MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO"

Transcrição

1 Fones: (83) 2-92 / MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO Marcelo Alves de Barros, Dr. Este documento em forma de roteiro apresenta o conteúdo de referência para a elaboração do seu Plano de Negócio nas 6 partes seguintes: Resumo Executivo, Empreendimento, a Proposta de Valor, Mercado, Estratégia de Marketing & Vendas e Finanças. Um conjunto de instruções complementares é fornecido no final deste roteiro.

2 Fones: (83) 2-92 / Resumo Executivo Documento de uma a duas páginas Resumo dos principais pontos do plano de negócio Seu objetivo é convencer o leitor de que o negócio é interessante e induzí-lo a buscar os detalhes do Plano de Negócio Deve ser a última parte escrita do PN Essência do Conteúdo:. Necessidade Atendida no Mercado, Tamanho e Tendência desse Mercado 2. Proposta de Valor (Solução para atender a necessidade acima) 3. Potencial dos Empreendedores e seu papel no Empreendimento 4. Planilha de Projeção de Resultados 5. Apoio demandado pelo Empreendimento

3 Fones: (83) 2-92 / O Empreendimento 2. DADOS DA EMPRESA Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: Formação Profissional: Atribuições no Empreendimento: Natureza/Descrição do empreendimento: Individual Limitada Razão Social: Nome Fantasia: CGC - Insc. Estadual Insc. Municipal Nome dos sócios e respectivas participações na empresa Nome Participação Áreas de competência tecnológica (áreas de conhecimento técnico que são dominadas) Nome Área Responsáveis pela gestão do empreendimento (por área). Área Responsável Administração Financeira Produção Tecnológica Comercial Outras (especificar) 2.2 DADOS DOS DIRIGENTES Descreva quais são as pessoas de valor do negócio que tiveram a coragem de ser sócios. Descreva os papéis e responsabilidades de cada um Para cada dimensão da vida de cada pessoa de valor (Material, Acadêmica, Profissional, Emocional, Espiritual, etc), escreva quais os argumentos que provam que esta é a sua oportunidade.

4 Fones: (83) 2-92 / DEFINIÇÃO DO NEGÓCIO Quais os segmentos de clientes (público alvo)? Qual é a necessidade não atendida nestes públicos alvos? Como o seu público alvo está se virando agora em relação a esta necessidade? Como a sua solução vai mudar o comportamento mental desse público alvo para fazê-lo comprála? De quê sua solução é constituída? 2.4 FONTES DE RECEITA 2.5 CENÁRIO FUTURO PARA O MERCADO 2.6 VISÃO (Objetivos de longo prazo) 2.7 MISSÃO (o que a empresa vai fazer para atingir os objetivos acima) 2.8 ESTRATÉGIA (análise S.W.O.T. = Strengths, Weaknesses, Opportunities, Threats) 2.8. Ambiente Externo: OPORTUNIDADES e AMEAÇAS Oportunidades: variáveis (forças) externas que favorecem o negócio Ameaças: variáveis (forças) externas que desfavorecem o negócio Ambiente Externo OPORTUNIDADES (+) AMEAÇAS (-) Ambiente Interno: PONTOS FORTES e PONTOS FRACOS Pontos fortes. variáveis (forças) internas que favorecem o negócio Pontos fracos variáveis (forças) internas que desfavorecem o negócio Ambiente Interno PONTOS FORTES (+) PONTOS FRACOS (-) Fatores Críticos do Êxito do Negócio Ações que combinam as oportunidades e forças internas (pontos fortes) para superar as ameaças e eliminar os pontos fracos na busca dos objetivos definidos na missão e visão. 2.9 INFRA-ESTRUTURA Quais recursos (físicos, humanos e tecnológicos) estratégicos são exigidos pela Proposta de Valor? Pelos Canais de Distribuição?

5 Pelo Relacionamento com Clientes? Pelo Marketing&Vendas? Fones: (83) 2-92 / CRONOGRAMA DE ATIVIDADES: EMPREENDIMENTO Mês Ações do Empreendimento

6 Fones: (83) 2-92 / A Proposta de Valor (detalhamento dos produtos e/ou serviços) 3. Quadro resumo dos produtos serviços Linha Cod. Nome do Produto ou Serviço Fase atual de desenvolvimento ou de maturidade Observação 3.2 Caracterização Obrigatória de cada Produto-Serviço Descrição: Aplicação Recursos utilizados Tempo para obsolescência Fornecedores Propriedade Intelectual Modelos ou variantes O que é o produto. A que tipo de finalidade os produtos atendem, a quem é destinado. Como o produto é elaborado, matéria prima utilizada, maquinário, software, mão de obra utilizada, embalagem... Lembre-se que a vida útil de produtos de base tecnológica é muito curta devido a constante evolução na área. Quem são os fornecedores, no caso de produtos de terceiros, ou os fornecedores da matéria prima utilizada na produção. Quem detém a propriedade intelectual desses produtos. Às vezes o mesmo produto é oferecido em modelos diferentes ou com características distintas. Citar esses atributos se for o caso. 3.3 Quadro Resumo dos diferenciais dos produtos/serviços (em relação aos disponíveis no mercado) 3.4 Detalhamento do Estágio atual do desenvolvimento do produto/serviço* FASE ESTÁGIO Estágio atual Maturação da idéia 2 Em especificação 3 Em desenvolvimento 4 Em teste 5 Protótipo Cronograma por semestre (ou por mês) º Sem 2º Sem 3º Sem 4º Sem 5º Sem 6º Sem

