Programação de uma Rede de Sensores para o Corpo Humano por meio de uma Interface Gráfica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programação de uma Rede de Sensores para o Corpo Humano por meio de uma Interface Gráfica"

Transcrição

1 Programação de uma Rede de Sensores para o Corpo Humano por meio de uma Interface Gráfica Talles M. G. A. Barbosa 1, Iwens G. Sene Jr 1, Adson.F. Rocha 2, Francisco A. O. Nascimento 2, Hervaldo.S. Carvalho 2,3 1 Departamento de Computação (CMP), Universidade Católica de Goiás (UCG), Brasil 2 Departamento de Engenharia Elétrica (ENE), Universidade de Brasília (UnB), Brasil 3 Faculdade de Medicina (FMD) Universidade de Brasília (UnB), Brasil Resumo As características inerentes das Redes de Sensores para o Corpo Humano (RSCH) têm grande potencial para influenciar as aplicações clínicas pelas próximas décadas por promoverem um novo paradigma para o monitoramento da saúde humana baseado em sistemas vestíveis. A programação das RSCH por meio de interfaces baseadas em linhas de comando pode não ser adequada aos profissionais da saúde por consumir muito tempo, por ser propícia a erros e por requerer conhecimento técnico especializado. Para lidar com estas limitações, uma interface gráfica orientada pela aplicação tem sido desenvolvida para suporte ao projeto Body-Worn Sensor Networks. Esta ferramenta permitirá que a programação e a reconfiguração de uma RSCH possam ser executadas local ou remotamente pela Internet a partir de uma interface visual e sem perda da generalidade. Palavras-chave: Redes de Sensores para o Corpo Humano (RSCH), autômatos, multiprogramação, Java Abstract - The inherent characteristics of the Body Sensor Networks (BSN) have a great potential to influence clinical applications for the next decades. It can promote a new paradigm for health monitoring based on wearable systems. The handling of a BSN through a command-line programming interface may not be adequate for healthcare professionals. It s time-consuming, error-prone and requires specific technical knowledge. To address some of these limitations an application-oriented interface has been developed for the body-worn sensor networks project. The configuration tool allows the local or remote programming of the BSN through a visual and application-oriented interface. The interface also allows the inclusion of new sensors into the BSN. Key-words: Body Sensor Networks (BSN), automata, multiprogramming, Java Introdução A capacidade de operação autônoma e a utilização de um meio de comunicação sem fios características inerentes das Redes de Sensores Sem Fios (RSSF) aplicadas ao monitoramento do corpo humano têm grande potencial de influir nas aplicações clínicas pelas próximas décadas por promover um novo paradigma para o monitoramento da saúde humana por meio de sistemas computacionais embutidos na indumentária das pessoas (wearable systems). O projeto Body-Worn Sensor Networks (BWSNET) Project tem como objetivo a construção de uma infra-estrutura para o monitoramento da saúde humana por meio das redes de sensores sem fios que serão vestíveis e até mesmo implantadas no próprio corpo. Para oferecer suporte à programação e à reconfiguração de uma Rede de Sensores para o Corpo Humano (RSCH) uma arquitetura de software orientada pela aplicação 1 e chamada de SOAB (Software Architecture for Body-Worn Sensor Networks Project) tem sido desenvolvida. Como parte integrante da SOAB, a BWSNET Configuration Tool é uma interface gráfica que apresenta dois níveis de abstração: (i) no nível mais alto a rede de sensores e seus parâmetros reconfiguráveis e (ii) no nível mais baixo os nós-sensores que podem ser dedicados a um único propósito, ou multifuncionais. Essa interface tem como objetivo facilitar a programação dos nós-sensores em tempo de compilação, durante o ciclo de deployment, bem 1 O termo orientado pela aplicação é introduzido neste texto para caracterizar sistemas projetados ou customizados para um conjunto de aplicações com requisitos similares e específicos, tal como uma RSCH. Uma RSSF deve ser projetada a partir dos requisitos de uma ou de um conjunto de aplicações similares, seu Design Space [1]. Portanto, deve ser orientada ao domínio da aplicação.

2 como permitir a reconfiguração da rede e dos nós-sensores durante a execução da aplicação. Por ser orientada pela aplicação, e não de propósito geral, a BWSNET Configuration Tool é responsável por oferecer aos profissionais da saúde, a partir de agora programadores, um meio pelo qual possam descrever seus algoritmos de maneira menos cansativa, consumindo menos tempo, menos propícia a erros, mais intuitiva, por ser visual, e mais facilitada, sem necessidade do conhecimento específico de modelos computacionais. Esta interface permitirá que uma RSCH seja programada e reconfigurada local ou remotamente pela Internet sem perda de generalidade, ou seja, com a possibilidade de incluir novos sensores que não foram previamente especificados. Embora existam vários projetos que empregam RSSF para o monitoramento humano (vide referências a partir de [2]), até o momento a maioria deles ainda não discutiu a importância de modelos específicos para programação de RSCH ou delegaram essa responsabilidade a um modelo de propósito geral, baseado no framework TinyOS [3], o que usualmente não oferece suporte adequado aos profissionais da saúde, gestores típicos desses sistemas. Assim, o objetivo de deste artigo é apresentar a BWSNET Configuration Tool, descrevendo as principais funcionalidades e ressaltando os benefícios. Metodologia BWSNET Configuration Tool foi inteiramente desenvolvida utilizando tecnologia Java [4] a partir de uma modelagem orientada a objetos. A escolha dessa tecnologia se deu em função da quantidade de bibliotecas de código disponíveis para uso gratuito, da adequação à metodologia utilizada no projeto e principalmente em função da portabilidade entre diferentes plataformas de suporte. O modelo de dados que representa cada um dos nós da rede estende uma interface definida para um nó-sensor genérico proposta por Cavalho et al. em [5]. O diagrama de classes apresentado pela Figura 1 ilustra o modelo de dados comum a todos os sensores inclusos na rede. A classe Individual Sensor tem atributos tal como identificação do sensor, tipo do sensor, taxas de transmissão de dados e etc., além de operações que podem manipular o fluxo de informações e gerenciar o nível de bateria de cada sensor. A classe Redundant Sensor adiciona informações referentes à redundância de sensores na classe Individual Sensor. A classe Pre-Processing inclui diferentes funções usadas para o processamento de sinais analógicos e digitais. Este modelo de dados uniformiza as informações a respeito das capacidades e dos objetivos de cada sensor, facilitando a inserção de novos sensores que não foram inicialmente planejados. Figura 1 Modelo de dados para nósensor genérico. Fonte: [5] Para suportar a inclusão de novos sensores sem necessidade da recompilação do código fonte BWSNET Configuration Tool implementa uma interface baseada em Java Reflection [6], com suporte para java applets, java applications e java thinlets [7]. Essa interface habilita o sistema a carregar em memória um novo objeto que representará o novo sensor, fazer sua introspecção e finalmente executá-lo a partir de uma invocação de métodos descobertos em tempo de execução. Figura 2 Invocação Dinâmica de um novo sensor A Figura 2 apresenta o diagrama de seqüência que ilustra a invocação dinâmica de um novo sensor implementado a partir de um objeto Java Application. Note que cls, retorno e m

3 representam meta-objetos Java, ou seja, objetos que representam objetos externos ao sistema cujos métodos não são conhecidos em tempo de compilação. Resultados A programação da rede normalmente é iniciada pela seleção e programação dos nóssensores. O nível de transparência oferecido aos programadores é configurável. O programador pode simplesmente selecionar as tarefas executadas por esses dispositivos como também o nível de inteligência embutido em cada nósensor, por exemplo, pela inclusão algoritmos para remoção de ruído, pela seleção dos protocolos de rede, pela seleção dos mecanismos para gerenciamento de energia e pela seleção dos alarmes dentre outros. A Figura 3 ilustra a interface de programação de um nó-sensor multifuncional 2 para a captura do ECG. operando com freqüência de amostragem de 500 Hz e ainda (iii) ECG com seis derivações operando com freqüência de amostragem de 1000 Hz. A vantagem dessa abordagem refere-se principalmente à economia de energia pela possibilidade de redução da freqüência de operação, aliada à possibilidade de redução do volume de informações a ser transmitido por unidade de tempo. Além disto, na impossibilidade do sistema operar com uma das três tarefas, haveria ainda aproximadamente 66% de chances de se manter ativo em uma das duas outras tarefas restantes, desde que os as tarefas sejam completamente independentes. A partir do momento em que o programador finaliza suas escolhas um arquivo texto em formato XML (Extensible Markup Language) com as informações a respeito das configurações é gerado pelo sistema. Posteriormente, ao comando do programador o conteúdo deste arquivo é encapsulado numa mensagem SOAP (Simple Object Access Protocol) [8] e enviado ao BWSNET Proxy, um artefato de software executado no gateway que interconecta a RSCH limitada por RF (Rádio Freqüência) e a Internet. Figura 4 Programação e reconfiguração da RSCH pela Internet Figura 3 Interface para programação do nósensor multifuncional para captura do ECG Suponhamos que o programador tenha selecionado uma configuração a partir da colocação dos eletrodos, como ilustrado na Figura 3. Neste caso, o programador poderá dispor de um nó-sensor de ECG com três diferentes funcionalidades: (i) ECG com única derivação operando com freqüência amostragem de 100 Hz, (ii) ECG com três derivações 2 O termo nó-sensor multifuncional utilizado neste texto referese à capacidade de um nó-sensor em desempenhar mais de uma funcionalidade compartilhando o tempo de processamento por meio da multiprogramação. Os dispositivos representados pelo gateway podem incluir desde PCs (Personal Computers) para uso doméstico, PDAs (Personal Data Assistants) ou até mesmo telefones celulares, desde que disponham de interfaces capazes de interconectar uma rede IP à RSCH. A Figura 4 ilustra as entidades e os protocolos para interconexão das redes durante a programação e a reconfiguração da RSCH pela Internet. No BWSNET Proxy as informações são extraídas e repassadas ao módulo gerador automático de autômatos. Este módulo é responsável por decodificar a mensagem enviada por BWSNET Configuration Tool com o objetivo de construir toda imagem do sistema, o código binário que será embutido nos nós-sensores.

4 Outra funcionalidade não menos importante do servidor Proxy é a de promover, por meio de interfaces padronizadas, a integração da RSCH com um sistema de informação de saúde externo (Heathcare Information System HIS). A Figura 5 ilustra o comportamento do software gerado automaticamente para o nósensor de ECG a partir de uma representação baseada em autômatos. Autômato ou máquina de estados finitos é um modelo utilizado para representar o comportamento de um sistema computacional. É composto por estados, representados por círculos, e eventos, representados por arestas, que indicam as ações responsáveis pelas mudanças de estados. Figura 5 Autômato que descreve o comportamento do software gerado a partir da interface de programação A definição dos estados do autômato apresentado na Figura 5 se refere à seleção das tarefas na paleta multitask programming da interface de programação apresentada na Figura 4. A seleção dos alarmes pode ter influência na programação dos eventos, embora a programação dos eventos seja gerada com transparência ao programador pelo módulo gerador de autômatos. Maiores detalhes acerca do modelo apresentado na Figura 5 podem ser obtidos em [9]. A Figura 5 relata o consumo de corrente de acordo com cada funcionalidade (estado do autômato) que está sendo executada a cada instante de tempo. Além da redução da freqüência de operação, uma política para desligamento do rádio transmissor é associada a cada funcionalidade. Os valores aqui apresentados são referentes ao consumo de corrente para um nó-sensor de ECG montado a partir do kit Olimex MSP430P149 [10], com rádio bluetooth BlueSMiRF Basic [11] e circuitos para captura do ECG construídos com base no amplificador diferencial INA321 [12]. Além da geração automática do sistema a partir da descrição visual das tarefas, BWSNET Cofiguration Tool disponibiliza um simulador para que o programador possa avaliar, a partir da quantidade de energia estimada e da programação escolhida, a sobrevida de cada nósensor. Uma ferramenta como esta permite que o programador possa avaliar o desempenho das configurações escolhidas antes que a programação do nó-sensor seja de fato iniciada, evitando que o sistema seja programado desnecessariamente. A Figura 6 mostra os resultados gerados pelo simulador para o nó-sensor de ECG. Como entrada para este sistema tem-se: (a) o arquivo de configuração gerado automaticamente pela ferramenta de programação e (b) o nível de energia do nó-sensor estimado pelo próprio programador. Os resultados apresentados pela Figura 6 referem-se ao autômato apresentado na Figura 5. Como principal resultado, Deadline corresponde ao tempo de vida máximo estimado para nó-sensor. Ao nível de abstração da RSCH temos desenvolvido uma interface para reconfiguração da rede capaz de enviar as definições de desempenho ao MiLAN (Middleware Linking Applications and Networks) [13]. MiLAN é um middleware reflexivo composto por um núcleo (core) executado nos gateways e por módulos menores (plugins) executados nos nós-sensores. MiLAN permite que as aplicações executadas sobre a RSCH possam especificar a qualidade mínima necessária para o serviço enquanto ajusta alguns parâmetros da rede para aumentar o tempo de vida da aplicação. Qualidade de Serviço (QoS) indica quanto o sistema pode ser útil para as aplicações, pois permite que o sistema possa se ajustar de forma a maximizar o tempo de vida útil. Figura 6 Simulador para o nó-sensor de ECG A Figura 7 mostra a Interface para reconfiguração da RSCH a partir das definições estabelecidas pelo MiLAN. Pode-se verificar que uma aplicação é descrita a partir de um conjunto de variáveis e cada variável é descrita a partir de um outro conjunto de variáveis ou de um conjunto de sensores. Associado a cada sensor existe

5 ainda um valor que descreve a QoS (vide Figura 8). Sensor QoS Level refere-se à capacidade de vazão das informações necessárias a cada momento. Esses dois conjuntos de informações, variáveis e sensores, são enviados ao núcleo do MiLAN onde assumem uma representação de grafos e um algoritmo que determina o máximo fluxo para a RSCH é executado. Como resultado, as configurações para as interfaces de rede dos nós-sensores são ajustadas em tempo de execução pelos plugins de maneira a garantir a QoS, capacidade mínima de vazão das informações, durante o maior período de tempo possível. Figura 7 Interface para reconfiguração da RSCH baseada nos parâmetros do MiLAN Discussão e Conclusões O tempo gasto para a programação de cada nó-sensor tende a crescer de acordo com a complexidade do código, e o nível de inteligência embutido dentro de cada nó-sensor, o que também pode influir na quantidade de reprogramações diárias que se fazem necessárias. Por exemplo, para programação do autômato descrito pela Figura 5, na prática, são gastos em média 10 segundos. Esse tempo deve ser considerado como o período de tempo em que o paciente terá que aguardar com o sistema inativo e conectado ao BWSNET Proxy por meio da interface JTAG. Numa outra abordagem, em que a programação seria efetuada a partir da interface serial e do bootstrap loader [14], o processo se torna ainda mais lento e consume mais energia. Além disso, a quantidade operações de escrita na memória Flash influi na sobrevida do hardware. O fato é que, desconsiderando a necessidade de reprogramação por falhas de software ou do hardware, mesmo com o uso do simulador (vide Figura 6), o estado de saúde do paciente pode definir a freqüência da reprogramação do sistema. Em muitos casos essa necessidade se resume a um reajuste comportamental do software em tempo de execução. Para isto, tem sido desenvolvida uma abordagem complementar ao MiLAN que permitirá que a reprogramação dos nós-sensores multifuncionais possa ser executada sem a necessidade de interrupções no funcionamento do sistema e nem de conexões com cabos. The run-time reconfiguring methodology permitirá que os programadores possam definir a importância de cada nó-sensor da rede de acordo com as necessidades de cada aplicação, assim como especificado pelo MiLAN, e ainda permitir que o programador possa efetuar modificações a respeito do autômato embutido em cada nósensor. A Figura 8 ilustra o funcionamento desta abordagem. Além de alterar os valores das prioridades sem alterar a capacidade de operação autônoma do nó-sensora seqüência, quando nenhum evento pois os eventos definidos durante o ciclo de programação serão mantidos, o programador poderá suspender (suspend) e reinicializar (resume) as tarefas quando necessário. A alteração dos valores das prioridades pode alterar ocorrer, e principalmente o período de tempo (time-slice) em que cada tarefa deverá utilizar a CPU do nó-sensor. Para suporte a essa metodologia, um sistema operacional orientado pela aplicação tem sido desenvolvido. MedOS é um interpretador de comandos que atua como uma máquina virtual acima do sistema operacional FreeRTOS [15]. Tem como objetivo principal promover o ajuste comportamental dos nós-sensores alterando os valores das prioridades que serão associados às tarefas, aqui mapeadas em threads. Permite ainda a finalização e a suspensão das tarefas criadas em conjunto com as bibliotecas de código do FreeRTOS. Figura 8 - Reconfiguração do nó-sensor multifuncional para captura do ECG

