LEIS DE INCENTIVO AO DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEIS DE INCENTIVO AO DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO"

Transcrição

1 LEIS DE INCENTIVO AO DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

2

3 Apresentação O número grande de empreendimentos que têm sido implantados no Estado do Rio de Janeiro nos últimos anos nos dá a garantia de estarmos no caminho certo em busca de auxílios, para desenvolver, principalmente, as áreas menos favorecidas do nosso território. Reduzir a carga tributária imposta às empresas que desejam se instalar por aqui é uma das ações que vêm facilitando essa implantação. Mas não é só isso. A Alerj tem, há algum tempo, procurado mecanismos para fomentar e incentivar a economia estadual, com o objetivo de aumentar os investimentos nas indústrias locais, criando, assim, maiores oportunidades. Para atingirmos esse fim, a redução de impostos tem sido um aliado. O Poder Legislativo, em parceria com o Poder Executivo, aprovou leis que possuem como objetivo criar incentivos fiscais e financeiros para atrair novos investidores e manter aqui instalados os já existentes. São normas que aproximam o Parlamento dos municípios, propiciando, dessa maneira, maior geração de renda e de postos de trabalho. Em virtude disso, estamos publicando a cartilha Leis de Incentivo ao Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro, onde elencamos alguns dos mais importantes textos discutidos e aprovados na Alerj em prol de benefícios a setores importantes para o estado, tais como portos e aeroportos, e as indústrias têxtil, de tecnologia, fonográfica e siderúrgica, dentre outras. Enfim, trata-se de uma publicação que facilitará aqueles que pretendem consultar ou mesmo apenas conhecer as principais leis que hoje facilitam a vida de quem deseja investir no estado e fomentar a economia das cidades. Deputado Paulo Melo Presidente da Alerj 3

4 ÍNDICE Lei Concessão de créditos para empresas que invistam em um dos 34 municípios selecionados Lei Recuperação industrial de 51 municípios do Estado do Rio de Janeiro através de benefício fiscal do ICMS Lei Descontos tributários para indústrias de couros, calçados, bolsas e artigos de joalheria, ourivesaria e bijuteria Lei Altera a lei de ICMS no que se refere à importação de produtos, dando descontos tributários a empresas que utilizem os portos e aeroportos Lei Institui o Programa de Desenvolvimento do Setor Gráfico no Estado do Rio de Janeiro RioGraf Lei Dispõe sobre a concessão de incentivos fiscais Lei Institui o Fundo de Fomento ao Trabalho, Ocupação, Renda e Crédito no estado FunRio Lei Incentivos fiscais para empresas que investirem nas regiões Norte e Noroeste do estado Lei Institui o programa de desenvolvimento do setor metal-mecânico RioMetal

5 Lei Institui o programa de fomento à realização de obras de infraestrutura RioInfra Lei Institui o programa de fomento à atividade econômica na região do Porto de Sepetiba Pró-Sepetiba Lei Cria o programa de fomento e incremento à movimentação de cargas pelos portos e aeroportos do estado RioPortos Lei Dispõe sobre a concessão de benefícios fiscais a indústrias do setor têxtil, aviamentos e de confecção do estado Lei Institui o programa de desenvolvimento do setor aeronáutico no estado RioAerotec Lei Concessão de incentivos fiscais para as indústrias do setor de reciclagem do estado e do setor metal-mecânico de Nova Friburgo Lei Institui o programa de desenvolvimento do setor de tecnologia da informação no Estado do Rio de Janeiro RioInfo Lei Institui o programa de fomento à musica brasileira RioMúsica Lei Institui o programa de fomento ao comércio atacadista e centrais de distribuição do estado RioLog Lei Institui o programa de Preservação e Manutenção dos Empregos Pró-Emprego 5

6 6

7 Lei A lei trata da concessão de créditos para empresas que invistam em um dos 34 municípios selecionados. Cria o Fremf Fundo de Recuperação Econômica de Municípios Fluminenses. O fundo é administrado pela Agência de Fomento do Estado do Rio de Janeiro InvesteRio Objetivo Financiar empreendimentos em 34 municípios, com o objetivo de estimular sua recuperação econômica. Beneficiados Empresas e empreendimentos geradores de emprego e renda, nos setores da indústria, agroindústria, agricultura familiar, micro e pequenas empresas, serviços e comércio atacadista. Benefício I - Valor de financiamento de no mínimo 30 mil Ufirs-RJ, limitado a 80% do valor do projeto; II - Prazo máximo de 25 anos, contados da data da assinatura do contrato de financiamento (Obs.: em geral, os prazos são de cinco anos); III - Taxa de juros de 2% ao ano; IV - Garantia correspondente a 120% do valor do financiamento. Como participar A sociedade beneficiária deve submeter à Investe Rio carta-consulta conforme modelo fornecido. 7

8 Contrapartida O beneficiário do financiamento deverá enviar semestralmente, a partir da assinatura do contrato, relatório da situação do empreendimento, especificando a aplicação dos recursos objeto do financiamento, acompanhado das demonstrações financeiras e demais informações e documentos a serem exigidos pela InvesteRio. Quem não pode participar Os estabelecimentos industriais que estiverem irregulares no Cadastro Fiscal do Estado do Rio de Janeiro; que tenham débito com a Fazenda Estadual; participem ou tenham sócio que participe de empresa com débito na dívida ativa do estado ou com inscrição estadual cancelada ou suspensa em consequência de irregularidade fiscal; estejam irregulares ou inadimplentes com parcelamento de débitos fiscais de que sejam beneficiários; tenham passivo ambiental; sejam inscritos em dívida ativa do estado. Os municípios Aperibé, Bom Jardim, Bom Jesus do Itabapoana, Cambuci, Campos dos Goytacazes, Cantagalo, Carapebus, Cardoso Moreira, Carmo, Conceição de Macabu, Cordeiro, Duas Barras, Italva, Itaocara, Itaperuna, Laje do Muriaé, Macuco, Miracema, Natividade, Porciúncula, Quissamã, São Fidélis, Santa Maria Madalena, Santo Antônio de Pádua, São Francisco do Itabapoana, São João da Barra, São José de Ubá, Saquarema, São Sebastião do Alto, Sapucaia, Sumidouro, Trajano de Morais, Valença e Varre-Sai. 8

9 Lei A lei trata da recuperação industrial de 51 municípios do Estado do Rio de Janeiro através de benefício fiscal do ICMS Objetivo Criar um regime especial de tributação para estimular a recuperação econômica dos 51 municípios. Beneficiados Estabelecimentos industriais instalados ou que venham a se instalar em qualquer um desses municípios. Benefício As empresas beneficiadas contarão com o regime especial de recolhimento do ICMS com alíquota de 2% (dois por cento) sobre o faturamento do mês em referência. Como participar A empresa interessada na autorização deverá encaminhar solicitação à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, com as seguintes informações: localização, data para início do processo produtivo, principais produtos resultantes do processo de industrialização, atividade principal e atividades secundárias, e previsão anual de números de empregos diretos e de valor gasto com pessoal. Quem não pode participar Os estabelecimentos industriais que estiverem irregulares no Cadastro Fiscal do Estado do Rio de Janeiro; tenham débito com a Fazenda estadual; participem ou tenham sócio que participe de empresa com débito inscrito na dívida ativa do Estado do Rio de Janeiro ou com inscrição cancelada/suspensa em consequência de irregularidade fiscal; 9

10 estejam irregulares ou inadimplentes com parcelamento de débitos fiscais; tenham passivo ambiental; sejam inscritos em dívida ativa do Estado do Rio de Janeiro. Também não podem as empresas que possuam projetos que demonstrem concorrência predatória (esta medida foi tomada para que os empreendimentos instalados no estado não sejam afetados pelo benefício e tem previsão legal no art. 1 6º). Os municípios Aperibé, Areal, Bom Jardim, Bom Jesus do Itabapoana, Cambuci, Campos dos Goytacazes, Cantagalo, Carapebus, Cardoso Moreira, Carmo, Comendador Levy Gasparian, Conceição de Macabu, Cordeiro, Distrito Industrial da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro CODIN, no Município de Queimados, Duas Barras, Engenheiro Paulo de Frontin, Italva, Itaocara, Itaperuna, Laje do Muriaé, Macuco, Mendes, Miguel Pereira, Miracema, Natividade, Paraíba do Sul, Paty de Alferes, Porciúncula, Quissamã, Rio das Flores, São Fidélis, Santa Maria Madalena, Santo Antônio de Pádua, São Francisco do Itabapoana, São João da Barra, São José de Ubá, São Sebastião do Alto, São José do Vale do Rio Preto, Saquarema, Sapucaia, Sumidouro, Trajano de Morais, Três Rios, Valença, Vassouras, Varre Sai, Distrito Industrial de Barra do Piraí, Distrito Industrial de Japeri, Distrito Industrial de Paracambi, Distrito Industrial de Pinheiral e Distrito Industrial da Posse (Petrópolis). 10

11 Lei A lei dispõe sobre descontos tributários para estabelecimentos industriais de couros, calçados, bolsas e artigos de joalheria, ourivesaria e bijuteria com sede localizada no Estado do Rio de Janeiro Objetivo Conceder tratamento tributário especial para empresas do ramo de couro, calçados, bolsas e artigos de joalheria, ourivesaria e bijuteria que estejam interessadas em se instalar no Estado do Rio de Janeiro. Beneficiados Fabricantes de joalheria, ourivesaria e bijuteria, e indústrias dos setores de couro, calçados, malas, bolsas e artefatos afins. Benefício I - As empresas beneficiadas terão direito a recolher o ICMS com alíquota de 2,5% (dois e meio por cento) sobre o faturamento no mês de referência; II São concedidos diferimentos de ICMS na compra de máquinas, equipamentos e instalações industriais, destinados a compor o ativo fixo, além de peças e acessórios necessários à montagem desses bens do ativo; III São concedidos diferimentos na importação de insumos, devendo o imposto ser recolhido no momento em que ocorrer a saída dos produtos industrializados. 11

12 Como participar A empresa interessada deverá comunicar sua adesão à Inspetoria da Secretaria de Estado de Fazenda. Contrapartida A empresa que usufruir do benefício fiscal deve cumprir algumas contrapartidas: manter, por, no mínimo, um ano, no estabelecimento industrial beneficiado, a média do número de postos de trabalho existentes nos últimos 12 meses anteriores ao início do gozo do benefício; enviar relatórios semestralmente, contendo informações econômico-fiscais referentes ao recolhimento de tributos; comprometer-se a, sempre que possível, adquirir produtos e serviços de empresas localizadas no Rio de Janeiro e manter a sede e a gestão da empresa no Rio de Janeiro. Quem não pode participar Os estabelecimentos industriais que estiverem irregulares no Cadastro Fiscal do Estado do Rio de Janeiro; tenham débito com a Fazenda Estadual, participem ou tenham sócio que participe de empresa com débito inscrito na dívida ativa do Estado do Rio de Janeiro; esteja irregular ou inadimplente com parcelamento de débitos fiscais. 12

13 Lei Altera a lei de ICMS no que se refere à importação de produtos, dando descontos tributários a empresas que utilizem os portos e aeroportos do Rio de Janeiro Objetivo Incentivar as operações de importação no Rio de Janeiro, a fim de recuperar as atividades dos portos e aeroportos do estado. Beneficiados Empresas de comércio exterior e estabelecimentos que importarem produtos pelos portos e aeroportos do Rio de Janeiro. Benefício A alíquota de ICMS para importação foi reduzida para 16% e, se a importação for realizada por aeroportos internacionais, a alíquota passa a ser de 14% cabe lembrar que essas alíquotas já incluem 1% do Fundo da Pobreza. 13

14 Lei RioGraf Institui o Programa de Desenvolvimento do Setor Gráfico no Estado do Rio de Janeiro RioGraf Objetivo Conceder descontos tributários (diminuição da alíquota de ICMS) e financiamentos com recursos do Fundo de Desenvolvimento Econômico e Social, o Fundes, para empresas do setor gráfico localizadas no Estado do Rio de Janeiro que almejam aumentar as suas instalações e para empresas do mesmo setor que desejam instalar-se no Rio de Janeiro. Beneficiados Mediante autorização do chefe do Poder Executivo, poderá se enquadrar no RioGraf e ter direitos a usufruir do financiamento de que trata a lei em questão, as empresas: I - com projetos de instalação que impliquem em investimentos superiores a Ufir s-rj e não acarretem descontinuidade ou redução da produção de outras unidades da mesma empresa localizada no estado; II - com projetos de relocalização que acarretem na expansão de, no mínimo, 30% da capacidade produtiva e correspondam a um investimento fixo igual ou superior a Ufir s-rj; III - com projetos de modernização e ampliação da capacidade produtiva que não envolvam a suspensão de atividades desenvolvidas em outras unidades, impliquem em aumento de, no mínimo, 30% da capacidade produtiva e de faturamento, e correspondam a um investimento fixo igual ou superior a Ufir s-rj. 14

15 Benefício As empresas receberão financiamento para o capital de giro. Este financiamento terá o valor de 150% para grandes empresas e 200% para pequenas e microempresas, em relação ao investimento fixo a ser realizado. A liberação deste recurso ocorrerá em parcelas mensais de, no máximo, 9% do faturamento apurado no mês anterior a cada liberação. O prazo de utilização, carência e amortização será de até 84 meses. O juros de tal financiamento será de 6% ao ano. As empresas terão as alíquotas de ICMS estabelecidas a 12% nas operações internas. Como participar O projeto apresentado pela empresa deve ser econômica e efetivamente viável. As empresas interessadas deverão apresentar carta-consulta padronizada à Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro, a Codin (órgão executor do RioGraf), e, após a análise e a aceitação do chefe do Poder Executivo, a documentação da empresa será enviada ao Agente Financeiro para fins de análise cadastral e econômicofinanceira. Cabe lembrar que a liberação do financiamento está diretamente condicionada à apresentação de licença ambiental das empresas. Contrapartida As empresas beneficiadas pelo RioGraf deverão cumprir com determinada exigência de manter por, no mínimo, um ano o número médio de postos de trabalho existentes nos seis meses anteriores à concessão do benefício. Quem não pode participar Empresas consideradas inadimplentes perante o fisco municipal, estadual ou federal, ou que tenham como administradores ou controladores pessoa física ou jurídica nas mesmas condições. 15

16 Lei Dispõe sobre a concessão de incentivos fiscais 16 Objetivo Conceder incentivos fiscais a empresas fluminenses de forma a proporcionar o crescimento da economia e garantir a competitividade do Estado do Rio de Janeiro com relação a outros estados. Beneficiados Empresas que almejam implantar e expandir unidades industriais ou empresas comerciais atacadistas no Estado do Rio de Janeiro; iniciativas que prevejam capacitação tecnológica consideradas de interesse para o desenvolvimento do estado; projetos de empresas a serem saneadas ou reativadas, tendo em vista a sua situação financeira; projetos vinculados a atividades agroindustriais, agropecuárias, floricultura e cooperativismo; atividades vinculadas à produção rural e artesanal e a produtos minimamente processados; projetos de empresas do setor portuário, aeroportuário, da área de logística, turismo e farmacêutica; projetos de implantação ou expansão de empresas que produzem equipamentos e serviços relativos ao atendimento de pessoas com deficiência. Benefício Os incentivos de que trata esta lei estão relacionados à redução da base de cálculo, concessão de crédito presumido, diferimento e isenção de ICMS. Como participar As empresas interessadas em obter o incentivo deverão apresentar cartaconsulta à Secretaria Executiva da Comissão de Avaliação de Incentivos Fiscais, a Caif, contendo informações detalhadas sobre o projeto a ser

17 desenvolvido. Tais empresas deverão comprovar que não possuem passivos ambientais, passivos de natureza trabalhista decorrentes de ação transitada em julgada, estar em dia com as obrigações trabalhistas e possuir em seus quadros funcionais pessoas com deficiência em quantidade compatível com o previsto em lei federal (Lei 8.213). Quem não pode participar Empresas que estejam irregulares junto ao Cadastro Único do Estado do Rio de Janeiro; inscritas na dívida ativa; sejam participantes ou tenham sócio que participe de empresa inscrita na dívida ativa; estejam irregulares ou inadimplentes com parcelamentos de débitos fiscais de que sejam beneficiárias. 17

18 Lei FunRio 18 Institui o Fundo de Fomento ao Trabalho, Ocupação, Renda e Crédito no Estado do Rio de Janeiro FunRio Objetivo Conceder créditos a pequenos empreendedores, inclusive informais, micro e pequenas empresas, cooperativas, visando à geração de emprego e renda. Beneficiados Pequenos empreendedores, micro e pequenas empresas, cooperativas que gerem empregos e renda, através de determinados programas previstos na lei. Benefício Concessão de créditos; sustentabilidade financeira para determinados programas; assistir financeiramente a atividades desenvolvidas por cooperativas, estimulando o cooperativismo no Estado do Rio de Janeiro ou outras formas associativas de produção ou trabalho;

19 assistir financeiramente projetos de modernização e reorganização de micros e pequenos empreendimentos, bem como os de aprendizagem produtiva direcionados aos empreendedores de micro e pequenos negócios; prestar garantia real em conta vinculada em favor de instituição financeira, visando a alavancar recursos para a concessão de empréstimos aos empreendedores de micro e pequenos negócios, pessoas físicas e jurídicas, proporcionando a geração de emprego e renda; programas de assistência técnica e melhoria dos níveis de qualificação e capacitação gerencial dos micro e pequenos empreendedores e das cooperativas. Como participar Regulamentação prevista em Decreto do Governo estadual. Contrapartida A empresa que receber o benefício fica condicionada a manter a média do número de postos de trabalhos existentes nos seis meses anteriores à solicitação do mesmo, que deverá ser mantido por, no mínimo, um ano. Quem não pode participar Empresas consideradas inadimplentes perante os fiscos municipal e estadual ou que tenham como administradores ou controladores pessoas físicas nas mesmas condições. Empresas com passivos ambientais. 19

20 Lei Dispõe sobre a concessão de incentivos fiscais para empresas que investirem nas regiões Norte e Noroeste do Estado do Rio de Janeiro 20 Objetivo Conceder descontos tributários para empresas que vierem a investir em projetos de implantação ou expansão de suas atividades nas regiões Norte e Noroeste do Estado do Rio de Janeiro. Beneficiados Empresas que vierem a investir em projetos de implantação ou expansão de suas atividades nas regiões Norte e Noroeste do Estado do Rio de Janeiro, que impliquem em investimentos fixos iguais ou superiores a Ufir s-rj e que não estejam associados à descontinuação de outras atividades da mesma empresa localizadas no estado. Benefício I - Concessão de crédito presumido de até 100% do ICMS; II - Diferimento do ICMS, nas seguintes situações: A - o imposto incidente sobre as importações de máquinas, equipamentos, peças, partes e componentes destinados aos projetos beneficiados por esta lei será recolhido no momento em que ocorrer a saída dos produtos industrializados; B - o imposto relativo ao diferencial de alíquota e devido sobre a aquisição de máquinas, equipamentos, peças, componentes e

21 materiais destinados aos projetos beneficiados por esta lei será recolhido no momento em que ocorrer a saída dos produtos industrializados; C - nas aquisições internas de máquinas, equipamentos, peças, partes, componentes e materiais destinados a integrar o ativo fixo das empresas, o imposto será de responsabilidade do estabelecimento adquirente da mercadoria, na qualidade de contribuinte substituto, e recolhido no momento em que ocorrer a saída dos produtos industrializados; D - nas importações e nas entradas provenientes do Estado do Rio de Janeiro, de matérias-primas e demais insumos (material secundário, de embalagem e intermediário), para o momento em que ocorrer a saída dos produtos industrializados com a utilização das referidas matérias-primas e insumos, hipótese em que será devido o ICMS incidente sobre essas operações de saída, não sendo exigido o pagamento do imposto diferido e nem permitido o aproveitamento de qualquer crédito relativo às operações de entrada citadas. Como participar As empresas interessadas deverão apresentar carta-consulta padronizada à Codin para avaliação. Caso o projeto seja considerado viável pela autarquia e pelo chefe do Poder Executivo, ele segue para a análise dos agentes financeiros, que darão o seu parecer sobre a viabilidade econômica e financeira. Contrapartida A empresa beneficiada fica condicionada a manter por, no mínimo, um ano a média do número de postos de trabalho existentes nos seis meses anteriores à solicitação do benefício. 21

22 Quem não pode participar Empresas consideradas inadimplentes perante os fiscos municipal, estadual ou federal ou que tenham como administradores ou controladores pessoa física ou jurídica nas mesmas condições; empresas que tenham passivo ambiental. 22

23 Lei RioMetal Institui o programa de desenvolvimento do setor metal-mecânico RioMetal Objetivo Conceder financiamento com recursos do Fundes para empresas do setor metal-mecânico localizadas no Estado do Rio de Janeiro. Beneficiados Empresas do setor metal-mecânico que se enquadrem nas situações descritas abaixo: I com projetos de instalação de novas unidades fabris, do setor metalmecânico, que impliquem em investimento fixo, igual ou superior a Ufir s-rj, e que não estejam associados à descontinuação de outras atividades fabris da mesma empresa em território fluminense; II com projetos de expansão de unidades fabris do setor metalmecânico que acarretem a ampliação de, no mínimo, 30% da capacidade produtiva e investimento fixo, igual ou superior a Ufir s-rj; III com projetos de relocalização de unidades fabris do setor metalmecânico que acarretem expansão de, no mínimo, 30% da capacidade produtiva e correspondam a um investimento fixo, igual ou superior a Ufir s-rj. Benefício Serão concedidos financiamentos para o capital de giro. O valor do financiamento será de 100% do valor da UFIR s-rj em investimento fixo a ser realizado. A liberação deste recurso ocorrerá em parcelas mensais 23

24 equivalentes a, no máximo, 9% do faturamento apurado no mês anterior a cada liberação. Os prazos de carência, utilização e amortização serão de até 60 meses. Os juros de tal financiamento serão de 6% ao ano. Como participar As empresas interessadas deverão apresentar carta-consulta padronizada à Codin para avaliação. Caso o projeto seja considerado pela autarquia e pelo chefe do Poder Executivo viável, ele segue para a análise dos agentes financeiros, que darão o seu parecer sobre a viabilidade econômica e financeira. Cabe lembrar que a liberação do financiamento está condicionada à apresentação da licença ambiental da empresa. Contrapartida A empresa beneficiada fica condicionada a manter por, no mínimo, um ano a média do número de postos de trabalho existentes nos seis meses anteriores à solicitação do benefício. Quem não pode participar Empresas consideradas inadimplentes perante o fisco municipal, estadual ou federal ou que tenham como administradores ou controladores pessoa física ou jurídica nas mesmas condições. 24

25 Lei RioInfra Institui o programa de fomento à realização de obras de infraestrutura RioInfra Objetivo Conceder financiamentos com recursos do Fundes para a realização de projetos de infraestrutura a serem realizados no Estado do Rio de Janeiro. Beneficiados Empresas que realizem obras de infraestrutura. Entende-se por obra de infraestrutura: acesso à rede de utilidade pública de energia, gás, água, coleta e destino final de esgoto e lixo, telefonia e infovia, bem como obras de acesso viário, contenção de encostas, reflorestamento, drenagem profunda, canalização e drenagem. Benefício As empresas receberão financiamento para o capital de giro. Estes financiamentos serão de 100% em relação ao investimento fixo a ser realizado. A liberação deste recurso ocorrerá em parcelas mensais de, no máximo, 9% do faturamento apurado no mês anterior a cada liberação. O prazo de utilização, carência e amortização será de até 60 meses. Os juros de tal financiamento serão de 6% ao ano. Como participar As empresas interessadas deverão apresentar carta-consulta padronizada à Codin para avaliação. Caso o projeto seja considerado pela autarquia e pelo chefe do Poder Executivo viável, ele segue para análise dos agentes financeiros que darão o seu parecer sobre a viabilidade econômica e financeira. Cabe lembrar que a liberação do financiamento está condicionada à apresentação da licença ambiental da empresa. 25

26 Contrapartida A empresa beneficiada fica condicionada a manter por, no mínimo, um ano a média do número de postos de trabalho existentes nos seis meses anteriores à solicitação do benefício. Quem não pode participar Empresas inadimplentes perante os fiscos municipal, estadual ou federal ou que tenham como administradores ou controladores pessoas físicas ou jurídicas nas mesmas condições; empresas que possuam passivos ambientais. 26

27 Lei Pró-Sepetiba Institui o programa de fomento à atividade econômica na região do Porto de Sepetiba Pró-Sepetiba Objetivo Conceder financiamento com recursos do Fundes para empresas que instalarem ou ampliarem suas unidades na região de influência do Porto de Sepetiba. Beneficiados As empresas que se instalarem na região de influência do Porto de Sepetiba e que se enquadrem nas situações descritas abaixo: I - com projetos de instalação de novos empreendimentos que impliquem em investimento fixo, igual ou superior a 500 mil Ufir s-rj, que não resultem em descontinuidade ou redução de produção de outras unidades já instaladas no estado; II - com projetos de relocalização que acarretem na expansão de, no mínimo, 30% da capacidade produtiva e correspondam a um investimento fixo, igual ou superior a Ufir s-rj; III - com projetos de expansão de novos empreendimentos que resultem na ampliação de, no mínimo, 30% da capacidade produtiva e investimento fixo, igual ou superior a Ufir s-rj. Benefício As empresas receberão financiamento para o capital de giro. Estes financiamentos serão de 150% em relação ao investimento fixo a ser realizado. A liberação deste recurso ocorrerá em parcelas mensais de, no máximo, 9% do faturamento apurado no mês anterior a cada liberação. 27

28 O prazo de utilização, carência e amortização será de até 84 meses. Os juros de tal financiamento serão de 6% ao ano. Como participar As empresas interessadas deverão apresentar carta-consulta padronizada à Codin para avaliação. Caso o projeto seja considerado pela autarquia e pelo chefe do Poder Executivo viável, ele segue para análise dos agentes financeiros, que darão o seu parecer sobre a viabilidade econômica e financeira. Cabe lembrar que a liberação do financiamento está condicionada à apresentação da licença ambiental da empresa. Contrapartida A empresa beneficiada fica condicionada a manter por, no mínimo, um ano a média do número de postos de trabalho existentes nos seis meses anteriores à solicitação do benefício. Quem não pode participar Empresas inadimplentes perante os fiscos municipal, estadual ou federal ou que tenham como administradores ou controladores pessoas físicas ou jurídicas nas mesmas condições; empresas que possuam passivos ambientais. Municípios Entende-se como área de influência os municípios de Itaguaí, Japeri, Paracambi, Queimados, Seropédica e os distritos industriais de Campo Grande e Santa Cruz. 28

29 Lei RioPortos Cria o programa de fomento e incremento à movimentação de cargas pelos portos e aeroportos do Estado do Rio de Janeiro RioPortos Objetivo Conceder incentivos fiscais e créditos para empresas de comércio internacional de movimentação de cargas pelos portos e aeroportos fluminenses, com o intuito de fomentar a atividade do estado. Beneficiados Empresas importadoras com domicílio fiscal no território fluminense, cujas mercadorias sejam desembaraçadas no Estado do Rio de Janeiro e que se enquadrem nas situações descritas abaixo: I - com programa novo de importação, com duração de até cinco anos, e valor superior a 1 milhão de Ufir s-rj por ano; II - com programa de expansão de importação, com duração de até cinco anos, de valor superior a 1 milhão de Ufir s-rj por ano ou 5% superior à média aritmética das seis maiores importações realizadas nos últimos 12 meses antes da apresentação da proposta. Benefício I - Diferimento do ICMS devido na importação para a data de saída da mercadoria, beneficiada ou não, ou para a data de seu consumo, com prazo limitado a 60 dias; II - Financiamento para o capital de giro. 29

30 Como participar As empresas interessadas deverão encaminhar carta-consulta padronizada à Codin para análise da viabilidade técnica e econômico-financeira. Contrapartida A empresa beneficiada fica condicionada a manter por, no mínimo, um ano a média do número de postos de trabalho existentes nos seis meses anteriores à solicitação do benefício. Quem não pode participar Empresas que estejam irregulares junto ao Cadastro Único do Estado do Rio de Janeiro; inscritas na dívida ativa; sejam participantes ou tenham sócio que participe de empresa inscrita na dívida ativa; estejam irregulares ou inadimplentes com parcelamentos de débitos fiscais de que sejam beneficiárias. Empresas que possuam passivo ambiental. 30

31 Lei Dispõe sobre a concessão de benefícios fiscais a indústrias do setor têxtil, aviamentos e de confecção do Estado do Rio de Janeiro Objetivo Conceder benefício fiscal pelo período de dez anos para empresas do setor têxtil que se instalarem preferencialmente em polos específicos do Estado do Rio de Janeiro. Beneficiados Estabelecimentos industriais dos setores têxtil, fabricação de artigos de tecidos, confecções de roupas e acessórios de vestuários, além dos aviamentos para costura com sede preferencialmente em determinados polos. Benefício I - Alíquotas de 2,5% (dois por cento) de ICMS sobre o valor do faturamento; II - Diferimento do pagamento de ICMS, nas operações de importação de insumos destinados ao processamento industrial, desde que realizadas pelos portos ou aeroportos do Estado do Rio de Janeiro e desembaraçadas no estado; aquisição interna de matérias-primas, embalagens e demais insumos, além de materiais secundários pelos quais a indústria, na qualidade de responsável tributário, recolherá o ICMS incidente sobre a operação de saída do remetente; transferências internas de mercadorias realizadas entre estabelecimentos industriais vinculados a um mesmo CNPJ. 31

DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LEI Nº 5636, DE 06 DE JANEIRO DE 2010. DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Construindo as Metas Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Região: Sudeste; UF: Mesorregião: Município: Angra dos Reis; Aperibé; Araruama; Areal; Armação dos Búzios; Arraial do Cabo;

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 16/2015 Rio de Janeiro, 16 de abril de 2015. Ref: Orientações para o Recolhimento da Contribuição Sindical Ilmo Provedor / Presidente / Diretor A contribuição sindical está prevista nos artigos

Leia mais

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UF Municipio RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Aperibé RJ Aperibé CNPJ Razão Social FUNDAÇÃO INSTITUTO DE DO ESTADO DO RIO DE

Leia mais

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis Teresópolis a) R$ 500,00 (quinhentos reais): Porteiro,

Leia mais

Resolução Normativa RN 259

Resolução Normativa RN 259 Resolução Normativa RN 259 (Publicada em 17/06/11, alterada pela RN 268 de 20/10/11 e complementada pela IN/DIPRO nº n 37 de 07/12/11) Gerência de Regulação 27 de janeiro de 2012 Apresentação da Norma

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.019, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Institui o Fundo de Industrialização do Acre FIAC, e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono

Leia mais

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu Apresentação: Lançado pelo SEBRAE RJ, é um roteiro turístico composto por 10 municípios do Estado do Rio de Janeiro; 3 Regiões turísticas: Metropolitana, Serra Verde Imperial, Costa do Sol - integradas

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO POR MEIO DO SiSU NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 O Reitor da Universidade

Leia mais

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 Documento preliminar Coordenação: Luiz Cesar Ribeiro Responsável: Érica Tavares da Silva Colaboração: Juciano Rodrigues e Arthur Molina 1 P á g i n a Introdução

Leia mais

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos 1/14 1a. DP 4a. DP 5a. DP 6a. DP 7a. DP 9a. DP 10a. DP 12a. DP 13a. DP Totais Praça Mauá Praça da República Mem de Sá Cidade Nova Santa Teresa Catete Botafogo Copacabana Ipanema Homicídio doloso (total)

Leia mais

RESOLUÇÃO N 007 /2014

RESOLUÇÃO N 007 /2014 RESOLUÇÃO N 007 /2014 SICME/MT - Aprovar o benefício fiscal para as empresas fornecedoras de máquinas, equipamentos e insumos às indústrias de confecções participantes dos APL(s) Arranjos Produtivos Locais

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER. Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER. Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS Corregedor JUIZ ANTONIO AUGUSTO DE TOLEDO GASPAR Diretora -

Leia mais

Municípios em Dados. SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti

Municípios em Dados. SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti Municípios em Dados SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti Equipe da Dimensão Territorial do Planejamento: Haidine da Silva Barros Duarte Francisco Filomeno Abreu Neto Paulo Cesar Figueredo

Leia mais

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES 1 Entradas de mercadorias de outros Estados sujeitas ao regime da substituição tributária no Rio Grande do Sul ( ICMS ST pago na Entrada ) Procedimentos

Leia mais

LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. CAPÍTULO XIV

LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. CAPÍTULO XIV LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. 1 CAPÍTULO XIV Dos Juízes de Direito nas Comarcas de Angra dos Reis, Araruama, Armação dos Búzios, Barra do Piraí, Belford Roxo, Bom Jesus do Itabapoana, Cabo Frio,

Leia mais

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA Tendo em vista a implantação das Áreas de Livre Comércio de Brasiléia,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA RUBRICA: FLS.: 657 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA VOTO GC-2 1593/2014 PROCESSO: TCE-RJ N o 238.182-1/13 ORIGEM: COORDENADORIA DE AUDITORIA E

Leia mais

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 Altera e acrescenta dispositivos à Lei n. 1.358, de 29 de dezembro de 2000 que Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas, Cooperativas e Associações

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO LEI N. 1.021, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Define microempresa para efeito fiscal previsto na Lei Complementar n. 48/84 e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO CARTA-CONSULTA ANEXO II AO DECRETO 4744 PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS I A EMPRESA 1.1. Caracterização e Outras Informações Razão social:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a concessão de incentivos fiscais à reciclagem. O Congresso Nacional decreta: Art. 1o. Esta Lei dispõe sobre medidas de incentivo

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Porto Alegre 26 de Julho de 2010 CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO presidencia.cft@camara.gov.br

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - de.:il/q±j0=1 O\ LEI COMPLEMENTAR N 256/03 de 1Ode Julho de 2003

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - de.:il/q±j0=1 O\ LEI COMPLEMENTAR N 256/03 de 1Ode Julho de 2003 Prefeitura Municipal de São José dos Campos Ver LC n 314/06 ~BLIC~DO (~) NO JOR~ AL BOLETIM DO MUNIClPKJ MID o o w.... Nlt) li),(-s

Leia mais

Apresentação A Investe Rio é uma instituição financeira não bancária, sociedade de economia mista com personalidade jurídica de direito privado, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia,

Leia mais

DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004 Regulamenta a Lei nº 13.833, de 27 de maio de 2004, que dispõe sobre a criação do Programa de Incentivos Seletivos para a área leste do Município de São Paulo.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

DECRETO N 38.722 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005.

DECRETO N 38.722 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. DECRETO N 38.722 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RIOTECNOLOGIA E REVOGA O DECRETO Nº 31.079, DE

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011 Apoio às MPMEs Sorocaba/SP 30 de novembro de 2011 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Infra-estrutura

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

A lei de incentivos fiscais de Campinas

A lei de incentivos fiscais de Campinas A lei de incentivos fiscais de Campinas Lei 12.802/06 com as alterações formuladas na Lei 12.653/06: A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Leia mais

REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA

REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA Em 1º de dezembro de 2004, o Congresso Nacional aprovou o Projeto de Lei de Conversão nº 53, de 2004 (Medida

Leia mais

PROGRAMA ICMS ANTECIPADO ESPECIAL COM GLOSA DE CRÉDITO. 1. O que é o Programa de ICMS ANTECIPADO GLOSA DE CRÉDITO?

PROGRAMA ICMS ANTECIPADO ESPECIAL COM GLOSA DE CRÉDITO. 1. O que é o Programa de ICMS ANTECIPADO GLOSA DE CRÉDITO? PROGRAMA ICMS ANTECIPADO ESPECIAL COM GLOSA DE CRÉDITO PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O que é o Programa de ICMS ANTECIPADO GLOSA DE CRÉDITO? R= É a cobrança do ICMS de mercadorias sujeitas à exclusão de crédito

Leia mais

BNDES - AUTOMÁTICO. Vitória - 22 de abril de 2010

BNDES - AUTOMÁTICO. Vitória - 22 de abril de 2010 BNDES - AUTOMÁTICO n Grupo: Aline Pereira Fracalossi Andrea Abreu Carlos Adriano Elika Capucho Janete Pontes Victor Henrique Vitória - 22 de abril de 2010 BNDES Automático n Finalidade Financiar projetos

Leia mais

TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015

TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015 TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015 s Centro Regional de Apoio Administrativo Institucional MUNICÍPIOS Promotorias de Justiça ÚNICAS, CÍVEIS e de Proteção à INFÂNCIA

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS Apresentação Criada em 2002 e autorizada a funcionar pelo Banco Central em 2003, entrou em operação em 2004. É uma sociedade anônima de economia mista vinculada à. Atualmente conta com um patrimônio líquido

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

ICMS Alíquota de 4% nas operações interestaduais para produtos importados

ICMS Alíquota de 4% nas operações interestaduais para produtos importados ICMS Alíquota de 4% nas operações interestaduais para produtos importados Igor Ribeiro de Oliveira Tel: +55 21 21274253 ioliveira@mayerbrown.com 22 de fevereiro 2013 Tauil & Chequer Advogados is associated

Leia mais

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO CÂMARA DOS DEPUTADOS Daniela Arantes Alves Lima Eduardo Carvalho Departamento de Economia Solidária Brasília,

Leia mais

REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO

REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO Definição Regime Especial de Tributação (RET) é um processo administrativo por meio do qual a SEF concede, em caráter individual, tratamento especial ao contribuinte, considerando

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA AS EMPRESAS SOBRE COMO FAZER O CADASTRO NA SUFRAMA.

ORIENTAÇÕES PARA AS EMPRESAS SOBRE COMO FAZER O CADASTRO NA SUFRAMA. Compilações das Informações Maria da Conceição Mira dos Santos Outubro/2014 Página 1 CARTILHA DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS SOBRE O CADASTRO DA SUFRAMA. APRESENTAÇÃO Os pequenos negócios no Amapá contam com

Leia mais

1159 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL - BARRA DA TIJUCA RIO DE JANEIRO 1096 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL ILHA GOVERNADOR RIO DE JANEIRO 1097 22 OFICIO

1159 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL - BARRA DA TIJUCA RIO DE JANEIRO 1096 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL ILHA GOVERNADOR RIO DE JANEIRO 1097 22 OFICIO Código Serventia Nome da Serventia Município 1214 RCPN 02 DISTRITO CASIMIRO DE ABREU (BARRA S. JO 1216 02 OFICIO DE JUSTICA CASIMIRO DE ABREU 1217 RCPN 01 DISTRITO CASIMIRO DE ABREU 1221 OFICIO UNICO CONCEICAO

Leia mais

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE Fevereiro/2009 SUMÁRIO 1. Medidas já Adotadas 2. Novas Medidas 2 Medidas já adotadas Prorrogação para 31/12/09 do prazo de 60 dias fora o mês para

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO Agosto de 2015 Palestra DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA NA AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS INTRERESTADUAIS Tributação do ICMS nas entradas de outra Unidade da Federação

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta as linhas de crédito dos Programas de Geração de Emprego e Renda na área Urbana - PROGER Urbano Investimento. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo

Leia mais

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado pela Lei n.º 7.827, de 27.09.1989, que regulamentou o art. 159, inciso I, alínea c, da Constituição Federal, com

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

NEGÓCIO MISSÃO. Crédito e Serviços Financeiros.

NEGÓCIO MISSÃO. Crédito e Serviços Financeiros. NEGÓCIO Crédito e Serviços Financeiros. MISSÃO Garantir acesso ao crédito, fomentando negócios, empreendedorismo e competitividade, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do Estado de Mato Grosso.

Leia mais

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.. Publicado no D.O.E n 7.942 de 09 de janeiro de 2001.. Alterada pela Lei nº 2.956, de 9 de abril de 2015 Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas,

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio fundador de Amaro, Stuber e Advogados Associados, e ADRIANA MARIA GÖDEL é advogada

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Janeiro/2014 Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Expediente

Leia mais

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Janeiro/2014 Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Expediente

Leia mais

NÚCLEO DE METALMECÂNICAS

NÚCLEO DE METALMECÂNICAS NÚCLEO DE METALMECÂNICAS Incentivos fiscais e regimes especiais de tributação. Conceito de insumos para: ICMS, IPI, COFINS e PIS. REGULARIDADE, CONTROLES ELETRÔNICOS & INCENTIVOS FISCAIS DOIS conceitos

Leia mais

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE PROPOSTAS PARA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE EM MATO GROSSO Comissão criada pela Portaria nº 030/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA ATENDIDO PTA RP 2004 1. MINUTA DE LEI

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS Manual Explicativo José Roberto Rosa Por delegação da Constituição, a Lei complementar 87/96 define : SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA EM OPERAÇÕES / PRESTAÇÕES Antecedentes

Leia mais

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO?

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? É a substituição da contribuição previdenciária patronal de 20% sobre o salário de contribuição dos empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais.

Leia mais

OBS: 2. Este material não esgota e não pretender ser material único para àqueles que decidirem implantar a NF-e. RICMS

OBS: 2. Este material não esgota e não pretender ser material único para àqueles que decidirem implantar a NF-e. RICMS OBS: 1. Este levantamento foi elaborado com base em cópia de textos do RICMS disponibilizados no site da Secretaria da Fazenda de SC em 05/12/2008 e serve como material de consulta para aqueles que querem

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000

CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000 CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000 Comarcas: Promotorias de Justiça da Infância e Juventude da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso e Promotorias de Justiça

Leia mais

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o programa de incentivo fiscal (Programa de Apoio à Inclusão e

Leia mais

GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 5.671 de 01 de Fevereiro de 1995. Publicada no DOE de: 02-02-95. GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA DISPÕE SOBRE O PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO ESTADO DE ALAGOAS - PRODESIN, E

Leia mais

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006. (ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE) O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE E O ESTADO E MUNICÍPIOS

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS REINTEGRA Medida Incentivo fiscal à exportação. Beneficiados Pessoa jurídica produtora que efetue exportação direta ou indireta. Condições Exclusivo para bens manufaturados

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS atualizado em 21/10/2015 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...5 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO...7 1.1. Saída Interna...7 1.1.1. Isenção...7 1.1.2. Crédito Presumido...7 1.2. Saída Interestadual...8

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Prazo: 6 meses (a partir publicação da medida provisória em

Prazo: 6 meses (a partir publicação da medida provisória em LINHAS DE CAPITAL INFORME DE GIRO DEMPI e SIMPLES 1/2009 NACIONAL São Paulo, 04 de fevereiro de 2009. Prezado O Departamento Presidente encontro ampliar com as suas da Micro, propostas Pequena e objetivos,

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS. (atualizado até 28.04.2015)

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS. (atualizado até 28.04.2015) (atualizado até 28.04.2015) ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO... 4 1.1. SAÍDA INTERNA... 4 1.1.1. Isenção... 4 1.1.2. Crédito Presumido... 4 1.2. SAÍDA INTERESTADUAL...

Leia mais

IPI ICMS - DF/GO/TO LEGISLAÇÃO - DF LEGISLAÇÃO - TO ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009

IPI ICMS - DF/GO/TO LEGISLAÇÃO - DF LEGISLAÇÃO - TO ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009 ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009 IPI SUSPENSÃO - LEI Nº 10.637/2002 - PROCEDIMENTOS Introdução - Estabelecimentos Com Direito à Suspensão - Preponderância de Faturamento

Leia mais

Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro

Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro Nº 20080101 Janeiro - 2008 Fernando Cavallieri, Fabrício Leal de Oliveira - IPP/Prefeitura

Leia mais

CRÉDITOS DE ICMS: ALTERNATIVAS E SOLUÇÕES PARA EMPRESAS

CRÉDITOS DE ICMS: ALTERNATIVAS E SOLUÇÕES PARA EMPRESAS CRÉDITOS DE ICMS: ALTERNATIVAS E SOLUÇÕES PARA EMPRESAS Melhoria de fluxo de caixa, através de regimes especiais que visem a desoneração do ICMS nas importações, aquisições de fornecedores e utilização

Leia mais

EMPRESA DE REFEIÇÕES COLETIVAS

EMPRESA DE REFEIÇÕES COLETIVAS (atualizado em 19/09/2013) 2 ÍNDICE 1. REGRAS GERAIS...5 2. CREDENCIAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO CRÉDITO PRESUMIDO...6 3. RECUPERAÇÃO DOS CRÉDITOS RELATIVOS À MERCADORIA SUJEITA AO REGIME DE ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA...7

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009 O BNDES Mais Perto de Você julho de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Subsidiárias BNDESPar

Leia mais

Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes

Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes Jurisdição das cidades da 7ª Região. Delegacia Cidade/Bairro* Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes Pinheiral Pirai

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO E DOS ASSUNTOS INTERNACIONAIS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO E DOS ASSUNTOS INTERNACIONAIS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO E DOS ASSUNTOS INTERNACIONAIS Resolução Normativa nº 05/03 FUNDOPEM/RS E INTEGRAR/RS (Com alterações introduzidas pela Resolução Normativa nº 04/2004

Leia mais

INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Rio de Janeiro - 2010 Lista de Abreviaturas e Siglas FOB Significa livre a bordo (free on board) o vendedor encerra suas obrigações quando a mercadoria

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

PROGRAMAS DE INCENTIVO

PROGRAMAS DE INCENTIVO PROGRAMAS DE INCENTIVO SANTA CATARINA Arrecadação Tributária R$ (milhões) Repasse Municípios ICMS... 7.180 (325 Simples)... 25% IPVA... 583... 50% ITCMD... 49 ICMS Arrecadação por setor Serviços 26,66%

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 2030, DE 10 DE MARÇO DE 2009 PUBLICADA NO DOE Nº 1200, DE 11.03.09

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 2030, DE 10 DE MARÇO DE 2009 PUBLICADA NO DOE Nº 1200, DE 11.03.09 CONSOLIDADA, ALTERADA PELA LEI Nº: 2077, DE 12.05.09, DOE Nº 1242, DE 13.05.09; 2189, DE 25.11.09, DOE Nº 1376, DE 26.11.09. LEI Nº 2030, DE 10 DE MARÇO DE 2009 PUBLICADA NO DOE Nº 1200, DE 11.03.09 Institui

Leia mais

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006 Governo do Estado Institui o Programa de Ação Cultural - PAC, e dá providências correlatas. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich *

COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich * COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich * Como introdução ao tema, algumas observações se fazem necessárias. Primeiro, deve ser considerado que se trata de um

Leia mais

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Prof. :Dalton Dutra Objetivo Estimular a participação de graduados em cursos de

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 TRIBUTOS FEDERAIS EXPORTAÇÃO INDIRETA - CONSIDERAÇÕES BÁSICAS... ICMS - MS/MT/RO ENTREGA FUTURA - PROCEDIMENTOS... LEGISLAÇÃO

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Novembro 2009 DEPARTAMENTO REGIONAL NORDESTE - DENOR O que apoiamos Projetos de investimento em indústria, comércio e serviços aumento da capacidade

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários Notíci as Artigo s Página 1 de 5 @estadao.com.br :;):: ''(**. e-mail: senha: Esqueceu sua senha? Cadastre-se Artigos > Empresarial ÍNDICE IMPRIMIR ENVIAR COMENTAR aaa Incentivo fiscal MP do Bem permite

Leia mais

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG 12/06/2014 Pergunte à CPA Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG Apresentação: Helen Mattenhauer Convênio e Protocolos CONVÊNIO: Constitui um acordo entre os Estados, cujo elaboração tem por

Leia mais

Incentivos Fiscais. Conselho de Desenvolvimento Econômico do Estado do Tocantins. Secretaria da Indústria e do Comércio

Incentivos Fiscais. Conselho de Desenvolvimento Econômico do Estado do Tocantins. Secretaria da Indústria e do Comércio Incentivos Fiscais Conselho de Desenvolvimento Econômico do Estado do Tocantins Secretaria da Indústria e do Comércio março de 2012 1 Conselho de Desenvolvimento Econômico do Estado do Tocantins Lei nº

Leia mais

ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos. ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos

ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos. ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos Nas relações de comércio é muito comum, por motivos como mercadoria em desacordo com o pedido, qualidade insatisfatória, não observância de

Leia mais