MS/SGEP/Departamento Nacional de Auditoria do SUS. Auditoria Nº Relatório

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MS/SGEP/Departamento Nacional de Auditoria do SUS. Auditoria Nº 11440. Relatório"

Transcrição

1 Auditoria Nº Unidade: HOSPITAL INFANTIL ARLINDA MARQUES Município: JOAO PESSOA-PB 1/12

2 S U M Á R I O I - DADOS BÁSICOS... 3 II - IDENTIFICAÇÃO DOS DIRIGENTES... 3 III - INTRODUÇÃO... 3 IV - METODOLOGIA... 3 V - CONSTATAÇÕES... 5 ATENÇÃO CARDIOVASCULAR NO HOSPITAL INFANTIL ARLINDA MARQUES... CERAC- CENTRAL ESTADUAL DE REGULAÇÃO DE ALTA COMPLEXIDADE - SES/PB... VI - CADASTRO DA NOTIFICACAO VII - REGISTRO FINAL SOBRE A NOTIFICAÇÃO VIII - CONCLUSÃO SISAUD/SUS Criado em:07/05/2012 Página: 2/12 Auditoria Nº /12

3 I - DADOS BÁSICOS Finalidade: Avaliar estrut físico-func do Hosp Inf Arlinda Marques:Ambulatório Cardio Bl Cirur e UTI Fase(s): Tipo Início Término Analítica 03/06/ /06/2011 Execução - In loco 04/07/ /07/ /07/ /07/2011 Execução - In loco 06/10/ /10/ /10/ /10/2011 Unidade Visitada: HOSPITAL INFANTIL ARLINDA MARQUES CPF/CNPJ: Município: JOAO PESSOA-PB Demandante: Ministério Público Federal Forma: Direta Objeto: Assistência- geral Abrangência: setembro/2009 a abril/2011 II - IDENTIFICAÇÃO DOS DIRIGENTES DARCY DE FATIMA LUCKWU DE LUCENA Cargo: Diretora Geral Exercício: 27/02/2009 a 31/12/2010 ALINE NERY BORGES DE CARVALHO Cargo: Diretora Administrativa Exercício: Desde 03/02/2011 CECILIA SARMENTO GADELHA PIRES Cargo: Diretora Técnica Exercício: Desde 01/02/2011 ROSEMILDO JACINTO DE OLIVEIRA Cargo: Diretor Administrativo Exercício: 04/09/2009 a 31/12/2010 MARIA DAS NEVES BATISTA CHIANCA Cargo: DIRETORA TÉCNICA Exercício: 27/02/2009 a 31/12/2010 ANA MARCIA BARBOSA LEITE FERNANDES Cargo: Diretora Geral Exercício: Desde 03/02/2011 III - INTRODUÇÃO Atendendo solicitação do Ministério Público Federal na Paraíba foi realizada de 04 a 08/07/2011 e 06 a 07/10/2011 auditoria no Hospital Infantil Arlinda Marques, Unidade Estadual sob gestão Municipal, localizado em João Pessoa/PB, com objetivo de avaliar a Atenção Cardiovascular em Pediatria, no período de setembro/2009 a agosto/2011. IV - METODOLOGIA SISAUD/SUS Criado em:07/05/2012 Página: 3/12 Auditoria Nº /12

4 Os trabalhos foram realizados em duas fases distintas e desenvolvidos mediante as seguintes ações: Fase Analítica Foram analisados os seguintes documentos: 1. Atas das Reuniões do Ministério Público Federal da Paraíba dos dias 16 de maio de 2011 e 20 de maio de 2011; 2. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES. 3. Gerencial de Saída do Sistema de Informação Hospitalar (SIH/SUS); 4. Consulta às Portarias: PT/SAS/MS /N 210/ Modificada Conforme a PT/SAS/MS/Nº. 123 de 28/02/2005; PT/GM/MS/N 554/2002; PT/GM//MS/Nº. 332/2000; PT/SAS/MS /Nº. 494/99; 5.Consulta às Resoluções: RDC/ANVISA/MS/N 50/2002; Resolução/ANVISA/MS/N 307/2002; Resolução/CONAMA/N 05/1993; RDC/ANVISA/MS/N 189/2003; RDC/ANVISA/Nº. 151/2001; 6. Reunião da equipe e elaboração do Comunicado de Auditoria - CA, enviado previamente ao Hospital Infantil Arlinda Marques - HIAM. Fase Operativa 1. Apresentação da equipe SEAUD-PB à Diretora Geral do Hospital Infantil Arlinda Marques; 2. Reunião com a equipe de Cirurgia Cardiovascular, a Diretora Geral do Hospital e a Diretora Técnica; 3. Visita às instalações físicas do Ambulatório de Cardiologia, Laboratório de Patologia Clínica, Centro de Diagnóstico de Imagem, Centro Cirúrgico, Unidade de Terapia Intensiva-UTI e enfermarias da cirurgia cardiovascular, com verificação das condições estruturais físicas e disponibilidade dos equipamentos destinados a atenção cardiovascular. Durante os trabalhos da auditoria a equipe se empenhou em: 1. Avaliar o quadro de recursos humanos observando a qualificação e capacitação para prestação de assistência aos portadores de doenças cardiovasculares; 2. Avaliar as normas e rotinas de funcionamento e atendimento do serviço; 3. Avaliar o fluxo do atendimento aos usuários na atenção cardiovascular; 4. Avaliar os materiais e equipamentos para o atendimento cardiovascular; 5. Avaliar os recursos diagnósticos e terapêuticos na atenção cardiovascular; 6. Avaliar o quantitativo de cirurgias cardiovasculares realizadas no período de setembro de 2009 a agosto de 2011 e o número de óbito neste período; 7. Avaliar a relação das crianças cardiopatas que foram encaminhadas para tratamento cirúrgico em outros estados, no período de janeiro a julho de 2011; 8. Avaliar o custo total com o transporte e tratamento cirúrgico destas crianças atendidas em outros estados; 9. Verificar a fila de espera de crianças para cirurgias cardiovasculares no período auditado. SISAUD/SUS Criado em:07/05/2012 Página: 4/12 Auditoria Nº /12

5 V - CONSTATAÇÕES Tópico: ATENÇÃO CARDIOVASCULAR NO HOSPITAL INFANTIL ARLINDA MARQUES Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: A Secretaria Estadual de Saúde da Paraíba estruturou o Hospital Infantil Arlinda Marques para assistência em alta complexidade cardiovascular infantil. Evidência: A Atenção Cardiovascular Infantil em João Pessoa/PB foi estruturada em setembro/2009, no Hospital Infantil Arlinda Marques, pela Secretaria Estadual de Saúde - SES/PB, com a contratação de equipe multiprofissional e aquisição de equipamentos médico-hospitalares. Fonte da Evidência: Documentos da SES/PB - Anual da Cirurgia Cardíaca Conformidade: Conforme Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: A equipe de cirurgiões cardiovasculares vinculada ao HIAM, desde setembro de 2009, foi substituída em janeiro de Evidência: Com a posse do novo Governo Estadual em janeiro de 2011, os cirurgiões cardiovasculares que exerciam atividades no HIAM desde setembro de 2009, foram dispensados informalmente, ao tempo em que novos cirurgiões cardiovasculares foram contratados, do mesmo modo que os anteriores - como prestadores de serviços. Fonte da Evidência: Relação Nominal dos Servidores da Cardiologia Pediátrica do Hospital Infantil Arlinda Marques - Equipe setembro/2009 a dezembro/2010 e Equipe janeiro a julho/2011. Conformidade: Conforme Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: Diminuição significativa das cirurgias cardíacas pediátricas realizadas no Hospital Infantil Arlinda Marques, a partir de janeiro de Evidência: Com a mudança da equipe dos cirurgiões cardiovasculares, a partir de janeiro de 2011 houve uma diminuição das cirurgias cardíacas pediátricas no Hospital Infantil Arlinda Marques. De setembro de 2009 a dezembro de 2010, o Hospital realizou 84 (oitenta e quatro) cirurgias cardíacas pediátricas, com uma média mensal de 5,25 cirurgias. De janeiro a agosto de 2011, foram realizadas 17 (dezessete) cirurgias cardíacas pediátricas, com uma média mensal de 2,12 cirurgias. Fonte da Evidência: Documento da Coordenação de Contas Médicas do Hospital Infantil Arlinda Marques. Justificativa: Devido a mudança da equipe dos cirurgiões cardiovasculares pela Secretaria de Saúde do Estado, houve realmente uma diminuição no número de cirurgias nesse espaço de tempo. Atribuímos e creditamos a esse fato, o prazo de adequação natural desses novos profissionais com às equipes multiprofissionais do próprio serviço, como também adequação com a dinâmica e rotina de funcionamento do Complexo Hospitalar Arlinda Marques. Análise da Justificativa: A equipe mantém a não conformidade visto que, o período de 8 (oito) meses é mais que suficiente para adequação da dinâmica e rotina de funcionamento do Serviço de Atenção Cardiovascular. Recomendação: Que a direção do HIAM faça gestão competente, no sentido de otimizar as atividades do serviço da atenção cardiovascular pediátrica, garantindo maior resolutividade nos procedimentos cirúrgicos. Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: O Hospital Infantil Arlinda Marques possui lista de espera de crianças para realização de cirurgia cardiovascular. Evidência: A Direção do Hospital Arlinda Marques apresentou à equipe de auditoria uma relação, datada de junho/2011, SISAUD/SUS Criado em:07/05/2012 Página: 5/12 Auditoria Nº /12

6 SNA - Sistema Nacional de Auditoria do SUS de 47 crianças com idade de 09 meses a 14 anos que aguardam, em lista de espera, tratamento cirúrgico cardiovascular. Fonte da Evidência: Documento - Lista de Cirurgias Complexo Hospitalar Arlinda Marques. Justificativa: O Hospital Arlinda Marques é o único da Paraíba que realiza cirurgias cardíacas pediátricas. Por esse motivo, todos os casos que requerem intervenção cirurgica são encaminhados para o Hospital Arlinda Marques, provocando demanda alta e consequentemente criando lista de espera. Recentemente foi aumentado o quadro de cirurgiões, após celebração de convênio entre o governo do estado com grupo Círculo do Coração/PE. Acreditamos então, que teremos solucionado esse problema da demanda reprimida em um futuro próximo. Análise da Justificativa: A equipe mantém a não conformidade, tendo em vista a baixa produtividade da equipe cardiovascular pediátrica no período de janeiro a agosto de 2011, ser responsável, em grande parte, pelo aumento da lista de espera para assistência das crianças portadoras de cardiopatias congênitas. Acatado: Não Recomendação: Que a direção do HIAM dê condições, de imediato, para realização de quantidade adequada de cirurgias cardiovasculares, evitando assim, o sofrimento crescente das crianças em fila de espera. Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: Observado aumento no percentual de óbito das crianças submetidas a tratamento de cirurgia cardíaca pediátrica, a partir de janeiro de 2011, no Hospital Infantil Arlinda Marques. Evidência: De setembro de 2009 a dezembro de 2010, foram realizadas 84 (oitenta e quatro) cirurgias cardíacas pediátricas no Hospital Infantil Arlinda Marques com registro de 04 (quatro) óbitos, correspondendo a um percentual de 4,76%, enquanto que, no período de janeiro a agosto de 2011, foram realizadas 17 (dezessete) cirurgias, com a ocorrência de 06 (seis) óbitos, correspondente a 35,29%. Fonte da Evidência: MEMO.DCAA/CPAM/N. 10/2011 do Controle e Avaliação do HIAM e o MEMO/20/2011 da Coordenação do SAME do HIAM. Justificativa: Conforme o comparativo dos períodos 2010/2011 em relação a diferença dos números de óbitos, a análise não levou em consideração a complexidade das cirurgias, bem como as causas dos óbitos. Análise da Justificativa: A equipe mantém a não conformidade pois o tipo de cirurgia predominante nas crianças que foram a óbito, no período de janeiro a agosto/2011, Correção Cirúrgica de PCA, foi também a cirurgia realizada em maior frequência no período de setembro/2009 a dezembro/2010, com percentual bem inferior de óbito. Acatado: Não Recomendação: Que a Direção do HIAM realize capacitação para as equipes e que disponibilize insumos, medicamentos e equipamentos para a boa prática da Assistência Cardiovascular Pediátrica. Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: A Sociedade Paraibana de Pediatria afirma que a redução das cirurgias realizadas no Hospital Infantil Arlinda Marques prejudica crianças da Paraíba. Evidência: De acordo com Declaração da Sociedade Paraibana de Pediatria, as crianças maiores ou com cardiopatias menos complexas, que poderiam ser operadas no nosso Estado, também estão sendo prejudicadas, pois houve uma redução drástica no número de cirurgias no Hospital Infantil Arlinda Marques a partir de janeiro de Fonte da Evidência: Documento da Sociedade Paraibana de Pediatria, datado de 04 de julho de Justificativa: A partir de 17/10/2011, com a contratação da equipe do círculo do coração, foram realizadas 16 cirurgias cardíacas, menos ou mais complexas, atendendo então sugestões da Sociedade Paraibana de Pediatria (tabela de cirurgias em anexo). Análise da Justificativa: A equipe acata parcialmente as justificativas, visto que a auditoria foi realizada no período de setembro/2009 a agosto/2011 e que a contratação do Círculo do Coração se deu a partir de 17/10/2011, caracterizando uma iniciativa positiva da gestão, entretanto a sua resolutividade, devido o curto período de atuação, não permite uma avalição adequada do novo momento da Atenção Cardiovascular Pediátrica no HIAM. SISAUD/SUS Criado em:07/05/2012 Página: 6/12 Auditoria Nº /12

7 SNA - Sistema Nacional de Auditoria do SUS Acatado: Parcialmente Recomendação: Que o Círculo do Coração cumpra o contrato com a SES/PB quanto a capacitação das equipes que atuam na Atenção Cardiovascular Pediátrica do HIAM e que encrementem o volume de procedimentos cirurgicos evitando as filas de espera que penalizam as crianças cardiopatas do Estado. Destinatários: SECRETARIA DE ESTADO DE SAUDE DA PARAIBA CNPJ: / Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: A Sociedade Paraibana de Pediatria recorre à Secretaria do Estado da Saúde, à Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa e ao Ministério Público, sobre a atual situação na Atenção Cardiovascular Infantil da Paraíba. Evidência: A Sociedade Paraibana de Pediatria apresentou propostas à Secretaria do Estado da Saúde e à Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa, sugerindo a rápida restauração de equipe experiente em cirurgia cardíaca infantil e em assistência pré e pós operatório de UTI Cardíaca Infantil, visando a melhoria da Atenção Cardiovascular Pediátrica na Paraíba. No entanto, até o momento, não foi atendida esta sugestão. Fonte da Evidência: Documento da Sociedade Paraibana de Pediatria,datado de 04 de julho de Justificativa: Em relação a assistência pré e pós operatória, continuamos com os intensivistas e cardiologistas pediátricos com experiência comprovada e conhecida pela Sociedade Brasileira de Pediatria e Sociedade Brasileira de Cardiologia. Análise da Justificativa: A equipe acata a justificativa do auditado, visto que o serviço garante assistência pré e pós operatória, conforme o item 3.4, anexo I da PT/SAS/MS/Nº. 123/2005. Acatado: Sim Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: Criança cardiopata após tratamento cirúrgico no HIAM teve sequela de paraplegia. Evidência: Das 17 (dezessete) crianças submetidas a tratamento cirúrgico cardiovascular realizadas no HIAM, no período de janeiro a agosto/2011, o menor J.I.A.L. após correção cirúrgica Coarctação de Aorta mais PCA teve sequela pós-operatória de paraplegia. Fonte da Evidência: Prontuário médico - Resumo de Alta. Justificativa: A complicação mais temida descrita na literatura do reparo cirúrgico da coactação de aorta é a paraplegia, decorrente de lesão da medula espinhal. A complexa formação de colaterais dificulta prever e evitar a isquemia da medula durante o procedimento. Análise da Justificativa: A equipe acata parcialmente a justificativa, uma vez que este caso requer apuração minuciosa através de um processo técnico-ético. Acatado: Parcialmente Recomendação: Que seja instaurado processo técnico-ético pela Comissão de Ética Médica do HIAM. Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Item: Estrutura Física Instalações/Conservação Constatação: Ambulatório do Hospital Infantil Arlinda Marques dispõe de uma estrutura física ampla, em bom estado de conservação. Evidência: O Ambulatório tem 19 consultórios, 01 específico para Eletrocardiograma e Ecocardiograma e 03 consultórios para o atendimento em cardiologia clínica pediátrica. Sua estrutura física obedece aos Critérios das Normas Gerais de Credenciamento para Assistência em Alta Complexidade Cardiovascular Pediátrica, Anexo I da PT/SAS/MS/N. 123/2005 no item: Estrutura assistencial do Ambulatório. Conformidade: Conforme Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Item: Estrutura Física Instalações/Conservação SISAUD/SUS Criado em:07/05/2012 Página: 7/12 Auditoria Nº /12

8 SNA - Sistema Nacional de Auditoria do SUS Constatação: O Hospital Infantil Arlinda Marques possui um Centro Cirúrgico equipado, contando com três salas de cirurgias, sendo uma exclusiva para cirurgia cardíaca. Evidência: O Hospital conta com um Centro Cirúrgico equipado, com três salas de cirurgias, uma exclusiva para cirurgias cardíacas, contendo todos os itens, em funcionamento, exigidos pelo o Anexo I da PT/SAS/MS/N. 123/ Normas Específicas para Credenciamento em Serviço de Assistência de Alta Complexidade em Cirurgia Cardiovascular Pediátrica. Conformidade: Conforme Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Item: Normas/Rotinas/Protocolos/Comissões Internas Constatação: O Hospital Infantil Arlinda Marques apresentou as Portarias Internas das Comissões exigidas para o funcionamento da Atenção Cardiovascular Pediátrica porém encontra-se funcionando apenas a CCIH. Evidência: Foram apresentadas as Portarias das seguintes Comissões: Óbito, Revisão de Prontuário, Comissão de Controle de Infecção Hospitalar-CCIH, Ética Médica e o Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar. Constatou-se que destas Comissões apenas a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar-CCIH está em pleno funcionamento, de acordo com a PT/SAS/MS/N 123/2005, anexo I, item 2.5. Fonte da Evidência: Visita in loco e Portarias Internas do Hospital Infantil Arlinda Marques - HIAM nºs: 004/2011, 005/2011, 007/2011, 014/2011 e Ata de Posse da Comissão de Ética Médica e as Atas das Reuniões da CCIH. Justificativa: As portarias internas das comissões foram entregues durante visita in loco à auditoria, porém, estão em funcionamento, contrariando esta constatação. Existem atas que provam a justificativa. Análise da Justificativa: A equipe não acata a justificativa da unidade, porque durante os trabalhos da auditoria operativa foram apresentadas, apenas as Atas de Funcionamento da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar-CCIH. Acatado: Não Recomendação: Que a gestão do HIAM implementem todas as Comissões Internas da Unidade, garantindo um bom desempenho do serviço na assistência aos usuários do SUS. Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Item: Estrutura Física Instalações/Conservação Constatação: O Hospital Infantil Arlinda Marques não dispõe de todos os Recursos Diagnósticos e Terapêuticos para Atenção Cardiovascular Pediátrica de Alta Complexidade. Evidência: O Hospital não dispõe em suas dependências dos recursos diagnósticos e terapêuticos exigidos pela PT/SAS/MS/N Anexo I- Item 3.4, para Atenção Cardiovascular de Alta Complexidade Pediátrica, a seguir discriminados: Holter; Ergometria; Unidade de Cardiologia Intervencionista; Agência Transfusional, Unidade de Implante de Marcapasso e Eletrofisiologia, como também, não apresentou as referências devidamente formalizadas, com outros serviços, conforme preconizado na PT/SAS/MS/N 494 de 26/08/1999. Justificativa: Os recursos diagnósticos e terapêuticos exigidos para Atenção Cardiovascular são terceirizados por empenho até o final de todas as licitações Análise da Justificativa: A equipe não acata a justificativa por não ter sido apresentado documento comprobatório dos Serviços Terceirizados. Acatado: Não Recomendação: Que os gestores apresentem referências devidamente formalizadas, com outros serviços, garantindo todos os Recursos Diagnósticos e Terapêuticos para Atenção Cardiovascular Pediátrica de Alta Complexidade. Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: SISAUD/SUS Criado em:07/05/2012 Página: 8/12 Auditoria Nº /12

9 SNA - Sistema Nacional de Auditoria do SUS Item: Estrutura Física Instalações/Conservação Constatação: O Hospital Infantil Arlinda Marques não possui Prontuário Único para os pacientes da Atenção Cardiovascular Pediátrica. Evidência: Contrariando as Normas Gerais de Credenciamento do Anexo I da PT/ SAS/MS/ N 123/2005 o HIAM não possui Prontuário Único para cada paciente, que inclua, atendimento ambulatorial, internação, pronto-atendimento e emergência. O paciente possui uma Ficha do Atendimento Ambulatorial e um Prontuário para a internação. Justificativa: Atualmente possuímos um prontuário distinto para o paciente que é atendido no ambulatório e no hospital, entretanto, temos um sistema de controle que rapidamente identifica os prontuários. Adiantamos que existe um projeto de informatização para 2012 no CPAM, que criará um prontuário único para todo o paciente atendido no ambulatório e no hospital. Análise da Justificativa: A equipe não acata a justificativa pois até o momento não houve cumprimento da PT N 123/ Anexo I. Acatado: Não Recomendação: Implantar o Prontuário Único para cada paciente, conforme as exigências das Normas Gerais de Credenciamento do Anexo I da PT/ SAS/MS/ N 123/2005. Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: O Serviço de Cirurgia Cardiovascular Pediátrica do Hospital Infantil Arlinda Marques, não obedece integralmente às Rotinas e Normas de Funcionamento e Atendimento para assistência de Alta Complexidade em Cirurgia Cardiovascular Pediátrica. Evidência: Não foi apresentada à equipe de auditoria, a escala de profissionais em sobreaviso, das referências interinstitucionais e dos serviços terceirizados, a Portaria de Tecnovigilância nem as Normas e Rotinas para Avaliação de Satisfação do Usuário, em desacordo com as Normas e Rotinas de Funcionamento e Atendimento da PT/SAS/MS/Nº 123/2005 Anexo I - item 3.5. Justificativa: A escala dos cirurgiões cardíacos pediátricos de sobreaviso está anexada a esse processo. As referências interinstitucionais são o Hospital Português e Hospital das Clínicas da UFPE também conveniados com a equipe Circulo do Coração. Quanto aos serviços terceirizados, a justificativa é vista na Constatação Número , exceto os cateterismos cardíacos que são realizados via CERAC com o IMIP/PE. As normas e rotinas para avaliação de satisfação do usuário estão sendo realizadas pela assistente social que faz parte da equipe cardíaca deste Hospital (ver anexo). Análise da Justificativa: Justificativa acatada, tendo em vista que a documentação apresentada atende a exigência da PT/SAS/MS N 123/2005, anexo I-item 3.5. Acatado: Sim Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: O Hospital Infantil Arlinda Marques não garante atendimento de urgência/emergência em Atenção Cardiovascular. Evidência: O Hospital Infantil Arlinda Marques não possui atendimento de urgência/emergência referida em cardiologia que funcione nas 24 horas, em desacordo com as Normas de Classificação e Credenciamento de Unidades de Assistência em Complexidade Cardiovascular-Anexo I da PT/SAS/MS/123/2005, item 1.4. Justificativa: Temos cardiologistas pediátricos em atendimento ambulatorial diário conforme escala em anexo. Temos também, equipe de cardiologistas pediátricos para pareceres solicitados pelo corpo clínico no âmbito hospitalar conforme escalas em anexo, fazendo toda cobertura em Atenção Cardiovascular. Análise da Justificativa: Justificativa acatada, pois o HIAM apresentou escala de profissionais que dão cobertura ao atendimento de Urgência e Emergência Cardiovascular Pediátrico conforme exigência da PT/SAS/MS N 123/2005-item 1.4. Acatado: Sim SISAUD/SUS Criado em:07/05/2012 Página: 9/12 Auditoria Nº /12

10 Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: O Hospital Infantil Arlinda Marques possui uma Unidade de Tratamento Intensivo Pediátrico, Tipo II, equipada para o atendimento de cirurgia cardiovascular pediátrico. Evidência: Constatou-se na visita in-loco que o Hospital possui uma Unidade de Tratamento Intensivo Pediátrico, Tipo II, com 6 leitos, de acordo com a PT/GM/MS/Nº 3432 de 12/08/1998. Esta UTI contém os equipamentos necessários para os cuidados intensivos no pós-operatório de Cirurgia Cardiovascular Pediátrica, conforme PT/SAS/MS Nº 123/ item letra J. Conformidade: Conforme Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: Dos 7 (sete) óbitos das crianças cardiopatas ocorridos no HIAM, no período de janeiro a agosto/2011, 05 (cinco) tiveram como Causa Mortis, a Septicemia. Evidência: Na análise dos 07 (sete) óbitos das crianças cardiopatas ocorridos no HIAM, no período de janeiro a agosto/2011, constatou-se que 05 (cinco) crianças tiveram como Causa Mortis, a Septicemia, correspondendo a um percentual de 71,42%, conforme Declaração de Óbito - DO nºs: , , , , , , Faz-se necessário esclarecer, que das 07 crianças que foram a óbito, 01 (uma) foi submetida a cirurgia cardíaca em novembro de 2010, vindo a óbito em janeiro/2011 e as outras 06 (seis) submetidas a procedimentos cirúrgicos, no período de janeiro a agosto de Fonte da Evidência: Prontuários e Declaração de Óbitos. Justificativa: As crianças cardiopatas têm mais suscetibilidade a adquirir infecções devido a sua doença de base e apresentam maior índice de complicações. Análise da Justificativa: A equipe não acata a justificativa por considerar o percentual de 71,42% de óbito por septicemia bastante elevado. Acatado: Não Recomendação: Que a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do HIAM implemente protocolos e programas educativos e preventivos para evitar a proliferação de infecção no âmbito hospitalar, como estabelecem os itens e do ANEXO I da PT/GM/MS N 2.616/1998,ao tempo em que a Comissão de Revisão de Óbitos/HIAM avalie esses óbitos ocorridos na Unidade, como preconiza o artigo 5 da resolução CRM-PB N 138/2009. Tópico: CERAC- CENTRAL ESTADUAL DE REGULAÇÃO DE ALTA COMPLEXIDADE - SES/PB Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: A Secretaria de Saúde do Estado da Paraíba - SES/PB custeou, com recursos próprios, cirurgias cardiovasculares pediátricas (transposição de grandes artérias) realizadas em outros Estados. Evidência: Para realização de três cirurgias cardiovasculares pediátricas (transposição de grandes artérias), no período de janeiro a julho/2011, a SES/PB pagou com recursos próprios ao Hospital Real Português - Recife/PE, o valor de R$ ,50 (trezentos e oitenta e três mil, duzentos e trinta e nove reais e cinqüenta centavos). Ressalta-se que o Hospital Infantil Arlinda Marques em nenhum período teve ou tem condição técnico-operacionais para realizar cirurgia de transposição de grandes artérias. Fonte da Evidência: Ofício nº 183/GERAV/SES e Relação de Cirurgias agendadas e cirurgiadas de janeiro a julho/2011. Conformidade: Conforme Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: A maioria das patologias cardiovasculares que motivaram a transferência de crianças para outros Estados teriam resolutividade no Hospital Infantil Arlinda Marques. SISAUD/SUS Criado em:07/05/2012 Página: 10/12 Auditoria Nº /12

11 Evidência: Da análise comparativa dos procedimentos realizados no Hospital Infantil Arlinda Marques, no período de setembro/2009 a dezembro/2010, e a relação dos procedimentos das crianças cardiopatas transferidas para outros Estados, de janeiro a julho/2011, constatou-se que do total de 71 (setenta e uma) crianças transferidas, 68 (sessenta e oito) teriam resolutividade de suas patologias no Hospital Infantil Arlinda Marques, com as condições técnico-operacionais oferecidas até dezembro/2010. Ressalta-se que, com as transferências dessas crianças, a Secretaria de Saúde do Estado da Paraíba - SES/PB gastou o montante de R$ ,00 (duzentos e cinquenta e dois mil, oitocentos e oitenta e seis reais), com transporte aéreo convencional, ajuda de custo dos pacientes e familiares e UTI aérea. Fonte da Evidência: Documento da Coordenação das Contas Médicas/Hospital Infantil Arlinda Marques, Relação de Cirurgias Cardíacas/CERAC/PB e Ofício 183/GERAV/SES. Justificativa: A SES/PB não apresentou justificativa. Análise da Justificativa: Mantida a não conformidade, tendo em vista que a Secretaria de Estado da Saúde - SES/PB não apresentou justificativa. Recomendação: Que a SES/PB qualifique os profissionais da Atenção Cardiovascular do HIAM para evitar que cirurgias de baixa e média complexidade em crianças cardiopatas, sejam transferidas para outros estados. Destinatários: SECRETARIA DE ESTADO DE SAUDE DA PARAIBA CNPJ: / Grupo: Assistência Média e Alta Complexidade Constatação Nº: Constatação: A Central de Regulação de Alta Complexidade da Secretaria de Estado da Saúde -CERAC-SES possui crianças cadastradas aguardando procedimentos cardiovasculares em outros Estados. Evidência: A CERAC-SES/PB apresentou relação de crianças que aguardam, em fila de espera, a realização de procedimentos cardiovasculares nos Estados de Pernambuco, São Paulo, Goiás e Rio Grande do Sul. Sabe-se que a demora do tratamento das crianças portadoras de cardiopatias complexas leva a descompensação cardíaca e morte, especialmente quando se trata de casos mais urgentes e que as grandes distâncias no transporte não são suportadas por esses frágeis bebês que não chegam ao seu destino ou tem seu quadro agravado, como afirma a Sociedade Paraibana de Pediatria - SPP. Fonte da Evidência: Documento Central de Regulação de Alta Complexidade-SES/PB, Documento da Sociedade Paraibana de Pediatria - SPP, de 04 de julho de Justificativa: Justificativa não apresentada pela SES/PB. Análise da Justificativa: A equipe mantém a não conformidade, tendo em vista que a SES/PB não apresentou justificativa. Recomendação: Que a SES/PB garanta a realização das cirurgias cardiovasculares pediátricas, melhorando a qualidade do Serviço do HIAM e pactuando as referências com serviços de outros estados, evitando que a longa espera para realização desses tratamentos levem a descompensação e morte das crianças cardiopatas. Destinatários: SECRETARIA DE ESTADO DE SAUDE DA PARAIBA CNPJ: / VI - CADASTRO DA NOTIFICACAO Origem: SEAUD/PB Data: 25/11/2011 Notificado(s) - Pessoa Física: Ofício Nº: 453 Data: 25/11/2011 CPF Nome Cargo Inicio Término CECILIA SARMENTO GADELHA PIRES Diretora Técnica 01/02/ Origem: SEAUD/PB Data: 03/11/2011 Ofício Nº: 342 Data: 03/11/2011 AR Nº: Em mãos Data de envio do AR: 03/11/2011 Data de recebimento do AR: 03/11/2011 Recebedor do AR: Raimunda Zoraide D. Martins Notificado(s) - Pessoa Física: CPF Nome Cargo Inicio Término CECILIA SARMENTO GADELHA PIRES Diretora Técnica 01/02/ Origem: SEAUD/PB Data: 03/11/2011 Ofício Nº: 341 Data: 03/11/2011 AR Nº: Em mãos Data de envio do AR: 03/11/2011 Data de recebimento do AR: 03/11/2011 Recebedor do AR: Raimunda Zoraide D. Martins Notificado(s) - Pessoa Física: CPF Nome Cargo Inicio Término SISAUD/SUS Criado em:07/05/2012 Página: 11/12 Auditoria Nº /12

12 ANA MARCIA BARBOSA LEITE FERNANDES Diretora Geral 03/02/ Origem: SEAUD/PB Data: 03/11/2011 Ofício Nº: 340 Data: 03/11/2011 AR Nº: Em maõs Data de envio do AR: 03/11/ /11/2011 Recebedor do AR: Raimunda Zoraide D. Martins Notificado(s) - Pessoa Física: CPF Nome Cargo Inicio Término ALINE NERY BORGES DE CARVALHO Diretora Administrativa 03/02/ VII - REGISTRO FINAL SOBRE A NOTIFICAÇÃO Os gestores foram notificados através dos Ofícios N s: 340, 341, 342, 453 (prorrogação) e 461. Todos apresentaram justificativas, exceto Ofício N 461, enviado a Secretaria de Estado da Saúde - SES/PB. VIII - CONCLUSÃO Com base no que foi constatado, em auditoria realizada no Hospital Infantil Arlinda Marques, relativo à Atenção Cardiovascular do período de setembro de 2009 a agosto de 2011, conclui-se que: O Hospital Infantil Arlinda Marques - HIAM dispõe de uma estrutura física adequada para a prestação de assistência às crianças portadoras de doenças cardiovasculares, nos setores de Ambulatório de Cardiologia, Bloco Cirúrgico e Unidade de Terapia Infantil, de acordo com os Critérios das Normas Específicas para Credenciamento em Serviços de Assistência de Alta Complexidade em Cirurgia Cardiovascular Pediátrica - Anexo I da PT/SAS/MS/Nº. 123/2005. No entanto, foram detectadas deficiências na sua organização funcional que impedem integralidade e resolutividade na Atenção Cardiovascular Pediátrica, como: a) A inexistência da Rede Estadual e/ou Regional de Assistência Cardiovascular que promova diagnósticos precoces, estabeleçam os fluxos assistênciais e os mecanismos de referência e contra-referência na Atenção de Alta Complexidade; b) Insuficiência de equipes assistênciais qualificadas e capacitadas para prestação de assistência aos portadores de doenças cardiovasculares, em pacientes menores de 18 anos; c) Insuficiência de Recursos Diagnósticos e Terapêuticos para Atenção Cardiovascular de Alta Complexidade Pediátrica; d) A não implementação das Rotinas e Normas de Funcionamento e Atendimento e de Protocolos Assistênciais - o que pode ter contribuido para o elevado número de casos de infecção e consequente óbitos de crianças cardiopatas. Estas deficiências dificultam o acesso à assistência e ao tratamento das crianças portadoras de cardiopatias congênitas do Estado da Paraíba/PB, configurando portanto, um quadro grave de injustiça social e negação lamentável do direito à vida, em desobediência ao que preceitua o Art.7, Capítulo II da Lei N 8080/90. É o relatório. Data de recebimento do SISAUD/SUS Criado em:07/05/2012 Página: 12/12 Auditoria Nº /12

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 Aprova o Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes. [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão editou a portaria n 292 no dia 4 de julho de 2012 que autoriza

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 ORIENTAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO PARA TRANSPLANTES Formular o processo de

Leia mais

Modificado conforme PT SAS/MS nº 123 de 28/02/05 ANEXO II A

Modificado conforme PT SAS/MS nº 123 de 28/02/05 ANEXO II A Modificado conforme PT SAS/MS nº 123 de 28/02/05 ANEXO II A A - FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor) (esse formulário não deve ser modificado e/ou substituído)

Leia mais

Experiência: Projeto de implementação das cirurgias cardíacas no Estado do Rio de Janeiro

Experiência: Projeto de implementação das cirurgias cardíacas no Estado do Rio de Janeiro 1 Experiência: Projeto de implementação das cirurgias cardíacas no Estado do Rio de Janeiro Instituto Nacional de Cardiologia Laranjeiras Responsável: Regina Maria de Aquino Xavier Integrantes da Equipe:

Leia mais

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade Experiência da Contratualização no Município de Curitiba 9º - AUDHOSP Águas de Lindóia Setembro/2010 Curitiba População:1.818.948

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/2015 30/06/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO. Relatório de gestão dos serviços assistenciais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/2015 30/06/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO. Relatório de gestão dos serviços assistenciais PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/2015 30/06/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual do Cérebro: Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer e Hospital

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SERVIÇO AUTÔNOMO HOSPITALAR

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SERVIÇO AUTÔNOMO HOSPITALAR PROGRAMA Nº- 125 GESTÃO PELA QUALIDADE - I Código Descrição SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVOS: Implantar um novo modelo de gestão pela qualidade que dinamiza a capacidade de gestão, agilize

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268

Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268 Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268 1) O que é a Resolução Normativa - RN 259/268? A RN 259, alterada pela RN 268, com vigência a partir do

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Junho/09 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Orientações Gerais 2.1 Entrega de guias 2.2 Numeração de guias 2.3 Pacotes - Autorização e cobrança 3. Identificação do Beneficiário 3.1 Modelo do

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

Manual de Instruções Maio 2007

Manual de Instruções Maio 2007 Manual de Instruções Maio 2007 SUMÁRIO 1. Introdução 03 2. Orientações Gerais 04 2.1 Entrega de guias 04 2.2 Numeração de guias 04 2.3 Pacotes Autorização e cobrança 04 3. Identificação do Beneficiário

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

Rua Virgilio de Melo Franco, 465 - Tabajaras

Rua Virgilio de Melo Franco, 465 - Tabajaras Rua Virgilio de Melo Franco, 465 - Tabajaras MODALIDADE DO PLANO LICITADO E COBERTURAS O Plano licitado é o Ambulatorial Hospitalar com Obstetrícia Coletivo Empresarial, com atendimento em Rede Própria

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPELA DE SANTANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPELA DE SANTANA ANEXO I CARACTERÍSITCAS DO OBJETO Objeto: Contratação de operadora de plano de assistência médico-hospitalar, compreendendo os serviços clínicos e cirúrgicos, ambulatoriais, internação clínica, cirúrgica

Leia mais

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP Complexo Hospitalar - Hospital Filantrópico - Área 69.000 m² - 10 prédios - 1.143 leitos - 101 leitos de UTI NHE (VEH / GRSH / CCIH) COMISSÕES

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95 Regimento Interno Capítulo I Das Finalidades Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 -

Leia mais

ANEXO II 1 NORMAS GERAIS DE CREDENCIAMENTO/ HABILITAÇÃO

ANEXO II 1 NORMAS GERAIS DE CREDENCIAMENTO/ HABILITAÇÃO ANEXO II NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO/HABILITAÇÃO DE UNIDADES DE ASSISTÊNCIA EM ALTA COMPLEXIDADE NO TRATAMENTO REPARADOR DA LIPODISTROFIA E LIPOATROFIA FACIAL DO PORTADOR DE HIV/AIDS 1 NORMAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO *PORTARIA Nº 3.409/GM, DE 05 DE AGOSTO DE 1998 *

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO *PORTARIA Nº 3.409/GM, DE 05 DE AGOSTO DE 1998 * MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO *PORTARIA Nº 3.409/GM, DE 05 DE AGOSTO DE 1998 * O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: a) a importância de garantir o

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado HUMANIZAÇÃO E ACESSO DE QUALIDADE A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado Alexandre Mont Alverne 25/11/2015 Regulação Significado: Michaelis: Regular+ção: ato ou efeito de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS CARGO: ALMOXARIFE a) Descrição Sintética: Zelar pelo Patrimônio Público. b) Descrição Analítica: Controlar as mercadorias de uso da administração municipal;

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social.

CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social. CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social. TRANSIÇÃO Organograma Oficial da Secretaria com os atuais ocupantes, condição (efetivo ou

Leia mais

ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES DE ASSISTÊNCIA EM ALTA COMPLEXIDADE CARDIOVASCULAR

ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES DE ASSISTÊNCIA EM ALTA COMPLEXIDADE CARDIOVASCULAR ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES DE ASSISTÊNCIA EM ALTA COMPLEXIDADE CARDIOVASCULAR 1 NORMAIS GERAIS DE CREDENCIAMENTO 1.1. Planejamento/Distribuição das Unidades 1.1.1 - As

Leia mais

PASSO A PASSO PARA A EXECUÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS ELETIVOS.

PASSO A PASSO PARA A EXECUÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS ELETIVOS. PASSO A PASSO PARA A EXECUÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS ELETIVOS. Este documento tem por objetivo orientar Estados, Distrito Federal e Municípios como proceder no planejamento dos procedimentos Cirúrgicos

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2014 28/02/2014 HOSPITAL ESTADUAL ALBERTO TORRES V. Relatório referente a execução do Contrato de Gestão 31/2012 sobre as ações executadas sobre o apoio ao gerenciamento e

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE UPA CARUARU RELATÓRIO DE EXECUÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE UPA CARUARU RELATÓRIO DE EXECUÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO UPA CARUARU RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 1º TRIMESTRE DO 4º ANO DO CONTRATO DE GESTÃO Período de outubro à dezembro de 2013 fevereiro

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS Sobre o SUS A Constituição Federal do Brasil define, em seu artigo 196 que a saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas,

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

TISS. Manual de Instruções. Manual de Instruções. Troca de Informação em Saúde Suplementar 1/40 ANS 36.825-3

TISS. Manual de Instruções. Manual de Instruções. Troca de Informação em Saúde Suplementar 1/40 ANS 36.825-3 TISS Manual de Instruções Manual de Instruções Troca de Informação em Saúde Suplementar 1/40 1. INTRODUÇÃO 2. ORIENTAÇÕES GERAIS 2.1 Entrega de guias SUMÁRIO......... 2.2 Numeração de guias Pacotes...

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N 259, DE 17 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N 259, DE 17 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N 259, DE 17 DE JUNHO DE 2011 Dispõe sobre a garantia de atendimento dos beneficiários de plano privado de assistência à saúde e altera a Instrução Normativa IN nº 23, de 1º de

Leia mais

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22 IESUS Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS Anexo 1 Instrumentos do Sistema de Informação Hospitalar Laudo Médico para Emissão de AIH O Laudo Médico é o instrumento para solicitação

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 1 Brasília/DF - 2007 1. Introdução A meta deste trabalho é estruturar e auxiliar no correto preenchimento das Guias

Leia mais

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil Gestão do Relacionamento Externo Posicionamento no Sistema de Saúde Coeficiente de Mortalidade Nº de Óbitos / Nº de Indivíduos da Amostra * 1.000 Geral (toda a amostra), por idade (ex: infantil), por sexo

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Ronaldo Nogueira) Dispõe o credenciamento de profissionais e de empresas da área de saúde, para o atendimento de pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) em nível ambulatorial.

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002.

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 640, de

Leia mais

Clínica de Ortopedia e Traumatologia - Térreo

Clínica de Ortopedia e Traumatologia - Térreo Nome do setor/especialidade: Horário de funcionamento: Clínica de Ortopedia e Traumatologia - Térreo - PRONTO SOCORRO ORTOPÉDICO (Emergência; Urgência e Serviço de Imobilizações): >HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO=

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10.

LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10. LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10. DISPÕE SOBRE A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EMERGENCIAL DE PROFISSIONAIS PARA ÁREA MÉDICA ESPECIALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI LEONARDO CHERINI PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000

Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 ATENÇÃO AO PACIENTE/CLIENTE Esta seção agrupa todos os componentes, atividades e serviços que se relacionam aos processos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE - SESAB SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DOS SISTEMAS DE REGULAÇÃO E ATENÇÃO Á SAÚDE

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE - SESAB SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DOS SISTEMAS DE REGULAÇÃO E ATENÇÃO Á SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE - SESAB SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DOS SISTEMAS DE REGULAÇÃO E ATENÇÃO Á SAÚDE REGULAMENTO PARA O CREDENCIAMENTO Nº 01/2011 O Estado da Bahia, por intermédio

Leia mais

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Smartcity Business América 2015 Curitiba PR Brazil Maio de 2015 Sociedades Inteligentes e Governaça Airton Coelho, MsC, PMP Secretário de Ciência e

Leia mais

4. DOS DEVERES 1. DA EMPRESA

4. DOS DEVERES 1. DA EMPRESA 1. APRESENTAÇÃO O Manual Nacional de Acidente do Trabalho tem por finalidade estabelecer normas, regras e diretrizes que norteiem o INTERCÂMBIO de Acidente do Trabalho entre todas as UNIMEDs do país, consolidando

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

Pesquisa da relação entre. médicos, dentistas e fisioterapeutas. com planos de saúde

Pesquisa da relação entre. médicos, dentistas e fisioterapeutas. com planos de saúde Pesquisa da relação entre médicos, dentistas e fisioterapeutas Abril / 2013 Objetivo Conhecer a opinião dos médicos especialistas, cirurgiões-dentistas e fisioterapeutas sobre a relação com os planos ou

Leia mais

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ Larissa Fernanda Silva Borges de Carvalho Enfermeira, Especialista em Gestão de Serviços de Saúde Gerente Assistencial da Maternidade Unimed BH Unidade Grajaú Governança

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF.Nº 60 DOU 30/03/09 p. 62 seção 1 Ministério da Saúde Secretaria

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM. Santa Maria, 06 de Junho de 2013.

PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM. Santa Maria, 06 de Junho de 2013. PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM Santa Maria, 06 de Junho de 2013. INTRODUÇÃO Trata-se de uma proposta de Plano de Saúde no sistema de pré-pagamento para atender os associados da ASSUFSM de Santa Maria/RS,

Leia mais

Manual de Relacionamento com Fornecedor

Manual de Relacionamento com Fornecedor 1 Manual de Relacionamento com Fornecedor 2 I Introdução... 3 1. Missão, visão e valores... 4 II Relacionamento com Fornecedor... 5 1. Qualificação... 6 2. Transporte... 6 3. Veículo... 6 4. Entrega/Recebimento...

Leia mais

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro PARECER CFM nº 4/13 INTERESSADO: CRM-PE ASSUNTO: Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro EMENTA: Em obediência

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS

GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS O sistema GSUS é uma aplicação WEB para gestão operacional da assistência de saúde executada a nível hospitalar ou ambulatorial, tendo como foco

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Audiência Pública, 10 de abril de 2013 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora do Governo

Leia mais

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal;

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal; SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 211, DE 15 DE JUNHO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições; Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

Nutrição e dietética:

Nutrição e dietética: O sistema permite o cadastro de vários almoxarifados, e controla os estoques separadamente de cada um, bem como o cadastro de grupos de estocagem, visando o agrupamento dos insumos estocáveis, classificados

Leia mais

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Dispõe sobre a atuação fonoaudiológica na área hospitalar privada, pública e filantrópica e em atendimento domiciliar e dá outras providências O presente Parecer tem

Leia mais

Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde

Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde Auditoria e Monitoramento dos Sistemas de Informação do SUS 1- O que é Auditoria 2- Objetivos e formas 3- Base Legal O que é Auditoria É a denominação

Leia mais

ICP nº 026/2011 e ICP 011/2011 Assunto: Investigar possíveis irregularidades nos plantões do HRCN RECOMENDAÇÃO Nº 003/2012

ICP nº 026/2011 e ICP 011/2011 Assunto: Investigar possíveis irregularidades nos plantões do HRCN RECOMENDAÇÃO Nº 003/2012 PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE CURRAIS NOVOS Rua Joventino da Silveira, 114, centro, Currais Novos/RN Tel/fax: (84) 3405-3046 CEP: 59380-000 ICP nº 026/2011 e ICP 011/2011 Assunto: Investigar possíveis irregularidades

Leia mais

Dicas para você acertar na hora de contratar seu plano de saúde

Dicas para você acertar na hora de contratar seu plano de saúde Dicas para você acertar na hora de contratar seu plano de saúde A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) elaborou este guia para orientar você na hora de contratar um plano de saúde. São dicas sobre

Leia mais

Produtos Unimed Grande Florianópolis

Produtos Unimed Grande Florianópolis Produtos Unimed Grande Florianópolis A Unimed é o plano de saúde que oferece os melhores médicos do Brasil. Vamos além para que sua saúde seja plena e de qualidade. Para nós, o importante é ver você bem

Leia mais

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS -

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - 4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - EMPRESAS - OS DESAFIOS PARA O SEGMENTO DE AUTOGESTÃO Vilma Dias GERENTE DA UNIDADE CASSI SP AGENDA 1.

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Pelo presente instrumento, com fundamento nos termos que dispõe o art. 5º, 6º, da Lei 7.347/85, bem como no art. 5º e 6º do Decreto 2.181/97 e art. 5º da Lei Complementar

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA Á SAÚDE UPA ENGENHO VELHO RELATÓRIO

Leia mais

Circular 227/2015 São Paulo, 8 de Julho de 2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) Prezados Senhores,

Circular 227/2015 São Paulo, 8 de Julho de 2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) Prezados Senhores, Circular 227/2015 São Paulo, 8 de Julho de 2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) SUSPENSÃO DE REPASSES PROVENIENTES DA REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS E REMANEJAMENTO DE RECURSOS AOS MUNICÍPIOS

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

Manual do Plano de Saúde/PMF

Manual do Plano de Saúde/PMF Manual do Plano de Saúde/PMF INCLUSÃO DE TITULAR DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Cópia RG e CPF; Comprovante de residência em nome do titular (três meses de validade). Contra Cheque (três meses de validade). Ficha

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 A FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo Seletivo Simplificado n 002/2012 destinado

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS MAIO/2007 Blumenau-SC, 18 de maio de 2007. À Rede Credenciada Prezados Credenciados: Como é de conhecimento de todos, dia 31 de maio de 2007 é o prazo que a Agência

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar)

Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar) Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar) 0 Última Atualização: 16/05/07 9:30h SUMÁRIO I Introdução Página 2 II - Formulários/ Legendas Página 5 II.1 Guias Página 5 2.1.1

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

I - COM BASE NO RELATÓRIO DO CRM

I - COM BASE NO RELATÓRIO DO CRM I - COM BASE NO RELATÓRIO DO CRM I.a) Obrigar o Município a providenciar que apenas médicos participem do ato cirúrgico, reservada as atribuições do corpo de enfermagem, por razões legais e para evitar

Leia mais

MALFORMAÇÃO CONGÊNITA

MALFORMAÇÃO CONGÊNITA MALFORMAÇÃO CONGÊNITA MODELO DE ATENÇÃO INTEGRAL NA REDE DE SAÚDE DEBORA GEJER ANTÔNIO CARLOS MADEIRA DE ARRUDA JOSÉ CARLOS MILARÉ OBJETIVO DESCREVER UM MODELO DE ATENÇÃO INTEGRAL NA REDE DE SAÚDE PARA

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL REDE DE CUIDADOS A PESSOA COM DEFICIÊNCIA

TERMO DE REFERENCIA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL REDE DE CUIDADOS A PESSOA COM DEFICIÊNCIA TERMO DE REFERENCIA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL REDE DE CUIDADOS A PESSOA COM DEFICIÊNCIA 1. Introdução O contínuo processo de aperfeiçoamento do Sistema Unico de Saúde SUS, desde sua

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA 20//2013 1 REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA CAPÍTULO I Princípios e Objetivos ARTIGO 1 O regimento interno do corpo clínico visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliações e direção

Leia mais

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de 1 www.santahelenasuade.com.brmecanismos de Regulação 2 A CONTRATADA colocará à disposição dos beneficiários do Plano Privado de Assistência à Saúde, a que alude o Contrato, para a cobertura assistencial

Leia mais