Visualização de processos e manutenção baseada no estado na unidade de tratamento de águas residuais de Warendorf

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visualização de processos e manutenção baseada no estado na unidade de tratamento de águas residuais de Warendorf"

Transcrição

1 Visualização de processos e manutenção baseada no estado na unidade de tratamento de águas residuais de Warendorf PHOENIX CONTACT Ind. Com. Ltda. Rua Francisco Corazza, 20 a 100 Pq. Residencial da Lapa São Paulo/SP CEP: (11) (PABX) phoenixcontact.pt

2 Visualização de processos e manutenção baseada no estado na unidade de tratamento de águas residuais de Warendorf Visão geral A unidade de tratamento de águas residuais de Warendorf inclui uma planta principal e várias construções exteriores descentralizadas. Para conseguir uma flexibilidade e uma eficiência elevadas, é realizada uma troca de dados padronizada entre os equipamentos de campo e o controlador através da tecnologia FDT. Uma solução de visualização moderna da Phoenix Contact possibilita um gerenciamento rápido dos alarmes, bem como uma documentação abrangente. Através da interface do usuário intuitiva, a visualização pode ser modificada sem grande esforço e otimizada de acordo com os processos e a instalação. Perfil do cliente A unidade de tratamento de águas residuais modernizada de Warendorf é composta por inúmeras instalações e estruturas. A planta principal de tratamento de águas residuais foi concebida para cerca de pessoas e existe uma outra estação de tratamento de águas residuais mais pequena para aproximadamente habitantes. Onze estações de bombeamento e aprox. 25 estruturas especiais estão interligadas entre si. A rede de canais e tubos abrange, no total, mais de 250 quilômetros. Foto aérea da unidade de tratamento de águas residuais de Warendorf phoenixcontact.pt PHOENIX CONTACT 2/7

3 Aplicação Processos cada vez mais complexos exigem a aplicação de equipamentos de campo mais inteligentes e confiáveis. O operador da instalação deve conseguir chamar todos os dados operacionais e mensagens de diagnóstico para um local centralizado e parametrizar e diagnosticar os equipamentos de campo inteligentes durante o tempo de operação. Só assim é que fica assegurada uma flexibilidade e uma eficiência elevadas em todas as áreas da instalação. Um módulo importante é a tecnologia FDT, que serve para a troca de dados padronizada entre os equipamentos de campo e o controlador. Para a visualização é necessária uma solução que proporcione ao usuário um manuseamento simples e um conforto de utilização elevado. Para reagir rapidamente a eventos não planejados, o operador precisa conseguir navegar rapidamente entre as diversas unidades que compõem as instalações complexas. Além do mais, a solução de visualização deve dispor de interfaces de comunicação diversificadas para conectar as partes da instalação que vão crescendo ao longo dos anos com os diversos protocolos de transmissão. Conectar facilmente equipamentos de campo através da interface de usuário da aplicação de base FDT phoenixcontact.pt PHOENIX CONTACT 3/7

4 Solução A aplicação de base FDT inclui diversos drivers de equipamentos e de comunicação e fornece ao operador uma visão geral de todos os equipamentos de campo montados. Através dos drivers de equipamentos (Device-DTM) é possível chamar os dados operacionais, alarmes e valores de medição importantes dos equipamentos de campo inteligentes em qualquer momento, a partir de diversas unidades. Aqui, devido a sua interface de comunicação padronizada, o sistema de bus hierarquicamente inferior já não desempenha nenhum papel. Quando ocorre uma falha, o erro é rapidamente localizado através da aplicação de base FDT. O operador pode assim reagir de forma direcionada. É igualmente importante a conexão simples e rápida do novo hardware na aplicação existente. O usuário precisa somente conectar um DTM de equipamentos na aplicação de base. No passo seguinte, ele pode parametrizar o equipamento de campo remotamente ou diretamente no local e efetuar sua adaptação para as tarefas futuras. Conexão dos equipamentos de campo através de uma interface de comunicação padronizada phoenixcontact.pt PHOENIX CONTACT 4/7

5 Localização rápida e eliminação de falhas O sistema de visualização local é composto por um computador estacionário e dois monitores conectados. Os dados são transmitidos do controlador para a solução de visualização local Visu+ da Phoenix Contact através do protocolo OPC. Através do software Visu+, o operador consegue monitorar todo o processo de tratamento das águas e, se necessário, intervir rapidamente. Os valores de medição, os ciclos de comutação e as horas de serviço de cada um dos agregados são representados para o usuário sob a forma de visão geral ou de um gráfico de tendência. As diversas variáveis do processo criam um desafio especial para a comparação precisa. Por isso, o software Visu+ gera vários gráficos de tendência que disponibilizam diversos ajustes e filtros. Assim é possível um exame detalhado das informações relevantes. Visualização de todos os dados de diagnóstico para uma manutenção baseada no estado O sistema de visualização local também controla o gerenciamento de alarmes. Se ocorrer um erro no processo em curso, o software Visu+ encaminha a mensagem de falha imediatamente para o grupo de pessoas responsáveis. Assim, o operador é logo informado a respeito do estado da instalação e fica em condições para agir de imediato phoenixcontact.pt PHOENIX CONTACT 5/7

6 Resumo Os requisitos em termos de economia estão sempre aumentando. Por este motivo, é cada vez mais importante agrupar informações e as encaminhar de forma direcionada para o grupo de pessoas responsáveis. A solução de visualização Visu+ cria essas condições básicas. "A interface do usuário com manuseamento intuitivo permite que os meus colaboradores modifiquem a visualização sem grande esforço para, dessa forma, a otimizar de acordo com os processos e a instalação", esclarece Tim Jungmann, diretor técnico da unidade de tratamento de águas residuais de Warendorf. Além disso, é possível detectar falhas antecipadamente e eliminá-las de forma preventiva. "Através da utilização da tecnologia FDT, os meus colaboradores estão em condições para operar toda a instalação com todas as subestações distribuídas confortavelmente a partir da central em Warendorf e coletar dados relevantes para a manutenção", conclui Jungmann. "Dessa forma, o conceito se apresenta como o suporte ideal para nossa abordagem, que passa por controlar as instalações com a maior eficiência possível em termos de energia e de custos técnicos". Tim Jungmann, diretor técnico da unidade de tratamento de águas residuais de Warendorf Produtos Descrição Tipo Código Acoplador de bus PROFINET para conexão de periféricos descentralizados IL PN BK DI8 DO4 2TX Bibliotecas de software para PC Worx para a expansão da tecnologia de comando da Phoenix Contact WATERWORX Software de visualização com funcionalidade SCADA VISU+ 2 RT Adaptador de porta Ethernet Factoryline Wireless Bluetooth FL BT EPA Controlador Inline com interface PROFINET ILC 350 PN Gerenciamento eletrônico de motor para a operação com transformadores de corrente externos EMM 3-230AC/500AC- IFS phoenixcontact.pt PHOENIX CONTACT 6/7

7 Modem PSI-MODEM-SHDSL/ ETH Phoenix Contact 2016 all rights reserved phoenixcontact.com phoenixcontact.pt PHOENIX CONTACT 7/7

Estação de tratamento de águas residuais de Braunsbedra: colocação em funcionamento mais rápida com uma engenharia simples

Estação de tratamento de águas residuais de Braunsbedra: colocação em funcionamento mais rápida com uma engenharia simples Estação de tratamento de águas residuais de Braunsbedra: colocação em funcionamento mais rápida com uma engenharia simples PHOENIX CONTACT Ind. Com. Ltda. Rua Francisco Corazza, 20 a 100 Pq. Residencial

Leia mais

Luzes de sinalização comunicativas

Luzes de sinalização comunicativas Luzes de sinalização comunicativas PHOENIX CONTACT Ind. Com. Ltda. Rua Francisco Corazza, 20 a 100 Pq. Residencial da Lapa São Paulo/SP CEP: 05038-130 (11) 3871-6400 (PABX) 15.08.2016 phoenixcontact.pt

Leia mais

dos resultados medidos

dos resultados medidos Trena a Laser GLM 100 C Transferência digital imediata dos resultados medidos NOVO! Medidor laser de distâncias GLM 100 C Professional e aplicação A solução inteligente para a transferência e documentação

Leia mais

LAVANDERIAS COMERCIAIS. Controles Quantum

LAVANDERIAS COMERCIAIS. Controles Quantum LAVANDERIAS COMERCIAIS Controles Quantum RELATÓRIOS DE LOJA E DE RECEITAS O Quantum Gold monitora o seu equipamento para fornecer relatórios detalhados. Ao fornecer uma visão abrangente das especificações

Leia mais

REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local.

REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1. Introdução 1.1. - Conceitos REDES LOCAIS Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1 1.2. Tipos de Aplicações As Redes Locais têm em geral

Leia mais

Soluções & Infraestrutura

Soluções & Infraestrutura Soluções & Infraestrutura Somos SBR-T.I. surgiu para suprir a demanda e necessidade atual do mercado para garantir a adequação das tecnologias para alcançar mais competitividade no mercado. Estruturada

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta. CST em Redes de Computadores

Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta. CST em Redes de Computadores Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta CST em Redes de Computadores Introdução Computadores Computadores são compostos, basicamente, de CPU, memória e dispositivos de entrada e saída

Leia mais

Dispositivos Externos

Dispositivos Externos Dispositivos Externos Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso. As únicas garantias para produtos

Leia mais

Este artigo é um em uma série para auxiliar na instalação, no troubleshooting e na manutenção de produtos Cisco Small Business.

Este artigo é um em uma série para auxiliar na instalação, no troubleshooting e na manutenção de produtos Cisco Small Business. Índice Introdução Como posso eu estabelecer um roteador VoIP da empresa de pequeno porte de Cisco usando o serviço de Internet DSL? Informações Relacionadas Introdução Este artigo é um em uma série para

Leia mais

Serviços Financeiros - A visão da nova tecnologia

Serviços Financeiros - A visão da nova tecnologia Serviços Financeiros - A visão da nova tecnologia Ofertas em tempo real para os clientes faz com que os bancos busquem as tecnologias que emergem do compartilhamento de informações. Apresento a tecnologia

Leia mais

Introdução a Ergonomia e Usabilidade

Introdução a Ergonomia e Usabilidade Introdução a Ergonomia e Usabilidade Projeto de Interface Homem- Máquina Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Agenda Apresentação Definições Gerais Importância Usabilidade e Ergonomia Engenharia da

Leia mais

Awite. Biogás desde o início... Christian Etzkorn 19.05.2015. www.awite.de. Christian Etzkorn. Página 1

Awite. Biogás desde o início... Christian Etzkorn 19.05.2015. www.awite.de. Christian Etzkorn. Página 1 Awite Biogás desde o início... 19.05.2015 Página 1 Agenda A Empresa Produtos Automação Está na hora de você assumir o controle. Página 2 Agenda A Empresa Produtos Automação Está na hora de você assumir

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO SISTEMA DE CONTROLE OPERACIONAL E GERENCIAL PARA ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS

CONTROLE DE ACESSO SISTEMA DE CONTROLE OPERACIONAL E GERENCIAL PARA ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS CONTROLE DE ACESSO SISTEMA DE CONTROLE OPERACIONAL E GERENCIAL PARA ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS VISÃO GERAL CONTROLE E GERENCIAMENTO DE ACESSO DE VEÍCULOS E PESSOAS Controle e gerenciamento de acesso

Leia mais

4 Arquitetura Adotada

4 Arquitetura Adotada 4 Arquitetura Adotada Neste trabalho foi desenvolvido um sistema para a inspeção de dutos de óleo, gás e outros fluidos. Este sistema está sendo usado em inspeções que utilizam como ferramenta de inspeção

Leia mais

Conexões bus estrutura de ligação DDL DDL-X-Tool. Catálogo impresso

Conexões bus estrutura de ligação DDL DDL-X-Tool. Catálogo impresso Conexões bus estrutura de ligação DDL Catálogo impresso 2 Conexões bus estrutura de ligação DDL design V, Ferramenta opcional para a simplificação da colocação em funcionamento dos componentes DDL 3 Conexões

Leia mais

Este é o segundo modulo, nele abordaremos os métodos de gerenciamento do Windows Server 2008.

Este é o segundo modulo, nele abordaremos os métodos de gerenciamento do Windows Server 2008. Gerenciando o Windows Server 2008 Bem vindo(a), Este é o segundo modulo, nele abordaremos os métodos de gerenciamento do Windows Server 2008. Após essa aula você será capaz de: Definir quais são as formas

Leia mais

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA. Centro de Treinamento

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA. Centro de Treinamento A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA Centro de Treinamento SUMÁRIO Sistema Eletrônico ESM GET STEMAC Operação e Manutenção Diária de USCA/GMG Diesel Operação e Manutenção Básica de GMG/USCA Equipamentos Diesel (USCAs

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Prof. Leonardo Barreto Campos

Introdução às Redes de Computadores. Prof. Leonardo Barreto Campos Introdução às Redes de Computadores 1 Sumário Redes de Computadores; Usos de Redes de Computadores; Classificações de Rede; Topologias de Rede; Técnicas de Comutação; Bibliografia. 2/30 Redes de Computadores

Leia mais

ELEVADORES VEICULARES LIFETIME EXCELLENCE PRIMEIRO ELEVADOR VEICULAR COM ACIONAMENTO TOTALMENTE ELÉTRICO. INOVADOR, SIMPLES E CONFIÁVEL

ELEVADORES VEICULARES LIFETIME EXCELLENCE PRIMEIRO ELEVADOR VEICULAR COM ACIONAMENTO TOTALMENTE ELÉTRICO. INOVADOR, SIMPLES E CONFIÁVEL ELEVADORES VEICULARES LIFETIME EXCELLENCE PRIMEIRO ELEVADOR VEICULAR COM ACIONAMENTO TOTALMENTE ELÉTRICO. INOVADOR, SIMPLES E CONFIÁVEL UM NOVO CONCEITO EM ELEVADORES VEICULARES A PALFINGER: Com mais de

Leia mais

TELEMEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E AGUA

TELEMEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E AGUA Concentradores Medidor Água TELEMEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E AGUA Med idor es Euridis de SOLUÇOES DO FUTURO AGORA Barramento Ener gia Coleta ou Corte modem Medição R emota Comunicação via telefone m odem

Leia mais

Sistema de chamadas e de alarme por voz Plena O caminho mais rápido para a segurança

Sistema de chamadas e de alarme por voz Plena O caminho mais rápido para a segurança Sistema de chamadas e de alarme por voz Plena O caminho mais rápido para a segurança 2 Sistema de chamadas e de alarme por voz Plena O caminho mais rápido para a segurança A gama de sistemas de chamadas

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 Comunicação de Dados e Redes de Computadores O problema fundamental da comunicação é reproduzir em um ponto exatamente ou aproximadamente

Leia mais

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO CND CND PORTAL DE RELACIONAMENTO Cadastro CND Painel de Controle

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO CND CND PORTAL DE RELACIONAMENTO Cadastro CND Painel de Controle Sage CND SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. CND... 2 1.1. 1.2. Cadastro CND... 2 Painel de Controle... 6 3. CND PORTAL DE RELACIONAMENTO.... 10 1. Apresentação A Plataforma Sage visa dinamizar os negócios

Leia mais

Placa Mãe Motherboard`s

Placa Mãe Motherboard`s Placa Mãe Motherboard`s Módulo 01 Ambientação Tecnológica Prof. Felipe A. Pires O que é placa-mãe ou motherboard? É o circuito responsável por conectar e interligar todos os componentes do computador,

Leia mais

Manual do Usuário do Integrador de Notícias de Governo

Manual do Usuário do Integrador de Notícias de Governo Manual do Usuário do Integrador de Notícias de Governo 1 Manual do Usuário Integrador de Notícias de Governo Envolvidos: Secretaria Executiva do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (SE/MPOG)

