IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO ITAPIRACÓ PARA O LAZER E O MICROCLIMA LOCAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO ITAPIRACÓ PARA O LAZER E O MICROCLIMA LOCAL"

Transcrição

1 IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO ITAPIRACÓ PARA O LAZER E O MICROCLIMA LOCAL Juarez Mota Pinheiro Professor do Departamento de Geociências da Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Chefe do Laboratório de Climatologia, Doutorando em Geografia Física USP Analís Oliveira Teixeira Geógrafa e membro da equipe do Laboratório de Climatologia - UFMA Clemilson Silva Caldas Geógrafo e membro da equipe do Laboratório de Climatologia - UFMA INTRODUÇÃO O crescimento das cidades no Brasil teve como principal responsável o intenso êxodo rural, que ocorreu não apenas pelo aumento das oportunidades de trabalho nas cidades, criadas pela industrialização e comércio, mas também, pelo maior acesso à educação e à saúde e pela possibilidade de uma vida melhor, além das precárias condições de trabalho e vida no campo, fruto do modelo agrícola praticado. Segundo Monteiro (1976) e Mendonça (1994), a elevação das taxas demográficas e o avanço da urbanização, geraram uma demanda por planos de gestão territorial urbana que surgiram, principalmente, de movimentos de cunho ecológico, que aproximaram os estudos de clima urbano das atividades de planejamento. A elaboração de estudos de clima urbano, voltados ao planejamento, se constitui numa nova abordagem dessa vertente geográfica de pesquisa, revestindo-a de um caráter mais pragmático e aplicado. Dessa maneira acredita-se que o estudo do clima urbano deve contar com instrumentos que o capacite, no sentido de propor ações práticas e aplicáveis aos processos de planejamento 2734

2 urbano. Os processos de urbanização aliados ao adensamento populacional provocam alterações no sistema de circulação do ar de uma determinada área, ou seja, altera o seu clima urbano, aliadas a atividades antrópicas promovem a formação de diferentes microclimas em uma mesma cidade, sendo denominado como clima urbano, que segundo Mendonça (2003, p. 19), é um sistema que abrange todo clima de um dado espaço terrestre e sua urbanização. Dentre as mais variadas causas de mudanças climáticas, uma das que mais vem sendo estudada é a urbanização, acredita-se, portanto que a cobertura do solo urbano por materiais impermeáveis, a canalização do escoamento pluvial, retirada da vegetação, poluição por indústrias e automóveis, e as constantes modificações na infra-estrutura da cidade alteram o clima urbano, ocasionando modificações nas precipitações, temperaturas máximas mínimas e na umidade do ar. Nesse sentido, podemos inserir a Área de Proteção Ambiental do Itapiracó, situada entre os municípios de São Luís e São José de Ribamar, ambos no Estado do Maranhão, que representa importante papel na manutenção do microclima da Ilha de São Luís. Assim, esta pesquisa tem o objetivo de analisar as variações de temperatura e umidade relativa do ar na APA do Itapiracó e em seu entorno, atrávés da delimitação de oito pontos diferentes, através da técnica de perfil transecto, verificando como o uso e a ocupação do solo influencia na dinâmica da temperatura e umidade relativa do ar e consequente, provoca alterações no microclima. Analisar como está organizado a dinâmica da paisagem dentro da APA e relatar os principais problemas sócioambientais encontrados. MUDANÇA CLIMÁTICA URBANA O clima vem sofrendo mudanças ao longo dos anos, o homem de certa forma vem contribuindo para que esses processos ocorram principalmente no que se refere aos climas locais e aos microclimas. Essas mudanças ocorrem com maior frequência nas construções urbanas, logo, as cidades de maior tamanho são os maiores exemplos das ações antrópicas no que se refere ao clima. Assim, segundo Mendonça e Monteiro (2003) o processo de urbanização é bastante significativo em termos de modificações do clima em escala local, gerando um 2735

3 clima próprio. Pois, o clima urbano é entendido como um sistema que abrange um fato natural (clima local) e um fato social (a cidade). Portanto, pode-se afirmar que no ambiente urbano as alterações surgem com grande frequência, pois várias modificações são efetuadas para satisfazer o gosto da sociedade ou pelo menos de parte dela, eliminações de acidentes topográficos indesejáveis, por exemplo, são constantes, assim como construções de represas de água, aterros, eliminação de uma vegetação originária de determinadas localidades todas essas mudanças aliada com a própria dinâmica da população fazem com que as cidades sejam lugares que apresentem uma natureza retrabalhada e afeiçoada aos propósitos do viver humano. As consequências dessas alterações refletem diariamente na vida das pessoas que residem, trabalham ou frequentam essas localidades, geralmente essas áreas que possuem uma grande urbanização geram uma sensação térmica maior do que se o mesmo local estivesse com sua cobertura vegetal original, o que acaba provocando uma insatisfação por grande parte da população. Essas mudanças na sensação térmica ocorrem devido à drástica transformação na paisagem do local, pois grandes construções passam a ocupar o ambiente da natureza, isso pode provocar a queda da ventilação, e a radiação solar praticamente não chega ao interior desses terrenos. Nesse sentido, As áreas verdes desempenham importante papel nas condições climáticas em microescala das cidades, minimizando a temperatura aumentando a umidade transformando em áreas agradáveis e refrescantes, além da função estética que exerce. As edificações e o solo asfáltico apresenta baixa refletância solar e absorvem uma parcela elevada da radiação incidente. Uma parcela significativa desta radiação é armazenada em forma de calor e devolvida ao ambiente ao final do dia, contribuindo para o aumento da temperatura do ar. Ao contrario da área urbana, a vegetação retém energia solar incidente através da fotossíntese quando participa ativamente da renovação do chamado ciclo do carbono ao transformar o gás carbônico (CO2), a água (H2O) e a energia solar recebida num hidrato de carbono liberando em contrapartida o oxigênio (O) vital para renovação da natureza. Tornam-se excelentes condicionadores térmicos devido a alta absorção da radiação solar incidente nas faixas visíveis sendo grande parte desta energia absorvida transformada em energia química (fundamental para fotossíntese) e em calor latente através do processo de evapotranspiração (RIVERO, 1985). Assim, a vegetação contribui na diminuição da temperatura geral do ambiente e para o conforto térmico nas áreas urbanas 2736

