UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO EM QUÍMICA GRUPO DE PESQUISA EM QUÍMICA ANALÍTICA (GPQA) MILENA SANTOS PINELLI ESTIMATIVA DE VALORES DE REFERÊNCIA PARA Cd, Co, Cr, Cu, Ni, Pb E Zn EM SOLOS DO ENTORNO DA BAÍA DO IGUAPE, BAHIA, BRASIL Salvador 2012

2

3 i MILENA SANTOS PINELLI ESTIMATIVA DE VALORES DE REFERÊNCIA PARA Cd, Co, Cr, Cu, Ni, Pb E Zn EM SOLOS DO ENTORNO DA BAÍA DO IGUAPE, BAHIA, BRASIL Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Química, Instituto de Química, Universidade Federal da Bahia, como requisito para obtenção do grau de Mestre em Química. Orientadora: Prof a. Dr a. Maria das Graças A. Korn Co-Orientador: Prof. Dr. Francisco de S. Fadigas Salvador 2012

4 i Sistema de Bibliotecas IQ/UFBA Pinelli, Milena Santos Estimativa de valores de referência para Cd, Co, Cr, Cu, Ni, Pb,e Zn em solos do entorno da Baía do Iguape, Bahia, Brasil / Milena Santos Pinelli f. : il. Orientador: Profª. Drª. Maria das Graças Andrade Korn Co- orientador: Profº Dr. Francisco de S. Fadigas. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal da Bahia, Instituto de Química, Salvador, Solos-Iguape, Baía de (Ba). 2. Solos Metais-Iguape, Baía de (Ba). 3. Solos-Análise- Iguape, Baía de (Ba). I. Korn, Maria das Graças Andrade. II. Fadigas, Francisco de S. III. Universidade Federal da Bahia. Instituto de Química. IV. Título. CDD CDU :504.5

5 ii Dedico: A Maria de Lourdes Santos Pinelli (in memorian) Mãe querida e exemplo de vida. Sempre te amarei!!

6 iii AGRADECIMENTOS A Deus pela força concedida que me faz seguir em frente. A todos meus familiares, avós, tios, primos, sobrinho, em especial ao meu pai Alcebíades, minha irmã Patrícia por sempre desejarem meu sucesso, minha irmã Denise e ao meu namorado Julian, pela compreensão e incentivo de persistir na luta. À minha orientadora Maria das Graças Andrade Korn, pelo total apoio e dedicação. Ao professor Francisco Fadigas pela co-orientação e pela contribuição na etapa de coleta e pré-tratamento das amostras. Ao professor Sérgio Carvalho pelas importantes contribuições e disponibilidade no tratamento estatístico dos resultados. Aos membros da Comissão Examinadora, Prof a. Vânia Campos e Prof. Jorge Gonzaga por aceitarem a participar da banca deste trabalho. À Isa pela grande contribuição e por demonstrar como deve atuar um Químico Analítico. Aos integrantes do GPQA Dani, por toda atenção, Nila, por sempre me fazer sorrir, Thaís minha quase IC, minha irmã Luciene, Geysa, Fernanda, Larissa, Lília, Tiago, Gabriel, Taiana, Flávia, Amanda, Elane, Mauro (in memorian). Aos integrantes do GRPQQ, em especial a Daniel e Ivanice pela colaboração. As minhas grandes amigas Isleide e Mileide por sempre estarem presentes na minha vida. A todos os funcionários e professores do IQ, em especial a Titio, Wadton, Cláudio e Cristovão, pela importância dos seus trabalhos e a Prof a. Soraia Brandão. Aos meus amigos de curso Ailton, Genicleide, Cloves, Débora, Liliane, Dalila, Roberto, Paula, Elisângela, Tadeu, Sara, Poliana, Gilmara, Marcela, Tatiana, Alfredo, Welliton. Ao Instituto de Química da UFBA. Ao Programa de Pós Graduação em Química da UFBA pela oportunidade. Ao CNPQ pelo apoio financeiro. A todas as pessoas que desejam meu sucesso ou que contribuíram direta ou indiretamente para realização deste trabalho. Muito Obrigada!!!!

7 iv PINELLI, Milena Santos. Estimativa de valores de referência para Cd, Co, Cr, Cu, Ni, Pb e Zn em solos do entorno da Baía do Iguape, Bahia, Brasil. 94 f Dissertação (Mestrado em Química) Instituto de Química, Universidade Federal da Bahia, Salvador, RESUMO Os metais têm origem natural como componentes das rochas e nesta situação não apresentam riscos aos seres vivos. Atualmente existem poucos estudos relacionados à obtenção de valores de referência para concentrações naturais de metais em solos do Brasil, o que dificulta a ação dos órgãos fiscalizadores e algumas instituições em monitorarem os ambientes que podem ter sido contaminados por indústrias ou outros tipos de empreendimentos. Este trabalho teve como objetivo propor valores de referência para concentração dos metais Cd, Co, Cr, Cu, Pb, Mn, Ni e Zn em solo do entorno na Baía do Iguape. As amostras foram digeridas em forno de micro-ondas com cavidade utilizando o procedimento da Agência de Proteção Ambiental, EPA 3051A e para as determinações dos analitos foi empregada a espectrometria de emissão óptica com plasma indutivamente acoplado (ICP OES). As linhas de emissão selecionadas foram, em nm: Cd II 226,502; Co II 228,615 nm; Cr II 267,716; Cu Il 213,598; Mn II 257,610; Ni II 216,555; Pb II 220,353; e Zn I 213,857. A validação foi feita avaliando-se os limites de detecção (LOD) e de quantificação (LOQ), a faixa linear de trabalho, precisão, análise de material de referência certificado e testes de adição e recuperação. O procedimento validado foi aplicado na caracterização dos solos formados a partir de sedimentos da Formação Barreiras, Arenito e Folhelho, quanto às concentrações dos analitos Cd, Co, Cu, Cr, Mn, Ni, Pb e Zn no entorno da Baía de Iguape. As faixas de concentrações obtidas para as áreas estudadas foram, em mg kg -1 : Barreiras encosta: Cd (0,57-1,7), Co (4,5-5,7), Cr (33-73), Cu (7,0-16), Mn (74-123), Ni (5,0-13), Pb (4,8-16) e Zn (12-30); Barreiras plana: Cd (0,20-0,67), Co (1,3-2,2), Cr (23-48), Cu (3,2-4,8), Mn (46-56), Ni (4,2-12), Pb (2,5-8,3) e Zn (12-24); Arenito 1 Cd (0,12-0,43), Co (0,30-0,90), Cr (4,9-14), Cu (1,7-4,1), Mn (12-30), Ni (1,2-3,7), Pb (2,7-7,5) e Zn (1,8-8,6); Arenito 2 : Co (0,7-2,0), Cr (5,6-19,8), Cu (1,7-3,1), Mn (10-28), Ni (1,9-4,0), Pb (1,7-4,4) e Zn (1,7-6,5); Arenito 3 Cd (0,10-0,23), Co (0,40-1,5), Cr (2,9-12), Cu (1,2-4,5), Mn (15-31), Ni (1,0-4,0), Pb (2,6-6,6) e Zn (2,1-7,3); Folhelho Cd (0,32-1,1), Co (0,92-1,7), Cr (37-63), Cu (3,6-7,2), Mn (27-39), Ni (4,4-9,3), Pb (3,2-11) e Zn (10-18). De um modo geral as concentrações obtidas variaram na seguinte ordem decrescente Barreiras> Folhelho> Arenito. Para propor valores de referência para solos com características similares aos analisados, foram selecionadas as áreas Barreira encosta e Arenito 3 e aplicou-se a correlação linear de Pearson e análise de componentes principais (PCA), para selecionar quais parâmetros (metais e atributos) contribuem de forma efetiva para a elaboração das equações do modelo estatístico. As concentrações das amostras foram estimadas de forma satisfatória com as equações elaboradas. Para os solos de Barreiras encosta apenas Co e Pb não apresentaram valores confiáveis de predição enquanto que para o Arenito 3, somente Ni não apresentou resultados confiáveis, devido ao seu baixo coeficiente de determinação. Palavras-chaves: solos, preparo de amostras, ICP OES, valores de referência, Baía do Iguape.

8 v PINELLI, Milena Santos. Estimation of reference values for Cd, Co, Cr, Cu, Ni, Pb and Zn in soils surrounding the Iguape Bay, Bahia, Brazil. 94 p Dissertation (Master's degree in Chemistry) Instituto de Química, Universidade Federal da Bahia, Salvador, ABSTRACT The metals have natural origin as components of the rocks and this situation does not pose a risk to living beings. Currently there are few studies related to obtain reference values for natural concentrations of metals in soils from Brazil, which prevent the action supervisory agencies and some institutions monitor the environments that may have been contaminated by industries or other types of ventures. This work aimed to propose reference values for concentrations of the metals Cd, Co, Cr, Cu, Pb, Mn, Ni and Zn in the soil surrounding the Bay of Iguape. The samples were digested in a microwave oven using the procedure of the Environmental Protection Agency EPA 3051A and for the determination of the analytes was employed optical emission spectrometry with inductively coupled plasma (ICP OES). The emission lines were selected in nm: Cd II ; Co II nm; Cr II ; Cu Il ; Mn II ; Ni II ; Pb II ; e Zn I Validation was performed by evaluating the limits of detection (LOD) and quantitation (LOQ), the linear range, precision, analysis of certified reference material and tests of addition and recovery. The validated procedure was applied to the soil characterization formed from sediment Barriers, Sandstone and Shale soils, in terms of concentrations of Cd, Co, Cu, Cr, Mn, Ni, Pb and Zn in the vicinity of the Bay of Iguape. The concentration ranges obtained in the studied areas were in mg kg -1 : incline Barriers: Cd ( ), Co ( ), Cr (33-73), Cu (7.0-16), Mn (74-123), Ni (5.0-13), Pb (4.8-16) e Zn (12-30); plane Barriers: Cd ( ), Co ( ), Cr (23-48), Cu ( ), Mn (46-56), Ni (4.2-12), Pb ( ) e Zn (12-24); Sandstone 1: Cd (0,12-0,43), Co ( ), Cr (4.9-14), Cu ( ), Mn (12-30), Ni ( ), Pb ( ) e Zn ( ); Sandstone 2: Co ( ), Cr ( ), Cu ( ), Mn (10-28), Ni ( ), Pb ( ) e Zn ( ); Sandstone 3 Cd ( ), Co ( ), Cr (2.9-12), Cu ( ), Mn (15-31), Ni ( ), Pb ( ) e Zn ( ); Shales: Cd ( ), Co ( ), Cr (37-63), Cu ( ), Mn (27-39), Ni ( ), Pb (3.2-11) e Zn (10-18). In general the concentrations obtained varied in the following descending order Barriers> Shale> Sandstone.To propose benchmarks for soils with characteristics similar to those examined, were selected two areas Barriers and Sandstone 3 and applied to linear correlation of Pearson and principal components analysis (PCA), to select which parameters (metals and attributes) contribute effectively to the formulation of the equations of the statistical model. The sample concentrations were estimated in a satisfactory manner with the equations worked out. For the soils of barriers just Co and Pb did not provide reliable values of prediction while for the sandstone 3, only Ni showed no reliable results due to its low coefficient of determination. Keywords: soil, sample preparation, ICP OES, reference values, Iguape Bay.

9 vi LISTA DE FIGURAS Figura 1 Camadas do solo Figura 2 Mapa da área de coleta Figura 3 Equipamento empregado para digestão das amostras Figura 4 Equipamento empregado para centrifugar as amostras Figura 5. Espectrômetro de emissão óptica com plasma indutivamente acoplado empregado para determinação dos metais Figura 6. Secagem das amostras a temperatura ambiente Figura 7 Influência de Al e Fe para a linha de emissão Cd II 226,502 nm Figura 8 Influência de Fe para a linha de emissão Co ll 238,892 nm e Al e Fe para a linha de emissão Co II 228,615 nm Figura 9 Influência de Al e Fe para a linha de emissão Cr II 267,716 nm Figura 10 Influência de Al e Fe para a linha de emissão Cu II 213,598 nm Figura 11 Influência de Al e Fe para a linha de emissão Mn II 257,610 nm Figura 12 Influência de Al e Fe para a linha de emissão Ni II 216,555 nm Figura 13 Influência de Al e Fe para a linha de emissão Pb II 220,353 nm Figura 14 Influência de Al e Fe para a linha de emissão Zn I 213,857 nm Figura 15 Estudo da influência de Al e Fe para Cd, Co, Cr, Cu, Mn, Ni, Pb e Zn Figura 16 Perfil das concentrações do analitos em solos derivados dos sedimentos da Formação Barreiras, localizados na encosta Figura 17 Perfil das concentrações dos analitos em solos derivados dos sedimentos da Formação Barreiras, localizados no plano Figura 18 Perfil das concentrações dos analitos em solos derivados dos sedimentos do Grupo Arenito Figura 19 Perfil das concentrações dos analitos em solos derivados dos sedimentos do Grupo Arenito Figura 20 Perfil das concentrações dos analitos em solos derivados dos sedimentos do Grupo Arenito Figura 21 Perfil das concentrações dos analitos em solos derivados dos sedimentos do Grupo Folhelho Figura 22 Perfil da concentração para Cd nas camadas (A: 0 0,20 m) e (B: 0,80 1,00 m) nos diferentes tipos de solos Figura 23 Perfil da concentração para Co nas camadas (A: 0 0,20 m) e (B: 0,80 1,00 m) nos diferentes tipos de solos Figura 24 Perfil da concentração para Cr nas camadas (A: 0 0,20 m) e (B: 0,80 1,00 m) nos diferentes tipos de solos

10 vii Figura 25 Perfil da concentração para Cu nas camadas (A: 0 0,20 m) e (B: 0,80 1,00 m) nos diferentes tipos de solos Figura 26 Perfil da concentração para Mn nas camadas (A: 0 0,20 m) e (B: 0,80 1,00 m) nos diferentes tipos de solos Figura 27 Perfil da concentração para Ni nas camadas (A: 0 0,20 m) e (B: 0,80 1,00 m) nos diferentes tipos de solos Figura 28 Perfil da concentração para Pb nas camadas (A: 0 0,20 m) e (B: 0,80 1,00 m) nos diferentes tipos de solos Figura 29 Perfil da concentração para Zn nas camadas (A: 0 0,20 m) e (B: 0,80 1,00 m) nos diferentes tipos de solos Figura 30 Gráfico de scores (PC1) versus (PC2) para as amostras das 6 áreas na camada A Figura 31 Dendograma de classificação das 30 amostras para as 6 áreas investigadas na camada A Figura 32 Gráfico de scores (PC1) versus (PC2) para as amostras das 6 áreas na camada B Figura 33 Dendograma de classificação das 30 amostras para as 6 áreas investigadas na camada B Figura 34 Gráfico de loadings (PC1) versus (PC2) das variáveis na camada A Figura 35 Gráfico de loadings (PC1) versus (PC2) das variáveis na camada B

11 viii LISTA DE TABELAS Tabela 1 Valores orientadores para solo no Estado de São Paulo (CETESB) Tabela 2 Faixas de concentrações na camada A (0-0,20 m) para os metais em solos das diferentes regiões do Brasil Tabela 3 Métodos de digestão para amostras de solos e sedimentos Tabela 4 Identificação das sub-amostras por área amostrada Tabela 5 Programa de aquecimento para digestão das amostras no forno de micro-ondas com cavidade Tabela 6 Características do equipamento ICP OES empregado para determinação dos metais nas amostras de solos Tabela 7 Linhas de emissão estudadas em nm para Cd, Co, Cr, Cu, Mn, Ni, Pb e Zn Tabela 8 Equação da reta e coeficiente de determinação para as curvas analíticas com e sem adição de Fe e Al Tabela 9 Valores obtidos para o LOD e LOQ em mg kg -1 com detecção por ICP OES Tabela 10 Intervalo de confiança e recuperação dos metais em solos NIST CRM 2709a, através da digestão pelo método EPA 3051A Tabela 11 Teste de adição e recuperação para os diferentes tipos de solos, nível de concentração 0,1 mg L -1, amostra P 5 BR Tabela 12 Teste de adição e recuperação para os diferentes tipos de solos, nível de concentração 1,0 mg L -1, amostra P 5 BR Tabela 13 Comparação das concentrações dos metais na superfície e subsuperfície dos solos originados de sedimentos da Formação Barreiras do município Santiago do Iguape com solos de outros municípios do Recôncavo Baiano Tabela 14 Valores naturais e limite de tolerância propostos para cada metal nas camadas A e B das seis classes de solos estudadas Tabela 15 Loadings dos metais (PC1) versus (PC2) para camada A Tabela 16 Loadings dos metais (PC1) versus (PC2) para camada B Tabela 17 Contribuição de cada variável para as cinco primeiras PC s na camada A Tabela 18 Contribuição de cada variável para as cinco primeiras PC s na camada B Tabela 19 Correlação Linear de Pearson para metais e características físico-químicas da camada superficial (A) 0 0,20 m nos solos derivados dos sedimentos de Barreiras (A2).. 73 Tabela 20 Correlação Linear de Pearson para metais e características físico-química da camada subsuperficial (B) 0,80 1,00 m nos solos derivados dos sedimentos de Barreiras (A2) Tabela 21 Loadings das variáveis das quatro primeiras PC s na camada A Tabela 22 Loadings das variáveis das quatro primeiras PC s na camada B

12 ix Tabela 23 Variáveis selecionadas em cada camada para regressão múltipla segundo os resultados da PCA e correlação de Pearson Tabela 24 Equações para estimativa de concentração dos metais na camada A em solos com características similares aos coletados na área Tabela 25 Equações para estimativa de concentração dos metais na camada B em solos com características similares aos coletados na área Tabela 26 Comparação dos valores de concentração estimados pela reta de regressão e os valores determinados por ICP OES em amostras teste dos sedimentos Formação Barreiras (A2) Tabela 27 Valores dos parâmetros físico-químicos utilizados na estimativa das concentrações dos metais das amostras testes (A2) Tabela 28 Correlação Linear de Pearson para metais e características físico-química da camada subsuperficial (A) 0 0,20 m nos solos derivados dos sedimentos de Arenito 3 (A7) Tabela 29 Correlação Linear de Pearson para metais e características físico-química da camada subsuperficial (B) 0,80 1,00 m nos solos derivados dos sedimentos de Arenito 3 (A7) Tabela 30 Loadings das variáveis das quatro primeiras PC s na camada A Tabela 31 Loadings das variáveis das quatro primeiras PC s na camada B Tabela 32 Variáveis selecionadas em cada camada para regressão múltipla segundo os resultados da PCA e correlação de Pearson Tabela 33 Equações para estimativa de concentração dos metais na camada A em solos com características similares aos coletados na área Tabela 34 Equações para estimativa de concentração dos metais na camada B em solos com características similares aos coletados na área Tabela 35 Comparação dos valores de concentração estimados pela reta de regressão e os valores determinados por ICP OES em amostras teste do Grupo Arenito 3 (A7) Tabela 36 Valores dos parâmetros físico-químicos utilizados na estimativa das concentrações dos metais das amostras testes (A7)

13 x LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS Al PT Alumínio trocável ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas EBDA Empresa Baiana de desenvolvimento Agrícola EMBRAPA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária EPA do inglês US Environmental Protection Agency (Agência de Proteção Ambiental) CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental CONAMA Conselho Nacional do Meio Ambiente CRM Material de referência certificado CTC Capacidade de troca catiônica FAAS do Inglês Flame Atomic Absortion Spectrometry (Espectrometria de Absorção Atômica com Chama) GFAAS do Inglês Graphite Furnace Atomic Absorption Spectrometry (Espectrometria de Absorção Atômica com Forno de Grafite) HA Camada superficial A (0 0,20 m) HB Camada subsuperficial B (0,80 1,00 m) HCA do inglês hierarchical cluster analysis (Análise de agrupamento hierárquico) H+Al Acidez total ICP-MS do inglês Inductively Coupled Plasma Mass Spectrometry (Espectrometria de Massa com Plasma Indutivamente Acoplado) ICP OES do inglês Inductively Coupled Plasma Optical Emission Spectrometry (Espectrometria de Emissão Óptica com Plasma Indutivamente Acoplado) LOD do inglês Limit of Detection (Limite de Detecção) LOQ do inglês Limit of Quantitation (Limite de Quantificação) LT Limite de Tolerância MO Matéria orgânica nm Nanometro PCA do inglês principal component analysis (Análise de componente principal) PGAA do inglês Prompt Gamma-Ray Activation Analysis (Análise de ativação excitação raio-gama) RM Resposta Múltipla RPM Rotação por Minuto RSD do inglês Relative Standard Deviation (Desvio Padrão Relativo) SB Soma de bases SiBCS Sistema Brasileiro de Classificação de Solos VI Valor de Intervenção VP Valor de Prevenção VR Valor de Referência VRQ Valor de Referência de Qualidade V% Saturação por base

14 xi SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO SOLO Definição de solo Classificação granulométrica Divisões do solo CONTAMINAÇÃO EM SOLO VALORES DE REFERÊNCIA DE QUALIDADE (VRQs) CONCENTRAÇÃO DE METAIS EM SOLOS DO ENTORNO DA BAÍA DO IGUAPE CARACTERÍSTICAS DAS ROCHAS QUE ORIGINARAM OS SOLOS EM ESTUDO Formação Barreiras Arenito Folhelho RELAÇÕES ENTRE A CONCENTRAÇÃO DOS METAIS E CARACTERÍSTICAS DOS SOLOS EMPREGO DAS TÉCNICAS ESPECTROMÉTRICAS PARA DETERMINAÇÃO DE METAIS EM SOLOS MÉTODOS PARA PREPARO DE AMOSTRA DE SOLOS OBJETIVO Objetivo geral Objetivos específicos PARTE EXPERIMENTAL REAGENTES E SOLUÇÕES COLETA DAS AMOSTRAS INSTRUMENTAÇÃO Equipamento para digestão das amostras Equipamento para centrifugação das amostras Equipamentos para determinação dos analitos PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS Pré-tratamento das amostras Análises físico-químicas das amostras de solo Procedimento para preparo das amostras DETERMINAÇÃO DOS ANALITOS POR ICP OES... 24

15 xii 2.6 OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO Estudo da influência de Fe e Al na determinação de metais em amostras de solos VALIDAÇÃO DO MÉTODO Limite de detecção (LOD) e limite de quantificação (LOQ) Exatidão ANÁLISES ESTATÍSTICAS Análise de correlação Análise de componentes principais (PCA) Análise de agrupamento hierárquico (HCA) Regressão linear múltipla (MLR) APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS OTIMIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES INSTRUMENTAIS PARA DETERMINAÇÃO DOS METAIS Estudo da Influência de Fe e Al na determinação de metais em amostras de solos VALIDAÇÃO DO PROCEDIMENTO Limite de detecção (LOD) e quantificação (LOQ) Avaliação da exatidão do procedimento proposto Resultados para Testes de Adição e Recuperação CARACTERIZAÇÃO DAS AMOSTRAS DE SOLOS NO ENTORNO DA BAÍA DO IGUAPE Concentração dos metais para amostras da área caracterizada como encosta em solos derivados de sedimentos da Formação Barreiras Concentração dos metais para amostras da área caracterizada como plana em solos derivados de sedimentos da Formação Barreiras Concentração dos metais para amostras de solos derivados dos sedimentos do Grupo Arenito Concentração dos metais para amostras de solos derivados dos sedimentos do Grupo Arenito Concentração dos metais para amostras de solos derivados dos sedimentos do Grupo Arenito Concentração dos metais para amostras de solos derivados dos sedimentos do Grupo Folhelho PERFIL DOS METAIS NOS SOLOS DERIVADOS DOS SEDIMENTOS DA FORMAÇÃO BARREIRAS, ARENITO E FOLHELHO, PARA AS DUAS CAMADAS ESTUDADAS... 57

16 xiii 3.5 ESTUDOS ESTATÍSTICOS PARA OS METAIS E SEUS PARÂMETROS FÍSICO- QUÍMICOS NOS SOLOS DERIVADOS DOS SEDIMENTOS DA FORMAÇÂO BARREIRAS, ARENITO E FOLHELHO Análise de componentes principais (PCA) e agrupamento hierárquico (HCA) para os metais nos solos Análise de componentes principais (PCA) e agrupamento hierárquico (HCA) para os metais e parâmetros físico-químicos nos solos Camada superficial A (0 0,20 m) Camada subsuperficial B (0,80 1,00 m) ESTIMATIVA DAS CONCENTRAÇÕES DE METAIS EM SOLOS DA BAÍA DO IGUAPE COM O USO DE FUNÇÕES PREDITORAS Análise de correlação de Pearson Regressão linear múltipla Estimativa da concentração dos metais dos solos derivados dos sedimentos da Formação Barreiras, localizados na área de encosta (A2) Correlação linear de Pearson para A Análise de componentes principais (PCA) para metais e atributos para A Regressão linear múltipla para A Estimativa da concentração dos metais dos solos derivados dos sedimentos do Grupo Arenito (A7) Correlação linear de Pearson para A Análise de componentes principais (PCA) dos metais e atributos para A Regressão linear múltipla para A CONCLUSÕES REFERÊNCIAS... 87

17 1 1 INTRODUÇÃO 1.1 SOLO Definição de solo O solo é uma coleção de corpos naturais, constituídos por partes sólidas, líquidas e gasosas, tridimensionais, dinâmicos, formados por materiais minerais e orgânicos que ocupam a maior parte do manto superficial das extensões continentais do nosso planeta, contém matéria viva e podem ser vegetados na natureza onde ocorrem e podem, eventualmente, terem sido modificados por interferências antrópicas (EMBRAPA, 2009, p. 4). Os principais constituintes do solo são substâncias minerais e orgânicas. A fase sólida mineral é constituída por minerais primários e secundários. O mineral primário faz parte da rocha, enquanto que o mineral secundário resulta da transformação do mineral primário por processos pedogenéticos, ou seja, adicionam ao solo materiais minerais e orgânicos (PADRO, 1996, p. 8). Cada campo possui sua definição e aplicação própria para o solo. Na agricultura, o solo é a camada de terra manejável, geralmente de poucos metros de espessura que é utilizado como substrato para plantação de raízes das plantas. Na Geologia, solos são materiais localizados em camadas, não firmes, que vão desde a superfície até elevadas profundidades onde estão localizadas as rochas que lhe deram origem através dos processos de intemperismo e desintegração. Para a Engenharia Civil, o solo é considerado a matéria prima que pode ser utilizada em diferentes aplicações na área da construção civil (BRASIL, 2006). Segundo ao Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS), os solos atualmente são divididos em treze classes distintas. São elas: Argissolo, Cambissolo, Chernossolo, Espodossolo, Gleissolo, Latossolo, Luvissolo, Neossolo, Nitossolo, Organossolo, Planossolo, Plintossolo e Vertissolo. Cada uma dessas classes se diferencia de acordo com alguns atributos, químicos, físicos ou físicoquímico presentes nos solo, tais como coloração, teor de minerais, granulometria, entre outros (EMBRAPA, 2009).

18 Classificação granulométrica Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), o solo possui sua parte mineral dividida em frações de acordo com seu diâmetro equivalente, sendo que as principais frações granulométricas são areia, silte e argila. Os solos arenosos possuem tamanho de partícula que varia de 0,06 mm a 2 mm, dentro desta variação estão a areia fina, média e grossa. Os solos arenosos têm boa aeração e capacidade de infiltração de água, certas plantas e micro-organismos geralmente têm mais dificuldades em viver nesses tipos de solos, devido à pouca capacidade de retenção de água, além disso a areia apresenta menor quantidade de sítios de ligação e, assim, proporciona uma menor afinidade adsortiva com os metais (CARVALHO, 2009). Os solos siltosos ou Silte possuem diâmetro de partícula que varia de 0,002 mm à 0,06 mm, geralmente são muito erosíveis e não se agregam como as argilas, mas ao mesmo tempo suas partículas são muito pequenas e leves. Os solos argilosos possuem tamanho de partícula menor que 0,002 mm, são geralmente menos permeáveis que os demais solos (NBR 6502/95, da ABNT). Dentre as frações que o solo é subdividido, a argila merece atenção especial, porque possui cargas elétricas, tamanho reduzido e, consequentemente, elevada superfície específica. Na fração argila, são encontrados os minerais secundários, destacando-se os minerais de argila e os óxidos e hidróxidos de Fe, Al e Ti (PADRO, 1996, p. 8). A presença desses minerais faz com que o solo seja uma matriz muito rica nos elementos Al e Fe, entre outros constituintes Divisões do solo O solo é subdividido em horizontes ou camadas principais, que são seções de constituição mineral e orgânica, geralmente paralela à superfície do terreno, que possui propriedades geradas por processos formadores de solo. Essas subdivisões são designadas pelas letras O, A, E, B, C, R, (Figura 1), sendo as letras A, E e B classificadas como horizontes, a letra O como camada ou horizonte, dependendo da função da evolução pedogenética, e R é exclusivamente designada por camada (PADRO, 1996, p. 10). Esses horizontes apresentam espessuras distintas e podem apresentar cores diferentes entre eles. Geralmente o primeiro horizonte é mais escuro que os outros. A cor escura do primeiro horizonte vem da matéria orgânica

19 3 do solo, que é formada por resíduos de animais que morrem e plantas caem sobre ele e, que aos poucos vão sendo misturados com a parte mineral (EMBRAPA). A maioria dos estudos com metais restringe-se à camada superficial do solo, que corresponde a (0 0,20 m). Entretanto é importante conhecer também o comportamento dos metais nas camadas mais profundas, em especial para a camada subsuperficial B (0,80 1,00 m) que apresenta atributos eletroquímicos diferentes daqueles encontrados no horizonte A (CARVALHO, 2009) (Figura 1). Fonte: Domínio Público Figura 1. Camadas do solo. 1.2 CONTAMINAÇÃO EM SOLO O solo tem grande importância na vida de todos os seres vivos; é dele que se retira a maior parte das substâncias para alimentação diária da maioria dos indivíduos que habitam o ecossistema. Porém, o solo quando contaminado por metais ou outras espécies químicas ou biológicas, pode ocasionar diversos problemas ao ambiente e a saúde dos indivíduos. Desde a ingestão de alimentos pela população, oriundo de solo contaminado até a contaminação dos lençóis freáticos, este último problema além de contaminar rios pode ocasionar a mortandade de espécies que vivem nele causando um desequilíbrio na cadeia alimentar. Isso ocorre por que as formas reduzidas dos metais possuem maior

20 4 mobilidade, ou seja, ocorre aumento na possibilidade de lixiviação do metal no solo e contaminação do ambiente (ALLOWAY, 1990; SPARKS, 2003). A presença de metais no solo pode ter origem natural ou antropogênica, sendo que essa última é a principal razão do aumento crescente na concentração de metais em solos agrícola. Os principais metais presentes no solo e nos produtos utilizados na agricultura são Cd, Co, Cr, Cu, Fe, Hg, Mn, Mo, Ni, Pb, Sn, e Zn (CARVALHO, 2009). Os elementos Cd, Co, Cr, Cu, Fe, Pb, Mn, Ni e Zn são constantemente determinados nos solos, pois suas concentrações no ambiente podem ser consideradas apropriadas para a fertilidade do solo, por serem componentes naturais dos minerais que compõe as rochas, mas também responsáveis pela poluição ambiental, quando são oriundos de fontes antrópicas como a urbanização, processos industriais, agropecuária entre outros, sendo que dessas fontes o acúmulo de metais nos solos são superiores quando comparado ao acúmulo por processos naturais. Os elementos Cu, Fe, Mn e Zn são essenciais, isto é indispensáveis aos sistemas biológicos; Co e Ni são elementos que contribuem para o desenvolvimento da planta, mas a ausência desses elementos no solo não é considerada um fator limitante. Os elementos Pb, Cr e Cd são considerados não essenciais e até mesmo tóxicos em concentrações a nível de traço. Os elementos essenciais podem também produzir efeitos tóxicos, quando são absorvidos em concentrações muito elevadas (CARVALHO, 2009). A queima de carvão mineral e petróleo, utilizados como fontes de energia para as indústrias, promove a liberação de diversos metais (Hg, Pb, Cr, Zn, Tl, Ni, V, Cd) em forma de vapor ou adsorvido ao material particulado emitido na atmosfera (BIONDI, 2010). Nas comunidades rurais, insumos agrícolas como pesticidas, calcários, fertilizantes minerais e orgânicos aparecem como as principais fontes de entrada de metais no solo. CAMPOS e colaboradores, (2005) constataram presença de Cd, Cu, Cr, Ni, Pb e Zn em fosfatos naturais e solúveis. Este insumo é indicado como a principal fonte de introdução de Cd pelas atividades antrópicas (ALLOWAY, 1990). Ao contrário dos contaminantes orgânicos, a maioria dos metais não sofre degradação microbiana ou química, e, por isso, suas concentrações no solo persistem por um longo período após a entrada (GUO e colaboradores, 2006). A presença de teores elevados desses metais, mesmo os essenciais, pode causar

21 5 para muitos organismos vivos, efeito tóxico e surgimento de diversas doenças relacionadas, após o contato ou ingestão de alimentos oriundos de solos contaminados. COTTA e coloboradores, (2006) relatam que a granulometria fina dos sedimentos normalmente encontrados nos solos é indicada para estudos de avaliação do grau de contaminação por metais tóxicos, devido a elevada superfície específica. A crescente atividade antrópica em solos agrícolas e industriais pode vir acompanhada de diversos danos ao meio ambiente, desde a saúde da comunidade até as características naturais de determinadas regiões. Com isso, torna-se necessário a avaliação dos solos quanto a possíveis contaminações que venham impactar negativamente o ambiente. Este tipo de avaliação pode ser realizado através do monitoramento da qualidade do solo, comparando as concentrações de elementos contaminantes em solos de uma área de pouca ou nenhuma intervenção humana com aquela área com suspeita de contaminação, desde que as mesmas possuam características geológicas similares. Após a avaliação, se for comprovada algum tipo de irregularidade no ambiente, órgão ambientais fiscalizadores podem agir de forma preventiva quanto ao monitoramento de atividades produtivas a estabelecer critérios de qualidade para o sistema solo (FADIGAS e colaboradores 2002). 1.3 VALORES DE REFERÊNCIA DE QUALIDADE (VRQs) Segundo a Resolução do CONAMA de N o 420, de 28 de dezembro de 2009 os Valores Orientadores são definidos como as concentrações de substâncias químicas que fornecem orientação sobre a qualidade e as alterações do solo e da água subterrânea. A legislação brasileira estabelece três Valores Orientadores: Valores de Referência de Qualidade (VRQs), de Prevenção (VP) e de Investigação (VI). O VRQ é a concentração de determinada substância que define a qualidade natural do solo, sendo determinado com base em interpretação estatística de análises físicoquímicas de amostras de diversos tipos de solos; O VP é a concentração de valor

22 6 limite de determinada substância no solo, tal que ele seja capaz de sustentar as suas funções principais; por fim o VI é definido como a concentração de determinada substância no solo ou na água subterrânea acima da qual existem riscos potenciais, diretos ou indiretos, à saúde humana, considerando um cenário de exposição padronizado (CONAMA, 2009). Os solos após analisados são considerados como não contaminados quando as concentrações de todos os metais presentes neles sejam iguais ou inferiores aos VRQs. Os procedimentos empregados para o estabelecimento dos VRQs são recomendados na resolução CONAMA (2009), Anexo I. Para as substâncias inorgânicas de ocorrência natural no solo, os procedimentos são estabelecidos a partir de interpretação estatística dos resultados analíticos obtidos em amostras coletadas nos principais tipos de solo do estado, conforme as etapas descritas a seguir. A primeira etapa refere-se a seleção dos tipos de solo em cada estado, com base na litologia, relevo e clima, de modo a se obter um conjunto de tipos de solo que representem os compartimentos geomorfológicos, pedológicos, geológicos mais representativos do estado. A segunda etapa está relacionada a seleção de parâmetros para caracterização do solo tais como: carbono orgânico, ph em água, capacidade de troca catiônica (CTC) e teores de argila, silte, areia e de óxidos de alumínio, ferro e manganês, seguindo as metodologias analíticas definidas pela EMBRAPA. A terceira etapa envolve a metodologia analítica empregada para a extração dos metais nas amostras utilizando os métodos da Agência de Proteção Ambiental US EPA 3050 ou US EPA 3051 ou suas atualizações. A quarta etapa refere-se a interpretação dos dados e obtenção dos VRQs. A quinta etapa consiste em compor a base de dados sobre qualidade de solos de um determinado estado. Atualmente existem poucos estudos relacionados à obtenção de valores de referência para concentrações naturais de metais em solos do Brasil, como estes valores são utilizados para investigar áreas com suspeita de contaminação, através da comparação do valor de referência, com os teores de metais encontrados na área em análise. Isso impossibilita a ação dos órgãos fiscalizadores e algumas instituições em monitorarem os ambientes que podem ter sido contaminados por indústrias ou outros tipos de empreendimentos. A Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB) definiu, em 2005, valores orientadores das concentrações de metais para solos e águas subterrâneas no Estado de São Paulo, Tabela 1.

23 7 Tabela 1. Valores orientadores para solo no Estado de São Paulo (CETESB). Metais Referência de qualidade Prevenção Agrícola APMax Intervenção Residencial Industrial mg kg -1 Cádmio < 0,5 1, Chumbo Cobalto Cobre Cromo Níquel Zinco Fonte: CETESB (2005) Porém, o uso dos valores de referência de outras regiões pode levar a avaliações inadequadas, devido às diferenças nas condições climáticas, pedológicas, etc, com isso existe a necessidade de desenvolvimento de valores de referência próprios e compatíveis com as características de cada tipo de solo ou para cada estado do Brasil. Por esse motivo que vem crescendo o número de trabalhos que fazem esse tipo de monitoramento nos solos em algumas regiões do Brasil. A seguir serão resumidos resultados de alguns trabalhos relacionados a esse tipo de estudo em solos do Brasil. Na Tabela 2 estão apresentadas as faixas de concentrações encontradas para os metais nesses trabalhos.

24 8 Tabela 2. Faixas de concentrações na camada A (0-0,20 m) para os metais em solos das diferentes regiões do Brasil. Localização Mato Grosso e Rondônia Tipos de solo Latossolos e Argissolos Faixa de concentração (mg k -1 ) Cd Co Cr Cu Mn Ni Pb Zn 7,2-38,9 20,4-142,1 6,5-32,9 0,2-24,3 5,2-25,8 1,2-100,9 - (1) (1) (1) - (1) (1) (1) - 16,6-39,0 (2) 19,2-98,8 (2) 9,7-28,4 (2) - 0,0-5,6 (2) 2,7-15,7 (2) 0,0-69,6 (2) Referências Santos 2011 Pernambuco Argissolo, Espodossolo, Chernossolo, Latossolo, Argissolo, Gleissolo, Neossolo e Planossolo 0,32-1,08 1,90-6,02 27,14-75,88 2,99-9,25 115,85-225,30 5,13-6,79 8,21-16,85 16,70-30,76 Biondi 2010 Solos derivados dos sedimentos Bahia da Formação Barreiras Métodos: (1) Água régia e (2) EPA ,7-15,8 12,8-72,2 2,5-19,4 87,4-290,4 3,0-28,3 6,8-36,9 12,9-58,7 Carvalho 2009

25 9 SANTOS, (2011) determinou os valores de referência para Co, Cr, Cu, Ni, Pb e Zn em solos de Mato Grosso e Rondônia, através da avaliação de dois métodos de extração de teores pseudo-totais dos metais, US EPA 3051 e água régia (HCl:HNO 3 3:1). A comparação entre resultados obtidos pelos dois métodos revelou diferença nas recuperações de Co, Ni e Pb, sendo que a utilização da água régia promoveu uma extração mais efetiva desses elementos. Os teores de metais determinados nos solos de Mato Grosso e Rondônia seguiram a seguinte ordem decrescente: Cr, Zn, Cu, Co, Pb, Ni e Cd (Água Régia) e Cr, Co, Cu, Pb, Zn, Ni e Cd (EPA 3051). Foram realizadas correlações entre os teores dos metais obtidos e atributos físicos e químicos analisados, e os resultados mostraram que os teores de óxidos de Fe e Mn foram as variáveis que mais correlacionaram com os metais. Foi realizada também uma comparação dos resultados obtidos nesse trabalho com resultados de outras regiões. A partir daí concluiu-se que as variações encontradas entre os teores de metais dos solos do mundo e de outros estados brasileiros reafirmam a necessidade da obtenção de valores de referência para cada local específico, devido as características geomorfológicas, pedológicas e geológicas de cada local. Outra observação foi que os teores naturais médios de metais encontrados para solos de Mato Grosso e Rondônia, foram mais baixos que os encontrados em referências nacionais e internacionais. BIONDI, (2010) determinou os valores de referência Cr, Pb, Ba, Cd, As, Hg, Fe, Mn, Zn, Ni, Cu e Co, como base de referência de qualidade para os solos do Estado de Pernambuco. Segundo a autora, os resultados obtidos ajudarão no entendimento da relação entre classes de solos, processos pedogenéticos e distribuição de metais nos solos. Os resultados também podem ser utilizados para inferências sobre a possibilidade de deficiências de micronutrientes Fe, Mn, Zn, Cu e Ni naqueles solos. Os resultados encontrados para os teores de metais nos solos de seguiram a seguinte ordem decrescente: Fe, Mn, Ba, Cr, Zn, Pb, Cu, Ni, Co, Cd, As e Hg, sendo esta ordem, no geral, independente do horizonte estudado. CARVALHO, (2009) determinou os teores pseudo-totais de Cd, Co, Cr, Cu, Ni, Pb, Fe, Mn, Mo e Zn, em condições naturais, em solos derivados de sedimentos da formação de Barreiras em 4 municípios dos Tabuleiros Costeiros- BA, para geração de índices geoquímicos regionais, visando proporcionar ferramentas para a distinção entre a contribuição natural e a antrópica. As concentrações dos metais obtidas foram semelhantes nas duas profundidades estudadas, seguindo a seguinte

26 10 ordem crescente: em superfície: Mo < Cu ~ Co < Ni ~ Pb < Zn < Cr < Mn < Ti < Fe < Al; e em subsuperfície: Mo < Cu < Co< Pb < Ni < Zn < Cr < Mn < Ti < Fe < Al.Foi proposto valores de referência e limites de tolerância na avaliação da contaminação de sedimentos e elaboração de um modelo para obtenção dos teores naturais de Zn, Pb, Co e Cr em solos não analisados, a partir do conhecimento de características químicas, físicas e mineralógicas do solo. As funções de classificação obtidas com o uso da análise discriminante possibilita a alocação de novas amostras de solos dos Tabuleiros Costeiros nos grupos formados. FADIGAS e colaboradores, (2002) caracterizaram diversos solos brasileiros, em condições naturais, para teores totais dos metais Cd, Cr, Cu, Fe, Mn, Ni, Zn e correlacionaram algumas propriedades do solo com a ocorrência desses elementos. Os autores utilizaram 162 amostras de solo, da soloteca da Embrapa Solos (RJ), correspondendo aos horizontes A e B de 81 perfis, das principais classes de solos brasileiros. As amostras de solo foram agrupadas por semelhança, utilizando como variáveis os conteúdos de argila, silte, Mn e Fe e CTC, sendo estas bem correlacionadas com os teores de metais. Os intervalos de concentração de Cd, Co, Cr, Cu, Ni, e Zn foram considerados como os teores que os solos de cada grupo têm, em condições naturais, e dão uma indicação para avaliar preliminarmente áreas com suspeita de poluição, cujos solos possuam características similares às deste estudo. 1.4 CONCENTRAÇÃO DE METAIS EM SOLOS DO ENTORNO DA BAÍA DO IGUAPE A baía de Iguape é uma baía do Recôncavo Baiano, localizada no rio Paraguaçu. Esta área é considerada uma das mais conservadas da Baía de todos os Santos. As áreas próximas a Reserva Extrativista Marinha situada no distrito de Santiago do Iguape, por serem regiões de pouca intervenção humana, estão sendo utilizadas como áreas controle nos estudos de contaminação em solo para as demais regiões do Recôncavo Baiano. Alguns municípios do Recôncavo Baiano estão unidos em torno do projeto de construção do novo Pólo Naval da Bahia, que será instalado nos municípios de Maragojipe e Saubara. Essa nova implantação pode ocasionar um aumento nos

27 11 teores naturais dos principais metais presentes no solo (tais como As, Cd, Cu, Hg, Ni, Pb, Zn, etc), e como esse aumento pode vir acompanhado de diversos danos ao ambiente, então é de extrema importância o monitoramento da qualidade do solo, a fim de prevenir a saúde da comunidade e as características naturais da região. O monitoramento pode ser realizado comparando as concentrações de metais em solos de áreas de pouca ou nenhuma intervenção humana com aquelas áreas com suspeita de contaminação. Esse tipo de estudo permite que órgãos ambientais fiscalizadores intervenham de forma preventiva, quanto a algum sinal de irregularidade durante o monitoramento de atividades produtivas, estabelecendo critérios de qualidade para o sistema solo. Com base na problemática exposta, é interessante estabelecer os teores naturais de Cd, Co, Cr, Cu, Pb, Mn, Ni, e Zn em solos do entorno da Baía do Iguape, para ajudar no monitoramento de solos da região sujeitos a algum tipo de impacto antrópico, a fim de subsidiar na fiscalização dos órgãos ambientais. 1.5 CARACTERÍSTICAS DAS ROCHAS QUE ORIGINARAM OS SOLOS EM ESTUDO Os solos investigados localizados no Recôncavo Baiano e são derivados de sedimentos com base geológica local composta por Formação Barreiras (Terciário), Folhelho e Quartzarenitos do Cretáceo (Mesozóico). Segundo BRASIL (1981), devido à grande variação litológica da região, as condições de escoamento superficial estão mais na dependência do comportamento geoídrico das diferentes unidades litoestratigráficas (conjunto de rochas individualizadas e delimitadas com base nos seus caracteres litológicos) do que da própria atmosfera, uma vez que o abastecimento pluvial nessa região é abundante na maior parte do ano. Essa característica permite inferir que os sedimentos da região possuem características geológicas e mineralógicas distintas. Dessa forma, as amostras de solos foram coletadas em seis diferentes áreas do entorno da Baía do Iguape. Os solos dessas áreas foram classificados como sedimentos da Formação Barreira localizada na encosta e no plano, Folhelho e três tipos de sedimentos de Arenito.

28 Formação Barreiras A Formação Barreiras corresponde a uma notável unidade sedimentar terrestre, de origem fluvial. Na Bacia Hidrográfica do Rio Paraguaçu esta unidade, datada do período Terciário, ocupa uma extensão descontínua de km 2. De modo geral, a Formação Barreiras é constituída por uma sedimentação clástica, consistindo de arenitos argilosos, de coloração vermelha, violeta, branca e amarelada, com incipiente estratificação plano-paralela. São frequentes intercalações de siltitos e argilas varicoloridas, bem como lentes conglomeráticas e caulínicas (BRASIL, 1981). Quanto aos sedimentos da Formação Barreiras predominam os tipos latossolicos e argissolicos que foram classificados pela EMBRAPA (2006) como Latossolo Amarelo Distrocoeso, Latossolo Vermelho-Amarelo Distrofico, Argissolo Amarelo Distrocoeso e Argissolo Vermelho-Amarelo Distrofico (CARVALHO, 2009) Arenito Os arenitos são rochas sedimentares com granulometria de areia, cujos grãos são ligados entre si por um cimento. O tipo de cimento é que determina as propriedades de resistência, podendo ser silicoso, argiloso, calcífero, ferruginoso, etc. Formam-se em ambientes continentais a partir da compactação e litificação de acumulações de material erodido, transportado pelo vento e pelas águas superficiais. Uma característica visual importante nesse tipo de rocha é a coloração avermelhada na presença de grande quantidade de óxido de ferro (NBR 6502/95, da ABNT) Folhelho Os Folhelhos são rochas sedimentares detríticas, que apresentam fissilidade, sendo ricas em elementos de fração fina, como os siltes e argilas. As rochas sedimentares são resultantes da consolidação de sedimentos provenientes da desagregação e do transporte de rochas preexistentes, da precipitação química, além da ação biogênica (RABE, 2003).

29 RELAÇÕES ENTRE A CONCENTRAÇÃO DOS METAIS E CARACTERÍSTICAS DOS SOLOS De um modo geral os parâmetros químicos e físicos que mais influenciam na retenção e mobilidade dos metais nos solos são: teores de argila, silte, óxido de ferro, manganês, quantidade de matéria orgânica (MO), capacidade de troca de cátions (CTC), ph, entre outros. Na maioria dos estudos com solo, observam-se correlações positivas entre o teor de argila e Fe e os teores totais de metais. Alguns autores observaram correlações entre a concentração de metais nos solos e a fração silte, visto que nesta fração do solo podem ser encontradas partículas finas (argila) e óxidos, devido à ineficiência no processo de dispersão dos solos durante a análise granulométrica (FADIGAS e colaboradores 2006). Outros constituintes dos solos bastante importantes são os óxidos e hidróxidos de Mn, que apesar da ocorrência rara em solos, são eficientes sorventes de metais em função de suas pequenas dimensões e alta superfície específica (CARVALHO, 2009). Os estudos de obtenção dos VRQs referentes aos teores de metais, bem como a avaliação das correlações entre os metais e características físico-química dos solos, envolvem interpretação de quantidades significativas de dados; com isso, os tratamentos estatísticos utilizando análise bi ou multivariada vem sendo empregados com boa frequência para interpretação dos resultados obtidos. Os resultados analíticos referentes à relação dos metais e atributos químicos e físicos nos solos são normalmente avaliados através de análise de correlação de Pearson, análise por componentes principais (PCA), análise de agrupamento hierárquico (HCA), entre outras ferramentas estatísticas, de modo a correlacionar os atributos dos solos com as concentrações dos metais presentes no mesmo. 1.7 EMPREGO DAS TÉCNICAS ESPECTROMÉTRICAS PARA DETERMINAÇÃO DE METAIS EM SOLOS As técnicas espectrométricas atômicas têm sido muito empregadas nas determinações de elementos em baixas concentrações. Entre elas pode-se citar a espectrometria de absorção atômica, a espectrometria de emissão óptica com

30 14 plasma indutivamente acoplado (ICP OES) e a espectrometria de massas com plasma indutivamente acoplado (ICP-MS). A técnica ICP OES, empregada neste trabalho, se baseia na excitação das espécies, átomos ou íons elementares, a altos estados eletrônicos. Esta espécie excitada retorna ao seu estado original num tempo médio de um nanosegundo e este fenômeno é acompanhado pela produção de linhas espectrais que serão usadas para determinação qualitativa e/ou quantitativa destas espécies. Essa técnica apresenta resultados analíticos comprovados para aproximadamente 70 elementos e pode ser utilizada na análise de elementos majoritários, minoritários e em nível de traço. A amostra, geralmente na forma líquida, é introduzida através de um dispositivo de nebulização e o aerossol formado é evaporado e dissociado em átomos livre e íons na fonte de plasma, sendo que energia adicional é fornecida para promover a excitação para altos estados de energia (GINÉ, 1999). Na determinação das concentrações de elementos traço em solos, tais como Cd, Co, Cu, Cr, Mn, Ni, Pb e Zn, na presença dos elementos majoritários Al e Fe, por técnicas multielementares espectrométricas, como ICP OES, é necessário fazer uma avaliação preliminar para a escolha adequada das linhas de emissão, levando em conta a sensibilidade e ausência de interferências espectrais. A escolha inadequada pode resultar em valores de desvios muito altos ou resultados entre as replicatas com pouca coerência a depender da linha de emissão selecionada além de interferências espectrais, tais como superposição de linhas ou aumento da radiação de fundo, resultando na inabilidade do espectrômetro em resolver a linha espectral, alterando dessa forma, as concentrações dos elementos traços para valores superiores ou inferiores ao valor real nas amostras de solo (KORN e colaboradores, 2000). 1.8 MÉTODOS PARA PREPARO DE AMOSTRA DE SOLOS De forma simplificada as principais etapas para se obter informações referentes à contaminação em solos consistem de: amostragem da região, prétratamento das amostras coletadas, preparo da amostra, determinação dos analitos e avaliação dos resultados. Geralmente, a etapa de preparo de amostra é uma das mais importantes e requer um maior tempo para ser concluída.

31 15 Os procedimentos de preparo de amostra consistem em tornar disponíveis os metais em solução para posterior quantificação, ou seja, extração dos analitos na amostra. Estes procedimentos variam, basicamente, de acordo com alguns parâmetros gerais, tais como: temperatura, pressão, formas de aquecimento (fonte de energia), tipos e quantidades de reagentes e tempo de operação (SANTOS, W. 2008). Em matrizes complexas como é o caso de solo e sedimentos, para apresentar resultados representativos e coerentes, normalmente é necessário fazer a determinação multielementar e analisar um número significativo de amostras. Essas duas observações estão diretamente associadas a um longo tempo de análise. Assim, estão disponíveis na literatura diversos procedimentos cada vez mais eficientes e rápidos utilizados na determinação dos elementos de interesse em amostras de solo. As amostras podem ser digeridas por fusão ou digestão ácida sendo que a maioria dos trabalhos utiliza ácidos para digestão da matéria orgânica. Existem diversos procedimentos para digestão ácida de amostras de solos, sendo que as mais utilizadas baseadas no aquecimento condutivo empregando placa de aquecimento ou bloco digestor e em forno de micro-ondas com radiação focalizada ou com cavidade. Os procedimentos empregando forno de micro-ondas com cavidade são mais recomendados, por se tratar de um sistema fechado e pressurizado, que minimiza o índice de contaminação, perda do analito ou até mesmo ineficiência na total digestão da matéria orgânica. Além disso, o controle da pressão e temperatura garante um melhor monitoramento durante a digestão e maior confiabilidade nos resultados (KRUG, 2010). O aquecimento pela radiação micro-ondas envolve a absorção direta de energia pela amostra que está sendo aquecida, que resulta em um aumento considerável em sua temperatura, devido, principalmente, à interação da radiação eletromagnética com os íons dissolvidos no meio e com o solvente. Devido à influência dos dipolos das moléculas na absorção de micro-ondas é necessário conduzir a digestão das amostras em presença de ácidos ou misturas ácidas. (SORIANO, 2006). A digestão de amostras em forno de micro-ondas com cavidade utilizando combinações ácidas é um procedimento de preparo que vem sendo bastante utilizado para decomposição de amostras de solos. Na Tabela 3 estão descritos de forma sucinta alguns trabalhos com procedimentos de preparo de amostra mais

32 16 utilizados para determinação de elementos essenciais e/ou contaminantes inorgânicos em amostras de solos e sedimentos. Matriz Solo CRM de solo e sedimentos CRM de solo: NIST ( e 2711) CRM de solo: NIST (2709 e 2710) Solo Sedimentos marinhos Sedimentos Sedimentos Sedimentos marinhos Tabela 3. Métodos de digestão para amostras de solos e sedimentos. Analitos e técnica de determinação Cd, Co, Cr, Cu, Mn, Ni, Pb, e Zn: (ICP-MS) Cd e Pb: (ICP- MS); Cu e Zn: (FAAS) As, Cd, Pb: (GFAAS); Ag, Ba, Be,, Cr, Cu,, Mn, Mo, Ni, Sb, Se, Zn: (ICP-MS); Hg: (CVAAS); Al, Ca, Fe, K, Mg e P: (ICP 61-E) Mo, Sb, Sn, Ti, Ag, Al, As, Ba, Be, Cd, Co, Cr, Cu, Mn, Ni, Pb, Se, Th, Tl, U, V, Zn, Ca, Fe, K, Mg e Na: (ICP OES) As, Cd, Cr, Cu, Mo e Ni: (ICP- MS) Pb e Zn: (FAAS) Cu, Ni e Pb: (FAAS) Ba, Ca, Cd, Co, Cr, Cu, Mn, Ni, Pb, Zn e V: (ICP OES) Ni, Cr, Pb, Cu; Cd: (GF AAS) e Mn, Fe e Zn: (FAAS) Al, Co, Cr, Cu, Fe, Mn, Ni, Pb, Ti, e Zn: (ICP OES) Métodos de digestão Água régia: 2 ml de HNO ml de HCl (MW) 3 HCl: 1 HNO 3 : baixa carga orgânica (bloco digestor) e HNO 3 : alta carga orgânica (MW) EPA 3051a, 3051e 3052 (MW) e 3050 (placa de aquecimento) EPA 3051a (MW) Temperatura: C; tempo 25 min.; potência: 750 W e volume de água régia: 13 ml. ISO (água régia) e EPA 3050B (HNO 3, e H 2 O 2 e HCl). Água régia (3 ml HNO 3 e 9 ml HCl) (HF 50%:HNO3 65% = 1:2) (MW) 1 ml HF + 4 ml HNO 3 Forno de convecção simples Recuperação (%) CRM 142 e CRM 143: % País Etiópia - Espanha EPA 3052: % EPA 3051a: % CRM 2709: % CRM 2710: % % CRM de solo: (GBW e CRM 2711) EPA: (Cu=102, Ni=91 e Pb=100%) ISO: (Cu=98, Ni=103 e Pb=99%) %, exceto Cd 28% % Laramie, WY 61% (Al) até 100% (Cd, Co, Pb) EUA USA Inglaterra Cuba Sérvia Itália Marrocos MW = Micro-ondas; CRM = Material de referência certificado; EPA = Agência de Proteção Ambiental Referências MELAKU et. al. (2005) SASTRE et. al. (2002) CHEN et. al. (1998) CALDERON (2010) OKORIE et. al. (2010) PEÑA-ICART et. al. (2011) RELI C et. al. (2011) BARTOLI et.al. (2012) BENOMAR et. al. (2012)

33 OBJETIVO Objetivo geral Determinar os teores naturais dos metais Cd, Co, Cr, Cu, Mn, Ni, Pb e Zn em diferentes tipos de solos do entorno da Baía do Iguape - BA Objetivos específicos Propor estratégias analíticas para determinação de Cd, Co, Cr, Cu, Pb, Mn, Ni e Zn em amostras de solos por ICP OES. Investigar linhas de emissão dos analitos na presença de elementos majoritários, presentes em diferentes concentrações nas amostras de solos de forma a selecionar adequadamente este parâmetro nas determinações por ICP OES. Validar o procedimento proposto através da avaliação dos limites de detecção (LOD) e de quantificação (LOQ), a faixa linear de trabalho, adição e recuperação, exatidão e precisão. Aplicar o procedimento validado para caracterização dos solos derivados de sedimentos da Formação Barreiras, Arenito e Folhelho quanto às concentrações dos analitos Cd, Co, Cu, Cr, Mn, Ni, Pb e Zn no entorno da Baía de Iguape- BA. Propor Valores de referência (VR) e limites de tolerância (LT) para os teores dos metais Cd, Co, Cu, Cr, Mn, Ni, Pb e Zn nos solos das áreas em estudo. Elaborar um modelo estatístico para estimar teores naturais de Cd, Co, Cu, Cr, Ni, Pb e Zn em solos similares não analisados, a partir das suas características químicas, físicas e mineralógicas.

34 18 2 PARTE EXPERIMENTAL 2.1 REAGENTES E SOLUÇÕES Para digestão das amostras foram utilizados os seguintes reagentes: ácido nítrico concentrado, HNO 3 65% (m m -1 ) (Merck, Alemanha), purificado em destilador de ácidos (Milestone, sub-boiling distilation), ácido clorídrico concentrado, HCl 37% (m m -1 ) (Merck, Alemanha) e água ultra-pura, com resistividade específica de 18,2 MΩ cm -1, de um sistema de purificação Milli-Q (Millipore, Bedford, MA, USA). Para determinação dos analitos foram preparadas soluções multielementares a partir de solução estoque 1000 mg L -1 (Chemis High Purity) de Cd, Co, Cu, Cr, Mn, Ni, Pb e Zn. Para validação do método foi utilizado material de referência certificado NIST CRM 2709a (San Joaquin Soil). 2.2 COLETA DAS AMOSTRAS A coleta das amostras de solos foi realizada por um grupo de pesquisadores do Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Para avaliação das concentrações dos elementos Cd, Co, Cu, Cr, Mn, Ni, Pb e Zn, foram coletadas 190 amostras, em seis áreas pouco impactadas, próximo a reserva extrativista marinha situada no distrito de Santiago do Iguape-BA, sendo 30 amostras para cada área investigada e 10 amostras teste, totalizando 6 viagens para as coletas. Os solos coletados nas seis áreas eram derivados de sedimentos da Formação Barreiras, situadas em encosta e no plano, sedimentos do tipo Folhelho e sedimentos do tipo Arenito, classificados como Arenito 1, Arenito 2 e Arenito 3 (Figura 2). A identificação das áreas foi feita da seguinte forma: P (ponto); A ou B (camadas) e R (repetição do ponto) (Tabela 4). Cada amostra foi coletada a uma distância de 10 m, com três repetições para cada ponto distando 10 cm um em relação ao outro, totalizando 5 pontos para as camadas A (0 à 0,20 m) e B (0,80 à 1,00 m) nas seis áreas investigadas.

35 19 Fonte: (FADIGAS, 2011) Figura 2. Mapa da área de coleta. Tabela 4. Identificação das sub-amostras por área amostrada. Camada A Camada B P 1 AR 1 P 1 BR 1 P 1 AR 2 P 1 BR 2 P 1 AR 3 P 1 BR 3 P 2 AR 1 P 2 BR 1 P 2 AR 2 P 2 BR 2 P 2 AR 3 P 2 BR 3 P 3 AR 1 P 3 BR 1 P 3 AR 2 P 3 BR 2 P 3 AR 3 P 3 BR 3 P 4 AR 1 P 4 BR 1 P 4 AR 2 P 4 BR 2 P 4 AR 3 P 4 BR 3 P 5 AR 1 P 5 BR 1 P 5 AR 2 P 5 BR 2 P 5 AR 3 P 5 BR 3

36 INSTRUMENTAÇÃO Equipamento para digestão das amostras O equipamento empregado para a digestão por via úmida das amostras de solo foi o forno de micro-ondas com cavidade (Microwave Digestion Labstation ETHOS EZ Milestone), com capacidade para 10 tubos e com dispositivos para controle de temperatura e pressão. (a) (b) (c) Figura 3. Equipamento empregado para digestão das amostras: (a) Forno de micro-ondas com cavidade (b) Tubo de TMF (PTFE modificado) e (c) Camisa para proteção do tubo de teflon Equipamento para centrifugação das amostras O equipamento empregado no procedimento de centrifugação das amostras foi uma centrífuga modelo Marconi MA (Figura 4). O tempo de centrifugação empregado foi de 10 minutos e velocidade de rotação de 2500 RPM. Figura 4. Equipamento empregado para centrifugar as amostras

37 Equipamentos para determinação dos analitos Para a determinação de Cd, Co, Cu, Cr, Mn, Ni, Pb e Zn foi empregado um espectrômetro de emissão óptica com plasma indutivamente acoplado simultâneo com visão axial (Vista Pro Varian, Mulgrave, Austrália) (Figura 5). Figura 5. Espectrômetro de emissão óptica com plasma indutivamente acoplado empregado para determinação dos metais. 2.4 PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS Pré-tratamento das amostras O procedimento de pré-tratamento foi realizado no Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da UFRB e seguiu o manual de laboratório da Embrapa (2005). Após coletadas, as amostras de solo foram armazenadas em sacos de polietileno, previamente descontaminados com ácido nítrico a 5%. O pré-tratamento constituiu das seguintes etapas: no laboratório, as amostras de solos foram espalhadas em superfície lisa e secas à temperatura ambiente ou em estufa não excedendo a 40 0 C (Figura 6). A seguir as amostras foram quarteadas, sendo duas partes separadas para análises químicas e físico-químicas, uma parte para análise granulométrica e a outra estocada como contraprova.

38 22 Para análises físico-químicas, as amostras passaram por uma secagem em estufa em temperaturas de C, foram moídas em gral de porcelana e passadas em peneira de aço inox com 100 mesh, abertura 150 µm. Figura 6. Secagem das amostras a temperatura ambiente Análises físico-químicas das amostras de solo As análises químicas de fertilidade: fósforo remanescente (P), soma de bases (SB), acidez total (H+AI), capacidade de troca catiônica (CTC), alumínio trocável (AlPT), saturação por base (V%), carbono (C), matéria orgânica (MO) e ph, foram realizadas de acordo com os método propostos pela EMBRAPA (1997), no laboratório de solos da central de laboratórios da Empresa Baiana de desenvolvimento Agrícola (EBDA). As análises físicas granulométricas (teores de silte, areia e argila), também seguiram os métodos propostos pela EMBRAPA (1997), essas foram realizadas pelo grupo de pesquisadores do Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Procedimento para preparo das amostras Uma combinação eficaz bastante utilizada para digestão de amostras de solos é a água régia, que é considerada um extrator moderado, sendo os resultados obtidos chamados de pseudo-totais ou extraídos com água régia. Essa nomeação é devido ao fato dos silicatos não serem destruídos com essa

39 23 combinação ácida, recuperando entre 70 a 90% do conteúdo total (SACRAMENTO, 2010). Embora especificado a utilização de forno de micro-ondas com cavidade para digestões das amostras de solo, ainda assim existem diversos procedimentos que podem ser seguidos. Essa diversidade de procedimentos pode dificultar em alguns momentos a comparação dos resultados obtidos. Dessa forma, torna-se necessário a padronização de um método a ser seguido do início ao final dos trabalhos. O procedimento de digestão das amostras seguiu um método padrão da agência de proteção ambiental, o EPA 3051A, que foi recomendado na resolução 420/2009 do CONAMA e está sendo considerado como método padrão na obtenção das concentrações de metais em solos do Brasil. Inicialmente pesou-se cerca de 0,2500 g do solo no tubo de teflon e adicionou-se 9 ml de HNO 3 e 3 ml de HCl, ambos concentrados. As amostras passaram por um processo de pré-digestão de 10 a 20 minutos, tempo necessário para que ocorra a reação para formação da água régia. Após esse tempo as amostras foram submetidas ao aquecimento no forno de micro-ondas com cavidade, seguindo o programa de aquecimento apresentado na Tabela 5. Após a etapa de resfriamento, as amostras digeridas foram transferidas para tubos de plásticos e aferidas para 40 ml com água ultra-pura. Em seguida, as amostras foram centrifugadas a uma velocidade de 2500 RPM por 10 minutos e, logo após, o sobrenadante foi transferido para outro tubo de plástico, para serem analisadas por ICP OES. Tabela 5. Programa de aquecimento para digestão das amostras no forno de micro-ondas com cavidade. Etapa Tempo (minuto) Potência (Watt) Temperatura (ºC) Tempo Total: 25 mim; Aquecimento: 20 mim; Ventilação: 5 mim

40 DETERMINAÇÃO DOS ANALITOS POR ICP OES Para se obter um bom desempenho do equipamento ICP OES são necessários alguns ajustes antes do início das leituras das amostras; para isso foi realizado um alinhamento horizontal e vertical da tocha com uma solução de manganês 5,0 mgl -1 e o sistema óptico do ICP OES foi calibrado com solução de referência multielementar. A Tabela 6 mostra as condições de operações do ICP OES utilizado na determinação dos analitos. Tabela 6. Características do equipamento ICP OES empregado para determinação dos metais nas amostras de solos. PARÂMETROS CARACTERÍSTICAS ICP OES Varian Vista PRO Sistema óptico Sistema de introdução de amostras Operacionais Policromador Densidade da grade de difração (linhas mm -1 ) Grade de difração Echelle e prisma de dispersão de CaF 2 Faixa de comprimento de onda (nm) Distância focal (nm) 400 Fenda de entrada (mm) Câmara de nebulização Nebulizador 95 Altura = 0,029; largura = 0,051 Struman-Masters V-Groove Potência de medida (W) 1200 Tempo de integração do sinal (s) 2,0 Vazão do gás auxiliar (L min -1 ) 1,5 Vazão do gás do plasma (L min -1 ) 15 Vazão do gás de nebulização (L min -1 ) 0,80 Vazão de bombeamento da amostra (L min -1 ) 0,70 Vazão do gás de nebulização (L min -1 ) 0,70 Tempo de estabilização (s) 15 Tempo total da medida (min) 1

41 OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO Estudo da influência de Fe e Al na determinação de metais em amostras de solos Foi realizado um estudo com a adição de alíquotas das soluções estoque de Fe e Al, de forma a avaliar os espectros dos elementos Cd, Co, Cu, Cr, Mn, Ni, Pb e Zn na presença destes elementos majoritários. Inicialmente foi preparada uma solução multielementar de 5 mg L -1 de Cd, Co, Cu, Cr, Mn, Ni, Pb e Zn, para construção da curva analítica e para adição de alíquotas para concentração final de 1 mg L -1 em cada tubo contendo Fe e Al separados ou misturados. Foram selecionadas três concentrações para Fe e Al, considerando os diferentes tipos de solos a serem analisados. Os valores das concentrações mínima, intermediária e máxima para Fe foram, em mg L -1 : 20, 150 e 300. Para Al as concentrações foram de 40, 400 e 800 mg L -1. Este estudo foi realizado em triplicata em meio de água régia. As amostras foram preparadas de modo a conter todos os elementos traços com o interferente Fe, outras com o interferente Al e as demais com os dois interferentes (Fe e Al), nas concentrações mínima, intermediária e máxima e foram analisadas por ICP OES. As linhas de emissão investigadas estão mostradas na Tabela 7. Outro estudo realizado foi à avaliação do efeito de Al e Fe considerando o comportamento das curvas de calibração em meio de água régia. Foram preparadas três curvas analíticas de calibração, duas delas dopadas com Al e Fe nas concentrações mínimas e máximas previamente estabelecidas e uma curva sem adição desses interferentes, de forma a avaliar os coeficientes angulares nas linhas de emissão selecionadas.

42 26 Tabela 7. Linhas de emissão estudadas em nm para Cd, Co, Cr, Cu, Mn, Ni, Pb e Zn. Elemento Linhas de Emissão (nm) Elemento Linhas de Emissão (nm) II 214,436 li 257,610 Cd II 226,502 Mn II 259,372 I 228,802 II 260,568 II 228,615 II 216,555 Co II 230,786 Ni II 221,648 II 238,892 II 231,604 II 205,560 II 182,143 Cr II 206,158 Pb I 217,000 II 267,716 II 220,353 II 213,598 II 202,548 Cu II 324,754 Zn II 206,200 I 327,395 I 213, VALIDAÇÃO DO MÉTODO A validação do método proposto para análise das amostras de solo foi feita avaliando-se os seguintes parâmetros de desempenho: limites de detecção (LOD) e quantificação (LOQ), a faixa linear de trabalho, exatidão, precisão, as taxas de recuperação dos analitos no solo certificado e testes de adição e recuperação Limite de detecção (LOD) e limite de quantificação (LOQ) Para obtenção do LOD e LOQ, foram analisados quinze brancos submetidos ao processo proposto. A seguir estão apresentadas as equações para obtenção desses limites (LOD e LOQ). LOD = (3 x s) / a (Equação 1) Onde: LOQ = (10 x s) / a (Equação 2) s = desvio padrão da medida de 15 brancos para cada elemento a = inclinação da curva analítica para cada elemento

43 Exatidão Para verificação da exatidão, foram empregadas duas estratégias: análise do CRM NIST 2709a (San Joaquin Soil) e estudos de adição e recuperação para os diferentes tipos de solos. Para os estudos de adição e recuperação, inicialmente foi preparada uma solução multielementar de 20 mg L -1, a partir da solução estoque de 1000 mg L -1, com todos analitos de interesse. Os testes foram realizados adicionando duas alíquotas diferentes da solução multielementar, em triplicata, nos recipientes do forno de micro-ondas, após pesagem e adição da combinação ácida nas amostras de solo, e antes do processo de digestão. No final do processo as amostras com dois níveis de concentração: 0,1 e 1,0 mg L -1, foram aferidas para 40 ml. 2.8 ANÁLISES ESTATÍSTICAS Análise de correlação A partir da obtenção dos valores dos atributos físicos (teores de silte e argila), químicos (P, SB, H+AI, CTC, Al PT, V%, C, MO e ph) e dos metais (Cd, Co, Cr, Cu, Ni, e Zn), foram elaboradas matrizes de correlação de Pearson, entre as variáveis (atributos e metais), por camada em duas áreas da região em estudo, Barreira encosta e Arenito 3. Como a correlação de Pearson é um tipo de análise estatística paramétrica, antes da sua utilização foi necessária a verificação de normalidade para cada elemento e parâmetros físico-químicos estudados. Essa verificação foi realizada através de dois testes estatísticos, o teste de Kolmogorov-Smirnov e Teste W - Shapiro-Wilk, para o Teste W, por exemplo, considera-se que uma distribuição é normal quando o valor de p obtido é maior que 0,05 (MILLER e MILLER, 1998). Para as variáveis que não apresentaram distribuição normal, foi realizada a normalização, através da transformação dos dados aplicando a função logarítmica. Foi utilizado o teste t, Equação 3, para avaliar a significância do coeficiente de correlação, a 95% de confiança. (Equação 3)

Aspectos gerais sobre preparo de amostras. Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br

Aspectos gerais sobre preparo de amostras. Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br Aspectos gerais sobre preparo de amostras Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br Técnicas Espectroanalíticas - FAAS - GFAAS - ICP OES - ICP-MS - Aspecto comum: amostras são usualmente introduzidas como soluções

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Eng. MARCUS VINICIUS BERGONZINI DO PRADO Profa. Dra. DIONE MARI MORITA

Eng. MARCUS VINICIUS BERGONZINI DO PRADO Profa. Dra. DIONE MARI MORITA A QUALIDADE DO SOLO NO CONTEXTO DA POLUIÇÃO AMBIENTAL POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS ANÁLISE DE LEGISLAÇÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO E NO BRASIL Eng. MARCUS VINICIUS BERGONZINI DO PRADO Profa. Dra. DIONE MARI MORITA

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Pontos em que a expedição da UnB participou do processo de coleta de água e sedimento entre os dias

Leia mais

Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Oficina de Trabalho do GT Proteção da Qualidade do Solo e Gerenciamento de Águas Contaminadas

Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Oficina de Trabalho do GT Proteção da Qualidade do Solo e Gerenciamento de Águas Contaminadas Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Oficina de Trabalho do GT Proteção da Qualidade do Solo e Gerenciamento de Águas Contaminadas Relatório dos Trabalhos de Grupo Brasília, 02 a 04 de abril de

Leia mais

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Classificação dos métodos de análises quantitativas Determinação direta

Leia mais

Aula 3: Química do Solo

Aula 3: Química do Solo DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Aula 3: Química do Solo Prof a. Lilian Silva 2012 Solo: O solo pode ser conceituado como um manto superficial formado por rocha desagregada e, eventualmente, cinzas

Leia mais

Análise de amostras de alimentos mais produtiva com o Agilent ICP-MS 7700x

Análise de amostras de alimentos mais produtiva com o Agilent ICP-MS 7700x Análise de amostras de alimentos mais produtiva com o Agilent ICP-MS 77x Nota de aplicação Teste de alimentos Autores Sebastien Sannac, Jean Pierre Lener e Jerome Darrouzes Agilent Technologies Paris,

Leia mais

Cálcio, Cobre e Ferro em Bebidas Destiladas por ICP-OES

Cálcio, Cobre e Ferro em Bebidas Destiladas por ICP-OES Página 1 de 7 1 Escopo Desenvolvimento de método analítico para a determinação dos elementos cálcio (Ca), cobre (Cu) e ferro (Fe) em bebidas destiladas através das técnicas de ICP-OES (espectrometria de

Leia mais

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS 4a Reunião Ordinária do GT Interinstitucional sobre Uso de Resíduos Industriais Indicados como Matéria-Prima para Fabricação de Produtos Fornecedores de Micronutrientes Utilizados como Insumo Agrícola

Leia mais

Artigo. Resumo. Abstract. Introdução. Materiais e Métodos. 64 Revista Analytica Agosto/Setembro 2013 nº 66

Artigo. Resumo. Abstract. Introdução. Materiais e Métodos. 64 Revista Analytica Agosto/Setembro 2013 nº 66 Artigo Caracterização e Classificação de Resíduo Gerado na Indústria de Metal-Mecânica Characterization and Classification of Waste Generated in Metal-Mechanical Industry Resumo O objetivo do presente

Leia mais

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Ambientais Campus Medianeira MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

Legislações para Solos

Legislações para Solos Legislações para Solos Biotecnologia Ambiental Prof. Denize Dias de Carvalho Solo e Água Subterrânea O solo pode atuar como um filtro (capacidade de autodepuração desse tipo de corpo receptor); Essa capacidade

Leia mais

Revisão de geologia e Pedogênese

Revisão de geologia e Pedogênese Revisão de geologia e Pedogênese Ricardo Gonçalves de Castro 1 Minerais Mineral é um sólido homogêneo, com composição química definida, podendo variar dentro de intervalos restritos, formados por processos

Leia mais

PROJETO SOLOS DE MINAS

PROJETO SOLOS DE MINAS PROJETO SOLOS DE MINAS Liliana Adriana Nappi Mateus Fundação Estadual do Meio Ambiente Walter Antônio Pereira Abraão Universidade Federal de Viçosa 15-04-2015 Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo.

Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo. Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo. Quanto a or igem os solos podem ser: ELUVIAIS Originado da alter ação da r ocha matriz situada abaixo dele. ALUVIAIS

Leia mais

Componentes Minerais Minerais s primários: Minerais s se s cu c ndários: Fraçã ç o argila:

Componentes Minerais Minerais s primários: Minerais s se s cu c ndários: Fraçã ç o argila: Universidade Estadual Paulista Campus de e Dracena Curso Zootecnia Disciplina: Solos Composição do Solo Prof. Dr. Reges Heinrichs 2010 Introdução O Solo é composto por três fases: Sólido (matéria orgânica

Leia mais

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09 O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09 Seminário Sul-Brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas ABES-RS Porto Alegre, 03 de Setembro de

Leia mais

Aula 6 QUÍMICA DE SOLOS. Carlos Alexandre Borges Garcia Elisangela de Andrade Passos

Aula 6 QUÍMICA DE SOLOS. Carlos Alexandre Borges Garcia Elisangela de Andrade Passos Aula 6 QUÍMICA DE SOLOS META Apresentar os solos e sua composição; Apresentar as funções e classificações dos solos; Apresentar a amostragem de solos; Apresentar equipamentos comuns para coleta de solos;

Leia mais

Métodos Analíticos para Determinação de Contaminantes Inorgânicos EPLNA_2012. Silmara Rossana Bianchi (bolsista CAPES) silmarabianchi@yahoo.com.

Métodos Analíticos para Determinação de Contaminantes Inorgânicos EPLNA_2012. Silmara Rossana Bianchi (bolsista CAPES) silmarabianchi@yahoo.com. Métodos Analíticos para Determinação de Contaminantes Inorgânicos Silmara Rossana Bianchi (bolsista CAPES) silmarabianchi@yahoo.com.br Espectroscopia atômica As amostras são vaporizadas à temperaturas

Leia mais

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA.

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 3.967, de 16 de janeiro de 2001

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

Lista de Exercícios Espectrometria Atômica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Espectrometria Atômica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 No intuito de se determinar a pureza do sal Na 2 HPO 4, 2,469 g de amostra foi pesada, dissolvida e diluída

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO Prof. Carolina R. Duarte Maluche Baretta Chapecó (SC), Abril de 2013. Intemperismo? Definição: Intemperismo: alterações físicas e

Leia mais

Poluição ambiental: Análise. ) por SR-TXRF

Poluição ambiental: Análise. ) por SR-TXRF FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ARQUITETURA E URBANISMO Poluição ambiental: Análise Quantitativa de material particulado (PM 10 ) por SR-TXRF Pesquisador: Profº. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO

Leia mais

Métodos Espectroanalítcos. Aula 5 Interferências em FAAS

Métodos Espectroanalítcos. Aula 5 Interferências em FAAS Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química Métodos Espectroanalítcos Aula 5 Interferências em FAAS Julio C. J. Silva Juiz de Fora, 2013 Processo de dissociação

Leia mais

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 39 4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 4.1 O Processo de absorção atômica A absorção de energia por átomos livres, gasosos, no estado fundamental, é a base da espectrometria

Leia mais

QUI 116 Química do Meio Ambiente. Aula 1 Litosfera Parte 2

QUI 116 Química do Meio Ambiente. Aula 1 Litosfera Parte 2 Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 116 Química do Meio Ambiente Aula 1 Litosfera Parte 2 Prof. Julio C. J. Silva Juiz de For a, 2010 Solo O solo

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO Resumo Jefferson B. Venâncio 1, Josiléia Acordi Zanatta 2, Júlio Cesar Salton 2 Os sistemas de manejo de solo podem influenciar

Leia mais

Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes

Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes Sérgio Pompéia Workshop A Cadeia produtiva do setor industrial de fertilizantes

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas

Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas !"#$# $%$$& Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas Dr. Marcos Omir Marques Professor Adjunto e Sua Contribuição na Preservação Ambiental Departamento de Tecnologia Mailto: omir@fcav.unesp.br

Leia mais

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Métodos para atomização de amostras para análises espectroscópicas Origen dos Espectros Óticos Para os átomos e íons na fase gasosa somente as transições

Leia mais

4. Técnicas Analíticas e Condições Utilizadas

4. Técnicas Analíticas e Condições Utilizadas 51 4. Técnicas Analíticas e Condições Utilizadas As técnicas empregadas neste trabalho (ICP-MS, ICP OES, CI e TOC) são modernas e ideais para determinação quantitativa de múltiplos elementos em um grande

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO UERJ 2010

CONCURSO PÚBLICO UERJ 2010 CONCURSO PÚBLICO UERJ 2010 CADERNO DE PROVA DISCURSIVA Este caderno, com nove páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões discursivas. Não abra o caderno antes de receber autorização. Instruções

Leia mais

Fotometria de Chama e Absorção Atômica

Fotometria de Chama e Absorção Atômica Fotometria de Chama e Absorção Atômica CAP 28 do Fundamentos de química analítica, Skoog, 2004, 8ed. ou Cap 21 do Química analítica quantitativa, Vogel Prof. Aloísio J.B. Cotta e-mail: acotta@ceunes.ufes.br

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco-

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco- Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco Maio 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. AVALIAÇÃO HIDROQUÍMICA... 3 3. CONCLUSÕES... 6 FIGURAS 2.1 PONTO DE COLETA RIO JOANES:

Leia mais

Métodos Físicos de Análise - ABSORÇÃO ATÔMICA. Métodos Físicos de Análise MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE

Métodos Físicos de Análise - ABSORÇÃO ATÔMICA. Métodos Físicos de Análise MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE Métodos Físicos de Análise - ABSORÇÃO ATÔMICA Prof. Dr. Leonardo Lucchetti Mestre e Doutor em Ciências Química de Produtos Naturais NPPN/UFRJ Depto. de Química de Produtos Naturais Farmanguinhos Fiocruz

Leia mais

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5 Página 1 de 5 DADOS DO CONTRATANTE Cliente: Contato: Prefeitura Municipal de Jerônimo Monteiro Daniela Fosse Valbão Venancio Endereço: Avenida Lourival Lougon Moulin Nº 300 Bairro: Centro Cidade: Jerônimo

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

MONITORAMENTO DE SOLO CONTAMINADO COM METAIS EM SANTO AMARO (BA)

MONITORAMENTO DE SOLO CONTAMINADO COM METAIS EM SANTO AMARO (BA) Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente Doutorado Multidisciplinar MONITORAMENTO DE SOLO CONTAMINADO COM METAIS EM SANTO AMARO (BA) Disciplina: Monitoramento

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO JOSE RODRIGO DOS SANTOS SILVA Instituto Federal de Goiás (Campus Goiânia) - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Análise de Óleo. Artigo Técnico

Análise de Óleo. Artigo Técnico Análise de Óleo O uso da análise de óleo como técnica de manutenção começou a ser aplicada na década 50. A crise do petróleo intensificou o uso da análise de óleo, que passou a cumprir uma nova função

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS. Objetivos: ANÁLISES QUÍMICAS DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS

ANÁLISE QUÍMICA DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS. Objetivos: ANÁLISES QUÍMICAS DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS ANÁLISE QUÍMICA DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS Prof. Clovis Orlando Da Ros Objetivos: Identificar os principais métodos utilizados para análises de tecido vegetal e de resíduos agroindustriais;

Leia mais

Fotometria de Chama e Absorção Atômica

Fotometria de Chama e Absorção Atômica Fotometria de Chama e Absorção Atômica CAP 28 do Fundamentos de química analítica, Skoog, 2004, 8ed. ou Cap 21 do Química analítica quantitativa, Vogel Prof. Aloísio J.B. Cotta e-mail: acotta@ceunes.ufes.br

Leia mais

CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO

CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO Adaptado de Solos do Brasil (Benjamim Pereira Vilela e Selma Simões de Castro) PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU Régis Chrystian da Silva (1) Técnico em Segurança do Trabalho e Meio Ambiente pela Faculdade de

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

Capítulo 4 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS ATÉ O 4 O NÍVEL CATEGÓRICO

Capítulo 4 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS ATÉ O 4 O NÍVEL CATEGÓRICO Capítulo 4 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS ATÉ O 4 O NÍVEL CATEGÓRICO CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS ATÉ O 4 O NÍVEL CATEGÓRICO A classificação de um solo é obtida a partir dos dados morfológicos, físicos, químicos e

Leia mais

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1. INTRODUÇÃO Átomos ou Íons: têm estados de energia característicos, nos quais os elétrons podem permanecer.

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL CATEGORIA:

Leia mais

Espectrometria de absorção atômica: Fundamentos, figuras de mérito, otimização do instrumento e aspectos práticos

Espectrometria de absorção atômica: Fundamentos, figuras de mérito, otimização do instrumento e aspectos práticos Espectrometria de absorção atômica: Fundamentos, figuras de mérito, otimização do instrumento e aspectos práticos Daniela Schiavo Química de Aplicações daniela.schiavo@agilent.com 1 Agenda - Conceitos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Centro de Ciências Naturais e Humanas. Bacharelado em Química TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Centro de Ciências Naturais e Humanas. Bacharelado em Química TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Centro de Ciências Naturais e Humanas Bacharelado em Química TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO: Validação do Método de Determinação de Mercúrio Total em Amostras Sólidas pela Técnica

Leia mais

Deliberação Normativa COPAM nº 154, de 25 de agosto de 2010. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 04/09/2010)

Deliberação Normativa COPAM nº 154, de 25 de agosto de 2010. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 04/09/2010) Page 1 of 8 Deliberação Normativa COPAM nº 154, de 25 de agosto de 2010. Dispõe sobre o Coprocessamento de resíduos em fornos de clínquer. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 04/09/2010) O CONSELHO

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Edson de Moura Aula 04 Granulometria de Solos 2011 17 Granulometria de Solos A finalidade da realização

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS DE CO 2 PROVENIENTES DE SEQUESTRO GEOLÓGICO

ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS DE CO 2 PROVENIENTES DE SEQUESTRO GEOLÓGICO Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Núcleo Ressacada de Pesquisas em Meio Ambiente ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA ZENIRA CARDOSO VILASBOAS VIANA AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO MINERAL E CENTESIMAL EM PEIXES CONSUMIDOS NO ESTADO DA BAHIA

Leia mais

2.Óxidos!!! Óxidos Modelo Simples 16/08/2012. Óxidos de ferro Modelo Simples Hematita, Goethita

2.Óxidos!!! Óxidos Modelo Simples 16/08/2012. Óxidos de ferro Modelo Simples Hematita, Goethita 2.Óxidos!!! Geralmente são mais abundantes à medida em que o solo fica mais intemperizado (lembrese do índice ki calculado na aula prática); Além de CTC, podem desenvolver cargas positivas (CTA), que quando

Leia mais

MECANISMO DE ATENUAÇÃO NATURAL DE METAIS EM SOLOS DE ANTIGAS ÁREAS DE DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

MECANISMO DE ATENUAÇÃO NATURAL DE METAIS EM SOLOS DE ANTIGAS ÁREAS DE DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS MECANISMO DE ATENUAÇÃO NATURAL DE METAIS EM SOLOS DE ANTIGAS ÁREAS DE DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Evanisa F. R. Q. Melo - evanisa@upf.br Eduardo P. Korf - eduardokorf@gmail.com Antônio Thomé

Leia mais

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas O que existe na água do mar? 1. materiais sólidos ou particulados 2. colóides 3. materiais dissolvidos 1. materiais sólidos ou particulados A definição de particulado é operacional. Todo material com >

Leia mais

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas Manejo de solos tropicais no mundo De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia Pesquisa e Extensão da Kansas Clima Solos Manejo Luz solar CO 2 Rendimento Propriedades Químicas

Leia mais

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE QUÍMICA LABORATÓRIO DE QUÍMICA ANALÍTICA E AMBIENTAL Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Solos

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Solos Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Solos Metais Pesados em Solos do Brasil: Influência do Material de Origem e Valores Anômalos Jaime W. V. de Mello Walter A. P.

Leia mais

SOLO NA FAIXA DE INFLUÊNCIA DO RIO MADEIRA, PORTO VELHO-RO A HUMAITÁ-AM

SOLO NA FAIXA DE INFLUÊNCIA DO RIO MADEIRA, PORTO VELHO-RO A HUMAITÁ-AM ANÁLISE DA FERTILIDADE NATURAL (K + ; Ca +2 ; Mg +2 ; Al +3 ) DO SOLO NA FAIXA DE INFLUÊNCIA DO RIO MADEIRA, PORTO VELHO-RO A HUMAITÁ-AM Tatiane Rodrigues Lima 1 Dorisvalder Dias Nunes 2 Ângelo Mansur

Leia mais

Fluorescência de raios X por reflexão total (TXRF)

Fluorescência de raios X por reflexão total (TXRF) Fluorescência de raios X por reflexão total (TXRF) Eduardo de Almeida Especialista em Laboratório Laboratório de Instrumentação Nuclear (LIN) Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fluorescência

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos. Prof. Maximiliano Segala Prof. Antônio Ruas Saneamento Básico e Saúde Pública

Ciclos Biogeoquímicos. Prof. Maximiliano Segala Prof. Antônio Ruas Saneamento Básico e Saúde Pública Ciclos Biogeoquímicos Prof. Maximiliano Segala Prof. Antônio Ruas Saneamento Básico e Saúde Pública Introdução Energia solar proporciona condições para síntese de matéria orgânica pelos seres autótrofos

Leia mais

METAIS PESADOS NO AMBIENTE. PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS.

METAIS PESADOS NO AMBIENTE. PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS. METAIS PESADOS NO AMBIENTE PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS. COMPORTAMENTO NO AMBIENTE: NÃO SÃO DEGRADÁVEIS? ACUMULAM NO

Leia mais

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS NO SISTEMA BRASILEIRO E QUANTO A CAPACIDADE DE USO

Leia mais

Tecnologias para o Beneficiamento e Tratamento de Resíduos e Produtos Secundários

Tecnologias para o Beneficiamento e Tratamento de Resíduos e Produtos Secundários Tecnologias para o Beneficiamento e Tratamento de Resíduos e Produtos Secundários Encontro Técnico GT CONAMA 4ª Reunião André Ribeiro Cotrim Abril 2009 Histórico Necessidade de fertilização com micronutrientes

Leia mais

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com Gerenciamento de Drenagem de Mina Soluções e Tecnologias Avançadas www.water.slb.com Buscando sempre desenvolver solução inovadoras, eficientes e econômicas. A Schlumberger Water Services é um segmento

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL K. F. O. Alves 1 ; M. A. R. Carvalho 2 ; L. C. C. Carvalho 3 ; M. L. M. Sales 4 RESUMO:

Leia mais

REMOÇÃO DE MANGANÊS DE ÁGUAS E EFLUENTES INDUSTRIAIS UTLIZANDO PRCESSOS DE OXIDAÇÃO AVANÇADA.

REMOÇÃO DE MANGANÊS DE ÁGUAS E EFLUENTES INDUSTRIAIS UTLIZANDO PRCESSOS DE OXIDAÇÃO AVANÇADA. REMOÇÃO DE MANGANÊS DE ÁGUAS E EFLUENTES INDUSTRIAIS UTLIZANDO PRCESSOS DE OXIDAÇÃO AVANÇADA. Aluno: Rosana Maria de Oliveira Silva Orientador: Luiz Alberto Cesar Teixeira Introdução Nos últimos anos tem-se

Leia mais

SOLO. Fragmentos de rochas. Matéria orgânica. Decomposição. Intemperismo. Água. fixação de raízes fonte de elementos químicos

SOLO. Fragmentos de rochas. Matéria orgânica. Decomposição. Intemperismo. Água. fixação de raízes fonte de elementos químicos SOLO Fragmentos de rochas Matéria orgânica em + decomposição = SOLO Atividade vulcânica Intemperismo Decomposição Elementos minerais Água Matéria orgânica Ar Importância ambiental fixação de raízes fonte

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas 3.1.5. Pontos de emissão 3.1.5.1. Águas residuais e pluviais O efluente após tratamento na ETAL, é descarregado para um sistema de drenagem colectivo (ED1), e encaminhado para ETAR Municipal de Angra do

Leia mais

Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012

Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012 Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012 Experiência na aplicação da Resolução CONAMA 420 Rodrigo César de Araújo Cunha CETESB Companhia Ambiental

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

CONCEITO DE GEOQUÍMICA

CONCEITO DE GEOQUÍMICA UNIVERSIDADE FEDEREAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA GEOQUÍMICA GC 012 CONCEITO DE GEOQUÍMICA Profa. Dra. Eleonora Maria Gouvea Vasconcellos Introdução distribuição dos elementos químicos controlada

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

O SOLO NO MEIO AMBIENTE

O SOLO NO MEIO AMBIENTE Mini Curso O Solo e o Meio Ambiente Prof. Dr. Marcelo Ricardo de Lima IX EPEA 1 O SOLO NO MEIO AMBIENTE Marcelo Ricardo de Lima Professor Doutor do Departamento de Solos e Engenharia Agrícola, Universidade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015 Domínio: Terra em transformação Subdomínio: Dinâmica externa da Terra ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Identificar os minerais constituintes de rochas, considerando as suas propriedades físicas

Leia mais

ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF

ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF 1* Ferreira, Ricardo R. F.; 1 Assunção, Hildeu Ferreira.; 1 Ribeiro, Dinalva Donizete Ribeiro; 1** Martins, Alessandro.

Leia mais

ANALÍTICA V 2S 2012. Aula 4: 10-12-12 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

ANALÍTICA V 2S 2012. Aula 4: 10-12-12 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan ANALÍTICA V 2S 2012 Aula 4: 10-12-12 ESPECTROSCOPIA Espectrofotometria no UV-Vis Vis - Parte I Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Agricultura Familiar; Reuso de água; Semiárido.

PALAVRAS-CHAVE: Agricultura Familiar; Reuso de água; Semiárido. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 QUALIDADE DE SOLO IRRIGADO POR EFLUENTE TRATADO PELO BIOÁGUA FAMILIAR Fábio dos Santos Santiago 2 ; Solange Aparecida Goularte

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

CINZA. É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2.

CINZA. É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2. CINZA É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2. A cinza é constituída principalmente de: Grandes quantidades: K, Na, Ca e Mg; Pequenas

Leia mais