Leia mais

Bancos de Dados Distribuídos. Gabriel Resende Gonçalves 4 de fevereiro de 2014

Bancos de Dados Distribuídos. Gabriel Resende Gonçalves 4 de fevereiro de 2014 Bancos de Dados Distribuídos Gabriel Resende Gonçalves 4 de fevereiro de 2014 Sumário Introdução; Vantagens e Desvantagens; Regras Básicas; Tipos de BDDs; Processamento de Transações; Recuperação de Falhas;

Leia mais

W EBFLEET Com apenas alguns cliques você pode analisar um veículo ou sua frota inteira

W EBFLEET Com apenas alguns cliques você pode analisar um veículo ou sua frota inteira Pointer Brasil Alameda Araguaia nº 1142 - Alphaville - Barueri - SP W EBFLEET Com apenas alguns cliques você pode analisar um veículo ou sua frota inteira O Webfleet cobre os aspectos mais importantes

Leia mais

Terminal de Operação Cimrex 69

Terminal de Operação Cimrex 69 Descrição do Produto O Cimrex 69 agrega as mais novas tecnologias e a mais completa funcionalidade de terminais de operação. Possui visor de cristal líquido gráfico colorido de 5,7 sensível ao toque (

Leia mais

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS. Marcelo Henrique dos Santos

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS. Marcelo Henrique dos Santos Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS Marcelo Henrique dos Santos Marcelo Henrique dos Santos Email: Site: marcelosantos@outlook.com www.marcelohsantos.com.br TECNOLOGIA EM JOGOS

Leia mais

PAINEL ELETRÔNICO DE MENSAGENS MANUAL DE OPERAÇÃO

PAINEL ELETRÔNICO DE MENSAGENS MANUAL DE OPERAÇÃO PAINEL ELETRÔNICO DE MENSAGENS MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. DESCRIÇÃO DO PAINEL 3. CONEXÃO 4. OPERAÇÃO 5. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 5.1. Instalando o software de configuração 5.2. Iniciando

Leia mais

12/08/2014. Prof. Marcel Santos Silva. Redes Wireless 3. Redes Wireless 4. Redes Wireless 5. Redes Wireless 6

12/08/2014. Prof. Marcel Santos Silva. Redes Wireless 3. Redes Wireless 4. Redes Wireless 5. Redes Wireless 6 Prof. Marcel Santos Silva A distância de comunicação entre estações de rede sem fio está diretamente relacionada com a potência de transmissão, a sensibilidade do receptor e o caminho por onde a onda se

Leia mais

KL3116T. Gaveta LCD KVMP 16-Portas Dual Rail Touchscreen

KL3116T. Gaveta LCD KVMP 16-Portas Dual Rail Touchscreen KL3116T Gaveta LCD KVMP 16-Portas Dual Rail Touchscreen O comutador KVM KL3116T com tela sensível ao toque e dois módulos retráteis é um console LCD integrado e um comutador KVM (teclado, vídeo e mouse),

Leia mais

,QVWDODomR. Dê um duplo clique para abrir o Meu Computador. Dê um duplo clique para abrir o Painel de Controle. Para Adicionar ou Remover programas

,QVWDODomR. Dê um duplo clique para abrir o Meu Computador. Dê um duplo clique para abrir o Painel de Controle. Para Adicionar ou Remover programas ,QVWDODomR 5HTXLVLWRV0tQLPRV Para a instalação do software 0RQLWXV, é necessário: - Processador 333 MHz ou superior (700 MHz Recomendado); - 128 MB ou mais de Memória RAM; - 150 MB de espaço disponível

Leia mais

Firewall. Andrei Jean Fabio Garzarella William Passig

Firewall. Andrei Jean Fabio Garzarella William Passig Firewall Andrei Jean Fabio Garzarella William Passig O que é? Firewall por Hardware Firewall por Software Camadas OSI Como funciona? Regras e Ações Tipo de Firewall Agenda O que é? Firewall é uma solução

Leia mais

Modem e Rede Local Guia do Usuário

Modem e Rede Local Guia do Usuário Modem e Rede Local Guia do Usuário Copyright 2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso. As únicas garantias para produtos

Leia mais

Documento de Arquitetura de Software- SGE

Documento de Arquitetura de Software- SGE Documento de Arquitetura de Software- SGE IFG Autor: Marcelo Roldrin Barros Silva 1. Introdução 1.1 Finalidade Este documento oferece uma visão geral arquitetural abrangente do sistema SGE (Sistema de

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

Compartilhando dados anônimos com a Lenovo. Conteúdo. Harmony

Compartilhando dados anônimos com a Lenovo. Conteúdo. Harmony Compartilhando dados anônimos com a Lenovo Conteúdo Compartilhando dados anônimos com a Lenovo... 1 Harmony... 1 Lenovo Companion 3.0... 2 Lenovo Customer Engagement Service... 3 Lenovo Experience Improvement

Leia mais

Divisão do computador

Divisão do computador Divisão do computador Hardware: todo o equipamento, suas peças, isto é, tudo o que "pode ser tocado", denomina-se hardware. Alguns equipamentos, como monitor, teclado e rato são também chamados de periféricos.

Leia mais

Firewalls. Carlos Gustavo A. da Rocha. ASSR

Firewalls. Carlos Gustavo A. da Rocha. ASSR Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução Um Firewall cria uma barreira através da qual todo o tráfego que deixa ou chega a uma rede deve passar Suas regras ditam quais tráfegos estão autorizados a passar

Leia mais

Relé de Proteção Térmica EP3 - SLIM ANSI 23/ 26/49 CATALOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6

Relé de Proteção Térmica EP3 - SLIM ANSI 23/ 26/49 CATALOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 CATALOGO Relé de Proteção Térmica EP3 - SLIM ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 Relé de Proteção Térmica EP3 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 3 DADOS TÉCNICOS... 4 ENSAIOS

Leia mais

Controle BP308 para Painéis de Elevadores

Controle BP308 para Painéis de Elevadores Controle BP308 para Painéis de Elevadores Safe solutions for your industry Controlador BP308 Um sistema, várias aplicações. Os benefícios em resumo: Aplicações PB308 - Sistema Flexível Aplicação e Utilização

Leia mais

POWER LINE COMMUNICATION: A rede na tomada

POWER LINE COMMUNICATION: A rede na tomada INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL - IFRS CÂMPUS PORTO ALEGRE CURSO REDES DE COMPUTADORES ELETRICIDADE APLICADA PROFESSOR: SÉRGIO MITTMANN DOS SANTOS POWER LINE COMMUNICATION:

Leia mais

Certificado Digital A1/S1 e A3/S3. Instalação das Cadeias de Certificação

Certificado Digital A1/S1 e A3/S3. Instalação das Cadeias de Certificação Instalação das Cadeias de Certificação Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2010 Pré Requisitos para a instalação Dispositivos de Certificação Digital (todos os modelos) Para que

Leia mais

VOCÊ JÁ OUVIU FALAR EM E-COMMERCE?

VOCÊ JÁ OUVIU FALAR EM E-COMMERCE? VOCÊ JÁ OUVIU FALAR EM E-COMMERCE? E-COMMERCE, OU COMÉRCIO ELETRÔNICO, É A FORMA ON-LINE DE COMPRA E VENDA. É UM TIPO DE TRANSAÇÃO COMERCIAL FEITA ATRAVÉS DE UM EQUIPAMENTO ELETRÔNICO, COMO POR UM COMPUTADOR,

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA 15/2016 DILIGÊNCIA DOCUMENTAÇÃO DE PROPOSTA LOGIKS CONSULTORIA E SERVICOS EM TECNOLOGIA DA INFORMACAO LTDA.

PREGÃO ELETRÔNICO AA 15/2016 DILIGÊNCIA DOCUMENTAÇÃO DE PROPOSTA LOGIKS CONSULTORIA E SERVICOS EM TECNOLOGIA DA INFORMACAO LTDA. PREGÃO ELETRÔNICO AA 15/2016 DILIGÊNCIA DOCUMENTAÇÃO DE PROPOSTA LOGIKS CONSULTORIA E SERVICOS EM TECNOLOGIA DA INFORMACAO LTDA. Conforme informado na sessão pública realizada em 12/05/2016, foi verificada

Leia mais

- Índice Gasóleo MP -

- Índice Gasóleo MP - - Índice Gasóleo MP - Índice Gasóleo MP O Índice Gasóleo MP é uma ferramenta que permite antecipar-se aos mercados. Está concebida e criada pela Mundopetróleo, portanto, disponível única e exclusivamente

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2)

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2) Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Sistemas Operacionais (SOP A2) Visão Geral Referências: Sistemas Operacionais Modernos. Andrew S. Tanenbaum. Editora Pearson. 3ª ed. 2010. Seção: 1.1

Leia mais

KPVA Sistema de Controlle Pontual de Velocidade Independente KPVA SISTEMA DE CONTROLE PONTUAL DE VELOCIDADE INDEPENDENTE

KPVA Sistema de Controlle Pontual de Velocidade Independente KPVA SISTEMA DE CONTROLE PONTUAL DE VELOCIDADE INDEPENDENTE KPVA SISTEMA DE CONTROLE PONTUAL DE VELOCIDADE INDEPENDENTE Cliente: RATP Linhas: linhas do metrô Parisiense em certas zonas Número de unidades: 300 Ano de início de operação: 2004 A RATP equipou todas

Leia mais

PNEUS PARA APLICAÇÕES AGROINDUSTRIAIS

PNEUS PARA APLICAÇÕES AGROINDUSTRIAIS PNEUS PARA APLICAÇÕES AGROINDUSTRIAIS OUR DURABILITY. YOUR PERFORMANCE. O PNEU FIÁVEL PARA UMA CONDUÇÃO CONFORTÁVEL As máquinas industriais cada vez mais versáteis, sofisticadas e potentes de hoje em dia

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Cozinha/Pastelaria. Competências

PLANIFICAÇÃO ANUAL TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Cozinha/Pastelaria. Competências Agrupamento Vertical de Escolas Dr. João Lúcio Competências Tratamento de Informação Rentabilizar as Tecnologias da Informação e Comunicação nas tarefas de construção do conhecimento em diversos contextos

Leia mais

Apresentando a impressora

Apresentando a impressora Apresentando a impressora Visão geral da impressora 1 Trava do papel Porta frontal Painel do operador Unidade dúplex opcional Bandeja padrão de 250 folhas Bandeja opcional de 500 folhas Bandeja de saída

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO A Faculdade Fleming dispõe atualmente de infraestrutura de Tecnologia da Informação com rede de computadores que interliga em torno de 300

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável. Eficiência Energética em Sistemas de Sinalização Semafórica. [ Tecnologia LED (light emitting diode) ] Jan/2009.

Desenvolvimento Sustentável. Eficiência Energética em Sistemas de Sinalização Semafórica. [ Tecnologia LED (light emitting diode) ] Jan/2009. Eficiência Energética em Sistemas de Sinalização Semafórica [ Tecnologia LED (light emitting diode) ] Jan/2009. Semáforos Convencionais Aspectos Físicos: Constituídos por Grupos Focais formados por módulos

Leia mais

English version at the end of this document

English version at the end of this document English version at the end of this document Ano Letivo 2016-17 Unidade Curricular DOMÓTICA E AUTOMAÇÃO Cursos INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, DOMÓTICA E AUTOMAÇÃO Unidade Orgânica Instituto Superior de Engenharia

Leia mais

Instrumentação Suportada em Computadores Pessoais

Instrumentação Suportada em Computadores Pessoais Instrumentação Suportada em Computadores Pessoais A. Lopes Ribeiro arturlr@ist.utl.pt 1 2 Objectivos Formar estudantes com capacidade de intervir ao nível de projecto e implementação de sistemas automáticos

Leia mais

Conexões bus estrutura de ligação AS-i Estrutura de ligação AS-i, B-Design. Catálogo impresso

Conexões bus estrutura de ligação AS-i Estrutura de ligação AS-i, B-Design. Catálogo impresso Conexões bus estrutura de ligação AS-i Estrutura de ligação AS-i, B-Design Catálogo impresso 2 Conexões bus estrutura de ligação AS-i Estrutura de ligação AS-i, B-Design Acoplador de bus com controlador

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL PROJETO DE SERVIÇOS DE IMPRESSÃO E CÓPIAS EQUIPAMENTOS NOVOS E SUPRIMENTOS ORIGINAIS

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL PROJETO DE SERVIÇOS DE IMPRESSÃO E CÓPIAS EQUIPAMENTOS NOVOS E SUPRIMENTOS ORIGINAIS APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL PROJETO DE SERVIÇOS DE IMPRESSÃO E CÓPIAS EQUIPAMENTOS NOVOS E SUPRIMENTOS ORIGINAIS SOBRE NÓS A Equipa atua há 39 anos no mercado de distribuição, soluções de impressão, gestão

Leia mais

NIRS DA1650 Oilseed Crush Analyzer

NIRS DA1650 Oilseed Crush Analyzer NIRS DA1650 Oilseed Crush Analyzer Análises diretas de amostras sólidas e líquidas O analisador NIRS DA1650 Oilseed Crush ajuda produtores de óleo a adquirir informações vitais sobre o processo de produtos

Leia mais

PORTFÓLIO DE SERVIÇOS

PORTFÓLIO DE SERVIÇOS PORTFÓLIO DE SERVIÇOS PROJETOS ELÉTRICOS AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Rua: São Carlos, 242 Jardim São João - Araras - SP CEP: 13604-030 Tel: (19) - 9879-5652 email: raphael.engtec@gmail.com 1 - PROJETOS ELÉTRICOS

Leia mais

PLANEJAMENTO DO SUPERVISÓRIO SISTEMA DE CAPTAÇÃO E TRATAMENTO DE ÁGUA

PLANEJAMENTO DO SUPERVISÓRIO SISTEMA DE CAPTAÇÃO E TRATAMENTO DE ÁGUA PLANEJAMENTO DO SUPERVISÓRIO SISTEMA DE CAPTAÇÃO E TRATAMENTO DE ÁGUA 1. ENTENDIMENTO: CAPTAÇÃO / TRATAMENTO DE ÁGUA Descrição do Sistema de Automação e do Processo Captação: O sistema inicial é composto

Leia mais

Primeiro sistema de aperto eletrônico nacional

Primeiro sistema de aperto eletrônico nacional Primeiro sistema de aperto eletrônico nacional Vasta linha de acessórios e peças de reposição Maior interação Maior produtividade Programação amigável Menor custo total de aquisição Inovador! O primeiro

Leia mais

Tecnologia de Redes. Arquitetura de Rede de Computadores

Tecnologia de Redes. Arquitetura de Rede de Computadores Volnys B. Bernal (c) 1 Tecnologia de Redes Arquitetura de Rede de Computadores Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys B. Bernal (c) 2 Agenda Modelo de Referênica OSI

Leia mais

Suporte Técnico Web Energy

Suporte Técnico Web Energy Suporte Técnico Web Energy Alarmes Schneider Electric Suporte Técnico Brasil Data: 18/02/2016 Versão: 1.0 1 Histórico de revisões Versão Data Autor Seção atualizada 1.0 18/02/2016 Vinícios B. Jeronymo

Leia mais

Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1. Prof. Alan Dantas

Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1. Prof. Alan Dantas Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1 Prof. Alan Dantas Ein Mann der konstruieren will, der schaue erst mal und denke Gustav Niemann Aspectos de projeto Analisar Resultados; Fatores

Leia mais

SISTEMA GUARDIÃO. Manual de Usuário

SISTEMA GUARDIÃO. Manual de Usuário SISTEMA GUARDIÃO Manual de Usuário Resumo Neste documento é apresentada uma breve descrição das funcionalidades e da utilização do sistema integrado de detecção de anomalias em redes GUARDIÃO. Versão 1.0

Leia mais

Técnico em Radiologia. Prof.: Edson Wanderley

Técnico em Radiologia. Prof.: Edson Wanderley Técnico em Radiologia Prof.: Edson Wanderley Rede de Computadores Modelo Mainframe Terminal Computador de grande porte centralizado; Os recursos do computador central, denominada mainframe são compartilhadas

Leia mais

SISTEMA DE BILHETAGEM AUTOMÁTICA MANUAL MÓDULO PESSOA FÍSICA - SÃO LUÍS

SISTEMA DE BILHETAGEM AUTOMÁTICA MANUAL MÓDULO PESSOA FÍSICA - SÃO LUÍS SISTEMA DE BILHETAGEM AUTOMÁTICA MANUAL MÓDULO PESSOA FÍSICA - SÃO LUÍS Revisão 06 / Abril de 2015 Índice I n t r o d u ç ã o.................................................................................................

Leia mais

Medidor TKE-120. [1] Introdução. [2] Princípio de funcionamento. [5] Precisão. [6] Características Elétricas. [3] Aplicações. [4] Grandeza medida

Medidor TKE-120. [1] Introdução. [2] Princípio de funcionamento. [5] Precisão. [6] Características Elétricas. [3] Aplicações. [4] Grandeza medida [1] Introdução O Medidor TKE-120 é um instrumento para instalação em fundo de painel, que permite a medição do consumo de energia ativa (Wh) ou reativa (VArh) em sistemas de corrente alternada (CA). Possui

Leia mais

MÓDULO 2 Topologias de Redes

MÓDULO 2 Topologias de Redes MÓDULO 2 Topologias de Redes As redes de computadores de modo geral estão presentes em nosso dia adia, estamos tão acostumados a utilizá las que não nos damos conta da sofisticação e complexidade da estrutura,

Leia mais

Manual Técnico Agendamento do Exame Prático CFCs

Manual Técnico Agendamento do Exame Prático CFCs Manual Técnico Agendamento do Exame Prático CFCs 1 APRESENTAÇÃO A partir do último trimestre de 2014 o DETRAN/PR iniciou a implantação de um novo processo de gestão e organização da oferta das vagas do

Leia mais

Centrais de aquecimento distrital

Centrais de aquecimento distrital Centrais de aquecimento distrital Feito eletricidade e calor em si Princípio da cogeração Produzir e utilizar com eficiência energética Existem muitos métodos para converter a fontes de energia primária

Leia mais

Eu iniciarei mostrando como entrar no sistema e iniciar um experimento e depois o que deve ser feito para preparar laboratórios.

Eu iniciarei mostrando como entrar no sistema e iniciar um experimento e depois o que deve ser feito para preparar laboratórios. 1 Eu iniciarei mostrando como entrar no sistema e iniciar um experimento e depois o que deve ser feito para preparar laboratórios. 2 Como visto na parte 1, os laboratórios VISIR são compostos por quatro

Leia mais

UNA-SUS/UFMA Revolução para Mobile. Prof. Ms. Mariana Lopes e Maia

UNA-SUS/UFMA Revolução para Mobile. Prof. Ms. Mariana Lopes e Maia UNA-SUS/UFMA Revolução para Mobile Prof. Ms. Mariana Lopes e Maia Panorama Estatística final* Quantitativo geral de alunos ingressantes e concludentes nos cursos ofertados pela UNASUS/UFMA 40; 1% 227;

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Telemóvel e a Sociedade 1 de 7 Na minha opinião o uso do telemóvel é indispensável visto que a comunicação instantânea em qualquer lugar e a qualquer hora hoje em dia é imprescindível para a maior parte

Leia mais

ANÁLISE DO NOVO PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO DE ECLUSAS NA HIDROVIA TIETÊ PARANÁ

ANÁLISE DO NOVO PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO DE ECLUSAS NA HIDROVIA TIETÊ PARANÁ ANÁLISE DO NOVO PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO DE ECLUSAS NA HIDROVIA TIETÊ PARANÁ Vinícius Delalibera Trindade Haroldo Silva Barbara Stolte Bezerra ANÁLISE DO NOVO PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO DE ECLUSAS NA HIDROVIA

Leia mais

Curso de Redes Computadores de Longa Distância (Redes WAN - Wide Area Networking)

Curso de Redes Computadores de Longa Distância (Redes WAN - Wide Area Networking) Curso de Redes Computadores de Longa Distância (Redes WAN - Wide Area Networking) Prof. Ademar Felipe Fey Prof. Raul Ricardo Gauer V1.3 - fevereiro de 2011 Capítulo 1 Introdução às redes de computadores

Leia mais

Redes sem Fio WPANs (IEEE ) Wireless Personal Area Networks. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio WPANs (IEEE ) Wireless Personal Area Networks. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WPANs (IEEE 802.15) Wireless Personal Area Networks Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless

Leia mais

Mapa dos Corredores Estruturais

Mapa dos Corredores Estruturais Mapa dos es Estruturais Industrial Umuarama Norte Oeste Dona Zulmira Central Leste Novo Mundo Planalto Sudoeste Jardins Sul Sudeste Santa Luzia Universitário Anéis Oeste Planalto Norte Dona Zulmira Sudoeste

Leia mais

xenergy Painéis TTA até 5000A Novembro, Eaton Corporation. All rights reserved.

xenergy Painéis TTA até 5000A Novembro, Eaton Corporation. All rights reserved. xenergy Painéis TTA até 5000A Novembro, 2011 2011 Eaton Corporation. All rights reserved. Posicionamento Alta Tensão Média Tensão Geração Baixa Tensão 400 690 V Residencial / Comercial Indústria Sistema

Leia mais

Soluções de gestão de clientes e de impressão móvel. Número de publicação do documento:

Soluções de gestão de clientes e de impressão móvel. Número de publicação do documento: e de impressão móvel Número de publicação do documento: 410173-131 Janeiro de 2006 Conteúdo 1 Soluções de gestão de clientes Configuração e implementação................... 1 2 Gestão e actualizações de

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins. Informática Básica

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins. Informática Básica INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins Informática Básica Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio Aula 05 2015/2 Thatiane de Oliveira Rosa

Leia mais

Banco de Dados Distribuído

Banco de Dados Distribuído Bancos de Dados III Bancos de Dados Distribuídos Introdução Rogério Costa rogcosta@inf.puc-rio.br 1 Banco de Dados Distribuído Vários bancos de dados fisicamente separados, mas logicamente relacionados

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Introdução Slide 1 Nielsen C. Damasceno Introdução Tanenbaum (2007) definiu que um sistema distribuído é aquele que se apresenta aos seus usuários como um sistema centralizado, mas

Leia mais

SIMATIC ET 200SP: mais simples, mais compacta, mais potente

SIMATIC ET 200SP: mais simples, mais compacta, mais potente A nova geração de estações remotas SIMATIC ET 200SP: mais simples, mais compacta, mais potente Leia o Código QR utilizando o leitor de código de barras do seu telemóvel Maior eficiência e aumento da produtividade

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE VIII Auditoria em Informática Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Noções gerais de auditoria na empresa em SI Conceito de auditoria Etapas do processo de auditoria

Leia mais

Serviços da MT. para Fazer o Certo, Desde o Começo. Um Parceiro que Você Pode Confiar INGOLD THORNTON. Liderança de Processos Analíticos

Serviços da MT. para Fazer o Certo, Desde o Começo. Um Parceiro que Você Pode Confiar INGOLD THORNTON. Liderança de Processos Analíticos Serviços da MT INGOLD Liderança de Processos Analíticos THORNTON Líder em Analítica de Água Pura Um Parceiro que Você Pode Confiar para Fazer o Certo, Desde o Começo 2Serviços da MT Calibrações do Sensor

Leia mais

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro FORMAÇÃO FORMAÇÃO A quem se destina Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro Principais Benefícios Conhecimento do perfil energético da empresa; Verificação

Leia mais

UPS. Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 50 kva a 500 kva. Aplicações para Missões Críticas

UPS. Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 50 kva a 500 kva. Aplicações para Missões Críticas INFINITE POWER Aplicações para Missões Críticas UPS UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA de Desenho Retificador IGBT Dupla Conversão Tensão e Frequência Independentes (VFI) Energia

Leia mais

Redes sem Fio Sistemas de Telefonia Celular Características. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio Sistemas de Telefonia Celular Características. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 Sistemas de Telefonia Celular Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

Laboratório 2.6.1: Orientação de Topologia e Construção de uma Pequena Rede

Laboratório 2.6.1: Orientação de Topologia e Construção de uma Pequena Rede Laboratório 2.6.1: Orientação de Topologia e Construção de uma Pequena Rede Diagrama de Topologia Rede Peer-to-Peer Objetivos Rede Comutada Com a conclusão deste laboratório, você será capaz de: Identificar

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue:

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue: Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue: Questionamento 1: Tomando como base a definição de que os Conselhos o Federal e os Regionais foram criados por

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE Junho/2016 1 Objetivo Este documento tem por objetivo estabelecer os procedimentos técnicos relativos à adequação

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE TELECOMUNICAÇÕES: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE TELECOMUNICAÇÕES: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE TELECOMUNICAÇÕES: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DC 4014 08/10/13 Rev. 02 1.Dados Legais Autorizado pelo Parecer 324 de 21/11/2006,

Leia mais

A MIC Série 550 Câmara robusta com rotação horizontal, vertical e zoom de exterior

A MIC Série 550 Câmara robusta com rotação horizontal, vertical e zoom de exterior A MIC Série 550 Câmara robusta com rotação horizontal, vertical e zoom de exterior 2 MIC Série 550 Definimos padrões em termos de vigilância Design compacto e elegante para uma integração discreta em ambientes

Leia mais

Arduíno: Uma possibilidade de integração com o gvsig

Arduíno: Uma possibilidade de integração com o gvsig Arduíno: Uma possibilidade de integração com o gvsig Gilberto Cugler1 Eduardo Nardine Gomes2 Vilmar Antonio Rodrigues2 1- Bel em Matemática, técnico em Geoprocessamento e Aerofotogrametria. 2-Professor

Leia mais

Telecomunicação e Redes

Telecomunicação e Redes Telecomunicação e Redes Gleidson Emanuel Engª. Mecânica Izaac Damasceno Engª. Agrícola e Ambiental Jadson Patrick Engª. Agrícola e Ambiental Sergio Santos Engª. Agrícola e Ambiental DEFINIÇÃO (Telecomunicação)

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS Profª Andrea Padovan Jubileu Definição de SI e software Processo de Software Modelagem de Sistemas 2 Um Sistema de Informação Baseado em Computador (SIBC) é parte integrante

Leia mais

Terminal de Operação Cimrex 12

Terminal de Operação Cimrex 12 Descrição do Produto O terminal de operação Cimrex 12 apresenta excelente desempenho em tamanho compacto. Possui visor de cristal líquido alfanumérico de duas linhas e 20 colunas. O teclado de membrana

Leia mais