Um compromisso sério que devolva a esperança e a confiança aos portugueses.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um compromisso sério que devolva a esperança e a confiança aos portugueses."

Transcrição

1 COMPROMISSO DE SALVAÇÃO NACIONAL 1. Enquadramento O nosso país vive uma situação de emergência social, económica e politica. O interesse nacional exige uma grande disponibilidade para o compromisso. Não um compromisso de partilha de poder (ou de troca de lugares). Mas sim um compromisso em torno de políticas e de medidas concretas que retirem Portugal da crise económica, social, política. Um compromisso sério que devolva a esperança e a confiança aos portugueses. Esse compromisso também deve conter resposta e soluções concretas para defender o regime democrático, credibilizar os órgãos de soberania e reforçar a confiança nos partidos políticos. Este não é um momento qualquer na vida do nosso país. Este é um momento raro onde as decisões de cada um marcarão os próximos anos da nossa vida como povo e como país. Desde o início, o PS defendeu e bateu-se para que nenhum partido político, com assento parlamentar, fosse excluído deste compromisso de salvação nacional. O PS agiu assim, a pensar no país, na necessidade de todos contribuírem com soluções e na defesa dos valores essenciais das democracias modernas. Por estas mesmas razões e conscientes da exigência dos desafios do momento, o PS apresenta os seus contributos para a elaboração do compromisso de salvação nacional. 2. Metodologia Princípio da boa-fé do processo de diálogo Todos os partidos políticos expressaram claramente a vontade de iniciarem um diálogo interpartidário tendo em vista alcançar um compromisso na base dos três pilares propostos pelo Presidente da Republica; Não há acordo sobre nada, enquanto não houver acordo sobre tudo; Os participantes nas reuniões assumem um compromisso de reserva relativamente ao conteúdo das mesmas;

2 Os partidos políticos garantem a transmissão de informação necessária à boa prossecução dos trabalhos. Participação nas reuniões Nas reuniões participam exclusivamente os representantes dos partidos políticos; Assiste às reuniões, com o estatuto de observador, um representante do Presidente da República. Funcionamento Os partidos políticos estabelecem o prazo de uma semana para a conclusão do processo de diálogo; Realizar-se-ão reuniões diárias, durante a tarde, nas sedes dos respetivos partidos políticos, pela ordem seguinte: PS, CDS e PSD; O partido político que recebe assegura a coordenação da respetiva reunião.

3 Primeiro pilar De acordo com a Constituição da República, o prazo mínimo para a marcação de eleições para a Assembleia da República é de 55 dias, no caso (presente) da dissolução do parlamento. Tendo como referência a data de 30 de Junho de 2014 para o fim do programa de assistência financeira, as eleições legislativas, dificilmente, poderão ocorrer antes da primeira quinzena de Setembro de 2014, mais concretamente nos dias 7 ou 14 de Setembro. Para o PS, a realização de eleições nestas datas não condiciona a conclusão de um compromisso de salvação nacional. Não obstante, somos de opinião que o interesse nacional aconselha vivamente a realização de eleições antes das férias de Verão, de modo a que entre outras vantagens, o próximo Governo disponha das melhores condições para elaborar a proposta de Orçamento de Estado para O facto de em Maio ocorrerem as eleições para o Parlamento Europeu aconselha, em nome do interesse nacional, a realização de eleições legislativas no mesmo dia das eleições europeias. Poupar-se-ia dinheiro aos contribuintes e aumentar-se-iam as condições para uma maior participação eleitoral. Os riscos de alegada instabilidade junto dos credores estariam acautelados por vida de compromisso de salvação nacional em vigor. Em conclusão, a preferência do PS é pela realização de eleições no mesmo dia das eleições europeias (Maio de 2014), não se opondo às outras duas hipóteses se disso for condição para se alcançar um compromisso. Fixada a data, das eleições, o compromisso de salvação nacional deve estabelecer o respetivo calendário.

4 Segundo e terceiro pilares 1. Mudança de política: prioridade à economia e ao emprego A receita das políticas de austeridade falhou. Os portugueses cumpriram todos os pesados sacrifícios que o Governo lhes impôs, mas o Governo falhou as metas previamente estabelecidas. O défice fiscal, sem receitas extraordinárias, ficou sempre acima do previsto; a divida pública não pára de subir (tendo ultrapassado os 127% do PIB). Como consequência, o desemprego atinge quase um milhão de portugueses e a economia entrou numa espiral recessiva. Só com novas políticas podemos vencer a crise. As novas políticas devem centrar-se no crescimento económico e na criação de emprego e, através destes, equilibrar as contas públicas de forma sustentável. Para que tal aconteça, o PS defende e propõe: 1.1. Estabilizar a economia Parar com as políticas de austeridade Parar com os cortes de 4,7 mil milhões de euros acordados entre o Governo e a troica na sétima avaliação, nomeadamente, parar com os despedimentos na função pública, com mais cortes nas pensões atuais, com a contribuição de sustentabilidade do sistema de pensões e com a redução de vencimentos Política de rendimentos Garantir a estabilização nominal dos rendimentos, através de um Acordo de Concertação Social Estratégico, que garante um aumento do Salário Mínimo Nacional (SMN), das pensões mais baixas e a extensão do subsídio social de desemprego por mais seis meses, para as pessoas que não têm mais rendimentos. Estas medidas promoverão a confiança das famílias e contribuirão para a dinamização da procura interna Controlar as contas públicas Regra para a despesa pública A despesa corrente primária deve estabilizar, em particular na despesa diretamente relacionada com rendimentos. Pelo seu caracter cíclico, o funcionamento dos estabilizadores automáticos deve ser acautelado, respeitando a transposição do Tratado Orçamental para o ordenamento jurídico português (LEO) Equilibrar as contas públicas Para o PS, as contas públicas devem ser equilibradas de forma sustentável. Para que isso aconteça, é necessário estabelecer uma relação entre a evolução da economia e o ajustamento.

5 Para que tal aconteça é necessário uma renegociação política das metas e dos prazos do nosso programa de ajustamento. O compromisso de salvação nacional reforçará a capacidade negocial do nosso país perante os nossos credores, instituições e parceiros europeus Sustentabilidade da dívida pública O PS defende uma solução global e europeia para o problema das dívidas soberanas dos países da zona euro. A parte da dívida soberana superior a 60% do PIB deve ser gerida ao nível europeu, assumindo cada país a responsabilidade pelo pagamento dos juros correspondentes. Esta solução baixava os juros a pagar e o défice orçamental. Sem prejuízo dessa solução mais global, em torno da constituição do denominado Fundo de Redenção, o nosso país deve defender a intervenção do Mecanismo Europeu de Estabilidade na proteção das emissões de dívida dos países da Zona do Euro com maiores dificuldades, em particular aqueles sob maior pressão dos mercados. Por outro lado, afigura-se essencial a renegociação das maturidades dos empréstimos concedidos por credores oficiais, o diferimento do pagamento dos juros e a redução das taxas de juro, para garantir a sustentabilidade da dívida pública. O nosso país deve solicitar o reembolso dos lucros do sistema de Bancos Centrais com SMP (Securities Market s Program), como já aconteceu com a Grécia. Calcula-se que o montante seja de cerca de milhões de euros. Ao mesmo tempo, o Estado deve promover uma consolidação dos recursos públicos para redução do endividamento público ( aplicação de disponibilidades financeiras em dívida pública). O PS defende também o escrutínio público, através da Assembleia da República e da Assembleia Legislativa Regional da Madeira, em respeito pelos respetivos poderes e competências, da execução do PAEF-Região Autónoma da Madeira Prioridade ao emprego e à economia Investimento público e privado Os fundos comunitários devem ser prioritariamente dirigidos para incentivo reembolsável. A componente nacional dos fundos comunitários destinados ao investimento não deve contar para o défice.

6 Diminuir os custos de contexto e promover o investimento nacional e estrangeiro Criar um tribunal especializado para dirimir casos de investimento estruturante (incluindo aqui o investimento estrangeiro). Promover o investimento na ligação ferroviária do Porto de Sines a Espanha, o alargamento dos terminais de contentores do Porto de Sines e o desenvolvimento de um Programa de Qualificação das Áreas de Acolhimento Empresarial no país. Prosseguir e aprofundar o Programa SIMPLEX Incentivos fiscais ao investimento Deve ser igualmente considerada a revisão do Regime Fiscal de Apoio ao Investimento (RFAInv.) e o Regime Fiscal de Apoio à Internacionalização (RFAInt), para apoiar o desenvolvimento empresarial, em particular das PMEs Criação do Banco de Fomento A criação desta instituição financeira com licença bancária deve permitir a articulação com as demais entidades bancárias, utilizando um leque abrangente de soluções, desde o financiamento, à emissão de garantias, à exploração do negócio de seguros de crédito, entre outros produtos financeiros. O desenvolvimento de um Fundo Financeiro para o Desenvolvimento de Recursos Endógenos (agro-alimentares, florestais, mar e serviços desenvolvidos a partir do factor terra) foi uma das propostas apresentadas pelo PS que deve ter prosseguimento. O desenvolvimento do perímetro de rega do Alqueva é só um elemento ilustrativo desta aposta Financiamento das empresas Sistema Fiscal Linha de crédito BEI; Revisão da carta de missão da CGD. A política fiscal em 2014 deve desde logo assumir duas medidas: primeiro, a redução do IVA da Restauração, repondo a taxa intermédia de 13%, corrigindo uma medida de aumento para 23% que se demonstrou errada, quer do ponto de vista orçamental, quer do ponto de vista económico; e, segundo, deve ser empreendida, em 2014, uma redução progressiva do IRC, com considerando o reinvestimento de resultados da atividade económica, a valorização fiscal dos suprimentos dos sócios/acionistas e a criação líquida de emprego. Cumprimento do princípio da Estabilidade fiscal Combate à fraude e evasão fiscal Simplificação fiscal

7 Reabilitação urbana Desenvolver programa de reabilitação urbana como prioridade para a eficiência energética, como forma de combater o desemprego e um défice estrutural da balança de bens. Tal passa, nomeadamente, pela otimização do fundo Jessica e outros recursos comunitários Salvar empresas Alteração à Lei Geral Tributária para viabilizar os PERs Processos Especiais de Revitalização, que têm vindo a ter na Administração Fiscal um forte obstáculo à salvaguarda de postos de trabalho e de valor (capital fixo) Qualificação/formação desempregados Esta política económica deve atender ao problema central da economia portuguesa: o desemprego. Portugal atingirá este ano a fasquia de 1 milhão de desempregados. O PS defende um programa de emergência para apoiar os desempregados sem qualquer apoio social, mobilizando fundos comunitários para qualificar e formar profissionalmente muitos portugueses que neste momento difícil não encontram trabalho e necessitam de transitar entre sectores de atividade. É urgente fazê-lo, em particular para os mais jovens. Operacionalização urgente, pelo Estado português, da Iniciativa Jovem europeia, que deve começar em Janeiro de 2014 para os países com taxa de desemprego jovem superior a 25% Apoio à criação de um fundo de coesão da zona euro, através do Instrumento de Convergência e Competitividade. Este instrumento deve funcionar como um fundo para os países da zona euro fazerem face a choques assimétricos e funcionará como um estabilizador automático, podendo também permitir dar apoio À competitividade.

8 2. Reforma do Estado O PS defende uma reforma do Estado que garanta a sustentabilidade das suas funções. O PS volta a apresentar a sua proposta, entregue em Novembro do ano passado no parlamento. Deste modo, será possível concluir este processo até ao final do primeiro trimestre do próximo ano. A reforma deve constituir-se num processo participado. O PS está, como sempre esteve, disponível para esse processo. 3. Privatizações As receitas previstas com as privatizações, ao abrigo do PAEF, já foram alcançadas, cumprindo-se o montante 5 mil milhões de euros. Assim, cada empresa, por força do PAEF colocada em processo de privatização, deve ser objeto de reanálise. O caso particular da TAP deve levar a um processo negocial particular. O PS defende um processo em que a TAP possa vir a constituir-se como um operador aéreo lusófono. O cariz estratégico da TAP para o desenvolvimento do turismo nacional, um sector exportador de serviços, deve levar a uma operação de privatização com redobrados cuidados estratégicos, protegendo as ligações diretas a mercados-fonte fundamentais. O PS opõe-se à privatização das Águas de Portugal, da RTP e da CGD. 4. Relações com os credores oficiais A equipa técnica da Troica que nos visita não tem competência política para tomar decisões. A renegociação, e o redireccionamento, do nosso programa de ajustamento precisam de um envolvimento dos responsáveis políticos da Comissão Europeia, do Banco Central Europeu e do FMI. 5. Sustentabilidade das finanças públicas 5.1. Consolidação Orçamental Reforço do escrutínio das contas públicas pelo Parlamento: PEC tem que ser submetido à AR antes de ser enviado para Bruxelas; São nulas e não podem ser votadas as propostas de alteração apresentadas em momento posterior ao que foi definido pela Assembleia da República para o processo orçamental, exceto no

9 caso de questões urgentes e inadiáveis assim consideradas por unanimidade pelos grupos parlamentares; Regras para limitação de normas do articulado da lei do Orçamento do Estado que não digam respeito a questões fiscais ou orçamentais; Obrigatoriedade da inclusão na Nota Técnica que acompanha o início do processo legislativo, no parlamento, do respetivo impacto orçamental Reforço da transparência dos elementos do Orçamento de Estado Mapa orçamental obrigatório sobre o Serviço Nacional de Saúde; Mapa com dívidas não financeiras do Estado; Mapa da Dívida Pública; Execução Orçamental mensal detalhada do Serviço Nacional de Saúde Controlo e garantia de boa execução O Governo publica mensalmente os padrões de segurança das rubricas de despesa; Reforço do caracter plurianual do Orçamento de Estado O Orçamento anual deve ser enquadrado num horizonte de três anos. Em cada ano, deve ser estimado o impacto do valor de determinadas rubricas nos anos seguintes (exemplo: a evolução demográfica e a dependência energética; Antecipação do prazo de entrega do Orçamento na AR, para 1 de Outubro, salvaguardando os casos excecionais Limitação pela Assembleia da República do valor da dotação provisional Definição do conceito de défice estrutural. 6. Acordo de Concertação Estratégica O PS defende um Acordo de Concertação Estratégica. Este acordo deve ter como objetivo travar o empobrecimento, estabilizar as expectativas dos agentes económicos e promover a competitividade da economia. Este acordo de confiança deve regular o seguinte: 1) Estabilização de médio prazo do quadro fiscal e das prestações sociais;

10 2) Evolução dos salários em torno dos ganhos de produtividade, da situação económica do País, da taxa de inflação e dos ganhos de competitividade relativa com outras economias; 3) Aumento do salário mínimo e das pensões mais reduzidas, como forma de combate à pobreza e à apoio à recuperação da procura interna; 4) Reposição dos níveis de proteção social assegurados pelo complemento social para idosos e pelo rendimento social de inserção; 5) Valorização da contratação coletiva, como quadro adequado para a promoção da melhoria da produtividade nos diferentes sectores; 6) Mobilizar recursos, designadamente fundos comunitários, para apostar num programa massivo de formação e inserção profissional. 7. Governabilidade Correspondendo à solicitação do Presidente da República quanto às condições de governabilidade, após a realização das eleições legislativas antecipadas, o PS assume as suas responsalidades e reafirma: O PS ambiciona governar o país com maioria absoluta. Se for essa a vontade dos portugueses, mesmo apoiado por uma maioria absoluta no parlamento, o Governo liderado pelo PS não descartará acordos de incidência governamental e empenhar-se-á na busca de acordos de incidência parlamentar. Uma maioria parlamentar é condição necessária para a existência da estabilidade política, mas pode não ser suficiente, como prova a presente legislatura. Acresce que a dimensão dos problemas do nosso país exige um apoio político e social consistente e alargado, com a adesão e o empenhamento do maior número de portugueses. O estado a que o país chegou exige uma cultura de compromisso. É esta cultura de compromisso que o PS subscreve e pratica, independentemente de estar no Governo ou na oposição. Por outro lado, esta cultura de compromisso não anula o papel relevante das oposições. A divergência ou a oposição a uma determinada linha política não impede cada partido político de contribuir para a convergência em determinadas áreas essenciais da nossa vida coletiva.

11 Em aditamento Alcançado o compromisso, o PS considera que não devemos desperdiçar a oportunidade de encontrar soluções para respondermos a outros problemas importantes do nosso país, designadamente: a desconfiança crescente no sistema político, as injustiças na repartição dos impostos, a corrupção e a opacidade na gestão dos negócios públicos. Para estes problemas, o PS defende e propõe: Maior confiança no sistema político, nomeadamente, através da alteração da lei eleitoral para a Assembleia da República que, num quadro de respeito das regras de proporcionalidade e de governabilidade deve promover uma maior aproximação entre eleitos e eleitores (exemplo: um maior poder de escolha por parte dos eleitores). Reforma do sistema fiscal que promova a equidade e combate a fraude e a evasão fiscal. Para tal, propõe-se a criação de um grupo de trabalho, no âmbito da Assembleia da República, composto por todos os partidos políticos, para apresentação de uma proposta de reforma global e coerente do sistema fiscal, até ao dia 31 de Dezembro de Combate à corrupção e à opacidade dos negócios públicos através da: Aprovação de diploma-quadro sobre códigos de conduta e de ética no sector público. Cumprimento de todas as recomendações do GRECO (Grupo de Estados de Combate à Corrupção do Conselho da Europa). Nomeação das comissões de acompanhamento das privatizações no início do processo com designações imparciais, com regras precisas de incompatibilidade e não acumuláveis com a participação noutras comissões. Normas sobre arbitragem e conflitos de interesse. A haver acordo este debate, em sede parlamentar, deve ser aberto à participação de todos os partidos com representação parlamentar e à cidadania.

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que:

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Declaração ao país António José Seguro 19 de Julho de 2013 Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Não houvesse mais cortes nas reformas e nas pensões Não houvesse mais despedimentos na função

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT 12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT Estando a chegar ao fim o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF) e, consequentemente, as avaliações regulares

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

O Partido Socialista votou na generalidade, e votará, na votação final global, contra a proposta de Orçamento de Estado para 2015

O Partido Socialista votou na generalidade, e votará, na votação final global, contra a proposta de Orçamento de Estado para 2015 O Partido Socialista votou na generalidade, e votará, na votação final global, contra a proposta de Orçamento de Estado para 2015 Esta é uma proposta de Orçamento de fim de ciclo político e sem rumo, à

Leia mais

Sobre o combate à pobreza

Sobre o combate à pobreza PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução nº 482/XI-1ª Sobre o combate à pobreza O Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza assinala-se em Portugal num preocupante quadro

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Lisboa, 10 de Outubro de 2015 Na sequência da reunião mantida no dia 9 de Outubro de 2015, e com vista a permitir a avaliação

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Decreto-Lei n.º 181-A/2014, de 24 de dezembro, que «aprova o processo de reprivatização indireta do capital social da TAP, Transportes Aéreos Portugueses, S. A.» Foi

Leia mais

Mensagem de Ano Novo. do Presidente da República

Mensagem de Ano Novo. do Presidente da República Mensagem de Ano Novo do Presidente da República Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2015 Boa noite. Desejo a todos um Feliz Ano de 2015. Os meus votos dirigem-se a todos os Portugueses, quer aos que residem

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM DISCURSO PROGRAMA DE GOVERNO 9.11.2015 MSESS PEDRO MOTA SOARES - SÓ FAZ FÉ VERSÃO EFECTIVAMENTE LIDA - SENHOR PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA SENHORAS E SENHORES DEPUTADOS NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS

Leia mais

Medidas de Revitalização do Emprego

Medidas de Revitalização do Emprego Projeto de Resolução n.º 417/XII Medidas de Revitalização do Emprego A sociedade europeia em geral, e a portuguesa em particular, enfrentam uma crise social da maior gravidade. Economia em recessão e um

Leia mais

Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade Urbana - Apresentação de resultados 13 /Novembro/2012

Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade Urbana - Apresentação de resultados 13 /Novembro/2012 Estudos de Fundamentação do Parecer de Iniciativa Competitividade das Cidades, Coesão Social e Ordenamento do Território Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014. Parecer da CGTP-IN

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014. Parecer da CGTP-IN PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014 Parecer da CGTP-IN O Programa Operacional Regional do Alentejo para o período 2014-2020 tem uma dotação de fundos

Leia mais

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados A proposta do Orçamento

Leia mais

PORTUGAL A CRESCER TURISMO

PORTUGAL A CRESCER TURISMO PORTUGAL A CRESCER TURISMO Turismo Um setor estratégico Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas exportações Turismo 13% Serviços (excluindo Turismo) 18% Bens 69% Unid. Milhões Euros Turismo Um setor estratégico

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger

Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger SEM MAIS EMPREGO NÃO É POSSÍVEL A RECUPERAÇÃO ECONÓMICA DO PAÍS Slides utilizados na intervenção que fiz

Leia mais

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego Solidariedade A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s P a r c e r i a Oportunidade Cultura E m p r e s a s C o o p e rativa s Empreendedorismo PORTUGAL Inclusão Social e Emprego Inovação A c o r d o I

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

Assembleia Nacional. Lei 17/92

Assembleia Nacional. Lei 17/92 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Nacional Lei 17/92 A Assembleia Nacional, no uso das faculdades que lhe são conferidas pela alínea g) do artigo 86.º da Constituição Política, para

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O Banco Europeu de Investimento (BEI) promove os objetivos da União Europeia ao prestar financiamento a longo prazo, garantias e aconselhamento a projetos. Apoia projetos,

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

O que é o Portugal 2020?

O que é o Portugal 2020? O que é o Portugal 2020? Portugal 2020 é o novo ciclo de programação dos fundos europeus, que substitui o antigo QREN (Quadro Estratégico de Referência Nacional). Foi acordado entre Portugal e a Comissão

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

Posição conjunta do PS e do PEV sobre solução política. O Partido Socialista (PS) e o Partido Ecologista «Os Verdes» (PEV) assumem a seguinte posição

Posição conjunta do PS e do PEV sobre solução política. O Partido Socialista (PS) e o Partido Ecologista «Os Verdes» (PEV) assumem a seguinte posição Posição conjunta do PS e do PEV sobre solução política O Partido Socialista (PS) e o Partido Ecologista «Os Verdes» (PEV) assumem a seguinte posição sobre a solução política no quadro da nova realidade

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

Apresentação 8 de Fevereiro de 2012

Apresentação 8 de Fevereiro de 2012 Apresentação 8 de Fevereiro de 2012 Programa REVITALIZAR Apresentação Pública Lisboa, Ministério da Economia e do Emprego 8 Fevereiro 2012 O Programa REVITALIZAR é uma iniciativa do Governo que tem por

Leia mais

UM ESPECIALISTA AO SEU LADO. www.doutorfinancas.pt

UM ESPECIALISTA AO SEU LADO. www.doutorfinancas.pt UM ESPECIALISTA AO SEU LADO www.doutorfinancas.pt Programa Principais sintomas de doença financeira Principais Ferramentas de Gestão de Finanças Pessoais Orçamento familiar O Negócio Bancário Mecanismos

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei n.º 2/88 Manda executar o Orçamento para o ano de 1988 A Assembleia Popular Nacional, usando da faculdade conferida pela alínea

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11. Sistema de Incentivos Qualificação de PME

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11. Sistema de Incentivos Qualificação de PME AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11 Sistema de Incentivos Qualificação de PME CONTRATAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ALTAMENTE QUALIFICADOS DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE

Leia mais

Apresentação e Discussão do Plano e Orçamento para 2013 Discurso de Abertura

Apresentação e Discussão do Plano e Orçamento para 2013 Discurso de Abertura Apresentação e Discussão do Plano e Orçamento para 2013 Discurso de Abertura Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimo Senhor Presidente do Governo Regional,

Leia mais

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES O Novo Regime Jurídico do Sector Empresarial Local O novo regime jurídico do sector empresarial

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 maio 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL (SAESCTN) PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª Tributa as mais-valias mobiliárias realizadas por Sociedades Gestores de Participações Sociais (SGPS), Sociedades de Capital

Leia mais

Primeiro o diagnóstico. A crise que vivemos não está ultrapassada, não tem. natureza conjuntural e não é exclusivamente nacional. É sistémica à zona

Primeiro o diagnóstico. A crise que vivemos não está ultrapassada, não tem. natureza conjuntural e não é exclusivamente nacional. É sistémica à zona Intervenção do Secretário Geral do PS Conferência Lisbon Summit 2015 Lisboa, 24 de fevereiro 2015 I Primeiro o diagnóstico. A crise que vivemos não está ultrapassada, não tem natureza conjuntural e não

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012 Competitividade, Emprego e Investimento 17 de outubro de 2012 Introdução O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos centrais da presente legislatura; Contudo,

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011 Ministério das Finanças e da Administração Pública ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO 11 de Março de 2011 Enquadramento No actual quadro de incerteza

Leia mais

GANHAR AS ELEIÇÕES. GOVERNAR PORTUGAL. REVITALIZAR A DEMOCRACIA.

GANHAR AS ELEIÇÕES. GOVERNAR PORTUGAL. REVITALIZAR A DEMOCRACIA. GANHAR AS ELEIÇÕES. GOVERNAR PORTUGAL. REVITALIZAR A DEMOCRACIA. 1. AFIRMAR UMA ALTERNATIVA DE GOVERNO O Partido Socialista tem de ganhar as próximas eleições legislativas com condições políticas, sociais

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014 Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027 Portaria n.º 151/2014 de 30 de julho O Governo tem vindo a desenvolver uma estratégia nacional de combate ao desemprego jovem assente numa

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

Projeto de Lei n.º 191/ XII - 1.ª. Cria a Taxa sobre Transações Financeiras em Bolsa

Projeto de Lei n.º 191/ XII - 1.ª. Cria a Taxa sobre Transações Financeiras em Bolsa PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 191/ XII - 1.ª Cria a Taxa sobre Transações Financeiras em Bolsa 1. Nada escapa à austeridade concebida e imposta pela Troika que ataca

Leia mais

ILinhas de apoio financeiro

ILinhas de apoio financeiro ILinhas de apoio financeiro Lisboa 03 junho 2012 Direção de Investimento Carlos Abade INSTRUMENTOS DE APOIO À ATIVIDADE PRODUTIVA TURISMO Carlos Abade Faro, 2 de agosto de 2012 Turismo Um setor estratégico

Leia mais

Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis. Maria Luís Albuquerque

Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis. Maria Luís Albuquerque Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis Maria Luís Albuquerque 25 de agosto de 2015 Universidade de Verão do PSD Castelo de Vide 25 de agosto de 2015 Tema: Portugal com Futuro: Finanças Públicas

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 471/X

Projecto de Resolução n.º 471/X Projecto de Resolução n.º 471/X Recomenda ao Governo a adopção de medidas de excepção de apoio aos alunos do ensino superior com dificuldades económicas, face ao momento de recessão económica que o País

Leia mais

ALTERAÇÕES 1-37. PT Unida na diversidade PT 2013/2277(INI) 24.1.2014. Projeto de parecer Helmut Scholz (PE526.301v01-00)

ALTERAÇÕES 1-37. PT Unida na diversidade PT 2013/2277(INI) 24.1.2014. Projeto de parecer Helmut Scholz (PE526.301v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Constitucionais 24.1.2014 2013/2277(INI) ALTERAÇÕES 1-37 (PE526.301v01-00) sobre o relatório de investigação sobre o papel e as operações da troica (BCE,

Leia mais

REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO. Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO. Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa 18 de maio de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Minhas Senhoras

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

Estudo'sobre'o'Impacto'Financeiro'do'Programa'Eleitoral'do'PS' Virar'a'Página'da'Austeridade,'Relançar'a'Economia'e' o'emprego'

Estudo'sobre'o'Impacto'Financeiro'do'Programa'Eleitoral'do'PS' Virar'a'Página'da'Austeridade,'Relançar'a'Economia'e' o'emprego' EstudosobreoImpactoFinanceirodoProgramaEleitoraldoPS Índice I. II. Introdução ViraraPáginadaAusteridade,RelançaraEconomiae oemprego III. IV. V. 1.Aumentarorendimentodisponíveldasfamíliaspara relançaraeconomia

Leia mais

COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO BES/GES

COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO BES/GES COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO BES/GES Intervenção Inicial do Presidente da CD do FdR e Vice-Governador do BdP 25 de novembro de 2014 Sumário 1 2 3 4 Enquadramento institucional da Função de Resolução

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 179/IX ALARGA O REGIME DE INCENTIVOS FISCAIS À I&D EMPRESARIAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 179/IX ALARGA O REGIME DE INCENTIVOS FISCAIS À I&D EMPRESARIAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 179/IX ALARGA O REGIME DE INCENTIVOS FISCAIS À I&D EMPRESARIAL Exposição de motivos Nos últimos seis anos conseguiu-se um verdadeiro take-off da I&D empresarial reflectido nos resultados

Leia mais

PETIÇÃO PARA A REPOSIÇÃO DO IVA NOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO E BEBIDAS

PETIÇÃO PARA A REPOSIÇÃO DO IVA NOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO E BEBIDAS PETIÇÃO PARA A REPOSIÇÃO DO IVA NOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO E BEBIDAS Petição N.º 428/XII/4ª Audição COFAP Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 16.outubro.2014

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Condicionantes do Desenvolvimento Sustentável numa União Monetária

Condicionantes do Desenvolvimento Sustentável numa União Monetária Condicionantes do Desenvolvimento Sustentável numa União Monetária Carlos da Silva Costa Governador XXIV Encontro de Lisboa entre os Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Banco de Portugal, 6

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

DEZ MEDIDAS PARA O PLANO DE RECUPERAÇÃO DA MADEIRA

DEZ MEDIDAS PARA O PLANO DE RECUPERAÇÃO DA MADEIRA DEZ MEDIDAS PARA O PLANO DE RECUPERAÇÃO DA MADEIRA A DÍVIDA DE ALBERTO JOÃO JARDIM É GIGANTESCA. A Madeira atingiu uma dívida total registada de 6328 milhões de euros e um défice de 1189 milhões. Existem

Leia mais

15 MEDIDAS IMEDIATAS PARA UMA ECONOMIA DECENTE

15 MEDIDAS IMEDIATAS PARA UMA ECONOMIA DECENTE MEMORANDO, 10 DE MARÇO DE 2010 RESPOSTA DO BLOCO DE ESQUERDA AO GOVERNO SOBRE O PEC 15 MEDIDAS IMEDIATAS PARA UMA ECONOMIA DECENTE O Governo apresentou no dia 8 de Março o resumo das medidas que incluirá

Leia mais

Um novo caminho para a Europa: Plano da CES para o investimento, crescimento sustentável e empregos de qualidade

Um novo caminho para a Europa: Plano da CES para o investimento, crescimento sustentável e empregos de qualidade Um novo caminho para a Europa: Plano da CES para o investimento, crescimento sustentável e empregos de qualidade Adotado na reunião do Comité Executivo da CES a 7 de Novembro de 2013 Introdução A situação

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura Seminário Orçamento do Estado 2016 3 de Dezembro de 2015 Auditório da AESE Discurso de abertura 1. Gostaria de dar as boas vindas a todos os presentes e de agradecer à AESE, na pessoa do seu Presidente,

Leia mais