Relatório de Demandas Externas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Demandas Externas"

Transcrição

1 Presidência da República Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno Relatório de Demandas Externas Número do relatório: Unidade Examinada: NOSSA SENHORA DA GLORIA GABINETE DO PREFEITO 1. Introdução Introdução Este Relatório trata do resultado de ação de controle desenvolvida em função de situações presumidamente irregulares, ocorridas em Nossa Senhora da Glória Gabinete do Prefeito, apontadas à Controladoria-Geral da União - CGU, que deram origem ao Processo nº / A fiscalização teve como objetivo analisar a aplicação do recurso repassado pela União, por meio de Contrato de Repasse, com foco no produto resultante do investimento pavimentação de ruas, tendo em vista a situação apontada de inexistência de ruas, inexecução de serviços e utilização de veículo e equipamentos de terraplanagem da Prefeitura em áreas privadas. Os trabalhos de campo foram realizados no período de 15 a 18 de dezembro de 2015 sobre a aplicação de recursos federais do Programa Turismo Social no Brasil: Uma Viagem de Inclusão /Ação 10V0 - Apoio a Projetos de Infraestrutura Turística no município de Nossa Senhora da Glória/SE. Os exames foram realizados em estrita observância às normas de fiscalização aplicáveis ao Serviço Público Federal, tendo sido utilizadas, dentre outras, técnicas de inspeção física e registros fotográficos, análise documental, realização de pesquisas na rede mundial de computadores e em sistemas corporativos do Governo Federal.

2 Os executores dos recursos federais foram previamente informados sobre os fatos relatados, não havendo manifestação até a data de conclusão deste relatório, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades Informações sobre a Ação de Controle Ordem de Serviço: Número do Processo: / Município/UF: Nossa Senhora da Glória/SE Órgão: MINISTERIO DO TURISMO Instrumento de Transferência: Contrato de Repasse Unidade Examinada: NOSSA SENHORA DA GLORIA GABINETE DO PREFEITO Montante de Recursos Financeiros: R$ ,99 Prejuízo: R$ 0,00 2. Resultados dos Exames Os resultados da fiscalização serão apresentados de acordo com o âmbito responsável pela tomada de providências para saneamento das situações encontradas, bem como pela existência de monitoramento a ser realizada por esta Controladoria. 2.1 Parte 1 Não houve situações a serem apresentadas nesta parte, cuja competência para a adoção de medidas preventivas e corretivas seja dos gestores federais. 2.2 Parte 2 Nesta parte, a competência primária para adoção de medidas corretivas dos fatos apresentados a seguir pertence ao executor do recurso federal descentralizado. Esclarecese que as situações relatadas são decorrentes de levantamentos necessários à adequada contextualização das constatações relatadas na primeira parte. Dessa forma, compõem o relatório para conhecimento dos Ministérios repassadores de recursos federais, embora não exijam providências corretivas isoladas por parte das pastas ministeriais. Destinam-se, ainda, para ciência dos Órgãos de Defesa do Estado com vistas à tomada de providências no âmbito das respectivas competências. Esta Controladoria não realizará o monitoramento isolado das providências saneadoras relacionadas a estas constatações.

3 Histórico da execução do Contrato de Repasse. Fato A Caixa Econômica Federal por meio do Ofício nº 0534/2010/SR/Sergipe, emitido em 26 de maio de 2010, comunicou a gestora municipal da cidade de Nossa Senhora da Glória, que seu Plano de Trabalho objetivando a pavimentação das ruas Santa Catarina, Porto da Folha, Paulo Afonso e 26 de Setembro com recursos do Ministério do Turismo - Programa Turismo Social no Brasil, havia sido selecionado. O valor total do investimento, segundo consta da Proposta nº /2010, foi na ordem de R$ ,00 sendo R$ ,00 de recursos da União e R$ 5.000,00 oriundos da contrapartida municipal. Neste mesmo ofício, a CEF solicitou a gestora municipal que providenciasse o encaminhamento da documentação institucional, técnica e jurídica, para efetivação do Contrato de Repasse. Após a gestora ter providenciado, por meio do Ofício nº 070/2010-GAB/AGP/PMNSG de 27 de agosto de 2010, o envio da documentação acima referenciada, o Plano de Trabalho foi aprovado e considerado apto para a contratação, conforme Relatório Síntese - Operações com Recursos do OGU, datado em 30 de agosto de Nessa mesma data foi assinado o Contrato de Repasse nº /2010, com a condição de eficácia somente após a apresentação da titularidade da área, licença ambiental e do projeto técnico de engenharia, tendo o seu extrato sido publicado no Diário Oficial da União - DOU em 02 de setembro de O Contrato de Repasse tinha inicialmente seu prazo de encerramento previsto para 31 de agosto de 2012, contudo este prazo foi prorrogado por cinco vezes, conforme detalhado no quadro abaixo: Quadro Histórico da vigência do Contrato de Repasse nº /2010 Sequência do Termo Aditivo Data de Assinatura do Termo Aditivo Data de Publicação no DOU Data de Encerramento da Vigência /09/ /10/ /01/ /01/ /02/ /07/ /07/ /08/ /05/ /05/ /05/ /09/ /09/ /10/ /09/2015 Fonte: anexo com lista de termos aditivos do Contrato de Repasse do sistema SICONV e documentos constantes do Volume Principal do processo /2010 Em 01 de abril de 2011, por meio do Ofício nº 0147/2011/RSGOV/AJ, a CEF comunicou a gestora municipal a aprovação do projeto técnico das obras, considerando-o viável e solicitou os documentos relativos ao processo licitatório para análise e aprovação. A Prefeitura então em 11 de abril de 2011 autorizou o procedimento licitatório na modalidade tomada de preços, o qual teve seu número de ordem 02/2011 e com o valor total orçado em R$ ,11. No dia 28 de abril de 2011, após julgamento da única proposta apresentada pela empresa participante, LFB Construções e Consultoria Ltda., que apresentou

4 #/Fato# sua proposta de R$ ,02 foi celebrado em 05 de maio de 2011 o contrato de nº 080/2011. Após o encaminhamento dos documentos relativos ao procedimento licitatório a Prefeitura obteve autorização da CEF, para dar início às obras de pavimentação das ruas a qual foi comunicada por meio do ofício nº 0390/2011/SR Sergipe de 01 de junho de A ordem de serviço para o início das obras foi emitida pela Prefeitura em 30 de agosto de 2011, com prazo de conclusão de 150 dias. O Contratante, Ministério do Turismo, transferiu para a conta específica vinculada ao Contrato de Repasse (cc /9, ag , Banco CEF) valor total de R$ ,00, ou seja, 100% do valor total do repasse. Quadro Transferência de recursos realizados pela Unidade concedente do repasse Número da Ordem Bancária - OB Data de emissão da OB Valor (R$) Nº da Unidade Gestora emitente Gestão Emitente 2012OB /03/ , OB /04/ , OB /08/ , OB /12/ , Fonte: Sistema SICONV Portal dos Convênios mantido pelo Governo Federal. Quanto à liberação dos recursos financeiros para a execução do objeto do Contrato de Repasse, do valor contratado de R$ ,00 verificou-se que foram emitidas pela CEF as seguintes Autorizações de Saques, representando 95,64 % do total: Tabela Recursos financeiros liberados pela Caixa para a Prefeitura Municipal de Nossa Senhora da Glória/SE. AUTORIZAÇÃO DE SAQUE SEQ DATA VALOR (R$) 1ª 29/03/ ,29 2ª 10/05/ ,71 3ª 09/10/ ,00 4ª 05/06/ ,00 Total ,00 Fonte: Consulta aos Relatórios de Acompanhamento de Engenharia e Relatórios de Prestações de Contas Parciais e Autorizações de Saque n os 1 (fls.51e 52 ), 2 (fls.64 e 65 ), 3 (fls. 79 e 80) e 4 (fls. 114 e 115 ) do volume. Principal do processo nº /2010. Conforme o Relatório de Acompanhamento Final (RAE 100%) emitido pela CEF, as obras de pavimentação foram concluídas em 12 de março de 2015 e a Prestação de Contas do Contrato de Repasse foi apresentada pelo gestor em 22 de maio de 2015, tendo o Concedente emitido parecer pela sua aprovação em 19 de junho de O saldo remanescente do valor do Contrato de Repasse, no total de R$ 9.907,99 foi devolvido ao Ministério do Turismo por meio da GRU-TED de código identificador nº emitida em 16 de junho de Consolidação de Resultados

5 Com base nos exames realizados, estritamente no âmbito do escopo da fiscalização, não foram encontradas situações que demandem providências de regularização por parte dos gestores federais. Não foram confirmadas as situações apontadas de inexistência de ruas e inexecução de serviços. Em relação à utilização de veículo e equipamentos de terraplanagem da Prefeitura em áreas privadas, não foi possível verificar a ocorrência ou não dessa situação.

Relatório de Demandas Externas

Relatório de Demandas Externas Presidência da República Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno Relatório de Demandas Externas Número: 201503889 Unidade Examinada: PMU 1. Introdução Introdução Este Relatório

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Ordem de Serviço: 201316231 Município/UF: Saltinho/SC Órgão: MINISTERIO DA PESCA E

Leia mais

Relatório de Demandas Externas

Relatório de Demandas Externas Presidência da República Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno Relatório de Demandas Externas Número: 00190.031648/2013-61 Unidade Examinada: PREFEITURA 1. Introdução Introdução

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIO

PROCEDIMENTO PARA CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIO PROCEDIMENTO PARA CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIO 1. Abertura de processo pelo COORDENADOR DO PROJETO, sendo juntados os seguintes documentos: 1.1. Ofício de encaminhamento do projeto, assinado por seu COORDENADOR,

Leia mais

Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional

Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional 4º Encontro de Prefeitos com tema Desenvolvimento Local Sustentável Encontros Regionais de Municípios ABM - Nordeste Camaçari, Setembro de 2015 Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO CÓDIGO UG : 440031 RELATÓRIO Nº : 208054 UCI EXECUTORA : 170981 RELATÓRIO DE AUDITORIA Senhora Coordenadora-Geral, Em atendimento à determinação contida na Ordem

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.415, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1568 *Revogada pela Lei nº 2.735, de 4/07/2013. Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Estadual, e adota outras

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA CERTIFICADO Nº : 244004 UNIDADE AUDITADA : IF DO CEARA CÓDIGO : 158133 EXERCÍCIO :

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

TREINAMENTO COMPLETO

TREINAMENTO COMPLETO TREINAMENTO COMPLETO Portal de Convênios Ordem bancária de Transferência voluntária SICONV OBTV LEGISLAÇÃO E EXECUÇÃO 21 a 23 de Março Belo Horizonte - MG INCLUINDO MARCO REGULATÓRIO DE CONVÊNIOS LEI 13.019/14

Leia mais

Programa Luz para Todos MG SC MT PA RO

Programa Luz para Todos MG SC MT PA RO Câmara dos Deputados Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural 22.10.2013 Programa Luz para Todos MG SC MT PA RO Programa Luz Para Todos Política do Governo com o objetivo

Leia mais

Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 09 de Janeiro de MEMO nº 01/2017.

Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 09 de Janeiro de MEMO nº 01/2017. Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 09 de Janeiro de 2017. MEMO nº 01/2017. Assunto: DECRETO QUE ALTERA O DECRETO Nº 6.170 DE 5 DE JULHO DE 2007. Prezados (as) Senhores (as): Dispõe sobre as normas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 00202.000063/2007-74 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO PROCESSO Nº : 08659002736/2008-55 CÓDIGO UG : 200118 RELATÓRIO Nº : 208282 UCI EXECUTORA : 170165 Sr. Chefe da CGU-Regional/PR,

Leia mais

Estado do Pará PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FÉLIX DO XINGU Controladoria Geral do Munícipio PARECER DE REGULARIDADE DO CONTROLE INTERNO

Estado do Pará PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FÉLIX DO XINGU Controladoria Geral do Munícipio PARECER DE REGULARIDADE DO CONTROLE INTERNO PARECER DE REGULARIDADE DO CONTROLE INTERNO Parecer CGM nº 006/2016 Solicitante: Departamento de Licitação Expediente: Processo Licitatório nº TP010/2015 Modalidade: Tomada de Preço Tratam os autos de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 07/03

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 07/03 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 07/03 Ver também Alerta 001/2005 (MG de 22.03.05 ); Alerta 002/2008; IN 2/10 Estabelece normas de fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial nas Administrações

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO CÓDIGO UG : 130028 : ARACAJU RELATÓRIO Nº : 189406 UCI EXECUTORA : 170074 RELATÓRIO DE AUDITORIA Chefe da CGU-Regional/SE, Em atendimento à determinação contida

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS NÚCLEO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS NÚCLEO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA APRESTAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS CONVÊNIO TODOS COM A NOTA 1. Ofício de encaminhamento da Prestação de Contas à Secretária Estadual de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos.

Leia mais

XII Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas ABOP. Slide

XII Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas ABOP. Slide SICONV Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasses Ferramenta para Captação de Recursos Federais 1 O SICONV Administra as transferências voluntárias da União firmadas com estados, municípios

Leia mais

Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional

Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional Encontros Regionais de Municípios ABM Sudeste Rio de Janeiro, Outubro de 2015 Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional Marcus Vinicius Rego Gerente Nacional de Segmentos de

Leia mais

22 e 24 FEVEREIRO CURITIBA/PR

22 e 24 FEVEREIRO CURITIBA/PR Tel/Fax: + 55 41 3376 3967 41 3376.3967 cursos@connectoncursos.com.br contato@contreinamentos.com.br www.contreinamentos.com.br facebook.com/contreinamentos CONVÊNIOS NOVA LEGISLAÇÃO!!! ELABORAÇÃO DE PROJETOS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA /4 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : RJ-2007-637 UNIDADE AUDITADA : CVM/RJ

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO Fls. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO N.º : 00218.000768/2008-01 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ O presente regulamento visa estabelecer normas, procedimentos de funcionamento e atividades atribuídas à Gerência de Serviços, conforme estabelecido no Capítulo

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Airton Roberto Rehbein Auditor Público MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS A Lei Federal 3.204/2015 alterou a

Leia mais

DISPENSA DE LICITAÇÃO

DISPENSA DE LICITAÇÃO DISPENSA DE LICITAÇÃO Processo: Secretaria: Empresa: CNPJ: Objeto: LISTA DE VERIFICAÇÕES Justificativa - deverá ser elaborada pela Secretaria Requisitante, a qual identificará a necessidade administrativa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 6 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000175/2012-24 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Interessado: Secretaria de Estado da Educação

Interessado: Secretaria de Estado da Educação Interessado: Secretaria de Estado da Educação Objeto: Inspeção Especial - Convênio. EMENTA: Direito Constitucional, Administrativo e Financeiro. Inspeção Especial Convênio. Regularidade com Ressalvas.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : HOSPITAL DA LAGOA CÓDIGO UG : 250105 RELATÓRIO Nº : 208083 UCI EXECUTORA : 170130 Senhor Chefe da CGU-Regional/RJ,

Leia mais

Estado da Bahia PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINA CNPJ: / DECRETO Nº. 90, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012

Estado da Bahia PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINA CNPJ: / DECRETO Nº. 90, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 DECRETO Nº. 90, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 Estabelece medidas administrativas de racionalização, controle orçamentário e contenção de despesas no âmbito da Prefeitura Municipal e dá outras providências.

Leia mais

SERVIÇO AUTONOMO DE AGUA E ESGOTO DE URUCARÁ

SERVIÇO AUTONOMO DE AGUA E ESGOTO DE URUCARÁ Serviço Autônomo de Água e Esgoto PROCESSO N. º 001/2013. INTERESSADO: SERVIÇO AUTONOMO DE AGUA E ESGOTO DE URUCARÁ ASSUNTO: SOLICITA A POSSIBILIDADE DE REALIZAÇÃO DE LICITAÇÃO, NA MODALIDADE DE DISPENSA,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 4-CEPE-CAD/UNICENTRO, DE 17 DE AGOSTO DE 2010. Aprova o Regulamento para Emissão de Certificados da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber

Leia mais

Número: / Unidade Examinada: Secretaria de Estado de Saúde/SC

Número: / Unidade Examinada: Secretaria de Estado de Saúde/SC Número: 00223.000104/2011-61 Unidade Examinada: Secretaria de Estado de Saúde/SC Relatório de Demandas Externas n 00223.000104/2011-61 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados de ação de

Leia mais

DECRETO Nº ,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETO Nº ,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 Disciplina a celebração de convênios e operações de crédito com previsão de ingresso de recursos financeiros que beneficiem órgãos e entidades da Administração

Leia mais

Demonstrativo do Fluxo de Caixa Financeiro do Exercício Associação Rede Nacional de Ensino e Pesquisa - RNP

Demonstrativo do Fluxo de Caixa Financeiro do Exercício Associação Rede Nacional de Ensino e Pesquisa - RNP Demonstrativo do Fluxo de Caixa Financeiro do Exercício Associação Rede Nacional de Ensino e Pesquisa - RNP Findo em 31 de dezembro de Acompanhado do Relatório de Asseguração Limitada dos Auditores Independentes

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

Transferências de Recursos da União Transferências Voluntárias

Transferências de Recursos da União Transferências Voluntárias Transferências Constitucionais Transferências Legais da União Transferências Voluntárias da União Transferências Constitucionais Correspondem a parcelas de recursos arrecadados e repassados de um ente

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 005/2006/GS/SEDUC/MT Limite máximo de R$ ,00

INSTRUÇÃO NORMATIVA 005/2006/GS/SEDUC/MT Limite máximo de R$ ,00 RECURSO EMERGENCIAL EXECUÇÃO DO RECURSO INSTRUÇÃO NORMATIVA 005/2006/GS/SEDUC/MT Limite máximo de R$ 14.500,00 Conta corrente específica Emergência- situação anormal caracterizada pelo desgaste natural

Leia mais

I - DOS RECURSOS ORIUNDOS DOS ACORDOS DE EMPRÉSTIMOS OU CONTRIBUIÇÕES FINANCEIRAS NÃO REEMBOLSÁVEIS

I - DOS RECURSOS ORIUNDOS DOS ACORDOS DE EMPRÉSTIMOS OU CONTRIBUIÇÕES FINANCEIRAS NÃO REEMBOLSÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 06, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004. Dispõe sobre os procedimentos de movimentação de recursos externos e de contrapartida nacional, em moeda ou bens e/ou serviços, decorrentes dos acordos

Leia mais

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Dispõe sobre a criação de Acervos Técnicos de Pessoas

Leia mais

DISPENSA DE LICITAÇÃO PROCESSO Nº 01/2016

DISPENSA DE LICITAÇÃO PROCESSO Nº 01/2016 DISPENSA DE LICITAÇÃO PROCESSO Nº 01/2016 1 - CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO DA DISPENSA 1.1 - Objeto: Contratação do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial SENAC, através da sua Unidade Caxias do Sul RS

Leia mais

COLETA DE PREÇOS nº 01/2014

COLETA DE PREÇOS nº 01/2014 COLETA DE PREÇOS nº 01/2014 1. PREÂMBULO 1.1. A ASSOCIAÇÃO MUSEU AFRO BRASIL, torna pública a realização de Seleção de Fornecedores na modalidade Coleta de Preços, pelo critério de menor preço, objetivando

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais,

DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais, DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014 DECRETA: Aprova a Instrução Normativa SPA nº. 01/2014 na Versão 001 do Controle Interno da Câmara Municipal de Paranatinga e dá outras Providências. O Presidente da Câmara

Leia mais

Convênio n /2013 SDH/PR Projeto: Promoção do Protagonismo de Crianças e Adolescentes no Estado do Rio Grande do Sul TERMO DE REFERÊNCIA

Convênio n /2013 SDH/PR Projeto: Promoção do Protagonismo de Crianças e Adolescentes no Estado do Rio Grande do Sul TERMO DE REFERÊNCIA Convênio n 792198/2013 SDH/PR Projeto: Promoção do Protagonismo de Crianças e Adolescentes no Estado do Rio Grande do Sul TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 13/2015 TIPO MAIOR DESCONTO PERCENTUAL

Leia mais

Patrocínio a Projetos Relativos ao Patrimônio Histórico e Arqueológico Brasileiro

Patrocínio a Projetos Relativos ao Patrimônio Histórico e Arqueológico Brasileiro Patrocínio a Projetos Relativos ao Patrimônio Histórico e Arqueológico Brasileiro O BNDES é hoje o maior patrocinador de ações de preservação do patrimônio histórico e arqueológico brasileiro. Desde 1997,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP 1.

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas

Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas 1 Objetivo Estabelecer diretrizes para o tratamento de não conformidades detectadas na unidade de gestão, e estabelecer um método para realizar ações corretivas e ações preventivas que possam ser executadas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE REPUBLICADA NO DOE DE 04-02-2014 SEÇÃO I PÁG 63-64 RESOLUÇÃO SMA Nº 03, DE 24 DE JANEIRO DE 2014. Estabelece orientações para a instrução de processos de convênios com municípios e entidades da sociedade

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA Exercício 2010 ANEXO 4 CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA Exercício 2010 ANEXO 4 CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES INTERNA 3.1.1.2 241099 CONSTATAÇÃO: (005) Ausência de Anotação de Responsabilidade Técnica ART para elaboração do Projeto Básico, referente à construção dos Blocos de Salas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015. UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos, Planejamento e Orçamento CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015. UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos, Planejamento e Orçamento CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015 DISPÕE SOBRE CONTROLE E ACOMPANHAMENTO DOS CONSÓRCIOS. VERSÃO: 01 DATA: 03 de março de 2015. ATO APROVAÇÃO: Decreto 2.370/2015 UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABIRITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABIRITO C O N V Ê N I O Nº 044/2013 Que entre si celebram de um lado o MUNICÍPIO DE ITABIRITO, pessoa jurídica de direito público interno, inscrição no CNPJ sob o nº 18.307.835/0001-54, com endereço a Avenida

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009 I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO 1º de outubro de 2009 (112 MUNICÍPIOS) (64 MUNICÍPIOS) (91 MUNICÍPIOS) (16 MUNICÍPIOS) (10 MUNICÍPIOS) (IDH Médio M Nacional = 0,766) Especificação

Leia mais

ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA

ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA MINISTÉRIO DA SAÚDE ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA Brasília, 25 de agosto de 2011 22/06/2015 1 PRESSUPOSTOS DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA I PRESSUPOSTOS

Leia mais

HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES. Servir como base de orientação aos Órgãos Setoriais de Recursos Humanos da Administração Direta.

HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES. Servir como base de orientação aos Órgãos Setoriais de Recursos Humanos da Administração Direta. 1 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Administração MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Nome da Unidade: A/CSRH/CAD Nome do Processo: Revisão de PASEP Número Data Descrição 01 08/5/2007

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1.024, DE 21 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO N 1.024, DE 21 DE AGOSTO DE 2009. RESOLUÇÃO N 1.024, DE 21 DE AGOSTO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de adoção do Livro de Ordem de obras e serviços de Engenharia, Arquitetura, Agronomia, Geografia, Geologia, Meteorologia e demais

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA GERAL SEG

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA GERAL SEG 1. Processo n.: PNO 13/00178415 2. Assunto: Processo Normativo - Projeto de Resolução - Altera a Resolução n. TC-16/94 3. Interessado(a): Salomão Ribas Junior 4. Unidade Gestora: Tribunal de Contas do

Leia mais

Número: / Unidade Examinada: Município de Araguaína/TO

Número: / Unidade Examinada: Município de Araguaína/TO Número: 00226.000409/2012-23 Unidade Examinada: Município de Araguaína/TO Relatório de Demandas Externas n 00226.000409/2012-23 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO Unidade Auditada: SUPERINTENDENCIA ESTADUAL DO ACRE- INCRA/SR-14 Município - UF: Rio Branco - AC Relatório nº:

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÕES E GESTÃO DE CONTRATOS DA FACEPI

PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÕES E GESTÃO DE CONTRATOS DA FACEPI PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÕES E GESTÃO DE CONTRATOS DA FACEPI SUMÁRIO 1 Objetivo... 03 2 Competência e responsabilidade... 03 3 Forma de execução... 03 4 - Cadastro de fornecedores... 04 5 Documentação

Leia mais

José Urbano Duarte Vice Presidente de Governo e Habitação 22 NOV 2012

José Urbano Duarte Vice Presidente de Governo e Habitação 22 NOV 2012 José Urbano Duarte Vice Presidente de Governo e Habitação 22 NOV 2012 1 Município é um ente federativo com atribuições diversas em políticas públicas habitação saneamento infraestrutura saúde educação

Leia mais

Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes

Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes PROPOSTAS INICIAIS PARA DIRETRIZES DE LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE MANEJO Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes INEXISTÊNCIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS PRIORIDADE COLETA CORRETIVA Geradores Empresas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 5 DE MAIO DE Estabelece regras para a implementação da homepage Contas Públicas, de que trata a Lei nº 9.755/98.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 5 DE MAIO DE Estabelece regras para a implementação da homepage Contas Públicas, de que trata a Lei nº 9.755/98. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 5 DE MAIO DE 1999 Estabelece regras para a implementação da homepage Contas Públicas, de que trata a Lei nº 9.755/98. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Procedimentos para a prestação de contas junto ao FUMPROARTE PESSOA FÍSICA

Procedimentos para a prestação de contas junto ao FUMPROARTE PESSOA FÍSICA Procedimentos para a prestação de contas junto ao FUMPROARTE PESSOA FÍSICA 1 Instrução Normativa 004/2014 A prestação de contas de cada projeto acontecerá conforme o estabelecido na INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

Número: 00190.010534/2012-04. Unidade Examinada: Município de Diadema/SP

Número: 00190.010534/2012-04. Unidade Examinada: Município de Diadema/SP Número: 00190.010534/2012-04 Unidade Examinada: Município de Diadema/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.010534/2012-04 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABIRITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABIRITO CONVÊNIO Nº 047/2013 Que entre si celebram de um lado o MUNICÍPIO DE ITABIRITO, inscrito no CNPJ sob o nº 18.307.835/0001-54, com sede na Av. Queiroz Júnior, 635, Bairro Praia, Itabirito- MG, neste ato

Leia mais

8 - MULTAS DE TRÂNSITO

8 - MULTAS DE TRÂNSITO 8 - MULTAS DE TRÂNSITO O Código de Trânsito Brasileiro, instituído pela Lei Federal nº 9.503, de 23.09.97, definiu a competência dos Municípios para executar a fiscalização de trânsito, autuar e aplicar

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 53850.003281/2013-31 Assunto: Restrição de acesso: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição.

Leia mais

PROVA DISCURSIVA RASCUNHO QUESTÃO 1

PROVA DISCURSIVA RASCUNHO QUESTÃO 1 PROVA DISCURSIVA CESPE/UnB TCDF/ACE Aplicação: 2014 Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO LICITAÇÃO Nº 018/2013 MODALIDADE TOMADA DE PREÇO

COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO LICITAÇÃO Nº 018/2013 MODALIDADE TOMADA DE PREÇO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIANINHA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO LICITAÇÃO Nº 018/2013 MODALIDADE TOMADA DE PREÇO OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NOS SERVIÇOS

Leia mais

REGISTRAR NÃO CONFORMIDADE HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Saada Chequer. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação

REGISTRAR NÃO CONFORMIDADE HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Saada Chequer. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação REGISTRAR NÃO CONFORMIDADE HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão 00 Emissão Inicial 15/03/2013 01 Item 5.4 Revisão das Notas Elaborado por: Revisado por: Marcela Garrido Saada Chequer

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PIÇARRA

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PIÇARRA LEI MUNICIPAL N.183/2013. Institui o Plano Manicipal de Saneamento Básico do Município de Piçarra, instrumento da Política Municipal de Saneamento Básico e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Quinta-feira, 05 de Novembro de 2015 Edição N 411 Cardeno I EXTRATO DE CONTRATO

Quinta-feira, 05 de Novembro de 2015 Edição N 411 Cardeno I EXTRATO DE CONTRATO CONTRATO Nº: 0270/205 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA, PARA FORNECIMENTO DE REFEIÇÕES PREPARADAS, VISANDO ATENDER, DE FORMA ADEQUADA, ASSESSORES E CONSULTORES, QUANDO EM VISITA DE TRABALHO AO MUNICÍPIO

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 4.164/2016

LEI MUNICIPAL N.º 4.164/2016 LEI MUNICIPAL N.º 4.164/2016 AUTORIZA O PODER EXECUTIVO A CELEBRAR CONTRATOS DE GESTÃO COM ENTIDADE CIVIL FILANTRÓPICA PARA OPERACIONALIZAR O SAMU BÁSICO E/OU O SAMU AVANÇADO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Portal dos Convênios - Siconv

Portal dos Convênios - Siconv MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - Siconv Análise, Aprovação de Proposta/Plano

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO CAMPO ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO CAMPO ESTADO DA BAHIA ADJUDICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 035/2016 O Pregoeiro Municipal torna público, nos termos da Lei nº 10.520/2002 e Lei nº 8.666/93, a ADJUDICAÇÃO do Pregão Presencial nº 035/2016 realizado no dia 18/08/2016,

Leia mais

Aprovação Francisco Ferreira Cabral (Presidente do Concelho Administrativo do SENAR-AR/RO)

Aprovação Francisco Ferreira Cabral (Presidente do Concelho Administrativo do SENAR-AR/RO) 1 / 5 I. OBJETIVO: Padronizar os procedimentos referente a apresentação das atividades desenvolvidas pelo educador referente prestação de serviços educacionais prestados via Pessoa Jurídica às ações/atividades

Leia mais

FORMULÁRIO DE CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO (MINUTA) MONITORAR REGISTRO ESPECIAL - BIODIESEL

FORMULÁRIO DE CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO (MINUTA) MONITORAR REGISTRO ESPECIAL - BIODIESEL Contextualização do Processo (MINUTA) FORMULÁRIO DE CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO (MINUTA) 03.03.05.07. MONITORAR REGISTRO ESPECIAL - BIODIESEL Contextualização do Processo (MINUTA) 1. VINCULAÇÃO DO PROCESSO

Leia mais

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 093/2014

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 093/2014 DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA ADM 207/2014-14/11/2014 BOLETIM 093/2014 Trabalho temporário tem novas normas de fiscalização definidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Por meio da norma em

Leia mais

MANUAL DE FORMALIZAÇÃO DE CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E INSTRUMENTOS AFINS.

MANUAL DE FORMALIZAÇÃO DE CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E INSTRUMENTOS AFINS. MANUAL DE FORMALIZAÇÃO DE CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E INSTRUMENTOS AFINS. 1) A legislação aplicável é: 1. Lei Federal n. 8.666/1993 (Lei Geral de Licitações) 2. Lei Estadual n. 15.608/2007 (Lei de

Leia mais

Diário Oficial do Município Administração Direta - Extratos de Convênios

Diário Oficial do Município Administração Direta - Extratos de Convênios 1 Diário Oficial do Município - 02.01.2014 Extrato do Convênio Processo: 011425451378 Concedente: Município de Belo Horizonte / Secretaria Municipal de Saúde Convenente: Associação Municipal de Assistência

Leia mais

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições:

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 56, DE 6 DE ABRIL DE 2004. Estabelece procedimentos para acesso das centrais geradoras participantes do PROINFA, regulamentando o art.

Leia mais

Fies: alunos selecionados podem contratar financiamento a partir de 10 de fevereiro

Fies: alunos selecionados podem contratar financiamento a partir de 10 de fevereiro Diário Oficial Nº 419- ANO IX Sexta-feira, de Fevereiro de 2016 Fies: alunos selecionados podem contratar financiamento a partir de 10 de fevereiro O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE),

Leia mais

PORTARIA GD Nº 06, DE 23/04/2010

PORTARIA GD Nº 06, DE 23/04/2010 PORTARIA GD Nº 06, DE 23/04/2010 Aprova o Regulamento do Programa de Estágios da Faculdade de Engenharia da UNESP - Campus de Ilha Solteira. O Diretor da Faculdade de Engenharia do Campus de Ilha Solteira,

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA QUE ENTRE SI CELEBRAM UNIÃO, MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO E AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA PARA ESTABELECER AS DIRETRIZES PARA A EXECUÇÃO DOS PROJETOS E DAS OBRAS DO PARQUE OLÍMPICO

Leia mais

MUNICÍPIO DE MARATAÍZES ESPÍRITO SANTO

MUNICÍPIO DE MARATAÍZES ESPÍRITO SANTO Página 1 de 5 LEI N 1187 de 04 de maio de 2009 AUTORIZA O CHEFE DO EXECUTIVO MUNICIPAL A REPASSAR AJUDA FINANCEIRA À ASSOCIAÇÃO CASA DE DAVI - ACD E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. O de Marataízes, Estado do Espírito

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ruy Barbosa Estado da Bahia Comissão Permanente de Licitação

Prefeitura Municipal de Ruy Barbosa Estado da Bahia Comissão Permanente de Licitação Prefeitura Municipal de Ruy Barbosa Estado da Bahia Comissão Permanente de Licitação AVISO DE LICITAÇÃO A Prefeitura Municipal de Ruy Barbosa comunica que realizará Licitação no dia 02 de setembro de 2016,

Leia mais

CIRCULAR Nº Às instituições credenciadas a operar no mercado de câmbio de taxas flutuantes.

CIRCULAR Nº Às instituições credenciadas a operar no mercado de câmbio de taxas flutuantes. CIRCULAR Nº 1563 Às instituições credenciadas a operar no mercado de câmbio de taxas flutuantes. Altera o regulamento do mercado de câmbio de taxas flutuantes - atualização nº 6. A Diretoria do Banco Central

Leia mais

Qualidade de Projetos no âmbito do TCU. São Paulo, março de 2016

Qualidade de Projetos no âmbito do TCU. São Paulo, março de 2016 Qualidade de Projetos no âmbito do TCU São Paulo, março de 2016 1 Referencial Estratégico PET 2015-2021 2 Competências Constitucionais Julgar as contas dos administradores e demais responsáveis por dinheiros,

Leia mais

Apresentação e Treinamento do Portal dos Jurisdicionados

Apresentação e Treinamento do Portal dos Jurisdicionados Apresentação e Treinamento do Portal dos Jurisdicionados Portal dos Jurisdicionados Projeto de prestação de Contas Eletrônica via INTERNET. Processo Digital Fases do Projeto 1ª ) Licitações e Contratos

Leia mais

SEGURANÇA PARA TERCEIROS

SEGURANÇA PARA TERCEIROS 1 de 8 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de revisão e Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial J.S.C 1 Objetivo Este protocolo fixa os requisitos a serem observados quando

Leia mais

Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem

Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem I. Apresentação A ACQUALAB Laboratório e Consultoria Ambiental S/S Ltda. atua, desde a sua constituição, nas diversas áreas da ciência

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS TÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE

REGULAMENTO DE APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS TÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE REGULAMENTO DE APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS TÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º Este regulamento estabelece critérios e procedimentos referentes à concessão de apoio institucional

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Conjunto sistemático de normas que indicam as atividades a serem cumpridas pelos servidores que mantêm uma relação de trabalho com a organização, e a forma pela qual as mesmas deverão ser realizadas. Manual

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS PROPOSTAS PARA ALTERAÇÃO DA LEGISLAÇÃO

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS PROPOSTAS PARA ALTERAÇÃO DA LEGISLAÇÃO TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS PROPOSTAS PARA ALTERAÇÃO DA LEGISLAÇÃO JULHO, 2011 TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS Contextualização Morosidade na execução das obras Instabilidade das regras de contratação e execução

Leia mais

Publicações Legais. PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPIRA Estado do Paraná

Publicações Legais. PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPIRA Estado do Paraná 35 Umuarama Ilustrado Umuarama, sexta-feira, 2 de dezembro de 2011 LEI N.º 358/11 SUMULA: SUBDIVISÃO DOS S: Art. 1º - Fica a partir desta data desmembrados os lotes nº 01 (um) a 05 (cinco), da quadra nº

Leia mais

FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA. Instituído pela Lei N.º , de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001

FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA. Instituído pela Lei N.º , de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001 FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA Instituído pela Lei N.º 10.197, de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001 Recursos: 20% dos recursos dos Fundos Setoriais, sendo pelo menos 30% destinados

Leia mais