ARIANNE TOGASHI GONÇALVES. O CORPO E OS PROCESSOS DE SUBJETIVAÇÃO: um Estudo sobre o Ensino da Biologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARIANNE TOGASHI GONÇALVES. O CORPO E OS PROCESSOS DE SUBJETIVAÇÃO: um Estudo sobre o Ensino da Biologia"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS - RIO CLARO LICENCIATURA E BACHARELADO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ARIANNE TOGASHI GONÇALVES O CORPO E OS PROCESSOS DE SUBJETIVAÇÃO: um Estudo sobre o Ensino da Biologia Rio Claro 2009

2 1 ARIANNE TOGASHI GONÇALVES O CORPO E OS PROCESSOS DE SUBJETIVAÇÃO: Um Estudo sobre o Ensino da Biologia Orientador: Prof. Dr. Romualdo Dias Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Câmpus de Rio Claro, para obtenção do grau de Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Rio Claro 2009

3 G635c Gonçalves, Arianne Togashi O corpo e os processos de subjetivação : um estudo sobre o ensino da biologia / Arianne Togashi Gonçalves. - Rio Claro, SP : [s.n.], f. : il. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura e Bacharelado - Ciências Biológicas) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro Orientador: Romualdo Dias 1. Biologia - Estudo e ensino 2. Subjetividade no ensinar ciência. 3. Universidade. 4. Vivissecção. I. Título. Ficha Catalográfica elaborada pela STATI - Biblioteca da UNESP Campus de Rio Claro/SP

4 2 Dedicar meu trabalho. Quão injusto seria citar nomes. Se neste falo sobre a subjetividade, da constituição do meu ser, só poderia dedicar a cada ser que passou pela minha vida. Cada amigo, e muito mais, os inimigos. Cada um que passou e ficou pelo tempo que deveria, para deixar um pouco de si em mim, e talvez de mim neles. Cada sorriso, cada abraço de acolhimento para os conflitos que nós mesmos criamos. Muito mais que palavras, agradeço aos ouvidos, porque palavras muitas vezes foram desnecessárias, na verdade sempre foram. À vida, à família que construí e aos momentos que vivi nestes anos de Rio Claro, que antes pareciam tão longos, mas hoje sinto que foram curtos demais. Aqui descobri um novo significado de casa e família, pois pude ser quem sou nua e sem máscaras. Agradeço ao melhor presente que poderia receber: a lembrança. A lembrança de viver cada momento aparentemente tão simples: Acordar cedo para ir à aula, e perceber que a melhor aula que tive, foi aquela que sai da sala com o amigo e passei o tempo inteiro desta conversando, sem nem perceber as horas passando, porque para mim esse é quem possui o conhecimento: Quem vive o que fala! Agradeço a oportunidade de estar e viver o maior e melhor centro de produção de conhecimento: o mundo. À academia, por ter sido o cenário de todos esses encontros. À família que desde o princípio dessa caminhada sempre me fortaleceu com palavras, paciência e amor. Pelo respeito em aceitar minhas escolhas, por mais que meus caminhos não foram como os sonhados. Aqui aprendi o valor da vida, aprendi a respeitá-la, independente da forma com que se apresenta no mundo. Àquele que sempre, sempre mesmo, esteve do meu lado, fisicamente e espiritualmente. Quem me mostrou a vida e o mundo como é, quem abriu as portas da minha gaiola, e me ensinou o prazer de viver a vida como ela é, sem me proteger, e assim descobri o que é amar. Cada conforto e cada confronto que me proporcionou. Por ser amigo, companheiro, confidente e amante. À minha filha, uma gatinha vira-lata que sem nunca ter dirigido uma palavra a mim, com seus olhares sempre impôs suas vontades e insatisfações, e a todos os bichos que convivi que me ensinaram ao longo de minha vida que os humanos estão longe de ser o animal mais evoluído. Mesmo sem citar nomes sei que cada um que é importante em minha e vida, se identificará em alguns dos sentimentos colocados aqui.

5 3 Sumário Resumo... 4 Apresentação... 5 Introdução... 6 O Projeto Arquitetônico de Biologia Institucional... 9 A Taxonomia A Fisiologia O Sensível de Biologia e os cientistas de Alma A Medicina A Medicina Antroposófica, A Homeopatia e o Vitalismo Crer e Saber Objetos de Estudo/Vítimas da Ciência Simulações: Projetos de Pesquisa e Objetos de Estudo A Vida Transgênica Transformar ou Conservar Conclusão Referências Bibliográficas ANEXOS Depoimento Aluno A Depoimento Aluno B Depoimento Professor A Depoimento Professor B... 44

6 4 Resumo Esta pesquisa analisa a concepção do corpo a partir dos aspectos que explicitam suas implicações sobre as metodologias empregadas nas práticas de ensino em estudos biológicos como, por exemplo, a vivissecção, bem como sobre os efeitos observados nos corpos dos estudantes. Nossa pesquisa delimita o seu objeto de estudo em um recorte que considera a dinâmica de constituição do corpo em sua dimensão material, esta que se assenta nas condições biológicas do existir humano. Propusemos outra passagem pelo trânsito de territórios nos quais os nossos corpos se investem de simbolismo e de elementos oriundos do universo cultural. Esta passagem na metodologia da análise implica nossa condição de pesquisadores situados na fronteira que se desenha entre os estudos da Biologia, Filosofia e Psicanálise. Consideramos o corpo em sua constituição, mas analisamos os modos como esta base material vem sendo tratada nos processos de subjetivação da sociedade contemporânea. Assim, nosso recorte incide sobre o corpo que se faz no espaço que cada sujeito abre para as relações com a alteridade. Acrescentamos que ao optarmos pelo estudo sobre políticas de subjetivação a partir de suas implicações corporais, observamos o cuidado com este corpo que padece, não somente por um aspecto físico, compreendido como participante da ecologia da natureza, mas também como aquele que sustenta os sentimentos, emoções, compreendido como a ecologia dos ambientes grupais e o aspecto da constituição de si, compreendido como a ecologia do ambiente subjetivo.

7 5 Apresentação Considero importante, para início de conversa, expressar a motivação em realizar esta discussão, uma vez que questionamos sobre a impessoalidade e rejeição da subjetividade no processo de ensinar e executar a ciência. Este trabalho é resultado de esforços de pensamentos a partir de uma inquietação, um desconforto que me acompanhou por todos os longos anos de graduação. Muitas vezes isso ocorreu sem perceber o que estava realmente errado, talvez fosse por estar sentindo ao invés de racionalizar. O que me motivou a estudar Biologia se mostrou um empecilho a realizá-la com o bom desempenho esperado. Meu amor pela vida, por um animal, por uma planta gerou desconfortos, para mim, conseqüentemente para alguns professores e muitas discussões com colegas, uma vez que minha intencionalidade era incoerente com a verdade da ciência, a verdade comum. Coloquei-me a questionar muitas vezes minhas dificuldades, mas hoje acredito que muitas destas não eram por incompetência de habilidades, mas sim por uma incapacidade de me adequar, me moldar aos padrões exigidos de um biólogo, um cientista racional desprovido de qualquer influência de sua vida pessoal, de sua história, de seus amores. Fiz biologia por que amo a vida, e qualquer forma de vida, não hierarquizei o valor desta a partir de sua espécie e por um fim científico. Sou apaixonada pela vida e não pela ciência que a estuda através da morte. Escrever este trabalho foi um desafio. Permeia as idéias geradas por sensações. Acredito que esta busca de uma razão, seja diferente das muitas outras razões vistas na ciência. É a razão com a raiz na emoção, que procura uma compreensão para buscar novos modos de se relacionar com ela. Criamos imagens, cascas, rótulos e nos apegamos a eles. Conseguir enxergar o que talvez não queira ver, mesmo estando tão próximo, tão próximo que não dá para encostar, tão dentro, tão misturado com tantos outros sentimentos, sensações e pensamentos.

8 6 Introdução As inquietações, os desconfortos sentidos na pele, o não se sentir em casa, o questionar e procurar esclarecer, buscar e se reinventar, todos estes aspectos nos acompanham em nossos estudos sobre as implicações que uma determinada concepção de corpo, empregada nos métodos didáticos, tem para o processo educacional. Tomar consciência de que somos feitos de muito mais do que imaginamos ser, e muito além do que nos ensinam na escola se constitui em um desafio para quem transita nestas fronteiras de estudos interdisciplinares que aqui propomos realizar. Tudo que se é se perde quando meu corpo, este que é finito, padece? Nossas relações, nossas experiências construída por toda uma vida, permanece para constituição de si, para que então, possamos permanecer imortais em cada uma das nossas relações. É o infinito dentro do finito, são sentimentos dentro de um corpo, é a mente e o corpo que não se pode distinguir, separar, classificar, dizer onde começa ou termina. Será que somos somente sistemas que realizam funções básicas para nos mantermos vivos como espécie? A vida é nascer, crescer, reproduzir e morrer? Questiono aqui essa visão de um corpo que sustenta somente as necessidades biológicas, que não sente, não pensa, não se relaciona, não faz parte do mundo e o mundo dele. Somos feitos de um corpo, que necessita sim, de um suporte para respirar, mas o que é respirar? Encher de ar os pulmões, para que trocas gasosas sejam feitas através de alvéolos? E em seguida, expirar para eliminar os gases tóxicos? Respirar, também pode ser um contato mais próximo do mundo, e o mundo com o sujeito, como uma inspiração que possa expandir o corpo, o ventre para o mundo, e em uma expiração contrair, um pouco mais do mundo para dentro de mim, estando assim, mais voltado ao meu interior. Respirar pode ser muito mais do que o aprendido na escola, mas também a ter um pouco do outro em si. Aprender a respirar é estar em contato com o outro, com o seu ambiente, e também, estar em contato com a constituição de si.

9 7 Em tempos do mundo global, a busca por uma identidade, nos torna suscetíveis às intenções das máquinas produtoras de signos, moldando as relações e as reduzindo a formas pré-estabelecidas, tornando assim, o consumidor uniforme, fácil de ser manipulado e persuadido a consumir produtos, marcas, imagens e comportamentos. A intenção destes mecanismos é a de produzir a ilusão de inclusão no mundo atual. Regina Favre, expressa este empobrecimento da biodiversidade subjetiva como fast forms, nos poupam tempo, esforço e angústia de buscar quem e como ser e viver no mundo a partir da nossa relação com os acontecimentos. A Biologia em sua visão mecanicista, também estabelece sua relação com o animal (não humano), de forma instrumental: ratos de laboratório, sapos, cães e gatos, instrumentos de aula prática, rompe-se aqui a alteridade com outras formas de vida, rebaixando-as à uma involuntária devoção aos interesses do homem. Como os alunos, recebem essa metodologia de ensino prático? O quanto ela é prática e eficaz? Essas metodologias usadas a milhares de anos vêm sendo reproduzidas, sem mais serem questionadas, é a reprodução do pré-estabelecido. Guattari critica esses mesmos procedimentos, no corpo da psicanálise, diz que é necessário reorientar conceitos e práticas para fazer deles outro uso, para desenraizá-los de seus vínculos pré-estruturalistas com uma subjetividade totalmente ancorada no passado individual e coletivo. É preciso reinventar novos métodos de ensinar a Biologia (do Grego: bíos, vida + lógos, tratado) sem ser através da morte, de forma que estas experiências práticas se corporifiquem no aluno de modo eficaz e não agressivo, fazendo-se assim presente no estudo biológico o uso da ecosofia, proposta por Guattari, onde trata de possibilitar novos valores rompendo com a subjetividade capitalista. A intenção deste trabalho é enriquecer o debate do porque do modo de vida humano individual e coletivo, permanecer ossificado por uma espécie de padronização de comportamentos. É a relação da subjetividade com a exterioridade seja ela social, animal, vegetal, cósmica que se encontra assim comprometida numa espécie de movimento geral de implosão e infantilização regressiva. A alteridade tende a perder toda a aspereza 1. Como, por exemplo, a prática de 1 Guattari, F. Página 8

10 vivisseção em aulas de biologia, que despreza essa relação com a vida do animal não humano. 8

11 9 O projeto arquitetônico da Biologia institucional A individualidade do corpo aberto perde-se e se dispersa na pluralidade dos órgãos. (Michel Tibon-Cornillot) A Biologia moderna, institucional, desenvolveu-se nos moldes da teoria mecanicista da vida, inspirado em René Descartes, no século XVII. Esta teoria visando à análise científica racional afirma que as plantas, animais, inclusive os corpos humanos são autômatos, como máquinas semelhantes ao relógio. Na quinta parte do Discurso do Método, ele faz uma descrição fisiológica - o corpo é uma máquina de terra, e suas funções dependem das funções dos órgãos. Supunha-se que a mente se comunicava com o corpo-máquina por uma glândula cerebral, estabelecendo assim a interação entre espírito e matéria. Outra forte influência de Descartes na biologia acadêmica foi a do método reducionista, em que a compreensão de um fenômeno ou a solução de um problema estava ligada a necessidade de dividir as dificuldades em quantas partes fosse necessária para resolvê-las, além de conduzir com ordem os pensamentos, começando com os mais simples e seguindo para os mais complexos e então fazer uma síntese da realidade complexa, que foi decomposta em partes menores. A última etapa consiste em fazer toda enumeração, classificação e revisões para nada se omitir. Foi nestes moldes que a ciência moderna se estabeleceu, criou suas verdades e deu grande impulso à tentativa de limitar o fenômeno da vida ao nível molecular, prestigiando, dando status às pesquisas voltadas à biotecnologia. Enquanto isso, áreas de investigações holísticas ocupam posições insignificantes na hierarquia da ciência, como por exemplo, a etologia, estudo do comportamento animal, em que não somente a matemática pode explicar e provar. É necessário quebrar barreira do ceticismo para compreender um fato. Como as questões levantadas sobre como os pombos sabem o caminho de volta para casa, ou como o animal de estimação sabe que você está a caminho de casa. A verdade é que os mecanicistas sempre temeram, e continuam a temer, que a

12 10 aceitação da realidade de algo misterioso ou místico na esfera da vida implique o abandono das certezas laboriosamente adquiridas pela ciência. 2 O todo não é somente a soma das partes, existe algo de não palpável ou visível à racionalidade humana, que liga estas partes dando o que chamamos de vida. É como se partes de um corpo seccionado, uma vez remontado pudesse ser chamado de corpo, de vida novamente. Então, como podem biólogos, quererem compreender a vida, se para realizá-la fazem em suas práticas perder-se o fenômeno que buscam estudar? Não é possível ciência nenhuma explicar a vida, pois esta não consiste somente em um funcionamento sistêmico de diversos órgãos trabalhando juntos, mas também de uma vida subjetiva, ainda que a busca de uma explicação para a vida funcional seja através de práticas que fazem que o foco de estudo se perca pelo método realizado. Como estudar a vida através de vivisseções? Desmontar animais e plantas pode dar uma vaga noção das estruturas materiais que sustentam a vida, mas nunca provaram e nunca irão provar através destes métodos o verdadeiro significado de vida. A natureza é feita de organismos, não de máquinas. E não só apenas os organismos vivos, mas também os sistemas não biológicos, como as moléculas, as galáxias, o cosmos. 3 Através da fragmentação, o método reducionista, facilita a quebra na relação de subjetividade do pesquisador com a vida, uma vez que manipular estruturas (órgãos, tecidos, células) cada vez mais específicas o distancia de um questionamento ético em relação ao seu objeto de estudo. O problema é posto ao acreditar que os resultados obtidos nos extratos inferiores possam possibilitar uma compreensão dos níveis mais complexos. Cada nível inaugura um funcionamento, um conhecimento específico. Pode dizer-se num certo sentido que a fronteira que separa o vivo da matéria é feita de uma série de fronteiras que se articulam entre si num sistema de encaixamento cujo conhecimento de conjunto poderia permitir a definição do vivo. 4 A partir disso, vemos, hoje, os estudos biológicos erguidos e sustentados sob as idéias reducionistas, mecanicistas e antropocêntricas. 2 Sheldrake, R. Página 20 3 Sheldrake, R. Página 21 4 Tibon-Cornillot, M. Página 75

13 11 A TAXONOMIA Todo o estudo da biologia desenvolveu-se graças à taxonomia, uma tentativa de por ordem ao caos, pois acreditavam que sem ela não poderia haver ciência ao contrário, cada estudo se limitaria a desenvolver um saber para cada indivíduo. É nesse sentido que Buffon afirma: de fato, na natureza só há os indivíduos; e os gêneros, as ordens e as classes só existem na nossa imaginação. 5 Carl von Linné, no século XVIII durante a grande expansão da história natural, buscou classificar os seres vivos em uma hierarquia. Linné pesquisou o caráter constituinte, a marca própria da planta e animais. Segundo Cornillot, tratava-se na verdade de caracterizar as propriedades comuns a certos indivíduos, através das quais eles se distinguem dos outros. Ao aplicar este processo de classificação, os biólogos passaram a reduzir o ser vivo, à seu caráter. 6 Ao só considerar um caráter, ao nomeá-lo, ao retê-lo sozinho no espírito; em suma, ao reduzir a planta ao caráter, o pensamento liberta-se do caos das imagens sensíveis. Pode então efetuar o seu trabalho de classificação. (...) É reduzindo o campo perceptivo, concentrando a atenção em um caráter, que num mesmo movimento se privilegia uma seqüência perceptiva, e se forja um conceito classificatório 7. Esta é a verdade aplicada na ciência, que diz sempre basear-se em fatos e provas. A manipulação da verdade é sempre omitida ou justificável aqueles que crêem nela! Onde a ciência se diferencia dos mitos religiosos? A taxonomia começa, portanto, a ordenar o visível a partir de uma procura dos elementos hierarquicamente mais fundamentais, num movimento de redução que passa do conjunto individual ao estudo das suas partes. Para ordenar o visível, fez-se importante o estudo das partes, as características visíveis dos seres vivos, é este ramo da pesquisa biológica que vai fazer nascer a fisiologia e dominará o fim do século XVIII 8 5 Tibon-Cornillot, M. Página 45 6 Tibon-Cornillot, M. Página 46 7 Tibon-Cornillot, M. Página 46 8 Tibon-Cornillot, M. Página 46

14 12 A FISIOLOGIA Neste processo de classificação da vida em grupos que possuíam UMA ou poucas características em comum, teve como conseqüência a análise das características destes indivíduos. A fragmentação do organismo vivo em órgãos, tecidos, células, cromossomos e genes, permitiu que os reducionistas estabelecessem uma continuidade fundamental entre a matéria e o vivo. Procuram a partir dos elementos fundamentais do vivo, agir sobre eles, a fim de provar experimentalmente a justeza das hipóteses iniciais, orientar a sua dinâmica para objetivos científicos, técnicos ou econômicos. 9 Algo que chamou muito minha atenção nos anos de estudo na graduação foi perceber a contradição de hábitos pessoais e as práticas profissionais, de alguns de meus professores, que em muitas conversas mais individuais, íntimas, percebia a influência religiosa de seus discursos, mas a partir do momento em que são professores ou pesquisadores, deixam de lado suas crenças, suas ideologias e vestem as verdades da ciência. Em uma primeira aula prática, de uma disciplina, em meu último ano de graduação, lembro-me do professor explicando o procedimento do experimento de aula, em que animais seriam submetidos a uma prática vivissecionista, foi quando percebi que mais uma vez, teria que explicar meu posicionamento perante a prática a ser realizada. Após o término da explicação, procurei o professor em particular para explicar minha posição não favorável à prática executada em aula. Procurei ser educada e não ofensiva como muitos em minha posição seriam, e como Newton já havia dito, toda ação tem uma reação, e mesmo que nossas relações não possam ser colocadas em fórmulas acredito que não foram de mesma intensidade, antes mesmo que pudesse explicar meus motivos o professor se armou contra mim, a ponto de eu já sensibilizada com a situação começar a chorar. Neste ponto, já não tinha mais razão que me colocasse a altura de uma argumentação de meus pontos. Então, fui obrigada a me sentar com colegas e realizar o experimento, neste momento a única coisa que conseguia fazer era chorar. Chorava, por me sentir frágil e impotente por 9 Tibon-Cornillot, M. Página 116

15 13 não fazer na prática o que acredito, sei que poderia ter me recusado, mas minha fragilidade e muitas outras coisas influenciavam aquele momento, aquele rebaixamento de meus princípios. Aquela contradição interna e externa, que me remoia em meus sentimentos e em meus pensamentos. E esta experiência se mostrou exemplo da inutilidade desta prática, nenhum aprendizado pode ser fixado, pois estava tão nervosa que não conseguia me concentrar nos conhecimentos que o professor quis transmitir. Aulas práticas, em geral, devem ser estudas e realizadas com cautela para não causarem efeito contrário ao desejado! E simplesmente, por uma aula não ter sido realizada com giz e lousa, não quer dizer que seja prática. Uma aula prática tem de promover uma vivência positiva no desenvolvimento do estudante e não ser uma alternativa para entreter o aluno ou para preencher uma aula que o professor não pode comparecer. Mas esta história ainda tem outro ponto importante a ser discutido. O professor, em meio a sua euforia, pensou que meus motivos eram religiosos e disse: Eu também sou católico, mas o que posso fazer? Esse é meu trabalho!. O que posso eu fazer ao ver tanta incoerência? Porque tantas máscaras? Quando quis tirar a máscara, Estava pregada a cara 10. É isso que acontece, procuramos máscaras que combinem com a roupa 11 que usamos. Os cientistas não percebem as diferenças e particularidades de cada indivíduo, tanto fisiologicamente, quanto psicologicamente, mas se diferenciam quanto indivíduos pessoais e profissionais, são pessoas diferentes com histórias diferentes. O contexto de cada lugar dita as regras de como devem se comportar. É para isso que servem as máscaras e as roupas: elas nos permitem vestir diferentes subjetividades, vestir a alma com novos trajes, ser o que for mais aceitável ser em cada contexto social. A subjetividade não está sendo entendida aqui como coisa em si, essência imutável e centralizada no indivíduo, mas como produção social. Ela é essencialmente fabricada e modelada no registro do social e assumida por indivíduos em suas existências particulares. 12 O pesquisador se fragmenta em profissional e pessoal, deixa em casa seus valores seus princípios e ao vestir seu jaleco, veste também a racionalidade científica. 10 Fernando Pessoa (Álvaro de Campos), A Tabacaria, Barcelos, T. M., Guattari, F. & Rolnik, S. Micropolítica Cartografias do Desejo. 1986, PP 31-34

16 14 O sensível da Biologia e os cientistas de alma. Cada pessoa que passa em nossa vida, passa sozinha, é porque cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra! Cada pessoa que passa em nossa vida passa sozinha e não nos deixa só porque deixa um pouco de si e leva um pouquinho de nós. Essa é a mais bela responsabilidade da vida e a prova de que as pessoas não se encontram por acaso Charles Chaplin MEDICINA Nos cosmos antigos e medievais, o corpo humano foi o mais das vezes concebido como um microcosmo ligado ao mundo, ao macrocosmo, formando com ele uma totalidade inseparável. (...) Com efeito, como a Lua influencia tudo o que sobre a Terra releva do úmido, um cirurgião que se atrevesse a incisar um corpo quando a Lua se levanta correria o risco de não conseguir parar a hemorragia. 13 Culturas antigas, não se colocavam a parte da natureza, percebendo a confluência entre fenômenos naturais e as respostas de seus corpos. Hoje, a natureza é ensinada como algo verde e distante, quando na verdade somos nós! 14 Intervir sobre, e no corpo, era assim intervir num sistema de força transcendente. Hoje, a maioria dos bebês são encaminhados ao mundo de forma impositiva, nem mesmo em um primeiro contato com a nova vida, respeitam nosso tempo natural. Por que tantos nascimentos de crianças sadias, de mães sadias, são feitas através de intervenções médicas? Quais as razões? Mulheres se anestesiam para não sentir o nascimento de seus filhos, submetem-se a um procedimento cirúrgico, marcam data. Durante milhares de gerações, os homens não escolheram nem o dia do nascimento dos seus filhos, nem a sua organização genômica. Podiam, é certo, suprimi-los à nascença, ou pouco depois (nunca se privaram dessa prerrogativa), 13 Tibon-Cornillot, M. Página Daniel DeLamonica

17 15 mas estas duas marcas do destino, o nascimento e a constituição biológica, estavam fora do alcance. Agora, deixou de ser assim. 15 A natureza, o cosmo, as forças externas ao nosso poder (que a ciências nunca aceitou), tem cada vez mais perdido espaço e importância nas vidas das pessoas. Não queremos participar nem mais do nascimento de nosso próprio filho. Esta é mais uma forma de mecanizar e mercantilizar a vida. A MEDICINA ANTROPOSÓFICA, A HOMEOPATIA E O VITALISMO Podemos perceber que os saberes tradicionais sob as plantas curativas, popularizadas como simpatias ou mesmo magias, foram distanciadas dos modelos e práticas científicas, desvinculando-as de um saber institucionalizado. O conhecimento intrínseco (inerente), ou a sensibilidade do ser curandeiro, xamã ou mago, para com estes elementos, foram rebaixados pela formalização da ciência. No entanto, os estudos de fármacos, à medida que aperfeiçoa os métodos de análise, estão sendo levados ao conhecimento tradicional de plantas medicinais e descobrem nelas os efeitos já antes previstos pelos curandeiros. Para Paracelso ( ), a análise terapêutica das plantas se baseia numa teoria geral de correspondências de sinais, caracteres, tintas, que se inscreve numa harmonia universal, o princípio trinário divino com as três divisões do universo mundo inferior, astral, divino, as três partes do homem espírito, alma, corpo -, as três forças constitutivas enxofre, mercúrio, sal. 16. Esta situação pode ser muito bem exemplificada através da Medicina Antroposófica, sendo na maioria das vezes, aplicada pela Homeopatia. Assim como Paracelso, Haller ( ) via o ser humano como um composto trimembrado, formado pelo corpo, pela força vital 17 e por uma alma espiritual pensante. A idéia se opunha ao mecanicismo já então hegemônico, que apresentam a vida como fruto da organização dos sistemas materiais que lhe servem de base. Haller a partir de sua idéia de força vital deu base para que Samuel Hahnemann ( ), no seio do romantismo Alemão, origina-se a Homeopatia. 15 Tibon-Cornillot, M. Página Tibon-Cornillot, M. Página Força Vital (Lebenskraft) é a força sem a qual a vida não poderia ser explicada. Tratar-se-ia de uma força específica, distinta da energia, estudada pela Física e outras ciências, que atuando sobre a matéria organizada daria como resultado a vida.

18 16 A grande arte da homeopatia consiste em encontrar o padrão de força vital natural que possa agir de forma singular e terapêutica sobre a força vital do paciente: o medicamento único. Há aqui a afirmação enfática do indivíduo, da individualidade. Cada indivíduo tem um medicamento. 18 No intuito de encontrar o medicamento único específico para cada indivíduo, Hahnemann, seguiu o pensamento de Hipócrates, o pai da medicina: Similia similibus curentur (os semelhantes curam os semelhantes). Este pensamento, de uma forma diferente, já era muito antes aplicado pelos curandeiros de comunidades tradicionais que acreditavam que os benefícios para o homem procurados nas plantas podem deduzir-se da sua semelhança com o homem, com o seu corpo, com o seu aspecto, assim com as patologias que o deformam. 19 Já a Medicina Antroposófica explica essa atuação do medicamento semelhante a partir da inversão do processo da substância material através da sua dinamização. Uma substância que contrai, faz expandir, se dinamiza ou vice-versa. Steiner (1980) observou que qualquer substância, ao ser dinamizada, vai libertando as suas forças formativas. Nas dinamizações baixas, manifestam-se aquelas forças comuns de coesão da matéria. 20 A conquista da Homeopatia por um espaço na medicina foi de grande importância, pois resgatou e reinventou uma ciência que atribui valores subjetivos ao corpo e à vida, respeita a individualidade de cada doença e não a reduz ao mau funcionamento de um órgão, uma peça, mas estabelece uma relação emocional, espiritual da cura com a enfermidade, esta que muitas vezes está muito mais relacionada ao ritual da cura do que no próprio principio (ativo). Remédios alopáticos funcionam como as medidas política. Ambos procuram mascarar a real causa da doença tratando os sintomas e não a causa dos sintomas, isso por que não conseguem enxergar (literalmente) o que liga a vida ao corpo material. O objetivo da descoberta já mudou de foco, não é mais a busca descoberta da cura, pelo conhecimento, mas sim pela glória e status que a descoberta traz. 18 Moraes, W. A. 2005, Página Tibon-Cornillot, M. Página Moraes, W. A. 2005, Página 349

19 17 CRER E SABER Há milênios o homem faz biologia sem o saber. Os gestos do cultivador, do horticultor, a reprodução por estaca, o alporque, a enxertia ou também os do criador surgiram com a civilização e aperfeiçoaram-se com o progresso dos seus meios e necessidades. Os antigos souberam rapidamente tirar partido das fermentações para preparar o vinho, o pão, os queijos. Aprenderam a utilizar o sal, o fumeiro, o frio para preservar os seus alimentos e dar-lhes mais gosto e realce 21 Somente agora, e bem devagar, a ciência começa a dar valor ao conhecimento tradicional. Este conhecimento tem um poder transformador na ciência, pois trás ao meio científico um aprendizado desenvolvido ao redor de uma história, uma subjetividade de cada observador aprendiz. Que através de práticas tradicionais, no convívio familiar aprende muito mais que informações técnicas. Não se limita a acreditar em uma verdade dita, mas observa, vivencia cada novo aprendizado, é essa emoção, essa vivência que falta no biólogo, no cientista, que mais acredita do que sabe. Essa diferença entre crer e saber coloca a ciência como qualquer religião, pois ela não sabe, crê. Por exemplo, qualquer pesquisador que usa o conhecimento ou informações de outra pesquisa feita, toma por base, conclusões alcançadas por outro cientista, mesmo que ele não a tenha realizado, vivenciado. Ela ambiciona alcançar o saber a partir da crença em teorias e métodos que por muitas vezes o torna fragmentado. O argumento contrário diz sobre a imutabilidade das verdades religiosas mas então a verdade da ciência, não pode ser chamada assim, pois esta é imutável. São sempre hipóteses. A verdade é uma percepção sobre algo, que tem sua validade em um determinado espaço e tempo. OBJETOS DE ESTUDOS / VÍTIMAS DA CIÊNCIA O modelo cartesiano emergente influenciou o início dos estudos biológicos e o desenvolvimento da ciência. Este decompõe, desmonta, o que acreditavam serem máquinas, já não sabiam olhar a totalidade do ser estudado, e é ainda hoje visto como objeto de estudo. As ciências ocidentais apareceram num contexto em que a ruptura entre o vivo humano e os outros vivos era uma evidência. Os animais e vegetais podem e devem ser instrumentalizados François Gros, 22 Tibon-Cornillot, M. Página 246

Entrevista 01. Colaborador: Prof. Dr Ysao Yamamura

Entrevista 01. Colaborador: Prof. Dr Ysao Yamamura 1 Entrevista 01 Colaborador: Prof. Dr Ysao Yamamura Para o SUS, eu acredito que seria um bom investimento! Pela economia e pela satisfação que o doente tem... Doutor Ysao é Professor Associado Livre Docente

Leia mais

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Autor: Regis Mesquita Blog Nascer Várias Vezes - http://www.nascervariasvezes.com/ "Não ser autêntico é uma forma de evitar aquilo

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Auto desenvolvimento no passado e no presente

Auto desenvolvimento no passado e no presente Auto desenvolvimento no passado e no presente DESAFIOS AOS PAIS CONTEMPORÂNEOS parte 4 Ana Paula Cury Em tempos antigos, na infância da humanidade, o homem foi guiado, a princípio, diretamente por seres

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa tem o objetivo de possibilitar ao leitor um conhecimento específico sobre a história da Ciência

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho?

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS 681 1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANEXO 4 - ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS SUJEITO UNIDADE DE CONTEXTO UNIDADE

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

MISSÃO NA CIDADE UM NOVO OLHAR. Por que você deve dar este estudo

MISSÃO NA CIDADE UM NOVO OLHAR. Por que você deve dar este estudo 31 4 MISSÃO NA CIDADE UM NOVO OLHAR Por que você deve dar este estudo Chegamos ao último estudo de nossa série de 11 anos. Ao longo desses encontros, conversamos sob a luz do texto de Mateus 28.19-20a,

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

INTRODUÇÃO. A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem

INTRODUÇÃO. A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem INTRODUÇÃO A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem Quero tocar as estrelas Mas já sei Que não poderei Senti-las Pois a viagem É sem volta. Nash Ngaïve,

Leia mais

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina.

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina. EntreVISTA Fotos: Divulgação/Shutterstock O grande empreendedor encara os desafios Entre esperar o livro pronto e escrevê-lo, o comerciante Arnaldo Tsuruda preferiu seguir pela segunda opção. A história

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

das espécies Chegamos à aula 50! Durante as aulas do Os trabalhos de Charles Darwin

das espécies Chegamos à aula 50! Durante as aulas do Os trabalhos de Charles Darwin A evolução das espécies A UU L AL A Chegamos à aula! Durante as aulas do telecurso, você viu vários temas relacionados com a Biologia: genética, botânica, zoologia, fisiologia, ecologia entre outros. Finalizaremos

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

VIDA ETERNA NO REIKI WILTON RIBEIRO DA SILVA. Rio de Janeiro

VIDA ETERNA NO REIKI WILTON RIBEIRO DA SILVA. Rio de Janeiro VIDA ETERNA NO REIKI WILTON RIBEIRO DA SILVA Rio de Janeiro 2 0 1 0 S U M Á R I O 1. INTRODUÇÃO 03 2. VIVER ETERNAMENTE 04 3. MÉTODO REIKI DE ENERGIA CÓSMICA 15 4. VIDA APÓS A MORTE 30 5. VIDA CRISTÃ 35

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS OPÇÕES DE LOGO 1. Psicotraumatologia Clínica 2. PSICOTRAUMATOLOGIA CLÍNICA psicotraumatologia clínica Todos já perdemos ou perderemos pessoas queridas e, geralmente,

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

se formaram, viveram, fizeram e o pouco que aprenderam ou muito foi dentro daquele órgão confuso, terrível, que talvez não seja o melhor para

se formaram, viveram, fizeram e o pouco que aprenderam ou muito foi dentro daquele órgão confuso, terrível, que talvez não seja o melhor para Sidnei Possuelo Eu em primeiro lugar queria agradecer a universidade por propiciar esse espaço hoje muito importante, muito importante, porque vivemos realmente uma crise, e esse espaço aqui é um espaço

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

Ler o que escrevem aqueles que não concordam com nossas crenças é uma das. melhores formas de aprendizagem. As objeções destas pessoas são sempre um

Ler o que escrevem aqueles que não concordam com nossas crenças é uma das. melhores formas de aprendizagem. As objeções destas pessoas são sempre um Reencarnação: resposta às críticas de um cético Regis Mesquita Blog Nascer Várias Vezes http://www.nascervariasvezes.com/ Ler o que escrevem aqueles que não concordam com nossas crenças é uma das melhores

Leia mais

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 1 Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera USO DE ANIMAIS ESTÁ CERCADO DE : aspectos emocionais questões religiosas aspectos culturais dilemas morais 2 INFLUÊNCIADO POR: filósofos cientistas protetoras meio

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL POR MEIO DE ATIVIDADES ENVOLVENDO GEOMETRIA ANALÍTICA E AUTOCAD

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL POR MEIO DE ATIVIDADES ENVOLVENDO GEOMETRIA ANALÍTICA E AUTOCAD INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL POR MEIO DE ATIVIDADES ENVOLVENDO GEOMETRIA ANALÍTICA E AUTOCAD Thatiana Sakate Abe 1 abe.thaty@gmail.com Bianca Serico Leite biancaserico@hotmail.com Fabiano Antonio Bessani

Leia mais

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag Autor: Rabbi Yehuda Ashlag A Kabbalah ensina a correlação entre causa e efeito de nossas fontes espirituais. Estas fontes se interligam de acordo com regras perenes e absolutas objetivando gols maiores

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde Valdir Reginato Espiritualidade

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco NOTÍCIAS Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco Mobilizar. Colaborar. Transformar. Muitas foram as motivações que levaram você e mais 791 colaboradores Itaú Unibanco (e

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Alliance for Childhood Movimento Internacional

Alliance for Childhood Movimento Internacional Alliance for Childhood Movimento Internacional Palestrante: Christopher Clouder Presidente do Fellowship das escolas Waldorf para o reino Unido e Irlanda e o CEO do Conselho Europeu para a Educação Waldorf

Leia mais

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling.

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renunciese a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE

APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE Apresentação Seja bem vindo ao curso de Formação em Tanatologia à distancia oferecido pela Rede Nacional de Tanatologia. Você será acompanhado em seus estudos por

Leia mais

Apresentação EMOÇÕES SAUDÁVEIS Cuidando da alma ferida e sem esperança faz parte da série Saúde Emocional elaborada visando o discipulado de líderes, no contexto da igreja local. Quando falamos de discipulado,

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

Os Setes CélebresC. Sete Dias da Semana. Cores do Arco-Íris.

Os Setes CélebresC. Sete Dias da Semana. Cores do Arco-Íris. Ciclo dos Sete Anos O Número N Sete Esse número n é venerado háh mais de 3.000 anos por razões sacerdotais, desde os tempos da antiga Babilônia. Em todos os livros sagrados, de todas as religiões, o número

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO 1 RESUMO OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO Glória Maria A. F. Cristofolini Nada se passa na mente que o corpo não manifeste, cita Hermógenes. Quando a medicina ocidental passou a

Leia mais

Fundamentos ético-políticos. da interdisciplinaridade. Félix Guattari

Fundamentos ético-políticos. da interdisciplinaridade. Félix Guattari Fundamentos ético-políticos da interdisciplinaridade Félix Guattari Todos estão conscientes de que a complexidade dos objetos de pesquisa, no domínio das ciências humanas e do meio-ambiente, exige uma

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor http://www.despertardoamor.com.br

14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor http://www.despertardoamor.com.br 14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor Este e-book é um dos BÔNUS que fazem parte do Processo Despertar do Amor. Para saber mais sobre este trabalho, acesse: INTRODUÇÃO O grande

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Serasa Experian e Educação Financeira

Serasa Experian e Educação Financeira Família e Dinheiro FAMÍLIA E DINHEIRO Serasa Experian e Educação Financeira O Programa Serasa Experian de Educação Financeira Sonhos Reais é uma iniciativa que alia o conhecimento em crédito da empresa

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

Manual prático sobre Relacionamentos Afetivos com base no Tantra

Manual prático sobre Relacionamentos Afetivos com base no Tantra Manual prático sobre Relacionamentos Afetivos com base no Tantra O intuito de escrever esse manual prático é trazer uma fórmula simples e rápida para que as pessoas possam se encontrar e relacionarem-se

Leia mais

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Comunicação Espiritual J. C. P. Novembro de 2009 Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Resumo: Trata-se de uma comunicação pessoal de um amigo do grupo

Leia mais

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense A herança renascentista: controle da natureza Deslocamento do teocentrismo

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

EDUARDO ZIBORDI CAMARGO

EDUARDO ZIBORDI CAMARGO EDUARDO ZIBORDI CAMARGO Dudu era o segundo filho do casal Flávio Camargo e Elza Zibordi Camargo, quando desencarnou, aos sete anos incompletos. Hoje, além de Flávia, a família se enriqueceu com o nascimento

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE MENINAS QUE MORAM EM ÁREA DE RISCO EM CAMPINA GRANDE PARAÍBA- BRASIL

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE MENINAS QUE MORAM EM ÁREA DE RISCO EM CAMPINA GRANDE PARAÍBA- BRASIL PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE MENINAS QUE MORAM EM ÁREA DE RISCO EM CAMPINA GRANDE PARAÍBA- BRASIL Maria das Graças Santos (*) Adriana Jerônimo de Lima() Monica Maria Pereira da Silva Valderi Duarte Leite Centro

Leia mais

Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005)

Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005) Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005) Lhundrup: Sou um monge budista. Estou muito contente em encontrar vocês. Vocês já encontraram um monge budista antes? Uma paciente:

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br O TEMPLO DOS ORIXÁS Quando, na experiência anterior, eu tive a oportunidade de assistir a um culto religioso, fiquei vários dias pensando a que ponto nossa inconsciência modificou o mundo espiritual. Conhecendo

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

PSICOSE E REENCARNAÇÃO

PSICOSE E REENCARNAÇÃO Matéria de capa 6 PSICOSE E REENCARNAÇÃO NESTA ENTREVISTA, O DR. MÁRIO SÉRGIO SILVEIRA, PSICOTERAPEUTA, EXPLICA COMO O ESPIRITISMO PODE ABRIR NOVAS PERSPECTIVAS NO TRATAMENTO DAS DOENÇAS MENTAIS Por Érika

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA: USO DE ANIMAIS NO ENSINO E NA PESQUISA EM MEDICINA VETERINÁRIA

COMISSÃO DE ÉTICA: USO DE ANIMAIS NO ENSINO E NA PESQUISA EM MEDICINA VETERINÁRIA COMISSÃO DE ÉTICA: USO DE ANIMAIS NO ENSINO E NA PESQUISA EM MEDICINA VETERINÁRIA ALBERTO NEVES COSTA, Méd. Vet., MSc., PhD CEBEA/CFMV albertoncosta@ul.com.br Histórico da Medicina Veterinária Exercício

Leia mais

Entrevistado: Data da Entrevista: Entrevista: 1- Como você percebe o processo de criação de marcas?

Entrevistado: Data da Entrevista: Entrevista: 1- Como você percebe o processo de criação de marcas? Entrevistado: Guto Lacaz Data da Entrevista: 19 de Julho de 2011 Entrevista: Pessoalmente Formado em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura de São José dos Campos, faculdade onde também realizou cursos

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Este livro explica como você pode usar sua realidade para obter autoconhecimento. Boa leitura!

Leia mais

O OLHAR DOS PROFESSORES PARA A INFÂNCIA

O OLHAR DOS PROFESSORES PARA A INFÂNCIA O OLHAR DOS PROFESSORES PARA A INFÂNCIA Ariane Sandrin Pianegonda 1 Inês Bueno Krahe 2 Resumo Este artigo pretende apresentar os resultados da pesquisa desenvolvida durante o curso de extensão: Escola

Leia mais

Oração. u m a c o n v e r s a d a a l m a

Oração. u m a c o n v e r s a d a a l m a Oração u m a c o n v e r s a d a a l m a 11 12 O Evangelho relata que por diversas vezes, quando ninguém mais estava precisando de alguma ajuda ou conselho, Jesus se ausentava para ficar sozinho. Natural

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

DUNKER, C.I.L. Desautorização da Mãe pelo Pai. Revista Pais e Filhos, 2008. A Desautorização da Mãe pelo Pai

DUNKER, C.I.L. Desautorização da Mãe pelo Pai. Revista Pais e Filhos, 2008. A Desautorização da Mãe pelo Pai A Desautorização da Mãe pelo Pai - Quais as consequências de haver um conflito entre pai e mãe em relação à autoridade perante os filhos ou quando divergirem em relação à determinado tema na frente das

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS FORTES, Gilse Helena Magalhães PUCRS GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora: não contou com financiamento A escola por ciclos,

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO GAMBA, Adriane Becker FACSUL adri_becker@hotmail.com TRENTO, Valma Andrade UFPR walmaat@yahoo.com.br Resumo O presente trabalho tem

Leia mais