1.1 Apresentação do Relatório

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.1 Apresentação do Relatório"

Transcrição

1 1. INTRODUÇÃO 1.1 Apresentação do Relatório O Relatório de Acompanhamento do Grupo Neoenergia contempla os resultados do 1º trimestre de 2007 e está dividido em duas partes: a 1ª parte com informações relacionadas ao período em análise - Desempenho do Período, onde são abordados os aspectos econômico-financeiros referente às últimas informações financeiras disponibilizadas para o mercado, o ambiente de negócios e a performance das unidades de negócio. Na 2ª parte, estão informações de caráter permanente - Descrição da Empresa, onde são apresentados os dados sobre o Grupo Neoenergia, a sua estrutura societária, políticas e planos financeiros, gestão sócio ambiental e a estratégia que norteia a forma de gestão e governança do Grupo. 1.2 Destaques do 1º Trimestre 2007 Receita Operacional Líquida de R$ 1.379,7 milhões, apresentando um incremento de 8,2% em relação ao igual período de 2006; EBITDA de R$ 570,9 milhões, com um aumento de 1,2% em relação ao mesmo período do ano anterior. Lucro Líquido de R$ 255,2 milhões, com um incremento de 7,4% em relação ao lucro do mesmo período do ano anterior; 1.3 Destaques Subseqüentes Em abril de 2007, a Aneel autorizou o reajuste das tarifas das distribuidoras do Grupo que apresentou um impacto na conta do consumidor de 5,40% para Coelba e Cosern, e 2,45% para a Celpe. As obras da hidrelétrica de Baguari foram iniciadas em 9 de maio, no Rio Doce, município de Governador Valadares, em Minas Gerais. 1

2 2. DESEMPENHO 1º TRIMESTRE DE Análise de Resultados RESUMO NEOENERGIA - CONSOLIDADO R$ Mil DADOS ECONÔMICO-FINANCEIROS (R$ Mil) 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. Receita Operacional Bruta ,1% Receita Operacional Líquida - ROL ,2% EBITDA ,2% Resultado do Serviço (EBIT) ,0% Resultado Financeiro (Exceto JSCP) (57.135) (86.672) 34,1% Lucro Líquido ,4% 31/3/ /12/2006 Var. Total do Ativo ,8% Endividamento Total ,0% Endividamento Líquido** ,1% Patrimônio Líquido ,1% INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. Margem EBITDA (EBITDA/ROL) 41,38% 44,26% -3 pp Margem EBIT (Resultado do Serviço/ROL) 34,22% 36,65% -2 pp Margem Líquida (Lucro Líquido/ROL) 18,50% 18,64% 0 pp Cobertura de Juros (EBITDA/Resultado Financeiro) 9,99 6,51 53,4% 31/3/ /12/2006 Var. Dívida/EBITDA* 2,00 2,02-1,3% Dívida Líquida**/EBITDA* 1,29 1,47-12,4% Índice de Endividamento (Dívida/(Dívida+PL)) 40,51% 41,73% -1 pp Índice de Endividamento Líquido(Dívida Líq**/(Dívida Líq**+PL)) 30,50% 34,21% -4 pp INDICADORES AÇÕES 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. LPA - Lucro por Ação (R$) 0,0436 0,0406 7,4% 31/3/ /12/2006 Var. Número de Ações (mil) ,0% VPA - Valor Patrimonial por Ação (R$) 1,1064 1,0628 4,1% INDICADORES MERCADO 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. Energia Vendida (GWh) ,5% Energia Injetada (GWh) ,3% 31/3/ /12/2006 Var. Número de Consumidores (mil) ,6% INDICADORES RECURSOS HUMANOS 31/3/ /12/2006 Var. Número de Empregados ,9% * EBITDA 12 meses ** Dívida Líquida de Disponibilidades, Aplicações Financeiras e Títulos e Valores Mobiliários Fonte: 1º ITR 2007 Neoenergia EBITDA (Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization) ou LAJIDA (Lucro Antes dos Juros, Impostos, Depreciação e Amortização) EBIT (Earnings Before Interest and Taxes) 2

3 Margens de resultados Os principais fatores que contribuíram para o incremento do EBITDA deste trimestre foram: EBITDA - R$ milhões +1,2% 105 (45) 564 (53) 571 1º TRI/06 Receita Líquida Despesas Não - Gerenciáveis* *Exclui depreciação e amortização Fonte: 1º ITR 2007 Neoenergia Despesas Gerenciáveis 1º TRI/07 Receita da Venda de Energia (+9,1%) - Reajuste tarifário médio ocorrido a partir de abril de 2006, ocasionando um impacto na conta do consumidor na Coelba, Cosern e Celpe de 4,36%, 1,18% e 8,59%, respectivamente; - Crescimento das vendas de energia no mercado de curto prazo, no âmbito da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE em 83,3%, R$ 36,2 milhões; - Evolução do mercado total do Grupo Neoenergia (energia injetada nas redes de distribuição) em 3,3%, devido ao crescimento do consumo cativo (mercado faturado) em 2,5%, que juntamente com os reajustes tarifários mencionados, permitiu um crescimento da receita de fornecimento faturado em 8,4%, R$ 154,4 milhões. Receita com a disponibilização de uso do sistema tarifa fio (+43,3%) - Crescimento de 14,6% do volume de energia no mercado livre em relação a Deduções Receita Bruta (+10,6%) - Despesas com ICMS superiores em 9,05%, devido ao crescimento de 8,4% da receita de fornecimento faturado; - Crescimento do PIS e COFINS em 11,1%, devido à redução do prazo de reversão da CVA do PIS e COFINS de 24 para 12 meses, autorizado pela Aneel a partir do reajuste tarifário de