6 Até o momento, de acordo com a literatura pesquisada nenhum documento encontrado apresenta proposta semelhante acerca de uma ferramenta para programação de uma RSCH a partir de uma interface gráfica orientada pela aplicação. Contudo, este artigo apresenta um modelo para programação de RSCH pressupondo que os programadores desses sistemas necessitam de ferramentas com mais transparência para desempenharem suas atividades. Trabalhos futuros serão concentrados (i) em testes de usabilidade, (ii) na implementação de mecanismos para segurança e autenticação, principalmente para as intervenções remotas pela Internet e em (iii) novos algoritmos baseados em prioridades e orientados pela aplicação que possam ser utilizados para escalonamento mais eficiente das funcionalidades embutidas nos nóssensores. Agradecimentos À Universidade Católica de Goiás pelo apoio financeiro através do seu programa para capacitação de docentes. Referências [1] Römer, K., Mattern, R., (2004) The design space of wireless sensor networks, In: IEEE Wireless Communications, vol. 11, no. 6, p.54-61, Dez. [2] Yang, G., (2006) Body Sensor Networks. Disponível em 06. Acesso em 23 mar [3] Berkeley, U. C., (2006) TinyOS. Disponível em: Acesso em 23 mar [4] Sun Developer Network (2006). Java Technology. Disponível em Acesso em 23 mar [5] Carvalho, H. S., Heinzelman, W., Murphy, A., Coelho Jr, C. (2003), A General Data Fusion Architecture, Proceedings of the 6th International Conference on Information Fusion (Fusion 2003), Queensland, Australia, jul. [6] Green, D., (2006) Trail: The Reflection API. Disponível em Acesso em 23 mar [7] Bajazat, R., (2006) Thinlet. Disponível em: Acesso em 23 mar [8] W3C (2006) SOAP Version 1.2 Part 1: Messaging Framework. Disponível em part /. Acesso em 23 mar [9] Carvalho, H. S., Zuquim, A., Vieira L., Vieira M., Vieira A., Nacif, J., Coelho Jr, C., Silva Jr, D., Fernandes, A., Loureiro, A., Efficient power management in real-time embedded systems, Proceedings of the 9th IEEE International Conference on Emerging Technologies and Factory Automation (ETFA'03), Lisbon, Portugal, 2003 [10] Olimex. (2006) MPS430F149 Development Board. Disponível em Acesso em 23 mar [11] Spark Fun. (2006) Bluetooth Modem - BlueSMiRF Basic Disponível em nfo.php?products_id=158. Acesso em 23 mar [12] Texas Instruments INAA321, Micropower single-supply CMOS Instrumentation Amplifier Disponível em: 21.html. Acesso em 23 mar [13] Carvalho, H. S., Perillo, M., Heinzelman, W., Murphy, A. (2004) "Middleware to support sensor network applications," In: IEEE Network Magazine, Special Issue, Jan. [14] Texas Instruments. (2006) Features of the MSP430 Bootstrap Loader (Rev. C) Texas Technical Report SLAA 089c. Fev. [15] Barry, R. (2006) FreeRTOS. Disponível em Acesso em 23 mar Contato Talles Marcelo G. de A. Barbosa. Departamento de Computação Universidade Católica de Goiás, Goiânia, Brasil. Fone: (062) Adson Ferreira da Rocha Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília, Brasília, Brasil. Fone: (061) Hervaldo Sampaio Carvalho Faculdade de Medicina, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil. Fone: (061)

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UMA FERRAMENTA PARA CONFIGURAÇÃO DE REDES DE SENSORES DO CORPO HUMANO DANIEL EDUARDO V. DE C. S. D ABADIA DEZEMBRO

Leia mais

CBIS 2004 - HandMed. HandMed. Um sistema móvel integrado para captura automática de sintomas

CBIS 2004 - HandMed. HandMed. Um sistema móvel integrado para captura automática de sintomas HandMed Um sistema móvel integrado para captura automática de sintomas 2 Índice Equipe Introdução Materiais e métodos Resultados Conclusão Bibliografia 3 HandMed - Equipe Coordenação do projeto: Professor

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

Capítulo 8. Software de Sistema

Capítulo 8. Software de Sistema Capítulo 8 Software de Sistema Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Objectivos Conhecer o ciclo de desenvolvimento da linguagem Java

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

3 SCS: Sistema de Componentes de Software

3 SCS: Sistema de Componentes de Software 3 SCS: Sistema de Componentes de Software O mecanismo para acompanhamento das chamadas remotas se baseia em informações coletadas durante a execução da aplicação. Para a coleta dessas informações é necessário

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Talles

Leia mais

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse)

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse) A palavra SCADA é um acrônimo para Supervisory Control And Data Acquisition. Os primeiros sistemas SCADA, basicamente telemétricos, permitiam informar periodicamente o estado corrente do processo industrial,

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Banco de Dados Orientado a Objetos

Banco de Dados Orientado a Objetos Banco de Dados Orientado a Objetos MODELAGEM, ANÁLISE, PROJETO e CLASSIFICAÇÃO Interação combinando lógica, através de objetos que contém os dados. Estes divididos conforme seus tipos e métodos (classe),

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M M a nua ld o Usu á roi Portaria Re al Time Sumário Introdução... Especificações... 3 3 Ilustrações Portaria RT sem descarga de coletor... Portaria RT com descarga de coletor... Portaria RT TCP/IP... Portaria

Leia mais

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furb.br Resumo. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um driver NDIS 1 para

Leia mais

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Autor: Daniel Vieira de Souza 1, Orientador: Luís Fernando Faina 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

Projeto de Sistemas de Tempo Real

Projeto de Sistemas de Tempo Real Projeto de Sistemas de Tempo Real Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Engenharia da Computação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides elaborados pelo professor Marcio Cornélio O autor

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Diego Ferreira dos Santos 1, Eduardo Tavares Costa 2, Marco Antônio Gutierrez 3 1,2 Departamento de Engenharia Biomédica (DEB),Faculdade de

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

Monitoração da Temperatura Corporal Baseada em uma Rede de Sensores Sem Fios

Monitoração da Temperatura Corporal Baseada em uma Rede de Sensores Sem Fios Monitoração da Temperatura Corporal Baseada em uma Rede de Sensores Sem Fios Iwens G. Sene Jr 1, Talles M. G. A. Barbosa 1, Adson.F. Rocha 2, Francisco A. O. Nascimento 2, Hervaldo S. Carvalho 2,3 1 Departamento

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Engenharia de Sistemas Computacionais

Engenharia de Sistemas Computacionais Engenharia de Sistemas Detalhes no planejamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Introdução Na aplicação de um sistema

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e Microeletrônica Área: Sistemas de Computação Nome do Líder:

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

Monitorização de Sinais Biomédicos em Assistentes Pessoais Digitais

Monitorização de Sinais Biomédicos em Assistentes Pessoais Digitais Monitorização de Sinais Biomédicos em Assistentes Pessoais Digitais R. S. Ortis 1, H. S. Carvalho 2,3, A. F. Rocha 1, Coelho Jr., C. J. N. 3, Nascimento, F. A. O. 1 1 Departamento de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Classificação Quanto. Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3)

Classificação Quanto. Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 26430 - INST.FED.DE EDUC.,CIENC.E TEC.S.PERNAMBUCANO 158149 - INST.FED.EDUC.CIENC.E TEC.SERTãO PERNAMBUCANO RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EQUIPAMENTO

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Redes Definidas por Software

Redes Definidas por Software Redes de Computadores I Redes Definidas por Software Antonio Gonzalez Pastana Lobato Ulisses da Rocha Figueiredo Redes de Computadores I Introdução Introdução Aplicações Atuais Data-Centers Muitas máquinas

Leia mais

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Monitor Cardíaco Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Giovani Baratto Santa Maria Agosto de

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks

SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks Universidade Federal Fluminense - UFF Instituto de Computação - IC Disciplina: Engenharia de Redes

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Esta dissertação apresentou duas abordagens para integração entre a linguagem Lua e o Common Language Runtime. O objetivo principal da integração foi

Esta dissertação apresentou duas abordagens para integração entre a linguagem Lua e o Common Language Runtime. O objetivo principal da integração foi 5 Conclusão Esta dissertação apresentou duas abordagens para integração entre a linguagem Lua e o Common Language Runtime. O objetivo principal da integração foi permitir que scripts Lua instanciem e usem

Leia mais

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli Objetivo; Roteiro da Apresentação Visão Geral sobre Internet,

Leia mais

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Sucesso na Operação Raposa para lançamento do VS-30 no último dia 01/09 Tendências e tecnologias dos sistemas de testes aeroespacial e de defesa Alisson

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Tipos de Sistemas Operacionais Os tipos de sistemas operacionais e sua evolução estão relacionados diretamente com a evolução do hardware e das

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 12 de agosto de 2010 Um sistema no qual componentes localizados em redes, se comunicam e coordenam suas ações somente por passagem de mensagens. Características:

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

1 de 6 25/08/2015 10:22

1 de 6 25/08/2015 10:22 1 de 6 25/08/2015 10:22 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano Termo de Adjudicação

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Francisco Carlos Parquet Bizarria,2 João Mauricio Rosário 3 José Walter Parquet Bizarria Francisco Antonio Visconti Junior 2 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

Desenvolvimento de uma Rede de Sensores Sem Fios para o Monitoramento Biomédico

Desenvolvimento de uma Rede de Sensores Sem Fios para o Monitoramento Biomédico Desenvolvimento de uma Rede de Sensores Sem Fios para o Monitoramento Biomédico Eduardo Mamani Gutiérrez 1, Adson Ferreira da Rocha 1, Talles Marcelo Gonçalves de Andrade, Barbosa 1,3, Demartonne Ramos

Leia mais

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnóstico de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa de defeitos Segurança garantida do cliente 701P41699 Visão geral dos Serviços Remotos Sobre

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Introdução à Programação. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR

Introdução à Programação. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Introdução à Programação Orientada a Objetos Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Fev/2014 Histórico das linguagens de programação ENIAC (1944) Programação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais