9 Correlação e Regressão. 9-1 Aspectos Gerais 9-2 Correlação 9-3 Regressão 9-4 Intervalos de Variação e Predição 9-5 Regressão Múltipla

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "9 Correlação e Regressão. 9-1 Aspectos Gerais 9-2 Correlação 9-3 Regressão 9-4 Intervalos de Variação e Predição 9-5 Regressão Múltipla"

Transcrição

1 9 Correlação e Regressão 9-1 Aspectos Gerais 9-2 Correlação 9-3 Regressão 9-4 Intervalos de Variação e Predição 9-5 Regressão Múltipla 1

2 9-1 Aspectos Gerais Dados Emparelhados há uma relação? se há, qual é a equação? usar a equação para predição 2

3 9-2 Correlação 3

4 Definição Correlação existe entre duas variáveis quando uma delas está, de alguma forma, relacionada com a outra. 4

5 Suposições 1. A amostra de dados emparelhados (x,y) é uma amostra aleatória. 2. Os pares de dados (x,y) tem uma distribuição normal bivariada. 5

6 Definição Diagrama de Dispersão é um gráfico de dados amostrais emparelhados (x,y) com o eixo x horizontal e o eixo y vertical. Cada par individual (x,y) é plotado como um ponto. 6

7 Diagrama de Dispersão 7

8 Correlação Linear Positiva y y y (a) Positiva x (b) Positiva Forte x (c) Positiva Perfeita x Figura 9-1 Diagramas de Dispersão 8

9 Correlação Linear Negativa y y y (d) Negativa x (e) Negativa Forte x (f) Negativa Perfeita x Figura 9-1 Diagramas de Dispersão 9

10 Sem Correlação Linear y y (g) Não há Correlação x (h) Correlação não-linear x Figura 9-1 Diagramas de Dispersão 10

11 Notação S xx = Σ(x x) - 2 = (Σx 2 ) n( x - ) 2 S yy = Σ(y y) - 2 = (Σy 2 ) n( y - ) 2 S xy = Σ (x x)(y - y) - = (Σxy) n( x - )( y - ) 11

12 Definição Coeficiente de Correlação Linear r mede o grau de relacionamento linear entre os valores emparelhados x e y em uma amostra r = S xy (S xx ) (S yy ) Fórmula 9-1 Calculadoras podem fornecer r ρ (rô) é o coeficiente de correlação linear de todos os dados emparelhados da população. 12

13 Notação para o Coeficiente de Correlação Linear n Σ número de pares de dados presentes denota a adição dos itens indicados. Σx denota a soma de todos os valores de x. Σx 2 (Σx) 2 Σxy r ρ indica que devemos ao quadrado cada valor de x e somar os resultados. indica que devemos somar os valores de x e elevar o total ao quadrado. indica que devemos multiplicar cada valor de x pelo valor correspondente de y e somar então todos estes produtos. representa o coeficiente de correlação linear para uma amostra. representa o coeficiente de correlação linear para uma população 13

14 Interpretando o Coeficiente de Correlação Linear Se o valor absoluto de r excede o valor na Tabela A - 6, concluímos que há correlação linear significativa. Caso contrário, não há evidência suficiente para apoiar a existência de uma correlação linear significativa. 14

15 TABELA A-6 Valores Críticos do Coeficiente de Correlação de Pearson r n α =.05 α =.01,950,878,811,754,707,666,632,602,576,553,532,514,497,482,468,456,444,396,361,335,312,294,279,254,236,220,207,196,999,959,917,875,834,798,765,735,708,684,661,641,623,606,590,575,561,505,463,430,402,378,361,330,305,286,269,256 15

16 Propriedades do Coeficiente de Correlação Linear r r 1 2. O valor de r não varia se todos os valores de qualquer uma das variáveis são convertidos para uma escala diferentes. 3. O valor de r não é afetado pela escolha de x ou y. Permutando todos os valores de x e y, o valor de r permanecerá inalterado. 4. r mede a intensidade, ou grau, de um relacionamento linear. 16

17 Erros Comuns Envolvendo Correlação 1. Causalidade: É errado concluir que correlação implica causalidade. 2. Médias ou Taxas: Taxas ou médias suprimem a variação individual e podem inflacionar o coeficiente de correlação. 3. Linearidade: Pode haver alguma relação entre x e y mesmo quando não há correlação linear significativa. 17

18 Erros Comuns Envolvendo Correlação FIGURA Distância (pés) Tempo (segundos) Diagrama de dispersão da distância acima do solo e do tempo para um objeto lançado para cima 18

19 Teste de Hipótese Formal Para determinar se existe uma correlação linear significativa entre duas variáveis Dois métodos Ambos métodos utilizam: H 0 : ρ = 0 (não há correlação linear significativa) H 1 : ρ 0 (correlação linear significativa) 19

20 Método 1: Estatística de Teste é t (segue formato apresentado anteriormente) Estatística de Teste: t = r 1 - r 2 n -2 Valores Críticos: utilizar a Tabela A-3 com graus de liberdade = n -2 20

21 Método 1: Estatística de Teste é t (segue formato apresentado anteriormente) Figura

22 Método 2: Estatística de Teste é r (exige menos cálculos) Estatística de teste: r Valores críticos: Consulte a Tabela A-6 (não há graus de liberdade) Rejeitar ρ = 0 Não rejeitar ρ = 0 Rejeitar ρ = 0-1 Figura 9-5 r = - 0,811 0 r = 0,811 1 Valor amostral: r = 0,828 22

23 FIGURA 9-3 Teste para a Correlação Linear Início Seja: H 0 : ρ = 0 H 1 : ρ 0 Escolha um nível de significância l α Calcule r com a Fórmula 9-1 MÉTODO 1 MÉTODO 2 A estatística de teste é r t = 1 - r 2 n -2 Os valores críticos de t estão na Tabela A-3, ( n -2 graus de liberdade) A estatística de teste é r Os valores críticos de r encontram-se na Tabela A-6 Se o valor absoluto da estatística de teste excede os valores críticos, rejeitar H 0 : ρ = 0 Caso contrário, não rejeitar H 0 Se H 0 é rejeitada, concluir que há Correlação linear significativa. Se H 0 não é rejeitada, então não há evidência suficiente para concluir pela existência de uma correlação linear. 23

