TRANSPORTE RODOVIARIO CARGA MODULO DOCUMENTOS FISCAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSPORTE RODOVIARIO CARGA MODULO DOCUMENTOS FISCAIS"

Transcrição

1 TRANSPORTE RODOVIARIO DE CARGA MODULO DOCUMENTOS FISCAIS Osny Afonso de Oliveira Consultor Tributário Técnico Contábil - CRC 1 SP /P-3 1

2 SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO CONSIDERAÇÕES INICIAIS O exercício regular do poder de tributar, há muito vem sendo praticado, bastando lembrar, para tanto, que a Constituição Federal anterior, promulgada pela Emenda Constitucional nº 1 de 17 de Outubro de 1.969, já dispunha, em seu artigo 21, VII, sobre o Imposto sobre Serviços de Transportes Rodoviários - ISTR, excetuando-se sempre, as Prestações de natureza estritamente Municipal, cuja tributação competia aos Municípios. Com o advento do novo Sistema Tributário Nacional, disciplinado nos artigos 145 a 162, promulgada em 05 de outubro de 1998, e que, atualmente, vem sendo objeto de intensos e fervorosos estudos, no que se intitula com a REFORMA TRIBUTARIA, o ISTR deixou de existir, passando os referidos serviços de transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS, mantendo-se, no entanto, a exceção aos transportes de natureza estritamente Municipal. Voltada aos procedimentos fiscais de referido tributo, aplicáveis a esse importante segmento econômico, reportemo-nos aos aspectos tributários aplicáveis aos Serviços transportes rodoviários de Cargas, constante no regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto /2000, com a respectiva Legislação Complementar, no que se refere aos documentos fiscais no Transporte Rodoviário de Cargas. 2

3 DISPOSIÇÕES BÁSICAS Nos termos do Artigo 1º, Inciso II do Decreto /2000 do Regulamento do ICMS o imposto incide sobre os Serviços de Transporte Intermunicipal e Interestadual. Fato Gerador Ocorrerá o fato gerador no início de transporte. No caso de transporte iniciado no exterior o fato gerador será no final do transporte I) AIDF - AUTORIZAÇÃO PARA IMPRESSÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS Nos termos do artigo 195 do Decreto do regulamento do ICMS/ 2000, o contribuinte somente poderá confeccionar ou utilizar os impressos fiscais, mediante prévia autorização da Secretaria da Fazenda. Com exceção do Manifesto de cargas, todos os demais documentos estão sujeitos a prévia autorização para fins de confecção. O contribuinte poderá confeccionar os documentos fiscais em quantidade superior a 4 (quatro) vias, desde que mantenha a mesma destinação para 4(quatro) primeiras vias. O ajuste S i n i e f nº10 de , autoriza os Estados a exigir a emissão e apresentação através de meio magnético. II) REGISTRO DE UTILIZAÇÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS E TERMOS DE OCORRÊNCIA - MODELO 6 O Livro registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências- Modelo 6 é composto de : a) Registro de Utilização de Documentos Fiscais: 3

4 Serão escrituradas as AIDFs referente a entrada de impressos de documentos fiscais, confeccionados pôr estabelecimentos gráficos ou pelo próprio contribuinte usuário. b) Termos de Ocorrências Serão anotadas as ocorrências, tais como: Termo inicial e final de fiscalização Denúncias Espontâneas Termo de Opção e Termos de Renúncia DOCUMENTOS FISCAIS III) CONHECIMENTO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - CTRC CONHECIMENTO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS -MODELO 8 (A que se referem o inciso VII e o 3º do artigo 124) Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas, Modelo 8, deverá ser emitido antes do início da prestação do serviço por transportador, sempre que executar serviços de transporte rodoviário Interestadual de Cargas. Observar que o conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas é obrigatório no transporte da mercadoria, e a lei não faculta sua emissão com fins específicos de receber o valor de frete correspondente. A sua emissão, que deverá ser feita de maneira legível, sem rasuras, conterá as seguintes indicações: 4

5 a) NATUREZA DA OPERAÇÃO Este campo deverá ser preenchidos com a seguinte expressão Serviços de Transportes b) CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÃO Os códigos fiscais para serviços de transportes são: ( 5.61) - Prestação de Serviços de Transportes da mesma natureza dentro do Estado ( 6.61) - Prestação de Serviços de Transportes da mesma natureza para fora do Estado ( 5.62) - Prestação de Serviços de Transportes a estabelecimento Industrial localizado no Estado ( 6.62) -Prestação de Serviços de Transportes a estabelecimento Industrial localizado fora do Estado (5.62) Prestação de Serviços de Transportes a estabelecimento Comercial localizado no Estado (6.63) -Prestação de Serviços de transportes a estabelecimento Comercial localizado for a do Estado (5.63 )-Prestação de Serviços de Transportes a não contribuinte no Estado (6.63 )-Prestação de Serviços de transportes a não contribuinte fora do Estado. c) DADOS DO REMETENTE Preencher os dados corretos da empresa ou pessoa que está remetendo o produto, tais como: 5

6 Pessoa Jurídica : Nome, Endereço, CNPJ e Inscrição Estadual Pessoa Física : Nome, Endereço, CPF e RG d) DESTINATÁRIO Preencher os dados corretos da empresa ou pessoa que irá receber a mercadoria ou produto, tais como: Pessoa Jurídica : Nome, Endereço, CNPJ e Inscrição Estadual Pessoa Física : Nome, Endereço, CPF e RG e) CONSIGNATÁRIO Este campo deverá ser preenchido corretamente com todos os dados da empresa ou pessoa que consignou o frete, tais como: Endereço e Município Este campo é estritamente comercial, que será preenchido somente quando o frete não for pago pelo remetente ou pelo destinatário e sim por um terceiro. Observar que este campo não serve para definir forma de tributação. f) REDESPACHO Caracteriza-se com Redespacho, quando uma transportadora contrata outra transportadora para efetuar o transporte em seu lugar. Ou seja, durante o percurso, o transporte é feito por mais de uma transportadora. No campo deverá constar com clareza os seguintes dados: Nome, endereço, município e CNPJ, bem como nº do CTRC da transportadora que fará o transporte até o final. g) SUBCONTRATAÇÃO 6

7 A definição de subcontratação é aquela firmada na origem da prestação do serviço de transporte, por opção do transportador em não realizar o transporte por meio próprio. Importante lembrar que na Subcontratação o serviço de transporte deverá ser feito integralmente por outra transportadora, do endereço do remetente até o destino final. Neste caso o Conhecimento de Transportes será emitido pelo Transportador contratante, observando seguinte procedimento: a) No campo observações deverá ser anotada a seguinte expressão: Transporte subcontratado com, proprietário do veículo marca placa nº UF. b) O transportador subcontratado ficará dispensado da emissão do Conhecimento de Transporte, embora o transporte não seja feito pelo contratante, cumpre a este o Conhecimento de Transporte e destacar o ICMS devido. h) MERCADORIA TRANSPORTADA Neste campo deverá constar os dados correspondente á nota fiscal do remetente, como: Natureza da Carga - Nome da mercadoria transportada Quantidade Espécie Nota Fiscal - Total em peças, unidades etc. - Caixas, pacotes etc. - Indicar o nº da nota fiscal correspondente ao transporte 7

8 Valor da Mercadoria- Mencionar o total da nota fiscal I) COMPOSIÇÃO DO FRETE Frete Peso Frete valor Sec/ Cat. Pedágio Total da Prestação - Mencionar quando for o caso -Identificar o valor do frete cobrado para efetuar o transporte - Serviço de Entrega e coleta - Custo Adicional de Transportes - Mencionar o valor do pedágio cobrado quando for o caso. - Mencionar o total da prestação cobrado. BASE DE CÁLCULO O valor da Base de Cálculo do ICMS, corresponderá ao total da prestação, que deverá ser mencionado somente quando a operação for tributada pelo ICMS. A redução opcional da base de cálculo correspondente a 80% ( Oitenta por cento) do valor da prestação de serviço (exceto aéreo), prevista no Anexo II, Tabela I, Item 2 do RICMS/ 91 vigorou até 31/12/1996. A partir de 01/12/1997 e referida redução foi revogada através do Convênio ICMS 106/96 e consolidada pelo Decreto /97 de 22/01/1997. Portanto não se aplica mais a redução da Base de Cálculo nos Serviços de Transportes. ALÍQUOTA DO IMPOSTO Operação Estadual: 8

9 Para não contribuintes % Para Contribuintes Industrial Substituição Tributária Artigo RICMS/2000 Para Contribuintes Comercial Substituição Tributária Artigo 317 RICMS/2000 Operação Interestadual ( 6.62 ) - Para contribuintes industrial localizados nas Regiões Sul e Sudeste - 12% (6.62) - Para contribuintes comercial localizados nas Regiões Norte/Nordeste/Centro Oeste e Espirito Santo - 7% Cláusula CIF - independente da Região onde estiver o destinatário, aplicase a Substituição Tributária, prevista no Artigo 317 do RICMS/ ( 6.63) - Independente da Região, apelidar- se à a alíquota interna de 12%. VALOR DO ICMS Colocar o resultado da multiplicação da Base de Cálculo pela alíquota. j) DESTINO E NUMERAÇÃO DAS VIAS DO CONHECIMENTO DE TRANSPORTES RODOVIÁRIO DE CARGAS Prestações Estaduais: 9

10 Nos termos do artigo 153 do RICMS/2000, na prestação estadual de serviço de transportes rodoviário de cargas, realizada em território paulista, o Conhecimento de Transportes Rodoviário de Cargas será emitido, no mínimo, em 4(quatro) vias, que terão a seguinte destinação: 1ª via - deverá ser entregue ao tomador do serviço; 2ª via - acompanhará o transporte até o destino, podendo servir como comprovante de entrega; 3ª via - acompanhará o transporte, para controle do Fisco deste Estado; 4ª via - ficará presa ao bloco, para exibição ao Fisco. Prestações Interestaduais: Nos termos do artigo 154 do RICMS/2000, na prestação interestadual de serviço de transportes rodoviário de cargas, o Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas será emitido, no mínimo, em 5 (cinco) vias, obedecida a destinação anterior, devendo a 5ª via acompanhar o transporte, para controle do Fisco de destino. IV) ORDEM DE COLETA DE CARGAS Nos termos do artigo 166 do Decreto /2000 do RICMS, a Ordem de Coleta, que deverá ser emitida por transportador que executar serviço de coleta de carga, para acobertar transporte em território paulista desde o endereço do remetente até o seu estabelecimento, será emitida em 3 (três) vias, com a seguinte destinação: 1ª via - Acompanhará a mercadoria coletada desde o endereço do remetente até o do transportador, devendo ser arquivada após a emissão do Conhecimento de Transporte. 10

11 2ª via - Deverá ser entregue ao remetente. 3ª via - Ficará presa ao bloco para exibição ao fisco. Atenção: Após recebida a carga, o transportador emitirá o Conhecimento de Transporte desde o endereço do remetente até o local de destino. O número da ordem de Coleta deverá ser indicado no Conhecimento de Transporte correspondente. V) MANIFESTO DE CARGAS MANIFESTO DE CARGAS - MODELO 25 ( A que se referem o inciso XX e o 3º do artigo 124) Fundamentado no artigo 167 do Decreto /2000 do RICMS, a transportadora poderá emitir antes do início da prestação do serviço, em relação a cada veículo, manifesto de cargas, no caso de transporte de carga fracionada. Entende-se por carga fracionada a que corresponda a mais de um Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas. O referido Manifesto de Cargas será emitido em duas vias, tendo a seguinte destinação: Operação Estadual: 1ª Via - Ficará em poder do transportador até o destino de toda a carga. 2ª Via - Poderá ser arrecadada pelo Fisco Estadual Operação Estadual: 11

12 Será emitido no mínimo de 3 vias, coma seguinte destinação: 1ª Via - Ficará em poder do transportador até o destino da carga 2ª Via - Poderá ser retirada pelo Fisco Estadual 3ª Via - Acompanha as mercadorias para controle do fisco do destino. VI) AUTORIZAÇÃO DE CARREGAMENTO E TRANSPORTES - ACT. Será emitida no transporte a granel de produtos químicos e petroquímicos, líquidos ou gasosos e na prestação efetuada diretamente do estabelecimento remetente ao destinatário conf. Pcat nº 28/2002. Nos demais casos somente seria possivel com autorização expressa por meio de Regime Especial.. Informamos que a partir de através da Portaria Cat nº 28 de , todos os Regimes Especiais eventualmente concedidos que contrariem as disposições da referida Portaria estão revogados. Deverá ser emitida no mínimo 5 (cinco) vias, com a seguinte destinação: 1ª Via - Acompanhará o transporte e retornará ao emitente para emissão do Conhecimento de Transporte, devendo ser arquivada juntamente com a via fixa 2ª Via -- Acompanhará o transporte, para fins de controle do Fisco Paulista 12

13 3ª Via -Deverá ser entregue ao destinatário 4ª Via - Será entregue ao remetente 5ª Via - Será arquivada para exibição ao fisco VII - DESPACHO DE TRANSPORTES Nos termos do artigo 164 do RICMS/2000, a transportadora inscrita no Estado de São Paulo, que contratar transportador autônomo para terminar a execução de serviço de transporte de cargas, em meio de transporte diverso do original, cujo preço tiver sido cobrado até o destino da carga, poderá emitir o Despacho de Transporte em Substituição ao Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas. Observar que tal documento dependerá de autorização através da AIDF. Despacho de Transporte, para cada veículo, será emitido antes do inicio da prestação de serviço, no mínimo em 3 (três) vias, que terão a seguinte destinação: 1ª e 2ª via - deverão ser entregues ao transportador autônomo 3ª via - deverá ficar presa ao bloco, para exibição ao fisco. VIII) DUT - DOCUMENTO ÚNICO DE TRANSPORTE No Sistema Tributário Nacional vigente, o ICMS incorporou as operações relativas aos SERVIÇOS DE TRANSPORTES. Importante observar que, mesmo sendo de caráter estritamente Estadual, não impossibilitou que diversos contribuintes Industria e Comercio, conjugassem na mesma nota fiscal, os dados correspondentes as operações municipais. Tal procedimento veio facilitar muito o dia a dia do contribuinte, poupando-lhe tempo, pois quer que seja no âmbito Estadual, Federal ou Municipal, a Nota Fiscal sempre atenderá as respectivas legislações. 13

14 Exemplo disto são as empresas que comercializam pneus e ao mesmo tempo alinham e fazem balanceamento, logo duas operações (Revenda e Serviços), ou seja, numa mesma Nota Fiscal abranger as duas operações. Diante deste fato porque não aplicar ao C.T.R.C (Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas) o mesmo processo, conjugando em um único documento os campos correspondentes aos ICMS e ao ISSQN. No contato que a PAULICON manteve junto a Divisão de Fiscalização da Prefeitura de São Bernardo do Campo, ficou muito clara e evidenciada a possibilidade de se igualar as Indústrias e Comércio que possuem a prestação de serviços em suas atividades, as transportadoras adotarem um documento único. Esta decisão evitará desperdício de tempo por ocasião de suas emissão. Portanto, sugerimos ás transportadoras a incorporarem no CTRC o campo para serviço ( Transporte estritamente municipal = coleta e entrega no mesmo município) e desta forma num único formulário duas finalidades. ALERTAMOS NO ENTANTO QUE É NECESSÁRIO PEDIDO DE REGIME ESPECIAL JUNTO A SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO PARA TER VALIDADE PLENA COMO DOCUMENTO FISCAL. IX) NOTA FISCAL DE SERVIÇO DE TRANSPORTE MODELO 7 Nos termos do artigo 147 do RICMS/ 2000 a nota Fiscal de Serviço de Transporte- Modelo 7, será emitida, antes do início da prestação de serviço, por transportador, sempre que executar, em veículo próprio ou fretado, serviço de transporte Interestadual ou Intermunicipal de pessoas. 14

15 A referida Nota Fiscal deverá ser emitida em relação a cada veículo e a cada viagem contratada. Atenção: Esta Nota Fiscal é de âmbito Estadual ( Transportes de Pessoas), não devendo ser confundida com a Nota Fiscal Série A (Âmbito Municipal). X) NOTA FISCAL MODELO 1 OU 1-A De acordo com o artigo 125 do Decreto do RICMS/2000, o contribuinte emitirá Nota Fiscal antes de iniciada a saída da mercadoria. Observar atentamente que a partir de as Series A-B-C e Única deixou de existir, passando a ser utilizada as Notas Fiscais Modelo 1ou 1A, portanto da mesma forma em que o transportador só pode aceitar para transporte a Nota Fiscal Modelo 1 ou 1ª, também só poderá emitir o mesmo modelo. Todos os campos são importantes, devendo ser emitidos sem rasuras e com a maior clareza: a) IDENTIFICAÇÃO Saída ( ) - Entrada ( ) Este campo destina-se a identificar a operação b) NATUREZA DE OPERAÇÃO Informar a natureza da operação correspondente: Exemplos: Remessa para Conserto / Devolução/ Brindes/ Compras etc. c)inscrição ESTADUAL DO SUBSTITUTO TRIBUTÁRIO Este campo somente será preenchido quando o emitente for substituto tributário d) NOME OU RAZÃO SOCIAL DO DESTINATÁRIO OU REMETENTE Preencher corretamente o nome do destinatário ou do remetente e) CNPJ (CPF) 15

16 (PJ) - Indicar o nº do CNPJ (Pf) - Indicar o nº do CPF f) INSCRIÇÃO ESTADUAL Indicar o nº da Inscrição Estadual e no caso de PF indicar o nº do RG g) DATA DA EMISSÃO Indicar a data em que o documento está sendo emitido. h) DATA DE SAÍDA Este campo deverá ser preenchido, com a data que o produto saiu da empresa, há muitos casos de apreensão de mercadorias em transito por falta de data da saída. Normalmente a data da saída costuma ser colocada pelo faturamento. Recomendamos que a referida data seja colocada pela expedição. i ) CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTARIA Este campo destina-se a identificar a origem dos produtos e sua forma de tributação. A partir de Janeiro/2001 o CST é composto de 3 (três) dígitos. j) DADOS ADICIONAIS OU INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Este campo é reservado para informações complementares, como por exemplo: Dispositivos Legais, motivo da devolução, nº do pedido etc. A Nota Fiscal Modelo 1 ou 1ª, deverá ser emitida no mínimo de 4 (quatro) vias, com a seguinte destinação: SAÍDAS: 1ª Via - destinatário tanto nas operações Estaduais quanto nas Interestaduais 2ª Via - Fixa - Arquivo Fiscal 16

17 3ª Via - Operação Estadual = Não tem fins específicos Operação Interestadual = Acompanhará as mercadorias 4ª Via - Destinatário = Operação Estadual e Interestadual ENTRADAS: 1ª Via - Remetente 2ª Via - Fixa 3ª Via - Remetente 4ª Via - Remetente XI) NOTA FISCAL DE SERVIÇO DE TRANSPORTE (MUNICIPAL) Deverá ser emitida no mínimo de 2 (duas) vias, nas Prestações de serviço de Transportes, no âmbito Municipal, obedecendo a seguinte destinação: 1ª Via - Será entregue ao destinatário 2ª Via - Ficará presa ao bloco, para exibição ao fisco XII) CONTROLE DE CREDITO DE ICMS DO ATIVO PERMANENTE - CIAP Instituído pela Portaria CAT nº 10 de o CIAP - Modelo B, destina-se a apuração do estorno de crédito relativamente a bem do Ativo Permanente, por Saída ou Perda, quando ocorrer perecimento, extravio, deterioração ou alienação do bem antes de completado o qüinqüênio, contato da data da sua aquisição. O referido documento terá a sua escrituração simultânea ao registro de entradas. XIII) GUIA NACIONAL DE RECOLHIMENTO DE TRIBUTOS ESTADUAIS - GNRE 17

18 A Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais ( G.N.R.E), aprovada pelo artigo 88 do Convênio SINIEF nº 06/89, será utilizada para pagamento de tributos efetuados em outras Unidades da Federação. A mesma deverá ser preenchida em 3( três) vias, com a seguinte destinação: 1ª Via - Secretaria da Fazenda do Estado 2ª Via - Contribuinte 3ª Via - Acompanhará o trânsito da mercadoria GNRE COM CÓDIGOS DE BARRA: A)-Bancos que eceitam GNRE sem códigos de barra- BANEB-BEC-BANESTES-BEG-BEM-BEMGE-PARAIBAN-BANDEPE-BANRISUL- BANERJ-BESC-NOSSA CAIXA-BANESE. B)-Bancos com GNRE exclusivamente com códigos de barras BILBAO VIZCAYA ARGENTINA BRADESCO CAIXA ECONOMICA FEDERAL ITAU UNIBANCO c)-bancos com ou sem código de barras BANCO DO BRASIL BANESPA 18

19 REGRAS GERAIS 1) RETORNO DE MERCADORIAS NÃO ENTREGUE AO DESTINATARIO Nos termos do artigo 207 do Decreto /2000 o retorno de carga por qualquer motivo não entregue ao destinatário, poderá ser acobertado pelo próprio CTRC original, desde que conste o motivo no seu verso. 2) CARGA RETIRADA EM LOCAL DIVERSO DO ENDEREÇO DO REMETENTE Conforme artigo 208 do Decreto /2000, quando a carga for retirada de local diverso do endereço do remetente, tal circunstância deverá ser mencionada no campo de observações ( do CTRC), devendo ser indicado os dados do estabelecimento, tais como CNPJ, Inscrição Estadual e endereço do local da retirada. 3) VALIDADE DA CÓPIA REPROGRÁFICA Para todos os efeitos legais a legislação só reconhece a validade da cópia reprográfica autenticada da via fixa, quando a ocorrência do extravio da primeira via ocorrer depois que o destinatário tenha recebido as mercadorias. A copia reprográfica, mesmo que autenticada não servirá para acobertar o transporte das mercadorias. 19

20 4) CANCELAMENTO DE CONHECIMENTO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Não há cancelamento de C.T.R.C após ter iniciado a operação. Neste caso deverá ser emitida Nota Fiscal de Entrada Modelo 1 ou 1ª, com o código fiscal 1.33 ou Anulação de Serviços. Quando for o caso o C.T.R.C deverá ser remetido 5)- DOCUMENTAÇÃO FISCAL PRAZO DE CONSERVAÇÃO Estadual = Faturas, duplicates, guias, recibos e todos os documentos relacionados ao imposto, deverão ser conservados pelo prazo minimo de 5(cinco) anos. Federal = Deverão ser conservados até que se opere a decadencia do direito de a fazenda publica constituir os créditos tributaries relativos aos exercicios. 20

21 21

22 22

23 23

24 24

25 25

26 26

27 27

28 28

29 29

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Apresentador: José Alves F. Neto Transporte - conceito ICMS X ISS Como determinar a competência Fato gerador RICMS/SP Artigo 2º - Ocorre

Leia mais

DOCUMENTÁRIO ESPECÍFICO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES

DOCUMENTÁRIO ESPECÍFICO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES DOCUMENTÁRIO ESPECÍFICO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES RODOVIÁRIO DE CARGAS: Qualquer transportador rodoviário de cargas ou passageiros que executar ou, melhor dizendo, que prestar serviços de transportes

Leia mais

TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC

TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 04.11.2011. SUMÁRIO: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALÍQUOTAS DO ICMS 2.1 - Operações

Leia mais

EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS CONSIGNAÇÃO MERCANTIL

EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS CONSIGNAÇÃO MERCANTIL EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS CONSIGNAÇÃO MERCANTIL Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Autor: Roberto Ferreira de Freitas Data: 21/07/2006 Consignação Mercantil é a operação entre duas empresas

Leia mais

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO Interessado : POSTO FISCAL DE BELMONT Assunto : Consulta Transporte intermodal e multimodal de cargas. EMENTA: CONSULTA INFORMAÇÃO ACERCA DO TRANSPORTE INTERMODAL E MULTIMODAL DE CARGAS ART. 253-A a 253-

Leia mais

Manual do Sistema para plificada do Crédito Acumulado. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Fazenda

Manual do Sistema para plificada do Crédito Acumulado. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Fazenda GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Fazenda Manual do Sistema para Apuração Simplificad plificada do Crédito Acumulado Versão 1.0.0.1 do Anexo I da Portaria CAT - 207, de 13-10-2009 Página 1 de

Leia mais

CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO

CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO MUDANÇAS DO ICMS CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO Artigo 9º - Contribuinte do imposto é qualquer pessoa, natural ou jurídica,

Leia mais

ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos. ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos

ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos. ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos Nas relações de comércio é muito comum, por motivos como mercadoria em desacordo com o pedido, qualidade insatisfatória, não observância de

Leia mais

Pergunte à CPA. Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais

Pergunte à CPA. Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais 03/04/2014 Pergunte à CPA Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais Apresentação: José A. Fogaça Neto Devolução regras gerais Artigo 4º - Para efeito de aplicação da legislação do imposto, considera-se...

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc...

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc... Processo nº 0840962009-0 Acórdão nº 320/2011 Recurso HIE/CRF-221/2011 RECORRENTE: SECRETÁRIO EXECUTIVO DE ESTADO DA RECEITA RECORRIDA: RELATOR: SALOG SERVIÇOS AUXILIARES DE LOGISTICA LTDA. CONS. FRANCISCO

Leia mais

DECRETO N.º 7330/91 de 09 de julho de 1991

DECRETO N.º 7330/91 de 09 de julho de 1991 DECRETO N.º 7330/91 de 09 de julho de 1991 ALTERADO DISPOSITIVOS PELO DECRETO N.º 7461/91 Regulamenta os documentos fiscais de que trata o Capítulo III do Título II do Código tributário Municipal e dá

Leia mais

A EMENDA CONSTITUCIONAL 87 E PARTILHA DO ICMS ENTRE OS ESTADOS O QUE VAI MUDAR PARA SUA EMPRESA

A EMENDA CONSTITUCIONAL 87 E PARTILHA DO ICMS ENTRE OS ESTADOS O QUE VAI MUDAR PARA SUA EMPRESA Meus Caros, A EMENDA CONSTITUCIONAL 87 E PARTILHA DO ICMS ENTRE OS ESTADOS O QUE VAI MUDAR PARA SUA EMPRESA Fizemos esse manual no formato - perguntas e respostas- com o objeto de ajudá-lo na emissão de

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011 ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011 ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS COM RELAÇÃO ÀS DISPOSIÇÕES PREVISTAS PELA PORTARIA CAT 162/08 A RESPEITO DA OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA. ÍNDICE

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013)

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013) PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013) 1 Conceito e Noções Gerais da NFAe-MEI 1.1 - O que é a Nota Fiscal Avulsa eletrônica MEI

Leia mais

SINDCONT-SP SINDCONT-SP

SINDCONT-SP SINDCONT-SP Sindicato dos Contabilistas de São Paulo (Ex-Instituto Paulista de Contabilidade - Fundado em 1919) ÓRGÃO DE PROFISSÃO LIBERAL SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS DISPOSIÇÕES GERAIS CONCEITOS Lei Complementar

Leia mais

EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS VENDA FORA DO ESTABELECIMENTO

EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS VENDA FORA DO ESTABELECIMENTO EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS VENDA FORA DO ESTABELECIMENTO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Autor: Roberto Ferreira de Freitas Data: 21/07/2006 A venda fora do estabelecimento deve ser realizada

Leia mais

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG 12/06/2014 Pergunte à CPA Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG Apresentação: Helen Mattenhauer Convênio e Protocolos CONVÊNIO: Constitui um acordo entre os Estados, cujo elaboração tem por

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015)

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015) PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015) 1 Conceito e Noções Gerais da NFAe-MEI 1.1 - O que é a Nota Fiscal Avulsa eletrônica MEI

Leia mais

Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10. 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) [...]

Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10. 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) [...] Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) - Também será admitido o CRLV contendo o número do RNTRC ; (Art. 39 da Res. 3.056/09/ANTT, alterada pela 3.658/11) -

Leia mais

EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO

EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Autor: Roberto Ferreira de Freitas Data: 21/07/2006 Para toda remessa de demonstração haverá retorno. Quando a remessa

Leia mais

ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos

ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos Informativo FISCOSoft ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos Os armazéns gerais têm por finalidade a guarda e a conservação das mercadorias remetidas a eles pelos estabelecimentos

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 17.454, DE 16 DE ABRIL DE 2004.

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 17.454, DE 16 DE ABRIL DE 2004. RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 17.454, DE 16 DE ABRIL DE 2004. Altera o Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual,

Leia mais

Respostas às dúvidas mais frequentes a respeito do SINTEGRA

Respostas às dúvidas mais frequentes a respeito do SINTEGRA Respostas às dúvidas mais frequentes a respeito do SINTEGRA Quando vou transmitir o arquivo o sistema me pede nome de usuário e senha. O que fazer? Você esta tentando transmitir o arquivo no formato TXT.

Leia mais

ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem

ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem Sumário 1. Introdução... 2 2. Operações de venda à ordem - emissão de documentos fiscais... 3 2.1 Procedimentos adotados pelo vendedor remetente (fornecedor)...

Leia mais

AJUSTE SINIEF 9, DE 25 DE OUTUBRO DE 2007. Nota: vide alterações desta norma pelos Ajuste SINIEF 10/2008 e Ajuste SINIEF 04/2009.

AJUSTE SINIEF 9, DE 25 DE OUTUBRO DE 2007. Nota: vide alterações desta norma pelos Ajuste SINIEF 10/2008 e Ajuste SINIEF 04/2009. AJUSTE SINIEF 9, DE 25 DE OUTUBRO DE 2007 Data D.O.U.: 30.10.2007 republicado no D.O.U. de 31.10.2007 Nota: vide alterações desta norma pelos Ajuste SINIEF 10/2008 e Ajuste SINIEF 04/2009. Institui o Conhecimento

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 27 de Abril, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Emissão de Documentos Fiscais em Santa Catarina Matéria elaborada com base na Legislação vigente

Leia mais

NOTA FISCAL AVULSA - NFA. atualizado em 08/07/2015

NOTA FISCAL AVULSA - NFA. atualizado em 08/07/2015 atualizado em 08/07/2015 2 ÍNDICE 1. CONCEITO...5 2. MODELO E SÉRIES...5 3. NOTA FISCAL AVULSA - SÉRIE 1...6 4. NOTA FISCAL AVULSA - SÉRIE 2...6 5. VALIDADE...7 6. VENDA DO ESTOQUE DA EMPRESA APÓS A BAIXA

Leia mais

IPI ICMS - SP LEGISLAÇÃO - SP ANO XXI - 2010-5ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2010

IPI ICMS - SP LEGISLAÇÃO - SP ANO XXI - 2010-5ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2010 ANO XXI - 2010-5ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2010 IPI ALTERAÇÃO DE ENDEREÇO - ASPECTOS GERAIS Introdução - Emissão de Nota Fiscal/Procedimentos - Utilização Dos Mesmos Livros e Documentos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Conceito de Redespacho e Serviço realizado por mais de um Prestador 10/09/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Conceito de Redespacho e Serviço realizado por mais de um Prestador 10/09/14 Conceito de Redespacho e Serviço realizado por mais de um Prestador 10/09/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Subcontratação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE SUPERMERCADOS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE SUPERMERCADOS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE SUPERMERCADOS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD 1 - Informações referentes à Escrituração Fiscal Digital EFD A Escrituração Fiscal Digital é um dos módulos do um sistema púbico

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos CFOP correta e Alíquota na prestação de serviço de transporte.

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos CFOP correta e Alíquota na prestação de serviço de transporte. de Segmentos CFOP 17/03/2015 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1. Lei Complementar nº 87/1996... 4 3.2. RICMS

Leia mais

ICMS - Tabela - Pagamento do Imposto - Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE) Formas de Preenchimento

ICMS - Tabela - Pagamento do Imposto - Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE) Formas de Preenchimento ICMS - Tabela - Pagamento do Imposto - Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE) Formas de Preenchimento Este procedimento dispõe sobre os requisitos necessários para a emissão da GNRE

Leia mais

DECRETO Nº 7.678. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, DECRETA:

DECRETO Nº 7.678. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, DECRETA: DECRETO Nº 7.678 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, DECRETA: Art. 1º. Ficam introduzidas no Regulamento do ICMS, aprovado

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO NEGRO

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO NEGRO LEI COMPLEMENTAR Nº 008/2009 SÚMULA: "DÁ NOVA REDAÇÃO À LEI 1687/2007, QUE CRIA A DECLARAÇÃO ELETRÔNICA DE SERVIÇOS DES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Rio Negro, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento. Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011.

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento. Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011. DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011. SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO 2 HIPÓTESES DE INCIDÊNCIA 2.1

Leia mais

LIVRO REGISTRO DE ENTRADAS - Regras para Escrituração dos Modelos 1 e 1-A

LIVRO REGISTRO DE ENTRADAS - Regras para Escrituração dos Modelos 1 e 1-A LIVRO - Regras para Escrituração dos Modelos 1 e 1-A Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 19.09.2013. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - LIVRO, MODELO 1 OU 1-A 2.1 - Documentos Fiscais Registrados

Leia mais

LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC)

LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC) EMPRESA: LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC) NOME DO ARQUIVO Existem dois nomes possíveis: um para as notas de saída e outro para as notas de entrada. - Saídas : O nome do arquivo deve

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

ICMS Emenda Constitucional 87/2015 Diferencial de Alíquotas/DIFAL

ICMS Emenda Constitucional 87/2015 Diferencial de Alíquotas/DIFAL ICMS Emenda Constitucional 87/2015 Diferencial de Alíquotas/DIFAL Em 16/04/2015 foi publicada a Emenda Constitucional (EC) nº 87/2015, com o objetivo de equiparar as operações de vendas interestaduais

Leia mais

ARRENDAMENTO MERCANTIL OU LEASING. (atualizado até 17/01/2014)

ARRENDAMENTO MERCANTIL OU LEASING. (atualizado até 17/01/2014) ARRENDAMENTO MERCANTIL OU LEASING (atualizado até 17/01/2014) 2 ÍNDICE 1. CONCEITOS...4 1.1. Arrendamento Mercantil ou Leasing...4 1.2. Arrendador...4 1.3. Arrendatário...4 2. SISTEMA DE TRIBUTAÇÃO...5

Leia mais

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL N.º 1.209, DE 02 DE MAIO DE 2014, QUE INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, A DECLARAÇÃO ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

CONVÊNIO ICMS 113/96 CONVÊNIO

CONVÊNIO ICMS 113/96 CONVÊNIO Publicado no DOU de 18 e 20.12.96. CONVÊNIO ICMS 113/96 Ratificação Nacional DOU de 08.01.97 pelo Ato COTEPE-ICMS../1997/CV001_97.htm01/97. Alterado pelos Convs. ICMS 54/97, 34/98,107/01, 32/03, 61/03.

Leia mais

DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014

DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014 DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014 (Dispõe sobre a instituição e obrigatoriedade da nota fiscal eletrônica de serviços, da declaração eletrônica de prestadores e tomadores de serviços, com pertinência

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Base de Cálculo e ICMS no DACTE - MG

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Base de Cálculo e ICMS no DACTE - MG Base de 08/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares... 7 6. Referências...

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA DE MATO GROSSO DO SUL

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA DE MATO GROSSO DO SUL FAQ Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Pré-requisitos para ser emissor de MDF-e 02 FAQ - 02 { Obrigatoriedade do MDF-e: Para mais informações

Leia mais

OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA 1. OPERAÇÕES INTERNAS 1.1-BASE DE CÁLCULO - OPERAÇÃO INTERNA No RICMS/SP temos as hipóteses de definição da base de cálculo do ICMS-ST

Leia mais

ICMS/ISS/Nacional - Prestação de Serviço de Transporte - Roteiro de procedimentos

ICMS/ISS/Nacional - Prestação de Serviço de Transporte - Roteiro de procedimentos Publicado em nosso site em 09/04/2013 ICMS/ISS/Nacional - Prestação de Serviço de Transporte - Roteiro de procedimentos Roteiro - Federal - 2013/3015 DOC\2011\3 Sumário I Introdução II Competência e Incidência

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e. Prefeitura Municipal de Tupãssi

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e. Prefeitura Municipal de Tupãssi NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e Prefeitura Municipal de Tupãssi PERGUNTAS E RESPOSTAS O QUE É A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e? R NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) é um documento

Leia mais

SPED - EFD Escrituração Fiscal Digital. Anexo II Lançamento de Ajustes por documento.

SPED - EFD Escrituração Fiscal Digital. Anexo II Lançamento de Ajustes por documento. SPED - EFD Escrituração Fiscal Digital. Anexo II Lançamento de Ajustes por documento. NF Modelo 1 e 1A, Avulsa, Produtor e NF-e. Este anexo detalha todos os lançamentos de Observações e Ajustes (filhos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ibirataia Estado da Bahia

Prefeitura Municipal de Ibirataia Estado da Bahia DECRETO Nº 3857, de 29 de setembro de 2015. "Institui e Regulamenta a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS e) no Município de Ibirataia e dá outras providências." O Prefeito do Município de Ibirataia,,

Leia mais

Orientações ao Contribuinte

Orientações ao Contribuinte FIM DO RECOLHIMENTO DE ICMS E MULTAS NOS POSTOS FISCAIS Orientações ao Contribuinte Versão 1.0 - outubro de 2010. Apresentação A Secretaria de Estado da Tributação divulga este Informativo sobre o término

Leia mais

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012.

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica no ISSQN, a forma e o prazo de recolhimento dos tributos municipais e respectivos acréscimos perante o Código

Leia mais

Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí - AMAVI

Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí - AMAVI Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí - AMAVI José Ângelo Merini Presidente Paulo Cezar Schlichting da Silva 1º Vice-Presidente Hildon Kühl 2º Vice-Presidente Augustinho Fusinato Secretário

Leia mais

Legislação Tributária Estadual do Estado de São Paulo DOCUMENTOS FISCAIS

Legislação Tributária Estadual do Estado de São Paulo DOCUMENTOS FISCAIS 1 DOCUMENTOS FISCAIS I - MODELOS (art. 124) 1. Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A; 2. Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2; 3. Cupom Fiscal emitido por Equipamento Emissor de Cupom Fiscal - ECF; 4. Nota

Leia mais

Portaria CAT 102, de 10-10-2013

Portaria CAT 102, de 10-10-2013 Publicado no D.O.E. (SP) de 11/10/2013 Portaria CAT 102, de 10-10-2013 Dispõe sobre a emissão do Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais - MDF-e, do Documento Auxiliar do Manifesto Eletrônico de Documentos

Leia mais

Detalhamento dos Ajustes

Detalhamento dos Ajustes Detalhamento dos Ajustes 1- Tabela de Ajuste dos Saldos de Apuração do ICMS: Tabela de Códigos de Ajustes da Apuração do ICMS Tabela de códigos de ajustes da apuração será disponibilizada pelas administrações

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos CT-e de Retorno de Mercadoria Não Entregue SP

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos CT-e de Retorno de Mercadoria Não Entregue SP CT-e de Retorno de Mercadoria Não Entregue SP 27/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 ICMS... 5 3.1.1 Diferença entre Devolução

Leia mais

CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA

CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA LEI Nº 2.182, DE 24 DE MAIO DE 2011. Institui a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços no Município de Louveira, define forma, prazo e declarações de recolhimento do ISSQN pelo Sistema Eletrônico e dá outras

Leia mais

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto.

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto. ICMS/SP - Diferimento - Tratamento fiscal 6 de Abril de 2010 Em face da publicação do Decreto nº 55.305/2009 - DOE SP de 31.12.2009, este procedimento foi atualizado (tópico 9 - bens do ativo imobilizado

Leia mais

LEI MUNICIPAL N 4.884 de 13 de dezembro de 2013

LEI MUNICIPAL N 4.884 de 13 de dezembro de 2013 LEI MUNICIPAL N 4.884 de 13 de dezembro de 2013 Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e no Município de Três Passos. JOSÉ CARLOS ANZILIERO AMARAL, Prefeito em exercício de Três Passos, Estado

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO Treinamento atualizado com base na legislação vigente em: 20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO JP CONTÁBIL S/S LTDA AGOSTO/2012 Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador,

Leia mais

ANEXO 4.7. Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada.

ANEXO 4.7. Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada. ANEXO 4.7 Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada. Protocolo ICMS 19/1985 Alterações: Protocolo ICMS 09/1986, 10/1987, 53/91, 05/98, 07/2000, 12/06, 72/07,

Leia mais

Art. 3º O art. 293, do RICMS, aprovado pelo Decreto n.º 13.640, de 13 de novembro de 1997, passa a vigorar com. a seguinte redação: Art. 293... (...

Art. 3º O art. 293, do RICMS, aprovado pelo Decreto n.º 13.640, de 13 de novembro de 1997, passa a vigorar com. a seguinte redação: Art. 293... (... DECRETO Nº 17.706, DE 9 DE AGOSTO DE 2004. Altera o Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto n.º 13.640, de 13 de novembro de 1997, para dispor sobre isenção de produtos intermediários destinados à produção

Leia mais

REMESSA PARA INDUSTRIALIZAÇÃO. (atualizado até 25/02/2014)

REMESSA PARA INDUSTRIALIZAÇÃO. (atualizado até 25/02/2014) REMESSA PARA INDUSTRIALIZAÇÃO (atualizado até 25/02/2014) 2 ÍNDICE 1. CONCEITO...5 2. SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA...5 2.1. Saída Interna...5 2.2. Saída Interestadual...5 3. PROCEDIMENTOS...5 3.1. Remessa pelo

Leia mais

Legislação Tributária Estadual do Estado de São Paulo LIVROS FISCAIS

Legislação Tributária Estadual do Estado de São Paulo LIVROS FISCAIS 1 LIVROS FISCAIS I - MODELOS (art. 213) 1. Registro de Entradas, modelo 1; 2. Registro de Entradas, modelo 1-A; 3. Registro de Saídas, modelo 2; 4. Registro de Saídas, modelo 2-A; 5. Registro de Controle

Leia mais

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? É necessário começar a estudar Contabilidade e Direito Tributário, pois sem exceção, estas matérias entram no edital de todos

Leia mais

Portaria CAT nº 53, de 12-08-1996 (DOE de 27-08-96 Retificação - DOE de 31-08-96)

Portaria CAT nº 53, de 12-08-1996 (DOE de 27-08-96 Retificação - DOE de 31-08-96) Portaria CAT nº 53, de 12-08-1996 (DOE de 27-08-96 Retificação - DOE de 31-08-96) Dispõe sobre a utilização de crédito acumulado do ICMS. O Coordenador da Administração Tributária, no uso de suas atribuições

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA - GSF Home Page: www.sefaz.pi.gov.br

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA - GSF Home Page: www.sefaz.pi.gov.br GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA - GSF Home Page: www.sefaz.pi.gov.br COMUNICADO SEFAZ Nº 003/2007 Informa sobre a instituição da Declaração de Informações

Leia mais

DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013.

DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013. DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013. Institui o Projeto Piloto da Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final (NFC-e), que possibilita a emissão da Nota

Leia mais

1 de 33 2/3/2011 13:47

1 de 33 2/3/2011 13:47 1 de 33 2/3/2011 13:47 RICMS 2000 - Atualizado até o Decreto 56.692, de 27-01-2011. ANEXO V - CLASSIFICAÇÃO DAS OPERAÇÕES, PRESTAÇÕES E SITUAÇÕES TRIBUTÁRIAS (a que se refere o artigo 597 deste regulamento)

Leia mais

Tabelas práticas. TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP

Tabelas práticas. TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP Tabelas práticas TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP TABELA I Das entradas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços As operações praticadas pelos contribuintes do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93 . DECRETO Nº 1.763 DE 18 DE MARÇO DE 2014. PREFEITO MUNICIPAL DE BAMBUÍ, em vigor, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DO SISTEMA ELETRÔNICO DE GESTÃO DO ISSQN

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO Agosto de 2015 Palestra DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA NA AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS INTRERESTADUAIS Tributação do ICMS nas entradas de outra Unidade da Federação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Finanças

Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Finanças INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/2009 GABS/SEFIN Disciplina a emissão de Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e dá outras providências. O Secretário de Finanças do Município de Belém, no uso das atribuições

Leia mais

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar 24/09/2014 Substituição Tributária A substituição tributária do ICMS é um regime jurídico em que

Leia mais

ECF - Equipamento Emissor de Cupom Fiscal

ECF - Equipamento Emissor de Cupom Fiscal ECF - Equipamento Emissor de Cupom Fiscal INTRODUÇÃO Um dos objetivos do uso de equipamento Emissor de Cupom Fiscal - ECF é a automação comercial. O ECF é, sem dúvida, um instrumento importante nesse processo.

Leia mais

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial.

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial. O QUE É A NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

NOVIDADES NA CONTABILIDADE EMPRESARIAL EM 2016. Daisy Machado

NOVIDADES NA CONTABILIDADE EMPRESARIAL EM 2016. Daisy Machado NOVIDADES NA CONTABILIDADE EMPRESARIAL EM 2016 Daisy Machado Regras para NFCe e NFe Na NFC-e a identificação é opcional, mas para entrega em domicílio (campo indpres=4), independentemente do valor da operação,

Leia mais

Composto por quatro dígitos, deverá, obrigatoriamente, ser informado no preenchimento da Nota Fiscal conforme Tabela de Códigos Fiscais.

Composto por quatro dígitos, deverá, obrigatoriamente, ser informado no preenchimento da Nota Fiscal conforme Tabela de Códigos Fiscais. 2 - PRENCHIMENTO DE NOTA FISCAL MERCANTIL. 2.1 CFOP (Código Fiscal de Operações e Prestações) Composto por quatro dígitos, deverá, obrigatoriamente, ser informado no preenchimento da Nota Fiscal conforme

Leia mais

ICMS/SP - Ativo imobilizado - Principais operações

ICMS/SP - Ativo imobilizado - Principais operações ICMS/SP - Ativo imobilizado - Principais operações Sumário 1. Aquisição - Direito ao credito... 3 1.1 Crédito total (até 31.12.2000) com estornos eventuais ao longo de 5 anos... 3 1.2 Crédito parcelado

Leia mais

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por:

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Hierárquico Nenhum. Nenhum. 01 - Cabeçalho do Arquivo. Decimais. Domínio. Fiscais. Fiscais. 02 - Corpo da Nota Fiscal de Saídas. Decimais.

Hierárquico Nenhum. Nenhum. 01 - Cabeçalho do Arquivo. Decimais. Domínio. Fiscais. Fiscais. 02 - Corpo da Nota Fiscal de Saídas. Decimais. Página: / do arquivo: 0 - Cabeçalho do Arquivo Código da Empresa CNPJ da Empresa Inicial das Notas Fiscais Final das Notas Fiscais Valor Fixo "N" da Nota Constante "00000" Sistema Valor Fixo "" 0 0 0 6

Leia mais

DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007

DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007 DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007 * Publicado no DOE em 31/10/2007. Acresce dispositivos ao Decreto nº 24.569, de 31 de julho de 1997, que regulamenta e consolida a legislação do Imposto sobre

Leia mais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais 13/03/2014 Pergunte à CPA Exportação- Regras Gerais Apresentação: Helen Mattenhauer Exportação Nos termos da Lei Complementar nº 87/1996, art. 3º, II, o ICMS não incide sobre operações e prestações que

Leia mais

Documentos Fiscais Eletrônicos na Prestação de Serviço de Transporte de Cargas AFR Newton Oller de Mello Delegacia Regional Tributária do Litoral

Documentos Fiscais Eletrônicos na Prestação de Serviço de Transporte de Cargas AFR Newton Oller de Mello Delegacia Regional Tributária do Litoral Documentos Fiscais Eletrônicos na Prestação de Serviço de Transporte de Cargas AFR Newton Oller de Mello Delegacia Regional Tributária do Litoral Palestra SINDISAN Sindicato das Empresas de Transporte

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Devolução de Mercadoria/Saída acobertada por Cupom Fiscal São Paulo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Devolução de Mercadoria/Saída acobertada por Cupom Fiscal São Paulo São Paulo 09/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 4. Resposta Consulta Tributária da Secretaria de Estado da Fazenda

Leia mais

Projeto Nota Fiscal Eletrônica (NF-e)

Projeto Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Projeto Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) (Ajuste SINIEF 07/05) Estado de Santa Catarina 7º Congresso de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais Florianópolis SC 15/04/2011

Leia mais

Portaria CAT-28, de 22-4-2002

Portaria CAT-28, de 22-4-2002 COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT-28, de 22-4-2002 Dispõe sobre o cumprimento de obrigações acessórias e procedimentos relativos à prestação de serviços de transporte nas suas diversas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DECRETO Nº 4.048, DE 19 DE AGOSTO DE 2008. ALTERA O REGULAMENTO DO ICMS, APROVADO PELO DECRETO Nº 35.245, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1991, IMPLEMENTANDO AS DISPOSIÇÕES

Leia mais

1 de 6 12-04-2013 11:27

1 de 6 12-04-2013 11:27 (*) ESTE TEXTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO. Decreto Nº 13.537, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012. Altera, acrescenta e revoga dispositivos do Subanexo XIII - Do Conhecimento

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE COTIA Estado de São Paulo

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE COTIA Estado de São Paulo LEI COMPLEMENTAR Nº 98, DE 23 DE JULHO DE 2008. INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA ISSQN, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOAQUIM H. PEDROSO NETO, Prefeito do

Leia mais

Art. 1º - Passam a vigorar com a redação que se segue os dispositivos adiante indicados da Portaria CAT nº 32, de 28 de março de 1996:

Art. 1º - Passam a vigorar com a redação que se segue os dispositivos adiante indicados da Portaria CAT nº 32, de 28 de março de 1996: PORTARIA CAT Nº 92, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2002 (DOE DE 03.01.2003) Altera a Portaria CAT nº 32, de 28 de março de 1996, que dispõe sobre a emissão de documentos fiscais e escrituração dos livros fiscais

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ DECRETO Nº 1.742

ESTADO DO PARANÁ DECRETO Nº 1.742 Publicado no Diário Oficial Nº 8488 de 15/06/2011 DECRETO Nº 1.742 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, DECRETA Art. 1º

Leia mais

Orientação para escrituração e emissão de Documentos Fiscais de Entrada / Saída, Devoluções, Cadastro de Produtos.

Orientação para escrituração e emissão de Documentos Fiscais de Entrada / Saída, Devoluções, Cadastro de Produtos. 1 Orientação para escrituração e emissão de Documentos Fiscais de Entrada / Saída, Devoluções, Cadastro de Produtos. Simples Nacional Senhores empresários, deverão ser escriturados todos os Documentos

Leia mais

67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal?

67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal? OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal? Nas operações de vendas a contribuinte, a Nota Fiscal, modelos 1 e 1-A ou a Nota Fiscal

Leia mais

Tabela de Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) Entradas e Prestações de Serviços

Tabela de Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) Entradas e Prestações de Serviços Tabela de Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) Entradas e Prestações de Serviços INTERNO INTERESTADUAL EXTERIOR OPERAÇÃO/ PRESTAÇÃO 1.100 2.100 3.100 COMPRA PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO

Leia mais