Palavra do Secretário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavra do Secretário"

Transcrição

1

2

3 Palavra do Secretário Caderno Fato Gerador, nº 5 Resultados do 1º semestre de 2013 Publicação da Assessoria de Comunicação Social da Receita Federal do Brasil Guido Mantega Ministro da Fazenda Carlos Alberto Freitas Barreto Secretário da Receita Federal do Brasil Publicação de cunho informativo e de prestação de serviço. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial da publicação e de informações nela contidas, desde que citada a fonte. As informações aqui divulgadas são obtidas diretamente das subsecretarias e unidades de assessoramento da Receita Federal do Brasil. Informações de origem diversa são veiculadas mediante citação da fonte. Pedro Henrique Mansur Chefe da Assessoria de Comunicação Social da Receita Federal Rodrigo Morgado Sais Jornalista responsável (Mtb 3034-PR) Edna Mazepa Ballão Projeto gráfico Fabiano Rebelo e Marla Cordeiro Apuração e revisão Contato: Assessoria de Comunicação Social Secretaria da Receita Federal do Brasil Esplanada dos Ministérios - Bloco P - Edifício Sede do Ministério da Fazenda - sala 714 CEP Brasília - DF (61) /2777 À Receita Federal compete a importante missão de fiscalizar o correto recolhimento dos tributos e o cumprimento das legislações aduaneira, tributária e previdenciária, sem que isso prejudique o desempenho das atividades dos contribuintes que agem dentro da lei. Atingir este delicado equilíbrio não é tarefa fácil, e a Receita Federal busca constantemente aprimorar seus mecanismos de controle para aumentar a eficiência da Fiscalização. Talvez um exemplo prático demonstre com mais facilidade a constante busca por esse equilíbrio. Caso a Receita Federal optasse por fazer uma revista minuciosa de todas as malas e passageiros desembarcando de um avião com capacidade para 350 pessoas, sem dúvida isso aumentaria o controle sobre a entrada irregular de produtos, mas ao mesmo tempo implicaria em uma demora excessiva para os passageiros que viajam cumprindo as normas, além de implicar altos custos com funcionários, espaços para revista e outros custos logísticos. Assim, a solução encontrada nestes casos é a utilização do gerenciamento de risco, utilizando inteligência e tecnologia na seleção dos viajantes a serem fiscalizados. Por exemplo, pode-se aproveitar informações trocadas entre Administrações Tributárias para selecionar os passageiros com maior risco de segurança, além de usar recursos como scâneres e cães de faro para agilizar os procedimentos de revista de bagagem e pessoas e garantir um fluxo satisfatório no saguão do aeroporto. Tendo isso em mente, é com orgulho que a Receita comemora resultados como o obtido no 1º semestre deste ano, quando mais uma vez constatou-se o grau de excelência que o órgão atingiu na seleção dos contribuintes a serem fiscalizados. Para exemplificar, mesmo com uma redução no número de servidores da área de Fiscalização de 2009 para 2013 da ordem de 17,8%, o crédito tributário lançado por procedimento fiscal no período mais do que triplicou, saltando de R$ 2,4 milhões para R$ 8,3 milhões. É uma prova de que não apenas está se selecionando melhor os contribuintes que serão fiscalizados, permitindo a fluidez do trabalhos daqueles que agem corretamente, como também estão sendo fiscalizados aqueles ilícitos com maior potencial lesivo à sociedade, e que mais prejudicam a concorrência sadia entre as empresas. Nesta edição do caderno Fato Gerador, trazemos essas e outras realizações que são sempre orientadas pelo mesmo norte: buscar a excelência na prestação de serviços ao contribuinte, sempre em defesa da sociedade. Boa leitura! Carlos Alberto Freitas Barreto Secretário da Receita Federal do Brasil

4 Conjuntura Receita Federal analisa cadastro de mais de 200 mil voluntários para GRANDES EVENTOS A realização dos grandes eventos no País, Copa das Confederações, Visita do Papa, Copa do Mundo e Olimpíadas, trouxe um novo desafio aos órgãos encarregados de garantir a segurança pública. A Receita Federal, como integrante do Sistema Brasileiro de Inteligência SISBIN, foi chamada a participar dos esforços institucionais coordenados pela Secretaria Extraordinária de Segurança para os Grandes Eventos. Bem antes da bola rolar nos gramados brasileiros, em um grande esforço, a Receita Federal analisou e validou mais de 210 mil registros cadastrais de voluntários inscritos junto à FIFA para atuar na Copa das Confederações e futuramente do Mundial de 2014, bem como para participar da Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro. Durante a realização da Copa das Confederações, a Receita Federal esteve presente nos centros regionais estabelecidos nas capitais que sediaram jogos e também no Centro Nacional de Inteligência em Brasília. As atividades continuam por ocasião da Jornada Mundial da Juventude. 4

5 Conjuntura RECEITA FEDERAL PRESENTE na Agência de Atuação Integrada para Combate ao Crime Organizado em São Paulo Em novembro de 2012, foi criada em SP a Agência de Atuação Integrada para Combate ao Crime Organizado, representando um esforço estratégico dos governos federal e estadual contra a violência patrocinada por organizações criminosas. A Receita Federal respondeu imediatamente ao chamado para tomar parte do grupo de inteligência, no qual têm assento as polícias federal, militar, civil e rodoviária federal, as secretarias de Segurança e de Administração Penitenciária, o Banco Central e outros órgãos de controle. Atuando principalmente no núcleo de combate à lavagem de dinheiro de organização criminosa, a Receita Federal analisa e produz conhecimento com base em dados de inteligência financeira e policial. Conforme palavras do Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, à época da criação da agência, Relatórios de inteligência vão nos permitir fazer o asfixiamento financeiro das organizações criminosas que atuam no estado. Juntos, governos federal e estadual são muito mais fortes que o crime organizado. GESTÃO DE COMPETÊNCIAS é destaque na Receita Federal O corpo funcional da Receita Federal participou no segundo trimestre de 2013 do 2º Ciclo de Diagnóstico de Competências. Por meio de autoavaliações e de avaliações realizadas por suas chefias imediatas, os servidores são incentivados a compartilhar habilidades que desenvolveram em atividades anteriores à Receita Federal, além de conhecer seus pontos fortes e os que precisam de desenvolvimento no trabalho em que exercem atualmente. Além de permitir a construção de trilhas de desenvolvimento profissional e uma percepção mais clara sobre as competências necessárias ao desempenho excelente das equipes de trabalho, o diagnóstico também é útil para o planejamento da capacitação e a melhora do diálogo entre as lideranças formais e suas equipes. ASSINATURA DIGITAL traz mais segurança a usuários Em abril deste ano foi lançado o Sistema para Assinatura de Documentos Digitais, o e-assina RFB. O sistema representa um grande avanço no âmbito documental da Receita Federal, uma vez que, inerentes à assinatura digital, estão diversas características que conferem maior segurança e agilidade no trâmite e validação de documentos. Ao assinar um documento digitalmente, o emissor garante ao receptor que a assinatura no documento é sua, ou seja, o documento é autêntico. Além disso, garante a integridade do documento, uma vez que qualquer alteração implica invalidação da assinatura. Por fim, o emissor não pode negar a autenticidade do documento com assinatura digital válida é o chamado não repúdio. A autenticidade dos documentos assinados digitalmente poderá ser verificada no Sítio da Receita Federal, no menu Serviços Cidadão ou Empresa Outros Validação de Documentos Assinados Digitalmente. 5

6 Conjuntura Receita Federal recebe mais de 900 NOVOS SERVIDORES No primeiro semestre de 2013 foram empossados 252 Auditores-Fiscais, bem como 704 Analistas- Tributários, aprovados no último concurso realizado pela Receita Federal. Para o acolhimento de cada novo servidor, a sua integração ao ambiente de trabalho e o desenvolvimento básico de competências necessárias à atuação, a Receita Federal desenvolveu o PFP Programa de Formação Profissional. Ao longo do primeiro ano de trabalho, os servidores passam por um processo de ambientação, integração e prática supervisionada, orientados por mais de 500 monitores. Além disso, todos os servidores realizam atividades presenciais e por meio de sistemas de educação a distância para conhecer o contexto de atuação e o papel exercido pela Receita Federal como órgão estratégico do Estado, refletir sobre o papel do integrante da carreira de Auditoria, conhecer os principais processos de trabalho, suas características e funcionamento, além de reforçar o pacto de trabalho na instituição. Além de disciplinas comuns a todos como Ética Profissional e Gestão Estratégica, cada servidor recebe treinamente específico conforme sua área de atuação dentro das macroatividades da Receita Federal: Arrecadação e Cobrança, Atendimento, Fiscalização, Aduana e Tecnologia da Informação. VISÃO INTEGRADA DO ATENDIMENTO: mais agilidade para o contribuinte Na busca de um atendimento mais ágil e conclusivo, a Receita Federal desenvolveu o sistema VIA Visão Integrada do Atendimento. Por intermédio dele, o servidor que realiza o atendimento pode consultar em um único software muitas das diversas bases de dados da Receita Federal, tais como o sistema CPF, que reúne mais de 160 milhões de registros, ou o Imposto de Renda Pessoa Física, com mais de 25 milhões de contribuintes. O sistema é construído de maneira que o servidor possa seguir um fluxo definido, em que execute todos os procedimentos necessários com a garantia de que efetuará o acesso a um único sistema informatizado. Esse sistema dispõe de todas as informações necessárias à execução dos procedimentos e permite que os procedimentos sejam executados dentro de uma sequência lógica e encadeada, conduzindo e orientando o servidor. Além de garantir um atendimento mais rápido, o sistema também alerta sobre outras pendências além das que levaram o contribuinte ao atendimento débitos vencidos ou problemas cadastrais, por exemplo. Mais de três mil servidores da Receita Federal que exercem atividade de atendimento presencial ao contribuinte nas 532 unidades de atendimento já utilizam o VIA. 6

7 Conjuntura Receita Federal colabora na FORMULAÇÃO DA POLÍTICA TRIBUTÁRIA Ao longo do primeiro semestre de 2013 a Receita Federal participou ativamente na formulação da política tributária brasileira. Foram realizados cerca de 100 estudos, dentre os quais aqueles demandados pelo Congresso Nacional (Requerimentos de Informação para subsidiar Projetos de Lei), pelo Poder Executivo (MPs e Decretos que contemplam matéria tributária, bem como Requerimentos de Informação) e por outros órgãos, associações e entidades em geral. Abaixo, algumas das medidas implementadas neste período em que a Receita Federal contribuiu com os cálculos de renúncia: desoneração da cesta básica; prorrogação da redução de IPI sobre automóveis e utilitários e recomposição gradual; alíquota zero de PIS/Cofins sobre as indenizações para as concessionárias de energia elétrica e para produtos da cesta básica; redução a zero das alíquotas sobre serviços de transporte coletivo municipal rodoviário, metroviário e ferroviário de passageiros; prorrogação da desoneração de IPI de Geladeiras/Freezers e Fogões. TV Receita é sucesso no YOUTUBE O dia 2 de abril pode ser considerado um pequeno marco na história da Comunicação da Receita Federal. Nele estreou o canal exclusivo da Instituição no maior portal de vídeos do mundo: o YouTube. O canal da Receita Federal é organizado em listas: Vídeos Informativos, Coletivas, Receita na Mídia e Vídeos Históricos. Em Receita na Mídia, por exemplo, é possível assistir as reportagens que foram ao ar em TV aberta e fechada. O canal já conta com quase 50 mil acessos e com 718 inscritos. 7

8 Conjuntura Crédito tributário recuperado pela Fiscalização bate RECORDE A Fiscalização da Receita Federal constituiu crédito tributário no valor de R$ 84,5 bilhões no primeiro semestre de O valor total das autuações representa um acréscimo de 118,6% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram lançados R$ 38,6 bilhões. Esse é o maior valor já lançado pela Fiscalização em um primeiro semestre. Desse valor, procedimentos decorreram de auditoria externa e da revisão de declarações. O recorde no valor de lançamentos no primeiro semestre de 2013 resulta do esforço e continuidade na aplicação da estratégia da Fiscalização voltada ao combate do planejamento tributário abusivo, iniciada em A meta de crédito tributário a ser constituído pela Fiscalização em 2013 é de R$ 116,1 bilhões. Estimativas sobre os procedimentos fiscais em andamento indicam que o número será atingido. $ % &!"#!"#!"#!!!!" " "! " #! "!#"! "! "!!! " #!"!! # #! " " # "!! #! "!!!! " #!!!! "!! $ % &' (!" ) ' (')&*'+ + ()' )!",'*( ' ) '(,+ *&' *(!",)'+* ')( ' &) ' ( ) *$ +, - #!. /0(! Fim do prazo de ENTREGA DA DIPJ 2013 Terminou em 28 de junho de 2013 o prazo de entrega da Declaração de Informações Econômico- Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ 2013). Neste ano, a Receita Federal recebeu declarações, um acréscimo de 0,8 % ante as declarações apresentadas em Em 2013, a distribuição dos contribuintes com base na forma de tributação foi: 8

9 Conjuntura Fiscalização bate RECORDE DE PRODUTIVIDADE Analisando os cinco últimos anos de Fiscalização, percebe-se que apesar de uma redução de 17,8% no número de Auditores-Fiscais, ainda houve um aumento no crédito tributário-médio recuperado por Auditor-Fiscal na ordem de 302,9%. No mesmo período houve aumento no lançamento tributário-médio por procedimento de fiscalização em 241,9%.! " # " $! "% & " " '% " # ( ( ) * A justificativa para o aumento considerável no valor-médio por autuação e nos valores-médios lançados pela fiscalização a partir de 2011 se explica pelo fato de que os procedimentos fiscais passaram a ser precedidos de rigoroso processo de seleção e cruzamento de dados, fazendo com que, ao se iniciar uma auditoria, o Auditor- Fiscal tenha disponível não apenas todas as informações sobre determinado contribuinte, mas principalmente um mapeamento sobre os indícios da infração tributária por ele praticada. NOTA FISCAL ELETRÔNICA: economia e sustentabilidade O final do 1º semestre coincidiu com um marco significativo para a Escrituração Digital: a marca de 7 bilhões de notas fiscais eletrônicas (NFe) emitidas. Mais do que a consolidação do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), módulo Nota Fiscal Eletrônica, tal marca representa ganhos para a sociedade e para o meio ambiente. Considerando que o custo médio para emissão da antiga nota fiscal em papel para as empresas-piloto do Sped era de R$ 0,80 centavos por documento, o volume de NFe representa para as empresas uma economia de R$ 5,6 bilhões de reais. Para o meio ambiente, os ganhos são altamente positivos, pois se estima que para cada folhas tamanho A4 (padrão utilizado em notas fiscais em papel) seja necessário derrubar uma árvore. Como as notas fiscais em papel eram emitidas com um mínimo de quatro vias, o volume de NFe emitidas até o final de junho foi responsável pela preservação de 3,733 milhões de árvores. Mensalmente, 992 mil contribuintes emitem NF-e. Esses contribuintes são responsáveis por aproximadamente 8,5 milhões de NF-e emitidas diariamente. Mais informações no site: Combate a PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO ABUSIVO traz resultados As unidades especiais de maiores contribuintes da Receita Federal, que atuam de forma precípua no combate ao planejamento tributário abusivo, foram responsáveis pela recuperação de R$ 52,2 bilhões de crédito tributário, com um lançamento médio de R$ 156,9 milhões por procedimento de fiscalização. Em 2010 a Fiscalização redefiniu novos processos de trabalho de seleção e identificação dos sujeitos passivos que são objeto de auditoria e os indícios de infração à legislação tributária por eles praticados. Entre esses novos processos está a especialização dos Auditores-Fiscais responsáveis por essa atividade, fato determinante para o aumento do valor médio do crédito tributário lançado em cada procedimento de fiscalização e também no aumento do valor médio de lançamento por Auditor-Fiscal que atua na Fiscalização. 9

10 Conjuntura FISCALIZAÇÃO DE CIGARROS em tempo real garante concorrência justa A Receita Federal, por meio do Sistema de Controle e Rastreamento da Produção de Cigarros (Scorpios), reduz a informalidade do mercado de fabricação de cigarros, garante a arrecadação federal e o ambiente de negócios para a sociedade. Esse modelo de controle da produção é inédito no mundo e foi objeto de recente apresentação em Seminário promovido pelo Centro Interamericano de Administrações Tributárias CIAT e pelo Banco Mundial como mais um caso de sucesso do Fisco Brasileiro. Atualmente 25 estabelecimentos possuem em suas linhas de produção o controle eletrônico em tempo real do Fisco sobre a produção de cigarros. Esses fabricantes foram responsáveis pela produção de 1,5 bilhão de carteiras de cigarros no primeiro semestre de 2013 e responderam por uma arrecadação controlada pelo Scorpios, no período, de R$ 3,9 bilhões, dos quais R$ 2,4 bilhões relativos ao Imposto sobre Produtos Industrializados IPI. A Receita Federal é responsável pela análise do processo de concessão do Registro Especial de Fabricantes de Cigarros e acompanha se os estabelecimentos cumprem os requisitos para funcionar, inclusive no que diz respeito à inexistência de débitos exigíveis. A Receita Federal cancelou, nos últimos anos, o registro de nove fabricantes de cigarros que, juntos, possuíam passivo tributário de R$ 3,2 bilhões, ou seja, esses fabricantes estão impedidos de continuar fabricando cigarros e, por consequência, continuar gerando passivos tributários e promover concorrência desleal com os demais fabricantes que se encontram em situação de conformidade perante o Fisco. 10

11 Conjuntura DELEGACIAS DE JULGAMENTO julgam processos envolvendo mais de R$ 63 bilhões As Delegacias da Receita Federal do Brasil de Julgamento (DRJ) analisaram, no primeiro semestre de 2013, mais de 39 mil processos administrativos fiscais, totalizando mais de R$ 63 bilhões em disputa. O resultado é expressivo e demonstra o empenho e a dedicação dos julgadores e de todo o corpo funcional das DRJ para reduzir o acervo de processos aguardando julgamento. Novo regramento para as SOLUÇÕES DE CONSULTAS Com o objetivo de agilizar as respostas às consultas formuladas à Receita Federal e proporcionar ao contribuinte maior segurança na interpretação da legislação tributária, a Receita Federal está alterando seu regramento para a solução de consultas. Atualmente, cada Superintendência responde as consultas dos contribuintes domiciliados na sua Região Fiscal. Com a alteração da lei, nova sistemática será adotada, de forma que todas as Superintendências poderão analisar as consultas independentemente do domicílio do consulente. Os processos de consulta passarão a ser analisados conforme critérios de especialização por meio das Regiões Fiscais. As soluções de consulta emitidas serão disponibilizadas no endereço eletrônico da Receita Federal (www.receita.fazenda.gov.br) e vincularão toda a Administração Tributária e contribuintes. A medida também permitirá a retomada dos Pareceres Normativos, com redução do acervo de consultas, uniformização de entendimentos e diminuição de potenciais litígios. Consultas e Pareceres aumentam a SEGURANÇA JURÍDICA As consultas para o esclarecimento de dúvidas sobre a legislação tributária são um forte instrumento à disposição dos contribuintes e, ao mesmo tempo, proporcionam maior segurança jurídica devido ao efeito vinculante das soluções emitidas sobre toda a Receita Federal. Quando a matéria apresenta grande relevância, são utilizados os pareceres normativos, que positivam a interpretação da Receita Federal sobre determinado dispositivo legal e também possuem caráter vinculante. No primeiro semestre de 2013, foram respondidas consultas em todo o País. Nos próximos meses essas soluções de consultas serão convertidas em pareceres normativos. Regulamentos já foram encaminhados à CASA CIVIL A legislação tributária é, por sua própria natureza, uma das áreas mais complexas do Direito. Buscando facilitar a atividade dos operadores do Direito nessa especialização, a Receita Federal atualiza permanentemente os regulamentos da legislação tributária federal e demais normas infralegais de sua competência. O regulamento do Imposto de Renda (RIR), o Regulamento da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) e o Regulamento de Custeio da Previdência Social encontram-se na Casa Civil para edição. O Regulamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins está em revisão final e deve ser encaminhado à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) no segundo semestre. 11

12 Conjuntura LANÇADO o Programa de Gestão Virtual do Acervo de Processos Administrativos Fiscais em Contencioso de 1ª Instância No mês de abril foi instituído o programa de Gestão Virtual do Acervo de Processos Administrativos Fiscais. O programa centraliza em um ambiente virtual único os processos administrativos fiscais em contencioso administrativo fiscal de 1ª instância, o que permitirá um melhor gerenciamento do acervo de processos aguardando julgamento em âmbito nacional. O programa tem como principais objetivos: equalização do acervo nacional de processos em contencioso de 1ª Instância; distribuição otimizada de processos com temas similares para julgamento em conjunto; melhor tratamento dos processos prioritários, entre os quais os mais antigos, o que permitirá a redução do tempo médio de permanência de processos em contencioso de 1ª Instância; e aumento da eficiência no julgamento de processos. CIRCUNSCRIÇÃO TERRITORIAL das Delegacias de Julgamento deixa de existir A partir de agora, todas as Delegacias da Receita Federal do Brasil de Julgamento (DRJ) terão efetivamente jurisdição nacional e poderão julgar processos de qualquer unidade da Receita Federal, respeitada a competência por matéria. A identificação dos processos a serem distribuídos para julgamento será feita de acordo com as prioridades estabelecidas na legislação, a competência por matéria e a capacidade de julgamento de cada unidade. Já foram identificados, por meio de uma força-tarefa formada por julgadores de várias DRJ, cerca de 38 mil processos (quase 20% do total do acervo de processos aguardando julgamento nas DRJ) com temas similares, os quais serão julgados em lotes, o que acarretará relevante aumento na eficiência da atividade de julgamento. OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR mantém crescimento As importações brasileiras no primeiro semestre de 2013 somaram US$ 117,5 bilhões, representando um crescimento de 6,7% em relação a 2012 (US$ 110,1 bilhões). Já as exportações brasileiras atingiram US$ 114,5 bilhões, o que representa uma redução de 2,0% em relação ao mesmo período do ano anterior, que foi de US$ 116,8 bilhões no 1º semestre de 2012 Como resultado, a Balança Comercial brasileira apresentou um déficit de US$ 3 bilhões no semestre, revertendo o superávit do mesmo período de 2012, de US$ 7,061 bilhões. A corrente de comércio somou US$ 232,03 bilhões, representando um aumento de 3,7% em comparação ao 1º semestre do ano anterior. Verifica-se, portanto, a manutenção do crescimento das operações de comércio exterior e da forte demanda por serviços aduaneiros.! " #$% $#&% #'% 12

13 Conjuntura Apesar de maior volume de comércio, RECEITA FEDERAL GARANTE AGILIDADE O crescimento de 3,7% na corrente de comércio em relação aos seis primeiros meses de 2012 materializou-se na manutenção da grande quantidade de declarações aduaneiras. Ao longo do primeiro semestre de 2013, foram processadas 1,83 milhão de operações realizadas, com 1,25 milhão de despachos de importação e 581 mil despachos de exportação. Isso representa um acréscimo em relação ao mesmo período do ano anterior, conforme o quadro abaixo: Apesar do volume significativo de operações, a administração aduaneira tem garantido fluidez nos despachos aduaneiros. Em junho de 2013, 84,48% do total dos despachos de importação registrados foram liberados pela Aduana em menos de um dia, o que representa uma elevação no Grau de Fluidez na Importação em relação ao calculado no ano passado. Em dezembro de 2012 o grau de fluidez atingiu o patamar de 82,45% do total dos despachos de importação registrados.! " # $%& TEMPO MÉDIO DE DESPACHO continua em queda O tempo médio bruto de despacho (tempo corrido do registro da declaração, na importação, ao seu desembaraço e da recepção dos documentos ao desembaraço da declaração, na exportação) obteve uma considerável queda em relação àquele registrado ao longo de 2012, registrando um tempo médio bruto de 1,69 dia na importação e de 0,30 dia (7,2 horas) na exportação. A título de comparação, cabe registrar que o tempo médio bruto na importação de todo o ano de 2012 foi de 2,01 dias, e na exportação foi de 0,46 dia (11,04 horas), o que demonstra uma redução de tempo de 35% na exportação e de 16% na importação. Essa maior agilidade garante maior competitividade dos importadores e exportadores brasileiros em relação a seus concorrentes internacionais. 8,83 milhões Este foi o total de remessas postais internacionais processado pela Receita Federal de janeiro a junho de 2013, o que representa um crescimento de 29,70% em relação ao mesmo período de Assim, mantémse a tendência de forte crescimento dos últimos anos. 13

14 Conjuntura Eficiência na FISCALIZAÇÃO ADUANEIRA A fiscalização aduaneira concluiu 655 ações fiscais no primeiro semestre de 2013, sendo que 91% dessas ações fiscais foram concluídas com resultado e culminaram em lançamento de crédito tributário ou apreensão de mercadoria, ou seja, o Grau de Eficácia da Seleção e Fiscalização Aduaneira (número de fiscalizações com resultado em relação ao total de fiscalizações realizadas) atingiu o patamar de 91%, eficácia superior à atingida no ano de 2012 (90%).! Os créditos tributários, somados com as apreensões, relacionados ao comércio exterior lançados pela fiscalização aduaneira no primeiro semestre de 2013 atingiram o montante de R$ 3,48 bilhões, o que representa um aumento de 39% do crédito lançado no mesmo período de 2012 ( R$ 2,51). O resultado demonstra que as técnicas de gerenciamento de risco e o uso de inteligência na seleção têm garantido resultados positivos para a Receita Federal e para a sociedade. ARRECADAÇÃO FEDERAL é superior a R$ 500 bi no primeiro semestre A arrecadação das receitas federais nos seis primeiros meses do ano alcançou R$ 543,98 bilhões, o que, em termos de variação nominal, significou um aumento de 6,97% se comparado com igual período do ano passado. Em termos reais (atualizado pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA), os dados representam crescimento real de 0,49% para o período. A expectativa é que novamente a arrecadação federal supere R$ 1 trilhão, como já aconteceu em 2012, e que haja um crescimento entre 3 e 3,5%, salvo alterações conjunturais no segundo semestre. 14

15 Programas Autoatendimento Orientado: facilidade e autonomia para o cidadão Como forma de proporcionar alternativas ao atendimento convencional e oferecer mais facilidade ao contribuinte, está em fase de implantação nas unidades de atendimento um modelo de Autoatendimento Orientado, que visa a oferecer ao cidadão um ambiente onde ele possa obter serviços e informações da Receita Federal com autonomia e praticidade. O Autoatendimento Orientado é um ambiente físico, destacado nas unidades de atendimento da Receita Federal, com estrutura necessária para que os contribuintes possam, sob orientação de monitores, obter serviços e informações por meio do sítio da Receita na internet e do ambiente virtual de atendimento e-cac. Nesse espaço são disponibilizados computadores para acesso ao sítio da Receita Federal, folhetos educativos e orientação individualizada prestada por monitores capacitados. A oferta de um espaço para amenizar resistências ao ambiente virtual, bem como proporcionar o acesso tecnológico aos que dele não dispõem, constituise, além de uma valiosa ação de inclusão digital, em uma estratégia de formação do contribuinte, proporcionando-lhe autonomia para a solução de suas questões fiscais por meio de canal de atendimento a distância, sobretudo a internet. Ademais, a assistência oferecida ao contribuinte nesse espaço coaduna-se com as diretrizes institucionais para a Educação Fiscal e com a política de desenvolvimento da Moral Tributária atualmente perseguida para basear o relacionamento da Receita Federal com a sociedade. A iniciativa foi baseada no modelo regional de Autoatendimento Orientado desenvolvido na 3ª Região Fiscal, que engloba os estados do Ceará, Maranhão e Piauí. Implantado inicialmente em Teresina (PI) em janeiro de 2012, o modelo se mostrou eficaz e apto a ser aplicado às demais unidades de atendimento da Receita Federal. No 1º semestre de 2013, mais de 50 unidades em todo o país já dispunham do serviço. Ao criar um Modelo de Autoatendimento Orientado, a Receita Federal, compromissada com a prestação de um atendimento de excelência ao contribuinte, proporcionará maior conforto ao usuário, contribuindo para dignificar a relação entre o poder público e o cidadão e para fortalecer a imagem da instituição perante a sociedade. 15

16 Programas Sustentabilidade marca XI Mutirão Nacional de Destruição de Mercadorias Apreendidas Atualmente, o estoque de mercadorias aprendidas pela Receita Federal é da ordem de R$ 2,4 bilhões. Nesse contexto de crescentes apreensões, faz-se necessário dar giro rápido ao estoque dos depósitos, equilibrando os valores de entrada e de saída. A legislação que disciplina o assunto prevê como uma das modalidades de destinação de mercadorias, a destruição. Devem ser destruídos, por exemplo, artigos como cigarros e demais derivados do tabaco, simulacros de armas de fogo e produtos falsificados. Nesse sentido, a Receita Federal realiza, anualmente, Mutirões Nacionais de Destruição, com vistas a divulgar o importante trabalho que desempenha no combate à pirataria e outras práticas ilegais, bem como na proteção à saúde e ao meio ambiente ao retirar de circulação produtos potencialmente nocivos. O processo de destruição ocorre, sempre que possível, de forma a resultar em resíduos cuja reciclagem seja economicamente viável. Tais resíduos podem ser leiloados ou doados a órgãos públicos ou entidades sem fins lucrativos, mediante declaração de que serão utilizados com observância à legislação ambiental. Durante o XI Mutirão Nacional de Destruição de Mercadorias Apreendidas, realizado em junho de 2013, foram destruídos 4,5 toneladas de produtos impróprios para consumo. Na ocasião, cerca de 80 unidades da Receita Federal destruíram materiais como CD s e DVD s piratas, cigarros, bebidas, cosméticos, preservativos, medicamentos e alimentos impróprios para consumo, produtos falsificados, como brinquedos, pilhas, isqueiros, relógios, e ainda químicos, entre outros. O total de produtos destruídos corresponde ao montante de R$ 195,4 milhões em autuações fiscais. O maior evento ocorreu em Foz do Iguaçu, onde especialistas da Receita Federal mostraram à imprensa e convidados as técnicas e os investimentos no aproveitamento sustentável de resíduos da destruição de mercadorias. Todas as tecnologias de reaproveitamento foram registradas pela TV Receita. O filme pode ser acessado no endereço Reciclagem de componentes de relógios Os relógios que são apreendidos pela Receita Federal também passam por um processo de reciclagem. Inicialmente, é feita a destruição em uma máquina específica, que descaracteriza os produtos retirando todo o valor comercial. Posteriormente, o resíduo é fundido resultando em um metal específico, o zimônio. Os relógios de plástico são reaproveitados como combustível na queima de cimento. 16

17 Programas Convênio com universidades para reciclar bebidas alcoólicas Uma das formas de aproveitamento de resíduos expostas no evento foi a reciclagem de bebidas. Para dar fim ao grande volume de bebidas alcoólicas apreendidas, a Delegacia da Receita Federal em Santa Maria (RS) firmou convênio com a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) para transformação do álcool em etanol ou álcool gel. O convênio foi assinado em junho de 2011, quando foram entregues à UFSM mil litros de bebida alcoólica para reciclagem. Já a Delegacia da Receita Federal em Foz do Iguaçu vem doando grandes quantidades de bebidas alcoólicas apreendidas e impróprias para consumo para a Universidade Estadual do Centro Oeste Unicentro PR. Essas bebidas são utilizadas em pesquisas científicas de produção de biocombustível, além de terem seus subprodutos reciclados e reutilizados na produção de material de limpeza. Reciclagem de isqueiros Somente em 2012, a Delegacia da Receita Federal em Foz do Iguaçu destruiu mais 64 toneladas de isqueiros. Nesse processo, plástico e metais são separados por ímãs. A parte de metal é encaminhada para indústrias, onde é transformada em lingotes de ferro. O plástico é empacotado e destinado a empresas de reciclagem da Bahia. Oficina mecânica de desmanche de veículos da DRF/Foz do Iguaçu Ainda em Foz do Iguaçu, foi instalada uma oficina mecânica para desmontar e separar peças de veículos no estado de sucata. São levados ao setor de desmanche os veículos sem pendência judicial ou administrativa. As peças são retiradas e inutilizadas para que sirvam de matéria prima para a fabricação de outros produtos. Os pneus são separados e levados a uma empresa situada na região metropolitana de Curitiba, para que a borracha seja triturada. Os resíduos são utilizados para alimentar os fornos de uma indústria de cimento. Somente em 2011, cerca de 40 mil pneus passaram por esse processo. Cigarros contrabandeados transformados em adubo Os convidados do Mutirão de Destruição conheceram as formas de aproveitamento de cigarros triturados. Conforme detalhado no vídeo disponível na TV Receita, o órgão doa o material para utilização em fornos utilizados por cerâmicas na produção de telhas e tijolos. Assim, tem-se uma economia para o meio ambiente, com a substituição madeira pelo cigarro triturado. Outra forma de aproveitamento de resíduos de cigarros é sua utilização como adubo, utilizado em programas de recomposição da flora regional nativa. 17

18 Programas Receita Federal avança no mundo móvel Na permanente busca por melhor atender ao cidadão e afirmando sua presença como instituição de vanguarda tecnológica, a Receita Federal tem investido no desenvolvimento de aplicativos para dispositivos móveis. Em julho de 2012, foi disponibilizado o primeiro aplicativo da Receita Federal, o app Pessoa Física. Pouco depois, veio o app Viajantes no Exterior. As soluções superaram todas as expectativas. Em março deste ano, foi lançada a segunda versão do aplicativo Pessoa Física. Na primeira semana, foram realizados mais de 10 mil downloads por dia do programa. Em nove dias, o aplicativo atingiu a marca de, aproximadamente 50 mil downloads, com uma avaliação média de 4,5 (em um máximo de 5), o que garantiu lugar de destaque no Google Play, figurando em Escolhas da nossa Equipe (Staff Picks). Essa seleção criteriosa é feita pela equipe técnica do Google Play, realizada a partir da verificação de conformidade em relação a uma série de pré-requisitos, que atestam o grau de excelência da qualidade do desenvolvimento da aplicação. Um dos grandes desafios para receber este selo é conseguir se destacar em meio aos 700 mil aplicativos existentes na loja, numa concorrência de âmbito mundial. Nessa versão foram atualizados os serviços de consulta CPF e consulta restituição IRPF, que agora armazenam um registro no histórico, permitindo maior facilidade na repetição de consultas. O serviço Orientações Gerais teve seu texto atualizado de acordo com a legislação. Foram disponibilizados também novos serviços como o Perguntão IRPF2013, o Pagando o Imposto (que permite consultar e imprimir o DARF para pagamento das cotas do IRPF), o cálculo mensal e anual do imposto de renda e um teste de conhecimentos sobre o IRPF. Mas a grande novidade chegou em abril, com a inclusão do serviço m-irpf que é um projeto pioneiro da Receita Federal que permite o preenchimento e o envio de declarações originais do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) de 2013, utilizando tablets e smartphones com sistemas operacionais Android e ios (Apple). Uma das principais vantagens do aplicativo em relação à aplicação para desktop é a utilização de apenas um aplicativo para preencher, salvar, recuperar ou transmitir a declaração, trazendo mais simplicidade e agilidade ao processo. Os aplicativos para dispositivos móveis tiveram uma excelente aceitação pública, o que deve incentivar outros projetos como o desenvolvimento de novos APPs e funcionalidades. 18

19 Fronteira Blindada Operação Fronteira Blindada A Operação Fronteira Blindada é composta pelo conjunto de ações da Receita Federal no combate ao contrabando, descaminho, pirataria e outros ilícitos aduaneiros. Na primeira metade do ano de 2013 foram intensificadas as ações nas fronteiras terrestres, marítimas e aéreas do Brasil. Criada em 2011 a Operação é permanente e integra o Plano Estratégico de Fronteiras do Governo Federal. Para acompanhar estas ações, a sociedade pode acessar o portal da Operação Fronteira Blindada, inaugurado em julho de 2012 e que já conta com aproximadamente quinhentos posts. O portal pode ser acessado por meio do sítio da Receita Federal na internet ou, diretamente, pelo endereço A seguir o Fato Gerador destaca algumas ações da Operação no semestre. 19

20 Fronteira Blindada Bola fora Ações da Operação Fronteira Blindada em Santos e Paranaguá apreendem mais de 240 mil bolas de futebol 41 mil bolas retidas em Paranaguá A Receita Federal no Porto de Paranaguá/PR reteve, em março, bolas de futebol que imitam o modelo oficial utilizado na última Copa do Mundo, a Jabulani. As mercadorias procedentes da China foram selecionadas durante análise de risco de operação de trânsito aduaneiro com destino a Curitiba/PR. A detentora da marca ingressou com ação judicial contra o importador para apreensão, perdimento da carga e reparação por perdas e danos, inclusive morais. O valor estimado da retenção é de R$ 400 mil. 200 mil bolas falsificadas são apreendidas em Santos No final de fevereiro, a Receita Federal no Porto de Santos organizou uma coletiva sobre as ações iniciadas em dezembro de 2012 e que têm como objetivo principal impedir a importação de produtos falsificados até Copa do Mundo, que acontecerá no Brasil em Até aquele mês, 200 mil bolas de futebol falsificadas tinham sido apreendidas e seriam destruídas posteriormente. No comércio informal, cada bola é vendida por R$ 20,00 e tem apenas R$ 0,10 de custo pela importação. Apreensões de cigarro dobram no semestre No primeiro semestre do ano de 2013 foram apreendidos maços de cigarros, que correspondem a mais de 1,67 bilhão de cigarros ilegais retirados de circulação, os quais afetam a economia do País e prejudicam a saúde do consumidor. O montante apreendido supera o valor de R$ 124 milhões.! "#! "# $ % 20

Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF

Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF Perfil A Secretaria da Receita Federal do Brasil RFB desempenha funções essenciais para que o Estado

Leia mais

Receita Federal do Brasil CAE/Senado Federal, maio de 2007

Receita Federal do Brasil CAE/Senado Federal, maio de 2007 do Brasil CAE/Senado Federal, maio de 2007 Objetivos da criação da RFB Financiamento do Estado e da Previdência Social Aumento da percepção de risco pelo descumprimento Estímulo ao cumprimento espontâneo

Leia mais

"DIÁLOGOS COM O PODER JUDICIÁRIO SOBRE COMÉRCIO EXTERIOR" PIRATARIA, FALSIFICAÇÃO OUTRAS PRÁTICAS ILÍCITAS DECORRENTES

DIÁLOGOS COM O PODER JUDICIÁRIO SOBRE COMÉRCIO EXTERIOR PIRATARIA, FALSIFICAÇÃO OUTRAS PRÁTICAS ILÍCITAS DECORRENTES "DIÁLOGOS COM O PODER JUDICIÁRIO SOBRE COMÉRCIO EXTERIOR" PIRATARIA, FALSIFICAÇÃO OUTRAS PRÁTICAS ILÍCITAS DECORRENTES Edson Luiz Vismona Presidente presidente@fncp.org.br vismona@institutobrasillegal.org.br

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA RECEITA FEDERAL NA LUTA CONTRA O CONTRABANDO E O DESCAMINHO.

O IMPORTANTE PAPEL DA RECEITA FEDERAL NA LUTA CONTRA O CONTRABANDO E O DESCAMINHO. O IMPORTANTE PAPEL DA RECEITA FEDERAL NA LUTA CONTRA O CONTRABANDO E O DESCAMINHO. REINALDO ÁVILA ORTIGOSA E-mail: dulrei@terra.com.br. Tel.(013) 4009-1572 DS SANTOS/SP SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO 2.DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

Projetos da Receita Federal

Projetos da Receita Federal Escrituração Fiscal Digital - EFD Projetos da Receita Federal A Escrituração Fiscal Digital - EFD é um arquivo digital, que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras

Leia mais

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas O governo brasileiro, por meio da Receita Federal do Brasil (RFB), está implantando mais um avanço na informatização da relação entre o fisco e os contribuintes.

Leia mais

RTU - Perguntas e Respostas

RTU - Perguntas e Respostas RTU - Perguntas e Respostas O que é o RTU? O RTU já foi regulamentado? Já podem ser efetivadas operações de importação ao amparo do RTU? Quem poderá importar mercadorias ao amparo do RTU? O que é necessário

Leia mais

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES

Leia mais

Controle de Fronteiras na Copa do Mundo

Controle de Fronteiras na Copa do Mundo Sindireceita - Sindicato Nacional dos Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil Controle de Fronteiras na Copa do Mundo Uma breve análise do abandono da Aduana brasileira Fronteiras Abertas 1

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal SPED Contábil e Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal SPED. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

CARLOS ALBERTO FREITAS BARRETO

CARLOS ALBERTO FREITAS BARRETO CARLOS ALBERTO FREITAS BARRETO BACHAREL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS E EM DIREITO PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA; ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO E GESTÃO CONTEMPORÂNEA, PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DA

Leia mais

Nota Fiscal de Electrónica de Brasil

Nota Fiscal de Electrónica de Brasil 1er Foro Internacional USO DE TECNOLOGÍA EN LA SUPERVISIÓN Y FISCALIZACIÓN DEL SECTOR HIDROCARBUROS Nota Fiscal de Electrónica de Brasil Lic. Álvaro Antonio Bahia 1 Agenda Nota Fiscal Eletrônica Antecedentes

Leia mais

Coordenação-Geral de Pesquisa e Investigação - Copei. Balanço Anual de Atividades

Coordenação-Geral de Pesquisa e Investigação - Copei. Balanço Anual de Atividades Coordenação-Geral de Pesquisa e Investigação - Copei Balanço Anual de Atividades 2014 Coordenação-Geral de Pesquisa e Investigação Copei Balanço Anual de Atividades - 2014 1 Principais Resultados de 2014

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Assis do Couto)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Assis do Couto) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Assis do Couto) Cria Área de Livre Comércio no Município de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei

Leia mais

Projeto SPED de A a Z

Projeto SPED de A a Z Consultoria e Treinamentos Apresentam: Projeto SPED de A a Z SPED Decreto nº 6.022 22/01/07 Instituir o Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Promover a integração dos fiscos; Racionalizar e uniformizar

Leia mais

Aduana Brasileira. Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011

Aduana Brasileira. Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011 Aduana Brasileira Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011 Exportação de Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos - REEE EUA exportam

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011.

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. INFORMATIVO MENSAL Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. I FEDERAL IPI - NOVAS DISPOSIÇÕES SOBRE A SUSPENSÃO DO IMPOSTO NA EXPORTAÇÃO

Leia mais

Lojas Virtuais Venda de Produtos Falsificados e Uso de Marcas de Terceiros: Repercussões penais Reflexos Criminais da Pirataria Eletrônica

Lojas Virtuais Venda de Produtos Falsificados e Uso de Marcas de Terceiros: Repercussões penais Reflexos Criminais da Pirataria Eletrônica Lojas Virtuais Venda de Produtos Falsificados e Uso de Marcas de Terceiros: Repercussões penais Reflexos Criminais da Pirataria Eletrônica Eduardo Reale Ferrari eduardo@realeadvogados.com.br Tel : (11)

Leia mais

TABELA RESUMO DE INFRAÇÕES E PENALIDADES (LEI SC 10297/1996)

TABELA RESUMO DE INFRAÇÕES E PENALIDADES (LEI SC 10297/1996) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 A B C D ICMS SANTA CATARINA TABELA RESUMO DE INFRAÇÕES E PENALIDADES (LEI SC 10297/1996) INFRAÇÃO PENALIDADE % Base Deixar de recolher, total ou parcialmente,

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 DOU de 24.9.2012 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens procedentes do exterior destinados à utilização na Copa das Confederações Fifa 2013

Leia mais

Relatório. Aduaneiro

Relatório. Aduaneiro Relatório Aduaneiro Secretaria da Receita Federal do Brasil Secretário da Receita Federal do Brasil Carlos Alberto Freitas Barreto Subsecretário de Aduana e Relações Internacionais Ernani Argolo Checcucci

Leia mais

ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015

ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015 ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015 IPI NOMENCLATURA COMUM DO MERCOSUL NCM PARTE I - CONSULTA À RECEITA FEDERAL... Pág. 101 ICMS RJ ESTADOS SIGNATÁRIOS DO PROTOCOLO

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DE MINAS GERAIS DETRAN/MG

DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DE MINAS GERAIS DETRAN/MG PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PMI PROJETO DE GUARDA E REMOÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES EM CIRCULAÇÃO SUJEITOS A INFRAÇÃO À LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO Belo Horizonte MG, setembro de 2013 SOBRE A

Leia mais

Aduana Brasileira. Controle Aduaneiro e Combate à Corrupção. Corrupção CORRUPÇÃO: - Origem do termo - O que é corrupção? R E I D I.

Aduana Brasileira. Controle Aduaneiro e Combate à Corrupção. Corrupção CORRUPÇÃO: - Origem do termo - O que é corrupção? R E I D I. Controle Aduaneiro e Combate à Corrupção Corrupção - Origem do termo - O que é corrupção? CORRUPÇÃO: R E I D I Maio de 2015 1 Corrupção Corrupção - Definição pelo senso comum: Propina Facilidades Prejuízo

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico Resoluções e Normativas Federais GTT - Náutico Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) -Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamento Aduaneiro (art. 26 ao 30; art.

Leia mais

Foz do Iguaçu /PR receberá o XL Encontro dos Oficiais de Registro de Imóveis

Foz do Iguaçu /PR receberá o XL Encontro dos Oficiais de Registro de Imóveis Foz do Iguaçu /PR receberá o XL Encontro dos Oficiais de Registro de Imóveis Integrada à região trinacional, a cidade faz divisa com Puerto Iguazú/AR e com Ciudad del Este/PY. Verifique as condições para

Leia mais

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso Sistema Questor SPED PIS E COFINS SPED Sistema Público de Escrituração Digital EFD Escrituração Fiscal Digital Instrutor: - Jocenei Friedrich Apoio: - Sejam todos bem-vindos Objetivos do Curso Conhecer

Leia mais

SPED NOTA FISCAL ELETRÔNICA. Maio/ 2009

SPED NOTA FISCAL ELETRÔNICA. Maio/ 2009 SPED NOTA FISCAL ELETRÔNICA Maio/ 2009 NFe - Objetivo Alteração da sistemática atual de emissão da nota fiscal em papel, por nota fiscal de existência apenas eletrônica. NFs Modelos 1 e 1A NFe - Conceito

Leia mais

AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS E CONTÁBEIS

AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS E CONTÁBEIS VOCÊ JÁ TEM POUCO TEMPO. UTILIZE ESSE TEMPO PARA RESOLVER OUTROS PROBLEMAS. ACHAR E SOLUCIONAR OS PROBLEMAS TRIBUTÁRIOS E NO SPED FAZ PARTE DAS NOSSAS ESPECIALIDADES. AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA REMUNERAÇÃO INDIRETA - TRATAMENTO TRIBUTÁRIO Introdução - Cômputo na Remuneração do Beneficiário

Leia mais

Certificado Digital Usos e Aplicações

Certificado Digital Usos e Aplicações Certificado Digital Usos e Aplicações Certificado Digital: Onde usar? O certificado digital é um documento eletrônico que proporciona agilidade em muitas das atividades realizadas atualmente por seu titular.

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Matéria publicada originalmente no Diário do Comércio Data: 01/08/2006 01 - CONCEITOS? 1.01.

Leia mais

Calendário reuniões ENCCLA

Calendário reuniões ENCCLA Nº 11 Fevereiro/2015 Há dez anos, teve início o modelo do hoje reconhecido Programa Nacional de Capacitação e Treinamento para o Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (PNLD). A percepção dos membros

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO FORTALECER A ADUANA PARA PROTEGER O PAÍS. AUTORES: Dagoberto da Silva lemos DS Salvador

SUMÁRIO INTRODUÇÃO FORTALECER A ADUANA PARA PROTEGER O PAÍS. AUTORES: Dagoberto da Silva lemos DS Salvador Tema: I Função da Aduana no Comércio Internacional FORTALECER A ADUANA PARA PROTEGER O PAÍS CRIAÇÃO DO CARGO AUXILIAR ADUANEIRO AUTORES: Dagoberto da Silva lemos DS Salvador Alfonso Burg DS Foz do Iguaçu/PR

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 018/2013

NOTA TÉCNICA Nº 018/2013 NOTA TÉCNICA Nº 018/2013 Brasília, 09 de maio de 2013. ÁREA: Finanças TÍTULO: Certificado Digital e a Importância para os Municípios. REFERÊNCIA(S): Cartilha SIOPS; Comunicado CGSN/SE nº 3, de 10 de março

Leia mais

LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC)

LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC) EMPRESA: LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC) NOME DO ARQUIVO Existem dois nomes possíveis: um para as notas de saída e outro para as notas de entrada. - Saídas : O nome do arquivo deve

Leia mais

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Apresentador: José Alves F. Neto Transporte - conceito ICMS X ISS Como determinar a competência Fato gerador RICMS/SP Artigo 2º - Ocorre

Leia mais

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte.

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte. SPED O Sistema Público de Escrituração Digital, mais conhecido como Sped, trata de um projeto/obrigação acessória instituído no ano de 2007, através do Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007. É um

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS Orientador Empresarial Crimes contra a Ordem Tributária Representações pela RFB - Procedimentos a

Leia mais

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos Professor Apresentação: 1. Instituído pelo Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal

Leia mais

Palavra do Secretário

Palavra do Secretário Palavra do Secretário Caderno Fato Gerador, nº 1 Resultados do 1º semestre de 2011 Publicação da Assessoria de Comunicação Social da Receita Federal do Brasil Guido Mantega Ministro da Fazenda Carlos Alberto

Leia mais

Informações Gerais a Viajante

Informações Gerais a Viajante Informações Gerais a Viajante 1. Bens que podem ser trazidos do exterior, em bagagem acompanhada 1, sem pagamentos de impostos. Para não pagar impostos na chegada ao país, o viajante deverá respeitar limites

Leia mais

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Dia: 13 CIDE - Combustíveis - 9331 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a comercialização de petróleo e seus derivados, gás

Leia mais

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO?

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? É a substituição da contribuição previdenciária patronal de 20% sobre o salário de contribuição dos empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais.

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL R E S O L V E M:

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL R E S O L V E M: RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 007/SEFIN/CRE/2014 Institui Regime Especial de Tributação de Loja Franca de que trata o Decreto n. 18.897, de 04 de junho de 2014, e dá outras providências. O SECRETÁRIO DE ESTADO

Leia mais

Administração tributária: as novas tecnologias e os direitos de garantia dos contribuintes

Administração tributária: as novas tecnologias e os direitos de garantia dos contribuintes Administração tributária: as novas tecnologias e os direitos de garantia dos contribuintes Mestre e doutor em direito do Estado pela PUC-SP Professor de Direito Tributário da PUC-SP e do IBET Advogado

Leia mais

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO INFORMATIVO TRIBUTÁRIO RECENTES DESTAQUES LEGISLAÇÃO FEDERAL 1. REPORTO regulamentação A Instrução Normativa nº 1.370 de 28.06.2013, publicada no DOU de 01.07.2013 regulamentou as regras para habilitação/aplicação

Leia mais

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014 INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014 (01 de Agosto de 2014) 01. RECEITA ESTADUAL ALERTA SOBRE RISCO DE PENALIDADE RELACIONADA A EFD. Órgão: Secretaria da Fazenda do Estado do Espírito Santo -

Leia mais

VERSÃO 1.0.1 (09/2010)

VERSÃO 1.0.1 (09/2010) VERSÃO 1.0.1 (09/2010) 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. CONCEITO... 4 3. BENEFÍCIOS... 4 4. ACESSO AO SISTEMA... 5 4.1 ACESSANDO O SISTEMA DA NFS-E PELA PRIMEIRA VEZ... 5 4.2 ACESSANDO A ÁREA EXCLUSIVA DE PRESTADOR...

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS ISS-Londrina-DMS - PERGUNTAS E RESPOSTAS

SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS ISS-Londrina-DMS - PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O PROGRAMA ISS-Londrina-DMS - Perguntas (Seqüencia Atual e Anterior) 001-001 - O que é o ISS-Londrina Declaração Mensal de Serviço? O ISS-Londrina-DMS é um sistema Integrado para gerenciamento do

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CONCEITO... 3 3. BENEFÍCIOS... 3 4. ACESSO AO SISTEMA... 4 5. MANUTENÇÃO... 6

1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CONCEITO... 3 3. BENEFÍCIOS... 3 4. ACESSO AO SISTEMA... 4 5. MANUTENÇÃO... 6 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CONCEITO... 3 3. BENEFÍCIOS... 3 4. ACESSO AO SISTEMA... 4 4.1 ACESSANDO O SISTEMA DA NFS-E PELA PRIMEIRA VEZ... 4 4.2 ACESSANDO A ÁREA EXCLUSIVA DE PRESTADOR... 5 5. MANUTENÇÃO...

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

ALERTA GERENCIAL. Alterações na Legislação Federal

ALERTA GERENCIAL. Alterações na Legislação Federal Edição nº 140 02 de março de 2015. ALERTA GERENCIAL Alterações na Legislação Federal A Medida Provisória nº 669, publicada no D.O.U. DE 27/02/2014, promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

Maranhão > Novembro/2015

Maranhão > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Maranhão >

Leia mais

Impactos da Nota Fiscal Eletrônica no Setor de Varejo. Eduardo Barbosa de Souza Diretor de P&D&I Oriontec Automação Comercial ebsouza@oriontec.com.

Impactos da Nota Fiscal Eletrônica no Setor de Varejo. Eduardo Barbosa de Souza Diretor de P&D&I Oriontec Automação Comercial ebsouza@oriontec.com. Impactos da Nota Fiscal Eletrônica no Setor de Varejo Eduardo Barbosa de Souza Diretor de P&D&I Oriontec Automação Comercial ebsouza@oriontec.com.br Agenda Visão Geral da NF-e Breve Histórico Conceito

Leia mais

Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED. Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail.

Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED. Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail. Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail.com Agenda 1. Visão Geral e Situação Atual dos Projetos integrantes do SPED

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal EFD Contribuições Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo EFD Contribuições, que faz parte do Bloco Contábil e Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

Índice de mortes no Carnaval é o menor em dez anos

Índice de mortes no Carnaval é o menor em dez anos Índice de mortes no Carnaval é o menor em dez anos Brasília, 14 de fevereiro 2013 A Polícia Rodoviária Federal registrou queda nas estatísticas do Carnaval nos 70 mil quilômetros de rodovias federais brasileiras.

Leia mais

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA (RTU) - HABILITAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE INTERVENIENTES - NORMAS GERAIS Introdução

Leia mais

Apresentação... 03. O que é lavagem de dinheiro.. 04. Etapas da lavagem de dinheiro.. 04. Regulamentação 06. Penalidades 07

Apresentação... 03. O que é lavagem de dinheiro.. 04. Etapas da lavagem de dinheiro.. 04. Regulamentação 06. Penalidades 07 1 de 16 ÍNDICE Apresentação... 03 O que é lavagem de dinheiro.. 04 Etapas da lavagem de dinheiro.. 04 Regulamentação 06 Penalidades 07 Operações suspeitas dos crimes de lavagem de dinheiro. 07 Outras operações

Leia mais

Todo início de ano é a mesma coisa: fazemos a

Todo início de ano é a mesma coisa: fazemos a Entre nós www.marinhodespachantes.com Novas oportunidades! de todos nossos clientes, parceiros, amigos e colaboradores em 2012 e renovar nosso contrato de amizade para 2013 Elza Aguiar Presidente Todo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA GERAL DA RECEITA ESTADUAL

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA GERAL DA RECEITA ESTADUAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 011/2008/GAB/CRE Porto Velho, 28 de outubro de 2008. PUBLICADA NO DOE Nº1149, DE 22.12.08 CONSOLIDADA ALTERADA PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA: Nº 009, de 30.03.09 DOE Nº 1217, de 03.04.09

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional

Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO 1.1. O Prêmio Sebrae de Jornalismo (PSJ) é um concurso jornalístico instituído pelo Sebrae Nacional Serviço Brasileiro

Leia mais

MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS E-COMMERCE TRIBUTAÇÃO E PRÁTICAS

MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS E-COMMERCE TRIBUTAÇÃO E PRÁTICAS MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS E-COMMERCE TRIBUTAÇÃO E PRÁTICAS 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ DECRETO Nº 1.742

ESTADO DO PARANÁ DECRETO Nº 1.742 Publicado no Diário Oficial Nº 8488 de 15/06/2011 DECRETO Nº 1.742 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, DECRETA Art. 1º

Leia mais

INFORMATIVO 06/2014 REFIS DA COPA: REDUÇÃO DA PARCELA DE ENTRADA (ADESÃO AO PARCELAMENTO)

INFORMATIVO 06/2014 REFIS DA COPA: REDUÇÃO DA PARCELA DE ENTRADA (ADESÃO AO PARCELAMENTO) Novo Hamburgo, 22 de julho de 2014. INFORMATIVO 06/2014 REFIS DA COPA: REDUÇÃO DA PARCELA DE ENTRADA (ADESÃO AO PARCELAMENTO) Conforme anunciado no Informativo nº 05/2014, por meio da Lei nº 12.996, de

Leia mais

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES Maio de 2012 O QUE É A EFD-Contribuições trata de arquivo digital instituído no Sistema Publico de Escrituração Digital SPED, a ser utilizado pelas pessoas jurídicas de direito

Leia mais

TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC

TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 04.11.2011. SUMÁRIO: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALÍQUOTAS DO ICMS 2.1 - Operações

Leia mais

AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO

AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO Nossos serviços de auditoria das Obrigações Eletrônicas utilizam ferramentas que permitem auditar os arquivos enviados

Leia mais

Construindo a Nova Receita Federal do Brasil. Encontro de Ideias e Inovações na Administração Pública 03 de julho de 2012

Construindo a Nova Receita Federal do Brasil. Encontro de Ideias e Inovações na Administração Pública 03 de julho de 2012 + Construindo a Nova Receita Federal do Brasil Encontro de Ideias e Inovações na Administração Pública 03 de julho de 2012 + MARCOS INSTITUCIONAIS Missão Exercer a administração tributária e aduaneira

Leia mais

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação 1 ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) Item Código/ Variação Periodicidade Período de Apuração do Fato Denominação Gerador 1 0220/01 Tr i m e s t r a l A partir do 1º trimestre de

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: TUDO SOBRE NOTA FISCAL ELETRÔNICA DO CONSUMIDOR

GUIA ATS INFORMÁTICA: TUDO SOBRE NOTA FISCAL ELETRÔNICA DO CONSUMIDOR GUIA ATS INFORMÁTICA: TUDO SOBRE NOTA FISCAL ELETRÔNICA DO CONSUMIDOR SUMÁRIO Introdução... 3 Requisitos para implementação da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica... 12 Vantagens da Nota Fiscal de Consumidor

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE SUPERMERCADOS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE SUPERMERCADOS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE SUPERMERCADOS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD 1 - Informações referentes à Escrituração Fiscal Digital EFD A Escrituração Fiscal Digital é um dos módulos do um sistema púbico

Leia mais

PORTARIA Nº 477 DE 09 DE SETEMBRO DE 2011.

PORTARIA Nº 477 DE 09 DE SETEMBRO DE 2011. PORTARIA Nº 477 DE 09 DE SETEMBRO DE 2011.. Publicada no D O E nº 10.636, de 16 de setembro de 2011. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA, no uso de suas atribuições legais, e tendo em vista o disposto no

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 Maio de 2012 NOVIDADE NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA "GUERRA DOS PORTOS" - ICMS NAS IMPORTAÇÕES - RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 13, DE 26 DE ABRIL DE 2012 DECISÕES JUDICIAIS PARTICIPAÇÃO

Leia mais

Comércio Varejista Obrigado a emitir NFeem substituição a Nota Fiscal modelo-1 ou 01-A.

Comércio Varejista Obrigado a emitir NFeem substituição a Nota Fiscal modelo-1 ou 01-A. Informativo Junho/2015 edição 22 Comércio Varejista Obrigado a emitir NFeem substituição a Nota Fiscal modelo-1 ou 01-A. O DECRETO Nº 52.094, de 27 de novembro de 2014, estabelece prazo final para a dispensa

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA

ORIENTAÇÕES SOBRE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA Distribuição Gratuita ORIENTAÇÕES SOBRE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA -2- Apresentação Esta cartilha traz orientações básicas aos contribuintes que entregam a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 06/2014 ANO XI (20 de fevereiro de 2014)

BOLETIM INFORMATIVO Nº 06/2014 ANO XI (20 de fevereiro de 2014) BOLETIM INFORMATIVO Nº 06/2014 ANO XI (20 de fevereiro de 2014) 01. ONDA TECNOLÓGICA INVADE A CONTABILIDADE Divulgamos esta matéria que está circulando na internet, por tratar de assuntos muito importantes

Leia mais

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012.

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica no ISSQN, a forma e o prazo de recolhimento dos tributos municipais e respectivos acréscimos perante o Código

Leia mais

RECEITA FEDERAL DO BRASIL GANHA AGILIDADE E EFICIÊNCIA AO IMPLANTAR O PROJETO COMUNICAÇÃO UNIFICADA NA RBF. Case de Sucesso.

RECEITA FEDERAL DO BRASIL GANHA AGILIDADE E EFICIÊNCIA AO IMPLANTAR O PROJETO COMUNICAÇÃO UNIFICADA NA RBF. Case de Sucesso. outubro/2012 Case de Sucesso RECEITA FEDERAL DO BRASIL GANHA AGILIDADE E EFICIÊNCIA AO IMPLANTAR O PROJETO COMUNICAÇÃO UNIFICADA NA RBF Para publicar um case no Portal IT4CIO, entre em contato pelo e-mail

Leia mais

NF-e e seu impacto prático

NF-e e seu impacto prático NF-e e seu impacto prático Apresentação e Conceito SPED Instituído pelo Decreto n º 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o projeto do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de

Leia mais

Guia Prático. MDF-e. Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais. 2014 JL Assessoria Contábil e Jurídica

Guia Prático. MDF-e. Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais. 2014 JL Assessoria Contábil e Jurídica Guia Prático MDF-e Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais 2014 JL Assessoria Contábil e Jurídica Entenda o que é: O Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) é o documento emitido e armazenado

Leia mais

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 OBRIGATORIEDADE A empresa é obrigada a elaborar mensalmente a folha de pagamento da remuneração paga devida ou creditada a todos os segurados

Leia mais

Resultados da Fiscalização

Resultados da Fiscalização Secretaria da Receita Federal do Brasil Subsecretaria de Fiscalização Resultado da Fiscalização da RFB 1º Semestre de 2015 Resultados da Fiscalização 1º Semestre 2015 5 Neste relatório constam as principais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA ESTADO DE SÃO PAULO LEI Nº 5.305, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2011. Altera dispositivos da Lei Municipal n.º 4.794, de 06 de maio de 2008 e dá outras providências. João Antonio Salgado Ribeiro, Prefeito Municipal, faz saber que

Leia mais

http://www.merchant.com.br

http://www.merchant.com.br DOU de 29.10.2004 Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas de direito privado a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços. O SECRETÁRIO

Leia mais

e CNPJ Benefícios do e-cnpj

e CNPJ Benefícios do e-cnpj São Paulo, Julho de 2009 e CNPJ O e-cnpj é um documento eletrônico em forma de certificado digital, que garante a autenticidade e a integridade na comunicação entre pessoas jurídicas e a Receita Federal

Leia mais

O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED?

O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED? SPED PIS/COFINS Teoria e Prática O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED? E v e l i n e B a r r o s o Maracanaú - CE Março/2 0 1 2 1 2 Conceito O SPED é instrumento que unifica as atividades

Leia mais

Audiência PúblicaP Projeto de Lei da Câmara nº n 27/2008. Senado Federal CAE - CCJ - CREDN

Audiência PúblicaP Projeto de Lei da Câmara nº n 27/2008. Senado Federal CAE - CCJ - CREDN Audiência PúblicaP Projeto de Lei da Câmara nº n 27/2008 Senado Federal CAE - CCJ - CREDN Maio - 2008 Missão da Receita Federal do Brasil Prover o Estado de recursos para garantir o bem-estar social Prestar

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais