Edema macular diabético: associação com doenças cardiovasculares e aspectos terapêuticos Dr. Francisco Max Damico CRM-SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Edema macular diabético: associação com doenças cardiovasculares e aspectos terapêuticos Dr. Francisco Max Damico CRM-SP 79.563"

Transcrição

1 Ano 2 - Janeiro de 2013 R et i n o l o g i a M o d e r n a Casos clínicos Prof. Dr. Alexandre Ventura CRM-PE Comentários Dr. Alexandre Taleb CRM-GO Edema macular diabético: associação com doenças cardiovasculares e aspectos terapêuticos Dr. Francisco Max Damico CRM-SP

2 Sumário 3 Edema macular diabético: associação com doenças cardiovasculares e aspectos terapêuticos 8 Caso clínico 1 12 Caso clínico 2 17 Calendário de eventos 2013 Oftalmologia Retinologia Moderna é uma iniciativa da Phoenix Comunicação Integrada, com o objetivo de atualizar os temas propostos em cada edição. Conselho Científico Prof. Dr. Arnaldo Furman Bordon CRM-SP Dr. Francisco Max Damico CRM-SP Prof. Dr. Alexandre Ventura CRM-PE Material de distribuição exclusiva à classe médica. O anúncio veiculado nesta edição é de exclusiva responsabilidade do anunciante. O conteúdo desta publicação reflete exclusivamente a opinião dos autores e não necessariamente a opinião da Phoenix Comunicação Integrada. Esta edição da Revista Retinologia Moderna tem o patrocínio exclusivo da Novartis Laboratórios Ltda. Retinologia Moderna é uma publicação periódica da Phoenix Comunicação Integrada patrocinada por Novartis. Jornalista Responsável José Antonio Mariano (MTb: SP) Endereço Rua Gomes Freire, 439 cj. 6 CEP São Paulo SP Tel.: (11) Fax: (11) Home page e Nenhuma parte desta edição pode ser reproduzida, gravada em sistema de armazenamento ou transmitida de forma alguma por qualquer meio. O conteúdo deste material é de responsabilidade do(s) autor(es) e não expressa, necessariamente, a opinião do laboratório. phx hm 01/03/13 Editorial 2 Caros colegas, É um grande prazer apresentar a vocês o terceiro fascículo da revista Retinologia Moderna. O tema é Diabetes, sempre atual e cada vez mais desafiador. O diabetes é a doença do século. O aumento da população e a mudança dos hábitos de vida tornaram o diabetes uma verdadeira pandemia. Somado a isso, o aumento da expectativa de vida, junto a melhores tratamentos do diabetes, aliados ao fato de que as complicações tardias da doença são diretamente influenciadas pelo tempo de diabetes e controle da glicemia ao longo desse tempo, teremos uma verdadeira explosão do número de pacientes com retinopatia diabética, em particular com Edema Macular Diabético (EMD). A OMS, em 2011, estimou que existiam, no mundo, cerca de 346 milhões de diabéticos, e que cerca de 1% a 3% apresentavam edema macular, o que nos traz o impressionante número de 3,4 milhões a mais de 10 milhões de portadores do EMD. Os estudos RESOLVE, READ, RISE, RIDE, RESTORE e DRCRnet fazem parte da sopa de letrinhas que norteia o tratamento mais avançado do EMD. Há mais de 25 anos, a fotocoagulação a laser reina absoluta no tratamento dessa condição, e todos nós temos familiaridade com ela, assim como sabemos de suas limitações. É também de nosso conhecimento a forte associação entre o infarto agudo do miocárdio e o acidente vascular cerebral com pacientes portadores de EMD. O Prof. Dr. Max Damico consegue traduzir de forma muito objetiva essa sopa de letrinhas dos estudos e apontar com propriedade a responsabilidade do oftalmologista ao tratar pacientes diabéticos com o uso de antiangiogênicos, destacando a segurança da medicação ranibizumabe avaliada em estudos multicêntricos. Os casos clínicos apresentados pelo Prof. Dr. Alexandre Ventura mostram exatamente o que encontramos no dia a dia: pacientes com acometimento bilateral e clinicamente descompensados. Além disso, destaca a importância do seguimento após o tratamento, visto que recidivas são frequentes. O Prof. Dr. Alexandre Taleb comenta com precisão os aspectos retiniano e sistêmico, chamando a atenção para um tratamento multidisciplinar. Certamente, todos já nos deparamos com casos assim, e, ao longo dos próximos anos, teremos cada vez mais desafios em diabetes; e, com certeza, atualmente podemos proporcionar um tratamento mais eficiente a nossos pacientes. Aproveitem esse terceiro fascículo da Retinologia Moderna. Forte abraço a todos. Arnaldo F. Bordon Editor

3 Edema macular diabético: associação com doenças cardiovasculares e aspectos terapêuticos Dr. Francisco Max Damico CRM-SP Doutor em Ciências USP. Pós-doutorado em Retina Harvard University, Boston. Pós-doutorado em Neurociências USP. O diabetes mellitus acomete de 5% a 8% dos brasileiros. Em 1995, o Brasil era o sexto país do mundo em número de diabéticos, com 4,9 milhões de doentes, e estima-se que, em 2025, esse número será quase 2,5 vezes maior. 1 A doença e suas complicações comprometem muito a qualidade de vida dos portadores por imporem limitações físicas perda da visão é uma das principais. 2,3 A Retinopatia Diabética (RD) é a principal causa de perda visual severa no Brasil e no mundo. Um grande estudo epidemiológico publicado em 1984 (Wisconsin Epidemiologic Study of Diabetic Retinopathy) mostrou que, 20 anos após o diagnóstico do diabetes, 100% dos portadores do diabetes tipo 1 e quase 90% dos portadores de diabetes tipo 2 apresentam algum grau de RD. 3 A principal causa de perda visual é o Edema Macular Diabético (EMD), 4 que pode ocorrer em qualquer estágio da RD. 5 mente, indivíduos com RD em estágio avançado, mas sem história de eventos cardiovasculares prévios, têm maior risco de serem portadores de doença coronariana subclínica, 10 o que reforça ainda mais essa correlação e aumenta a importância da comunicação que deve haver entre oftalmologistas e outros especialistas. Particularmente em relação ao EMD, sua presença aumenta significativamente o risco de mortalidade. 11 O risco de Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) é cerca de 2,5 vezes maior em diabéticos portadores de EMD, e outros fatores de risco são: presença de alguma outra doença A associação entre RD e doenças cardiovasculares é bem conhecida. A presença de RD aumenta significativamente o risco de doenças cardiovasculares, como Acidente Vascular Cerebral (AVC), doença coronariana e insuficiência cardíaca. 6-8 Essas associações refletem a correspondência entre os danos provocados pelo diabetes às microvasculaturas retiniana, cerebral e coronariana. 6,7,9 Adicional- 3

4 cardíaca, história de IAM prévio e uso de antiagregantes plaquetários. 12 O risco de AVC também é duas a três vezes maior em portadores de EMD, especialmente em portadores de arritmia cardíaca, AVC prévio e hiperlipidemia. 12 A importância do controle clínico Pelo fato de a RD estar diretamente relacionada a fatores clínicos, como tempo de doença, controle glicêmico, nível de proteinúria, IAM e AVC, o controle metabólico dos pacientes é uma das mais importantes formas de tratamento. Para avaliar o papel que o controle glicêmico desempenha no aparecimento e na progressão da RD, o estudo Diabetes Control and Complications Trial (DCCT), publicado em 1993, incluiu pacientes com diabetes tipo 1 sem hipertensão arterial, doença renal significativa e hipercolesterolemia, os quais foram acompanhados por 6,5 anos, em média. O estudo mostrou que o risco de aparecimento de RD diminui cinco vezes nos pacientes submetidos a controle glicêmico intensivo, o risco de progressão da RD diminui três vezes, e a necessidade de fotocoagulação a laser também diminui três vezes. Nesse estudo, o controle glicêmico intensivo foi obtido com três ou mais injeções diárias de insulina, quatro ou mais dosagens diárias de glicose e consultas mensais. Interessantemente, após o término do DCCT, muitos dos pacientes continuaram a ser acompanhados pelos pesquisadores, mas, agora, sem assistência para o controle glicêmico. Os pacientes foram orientados a tentar manter o controle glicêmico como haviam aprendido durante o DCCT; quatro anos depois, os pacientes com controle glicêmico intensivo continuaram a apresentar redução no ritmo de progressão da RD. 13 Esses dados demonstram a importância do nível de glicemia no controle da RD. O início da revolução A partir do final da década de 90, a injeção intravítrea de medicamentos popularizou-se, principalmente pelo uso da Triancinolona Acetonida (TA). Além de um aparente efeito positivo no tratamento da forma exsudativa da Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI), a injeção intravítrea de TA também mostrou-se muito eficiente na diminuição do EMD em curto espaço de tempo, um efeito surpreendente que nunca havia sido observado antes. 15,16 Os corticosteroides modulam a produção de citocinas inflamatórias, de moléculas relacionadas à permeabilidade vascular e estabilizam o endotélio capilar. 17 No entanto a redução do edema macular e a melhora, ou estabilização, da visão são transitórias, e o tratamento está associado a catarata, glaucoma e endoftalmite, 15,16 assim como no tratamento da DMRI. Os resultados foram confirmados pelo Diabetic Retinopathy Clinical Research Network (DRCR.net), um estudo clínico prospectivo e multicêntrico que mostrou que, após quatro meses, as diferenças de espessura macular e visão deixam de ser significativas, e, até o fim do terceiro ano, o resultado do laser supera o da TA (gráfico 1). 18 Oitenta e três por cento dos pacientes fácicos que recebem 4 mg de TA precisam ser submetidos à cirurgia de catarata ao final do terceiro ano. Gráfico 1 Embora o tratamento com injeção intravítrea de TA melhore rapidamente a AV dos diabéticos, esse efeito desaparece, e, após três anos, a fotocoagulação apresenta melhor resultado visual e sem complicações, como catarata e aumento da pressão ocular Média da AV (letras) Fotocoagulação a laser 1 mg trianciolona 4 mg trianciolona Fotocoagulação com laser, o tratamento-padrão por 25 anos Desde a década de 80, o tratamento de escolha para o EMD foi a fotocoagulação da retina com laser. Segundo o Early Treatment Diabetic Retinopathy Study (ETDRS), publicado em 1985, a fotocoagulação com laser (focal ou em grade), reduz pela metade o risco de perda moderada de visão em comparação à ausência de tratamento. No entanto o sucesso do tratamento é relativo, uma vez que apenas 17% dos pacientes apresentam ganho visual significativo. 14 Na busca de tratamentos que melhorem a visão em vez de apenas diminuir a perda visual, novas alternativas terapêuticas vêm sendo estudadas. 50 Baseline AV: Acuidade Visual. Tempo (meses) Adaptado de DRCR.net et al. 18 Finalmente, a reversão sustentada da perda visual Com os resultados muito animadores das injeções intravítreas de anticorpos monoclonais anti-vegf (vascular endothelial growth factor, VEGF) no tratamento da DMRI, somados aos dados de que o VEGF está muito aumentado em olhos com RD e de que desempenha um papel muito importante na patogênese da RD, 19,20 o caminho natural foi o uso dessas moléculas para o tratamento da RD. O mesmo DRCR. net realizou um outro estudo, no qual comparou a fotocoagulação 4

5 com laser à injeção intravítrea de TA e de Ranibizumabe (RBZ). Nesse estudo, ambas as drogas foram associadas à fotocoagulação, mas, no caso de RBZ, as aplicações foram realizadas de duas formas: até uma semana após as aplicações, ou seis ou mais meses após as aplicações. Ao final do segundo ano, os olhos tratados com RBZ apresentaram visão significativamente melhor que os tratados com fotocoagulação apenas ou associada à TA, sendo que a realização da fotocoagulação após seis ou mais meses do início do tratamento com RBZ apresentou melhores resultados visuais (gráfico 2). 21 Gráfico 2 O tratamento com RBZ intravítreo propicia melhor AV após dois anos, em comparação à triancinolona e à fotocoagulação Mudança na AV a partir do baseline (letras) Adaptado de Elman et al. 21 Tempo (semanas) RBZ + FC retardada RBZ + FC imediata FC imediata TA + FC imediata Vários outros estudos clínicos multicêntricos e prospectivos vêm sendo realizados para a determinação da eficácia e da segurança do uso do RBZ no tratamento da RD, principalmente nos casos de EMD. Entre os estudos multicêntricos e com maiores casuísticas, destacam-se dois estudos de fase II (RESOLVE, em que compara RBZ com injeções simuladas, e READ-2, comparando RBZ com fotocoagulação) e dois de fase III (RISE / RIDE, que compara RBZ com injeções simuladas, e RESTORE, que compara RBZ com fotocoagulação). O estudo RESOLVE é um estudo de fase II, o qual incluiu 151 pacientes com EMD. 22 Os pacientes foram divididos em três grupos (injeção simuladas, RBZ 0,3 mg e 0,5 mg) e foram seguidos por um ano. Foram realizadas três injeções intravítreas mensais e, a seguir, conforme a necessi dade, como determinado nas avaliações mensais. A proporção de pacientes que ganharam três ou mais linhas de AV foi três vezes maior nos tratados com RBZ quando comparados aos que receberam injeção simulada. A AV, após um ano, foi 10,3 letras melhor nos pacientes tratados com RBZ e 1,4 letra pior nos que receberam injeção simulada. O estudo READ-2 é um estudo de fase II, o qual incluiu 126 pacientes com EMD. 23 Os pacientes foram divididos em três grupos (fotocoagulação, RBZ e fotocoagulação + RBZ) e foram seguidos por dois anos. As injeções intravítreas de RBZ foram realizadas a cada dois meses e, após a terceira injeção, foram repetidas se a espessura macular fosse maior que 250 µm. Os três grupos apresentaram ganho significativo e semelhante de AV após dois anos, embora, após seis meses, os pacientes tratados com RBZ tenham apresentado ganho significativamente maior que os dos outros grupos. Os pacientes que haviam sido previamente submetidos à fotocoagulação apresentaram ganho significativo de AV, e a fotocoagulação diminuiu a necessidade de injeções intravítreas de RBZ. Os estudos RISE e RIDE são estudos de fase III realizados nos Estados Unidos e na América do Sul, os quais incluíram 759 pacientes com EMD. 24 Os pacientes foram divididos em três grupos (injeção simulada, RBZ 0,3 mg e 0,5 mg) e foram seguidos por dois anos. As injeções intravítreas de RBZ foram realizadas mensalmente. A proporção de pacientes que ganharam três ou mais linhas de AV foi três vezes maior nos tratados com RBZ quando comparados aos O tratamento do EMD com injeções mensais de RBZ diminui 3,7 vezes o risco de progressão para retinopatia diabética proliferativa após dois anos. 5

6 que receberam injeção simulada. Sessenta por cento dos pacientes tratados com RBZ tiveram AV melhor ou igual a 20/40 versus 36% dos tratados com injeção simulada. Quarenta e dois por cento dos pacientes tratados com RBZ ganharam três ou mais linhas de AV versus 12% dos tratados com injeção simulada. A taxa de progressão para RD proliferativa foi 3,7 vezes menos nos pacientes tratados com RBZ. Os resultados de AV encontram-se no gráfico 3. Gráfico 3 Injeções intravítreas mensais de RBZ melhoram significativamente a AV de portadores de EMD após dois anos de seguimento quando comparadas à injeção simulada Ganho médio de AV (letras) Dia 7 Meses Adaptado de: Nguyen et al. 24 RISE 12.5* 11.9* RBZ 0,3 mg RBZ 0,5 mg Injeção simulada O estudo RESTORE é um estudo de fase III, o qual incluiu 345 pacientes com EMD. 25 Os pacientes foram divididos em três grupos (fotocoagulação, RBZ e fotocoagulação + RBZ) e foram seguidos por um ano. Foram realizadas três injeções intravítreas mensais e, a seguir, conforme a necessidade, como determinado nas avaliações mensais. A AV após um ano foi 6,6 letras melhor nos pacientes tratados com RBZ e 0,9 letra pior nos que receberam fotocoagulação (gráfico 4). O número de pacientes com AV 20/40 ou melhor foi três 2.6 vezes maior entre os que foram tratados com RBZ comparados à fotocoagulação. O RESTORE foi o primeiro estudo a avaliar o impacto do tratamento com RBZ na qualidade de vida dos pacientes e mostrou que o tratamento melhora significativamente a visão geral, de longe e de perto, representando um ganho significativo na qualidade de vida dos pacientes. Gráfico 4 Injeções intravítreas mensais de RBZ melhoram significativamente a AV de portadores de EMD após um ano de seguimento quando comparadas à fotocoagulação Variação na AV (letras) Meses Adaptado de: Mitchell et al. 25 RBZ (N = 115) RBZ + Laser (N = 118) Laser (N = 110) +6,8 letras +6,4 letras +0,9 letras RBZ é eficaz e seguro até mesmo em diabéticos A forte associação entre RD/EMD e doenças cardiovasculares (IAM e AVC) levanta preocupações quanto ao uso de anticorpos anti-vegf em pacientes diabéticos. Embora pequena, a absorção sistêmica de RBZ após injeção intravítrea pode, teoricamente, causar inibição sistêmica do VEGF em quantidade que pode ser suficiente para aumentar o risco de eventos cardiovasculares. No entanto os grandes estudos clínicos com RBZ em diabéticos, prospectivos e multicêntricos, não mostraram aumento significativo entre IAM e AVC durante o tratamento com injeções intravítreas nem mesmo nos diabéticos, que já são portadores de vasculopatia sistêmica Conclusão O uso intravítreo do anti-vegf inaugurou uma nova era no tratamento da RD e do EMD. Embora o diabetes seja uma doença crônica e os estudos tenham, no máximo, dois anos de acompanhamento, os resultados visuais e anatômicos mostram que o efeito do RBZ mantém-se durante todo esse tempo. A combinação de RBZ com fotocoagulação parece ser uma alternativa muito eficaz às injeções intravítreas mensais. 23,25 Embora os efeitos adversos sistêmicos sejam pouco frequentes no tratamento com RBZ, a natureza sistêmica do diabetes e a forte associação entre RD/EMD e IAM/AVC obrigam os oftalmologistas a serem criteriosos ao selecionar os pacientes e cuidadosos no acompanhamento. 6