24 Há correlação linear significativa? Dados do Projeto do Lixo: Análise de plástico descartado x Plástico (kg) y Tamanho da residência 0, , , ,284 n = 8 α = 0,05 H 0 : ρ = 0 6 H 1 :ρ 0 0, , , ,383 5 Estatística de teste é r = 0,842 24

25 Há correlação linear significativa? n = 8 α = 0,05 H 0 : ρ = 0 H 1 :ρ 0 Estatística de teste é r = 0,842 Valores críticos são r = - 0,707 e 0,707 (Tabela A-6 com n = 8 e α = 0,05) TABELA A-6 Valores Críticos do Coeficiente de Correlação de Pearson r n α =,05 α =,01,950,878,811,754,707,666,632,602,576,553,532,514,497,482,468,456,444,396,361,335,312,294,279,254,236,220,207,196,999,959,917,875,834,798,765,735,708,684,661,641,623,606,590,575,561,505,463,430,402,378,361,330,305,286,269,256 25

26 Há correlação linear significativa? 0,842 > 0,707, ou seja, a estatística de teste está na região crítica. REJEITAMOS, pois, H 0 : ρ = 0 (ausência de correlação) e concluímos que há correlação linear significativa entre o Peso de plástico descartado e o tamanho das residências. Rejeitar ρ = 0 Não Rejeitar ρ = 0 Rejeitar ρ = 0-1 r = - 0,707 0 r = 0,707 1 Dados amostrais: r = 0,842 26

27 Justificação para a Fórmula de r Fórmula 9-1 é desenvolvida de Σ (x -x) (y -y) r = (x, y) centróide dos pontos (n -1) s x s y 24 y x = 3 x - x = 7-3 = 4 (7, 23) da amostra 20 y - y = = II Quadrante III Quadrante (x, y) I Quadrante IV Quadrante x y = 11 FIGURA

28 Definição 9-3 Regressão Equação de Regressão Dada uma coleção de dados amostrais emparelhados, a equação de regressão y ^ = b 0 + b 1 x descreve a relação entre as duas variáveis Reta de Regressão (reta de melhor ajuste ou reta de mínimos quadrados) o gráfico da equação de regressão 28

29 Reta de Regressão em Diagrama de Dispersão 29

30 A Equação de Regressão x é a variável independente (variável preditora) ^y é a variável dependente (variável resposta) y ^= b +b x 0 1 y = mx +b b 0 = y - intercepto b 1 = inclinação 30

31 Notação para a Equação de Regressão Parâmetro Populacional Estatística Amostral y-intercepto da equação de regressão β 0 b 0 Inclinação da equação de regressão β 1 b 1 Equação da reta de regressão y = β 0 + β 1 x y ^ = b 0 + b 1 x 31

32 Suposições 1. Estamos investigando apenas relações lineares. 2. Para um dado valor de x, y é uma variável aleatória com distribuição normal (em forma de sino). Todas essas distribuições de y tem a mesma variância. E ainda, para um dado valor de x, a média da distribuição dos valores de y está sobre a reta de regressão. (Os resultados não são afetados seriamente se os desvios da normalidade e da igualdade da variância não são grandes.) 32

33 Fórmula para b 0 e b 1 Fórmula b 0 = y - b 1 x (intercepto y) Fórmula 9-3 b 1 = (S xy ) (S xx ) (coeficiente angular Calculadoras ou computadores podem determinar estes valores Fórmula

34 A reta de regressão é a que melhor se ajusta aos pontos amostrais. 34

35 Predições Ao predizer um valor de y com base em determinado valor de x Se não há uma correlação linear significativa, o melhor valor predito de y é y. 2. Se há uma correlação linear significativa, obtém-se o melhor valor predito de y substituindo-se o valor de x na equação de regressão. 35

36 FIGURA 9-7 Predizendo o Valor de uma Variável Iniciar Calcular r e testar a hipótese que ρ = 0 Há correlação linear significativa? Não Dado um valor arbitrário de uma variável, o melhor valor Predito da outra variável é sua média amostral. Sim Utilizar a equação de regressão para fazer predições. Levar o valor Dado na equação de regressão. 36

37 Diretrizes para o Uso da Equação de Regressão 1. Se não há correlação linear significativa, não use a equação de regressão para fazer predições. 2. Ao aplicar a equação de regressão para predições, mantenha-se dentro do âmbito dos dados amostrais. 3. Uma equação de regressão baseada em dados passados não é necessariamente válida hoje. 4. Não devemos fazer predições sobre uma população diferente daquela de onde provêm os dados amostrais. 37

38 Qual é a melhor predição do tamanho de uma residência que descarta 0,227 kg de plástico? Dados do Projeto Lixo: Análise de plástico descartado x Plástico (kg) y Tamanho da residência 0, , , ,284 Usando uma calculadora: b 0 = 0, , , , ,383 5 b 1 = 3,263 y = 0, ,263 (0,227) y = 1,29 Uma residência que que descarta 0,227 kg de plástico tem aproximadamente uma pessoa. 38

39 Definições Variação Marginal a quantia que uma variável varia quando a outra variável sofre uma variação de exatamente 1 unidade Outlier um ponto que está muito afastado dos demais pontos. Pontos de Influência pontos que afetam fortemente o gráfico da reta de regressão. 39

40 Resíduos e Propriedade de Resíduos Mínimos Quadrados Definições dado um par de dados amostrais (x,y), um resíduo é a diferença (y - y) ^ entre um valor amostral observado y e ^ o valor y predito com base na equação de regressão. Propriedade dos Mínimos Quadrados Uma reta verifica a propriedade dos mínimos quadrados se a soma dos quadrados dos resíduos é a menor possível. 40

41 Resíduos e a Propriedade dos Mínimos Quadrados x y y = 5 + 4x ^ FIGURA y Resíduo = 11 Resíduo = Resíduo = 7 Resíduo = -13 x 41

42 9-4 Intervalo de Variação e de Predição 42

43 Definições Desvio Total (de um particular ponto (x, y) em relação à média) é a distância vertical y - y, que é a distância entre o ponto (x, y) e a reta horizontal que passa pela média amostral y. Desvio Explicado ^ é a distância vertical y - y, que é a distância entre o valor predito y e a reta horizontal que passa pela média amostral y. Desvio não-explicado ^ é a distância vertical y - y, que é a distância vertical entre o ponto (x, y) e a reta de regressão. (A distância y - ^y também é chamada resíduo, definido na Seção 9-3.) 43

44 Figura 9-9 Desvios: Não-explicado, Explicado e Total y Desvio total (y - y) y ^ = 3 + 2x (5, 19) (5, 13) (5, 9) y = 9 Desvio não-explicado (y - y) ^ Desvio explicado (y ^ - y) x 44

45 (desvio total) = (desvio explicado) + (desvio não-explicado) ^ (y - y) = (y - y) + (y - y) ^ (variação total) = (variação explicada) + (variação não-explicada) Σ (y - y) 2 = Σ (y ^- y) 2 + Σ ^ (y - y) 2 Fórmula

46 Definição Coeficiente de determinação é o valor da variação de y que é explicado pela reta de regressão R 2 = variação explicada. variação total ou simplesmente o quadrado de r (determinado pela Fórmula 9-1, seção 9-2) 46

47 Intervalos de Predição Definição Erro-padrão da estimativa é uma medida das diferenças (ou distâncias) entre os valores amostrais y observados e os valores preditos y^ obtidos através da reta de regressão. 47

48 Erro-padrão da Estimativa s e = Σ (y - y) 2 n -2 ^ ou s e = Σ y 2 -b 0 Σ y - b 1 Σ xy n -2 Fórmula

49 Intervalo de Predição para um ^ determinado y ^ y - E < y < y + E onde E = t α /2 s e n (x 0 x ) 2 S xx x 0 representa o valor dado de x t α /2 tem n - 2 graus de liberdade 49

50 9-5 Regressão Múltipla Definição Equação de Regressão Múltipla Um relacionamento linear entre uma variável dependente y e duas ou mais variáveis independentes (x 1, x 2, x 3..., x k ) ^y = b 0 + b x b x b x k k 50

51 Notação ^ y = b 0 + b 1 x 1 + b 2 x 2 + b 3 x b k x k (Forma geral da equação de regressão múltipla estimada) n = tamanho da amostra k = número de variáveis independentes ^ y = valor predito da variável dependente y x 1, x 2, x 3..., x k são as variáveis independentes 51

52 Notação ß 0 = intercepto y, ou valor de y quando todas as variáveis preditoras são 0. b 0 = estimativa de ß 0 baseada nos dados amostrais ß 1, ß 2, ß 3..., ß k são os coeficientes das variáveis independentes x 1, x 2, x 3..., x k b 1, b 2, b 3..., b k são as estimativas amostrais dos coeficientes ß 1, ß 2, ß 3..., ß k 52

53 Definições R 2 Ajustado Coeficiente de determinação múltipla uma medida do grau de ajustamento da equação de regressão múltipla aos dados amostrais Coeficiente de determinação ajustado o coeficiente múltiplo de determinação R 2 modificado de modo a levar em conta o número de variáveis e o tamanho da amostra. 53

54 R 2 Ajustado R 2 Ajustado = 1 - (n - 1) [n - (k + 1)] (1 - R 2 ) Fórmula 9-7 onde n = tamanho da amostra k = número de variáveis independentes (x) 54

55 Determinação da Melhor Equação de Regressão Múltipla 1. Use o bom senso e considerações de ordem prática para incluir ou excluir variáveis. 2. Em vez de incluir todas as variáveis disponíveis, inclua um número relativamente pequeno de variáveis independentes (x), eliminando as variáveis independentes que não tenham influência na variável dependente. 3. Escolha uma equação que tenha um valor de R 2 ajustado com esta propriedade: Se se inclui uma variável independente adicional, o valor de R 2 ajustado não é aumentado substancialmente. 4. Para um dado número de variáveis independentes (x), escolha a equação com o maior valor ajustado R Escolha uma equação que tenha significância global, tal como determinada pelo valor P na tela do computador. 55

REGRESSÃO E CORRELAÇÃO

REGRESSÃO E CORRELAÇÃO Vendas (em R$) Disciplina de Estatística 01/ Professora Ms. Valéria Espíndola Lessa REGRESSÃO E CORRELAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A regressão e a correlação são duas técnicas estreitamente relacionadas que envolvem

Leia mais

Gabarito da 1 a Lista de Exercícios de Econometria II

Gabarito da 1 a Lista de Exercícios de Econometria II Gabarito da 1 a Lista de Exercícios de Econometria II Professor: Rogério Silva Mattos Monitor: Delano H. A. Cortez Questão 1 Considerando que o modelo verdadeiro inicialmente seja o seguinte: C = a + 2Y

Leia mais

9 Regressão linear simples

9 Regressão linear simples 9 Regressão linear simples José Luis Duarte Ribeiro Carla ten Caten COMENTÁRIOS INICIAIS Em muitos problemas há duas ou mais variáveis que são relacionadas e pode ser importante modelar essa relação. Por

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social

Estatística Aplicada ao Serviço Social Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 7: Correlação e Regressão Linear Simples Introdução Coeficientes de Correlação entre duas Variáveis Coeficiente de Correlação Linear Introdução. Regressão

Leia mais

IND 1115 Inferência Estatística Aula 6

IND 1115 Inferência Estatística Aula 6 Conteúdo IND 5 Inferência Estatística Aula 6 Setembro de 004 A distribuição Lognormal A distribuição Beta e sua relação com a Uniforme(0,) Mônica Barros mbarros.com mbarros.com A distribuição Lognormal

Leia mais

ANÁLISE DOS RESÍDUOS. Na análise de regressão linear, assumimos que os erros E 1, E 2,, E n satisfazem os seguintes pressupostos:

ANÁLISE DOS RESÍDUOS. Na análise de regressão linear, assumimos que os erros E 1, E 2,, E n satisfazem os seguintes pressupostos: ANÁLISE DOS RESÍDUOS Na análise de regressão linear, assumimos que os erros E 1, E 2,, E n satisfazem os seguintes pressupostos: seguem uma distribuição normal; têm média zero; têm variância σ 2 constante

Leia mais

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARAN PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Estatística II Aula 8 Profa. Renata G. Aguiar Considerações Coleta de dados no dia 18.05.2010. Aula extra

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

Material exclusivo para o livro ESTATÍSTICA (São Paulo, Pleiade, 2008). Proibida a reprodução, sob pena da lei.

Material exclusivo para o livro ESTATÍSTICA (São Paulo, Pleiade, 2008). Proibida a reprodução, sob pena da lei. Regressão Linear marcoscgarcia@gmail.com 2008). Proibida a reprodução, sob pena da lei. 1 O modelo estatístico de Regressão Linear Simples Regressão linear simples é usado para analisar o comportamento

Leia mais

Aula 2 Regressão e Correlação Linear

Aula 2 Regressão e Correlação Linear 1 ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE Aula Regressão e Correlação Linear Professor Luciano Nóbrega Regressão e Correlação Quando consideramos a observação de duas ou mais variáveis, surge um novo problema: -as

Leia mais

Medidas de Dispersão. Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação

Medidas de Dispersão. Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação Medidas de Dispersão Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação Introdução Estudo de medidas que mostram a dispersão dos dados em torno da tendência central Analisaremos as seguintes

Leia mais

Nessa situação, a média dessa distribuição Normal (X ) é igual à média populacional, ou seja:

Nessa situação, a média dessa distribuição Normal (X ) é igual à média populacional, ou seja: Pessoal, trago a vocês a resolução da prova de Estatística do concurso para Auditor Fiscal aplicada pela FCC. Foram 10 questões de estatística! Não identifiquei possibilidade para recursos. Considero a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO 3 ENGENHARIA AMBIENTAL LISTA DE EXERCÍCIOS 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO 3 ENGENHARIA AMBIENTAL LISTA DE EXERCÍCIOS 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO 3 ENGENHARIA AMBIENTAL LISTA DE EXERCÍCIOS 4 Disciplina: Estatística I 1. Dado que z é uma variável aleatória normal padrão, calcule as

Leia mais

Estimativas e Tamanhos de Amostras

Estimativas e Tamanhos de Amostras Estimativas e Tamanhos de Amostras 1 Aspectos Gerais 2 Estimativa de uma Média Populacional: Grandes Amostras 3 Estimativa de uma Média Populacional: Pequenas Amostras 4 Tamanho Amostral Necessário para

Leia mais

Estatística e Probabilidade

Estatística e Probabilidade Teste de hipóteses Objetivo: Testar uma alegação sobre um parâmetro: Média, proporção, variação e desvio padrão Exemplos: - Um hospital alega que o tempo de resposta de sua ambulância é inferior a dez

Leia mais

Medidas de Dispersão 1

Medidas de Dispersão 1 Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Medidas de Dispersão 1 Introdução Uma breve reflexão sobre as medidas de tendência central permite-nos concluir que elas não

Leia mais

Soluções da Colectânea de Exercícios

Soluções da Colectânea de Exercícios Soluções da Colectânea de Exercícios (Edição de Fevereiro de 2003) Capítulo 1 1.1 d) x = 3.167; s = 0.886 (dados não agrupados) e) mediana = x = 3.25; q 1 = 2.4 ; q 3 = 3.9 1.2 a) x = 2.866 ; x = 3; moda

Leia mais

Palavras-chave: Correlação entre variáveis. Definição de regressões para determinação de lucro.

Palavras-chave: Correlação entre variáveis. Definição de regressões para determinação de lucro. DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v4n11p9-20 PROGRAMAÇÃO LINEAR E OS CUSTOS PARA PLANEJAMENTO Valter Augusto Krauss Contador, professor da Furb, Mestre em Contabilidade e Controladoria pela

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação, Análise Fatorial e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação, Análise Fatorial e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação, Análise Fatorial e Regressão Ernesto F. L. Amaral 27 de setembro, 02 e 04 de outubro de 2012 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução

Leia mais

HEP Bioestatística

HEP Bioestatística HEP 57800 Bioestatística DATA Aula CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 05/03 Terça 1 Níveis de mensuração, variáveis, organização de dados, apresentação tabular 07/03 Quinta 2 Apresentação tabular e gráfica 12/03 Terça

Leia mais

Metas/ Objetivos Conceitos/ Conteúdos Aulas Previstas

Metas/ Objetivos Conceitos/ Conteúdos Aulas Previstas DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: Matemática A (11º Ano) METAS CURRICULARES/CONTEÚDOS... 1º Período (15 de setembro a 16 de dezembro) Metas/ Objetivos Conceitos/ Conteúdos Aulas Previstas

Leia mais

Turma: Engenharia Data: 12/06/2012

Turma: Engenharia Data: 12/06/2012 DME-IM-UFRJ - 2ª Prova de Estatística Unificada Turma: Engenharia Data: 12/06/2012 1 - Admita que a distribuição do peso dos usuários de um elevador seja uma Normal com média 75kg e com desvio padrão 15kg.