4 retendo calor e liberando vapor d água para a atmosfera. As áreas verdes são importantes, pois para além da beleza estética transforma a área urbana em ambientes agradáveis e refrescante para se viver. LOCALIZAÇÃO DA ÁREA EM ESTUDO Criada pelo Decreto Estadual de número /97, faz divisa com os municípios de São Luís e São José de Ribamar no Estado do Maranhão, Brasil, com uma área total de 322 hectares, a APA - Área de Preservação Ambiental do Itapiracó abrange vegetação remanescente de Floresta Pré-Amazônica, representada por Angelim, Andiroba, Bacuri e outras espécies nativas. Suas coordenadas geográficas são: 2º S 44º W. Figura 1: Localização da APA do Itapiracó - Maranhão, Brasil. MAPA DE LOCALIZAÇÃO São Luís FONTE: GOOGLE MAPS SEM ESCALA METODOLOGIA O método segundo Galliano (1986, p. 6) é um conjunto de etapas, 2737

5 ordenadamente dispostas a serem vencidas na investigação da verdade, no estudo de uma ciência ou para alcançar determinado fim. Dessa maneira, a presente pesquisa foi fundamentada no Método Fenomenológico, utilizando a observação dos fenômenos que envolvem a dinâmica socioambiental da área da pesquisa, associado ao método dedutivo onde houve a racionalização, ou seja, a combinação de ideias em sentido interpretativo, utilizando o raciocínio que caminha do geral para o particular. Além disso, para a execução do presente estudo foi utilizado os seguintes procedimentos metodológicos: Levantamento e análise de material bibliográfico e cartográfico relacionado com a área de estudo, para melhor compreensão e embasamento teórico do assunto; Reconhecimento e levantamento de dados in loco nos dias 15 e 16 de junho de 2013, através da técnica de perfil transecto, no horário de 12h30min às 13h40min no interior da APA e em bairros do seu entorno, com o objetivo de obter dados das temperaturas, umidade relativa do ar e coordenadas geográficas nesses locais. Para a obtenção desses dados foram utilizados termo-higrômetros digitais e o GPS; Registro fotográfico dos elementos socioambientais; Conversas informais com os policiais militares responsáveis pela APA e moradores residentes no entorno da área; Organização, tabulação e Análise dos dados obtidos; Elaboração do texto final. Para o desenvolvimento da pesquisa, foram traçados dois perfis transectos. Um horizontal (perfil A) e outro vertical (perfil B) com 4 pontos de coletas em cada um (figura 01). A partir das coletas dos dados do microclima da APA do Itapiracó e seu entorno foi possível compreender suas configurações a partir da microescala, ou seja, analise das disposições de elementos individuais como a vegetação, vias de acesso urbanizadas, etc. e da escala local compreendendo o uso e ocupação do local, características dos bairros, atividades do local, etc. de modo a compreender como a APA influencia o clima da cidade e dos bairros circunvizinhos. 2738

6 Figura 2: Perfís transectos realizados na APA do Itapiracó A escolha de cada ponto partiu da necessidade de compreender melhor o fenômeno estudado, assim, os pontos abrangeram áreas de vegetação (dentro do parque), áreas urbanizadas sem vegetação (fora do parque), áreas urbanizadas com vegetação (fora do parque) e pontos de limite da APA com áreas urbanizadas. As coletas foram realizadas em dois dias diferentes (dia 15 e 16 de junho de 2013) e simultaneamente nos dois perfis entre os horários das 12h30min às 13h40min sob as condições meteorológica de céu claro e pouca nebulosidade com circulação de vento moderado. CARACTERÍSTICAS DA ÁREA A Área de Proteção Ambiental do Itapiracó está situada ao norte da Ilha do Maranhão entre os municípios de São Luís, capital do Estado do Maranhão e São José de Ribamar. O clima da Ilha do Maranhão é tropical, quente e úmido com temperatura mínima na maior parte do ano que fica entre 21º e 27º Celsius e a máxima geralmente fica entre 27º e 34º graus Celsius. Apresenta duas estações distintas: a estação seca, de agosto a dezembro e a estação chuvosa, de janeiro a julho. A média pluviométrica anual é de mm. A APA do Itapiracó abrange uma área de 322 hectares com coordenadas geográficas limítrofes de S de latitude e W de longitude. Limita-se ao Norte 2739

7 com o conjunto do Parque Vitória; ao Sul com o condomínio Itapiracó; a Oeste com o conjunto Ipem Turu e a Leste com o Cohatrac e Loteamento Soterra. A APA do Itapiracó abrange vegetação remanescente de Floresta Pré-Amazônica, representada por Angelim, do Andiroba, Bacuri e muitas outras. Além de representar abrigo à fauna e à flora nativas. Assim, para o SNUC (Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza), o conceito de APA é: [...] uma área em geral extensa, com um certo grau de ocupação humana, dotada de atributos abióticos, bióticos, estéticos ou culturais especialmente importantes para a qualidade de vida e o bem-estar da população humana, e tem como objetivos básicos proteger a diversidade biológica, disciplinar o processo de ocupação e assegurar a sustentabilidade do uso dos recursos naturais.(brasil, 1988). Desse modo, a APA do Itapiracó por se tratar de uma categoria que visa o manejo sustentável dos elementos bióticos e abióticos a elas associados, pode sofrer uma perda generalizada do seu potencial ecológico caso não haja medidas que reduza os processos de apropriação de parcelas territotiais da APA, que são convertidos em espaços para moradias, para dejeção de efluentes líquidos, assaltos, tráfico de drogas, estupros e homicídios (assassinatos e desovas ) que semanalmente ocorrem naquele lócus (SANTOS, 2006). Durante o levantamento dos dados, também foi observado a existência de loteamentos e conjuntos habitacionais no seu entorno, ocasionando uma série de irregularidades e desrespeito ambiental, tais como o desmatamento, a disposição irregular de resíduos sólidos, a prática de aterros e de efluentes domésticos. 2740

