unidade Sorocaba ) à SOLICITAÇÃO DE ACREDITAÇÃO ao RAV : 1254/11 PARA USO DA DICLA

Leia mais

Portaria Inmetro /Dimel n.º 224, de 25 de junho de 2009

Portaria Inmetro /Dimel n.º 224, de 25 de junho de 2009 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria Inmetro /Dimel n.º 224, de 25

Leia mais

O iluminamento ideal é de 1000 lux (lumens por metro quadrado).

O iluminamento ideal é de 1000 lux (lumens por metro quadrado). DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA APOSTILA DE METROLOGIA CONDIÇÕES AMBIENTAIS SISTEMAS METROLÓGICOS PADRÕES Cid Vicentini Silveira 2005 1 CONDIÇÕES AMBIENTAIS 1.1 Objetivos deste capítulo Analisar a influência

Leia mais

Aspectos metrológicos para eficiência energética de isolantes térmicos para linha branca

Aspectos metrológicos para eficiência energética de isolantes térmicos para linha branca Aspectos metrológicos para eficiência energética de isolantes térmicos para linha branca Carlos E. C. Galhardo Pesquisador Tecnologista em Metrologia dos Materiais (INMETRO/DIMCI/DIMAT) Sumário Isolamento

Leia mais

1) COMPARAÇÕES INTERLABORATORIAIS

1) COMPARAÇÕES INTERLABORATORIAIS Reunião da Comissão Técnica de Temperatura e Umidade (CT-11) de 25/06/2013 1 A Pauta sofreu inversão e alguns acréscimos em relação à proposta enviada em 21/05 (itens marcados em amarelo) 1. Comparações

Leia mais

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 7 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 19/09/14 ELABORAÇÃO: Volnei VERIFICAÇÃO:

Leia mais

Calibração em Instrumentação Pneumática, Analógica, Eletrônica e Digital.

Calibração em Instrumentação Pneumática, Analógica, Eletrônica e Digital. Calibração em Instrumentação Pneumática, Analógica, Eletrônica e Digital. Estruturada na confiabilidade. A TORR Service Center está estruturada para a manutenção na área de automação industrial e possui

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 00-24 de novembro de 2014 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional Bicos Automação Análise Técnica Sistemas Dinâmica de fluidos computacional (DFC) DCF é uma ciência da previsão: Vazão do

Leia mais

Termômetro por infravermelho

Termômetro por infravermelho Termômetro por infravermelho testo 835 Rápido, preciso instrumento de medição com infravermelho para comércio e industria Mede de forma precisa e segura, mesmo temperaturas muito elevadas 4 pontos a laiser

Leia mais

SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS TRUsimplicity TM MEDIÇÃO MAIS FÁCIL E RÁPIDA PORTÁTIL E SEM SUPORTE. MOVIMENTAÇÃO LIVRE AO REDOR DA PEÇA USO FACILITADO. INSTALAÇÃO EM

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DO JÚRI. PRESIDENTE Prof. Dr. Joaquim Amândio Rodrigues Azevedo, Professor Auxiliar da Universidade da Madeira,

CONSTITUIÇÃO DO JÚRI. PRESIDENTE Prof. Dr. Joaquim Amândio Rodrigues Azevedo, Professor Auxiliar da Universidade da Madeira, i CONSTITUIÇÃO DO JÚRI PRESIDENTE Prof. Dr. Joaquim Amândio Rodrigues Azevedo, Professor Auxiliar da Universidade da Madeira, ARGUENTE Prof. Dr. João Dionísio Simões Barros, Professor Auxiliar da Universidade

Leia mais

Anexo 5.2.6.2-1 - Certificados de calibração válidos, emitidos. por seus fabricantes

Anexo 5.2.6.2-1 - Certificados de calibração válidos, emitidos. por seus fabricantes Anexo 5.2.6.2-1 - Certificados de calibração válidos, emitidos por seus fabricantes .~Rc)IVl-LAB - LABORATÓRIO DE CALlBRAÇÃO & ENSAIOS CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO N : 0463/10 Solicitante: GROM EQUIPAMENTOS

Leia mais

Refrigerating Specialties

Refrigerating Specialties Refrigerating Specialties Cuidando de suas necessidades em Refrigeração A Parker (R/S) é a principal fornecedora de componentes de refrigeração para as indústrias alimentícias e de bebidas. Líder mundial

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0089, de 31 de maio de 2012.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0089, de 31 de maio de 2012. Portaria Inmetro/Dimel n.º 0089, de 31 de maio de 2012. O Diretor de Metrologia Legal do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Inmetro, no exercício da delegação de competência outorgada

Leia mais

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento RELATÓRIO TÉCNICO Código RT-020.00/RA2/004 Emissão O.S. 15/08/13 Folha 10 de 12 Rev. A Emitente Resp. Técnico Emitente 15/08/13 Verificação / São Paulo Transporte Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS BIOMÉDICOS. Mecânica da Autoclave

CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS BIOMÉDICOS. Mecânica da Autoclave CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS BIOMÉDICOS Mecânica da Autoclave INTRODUÇÃO Grande demanda de pacientes Avanço da medicina, equipamentos sofisticados e complexos Necessidade da manutenção Capacitação

Leia mais

Gerenciamento Inteligente do Sensor na Fabricação de Cerveja

Gerenciamento Inteligente do Sensor na Fabricação de Cerveja Gerenciamento Inteligente do Sensor na Fabricação de Cerveja Gerenciamento Inteligente do Sensor O Gerenciamento Inteligente do Sensor, ou simplesmente ISM, é uma tecnologia digital para sistemas analíticos

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0048, de 09 de março de 2012.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0048, de 09 de março de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 0048, de 09 de março de

Leia mais

Em 2010, após o Peer Review ocorrido no laboratório, a

Em 2010, após o Peer Review ocorrido no laboratório, a Os sistemas de referências do Inmetro em alta tensão e alta corrente Procurou-se nesse trabalho apresentar as aracterísticas básicas e incertezas dos equipamentos de calibração em alta tensão e em alta

Leia mais

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda * Alguns Questionamentos * Você sabe como está a Gerenciamento das

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

TC501 componentes. Cabeçote de conexão tipo B

TC501 componentes. Cabeçote de conexão tipo B TE 65.30 Termopares Modelo reto com inserto de medição substituível Medição Eletrônica de Temperatura para medição de gás de combustão Modelo TC 501 Aplicações - altos fornos, aquecedores de ar - processos

Leia mais

Calibração. Soluções econômicas para calibração de medidores de vazão. 05/28/2009 André Nadais. Slide 1

Calibração. Soluções econômicas para calibração de medidores de vazão. 05/28/2009 André Nadais. Slide 1 Calibração Soluções econômicas para calibração de medidores de vazão Slide 1 Agenda 1. Endress+Hauser Medição de vazão e competência de calibração 2. Calibração on-site de medidores de vazão Reduzindo

Leia mais

96040A. Fonte de referência com baixo ruído de fase. Dados técnicos. Simplifique seu sistema de calibração de RF. Principais benefícios

96040A. Fonte de referência com baixo ruído de fase. Dados técnicos. Simplifique seu sistema de calibração de RF. Principais benefícios 96040A Fonte de referência com baixo ruído de fase Dados técnicos Simplifique seu sistema de calibração de RF A Fonte de referência de RF Fluke Calibration 96040A permite simplificar seu sistema de calibração

Leia mais