Leia mais

MINICURSO. Uso da Calculadora Científica Casio Fx. Prof. Ms. Renato Francisco Merli

MINICURSO. Uso da Calculadora Científica Casio Fx. Prof. Ms. Renato Francisco Merli MINICURSO Uso da Calculadora Científica Casio Fx Prof. Ms. Renato Francisco Merli Sumário Antes de Começar Algumas Configurações Cálculos Básicos Cálculos com Memória Cálculos com Funções Cálculos Estatísticos

Leia mais

7. Testes de Hipóteses

7. Testes de Hipóteses 7. Testes de Hipóteses Suponha que você é o encarregado de regular o engarrafamento automatizado de leite numa determinada agroindústria. Sabe-se que as máquinas foram reguladas para engarrafar em média,

Leia mais

Teste de hipóteses. Estatística Aplicada Larson Farber

Teste de hipóteses. Estatística Aplicada Larson Farber 7 Teste de hipóteses Estatística Aplicada Larson Farber Seção 7.1 Introdução ao teste de hipóteses Uma hipótese estatística é uma alegação sobre uma população. A hipótese nula H 0 contém uma alternativa

Leia mais

AULA 11 Heteroscedasticidade

AULA 11 Heteroscedasticidade 1 AULA 11 Heteroscedasticidade Ernesto F. L. Amaral 30 de julho de 2012 Análise de Regressão Linear (MQ 2012) www.ernestoamaral.com/mq12reg.html Fonte: Wooldridge, Jeffrey M. Introdução à econometria:

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 Conceitos preliminares 1. CAPÍTULO 2 Descrição de dados: análise monovariada 47

Sumário. CAPÍTULO 1 Conceitos preliminares 1. CAPÍTULO 2 Descrição de dados: análise monovariada 47 CAPÍTULO 1 Conceitos preliminares 1 Introdução........................................................1 O que é estatística?.................................................. 4 Papel dos microcomputadores.........................................

Leia mais

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A. Estatística. António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A. Estatística. António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A Estatística António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo O tema da Estatística nos Cursos Científico-Humanísticos de

Leia mais

X 1 X 2 Y

X 1 X 2 Y Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À GESTÃO Ficha de exercícios 3 Regressão Múltipla 2015/2016 1. Considere os seguintes dados: X 1 X 2 Y 8 0.7 1.8 1.8 6 6.4

Leia mais

Estatística para Cursos de Engenharia e Informática

Estatística para Cursos de Engenharia e Informática Estatística para Cursos de Engenharia e Informática BARBETTA, Pedro Alberto REIS, Marcelo Menezes BORNIA, Antonio Cezar MUDANÇAS E CORREÇOES DA ª EDIÇÃO p. 03, após expressão 4.9: P( A B) = P( B A) p.

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva C E N T R O D E M A T E M Á T I C A, C O M P U T A Ç Ã O E C O G N I Ç Ã O UFABC Estatística Descritiva Centro de Matemática, Computação e Cognição March 17, 2013 Slide 1/52 1 Definições Básicas Estatística

Leia mais

Estatística e Probabilidade

Estatística e Probabilidade Correlação Estatística e Probabilidade Uma correlação é uma relação entre duas variáveis. Os dados podem ser representados por pares ordenados (x,y), onde x é a variável independente ou variável explanatória

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José 1/44

Prof. MSc. David Roza José 1/44 1/44 Regressão Linear Objetivos: Familiarizar-se com estatística descritiva e distribuição normal; Saber como calcular coeficientes angular e linear da reta de melhor ajuste com regressão linear; Saber

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o 206-207 DISCIPLINA / ANO: Matemática A - ºano MANUAL ADOTADO: NOVO ESPAÇO - Matemática A º ano GESTÃO DO TEMPO Nº de Nº de Nº de tempos tempos tempos

Leia mais

Distribuição Normal de Probabilidade

Distribuição Normal de Probabilidade Distribuição Normal de Probabilidade 1 Aspectos Gerais 2 A Distribuição Normal Padronizada 3 Determinação de Probabilidades 4 Cálculo de Valores 5 Teorema Central do Limite 1 1 Aspectos Gerais Variável

Leia mais

Faturamento de Restaurantes

Faturamento de Restaurantes Faturamento de Restaurantes Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2016 G. A. Paula (IME-USP) Faturamento de Restaurantes 2 o Semestre 2016 1 / 29

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica. MOQ-13 Probabilidade e Estatística

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica. MOQ-13 Probabilidade e Estatística Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica MOQ-13 Probabilidade e Estatística Profa. Denise Beatriz Ferrari www.mec.ita.br/ denise denise@ita.br 16/11/2011 Testes de

Leia mais

MB-210 Probabilidade e Estatística

MB-210 Probabilidade e Estatística Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica MB-210 Probabilidade e Estatística Profa. Denise Beatriz Ferrari www.mec.ita.br/ denise denise@ita.br 2o. semestre/2013 Testes

Leia mais

Métodos Estatísticos Básicos

Métodos Estatísticos Básicos Aula 4 - Medidas de dispersão Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Abril de 2014 Amplitude total Amplitude total: AT = X max X min. É a única medida de dispersão que não tem

Leia mais

X e Y independentes. n + 1 m

X e Y independentes. n + 1 m DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA / CCEN / UFPA Disciplina: Inferência I Prof: Regina Tavares 5.0. TESTE DE HIPÓTESES PARA DUAS POPULAÇÕES 5.0.. Duas Populações Normais independentes : X, X 2,, X n uma a.a.

Leia mais

CORRELAÇÃO LINEAR, TIPOS DE CORRELAÇÃO. REGRESSÃO LINEAR PELO ESTUDO DA CORRELAÇÃO E UTILIZANDO OS MÍNIMOS QUADRADOS

CORRELAÇÃO LINEAR, TIPOS DE CORRELAÇÃO. REGRESSÃO LINEAR PELO ESTUDO DA CORRELAÇÃO E UTILIZANDO OS MÍNIMOS QUADRADOS CORRELAÇÃO LINEAR, TIPOS DE CORRELAÇÃO. REGRESSÃO LINEAR PELO ESTUDO DA CORRELAÇÃO E UTILIZANDO OS MÍNIMOS QUADRADOS META Avaliar o grau de relacionamento entre variáveis e a tendência das mesmas com base

Leia mais

Estatística Indutiva

Estatística Indutiva Estatística Indutiva MÓDULO 7: INTERVALOS DE CONFIANÇA 7.1 Conceitos básicos 7.1.1 Parâmetro e estatística Parâmetro é a descrição numérica de uma característica da população. Estatística é a descrição

Leia mais

6 Intervalos de confiança

6 Intervalos de confiança 6 Intervalos de confiança Estatística Aplicada Larson Farber Seção 6.1 Intervalos de confiança para a média (amostras grandes) Estimativa pontual DEFINIÇÃO: Uma estimativa pontual é a estimativa de um

Leia mais

Testes t para médias

Testes t para médias Testes t para médias 1-1 Testes t para médias Os testes t aplicam-se tanto a amostras independentes como a amostras emparelhadas. Servem para testar hipóteses sobre médias de uma variável quantitativa

Leia mais

29 e 30 de julho de 2013

29 e 30 de julho de 2013 Introdução à Programa de Pós-Graduação em Estatística e Experimentação Agronômica ESALQ/USP 29 e 30 de julho de 2013 Dia 1 - Conteúdo 1 2 3 Alguns softwares recomen: R (Livre) /www.r-project.org/ SAS (SAS

Leia mais

APONTAMENTOS DE SPSS

APONTAMENTOS DE SPSS Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar APONTAMENTOS DE SPSS Rui Magalhães 2010-1 - - 2 - Menu DATA Opção SPLIT FILE Permite dividir, de uma forma virtual, o ficheiro em diferentes ficheiros com

Leia mais

AULA 19 Análise de Variância

AULA 19 Análise de Variância 1 AULA 19 Análise de Variância Ernesto F. L. Amaral 18 de outubro de 2012 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro: LTC. Capítulo

Leia mais

Análise de Regressão. Notas de Aula

Análise de Regressão. Notas de Aula Análise de Regressão Notas de Aula 2 Modelos de Regressão Modelos de regressão são modelos matemáticos que relacionam o comportamento de uma variável Y com outra X. Quando a função f que relaciona duas

Leia mais

Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016)

Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016) Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016) Skoog Capítulo 5: Erros em análises químicas 5-1. Explique a diferença entre: a) erro constante e erro proporcional b) Erro aleatório

Leia mais

Prof. Sérgio Carvalho Estatística. I Jornada de Especialização em Concursos

Prof. Sérgio Carvalho Estatística. I Jornada de Especialização em Concursos DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS & INTERPOLAÇÃO LINEAR DA OGIVA 0. (AFRF-000) Utilize a tabela que se segue. Freqüências Acumuladas de Salários Anuais, em Milhares de Reais, da Cia. Alfa Classes de Salário

Leia mais

Revisão de distribuições de probabilidades contínuas (Capítulo 6 Levine)

Revisão de distribuições de probabilidades contínuas (Capítulo 6 Levine) Revisão de distribuições de probabilidades contínuas (Capítulo 6 Levine) Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Pearson Prentice-Hall, Inc. Chap 6-1 Objetivos: Neste capítulo, você aprenderá:

Leia mais

Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia. Estatística Aplicada I

Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia. Estatística Aplicada I 8/8/05 Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia Estatística Aplicada I Prof. Dr. Jorge Teófilo de Barros Lopes Campus de Belém Curso de Engenharia Mecânica 8/08/05 06:55 ESTATÍSTICA APLICADA

Leia mais

Conjuntos Numéricos. É o conjunto no qual se encontram os elementos de todos os conjuntos estudados.

Conjuntos Numéricos. É o conjunto no qual se encontram os elementos de todos os conjuntos estudados. Conjuntos Numéricos INTRODUÇÃO Conjuntos: São agrupamentos de elementos com algumas características comuns. Ex.: Conjunto de casas, conjunto de alunos, conjunto de números. Alguns termos: Pertinência Igualdade

Leia mais

Medidas Estatísticas NILO FERNANDES VARELA

Medidas Estatísticas NILO FERNANDES VARELA Medidas Estatísticas NILO FERNANDES VARELA Tendência Central Medidas que orientam quanto aos valores centrais. Representam os fenômenos pelos seus valores médios, em torno dos quais tendem a se concentrar

Leia mais

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO

Leia mais

E. S. JERÓNIMO EMILIANO DE ANDRADE DE ANGRA DO HEROISMO. Conteúdo Programáticos / Matemática e a Realidade. Curso de Nível III Técnico de Laboratório

E. S. JERÓNIMO EMILIANO DE ANDRADE DE ANGRA DO HEROISMO. Conteúdo Programáticos / Matemática e a Realidade. Curso de Nível III Técnico de Laboratório E. S. JERÓNIMO EMILIANO DE ANDRADE DE ANGRA DO HEROISMO Curso de Nível III Técnico de Laboratório Técnico Administrativo PROFIJ Conteúdo Programáticos / Matemática e a Realidade 2º Ano Ano Lectivo de 2008/2009

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada

Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada 1) Velocidade e Aceleração 1.1 Velocidade Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada Suponhamos que um corpo se move em

Leia mais

Inferência Estatística

Inferência Estatística Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT Inferência Estatística Profa. Cesaltina Pires cpires@uevora.pt Plano da Apresentação Duas distribuições importantes Normal T- Student Estimação

Leia mais

(") ; b) ρ b1b2 = 0,5; ρ b1b3 = 0,5; ρ b1b4 = 0

() ; b) ρ b1b2 = 0,5; ρ b1b3 = 0,5; ρ b1b4 = 0 GA PROJETO E ANÁLISE E REES GEOÉSICAS EXERCÍCIOS ) Estimar a precisão do perímetro e da área de uma circunferência, e do volume de uma esfera, cujo raio (R) pode ser medido com as seguintes características:

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira

Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira Currículo da disciplina de Matemática - 7ºano Unidade 1 Números inteiros Propriedades da adição de números racionais Multiplicação de números

Leia mais

Exemplo Falhas em Tecidos

Exemplo Falhas em Tecidos Exemplo Falhas em Tecidos Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2016 G. A. Paula (IME-USP) Falhas em Tecidos 2 o Semestre 2016 1 / 27 Rolos de Tecido

Leia mais

Profa.: Patricia Maria Bortolon, D.Sc. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Pearson Prentice-Hall, Inc. Chap 9-1

Profa.: Patricia Maria Bortolon, D.Sc. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Pearson Prentice-Hall, Inc. Chap 9-1 MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À CONTABILIDADE Profa.: Patricia Maria Bortolon, D.Sc. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Pearson Prentice-Hall, Inc. Chap 9-1 Fundamentos de Testes

Leia mais

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Estatística Professor Fábio Amorim. ICMS PE 2014: Resolução da prova de Estatística Prof.

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Estatística Professor Fábio Amorim. ICMS PE 2014: Resolução da prova de Estatística Prof. ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Estatística Professor Fábio Amorim 1 de 6 Pessoal, segue a resolução das questões de Estatística da prova realizada pela SEFAZ-PE, para o cargo de Auditor Fiscal do Tesouro

Leia mais

Elementos de Estatística

Elementos de Estatística Elementos de Estatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2013 Medidas Resumo Medidas Resumo Medidas que sintetizam informações contidas nas variáveis em um único

Leia mais

Bioexperimentação. Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas

Bioexperimentação. Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 8 11/2014 Distribuição Normal Vamos apresentar distribuições de probabilidades para variáveis aleatórias contínuas.

Leia mais

4 Modelos de Regressão Dinâmica

4 Modelos de Regressão Dinâmica 4 Modelos de Regressão Dinâmica Nos modelos de regressão linear (Johnston e Dinardo, 1998) estudados comumente na literatura, supõe-se que os erros gerados pelo modelo possuem algumas características como:

Leia mais

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Erica Castilho Rodrigues 2 de Setembro de 2014 Erro Puro 3 Existem dois motivos pelos quais os pontos observados podem não cair na reta

Leia mais

Módulo 4 Ajuste de Curvas

Módulo 4 Ajuste de Curvas Módulo 4 Ajuste de Curvas 4.1 Intr odução Em matemática e estatística aplicada existem muitas situações onde conhecemos uma tabela de pontos (x; y), com y obtido experimentalmente e deseja se obter uma

Leia mais

Comparando riscos e chances. Risco relativo e Razão de Chances

Comparando riscos e chances. Risco relativo e Razão de Chances Comparando riscos e chances Risco relativo e Razão de Chances Exemplo Inicial Estudo para verificar se a ingestão de extrato de guaraná tem efeito sobre a fadiga em pacientes tratados com quimioterapia

Leia mais

Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas

Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas A medida de uma grandeza é obtida, em geral, através de uma experiência, na qual o grau de complexidade do processo de medir está relacionado com a grandeza em questão

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Escolas João de Araújo Correia ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 16 17 GESTÃO CURRICULAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA A 11º ANO 1º PERÍODO ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano CÁLCULO NUMÉRICO Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 22 07/2014 Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias Objetivo: Resolver Equações Diferenciais Ordinárias utilizando

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS 14.2 Limites e Continuidade Nesta seção, aprenderemos sobre: Limites e continuidade de vários tipos de funções. LIMITES E CONTINUIDADE Vamos comparar o

Leia mais

AV1 - MA UMA SOLUÇÃO. d b =. 3q 2 = 2p 2,

AV1 - MA UMA SOLUÇÃO. d b =. 3q 2 = 2p 2, AV1 - MA 11-01 Questão 1. Prove que se a, b, c e d são números racionais tais que a + b 3 = c + d 3 então a = c e b = d. A igualdade a + b 3 = c + d 3 implica que (a c) = (d b) 3. Suponha que tenhamos

Leia mais

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDOS DE COORTE 1) Com o objetivo de investigar

Leia mais

PODER DO TESTE. Poder do Teste e Tamanho de Amostra para Testes de Hipóteses

PODER DO TESTE. Poder do Teste e Tamanho de Amostra para Testes de Hipóteses PODER DO TESTE Poder do Teste e Tamanho de Amostra para Testes de Hipóteses 1 Tipos de erro num teste estatístico Realidade (desconhecida) Decisão do teste aceita H rejeita H H verdadeira decisão correta

Leia mais

Métodos Matemáticos para Gestão da Informação

Métodos Matemáticos para Gestão da Informação Métodos Matemáticos para Gestão da Informação Aula 04 Taxas de variação e função lineares II Dalton Martins dmartins@gmail.com Bacharelado em Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação

Leia mais

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 As tabelas de frequências e os gráficos constituem processos de redução de dados, no entanto, é possível resumir de uma forma mais drástica esses dados

Leia mais

Hipóteses. Hipótese. É uma pressuposição de um determinado problema.

Hipóteses. Hipótese. É uma pressuposição de um determinado problema. Bioestatística Aula 7 Teoria dos Teste de Hitóteses Prof. Tiago A. E. Ferreira 1 Hipóteses Hipótese É uma pressuposição de um determinado problema. Uma vez formulada, a hipótese estará sujeita a uma comprovação

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE ESTATÍSTICA. Cursos: Licenciatura em Enfermagem

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE ESTATÍSTICA. Cursos: Licenciatura em Enfermagem INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE ESTATÍSTICA Cursos: Licenciatura em Enfermagem Teste Final o Ano/3 o Semestre 007/08 Data: a feira, 9 de Novembro de 007 Duração: 4h às h Instruções:.

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

Exemplo Regressão Binomial Dados Emparelhados

Exemplo Regressão Binomial Dados Emparelhados Exemplo Regressão Binomial Dados Emparelhados Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2013 G. A. Paula (IME-USP) Desenvolvimento de Diabetes 2 o Semestre

Leia mais

TESTES DE HIPÓTESES. HIPÓTESES: São suposições que fazemos para testar a fixação de decisões, que poderão ser verdadeiras ou não.

TESTES DE HIPÓTESES. HIPÓTESES: São suposições que fazemos para testar a fixação de decisões, que poderão ser verdadeiras ou não. TESTES DE HIPÓTESES HIPÓTESES: São suposições que fazemos para testar a fixação de decisões, que poderão ser verdadeiras ou não. HIPÓTESES ESTATÍSTICA: Hipótese Nula (H 0 ): a ser validada pelo teste.

Leia mais

Objetivo: Determinar experimentalmente a resistência elétrica de um resistor a partir da curva V x I.

Objetivo: Determinar experimentalmente a resistência elétrica de um resistor a partir da curva V x I. Determinação da resistência elétrica de um resistor Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Curitiba Departamento Acadêmico de Física Física Experimental Eletricidade Prof. Ricardo Canute Kamikawachi

Leia mais

Aula 6. Testes de Hipóteses Paramétricos (I)

Aula 6. Testes de Hipóteses Paramétricos (I) Aula 6. Testes de Hipóteses Paramétricos (I) Métodos Estadísticos 2008 Universidade de Averio Profª Gladys Castillo Jordán Teste de Hipóteses Procedimento estatístico que averigua se os dados sustentam

Leia mais

CAPÍTULO 5: VARIÁVEIS ALEATÓRIAS BIDIMENSIONAIS Todas as coisas aparecem e desaparecem por causa da concorrência de causas e condições. Nada nunca existe inteiramente só, tudo está em relação com todo

Leia mais

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão)

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão) R é ordenado: Se a, b, c R i) a < b se e somente se b a > 0 (a diferença do maior com o menor será positiva) ii) se a > 0 e b > 0 então a + b > 0 (a soma de dois números positivos é positiva) iii) se a

Leia mais

Funções de várias variáveis

Funções de várias variáveis GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO CÂMPUS JUAZEIRO/BA COLEG. DE ENG. ELÉTRICA PROF. PEDRO MACÁRIO DE MOURA CÁLCULO II 2015.2 Funções de várias variáveis

Leia mais

Teste de hipótese de variância e Análise de Variância (ANOVA)

Teste de hipótese de variância e Análise de Variância (ANOVA) Teste de hipótese de variância e Análise de Variância (ANOVA) Prof. Marcos Vinicius Pó Métodos Quantitativos para Ciências Sociais Testes sobre variâncias Problema: queremos saber se há diferenças estatisticamente

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Instituto de Física Gleb Wataghin Grupo de Neurofísica. ANOVA e MANOVA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Instituto de Física Gleb Wataghin Grupo de Neurofísica. ANOVA e MANOVA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Instituto de Física Gleb Wataghin Grupo de Neurofísica e M ANalysis Of Variance Permite determinar se as médias de 2 ou mais populações são iguais População: o grupo (universo)

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS

Prova Escrita de MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS Prova Escrita de MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS Identi que claramente os grupos e as questões a que responde. Utilize apenas caneta ou esferográ ca de tinta azul ou preta. É interdito o uso de

Leia mais

, a equação. x, y x, y k. u, u, k. x, y 2, 3 k. 1, 2, k. Exemplo: Determina uma equação reduzida da reta que tem declive 3 e ordenada na origem 2.

, a equação. x, y x, y k. u, u, k. x, y 2, 3 k. 1, 2, k. Exemplo: Determina uma equação reduzida da reta que tem declive 3 e ordenada na origem 2. Escola Secundária de lberto Sampaio Ficha Formativa de Matemática Geometria I Inclinação e declive de uma reta no plano; ângulo de duas retas; retas perpendiculares. º no Equação vetorial da reta: Dado

Leia mais

1 Geometria Analítica Plana

1 Geometria Analítica Plana UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ CAMPUS DE CAMPO MOURÃO Curso: Matemática, 1º ano Disciplina: Geometria Analítica e Álgebra Linear Professora: Gislaine Aparecida Periçaro 1 Geometria Analítica Plana A Geometria

Leia mais

Unidade III ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III ESTATÍSTICA Prof. Fernando Rodrigues Medidas de dispersão Estudamos na unidade anterior as medidas de tendência central, que fornecem importantes informações sobre uma sequência numérica. Entretanto,

Leia mais

3ª Lista de Exercícios de Programação I

3ª Lista de Exercícios de Programação I 3ª Lista de Exercícios de Programação I Instrução As questões devem ser implementadas em C, apoiadas por representação em algoritmo para planejamento. 1. Desenvolva um programa que leia dois valores a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS PROVA 2- BIOESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS PROVA 2- BIOESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS PROVA - BIOESTATÍSTICA TURMA: ENFERMAGEM PROF.: EDNALDO CARVALHO GUIMARÃES Regressão e Correlação Linear 1) A contagem do

Leia mais

Suplemento Roteiro 2. GEX 132 Laboratório de Física I

Suplemento Roteiro 2. GEX 132 Laboratório de Física I Suplemento Roteiro 2 GEX 132 Laboratório de Física I Título: Gráficos em Papel Milimetrado Objetivos: Gráficos são utilizados com o intuito de representar a dependência entre duas ou mais grandezas (físicas,

Leia mais

MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS. Professor: Rodrigo A. Scarpel

MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS. Professor: Rodrigo A. Scarpel MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo Programa do curso: Semana Conteúdo 1 Apresentação da disciplina. Princípios de modelos lineares

Leia mais

Testes de Hipóteses para uma Única Amostra

Testes de Hipóteses para uma Única Amostra Roteiro Testes de Hipóteses para uma Única Amostra 1. Introdução 2. Testes para a Média i. População normal com variância conhecida ii. População normal com variância desconhecida 3. Testes para a Variância

Leia mais