IMPACTOS DAS EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PROVOCADAS POR GERADORES DIESEL EM ESTUDOS DE FONTES DE ENERGIA NO MEIO RURAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPACTOS DAS EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PROVOCADAS POR GERADORES DIESEL EM ESTUDOS DE FONTES DE ENERGIA NO MEIO RURAL"

Transcrição

1 IMPACTOS DAS EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PROVOCADAS POR GERADORES DIESEL EM ESTUDOS DE FONTES DE ENERGIA NO MEIO RURAL Luiz Artur Pecorelli Peres Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ Rua S. Francisco Xavier, n o 524, Bloco A, sala 5029, Rio de Janeiro RJ, CEP: Luiz Augusto Horta Nogueira Germano Lambert Torres Escola Federal de Engenharia de Itajubá - EFEI Av. BPS, 1303, Itajubá, MG, CEP: RESUMO Este trabalho focaliza a avaliação das emissões atmosféricas provenientes dos geradores Diesel, como um custo de penalidade a ser considerado, no processo decisório quanto a escolha de outras alternativas de atendimento energético em áreas rurais. ABSTRACT This work focuses the evaluation of air emissions from Diesel generation, as a penalty cost to be considered, in the decision process to choose other energetic supply alternative in rural remote areas PALAVRAS CHAVE Energia, meio ambiente, geração, área rural, planejamento INTRODUÇÃO Estima-se que cerca de 20 milhões de habitantes no Brasil, vivam em regiões isoladas, não atendidas pelo sistema interligado de energia. Nestas áreas, o suprimento de eletricidade das diversas comunidades rurais é realizado, muitas vezes, de forma convencional, através de geração Diesel. Paralelamente, vale mencionar que o Brasil ainda não conseguiu lograr a universalização do suprimento de energia aos seus habitantes, pois [1] constata-se que 4 milhões de propriedades e moradias não possuem ainda o acesso a eletricidade. Levando em consideração que somente 7% dos 850 milhões de hectares do país são utilizados para a agricultura, visualiza-se um amplo panorama de opções de fontes de energia renovável. apenas com base neste setor. Outras modalidades vêm sendo estudadas, antevendo-se condições propícias para uma verdadeira revitalização do meio rural brasileiro. Contrasta neste cenário uma população pequena, proporcionalmente, a extensão territorial do Brasil, que submetido a diversas circunstâncias adversas das últimas décadas, passou a concentrar 80% dos seus cidadãos em áreas urbanas. Visando um suprimento de energia de maior qualidade e de menor custo, a literatura técnica expõe uma extensa gama de fontes alternativas que permitem atender não só àquelas regiões, que ainda não dispõem de eletricidade, como também, substituir ou complementar as existentes [1, 2, 3]. Entre estas opções encontram-se as eólicas, as fotovoltaicas, as termosolares, as pequenas e micro hidroelétricas. Adicionalmente, devem ser mencionadas as fontes baseadas em biomassa, destacando-se as células combustíveis a etanol, cuja produção deste último, alicerçada na cultura da cana de açúcar, o Brasil possui uma vasta experiência [4, 5]. Levando em conta as análises técnico econômicas que procuram avaliar estes empreendimentos, constata-se em diversos casos que a geração Diesel é tomada como referência. Todavia, esta última, constitui uma fonte de emissões de poluentes para a atmosfera, cujos efeitos nem sempre são contabilizados [6] tendo em vista que tais parcelas são, em geral, entendidas como externalidades. Este trabalho tem como objetivo discutir as emissões causadas pelos geradores Diesel, indicando a sua quantificação. Apesar da complexidade envolvida quanto a questão dos custos correspondentes, é possível estabelecer estes valores com base em práticas internacionais [7] e à luz do recente Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), resultante da Conferência de Kioto. Alguns exemplos apresentados, mostram o emprego destes cálculos no balizamento do processo decisório quanto a escolha e adequação dos projetos

2 destinados ao atendimento energético no meio rural. ASPECTOS METODOLÓGICOS Neste trabalho as emissões provenientes dos motores do ciclo Diesel são classificadas em dois grandes grupos. O primeiro se refere às emissões próprias, isto é, inerentes a combustão interna que se opera durante o funcionamento do motor. O segundo grupo está associado às emissões que aqui decidiu-se denominar como indiretas [8], ou seja, aquelas relacionadas com o processo de produção do combustível. Enquanto que as emissões próprias ocorrem no momento em que o motor está funcionando, as emissões indiretas, já teriam acontecido, anteriormente, quando o combustível empregado, no caso em pauta, para a geração de eletricidade, estava em fase de preparação nas refinarias de petróleo. Cabe notar, que as emissões indiretas, tal como definidas, acompanham a vida útil do tipo de gerador em pauta, pois a sua operação depende do suprimento de combustível. A metodologia aqui exposta procura avaliar quantitativamente estas duas parcelas. Quanto aos custos correspondentes, podem ser atribuídos, com base em práticas internacionais, propiciando, assim, subsídios no balizamento das comparações econômicas de alternativas de atendimento energético, especialmente, para as regiões rurais onde a geração a Diesel é tradicionalmente contemplada. Várias substâncias poluentes são emitidas para a atmosfera pelos motores que funcionam, segundo, o ciclo Diesel. O mesmo ocorre no processo de elaboração deste combustível nas refinarias. Uma descrição sucinta das características destas substâncias é feita, em seguida [9]: Monóxido de carbono (CO) resulta da oxidação parcial do carbono, que é regida pela quantidade de oxigênio disponível no momento da queima. A relação ar e combustível adotada pode aumentar, de maneira considerável, a quantidade de CO emitida. Esta substância é conhecida pelo seu efeito letal quando inalada, pois combina com a hemoglobina do sangue, diminuindo a capacidade de oxigenação do cérebro, do coração e de outros tecidos orgânicos. Pode provocar tonturas, dor de cabeça, sono e redução de reflexos, chegando em caso extremo, dependendo das condições de confinamento, resultar em morte. Sua ação maior é de efeito local, abrangendo áreas próximas das fontes emissoras. Óxidos de nitrogênio (NO x) resultam da combinação do oxigênio e nitrogênio presentes no ar admitido pelo motor, em condições de altas temperaturas e pressões. Os NO x podem provocar irritação e constricção das vias respiratórias, diminuem a resistência orgânica, participam do desenvolvimento do enfisema pulmonar e à semelhança dos hidrocarbonetos, se envolvem, de forma ativa, nas reações fotoquímicas que dão origem ao smog. O dióxido de nitrogênio em contato com o vapor d água transforma-se em ácido nítrico podendo estar presente na chuva ácida. Óxidos de enxofre (SO x) resultam da oxidação do enxofre existente no combustível. Os óxidos de enxofre se absorvidos pelo trato respiratório superior podem provocar tosse, sensação de falta de ar, respiração ofegante, rinofaringites, diminuição da resistência orgânica às infecções, bronquite crônica e enfisema pulmonar. A ação dos óxidos de enxofre ocorre a nível local, regional e continental. O dióxido de enxofre ao reagir na atmosfera propicia a formação de partículas de ácido sulfúrico e de sais de sulfato, podendo, também, participar na composição da chuva ácida. Material particulado (MP) é constituído de partículas diminutas, que se formam da queima incompleta dos combustíveis e de seus aditivos. Os motores Diesel apresentam emissões de partículas de carbono, as quais servem de transporte para outras substâncias, como os hidrocarbonetos. Os particulados finos apresentam uma grave ameaça à saúde ao se instalarem nos tecidos pulmonares e podem atuar a nível local, regional e continental. Dióxido de carbono (CO 2) na acepção da palavra não tem sido considerado como um poluente devido a sua baixa toxidade. Entretanto, devido a sua intensa participação nos desequilíbrios que afetam o efeito estufa e das implicações a nível global [10], há uma atenção particular quanto a emissão desta substância que é objeto de acompanhamento e supervisão permanente por diversos organismos nacionais e internacionais. Tendo em vista ilustrar o processo de emissões descrito, a Figura 1, em seguida, apresenta a estrutura com a qual será efetuada as avaliações propostas. E m i s s õ e s I n d i r e t a s R e f i n a r i a s S u p r i m e n t o d e C o m b u s t í v e l E m i s s õ e s G e r a ç ã o E n e r g i a P r ó p r i a s D i e s e l E l é t r i c a Figura 1 - Estrutura de Avaliação das Emissões Desta forma, a estimativa das emissões próprias, indicadas na Figura 1, tem como ponto de

3 partida o conhecimento prévio as expectativas das gerações de energia em um determinado período, normalmente, expressas em termos anuais. Cálculos desta natureza podem ser efetuadas levando em conta os fatores de emissão do ciclo Diesel, neste caso indicados em g/kwh. Quanto as emissões indiretas, provenientes da atividade de produção das refinarias, devem corresponder ao suprimento de combustível necessário ao fornecimento de energia elétrica em estudo. Parte da aproximação baseia-se em [11] que pressupõe como disponíveis os fatores de emissão dos poluentes gasosos destas fontes estacionárias. O cálculo das emissões das refinarias pode ser iniciado pela avaliação das emissões anuais totais, conforme equação (1). [ erefto ( i)] = ( volpetro).[ emisref ( i)].( mespet) (1) Onde: [ erefto ( i)] - vetor das emissões de poluentes = 1,2,..., anuais das refinarias, em kg, sendo i 5, que corresponde, respectivamente, a: HC, CO, NO x, SO x,e MP. volpetro - volume total de petróleo refinado em m 3 /ano nas refinarias consideradas [ emisref ( i)] - vetor dos fatores de emissão dos poluentes nas refinarias de petróleo considerados expressos, em kg / t mespet - massa específica do petróleo em t / m 3 ( valor típico igual a 0,868 t / m 3 ) Dispondo-se da quantidade de óleo Diesel destinada ao suprimento de energia anual considerado-a como fração do volume de derivados do petróleo, no qual se inclui a parcela deste combustível produzido, obtém-se, as emissões indiretas procuradas. Os totais das emissões próprias e indiretas de cada substância poluente são vistos como os impactos na qualidade do ar causados pela geração Diesel, cujas. quantificações monetárias permitem que sejam incorporadas aos custos de capital, operação e manutenção do projeto ao longo da sua vida econômica. Estes últimos são avaliados, em geral, pelo método das demandas requeridas [12], de tal forma a exprimir um valor final de comparação em US$/MWh. Entretanto, a avaliação dos encargos de poluição merece alguns comentários, a seguir apresentados. Conforme [7], o termo empregado pela economia neoclássica, visando designar o impacto sócio ambiental é externalidade, significando com isto algo alheio às transações comerciais. Estes custos externos são impostos a sociedade e ao meio ambiente utilizando-se para sua atribuição duas concepções: o custo do dano e o custo do controle. O primeiro procura exprimir, monetariamente, o malefício ambiental para a sociedade, enquanto que o segundo, a proteção ambiental necessária. Ambos procedimentos estão sujeitos a controvérsias. Uma delas refere-se a possível elevação das tarifas, como conseqüência de se adotar uma alternativa energética mais limpa. A este argumento pode-se ponderar que o eventual acréscimo tarifário estaria, justamente, sinalizando o preço que a sociedade se dispõe a pagar por uma vida mais saudável e pelo desenvolvimento sustentável. Comparações entre custos unitários de poluição provenientes de entidades de serviços públicos dos Estados Unidos da América apresentam diferenças significativas entre si, indicando a complexidade quanto ao estabelecimento de critérios e valores, tanto no que se refere ao dano, como ao controle. A Tabela 1 a seguir, mostra um exemplo de custos unitários de poluição, estimados pelas empresas concessionárias localizadas na região da cidade de Los Angeles, naquele país [7]. Tabela 1 Custos Unitários de Poluição (US$x10 3 / t) Poluentes HC NO x SO x MP Custo (Controle) 17,5 24,5 18,3 5,3 Custo (Dano) 6,9 14,7 8,5 4,6 No tocante ao CO 2, como já foi mencionado, há uma estreita relação deste gás com o efeito estufa. Este assunto foi objeto de discussão na Conferência de Kioto, realizada em Segundo [13], os países industrializados comprometeram-se a estabilizar as emissões nos níveis de 1990, porém, adiaram o problema para 2010 a Visando cumprir o acordo, foram introduzidos mecanismos, como o estabelecimento de cotas de emissões, que poderão ser negociados em um mercado comum, através do qual estas nações industrializadas, cujas emissões são maiores que as suas cotas, poderiam adquirir títulos uns dos outros para cobrir tais excessos. Nesta mesma Conferência, também, foi criado um instrumento denominado de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo ( MDL ), pelo qual estes mesmos países poderão, ainda, investir em projetos de nações em desenvolvimento que promovam, por exemplo, o seqüestro do carbono na atmosfera, contabilizando tal fato como uma redução líquida de suas emissões. Isto incluí uma extensa gama de projetos, na qual está contemplada a substituição de fontes de energia a Diesel por outras de menor emissão. Nestes termos, estas operações caracterizam a introdução de uma commodity no mercado, chamada de Certificado de Redução de Emissões de Carbono, que terá um valor monetário

4 podendo ser negociada com os países industrializados. Em decorrência destas questões, há uma expectativa de que as emissões evitadas de CO 2 venham situar-se numa faixa de 10 a 100 US$/t. ESTIMATIVAS E ANÁLISES Tendo em vista verificar as influência das emissões próprias e indiretas nos custos da geração Diesel, foram elaboradas algumas estimativas tomando-se como referência o módulo típico de 500 kw, com um fator de capacidade igual a 0,5, consumo de 0,27 litros/kwh. e dados contábeis típicos. Levando em conta, portanto, as diretrizes metodológicas expostas no item anterior, determinou-se o acréscimo de custo que incidiria no preço a pagar pela geração Diesel, em conseqüência, apenas, como exemplo, das emissões de HC. A Tabela 2, a seguir indica os dados complementares atribuídos. Tabela 2 Dados Complementares fegerdi (HC) (1) 1,2 g/kwh erefto (HC) (2) 2,0 g/t volpetro (3) m 3 /ano volderi (4) m 3 /ano voldi (5) m 3 /ano Observações: (1) valor divulgado pelo CENPES (Centro de Pesquisa da PETROBRÁS) (2) valor de acordo com dados típicos do Banco Mundial citado em [14] (3) valor de acordo com [15], para 1997 (4) idem anterior, porém refere-se ao volume anual de derivados do petróleo produzido (5) idem anterior, porém refer-se ao volume de óleo Diesel Calculando-se as emissões próprias e indiretas, provocadas pela geração Diesel examinada e os dados mencionados, empregando-se o custo do dano do HC, de acordo com Tabela 1, resultam os valores anuais exibidos na Tabela 3, que se segue. Tabela 3 Emissões de HC e Custos Correspondentes Descrição Emissões ( t) Custos (US$x10 3 ) Próprias 2,63 18,15 Indiretas 1,07 7,38 Totais 3,70 25,53 O valor a ser agregado ao custo da geração Diesel corresponderia, em decorrência das emissões de HC a cerca de US$ 11,7/MWh. Caso se considerasse somente as emissões próprias de CO 2, tomando-se fatores de emissão típicos (IPCC Guidelines) e os mesmos procedimentos indicados, o valor de acréscimo se situaria numa faixa estimada entre 2,65 a 26,5 US$/MWh. Procedendo-se a análise dos resultados encontrados, verifica-se que a inclusão das emissões nos custos da geração Diesel poderá sofrer majorações ponderáveis quando ela é comparada com outras alternativas de suprimento energético. De fato, o preço de um módulo de geração Diesel, típico ao meio rural no Brasil, como o que foi considerado neste trabalho, sem a adição destas parcelas, encontra-se entre 128 a 173 US$/MWh [3,5]. Nota-se, assim, que a influência das emissões abordadas possuem impactos nos custos e atingem somas superiores a 10%, dos preços tradicionais de geração Diesel. Representa, desta forma, um importante elemento para balizar as alternativas. Além disto, no caso específico do HC, constatou-se que o nível das emissões indiretas provocadas pelo consumo de óleo Diesel para geração de energia, atingiu a 30% do total, mostrando o grau de relevância deste aspecto. CONCLUSÕES Este trabalho procurou investigar os impactos das emissões atmosféricas decorrentes do emprego de geração Diesel no meio rural. Neste sentido foram, inicialmente, descritas as emissões consideradas, inclusive, as indiretas provenientes da produção, nas refinarias, do combustível necessário para o suprimento de energia. Foi tomado um módulo típico de 500 kw, como referência. Exemplos da quantificação das emissões próprias e indiretas foram realizados, indicando-se, ainda, a influência das mesmas no preço final da geração a Diesel. Especificamente para o caso do HC, examinado neste estudo, as suas emissões indiretas alcançam valores significativos, isto é, cerca de 29% do total, com base em práticas internacionais quanto a inclusão do custo do dano. Tomando-se as expectativas de custo das emissões de CO 2 e levando em conta apenas às de caráter próprio, verifica-se que acréscimos superiores a 10% no preço tradicional da geração Diesel podem ocorrer servindo, portanto, como valor a ser balizado na escolha da alternativa de suprimento de eletricidade mais a adequada. Em conseqüência da Conferência de Kioto, é valido admitir, como prognóstico, que investimentos substanciais estarão a disposição, provenientes do abatimento das emissões que os países.industrializados terão que realizar nos países em desenvolvimento. Desta forma, é promissor constatar que os resultados encontrados revelam um potencial de oportunidades efetivo, para que alternativas de maior qualidade ambiental possam competir de modo mais atrativo, em sintonia com o desenvolvimento sustentável.

5 AGRADECIMENTOS Os autores agradecem o apoio da CAPES para a realização deste trabalho. REFERÊNCIAS [1] VIEIRA FILHO, Xisto; SOBRINHO, Eurico Salgado e NASCIMENTO, Marcus Vinicius G. Strategies for New Renewable Energy Application in Brazil A Research Center View. VII Symposium of Specialists in Electric Operational and Expansion Planning, Curitiba, PR, Brazil; May, [2] MARQUES, J.C. S; SZKLO, A. S.; SCHAEFFER, R Cenários de Expansâo da Oferta de Energia Elétrica e Emissões de CO 2 no Brasil de1995 a VII Congrsso Brasileiro de Energia, Vol. I, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Novembro de [3] NASCIMENTO, Marcus Vinicius G.; SANTOS, M. P. et al. Mapeamento Regional para Avaliação de Alternativas Energéticas para Sistemas Isolados na Amazônia: - O Estado do Amapá VII Congrsso Brasileiro de Energia, Vol. III, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Novembro de [4] COSTA, Sergio Feitosa; SERRA, Eduardo Torres, NASCIMENTO, Marcus Vinicius G. Células Combustíveis com Etanol Minimamente Desidratado e Cogeração. Oportunidade Única no Brasil? XIV Seminário Nacional de Produção e Transmissão de Energia Elétrica, Belém, PA, Brasil, [5] SERRA, Eduardo T. Células Cmbustíveis a Etanol para Geração Distribuída: Uma Análise Técnico-Econômica..4 o Encontro Luso Afro-Brasileiro de Planejamento e Exploração de Redes de Energia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Junho de [6] PIRES, Silvia Helena M.; FARAH, Pedro M.K.; NUTTI, M. Regini et all. Incorporação da Dimensão Ambiental no Planejamento da Expansão de Sistemas de Energia Elétrica.. VII Symposium of Specialists in Electric Operational and Expansion Planning, Curitiba, PR, Brazil; May, [7] FEREIRA, André Luís; BAJAY, Sergio Valdir. A Internalização dos Custos Ambientais e Sociais da Geração de Energia Elétrica: Experiência Internacional e Perspectivas para o Brasil III Congresso Latino- Americano Geração- Transmissão de Energia Elétrica, Campos do Jordão, SP, Brasil, [8] PECORELLI PERES, L. A.; TORES, Germano, L.; NOGUEIRA; L A. Horta, Discussão e Estimativa das Emissões Indiretas Provocadas pelos Veículos a Gasolina na Bacia Aérea III da Região Metropolitana do Rio de Janeiro trabalho submetido a Comissão Técnica do XI Congresso Brasileiro de Meteorologia, previsto para ser realizado no Rio de Janeiro, RJ, Brasil em Outubro de [9] MURGEL. Eduardo M. Veículos Automotores O Proálcool e a Qualidade do Ar Rio de Janeiro: CNI, COASE, [10] RIBEIRO, Suzana. Kahn. O Álcool e o Aquecimento Global. Rio de Janeiro: CNI, COINFRA: COPERSUCAR, [11] DeLUCHI, Mark, WANG, Quanlu, SPERLING, Daniel. Electric Vehicles: Performance, Life Cycle Costs, Emissions and Recharging Requirements. Transpn. Res., Vol 23a, [12] IAEA. Expansion Planning for Electrical Generating Systemas A Guidebook Technical Reports Series No. 241, Venna, [13] PESSOA, Simão; ALNIS, Rosângela. Seqüestro de Carbono transcrito da Revista Amazônia Vinte Um e publicado na Revista CREA RJ, N o 29, Abril/Maio de 2000 [14] LORA, Electo Silva. Prevenção e Controle da Poluição na Indústria. Itajubá: Editado pela EFEI, [15] ANP. Anuário Estatístico da Indústria Brasileira do Petróleo 1990/1997, 1998.

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB 1 INTRODUÇÃO A poluição do ar é um fenômeno recorrente principalmente da atividade humana em vários aspectos. Dentre os quais podemos destacar:

Leia mais

Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental

Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental João Wagner Alves 1 Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Agradecimentos: Prof. Dr. Ronaldo Balassiano

Leia mais

Lucia Mariana de Souza. Luiz Artur Pecorelli Peres, D.Sc. 1. Resumo

Lucia Mariana de Souza. Luiz Artur Pecorelli Peres, D.Sc. 1. Resumo Aplicações da Tecnologia Veicular Híbrida Visando o Maior Acesso ao Transporte e a Energia Elétrica no Meio Rural e Urbano em Prol do Desenvolvimento Sustentável Luiz Artur Pecorelli Peres, D.Sc. 1 Lucia

Leia mais

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Combustíveis Alternativos e a Redução das Emissões de Poluentes 12ª Transpo-Sul Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Tecnologias, Combustíveis mais limpos e Redução das

Leia mais

APLICAÇÃO DO PROGRAMA SIMAPRO NA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DO GERADOR A DIESEL

APLICAÇÃO DO PROGRAMA SIMAPRO NA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DO GERADOR A DIESEL TECLIM Rede de Tecnologias Limpas da Bahia Departamento de Engenharia Ambiental APLICAÇÃO DO PROGRAMA SIMAPRO NA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DO GERADOR A DIESEL Disciplina: ENG E76 Ecologia Industrial Professor:

Leia mais

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Suzana Kahn Ribeiro Programa de Engenharia de Transportes COPPE/UFRJ IVIG Instituto Virtual Internacional de Mudanças Climáticas Estrutura

Leia mais

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática.

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Marcelo Pereira Bales (1) ; Cristiane Dias (1) ; Silmara Regina da Silva (1) (1) CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

SP 06/93 NT 165/93. Emissão de gases poluentes / curvas tipo. Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução

SP 06/93 NT 165/93. Emissão de gases poluentes / curvas tipo. Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução SP 06/93 NT 165/93 Emissão de gases poluentes / curvas tipo Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução As questões ambientais requisitam de maneira crescente mais espaço dentro da engenharia de tráfego,

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Emissões de poluentes e gases de efeito estufa por veículos automotores e motores de combustão. Paulo Romeu Moreira Machado Panambí, RS - 2010

Emissões de poluentes e gases de efeito estufa por veículos automotores e motores de combustão. Paulo Romeu Moreira Machado Panambí, RS - 2010 3:22:03 1 Emissões de poluentes e gases de efeito estufa por veículos automotores e motores de combustão Paulo Romeu Moreira Machado Panambí, RS - 2010 Roteiro 1 Introdução 2 O motor de combustão interna

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras PROCONVE (PROGRAMA DE CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES) As Fases Passadas e Futuras Henry Joseph Jr Comissão de Energia e Meio Ambiente ANFAVEA Seminário sobre Emissões de Veículos Diesel

Leia mais

ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS

ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS Ronei Tiago Stein (*), Roberta Karinne Mocva Kurek, Marcelo Pozzagnolo * Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mestrando

Leia mais

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Brasília, 28 de Outubro de 2015 O que é a APROVE DIESEL Associados: Apoio Institucional: Contexto econômico e tecnológico brasileiro atual difere muito

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.013, DE 2011 Dispõe sobre a fabricação e venda, em território nacional, de veículos utilitários movidos a óleo diesel, e dá

Leia mais

ENXOFRE: UM POLUENTE EM POTENCIAL NA COMPOSIÇÃO DO ÓLEO DIESEL BRASILEIRO.

ENXOFRE: UM POLUENTE EM POTENCIAL NA COMPOSIÇÃO DO ÓLEO DIESEL BRASILEIRO. Salvador/BA 25 a 28/11/2013 ENXOFRE: UM POLUENTE EM POTENCIAL NA COMPOSIÇÃO DO ÓLEO DIESEL BRASILEIRO. Thiago Emanoel Pereira da Silva (*), David Oliveira de Carvalho, Michelle Juliana Pereira da Silva,

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula A UU L AL A Poluição do ar Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador do laboratório de poluição atmosférica experimental da Faculdade de Medicina da USP, a relação entre o nível de poluição e a

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica CREEM 2005 O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO MSc. Paulo F. P. Ferreira Lab. de Hidrogênio - Unicamp O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO Premissa

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS Luis Eduardo Machado¹ Renata Sampaio Gomes ² Vanessa F. Balieiro ³ RESUMO Todos sabemos que não é possível haver regressão nas tecnologias

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL Marcelo Cavalcanti Guerra Recife, 22 de julho de 2014. 11 PRODUÇÃO / CONSUMO ETANOL BRASIL ÚLTIMOS 5 ANOS ANIDRO (M3) HIDRATADO (M3) ANO PRODUÇÃO

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS Luiz Felipe de Camargo Kastrup Faculdade de Saúde Pública USP Paulo Bernardi Junior Instituto de Pesquisas Energéticas e

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

Efeitos da poluição do ar

Efeitos da poluição do ar Efeitos da poluição do ar Por: Vânia Palmeira Campos UFBA IQ -Dpto Química Analítica - LAQUAM (Laboratório de Química Analítica Ambiental) Campus Universitário de Ondina, s/n, CEP:40-170-290, Salvador-BA

Leia mais

Combate à poluição: importante como o ar que você respira.

Combate à poluição: importante como o ar que você respira. Combate à poluição: importante como o ar que você respira. Ar A poluição do ar e a sua saúde O que é poluente atmosférico? É toda e qualquer forma de matéria ou energia em quantidade, concentração, tempo

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN)

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) COMUNICAÇÃO ESTADUAL 1º INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DIRETOS E INDIRETOS DO ESTADO DE SÃO PAULO EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

SUGESTÃO PARA REDUÇÃO GLOBAL DA EMISSÃO DE POLUENTES DOS AUTOMOVEIS José Góes de Araujo Prof. Aposentado Abstract Comments about the reduction possibility of CO² on the atmosphere by the limitation of

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2011 Dezembro/2012 Relatório Geral 2011 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 28 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

TEXTO DE APOIO I PERCURSO AR

TEXTO DE APOIO I PERCURSO AR TEXTO DE APOIO I PERCURSO AR Todas as atividades econômicas humanas geram poluição Quem vive nas grandes cidades, às vezes, enfrenta dias de pele irritada ou um incômodo nos olhos, sem uma razão aparente.

Leia mais

Tecnologia de Tração Elétrica

Tecnologia de Tração Elétrica REV.00 01 Tecnologia de Tração Elétrica Veículos a Bateria Trólebus Híbridos Hidrogênio Fuel Cel ou Pilha a Combustível 02 Veículos a Bateria VANTAGENS 1. TOTALMENTE ELÉTRICO. POLUIÇÃO PRATICAMENTE ZERO.

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÉ-VESTIBULAR RUMO À UNIVERSIDADE CAMPUS JOÃO MONLEVADE QUÍMICA AMBIENTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÉ-VESTIBULAR RUMO À UNIVERSIDADE CAMPUS JOÃO MONLEVADE QUÍMICA AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÉ-VESTIBULAR RUMO À UNIVERSIDADE CAMPUS JOÃO MONLEVADE QUÍMICA AMBIENTAL ORIENTADORA: PROF.ª DRA. KARLA VIEIRA P R OF. LUCAS SIQUEIRA O QUE É Parte da química que estuda

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Gestão ambiental no setor de transportes: uma avaliação dos impactos ambientais do uso de combustíveis no transporte urbano da cidade de Natal (RN).

Gestão ambiental no setor de transportes: uma avaliação dos impactos ambientais do uso de combustíveis no transporte urbano da cidade de Natal (RN). Gestão ambiental no setor de transportes: uma avaliação dos impactos ambientais do uso de combustíveis no transporte urbano da cidade de Natal (RN). Breno Torres Santiago Nunes - UFRN breno-nunes@bol.com.br

Leia mais

Rede Clima Sub rede Energias Renováveis 2009 a 2013

Rede Clima Sub rede Energias Renováveis 2009 a 2013 Rede Clima Sub rede Energias Renováveis 2009 a 2013 COORDENADORES LUIZ PINGUELLI ROSA (lpr@adc.coppe.ufrj.br) MARCOS AURÉLIO VASCONCELOS DE FREITAS (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) NSTITUIÇÃO COORDENADORA

Leia mais

POTENCIAL E OPORTUNIDADES DO USO DE VEÍCULOS HÍBRIDOS NO BRASIL

POTENCIAL E OPORTUNIDADES DO USO DE VEÍCULOS HÍBRIDOS NO BRASIL POTENCIAL E OPORTUNIDADES DO USO DE VEÍCULOS HÍBRIDOS NO BRASIL Aníbal Durães de Almeida Júnior 1 ; Paula Leopoldino de Barros 1 ; Guilherme Wilson da Conceição 1 ; Richele Cabral Gonçalves 1 ; 1 FETRANSPOR

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Cartilha informativa

Cartilha informativa Cartilha informativa CONSTRUINDO A CIDADANIA A necessidade de estabelecer a relação entre cidadania e meio ambiente está expressa no direito do indivíduo ter um meio ambiente saudável e no dever que cada

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

Adriana Fiorotti Campos afiorotti@yahoo.com. Instituto Jones dos Santos Neves, 14 de Maio de 2010.

Adriana Fiorotti Campos afiorotti@yahoo.com. Instituto Jones dos Santos Neves, 14 de Maio de 2010. Adriana Fiorotti Campos afiorotti@yahoo.com Instituto Jones dos Santos Neves, 14 de Maio de 2010. O consumo de energia vem aumentando em países desenvolvidos e em países em desenvolvimento. Três Problemas

Leia mais

Guia do Professor do Objeto Poluição Atmosférica

Guia do Professor do Objeto Poluição Atmosférica 1 Guia do Professor do Objeto Poluição Atmosférica Unidade Curricular: Comportamento dos gases / funções inorgânicas - óxidos Módulo: Poluição atmosférica Atividade: Óxido e poluição atmosférica 1. Introdução

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

São Paulo, Outubro de 2008. André Luís Ferreira Carmen Araujo David Tsai

São Paulo, Outubro de 2008. André Luís Ferreira Carmen Araujo David Tsai São Paulo, Outubro de 2008 André Luís Ferreira Carmen Araujo David Tsai E poluente, ano = ( Fe Fd Fr C) ano modelo E: emissão de poluente; Fe: fator de emissão para veículos novos, em kg poluentes /kg

Leia mais

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996)

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) CÉLIA MARIA PAIVA PROFA. DEPTO METEOROLOGIA/UFRJ celia@meteoro.ufrj.br 1. Introdução

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia José Henrique R. Cortez Câmara de Cultura José Henrique Cortez 1 Energia e Meio Ambiente Crise Energética? José Henrique Cortez 2

Leia mais

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO Responsável pelo Projeto Luiz Augusto de Noronha Mendes FPT Industrial RESUMO Este trabalho apresenta um estudo sobre o

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento:

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: Incentivar o Etanol e o Biodiesel (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: O governo adota medidas econômicas de forma a ampliar relativamente o emprego dos dois combustíveis. O termo ampliar relativamente

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina

Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina 1. Quem somos 2. O que é o Ethabiodiesel 2.1. Diferencial competitivo 2.2. Certificações/Autorizações 3. Transportes com Ethabiodiesel Quem somos Vinna

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006.

Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006. Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006. Al. Iraé, 620 conjunto 56 Indianópolis São Paulo SP Tel: (11)

Leia mais

GÁS NATURAL UMA ALTERNATIVA ENERGÉTICA À REDUÇÃO DE POLUENTES VEICULARES

GÁS NATURAL UMA ALTERNATIVA ENERGÉTICA À REDUÇÃO DE POLUENTES VEICULARES GÁS NATURAL UMA ALTERNATIVA ENERGÉTICA À REDUÇÃO DE POLUENTES VEICULARES Jorge Luiz Fernandes de Oliveira Universidade Federal Fluminense/Universidade Federal do Rio de Janeiro ABSTRACT The aim of this

Leia mais

Resumo. Palavras chave: Gases poluentes; Efeito estufa; Sucroenergéticas. Lucas Schwerz 1 ; Eduardo Mirko Velenzuela Turdera 2

Resumo. Palavras chave: Gases poluentes; Efeito estufa; Sucroenergéticas. Lucas Schwerz 1 ; Eduardo Mirko Velenzuela Turdera 2 Balanço das emissões de gases do efeito estufa (CO 2 ) em usinas sucroenergéticas, de Mato Grosso do Sul de acordo com a potência instalada em suas centrais de cogeração. Lucas Schwerz 1 ; Eduardo Mirko

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos MARÇO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 SUMÁRIO 1. Introdução...3 2. Histórico...3

Leia mais

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel Motor Diesel p02 Vantagens na utilização do Biodiesel p04 Vantagens do Eco Óleo p05 Dúvidas mais freqüentes p08 Óleos Vegetais Biodiesel p11 Características do Biodiesel p13 Meio Ambiente: Responsabilidade

Leia mais

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Todo dia é Dia da Terra. 04 05 Sem energia não há vida... mas, o crescente uso da energia atual representa a maior ameaça à vida. Na

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

HUMANIDADE E AMBIENTE. Profª Janaina Q. B. Matsuo

HUMANIDADE E AMBIENTE. Profª Janaina Q. B. Matsuo HUMANIDADE E AMBIENTE Profª Janaina Q. B. Matsuo POLUIÇÃO AMBIENTAL POLUIÇÃO: É a presença concentrada de poluentes (substâncias ou agentes físicos no ambiente), em geral produzidos pelas atividades humanas.

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol 1. (Uel 2014) A gasolina é uma mistura de vários compostos. Sua qualidade é medida em octanas, que definem sua capacidade de ser comprimida com o ar, sem detonar, apenas em contato com uma faísca elétrica

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Generalidades sobre a poluição na cidade de São Paulo e suas bacias de sedimentação. Engº José Tadeu Braz Arqº Edison de Oliveira Vianna Jr.

Generalidades sobre a poluição na cidade de São Paulo e suas bacias de sedimentação. Engº José Tadeu Braz Arqº Edison de Oliveira Vianna Jr. SP 04/96 NT 196-A/96 Generalidades sobre a poluição na cidade de São Paulo e suas bacias de sedimentação Engº José Tadeu Braz Arqº Edison de Oliveira Vianna Jr. 1. Introdução Os períodos entre invernos

Leia mais

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética Sumário Executivo Ameaças climáticas e soluções As mudanças climáticas globais, conseqüências do incessante aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera do planeta, já estão alterando ecossistemas e

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica).

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). 1 Biomassa é uma substância orgânica, produzida pelo processo de acumulação de energia solar. O seu maior potencial

Leia mais

Sequência Didática: Poluição Atmosférica

Sequência Didática: Poluição Atmosférica UFS Mestrado em Ensino de Ciências e matemática Disciplina: O Ensino Experimental em Ciências Naturais Autores: Thisciane Ismerim Silva Santos e Leiliane Docente: Luiz Adolfo de Mello Sequência Didática:

Leia mais

Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas

Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas 4o. Congresso de Tecnologia na Cadeia Produtiva da Cana de Açúcar em Mato Grosso do Sul CANASUL 2010 Campo Grande, Agosto 2010 Isaias C Macedo NIPE/UNICAMP

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 AGOSTO DE 2005 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA 2 3 CONTEÚDO DO TRABALHO 2 3.1 ESTUDOS DE FUNDAMENTAÇÃO SOBRE ECONOMIA E ENERGIA

Leia mais

Armazenamento de Energia Renovável

Armazenamento de Energia Renovável Solar Eólico Armazenamento de Energia Renovável Biomassa Eficiência Energética Comercial Parques Público Rural Industrial Residencial MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA A ANEEL permitiu aos consumidores através

Leia mais

GE Energy. Motores a gás. America Latina

GE Energy. Motores a gás. America Latina GE Energy Motores a gás America Latina 2012 Negócios de Motor a Gás da GE Funcionários: ~ 2.600 Operando em + de 100 países* Geração de Energia Compressão de Gás Recuperação de Calor Jenbacher, Waukesha

Leia mais

Plano Nacional de Mudanças Climáticas

Plano Nacional de Mudanças Climáticas Plano Nacional de Mudanças Climáticas Metas de Redução de Emissões e Avaliação de Impacto no Setor de Transporte e Logística Ricardo Vieira - ABRALOG CENÁRIO ATUAL Política Nacional sobre a Mudança do

Leia mais

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE CO 2 NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE CO 2 NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO ANÁLISE DO POTENCIAL DE REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE CO 2 NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO Jorge Luiz Oliveira Fernandes - UFF e PEC/COPPE/UFRJ Jeferson Borghetti Soares - PPE/COPPE/UFRJ ABSTRACT The

Leia mais

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes. Proposta Subgrupo INEA, ABRAGET, PETROBRAS

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes. Proposta Subgrupo INEA, ABRAGET, PETROBRAS GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes Proposta Subgrupo INEA, ABRAGET, PETROBRAS CONAMA 382 e Turbinas a Gás Abrangência (1): Ficam aqui definidos os limites de emissão para poluentes

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Campos, M.C. [1], Pugnaloni, I.A.A. [2] [1] Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Departamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais 1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais A atmosfera da Terra é fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos. Evoluiu, a partir do gás carbônico (CO 2 ) e vapor d água (H 2 O),

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 FETRANSPOR Sindicatos filiados: 10 Empresas de ônibus: 208 Frota: 20.300 Passageiros/mês: 240 milhões Viagens/mês: 4,5 milhões Empregos diretos: 100.000 Idade média:

Leia mais

América Latina Logística Malha Sul ALL

América Latina Logística Malha Sul ALL América Latina Logística Malha Sul ALL Capítulo 21. Gerenciamento de Emissões e Imissões Atmosféricas Rio Grande do Sul Junho/2010 Revisão 0 21.1 INTRODUÇÃO O presente documento visa a elaboração de um

Leia mais

CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR - PROCONVE/PROMOT RESOLUÇÃO CONAMA nº 15 de 1995

CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR - PROCONVE/PROMOT RESOLUÇÃO CONAMA nº 15 de 1995 RESOLUÇÃO CONAMA nº 15, de 13 de dezembro de 1995 Publicada no DOU n o 249, de 29 de dezembro de 1995, Seção 1, páginas 22876-22877 Correlações: Altera a Resolução n os 18/86 e 3/89 para os limites de

Leia mais

Hidrogénio como Combustível

Hidrogénio como Combustível Hidrogénio como Combustível Professor Aníbal Traça de Almeida Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra 06/04/2005 Hidrogénio O hidrogénio é um portador de energia sintético É o elemento

Leia mais