7 Referências bibliográficas 1. King H, Aubert RE, Herman WH. Global burden of diabetes, : prevalence, numerical estimates, and projections. Diabetes Care. 1998;21(9): Fong DS, Aiello L, Gardner TW, King GL, Blankenship G, Cavallerano JD, et al. Diabetic retinopathy. Diabetes Care. 2003;26(1): Kempen JH, O Colmain BJ, Leske MC, Haffner SM, Klein R, Moss SE, et al. The prevalence of diabetic retinopathy among adults in the United States. Arch Ophthalmol. 2004;122(4): Klein R, Klein BE, Moss SE. Visual impairment in diabetes. Ophthalmology. 1984;91(1): Klein R, Klein BE, Moss SE, Davis MD, DeMets DL. The Wisconsin epidemiologic study of diabetic retinopathy. IV. Diabetic macular edema. Ophthalmology. 1984;91(12): Cheung N, Wang JJ, Klein R, Couper DJ, Sharrett AR, Wong TY. Diabetic retinopathy and the risk of coronary heart disease: the Atherosclerosis Risk in Communities Study. Diabetes Care. 2007;30(7): Cheung N, Rogers S, Couper DJ, Klein R, Sharrett AR, Wong TY. Is diabetic retinopathy an independent risk factor for ischemic stroke? Stroke. 2007;38(2): Cheung N, Wong TY. Diabetic retinopathy and systemic vascular complications. Prog Retin Eye Res. 2008;27(2): Krentz AJ, Clough G, Byrne CD. Interactions between microvascular and macrovascular disease in dia betes: pathophysiology and therapeutic implications. Diabetes Obes Metab. 2007;9(6): Kawasaki R, Cheung N, Islam FM, Klein R, Klein BE, Cotch MF, et al. Is diabetic retinopathy related to subclinical cardiovascular disease? Ophthalmology. 2011;118(5): Klein R, Klein BE, Moss SE, Cruickshanks KJ. Association of ocular disease and mortality in a diabetic population. Arch Ophthalmol. 1999;117(11): Nguyen-Khoa BA, Goehring EL Jr, Werther W, Fung AE, Do DV, Apte RS, et al. Hospitalized cardiovascular events in patients with diabetic macular edema. BMC Ophthalmol. 2012;12(1): DCCT/EDIC Research Group. Retinopathy and nephropathy in patients with type 1 diabetes four years after a trial of intensive therapy. N Engl J Med. 2000;342(6): ETDRS Research Group. Photocoagulation for diabetic macular edema. Early Treatment Diabetic Retinopathy Study report number 1. Arch Ophthalmol. 1985;103(12): Yilmaz T, Weaver CD, Gallagher MJ, Cordero-Coma M, Cervantes- Castaneda RA, Klisovic D, et al. Intravitreal triamcinolone acetonide injection for treatment of refractory diabetic macular edema: a systematic review. Ophthalmology. 2009;116(5): Grover D, Li TJ, Chong CC. Intravitreal steroids for macular edema in diabetes. Cochrane Database Syst Rev. 2008(1):CD Golan S, Loewenstein A. Steroids and the management of macular edema. Ophthalmologica. 2010;224 Suppl 1: DRCR.net; Beck RW, Edwards AR, Aiello LP, Bressler NM, Ferris F, et al. Three-year follow-up of a randomized trial comparing focal/grid photocoagulation and intravitreal triamcinolone for diabetic macular edema. Arch Ophthalmol. 2009;127(3): Aiello LP, Avery RL, Arrigg PG, Keyt BA, Jampel HD, Shah ST, et al. Vascular endothelial growth factor in ocular fluid of patients with diabetic retinopathy and other retinal disorders. N Engl J Med. 1994;331(22): Joussen AM, Poulaki V, Le ML, Koizumi K, Esser C, Janicki H, et al. A central role for inflammation in the pathogenesis of diabetic retinopathy. FASEB J. 2004;18(12): Elman MJ, Bressler NM, Qin H, Beck RW, Ferris FL 3rd, Friedman SM, et al. Expanded 2-year follow-up of ranibizumab plus prompt or deferred laser or triamcinolone plus prompt laser for diabetic macular edema. Ophthalmology. 2011;118(4): Massin P, Bandello F, Garweg JG, Hansen LL, Harding SP, Larsen M, et al. Safety and efficacy of ranibizumab in diabetic macular edema (RE- SOLVE Study): a 12-month, randomized, controlled, double-masked, multicenter phase II study. Diabetes Care. 2010;33(11): Nguyen QD, Shah SM, Khwaja AA, Channa R, Hatef E, Do DV, et al. Two-year outcomes of the ranibizumab for edema of the macula in diabetes (READ-2) study. Ophthalmology. 2010;117(11): Nguyen QD, Brown DM, Marcus DM, Boyer DS, Patel S, Feiner L, et al. Ranibizumab for diabetic macular edema: results from 2 phase III randomized trials: RISE and RIDE. Ophthalmology. 2012;119(4): Mitchell P, Bandello F, Schmidt-Erfurth U, Lang GE, Massin P, Schlingemann RO, et al. The RESTORE study: ranibizumab monotherapy or combined with laser versus laser monotherapy for diabetic macular edema. Ophthalmology. 2011;118(4):

8 Caso clínico 1 Prof. Dr. Alexandre Ventura CRM-PE Doutor em Medicina / Oftalmologia pela Universidade de Brasília (UnB). Pós-doutorado em Retina Cleveland Clinic Foundation, EUA. Professor do Depto. de Oftalmologia da FCM de Campina Grande, PB, Facisa / Cesed. Coordenador do curso de Especialização e Residência Médica em Oftalmologia CBO / MEC do Hospital de Olhos Santa Luzia, Recife, PE. Dr. Alessandro de Oliveira Silva Residente do Hospital de Olhos Santa Luzia. 3A 3B Relato de caso Paciente do sexo feminino, descendente de japoneses, 68 anos, encaminhada por colega de outro serviço para avaliar a não melhora visual após facoemulsificação sem intercorrência do Olho Direito (OD). Portadora de hipertensão arterial sistêmica e diabetes tipo 2, há pelo menos 15 anos, não controlada no momento da consulta inicial. Ao exame oftalmológico, mostrou AV de 20/400 em OD e 20/200 parcial em Olho Esquerdo (OE). A biomicroscopia do segmento anterior apresentava córneas transparentes, câmaras profundas, íris tróficas, pupilas regulares, ausência de neovascularizações, pseudofacia em OD com lente in the bag e catarata nuclear e subcapsular posterior inicial em OE. A pressão intraocular era 12 mmhg em 3C 4A Figura 3A OCT OD baseline Figura 3B OCT OD após uma aplicação de RBZ Figura 3C OCT OD após seis aplicações de RBZ 4B Figura 1 Retinografias coloridas, OD e OE na primeira visita 4C Figura 2 AFs, OD e OE na primeira visita 8 Figura 4A OCT OE baseline Figura 4B OCT OE após uma aplicação de RBZ Figura 4C OCT OD após três aplicações de RBZ

9 Ambos os Olhos (AO). O mapeamento de retina de AO mostrava nervo óptico corado, escavação papilar não glaucomatosa, hemorragias, marcas de laserterapia prévias e exsudação com edema associado que caracterizava Edema Macular diabético Clinicamente Significante (EMCS) (figura 1). A angiofluoresceinografia (AF) mostrou tempo braço retina dentro da normalidade, cicatrizes de laser, microaneurismas e extravazamento do contraste típico de edema diabético em polo posterior bilateral (figura 2). Figura 6 AFs, OD e OE após dez meses de tratamento. Observe a opacidade de meios em OE pela catarata. Há ainda microaneurismas em OD, entretanto, há ausência de vazamento do contraste em AO que caracterizaria edema A tomografia de coerência óptica (OCT) apresentou em AO interface vitreorretina sem alterações, entretanto, no baseline, havia importante edema macular mais acentuado em OD (figuras 3A e 4A). Após uma aplicação de RBZ em cada olho, já se observava discreta melhora com diminuição da espessura retiniana (figuras 3B e 4B); após seis aplicações da mesma droga em OD e três no OE, associadas com um pouco mais de laser e controle da patologia de base, foi observada anatomia próxima da normalidade ao OCT (figuras 3C e 4C). Optou-se pelo tratamento com uma aplicação de RBZ inicial em AO e posterior observação do quadro e da sintomatologia. Houve melhora da AV para 20/200 parcial e 20/80 apesar da discreta melhora anatômica à OCT. Foi continuado o tratamento com RBZ mensal associado a duas sessões de laser em AO após 15 dias da dose dois e da dose três, além de controle glicêmico rígido com equipe multidisciplinar. Ao final das três ampolas em AO, ficou decidida a utilização de mais um ciclo apenas em OD totalizando seis aplicações nesse olho. Ao final de dez meses, a paciente evoluiu com 20/40 em OD e 20/60 em OE e encontra-se estabilizada para a realização da facectomia em OE (figuras 5 e 6). A biomicroscopia do segmento anterior apresentava córneas transparentes, câmaras profundas, íris tróficas, pupilas regulares, ausência de neovascularizações, pseudofáscia em OD com lente in the bag e catarata nuclear e subcapsular posterior inicial em OE. Figura 5 Retinografias coloridas, OD e OE após dez meses de tratamento; observe a opacidade de meios em OE pela catarata 9

10 Comentários Dr. Alexandre Chater Taleb CRM-GO Médico Oftalmologista. Doutor em Telemedicina pela USP (Orientador Prof. Dr. Chao Lung Wen). Professor Adjunto de Telemedicina da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás. Diretor Executivo do Centro de Referência em Oftalmologia (CEROF) HC-UFG. Foi Fellow de Retina e Vítreo no Centro Brasileiro de Cirurgia de Olhos (CBCO), Goiânia, GO (Prof. Dr. Marcos P. Ávila). Foi Fellow em Neuroftalmologia no Departamento de Oftalmologia do HC-USP, São Paulo, SP (Prof. Dr. Mario Luiz Ribeiro Monteiro). Esse interessante caso clínico chama-nos a atenção para um fato muitas vezes negligenciado, que é a correta e completa avaliação retiniana do paciente, especialmente o paciente diabético, no pré-operatório de cirurgia de catarata. Nesse sentido, há, atualmente (agosto de 2012), um protocolo do DRCR.net em andamento para identificar a história natural de pacientes com RD sem edema macular que se submetem à cirurgia de catarata. 1 A paciente desse caso clínico, de 68 anos, ao ser examinada no serviço de retina, já apresentava sinais claros de RD crônica, com muitos exsudatos duros em região macular de AO, o que nos faz pensar que, mesmo que houvesse uma descompensação retiniana pós-operatória (o que não é raro em pacientes com RD), o quadro já deveria estar presente no pré-operatório. Ao operar a catarata de um paciente com RD ativa, assume-se o risco de piora do quadro da RD, o qual deve ser cuidadosamente monitorado no pré e no pós- -operatório com OCT e AF. Muitos pacientes com suspeita de edema macular pós-facoemulsificação ainda são tratados apenas com anti-inflamatórios esteroides ou não esteroides tópicos. Apesar de o tratamento clínico ser a primeira opção, não se recomenda que o tratamento tópico seja a única conduta nos pacientes com RD e EMCS. O tratamento instituído com RBZ intravítreo no OD encontra respaldo na literatura mundial 2,3,6,7 e tem como racional o fato de o RBZ bloquear todas as isoformas do VEGF, gerando redução da permeabilidade capilar retiniana e contribuindo para a resolução do EMCS observado nessa paciente, com consequente melhora da AV. Os dados mostram que o RBZ utilizado ao longo de um a dois anos é mais efetivo que placebo e/ou laserterapia em grid macular em melhorar a AV dos pacientes tratados. 2,3 Dados do RESTORE 2 mostram que 45% a 53% dos pacientes tratados com RBZ (isolado ou com laser) apresentaram AV melhor que 20/40 contra 23,6% dos pacientes tratados apenas 10

11 com laser. O RBZ mostrou-se, também, mais efetivo que a fotocoagulação a laser isolada na melhora da AV e da espessura central da mácula nos pacientes estudados. 2,4 No caso clínico apresentado, pode-se ver, nitidamente, a grande melhora anatômica da mácula à OCT (figuras 3 e 4), com normalização da espessura foveal e melhora do padrão angiográfico. Outro fato interessante levantado pelo mesmo caso clínico é do uso do mesmo RBZ para o tratamento pré-operatório do olho adelfo. Observamos, anteriormente, a importância do tratamento da RD, especialmente, do edema macular, antes da realização de cirurgia de catarata. Esse caso clínico vem ilustrar como a terapêutica antiangiogênica pode ser uma aliada efetiva na busca de melhor resultado visual em pacientes com RD e edema macular que serão submetidos à facoemulsificação. Discute-se muito a questão de o tratamento intravítreo bilateral ser realizado no mesmo momento ou em dias distintos. Apesar de não identificarmos essa informação no caso relatado, acreditamos valer a reflexão. Apesar da facilidade de o paciente dirigir-se uma única vez ao bloco cirúrgico e da segurança relativamente alta do procedimento, nossa conduta pessoal é a de não indicar o tratamento bilateral no mesmo momento resguardando 48 horas de intervalo entre as aplicações em cada olho. Sabemos tratar-se de tema controverso, mas essa é nossa conduta de rotina. Referências bibliográficas 1. Diabetic Retinopathy Clinical Research Network. Macular edema after cataract surgery in eyes without pre-operative central-involved diabetic macular edema. Arch Ophthalmol (Submitted for publication). 2. Mitchell P, Bandello F, Schmidt-Erfurth U, Lang GE, Massin P, Schlingemann RO, et al; RESTORE study group. The RESTORE study: ranibizumabe monotherapy or combined with laser versus laser monotherapy for diabetic macular edema. Ophthalmology. 2011;118(4): Esse caso clínico vem ilustrar como a terapêutica antiangiogênica pode ser uma aliada efetiva na busca de melhor resultado visual em pacientes com RD e edema macular que serão submetidos à facoemulsificação. 3. Elman MJ, Bressler MN, Qin H, Beck RW, Ferris FL, Friedman SM, et al. Expanded 2-year follow-up of ranibizumab plus prompt or deferred laser or triamcinolone plus prompt laser for diabetic macular edema. Ophthalmology. 2011;118(4): Bressler S, Qin H, Beck RW, Chalam KV, Kim JE, Melia M, et al, for the Diabetic Retinopathy Clinical Research Network. Factors associated with changes in visual acuity and OCT thickness at 1 year after treatment for diabetic macular edema with ranibizumab. Arch Ophthalmol (Inpress). 5. Frampton JE. Ranibizumab in diabetic macular oedema. Drugs. 2012;72(4): Massin P, Bandello F, Garweg JG, Hansen LL, Harding SP, Larsen M, et al. Safety and efficacy of ranibizumab in diabetic macular edema (RESOLVE Study): a 12-month, randomized, controlled, double-masked, multicenter phase II study. Diabetes Care. 2010;33(11): Nguyen QD, Brown DM, Marcus DM, Boyer DS, Patel S, Feiner L, et al. Ranibizumab for diabetic macular edema: results from 2 phase III randomized trials: RISE and RIDE. Ophthalmology. 2012;119(4):

12 Caso clínico 2 Prof. Dr. Alexandre Ventura CRM-PE Doutor em Medicina / Oftalmologia pela Universidade de Brasília (UnB). Pós-doutorado em Retina Cleveland Clinic Foundation, EUA. Professor do Depto. de Oftalmologia da FCM de Campina Grande, PB, Facisa / Cesed. Coordenador do Curso de Especialização e Residência Médica em Oftalmologia CBO / MEC do Hospital de Olhos Santa Luzia, Recife, PE. Dr. Adle Saulo Pereira Nogueira Residente do Hospital de Olhos Santa Luzia. Relato de caso Paciente de 26 anos, branco, masculino, etilista, tabagista, diabético tipo 1 descompensado, foi encaminhado, durante internação médica, para avaliação oftalmológica. Apresentava baixa visual no OD havia um mês e baixa súbita da visão no OE após 48 horas de internação hospitalar para controle glicêmico. Possuía glicemia de jejum de 432 mg/dl, hemoglobina glicosilada de 14,7% e Índice de Massa Corporal (IMC) de aproximadamente 34. Referia, ainda, que a mãe faleceu por complicações da diabetes antes dos 50 anos de idade e que quase toda a família é diabética. No exame oftalmológico, mostrou AV de 20/200 parcial no OD e 20/800 no OE. A biomicroscopia do segmento anterior apresentava córneas transparentes, câmaras normais, pupilas regulares, ausência de neovascularizações de íris, cristalinos translúcidos e tópicos em AO. O mapeamento de retina de AO apresentava quadro de sofrimento retiniano com exsudação algodonosa; o do OD mostrava nervo óptico corado, escavação papilar fisiológica, micro-hemorragias, exsudação diabética leve e EMD; no OE, quadro de EMD mais severo associado a hemorragias, exsudação dura e visível neovascularização de disco óptico (NVD). Entretanto observavam-se nervo corado e retina totalmente aplicada (figura 1). As AFs da primeira visita mostraram em AO presença de múltiplos microaneurismas, bloqueio do contraste por hemorragias, áreas de não perfusão em AO e NVD do OE (figuras 2A e 2B). A OCT apresentou neurorretina bastante espessada de aspecto cístico compatível com edema macular secundário a DM grave em AO (figura 3). Diante da gravidade do quadro, foi indicada terapia quimioterápica antiagiogênica com RBZ intercalada com fotocoagulação a laser. Figura 1 Retinografias coloridas, OD e OE na primeira visita. Presença de exsudação algodonosa, hemorragias retinianas em AO e NVD em OE Figura 2A Retinografias fluoresceínicas inicias, OD e OE na primeira visita, apresentando múltiplos microaneurismas, bloqueio do contraste por hemorragias, áreas de não perfusão em AO e NVD do OE Foram realizadas aplicações mensais de RBZ, totalizando quatro no OD e seis no OE, associadas a três sessões de laser em AO. Após Figura 2B Retinografias fluoresceínicas mais tardias, OD e OE na primeira visita. Note a perda da zona avascular macular pelo edema e as áreas com perfusão diminuídas em AO 12

13 esse tratamento inicial, o paciente retornou à vida laborativa com visão corrigida de 20/40 no OD e 20/80 no OE. Foram conseguidos controle glicêmico, melhor ajuste da insulina e dos hipoglicemiantes orais, além de dieta adequada. Contudo, cerca de um mês depois, o mesmo paciente retornou, com visão de CD a 1 metro no OE e 20/60 parcial no OD. Referia ainda internamento para tratar uma ferida no pé esquerdo que resultou em amputação do dedo mínimo. No exame, foram observadas hemorragia vítrea no OE, retina totalmente colada e ausência de áreas de trações retinianas pela ultrassonografia diagnóstica (figuras 4 e 5). Foi indicada nova sessão de laser no OD e na periferia do OE, associada a RBZ para controle da NVD do OE, pois, devido à recente amputação e à necessidade de curativos diários, foi contraindicada vitrectomia via pars plana naquele momento. Figura 4 Retinografia colorida de OE; presença de densa hemorragia vítrea A A B B C C Figura 5 Ultrassonografia diagnóstica do OE; presença dehemorragia vítrea nos cortes axial vertical (A), T3 (B) e T9 (C) D Figura 3 OCT, OD e OE na primeira visita (A e B); grande edema macular em AO. OCT de AO, após tratamento inicial (C e D). Regressão do edema em OD e resolução quase total em OE 13

14 Foram realizadas duas aplicações de RBZ no OE, associadas a um controle metabólico rigoroso. Após 120 dias, houve melhora visual para 20/40 parcial e 20/200 (figura 6). Na última AF, em AO, ainda se observavam áreas de não perfusão do contraste e NVD em AO (OE > OD) (figuras 7A e 7B). Na OCT, o OD está dentro da normalidade, e o OE apresenta retorno do edema em região nasal foveolar (figura 8). Diante desse quadro, o paciente será acompanhado de forma rigorosa, e indicar-se-á a continuação do tratamento com laser e RBZ em AO. Foram realizadas aplicações mensais de RBZ, totalizando quatro no OD e seis no OE, associadas a três sessões de laser em AO. Figura 6 Retinografias coloridas, OD e OE (após melhora da hemorragia vítrea). Presença de exsudação algodonosa diminuída, melhora das hemorragias retinianas e marcas de laser em AO, entretanto, manutenção de NVD em OE Figura 7A Retinografias fluoresceínicas inicias, OD e OE (após melhora da hemorragia vítrea) apresentando NVD em AO (OE > OD), alguns microaneurismas e áreas de não perfusão em AO Figura 7B Retinografias fluoresceínicas mais tardias, OD e OE (após melhora da hemorragia vítrea); diminuição da zona avascular macular pelo edema em OE, áreas de retina com perfusão diminuídas e NVD em AO A B Figura 8 OCT, OD e OE da última visita (A e B); manutenção da anatomia em OD e alterações vítreas, sem trações em OE, associadas a retorno do edema em região nasal foveolar 14

15 Comentários Dr. Alexandre Chater Taleb CRM-GO Médico Oftalmologista. Doutor em Telemedicina pela USP (Orientador Prof. Dr. Chao Lung Wen). Professor Adjunto de Telemedicina da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás. Diretor Executivo do Centro de Referencia em Oftalmologia (CEROF) HC-UFG. Foi Fellow de Retina e Vítreo no Centro Brasileiro de Cirurgia de Olhos (CBCO), Goiânia, GO (Prof. Dr. Marcos P. Ávila). Foi Fellow em Neuroftalmologia no Departamento de Oftalmologia do HC-USP, São Paulo, SP (Prof. Dr. Mario Luiz Ribeiro Monteiro). Tratar um paciente diabético tipo I jovem e seriamente descompensado clinicamente é sempre um desafio para os retinólogos. Isso acontece porque, muitas vezes, há circulação retiniana deficiente já presente no momento da primeira avaliação, o que gera um prognóstico visual geralmente reservado. O caso em questão apresenta-nos um paciente que, além do diabetes descompensado (HbA1c de 14,7%), é obeso, tabagista e etilista. O severo comprometimento retiniano é evidente à AF, com áreas de isquemia retiniana em AO (nos quatro quadrantes) e neovasos em disco óptico. OCT comprova o edema macular bilateral. A terapia proposta com RBZ associado à fotocoagulação a laser mostrou-se eficaz no primeiro momento, com melhora da AV de AO e melhora anatômica e da espessura macular à OCT, porém, como evolução previsível, o paciente apresentou hemorragia vítrea em OE (associado a aumento dos neovasos de disco em AO, como pode ser observado nas AFs da figura 7). Dados do estudo RESTORE 1 mostraram que a melhora da AV foi maior com a associação de RBZ à fotocoagulação a laser (22,9% de ganho de AV maior ou igual a 15 letras) e com RBZ isolado (22,6%) que quando os pacientes foram tratados somente com laser (8,2%). Os protocolos de estudo do DRCR.net também têm investigado a associação de laser e RBZ, com resultados semelhantes. 2,3 A eficácia da monoterapia com RBZ é atestada pelos dados dos estudos RESOLVE, 5 RISE e RIDE. 6 Devemos considerar, entretanto, que a terapia antiangiogênica apresenta necessidade de múltiplas injeções intravítreas mensais para que se possa ter um ganho visual sustentado. O recente acesso a esse tratamento pelos planos de saúde amplia a possibilidade de se manter o RBZ como monoterapia ou combinado ao laser nos pacientes com RD proliferativa. Aguarda-se que o SUS delibere sobre autorização de terapia antiangiogênica para DMRI e RD. 15

16 O recente acesso a esse tratamento pelos planos de saúde amplia a possibilidade de se manter o RBZ como monoterapia ou combinado ao laser nos pacientes com RD proliferativa. Referências bibliográficas 1. Mitchell P, Bandello F, Schmidt-Erfurth U, Lang GE, Massin P, Schlingemann RO, et al; RESTORE study group. The RESTORE study: ranibizumabe monotherapy or combined with laser versus laser monotherapy for diabetic macular edema. Ophthalmology. 2011;118(4): Elman MJ, Bressler MN, Qin H, Beck RW, Ferris FL, Friedman SM, et al. Expanded 2-year follow-up of ranibizumab plus prompt or deferred laser or triamcinolone plus prompt laser for diabetic macular edema. Ophthalmology. 2011;118(4): Bressler S, Qin H, Beck RW, Chalam KV, Kim JE, Melia M, et al, for the Diabetic Retinopathy Clinical Research Network. Factors associated with changes in visual acuity and OCT thickness at 1 year after treatment for diabetic macular edema with ranibizumab. Arch Ophthalmol (Impress). 4. Frampton JE. Ranibizumab in diabetic macular oedema. Drugs. 2012;72(4): Em casos como o que se discute, de um paciente de 26 anos de idade e controle difícil, não devemos, entretanto, desconsiderar a possibilidade de uma vitrectomia via pars plana. A cirurgia foi contraindicada no momento da hemorragia vítrea pelo quadro sistêmico do paciente, mas acreditamos que deve ser realizada tão logo se consiga uma melhora sistêmica para retirar o suporte vítreo para crescimento dos neovasos e aliviar áreas de tração retiniana, permitindo que um número menor de injeções venha a ser realizado no futuro. Por último, mas não menos importante, é fundamental ressaltar a importância do rigoroso controle glicêmico do paciente objetivando reduzir consistentemente as taxas de glicemia de jejum e de hemoglobina glicosilada para assegurar um melhor prognóstico futuro. 5. Massin P, Bandello F, Garweg JG, Hansen LL, Harding SP, Larsen M, et al. Safety and efficacy of ranibizumab in diabetic macular edema (RESOLVE Study): a 12-month, randomized, controlled, Double-masked, multicenter phase II study. Diabetes Care. 2010;33(11): Nguyen QD, Brown DM, Marcus DM, Boyer DS, Patel S, Feiner L, et al. Ranibizumab for diabetic macular edema: results from 2 phase III randomized trials: RISE and RIDE. Ophthalmology. 2012;119(4): Flaxel CJ, Edwards AR, Aiello LP, Arrigg PG, Beck RW, Bressler NM, et al. Factors associated with visual acuity outcomes after vitrectomy for diabetic macular edema. Retina. 2010;30(9): Diabetic Retinopathy Clinical Research Network Writing; Haller JA, Qin H, Apte RS, Beck RR, Bressler NM, Browning DJ, et al. Vitrectomy outcomes in eyes with diabetic macular edema and vitreomacular traction. Ophthalmology. 2010;117(6): e3 16

17 Calendário de eventos 2013 Oftalmologia Caro colega, Este espaço é reservado para a divulgação de eventos que possam ser do interesse de oftalmologistas. Caso você queira sugerir algum evento que seja relevante à prática clínica, por favor, encaminhe as informações para para que possamos divulgá-lo a todos os leitores da revista Retinologia Moderna. XVII Congresso da Sociedade Brasileira de Uveítes Data: 14 a 16 de Março Local: Hotel BH Platinum Belo Horizonte, MG Site: XIX Congresso Norte-Nordeste de Oftalmologia Data: 21 a 23 de março Local: Enotel Resort & Spa Porto de Galinhas Ipojuca, PE Site: 4 a Jornada Paulista de Oftalmologia Data: 22 e 23 de março Local: Hotel Fonte Colina Verde São Pedro, SP s: Site: 38 o Congresso da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo Data: 11 a 13 de abril Local: Minas Centro Belo Horizonte, MG Site: XIX Congresso Latinoamericano de Estrabismo, VI Congresso Brasileiro de Estrabismo e Oftalmologia Pediátrica, V Congresso Latinoamericano de Oftalmologia Pediátrica Data: 17 a 20 de abril Local: Hotel Windsor Barra - Rio de Janeiro, RJ s: Site: ASCRS/ASOA Symposium & Congress Data: 19 a 23 de abril Local: San Francisco, Califórnia, Estados Unidos Site: XXI Curso Panamericano de La Asociación Panamericana de Oftalmología, Sociedad Española de Oftalmología Data: 25 a 27 de abril Local: Palacio de Congresos y Exposiciones de Galicia Santiago de Compostela, Espanha Site: VI Congresso Brasileiro da SOBLEC Data: 2 a 4 de maio Local: Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo, SP Telefones: (11) / Site: VII Congresso Brasileiro de Catarata e Cirurgia Refrativa, V Congresso Brasileiro de Administração em Oftalmologia Data: 29 de maio a 1 de junho Local: Hotel Iberostar Bahia Praia do Forte Salvador, BA Telefone: (81) Mais eventos Site: XV Simpósio Internacional da Sociedade Brasileira de Glaucoma Data: 6 a 8 de junho Local: Palácio das Convenções Anhembi São Paulo, SP Telefones: (11) / Site: SOE 2013 European Society of Ophthalmology Data: 8 a 11 de junho Local: Copenhague, Dinamarca Site: 26th International Congress of German Ophthalmic Surgeons Data: 13 a 15 de junho Local: Messezentrum, Nürnberg, Alemanha Site: XX Simpósio Internacional de Atualização em Oftalmologia da Santa Casa de São Paulo Data: 14 e 15 de junho Local: Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa São Paulo, SP Site: VII Congresso Nacional da Sociedade Brasileira de Oftalmologia Data: 26 a 29 de junho Local: Centro de Convenções Mabu Thermas & Resort Foz do Iguaçu, PR Telefone: (21) Site: XXXVII Congresso Brasileiro de Oftalmologia, XXX Congresso Pan-americano de Oftalmologia Data: 7 a 10 de agosto Local: Riocentro Rio de Janeiro, RJ Telefone: (21) JZ Brazil Site: XXXI Congress of the ESCRS European Society of Cataract & Refractive Surgeons Data: 5 a 9 de outubro Local: Amsterdam, Holanda Site: American Academy of Ophthalmology Annual Meeting Data: 16 a 19 de novembro Local: New Orleans, Estados Unidos Site: 17

18 LUCENTIS ranibizumabe. Forma farmacêutica e apresentações: Solução para injeção a 10 mg/ml. Embalagem com 1 frascoampola contendo 2,3 mg de ranibizumabe em 0,23 ml de solução, uma agulha com filtro para retirada do conteúdo do frasco, uma agulha para injeção intravítrea e uma seringa para retirada do conteúdo do frasco e para injeção intravítrea. Indicações: Tratamento da degeneração macular neovascular (exsudativa ou úmida) relacionada à idade (DMRI). Posologia: A dose recomendada é de 0,5 mg (0,05 ml) administrada como injeção intravítrea única. O intervalo entre as duas doses não deve ser menor que 1 mês. Os pacientes devem ser monitorados mensalmente para verificar a acuidade visual. O tratamento é administrado mensalmente e continuado até que a acuidade visual máxima seja alcançada, confirmada pela acuidade visual estável por três avaliações mensais consecutivas durante o tratamento com Lucentis. O tratamento é retomado com injeções mensais quando o monitoramento indicar uma perda da acuidade visual devido a DMRI úmida e deve continuar até que a acuidade visual estável seja alcançada por três avaliações mensais consecutivas. Lucentis pode ser administrado em pacientes que receberam fotocoagulação a laser previamente. Lucentis deve ser administrado por um oftalmologista qualificado usando técnicas assépticas. Deve ser administrada adequada anestesia e um microbicida tópico de amplo espectro antes da injeção. O paciente deve ser instruído para se auto-administrar colírios contendo antimicrobianos 4 vezes ao dia por 3 dias antes e após cada injeção. Não é recomendado para crianças e adolescentes. Contraindicações: Hipersensibilidade ao ranibizumabe ou a qualquer um dos excipientes, pacientes com infecções oculares ou perioculares ativas ou suspeitas, pacientes com inflamação intraocular ativa. Precauções e Advertências: Injeções intravítreas foram associadas com endoftalmite, inflamação intraocular, descolamento de retina regmatogênico, ruptura da retina e catarata traumática iatrogênica. Portanto, técnicas de injeção asséptica apropriadas devem ser utilizadas. Os pacientes devem ser monitorados durante a semana seguinte à injeção para permitir um tratamento precoce caso ocorra uma infecção. Aumentos transitórios na pressão intraocular (PIO) têm sido observados nos primeiros 60 minutos após a injeção de Lucentis. Aumentos sustentados da PIO também têm sido relatados. A pressão intraocular e a perfusão da cabeça do nervo óptico devem ser apropriadamente monitoradas e controladas. Existe um risco potencial de eventos tromboembólicos arteriais após uso intravítreo de inibidores do fator de crescimento endotelial vascular (VEGF). Uma taxa de acidente vascular cerebral numericamente maior foi observada em pacientes tratados com ranibizumabe 0,5 mg comparado com ranibizumabe 0,3 mg ou controle, entretanto, as diferenças não foram estatisticamente significantes. Pacientes com fator de risco de acidente vascular cerebral conhecido, incluindo histórico de acidente vascular cerebral anterior ou ataque isquêmico transiente, devem ser cuidadosamente avaliados por seu médico se o tratamento de Lucentis é apropriado e se o benefício sobrepõe o potencial risco. Assim como todas as proteínas terapêuticas existe um potencial de imunogenicidade com Lucentis. Lucentis não foi estudado em pacientes com infecções sistêmicas ativas ou em pacientes com condições oculares simultâneas como descolamento de retina ou buraco macular. Não deve ser usado durante a gravidez a menos que o benefício esperado supere o risco potencial para o feto. Para as mulheres que desejam engravidar e têm sido tratadas com ranibizumabe, é recomendável esperar pelo menos 3 meses após a última dose de ranibizumabe antes de engravidar, recomenda-se o uso de contraceptivos eficazes em mulheres com potencial para engravidar, amamentação não é recomendada. Após o tratamento, os pacientes podem desenvolver distúrbios visuais transitórios, que podem interferir na habilidade de dirigir veículos ou operar máquinas. Pacientes não devem dirigir veículos ou operar máquinas enquanto esses sintomas persistirem. Interações medicamentosas: Não foram realizados estudos de interação formal. Reações adversas: muito comuns: inflamação intraocular, vitreíte, descolamento do vítreo, hemorragia retiniana, distúrbio visual, dor no olho, moscas volantes, hemorragia conjuntival, irritação dos olhos, sensação de corpo estranho nos olhos, lacrimejamento aumentado, blefarite, olho seco, hiperemia ocular, prurido nos olhos, pressão intraocular aumentada, nasofaringite, dor de cabeça e artralgia. Comuns: degeneração retiniana, distúrbio retiniano, descolamento retiniano, ruptura retiniana, descolamento do epitélio pigmentar retiniano, ruptura do epitélio pigmentar retiniano, redução da acuidade visual, hemorragia vítrea, distúrbio vítreo, uveíte, irite, iridociclite, catarata, catarata sub-capsular, opacificação da cápsula posterior, ceratite ponteada, abrasão da córnea, turvação da câmara anterior (flare), visão borrada, hemorragia no local da injeção, hemorragia no olho, conjuntivite, conjuntivite alérgica, secreção do olho, fotopsia, fotofobia, desconforto ocular, edema palpebral, dor palpebral, hiperemia conjuntival, acidente vascular cerebral, influenza, anemia, ansiedade, tosse, náusea, reações alérgicas (rash, prurido, urticária, eritema). Incomuns: cegueira, endoftalmite, hipópio, hifema, ceratopatia, adesão da íris, depósito corneal, estria corneal, dor no local da injeção, irritação no local de injeção, sensação estranha no olho, irritação na pálpebra. Graves: relacionadas com injeções intravítreas incluem endoftalmite, descolamento de retina regmatogênico, ruptura da retina e catarata traumática iatrogênica. USO ADULTO. VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA Reg. MS Informações completas para prescrição disponíveis à classe médica mediante solicitação. Contraindicações: Hipersensibilidade ao ranibizumabe ou a qualquer um dos excipientes, pacientes com infecções oculares ou perioculares ativas ou suspeitas, pacientes com inflamação intraocular ativa. Interações medicamentosas: Não foram realizados estudos de interação formal. 18

19

20 MATERIAL PRODUZIDO EM AGOSTO/2012. ACESSE LC REVISTA RETINOLOGIA 3 0, BR

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA NOTA TÉCNICA 207/2013 Solicitante Juíza MARCILENE DA CONCEIÇÃO MIRANDA Processo número: 166.13.001954-9 (0019549-92.2013.8.13.0166) Data: 29/10/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA. Sumário 1. Resumo executivo... 2. 1.1 Recomendação... 2

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA. Sumário 1. Resumo executivo... 2. 1.1 Recomendação... 2 Nota Técnica 94/2013 Data: 15/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Dr. José Hélio da Silva 4ª Vara Cível da Comarca de PousoAlegre - MG Processo número:0103076-29.2013 TEMA:

Leia mais

RT 05 /2015. Antiangiogênicos na retinopatia diabética

RT 05 /2015. Antiangiogênicos na retinopatia diabética 27/03/2015 RT 05 /2015 Antiangiogênicos na retinopatia diabética SOLICITANTE : Juíza Cláudia Helena Batista, da 3ª Unidade Jurisdicional do Juizado Especial de Belo Horizonte NÚMERO DO PROCESSO: 9018733.24.2015.813.0024

Leia mais

372/2014. Ranibizumabe para Retinopatia diabética

372/2014. Ranibizumabe para Retinopatia diabética 11/07/2014 372/2014 Ranibizumabe para Retinopatia diabética SOLICITANTE : Dr Fabiano Teixeira Perlato Juiz de Direito da Comarca de Carmo do Rio Claro /MG NÚMERO DO PROCESSO: 0026614-73.2014.8.13.0144

Leia mais

LUCENTIS ranibizumabe

LUCENTIS ranibizumabe LUCENTIS ranibizumabe APRESENTAÇÕES Solução para injeção a 10 mg/ml. Embalagem com 1 frasco-ampola contendo 2,3 mg de ranibizumabe em 0,23 ml de solução, uma agulha com filtro para retirada do conteúdo

Leia mais

Departamento de Oftalmologia da A

Departamento de Oftalmologia da A Departamento de Oftalmologia da A CBHPM: 3.03.12.12-4 Página 51 Porte 10C, 1 aux, Porte anestésico 5 50 mil crianças cegas no mundo Se não ttar doença limiar: 50% evolui anatomica e funcionalmente mal

Leia mais

Eylia. Solução injetável aflibercepte (40 mg/ml)

Eylia. Solução injetável aflibercepte (40 mg/ml) Eylia Solução injetável aflibercepte (40 mg/ml) EYLIA aflibercepte APRESENTAÇÕES: Eylia (aflibercepte) apresenta-se em forma de solução injetável, em frascos-ampola. Cada frasco-ampola contém um volume

Leia mais

EYLIA aflibercepte VIA INTRAVÍTREA USO ADULTO

EYLIA aflibercepte VIA INTRAVÍTREA USO ADULTO EYLIA aflibercepte APRESENTAÇÕES: Eylia (aflibercepte) apresenta-se em forma de solução injetável, em frascos-ampola. Cada frasco-ampola contém um volume de enchimento de 0,278 ml de solução para injeção

Leia mais

NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO)

NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO) 17/04/2015 NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO) SOLICITANTE : Juiz Paulo Roberto Maia Ferreira 1ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

LUCENTIS. ranibizumabe

LUCENTIS. ranibizumabe LUCENTIS ranibizumabe Forma farmacêutica, via de administração e apresentação Solução para injeção 10 mg/ml. Embalagem com 1 frasco-ampola contendo 2,3 mg de ranibizumabe em 0,23 ml de solução, uma agulha

Leia mais

Saúde Ocular do Idoso

Saúde Ocular do Idoso Saúde Ocular do Idoso Norma Helen Medina Centro de Oftalmologia Sanitária CVE CCD/SES SP dvoftal@saude.sp.gov.br Classificação de deficiência visual Organização Mundial da Saúde CID 10 Cegueira Acuidade

Leia mais

RR 445/2014. Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética

RR 445/2014. Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética 03/08/2014 RR 445/2014 Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética SOLICITANTE : Giovanna Elizabeth Costa de Mello Paiva.. Juiz de Direito da Comarca de Contagem/MG NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

Eylia (aflibercepte) Bayer S.A. Solução injetável 40 mg/ml

Eylia (aflibercepte) Bayer S.A. Solução injetável 40 mg/ml Eylia (aflibercepte) Bayer S.A. Solução injetável 40 mg/ml EYLIA aflibercepte APRESENTAÇÕES: Eylia (aflibercepte) apresenta-se em forma de, em frascos-ampola. Cada frasco-ampola contém um volume de enchimento

Leia mais

Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul

Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul Fundo de Olho e Retinopatia Diabética Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul Exame de Fundo de Olho Importância - Patologias nervo óptico, coróide e retina Doenças oculares e

Leia mais

Lucentis. ranibizumabe

Lucentis. ranibizumabe Lucentis ranibizumabe Forma farmacêutica, via de administração e apresentação Solução para injeção a 10 mg/ml. Embalagem com 1 frasco-ampola contendo 2,3 mg de ranibizumabe em 0,23 ml de solução, uma agulha

Leia mais

ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO

ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO dirigido aos médicos oftalmologistas Este Guia destina-se a prestar informação acerca da correta técnica de administração e riscos de segurança que decorrem da inserção do

Leia mais

Antiangiogênicos (bevacizumbe e ranibizumabe) no tratamento do edema macular diabético

Antiangiogênicos (bevacizumbe e ranibizumabe) no tratamento do edema macular diabético Antiangiogênicos (bevacizumbe e ranibizumabe) no tratamento do edema macular diabético Outubro/2015 1 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a

Leia mais

TEMA: Anti-VEGF ranimizumabe (Lucentis ) para tratamento da oclusão da veia central da retina

TEMA: Anti-VEGF ranimizumabe (Lucentis ) para tratamento da oclusão da veia central da retina NOTA TÉCNICA 61/2014 Solicitante: Nayara Henriques Número do processo: 0024.14.084.721-1 Data: 02/04/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Réu: Município de Belo Horizonte TEMA: Anti-VEGF

Leia mais

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Implante Biodegradável para Uso Oftálmico Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Implante biodegradável para uso oftálmico

Leia mais

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina.

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina. PRINCIPAIS DOENÇAS OCULARES DESCOLAMENTO DE RETINA Definição O descolamento de retina é a separação da retina da parte subjacente que a sustenta. A malha de nervos que constitui a parte sensível à luz

Leia mais

RETINOPATIA DIABÉTICA. Apresentação: Narriane Chaves P. Holanda, E2 Orientador: Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE

RETINOPATIA DIABÉTICA. Apresentação: Narriane Chaves P. Holanda, E2 Orientador: Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE RETINOPATIA DIABÉTICA Apresentação: Narriane Chaves P. Holanda, E2 Orientador: Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE Introdução Retinopatia Diabética (RD): principal causa de cegueira em adultos (países desenvolvidos

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR).

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Diretriz de tratamento da Catarata Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Participantes: Dr. Armando

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética SOLICITANTE DR BRENO REGO PINTO Juizado Especial da Comarca de Monte Santo de Minas/MG NÚMERO

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA PILOCARPINA ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril cloridrato de pilocarpina 1% / 2% / 4% BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA À MIOPIA.

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA À MIOPIA. NOTA TÉCNICA Solicitante Juiz Rodrigo da Fonseca Caríssimo - 1ª Vara Cível de Araxá Refere-se ao Processo nº. 0140492-65.2012.8.13.0040 Data: 05/12/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

WORKSHOP. Retinopatia Diabética: do diagnóstico à intervenção reabilitacional

WORKSHOP. Retinopatia Diabética: do diagnóstico à intervenção reabilitacional WORKSHOP Retinopatia Diabética: do diagnóstico à intervenção reabilitacional Nádia Fernandes e Carla Costa Lança Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa 6 de Junho de 2013 das 15h às 17h Conteúdos

Leia mais

Bimatoprosta EMS SIGMA PHARMA LTDA. Solução oftálmica estéril. 0,3 mg/ ml

Bimatoprosta EMS SIGMA PHARMA LTDA. Solução oftálmica estéril. 0,3 mg/ ml Bimatoprosta EMS SIGMA PHARMA LTDA Solução oftálmica estéril 0,3 mg/ ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO bimatoprosta medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 0,3 mg/ ml Formas farmacêuticas e apresentações

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

DRA. PAOLA GRECHI CRM 16594 RQE 8487

DRA. PAOLA GRECHI CRM 16594 RQE 8487 DRA. PAOLA GRECHI CRM 16594 RQE 8487 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Graduação em Medicina - Universidade Estadual de Campinas UNICAMP (1998 2003). Prêmio de Melhor Aluna de Oftalmologia e Prêmio de Melhor Aluna

Leia mais

Injeção simulada Lucentis 0,5 mg (n = 240) Perda de < 15 letras na acuidade visual (%) a. Mês 12 62% 95% (Manutenção da visão)

Injeção simulada Lucentis 0,5 mg (n = 240) Perda de < 15 letras na acuidade visual (%) a. Mês 12 62% 95% (Manutenção da visão) LUCENTIS ranibizumabe APRESENTAÇÕES Solução para injeção a 10 mg/ml. Embalagem com 1 frasco-ampola contendo 2,3 mg de ranibizumabe em 0,23 ml de solução, uma agulha com filtro para retirada do conteúdo

Leia mais

LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril bimatoprosta 0,01% BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas contendo 3 ml ou 5

Leia mais

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CATARATA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Esta indicada em portadores de opacidade do cristalino que, mesmo com melhor correção óptica,

Leia mais

Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP.

Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP. Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP. Gabriela Preturlan Capitani Anna Paula Romero Mariana Braga Falcão Giovanna Cardia Caserta Marcelo Silva Soares²

Leia mais

Update no tratamento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho

Update no tratamento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Update no tratamento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho MESTRE, DOUTOR E

Leia mais

LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril bimatoprosta (0,03%) BULA PARA O PACIENTE Bula para o Paciente Pág. 1 de 7 APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico

Leia mais

ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Suspensão oftálmica estéril de gatifloxacino (3 mg/ml) e acetato de prednisolona (10 mg/ml), contendo frasco plástico conta-gotas de 3 ml e 6 ml APRESENTAÇÕES

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOSQUISE HEREDITÁRIA RELACIONADA AO CROMOSSOMA X

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOSQUISE HEREDITÁRIA RELACIONADA AO CROMOSSOMA X NT 116 2014 Solicitante: Dr. Leonardo Guimarães Moreira Juizado Especial da Comarca de Guanhães/MG Data: 08/06/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Processo número: 0280.14.002411-6 TEMA:

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a Edema Macular Diabético (EMD) Informação importante para o doente

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a Edema Macular Diabético (EMD) Informação importante para o doente Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a Edema Macular Diabético (EMD) Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis Este caderno de informação foi

Leia mais

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 RQE 8487

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 RQE 8487 DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 RQE 8487 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Graduação em Medicina - Universidade Estadual de Campinas UNICAMP (1998 2003). Prêmio de Melhor Aluna de Oftalmologia e Prêmio

Leia mais

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 FORMAÇÃO Graduação em Medicina - Universidade Estadual de Campinas UNICAMP (1998 2003). Prêmio de Melhor Aluna de Oftalmologia e Prêmio de Melhor Aluna de Pediatria.

Leia mais

Neo Fresh. (carmelose sódica)

Neo Fresh. (carmelose sódica) Neo Fresh (carmelose sódica) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Solução oftálmica estéril 5mg/mL (0,5%) I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: NEO FRESH carmelose sódica 0,5% APRESENTAÇÃO Solução

Leia mais

Protocolos para exames complementares em oftalmologia

Protocolos para exames complementares em oftalmologia Protocolos para exames complementares em oftalmologia Regulamentar as indicações absolutas para a requisição dos 31 exames complementares oftalmológicos. É necessário entender que cada profissional poderá

Leia mais

População pediátrica Não existe utilização relevante de ILUVIEN na população pediátrica na indicação de edema macular diabético (EMD).

População pediátrica Não existe utilização relevante de ILUVIEN na população pediátrica na indicação de edema macular diabético (EMD). 1. NOME DO MEDICAMENTO ILUVIEN 190 microgramas implante intravítreo em aplicador. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada implante contém 190 microgramas de acetonido de fluocinolona. Lista completa

Leia mais

CETROLAC (trometamol cetorolaco)

CETROLAC (trometamol cetorolaco) CETROLAC (trometamol cetorolaco) União Química Farmacêutica Nacional S/A Solução oftálmica estéril 5 mg/ml 1 CETROLAC trometamol cetorolaco Solução oftálmica estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LATISSE ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Tópica Estéril bimatoprosta 0,03% BULA PARA O PACIENTE Bula para o Paciente - CCDS 7.0 Nov 2012 Pág. 1 de 9 APRESENTAÇÕES Solução Tópica Estéril Caixa

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica PADRÃO DE RESPOSTA Questão 1: Paciente feminino de 35 anos com queixa súbita de baixa visual no OD. Sem comorbidades sistêmicas. Ao exame a acuidade visual era sem correção OD 20/60 com metamorfopsia e

Leia mais

Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes: cetrimida 0,1 mg (conservante), sorbitol, edetato dissódico e hidróxido de sódio.

Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes: cetrimida 0,1 mg (conservante), sorbitol, edetato dissódico e hidróxido de sódio. VISCOTEARS carbômer 2 mg / g Lágrima artificial Forma farmacêutica e apresentação Gel líquido oftálmico: tubo de 10 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes:

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica

RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica SOLICITANTE Dra. Denise Canêdo Pinto Juíza de Direito da Segunda Vara Cível da Comarca de Ponte Nova

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA Área de abrangência do DRS XIII HOSPITAL DAS CLINICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

VOLTAREN DU Colírio diclofenaco sódico

VOLTAREN DU Colírio diclofenaco sódico VOLTAREN DU Colírio diclofenaco sódico Forma farmacêutica, via de administração e apresentações Solução oftálmica (colírio) Via tópica ocular. Embalagens com 20 flaconetes de dose única de 0,3 ml cada.

Leia mais

RETINOPATIA DIABÉTICA

RETINOPATIA DIABÉTICA RETINOPATIA DIABÉTICA Dr. Leão Gabbay Serruya (autor) Dra. Roberta Pereira de Almeida Manzano (co-autora) Conceito O termo Retinopatia Diabética (RD) é utilizado para o conjunto de alterações retinianas

Leia mais

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina O Setor de Retina da Divisão de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP(HCRP-FMRP-USP) está

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

CILODEX Pomada. Cloridrato de Ciprofloxacino (3,5 mg/g) Dexametasona (1,0 mg/g)

CILODEX Pomada. Cloridrato de Ciprofloxacino (3,5 mg/g) Dexametasona (1,0 mg/g) Bula Paciente_ CILODEX Pomada CILODEX Pomada Cloridrato de Ciprofloxacino (3,5 mg/g) Dexametasona (1,0 mg/g) APRESENTAÇÃO Pomada Oftálmica Estéril. Tubo contendo 3,5 g de pomada oftálmica estéril de cloridrato

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das Evidências e Recomendações para a utilização de anticorpos anti fator de crescimento do endotélio vascular

Leia mais

Diabetes Mellitus: Prevenção e Tratamento da Retinopatia

Diabetes Mellitus: Prevenção e Tratamento da Retinopatia Diabetes Mellitus: Prevenção e Tratamento da Retinopatia Elaboração Final: 28 de fevereiro de 2004 Participantes: Bosco A, Gonçalves ER Autoria: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Conselho

Leia mais

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra Centro de Responsabilidade de Oftalmologia Associação para a Investigação Biomédica e Inovação em Luz e Imagem Sociedade Portuguesa de Oftalmologia Workshop

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação de nova informação de segurança. Pede-se aos profissionais

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA FRESH TEARS ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril carmelose sódica 0,5% BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE Lubrificante Ocular APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico

Leia mais

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética Conselhos Directivos das Administrações Regionais

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab)

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a neovascularização coroideia (NVC) secundária a miopia patológica Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis

Leia mais

Guia de Tratamento com JETREA (Ocriplasmina) para o doente

Guia de Tratamento com JETREA (Ocriplasmina) para o doente Guia de Tratamento com JETREA (Ocriplasmina) para o doente [Contém informação de segurança importante] Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. 0,5 mg/0,2 ml concentrado para solução injetável

Leia mais

PRED MILD SUSPENSÃO OFTÁLMICA ACETATO DE PREDNISOLONA 0,12%

PRED MILD SUSPENSÃO OFTÁLMICA ACETATO DE PREDNISOLONA 0,12% PRED MILD SUSPENSÃO OFTÁLMICA ACETATO DE PREDNISOLONA 0,12% Bula para o Paciente CCDS V 3.0 Nov 2013 acetato de prednisolona 0,12% APRESENTAÇÕES Suspensão Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab)

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a edema macular secundário a oclusão da veia retiniana (OVR) Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm)

Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm) OFTALMOLOGIA ANATOMIA Topografia Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm) - Localizada entre arcadas vasculares temporais - Disco Óptico: saem fibras nervosas, entram artéria e veia central da retina

Leia mais

Suplemento-Outubro-Dezembro 2015. Retinopatia Diabética. Orientações clínicas

Suplemento-Outubro-Dezembro 2015. Retinopatia Diabética. Orientações clínicas Suplemento-Outubro-Dezembro 2015 Retinopatia Diabética Orientações clínicas Veja os resultados nos olhos dos seus doentes Sistema Inovador de injeção intraocular 1 A seringa pré-cheia de LUCENTIS Poupa

Leia mais

trometamol cetorolaco Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Solução Oftálmica Estéril 0,5 %

trometamol cetorolaco Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Solução Oftálmica Estéril 0,5 % trometamol cetorolaco Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Solução Oftálmica Estéril 0,5 % MODELO DE BULA PARA O PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Leia mais

ENDOFTALMITE uma complicação grave da cirurgia de catarata

ENDOFTALMITE uma complicação grave da cirurgia de catarata MANUELA BERNARDO ENDOFTALMITE uma complicação grave da cirurgia de catarata A perda de visão pode ser severa e irreversível Este trabalho foi elaborado seguindo as recomendações da ESCRS 2013 INCIDÊNCIA

Leia mais

PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706

PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706 PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706 Ementa: Realização do exame de fundo de olho por Enfermeiro. 1. Do fato Enfermeira solicita parecer sobre a competência do Enfermeiro para

Leia mais

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina.

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Plano de Trabalho: Avaliação das Percepções de Pacientes

Leia mais

Dr. Renato Neves CATARATA

Dr. Renato Neves CATARATA Dr. Renato Neves CATARATA O cristalino é uma lente natural localizada no interior dos olhos, atrás da íris, e, juntamente com a córnea, é responsável pela convergência dos raios de luz para retina, formando

Leia mais

Dr. Evandro Luís Rosa CRM-SC 5957

Dr. Evandro Luís Rosa CRM-SC 5957 Dr. Evandro Luís Rosa CRM-SC 5957 Graduado em Medicina pela Universidade Federal de Santa Catarina 1992. Especializado em Oftalmologia no Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem. Oftalmologista pelo Conselho

Leia mais

OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida)

OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida) OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida) União Química Farmacêutica Nacional S.A Solução Oftálmica 20 mg/ml Ocupress cloridrato de dorzolamida Solução Oftálmica Estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA

GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA Catarina Pedrosa, Inês Coutinho, Cristina Santos, Mário Ramalho, Susana Pina, Isabel Prieto Estágio de Glaucoma Dr. Esperancinha, Dr. Fernando Vaz, Dr. Paulo

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Visual Professor: Pai Chi Nan 1 Anatomia do olho 2 1 Anatomia do olho Córnea Proteção Focalização 3 Íris e pupila Anatomia do olho Controle da quantidade

Leia mais

tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml

tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO tobramicina 3 mg/ml solução oftálmica estéril Medicamento Genérico, Lei n 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Curso de semiologia em Clínica Médica II

DIABETES MELLITUS. Curso de semiologia em Clínica Médica II DIABETES MELLITUS Curso de semiologia em Clínica Médica II Prof. Luiz Shiguero Matsubara Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Botucatu, u, UNESP 2008 DIABETES MELLITUS Síndrome clínica

Leia mais

LACRIFILM (carmelose sódica)

LACRIFILM (carmelose sódica) LACRIFILM (carmelose sódica) União Química Farmacêutica Nacional S.A. solução oftálmica 5 mg/ml LACRIFILM carmelose sódica Solução oftálmica estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LACRIL ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril álcool polivinílico 1,4% BULA PARA O PACIENTE Lubrificante Ocular APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas

Leia mais

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO maleato de timolol 0,5% Medicamento genérico Lei nº 9.787 de 1999

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO Lucentis 10 mg/ml solução injetável 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Um ml contém 10 mg de ranibizumab*. Cada frasco para

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

ACULAR CMC SOLUÇÃO OFTÁLMICA CETOROLACO TROMETAMOL 0.45%

ACULAR CMC SOLUÇÃO OFTÁLMICA CETOROLACO TROMETAMOL 0.45% ACULAR CMC SOLUÇÃO OFTÁLMICA CETOROLACO TROMETAMOL 0.45% Bula para o Paciente CCDS V 3.0 Jul 2012 0 APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Caixa contendo 10, 20 ou 30 flaconetes de dose única com 0,4

Leia mais

Tratamento e Seguimento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho

Tratamento e Seguimento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Tratamento e Seguimento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho MESTRE, DOUTOR

Leia mais

OFTPRED. Suspensão Oftálmica Estéril. acetato de prednisolona 10 mg/ml BULA PARA O PACIENTE LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA

OFTPRED. Suspensão Oftálmica Estéril. acetato de prednisolona 10 mg/ml BULA PARA O PACIENTE LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA OFTPRED LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA Suspensão Oftálmica Estéril acetato de prednisolona 10 mg/ml BULA PARA O PACIENTE COLÍRIO OFTPRED acetato de prednisolona 1,0% APRESENTAÇÕES Suspensão

Leia mais

Exame de fundo de olho. Fundo de olho normal

Exame de fundo de olho. Fundo de olho normal Fundo de olho normal cap. 04 Fundo de olho normal O exame de fundo de olho é o exame da retina, a qual é uma camada localizada na parte posterior do olho, formando a porção que cobre internamente toda

Leia mais

MAXIFLOX-D LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Pomada Oftálmica Estéril. cloridrato de ciprofloxacino 3,5 mg/g dexametasona 1,0 mg/g

MAXIFLOX-D LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Pomada Oftálmica Estéril. cloridrato de ciprofloxacino 3,5 mg/g dexametasona 1,0 mg/g MAXIFLOX-D LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA Pomada Oftálmica Estéril cloridrato de ciprofloxacino 3,5 mg/g dexametasona 1,0 mg/g BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE POMADA MAXIFLOX-D cloridrato

Leia mais

Ranibizumabe para Degeneração Macular Relacionada à Idade

Ranibizumabe para Degeneração Macular Relacionada à Idade Ranibizumabe para Degeneração Macular Relacionada à Idade N o 119 Abril/2015 1 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para o encaminhamento: 1. Déficit Visual; 2. Cefaléia acompanhada de baixa acuidade visual 3. Retinopatia Diabética 4. Inflamação Ocular;

Leia mais

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Implante Biodegradável para Uso Oftálmico Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE APRESENTAÇÕES Implante biodegradável

Leia mais

Pela luz dos olhos teus

Pela luz dos olhos teus Pela luz dos olhos teus Pesquisa com medicamento, coordenada por farmacêutico brasileiro, traz esperança a portadores da Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI), principal responsável pela perda

Leia mais

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ.

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ. Referências bibliográficas: 1. Sociedade Brasileira de Diabetes. Algoritmo para o tratamento do diabetes tipo 2 atualização 2011. Posicionamento Oficial SBD no. 3. São Paulo: SBD; 2011. 2. Sociedade Brasileira

Leia mais