7 Fones: (83) 2-92 / Demonstração em cliente 7 Em comercialização * Quando o plano se referir a mais de um produto/serviço, fazer um cronograma para cada produto, separadamente. 3.5 Modelos de Maturidade Descrição de sistemas de qualidade dos produtos e serviços, normas utilizadas, regulamentos técnicos, padrões de certificação buscados, registros e autorizações necessários para a produção e comercialização dos produtos e serviços, etc. 3.6 Alianças Estratégicas Descrição dos parceiros necessários para terceirizações, representação, fornecedores, etc. 3.7 Cronograma de Desenvolvimento do Produto-Serviço Mês Produtos Etapas Pesquisa & Desenvolvimento Teste de Mercado Comercialização

8 Fones: (83) 2-92 / O Mercado 4. Sumário do Mercado Quadro resumo com dados confiáveis do segmento de mercado potencial visado Quant estimada Ano Quant estimada Ano 3 Quant estimada Ano 5 População Total SEGMENTOS VISADOS: SEGMENTO X (descrever o perfil dos clientes potenciais que compõem este segmento) SEGMENTO Y SEGMENTO Z TOTAL ESTIMADO DE CLIENTES Total do segmento e porcentagem visados Total % visado Total do segmento e porcentagem visados Total do segmento e porcentagem visados 4.2 IDENTIFICAÇÃO DO PÚBLICO-ALVO 4.2. Descrição Detalhada dos segmentos de mercado e justificativa do seu interesse em adquirir a solução Dados demográficos de cada segmento de mercado 4.3 TENDÊNCIAS DE CRESCIMENTO DOS SEGMENTOS DE MERCADO Cite dados confiáveis (públicos ou privados) que demonstram que os públicos alvos irão evoluir com o tempo conforme indicado no quadro sumário do mercado alvo. Citar as fontes destes dados. 4.4 PARTICIPAÇÃO PRETENDIDA NESTES SEGMENTOS DE MERCADO Usar uma planilha detalhada mostrando para cada segmento do público alvo a percentagem que seu empreendimento pretende transformar em clientes em função do tempo definido no quadro sumário do mercado. 4.5 CONCORRÊNCIA 4.5. Quantidade e forma de atuação dos empreendimentos concorrentes (atribua notas de a ou indicadores para evidenciar o seu posicionamento em relação aos concorrentes identificados) Fator Crítico de Êxito do Negócio Localização Tamanho (porte) da empresa Capacidade de Propaganda Capacidade de fazer Promoções Capacidade de Produção Concorrente Concorrente 2 Concorrente 3 Meu Negócio

9 Fones: (83) 2-92 / Capacidade de fazer investimentos Capacidade de RH Capacidade de controlar os fornecedores Capacidade de Controlar Canais de vendas Capacidade de fazer P&D Alianças Estratégicas Detenção de Patentes ou Propriedade Intelectual Protegida Capacidade em CRM Capacidade em Logística na Cadeia de Suprimentos e CRM Capacidade em TI Análise dos principais produtos-serviços dos concorrentes (atribua notas de a ou indicadores para evidenciar o seu posicionamento em relação aos produtos concorrentes identificados) Fator Crítico de Êxito do Negócio Utilidade (importância da necessidade atendida) Imagem do Produto Qualidade Certificada (Inmetro, etc) Preço Facilidades de pagamento Prazos de Entrega Suporte Técnico específico Garantias Nível de tecnologia embutida e perceptível etc Prod/Serv Concorrente Prod/Serv Concorrente 2 Prod/Serv Concorrente 3 Meu Prod/Serv 4.6 DIFERENCIAL COMPETITIVO Resumo do posicionamento do seu empreendimento e do seu produto/serviço face aos concorrentes. 4.7 METAS ESPECÍFICAS DE VENDAS 4.8 Meta de Vendas e Justificativa da sua viabilidade Data para a Meta

10 Fones: (83) 2-92 / A Estratégia de Marketing & Vendas 5. Política de Preços Que valores nossos clientes estão dispostos a pagar? Que valores nossos clientes estão pagando hoje? O que eles recebem pelo que eles pagam hoje? De que forma eles estão pagando? De que forma eles preferem pagar? Quanto cada modelo de pagamento deles contribui para o alvo do empreendimento? Lembre-se que preço e pagamento depende do serviço personalizado, do tipo de cliente e do volume do uso. Exemplos de modelos de pagamento são: por uso, por licença, por viagem, por homem-hora. Quadro resumo: nossos preços face aos praticados pelo mercado (usar composição do produtoserviço para justificar o preço proposto) CONCORRENCIA A R$ B R$ C R$ MENOR PREÇO DE MERCADO PREÇO FIXADO R$ PRODUTO R$ Produto Produto 2 Produto 3 Produto Ações de Marketing e Vendas Por meio de quais canais os clientes potenciais desejam ser encontrados? Como os estamos encontrando agora? Como os diferentes canais atuais estão integrados? Quais deles funcionam melhor? Quais deles tem relação custo-benefício melhor? Como integramos estes canais com as rotinas e ambientes dos clientes potenciais? Como criamos imagem do produto/serviço? Como ajudamos os clientes a avaliar o produto/serviço? Como facilitamos a vida dos clientes na hora de comprar o X? Como facilitamos o uso do produto/serviço? Como valorizamos o cliente após a compra? Canais de Distribuição Domínios, Marcas e Patentes Estratégias e Metas de Promoção e Vendas Equipe e metas de vendas Equipe e de Relacionamento com o cliente Projeção de Resultados de Vendas

11 CRONOGRAMA DE ATIVIDADES DO MARKETING E VENDAS Fones: (83) 2-92 / Ações e Resultados x Meses

12 Fones: (83) 2-92 / As Finanças Quais os custos mais importantes do modelo de negócio? Quais os recursos mais caros? Quais as atividades mais caras? Quais os Custos Fixos? (salários, aluguéis, etc) Quais os Custos Variáveis? (insumos, impostos, etc) Quais as economias de escala? (fornecedor, espaço, tempo, etc) Qual é a política de preços? (preço/segmento, etc) Qual é a margem bruta de lucro? (X%) 6. Investimentos iniciais. Estudo de mercado 2. Registro de marcas e patentes 3. Honorários 4. Registro da Empresa 5. Máquinas e Equipamentos 6. Móveis / Utensílios 7. Capital de giro 8. Outros (especificar) 9. Total Descrição Valor 6.2 Origem dos recursos (investimentos iniciais) Valor Total Recursos próprios (%) Recursos de terceiros (%) Reinvestimento (%) R$ Receita e custos 6.3. Receitas operacionais Ano º Trimestre 2º Trimestre 3º Trimestre 4º Trimestre Total º Ano 2º Ano 3º Ano Custo fixo anual (º ano) Descrição. Salários e encargos 2. Pró-labore 3. Taxa de Incubação 4. Taxas Diversas (Telefone, aluguel de Equipamentos, etc.) 5. Materiais Diversos 6. Manutenção e Conservação 7. Seguros 8. Depreciação Valor Anual

13 Fones: (83) 2-92 / Outros. Total Custo variável (º ano) Descrição. Matéria Prima 2. Embalagem 3. Outros insumos 4. Frete 5. Outros (comissões, impostos, etc) 6. Total Valor Anual Demonstrativos simplificados de resultados (º ano) Item Descrição Valores Receita bruta (Quadro 7.) 2 (-) Custos Fixos ( Quadro 7.2) 3 (-) Custos variáveis (Quadro 7.3) 4 Resultado Operacional ( 2 3) 5 (+) Receitas não operacional 6 (-) Despesas não operacionais 7 Lucro Bruto ( ) Projeção do fluxo de caixa Mês Descrição. Receita Operacional 2. Receita não operacional (A) Total de Entrada 3. Despesa Operacional 4. Despesa não operacional 5. Investimento (B) Total de Saída (C) Saldo no mês Total A = ( + 2); B = ( ); C = (A B); Total = Soma (Mês à 2) Indicadores 6.9. Ponto de equilíbrio anual Primeiro ano (se não houver previsão de receita para o primeiro ano, não considere este item)

14 Fones: (83) 2-92 / P.E = Custo Fixo Anual Receita Prevista Anual Custo Variável x.2 Tempo de retorno do investimento (TR) : Número de meses necessários para recuperar o dinheiro aplicado no investimento inicial. TR = Investimento Inicial Resultado operacional x 2 6. Valor Presente Líquido É o valor atual dos resultados de uma série de períodos de fluxo de caixa menos o investimento inicial. Pra se chegar ao valor atual utiliza-se uma taxa de desconto que diminui o valor efetivo do resultado proporcionalmente ao tempo em que ele ocorre. Essa taxa é baseada nos juros praticados pela economia e no grau de risco do mercado onde a empresa atua. No Brasil, hoje, esta taxa de desconto do valor é de aproximadamente 36% ao ano. Ex.: R$, de lucro daqui a 2 meses, só vale hoje (no presente) R$ 64,. 6. EBITDA EBITDA ( Earning Before Interests, Taxes, Depreciation and Amortization ou lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização.) O EBITDA representa a geração operacional de caixa da companhia, ou seja, o quanto a empresa gera de recursos apenas em suas atividades operacionais, sem levar em consideração os efeitos financeiros e de impostos. (=) Receita Líquida (-) Custo dos Produtos Vendidos (CPV) (=) Lucro Bruto (-) Despesas com vendas, gerais e administrativas (SG&A) (=) Resultado Operacional (+) Depreciação e amortização (=) Ebitda

15 Fones: (83) 2-92 / INSTRUÇÕES COMPLEMENTARES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIO Introdução Este é um plano de negócio simplificado com o objetivo exclusivo de permitir a avaliação de projetos para incubação. Procure ser objetivo e coerente no preenchimento dos quadros e justificativas, pois alguns quadros estão relacionados entre eles. Após a aprovação e admissão a empresa poderá preparar um plano de negocio mais elaborado e detalhado, mas os dados aqui apresentados devem ser confiáveis. O planejamento e demonstrativo financeiro devem ser projetados prevendo-se o funcionamento da empresa após a comercialização dos produtos e serviços propostos. Os custos apropriados no período de desenvolvimento dos produtos e/ou serviços propostos deverão ser considerados como investimento próprio ou reinvestimento, apurando-se as receitas com prestação de serviços e/ou comercialização de produtos que não sejam do projeto a ser desenvolvido. Aspectos sobre o Plano Financeiro Investimento inicial. Neste quadro devem ser mencionados os investimentos a serem realizados nos primeiros doze meses que sucederem a incubação do projeto. Assim, gastos com estudos de mercado, proteção intelectual (registro de marcas e patentes ou direitos de autor), honorários de advogados, contadores, despachantes, etc., e outros desembolsos necessários à constituição da empresa, devem ser aqui considerados. Dispêndios efetuados com a aquisição de máquinas, equipamentos, software, móveis e utensílios, devem também ser indicados neste quadro, nos campos correspondentes. Os desembolsos necessários para fazer frente aos custos que alavancam a operação da empresa, são investimentos circulantes que devem ser classificados como capital de giro. Origem dos recursos. Neste quadro, o valor total (ª coluna), refere-se ao total dos investimentos iniciais, extraído da linha 9 do quadro 6.. Nas colunas seguintes devem ser indicados (em termos percentuais) as frações de recursos provenientes dos próprios cotistas (recursos dos sócios, família, amigos), de terceiros (empréstimos bancários, financeiras e outros) e aqueles decorrentes de reinvestimentos feitos a partir de recursos gerados no próprio empreendimento, quando for o caso. Receitas e custos Receitas operacionais Destina-se a previsão de receitas decorrentes da comercialização dos produtos/serviços gerados com a implementação do projeto proposto, ou seja, após sua incubação. As receitas relativas ao primeiro ano devem ser estimadas para cada um dos seus quatro trimestres e, as do segundo e terceiro anos, apenas em termos anuais. Custos fixos anuais Este quadro destina-se a identificação dos custos fixos previstos para os doze meses subseqüentes ao da incubação do projeto. Deve-se considerar valores a serem despendidos com salários e encargos de pessoal contratado, prólabore dos sócios, taxa de incubação ( a ser informada ao proponente pela incubadora), pagamento de contas diversas ( telefone, aluguel de equipamentos etc..), aquisição de materiais de consumo, manutenção e conservação de máquinas e equipamentos, prêmios de seguro e depreciação de máquinas,

16 equipamentos, instalações, veículos e outros investimentos em bens duráveis. Fones: (83) 2-92 / Custos variáveis Destina-se ao registro dos custos que são afetados pelo volume de produção ( produtos e/ou serviços) e vendas tais como aqueles relativos a aquisição de matérias primas e outros insumos de produção, materiais de embalagem, transporte ( fretes), bem como, de outras despesas que estejam diretamente relacionadas ao volume de produção e/ou vendas. Demonstrativo de resultados ( Primeiro ano) No quadro apresentado devem ser explicitados os valores relativos aos resultados operacionais previstos para os doze meses que se seguirem ao da incubação do projeto, ou seja: Receita bruta total no primeiro ano ( extraída do quadro 7. ) Custos fixos anuais ( extraído da linha do quadro 7.2 ) Custos variáveis anuais ( extraído da linha 6 do quadro 7.3 ) Devem também ser mencionados resultados não operacionais que possam ser previstos tais como rendimentos de aplicações financeiras, venda de ativos e outras receitas não diretamente ligadas a operação da empresa existente ou a ser criada. Projeção do fluxo de caixa Este quadro tem por objetivo o fornecimento de informações relativas ao fluxo de caixa estimado nos doze primeiros meses subseqüentes ao mês de incubação do projeto. O proponente deve, portanto, indicar por estimativa, a cada mês, os valores das receitas e despesas operacionais e dos investimentos a serem realizados neste período. Observar que os valores mencionados na coluna Total devem ser compatíveis com aqueles indicados nos quadro 7. ( Receita do primeiro ano ); 7.2 e 7.3 ( total dos custos fixos e variáveis) e 6. (investimentos). Indicadores Neste item calculam-se indicadores de avaliação quanto ao faturamento mínimo e o tempo de retorno do investimento. - Ponto de equilíbrio: Primeiro ano Corresponde ao valor do faturamento, para que a empresa possa cobrir, exatamente, os seus custos (custo fixo + custo variável), ou seja, atingir um lucro operacional igual a zero. Ponto de Equilíbrio = Custo Fixo (linha do quadro 7.2) Receita (Total º ano do quadro 7.) Custo Variável (linha 6 do quadro 7.3) X O Ponto de equilíbrio é um percentual sobre a Receita Prevista. Obs.: Se não houver previsão de receita para o primeiro ano, não considere este item. Exemplo: Para Receita Prevista = R$ 5.,; CF = R$.,; CV = R$ 2.5,.., Ponto de Equilíbrio = X = 4% 5., 2.5, Assim, o ponto de equilíbrio para esta empresa é de 4% sobre a receita prevista, o que corresponde ao faturamento mínimo de R$ 2.,.

17 Tempo de retorno (Payback) Fones: (83) 2-92 / É o tempo necessário para se recuperar o dinheiro aplicado no investimento inicial. O tempo calculado em número de meses deve-se arredondar para cima o resultado encontrado. TR =(meses) Investimento Inicial (linha 9 do quadro 6.) Resultado operacional (linha 4 do quadro 8) x 2 Ex. Investimento = R$ 2.,; Lucro no ano = R$.,. Tempo de retorno será 2.,/., =,2 x 2 = 4,4 arredondar para 5 meses. Valor Presente Líquido É o valor atual dos resultados de uma série de períodos de fluxo de caixa menos o investimento inicial. Pra se chegar ao valor atual utiliza-se uma taxa de desconto que diminui o valor efetivo do resultado proporcionalmente ao tempo em que ele ocorre. Essa taxa é baseada nos juros praticados pela economia e no grau de risco do mercado onde a empresa atua. No Brasil, hoje, esta taxa de desconto do valor é de aproximadamente 36% ao ano. Ex.: R$, de lucro daqui a 2 meses, só vale hoje (no presente) R$ 64,. EBITDA EBITDA ( Earning Before Interests, Taxes, Depreciation and Amortization ou lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização.) (=) Receita Líquida (-) Custo dos Produtos Vendidos (CPV) (=) Lucro Bruto (-) Despesas com vendas, gerais e administrativas (SG&A) (=) Resultado Operacional (+) Depreciação e amortização (=) Ebitda O EBITDA representa a geração operacional de caixa da companhia, ou seja, o quanto a empresa gera de recursos apenas em suas atividades operacionais, sem levar em consideração os efeitos financeiros e de impostos. Difere do EBIT, conhecido como o lucro na atividade, no que se refere à depreciação e amortização, pois o EBIT considera estes efeitos contábeis. A utilização do EBITDA ganha importância, porque analisar apenas o resultado final da empresa (lucro ou prejuízo) muitas vezes tem sido insuficiente para avaliar seu real desempenho em um dado período, já que muitas vezes é influenciado por fatores difíceis de serem mensurados. Já para calcular o EBITDA, é preciso somar do lucro operacional a depreciação e amortização inclusas no CMV e nas despesas operacionais. Isso porque essas contas não representam saída de caixa efetiva no período. Em resumo, a depreciação de um equipamento quantifica a perda de sua capacidade produtiva graças ao uso ou tempo, e, portanto, a perda de seu valor para a empresa. Essa perda, vale ressaltar, é

18 Fones: (83) 2-92 / apenas econômica e não financeira, ou seja, não há um desembolso efetivo de recursos no período. Outra conta que deve ser acrescentada no EBITDA é a despesa financeira líquida, que foge do escopo de análise do indicador, ou seja, de efetivo desempenho operacional. Assim, para o cálculo do EBITDA, adicionam-se os juros, depreciação e amortização ao Lucro Operacional Líquido antes dos impostos. O indicador pode ser utilizado na análise da origem dos resultados das empresas e, por eliminar os efeitos dos financiamentos e decisões contábeis, pode medir com clareza a produtividade e a eficiência do negócio. Como percentual de vendas, pode ser utilizado para comparar as empresas quanto à eficiência dentro de um determinado segmento de mercado. Além disso, a variação do indicador de um ano em relação a outro mostra aos investidores se uma empresa conseguiu ser mais eficiente ou aumentar sua produtividade. ANEXOS (Planilhas e esclarecimentos dos elementos financeiros do Plano de Negócio) Custos pré operacionais. Pesquisa de Mercado 2. Registro de Marcas 3. Honorários (Advogado, desenvolvimento marcas, consultores) 4. Registro da Empresa 5. Outras despesas (Transportes, cópias, diversos) Investimento fixo. Máquinas e equipamentos 2. Móveis e utensílios 3. Veículos 4. Imóveis Custos Custos Fixo Mensal Descrição. Salários e encargos 2. Pró-labore 3. Taxa de Incubação 4. Taxas Diversas (luz/telefone/água) 5. Materiais Diversos ( Material escritório, limpeza, propaganda) 6. Manutenção e Conservação 7. Seguros 8. Depreciação 9. Outros (% sobre subtotal) 5% Total Valor Mensal Custo direto de produção Mensal (Custos variáveis)

19 Descrição. Matéria Prima 2. Embalagem 3. Outros insumos 4. Frete 5. Outros (comissões, impostos, etc.) Total Fones: (83) 2-92 / Valor Anual Resumo Investimento Inicial Descrição Valor. Despesas pré operacionais 2. Investimento fixo 3. Capital de giro 3a + 3b + 3c 3.a. Custos diretos 3.b. Custos fixos 3.c. Fundo de caixa (Reserva de capital) Total Demonstrativo simplificado de resultados (º ano) Item Descrição Valores Receita bruta Valor previsto () 2 (-) Deduções Comissão + impostos (2) 3 Receita líquida ( 2 ) = (3) 4 (-) Custo do produto vendido M.D.O + Material direto (4) 5 Margem de contribuição (3 4) = 5 6 (-) Despesa operacional Soma (6. a 6.3) = 6 6. Despesa administrativa Despesas gerais Depreciação Resultado Operacional (5 6) = 7 8 Receitas Financeiras 8 9 (-) Despesas Financeiras 9 Resultado antes do I.Renda = (-) Imposto de Renda = x% (x% * () = 2 Lucro Líquido = - Fluxo de caixa (Controle financeiro de curto prazo) São previsões de entradas e saídas dos recursos financeiros no caixa da empresa. Pode ser diário, semanal, mensal e anual. Exemplo: Descrição Período I Período II Período III Período IX. Saldo caixa inicial X C C C2 2. Total de entradas A A A2 A3

20 3. Total de saídas B B B2 B3 4. Saldo atual C = X + A B C C2 C3 Fones: (83) 2-92 / Impostos incidentes sobre as operações Tipo de Empresa ICMS ISS IPI PIS COFINS Prestadora de serviços NÃO SIM NÃO SIM SIM Comércio SIM NÃO NÃO SIM SIM Indústria NÃO NÃO SIM SIM SIM Comércio e Industria SIM NÃO SIM SIM SIM Depreciação Recursos Vida útil % / ano Obras civis 25 a 3 anos 3.5 Instalações anos. Software 4 anos 25. Equipamentos 5 anos 2. Máquinas anos. Móveis e utensílios anos. Veículos 5 anos 2. Investimento Inicial Despesas Operacionais : Gastos que antecedem o Funcionamento da Empresa. Estudo de Mercado Registro de Marcas Honorários Registro da Empresa. Investimentos Fixo : Gastos com aquisição e instalação de máquinas e equipamentos, imóveis, obras e reformas, veículos, etc. Constituem o Patrimônio da Empresa. Imóveis Veículos Máquinas e Equipamentos Móveis / Utensílios Capital de Giro Inicial: Gastos operacionais necessários para início da atividade da empresa. São despesas com aluguel, pró-labore, salários e encargos, telefone, luz, materiais diversos, etc. que são bancados pelo empreendedor, até o início do recebimento das vendas efetuadas. Estoque de matéria prima. Custo Fixo Reserva (Fundo de caixa)

21 Fones: (83) 2-92 / 2-925

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS.

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. Resumo efetuado a partir do Manual Como Elaborar um plano de negócios SEBRAE/ 2013 Profa. Célia Regina Beiro da Silveira ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS PARA O 1º CONCURSO

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO. Identificação

ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO. Identificação ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO Nome da Entidade Identificação Razão Social CGC/CNPJ Inscrição Estadual Inscrição Municipal Descreva as Pricipais Atividades Desenvolvidas pela Entidade

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso)

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso) NOÇÕES DE CUSTO Receita Entrada de elementos para a empresa (dinheiro ou direitos a receber) Custo (Despesa) É todo o gasto realizado pela empresa para auferir receita Investimento É a aplicação de recursos

Leia mais

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração.

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PLANO DE NEGÓCIIOS Prroff.. Carrllos Mellllo Saal lvvaaddoorr JJANEI IRO/ /22000066 Introdução Preparar um Plano de Negócios é uma das coisas mais úteis que um empresário

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO 1. A Empresa 1.1. Histórico / Aspectos Organizacionais 1.2. Razão Social 1.3. CNPJ 1.4. Inscrição Estadual e/ou Municipal 1.5. Número e data de registro

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO 1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA 1.1. Razão Social: 1.2. Endereços: Fone: - Escritório - Fábrica 1.3.

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14 PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA (inserir logo) SET/14 Índice 1 INTRODUÇÃO-Sumário Executivo 04 1.1 Identificação da Empresa 04 1.1.1 Histórico da empresa 04 1.1.2 Definição do modelo de negócio 05 1.1.3 Constituição

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO

CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO Formação de preço CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO O preço se define a partir do público a quem se dirige o produto e como a empresa se coloca em relação aos produtos e serviços dos concorrentes. Por isso, depende

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

CLEVERSON FORATO ORÇAMENTO E FINANÇAS 1

CLEVERSON FORATO ORÇAMENTO E FINANÇAS 1 ORÇAMENTO E FINANÇAS 1 ORÇAMENTO E FINANÇAS 2 SUMÁRIO: 1) INTRODUÇÃO A GESTÃO FINANCEIRA a. A IMPORTANCIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DAS EMPRESAS b. O CONTEXTO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA c. A FUNÇÃO DO ADMINISTRADOR

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Maria Tereza da Silva Santos Confecção - Exemplo Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Data criação: 09/01/2014 14:36 Data Modificação: 21/02/2014 14:36 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário

Leia mais

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS 11 MODELO DE PLANO DE CONTAS Apresentamos a seguir uma sugestão de plano de contas, para as empresas de construção civil, utilizável também por aquelas que trabalham com obras por empreitada MODELO DE

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO

PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma avaliação antes

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio Engenharia Mecatrônica (ramal

Leia mais

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Plano de Negócio AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Rodovia Celso Garcia Cid 2500 86051-990, Londrina - PR aztech@aztech.com.br André Ricardo Gonçalves - CEO / Tecnologia argoncalves@aztech.com.br

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA EDITAL 04/2009 IDÉIA FLUXO CONTÍNUO INCUBADORA MULTI-SETORIAL DE BASE TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO Novembro de 2009. PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL 1. A PROPOSTA COMERCIAL será constituída de uma Carta Proposta, que trará o valor da CONTRAPRESTAÇÃO PECUNIÁRIA ofertada, através

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

Plano de Negócios para empresas da Internet

Plano de Negócios para empresas da Internet Plano de Negócios para empresas da Internet Modelo Elaboração Prof. Dailton Felipini Mestre Adm. FGV-SP profdailton@e-commerce.org.br Material distribuído gratuitamente Copyright Prof. Dailton Felipini

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco PLANO DE NEGÓCIO Roteiro Financeiro Prof. Fábio Fusco ANÁLISE FINANCEIRA INVESTIMENTO INICIAL O investimento inicial expressa o montante de capital necessário para que a empresa possa ser criada e comece

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

- Plano de Negócio. UASF Unidade de Acesso a Serviços Financeiros SEBRAE/ES

- Plano de Negócio. UASF Unidade de Acesso a Serviços Financeiros SEBRAE/ES - Plano de Negócio UASF Unidade de Acesso a Serviços Financeiros SEBRAE/ES PLANO DE NEGÓCIO ROTEIRO Este roteiro tem como objetivo orientar o empreendedor na busca das informações para elaboração de Plano

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

2.1 - Proponente. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2014. Endereço Telefone Geral Endereço Eletrônico Institucional

2.1 - Proponente. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2014. Endereço Telefone Geral Endereço Eletrônico Institucional SUMÁRIO EXECUTIVO Linha Temática PN solicita Recursos Não - Reembolsáveis 1 1 - Título do Plano de Negócio 2 - Cadastramento: 2.1 - Proponente Razão Social CNPJ Grupo Econômico CNAE principal Faturamento

Leia mais

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro Linhas do BNDES

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro Linhas do BNDES Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro Linhas do BNDES 1. A Empresa 1.1. Histórico / Aspectos Organizacionais 1.2. Razão Social 1.3. CNPJ 1.4. Inscrição Estadual e/ou Municipal 1.5. Número e data de

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

ANEXO C.1. Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas

ANEXO C.1. Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas Proposta de Projeto ANEXO C.1 Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas Carta de Encaminhamento Ao (Nome do Agente Financeiro) Encaminhamos, em anexo, a proposta do projeto ao programa INOVACRED.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO O Plano de Negócios é parte fundamental do processo empreendedor, visto que os empreendedores precisam saber planejar suas ações e delinear

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

modelo abc-commerce de plano de negócios. Modelo ABCcommerce SUMÁRIO Página I. Apresentação 4

modelo abc-commerce de plano de negócios. Modelo ABCcommerce SUMÁRIO Página I. Apresentação 4 Modelo ABCcommerce SUMÁRIO Página I. Apresentação 4 II. SUMÁRIO EXECUTIVO 6 1. O EMPREENDIMENTO 6 1.1. DADOS DA EMPRESA... 6 1.2. DADOS DOS DIRIGENTES... 6 1.3. DEFINIÇÃO DO NEGÓCIO... 6 1.4. FONTES DE

Leia mais

FORMULÁRIO DE PRÉ-INSCRIÇÃO

FORMULÁRIO DE PRÉ-INSCRIÇÃO SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLOGICO DA PARAÍBA 01/2012 PROGRAMA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA 1.1 NOME

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE

CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE Objetivo: Apresentar aos participantes os principais pontos a serem considerados no planejamento

Leia mais

GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA. Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável

GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA. Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável SUMÁRIO 1. Sobre o Guia Rápido 03 2. Passo 1 - Plano de Contas 04

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Programa Incubadora de Empresas e Projetos

Programa Incubadora de Empresas e Projetos Programa Incubadora de Empresas e Projetos INCETEC - Incubadora de Empresas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnológica do Sul de Minas Gerais Campus Inconfidentes Plano de Negócios Nome do Negócio

Leia mais

EMPRESA: MBX Mariscos Belém Ltda.

EMPRESA: MBX Mariscos Belém Ltda. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DANIEL AUGUSTO MENDES REGO 0601003701 GEORGE ANTONIO DE BRITO MELO 06010008901 EMPRESA: MBX Mariscos

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS SÓ DELLA LINGERIES

PLANO DE NEGÓCIOS SÓ DELLA LINGERIES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALESSANDRA PAIXÃO HUNGRIA Mat: 0201010801 FABIANA SUELI DAMASCENO DOS SANTOS Mat: 0101009601

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada

Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada A. Dados Cadastrais A.1. Informações para contato Endereço Completo: Bairro: Cidade: UF: CEP: Telefone: e-mail: Página na Internet: A.2. Caracterização

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração do Resultado do Exercício Tópicos do Estudo Demonstração do Resultado do Exercício. Custo das Vendas. Despesas Operacionais. Resultados não Operacionais

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS: como estruturar um ÉRITON ELVIS DO NASCIMENTO BARRETO 1

PLANO DE NEGÓCIOS: como estruturar um ÉRITON ELVIS DO NASCIMENTO BARRETO 1 PLANO DE NEGÓCIOS: como estruturar um ÉRITON ELVIS DO NASCIMENTO BARRETO 1 Resumo: Este trabalho visa mostrar os itens que devem conter um plano de negócios, para tanto, foram compilados vários demonstrativos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

Tema Nº 3 Primeiros Passos

Tema Nº 3 Primeiros Passos Tema Nº 3 Primeiros Passos Habilidades a Desenvolver: Reconhecer as etapas iniciais do empreendedorismo. Analisar o tipo de negócio, bem como sua viabilidade e demandas de recursos de novos empreendimentos.

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos CAIXA ECONÔMICA FEDERAL AVALIAÇÃO DE RISCO Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS A ANÁLISE

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO EM CIENCIAS CONTÁBEIS PROF: HÉBER LAVOR MOREIRA Eline Cristina Miranda 0501006001 Administração

Leia mais

Plano de Negócios para empresas na Internet

Plano de Negócios para empresas na Internet Plano de Negócios para empresas na Internet Modelo ABCcommerce - VERSÃO 2.3 - Material distribuído gratuitamente Direitos legais: ABC-COMMERCE 2005 Permitida a distribuição desde que mantido no formato

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE AGRONEGÓCIO INOVA AGRO INOVA AGRO 2013 Modelo de Plano de Negócios Outubro de 2013 1 Introdução Este documento

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

EDITAL UnC REITORIA - 031/2015

EDITAL UnC REITORIA - 031/2015 EDITAL UnC REITORIA - 031/2015 Dispõe sobre a chamada de Projetos de Inovação para ingresso nas Incubadoras Tecnológicas e Empresariais da UnC. A Reitora da Universidade do Contestado - UnC, no uso de

Leia mais

Plano de Negócios para empresas na Internet

Plano de Negócios para empresas na Internet Plano de Negócios para empresas na Internet Modelo ABCcommerce - VERSÃO 2.4 - Material distribuído gratuitamente por: Permitida a cópia e distribuição. Não autorizada qualquer alteração de formato ou conteúdo.

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos Exemplos de Aplicação de Projetos Cálculo do Valor de um Negócio ou Empresa; Avaliar Viabilidade de Projetos; Projetos para solicitação de Financiamentos.

Leia mais

O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos

O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos que darão prejuízo. $ Custo fixo; $ Custo variável; $

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais