Contexto do Debate. O impacto do Plano Setorial de Clima de Transportes e Mobilidade Urbana na redução das emissões de GEE no contexto urbano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contexto do Debate. O impacto do Plano Setorial de Clima de Transportes e Mobilidade Urbana na redução das emissões de GEE no contexto urbano"

Transcrição

1 DEBATE:

2 Contexto do Debate Necessidade da obrigatoriedade do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular e de discutir a respeito dos critérios e métodos do programa Início da vigência do novo Regime Automotivo Inovar-Auto - com meta de eficiência energética veicular a toda a indústria, bem como critérios mínimos para aquisição de incentivos fiscais Necessidade de se aprofundar sobre os impactos da Política Nacional de Mobilidade Urbana e quais as medidas para se reduzir o uso do automóvel O impacto do Plano Setorial de Clima de Transportes e Mobilidade Urbana na redução das emissões de GEE no contexto urbano Demanda de regras mais claras e rígidas para a poluição atmosférica no meio urbano no setor de transportes

3 Objetivo do Debate Estabelecer um espaço de diálogo e compartilhamento de experiências nacionais e internacionais sobre emissões, eficiência energética e mobilidade urbana no contexto do veículo automotor individual, de modo a trazer esclarecimentos e avaliações sobre propostas e programas em âmbito nacional, bem como discutir caminhos para avanços e possibilidades de ações futuras

4 Formato do Debate Três mesas temáticas composta por um grupo de palestrantes, seguido de comentadores que fizeram reflexões e provocações da temática da mesa, e o fechamento com um debate aberto à platéia. As três mesas foram: Mesa 1 - Avanços e perspectivas em mobilidade, eficiência energética e emissões veiculares no mundo Mesa 2 Eficiência energética veicular no Brasil: políticas governamentais, avanços e perspectivas Mesa 3 Mobilidade e qualidade do ar nas cidades: impactos sociais, econômicos e políticos CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA

5 Principais mensagens: O automóvel é um dos principais símbolos de discussão do consumo e a sustentabilidade As soluções para o automóvel e consumo vão além de soluções tecnológicas ou de eficiência energética, incorporando também a mobilidade urbana É necessário fortalecer a participação da sociedade civil para a agenda ambiental no Brasil Todos os programas de etiquetagem veicular bem sucedidos envolvem a compulsoriedade, dinâmicas de taxação às empresas que melhorarem ou piorarem, e diversidade na comunicação das informações ao consumidor No âmbito do Inovar-Auto, há a necessidade de já se pensar em metas compulsórias de eficiência energética atrelada a medidas de qualidade do combustível para o pós-2017 Políticas de priorização e subsídios para transportes não motorizados e públicos coletivos sobre os transportes individuais motorizados, de modo a internalizar os custos atrelados a estes (poluição, energia, espaço e acidentes) A redução de emissões de GEE deve ser trabalhado como cobenefício das demais políticas, portanto sendo as mudanças climáticas um tema transversal O maior desafio dos planos de mobilidade urbana não são técnicos, porém políticos, demandando uma renovação na forma de se pensar em soluções para a mobilidade no Brasil Necessidade de maior integração das políticas vigentes no Brasil sobre mobilidade urbana, emissões e eficiência energética

6 Palestra de Abertura: A importância de debater os padrões de produção e consumo do automóvel e o papel do consumidor Marcelo Sodré Professor de Direito da PUC-SP Automóvel é, possivelmente, o maior símbolo da discussão sobre consumo e sustentabilidade A nova classe C é um ponto chave na discussão do automóvel e consumo, pois a acessibilidade à aquisição de veículos. Embora ele tenha direito a esse bem, não é viável que todos cumpram com esse direito se não a cidade pára Portanto, a solução não passa apenas pelo espectro tecnológico e político, mas também pelo espectro cultural Qual a alternativa que temos? Entender nossos direitos e deveres, com responsabilidade comum, porém diferenciada entre os consumidores, as empresas e o governo.

7 Mesa 1 - Avanços e perspectivas em mobilidade, eficiência energética e emissões veiculares no mundo Etiquetagem de eficiência energética veicular no mundo Max Grünig - Coordenador de Pesquisas na Europa sobre Transporte e Energia no Ecologic Institute/Alemanha Padrões de eficiência energética veicular no mundo Cristiano Façanha - Especialista em Planejamento de Transportes no International Council for Clean Transportation - ICCT/Estados Unidos Comentador: Sergio Leitão - Diretor de Políticas Públicas do Greenpeace

8 Mesa 1 Padrões de eficiência energética veicular no mundo [Apresentação] Cristiano Façanha - Especialista em Planejamento de Transportes no International Council for Clean Transportation - ICCT/Estados Unidos O ICCT realizou um estudo mundial chamado Global Transportation Roadmap que contempla as medidas de redução de emissões de GEE e consumo de combustível em vários países do mundo Os três passos prioritários para trabalhar a eficiência no setor de transporte são: 1. Reduzir e evitar a demanda de deslocamentos com planejamento urbano (eficiência do sistema) 2. Mudar para meios de transporte mais eficientes (eficiência do deslocamento) 3. Aprimorar a eficiência energética dos veículos (eficiência enerética) Nos EUA, em 2025, os carros serão 50% mais eficientes do que em 2000, e só vão fazer isso por causa da mudança no combustível, e não só na tecnologia dos automóveis. Padrões de eficiência energética por si só não vão mudar a decisão do consumidor. Precisa-se trabalhar outros instrumentos

9 Mesa 1 Etiquetagem de eficiência energética veicular no mundo [Apresentação] Max Grünig - Coordenador de Pesquisas na Europa sobre Transporte e Energia no Ecologic Institute/Alemanha Motivos da etiquetagem veicular no mundo: devido às medidas de mudanças climáticas, pico do preço do petróleo e aumento no custo dos combustíveis, bem como alguns casos que contemplam impactos nas emissões de poluentes Quais os objetivos da etiquetagem veicular: Informação sobre economia de combustível e emissões de CO2 Fornecer a consumidores informações relevantes para tomada de decisão A etiquetagem veicular não é fator decisivo na aquisição de um carro, mas é um fator cada vez mais relevante aos consumidores Em alguns países, principalmente na Europa, a etiquetagem veicular serve para penalizar as montadoras que obtiverem uma piora na classificação do selo, bem como também ganham bônus ou isenções fiscais caso tornem seus veículos mais eficientes Melhores práticas de etiquetagem veicular no mundo: Todas as melhores práticas são obrigatórias para 100% dos veículos Contém informação sobre custo com combustível Há uma relação da etiqueta com políticas fiscais ou taxação Contém informações sucientas, porém claras ao consumidor Uso de estratégias de branding e ferramentas online complementares à etiqueta Veja outros exemplos de etiquetagem veicular no mundo

10 Mesa 1 Comentador: Sergio Leitão - Diretor de Políticas Públicas do Greenpeace Com as experiências estrangeiras, é nítido que os padrões de eficiência energética veicular ainda estão distantes dos padrões em outros países A eficiência deve estar atrelada e incorporada a questão de emissões de poluentes locais e o custo para a sociedade (ex: saúde pública) As montadoras dizem que o custo deve ser revertido ao consumidor, mas hoje já temos uma noção de que os carros brasileiros são mais caros Os investimentos na indústria automobilística no Brasil se reverte em sermos o 4o maior mercado de consumo de automóveis do mundo O desafio das mudanças climáticas no setor de transporte se ampliará uma vez que metade do Pré-sal está sendo subsidiado para consumo interno brasileiro Em meio a esses subsídios para o automóvel no Brasil, é inviável ter os investimentos equilibrado entre automóveis e o transporte público. Qual será nossa prioridade?

11 Mesa 1 Debate - Avanços e perspectivas em mobilidade, eficiência energética e emissões veiculares no mundo Como solucionar a questão das motos na cidade? Em países do oriente pacífico e Índia, as motos são muito responsáveis pelas emissões de GEE e poluentes locais As políticas para motos são muito tímidas se comparadas ao automóvel e os problemas são muito maiores China já estabeleceu padrões para uso das motos, porém as motos elétricas estão aumentando Como incorporar o contexto do etanol em eficiência energética e no contexto de emissões de GEE? Etanol é um caso peculiar no Brasil e na teoria se neutraliza as emissões de GEE pela absorção no plantio. De toda forma, as políticas devem estar atreladas a eficiência enerética, e não a mudanças climáticas, sendo portanto necessário também melhorar a eficiência de veículos a etanol

12 Mesa 2 - Eficiência energética veicular no Brasil: políticas governamentais, seus avanços e perspectivas Os critérios ambientais e metas de eficiência energética no Regime Automotivo Paulo Bedran - Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio - MDIC A etiquetagem veicular e o estímulo ao consumidor para a redução no consumo de combustível Marcos Borges - Coordenador do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular - Inmetro Comentadores: Carmen Araújo - Diretora do Instituto de Energia e Meio Ambiente - IEMA Henry Joseph Jr. - Presidente da Comissão de Assuntos de Energia e Meio Ambiente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores - ANFAVEA Teresa Liporace Assessora de Projetos do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor - Idec

13 Mesa 2 Os critérios ambientais e metas de eficiência energética no Regime Automotivo [Apresentação] Paulo Bedran - Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio - MDIC O novo Regime Automotivo (Inovar-Auto) foi estabelecido pelo Decreto no /2012 e entre seus objetivos está a proteção ao meio ambiente e a eficiência energética veicular no período de O programa elevou em 30 pontos percentuais as alíquotas do IPI e, conforme os critérios do Inovar-Auto, essa porcentagem pode ser reduzida, inclusive com a eficiência energética veicular A meta obrigatória é de melhoria de 12,08% na eficiência energética da média dos veículos das montadoras até 2017 Para as que obtiverem melhoria voluntária de 15,46% entre , há redução de mais 1% do IPI, e para 18,84%, 2% de redução Com a meta obrigatória, estima-se que há um potencial de redução de emissões de 21,2 mi t de CO2 As empresas que não cumprirem com a meta de habilitação terão multa pecuniária por centésimo de joule O MDIC, junto com o Ibama e outros órgãos, estão elaborando proposta de eficiência energética a longo prazo para veículos a diesel (comerciais leves, caminhões e ônibus)

14 Mesa 2 A etiquetagem veicular e o estímulo ao consumidor para a redução no consumo de combustível [Apresentação] Marcos Borges - Coordenador do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular - Inmetro O Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular (PBEV) foi inicialmente discutido em 1984 O PBEV foi instituído em 2009, em caráter voluntário, com a participação inicial de 5 fabricantes O caráter voluntário não é decisão apenas do Inmetro, pois envolve um processo de construção do Programa com as partes interessadas Quando se torna obrigatório, a discussão envolve também quem não quer ser parte da mudança, o que é um desafio para o regulamentador A etiqueta atual conta com a integração de informações ambientais, como emissão de CO2 (1o passo da integração com o Nota Verde) Avanços do PBEV: Robustez técnica dos ensaios e dados Referência para decisões governamentais (ex: Inovar-Auto) Aumento para 327 modelos inscritos, devido ao Inovar-Auto que coloca o PBEV como um dos critérios para habilitação Desafios: adesão completa do setor; informação sobre poluentes locais; aumento da infraestrutura laboratorial Novidade: Guia para consumidores sobre o PBEV a ser lançado em Março

15 Comentadores: Resultados do Debate Mesa 2 Teresa Liporace Idec Além de promover mudança nos hábitos de consumo, o consumidor deve ter postura ativa e afirmativa nos processos decisórios A questão chave é levar a informação à população, de modo a proporcionar um debate com a sociedade civil Hoje há uma série de inciativas politicas que se tangenciam (ex: clima, mobilidade urbana, eficiência energética veicular), porém atendem a agendas individualizadas Inovar-Auto traz avanços para a eficiência energética, mas como os resultados serão publicados, como relacionar a outros impactos indiretos e quais os planos para o pós-2017? No caso do PBEV, quantos dos 327 modelos de fato ostentam a etiqueta? (Veja última pesquisa do Idec a respeito) Carmen Araújo IEMA As decisões do consumidor vão além das categorias de etiqueta, como o preço e modelo, mas não se pode excluir o consumidor que quer a etiqueta e que facilita a compreensão do consumo de combustível do produto Existe uma vontade grande de unificar Inovar-Auto e Eficiência Energética, e a indústria terá também oportunidades com isso Henry Joseph Jr. ANFAVEA Deve-se deixar claro que o setor não vende poluição ou gasto de combustível, mas transporte Por parte da indústria, há um grande interesse no Inovar-Auto e no PBEV, pois mantém a competitividade e evita que produtos de baixa qualidade entrem no Brasil Inovar-Auto e PBEV são complementares, onde o PBEV ressalta o produto e traz para o consumidor a possibilidade de escolher, e o Inovar-Auto foca na produção pela industria O desafio no Inovar-Auto é que há toda uma cadeia de produção a ser alterada, o que leva tempo No PBEV, os desafios são traduzir a linguagem técnica ao consumidor e se atualizar com as mudanças frequentes da etiqueta

16 Mesa 2 Debate - Eficiência energética veicular no Brasil: políticas governamentais, seus avanços e perspectivas Em 2020 teremos um carro para cada 3 pessoas. O governo e as empresas não se sentem responsáveis por essa imobilidade gerada? Henry Joseph Jr. - ANFAVEA A responsabilidade do setor é tentar fazer veículos mais adequados e muitas regiões do Brasil ainda buscam essa demanda A responsabilidade está também nas politicas públicas para direcionar os meios de transporte que serão utilizados pela população Paulo Bedran - MDIC Já existem discussões para a eficiência energética veicular após 2017, este é só o incício Há um foco ao consumidor, mas admitimos que precisamos aprender com vocês [Idec] sobre as formas de comunicação ao consumidor

17 Mesa 3 - Mobilidade e qualidade do ar nas cidades: impactos sociais, econômicos e políticos Experiências em mobilidade urbana no mundo Max Grünig - Coordenador de Pesquisas na Europa sobre Transporte e Energia no Ecologic Institute A Política Nacional de Mobilidade Urbana, Mudanças Climáticas e os instrumentos de redução do uso do automóvel João Alencar - Gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana (Semob) - Ministério das Cidades Planos de mobilidade e gestão ambiental Renato Boareto - Coordenador da área de mobilidade urbana do IEMA Medidas de controle de emissões veiculares e qualidade do ar Marcelo Bales - Gerente do setor de avaliação de programas de transporte da CETESB Comentadores: Paulo Saldiva - Médico e pesquisador da Faculdade de Medicina da USP Marcos Bicalho - Assessor Técnico da Associação Nacional dos Transportes Públicos - ANTP Maurício Broinzi - Coordenador Executivo do Nossa São Paulo - Rede Nossa São Paulo

18 Mesa 3 Soluções para a mobilidade urbana no mundo [Apresentação] Max Grünig - Coordenador de Pesquisas na Europa sobre Transporte e Energia no Ecologic Institute/Alemanha Foram destacadas algumas iniciativas internacionais possíveis em mobilidade urbana, a serem consideradas no Brasil: Congestion pricing (monetização de congestionamentos): em vigor em Londres, a regra impõe uma multa (cerca de 10 libras) para veículos que adentrarem zonas conhecidas por seus congestionamentos Parking management (gestão de estacionamento): em funcionamento em Bremen, a regra visa uma maior organização dos espaços de estacionamento, com carsharing, transporte público, táxis e bicicletas em um mesmo local Bicycle oriented development (desenvolvimento orientado por bicicletas): a medida funciona em Copenhagen, oferecendo apoio e incentivo aos ciclistas por meio de uma mapa online de rotas seguras, bicicletários e integração com o transporte público Transport planning (planejamento de transportes): em andamento na pequena cidade francesa de La Rochelle, a medida tem facilitado a malha de transportes por meio de grandes terminais de integração intermodal

19 Mesa 3 A Política Nacional de Mobilidade Urbana, Mudanças Climáticas e os instrumentos de redução do uso do automóvel [Apresentação] João Alencar - Gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana (Semob) - Ministério das Cidades A Política Nacional de Mobilidade Urbana (PNMU) traz princípios e diretrizes importantes, no momento em que se estabelece acessibilidade universal dos cidadãos ao transporte público coletivo, gestão de desenvolvimento e controle social para o planejamento e a avaliação da mobilidade urbana, destacando a justa distribuição dos benefícios e o ônus aos contribuintes, além da necessidade de incentivar o desenvolvimento científico e tecnológico e o uso de energias renováveis Com a PNMU se legitima a priorização de investimentos em transportes não motorizados e público coletivos sobre o transporte individual motorizado, inclusive por meio de restrição ao automóvel em locais definidos, bem como a mitigação dos custos ambientais, sociais e econômicos dos deslocamentos na cidade Municípios com mais de 20 mil habitantes deverão contar com um plano de mobilidade urbana até abril de 2015 O ponto chave da Política Nacional sobre Mudança do Clima é que ela deve compactuar e dialogar com os outros programas e planos vigentes, tendo a redução de emissões de GEE como cobenefício

20 Mesa 3 Planos de mobilidade e gestão ambiental [Apresentação] Renato Boareto - Coordenador da área de mobilidade urbana do IEMA O Brasil passa por um crescimento da taxa de motorização devido ao aumento da renda e facilidade de crédito para aquisição de um veículo, porém há também o maior ciclo de investimentos em infraestrutura de mobilidade urbana, somado aos marcos regulatórios da Política Nacional de Mobilidade Urbana e de Mudança do Clima As soluções para a gestão ambiental na mobilidade urbana são predominantemente individuais, focando apenas no aspecto tecnológico ou de fluidez do trânsito, o que são insuficientes para obter resultados Para os Planos de Mobilidade, as cidades que não tem sistema de transporte coletivo devem focar em não motorizados, e apenas com esses planos poderão acessar recurso do Governo Federal O maior desafio dos planos de mobilidade não é técnico, mas político, uma vez que há interesses em obras viárias de alto investimento que não necessariamente são obras de mobilidade urbana, bem como exemplos de transferência do custo para outras esferas governamentais

21 Mesa 3 Medidas de controle de emissões veiculares e qualidade do ar [Apresentação] Marcelo Bales - Gerente do setor de avaliação de programas de transporte da CETESB No Estado de São Paulo, em 2011, havia uma frota de 13,6 milhões de veículos, demonstrando um crescimento de 5% de automóveis, 12% de comerciais leves, 6% de veículos pesados e 8% de motocicletas Atualmente existem quatro poluentes locais prioritários a serem focados: CO, HC, NOx e MP Há ainda uma grande quantidade de veículos antigos, sendo o caminhão o que tem maior período de sobrevivência, o que traz um desafio maior para o controle de emissões veiculares Os automóveis tem maior contribuição de emissões de CO (58%), HC (61%) e SOx (46%), enquanto que caminhões contribuem mais na emissão de NOx (56%) e MP (58%) O plano vigente para o Estado de São Paulo é o Plano de Controle de Poluição Veicular (PCPV), que, entre outras medidas, realiza a inspeção ambiental e a renovação da frota, busca aprimorar o PROCONVE e apoia o Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular

22 Mesa 3 Comentadores: Marcos Bicalho ANTP Os custos atrelados aos meios de transporte individuais motorizados, como uso do espaço, energia, poluição e acidentes são enormes e precisam ser internalizados Para exemplificar, um usuário de transporte coletivo ocupa 4 vezes menos espaço que uma moto e 7,8 menos que um automóvel Porém, o alto custo do transporte público induz o cidadão a optar pela moto ou carro, que é mais econômico num primeiro momento Maurício Broinzi Nossa São Paulo O primeiro ponto chave para conseguir concretizar os planos de mobilidade é ter dados, que hoje diversos municípios do Brasil não tem um monitoramento Estes dados são importantes não só para informação à população, mas para poder contar com indicadores que demonstrem resultado no seu planejamento Paulo Saldiva USP O foco de todas as decisões, especialmente de controle de poluição do ar deve ser o humano, que não foi citado em nenhum apresentação Os indicadores de qualidade do ar não estão nas taxas de emissão, mas na melhoria da saúde pública, nos índices de estresse e depressão e em outros fatores ligados a qualidade de vida das pessoas que vivem na cidade

23 Assista ao vídeo do Debate

24 Obrigado! O Idec pretende continuar na luta por uma mobilidade mais justa e sustentável, acompanhando as medidas de eficiência energética veicular e emissões no país, bem como buscando a melhoria da qualidade de vida das pessoas na cidade Para continuarmos nessa missão, apoie esta e outras ações do Idec Contamos com você!

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília.

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília. Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília Mobilidade Urbana Renato Boareto 1 Organização Não Governamental fundada em 2006

Leia mais

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA Seminário Internacional sobre Cidades Inteligentes, Cidades do Futuro Comissão de Desenvolvimento Urbano CDU Câmara dos Deputados A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília 06

Leia mais

Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional?

Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional? Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional? Com a participação ativa dos Metalúrgicos da CNM/CUT, em 3 de outubro de 2012 o Governo Federal publicou o decreto 7.819/2012 1 que

Leia mais

SUSTENTÁVEL. Unidade Senac: Santa Cecília. Data: 24/08/2015. Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim

SUSTENTÁVEL. Unidade Senac: Santa Cecília. Data: 24/08/2015. Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim SUSTENTÁVEL Unidade Senac: Santa Cecília Data: 24/08/2015 Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim Imagem retirada de Debate de Bolso, em http://debatedebolso.com. Creative Commons BY-NC-ND 3.0 Plataforma

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

Écerto que, quanto maior a variedade

Écerto que, quanto maior a variedade Fotos Idec Pesquisa do Idec revela que a maioria das montadoras não fixa a etiqueta de consumo de combustível em seus veículos, ao contrário do que determina o Inmetro Écerto que, quanto maior a variedade

Leia mais

E-mails: cdias@sp.gov.br, mbales@sp.gov.br, silmsilva@sp.gov.br, willian_viper@hotmail.com

E-mails: cdias@sp.gov.br, mbales@sp.gov.br, silmsilva@sp.gov.br, willian_viper@hotmail.com Blucher Engineering Proceedings Setembro de 2015, Número 1, Volume 2 A AVALIAÇÃO DO PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR DEMONSTRA A NECESSIDADE DA MELHORIA CONTÍNUA Marcelo Pereira Bales 1, Silmara

Leia mais

Ministério das Cidades. SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana

Ministério das Cidades. SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Política Nacional de Mobilidade Urbana A Presidência da República sancionou a Lei nº 12.587, em 3 de janeiro de

Leia mais

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros Brasíli, 05 de junho de 2013 1 Consumo Final Energético por Queima de Combustíveis

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Combustíveis Alternativos e a Redução das Emissões de Poluentes 12ª Transpo-Sul Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Tecnologias, Combustíveis mais limpos e Redução das

Leia mais

CERTIFICAÇÃO INMETRO. MAIS UMA GARANTIA DA NAKATA PARA VOCÊ.

CERTIFICAÇÃO INMETRO. MAIS UMA GARANTIA DA NAKATA PARA VOCÊ. CERTIFICAÇÃO INMETRO. MAIS UMA GARANTIA DA NAKATA PARA VOCÊ. A partir de 2013, alguns produtos automotivos devem estar certificados pelo Inmetro -- Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia.

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima PSTM - Parte 2: Mobilidade Urbana /

Leia mais

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo Paulo R. Feldmann- FEA USP Nossa experiência no IEE A recarga da bateria de 1 V.E. requer 24 kwh equivalente

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

Grupo da Qualidade. Grupos de Trabalho

Grupo da Qualidade. Grupos de Trabalho Grupos de Trabalho Grupo da Qualidade A finalidade do Grupo da Qualidade é promover ações para discussão e melhoria do sistema de gestão da qualidade das empresas associadas ao Sindipeças. Coordenador:

Leia mais

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 O espaço urbano como bem ambiental. Aspectos ambientais do Estatuto da cidade garantia da qualidade de vida. Meio ambiente natural; Meio ambiente cultural; Meio ambiente

Leia mais

A Lei de Diretrizes da Política

A Lei de Diretrizes da Política A Lei de Diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012 Ipea, 06 de janeiro de 2012 Sumário Objetivo: avaliar a nova Lei de Diretrizes da Política de Nacional

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima PSTM - Parte 2: Mobilidade Urbana /

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

nos Transportes na República

nos Transportes na República Política de Eficiência Energética nos Transportes na República da Coreia Maio de 2011 Seung Hyun Lee Índice www.kemco.or.kr Sobre a KEMCO II Uso de Energia na República da Coreia III Programas de Eficiência

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Proposta de Plano de Trabalho Plano Setorial de Mitigação e Adaptação às Mudanças Climáticas OBJETIVOS Ministério das Cidades Estimar as emissões de gases de efeito estufa (GEEs) e os locais (GELs) produzidos

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Fórum Qualidade Automotiva - IQA

Fórum Qualidade Automotiva - IQA Fórum Qualidade Automotiva - IQA INOVAR-AUTO: EM BUSCA DA COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA BRASILEIRA Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Principais objetivos

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Viajeo Plus City Showcase in Latin America Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Diretora de Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil EMBARQ Brasil auxilia governos e empresas

Leia mais

Ministério das Cidades

Ministério das Cidades Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades A Mobilidade Urbana no Brasil Seminário Internacional:

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. Mobilidade Urbana: Perspectivas de baixo carbono no Brasil

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. Mobilidade Urbana: Perspectivas de baixo carbono no Brasil Mobilidade Urbana: Perspectivas de baixo carbono no Brasil Engo. João Alencar Oliveira Júnior, D. Sc. Analista de Infraestrutura Tópicos Caracterização do transporte e da mobilidade urbana; Caracterização

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2011 Dezembro/2012 Relatório Geral 2011 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 28 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

As cidades para os pedestres

As cidades para os pedestres As cidades para os pedestres Foto: Márcio Brigatto Poder público estimula aquisição de veículos, mas investimentos não acompanham esse crescimento. O resultado são congestionamentos, aumento do tempo gasto

Leia mais

Solução Verde para o trasporte dacidade de São Paulo. Maio 2011, Rio de Janeiro

Solução Verde para o trasporte dacidade de São Paulo. Maio 2011, Rio de Janeiro Solução Verde para o trasporte dacidade de São Paulo Maio 2011, Rio de Janeiro Três principais questões ambientais Crise global de petróleo Emissões de CO2 Poluição do Ar 40%dos combustíveis fósseis líquidos

Leia mais

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB)

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. SEMOB 2. POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA 3. PPA DA UNIÃO 2012-2015 4. PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO

Leia mais

GUIA DE GESTÃO DE FROTAS SUSTENTÁVEIS

GUIA DE GESTÃO DE FROTAS SUSTENTÁVEIS GUIA DE GESTÃO DE FROTAS SUSTENTÁVEIS 1 INTRODUÇÃO Existe um consenso científico segundo o qual a mudança climática é impulsionada por aumentos das emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem,

Leia mais

ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS

ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS Ronei Tiago Stein (*), Roberta Karinne Mocva Kurek, Marcelo Pozzagnolo * Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mestrando

Leia mais

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída. Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída. Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN Brasília, 28 de maio de 2015 Quarto Painel Experiências de Sucesso e Perspectivas: a Percepção da Academia Experiências

Leia mais

Aproveitamento dos Potenciais de Veículos Híbridos e da Mobilidade Elétrica

Aproveitamento dos Potenciais de Veículos Híbridos e da Mobilidade Elétrica Aproveitamento dos Potenciais de Veículos Híbridos e da Mobilidade Elétrica Implicações para Políticas de Transportes Pietro Erber 18/06/2012 Fluxo de Energia em Automóvel EUA/DOE 100 6 3 13 4 87 Emissões

Leia mais

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO ESTRATÉGICO- SP2040 Tema: Política de Estacionamento dos automóveis 09 DE FEVEREIRO DE 2011- AUDITÓRIO DO SEESP-SP PROGRAMAÇÃO Realização: SEESP-SP Quadro geral da

Leia mais

VEICULAR COMO VOCÊ DECIDE A COMPRA DO SEU CARRO

VEICULAR COMO VOCÊ DECIDE A COMPRA DO SEU CARRO VEICULAR A COMPRA DO? COMO VOCÊ DECIDE SEU CARRO Como você decide a compra do seu carro? A escolha de um veículo é resultado de uma análise que considera várias características. O preço é certamente uma

Leia mais

Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis

Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis Ana Nassar, ITDP Brasil Seminário Aspectos da Mobilidade Urbana SEMOB - GDF Brasília, 24 de setembro de 2015 Sobre o ITDP Organização social

Leia mais

Plano Nacional de Mudanças Climáticas

Plano Nacional de Mudanças Climáticas Plano Nacional de Mudanças Climáticas Metas de Redução de Emissões e Avaliação de Impacto no Setor de Transporte e Logística Ricardo Vieira - ABRALOG CENÁRIO ATUAL Política Nacional sobre a Mudança do

Leia mais

IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes. DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA

IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes. DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes { DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA Diretoria de Segurança Hídrica e Qualidade Ambiental Gerência da Qualidade

Leia mais

1º INVENTÁRIO NACIONAL DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS POR VEÍCULOS AUTOMOTORES RODOVIÁRIOS

1º INVENTÁRIO NACIONAL DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS POR VEÍCULOS AUTOMOTORES RODOVIÁRIOS Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Diretoria de Mudanças Climáticas 1º INVENTÁRIO NACIONAL DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS POR VEÍCULOS AUTOMOTORES RODOVIÁRIOS

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO TRANSPORTE COLETIVO M. Eng. André Cademartori Jacobsen Especialista em Benchmarking Associação Latino-americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT) 28/Nov/2012

Leia mais

Desafios para enfrentar. o papel dos edifícios verdes. Secretaria do Verde e Meio Ambiente

Desafios para enfrentar. o papel dos edifícios verdes. Secretaria do Verde e Meio Ambiente Desafios para enfrentar mudanças as climáticas e o papel dos edifícios verdes Secretaria do Verde e Meio Ambiente DESAFIOS PARA AS CIDADES Redução da emissão global dos gases que causam efeito estufa 50%

Leia mais

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras PROCONVE (PROGRAMA DE CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES) As Fases Passadas e Futuras Henry Joseph Jr Comissão de Energia e Meio Ambiente ANFAVEA Seminário sobre Emissões de Veículos Diesel

Leia mais

PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA

PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA INTRODUÇÃO A mobilidade das cidades tem se tornado um desafio cada vez maior com o passar do tempo. Em 10 anos, a frota de automóveis e motocicletas cresceu 400% no

Leia mais

1. MOBILIDADE 1.1 INTRODUÇÃO

1. MOBILIDADE 1.1 INTRODUÇÃO 1. MOBILIDADE 1.1 INTRODUÇÃO O Estatuto da Cidade determina que todas as cidades brasileiras com mais de 500 mil habitantes elaborem um plano de transportes e trânsito, rebatizado pela SeMob (Secretaria

Leia mais

Workshop Internacional UN Sustainable Development Solutions Network: Rio Sustainability Initiative

Workshop Internacional UN Sustainable Development Solutions Network: Rio Sustainability Initiative Workshop Internacional UN Sustainable Development Solutions Network: Rio Sustainability Initiative 24 de Junho de 2013 Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Auditório do Museu do Meio Ambiente Rio de Janeiro,

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Mobilidade Urbana por Bicicletas

Mobilidade Urbana por Bicicletas Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Mobilidade Urbana por Bicicletas Brasília - DF 19 de Novembro de 2013 Ações em prol da Mobilidade por Bicicletas

Leia mais

Fórum IQA da Qualidade Automotiva. O Papel da Qualidade no Inovar-Auto A Qualidade como Diferencial para Competir

Fórum IQA da Qualidade Automotiva. O Papel da Qualidade no Inovar-Auto A Qualidade como Diferencial para Competir Fórum IQA da Qualidade Automotiva O Papel da Qualidade no Inovar-Auto A Qualidade como Diferencial para Competir Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC INOVAR-AUTO e o Papel

Leia mais

Mobilidade Urbana Sustentável

Mobilidade Urbana Sustentável Mobilidade Urbana Sustentável AGRADECIMENTOS No decorrer do processo de elaboração deste conteúdo foram consultados especialistas e lideranças no tema da mobilidade urbana. O Instituto Democracia e Sustentabilidade

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO outubro 2013 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Em atendimento à Lei Federal 12.587 Institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

NOVA LEI DA MOBILIDADE URBANA GESTÃO DA DEMANDA EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS

NOVA LEI DA MOBILIDADE URBANA GESTÃO DA DEMANDA EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS NOVA LEI DA MOBILIDADE URBANA GESTÃO DA DEMANDA EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS Matteus Freitas Rio de Janeiro/RJ, 3 de outubro de 2012 Estrutura da Apresentação 1. Contexto; 2. Cingapura - Sistema de Pedágio

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

O Avanço da Qualidade nos Programas de Governo

O Avanço da Qualidade nos Programas de Governo III Fórum IQA da Qualidade Automotiva O Avanço da Qualidade nos Programas de Governo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC 2 Conceitos Qualidade Produtos e Serviços Conformidade

Leia mais

A briga pelo menor consumo

A briga pelo menor consumo + Entrevista: Mais informação para o consumidor + Mercado: Carroceria 100% em alumínio será realidade nos veículos de produção em massa, nos EUA, diz especialista + Transportes: O alumínio no semirreboque

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Mobilidade Urbana em Belo Horizonte BHTRANS Marcelo Cintra do Amaral Gerente de Coordenação de Mobilidade Urbana - COMU PREFEITURA BH Belo Horizonte 1ª capital planejada do país - 12/12/1897 Previsão inicial

Leia mais

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL Marcia Fernanda Pappa 1, Daiane Maria de Genaro Chiroli 2 RESUMO: As cidades podem ser estudadas como meio de sobrevivência

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES 480 MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES Poliana de Oliveira Basso¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda². ¹Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo da

Leia mais

LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011

LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011 LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011 Institui a Política Municipal sobre Mudança do Clima e Desenvolvimento Sustentável, dispõe sobre o estabelecimento de metas de redução de emissões antrópicas de gases

Leia mais

mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira

mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira Brasília, junho de 2009 mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira Brasília, junho de 2009 Este é um documento em progresso. A CNI

Leia mais

JORNADA DA MOBILIDADE

JORNADA DA MOBILIDADE DESCRIÇÃO DO CENÁRIO A imagem de uma cidade grande e frenética, cheia de carros já não é motivo de orgulho e o que antes era o símbolo do progresso e da prosperidade, agora, nos sufoca. Congestionamentos

Leia mais

PROCONVE: PROGRAMA DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES

PROCONVE: PROGRAMA DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES PROCONVE: PROGRAMA DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES Em um momento em que os cenários de crescimento trazem projeções otimistas para a maior parte dos segmentos da economia brasileira,

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO Projeção de crescimento populacional Demanda de energia mundial Impacto ao meio ambiente projeções indicam que os empregos vão CONTINUAR no centro EMPREGOS concentrados no CENTRO

Leia mais

PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS

PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS Rio de Janeiro 11 de Dezembro de 2012 PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PSTM - Lei 12.187/2009,

Leia mais

Utilização de óleo diesel e emissões de CO 2 por veículos rodoviários pesados

Utilização de óleo diesel e emissões de CO 2 por veículos rodoviários pesados Utilização de óleo diesel e emissões de CO 2 por veículos rodoviários pesados Brasília, 9 de abril de 2013 Milhões de tep Uso de energia fóssil no transporte rodoviário Título do Gráfico 60 50 GNV 40 2011

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini)

PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini) PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini) Institui as diretrizes da Política Metropolitana de Mobilidade Urbana (PMMU), cria o Pacto Metropolitano da Mobilidade Urbana

Leia mais

NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO

NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO OBJETIVOS Atração de Investimentos Inovação Tecnológica Incorporação Tecnológica Competitividade da Cadeia Automotiva Adensamento da Cadeia Automotiva Abrangência Automóveis,

Leia mais

SP 06/93 NT 165/93. Emissão de gases poluentes / curvas tipo. Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução

SP 06/93 NT 165/93. Emissão de gases poluentes / curvas tipo. Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução SP 06/93 NT 165/93 Emissão de gases poluentes / curvas tipo Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução As questões ambientais requisitam de maneira crescente mais espaço dentro da engenharia de tráfego,

Leia mais

Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 6ª Reunião, ocorrida em 14/ 09/ 2010

Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 6ª Reunião, ocorrida em 14/ 09/ 2010 Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 6ª Reunião, ocorrida em 14/ 09/ 2010 Presentes: Fernando H. Gasperini SMDU Adriana Lopes Schneider

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES JULHO 2015 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS URBANO Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS

Leia mais

CONSTRUINDO A MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL EM REGIÕES METROPOLITANAS DO LESTE ASIÁTICO, OU VOCÊ PENSA QUE TEM PROBLEMAS DE TRÁFEGO NO BRASIL!

CONSTRUINDO A MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL EM REGIÕES METROPOLITANAS DO LESTE ASIÁTICO, OU VOCÊ PENSA QUE TEM PROBLEMAS DE TRÁFEGO NO BRASIL! CONSTRUINDO A MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL EM REGIÕES METROPOLITANAS DO LESTE ASIÁTICO, OU VOCÊ PENSA QUE TEM PROBLEMAS DE TRÁFEGO NO BRASIL! TERRY MC GEE PROFESSOR EMÉRITO UNIVERSIDADE DE BRITISH COLUMBIA

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana

Política Nacional de Mobilidade Urbana Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Política Nacional de Mobilidade Urbana SIMT - Seminário Internacional Mobilidade e Transportes Agosto 2013 Estrutura

Leia mais

Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres vs Linhas de Orientação do Plano Nacional de Reformas (PNR)

Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres vs Linhas de Orientação do Plano Nacional de Reformas (PNR) Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres vs Linhas de Orientação do Plano Nacional de Reformas (PNR) Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres Objectivos

Leia mais

Ranking de Veículos em Emissões de CO2 por km rodado

Ranking de Veículos em Emissões de CO2 por km rodado 0 2012 Ranking de Veículos em Emissões de CO2 por km rodado Índice 1 1. Apresentação 2 1.1. Metodologia 2 2. Resultados 3 3. No Caminho da Sustentabilidade 5 3.1. Mercado Modelo 5 3.2. Iniciativas no Brasil

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.770-A, DE 2011 (Do Sr. Vicentinho)

PROJETO DE LEI N.º 1.770-A, DE 2011 (Do Sr. Vicentinho) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.770-A, DE 2011 (Do Sr. Vicentinho) Dispõe sobre a obrigatoriedade de as montadoras de veículos utilizarem, na fabricação de seus produtos, 70% de peças produzidas

Leia mais

Mobilidade Urbana Sustentável

Mobilidade Urbana Sustentável Mobilidade Urbana Sustentável A Green Mobility Negócios é uma organização Inovadores ECOGERMA 2010 especializada no desenvolvimento de projetos sustentáveis com o objetivo de melhorar a mobilidade das

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Fundação Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Secretaria de Infraestrutura UMA UNIDADE DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Leia mais

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES Sílvia Velázquez São Paulo, 17 de setembro de 2009. Resíduos Urbanos e Agrícolas Briquetes

Leia mais

Como a política de transportes pode influenciar a qualidade do ar nas cidades

Como a política de transportes pode influenciar a qualidade do ar nas cidades Como a política de transportes pode influenciar a qualidade do ar nas cidades Gonçalo Homem de Almeida Rodriguez Correia (gcorreia@dec.uc.pt) Professor Auxiliar do Departamento de Engenharia Civil Universidade

Leia mais

Guia de apoio para jornalistas

Guia de apoio para jornalistas Ajude a gente a promover a agenda da bicicleta e da paz no trânsito. Este encarte foi elaborado pela equipe da ONG Rodas da Paz para apoiar seu trabalho como jornalista. É uma primeira experiência com

Leia mais

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana O Desafio da CET 7,2 milhões de veículos registrados 12 milhões de habitantes 7,3 milhões de viagens a pé 156 mil viagens de bicicleta 15 milhões de viagens

Leia mais

mudanças nos modelos de negócios do setor automobilístico, impulsionadas pelas pesquisas de novas tecnologias energéticas e de segurança.

mudanças nos modelos de negócios do setor automobilístico, impulsionadas pelas pesquisas de novas tecnologias energéticas e de segurança. AUTOMOTIVE Mudança de rumos Pressões dos consumidores por praticidade e economia, somadas à necessidade de adaptação dos veículos ao planejamento urbano, criam um cenário desafiador para a indústria automobilística

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 194/2011 Poder Executivo

PROJETO DE LEI Nº 194/2011 Poder Executivo DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Porto Alegre, sexta-feira, 27 de maio de 2011. PRO 1 PROJETO DE LEI Nº 194/2011 Poder Executivo Dispõe sobre a Inspeção Ambiental Veicular no Estado do Rio Grande

Leia mais

Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República

Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República Membro da Comissão Executiva Interministerial e do Grupo Gestor do Biodiesel Consolidação do Programa Nacional

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Exposição de motivos Existiam 216 milhões de passageiros de carros na UE a 25 em 2004, tendo o número

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.013, DE 2011 Dispõe sobre a fabricação e venda, em território nacional, de veículos utilitários movidos a óleo diesel, e dá

Leia mais

Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal

Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Audiências Públicas Investimento e Gestão: Desatando o Nó Logístico do Pais 2º Ciclo Financiamento e Gestão da Infraestrutura de Transportes no

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática.

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Marcelo Pereira Bales (1) ; Cristiane Dias (1) ; Silmara Regina da Silva (1) (1) CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

PROGRAMA DE INSPEÇÃO VEICULAR AMBIENTAL DA PREFEITURA DE SÃO PAULO. Marcio Schettino

PROGRAMA DE INSPEÇÃO VEICULAR AMBIENTAL DA PREFEITURA DE SÃO PAULO. Marcio Schettino PROGRAMA DE INSPEÇÃO VEICULAR AMBIENTAL DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Marcio Schettino Programa Estratégia Legislação FEDERAL Resolução nº. 418/09 (CONAMA) diretrizes básicas e padrões de emissão para Programas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Campus universitário, Plano de mobilidade cicloviária, Fatores que incentivam o uso da bicicleta.

PALAVRAS-CHAVE: Campus universitário, Plano de mobilidade cicloviária, Fatores que incentivam o uso da bicicleta. Mobilidade cicloviária em Campus Universitário. Marcos Antonio Garcia Ferreira 1 ; Suely da Penha Sanches 1 1: Universidade Federal de São Carlos, Rodovia Washington Luis, km 235 13565-905 São Carlos,

Leia mais