8 Figura 3: Resíduos sólidos no entorno da APA Esses problemas ocorrem devido à ausência de fiscalização efetiva, embora haja um Batalhão de Polícia Ambiental dentro da APA do Itapiracó, o que prevalece é o não cumprimento das leis ambientais. RESULTADOS E DISCUSSÕES PERFIL A Ponto A1 (Posto Brasil V) Ponto cujas coordenadas geográficas foram 2º S e 44º O sendo próximo da APA, situado em uma avenida pavimentada, cercada pela Faculdade FAMA, apartamentos e casas (Figura 4). O solo é bastante impermeabilizado, fazendo com que a taxa de absorção de energia seja bem maior. Apresenta um grande adensamento populacional e um intenso fluxo de veículos acarretando em um dos pontos de maior temperatura registrada. 2741

9 Figura 4: Posto Brasil V 2742

10 A1- Posto Brasil V TEMPERATURA UMIDADE DO AR 15 de junho 33.1 ºC 60% 16 de junho 32.4 ºC 63% Ponto A2 (Estação INMET) A estação do Instituto Nacional de Meteorologia, Ponto A2 (Figura 5), está situado no interior da APA do Itapiracó a 2º S de latitude e 44º O de longitude. Essa estação pertence ao governo federal, onde são coletados dados meteorológicos diários que são enviados para Brasília. É uma área cercada por vegetação. Figura 5: Estação INMET 2743

11 A2- Estação INMET 15 de junho 16 de junho TEMPERATURA 31.7ºC 32.1ºC UMIDADE DO AR 69% 69% Ponto A3 (Batalhão de Policia Ambiental) O ponto A3 está localizado nas coordenadas de 2º S e 44º O. Nessa área (Figura 6) localiza-se no interior da APA e encontra-se o posto do Batalhão de Polícia Ambiental da PMMA com algumas residências e uma quadra é uma área cercada por vegetação, com boa circulação de ar e sensação térmica refrescante. Figura 6: Batalhão de Polícia Ambiental 2744

12 A3 - Patrulha Ambiental 15 de junho 16 de junho TEMPERATURA 31.2ºC 31.7ºC UMIDADE DO AR 68% 64% Ponto A4 (Avenida Passa Rio) A Avenida Passa Rio (Figura 7) está localizada a 2º S de latitude e 44º O de longitude. Por ser uma avenida pavimentada, o solo é bastante impermeabilizado. Além disso, apresenta um intenso fluxo de veículos, com ônibus e carros passando constantemente no local causando alterações no microclima. Figura 7: Avenida Passa Rio 2745

13 A4- Av. Passa Rio 15 de junho 16 de junho TEMPERATURA 32.3 ºC 32.8 ºC UMIDADE DO AR 65% 60% PERFIL B VERTICAL Ponto B1 (UPA Parque Vitória) O Ponto B1 está situado na rua Boa Esperança no Bairro do Turu em frente a UPA do Parque Vitória (Figura 8), cujas coordenadas geográficas são 2º S e 44º O. Além disso, esse ponto é uma avenida não pavimentada e tem um intenso fluxo de veículos, com ônibus e carros passando constantemente no local. Figura 8: Unidade de pronto Atendimento (UPA) 2746

14 B1 UPA 15 de junho 16 de junho TEMPERATURA 31.6ºC 33.2ºC UMIDADE DO AR 67% 57% Ponto B2 (Residencial Canudos) O ponto B2, que têm coordenadas de 2º S e 44º O é uma área residencial que fica no entorno da APA, conjunto denominado Residencial Canudos, (Figura 9) que apresenta pouco fluxo de veículos margeado pela vegetação. Figura 9: Residencial Canudos Ponto B3 (Chácara Itapiracó) O Ponto B3, cujas coordenadas geográficas são 2º S e 44º O no bairro Chácara Itapiracó (Figura 10), o local é uma área residencial, com ruas não pavimentadas e com relativa arborização. 2747

15 Figura 10: Chácara Itapiracó B3 CHAC. ITAPIRACÒ 15 de junho 16 de junho TEMPERATURA 31.4ºC 32.1 UMIDADE DO AR 68% 66% Ponto B4 (Cohatrac V) O ponto B4 (Figura 11) é uma área residencial urbanizada com ocorrência de vegetações e solo impermeável pela cobertura asfáltica. Cercada por bares e supermercado. 2748

16 Figura 11: Cohatrac IV B4 COHATRAC IV TEMPERATURA UMIDADE DO AR 15 de junho 31.7ºC 69% 16 de junho % DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA APA DO ITAPIRACÓ Com uma área de grande vegetação, a APA tem importante papel na manutenção do micro clima local e consequentemente do conforto térmico nos bairros circunvizinhos, influenciando a temperatura e umidade da área urbana e exercendo importante papel na dinâmica microclimática. Com base nos dados coletados constatou-se a importância que a vegetação exerce sobre a temperatura e o conforto térmico da APA do Itapiracó e áreas circunvizinhas. De acordo com os dados coletados a temperatura e a umidade apresentam valores diferentes nos pontos dentro da APA em relação aos pontos de área urbana, fora da APA. Há uma diminuição da temperatura, com valores de 31,6 C e de umidade com valores de 67,5% nos pontos coletados dentro da APA e o inverso nos pontos da área de urbanização, conforme o gráfico 01 e 02 abaixo. 2749

17 Gráfico 01: Perfil A dia 15 de junho Gráfico 02: Perfil A dia 16 de junho Ponto A1 Ponto A2 Ponto A3 Ponto A4 0 Ponto B1 Ponto B2 Ponto B3 Ponto B4 Fica evidenciado na análise do Perfil A nos gráficos acima que os pontos A2 e A3 localizados dentro da APA apresentam menor temperatura e maior umidade em função da presença da vegetação, pois através da retenção do calor e da evapotranspiração reduz o calor e libera vapor d água para o ambiente. E nos pontos A1 e A4 localizados em áreas urbanizadas apresentaram maior temperatura e menor umidade, uma vez que, os edifícios e cobertura asfáltica libera mais calor para o ambiente. Os pontos A2 e A3 apresentam valores térmicos de 31,9 C e 31,4 C e umidade de 69% e 66% respectivamente nos dias 15 e 16 de junho, enquanto os pontos A1 e A4 apresentaram valores de temperatura de 32.7 C e 32,5ºC e umidade de 61,5% e 62,5% respectivamente nos dias 15 e 16 de junho. Constatamos uma diferença térmica da APA com seu entorno em função da dinâmica da vegetação e da ação antrópica no contexto do urbano. E nesse sentido, a vegetação possibilita a moderação da temperatura e aumento da umidade relativa do local favorecendo maior conforto térmico para as comunidades circunvizinhas. Constatamos também uma diferenciação de temperatura e umidade em três áreas diferentes de acordo com a distribuição da vegetação e de elementos urbanos como: vias asfaltadas, circulação de carros, distribuição de edifícios, etc. na área de vegetação, dentro da APA, os pontos A2 e A3 apresentaram menor temperatura e maior umidade, na área urbanizada, pontos A1, A4, B1 e B2, maior temperatura e menor umidade e na área 2750

18 urbana com ocorrência de vegetação, Ponto B3 e B4, medições intermediaria de temperatura e umidade (Veja gráfico 01, gráfico 02, gráfico 03 e gráfico 04). Incide aqui o papel preponderante da vegetação como amenizador térmico do ambiente urbano e os elementos urbanos como fator de influencia no microclima urbano. Nos pontos que foram coletados fora da APA existe uma pequena diferenciação térmica das áreas urbanizadas sem vegetação (pontos A1, A4, B1 e B2) e das áreas urbanizadas com vegetação expressiva (pontos B3 e B4). Como nos mostra os gráficos acima. A primeira apresentando maior conforto térmico e um ambiente mais refrescante do que as áreas urbanas sem vegetação. O mínimo de vegetação na escala do microclima tem alteração no padrão de comportamento da temperatura e umidade do ambiente urbano. A APA do Itapiracó é uma área verde de extrema importância do ponto de vista climático (microclima), ambiental, lazer e social para as comunidades que moram em seu entorno, além de proporcionar um ambiente conforto térmico, um ambiente refrescante é um espaço de lazer para e prática de esporte para as pessoas. Mesmo com uma péssima estrutura a APA é um espaço que as pessoas utilizam para caminharem, dentro e ao seu redor, prática esportiva principalmente o futebol e skate, evidenciado na ocorrência de campos de futebol e pista de skate dentro da APA. CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante do exposto constatou-se a importância da APA do Itapiracó para as comunidades que moram em seu entorno. A APA atuou como elemento atenuador do rigor térmico de uma cidade que se encontra na faixa equatorial, possibilitando maior conforto térmico e clima agradável, além, de ser uma área importante para o lazer. É uma área socialmente integrada as comunidades de seu entorno. É possível perceber que a presença do verde traz benéficos das mais variadas ordens, sejam individuais ou coletivos, físicos ou psicológicos, ambientais ou econômicos, ou mesmo culturais. Acrescenta-se aqui, além da influência sobre a temperatura, a influência sobre a poluição atmosférica e influencia na saúde e bem-estar das pessoas. Verificou-se também, a total ineficácia e/ou inexistência dos órgãos públicos responsáveis pelo gerenciamento da área de proteção ambiental, decorrendo vários problemas como a violência e trafico de droga que é significativa dentro e entorno da área, explicada pelo falta de segurança nas entradas da APA e pouco efetivo da policia ambiental dentro da APA, ocorrência de lixões a céu aberto próximo e dentro da APA, falta de 2751

19 conservação da área, inutilização como lazer de forma efetiva para a população, etc. A pesquisa também representa importante registro da situação atual em que se encontra a APA do Itapiracó em termos ambientais e principalmente atmosférico para futuras pesquisas que tenham com estudo a evolução das transformações naturais na cidade de São Luís do Maranhão. REFERÊNCIAS AYOADE, J.O. Introdução à climatologia para os trópicos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, Cap 4, p GARTLAND, Lisa. Ilha de Calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. São Paulo. Oficina de Textos, Canyon geometry and the nocturnal urban heat island: comparison of scala and field observations. Jornal of Climatology, v1, p , GALLIANO, A.G. O método científico: teoria e prática. São Paulo: Habra, Boundary Layer Methuen & Co., MENDONÇA, Francisco. MONTEIRO, Carlos Augusto de F. Clima urbano. São Paulo: Contexto, PINHEIRO. Juarez Mota. Dinâmica Climática da Ilha do Maranhão. In: FARIAS FILHO. Marcelino Silva. (Org.) O espaço geográfico da Ilha do Maranhão. São Luís, FAPEMA, (no prelo). LOMBARDO, M. A. Ilha de Calor nas Metrópoles o exemplo de São Paulo. São Paulo: HUCITEC, OKE. T. Urban climate global environmental change. In: R. D. TROMPSON and E. PERRY. Applied climatology. London, Routledge, 199. Climate. London. RIVERO, Roberto. Arquitetura e Clima. 2ª. Ed, Porto Alegre: DC Luzzato Editores, SANTOS, Márcio Aurélio. Análise da Degradação Ambiental da APA do Itapiracó. São Luís,

20 A IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO ITAPIRACÓ PARA O LAZER E O MICROCLIMA LOCAL EIXO Problemas socioambientais no espaço urbano e regional RESUMO O crescimento acelerado e desordenado das cidades tem efeito nocivo ao meio ambiente natural, o que ocasiona alterações negativas nas condições ambientais que afetam o bem estar da população. Para amenizar esses problemas socioambientais é imprescindível a existência e a preservação de áreas verdes dentro dos espaços urbanos. Esta pesquisa tem por objetivo estudar a importância da APA (Área de Proteção Ambiental) do Itapiracó, localizada na divisa dos municípios de São Luís e São José de Ribamar no Estado do Maranhão Brasil, para o equilíbrio microclimático e de lazer de alguns bairros circunvizinhos como também o de identificar as principais alterações de ordem ambiental e social que estejam ocorrendo. Criada pelo Decreto Estadual de número /97, com uma área total de 322 hectares, a APA do Itapiracó abrange vegetação remanescente de Floresta Pré-Amazônica, representada por Angelim, Andiroba, Bacuri e outras espécies nativas. Para este estudo, como procedimento metodológico foram utilizados levantamentos bibliográficos, coleta de dados através dos aparelhos termo-higrômetros digitais, GPS e registros fotográficos. Na aplicação metodológica foi utilizada a técnica de perfil transecto em duas rotas distintas e em dois dias com características de condições de tempo iguais. A pesquisa evidenciou inúmeras vantagens advindas da presença da área verde da APA do Itapiracó, a começar pela população circunvizinha que se utiliza desse espaço para seu bem estar com vista a sua saúde e lazer, como também se constatou que a APA representa importante mecanismo para a manutenção do conforto térmico para todo um conjunto de bairros circunvizinhos. Ressalta-se na pesquisa a importância que os dados coletados servirão de base para futuros estudos envolvendo o clima da cidade e as condições socioeconômica e ambiental existentes na APA do Itapiracó. Constatou-se, também, a total ineficácia dos órgãos públicos responsáveis pelo gerenciamento da área de proteção ambiental, decorrendo disso vários problemas ligados à segurança pública e a conservação do espaço para os frequentadores, mesmo com a presença de um batalhão da policia ambiental dentro da APA, verificou-se a existência de lixões a céu aberto próximo e dentro da APA, tentativa de invasão e apropriação da área para fins particulares, falta de conservação e preservação das áreas verdes e, ainda, assoreamento dos riachos e outros problemas ambientais. Com relação a qualidade atmosférica de temperatura e umidade para o conforto térmico, constatou-se através da pesquisa, a importância da APA do Itapiracó para a sua manutenção. Os dados coletados e analisados evidenciaram que a temperatura e a umidade do ar dentro da APA são representativamente mais adequadas e gerador de maior conforto térmico para toda uma população de moradores circunvizinhos à APA do Itapiracó. Palavras-chave: APA do Itapiracó, conforto térmico, preservação ambiental. 2753

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012 Análise dos Microclimas do Parque Farroupilha, Porto Alegre/RS Pedro Hasstenteufel 1, Izadora Flores Rech 2, Bruna Prades Bitencourt 3, Fernanda Saretta 4, Renata Dias Silveira 5 1 Porto Alegre (pedro_hass@hotmail.com)

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves²

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² ¹Professor do Curso de Geografia da UnU Iporá. - UEG ² Bolsista PBIC/UEG, Acadêmico do

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

AMBIENTE TÉRMICO DO PEDESTRE

AMBIENTE TÉRMICO DO PEDESTRE AMBIENTE TÉRMICO DO PEDESTRE 121 AMBIENTE TÉRMICO DO PEDESTRE Léa Cristina Lucas de Souza Camila Pereira Postigo Departamento de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo,Universidade Estadual Paulista, Faculdade

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO E O CONFORTO AMBIENTAL NO LOTEAMENTO HBB EM TERESINA. TERESINA PI BRASIL. (Apoio CNPq) L. M. E. Kallas

PLANEJAMENTO URBANO E O CONFORTO AMBIENTAL NO LOTEAMENTO HBB EM TERESINA. TERESINA PI BRASIL. (Apoio CNPq) L. M. E. Kallas PLANEJAMENTO URBANO E O CONFORTO AMBIENTAL NO LOTEAMENTO HBB EM TERESINA. TERESINA PI BRASIL. (Apoio CNPq) L. M. E. Kallas RESUMO No desenho urbano, a adequação bioclimática aproveita variáveis do clima

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS Matheus Paiva Brasil (1) Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA OCUPAÇÃO DE CAMPUS UNIVERSITÁRIO

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA OCUPAÇÃO DE CAMPUS UNIVERSITÁRIO SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA OCUPAÇÃO DE CAMPUS UNIVERSITÁRIO Angelina D. L. Costa (1); Eduardo R. V. de Lima (2); Joel S. dos Santos (3); Neusa Paes Leme (4); Rayssa A. de Lira (5); Caroline M. Cevada

Leia mais

ALTERAÇÕES DO MICROCLIMA URBANO DE PARANAGUÁ DEVIDO A AÇÃO ANTROPICA PR COLÉGIO ESTADUAL PORTO SEGURO

ALTERAÇÕES DO MICROCLIMA URBANO DE PARANAGUÁ DEVIDO A AÇÃO ANTROPICA PR COLÉGIO ESTADUAL PORTO SEGURO ALTERAÇÕES DO MICROCLIMA URBANO DE PARANAGUÁ DEVIDO A AÇÃO ANTROPICA PR COLÉGIO ESTADUAL PORTO SEGURO Gean do Amaral Geovane do Amaral Aline Mendes Pereira Co-autores: Francisco Xavier da Silva de Souza

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIS TÉRMICOS URBANOS EM MACEIÓ - AL

ANÁLISE DE PERFIS TÉRMICOS URBANOS EM MACEIÓ - AL ANÁLISE DE PERFIS TÉRMICOS URBANOS EM MACEIÓ - AL RESUMO BARBIRATO, Gianna Melo (1); BARBOSA, Ricardo Victor Rodrigues (2); FERNANDES, Emanoel Farias (3); MORAIS, Caroline Santana de (4). (1) Universidade.

Leia mais

ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP

ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 196 ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP Elaine Cristina Barboza, Larissa

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG)

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) Alan Cássio Campos 1 Julio Cezar Costa 1 Gabriel Pereira 1 E-mail: allancassiio@hotmail.com; juliocezar188@hotmail.com pereira@ufsj.edu.br

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia Considerações Sobre a Gestão de Áreas Verdes Com Foco na Arborização de Sertânia - PE Edmaylson Jóia Leandro 1 Maria Betânia Moreira Amador 2 RESUMO Face a necessidade de implantação de espécies vegetais

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAISAGISMO PARQUES E JARDINS Prof. Eliseu Figueiredo Neto 1 CONCEITOS PAISAGEM Refere-se ao espaço de terreno abrangido em um lance de vista, ou extensão territorial a partir de um ponto determinado. 2

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

A EFICIÊNCIA DOS TELHADOS VERDES

A EFICIÊNCIA DOS TELHADOS VERDES ESTUDOS SOBRE AS CONDIÇÕES TERMOHIGROMÉTRICAS QUANDO UTILIZADO OS TELHADOS VERDES Prof. Dr. Humberto Catuzzo Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM/Diamantina-MG hcatuzzo@yahoo.com

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA Andressa Garcia Lima 1, Dra. Maria Aurora Santos da Mota 2 1 Graduada em Meteorologia- UFPA, Belém-PA, Bra. andressinhagl@yahoo.com.br.

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL OLIVEIRA, Maria Antônia Falcão de; VASCONCELOS, Mônica

Leia mais

CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA

CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA. É possível homem e natureza estarem ocupando o mesmo lugar, apesar de atravancar o progresso? A comodidade da vida nas cidades urbanas é mais vantajosa do que a própria

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ BINS, Fernando Henrique²; TEIXEIRA, Laís³; TEIXEIRA, Marília 4 ; RIBEIRO, Mariana 5 1 Trabalho de pesquisa_unifra ² Acadêmico

Leia mais

SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO DE PESQUISA Plantar é preservar! Plante hoje, respire amanhã. Alegrete, de Janeiro de 2011 Plantar é preservar a vida. Plante hoje, respire amanhã. Professor

Leia mais

GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA

GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA COMENTÁRIO DA PROVA Muito boa a prova de Geografia da segunda fase da UFPR 2015. As questões variaram o grau de dificuldade e abordaram assuntos relevantes, como água, BRICS e urbanização. A abrangência

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ÁREAS VEGETADAS PARA A ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR: UM ESTUDO DE CASO DOS BAIRROS BENFICA E CENTRO, JUIZ DE FORA MG.

LEVANTAMENTO DAS ÁREAS VEGETADAS PARA A ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR: UM ESTUDO DE CASO DOS BAIRROS BENFICA E CENTRO, JUIZ DE FORA MG. LEVANTAMENTO DAS ÁREAS VEGETADAS PARA A ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR: UM ESTUDO DE CASO DOS BAIRROS BENFICA E CENTRO, JUIZ DE FORA MG. Resumo Débora Couto de Assis Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Climatologia Carga Horária: 60h/a (teórica e prática) Semestre: 2013.2 Professor: Lucas Costa de Souza Cavalcanti Obrigatória: (X)

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

Elementos e fatores climáticos

Elementos e fatores climáticos Elementos e fatores climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

O clima urbano de Belo Horizonte: análise têmporo-espacial do campo térmico e hígrico

O clima urbano de Belo Horizonte: análise têmporo-espacial do campo térmico e hígrico O clima urbano de Belo Horizonte: análise têmporo-espacial do campo térmico e hígrico RESUMO: Este trabalho analisa o comportamento da temperatura e umidade relativa do ar no município de Belo Horizonte

Leia mais

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas.

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. GLOSSÁRIO Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. Ar Condicionado - Expressão utilizada largamente

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

BIOLOGIA QUÍMICA HISTÓRIA GEOGRAFIA SOCIOLOGIA

BIOLOGIA QUÍMICA HISTÓRIA GEOGRAFIA SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO PROCESSO DE INGRESSO NA UPE Sistema Seriado de Avaliação CADERNO DE PROVA - 2ºDIA BIOLOGIA QUÍMICA HISTÓRIA GEOGRAFIA SOCIOLOGIA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

Plano de Bairro de Canabrava

Plano de Bairro de Canabrava Plano de Bairro de Canabrava PROGRAMA CATA AÇÃO Coordenador Geral: Antonio Bunchaft Coordenador Local: Moises Leão Gil PLANO DE BAIRRO DE CANABRAVA Equipe Técnica: Ronaldo Silveira Lyrio - Coordenação

Leia mais

Para entender melhor como os alagamentos no bairro afetam a população local e quais os fatores responsáveis direta ou indiretamente por esses

Para entender melhor como os alagamentos no bairro afetam a população local e quais os fatores responsáveis direta ou indiretamente por esses INTRODUÇÃO A medida em que a cidade cresce durante o processo de expansão urbana, as pessoas mais pobres são expulsas dos centros e das áreas nobres da cidade e de maneira induzida são direcionadas a novos

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

Avaliação da Temperatura do Ar na Sub-Bacia Hidrográfica do Ribeirão das Anhumas, Campinas,SP

Avaliação da Temperatura do Ar na Sub-Bacia Hidrográfica do Ribeirão das Anhumas, Campinas,SP Avaliação da Temperatura do Ar na Sub-Bacia Hidrográfica do Ribeirão das Anhumas, Campinas,SP Fernanda Carpinetti Vieira Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC fernanda.cv1@puccampinas.edu.br Resumo:

Leia mais

Avenida São João, centro de São Paulo: luz do Sol não chega ao solo por causa do excesso de prédios

Avenida São João, centro de São Paulo: luz do Sol não chega ao solo por causa do excesso de prédios Avenida São João, centro de São Paulo: luz do Sol não chega ao solo por causa do excesso de prédios te o dia e geladeiras à noite. O põe-e-tira de agasalho - e, claro, a propagação de habitações precárias,

Leia mais

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira.

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Ingrid Monteiro Peixoto de Souza 1, Antonio Carlos Lôla da Costa 1, João de Athaydes Silva

Leia mais

FORMAÇÃO E MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO DO EFEITO DE ILHAS DE CALOR NA CAPITAL PARAIBANA

FORMAÇÃO E MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO DO EFEITO DE ILHAS DE CALOR NA CAPITAL PARAIBANA FORMAÇÃO E MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO DO EFEITO DE ILHAS DE CALOR NA CAPITAL PARAIBANA Rayhanne Maria de Araújo Jatobá ¹ Karoline Oliveira Ribeiro ² Rafaelle da Silva Souza ³ ¹ ² Escola Estadual João Goulart;

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

AS OBRAS DE MOBILIDADE URBANA PARA A COPA DE 2014 E AS ILHAS DE CALOR EM CUIABÁ/MT

AS OBRAS DE MOBILIDADE URBANA PARA A COPA DE 2014 E AS ILHAS DE CALOR EM CUIABÁ/MT AS OBRAS DE MOBILIDADE URBANA PARA A COPA DE 2014 E AS ILHAS DE CALOR EM CUIABÁ/MT INTRODUÇÃO Rafaelly Yasmine da Silva Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia/ UFMT yasmine_rafa@hotmail.com

Leia mais

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 1. INTRODUÇÃO Diego Lopes Morais 1 1 Graduando em Geografia / Universidade do Estado do Amazonas - UEA Instituto Nacional

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE.

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL URBANA, MARGEM DO RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. Profa. Miriam Cleide Amorim Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus Juazeiro, BA INTRODUÇÃO

Leia mais

Palavras-Chave: Ilha de Calor Urbana; Meio Ambiente; Urbanização. 1. INTRODUÇÃO

Palavras-Chave: Ilha de Calor Urbana; Meio Ambiente; Urbanização. 1. INTRODUÇÃO ILHA DE CALOR URBANA Priscila Nunes 1 RESUMO: Uma das principais responsáveis pelas alterações do meio ambiente é a expansão urbana. As modificações provocadas nas características do solo se manifestam

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

INFLUÊNCIA DA VEGETAÇÃO NO CONFORTO TÉRMICO URBANO: Estudo de caso na cidade de Maringá - Paraná. Andréia Gonçalves 1. Larissa Siqueira Camargo 2

INFLUÊNCIA DA VEGETAÇÃO NO CONFORTO TÉRMICO URBANO: Estudo de caso na cidade de Maringá - Paraná. Andréia Gonçalves 1. Larissa Siqueira Camargo 2 7 e 8 Novembro 2012 INFLUÊNCIA DA VEGETAÇÃO NO CONFORTO TÉRMICO URBANO: Estudo de caso na cidade de Maringá - Paraná Andréia Gonçalves 1 Larissa Siqueira Camargo 2 Paulo Fernando Soares 3 RESUMO É fato

Leia mais

Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes

Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes Douglas Vaciliev Vacilikio 1 ; Luciano Fleischfresser 2 1 Aluno de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Tecnológica

Leia mais

GEOGRAFIA - RECUPERAÇÃO

GEOGRAFIA - RECUPERAÇÃO 1ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO JULHO GEOGRAFIA - RECUPERAÇÃO 1. Associe os tipos de chuva às suas respectivas características. ( ) Resulta do deslocamento horizontal do ar que,

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 5 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA As variações no clima de um local para outro, determinadas por uma série de combinações ambientais, tanto bióticas como abióticas, produzem, correspondentemente, uma variedade

Leia mais

ANÁLISE DA INTENSIDADE DA ILHA DE CALOR URBANO EM EPISÓDIO CLIMÁTICO DE VERÃO: ESTUDO DE CASO EM SÃO CARLOS-SP - BRASIL. R. V. R.

ANÁLISE DA INTENSIDADE DA ILHA DE CALOR URBANO EM EPISÓDIO CLIMÁTICO DE VERÃO: ESTUDO DE CASO EM SÃO CARLOS-SP - BRASIL. R. V. R. ANÁLISE DA INTENSIDADE DA ILHA DE CALOR URBANO EM EPISÓDIO CLIMÁTICO DE VERÃO: ESTUDO DE CASO EM SÃO CARLOS-SP - BRASIL R. V. R. Barbosa RESUMO A pesquisa estudou a configuração do campo térmico da cidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I CONCEITOS INICIAIS Professor: Emerson Galvani Atuação do Geógrafo Climatologista: Ensino, pesquisa e profissional

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Distinguir os conjuntos

Distinguir os conjuntos A UU L AL A Distinguir os conjuntos Nesta aula, vamos acompanhar como os geógrafos distinguem conjuntos espaciais diferenciados na superfície da Terra. Vamos verificar que tais conjuntos resultam de diferentes

Leia mais

ANÁLISE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR EM ÁREA DE MANGUEZAL NA REGIÃO BRAGANTINA-PA

ANÁLISE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR EM ÁREA DE MANGUEZAL NA REGIÃO BRAGANTINA-PA ANÁLISE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR EM ÁREA DE MANGUEZAL NA REGIÃO BRAGANTINA-PA Vanda Maria Sales de Andrade Antônio Carlos Lôla da Costa Universidade Federal do Pará Rua Augusto Corrêa nº 01, Bairro

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL

4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL 141 4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL Este capítulo se destina a apresentação de algumas tipologias multifuncionais de infraestrutura verde que podem ser aplicadas à área de estudo

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

Estudo da ilha de calor urbana em cidade de porte médio na Região Equatorial

Estudo da ilha de calor urbana em cidade de porte médio na Região Equatorial Estudo da ilha de calor urbana em cidade de porte médio na Região Equatorial Paulo Wilson de Sousa UCHÔA (1); Antônio Carlos Lola da COSTA (2) Mestrando em Recursos Naturais da Amazônia Universidade Federal

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia Metas Curriculares Ensino Básico Geografia 9.º ano Versão para discussão pública Novembro de 2013 Autores Adelaide Nunes António Campar de Almeida Cristina Nolasco Geografia 9.º ano CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

ESTUDO CLIMATÓLÓGICO, ARQUITETÔNICO E PEDAGÓGICO NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS DA CIDADE DE TERESINA PI

ESTUDO CLIMATÓLÓGICO, ARQUITETÔNICO E PEDAGÓGICO NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS DA CIDADE DE TERESINA PI ESTUDO CLIMATÓLÓGICO, ARQUITETÔNICO E PEDAGÓGICO NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS DA CIDADE DE TERESINA PI Sara Raquel Cardoso Teixeira de Sousa 1 Brunna Oliveira Silva 2 Carlos Sait Pereira de Andrade 3

Leia mais

VEGETAÇÃO E SUSTENTABILIDADE URBANA: UM ESTUDO DE CASO PARA CIDADE DE CLIMA TROPICAL CONTINENTAL

VEGETAÇÃO E SUSTENTABILIDADE URBANA: UM ESTUDO DE CASO PARA CIDADE DE CLIMA TROPICAL CONTINENTAL VEGETAÇÃO E SUSTENTABILIDADE URBANA: UM ESTUDO DE CASO PARA CIDADE DE CLIMA TROPICAL CONTINENTAL Fernanda M. Franco (1); Marta C. J. A. Nogueira (2); Karyna A. C. Rosseti (3); Carolina R. Maciel (4); José

Leia mais

CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO

CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO Feitosa, A.C. (DEGEO/NEPA-UFMA/SÃO LUÍS) RESUMO Os elementos e as interações do meio físico sempre influenciaram

Leia mais

TELHADO VERDE COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO SEMIÁRIDO NORDESTINO

TELHADO VERDE COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO SEMIÁRIDO NORDESTINO TELHADO VERDE COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO SEMIÁRIDO NORDESTINO 1 Jacilândio Adriano de Oliveira Segundo; 2 Bruno Menezes da Cunha Gomes; 3 Laércio Leal dos Santos; 4 Phillipy Johny

Leia mais

PRODUÇÃO DE GRAMAS 1. INTRODUÇÃO

PRODUÇÃO DE GRAMAS 1. INTRODUÇÃO PRODUÇÃO DE GRAMAS Carlos Henrique Pimenta Eng. Agr. Especialista Gestão de Agronegócios e pós-graduando MBA Gestão Financeira, Gerente Regional Comercial e de Produção Itograss Agrícola Ltda., Rua T 36

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Endereço: Rua Max de Vasconcelos, n 270, Parque Leopoldina Campos dos Goytacazes RJ Telefone: (22) 9829-6934 mail: ramonfisicacefet@yahoo.com.

Endereço: Rua Max de Vasconcelos, n 270, Parque Leopoldina Campos dos Goytacazes RJ Telefone: (22) 9829-6934 mail: ramonfisicacefet@yahoo.com. IDENTIFICAÇÃO DOS PONTOS DE ACÚMULO DE RDC (RESÍDUO DE DEMOLIÇÃO E CONSTRUÇÃO) EM ÁREAS DE RISCO AMBIENTAL NA CIDADE DE CAMPOS DOS GOYTACAZES: AVALIAÇÃO DOS RISCOS E PROPOSIÇÃO DE MEDIDAS MITIGADORAS.

Leia mais

Questões Climáticas e Água

Questões Climáticas e Água Questões Climáticas e Água Material de apoio para Monitoria 1. (UNICAMP-2012) O mapa abaixo indica a ocorrência de queda de neve na América do Sul. Observe o mapa e responda às questões. a) Que fatores

Leia mais

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG.

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. Resumo Cristina Silva de Oliveira¹ (UFJF³, chrisoliveira.jf@gmail.com) Daiane Evangelista

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

Eixo Norteador: Direitos justiça ambiental e política públicas

Eixo Norteador: Direitos justiça ambiental e política públicas 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014, na cidade de Belo Horizonte/MG Desenvolvimento, Conflitos Territoriais e Saúde: Ciência e Movimentos Sociais para a Justiça

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Professor: Cláudio Custódio www.espacogeografia.com.br Estocolmo 1972 -Desenvolvimento zero X Desenvolvimento a qualquer custo. - Desenvolvimento sustentável - Crise do petróleo Rio 1992 - Agenda 21 -

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Escalas de Análise Urbana e seus Diferentes Efeitos Térmicos. Camila M. Nakata 3

Escalas de Análise Urbana e seus Diferentes Efeitos Térmicos. Camila M. Nakata 3 Escalas de Análise Urbana e seus Diferentes Efeitos Térmicos Léa C. L. Souza 1,, Luciana M. Marques 2 Universidade Federal de São Carlos, Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Rodovia Washington Luís,

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ILHA DE CALOR NA ÁREA URBANA DAS CIDADES DE PETROLINA/PE E JUAZEIRO/BA

OCORRÊNCIA DE ILHA DE CALOR NA ÁREA URBANA DAS CIDADES DE PETROLINA/PE E JUAZEIRO/BA OCORRÊNCIA DE ILHA DE CALOR NA ÁREA URBANA DAS CIDADES DE PETROLINA/PE E JUAZEIRO/BA Péricles Tadeu da Costa Bezerra, Mário de Miranda Vilas Boas Ramos Leitão, Pedro Vieira de Azevedo, Gertrudes Macário

Leia mais

VARIAÇÃO TERMOHIGROMÉTRICA E OS MICROCLIMAS DE ACORDO COM O USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM CINCO PONTOS URBANOS DE CASCAVEL PR

VARIAÇÃO TERMOHIGROMÉTRICA E OS MICROCLIMAS DE ACORDO COM O USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM CINCO PONTOS URBANOS DE CASCAVEL PR VARIAÇÃO TERMOHIGROMÉTRICA E OS MICROCLIMAS DE ACORDO COM O USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM CINCO PONTOS URBANOS DE CASCAVEL PR Natielli Emer de Oliveira, Clara Venilda Melchior Bordignon (Orientadora/UNIOESTE),

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS ENGENHARIA FLORESTAL PADRÃO DE RESPOSTA O estudante deve redigir um texto dissertativo, em que: a) aborde pelo menos duas das seguintes consequências: aumento da emissão de poluentes

Leia mais

Tempo e Clima. Episódios: Luz solar e temperatura, Montanhas, Nuvens, Tempestades, Tempestades, ciclones e furacões, Ventos.

Tempo e Clima. Episódios: Luz solar e temperatura, Montanhas, Nuvens, Tempestades, Tempestades, ciclones e furacões, Ventos. Tempo e Clima Episódios: Luz solar e temperatura, Montanhas, Nuvens, Tempestades, Tempestades, ciclones e furacões, Ventos. Resumo A série Tempo e Clima constitui-se de documentários que descrevem grandes

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais