ICMS-RJ 2014 Parte 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ICMS-RJ 2014 Parte 2"

Transcrição

1 ICMS-RJ 2014 Parte 2 Prezados leitores e alunos, Pedro Diniz Voltamos com a correção de mais 10 questões da prova de Legislação Tributária do último concurso de auditor-fiscal do ICMS-RJ. Neste bloco, estão resolvidas as quatro questões de ITD que tanta polêmica causaram entre os candidatos. Mãos à obra na leitura e atenção aos conselhos sobre o jeitão FCC de fazer provas, já que a Administração da SEFAZ-RJ está interessada em realizar mais um concurso em 2014, para completar o processo de renovação da carreira da Auditoria Fiscal e para atender ao contrato celebrado em 2013 com a Fundação Carlos Chagas. Abraço a todos e até breve! Prof. Pedro Diniz 81. De acordo com o Regulamento do ICMS do Estado do Rio de Janeiro, quando uma nova espécie de mercadoria for submetida ao regime de substituição tributária, com retenção antecipada do imposto, deverá ser feito o levantamento do estoque dessa mercadoria, o cálculo do imposto a pagar e o seu pagamento, relativamente às operações subsequentes a serem realizadas com ela. O levantamento do estoque, o cálculo do imposto e o pagamento mencionados deverão ser feitos pelo estabelecimento: a) atacadista, distribuidor ou varejista daquela mercadoria, inclusive microempresa ou empresa de pequeno porte, desde que estas últimas não tenham fabricado ou importado a mercadoria. b) atacadista, distribuidor ou varejista daquela mercadoria, exceto microempresa ou empresa de pequeno porte. c) atacadista, distribuidor, importador ou varejista daquela mercadoria, inclusive microempresa ou empresa de pequeno porte. d) industrial, atacadista, distribuidor ou varejista daquela mercadoria, exceto microempresa ou empresa de pequeno porte.

2 e) industrial, importador, atacadista, distribuidor ou varejista daquela mercadoria, inclusive microempresa ou empresa de pequeno porte. Iniciamos a segunda parte da nossa correção com uma terceira questão sobre o tema da Substituição Tributária. Neste caso, o examinador quis saber se o candidato estava a par do regramento a ser seguido quando se muda a tributação de suas mercadorias do regime normal para o regime de ST, ou vice-versa. A alteração do regime será seguida de ajustes na tributação, conforme previsto no Livro II do RICMS-RJ. O contribuinte substituto se ajusta de imediato, passando a reter ou deixando de reter o imposto, conforme o caso entrada ou saída da mercadoria no regime. É o caso dos industriais e importadores. Mas, segundo o art. 36, todos os contribuintes substituídos também devem promover o ajuste relativo às mercadorias em estoque na data da mudança da tributação, já que este passará a ser tributado em forma distinta no futuro. Como o ICMS não será mais debitado nas operações efetuadas pelos atacadistas e varejistas no futuro, se torna necessário recolher o ICMS sobre a mercadoria estocada de forma antecipada (nestes casos, o Fisco permite que esse imposto seja recolhido de forma parcelada). Tendo em vista a diferença entre as situações dos envolvidos, podemos de imediato excluir as opções D e E, que incluem a empresa industrial entre as que ficam obrigadas a ajustar o ICMS sobre o estoque. Como primeiro da cadeia, na fase anterior, basta passar a reter o ICMS nas saídas ocorridas a partir da entrada em vigor da nova legislação. Podemos excluir também a opção C, em razão de também estar incluindo a obrigatoriedade de ajuste para o importador. Neste caso, mesmo que a mercadoria importada já esteja em seu estoque, o ICMS sobre as operações posteriores ainda não precisa ser retido. Pela leitura do item 3, inciso II, do art. 36, vemos que as empresas enquadradas como ME e EPP (Simples Nacional) também devem fazer o procedimento de ajustar o ICMS devido pelo estoque, o que por sua vez prejudica a opção B.

3 A resposta, por eliminação, é a opção A. A parte final da assertiva ficou um pouco confusa. Se o contribuinte fabricou ou importou a mercadoria, ainda que na condição de ME, fica difícil denominá-lo de atacadista, distribuidor e mais ainda de varejista. Entretanto, não creio que a banca aceite eventual recurso interposto neste sentido. Gabarito: A 82. As situações a seguir ocorreram na empresa Indústrias Malaquias, de Nova Friburgo-RJ. Assinale a alternativa que contém hipótese de NÃO incidência do ICMS. a) Saída de produtos de sua fabricação, a título de doação, destinados às vítimas de enchente na região serrana do Estado; e transferência de mercadorias do seu estoque para sua filial de Minas Gerais. b) Aquisição, em licitação promovida pela Receita Federal, em Belo Horizonte-MG, de um torno industrial que fora apreendido em descaminho; e contratação de serviço de transporte, iniciado em Belo Horizonte-MG, prestado por transportadora mineira, para trazer o torno para o seu estabelecimento. c) Transporte de mercadorias do seu estoque, com habitualidade, em veículo próprio, desde Nova Iguaçu-RJ até sua filial em Belo Horizonte-MG, em trajeto interestadual; e aquisição de material de limpeza oriundo do Paraná para utilizar nas dependências administrativas da empresa. d) Venda de rolamentos de sua fabricação para indústria de Macaé-RJ, que os colocou em máquinas que produziu e, comprovadamente, exportou; e venda de sucata de metal originada de perdas de produção para siderúrgica do mesmo Estado. e) Produção e venda de um sino de bronze para uma igreja; e venda de matéria-prima excedente em sua produção. Esta foi uma das questões mais polêmicas da prova, em função da grande quantidade de disposições necessárias para sua resolução e da redação maliciosa do enunciado. Entretanto, veremos que não cabe recurso, na forma como muitos candidatos imaginaram. É importante começar deixando claro que o enunciado solicita a escolha de uma resposta que possua hipótese de não incidência. Todas as opções possuem dois itens para apreciação, e, assim, podemos ter resposta com alternativa que tenha duas (ou pelo menos uma) hipóteses em que não ocorre o FG do imposto. A outra dificuldade, já

4 citada, é o grande número de operações e prestações apresentadas, com a necessidade de conhecer as diversas previsões dos arts. 3 e 40 da Lei do ICMS. Na opção A, temos inicialmente uma hipótese de doação, que se considera uma saída a qualquer título (cf. inciso I, art. 3º, da Lei do ICMS); a outra situação aborda a saída, com a transferência para filial mineira, de estoque de mercadoria temos outra hipótese de incidência definida pela parte final do mesmo inciso citado acima. Aqui o examinador pode ter tentado confundir o candidato com as novas regras sobre não incidência, previstas no inciso XXV do art. 40, mas, neste caso, a dispensa só alcança as transferências de bens do ativo e de material de uso e consumo, ainda que em operação interestadual. Temos duas incidências, afastando a resposta desta opção. Em seguida, na opção B, temos a aquisição de máquina em leilão da RFB, considerado FG do ICMS pela LC 87 e pela Lei do RJ. Esse imposto cabe a MG, mas o enunciado não diz que o candidato deve considerar as hipóteses de não incidência apenas para o estado do RJ, então temos mais um item que não nos serve. Vejamos a segunda situação aquisição de frete em Minas Gerais relacionado à movimentação da máquina para o RJ: cabe ICMS para MG pela prestação e ainda o diferencial de serviço para o RJ (cf. inciso VII do art. 3º). Na alternativa C, encontramos em primeiro lugar o transporte interestadual de mercadorias de titularidade da empresa em veículo próprio. Mesmo com habitualidade e mesmo se tratando de frete interestadual, não temos a ocorrência de FG, pois não ocorre prestação já temos, portanto, a nossa resposta; mas vejamos também a segunda situação, que se considera FG do ICMS diferencial de alíquotas pela aquisição de material de consumo em outra UF, exigível na forma do inciso VI do art. 3º da Lei Estadual. Na opção D, temos dois fatos geradores: saída para indústria que vai fazer a exportação não é caso de equiparação à exportação prevista na lei o 2º do art. 40 só dispensa as saídas para filiais, empresas exportadoras e armazéns alfandegados; o outro item trata da venda de sucata, que é FG, conforme prevê o RICMS em seu Livro XII. Por fim, na alternativa E, temos a venda de sino para pessoa imune o que não altera a incidência do imposto, pois o contribuinte de direito não é a pessoa imune; o segundo item trata da venda de matéria prima, que também é considerada FG do ICMS.

5 Assim, só a opção C tem uma única hipótese de não incidência. Em todas as demais nove situações, ocorre o FG, para o RJ ou para outra UF (opção B). Foi uma questão difícil, trabalhosa, mas corretamente formulada. Gabarito: C 83. A Indústria Sofonias, localizada no Estado do Rio de Janeiro, possui saldo credor acumulado, oriundo de operações ou prestações efetuadas com alíquotas diversificadas, no valor de R$ ,00 (hum milhão de reais), e pretende transferir parte dele para a Fábrica de Máquinas Ageu, em pagamento de equipamentos industriais que vai adquirir, no valor de R$ ,00. Nesse caso, desde que respeitada a disciplina prevista na legislação, já tendo ocorrido exame da legitimidade dos créditos e autorização do Secretário da Fazenda, a negociação poderá ser feita, mas a transferência do crédito será limitada ao valor de: a) R$ ,00, independentemente de verificação de valores recolhidos pelo destinatário do crédito. b) R$ ,00 e desde que o destinatário do crédito tenha recolhido ICMS, no período imediatamente anterior ao da transferência, no valor de R$ ,67, ou mais. c) R$ ,00 e desde que o destinatário do crédito tenha recolhido ICMS, no período imediatamente anterior ao da transferência, no valor de R$ ,00, ou mais. d) R$ ,00, independentemente de verificação de valores recolhidos pelo destinatário do crédito. e) R$ ,00, independentemente de verificação de valores recolhidos pelo destinatário do crédito, mas desde que a origem da acumulação de crédito seja, exclusivamente, a exportação devidamente comprovada. Deparamo-nos agora com uma questão muito difícil, envolvendo o tema dos créditos acumulados do ICMS, em função de muitos detalhes constantes do Livro III do RICMS e da necessidade de realizar algumas contas para chegar ao resultado correto. O examinador selecionou uma hipótese de saldo acumulado diferente da usual o saldo ocasionado pelo direito de manter o crédito nas exportações. Nas demais hipóteses de CA (previstas no art. 13 do Livro III), como esta na qual o contribuinte compra os insumos pela alíquota interna e faz operações interestaduais com alíquotas mais reduzidas (7% ou 12%), as permissões para transferir o crédito são mais restritas.

6 As regras para se chegar à resposta correta constam dos arts. 14, 1º, e 15 do Livro III. Art. 14 (...) 1º As transferências previstas neste artigo são limitadas a 40% (quarenta por cento) do valor total da respectiva operação. (...) Art. 15. O recebimento de créditos pela empresa destinatária fica limitado a 30% (trinta por cento) do valor do imposto por ela recolhido no período imediatamente anterior à transferência. Vejamos como o contribuinte poderia transferir saldos, até o limite autorizado pelo Fisco. O saldo total acumulado é de R$ ,00, que pode ser transferido se verificados requisitos. A transferência é admitida apenas para estabelecimentos industriais e em valores restritos. A primeira restrição se aplica como um percentual máximo do valor da operação ( 1º do art. 14). Assim, se a compra de equipamentos é feita pelo valor de R$ x 40% = R$ ,00, o que já elimina a opção A. A segunda restrição se aplica como um percentual da arrecadação do estabelecimento destinatário (art. 15). Para receber R$ , o destinatário do crédito tem que faturar, no mínimo, esse valor e mais 70%: R$ ,00 30 x 100= R$ ,67. A resposta está na opção B, pois a restrição para quem remete é de 40% do valor total da operação, e, para quem recebe o valor transferido, este não pode superar 30% do ICMS recolhido no mês anterior. Nas opções seguintes, temos vários erros: Opção C valor limite para recebimento é incorreto; Opção D como visto, valor depende da arrecadação do destinatário; Opção E não se trata de exportação, e, se fosse, poderia ser transferido o saldo de créditos na integralidade do valor da operação. Gabarito: B

7 84. Em relação à legislação do ICMS do Estado do Rio de Janeiro, é INCORRETO afirmar: a) O diferimento é uma forma de substituição tributária das operações antecedentes e o responsável se localiza em uma das etapas posteriores àquela que é objeto do instituto, sendo que sua concessão não é hipótese de deliberação dos Estados nos termos do artigo 155, 2º, XII, g da Constituição Federal, sendo que o contribuinte que realiza saída de mercadoria a ele sujeita, não terá de promover estorno de crédito referente a essas mercadorias. b) Contribuinte que promover entrada de mercadoria, por ele adquirida ou importada, em seu estoque, destinada a posterior revenda tributada, somente poderá se creditar no período de apuração em que ocorrer a entrada da mercadoria em seu estabelecimento, mesmo que tenha havido recolhimento do ICMS, por guia especial, na data da saída da mercadoria do fornecedor ou na data do desembaraço aduaneiro, em período de apuração do imposto anterior àquele em que o crédito foi efetuado. c) Considera-se brinde, estando sujeita às regras específicas de capítulo próprio do Regulamento do ICMS/RJ, a mercadoria que, não constituindo objeto normal da atividade do contribuinte, tenha sido adquirida para distribuição gratuita a consumidor ou usuário final. d) Na remessa de mercadoria para contribuinte ou não do imposto, sem que se efetive a entrada no estabelecimento ou domicílio do destinatário, o Regulamento do ICMS do Estado do Rio de Janeiro determina que o transportador promoverá o seu retorno ao estabelecimento de origem, acompanhada do mesmo documento fiscal, mencionando os motivos da não entrega no verso da 1ª via, e o remetente deve emitir nota fiscal relativa à entrada da mercadoria, inclusive para o respectivo crédito, quando for o caso. e) Na hipótese de mercadoria depositada em armazém geral por contribuinte do ICMS, no momento da entrega pelo armazém a destinatário que esteja adquirindo tal mercadoria do depositante, o armazém, em caso de mercadoria tributada, emite nota fiscal com destaque do ICMS, quando o depositante for de outra unidade da Federação, e emite sem destaque do ICMS, quando o depositante for da mesma unidade da Federação. Esta é outra questão bastante longa, que engloba diversos temas, alguns bens específicos, dispostos em diversos livros do Regulamento do ICMS. Uma visão superficial faria o candidato desistir de sua resolução, mas a alternativa incorreta que atende ao enunciado saltaria aos olhos se fosse feita uma rápida e atenta leitura.

8 A opção A, dada como certa, possui uma pequena impropriedade, nos termos da legislação do RJ. Vejamos o 6º do art. 17: 6º É facultado ao Poder Executivo submeter ao regime de diferimento operações e prestações, estabelecendo o momento em que deva ocorrer o lançamento e pagamento do imposto e atribuindo a responsabilidade, por substituição, a qualquer contribuinte vinculado ao momento final do diferimento. Grifamos o final da disposição para destacar que o responsável não está localizado em qualquer uma das etapas posteriores, e sim apenas naquela em que ocorre o fim do diferimento, conforme a determinação da legislação. Esse pequeno detalhe poderia trazer dúvida aos candidatos, mas esta seria eliminada pela leitura da opção seguinte. Um dos pontos mais importantes das regras de creditamento é a/o obrigação/direito de efetuar o crédito no próprio período em que a mercadoria, bem ou serviço entrar no estabelecimento. Temos uma importante ressalva, para o caso da importação, no qual se admite que o creditamento do ICMS possa ser feito antes da entrada da mercadoria ou bem no estabelecimento, desde que o imposto seja pago por ocasião do desembaraço. A disposição excepcionalmente prevista no art. 10, Livro XI, do RICMS, é ressaltada por todos os professores e em todos os materiais didáticos, bem como sempre é objeto de questionamento nas provas para os cargos da área fiscal. A redação contrária da alternativa, contra a temporalidade antecipada deste tipo de crédito, se o candidato estivesse atento, teria indicado a resposta para a questão com facilidade, além de ser uma alternativa muito mais equivocada do que a opção A. Na opção C, temos afirmativa correta, de acordo com o art. 169 do Livro VI, e agora com a nova redação dada pelo 1º, art. 46, Parte II, da Consolidação da LT do ICMS Res 720/14. O brinde não pode ser mercadoria comercializada ou industrializada pela empresa. A opção D também está correta, de acordo com o que consta nos arts. 164 e 165 do livro VI, agora com a nova redação dada pelo art. 39, Parte II, da Consolidação da LT do ICMS Res 720/14. Nos retornos integrais de mercadoria, a regularidade fiscal é atestada pelo transportador no verso do documento de remessa e o remetente acoberta a entrada mediante a emissão de nota para tal fim.

9 Correto também o que foi reproduzido na opção final, de acordo com o 1º do art. 127 e com o 1º, art. 129, do Livro VI, agora com as novas redações dadas, respectivamente, pelo inciso II do art. 9º e pelo inciso II do art. 11, Parte II, da Consolidação da LT do ICMS Res 720/14. Apesar da complexidade das opções A, C, D e E, o examinador deixou uma alternativa errada, de conhecimento geral sobre a obrigação principal, logo na segunda opção. Acredito que alguns candidatos tenham percebido esta deixa da banca. Gabarito: B 85. Ramon e Julieta eram casados pelo regime da comunhão universal de bens, sendo que, por ocasião do falecimento de Ramon, o patrimônio total do casal era de R$ ,00. Em decorrência de seu óbito, Ramon deixou a esposa, Julieta, e mais quatro filhos vivos: Guilherme, Elizabeth, Maria e Jaime. Constou do processo de inventário dos bens deixados por Ramon, que corria no município de Niterói, que: o casal era domiciliado em Niterói; não foi deixado testamento; os cônjuges não tinham bens particulares; o espólio não deixou dívidas; as despesas de funeral foram pagas pelos confrades de Ramon, do clube Confraria dos Degustadores de Cerveja ; Julieta era apenas meeira dos bens comuns do casal; Julieta não era herdeira de Ramon, por serem casados pelo regime da comunhão universal de bens; não havia bens a serem colacionados pelos herdeiros; não havia herdeiros indignos ou deserdados; todos os herdeiros eram domiciliados na cidade do Rio de Janeiro; todos os bens deixados por Ramon, móveis e imóveis, estavam em território fluminense. Constou, ainda, do processo de inventário que, Guilherme, filho mais velho, que estava bem de vida, renunciou à integralidade do seu quinhão de herança a favor de sua mãe, Julieta, e que Jaime, filho mais novo, que nunca demonstrou ter aceitado a herança, renunciou expressamente a favor do monte, sem qualquer ressalva, por convicções pessoais. Elizabeth e Maria aceitaram a herança. Ao fim do processo de inventário dos bens deixados por Ramon,

10 a) Guilherme, Elizabeth e Maria pagaram, cada um, R$8.000,00, de ITD causa mortis, e Julieta pagou R$8.000,00, de ITD doação, tendo ocorrido um total de quatro fatos geradores até o final do processo de inventário, sendo três deles causa mortis e um deles doação. b) Guilherme, Elizabeth e Maria pagaram, cada um, R$8.000,00, de ITD causa mortis, e Julieta pagou R$8.000,00, de ITD doação, tendo ocorrido um total de cinco fatos geradores até o final do processo de inventário, sendo quatro deles causa mortis e um deles doação. c) Guilherme, Elizabeth e Maria pagaram, cada um, R$16.000,00, de ITD causa mortis, e Julieta pagou R$16.000,00, de ITD doação, tendo ocorrido um total de quatro fatos geradores até o final do processo de inventário, sendo três deles causa mortis e um deles doação. d) Guilherme, Elizabeth, Maria e Jaime pagaram, cada um, R$12.000,00, de ITD causa mortis, e Julieta pagou, R$12.000,00 de ITD doação, tendo ocorrido um total de cinco fatos geradores até o final do processo de inventário, sendo três deles causa mortis e dois deles doação. e) Guilherme, Elizabeth, Maria e Jaime pagaram, cada um, R$6.000,00, de ITD causa mortis, e Julieta pagou R$6.000,00, de ITD doação, tendo ocorrido um total de cinco fatos geradores até o final do processo de inventário, sendo três deles causa mortis e dois deles doação. As questões de ITD são sempre especiais quando se trata de FCC, conforme sempre aviso aos alunos e leitores. Não basta saber a legislação do ITD, que por si já é bastante extensa. O candidato tem que saber conjugar tais dispositivos legais com os conceitos do direito civil e com o mundo real. Esta é a primeira de um conjunto de quatro questões sobre esse tributo. Vejamos como montar todas as informações disponíveis no enunciado, sabendo que a resposta requer a indicação das pessoas que aparecem como beneficiários, indicando o número de fatos geradores e o valor que cada um deles deve recolher. 1. A primeira pergunta deve ser a existência ou não dos FG. A resposta é positiva, pois se trata de transmissão causa mortis. Como os imóveis estavam no RJ e o casal era aqui domiciliado (determinando incidência sobre os bens móveis), cabe ITD integral para essa UF. Temos ainda que observar adicionalmente a ação posterior dos

11 beneficiários quanto ao seu quinhão, para ver se houve alguma doação nas renúncias que foram indicadas no enunciado. 2. Como se trata de sucessão causa mortis, com cônjuge supérstite (deixou viúva), temos que identificar a base imponível na transmissão causa mortis, já que pode existir meação em virtude do contrato de matrimônio. Pelo enunciado, todos os bens são comuns e o regime é o de comunhão universal. Neste caso, metade do patrimônio é de Julieta e não está sendo transferido com a morte de Ramon a BC é de apenas R$600 mil. 3. Pela transmissão causa mortis seriam, então, 4 FG, uma para cada filho, lembrando que Julieta não herda em função de não existirem bens particulares de Ramon já tem a meação. 4. Temos duas renúncias à herança, sendo que uma delas (Jaime) é pura e simples só temos, então, 3 FG CM. 5. A outra renúncia, de Guilherme, é indicativa, pois direciona a herança para pessoa identificável. É a regra do art. 2º da Lei 1.427/89. Não se trata de causa mortis, mas é outro FG relacionado com doação 1/3 da herança de Guilherme depois vai para sua mãe. Temos um total de 4 FGs. Assim, sem precisar de qualquer outro cálculo, já podemos eliminar: a) as alternativas D e E, pois Jaime não é contribuinte; e b) a alternativa B, pois são quatro e não cinco o número de fatos geradores. Vejamos agora como calcular o ITD, o que determinará nossa escolha entre as opções A e C. O que explicitará a diferença é o cálculo do monte, em função de se tratar apenas da parte não sujeita à meação. Na transmissão causa mortis, tivemos uma renúncia abdicativa (Jaime) e outra indicativa (Guilherme), resultando em três fatos geradores, com a seguinte forma de pagamento: R$600 3 = 200 x 0,04 = R$8 mil, o que também elimina a opção C. Além disso, vimos que a fração de Guilherme sobre outra incidência, a título da doação, em favor de Julieta: R$200 x 0,04 = R$8 mil. Gabarito: A

12 86. Américo, viúvo, domiciliado em Angra dos Reis-RJ, sem herdeiros necessários vivos, decidiu doar parte de seu patrimônio a seus quatro sobrinhos: Meire, Nilton, Alfredo e Isabela. Desse modo: Meire recebeu a nua-propriedade de uma casa localizada em Varginha-MG, com valor real de R$ ,00, mais R$50.000,00, em dinheiro, depositados em agência bancária localizada na cidade de São Paulo. Nilton recebeu um veículo automotor de passeio, usado, licenciado na cidade de Angra dos Reis-RJ, no valor de R$30.000,00, mais uma centena de livros raros, no valor total de R$ ,00, cuidadosamente guardados por Américo, em sua casa de veraneio de Guarapari-ES. Alfredo, sobrinho predileto, recebeu uma casa de campo, localizada em Guarapari-ES, no valor de R$ ,00, recebeu um galpão (terreno e construção), na cidade de Teresópolis-RJ, no valor de R$ ,00 e recebeu R$2.500,00, em dinheiro, provenientes de uma caderneta de poupança esquecida por Américo, que foi encerrada com o saque dessa importância. Isabela recebeu a nua-propriedade de um imóvel localizado em Campos dos Goitacazes-RJ, no valor de R$ ,00, mais um terreno localizado em Lorena-SP, no valor de R$30.000,00. Considere, ainda, que: todos os bens foram doados pelo seu valor real; dentre os sobrinhos donatários, somente Alfredo renunciou ao direito de impugnar, na esfera administrativa, a base de cálculo definida em relação aos bens imóveis, com o objetivo de auferir os benefícios fiscais decorrentes dessa renúncia; nenhum dos donatários residia no imóvel que recebeu em doação; o valor da UFIR-RJ, no exercício em que todas essas doações foram feitas, era de R$2,4066 (Nos cálculos, desprezar as casas decimais além da casa do centavo). Considerando as informações acima, o valor total do ITD devido ao Estado do Rio de Janeiro, em razão de todas as doações efetuadas por Américo aos seus sobrinhos é a) R$21.300,00. b) R$13.942,76. c) R$15.300,00. d) R$17.700,00. e) R$10.242,87.

13 A segunda questão sobre o ITD apresenta um caso de diversas doações, para que o candidato promova a identificação dos sujeitos ativos do ITD, de forma a apurar o imposto que será devido ao RJ apenas, em razão das determinações previstas na Constituição Federal e na legislação estadual. O candidato teria que verificar, além das regras sobre sujeição, diversas disposições particulares envolvendo a base de cálculo do imposto, para chegar ao valor correto do ITD devido. Neste caso, temos uma questão com grau de complexidade que a torna incapaz de servir como discriminadora dos candidatos que se prepararam daqueles que não se prepararam para a prova. A média de acertos deve ter ficado muito próxima a 20%, situação que acontece quando a grande maioria das respostas é mero chute em uma das alternativas. Vamos buscar a solução achando o valor que cabe a cada beneficiário. 1. Meire: I. Casa em Varginha: R$150 2, pois se trata apenas da nua-propriedade, mas é bem imóvel e, portanto, ITD cabe a MG; II. Depósito em espécie é bem móvel e doador no RJ, assim R$50 x 0,04 = R$2 mil; Total ITD: R$2.000, Nilton: I. Veículo é bem móvel, com doador no RJ R$30 x 0,04 = R$1,2 mil; II. Doação de livros seria FG para RJ, mas para FCC, a imunidade neste caso é para todos os tributos, conforme posição já fixada na prova de AFR-SP de 2009; Total ITD: R$1.200, Alfredo: I. Imóvel em Guarapari, seria R$100 x 0,04, mas é para ES; II. Galpão em Teresópolis: R$120 x 0,04 = R$4.800,00; III. Doação de poupança: R$2.500 x 0,04, mas neste caso é isento (cf. inciso IX do art. 3º UFIR x 2,4066 R$2.500); Total ITD: R$4.800,00.

14 4. Isabela: I. Imóvel no RJ: R$180 2 porque é nua-propriedade = R$90 x 0,04 = R$3.600,00; II. R$30 x 0,04, mas terreno é em SP; Total ITD: R$3.600,00. A soma dos quatro valores chega a R$11.600,00. Para essa importância, ainda não encontramos resposta, pois o examinador utilizou mais uma disposição da Lei do ITD. Em função do disposto no 2º do art. 10 da Lei Estadual, há redução da base de cálculo para bens imóveis quando o beneficiário abre mão impugnar o valor lançado pelo Fisco. Meire, Nilton e Isabela não poderiam se aproveitar deste benefício, que corresponde a UFIR = R$ ,00 Assim: Meire, Nilton e Isabela: 2 + 1,2 + 3,6 = R$ 6.800,00. Alfredo tem uma redução em seu imposto sobre o bem imóvel, da seguinte forma: BC: R$ ,00 R$ ,00 = R$ ,00. Aplicando a alíquota de 4%, chegamos ao imposto de R$ 3.442,88. Somadas as quatro importâncias, chegamos a R$ ,88. Portanto, trata-se de questão que só serviu para selecionar os candidatos que tiveram a frieza de identificar; uma questão impossível de ser solucionada sem prejudicar o restante da prova. Gabarito: E 87. Mamede e Eulália eram casados pelo regime da comunhão parcial de bens, sendo que, por ocasião do falecimento de Mamede, o patrimônio total do casal era de R$ ,00. Ao falecer, Mamede deixou a esposa, Eulália, e mais cinco filhos vivos: Rita, Eduardo, Marino, Gustavo e Adriana. Constou do processo de inventário dos bens deixados por Mamede, que corria no município de Nova Iguaçu-RJ, que: o casal era domiciliado em Nova Iguaçu-RJ; foi deixado testamento; Eulália não era herdeira necessária de Mamede, pois eles eram casados pelo regime da comunhão parcial de bens e Mamede não tinha bens particulares; o espólio não deixou dívidas; as despesas de funeral foram pagas por amigos da família; não havia bens a serem colacionados pelos herdeiros;

15 não havia herdeiros indignos ou deserdados; todos os herdeiros eram domiciliados na cidade de Petrópolis-RJ; não houve doação no bojo do processo; todos os bens deixados por Mamede estavam em território fluminense. Mamede, por meio de testamento, deixou bens para seus familiares, nos seguintes valores: R$ ,00 para Eulália; R$70.000,00 para Rita; R$40.000,00 para Eduardo; R$20.000,00 para Marino; R$60.000,00 para Gustavo; R$ ,00 para Adriana. Com base nos dados acima, o valor total que cada herdeiro/legatário deverá pagar ao erário fluminense a título de ITD causa mortis está expresso em: Outra questão de ITD cuja resolução também depende de conhecimentos que envolvem o direito das sucessões. Agora se busca apurar o valor do imposto devido por cada beneficiário de uma sucessão causa mortis, existindo disposição testamentária. Vamos começar então explicitando os condicionantes particulares desta transmissão: 1. Há meação de todo o patrimônio, pois não existem bens particulares e o regime é o da comunhão parcial o monte tributável é de apenas R$900 mil; 2. A outra particularidade da questão é o testamento pelo qual o de cujus resolveu dispor de R$400 mil. Assim, a parte livre passa a ser de 500, a ser dividida igualmente pelos cinco filhos (poderia ter sido doado até metade do monte R$450 mil). Faremos o cálculo por beneficiário, para melhor enfocar a resposta solicitada. 1. Eulália: não herda nada, pois é meeira. Receberá o legado apenas R$100 x 4% = R$4.000,00. Com esta simples observação, o candidato já poderia eliminar as alternativas A, B e D.

16 2. Rita: além do legado de R$70 mil, faz jus ao quinhão de R$100 mil, perfazendo um total de R$170 mil x 4% = R$6.800,00. Pela informação referente ao legado, o valor do ITD já seria de R$2.800,00, e sabendo-se que ainda teria direito a legítima não pode mais ser adotada a opção E. A resposta já está identificada na opção C. Esta leitura interpretativa da questão permitiria uma resposta mais rápida, desde que o candidato identificasse os condicionantes que afetaram o quinhão de determinados beneficiários, em especial, Eulália. Segue o cálculo dos demais para conferência: Eduardo R$140 x 4%= R$5.600,00 mil; Marino R$120 x 4%= R$4.800,00 mil; Gustavo R$160 x 4%= R$6.400,00 mil; Adriana R$210 x 4%= R$8.400,00 mil. Gabarito: C 88. Giovanni, viúvo, de nacionalidade italiana, depois de ter residido muitos anos no Brasil, retornou à Itália, onde pretende viver pelo resto de sua vida. Como não tem herdeiros necessários, decidiu doar boa parte de seus bens, localizados no Brasil, aos seus cinco sobrinhos: Lucas, domiciliado em São Paulo, Thiago, domiciliado no Rio de Janeiro, Gustavo, domiciliado no Rio Grande do Norte, Mariana, domiciliada no Pará, e Bruno, domiciliado em Pernambuco. Lucas recebeu uma casa localizada no município do Rio de Janeiro e um lote de ações da empresa VIVA A ITÁLIA, negociadas na Bolsa de Valores e custodiadas em corretora paulista na data da doação. Thiago recebeu um sítio localizado em Feira de Santana-BA, junto com as 20 cabeças de gado que nele existiam. Gustavo recebeu o domínio útil de um imóvel localizado em Petrópolis-RJ, e o saldo integral de uma caderneta de poupança aberta na agência do BANCO BRASILEIRO S/A, localizada em Londrina-PR. Mariana recebeu o apartamento localizado em Uberlândia-MG e uma quantidade considerável de joias, que Giovanni deixou guardadas em cofre de agência bancária paulista. Bruno recebeu a nua-propriedade de um imóvel localizado em Guarapari-ES, cujo usufruto pertence à irmã de Giovanni, Paola, que nele reside. Bruno recebeu, ainda, 10 cavalos de raça, que os seus respectivos se encontravam em um haras localizado em Teresópolis-RJ, haras este pertencente ao irmão de Giovanni, Aldo. Com base nas informações acima, nas regras constitucionais que fixam a competência tributária e na Lei Estadual no 1.427, de 13 de fevereiro de 1989, e suas atualizações, as doações em que o ITD é devido ao Estado do Rio de Janeiro e os seus respectivos contribuintes estão expressos em:

17 a) Casa localizada no município do Rio de Janeiro / Lucas; domínio útil de um imóvel localizado em Petrópolis / Gustavo e 10 cavalos de raça, que se encontravam em um haras localizado em Teresópolis / Bruno. b) Casa localizada no município do Rio de Janeiro / Lucas; 10 cavalos de raça, que se encontravam em um haras localizado em Teresópolis / Bruno e sítio em Feira de Santana / Thiago. c) Ações da empresa VIVA A ITÁLIA, custodiadas em corretora paulista / Giovanni; saldo integral da caderneta de poupança aberta no BANCO BRASILEIRO S/A, com agência localizada em Londrina / Giovanni e joias guardadas em cofre de agência bancária paulista / Giovanni. d) Casa localizada no município do Rio de Janeiro / Lucas; 20 cabeças de gado existentes em sítio em Feira de Santana / Thiago e domínio útil de um imóvel localizado em Petrópolis / Gustavo. e) Dez cavalos de raça, que se encontravam em um haras localizado em Teresópolis / Aldo; sítio em Feira de Santana / Thiago e saldo integral da caderneta de poupança aberta no BANCO BRASILEIRO S/A, com agência localizada em Londrina / Giovanni. A última questão tratando do ITD envolve mais uma vez o tema da sujeição ativa. O examinador buscou neste caso tratar de uma doação feita por pessoa que passou a ser domiciliada no exterior, devendo ser aplicados os dispositivos dos arts. 8º e 9º da Lei Estadual. O ITD será devido para o RJ quando os imóveis estiverem no seu território e quando os beneficiários das doações de bens móveis estiverem domiciliados no estado do RJ. 1. Em relação aos bens imóveis e seus direitos: Sofrem tributação apenas a casa no RJ, deixada para Lucas, e o domínio útil de imóvel em Petrópolis deixado para Gustavo. 2. Em relação aos bens imóveis: Os bens móveis que cabem ao RJ são definidos pelo único beneficiário domiciliado no RJ: Thiago. São as cabeças de gado existentes no sítio localizado em Feira de Santana. Gabarito: D Para responder às questões de números 89 e 90, considere as informações a seguir:

18 Não podia deixar de faltar nesta prova uma formulação bem ao estilo da FCC, que consiste na apresentação de um enunciado comum para atender a mais de uma questão. O tema agora é o IPVA. A empresa Carro Novo Em Folha Ltda., importadora e revendedora de veículos nacionais e importados, da marca BRAND NEW CAR, com estabelecimento único na cidade de Angra dos Reis-RJ, promoveu as seguintes aquisições e revendas de veículos de passeio, no ano de 2012: I. em fevereiro de 2012, adquiriu, mediante importação, com o desembaraço aduaneiro nesse mesmo mês de fevereiro, um veículo de passeio flex, 0 Km, movido a álcool e a gasolina, fabricado pela BRAND NEW CAR dos Estados Unidos, pelo valor, em reais, equivalente a R$39.600,00, para ser integrado ao ativo fixo da empresa e utilizado para test drive. O veículo até chegou a ser registrado no DETRAN-RJ. Esses R$39.600,00 compreendem o valor constante do documento de importação, incluindo os valores dos tributos federais e das despesas aduaneiras devidos pela importação. O ICMS incidente sobre essa importação, que não está incluso, foi de R$4.800,00. Depois de utilizá-lo para test drive, por vários meses, essa revendedora o vendeu, em outubro de 2012, para José Alves, emitindo o devido documento fiscal, no valor de R$30.000,00, por ser este o preço à vista do referido veículo; II. em maio de 2012, adquiriu um veículo de passeio, 0 Km, movido a gás e a gasolina, fabricado pela BRAND NEW CAR do Rio de Janeiro, pelo valor de R$48.000,00, e revendido, também 0 Km, a Marcos da Silva, em junho de 2012, por R$60.000,00, emitindo o devido documento fiscal, neste valor, por ser este o preço à vista do referido veículo; III. em setembro de 2012, adquiriu, mediante importação, com o desembaraço aduaneiro nesse mesmo mês de setembro, um veículo de passeio, 0 Km, movido a gasolina, fabricado pela BRAND NEW CAR da Nova Zelândia, pelo valor, em reais, equivalente a R$81.000,00. Esses R$81.000,00 compreendem o valor constante do documento de importação, incluindo os valores dos tributos federais e das despesas aduaneiras devidos pela importação. O ICMS incidente sobre a importação, que não está incluso, foi de R$9.000,00. O referido veículo foi vendido, 0 Km, a Solange de Oliveira, no mesmo mês de setembro de 2012, tendo sido emitido o devido documento fiscal pelo valor de R$ ,00, por ser este o preço a vista do referido veículo. Frise-se que, no ano de 2012, só ocorreram essas transações com esses três veículos e que não existe preço tabelado para eles pelo órgão competente.

19 89. Considerando as situações I, II e III apresentadas, ocorridas em 2012, o momento da ocorrência do fato gerador do IPVA e a pessoa do respectivo contribuinte estão corretamente expressos em: A primeira das questões envolve um duplo tema, o momento de ocorrência do FG e a sujeição passiva direta nas diversas situações apresentadas no enunciado comum. Serão considerados os arts. 1º, parágrafo único, e 2º, da Lei do IPVA. Em I temos a importação de veículo do exterior por pessoa jurídica, mas sendo que essa pessoa assume a condição de consumidor final, ao alocar o veículo no seu imobilizado, para fins de test drive. Neste caso, o FG já ocorre no momento do desembaraço (cf. inciso III, parágrafo único, art. 1º, da Lei do IPVA). O imposto é devido por 11 meses, desde fevereiro. A venda para pessoa física em outubro não gera incidência, pois o IPVA de 2012 já estava solvido. Em II temos a aquisição, no mercado interno, de um veículo para revenda. Neste caso, a incidência só ocorre, de forma proporcional quando da venda ao consumidor final, em junho. Na situação final, temos outra importação, mas agora o veículo só é registrado quando da venda a consumidor final. Não surge o FG no momento do desembaraço, mas sim no da venda, ambos ocorridos no mês de setembro. Vejamos as alternativas: Em A-I: FG já é em fevereiro, mesmo sendo empresa importadora, pois esta utiliza o veículo como ativo. Carro Novo é consumidora final e contribuinte, mas desde fevereiro. Está errado o momento e correto o contribuinte. Se olharmos as demais opções, já podia ser identificada a resposta na opção D.

20 Em B-III: FG somente na venda a consumidor em setembro, tendo Solange como contribuinte. Ambos errados. Em C II: compra de fabricante e FG só na revenda a consumidor em junho, somente indicando corretamente Marcos como contribuinte. Em D-I: temos a resposta que apresenta as duas condições temporal e pessoal corretamente. Em E III: indicado corretamente apenas o momento, mas contribuinte não é Solange. Gabarito: D 90. Os valores do IPVA a serem pagos, em decorrência dos fatos geradores I, II e III, ocorridos em 2012, são respectivamente: a) R$1.221,00; R$350,00; R$1.600,00. b) R$864,00; R$480,00; R$3.240,00. c) R$1.089,00; R$280,00; R$1.200,00. d) R$1.221,00; R$280,00; R$1.200,00. e) R$864,00; R$480,00; R$1.600,00. Na segunda questão, que envolve o enunciado comum, a banca solicita que o candidato informe os valores do imposto a ser recolhido. Para tal, seria necessário considerar o ICMS devido por duodécimos, na forma indicada pelo art. 12 da Lei 2.887/97, e as alíquotas aplicáveis no estado do RJ, previstas no art. 10 da mesma lei. No caso da incidência prevista em I, será necessário ainda considerar a regra do art. 9º, que trata da BC no caso das importações de veículos automotores. Devem ser adicionadas as importâncias de R$39,6 mil e de R$4,8 mil, relativos, respectivamente, ao valor da importação (já com os tributos federais) e ao próprio ICMS. O resultado deste montante será multiplicado pela alíquota de 3%, conforme inciso II-A do art. 10 e feita a cobrança proporcional pelos meses de fevereiro a dezembro. (39,6 + 4,8) x 0,03 = R$1.332,00 / 12 x 11 = R$1.221,00 Na hipótese de aquisição prevista em II, temos incidência na venda a consumidor. A BC é o valor indicado no documento, que fica sujeito à alíquota de 1%, de acordo com o inciso VII do art. 8º (movido a gás). O imposto será cobrado por sete duodécimos junho a dezembro. 60 x 0,01 = R$600,00 / 12 x 7 = R$350,00

Exercícios de Legislação Tributária do Estado de São Paulo

Exercícios de Legislação Tributária do Estado de São Paulo Exercícios de Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Fernando Mauricio 1-) (SEFAZ-RJ FCC 2014 - Adaptada) No mês de maio de 2013, as Indústrias Geroboão, de São Paulo-SP, realizaram APENAS

Leia mais

ICMS do Rio de Janeiro Questões (v. 1) Prezados Alunos

ICMS do Rio de Janeiro Questões (v. 1) Prezados Alunos Prezados Alunos Na proximidade de mais um processo seletivo para o cargo de Auditor Fiscal da Receita Estadual do Estado do Rio de Janeiro nada mais necessário do que promover uma atualização das questões

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Pergunte à CPA. Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais

Pergunte à CPA. Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais 03/04/2014 Pergunte à CPA Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais Apresentação: José A. Fogaça Neto Devolução regras gerais Artigo 4º - Para efeito de aplicação da legislação do imposto, considera-se...

Leia mais

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? É necessário começar a estudar Contabilidade e Direito Tributário, pois sem exceção, estas matérias entram no edital de todos

Leia mais

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES 1 Entradas de mercadorias de outros Estados sujeitas ao regime da substituição tributária no Rio Grande do Sul ( ICMS ST pago na Entrada ) Procedimentos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

DECRETO N 28.746, DE 06 DE JUNHO DE 2007

DECRETO N 28.746, DE 06 DE JUNHO DE 2007 DECRETO N 28.746, DE 06 DE JUNHO DE 2007 * Publicado no DOE em 08/06/2007. DISPÕE SOBRE A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA NAS OPERAÇÕES COM APARELHOS CELULARES. O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ, no uso das atribuições

Leia mais

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG 12/06/2014 Pergunte à CPA Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG Apresentação: Helen Mattenhauer Convênio e Protocolos CONVÊNIO: Constitui um acordo entre os Estados, cujo elaboração tem por

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO Agosto de 2015 Palestra DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA NA AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS INTRERESTADUAIS Tributação do ICMS nas entradas de outra Unidade da Federação

Leia mais

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar 24/09/2014 Substituição Tributária A substituição tributária do ICMS é um regime jurídico em que

Leia mais

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto.

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto. ICMS/SP - Diferimento - Tratamento fiscal 6 de Abril de 2010 Em face da publicação do Decreto nº 55.305/2009 - DOE SP de 31.12.2009, este procedimento foi atualizado (tópico 9 - bens do ativo imobilizado

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

CFOP - CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES

CFOP - CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP - CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES A presente relação de códigos fiscais é baseada no Convênio SINIEF s/nº, de 15.12.1970, com suas respectivas alterações. A relação encontra-se devidamente

Leia mais

CRÉDITO ACUMULADO ICMS

CRÉDITO ACUMULADO ICMS CRÉDITO ACUMULADO ICMS Conceito Geração Apropriação Utilização Transferência Artigo 71 - Para efeito deste capítulo, constitui crédito acumulado do imposto o decorrente de : I - aplicação de alíquotas

Leia mais

ICMS Substituição Tributária. Outubro 2004

ICMS Substituição Tributária. Outubro 2004 ICMS Substituição Tributária Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador, gerando uma antecipação do pagamento do imposto incidente nas operações seguintes. Responsabilidade Tributária

Leia mais

CÓDIGO DE GUIAS CFOP DE SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇO CFOP. Descrição da operação ou prestação. Interna Interestadual Importação

CÓDIGO DE GUIAS CFOP DE SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇO CFOP. Descrição da operação ou prestação. Interna Interestadual Importação CÓDIGO DE GUIAS CFOP DE SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇO CFOP Interna Interestadual Importação 5.100 6.100 7.100 5.101 6.101 7.101 5.102 6.102 7.102 5.103 6.103 5.104 6.104 Descrição da operação

Leia mais

ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO

ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO Sumário 1. Introdução 2. Antecipação tributária 3. Produtos sujeitos - Relação

Leia mais

SPED - EFD Escrituração Fiscal Digital. Anexo II Lançamento de Ajustes por documento.

SPED - EFD Escrituração Fiscal Digital. Anexo II Lançamento de Ajustes por documento. SPED - EFD Escrituração Fiscal Digital. Anexo II Lançamento de Ajustes por documento. NF Modelo 1 e 1A, Avulsa, Produtor e NF-e. Este anexo detalha todos os lançamentos de Observações e Ajustes (filhos

Leia mais

SINDCONT-SP SINDCONT-SP

SINDCONT-SP SINDCONT-SP Sindicato dos Contabilistas de São Paulo (Ex-Instituto Paulista de Contabilidade - Fundado em 1919) ÓRGÃO DE PROFISSÃO LIBERAL SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS DISPOSIÇÕES GERAIS CONCEITOS Lei Complementar

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais Superintendência de Tributação Diretoria de Orientação e Legislação Tributária

Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais Superintendência de Tributação Diretoria de Orientação e Legislação Tributária (*) Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009 A Lei Complementar nº 128, de 19 de dezembro de 2008, modificou a

Leia mais

NÃO INCIDÊNCIAS O imposto não incide sobre: I operações com livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão; II operações e

NÃO INCIDÊNCIAS O imposto não incide sobre: I operações com livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão; II operações e ICMS - IMPOSTO SOBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual,

Leia mais

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS 1º/08/2014 Pergunte à CPA Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS Apresentação: José A. Fogaça Neto Simples Nacional Criado pela Lei Complementar 123/06, reúne oito tributos em um recolhimento unificado

Leia mais

1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços

1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - SAÍDA Sumário 1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços 1. INTRODUÇÃO Neste trabalho, dando continuidade

Leia mais

Versão 06/2012. Substituição Tributária

Versão 06/2012. Substituição Tributária Substituição Tributária 1 ÍNDICE 1. O que é a Substituição Tributária?... 3 1.1 Tipos de Substituição Tributária;... 3 1.2 Como é feito o Recolhimento da ST?... 3 1.3 Convênio e Aplicação... 3 1.4 Base

Leia mais

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO Treinamento atualizado com base na legislação vigente em: 20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO JP CONTÁBIL S/S LTDA AGOSTO/2012 Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador,

Leia mais

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO ASSUNTO: Operações de transferência de mercadorias de estabelecimento de Ji-Paraná para filial em Epitaciolândia-AC. PARECER Nº 098/06/GETRI/CRE/SEFIN SÚMULA: OPERAÇÕES DE SAÍDAS PARA ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO

Leia mais

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA Tendo em vista a implantação das Áreas de Livre Comércio de Brasiléia,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: LEI COMPLEMENTAR Nº 21, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1988 Institui o Imposto sobre a Transmissão causa mortis e Doação de Bens ou Direitos. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: seguinte Lei: FAÇO SABER que o Poder

Leia mais

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Apresentador: José Alves F. Neto Transporte - conceito ICMS X ISS Como determinar a competência Fato gerador RICMS/SP Artigo 2º - Ocorre

Leia mais

IV - Bens e direitos que devem ser declarados

IV - Bens e direitos que devem ser declarados IV - Bens e direitos que devem ser declarados Regra geral, devem ser relacionados nessa ficha da Declaração a totalidade dos bens e direitos que, no Brasil ou no exterior, constituam, em 31 de dezembro

Leia mais

CURSO EAD ENSINO A DISTÂNCIA. Anexo 10 - CFOP e CST - Vigência desde 01/01/2003

CURSO EAD ENSINO A DISTÂNCIA. Anexo 10 - CFOP e CST - Vigência desde 01/01/2003 CURSO EAD ENSINO A DISTÂNCIA Anexo 10 - CFOP e CST - Vigência desde 01/01/2003 CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - SEÇÃO I - CÓDIGO DE SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA - CST (Ajuste SINIEF 07/01) 002 CÓDIGO

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

Dispositivos Legais ICMS RJ

Dispositivos Legais ICMS RJ Dispositivos Aplicados na Emissão de Notas Fiscais. NOTAS FISCAIS SAÍDAS NÃO ESPECIFICADAS. Descrição CFOP Tratamento Dispositivos Natureza Operação D.E. F.E EX. ICMS IPI Bases legais Para Constar na Nota

Leia mais

Tabela de CFOP - Código Fiscal de Operações e Prestação

Tabela de CFOP - Código Fiscal de Operações e Prestação Tabela de CFOP - Código Fiscal de Operações e Prestação 1.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 - COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1.101 - Compra

Leia mais

Tabela de CFOP - Código Fiscal de Operações e Prestação

Tabela de CFOP - Código Fiscal de Operações e Prestação Tabela de CFOP - Código Fiscal de Operações e Prestação 1.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 - COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1.101 - Compra

Leia mais

ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária. Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim.

ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária. Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim. ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim. OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA OBRIGATORIEDADE DE CUMPRIR A EXIGÊNCIA DE NATUREZA TRIBUTÁRIA PRINCIPAL - Obrigação

Leia mais

I. Amostra Grátis... 17. I.1 Isenção do IPI...17. I.2 Isenção do ICMS...18. I.3 Valor da operação...19. I.4 Exemplo...19. II. Armazém Geral...

I. Amostra Grátis... 17. I.1 Isenção do IPI...17. I.2 Isenção do ICMS...18. I.3 Valor da operação...19. I.4 Exemplo...19. II. Armazém Geral... S U M Á R I O A I. Amostra Grátis... 17 I.1 Isenção do IPI......17 I.2 Isenção do ICMS.........18 I.3 Valor da operação.........19 I.4 Exemplo.........19 II. Armazém Geral...... 23 II.1 Suspensão do IPI......23

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (ST) Por Cadmo Matias da Mota Professor de Direito e Legislação Tributária. www.editoraferreira.com.br

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (ST) Por Cadmo Matias da Mota Professor de Direito e Legislação Tributária. www.editoraferreira.com.br SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (ST) Por Cadmo Matias da Mota Professor de Direito e Legislação Tributária www.editoraferreira.com.br Os estudantes de legislação tributária estadual têm enorme dificuldade sobre

Leia mais

Detalhamento dos Ajustes

Detalhamento dos Ajustes Detalhamento dos Ajustes 1- Tabela de Ajuste dos Saldos de Apuração do ICMS: Tabela de Códigos de Ajustes da Apuração do ICMS Tabela de códigos de ajustes da apuração será disponibilizada pelas administrações

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS

NORMAS E PROCEDIMENTOS 1. DESCRIÇÃO DO SERVIÇO Instruções para preenchimento da Declaração de Operações Tributáveis - DOT que deverá ser entregue pela internet, com transmissão pelo programa Transmissão Eletrônica de Documentos

Leia mais

DIFERIMENTO DO ICMS - Recolhimento do Imposto pelo Contribuinte Substituto

DIFERIMENTO DO ICMS - Recolhimento do Imposto pelo Contribuinte Substituto DIFERIMENTO DO ICMS - Recolhimento do Imposto pelo Contribuinte Substituto Matéria elaborada com base na legislação vigente em 14.05.2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - DIFERIMENTO - SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

1. Lista de CFOP s... 3 1.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO... 3 2.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DE OUTROS ESTADOS...

1. Lista de CFOP s... 3 1.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO... 3 2.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DE OUTROS ESTADOS... Lista de CFOP's Sumário: 1. Lista de CFOP s... 3 1.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO... 3 2.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DE OUTROS ESTADOS... 7 3.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES

Leia mais

3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS.

3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU 2.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU 3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

Pergunte à CPA Aspectos Gerais do Armazém Geral. Apresentação: Helen Mattenhauer

Pergunte à CPA Aspectos Gerais do Armazém Geral. Apresentação: Helen Mattenhauer Pergunte à CPA Aspectos Gerais do Armazém Geral Apresentação: Helen Mattenhauer 08/10/2013 DEPOSITO FECHADO x ARMAZÉM GERAL Armazém Geral: é a empresa que realiza o armazenamento de bens e mercadorias

Leia mais

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por:

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CÓDIGOS DE OPERAÇÕES DE ENTRADAS 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO Classificam-se, neste grupo, as operações ou prestações em que o estabelecimento

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização Segmentos industrialização 09/01/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 7 5. Informações Complementares...

Leia mais

Tabela de CFOP(Código Fiscal de Operações e Prestação) 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO

Tabela de CFOP(Código Fiscal de Operações e Prestação) 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO Tabela de CFOP(Código Fiscal de Operações e Prestação) 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1.101 Compra para

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR AULA:2 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Nesta aula vamos tratar das OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Tendo em vista a relevância deste assunto, vou dividi-lo em duas etapas. Nesta Aula 2, vamos trabalhar com as operações

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas TURMA: PECC Você estudará, nesta unidade, os principais

Leia mais

http://www.fazenda.gov.br/confaz/ escolha opção resolução Senado Federal 13/2012

http://www.fazenda.gov.br/confaz/ escolha opção resolução Senado Federal 13/2012 Prezado cliente, As constantes mudanças na legislação fiscal têm afetado muito as empresas, os sistemas e as empresas de contabilidade, que precisam estar preparadas para atender as obrigatoriedades legais.

Leia mais

Anexo 4.0 Substituição Tributária. Anexo 4.4. (Revigorado pelo Decreto nº 26.288 de 26 de fevereiro de 2010).

Anexo 4.0 Substituição Tributária. Anexo 4.4. (Revigorado pelo Decreto nº 26.288 de 26 de fevereiro de 2010). Anexo 4.0 Substituição Tributária Anexo 4.4 (Revigorado pelo Decreto nº 26.288 de 26 de fevereiro de 2010). Da Substituição Tributária nas Operações com Carne Bovina, Bubalina e Subproduto; Gado Bovino

Leia mais

Códigos Fiscais de Operações e Prestações de Serviços - CFOP. 1.101 2.101 3.101 Compra para industrialização ou produção rural

Códigos Fiscais de Operações e Prestações de Serviços - CFOP. 1.101 2.101 3.101 Compra para industrialização ou produção rural Códigos Fiscais de Operações e Prestações de Serviços - CFOP INTERNO INTERESTADUAL EXTERIOR OPERAÇÃO/ PRESTAÇÃO 1.100 2.100 3.100 COMPRA PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ DECRETO Nº 1.742

ESTADO DO PARANÁ DECRETO Nº 1.742 Publicado no Diário Oficial Nº 8488 de 15/06/2011 DECRETO Nº 1.742 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, DECRETA Art. 1º

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

Sistema licenciado para CONTAX ORGANIZACAO CONTABIL S/C LTDA

Sistema licenciado para CONTAX ORGANIZACAO CONTABIL S/C LTDA Página: 01 1-000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1-100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1-101 Compra para industrialização 1-102 Compra para comercialização

Leia mais

A partir da referência maio de 2009 (entrega até 10/06) foram feitas as seguintes adequações relacionadas à DIME e DCIP:

A partir da referência maio de 2009 (entrega até 10/06) foram feitas as seguintes adequações relacionadas à DIME e DCIP: Senhores Contabilistas, A partir da referência maio de 2009 (entrega até 10/06) foram feitas as seguintes adequações relacionadas à DIME e DCIP: 1 - VALIDADOR DA DIME - CRÍTICA DOS CFOP COM CAMPOS ESPECÍFICOS

Leia mais

1 de 33 2/3/2011 13:47

1 de 33 2/3/2011 13:47 1 de 33 2/3/2011 13:47 RICMS 2000 - Atualizado até o Decreto 56.692, de 27-01-2011. ANEXO V - CLASSIFICAÇÃO DAS OPERAÇÕES, PRESTAÇÕES E SITUAÇÕES TRIBUTÁRIAS (a que se refere o artigo 597 deste regulamento)

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

2. Que produtos estão sujeitos à substituição tributária a partir de 1º de novembro de 2010? DECRETO/PROTOCOLO

2. Que produtos estão sujeitos à substituição tributária a partir de 1º de novembro de 2010? DECRETO/PROTOCOLO 1. O que é substituição tributária? O regime de substituição tributária é caracterizado pelo deslocamento da responsabilidade pelo pagamento do ICMS relativo a determinadas operações ou prestações para

Leia mais

ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem

ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem Sumário 1. Introdução... 2 2. Operações de venda à ordem - emissão de documentos fiscais... 3 2.1 Procedimentos adotados pelo vendedor remetente (fornecedor)...

Leia mais

PONTOS POLÊMICOS DO ICMS. José Roberto Rosa

PONTOS POLÊMICOS DO ICMS. José Roberto Rosa PONTOS POLÊMICOS DO ICMS José Roberto Rosa Uma nova realidade : A prioridade para o CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES Operação Cartão Vermelho Autuações por falta de registro de notas fiscais de compras Diferença

Leia mais

http://www.sefaz.pe.gov.br/flexpub/versao1/filesdirectory/sessions398.htm

http://www.sefaz.pe.gov.br/flexpub/versao1/filesdirectory/sessions398.htm Page 1 of 31 CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP Anexo 9 do Decreto 14.876/91 Alterado a partir de 01/01/2003 pelos Decretos: DECRETO Nº 24.787 / 2002 ; DECRETO Nº 25.068 / 2003; DECRETO Nº 26.020

Leia mais

DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS

DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS A partir de 01 de janeiro de 2003 os contribuintes do ICMS passaram a adotar os novos Códigos Fiscais de Operações e Prestações com 4 (quatro) algarismos, o que tem gerado inúmeras dificuldades aos nossos

Leia mais

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações A presente relação de códigos fiscais é baseada noconvênio SINIEF s/nº, de 15.12.1970, com suas respectivas alterações. A relação encontra-se devidamente

Leia mais

TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC

TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 04.11.2011. SUMÁRIO: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALÍQUOTAS DO ICMS 2.1 - Operações

Leia mais

ANEXO DO CONVÊNIO S/Nº, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1970 (CFOP)

ANEXO DO CONVÊNIO S/Nº, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1970 (CFOP) ANEXO DO CONVÊNIO S/Nº, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1970 (CFOP) Atualizada até 09/04/2008 Alterado pelos Ajustes nº 07/01, 05/02, 05/03, 09/03, 03/04, 09/04, 02/05, 05/05, 06/05, 09/05, 06/07 e 03/08. A Cláusula

Leia mais

TABELA DE CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (CFOP) ENTRADAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS

TABELA DE CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (CFOP) ENTRADAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS TABELA DE CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (CFOP) ENTRADAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS Ajuste SINIEF n 4, de 9 de Julho de 2010 INTERNO INTERESTADUAL EXTERIOR OPERAÇÃO/ PRESTAÇÃO COMPRA PARA INDUSTRIALIZAÇÃO,

Leia mais

PARECER Nº. 277/2013/GETRI/CRE/SEFIN Processo nº: 20100060000935

PARECER Nº. 277/2013/GETRI/CRE/SEFIN Processo nº: 20100060000935 Ementa: CONSULTA À LEGISLAÇÃO - TRIBUTAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ARRENDAMENTO MERCANTIL (LEASING) E SEUS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS RELACIONADOS. 1. Relatório A encaminhou a esta Gerência de Tributação,

Leia mais

CRÉDITOS DE ICMS: ALTERNATIVAS E SOLUÇÕES PARA EMPRESAS

CRÉDITOS DE ICMS: ALTERNATIVAS E SOLUÇÕES PARA EMPRESAS CRÉDITOS DE ICMS: ALTERNATIVAS E SOLUÇÕES PARA EMPRESAS Melhoria de fluxo de caixa, através de regimes especiais que visem a desoneração do ICMS nas importações, aquisições de fornecedores e utilização

Leia mais

EXEMPLO DE EMISSÃO DA NOTA FISCAL

EXEMPLO DE EMISSÃO DA NOTA FISCAL GOVERNO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE ANÁLISE DA RECEITA PÚBLICA GERÊNCIA DE RECUPERAÇÃO DA RECEITA PÚBLICA DECRETO nº 2334/2010 de 18 de janeiro de 2010, Procedimentos

Leia mais

Tabela de Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) Entradas e Prestações de Serviços

Tabela de Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) Entradas e Prestações de Serviços Tabela de Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) Entradas e Prestações de Serviços INTERNO INTERESTADUAL EXTERIOR OPERAÇÃO/ PRESTAÇÃO 1.100 2.100 3.100 COMPRA PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO

Leia mais

NOTA FISCAL AVULSA - NFA. atualizado em 08/07/2015

NOTA FISCAL AVULSA - NFA. atualizado em 08/07/2015 atualizado em 08/07/2015 2 ÍNDICE 1. CONCEITO...5 2. MODELO E SÉRIES...5 3. NOTA FISCAL AVULSA - SÉRIE 1...6 4. NOTA FISCAL AVULSA - SÉRIE 2...6 5. VALIDADE...7 6. VENDA DO ESTOQUE DA EMPRESA APÓS A BAIXA

Leia mais

Redução do ICMS Têxtil Perguntas e Respostas

Redução do ICMS Têxtil Perguntas e Respostas São Paulo, 13 de agosto de 2010 Redução do ICMS Têxtil Perguntas e Respostas O Decreto nº 56.066/10, publicado no DOE de 05 em 05/08/10, alterou o caput do art. 52, do Anexo II do RICMS incluído ao Regulamento

Leia mais

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (CFOP) SAÍDAS

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (CFOP) SAÍDAS CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (CFOP) SAÍDAS INTERNO INTERESTADUAL EXTERIOR OPERAÇÃO/PRESTAÇÃO 5.100-6.100 7.100 VENDA DE PRODUÇÃO PRÓPRIA OU DE TERCEIROS 5.101 6.101 7.101 Venda de produção do

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos. ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos

ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos. ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos Nas relações de comércio é muito comum, por motivos como mercadoria em desacordo com o pedido, qualidade insatisfatória, não observância de

Leia mais

Sim. O fato de operações caracterizadas como industrialização, pela legislação do IPI, se

Sim. O fato de operações caracterizadas como industrialização, pela legislação do IPI, se 001 Estão sujeitos ao IPI os produtos resultantes de operações caracterizadas como industrialização, quando essas são também consideradas serviços sujeitos ao ISS, relacionados na lista anexa à Lei Complementar

Leia mais

ICMS-RJ 2014 Parte 1

ICMS-RJ 2014 Parte 1 ICMS-RJ 2014 Parte 1 Pedro Diniz Prezados leitores e alunos, Neste espaço fornecido pela Editora Ferreira, pretendo fazer a correção comentada das 31 questões de legislação tributária estadual do concurso

Leia mais

decorrentes de prestações de serviços de comunicação. 1.206 2.206 3.206 Anulação de valor relativo à prestação de serviço de transporte

decorrentes de prestações de serviços de comunicação. 1.206 2.206 3.206 Anulação de valor relativo à prestação de serviço de transporte CFOP DE ENTRADA DE MERCADORIA/UTILIZAÇÃO DE SERVIÇO CFOP IMPORTAÇÃO DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO OU PRESTAÇÃO 1.100 2.100 3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZA- ÇÃO OU PRESTAÇÃO DE

Leia mais

ICMS. SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfumaria, Artigos de Higiene Pessoal e Cosméticos Aspectos Tributários Relevantes

ICMS. SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfumaria, Artigos de Higiene Pessoal e Cosméticos Aspectos Tributários Relevantes ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfuma, Artigos de Higiene Pessoal e Aspectos Tributários Relevantes Ricardo Bernardes Machado Consultor Tributário OAB/RS nº 44.811 ICMS - Noções

Leia mais

CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP

CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇO 1.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 - COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO

Leia mais

ICMS - Tabela - Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP)

ICMS - Tabela - Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) ICMS - Tabela - Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) Este procedimento apresenta todos os Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) a serem utilizados nas operações de entrada e saída

Leia mais

Crédito Acumulado do ICMS

Crédito Acumulado do ICMS 17 de Abril de 2009 Transaction Services Agenda Page 1 Princípio da Não-Cumulatividade 1 2 Saldo Credor x Saldo Acumulado 6 3 Geração, Apropriação e Utilização do Crédito Acumulado 10 Fundamentos Legais

Leia mais

A empresa formalizou consulta acerca da utilização de créditos relacionados à entrada de combustíveis, aos seguintes termos, em síntese:

A empresa formalizou consulta acerca da utilização de créditos relacionados à entrada de combustíveis, aos seguintes termos, em síntese: Assunto : Consulta utilização de créditos de combustíveis. EMENTA: CONSULTA EMPRESA TRANSPORTADORA - CRÉDITOS DE COMBUSTÍVEIS. ANÁLISE. 1. RELATÓRIO: A empresa formalizou consulta acerca da utilização

Leia mais

PARECER Nº. 315/2013/GETRI/CRE/SEFIN

PARECER Nº. 315/2013/GETRI/CRE/SEFIN 1. RELATÓRIO: EMENTA: BASE DE CÁLCULO DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PROLEITE FATURAMENTO TOTAL É IGUAL AO TOTAL DE SAÍDAS, EXCETO AS SAÍDAS SUJEITAS À SUSPENSÃO. O contribuinte acima qualificado, nos termos do

Leia mais

ITCMD. Perguntas mais frequentes:

ITCMD. Perguntas mais frequentes: ITCMD Perguntas mais frequentes: 1. Quando nasce a obrigação de pagar o ITCMD? O ITCMD é o imposto estadual incidente sobre a transmissão de quaisquer bens ou direitos a título gratuito (ato não oneroso).

Leia mais

IPI ICMS - DF/GO/TO LEGISLAÇÃO - DF LEGISLAÇÃO - TO ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009

IPI ICMS - DF/GO/TO LEGISLAÇÃO - DF LEGISLAÇÃO - TO ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009 ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009 IPI SUSPENSÃO - LEI Nº 10.637/2002 - PROCEDIMENTOS Introdução - Estabelecimentos Com Direito à Suspensão - Preponderância de Faturamento

Leia mais

CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - ENTRADA

CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - ENTRADA CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - ENTRADA 1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP de Entrada ou Aquisição de Serviço 1. INTRODUÇÃO Os Códigos Fiscais de Operações e Prestações - CFOP são códigos

Leia mais

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO CLIENT ALERT DEZEMBRO/2015 GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SANCIONA AS NOVAS REGRAS REFERENTES AO IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO CAUSA MORTIS E DOAÇÃO

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA COMPROVAÇÃO DE OPERAÇÕES DIFERENCIADAS:. Cópia da nota fiscal emitida nos termos do inciso II do Art.

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA COMPROVAÇÃO DE OPERAÇÕES DIFERENCIADAS:. Cópia da nota fiscal emitida nos termos do inciso II do Art. DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA COMPROVAÇÃO DE OPERAÇÕES DIFERENCIADAS: 1) BRINDES: Possíveis CFOP S: 2.910 Entrada de bonificação, doação ou brinde 6.910 Remessa em bonificação, doação ou brinde Art. 652 "Considera-se

Leia mais

Fortaleza, 31/03/15. com Paulo Almada

Fortaleza, 31/03/15. com Paulo Almada Fortaleza, 31/03/15 com Paulo Almada Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação ICMS Como

Leia mais

OBRIGAÇÕES ESTADUAIS RIO DE JANEIRO MAIO/2008

OBRIGAÇÕES ESTADUAIS RIO DE JANEIRO MAIO/2008 OBRIGAÇÕES ESTADUAIS RIO DE JANEIRO MAIO/2008 8 9 ICMS/CONTRIBUINTES DE GRANDE PORTE Recolhimento do imposto devido pelos contribuintes relacionados no Decreto 31.23/2002, relativamente ao mês de abril/2008.

Leia mais

AJUSTE SINIEF 07/2001 DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS. Compra para industrialização ou produção p

AJUSTE SINIEF 07/2001 DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS. Compra para industrialização ou produção p TABELA CFOP - CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES AJUSTE SINIEF 07/2001 DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS Grupo 1 CFOPs Grupo 2 Grupo 3 DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO OU PRESTAÇÃO

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária

Parecer Consultoria Tributária Questão O cliente, no ramo de atividade industrial no segmento de produtos elétricos para profissionais de beleza, sediado em São Paulo, informa que na emissão da nota fiscal complementar de ICMS em sua

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Compra de Energia Elétrica em mercado livre por estabelecimento do Estado de SC

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Compra de Energia Elétrica em mercado livre por estabelecimento do Estado de SC estabelecimento do Estado de SC 24/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 13 5. Informações

Leia mais