OCORRÊNCIA DE RUPESTRES BIOMAS NO NOROESTE DO PARANÁ: UMA ANÁLISE GEOECOLÓGICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OCORRÊNCIA DE RUPESTRES BIOMAS NO NOROESTE DO PARANÁ: UMA ANÁLISE GEOECOLÓGICA"

Transcrição

1 OCORRÊNCIA DE RUPESTRES BIOMAS NO NOROESTE DO PARANÁ: UMA ANÁLISE GEOECOLÓGICA Karine Bueno Vargas 1 Juliana Paula Ramos 2 Resumo: Geoecologia é a ciência que atua na interface entre a Geografia e a Ecologia, através de uma estrutura multi e interdisciplinar. Resulta de uma abordagem holística por todas as áreas das ciências envolvidas, para estabelecer e definir os relacionamentos entre os diversos meios que integram os sistemas da paisagem. Sua importância está diretamente relacionada à capacidade de apoio à gestão ambiental e ao planejamento territorial. Este artigo, em caráter de primeira aproximação, vem tratar sobre esta questão, com o objetivo de reacender o interesse das pesquisas paleogeográficas e geoecológicas. O noroeste do Paraná é um importante enclave geoecológico, onde transicionam-se diversos Domínios Morfoclimáticos. Nessa região, elementos dos Domínios adjacentes se repetem dependo das condições fisiográficas locais. O principal fator que influenciou na configuração original da paisagem na região foi a instabilidade paleoclimática do Quaternário que provocou a expansão e a retração das floras até chegarmos à configuração da paisagem que o homem branco encontrou antes da colonização. Ainda assim, não são claros todos os eventos paleoclimáticos que influenciaram tal configuração paisagística. De acordo com a Teoria dos Refúgios Florestais, na fase final do Pleistocêno houve a expansão da vegetação xérófita e retração da vegetação úmida, tornandose refúgios de florestas tropical e sub-tropical, assim como de cerrados. A retomada da umidade no Holoceno trouxe de volta a cobertura vegetal higrófila em detrimento da vegetação xerófila. A geoecologia do noroeste do Paraná, entretanto, ainda levanta mais dúvidas sobre sua gênese que nos faz remeter a fases mais antigas do Pleistocêno. Desta forma é preciso fazer um esforço ainda maior para compreender os refúgios pleistocênicos que atuaram no noroeste do Paraná, assim como o caminho que fizeram até chegar a atual 1 : Aluna de graduação em Geografia da UEM, Maringá PR. 2 : Aluna de graduação em Geografia da UEM, Maringá PR.

2 configuração paisagística. Para tanto é necessário abrir mão de estudos paleopaisagísticos mais antigos, de outros períodos semi-áridos pleistocênicos e até mesmo pré-pliocênicos encontrando talvez a relação entre a gênese do relevo e a origem de alguns Domínios Morfoclimáticos ainda no Terciário. Palavras-chaves: Rupestres Biomas, Noroeste do Paraná, Geoecologia. Introdução A classificação da paisagem é objeto de estudos desde os tempos dos grandes naturalistas introduzida como termo científico-geográfico no início do século XIX por A. von Humboldts. A própria ciência geográfica já foi conceituada como sendo a ciência da paisagem. Atualmente, apesar do objeto de estudo mais bem definido da Geografia, a paisagem continua sendo uma importante categoria geográfica. Graças talvez a multidisciplinaridade desta ciência, foram geógrafos quem mais contribuíram com os estudos paisagísticos, com conceitos e teorias que ajudaram a ciência a classificar a diversidade confusa e de difícil interpretação das paisagens terrestres. Como uma esperança de estudos que pudessem considerar o ser humano, a sociedade e o meio físico como um conjunto, surge, em meados do século XX, a Ecologia da Paisagem, com raízes na Europa Central e Ocidental. Uma das teorias mais interessantes que auxiliaram na criação de uma classificação mais profunda das paisagens foi sem dúvida a de Geossistemas, elaborada pelo soviético Viktor Sotchava e pelo francês Georges Bertrand. Foi com a teoria Geossistêmica que a Geografia pôde aprofundar as relações que envolvem a classificação das paisagens atribuindo considerações mais complexas que se opõem a classificações mais simplistas como a de biomas ou das fisionomias. Na Teoria Geossistêmica os aspectos morfopedológicos, climáticos e botânicos se interagem de uma maneira sistêmica, dando origem à paisagem geográfica strictu sensu que tem uma espacialidade definida em escalas territoriais e temporais, apresentando sua dinâmica própria. No Brasil um dos geógrafos que mais contribuiu com estudos da paisagem, atribuindo um valor genético a elas e se esforçando em refazer o caminho evolutivo destas, foi Aziz

3 Ab Sáber que reconheceu, numa macro-escala, seis regiões naturais no território brasileiro que foram por ele definidas como Domínios de Natureza. Os Domínios são Geossistemas, áreas de grande dimensão territorial onde existem feições típicas de relevo e clima nos quais evoluiu o material genético das floras adaptadas, que comportam os biomas brasileiros. No interior destes Domínios existem fácies de paisagens expressas em menor escala territorial a constituir ecossistemas distribuídos linear ou areolarmente, que constituem nas palavras de Sotchava (1978) os chamados geótopos. As paisagens são para Ab Sáber (2003, pg,9) uma herança em todos os sentidos da palavra. Heranças de processos fisiográficos e biológicos, e patrimônio coletivo dos povos que historicamente as herdaram como território de atuação de suas comunidades. Desta maneira no interior dos Domínios temos elementos que pertenceram a antigas paisagens desestruturadas pela evolução dos continentes e dos climas. Estes elementos fósseis são mostras da evolução geológica e biológica do planeta e mostra que a natureza não é estática, estando em constante transformação. Objetivos O Objetivo deste trabalho é fazer uma análise geoecológica do Noroeste do Estado do Paraná e a partir da reconstituição da originalidade paisagística fazer um esforço na compreensão dos eventos paleoclimáticos que deram origem à esta configuração. Pretende-se também reacender o interesse das pesquisas paleogeográficas e geoecologicas. A escolha do Noroeste do Paraná como área de pesquisa se deve ao fato da região ser um importante enclave geo-ecológico mesmo depois de toda alteração antrópica. Assim espera-se também contribuir com mais argumentos para a manutenção da preservação dos poucos fragmentos de vegetação nativos da região.

4 Material e Métodos Para tecer uma análise geoecológica da região utilizou-se métodos interpretativos capazes de assimilar e explicar os fatos e fenômenos inerentes ao estudo. Para tanto utilizaram-se bases teóricas e conceituais pertinentes a evolução da paisagem regional e uma breve revisão bibliográfica acerca desta temática já desenvolvida no país. Dentre os materiais utilizados, lançou-se mão do material cartográfico já desenvolvido, como mapa geomorfológico, mapa fitogeográfico e mapa geológico. A Paisagem no Viés da Evolução Fisiográfica A evolução das paisagens brasileiras, para como são atualmente (ou eram antes da colonização do homem branco) começaram ao findar a sedimentação do Cretáceo. O inicio do Cenozóico foi para Ab Sáber a passagem de uma história puramente geológica para uma história fisiográfica propriamente dita. Até hoje nas paisagens brasileiras estão impressos elementos fósseis de relevo. Eles indicam os processos que ocorreram nos primórdios do Terciário e que resultam hoje numa característica marcante da paisagem do Brasil: A compartimentação topográfica. Com a passagem do tempo, pouco ou quase nada restou do relevo do páleo-continente Godwana. Processos climáticos foram responsáveis por sua quase total destruição, restando vivo na paisagem da América do Sul apenas algumas formas que remetem à épocas Gondwânicas. Estes paleoclimas, em geral áridos e semi-áridos, foram responsáveis sui generis pelo arrasamento do relevo, criando extensos pediplanos aos moldes do que sugere Bigarella (2007), formados pela coalescência de pedimentos correlativos à esta erosão e que deram origens a superfícies aplanainadas. Entretanto, com bem teorizou Erhardt (1966), os climas secos e úmidos se alteraram. Em fases de harmonia biostática de ambientes úmidos, o intemperismo químico é responsável pela alteração das rochas e pela pedogênese generalizada, dando origem a um espesso material regolítico e intensa mamelonização das vertentes. Nestes períodos, rios perenes incidem seu

5 talvegue dissecando a topografia, destruindo as antigas superfícies geradas em ambientes resistásicos. Com uma mudança climática e instauração de uma nova fase resistásica, os níveis de base regionais passam a limitar a linha de erosão mecânica que passa a destruir as formas de relevo amorreados, removendo o regolito e causando recuo paralelo das vertentes. Cria-se assim depressões interplanálticas e novamente outras superfícies, hoje presentes nas meias vertentes. A sucessão de fases secas e úmidas foram responsáveis pela compartimentação de todo o planalto brasileiro. Dá-se origem a sistemas depressionais na periferia de bacias sedimentares, expondo velhos escudos e compartimentando regionalmente os planaltos com a sucessão de superfícies fósseis mais antigas preservadas. Ao mesmo tempo, fenômenos epirogenéticos soerguem o terreno, esculpe novas bacias através de inúmeros casos de capturas fluviais, rejuvenescendo o relevo. De uma maneira generalizada, as sucessivas mudanças paleoclimáticas, de ambientes resistásicos a biostáticos deram origem a crostas ferrugionosas com laterização de solos espessos formados em ambientes quentes e úmidos sobre a topografia monótona dos antigos pediplanos. Muitas destas crostas ferruginosas que recebem o nome genérico de lateritas sustentam as velhas superfícies e influenciaram no selecionamento genético das floras que sobre estes terrenos se adaptaram, como é o caso do escleromorfismo dos cerrados que ocorreu devido ao olitrofismo dos solos lateríticos do Planalto Central do Brasil, sua área nuclear. O mesmo ocorreu com a caatinga. A constituição de extensos pediplanos rebaixados em ambientes quentes e semi-árido selecionaram as espécies xeromórficas da flora nordestina que veio mais tarde a se constituir um Domínio de Paisagem. Os Domínios paisagísticos, por suas características físicas e biológicas não apresentam um limite definido. Assim, entre uma e outra área nuclear, que é a região onde ocorrem as feições mais típicas da paisagem, existem áreas de transição onde há elementos de um, dois ou mais Domínios que são adjacentes. A exceção é feita entre o Planalto das Araucárias e o Domínio dos Mares de Morros Florestados, que é uma transição que numa escala generalizada ocorre quase que linearmente seguindo os topos divisores da Serra do Mar, onde na vertente oriental úmida que desce até o

6 litoral atlântico, de temperaturas mais quentes, desenvolvem-se várias fisionomias de Florestas densas e úmidas em oposição a Floresta Ombrófila Mista, fisionomia florestal característica do Domínio das Araucárias ao ocidente da aludida serra. Em meados do Quaternário é provável que todos os conjuntos de paisagem brasileiros já tinham mais ou menos a mesma configuração genética, uma vez que ao longo do Terciário e da evolução geomorfológica e climática da América do Sul já tinha havido especiações e endemismos adaptados num sistema ecológico em uma escala generalizada (Domínios). Entretanto a distribuição espacial não era como é atualmente. Esta constatação ocorre, pois em diversos lugares foram identificadas geótopos com indivíduos vegetais pertencentes à outros Domínios de Paisagens inseridas no interior da área nuclear de um outro Domínio. A explicação para tal fenômeno encontra-se a luz na Teoria dos Refúgios Florestais. A Paisagem do Noroeste do Paraná. O território que compreende o Noroeste do Paraná é considerado por Ab Sáber como uma área de transição entre Domínios de Natureza. Nele há espécies vegetais do Domínio do Planalto das Araucárias, Domínio dos Chapadões interiores recobertos por cerrados e penetrados por matas galerias e Domínio dos Mares de Morro Florestados. Chama atenção também, além da presença dos elementos destes Domínios que são adjacentes à região, elementos do Domínio das Depressões interplanálticas semi-áridas de caatingas do Nordeste que tem sua área nuclear a mais de três mil quilômetros de distância e que constituem localmente redutos de cactos e bromélias de chão. Estes indivíduos vegetais formaram um mosaico de vegetação condicionado pelas condições topográficas e edáficas, uma vez que, em uma escala generalizada, o clima e a geologia da região apresenta uma certa homogeneidade. A Geologia do noroeste do Paraná é formada pelas rochas vulcânicas da Formação Serra Geral e por arenitos cretácicos da Formação Goio Erê e da Formação Rio Paraná do Grupo Caiuá (FERNANDES & COIMBRA, 1994). O Clima por sua vez é caracterizado pela transição tropical subtropical (PASSOS et. all. 2006), onde a massa polar Atlântica e os sistemas atmosféricos extratropicais são

7 predominantes. Entretanto a massa Equatorial Continental, a Tropical Continental e as linhas de instabilidade Tropicais agem com freqüência nos meses de verão. Nos meses de inverno há a ocorrência de um período de estiagem curto, pois a ausência de chuvas de instabilidade tropical no inverno é compensada pelas sucessivas invasões de correntes perturbadas do Sul (Frente Polar). As temperaturas anuais têm um caráter mesotérmico e oscilam entre 16 e 20 C. A pluviosidade média é superior a 1000 mm de chuvas e não raro 2000 mm dependendo da condição topográfica (PASSOS op.cit). O noroeste do Paraná está inserido na província geomorfológica do Terceiro Planalto deste estado, marcado por ter um relevo heterogêneo, com planaltos de topos aplainados com pouca movimentação e também regiões com grande dissecação de vales aprofundados. As características geomorfológicas estão de acordo com a proposta de Bigarella (2007) para a evolução do relevo através da teoria das páleo-superfícies. Observa-se que as diferenças estruturais dos basaltos e do arenito Caiuá foram responsáveis pela erosão diferencial que dissecou regiões de menos resistência litológica e preservou em regiões com basaltos colunares, mais homogêneos e resistentes, o relevo aplainado das épocas de ambiente resistásico. As diferenciações topográficas geraram tipos de solos também diferenciados, com Latossolos vermelhos com alto teor de laterização nas regiões de topos aplainados, Latossolos vermelho escuro/nitossolos, nas vertentes da litologia de basalto das regiões dissecadas, Latossolos vermelho amarelos/ Argissolos nas vertentes das litologias sedimentares e Neossolos litólicos/ Cambissolos onde a resistência dos basaltos colunares dificultou a pedogênese, isto de uma maneira generalizada. Obversa-se um condicionameto edáfico das formações vegetais. Pois sobre os solos ácidos e lateriticos há a presença de cerrado. Nos Argissolos das formações areníticas e Nitossolos das formações vulcânicas, assim como Cambissolos, ocorre a floresta estacional semi-decidual, fisionomia florestal geneticamente remetida ao Domínio dos Mares de Morros. Nos planaltos mais elevados, sob Latossolos e Cambissolos em altitudes superiores a 800 metros aparecem as Araucárias em meio a formações florestais heterogêneas com indivíduos dos Planaltos de Araucárias e Mares de Morros. Nos fundos de vale predominam as Matas Galerias assentadas sobre solos Gleysados em quase todas as formações geológicas.

8 Os Neossolos Litólicos dão sustentação ecológica para a presença de Mandacarus, Cactáceas do gênero Cereus que alcançam até 4 metros de altura, e também de indivíduos relictuais de bromélias terrestres da presença da caatinga na região no final do Pleistocêno. Condicionante Paleogeográfico De acordo com Klimek (2006), no terceiro planalto paranaense houve fases de alternância climática entre úmido e seco durante o Pleistocêno que é correlativa a fase do máximo glacial. Durante este período mais seco, a vegetação xeromórfica de caatinga avançou atingindo a região. Com o término da fase seca, a vegetação úmida retornou e alguns indivíduos constituíram redutos de caatinga sobre solos rasos e afloramentos rochosos. A grande dificuldade de interpretação é refazer o caminho dos cerrados e da Floresta Atlântica. Os solos ricos em nutrientes da região dão aporte nutricional a esta última formação florestal. O noroeste do Paraná é a região onde a Mata atlântica, sob a forma de floresta estacional semi-decidual, encontra-se mais interiorizada. No entanto, as florestas dão espaço aos campos cerrados em solos mais laterizados onde os arbóreos do Brasil central estão mais adaptados e tem condições ecológicas propícias para sua disseminação. Os mesmo solos lateríticos não são problemas para o desenvolvimento das Araucárias que são arbóreos que dominam a paisagem do Domínio do Planalto das Araucárias e aparecem nos locais acima da cota dos oitocentos metros de altitude. Na região noroeste do Paraná é onde os dois tipos vegetacionais estão em contato e provavelmente foi ali onde houve a maior troca genética entre estes Domínios. Durante a crise climática do Pleistocêno, ambas formações vegetacionais ficaram retraídas em áreas exíguas para seu desenvolvimento. Não é claro, entretanto, quando, numa escala geológica, que cada tipo vegetacional chegou na região. A presença de cerrados, floresta estacional semi-decidual e florestas de Araucária que são coberturas vegetais úmidas já deviam estar na região em um período anterior à fase de desagregação de Würm-Wisconsin. Deve-se remeter, provavelmente a um outro período interglacial, não muito antigo.

9 O Pleistocêno foi marcado por oscilações climáticas intensas, foram quatro períodos glaciais, dos quais é sabido que o último, a fase Würm-Wisconsin, representou o máximo glacial, ocasionando grandes mudanças ambientais até em baixas latitudes, como é exemplificado pela Teoria dos Refúgios Pleistocênicos. É necessário, como exemplifica o caso do Noroeste do Paraná, refazer o caminho da expansão e retração, além da evolução dos tipos vegetacionais nas fases Riss e Mindel, mas não anterior a estas, pois a transição entre o Plioceno e o Quaternário representou a última grande fase resistásica das quais são originais as últimas paleosuperfícies. O aprofundamento dos estudos das relações ecológicas e a intepretação das origens da paisagem do Noroeste paranaense extravasam o conhecimento sobre a estrutura e funcionamento geossistêmico regional para uma compreensão mais generalizada e multidisciplinar sobre a evolução das paisagens não apenas brasileiras, mas também sulamericanas. Para tanto é necessário um esforço multi-disciplinar e reunião dos conhecimentos nas mais diversas áreas, Geomorfologia, Paleogeografia, Geologia, Pedologia, Botânica, Palinologia, Climatologia, Arqueologia e Biogeografia. Face a este desafio de uma interpretação coletiva, é necessário aventar hipóteses e se esforçar em procura de proposições metodológicas modernas que cumpram com o rigor científico da atualidade à busca conjunta de uma teoria geográfica sobre a evolução das paisagens. Bibliografia: Ab Sáber, A. N. Os Domínios de Natureza no Brasil: Potencialidades paisagísticas. Ateliê editorial. São Paulo. 2003, 159p. Bigarella, J,J;PASSOS, E; HERRMANN, M.L.P; SANTOS, G.F; MENDONÇA,M; SALAMUNI,E; SUGUIO,K; Estrutura e origem das Paisagens tropicais e subtropicais, vol(3). 2 edição, Editora da UFPR, Florianópolis, p. ERHART, H. A Teoria Bio-resistásica e os problemas biogeográficos e paleobiológicos. Notícia Geomorfológica, Campinas, nº 11, pg , Junho, 1966.

10 FERNANDES L.A; COIMBRA, A.M; o Grupo Caiuá (Ks): Revisão estratigráfica e contexto deposicional. Revista Brasileira de Geociências 24(3): , setembro de 1994 PASSOS, M.M; AMORIM, M.C.C.T; SANT ANNA NETO, J.L; Os reflexos do clima na organização do espaço no noroeste do Paraná Brasil. Anais do IV Seminário Latinoamericano de Geografia Física. Maringá MAACK, Reinhard. Mapa fitogeográfico do Estado do Paraná. Escala 1: Curitiba MINEROPAR. Mapa geomorfológico do Estado do Paraná. Escala 1: Disponível em gico_650.pdf. acessado em 21 de Dezembro de MINEROPAR. Mapa Geológico do Estado do Paraná. Escala 1: Disponível em acessado em 21 de Dezembro de SOTCHAVA V.B Por uma teoria de classificação de Geossistemas de vida terrestre. Biogeografia n. 14, São Paulo, 1978.

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Fonte: .

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna Domínio Amazônico Clima equatorial Solos relativamente pobres Relevo

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado Definição Compreende-se como sendo uma Unidade Territorial com características naturais bem marcantes e que o individualizam. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado como sinônimo para identificar

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Geografia: Domínios Morfoclimáticos

Geografia: Domínios Morfoclimáticos Geografia: Domínios Morfoclimáticos 1. (Ufrgs 2015) Considere as afirmações abaixo, sobre os domínios morfoclimáticos propostos pelo geógrafo Aziz Ab'Saber, os quais resultam da interação de clima, relevo

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL UM MOSAICO DE PAISAGENS

BIOMAS DO BRASIL UM MOSAICO DE PAISAGENS BIOMAS DO BRASIL UM MOSAICO DE PAISAGENS Principais Biomas Os biomas diferem quanto à fisionomia, estrutura, e fatores ambientais relacionados ao clima, como temperatura, quantidade e distribuição das

Leia mais

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias.

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias. 01 - (UDESC 2008) Para classificar o relevo, deve-se considerar a atuação conjunta de todos fatores analisados a influência interna, representada pelo tectonismo, e a atuação do clima, nos diferentes tipos

Leia mais

GEOGRAFIA. transformadas

GEOGRAFIA. transformadas GEOGRAFIA Disciplina A (currículo atual 2008) Disciplina B (currículos extintos) 1ª período 59480 Cartografia Geral 68 Geografia Cartografia B 136 37230 Geografia Contida Ementa: Aborda os fundamentos

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

Distinguir os conjuntos

Distinguir os conjuntos A UU L AL A Distinguir os conjuntos Nesta aula, vamos acompanhar como os geógrafos distinguem conjuntos espaciais diferenciados na superfície da Terra. Vamos verificar que tais conjuntos resultam de diferentes

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

Tarefa online 8º ANO

Tarefa online 8º ANO Tarefa online 8º ANO 1) Estabelecendo-se correlações entre a exploração florestal no Globo e as Zonas Climáticas, pode-se inferir que: 2) O Domínio morfoclimático das pradarias é uma área marcada: a) pelo

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

Brasil: Natureza e Sociedade

Brasil: Natureza e Sociedade Brasil: Natureza e Sociedade O Ambiente Natural Devido ao seu tamanho, o Brasil pode ser considerado um continente ou ainda um país com dimensões continentais. É o quinto maior país do mundo em extensão,

Leia mais

IC II Lab. Geo Física. Aula 5. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com

IC II Lab. Geo Física. Aula 5. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com IC II Lab. Geo Física Aula 5 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Domínios vegetacionais e faunísticos Mudanças climáticas e seres vivos Domínios Morfoclimáticos

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

Prova bimestral 5 o ANO 1 o BIMESTRE

Prova bimestral 5 o ANO 1 o BIMESTRE Prova bimestral 5 o ANO 1 o BIMESTRE GEOGRAFIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Leia: O planeta Terra foi formado há mais de 4 bilhões de anos após uma grande explosão. Na atmosfera havia muita água, gases

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL

CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL Essa aula vai permitir que você conheça elementos e fatores do clima, as relações entre eles, os tipos de climas do Brasil e as características dos domínios morfoclimáticos

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 2 Tipos de vegetação Vegetação é caracterizada como o conjunto de plantas de uma determinada região. Em razão da

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Rafael KÖENE e Mário Sérgio de MELO Universidade Estadual de Ponta Grossa A região de Piraí da Serra é um representante remanescente

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO PROFESSOR JULIO BESSA DISCIPLINA GEOGRAFIA SIMULADO: P4 Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br ALUNO TURMA 601 Questão 1

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO Formações vegetais do globo AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO As Grandes Formações Vegetais da Superfície da Terra Tundra Vegetação

Leia mais

Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2012.

Disponível em: <http://www.malariajournal.com/content/figures/1475-2875-9-115-6-l.jpg>. Acesso em: 14 maio 2012. Biomas brasileiros Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2012. Floresta Amazônica Disponível em: .

Leia mais

Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na

Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na 1 Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na composição predominante da vegetação. O padrão climático (temperatura e precipitação) representa o principal aspecto utilizado

Leia mais

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto.

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. BIOMAS BRASILEIROS BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. Bioma é uma área do espaço geográfico, com dimensões até superiores a um milhão de quilômetros quadrados, representada por

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROFa. JULIANA NOME N o 8 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

BIOLOGIA QUÍMICA HISTÓRIA GEOGRAFIA SOCIOLOGIA

BIOLOGIA QUÍMICA HISTÓRIA GEOGRAFIA SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO PROCESSO DE INGRESSO NA UPE Sistema Seriado de Avaliação CADERNO DE PROVA - 2ºDIA BIOLOGIA QUÍMICA HISTÓRIA GEOGRAFIA SOCIOLOGIA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe

Leia mais

Elementos e Fatores de Diferenciação

Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO E ZONEAMENTO CLIMÁTICO A interferência climática sobre a cobertura vegetal é um dos principais fatores que possibilitam uma pluralidade paisagística.

Leia mais

Geografia Fascículo 08 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis

Geografia Fascículo 08 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Geografia Fascículo 08 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Índice Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Resumo Teórico...1 Exercícios...4 Gabarito...6 Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Resumo Teórico

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Aziz Ab Saber (1965) Vegetação, clima, relevo, hidrografia 6 domínios e faixas de transição Domínios Morfoclimáticos

Leia mais

Classificação de Aroldo de Azevedo

Classificação de Aroldo de Azevedo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo O relevo brasileiro apresenta grande variedade morfológica (de formas), como serras, planaltos, chapadas, depressões, planícies e outras, - resultado da ação, principalmente,

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012 PROF. FERNANDO NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMA BRASILEIRO O extenso território brasileiro, a diversidade de formas de relevo, a altitude e dinâmica das correntes e massas de ar, possibilitam uma grande diversidade

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum

Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum Restinga é um termo bastante discutido, tanto por sua origem, se portuguesa, espanhola ou inglesa, quanto por seus conceitos. Várias definições

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

GEOGRAFIA. O espaço brasileiro

GEOGRAFIA. O espaço brasileiro O espaço brasileiro GEOGRAFIA Formação e a expansão do território brasileiro No século XV os países europeus estavam envolvidos em uma política mercantilista o que fazia que se lançassem ao mar em busca

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2

Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2 Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2 1. Um pesquisador visitou as cidades de Salvador, Brasília e Manaus para caracterizar o compartimento geomorfológico de cada uma delas. Ao final do trabalho

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

A PAISAGEM DE ENCLAVE DE ITU-SALTO (SP - BRASIL) SOB A ÓTICA DA TEORIA DOS REFÚGIOS FLORESTAIS

A PAISAGEM DE ENCLAVE DE ITU-SALTO (SP - BRASIL) SOB A ÓTICA DA TEORIA DOS REFÚGIOS FLORESTAIS A PAISAGEM DE ENCLAVE DE ITU-SALTO (SP - BRASIL) SOB A ÓTICA DA TEORIA DOS REFÚGIOS FLORESTAIS Marcia Corrêa Vieira da Silva 1 Adler Guilherme Viadana 2 1. INTRODUÇÃO A superfície terrestre pode ser dividida

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK 1. A vegetação varia de local para local baseada, sobretudo,

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

Aspectos Territoriais: Relevo

Aspectos Territoriais: Relevo América Latina: Aspectos Geográficos Aspectos Territoriais: Relevo América do Sul: diversidade do relevo: O relevo sul americano está distribuído em três grandes porções: Porção leste: formado por um relevo

Leia mais

Curso de Ecologia da Vegetação. Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado

Curso de Ecologia da Vegetação. Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal Curso de Ecologia da Vegetação Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado Ary T. Oliveira

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

AS UNIDADES DE PAISAGEM NA ALTA BACIA DO RIO PIRAPÓ BRASIL: abordagem em bacias hidrográficas

AS UNIDADES DE PAISAGEM NA ALTA BACIA DO RIO PIRAPÓ BRASIL: abordagem em bacias hidrográficas AS UNIDADES DE PAISAGEM NA ALTA BACIA DO RIO PIRAPÓ BRASIL: abordagem em bacias hidrográficas Cássia Maria Bonifácio 1 Maria Teresa de Nóbrega 2 Hélio Silveira 3 A adoção da bacia hidrográfica como unidade

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais

Capítulo 9. Climas Brasileiros. Há grande variação climática, devido:

Capítulo 9. Climas Brasileiros. Há grande variação climática, devido: Capítulo 9 Climas Brasileiros Há grande variação climática, devido: Diferença de latitude (extensão norte-sul); Maior ou menor influência da Maritimidade (extensão leste-oeste). Massas de ar Tipos: Equatoriais,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas;

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas; RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993 Legislação O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, com as alterações

Leia mais

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba VEGETAÇÃO As formações vegetais são tipos de vegetação, facilmente identificáveis, que dominam extensas áreas. É o elemento mais evidente na classificação dos ecossistemas e biomas, o que torna importante

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO FATORES CLIMÁTICOS LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO ALTERAM A DINÂMICA ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS TEMPERATURA, UMIDADE,PRESSÃ O ATMOSFÉRICA Climas

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO São conjuntos de ecossistemas terrestres com vegetação característica e fisionomia típica em que predomina certo tipo de clima. São comunidades

Leia mais

Vegetação do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Vegetação do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Vegetação do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Distribuição da Vegetação Brasileira Depende de fatores climáticos Diferentes classificações Biomas (=>) Domínios Morfoclimáticos Aziz Ab Saber (década 1960)

Leia mais

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo O Clima do Brasil É a sucessão habitual de estados do tempo A atuação dos principais fatores climáticos no Brasil 1. Altitude Quanto maior altitude, mais frio será. Não esqueça, somente a altitude, isolada,

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

BRASIL NO MUNDO: FUSOS HORÁRIOS DO BRASIL. Nossas fronteiras-problema : Fusos horários Mundiais

BRASIL NO MUNDO: FUSOS HORÁRIOS DO BRASIL. Nossas fronteiras-problema : Fusos horários Mundiais BRASIL NO MUNDO: Linha do Equador: 93% Hemisfério Sul 7% Hemisfério Norte Trópico de Capricórnio: 92% zona Tropical 8% Zona temperada do Sul Nossas fronteiras-problema : ( FARC ) Colômbia: Narcotráfico

Leia mais

QUESTÕES DE GEOMORFOLOGIA

QUESTÕES DE GEOMORFOLOGIA QUESTÕES DE GEOMORFOLOGIA Conceitos básicos e objetivos da ciência geomorfológica ficha de aula nº 2 (Questões de 1-7) 1- Um dos importantes instrumentos de que dispõe o professor de Geografia para lecionar

Leia mais