4 Despesas Gerenciáveis e Não-Gerenciáveis* (+13,8%) R$ Mil 1º Tri/07 1º Tri/06 Variação Diferença Custos e Despesas Gerenciáveis ( ) ( ) 24,29% (53.032) Custos e Despesas Não-Gerenciáveis* ( ) ( ) 9,15% (45.049) Total* ( ) ( ) 13,80% (98.081) *Exclui Depreciação e Amortização Despesas Não-Gerenciáveis* (+ 9,1%) - Aumento do custo de compra de energia e da constituição da CVA de energia excedente responsáveis por R$ 72,3 milhões. Despesas Gerenciáveis (+ 24,3%) R$ Mil Custos e Despesas Gerenciáveis 1º Tri/07 1º Tri/06 Variação Diferença Pessoal ( ) (73.009) 42,53% (31.052) Material (7.820) (10.046) -22,16% Serviços de Terceiros ( ) (87.917) 17,35% (15.257) Provisões (32.017) (17.946) 78,40% (14.070) Outros (24.306) (29.427) -17,40% Total ( ) ( ) 24,29% (53.032) - Aumento nas despesas com pessoal devido ao reajuste salarial (dissídio coletivo) ocorrido a partir de novembro de 2006, a constituição de provisão, R$ 5,5 milhões, referente à participação nos lucros/ resultados - PLR de 2007 que não havia sido constituída no 1º trimestre de 2006, e ao pagamento da PLR referente a 2006, R$ 14,8 milhões que no ano anterior ocorreu no 2º trimestre; - Crescimento das despesas com serviço de terceiros devido à ampliação dos serviços de manutenção corretiva no sistema elétrico em R$ 1,9 milhões, à contratação de serviços de consultoria referente, principalmente a informática, aos contratos de riscos e a Sarbanes Oxley, e aos honorários advocatícios; - Aumento das despesas com provisão para créditos de liquidação duvidosa PCLD devido a maior incidência de inadimplência de contratos de parcelamentos no valor de R$ 4,5 milhões e a alteração para um critério mais conservador de inclusão na PCLD dos débitos em atraso referente aos parcelamentos, de 30 para 60 dias. Além dos aspectos citados acima, outros fatores contribuíram para o incremento do Lucro Líquido neste trimestre: 4

5 Lucro Líquido - R$ milhões +7,4% (2) 30 (10) (7) 255 1º TRI/06 EBITDA Depreciação e Amortização *Exceto JSCP Fonte:1º ITR 2007 Neoenergia Resultado Resultado Não Financeiro* Operacional e Participações Imposto de Renda e Contribuição Social 1º TRI/07 Resultado Financeiro (+34,1%) - Redução do endividamento líquido em 12,1% devido ao crescimento de 398,2% no saldo final das aplicações financeiras; - Redução dos encargos das dívidas em 19,0%, explicada principalmente pela queda na variação acumulada do CDI, que passou de 4,04% no 1º trimestre de 2006 para 3,03% no mesmo período de 2007, e do TJLP que variou de 2,18% no 1º trimestre de 2006 para 1,59% no 1º trimestre de 2007, sendo estes os principais indicadores para atualização dos empréstimos e financiamentos do Grupo Estrutura de Capital Endividamento Bruto Endividamento Líquido Em 31/03/07 a dívida bruta consolidada do Grupo Neoenergia, incluindo empréstimos, financiamentos, debêntures e encargos, totalizou R$ 4.407,6 milhões, onde 87% estão classificados no longo prazo. O índice de endividamento sobre o patrimônio líquido variou de 41,73% em 31/12/06 para 40,51% em 31/03/07 e houve uma melhora no indicador financeiro Dívida/ EBITDA, passando de 2,02 em 31/12/06 para 2,00 em 31/03/07. A dívida líquida consolidada do Grupo (dívida bruta deduzida das disponibilidades, aplicações financeiras, títulos e valores mobiliários) encerrou o 1º trimestre com R$ 2.840,9 milhões (R$ 3.233,7 milhões no 4º trimestre/06). Este resultado contribuiu para a melhoria do seu índice de endividamento líquido, que foi reduzido de 34,21% em 31/12/06 para 30,50% em 31/03/07, e do indicador Dívida Líquida/EBITDA que passou de 1,47 em 31/12/06 para 1,29 em 31/03/07. Do endividamento total, 13% correspondem às operações em moeda estrangeira que, de acordo com a Política Financeira do Grupo Neoenergia, 5

6 Relatório de Acompanhamento estão integralmente protegidas contra as oscilações cambiais por meio de operações de hedge. A seguir são apresentados três gráficos: o primeiro com o endividamento consolidado, sendo que o montante de endividamento classificado entre curto e longo prazo; o segundo com o fluxo de vencimentos do endividamento (amortizações e pagamentos de juros). Endividamento Consolidado - R$ Milhões % 90% 87% % % 13% º TRI/06 1º TRI/07 Curto Prazo Longo Prazo Fonte: 1º ITR 2007 Neoenergia Fluxo Amortização e Juros da Dívida - R$ Milhões Fonte: Neoenergia Após 2015 Dezembro/06 Março/07 Para fazer frente aos programas de investimentos em distribuição, especificamente os de expansão e melhoria do sistema de distribuição de energia elétrica, as distribuidoras do Grupo mantêm como estratégia e em alinhamento com a Política Financeira do Grupo, buscar financiamentos de longo prazo com Bancos de Fomento e Organismos Multilaterais, visando obter recursos com custos subsidiados e prazos mais aderentes ao retorno de longo prazo dos investimentos. De acordo com esta política, a Coelba e a Cosern assinaram no mês de abril com o Banco do Brasil um financiamento de R$ 15 milhões e 9,5 milhões, 6

7 respectivamente, que corresponde à parte do Plano de Investimento financiável para Os montantes financiados pelo banco são oriundos de uma linha de crédito que conta com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para financiamento de empreendimentos de empresas do setor produtivo, que proporcionem a geração ou manutenção de emprego e renda. A Coelba e a Cosern buscarão o financiamento do saldo remanescente do plano de investimento de 2007 com o BNDES e/ ou BNB. A Celpe já tem aprovado desde 2006 o financiamento do seu Plano de Capex de 2007 junto ao BNDES. 2.3 Investimentos Os investimentos totais do Grupo Neoenergia no primeiro trimestre de 2007 atingiram o montante de R$ 294,8 milhões. Do total investido pelo Grupo no 1º trimestre de 2007, R$ 262,6 milhões foram realizados pelas distribuidoras representando um incremento de 3,5% em relação ao mesmo período de O valor referente às subvenções de investimento recebidas dos Governos Federais e Estaduais foi R$ 67,1 milhões. A seguir são apresentados os investimentos realizados pelas distribuidoras do Grupo Neoenergia e as subvenções recebidas no 1º trimestre de 2007 e de INVESTIMENTOS - R$ Mil 1º TRI/07 1º TRI/06 Atividades Investimento Total Subvenções Recebidas Investimento Total Subvenções Recebidas Distribuição Geração Comercialização Total Investimentos Distribuidoras Esses recursos foram destinados à ampliação das redes de distribuição de energia elétrica, visando principalmente: a permanente melhoria na confiabilidade do sistema; atendimento da crescente demanda do mercado; expansão e melhoria da eficiência e da qualidade dos serviços prestados aos clientes; garantia ao atendimento do elevado volume de novas ligações, principalmente dentro do programa de universalização - Luz Para Todos. 7

8 O Grupo Neoenergia acumula desde 1997 investimentos no Brasil na ordem de R$ 11,5 bilhões, sendo estes distribuídos entre aquisições de empresas em leilões de privatizações, compra de ações, aumento de capital em controladas, investimentos em distribuição e geração. 2.4 Performance dos Segmentos de Negócios O Grupo Neoenergia atua em toda a cadeia de produção de energia elétrica, com as atividades de geração, transmissão, distribuição e comercialização. A contribuição por segmento de negócio do Grupo Neoenergia para a geração de caixa medida pelo EBITDA é apresentada abaixo: EBITDA por Segmento de Negócio 23% 77% 23% 77% 1º TRI/06 1º TRI/07 Distribuição Geração, Transmissão e Comercialização Fonte: 1º ITR 2007 Neoenergia A seguir são apresentadas as análises por segmentos de negócio, bem como as considerações sobre os planos de expansão do Grupo Neoenergia. 8

9 2.4.1 Distribuição RESUMO DISTRIBUIÇÃO RESULTADOS DO 1º TRIMESTRE DADOS ECONÔMICO-FINANCEIROS (R$ Mil) COELBA CELPE COSERN 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. Receita Operacional Bruta ,5% ,6% ,1% Receita Operacional Líquida - ROL ,3% ,9% ,0% EBITDA ,6% ,3% ,1% Resultado do Serviço (EBIT) ,2% ,8% ,9% Resultado Financeiro (Exceto JSCP) (33.405) (32.089) -4,1% (7.575) (17.841) 57,5% (4.626) (1.260) -267,3% Lucro Líquido ,4% ,6% ,8% 31/3/ /12/2006 Var. 31/3/ /12/2006 Var. 31/3/ /12/2006 Var. Total do Ativo ,5% ,2% ,2% Endividamento Total ,7% ,6% ,1% Endividamento Líquido** ,6% ,8% ,5% Patrimônio Líquido ,0% ,2% ,5% INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS COELBA CELPE COSERN 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. Margem EBITDA (EBITDA / ROL) 39,49% 43,76% -4 pp 25,59% 23,39% 2 pp 35,16% 35,74% -1 pp Margem EBIT (Resultado do Serviço / ROL) 32,94% 37,10% -4 pp 20,42% 17,85% 3 pp 30,05% 29,81% 0 pp Margem Líquida (Lucro Líquido / ROL) 18,26% 21,08% -3 pp 12,69% 8,80% 4 pp 16,49% 18,98% -2 pp Cobertura de Juros (EBITDA / Resultado Financeiro) 7,75 8,73-11,3% 16,56 5,85 183,3% 12,85 42,47-69,7% 31/3/ /12/2006 Var. 31/3/ /12/2006 Var. 31/3/ /12/2006 Var. Dívida/ EBITDA* 1,61 1,59 1,4% 2,72 2,93-7,1% 1,70 1,75-2,5% Dívida Líquida**/ EBITDA* 1,24 1,41-11,8% 2,34 2,66-12,1% 1,45 1,66-12,6% Índice de Endividamento (Dívida / (Dívida + PL)) 52,9% 55,9% -3 pp 50,65% 52,80% -2 pp 45,04% 46,86% -2 pp Índice de Endividamento Líquido (Dívida Líq.**/ (Dívida Líq.** + PL)) 46,5% 52,9% -6 pp 46,83% 50,36% -4 pp 41,01% 45,49% -4 pp INDICADORES AÇÕES COELBA CELPE COSERN 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. LPA - Lucro por Ação (R$) 0,0064 0, ,4% 0,0008 0, ,6% 0,1659 0,1690-1,8% 31/3/ /12/2006 Var. 31/3/ /12/2006 Var. 31/3/ /12/2006 Var. Número de Ações (mil) ,0% ,0% ,0% VPA - Valor Patrimonial por Ação (R$) 0,0774 0, ,0% 0,0161 0,0151 6,2% 3,0416 2,8298 7,5% INDICADORES MERCADO COELBA CELPE COSERN 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. Energia Vendida (GWh) ,3% ,2% ,2% Energia Injetada (GWh) ,4% ,3% ,2% 31/3/ /12/2006 Var. 31/3/ /12/2006 Var. 31/3/ /12/2006 Var. Número de Consumidores (mil) ,8% ,4% ,1% INDICADORES RECURSOS HUMANOS COELBA CELPE COSERN 31/3/ /12/2006 Var. 31/3/ /12/2006 Var. 31/3/ /12/2006 Var. Número de Empregados ,4% ,0% ,3% * EBITDA 12 meses ** Dívida Líquida de Disponibilidades, Aplicações Financeiras e Títulos e Valores Mobiliários Fonte: 1º ITR 2007 Neoenergia 9

10 Mercado Evolução do mercado de distribuição de energia O Grupo Neoenergia registrou aumento de 2,5% nas vendas de energia no primeiro trimestre de 2007 alcançando GWh, contra GWh vendido no mesmo trimestre de A classe industrial cresceu 1,7%, a comercial 4,6% e a residencial 8,0%, em função do aumento do número de consumidores, conseqüência do Programa Luz para Todos. A classe rural recuou 9,8% devido a forte incidência de chuvas, acima da média para o período, provocando a retração no consumo de energia destinado à irrigação. A seguir são apresentados as vendas e o número de consumidores por classe de consumo no 1º trimestre de 2006 e Vendas por Classe - GWh Nº de Consumidores - Em mil O perfil do mercado controlado pelo Grupo Neoenergia Classes de Consumo 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. 07/06 Part. % 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. 07/06 Part. % Residencial ,0% 37,2% ,2% 86,2% Comercial ,6% 21,3% ,6% 6,9% Industrial ,7% 18,0% ,6% 0,5% Rural ,8% 7,2% ,9% 5,2% Outros ,6% 16,2% ,6% 1,3% Total ,5% 100,0% ,7% 100,0% Fonte: 1º ITR 2007 Neoenergia Os clientes residenciais representam 86% do total de consumidores do Grupo, consumindo 37% da energia vendida em GWh, que é responsável por 41% da receita bruta consolidada. O fornecimento de energia elétrica na área de atuação do Grupo Neoenergia aponta para a continuidade do aumento do consumo, devido à retomada do crescimento econômico e a recuperação do mercado consumidor de energia elétrica. O gráfico a seguir apresenta a energia atualmente contratada no longo prazo para os mercados das distribuidoras e a energia a contratar baseada em suas expectativas de crescimento, através da participação nos próximos leilões de energia. 10

11 Fonte: Neoenergia Projeção de Contratação de Energia (GWh) Energia Contratada Energia a Contratar Balanço Energético A energia injetada no sistema elétrico do Grupo Neoenergia atingiu no primeiro trimestre de 2007 o montante de GWh, representando um crescimento de 3,3% em relação ao mesmo período no ano anterior, influenciado pelo aumento de 2,5% no mercado próprio e 14,6% nas vendas para o mercado livre. Do total da energia injetada, 75,4% foi destinado ao consumo cativo do mercado próprio das distribuidoras, 9,1% para o consumo do mercado livre e 15,5% representou a perda média no processo de distribuição. No 1º trimestre de 2007, o suprimento de energia necessário ao atendimento do mercado das distribuidoras do Grupo Neoenergia foi efetuado conforme abaixo: 11

12 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO - 1º TRIMESTRE LEGENDA 1º TRIMESTRE/07 1º TRIMESTRE/06 CHESF % CONTRATOS % MERC. PRÓPRIO % RESIDENCIAL % ,20% ,27% ,42% ,23% ,04% ,35% ,00% ,35% LEILÃO % CCEE % MERC. LIVRE % INDUSTRIAL % ,97% (95.969) -1,29% ,06% ,01% ,06% (49.350) -0,68% ,17% ,14% CCEAR % PERDAS RB % INJETADA INJETADA PERDAS DISTRIB. % COMERCIAL % ,73% ( ) -2,09% ,52% ,34% ,95% ( ) -2,44% ,83% ,91% PROINFA % MERC. LIVRE % INT. FRONTEIRA % OUTROS % ,10% ,06% 245 0,00% ,42% 648 0,01% ,17% 97 0,00% ,60% NC ENERGIA % INT. FRONTEIRA % SUPRIMENTOS % ,07% 245 0,00% 3 0,00% ,14% 97 0,00% 340 0,01% TERMOPE % GER. PRÓPRIA % ,97% ,04% ,33% ,04% ITAPEBI % ,58% ,19% OUTROS % ,37% ,28% Fonte: 1º ITR 2007 Neoenergia Tarifas Existem dois eventos que regem o reajuste das tarifas: a revisão tarifária periódica e o reajuste tarifário anual. As três distribuidoras do Grupo Neoenergia já passaram pelo processo de revisão tarifária, que ocorre periodicamente (a cada 4 anos na Celpe, e a cada 5 anos na Coelba e Cosern). A Revisão Tarifária tem o objetivo de readequar a estrutura de tarifas das empresas à estrutura de custos e a rentabilização dos ativos de distribuição, buscando principalmente manter o equilíbrio econômicofinanceiro da concessão. Anualmente, os reajustes tarifários são realizados com o objetivo de preservar a reposição da inflação e dos custos com repasses garantidos (não gerenciáveis), como por exemplo, custos com compra de energia e encargos setoriais. O impacto na conta do consumidor A seguir é apresentado um quadro resumo com o impacto na conta do consumidor referente aos reajustes aprovados pela ANEEL com vigência a partir de abril de 2007, e as datas-base das revisões tarifárias das distribuidoras do Grupo Neoenergia. 12

13 2007 Distribuidora Impacto na conta do consumidor Data Revisão Periódica Coelba 5,40% 22/4/2007 A cada 5 anos, a partir de 2003 Cosern 5,40% 22/4/2007 A cada 5 anos, a partir de 2003 Celpe 2,45% 29/4/2007 A cada 4 anos, a partir de 2005 Fonte: Neoenergia Tarifas Médias de Venda de Energia No gráfico abaixo é realizada a comparação entre as tarifas de venda de energia elétrica das distribuidoras do Grupo Neoenergia em relação às tarifas médias do Nordeste e do Brasil, com base em janeiro de 2007 (todas sem impostos ou adicionais tarifários). Tarifas Médias - R$/MWh 254,50 248,26 246,27 224,04 205,78 Brasil Nordeste Coelba Celpe Cosern Composição da Conta de Energia Fonte: ABRADEE janeiro/07 e Neoenergia Abaixo é apresentada a abertura da conta do consumidor médio das distribuidoras do Grupo Neoenergia, após o último reajuste, onde é demonstrado que mais de 60% da arrecadação é destinada ao pagamento da compra e transmissão de energia, seus encargos e impostos. 40% Composição Conta Energia COELBA 32% 30% Composição Conta Energia CELPE 36% 36% Composição Conta Energia COSERN 32% 28% 34% 32% Impostos e Encargos Compra e Transmissão de Energia Distribuição Fonte: Neoenergia Perdas As perdas de energia decorrem da transmissão, distribuição e transformação da energia elétrica (as chamadas perdas técnicas) e medições defeituosas, fraudes, furtos de energia e causas semelhantes (denominadas perdas comerciais). 13

14 Ações de Combate às Perdas de Energia Além de ações rotineiras do processo de medição de energia como as inspeções de unidades consumidoras, substituição de medidores danificados ou obsoletos, regularização de ligações clandestinas, atualização do cadastro de iluminação púbica e campanhas na mídia, as distribuidoras do Grupo Neoenergia tem implementado ações diferenciadas no combate às perdas de energia. Entre as estratégias adotadas pelo Grupo, destaca-se: o programa Operação Caixa Forte que consiste na blindagem em medidores e barramentos coletivos, aliada a inspeção periódica que permite a redução do furto de energia; convênio com a Secretaria de Segurança Pública, através do Grupo Especial de Repressão aos Crimes contra Administração e Serviço Público do Estado e a Delegacia de Combate ao Furto de Energia, que efetuam ações de abertura de inquéritos policiais e prisões em flagrante; implantação de projeto piloto de Medição Eletrônica em Recife. As ações de combate às perdas estão contempladas nos investimentos em distribuição, através de programa que envolve ações de conscientização para o uso racional de energia elétrica junto às comunidades de baixa renda e substituição da fiação da rede elétrica nessas localidades. A seguir é apresentado o histórico das perdas de distribuição (técnicas e comerciais) acumuladas nos últimos 12 meses até 31/03/07 das distribuidoras do Grupo Neoenergia. Índice de Perdas - % 14,32% 14,67% 4,21% 4,86% 18,06% 17,41% 8,71% 8,19% 12,22% 11,48% 3,74% 2,68% 10,11% 9,81% 9,35% 9,22% 8,48% 8,80% 1º TRI/ 06 1º TRI/ 07 1º TRI/ 06 1º TRI/ 07 1º TRI/06 1º TRI/ 07 COELBA CELP E COSERN Índice de Perdas Técnicas Índice de Perdas Comerciais Fonte: Neoenergia Nota: Os índices de Perdas podem ser alterados em função da contabilização final da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE. 14

15 Qualidade de fornecimento A qualidade do sistema elétrico é verificada principalmente pelos indicadores de qualidade DEC (Duração Equivalente de Interrupção por Consumidor) e FEC (Freqüência Equivalente de Interrupção por Consumidor), que aferem as falhas ocorridas na rede de distribuição de energia elétrica. Em busca da melhoria da qualidade e agilidade do atendimento às falhas provocadas pela incidência de fortes chuvas, têm sido desenvolvidas ações intensivas de podas de árvores, limpezas de faixas de servidão, aumento de turmas de prontidão e de viaturas com comunicação via satélite para tornar mais rápido o atendimento às ocorrências de interrupções. A seguir os indicadores DEC e FEC, com e sem supridora. 1 Duração Equivalente de Interrupção por Consumidor - DEC (horas) 13,89 0,54 16,47 0,65 13,05 0,20 16,65 0,18 11,60 0,26 12,56 0,50 13,35 15,82 12,85 16,47 11,34 12,06 1º TRI/06 1º TRI/07 1º TRI/06 1º TRI/07 1º TRI/06 1º TRI/07 COELBA CELPE COSERN DEC sem supridora Efeito Supridora Fonte: Neoenergia Frequência Equivalente de Interrupção por Consumidor- FEC (Em vezes) 7,67 0,71 8,74 0,75 8,30 0,55 9,29 0,42 7,69 0,45 8,86 1,25 6,96 7,99 7,75 8,87 7,24 7,61 1º TRI/06 1º TRI/07 1º 1º TRI/06 TRI/07 1º TRI/06 1º TRI/07 COELBA CELPE COSERN FEC sem supridora Efeito Supridora Fonte: Neoenergia 1 Os indicadores DEC e FEC com supridora incluem as interrupções ocasionadas por responsabilidade das geradoras. 15

16 No gráfico abaixo é realizada a comparando entre o DEC e o FEC anualizado Nacional, da Região Nordeste e das distribuidoras do Grupo referente ao mês março/07: Comparação DEC e FEC 21,00 16,00 11,00 13,00 16,47 8,74 16,65 9,29 12,56 8,86 NACIONAL REGIÃO NE COELBA CELPE COSERN DEC FEC Fonte: ANEEL Média Móvel do período de 12 meses até março/07 do DEC e FEC, e Neoenergia março/07 Inadimplência O Grupo Neoenergia vem implementando diversas ações de cobrança, que contribuíram para o aumento dos índices de arrecadação, conforme demonstrado no gráfico a seguir. Índice de Arrecadação % - Em 12 meses (Arrecadação/ Faturamento) 98,5% 99,9% 98,6% 100,6%101,6% 95,9% COELBA CELPE COSERN Fonte: Neoenergia 1º TRI/06 1º TRI/07 Os índices de arrecadação registrados pelas distribuidoras do Grupo Neoenergia mantêm-se em níveis excelentes, e o percentual registrado da Cosern acima de 100% demonstra a eficácia das ações de recuperação de créditos antigos. As principais ações que contribuíram para o desempenho da arrecadação foram: a ampliação da rede credenciada de arrecadação própria, emissão de cartas de cobrança, cobrança por telefone, cobrança domiciliar, suspensão do fornecimento, acompanhamento de clientes cortados, assessorias de cobrança e negativação no SPC Serviço de Proteção ao Crédito e SERASA. 16

17 2.4.2 Geração e Transmissão Fonte: 1º ITR 2007 Neoenergia A contribuição do segmento de geração para o EBITDA do Grupo Neoenergia no 1º trimestre de 2007 foi de 23% Comercialização RESUMO COMERCIALIZAÇÃO DADOS ECONÔMICO-FINANCEIROS (R$ Mil) NC ENERGIA 1º TRI/07 1º TRI/06 Var. Receita Operacional Bruta ,8% Receita Operacional Líquida - ROL ,6% EBITDA ,2% Resultado do Serviço (EBIT) ,3% Resultado Financeiro (Exceto JSCP) ,1% Lucro Líquido ,3% 31/3/ /12/2006 Var. Total do Ativo ,2% Endividamento Total Patrimônio Líquido ,3% Fonte: 1º ITR 2007 Neoenergia No segmento de comercialização, a Neoenergia detém 100% de participação da NC Energia, empresa que opera em âmbito nacional, no mercado de comercialização de energia elétrica. O seu portfólio de clientes é composto pelos consumidores livres, distribuidores, autoprodutores e geradores de energia. No 1º trimestre de 2007, a NC Energia transacionou MWh em contratos com consumidores livres e autoprodutores. 17

18 3. DESCRIÇÃO DA EMPRESA 3.1 A Empresa O Grupo Neoenergia é o 3º maior grupo privado do setor elétrico brasileiro em termos de energia total vendida, e a cada ano vem intensificando seus investimentos em distribuição, geração, transmissão e comercialização de energia, consolidando o seu compromisso com o crescimento do Brasil. As distribuidoras Coelba, Celpe e Cosern, e as geradoras Itapebi e Termopernambuco são companhias abertas. As distribuidoras por exigência dos contratos de concessão firmados com a ANEEL à época das respectivas privatizações e as geradoras em virtude de suas emissões de debêntures públicas. Visando os princípios fundamentais de governança corporativa, tais como equidade, transparência, prestação de contas, ética e cumprimento das leis, a holding Neoenergia e as empresas acima relacionadas prestam direta e frequentemente informações ao mercado, sob as regras e fiscalização da Comissão de Valores Mobiliários CVM, observando também as orientações da Bovespa Bolsa de Valores do Estado de São Paulo. 18

19 O Grupo Neoenergia atende atualmente no segmento de distribuição à população de 768 municípios nos estados da Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Norte. No segmento de geração o Grupo possui capacidade instalada atual de 996,2 MW e 437,4 MW em fase de implantação (montante correspondente a participação da Neoenergia nos Projetos). Por se tratar de serviço público e regulado, os negócios do Grupo Neoenergia têm origem na celebração de contratos de concessão e/ou autorização. A seguir é apresentado o quadro resumo das concessões e/ou autorizações das empresas e ativos em operação. ENERGÉTICA ÁGUAS DA PEDRA (MT) CORUMBÁ III (GO) GOIÁS SUL (GO) TERMOAÇU (RN) COSERN (RN) CELPE (PE) TERMOPERNAMBUCO (PE) COELBA (BA) AFLUENTE (BA) ITAPEBI (BA) BAGUARI (MG) HOLDING NEOENERGIA (RJ) RIO PCH I (RJ) NC ENERGIA (RJ) Geração em Operação Tipo de Usina Localidade Capacidade Instalada (MW) Energia Assegurada (MWméd) Data da Concessão/ Autorização Data de Vencimento COELBA Belmonte Termelétrica - UTE Belmonte - BA 1,5 MW Somente caráter emergencial 29/8/2005 Ilha Grande Termelétrica - UTE Camamu - BA 1,7 MW 1,2 MW 8/8/1997 Indeterminado 7/8/2027 AFLUENTE Alto Fêmeas I Hidrelétrica - PCH São Desidério - BA Presidente Goulart Hidrelétrica - PCH Correntina - BA 10 MW 8 MW 9,5 MW 6,9 MW 8/8/1997 8/8/1997 7/8/2027 7/8/2027 ITAPEBI Itapebi Hidrelétrica - UHE Rio Jequitinhonha - BA 450 MW 214,3 MW 28/5/ /5/2034 TERMOPERNAMBUCO Termopernambuco Termelétrica - UTE Ipojuca, PE 520 MW 490,6 MW 15/12/ /12/2030 Geração em Construção Tipo de Usina Localidade TERMOAÇU Termoaçu Termelétrica - UTE Alto do Rodrigues - RN Capacidade Instalada (MW) 340 MW Energia Assegurada (MWméd) 331 MW Data da Concessão/ Autorização 9/7/2001 Data de Vencimento 8/7/2031 CONSÓRCIO BAGUARI Baguari I Hidrelétrica - UHE Governador Valadares - MG 140 MW 80,2 MW 15/8/ /8/2041 GOIÁS SUL Goiandira Nova Aurora Hidrelétrica - PCH Hidrelétrica - PCH Goiandira e Nova Aurora - GO Goiandira, Nova Aurora e Ipameri - GO 27 MW 21 MW 17,09 MW 12,37 MW 17/12/ /2/ /12/ /2/2034 CONSÓRCIO RIO PCH I Pirapetinga Pedra do Garrafão CONSÓRCIO CORUMBÁ III Corumbá III Hidrelétrica - PCH Hidrelétrica - PCH Hidrelétrica - UHE Bom Jesus do Itabapoana - RJ e São José do Calçado - ES Campos do Goyatacazes - RJ e Mimoso do Sul - ES Luziânia - GO 16,5 MW 11,51 MW 15,7 MW 11,31 MW 93,6 MW 50,9 MW 17/12/ /12/2002 7/11/ /12/ /12/2032 6/11/2036 ENERGÉTICA ÁGUAS DA PEDRA Dardanelos Hidrelétrica - UHE Aripuanã - MT 261 MW 154,9 MW Distribuição Número de Municípios Localidade Data da Concessão Data de Vencimento COELBA CELPE COSERN Comercialização Localidade Data da Autorização NC ENERGIA Recife - PE 16/8/2000 Fonte: Neoenergia Estado da Bahia Estados de Pernambuco e Paraíba, e Distrito Fernando Noronha Estado do Rio Grande do Norte 8/8/ /3/ /12/1997 7/8/ /3/ /12/

20 3.1.1 Gestão de Pessoas Em 31 de março de 2007, o número de empregados do Grupo era 5.234, dos quais são empregados da Coelba, da Celpe, 725 da Cosern, 10 da Termopernambuco, 38 da Itapebi e 25 da NC Energia. O Grupo Neoenergia terceiriza parte de suas atividades, contando com empregados que lhe prestam serviços. Na política de remuneração do Grupo Neoenergia, todos os empregados recebem uma parte fixa e outra variável, além de benefícios que garantem posição de destaque em relação à remuneração paga por outras empresas do Setor Elétrico. Adicionalmente a COELBA, CELPE e COSERN são patrocinadoras de fundos de previdência privada, um dos principais instrumentos de garantia de renda futura de seus empregados Expansão Investimentos em geração Em 2006, o Grupo Neoenergia alinhado com sua estratégia de crescimento, adquiriu a participação de 75% das PCH s Pirapetinga (RJ/ES) e Pedra do Garrafão (RJ/ES), 60% da Usina Hidrelétrica Corumbá III (GO) e 51% da Usina Hidrelétrica Dardanelos (MT). A seguir é apresentado o quadro resumo dos novos negócios do Grupo Neoenergia. Dados dos Empreendimentos UHE Baguari I (Consórcio Baguari) RESUMO NOVOS NEGÓCIOS PCH Goiandira PCH Nova Aurora PCH Pirapetinga (Rio PCH I) PCH Pedra do Garrafão (Rio PCH I) UHE Corumbá III (Consórcio Corumbá III) UHE Dardanelos (Energética Águas da Pedra) Participação Neoenergia 51% 100% 100% 75% 75% 60% 46% ** Potência (MW) , ,6 261 Energia Assegurada (MWmédio) 81,40 17,09 12,37 11,31 11,50 50,90 154,90 Queda Bruta (m) 18,00 41,25 30,30 55,00 37,50 42,30 99,17 Área do Reservatório (km 2 ) 14,16 6,42 6,83 0,40 2,71 72,42 0,24 Investimento Total (R$ milhões) Investimento Neoenergia* (R$ milhões) *Previsão de investimento de acordo com a participação da Neoenergia nos projetos. ** Está sendo considerado a participação de 46%, mas a Neoenergia posteriormente terá o direito de assumir a participação de 5% da CNO. O gráfico abaixo mostra a evolução prevista da capacidade instalada de geração do Grupo Neoenergia até 2011, considerando-se apenas os projetos atuais, com vistas ao alcance de sua estratégia de expansão. 20

Receita Operacional Líquida no trimestre de R$ 1.559,7 milhões (+7,0%) e acumulada de R$ 5.656,2 milhões (+11,3%)

Receita Operacional Líquida no trimestre de R$ 1.559,7 milhões (+7,0%) e acumulada de R$ 5.656,2 milhões (+11,3%) Resultados 4º Trimestre e Acumulado 2006 Web Conference Xx de Março de 2007 Erik Breyer Diretor Financeiro e de Relações com Investidores DESTAQUES Receita Operacional Líquida no trimestre de R$ 1.559,7

Leia mais

2T07. Neoenergia registra lucro líquido de R$ 402,1 milhões no 2T07, 68% superior ao do 2T06 DESTAQUES

2T07. Neoenergia registra lucro líquido de R$ 402,1 milhões no 2T07, 68% superior ao do 2T06 DESTAQUES Rio de Janeiro, 07 de agosto de 2007 O Grupo Neoenergia (BOVESPA: GNAN3B), 3º maior grupo privado do setor elétrico brasileiro, divulga os resultados do segundo trimestre e do período de 06 meses findos

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Desempenho Operacional O total de venda, líquida da compra de energia, no primeiro trimestre de 2014 foi equivalente a 1.264,1

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

Crescer agregando valor

Crescer agregando valor Crescer agregando valor Marcio Araujo de Lacerda Presidente do Conselho de Administração Maio de 2008 1/XX Orientações do Governo Mineiro Para Minas Gerais: Um Estado para Resultados Visão: Tornar Minas

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - NEOENERGIA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - NEOENERGIA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 ITR Informações Trimestrais 30/06/2012 NEOENERGIA S.A Versão : 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

Resultados 3T11. Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011

Resultados 3T11. Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011 Resultados 3T11 Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011 Agenda Perfil Coelce e Conquistas 1 Mercado de Energia 2 Resultados Operacionais 3 Resultados Econômico-Financeiros 4 Perguntas e Respostas

Leia mais

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012 Teleconferência de Resultados e 2012 28 de fevereiro de 2013 Aviso Legal Algumas das informações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam

Leia mais

EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007

EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007 Geração e Transmissão S.A. Cemig Geração e Transmissão S.A CNPJ 06.981.176/0001-58 EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007 1 ---------- Lucro Líquido A Cemig Geração e Transmissão apresentou, no primeiro semestre

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Edvaldo Santana Diretor da ANEEL Lisboa, 29 de maio de 2008 Sumário Descrição dos objetivos Considerações iniciais i i i Regulação e Tarifas: evolução

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Resultados do 1T15 Maio, 2015

Resultados do 1T15 Maio, 2015 Resultados do Maio, 2015 Destaques Operacional e Qualidade do Serviço Redução de 0,83 p.p. nas perdas totais no vs., totalizando 9,3% FEC de 3,21 vezes, 26,5% menor do que no ; DEC de 9,08 horas, 7,8%

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 AVISO Nesta apresentação nós fazemos declarações prospectivas que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 EBITDA atingiu a soma de R$ 391 milhões no ano passado São Paulo, 24 de março de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações do Grupo Algar,

Leia mais

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009 EDP Energias do Brasil Novembro de 2009 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

COMENTÁRIO DO DESEMPENHO CONSOLIDADO

COMENTÁRIO DO DESEMPENHO CONSOLIDADO COMENTÁRIO DO DESEMPENHO CONSOLIDADO Uberlândia MG, Maio de 2013 A Algar Telecom, Companhia completa e integrada de telecomunicações e TI, detentora da marca CTBC, divulga seus resultados do 1º Trimestre

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

Resultados 4T12. Fevereiro, 2013

Resultados 4T12. Fevereiro, 2013 Resultados 4T12 Fevereiro, 2013 Principais destaques de 2012 Operacional Geração de energia 27% superior à garantia física e 3% acima da registrada em 2011 - Exposição ao mercado spot de 4,4% de setembro

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set DISCUSSÃO E ANÁLISE PELA ADMINISTRAÇÃO DO RESULTADO NÃO CONSOLIDADO DAS OPERACÕES: PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2001 COMPARATIVO AO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2000 (em milhões de reais, exceto

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 13 de maio de 2013 - A Unidas S.A. ( Companhia ou Unidas ) anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto

Leia mais

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa II Conferência RELOP Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa AES SUL - Concessionária de Distribuição de Energia Elétrica da Região Sul do Brasil Estratégias Empresariais:

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

Qualidade dos Serviços Situação Atual e Perspectivas COELCE 30/06/2011

Qualidade dos Serviços Situação Atual e Perspectivas COELCE 30/06/2011 Qualidade dos Serviços Situação Atual e Perspectivas COELCE 30/06/2011 Agenda O grupo Endesa 1 Características da COELCE e do estado do Ceará 2 Qualidade dos Serviços Técnicos e Comerciais 3 Investimentos

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T15

Apresentação de Resultados 1T15 Apresentação de Resultados 1T15 1 Destaques do Período Início da operação comercial de quatro parques do LEN A-3 2011 Início da operação comercial: 04 de março de 2015 Os outros 5 parques serão conectados

Leia mais

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005 Divulgação Imediata Cot. da Ação PNB CLSC6) em 31/03/05: R$ 0,90/ação Valoriz. No 1T05: -16% Valor de Mercado R$ : 694 milhões US$

Leia mais

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

Prêmio Abradee de Responsabilidade Social

Prêmio Abradee de Responsabilidade Social Prêmio Abradee de Responsabilidade Social Pedro Eugênio Pereira ABRADEE 11 de junho de 2007 ABRADEE: 99% do Mercado e 49 Associadas Reunião CIER-Eletropaulo 11.06.2007 2 Reunião CIER-Eletropaulo 11.06.2007

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T12. 10 de agosto de 2012

Apresentação de Resultados 2T12. 10 de agosto de 2012 Apresentação de Resultados 2T12 10 de agosto de 2012 Aviso Legal Esta apresentação contém certas declarações futuras e informações relacionadas à Companhia que refletem as visões atuais e/ou expectativas

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 POR AÇÃO ATÉ MAIO DE 2008. São Paulo, 02 de julho de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados dos 5M08. As informações

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

1. Destaques. Índice: Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010.

1. Destaques. Índice: Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010. Embratel Participações S.A. ( Embrapar ) (BOVESPA: EBTP4, EBTP3) detém 99,2 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ), 100,0

Leia mais

Apresentação Corporativa Outubro de 2014

Apresentação Corporativa Outubro de 2014 Apresentação Corporativa Outubro de 2014 Grupo Light Estrutura diversificada com atuação nos segmentos de distribuição, geração e comercialização de energia 2 Light em números Distribuição Estado RJ Área

Leia mais

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009 EDP Energias do Brasil Novembro de 2009 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Resultados do 2T09. Teleconferência de Resultados

Resultados do 2T09. Teleconferência de Resultados Resultados do 2T09 Teleconferência de Resultados Destaques do 2T09 2 Destaques do 2T09 em linha com a estratégia geral da Companhia Nossas conquistas do 2T09 são refletidas nos resultados da Companhia

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T08 18 de Novembro de 2008

Teleconferência de Resultados 3T08 18 de Novembro de 2008 Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2008 Palestrantes Abel Rochinha Presidente da Coelce Luiz Carlos Bettencourt Diretor Financeiro e de RI da Endesa Brasil 1 1 Destaques 2 Mercado AGENDA s

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados. 14 de Maio de 2009

1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados. 14 de Maio de 2009 1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados 14 de Maio de 2009 Aviso Legal Informações e Projeções Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Lisboa 31 de maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2013 - NEOENERGIA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2013 - NEOENERGIA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 ITR Informações Trimestrais 31/03/2013 NEOENERGIA S.A Versão : 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do

Leia mais

Resultados 1º Trimestre 2015 13.05. Rio de Janeiro, 13 de maio de 2015

Resultados 1º Trimestre 2015 13.05. Rio de Janeiro, 13 de maio de 2015 Resultados 1º Trimestre 2015 13.05 Rio de Janeiro, 13 de maio de 2015 RECEITA LÍQUIDA ATINGE R$ 68,5 MILHÕES NO 1T15, CRESCIMENTO DE 7,1% EM RELAÇÃO AO 1T14. EBITDA CONSOLIDADO ATINGE R$ 7,8 MILHÕES, QUEDA

Leia mais

GTD PARTICIPAÇÕES S.A.

GTD PARTICIPAÇÕES S.A. GTD PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES GTD PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

A Responsabilidade Social no Setor Elétrico

A Responsabilidade Social no Setor Elétrico Fórum de Responsabilidade Socioambiental do Setor Elétrico Organização: ANEEL A Responsabilidade Social no Setor Elétrico Claudio J. D. Sales Presidente Instituto Acende Brasil Instituto Israel Pinheiro,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011 RESULTADOS 3T11 Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades 4 de novembro de 2011 ELETRO GPA ALIMENTAR AGENDA RESULTADOS Supermercados Proximidade Atacarejo Postos e Drogarias Hipermercado Lojas Especializadas

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2T15 31 de julho de 2015 Magazine Luiza Destaques do 2T15 Vendas E-commerce Ganho consistente de participação de mercado Redução na receita líquida de 10,1% para R$2,1 bilhões

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Resultados 2005 Resultados 2005

Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 1T06 Bovespa: RSID3 NYSE (ADR): RSR2Y Receita Líquida alcança R$ 85,2 milhões VGV totaliza R$ 94,3 milhões Vendas contratadas crescem 63% São Paulo, 11 de maio

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 8 de maio de 2015 Magazine Luiza Destaques do Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Luizacred Lucro Líquido Ganhos de market share, principalmente em tecnologia Receita

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

DIRECIONAL ANUNCIA RECORDE HISTÓRICO DE VENDAS NO 3T09

DIRECIONAL ANUNCIA RECORDE HISTÓRICO DE VENDAS NO 3T09 Divulgação de Resultados 3T09 DIRECIONAL ANUNCIA RECORDE HISTÓRICO DE VENDAS NO 3T09 - VENDAS CONTRATADAS DE R$242,7 MILHÕES NO 3T09, COM VSO 45% - - EBITDA DE R$35,0 MILHÕES, COM 31,1% DE MARGEM EBITDA

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/1999 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15

ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15 1 ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15 Operadora: Bom dia senhoras e senhores, e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência da Arteris, para discussão dos resultados

Leia mais

NUTRIPLANT ON (NUTR3M)

NUTRIPLANT ON (NUTR3M) NUTRIPLANT ON (NUTR3M) Cotação: R$ 1,79 (18/06/2014) Preço-Alvo (12m): R$ 2,10 Potencial de Valorização: 18% 4º. Relatório de Análise de Resultados (1T14) Recomendação: COMPRA P/L 14: 8,0 Min-Máx 52s:

Leia mais

T Ó R I O A N U A L. 1N E O E N E R G I A Relatório Anual 2006

T Ó R I O A N U A L. 1N E O E N E R G I A Relatório Anual 2006 R E L A 2006 T Ó R I O A N U A L 1N E O E N E R G I A Relatório Anual 2006 Índice Mensagem do Presidente do Conselho de Administração 3 Principais Resultados 4 Síntese do Desempenho 5 Perfil do Grupo 6

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14 27 de fevereiro de 2015 Magazine Luiza Destaques 2014 Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Ajustado Luizacred Lucro Líquido Ajustado Crescimento da receita

Leia mais

Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9. Destaques

Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9. Destaques Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9 Receita Líquida¹ no 1T16 atinge R$69,6 milhões, alta de 24,8% em comparação ao mesmo período do ano anterior

Leia mais

RESULTADOS 2T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 26 de julho de 2011

RESULTADOS 2T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 26 de julho de 2011 RESULTADOS 2T11 Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades 26 de julho de 2011 DESTAQUES DO 2T11 Impacto macroeconômico > IPCA 12 meses: +6,7% > Crescimento real GPA Alimentar: +2,3% > Aumento taxa Selic

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro Press Release Destaques Operacionais O Banrisul apresentou, nos nove meses de 2011, trajetória ascendente de crescimento no crédito. Os indicadores de inadimplência e de qualidade da carteira mantiveram-se

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T15. 10 de novembro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 3T15. 10 de novembro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 3T15 10 de novembro de 2015 Magazine Luiza Destaques do 3T15 Vendas E-commerce Ganho de participação de mercado com aumento da margem bruta Receita bruta consolidada de R$2,4

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures

OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Oi S.A. (atual denominação de BRASIL TELECOM S.A.) 8ª Emissão

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 31 de dezembro de

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA! O que é o EBITDA?! Como construir e analisar o EBITDA na prática? EBITDA! Que adaptações devem ser efetuadas nos DRE s para apresentar o cálculo do EBITDA?

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T11

Teleconferência de Resultados 1T11 Teleconferência de Resultados 1T11 13 de Maio de 2011 Aviso Legal Algumas das informações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam ocasionar

Leia mais