Guia de Sustentabilidade para Fornecedores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de Sustentabilidade para Fornecedores"

Transcrição

1 Guia de Sustentabilidade para Fornecedores

2 Guia de Sustentabilidade para Fornecedores índice SUSTENTABILIDADE NO GRUPO BOTICÁRIO MENSAGEM AO FORNECEDOR REQUISITOS FUNDAMENTAIS ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO BOTICÁRIO RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA PELO PRODUTO E SERVIÇO SAIBA MAIS

3 introdução mensagem ao fornecedor Sustentabilidade no Grupo Boticário Mensagem ao fornecedor As empresas enfrentam o desafio de se da sustentabilidade na gestão das empresas. Nós acreditamos que a sustentabilidade é o ponto de partida para um futuro que começa agora. Queremos ser protagonistas desta transformação, inspirando pessoas, parceiros, empresas, mercado e sociedade para que resultados positivos sejam alcançados por todos. Por isso, ao mesmo tempo em que conduzimos nossos negócios com eficiência para o crescimento constante, trabalhamos para reduzir os impactos de nossa operação na sociedade e no meio ambiente, do desenvolvimento dos produtos à reciclagem das embalagens pós-consumo. Queremos incentivar a discussão da susten- tabilidade como parte da estratégia de negócios, tanto os nossos como os dos parceiros com quem desenvolvemos processos, produtos e soluções. Para que essa transformação aconteça, é fundamental o engajamento dos nossos fornecedores, que, incorporando práticas de sustentabilidade em suas atividades, contribuem para encontrar alternativas com impacto reduzido. É muito importante que as empresas planejem hoje como lidarão com os desafios do futuro. E a continuidade dos negócios por meio da atuação em sustentabilidade é um dos temas mais relevantes para esta prática. manter e crescer em um ambiente de mudanças constantes nos cenários político e econômico, além do espetacular avanço da tecnologia. Hoje, ciente da finitude dos recursos naturais, a sociedade entende que produtos integram uma ampla cadeia de valor. Por isso, o consumidor exige que as empresas se posicionem e assumam as responsabilidades diante das consequências geradas na produção e no consumo dos produtos. A adequação a esta realidade, ao mesmo tempo em que é preciso garantir a rentabilidade dos negócios, demonstra a importância Para o Grupo Boticário, crescer de forma sólida, gerando valor e minimizando riscos para o negócio e a sociedade, sustenta a estratégia e a perenidade da organização. É um compromisso que se estende a toda a cadeia de valor. Nas próximas páginas, compartilhamos alguns conceitos e práticas que recomendamos aos nossos fornecedores na condução dos seus negócios. O objetivo é colaborar com a construção de um modelo de gestão empresarial perene e sólido, que insira a sustentabilidade nos processos e nas cadeias de valor. AGRADECEMOS E CONTAMOS COM SEU ENGAJAMENTO NESTE OBJETIVO COMUM *Este guia aplica-se a todas as unidades de negócio dos fornecedores do Grupo Boticário, filiais, unidades em expansão e às empresas subcontratadas. 4 5

4 requisitos fundamentais requisitos fundamentais II. Engajamento das Partes Interessadas Fornecedores de produtos e serviços do Grupo Boticário devem mapear os grupos de interesse (stakeholders) com os quais se relacionam acionistas, investidores, colaboradores, fornecedores, entidades de classe, grupos normativos, órgãos governamentais, ONGs (organizações não governamentais), concorrentes, clientes, comunidade, entre outros visando identificar o nível de influência com cada um deles e potenciais riscos decorrentes dessas relações. O envolvimento com as partes interessadas contribui para a relação ética e transparente da empresa com todos os públicos com os quais ela se relaciona e permite identificar diferentes percepções ligadas aos impactos inerentes ao negócio. Ao elaborar este mapeamento, devidamente formalizado, é possível definir uma estratégia individualizada de atuação, que considere as externalidades e permita uma adequada gestão dos riscos. Os fornecedores também podem destinar capital financeiro privado para projetos e ações sociais, culturais e ambientais de interesse público. Dessa forma, além de gerir riscos e oportunidades, contribuem para o desenvolvimento dos locais onde estão inseridos. Requisitos fundamentais III. Conduta Corporativa O Grupo Boticário busca cada vez mais o alinhamento com sua cadeia de valor e acredita que a sustentabilidade, mais do que um princípio, é uma forma de fazer negócios que traz resultados e apoia o crescimento das empresas. No contexto de um mundo em constante transformação, as empresas investem esforços para se adequar às novas exigências de mercado, ao mesmo tempo em que são fortemente demandadas para atendimento às legislações. O Grupo Boticário apresenta a seguir diretrizes claras sobre os requisitos considerados fundamentais na condução dos negócios por parte de seus fornecedores, atrelados essencialmente aos quesitos sociais, ambientais e ao cumprimento de requisitos legais nos seus processos e na cadeia de valor. A gestão ética é fundamental para a imagem das empresas. O envolvimento com práticas ilegais e abusivas são condutas inaceitáveis pelo Grupo Boticário, já que podem comprometer a imagem da empresa, afetando seriamente sua capacidade de continuidade nos negócios, bem como a reputação de toda sua cadeia de valor. Nossos fornecedores devem estabelecer procedimentos e políticas formais, amplamente divulgadas entre seus stakeholders, que coíbam a participação de seus colaboradores e par- Tráfico de influência solicitar, exigir, cobrar ou obter, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem, a pretexto de influir em ato praticado por funcionário público no exercício da função. Lavagem de dinheiro dissimular/esconder a origem ilícita ou dar origem legal a um recurso financeiro ilícito. Gestão temerária administrar instituição financeira de forma negligente e abusiva, indo além dos limites de prudência e criando risco para o bem protegido. Realizar a gestão de recursos de propriedade de terceiros de maneira arriscada. A) GESTÃO E CONDUTA I. Leis e Regulamentos Fornecedores de produtos e serviços do Grupo Boticário devem assegurar o cumprimento dos requisitos legais e regulamentos em seus processos e na cadeia de suprimentos. É indicado que seja realizado um inventá- rio dos documentos e licenças aplicáveis para a atividade da empresa nas esferas Federal, Estadual e Municipal possibilitando monitoramento periódico. ceiros de negócio em atos ilícitos, como por exemplo: Sonegação de impostos ou caixa dois utilizar ou acumular recursos financeiros não contabilizados. Corrupção ativa oferecer ou prometer vantagem indevida a funcionário público, para determiná-lo a praticar, omitir ou retardar ato de ofício. Corrupção passiva solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida ou aceitar promessa de tal vantagem. Gestão fraudulenta administrar ou gerir instituição financeira de forma fraudulenta, ou seja, meio enganoso, com má-fé e intuito de ludibriar. Concussão exigir para si ou para outrem, dinheiro ou vantagem em razão da função, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la. Pirataria prática de venda ou distribuição de produtos que desrespeita o direito autoral de seus proprietários. 6 7

5 requisitos fundamentais requisitos fundamentais O Código de Conduta do Grupo Boticário também deve ser observado, especialmente no que se refere aos itens a seguir: I. Relação de trabalho Oferta de brindes e presentes as ofertas comerciais devem ser realizadas com imparcialidade, não havendo interferência na objetividade do relacionamento com o ofertante por meio da busca de vantagens e benefícios na relação comercial. Conforme o item do Código de Conduta do Grupo Boticário, A aceitação de brindes e presentes é limitada ao valor equivalente a uma unidade do produto de maior preço comercializado pelas empresas do Grupo Boticário (tendo como base o valor de venda). Abuso de poder e assédios o respeito ao próximo é uma premissa levada a sério pelas empresas do Grupo Boticário e, por isso, comportamentos abusivos que possam vir a ser interpretados como assédio moral e sexual ou qualquer abuso de poder não são tolerados sob hipótese alguma. Quebra de sigilo ou de confidencialidade de informações sobre produtos, serviços ou condições comerciais e/ou industriais no trato dos negócios com o Grupo Boticário. De acordo com o item do Código de Conduta do Grupo Boticário, não é permitida a publicação e divulgação de imagens, comentários, bem como quaisquer informações privilegiadas ou restritas, relacionadas às empresas do Grupo Boticário, seus colaboradores, fornecedores e clientes. Uso da marca das empresas do Grupo Boticário em atividades não autorizadas pela organização. Fornecedores de produtos e serviços do Grupo Boticário devem cumprir plenamente a legislação trabalhista e previdenciária. Além da CLT e de várias outras normas, é preciso observar a Convenção Coletiva de Trabalho, pois na maioria das vezes os direitos e as vantagens são diferentes para cada uma das categorias de trabalhadores. Confira ao lado alguns itens fundamentais da legislação: Registros obrigatórios para a contratação dos colaboradores. Atendimento do salário mínimo nacionalmente estipulado ou piso salarial estabelecido por lei ou convenção coletiva de trabalho. Provimento de todos os benefícios legalmente estabelecidos. Respeito ao direito de livre associação e de negociação coletiva. Cumprimento das normas que regem a jornada de trabalho, tolerância e compensação de horas, trabalho extraordinário, intervalos e trabalho noturno. Concessão de férias. Cumprimento das obrigações referentes aos encargos sociais e trabalhistas. Sempre que forem identificados casos de O Grupo Boticário compreende que os descumprimento do Código de Conduta do Grupo Boticário, qualquer stakeholder do Grupo (incluindo fornecedores) pode reportar denúncias à Ouvidoria, para que recebam tratamento adequado. fornecedores têm autonomia para determinar as regras de conduta de seus negócios, com a expectativa de que tais regras, assim como o comportamento de seus colaboradores, sejam compatíveis com o nosso Código. Além disso, Além de garantir o atendimento dos requisitos legais para os colaboradores próprios, é de suma importância estruturar um processo de gestão de terceiros com o objetivo de garantir o correto cumprimento da legislação por parte dos prestadores de serviços, responsáveis pela contratação dos trabalhadores terceiros alocados nas suas instalações. Há duas formas de acesso: incentiva a abertura de um canal que permita ou A Ouvidoria recebe relatos 24h por dia, sete aos colaboradores relatarem situações incompatíveis com as regras de conduta, as quais de- II. Proteção aos direitos da criança e do adolescente dias por semana e garante o sigilo, a confidencialidade e a segurança da informação. vem ser tratadas adequadamente e mapeadas, a fim de que sejam prevenidas e, quando necessário, sancionadas. Fornecedores de produtos e serviços do Grupo Boticário devem assegurar que em seus processos e em sua cadeia de suprimentos seja e adolescentes, constituindo um dever de todos contribuir para a efetiva tutela destes direitos. cumprida a legislação vigente prevista às crian- O Grupo Boticário apoia vários compro- ças e adolescentes e que haja políticas estrutu- missos, como o de Conduta Empresarial para radas voltadas para a erradicação do trabalho Erradicação do Trabalho Infantil, uma ação do B) RELAÇÕES HUMANAS infantil e qualquer forma de exploração. As empresas têm um papel fundamental na Instituto Ethos; e o Programa Empresa Amiga da Criança, da Fundação Abrinq. Além destas O cenário atual demonstra uma exigência que vai além do cumprimento de normas legais nas questões trabalhistas, refletindo uma demanda de mercado diretamente vinculada à reputação e imagem dos negócios. Há um aumento crescente dos esforços conjugados do governo com diversos setores da sociedade como sindicatos, empresas, organizações não governamentais e organismos internacionais para que os produtos brasileiros aliem cada vez mais qualidade ao atendimento das questões legais trabalhistas e de outras exigências do mercado. garantia ao atendimento dos direitos fundamentais das crianças e dos adolescentes, evitando que eles sejam objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência e opressão. São várias as leis que regulamentam o trabalho dos jovens, como a Constituição Federal e o ECA (Estatuto da Criança e Adolescente). Elas garantem proteção integral às crianças ações, é também signatário do Pacto Na Mão Certa, iniciativa da Childhood Brasil pelo enfrentamento da exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias brasileiras. Para mais informações, entre em contato com a equipe de Sustentabilidade ou acesse o site: 8 9

6 requisitos fundamentais requisitos fundamentais SAIBA MAIS A Lei / 2000 estabeleceu a regulamentação da forma de trabalho para jovens aprendizes, jovens que estudam e trabalham, recebendo, ao mesmo tempo, formação na profissão para a qual estão se capacitando. Devem ter entre 14 e 24 anos incompletos e estar cursando o ensino fundamental ou médio em instituição de ensino técnico-profissional conveniada à empresa. III. Combate ao trabalho análogo ao escravo Fornecedores de produtos e serviços do Grupo Boticário devem assegurar que em seus processos e em sua cadeia de suprimentos seja cumprida a legislação vigente, adotando práticas eficazes de combate ao trabalho análogo ao escravo. Estas práticas devem prever um plano de monitoramento dos pontos críticos, que contemplem: IV. Saúde e segurança no trabalho Cumprimento da jornada de trabalho e gestão de horas extras. Pagamento justo de salários e benefícios. Condições adequadas de infraestrutura para exercício da atividade de seus funcionários. Fornecedores de produtos e serviços do Grupo Boticário devem possuir uma política interna para assegurar que seus processos e sua cadeia de suprimentos cumpram com as disposições legais e regulamentares sobre segurança e medicina do trabalho. Existem algumas práticas que podem auxiliar no monitoramento da cadeia de suprimentos, tais como: Um conjunto de leis federais, estaduais e municipais, aliadas às convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT), regulam as ações de saúde e segurança no âmbito empresarial. Estas normatizações orientam os empregadores quanto às ações e programas a serem Estabelecer um compromisso formal para a erradicação do trabalho forçado, com diretrizes claras quanto à atuação de sua cadeia de suprimentos. implementados com o objetivo de identificar e mapear os riscos de suas atividades, adequar as condições de infraestrutura da empresa e, assim, assegurar a saúde e a integridade física dos Incluir a proibição do trabalho forçado em cláusulas específicas nos contratos com fornecedores. trabalhadores para execução de suas atividades. Realizar campanhas de conscientização, programas de treinamento e desenvolvimento para seus fornecedores. Confira alguns itens fundamentais das normas: Monitorar informações disponíveis, como denúncias públicas e consulta à lista suja do trabalho escravo. Realizar verificação de documentos e auditorias nos fornecedores. Elaborar e implementar o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO). É necessário também definir plano de ação a ser adotado para os casos de não conformidade, descrevendo quais as ações corretivas ou de mitigação dos riscos identificados, bem como as medidas corretivas e punitivas em caso de não atendimento das diretrizes voltadas ao tema. Elaborar e implementar o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e cumprir o plano de ação. Utilizar e gerenciar os Equipamentos de Proteção Individual (EPI). Proporcionar ambiente de trabalho seguro e saudável, com as devidas sinalizações, planos de emergência, mapas de risco, rotas de fuga, sistema de proteção contra incêndios etc. Oferecer condições seguras para utilização e manuseio de produtos químicos, máquinas e equipamentos de segurança. A Constituição Federal determina que ninguém será submetido a tortura, nem a tratamento desumano e degradante. Além disso, de acordo com o Código Penal, constitui crime o trabalho análogo ao escravo, conforme descrição do Artigo 149: Reduzir alguém a condição análoga à de escravo, quer submetendo-o a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva, quer sujeitando-o a condições degradantes de trabalho, quer restringindo, por qualquer meio, sua locomoção em razão de dívida contraída com o empregador ou preposto. Pena: reclusão, de dois a oito anos, e multa, além da pena correspondente à violência. Oferecer condições seguras para os colaboradores que, direta ou indiretamente, interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade. Implementar iniciativas que promovam a cultura de prevenção é a forma mais eficaz para garantir a segurança no ambiente de trabalho e o envolvimento de todos os colaboradores. Isto é possível por meio de uma política de saúde e segurança do trabalho bem estruturada e ações práticas como, por exemplo, campanhas de conscientização e diálogos periódicos sobre segurança

7 requisitos fundamentais estratégia de sustemtabilidade V. Promoção da diversidade Fornecedores de produtos e serviços do Grupo Boticário devem assegurar que seus processos e sua cadeia de suprimentos cumpram os atendimentos legais mínimos para a promoção da diversidade, estabelecendo diretrizes e políticas formais que assegurem sua aplicação. É essencial que as empresas criem ambientes de trabalho que promovam esta prática de forma inclusiva e não discriminatória no exercício das funções de cada trabalhador, respeitan- do as diferenças em termos de etnia, gênero, raça, religião, orientação sexual, condição física, crença, valores e orientação política. É possível, ainda, atuar em adequações na estrutura física da empresa. É o caso, por exemplo, da NBR 9050:2004, que, amparada por leis federais, determina critérios técnicos para acessibilidade em edificações, vias públicas e sistemas de transporte coletivo. Estratégia de sustentabilidade do Grupo Boticário O Grupo Boticário desenvolveu uma nova pelos quais o Grupo Boticário buscará dife- estratégia de atuação em sustentabilidade, renciação no mercado e na sociedade. SAIBA MAIS A promulgação da Lei 8213/91 estabeleceu a obrigatoriedade de cotas para contratação de pessoas com deficiência (PCD) por empresas com mais de 100 funcionários, representando uma contribuição governamental para o avanço na inclusão da diversidade no ambiente empresarial. observando os desafios futuros até 2024, representada por três frentes de atuação, cujo planejamento se desdobra em várias iniciativas realizadas em conjunto com os principais parceiros. Esta estruturação foi realizada pela alta direção da empresa e levou em consideração questões econômicas, sociais e ambientais, a atuação no mercado de beleza, os diferenciais e o legado a ser constituído enquanto empresa. Para implementar as iniciativas e atingir os objetivos e as metas de sustentabilidade com mais eficiência, foram estabelecidos focos de atuação, Por meio deles, fornecedores diretos e indiretos são envolvidos, têm acesso a direcionadores e passam a entender o tema e quais as formas de contribuir. A estratégia de sustentabilidade do Grupo Boticário e o desdobramento dos focos de atuação que possuem interação com fornecedores estão detalhados a seguir, objetivando facilitar o entendimento sobre as possibilidades de atuação e incentivar toda a cadeia de valor a adotar práticas sustentáveis que a diferenciem na condução dos seus negócios

8 sustentabilidade sustentabilidade MATÉRIAS-PRIMAS E EMBALAGENS CANAIS DE VENDAS ECOEFICIÊNCIA Buscamos reduzir impactos Os canais de venda Desenvolvemos pro- ambientais e sociais, relativos constituem o espaço em cessos industriais cada vez à extração e manipulação das que se materializa, ob- mais inteligentes. Em busca matérias-primas, assim como jetiva e subjetivamente, de melhorias em ecoeficiên- na concepção, produção e reci- a prática da sustentabili- cia revisamos nossas ações clagem de embalagens, entre dade da organização. Via- constantemente, para tor- todos os elos da cadeia de valor. bilizamos o empreendedo- nar possível a redução de Com isso asseguramos a quali- rismo, o desenvolvimento uso de matérias-primas e o dade e a segurança dos produ- contínuo e a profissiona- aumento de utilização cons- tos, contribuindo para melhorar lização dos públicos que ciente dos recursos naturais. o desempenho do ciclo de vida atuam em venda direta. e de recuperação pós-consumo do setor. LOGÍSTICA REVERSA PONTOS DE VENDA PROCESSOS INTERNOS Sustentabilidade no Grupo Boticário CICLO DE VIDA REVENDEDORAS CADEIA AMPLA Estimulados pelos valores do Grupo e orientados pela rentabilidade, implementaremos, constante e crescentemente, as medidas necessárias para melhorar nossos impactos sociais e ambientais nos negócios, em suas respectivas cadeias de valor e na sociedade

9 matérias-primas e embalagens matérias-primas e embalagens O QUE É Matérias-Primas e Embalagens I. Ciclo de vida dos produtos O QUE É É o conjunto de todos os estágios necessários para a existência de um produto, que vão desde a extração e beneficiamento das matérias-primas, passando pela industrialização na forma do produto acabado, distribuição, uso pelo público-alvo, até a destinação final, com possível direcionamento de materiais para a incorporação em novos ciclos. A oferta de recursos naturais no planeta é limitada. É por isso que, no planejamento estratégico das empresas, considera-se cada vez mais a escassez dos recursos no longo prazo, o que poderá trazer impactos financeiros, como a ausência de matéria-prima para os negócios. Na estratégia de sustentabilidade do Grupo Boticário, o foco Matérias- -Primas e Embalagens leva em conta um amplo contexto ao avaliar o ciclo de vida dos produtos, tendo como objetivo minimizar os riscos e impactos sociais e ambientais da cadeia produtiva, desde a procedência das matérias-primas até o destino final das embalagens, após o consumo do produto. Ao identificar os impactos ambientais e sociais de maior relevância durante todo o ciclo de vida dos produtos, é possível criar e desenvolver soluções que contribuam para minimizá-los e até mesmo eliminá-los. RELEVÂNCIA E FATOS IMPORTANTES DO TEMA Consumidores se tornam cada vez mais conscientes em relação aos impactos sociais e ambientais e aos aspectos éticos associados às matérias-primas de produtos. É cada vez mais comum a pressão de consumidores, ONGs e meios de comunicação às empresas que geram algum tipo de impacto social e/ou ambiental em seus produtos e serviços. Nestes casos, a repercussão negativa incide também sobre a empresa que comercializa os produtos, independente do estágio da cadeia de valor no qual o impacto foi gerado. Temas como impactos sociais e ambientais, questões éticas associadas a diferentes fontes de matériasprimas e novas tecnologias em desenvolvimento aumentarão a complexidade da análise de viabilidade econômica de cada material utilizado. São crescentes as preocupações da sociedade com os testes em animais realizados pelas indústrias de diversos setores da economia, dentre elas o de cosméticos. Tais preocupações refletem-se na pressão exercida por consumidores e no fortalecimento de ONGs no Brasil e no exterior, que lutam para banir esta prática. No cenário regulatório, a União Europeia promulgou uma legislação em 2013 para banimento dos testes em animais em produtos e matérias-primas comercializados na região, havendo possibilidade de replicação em longo prazo desta decisão em outros países. No Brasil, foram criados recentemente o Centro Brasileiro de Validação de Métodos Alternativos, ligado ao Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS-Fiocruz) e a Rede Nacional de Métodos Alternativos (RENEMA), que visam incentivar o desenvolvimento de métodos alternativos àqueles que envolvem testes com animais. UTILIZAÇÃO DE MÉTODOS ALTERNATIVOS A TESTES EM ANIMAIS O Grupo Boticário busca inovar em seus processos de pesquisa e desenvolvimento de produtos e, consequentemente, nos métodos de avaliação e testes de seus produtos. Este posicionamento é reforçado pela criação e manutenção do Laboratório de Biologia Molecular, que atua na pesquisa, desenvolvimento e utilização de métodos alternativos, entre outras iniciativas. Sendo assim, atento às discussões e ao cenário internacional sobre a realização de testes em animais, o Grupo Boticário deixou, há mais de uma década, de realizar tais procedimentos para seus produtos acabados. Isto significa que a comprovação da segurança e eficácia dos produtos desenvolvidos é feita utilizando processo internacionalmente aceito que emprega dados das matérias-primas provindos de fornecedores, testes in vitro e estudos clínicos de segurança de uso em voluntários (pesquisa clínica com humanos), dentro dos padrões éticos e de qualidade vigentes. No processo de introdução de matérias-primas conduzido pelo Grupo Boticário, são demandadas informações sobre a realização de testes, incluindo ano e metodologia adotada, visando identificar e estimular a utilização de métodos alternativos na cadeia produtiva. Desta forma, o Grupo Boticário estimula o uso, pesquisa e desenvolvimento de métodos alternativos e a não realização de estudos animais por seus fornecedores. CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS NA PRÁTICA: A CONTRIBUIÇÃO DO FORNECEDOR Conhecer as etapas e processos de sua cadeia produtiva com o objetivo de mapear quais são os fornecedores, práticas adotadas, serviços envolvidos, forma de obtenção de matérias-primas etc. Identificar possíveis riscos e impactos sociais e ambientais de seus produtos e serviços, considerando o contexto e variáveis de todo o ciclo de vida. Quanto mais integrada for a atuação com fornecedores, clientes e outros elos da cadeia, mais eficiente será o endereçamento de temas críticos e potencialização de oportunidades identificadas. Propor ações para a minimização dos riscos e impactos identificados. Manter registro e evidências destas informações, de forma a possibilitar a rastreabilidade, bem como a verificação e o compartilhamento quando solicitado. Desenvolver processos para reduzir os impactos e riscos no ciclo de vida de seus produtos e insumos

10 matérias-primas e embalagens matérias-primas e embalagens II. Logística reversa RELEVÂNCIA E FATOS IMPORTANTES DO TEMA O QUE É Resíduo de embalagem é um tema crítico por conta do volume e variedade de caixas, frascos, potes, sacos O futuro desdobramento desta política em políticas estaduais e municipais mais específicas tende a ou galões plásticos, tambores, latas, rótulos e afins, endurecer ainda mais a pressão sobre as empresas. A Lei no /10, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), regulamentada pelo Decreto nº 7.404/10, define diretrizes para reduzir a geração de resíduos sólidos, com- utilizados em larga escala para o acondicionamento de matérias-primas e produtos. No Brasil, aproximadamente 42% dos resíduos sólidos não recebem tratamento adequado. A tendência em relação à reciclagem de embalagens é o desenvolvimento de itens com maior reciclabilidade e que facilitem o processo de destinação e reaproveitamento em outras cadeias produtivas. bater a poluição e é aplicável a todas as pessoas físicas e jurídicas; públicas ou privadas. Segundo a PNRS, a responsabilidade pelo ciclo de vida dos produtos deve ser comparti- LOGÍSTICA REVERSA NA PRÁTICA: A CONTRIBUIÇÃO DO FORNECEDOR lhada entre governo, fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes e consumidores. O objetivo é minimizar o volume de resíduos gerados e reduzir os impactos à saúde e ao meio ambiente. O princípio da responsabilidade compartilhada prevê uma obrigação pós-consumo, sempre voltado para o tratamento correto dos Conhecer e analisar a aplicabilidade da legislação de resíduos sólidos (municipal, estadual e nacional) na sua empresa, criando um plano de ação para atendê-los. Atender aos requisitos legais e implementar um sistema de coleta e destinação de resíduos. Participar ativamente de reuniões ou grupos de trabalho no nível setorial, ou nas diferentes esferas políticas que tratam do tema e buscar soluções práticas para o setor. resíduos. Resumindo: tanto o governo como as empresas e os consumidores são igualmente responsáveis pelo destino final dos resíduos. Para assegurar a operacionalização do sistema de logística reversa, as partes envolvidas devem implantar procedimentos que garantam a adequada destinação dos resíduos sólidos, como postos de entrega de materiais reutilizáveis e recicláveis, atuando em parceria com cooperativas ou outras formas de associação de catadores, dentre outros. O descarte adequado de embalagens pós-consumo recebe atenção especial na estratégia de sustentabilidade do Grupo Boticário. O Programa Reciclagem de Embalagens, disponível nas lojas O Boticário, conta com coletores especiais para receber dos consumidores o descarte dos produtos da marca após seu consumo. Com esta atitude, a intenção é sensibilizar e estimular o consumo consciente e a responsabilidade compartilhada na tarefa de reduzir impactos ambientais. O Programa também recolhe e destina para reciclagem materiais gráficos e de vitrinismo, utilizados nos ciclos de vendas. O PROGRAMA TAMBÉM RECOLHE E DESTINA PARA RECICLAGEM MATERIAIS GRÁFICOS E DE VITRINISMO, UTILIZADOS NOS CICLOS DE VENDAS

11 canais de venda canais de venda concepção da loja e que se materializa em sua operação por meio das pessoas que ali trabalham. Os planos de ações das unidades de negócios do Grupo Boticário para seus pontos de venda têm como foco a identificação de oportunidades e busca por soluções na formatação das lojas, assim como a utilização de materiais mais eficientes, com menor impacto no meio ambiente. Desta forma é importante instrumentalizar ainda mais os profissionais dos canais de venda, incentivando-os a agregar valor ao negócio por meio da sustentabilidade. RELEVÂNCIA E FATOS IMPORTANTES DO TEMA A utilização de soluções sustentáveis nos pontos de venda possibilita ganhos financeiros na operação, além de contribuir para o conforto dos usuários deste espaço. O mercado tem, cada vez mais, oferecido certificações que garantem os padrões mínimos de atenção às questões sociais e ambientais e também possibilitam aos fabricantes e compradores expressar a escolha por estes materiais, agregando valor e gerando diferenciação. O Grupo Boticário tem, em suas unidades de negócios, as lojas como canal de relacionamento com seus públicos. São mais de pontos de vendas em todo o Brasil, o que demonstra a capilaridade da rede e a importância para a inserção da sustentabilidade na formatação e operação das lojas. Canais de Venda PDV NA PRÁTICA: A CONTRIBUIÇÃO DO FORNECEDOR I. Pontos de venda O QUE É Estar atento às tendências e inovações sobre soluções sustentáveis. Participar de grupos, eventos, feiras e capacitações inerentes ao seu setor e em relação ao tema. Inserir a sustentabilidade em seus processos e gestão, possibilitando um ambiente propício para a criação Por representarem a interface das unidades de negócio do Grupo Boticário com grande parte e desenvolvimento de produtos sustentáveis. do público, os pontos de venda constituem o espaço em que se materializa, objetiva e subjeti- Atuar em parceria com o Grupo Boticário na prospecção de soluções. vamente, a prática da sustentabilidade que permeia a organização. São considerados pontos de venda todas as lojas e quiosques, bem como as centrais de serviço que atendem representantes e revendedores da venda direta. Com o objetivo de expressar a prática em sustentabilidade do Grupo Boticário, os canais de venda têm um papel importante para multiplicar ações ao consumidor final e à sociedade. Por isso, faz-se imperativo o trabalho de padronização dos pontos de venda para que se tornem sempre mais sustentáveis. Os consumidores passam a perceber que a sustentabilidade origina-se desde a II. Revendedores Este foco não possui interação direta com fornecedores e, por esse motivo, não será explanado neste guia. Para mais informações, acesse o menu Sustentabilidade no site do Grupo Boticário:

12 ecoeficiência ecoeficiência ECOEFICIÊNCIA NA PRÁTICA: A CONTRIBUIÇÃO DO FORNECEDOR O Grupo Boticário entende que seus fornecedores devem monitorar o consumo de água e energia, a geração de resíduos e as emissões de gases de efeito Ecoeficiência estufa, com o objetivo de estabelecer indicadores de ecoeficiência e, assim, melhorar o desempenho em suas atividades e seus processos. Estes indicadores devem ser mensuráveis, transparentes e passíveis de verificação. Devem ser, ainda, compreensíveis e compartilhados com os diversos stakeholders, incentivando também a aplicação em sua cadeia de valor. I. Ecoeficiência: cadeia ampla O QUE É Seguem alguns exemplos práticos de iniciativas e ações de ecoeficiência. Em 1996, o World Business Council for Sustainable Development (WBCSD) definiu ecoeficiência como a competitividade na produção e colocação no mercado de bens e/ou serviços que satisfazem as necessidades humanas, trazendo qualidade de vida, minimizando os impactos ambientais e o uso de recursos naturais. O Grupo Boticário atua na redução dos impactos ambientais ao longo da cadeia produtiva por meio da ecoeficiência, pois acredita que não é possível produzir beleza sem dar atenção especial ao consumo de água e energia, às emissões de gases e à geração de resíduos. Inspirar e engajar pessoas e parceiros para incentivar a sustentabilidade no processo produtivo agrega valor aos negócios de todos os envolvidos. Exemplos bem-sucedidos são a fábrica e o centro de distribuição do Grupo Boticário na Bahia, que seguem os critérios da certificação Leadership in Energy and Environmental Design (LEED), baseada em princípios internacionais de sustentabilidade e eficiência energética. RELEVÂNCIA E FATOS IMPORTANTES DO TEMA A água é uma das principais matérias-primas na fabricação de produtos cosméticos. Além da incorporação em muitos produtos, é utilizada para resfriamento, geração de vapor e limpeza. Efluentes da produção podem envolver óleos, graxas, sulfetos e fosfatos associados com a poluição e encarecimento do processo de tratamento. Existem fontes mais limpas para obtenção de energia, como eólica e solar. Essas opções tendem a se tornar cada vez mais viáveis e acessíveis. O mercado global de tecnologias de eficiência energética oferece cada vez mais oportunidades e a indústria é apontada como um dos setores com as maiores oportunidades. Emissões de GEE (gases de efeito estufa) são associadas ao fenômeno das mudanças climáticas e por isso estão sujeitas a pressões regulatórias e sociais. Apesar do impasse nas discussões globais, o combate às mudanças climáticas tende a continuar na agenda empresarial. A legislação ambiental prevê pesadas multas relacionadas aos impactos ambientais da destinação e descarte inadequados de resíduos industriais. I. AÇÕES PARA REDUÇÃO NO CONSUMO DE ÁGUA Envolver seus colaboradores nas ações de conservação da água. Espalhar materiais de comunicação e de incentivo às campanhas em banheiros, cozinhas e outras áreas com maior uso de água. Utilizar torneiras econômicas, com temporizadores ou aeradores, e sanitários com baixo fluxo de água. Instalar medidores setorizados e realizar manutenção periódica para detectar possíveis vazamentos, desperdícios e perdas de água no processo. II. AÇÕES PARA REDUÇÃO NO CONSUMO DE ENERGIA Realizar a manutenção periódica das instalações elétricas da empresa. Identificar desvios no consumo, oportunidades de atuação e redução de consumo em horário de ponta. Instalar dispositivos para economia de energia, como sensores de presença, fotocélulas, dimmers, interruptores com horário programável. Privilegiar a iluminação natural e pintar o teto e as paredes dos ambientes com cores claras. Implementar sistema de reuso de água e/ou aproveitamento de águas pluviais para utilização em torres de resfriamento, vasos sanitários, jardinagem, limpeza de pisos e veículos, atendendo as especificações quanto à qualidade mínima necessária para cada aplicação. Realizar o tratamento e lançamento dos efluentes em conformidade com a legislação e as normas aplicáveis. Optar por lâmpadas e aparelhos eletrônicos que consomem menos energia, verificando se eles possuem selos como o Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e ENCE (Etiqueta Nacional de Conservação de Energia, do Inmetro). Avaliar a viabilidade de subtstituir os equipamentos existentes por modelos mais modernos e mais econômicos no consumo de energia. Realizar estudos para avaliar a matriz energética da empresa, considerando demais fontes de energia como gás natural, energia solar, biomassa

13 ecoeficiência responsabilidade III. AÇÕES PARA A REDUÇÃO NA GERAÇÃO DE RESÍDUOS Respeitar a ordem de prioridade para a gestão de resíduos sólidos: não geração, redução, reutilização, reciclagem, tratamento e disposição final ambientalmente adequada. Identificar oportunidades para redução da geração de resíduos ou reaproveitamento de materiais no processo produtivo. Elaborar Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos, observando as exigências da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Implantar a coleta seletiva e realizar a destinação final adequada, conforme os tipos e características dos resíduos. IV. AÇÕES PARA A REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES QUE CAUSAM O EFEITO ESTUFA (GEE) Identificar quais são as atividades geradoras de maior relevância e estabelecer um plano de ação com metas claras para redução das emissões. Responsabilidade compartilhada pelo produto e serviço Identificar as fontes diretas e indiretas de emissões e realizar a coleta de dados de forma consistente e coerente, possibilitando que as informações sejam passíveis de verificação e, quando solicitadas, compartilhadas com a cadeia de valor. Formalizar a divulgação das informações sobre emissões de GEE em inventários específicos ou em relatórios abrangentes sobre sustentabilidade e desempenho ambiental. Sustentabilidade não se faz sozinho e no Grupo Boticário não é diferente. Contamos com a parceria de colaboradores, fornecedores, franqueados e outros públicos que, juntos, tornam possível a realização dos negócios e a chegada dos produtos às mãos dos clientes e consumidores. A essa rede, onde o papel de cada um é fundamental, damos o nome de cadeia de valor. Dessa forma, quando falamos que a sustentabilidade deve estar incorporada em toda a cadeia de valor de uma empresa, significa que todos os elos devem considerar o impacto de seus negócios O Grupo Boticário contribui para o esforço coletivo de redução das emissões no país realizando o inventário anual de suas emissões, participando do programa brasileiro GHG Protocol e implantando iniciativas efetivas em seus processos produtivos e logísticos para na sociedade e no meio ambiente. Todos, de diferentes formas, carregam um pouco da marca e são responsáveis pela imagem do nosso negócio. Por isso é tão importante sermos criteriosos ao escolher nossos parceiros. mitigar emissões nas suas atividades diárias. Ao identificar um fornecedor, é essencial Esta relação de parceria deve ser regida por Para mais informações sobre os inventários do Grupo Boticário: verificar se ele também leva em consideração aspectos sociais e ambientais na realização de procedimentos e regras claras, que possibilitem identificar pontos críticos inerentes às seus negócios. Ou seja, não basta estarmos pre- atividades empresariais e realizar o monitora- ocupados com saúde, bem-estar e remunera- mento constante. ção dos nossos colaboradores se contratarmos Os critérios utilizados para eleger e manter empresas que não respeitam os direitos traba- fornecedores de produtos e serviços é funda- lhistas ou violam questões de saúde e segurança mental para a mitigação de riscos na cadeia dos seus colaboradores. de suprimentos. Para assegurar o processo de Uma atitude negativa vinda de um parceiro também pode trazer riscos ao nosso negócio e impactar a credibilidade da nossa marca. O Grupo Boticário orienta que seus fornecedores de produtos e serviços possuam critérios de seleção e avaliação para seus parceiros de negócio, fundamentados no a- tendimento aos requisitos legais e nas melhores práticas de gestão ambiental e social. monitoramento, recomenda-se o arquivamento de documentos e informações comprobatórias decorrentes das avaliações, questionários, auditorias e demais ferramentas utilizadas para acompanhar o desempenho dos fornecedores. Ao identificar não conformidades, é necessário, ainda, estabelecer um plano de ação que resulte em melhorias nos processos e na mitigação dos riscos

14 saiba mais SAIBA MAIS Há diversas informações disponíveis na internet para aprofundamento nos temas de sustentabilidade. Seguem links de instituições e organizações reconhecidas nacional e internacionalmente: Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública (ABLP): Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (ABRELPE): Centro de Estudos em Sustentabilidade da EAESP: Driving Sustainable Economies (CDP): Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS): Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança de Organização das Nações Unidas (ONU): pt/resources_10120.htm Instituto Ethos: www3.ethos.org.br Instituto Observatório Social: www. observatoriosocial.org.br/portal Ideia Sustentável: Fundação Abrinq: Lei Federal 8.069/ Estatuto da Criança e do Adolescente: ccivil_03/leis/l8069.htm Mercado Ético: Ministério do Trabalho e Emprego: portal. mte.gov.br/portal-mte/ Organização Internacional do Trabalho: Página 22 (Revista do GVces): pagina22.com.br 26

15

Manual de. compras. Sustentáveis

Manual de. compras. Sustentáveis Manual de compras Sustentáveis Manual de Compras Sustentáveis Maio 2014 CEBDS Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável Manual de Compras Sustentáveis Índice O que é o CEBDS 8

Leia mais

PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS GRANDES EMPRESAS E suas demandas para as Micro e Pequenas Empresas

PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS GRANDES EMPRESAS E suas demandas para as Micro e Pequenas Empresas PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS GRANDES EMPRESAS E suas demandas para as Micro e Pequenas Empresas EXPEDIENTE PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL Roberto Simões DIRETOR-PRESIDENTE Luiz Barretto DIRETOR

Leia mais

Localiza Fleet S/A. Plano de Gestão Ambiental

Localiza Fleet S/A. Plano de Gestão Ambiental S/A Local de instalação do Empreendimento Belo Horizonte, MG Documento Elaborado para o atendimento de requisitos de operação ambiental e sistematização de aspectos ambientais. 2ª. EDIÇÃO Janeiro / 2014

Leia mais

O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e

O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e pesquisas sobre produção, mercado, comércio exterior,

Leia mais

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 2 C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional Por que investir em Comunicação Interna PREFÁCIO Em pouco mais

Leia mais

SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA NO SETOR FINANCEIRO BRASILEIRO

SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA NO SETOR FINANCEIRO BRASILEIRO SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA NO SETOR FINANCEIRO BRASILEIRO Clarissa Lins Daniel Wajnberg Agosto 2007 Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável Rua Engenheiro Álvaro Niemeyer, 76 CEP 22610-180

Leia mais

Código de Ética e Princípios de Negócios

Código de Ética e Princípios de Negócios Código de Ética e rincípios de Negócios Garantindo o desempenho com integridade Sumário Declaração do residente do Conselho de Administração e do Chefe Executivo Nossos Valores rincípios Básicos Administração

Leia mais

A cultura da comunicação interna está cada vez mais consolidada em nosso mercado e as organizações sensíveis para o tema colocam-se com destaque em

A cultura da comunicação interna está cada vez mais consolidada em nosso mercado e as organizações sensíveis para o tema colocam-se com destaque em 2 Abertura O Caderno de Comunicação Organizacional intitulado Como entender a Comunicação Interna é uma contribuição da Associação Brasileira das Agências de Comunicação Abracom ao mercado. Neste caderno,

Leia mais

ARQUITETOS DE UM MUNDO MELHOR CONSTRUINDO A ARQUITETURA PARA O ENGAJAMENTO EMPRESARIAL PÓS-2015

ARQUITETOS DE UM MUNDO MELHOR CONSTRUINDO A ARQUITETURA PARA O ENGAJAMENTO EMPRESARIAL PÓS-2015 ARQUITETOS DE UM MUNDO MELHOR CONSTRUINDO A ARQUITETURA PARA O ENGAJAMENTO EMPRESARIAL PÓS-2015 1 A Arquitetura para o Engajamento Empresarial Pós-2015 é o culminar de mais de uma década de experiência

Leia mais

Franquias. 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado

Franquias. 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado Franquias 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado 1 Índice 1. FRANQUIAS a. O Sistema de Franquias 1. Conhecendo o sistema 2. Quais os principais termos utilizados 3. Franquia x Licenciamento

Leia mais

COMO AS EMPRESAS PODEM (E DEVEM) VALORIZAR A DIVERSIDADE

COMO AS EMPRESAS PODEM (E DEVEM) VALORIZAR A DIVERSIDADE COMO AS EMPRESAS PODEM (E DEVEM) VALORIZAR A DIVERSIDADE 1 Como as Empresas podem (e devem) valorizar a Diversidade é uma publicação do Instituto Ethos, distribuída gratuitamente aos seus associados Realização

Leia mais

A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais

A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais Maria José de Oliveira Lima SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LIMA, MJO. As empresas familiares da cidade de Franca:

Leia mais

Empresas e Direitos Humanos na Perspectiva do Trabalho Decente. Marco de Referência

Empresas e Direitos Humanos na Perspectiva do Trabalho Decente. Marco de Referência Empresas e Direitos Humanos na Perspectiva do Trabalho Decente Marco de Referência Expediente Empresas e Direitos Humanos na Perspectiva do Trabalho Decente Marco de Referência é uma publicação do Instituto

Leia mais

O que Fazer e Não Fazer em um Banco Sustentável. Um manual da rede BankTrack. BANKTrack

O que Fazer e Não Fazer em um Banco Sustentável. Um manual da rede BankTrack. BANKTrack O que Fazer e Não Fazer em um Banco Sustentável Um manual da rede BankTrack BANKTrack O que Fazer e Não Fazer em um Banco Sustentável Um manual da rede BankTrack Autor: Jan Willem van Gelder (Profundo)

Leia mais

República Federativa do Brasil Presidente: Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente: José Alencar Gomes da Silva

República Federativa do Brasil Presidente: Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente: José Alencar Gomes da Silva República Federativa do Brasil Presidente: Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente: José Alencar Gomes da Silva Ministério do Meio Ambiente Ministra: Marina Silva Secretário Executivo: João Paulo Ribeiro

Leia mais

BALANÇO SOCIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS ENTRE OS MODELOS DO IBASE, GRI E INSTITUTO ETHOS

BALANÇO SOCIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS ENTRE OS MODELOS DO IBASE, GRI E INSTITUTO ETHOS BALANÇO SOCIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS ENTRE OS MODELOS DO IBASE, GRI E INSTITUTO ETHOS RESUMO A Responsabilidade Social vem sendo amplamente discutida e exigida pela sociedade, e a partir dela o

Leia mais

O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as organizações no Brasil

O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as organizações no Brasil O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as organizações no Brasil anos Sumário Sobre a pesquisa...04 Tendências transformadoras para os negócios...07 Mudanças no perfil do trabalho e nas expectativas

Leia mais

COMBATENDO A CORRUPÇÃO NO PATROCÍNIO ESPORTIVO E NAS AÇÕES DE HOSPITALIDADE

COMBATENDO A CORRUPÇÃO NO PATROCÍNIO ESPORTIVO E NAS AÇÕES DE HOSPITALIDADE COMBATENDO A CORRUPÇÃO NO PATROCÍNIO ESPORTIVO E NAS AÇÕES DE HOSPITALIDADE (FIGHTING CORRUPTION IN SPORT SPONSORSHIP AND HOSPITALITY) Um Guia Prático para Empresas Agradecimentos O Grupo de Trabalho do

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR JUNHO DE 2013

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR JUNHO DE 2013 OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR JUNHO DE 2013 Um referencial do setor financeiro para identificação, avaliação e gerenciamento de riscos socioambientais em projetos www.equator-principles.com Esta tradução dos

Leia mais

Função de Compliance

Função de Compliance Função de Compliance Apresentação Com o objetivo de promover o constante aperfeiçoamento e a modernização do sistema financeiro, a ABBI - Associação Brasileira de Bancos Internacionais, por meio do Comitê

Leia mais

Beleza é ter sustentabilidade como prática

Beleza é ter sustentabilidade como prática Beleza é ter sustentabilidade como prática Relatório de Sustentabilidade 2011 / 2012 Evolução A beleza de um ano de expansão, transformação e aprendizado. Leia a entrevista com os presidentes página 8

Leia mais

Desenho e Análise da Cadeia de Valor da Água Mineral no Brasil 1

Desenho e Análise da Cadeia de Valor da Água Mineral no Brasil 1 1 Desenho e Análise da Cadeia de Valor da Água Mineral no Brasil 1 STEPHANIE CRISTINE LOURENÇO SILVEIRA - stephanieclsilver@gmail.com RENATA PAES LEME ROQUETTE - renata_paesleme@hotmail.com LUCIEL HENRIQUE

Leia mais

Essa publicação faz parte do AMIGO DA PEQUENA EMPRESA, um projeto do SEBRAE-SP em parceria com

Essa publicação faz parte do AMIGO DA PEQUENA EMPRESA, um projeto do SEBRAE-SP em parceria com Essa publicação faz parte do AMIGO DA PEQUENA EMPRESA, um projeto do SEBRAE-SP em parceria com a Casa do Contabilista de Ribeirão Preto Conselho Deliberativo Presidente: Fábio Meirelles (FAESP) ACSP Associação

Leia mais

CRÉDITOS. Anel Colaboradores Paola Tucunduva Maria Ramos Soares Fabio Araujo

CRÉDITOS. Anel Colaboradores Paola Tucunduva Maria Ramos Soares Fabio Araujo Parceria: CRÉDITOS SEBRAE-SP Conselho Deliberativo Presidente Alencar Burti (ACSP) ACSP - Associação Comercial de São Paulo ANPEI - Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas

Leia mais

Guia de Conduta Ética

Guia de Conduta Ética Guia de Conduta Ética "Vigie seus pensamentos, porque eles se tornarão palavras. Vigie suas palavras, pois elas se tornarão atos. Vigie seus atos, pois eles se tornarão seus hábitos. Vigie seus hábitos,

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA

O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA FACULDADE LOURENÇO FILHO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ELIS MARIA CARNEIRO CAVALCANTE O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA FORTALEZA 2010 1 ELIS

Leia mais

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL Em atendimento ao disposto na Lei 12.378, de 31.12.2010: (...) Artigo 28- Compete ao CAU/BR: Inciso XIV - aprovar e divulgar tabelas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO VAREJO: UM ESTUDO EM REDES DE SUPERMERCADOS

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO VAREJO: UM ESTUDO EM REDES DE SUPERMERCADOS ISSN 1984-9354 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO VAREJO: UM ESTUDO EM REDES DE SUPERMERCADOS LARISSA SOARES DE LIMA MOTA (FESP) MARÍLIA PASSOS DUARTE (FESP) VANESSA BRAZ CASSOLI (FESP) Resumo A preocupação

Leia mais

Avanços da indústria. Encontro da Indústria para a Sustentabilidade

Avanços da indústria. Encontro da Indústria para a Sustentabilidade Avanços da indústria brasileira rumo ao desenvolvimento sustentável Síntese dos fascículos setoriais Encontro da Indústria para a Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI PRESIDENTE Robson

Leia mais

A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL

A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL MEI - MOBILIZAÇÃO EMPRESARIAL PELA INOVAÇÃO 5 UMA NOVA AGENDA PARA PROMOVER A INOVAÇÃO EMPRESARIAL NO BRASIL A capacidade

Leia mais