ANEXO A Especificações Técnicas de Segurança para Linhas de Transmissão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO A Especificações Técnicas de Segurança para Linhas de Transmissão"

Transcrição

1 ANEXO A Especificações Técnicas de Segurança para Linhas de Transmissão 1 DISPOSIÇÃO GERAL Em todas as fases da obra deverá ser observado o que dispõe as Normas Regulamentadoras da Portaria 3.214/78 e suas alterações, as normas internas da Eletrosul e as Normas Técnicas Nacionais e, na ausência, Normas Internacionais. 2 LIMPEZA DA FAIXA DE SERVIDÃO, ESTRADA DE ACESSO, ABERTURA DE PICADA 2.1 Antes do início da atividade será realizada uma reunião com a equipe sobre o serviço, análise dos riscos do local e as medidas de segurança necessárias; 2.2. O local do trabalho deverá ser inspecionado buscando situações de perigo: animais peçonhentos, buracos, ladeira, insetos; 2.3 Devem ser previstas pausas para descanso e tempos para recuperação do esforço físico; 2.4 A carga de trabalho a ser transportada não deverá exceder a um terço de seu peso ou no máximo trinta quilos; 2.5 O trabalhador deve informar qualquer estado alterado de saúde ou condição física, como cansaço ou mal estar. 2.6 Toda ocorrência envolvendo picada de animais silvestres, considerados peçonhentos (cobras, aranhas, etc.) deverá ser imediatamente encaminhado ao pronto socorro, com recurso para avaliação e tratamento. 2.7 O processo de corte a ser utilizado deverá ser manual com o uso de foices, facão, roçadeiras, machados e motosserras, de acordo com a necessidade do serviço. No caso da necessidade de utilização de máquina de grande porte, deverá haver aprovação prévia da ELETROSUL. 2.8 No corte de árvores, deverá ser observada a inexistência de pessoas, animais ou materiais próximos ao local, com o objetivo de evitar uma possível queda sobre os mesmos e prejuízos. 2.9 Deverá ser observada a existência de cipós, galhos secos, podres, quebrados ou presos em outros galhos, ou ainda, a existência de árvores ocas, pois casos como estes poderão causar acidentes graves no momento do corte. 1

2 2.10 Analisar cuidadosamente a direção e intensidade do vento, verificando a direção natural de queda da árvore Sempre que os serviços impliquem em risco para seus empregados ou a terceiros, a CONTRATADA deverá providenciar medidas que minimizem ou eliminem eventuais riscos de acidentes Compete ao operador ou responsável pelos serviços, fazer sempre uma análise preliminar da(s) árvore(s) a ser(em) cortada(s), visando os riscos oferecidos tanto para o executante quanto para as instalações, no caso a linha de transmissão. Assim como definir uma técnica de derrubada a ser adotada e tomar todas as providências necessárias para a execução. Especial atenção e cautela deverá ser dada a animais perigosos, principalmente os animais peçonhentos (cobras, etc.) O supervisor da CONTRATADA deverá certificar-se da possível existência de outra linha, de propriedade ou não da ELETROSUL, que possa por em risco a segurança dos indivíduos da equipe Manter sempre os indivíduos da equipe não envolvidos diretamente no serviço, afastados o suficiente (2 a 3 vezes o comprimento da árvore) para que não venham a ser atingidos na queda da árvore Quando o serviço for em terreno com declive, posicionar-se sempre na parte superior, livrando-se, portanto, de uma possível rolagem do tronco Fazer caminho de fuga a 45 de cada lado em direção contrária à linha de queda da árvore, os quais deverão estar limpos sem obstáculos que possam atrapalhar no momento que ocorrer um imprevisto Fazer o entalhe direcional respeitando o filete de ruptura e a faixa de fratura, evitando assim o rompimento do tronco e que lascas venham a atingir o operador Precauções deverão ser tomadas com o objetivo de evitar acidentes com espinhos e estrepes (pontas de taquara após o corte) Operação com Motosserra A motosserra só poderá ser operada por trabalhador treinado, conforme NR-12 Anexo I Para utilização das motosseras deverão ser adotados os dispositivos de segurança (máquina), conforme especificado abaixo: a) Cabo de empunhadura; b) Trava do acelerador; c) Interruptor combinado; 2

3 d) Proteção de mão; e) Limitador com proteção; f) Amortecedores; g) Freio de corrente; h) Pino pega corrente; i) Proteção para transporte Para utilização das motosseras os operadores deverão estar equipados com os seguintes EPI s, conforme especificado abaixo: a) Capacete; b) Protetor auricular; c) protetor facial; d) vestimenta sinalizada; e) bolsos fechados; f) luvas; g) calça com proteção; h) bota antiderrapante com proteção Quando utilizar a parte superior da ponta do sabre, ficar atento a possível ocorrência de rebote ou golpe de retrocesso, o qual gera movimento brusco do sabre para trás e para cima simultaneamente Ao carregar a motosserra em terrenos planos ou em aclive, esta deverá ser segura pelo cabo dianteiro e com o sabre apontado para trás Em terrenos com declive, o sabre deverá apontar para frente Manter uma afiação correta, com pinhão, sabre e corrente em boas condições, evitando assim vibrações indesejáveis e prejudiciais, tanto para o operador quanto para a máquina Certificar-se que a motosserra possui o sistema anti-vibratório, para minimização das vibrações do motor para as mãos e corpo do operador Ter o cuidado quando do reabastecimento para não derramar combustível sobre a motosserra Não fumar principalmente quando estiver efetuando reabastecimento Para corte de árvores oca, deverá ser usada uma motosserra com sabre longo, utilizando-se somente a ponta do sabre para o corte. Este procedimento visa evitar o choque de lasca de árvore contra o operador da motosserra e acidente pela possibilidade de queda prematura da árvore. 3

4 3 TERRAPLENAGEM 3.1 Executar os cortes de barrancos de acordo com as normas de engenharia, de modo a evitar a queda de árvores, deslizamentos de terra e matacões em área de trabalho. 3.2 Os limites externos das bancadas utilizadas como estradas devem estar demarcados e sinalizados, de forma visível durante o dia e a noite. 3.3 A largura mínima das vias de trânsito deve ser duas vezes maior que a largura do maior veículo utilizado, no caso de pista simples, três vezes, para pista dupla. 3.4 Nas laterais das bancadas ou estradas onde houver risco de quedas de veículos devem ser construídas leiras com altura mínima correspondente a metade do diâmetro do maior pneu de veículo que por elas trafegue. 4 ESCAVAÇÃO E FUNDAÇÃO 4.1 Todas as atividades deverão ser previamente planejadas, levando em conta as recomendações da NR-18 - item 18.6 Escavações, Fundações e Desmonte de Rocha, item Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas item Máquinas, Equipamentos e Ferramentas Diversas e outras em norma específicas aplicáveis; e NR-33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados, onde couber. 4.2 Os escoramentos dever ser verificados diariamente e inspecionados periodicamente. 4.3 A escavação deverá ter sinalização de advertência, inclusive noturna, e barreira de isolamento em todo o seu perímetro. 4.4 As máquinas devem ficar a uma distância mínima de 1/3 da profundidade da escavação, estando ou não em serviço. 4.5 As máquinas não poderão operar com trabalhador dentro da escavação. 4.6 Os materiais retirados das escavações deverão ser depositados a uma distância superior à metade da profundidade, medida a partir da borda do talude. 4.7 Quando houver possibilidade de infiltração ou vazamento de gás, o local deverá ser devidamente ventilado e monitorado. 4.8 Não será permitida a utilização de compactadores a combustão interna no interior das cavas. 4.9 Ao se proceder a escavação manual, deve ser observada as seguintes medidas: 4

5 a) prover o trabalhador com os seguintes EPI`s: capacete, óculos de segurança, luvas de raspa e botas de segurança com biqueira de aço; b) manter escadas portáteis para acesso e saída das cavas; c) manter sempre um supervisor nas proximidades da cava, para socorro do empregado no interior da mesma, na eventualidade de soterramento; d) evitar presença desnecessária de pessoas, materiais e equipamentos nas bordas de valas e buracos, bem como, em regiões de pastagens, supervisionar essas áreas de risco, a fim de evitar a queda de animais em seu interior sinalizar tais locais; e) providenciar escoramento em escavações com profundidades superiores a 1,25m e onde o terreno não apresentar estabilidade compatível com o talude; f) escorar muros, tubulações e todas as instalações, inclusive de terceiros, que possa ser afetado pela escavação; g) quando fora de uso deixar as ferramentas a os equipamentos apoiados, de maneira que não possam cair ou ocasionar tropeços; h) nas áreas urbanas. Manter a vigilância diuturna, quando as características da escavação assim o exigir Na execução de tubulões a céu aberto com alargamento manual de base, será obrigatória a execução de escoramento (encamisamento), devendo o mesmo ser removido somente após o término da escavação e a retirada definitiva de trabalhadores do interior da cava A Contratada deverá utilizar equipamento adequado para descida e içamento de trabalhadores e materiais utilizado na execução de tubulões a céu aberto, dotado de sistema de segurança com travamento Na escavação de tubulão a céu aberto será obrigatória a utilização pelos trabalhadores dos seguintes equipamentos de proteção individual: calçado de couro com biqueira de aço ou impermeável, no caso de água no interior da cava, capacete, óculos ou protetor facial e cinto de segurança pára-quedista e corda para retirada do trabalhador em caso de emergência As escavações deverão ser isoladas por meio de cercas de material resistente e ter sinalização de advertência, inclusive noturna, e barreira de isolamento em todo o seu perímetro de forma a evitar queda de pessoas e animais no seu interior. Caso haja necessidade, a fiscalização da Eletrosul poderá determinar que as cavas sejam temporariamente tampadas com a utilização de placas metálicas ou de madeira e recobertas com camada de solo, sem prejuízo do isolamento e sinalização. 5

6 5 DESMONTE DE ROCHA 5.1 Devem ser adotadas técnicas e medidas de segurança no planejamento e execução do desmonte de rocha com o uso de explosivos. 5.2 O transporte, manuseio e armazenagem de explosivos deverão seguir o que dispõe a NR-19 Explosivos, o Regulamento R-105 do Ministério do Exército, Portaria nº. 204/MT de 1997 as Normas Reguladoras de Mineração NRM - e outras normas oficiais vigentes. 5.3 Os profissionais responsáveis pela manipulação de explosivos deverão possuir capacitação específica em Bláster e estar com seus registros devidamente atualizados, cujas cópias deverão ser encaminhadas à Eletrosul. 5.4 A Contratada deverá encaminhar à Eletrosul cópia de toda a documentação emitida pelos Órgãos e Autoridades competentes, referentes à aquisição, uso, transporte, armazenamento e descarte de substâncias perigosas e explosivos. 5.5 Onde for necessário o desmonte de rocha com uso de explosivos, deve estar disponível no plano de fogo: a) disposição e profundidade dos furos; b) quantidade de explosivos; c) tipos de explosivos e acessórios utilizados; d) seqüência das detonações; e) razão de carregamento; f) volume desmontado e g) tempo mínimo de retorno após a detonação. 5.6 O desmonte com uso de explosivos deve obedecer as seguintes condições: a) ser precedido do acionamento de sirene; b) a área de risco deve ser evacuada e devidamente vigiada; c) horários de fogo previamente definidos e consignados em placas visíveis na entrada de acesso às áreas de trabalho; d) dispor de abrigo para uso eventual daqueles que acionam a detonação e e) seguir as normas técnicas vigentes e as instruções do fabricante. 5.7 As estradas de acesso devem ser bloqueadas. 5.8 Não devem ocorrer lançamentos de fragmentos de rocha além dos limites de segurança. 5.9 O retorno à frente detonada só é permitido com autorização do responsável pela área e após verificação da existência das seguintes condições: 6

7 a) dissipação dos gases e poeiras, observando-se o tempo mínimo determinado pelo projeto de ventilação e plano de fogo; b) confirmação das condições de estabilidade da área e c) marcação e eliminação de fogos falhados Na constatação ou suspeita de fogos falhados no material detonado, após o retorno às atividades, devem ser tomadas as seguintes providências: a) os trabalhos devem ser interrompidos imediatamente; b) o local deve ser evacuado e c) informado o técnico responsável ou bláster para adoção das providências cabíveis A retirada de fogos falhados deve ser executada pelo técnico responsável ou Bláster ou, sob sua orientação, por trabalhador qualificado e treinado A retirada de fogos falhados só pode ser realizada através de dispositivo que não produza faíscas, fagulhas ou centelhas Os explosivos e acessórios de fogos falhados devem ser recolhidos a seus respectivos depósitos, após retirada imediata dos dispositivos entre eles Deverá ser proibida a utilização de explosivos que tenham sido submetidos à umidade ou calor excessivo, ou de material que tiver falhado depois da detonação das outras cargas É proibido o aproveitamento de restos de furos falhados na fase de perfuração Perfuração Seguir o que dispõe a NR-18 - item Máquinas, Equipamentos e Ferramentas Diversas Não é permitida a realização de perfurações concomitante com o carregamento As operações de perfuração ou corte devem ser realizadas, sempre que possível e necessário, por processos umidificados, para evitar a dispersão de poeiras no ambiente Posicionar a perfuratriz em local estável As perfurações subterrâneas só poderão ser reiniciadas após a detonação e liberação da área pelo responsável Os trabalhadores que operam marteletes rompedores e perfuratrizes deverão utilizar os EPI s: máscara de proteção para poeira, óculos de proteção contra impacto ou protetor facial, protetor auditivo e luva de couro Carregamento e detonação 7

8 O transporte e utilização de material explosivo devem ser efetuados por pessoal devidamente treinado, respeitando-se as Normas do Departamento de Fiscalização de Produtos Controlados do Ministério da Defesa e legislação que as complemente; A execução do plano de fogo, operações de detonação e atividade correlatas deve ser supervisionadas ou executadas por técnico responsável, engenheiro de minas ou bláster legalmente registrado Ao técnico responsável ou bláster compete: a) ordenar a retirada dos paióis, o transporte e o descarregamento dos explosivos e acessórios nas quantidades necessárias ao posto de trabalho a que se destinam; b) orientar e supervisionar o carregamento dos furos, verificando a quantidade carregada; c) orientar a conexão dos furos carregados com o sistema de iniciação e a seqüência de fogo; d) solicitar a execução das medidas de concentração gasosa, antes e durante o carregamento dos furos, em frentes de trabalho sujeitas a emanações de gases explosivos; e) certificar-se do adequado funcionamento da ventilação auxiliar e da aspersão de água nas frentes em desenvolvimento; f) certificar-se de que não haja mais pessoas na frente de desmonte e áreas de risco antes de proceder à detonação; g) certificar-se da inexistência de fogos falhados e, se houver, adotar as devidas providências; h) comunicar ao responsável pela área ou frente de serviço o encerramento das atividades de detonação. i) manter durante o carregamento e transporte, os explosivos e acessórios distantes uns dos outros; j) demarcar toda a área do desmonte com bandeirolas; k) levar as caixas, uma a uma, para o local próximo do carregamento, à medida que forem sendo necessárias; l) fazer proteção com malhas de aço ou outro dispositivo, quando a detonação em aberturas de valas oferecer risco a estrutura ou equipamentos vizinhos; m) dar conhecimento de cada Plano de Fogo a todos os setores da obra; n) isolar a área de detonação, estabelecendo o raio de segurança de acordo com o Plano de Fogo; 8

9 o) iniciar a detonação somente após os sinais sonoros e vistoria de toda a área a ser atingida pelo fogo, a fim de sanar possíveis irregularidades; p) tomar as seguintes providências, após a detonação: quando toda fumaça, poeira e gases tóxicos provenientes da detonação estejam dissipados completamente, vistoriar a área antes da liberação da mesma; na hipótese de serem constatadas falhas de explosivos e ou acessórios para detonação, que ocorram possibilidade de explosões sem aviso, não liberar a área, até que se tomem medidas em comum acordo com a contratante para solução do caso Transporte de explosivos No transporte de explosivos, inflamáveis e cargas perigosas, adotarem os seguintes procedimentos: Proibir o transporte de explosivos, inflamáveis e cargas perigosas juntamente com pessoas, animais e alimentos; Proibir o transporte de explosivo juntamente com inflamáveis ou cargas perigosas Acondicionar os explosivos em caixas de madeiras, bem amarradas na carroceria do veículo, com enchimento dos espaços vazios, e cobertos por lona impermeável Proibir o transporte simultâneo de explosivo e seus acessórios, a excessos, à exceção do cordel detonante, que pode ser transportado desde que em caixas separadas; Verificar se os circuitos elétricos do veículo estão bem isolados, para evitar curto circuito, e ligar o chassi a terra; Proibir a carga, descarga do veículo, quando o tempo estiver sujeito a descargas atmosféricas; Acondicionar os inflamáveis em tambores ou vasilhames adequados de, no máximo, 200 litros e mantê-los bem amarrados à carroceria do veículo; Manter as embalagens originais das cargas perigosas; Especificar e transportar, junto com a carga, os EPIS`s necessários para manuseá-la; Proibir o transporte, sem que o veículo esteja vistoriado, sinalizado,e rotulado de acordo com risco envolvido; Etiquetar e rotular os produtos a serem transportados; 9

10 Proibir a exposição das cargas à ação do calor, ignição, faísca ou produtos químicos reagentes perigosos; 6 ESTAQUEAMENTO 6.1 Quando as estacas estiverem sendo posicionadas nas guias dos bate-estacas, devem ser passadas correntes que as envolve de maneira a evitar tombamento em caso de eventual rompimento do cabo. 6.2 As pessoas, que não façam parte da equipe de cravação, devem ser mantidas a distância segura. 6.3 Quando for necessário, cortar os topos das estacas já cravadas a região da queda deve ser previamente isolada. 6.4 Os bate-estacas devem estar firmemente suportados por plataformas resistentes, de madeira ou outro material apropriado. Se necessário, devem ser estaiados com cabos ou estruturas rígidas provisórias. 6.5 Proibir o reparo ou manutenção do bate estacas quando o mesmo estiver em operação. 6.6 Para trabalhos nas proximidades de rede elétrica, os bate - estacas devem ser colocadas à distância mínimas de segurança adequada à tensão da rede. 6.7 Manter os cabos de tração com comprimento suficiente para quatro voltas enrolados no tambor. 6.8 Manter o pilão no solo ou no ponto mais baixo da guia de seu curso. 6.9 Manter afastadas pessoas não autorizadas durante as manobras de carga e descarga dos bate-estacas Prover os operadores do bate-estaca e seus auxiliares com os seguintes EPI`s: capacetes luvas de raspa, calçado com biqueira de aço, protetor auditivo e cinto de segurança (quando sitiados a uma altura superior a 2m em relação ao nível de solo). 7 CONCRETAGEM 7.1 No projeto, instalação e retirada das fôrmas, observarem as recomendações da NBR (item 5.17) e NR-18 do MTE. 7.2 Usar perfis metálicos nos casos em que a escavação deva permanecer por longo tempo escorado ou em locais com muita umidade. 7.3 Inspecionar, diariamente, as amarrações e travejamentos, quanto às deformações ou quaisquer ocorrências, que possam a diminuição da confiabilidade do escoramento. 10

11 7.4 Ao se proceder ao arranjo da armação para concretagem de fundações, devem ser verificados as armações, o travejamento e o apoio das fôrmas. 7.5 Ao se verificar a concretagem nas fundações, devem ser observados os seguintes procedimentos: a) fazer o enchimento de concreto com controle visual das formas, tendo em conta a sua estabilidade e resistência à carga crescente, especialmente quando a aplicação é feita sob vibração mecânica; b) operar o vibrador com dois homens um segurando o motor e, outro, o chicote; c) o vibrador não deve ser operado com a extremidade do chicote fora do concreto. 8 ATERRAMENTO TEMPORÁRIO 8.1 Sempre que houver risco de indução pela proximidade de linhas energizadas, deverá ser executado aterramento temporário na linha em serviço. 8.2 Todo material utilizado nos aterramentos temporários deve resistir às solicitações elétricas e mecânicas provenientes da passagem da corrente máxima de curto-circuito do sistema, durante o tempo de atuação da proteção. 8.3 Os cabos empregados nos aterramentos temporários devem ser do tipo extraflexível, com isolamento transparente para permitir a visualização do estado do condutor de cobre, 600 V em PVC, referência CTC O cabo de aterramento temporário deve ter comprimento estritamente necessário para ligação a terra, evitando-se catenárias (flechas) excessivas nos mesmos. 8.5 Os cabos do conjunto, pelo menos anualmente, devem ser submetidos a teste de resistência elétrica e de continuidade. 8.6 Manter limpos, secos e em bom estado de conservação, os materiais utilizados nos aterramentos. 8.7 As conexões (presilhas e grampos) devem ser rígidas, limpas e não apresentar defeitos. 8.8 Os grampos utilizados nos cabos, que são conectados às estruturas metálicas aterradas, devem ser do tipo: a) multiangular tipo ritz G4229-1sj ou G sj; b) grampo de fixação para estrutura tipo ritz G ou fixação no cabo terra tipo ritz G Os aterramentos não devem apresentar cabos com fios partidos ou sinais de terem sido anteriormente recozidos, devido à passagem de correntes elevadas. 11

12 8.10 O comprimento das hastes não deve ser inferior a 1,5 m, e a parte cravada no solo deve atingir, no mínimo, 1,0m de profundidade Todas as hastes utilizadas em aterramento temporário devem ser conectadas entre si O aterramento deve ser tal, que garanta uma resistência de aterramento a mais próxima possível de 0 (zero) ohm Utilizar o bastão isolante (usado em linha-viva), com isolamento adequado ao nível de tensão possível de ocorrer, acidentalmente, para conectar os grampos do conjunto de aterramento às partes condutoras A vegetação das áreas onde forem instaladas as hastes de aterramento temporário, deve ser totalmente removida em um círculo de 0,5 metros de raio, de modo a evitar centelha (faísca) das hastes para vegetação e, em conseqüência, um princípio de incêndio A colocação e retirada dos aterramentos temporários devem ser na seguinte ordem: a) colocação: - instalar a ligação a terra; - instalar a ligação às partes que se pretende aterrar, utilizando o bastão isolante. b) retirada: - remover o grampo que liga as partes metálicas condutoras ao aterramento, utilizando o bastão isolante; - remover a ligação terra A colocação dos aterramentos deve ser feita com o operador situado em um nível mais baixo que o material condutor a ser aterrado Ao colocar e retirar o grampo que liga o material condutor ao aterramento, o operador deve manter-se pelo menos, a 1,5 m de distância de qualquer parte metálica não aterrada O grampo de conexão ao ponto de terra, deve ser conectado sempre abaixo do local onde vai ser executado o serviço e abaixo do trabalhador Na fixação dos grampos de conexão aos cabos ou peças a ser aterrado, exercer um pouco de pressão e movimento no grampo, através do bastão, para melhorar a resistência de contato O movimento e pressão para ajustar o grampo de aterramento aos condutores devem ser exercidos de leve, de maneira a não danificar aos cabos. 12

13 8.21 O conector terra que vai a estrutura ou outra parte aterrada, após conectar o grampo aos condutores, não deve ser reajustado O pessoal deve manter-se afastado dos cabos de aterramento e do ponto de terra e, sempre que o serviço permitir, afastado das estruturas, devido a potencias de passo e de toque O ponto de terra deve ser sinalizado, de forma a tornar clara sua visualização Cada elemento da torre, seção pré-moldada ou torres completas, desde o momento que começa a ser içado, até o momento em que é instalado em sua posição definitiva, deve ser aterrado eletricamente Manter os jumpers de entrada/saída da LT (em serviço) nas Subestações, em aberto, até o final da obra Para o aterramento da linha: a) aterrar as torres adjacentes, vante e ré, de modo que o trabalhador esteja sempre entre dois pontos aterrados. Na torre de trabalho deverá ser instalado um aterramento de cada lado da torre, de modo que o trabalho seja realizado entre dois aterramentos; b) para construção de LT de 525 kv em circuito paralelo energizado, deverão ser usados quatro cabos de aterramento, um para cada condutor ou dois cabos com quatro conectores, para cada lado da torre de trabalho; c) para construção de LT nova não paralela a outra existente e em caso de circuito paralelo energizado, poderá ser utilizado cabo condutor de 50 mm 2, para execução de serviços na torre; para as demais situações, deverá ser empregado cabo condutor de 70 mm 2 ; d) para situações de movimentação de ancoragem ao chão deverá ser utilizado um cabo de aterramento com uma das extremidades conectada na própria torre de ancoragem e com comprimento suficiente para aterrar a outra extremidade após o ponto de pega do normésio (lengada). e) sempre que for realizado qualquer trabalho no jumper de uma torre de ancoragem e este não estiver conectado aos dois lados da ancoragem, deverão ser utilizados cabos de aterramento nas duas extremidades. De preferência, dois cabos por extremidade. 9 PROCEDIMENTOS PARA PREVENÇÃO DO RISCO DE QUEDA DE PESSOAS 9.1 Em todo serviço executado a altura igual ou superior a 2 metros deverá ser previsto sistema de proteção contra queda. 13

14 9.2 Todo procedimento de subida, movimentações e descidas deve seguir o método 100% conectado, adequado a cada situação de trabalho e devidamente orientado por profissional de Segurança e/ou Supervisores e Fiscais de obra presentes no local. 9.3 Os trabalhadores deverão usar capacete de segurança, cinto de segurança tipo pára-quedista, talabarte Y, calçado de segurança com solado de borracha, luva de couro e evitar roupas largas e soltas em altura elevada. 9.4 Os capacetes de segurança deverão ser bem ajustados à cabeça, admitir circulação de ar junto à mesma e serem seguros ao queixo através da jugular. 9.5 Deve ser empregado o talabarte Y com absorvedor de impacto de 1m, gancho de 110 mm de abertura e fita de ancoragem com comprimento de 60 cm. 9.6 Os cintos de segurança deverão ser sempre guardados e revisados. 9.7 Os trabalhadores deverão descer ou subir nas torres somente pelos pedaróis. 9.8 Deve ser expressamente proibida a descida das torres deslizando nos estais. 9.9 Não deverá ser permitida a descida por corda e trava-queda direto do vão, entre torres, salvo em condição de emergência Escalada usando talabarte em Y : a) o procedimento consiste em escalar a estrutura sempre ancorado em um ponto, tanto em deslocamento vertical como horizontal, conforme mostrado na figura 1 A; b) o talabarte deverá ser fixado em local seguro, que sustente o peso do trabalhador, sendo tomada precaução para não ser preso em peças frouxas ou frágeis Escalada com instalação da linha de vida com talabarte em Y e uso de travaquedas: a) primeiramente, enquanto uma equipe prepara o ferramental na base da torre, um trabalhador escala a torre usando talabarte em Y, levando a corda de linha de vida, sendo esta liberada por outro na base da torre. b) a corda linha de vida será ancorada na estrutura da torre, no local onde serão realizados os serviços, por meio de fita de alta resistência com uma volta ao redor do perfil metálico e presa por mosquetão pelas duas pontas. Ao chegar à mísula, a corda linha de vida é ancorada na estrutura com estropo duplo e mosquetão de aço de 40 kn, numa posição que melhor facilite a escalada da estrutura com trava-quedas; c) após a ancoragem da corda linha de vida na estrutura superior e na base da torre com um peso para mantê-la esticada, os demais trabalhadores sobem e descem a estrutura utilizando trava-quedas, conforme ilustrado na figura 2C, D e E; 14

15 d) no deslocamento horizontal sobre os cabos, os trabalhadores deverão fazer uso do talabarte em Y com gancho em torno dos cabos condutores; e) Ao término dos serviços, o último empregado descerá da torre no procedimento inverso e tirando a corda linha de vida; f) onde não for possível a utilização de passarelas com guarda-corpo, o uso de cinto de segurança conectado em cabo de segurança com trava-queda, deve ser obrigatório. B A C D E Figura 1 Escalada com talabarte Y Figura 2 Escalada da torre com trava-queda 10 MONTAGEM DAS ESTRUTURAS 10.1 Içamento de Peças ou Conjunto de Peças Para o içamento de peças, ferramentas ou conjuntos pré-montados, deverão ser utilizadas cordas apropriadas, e acionadas pelos trabalhadores auxiliares de serviço no solo Os cabos (cordas) auxiliares, usados no içamento, devem ser de material não condutor. Utilizar, de preferência, cordas de polipropileno 3/4 ou 7/8. 15

16 Deverá ser realizada verificação diária nos cabos de aço, estropos de içamentos, ganchos e similares. Os estropos devem ser substituídos quando apresentarem 5% de fios partidos Os cabos não poderão ser submetidos a uma carga superior a 1/3 de sua carga de ruptura É proibido o uso de refugo de cabo pára-raios O estaiamento provisório deverá ser feito através de mortos instalados convenientemente e resistente aos esforços que deverão sustentar Os conjuntos de peças devem ser içados e/ou descidos entrelaçados com corda e lentamente. É expressamente proibido o lançamento direto de peças do alto das estruturas Os conjuntos de peças não devem ser movimentados sobre operários que estiverem trabalhando ao nível do solo, nem estes devem transitar sob as cargas suspensas Não deve ser permitido o estacionamento ou permanência de veículos sob as torres em montagem, os mesmos devem situar-se a uma distância segura Montagem de Estruturas Autoportantes Os processos e métodos utilizados na montagem não devem submeter os componentes a esforços maiores que os especificados, ou que possam comprometer a estabilidade da estrutura Em terrenos com desnível acentuado, as torres devem ser montadas peça por peça Em terrenos uniformes, as torres podem ser montadas por seções no solo e depois içadas No início da montagem, quando as porcas recebem, apenas o aperto inicial para manter a estrutura estável, especial atenção deve ser dada para que as peças não fiquem excessivamente frouxas, sujeitas à vibração decorrente da ação de ventos o aperto final deve ser executado o mais rápido possível, utilizando torquímetros Todas as peças das seções horizontais devem estar montadas e ter os parafusos colocados, antes que qualquer peça das seções superiores sejam superpostas Os equipamentos de guindar e acessórios deverão ser inspecionados periodicamente, verificando garantir a execução dos serviços com segurança. 16

17 O Operador de Guindaste deve seguir as orientações de uma única pessoa ao efetuar o içamento, abaixamento, translação, enfim qualquer movimentação de cargas Montagem de Estruturas Metálicas Estaiadas As praças, para montagens da torre, devem apresentar o solo raspado, terreno regular e desimpedimento de qualquer material Para montagem das estruturas no solo, devem ser utilizados calços de madeira apropriados e estáveis, para que as peças não sejam indevidamente solicitadas Só será içada a estrutura, quando todas as peças estiverem montadas no corpo da mesma Durante o processo de içamento das torres, todos os esforços devem estar compatíveis com o recomendado pelo fabricante Quando não for possível a montagem das torres no solo, seve ser montado o conjunto formado pelos mastros, vigas estais, no local da instalação da torre as cruzetas e os suportes dos cabos pára-raios, devem ser montados em separados e colocados na torre após o levantamento do conjunto (mastros, vigas e estais) As estruturas devem ter seu aperto final nos parafusos e porcas, ainda no solo, utilizando torquímetro, antes do içamento As estruturas devem ser levantadas com os estais já fixados Imediatamente após o içamento, os estais devem ser tensionados Montagem de torres metálicas próximas a linhas de transmissão ou de distribuição energizadas: Todo o equipamento utilizado na montagem deve ser aterrado, seguindo as prescrições feitas em As peças da torre, seções pré-moldadas ou torres completas, devem ser depositadas ao lado das fundações e o mais afastado possível da linha de energizada, no lado oposto à mesma Especial atenção deve ser dada por um supervisor, orientando os operadores de guindaste e os montadores, de modo a garantir que todos os cabos, equipamentos e peças da torre, sejam mantidos aterrados e à distância da linha energizada O guindaste, também, deve ser aterrado eletricamente Instalação da cadeia de isoladores Não deverá ser permitido o estacionamento ou permanência de veículos sob a torre, sendo que o mesmo deverá estar situado a uma distância de 10 metros no mínimo da vertical de fixação de mísulas. 17

18 Durante o içamento de peças através de cordas, será utilizado o sistema de arrevio, isto é, passar a corda de içamento em uma roldana fixada no pé da torre, de forma que o puxamento da corda pelos operários seja no sentido horizontal, com utilização de canga para melhor distribuição dos esforços Verificar, antes do içamento das cadeias de isoladores, se todos os seus componentes estão no lugar e se os parafusos, porcas arruelas e contrapinos foram instalados corretamente As cadeias de isoladores deverão ser içadas lentamente, tendo seu ponto de fixação entre o 3º e 4º isoladores da cadeia, deixando duas unidades livres para segurança e maior facilidade de encaixe na ferragem, no lado da estrutura Usar escada fixa ao montante da mísula para executar os serviços nas cadeias de isoladores Usar escada isolante, quando da proximidade de LT`s energizadas Testar, antes do içamento de cada cadeia de isoladores, os freios e travas do guincho. 11 LANÇAMENTO DE PILOTO, CONDUTORES E CABOS PÁRA-RAIO 11.1 Em todas as etapas do lançamento deve ser seguido o que dispõe o item Não deverá ser executada a atividade de lançamento de cabo pára-raios, piloto e condutores com tempo chuvoso ou com ventos fortes Durante todas as etapas do lançamento deverá ser observado o que segue: a) em cada tramo de lançamento será colocada uma bandola com aterramento na primeira torre de chegada dos cabos, uma no meio do tramo e uma na última torre de saída dos cabos. b) as bandolas devem ser aterradas a cada 5 (cinco) torres. c) no caso de LT nova não paralela a outra existente, as bandolas não precisam ser aterradas. d) deverão ser aterrados o puller, o freio e as roldanas deslizantes. e) um aterramento do tipo móvel deve ser instalado a 6 metros, no máximo, do freio e do guincho, de modo a que todos subcondutores, cabos pára-raios, cabo guia e pilotos estejam constantemente aterrados; f) nos casos de intervenção na bandola ou no cabo, deverá ser instalado um aterramento de cada lado da torre, de modo que o trabalho seja realizado entre dois aterramentos. 18

19 g) os cabos lançados devem ser mantidos com aterramento temporário em trechos previamente determinados, quando houver paralelismo com LT energizada, até o término de construção da LT. h) as fases instaladas, já esticadas, devem ser mantidas com aterramento temporário em pontos previamente determinados pelo projeto e a critério da fiscalização, até o término do serviço. i) nenhum trabalho deve ser iniciado sem que antes tenham sido feitos todos os aterramentos necessários Todo pessoal envolvido na construção de LT s será alertado sobre os perigos decorrentes da indução elétrica e, por precaução, será considerado energizado todo cabo, material ou equipamento que não esteja visivelmente aterrado Para confecção das praças de lançamentos: a) devem ser escolhidos terrenos com baixa resistividade, evitando-se terrenos rochosos; as praças devem ser instaladas em terrenos previamente nivelados; d) em cada praça de lançamento, todos os equipamentos utilizados devem ser estacionados sobre uma malha metálica conectada a quatro hastes cravadas na terra a 80 cm de profundidade e os aterramentos presos à malha; deverão ainda ser protegidos por uma tela plástica formando uma cerca; e) os estropos dos mortos da ancoragem de cabos e de estaiamento dos equipamentos serão de cabo de aço de 5/8 ; f) os mortos da ancoragem de cabos e de estaiamento dos equipamentos terão profundidade de 3 metros e o tronco que será lançado pelo estropo no fundo da cava será de madeira resistente com espessura de mais ou menos 40 cm; d) o freio ( tensioner ) deve ter proteção contra chuva no seu disco de frenagem e cobertura na lateral para proteção do operador; f) o equipamento de tração ( puller ) deverá ser dotado de banco com altura apropriada para que o operador possa operar o equipamento sentado e cobertura na lateral para proteção do operador; g) mesmo estaiadas, as rodas do tensioner devem ser calçadas No transporte e movimentação de bobinas: a) amarrá-las ao veículo e calçá-las em ambos os lados; b) carregá-las e descarregá-las por meio de guindaste, guindauto, talha, etc. e com estropo de cabo de aço; 19

20 c) o equipamento de transporte das bobinas quando entra na região coberta pela malha, deve ser ligado ao aterramento da área equipotencial; d) caso as bobinas sejam colocadas em cavaletes, verificar seu posicionamento, a fim de que não tombem; e) os cavaletes deverão ser aterrados; f) se for necessário o uso de pranchas, apoiá-las com segurança e utilizar moitão para que as bobinas deslizem lentamente; g) inspecionar estropos e o eixo de ação, antes de utilizá-los para içamento de bobinas. h) verificar se a bobina está em boas condições ( madeiramento, buchas etc.); i) após retirada do madeiramento de proteção dos cabos, retirar pregos que venham a ficar na bobina e no madeiramento; j) empilhar o madeiramento em local seguro No lançamento manual do piloto, adotar os seguintes procedimentos: a) os cabos devem ser submetidos a aterramentos móveis, nas saídas das bobinas; b) no caso de proximidade ou paralelismo com LT`s energizadas, o pessoal que estiver em contato com o cabo deve utilizar luvas com isolamento para a classe 20 kv, protegida por outras luvas de couro; c) proibir a aproximação do pessoal ou permanência sob o raio de ação de cabos sob tensão mecânica; d) atenção especial deve ser dada as instalação de acessórios nos cabos ( camelong ou morcetes, balancins, destorcedores etc.) para garantir perfeitas condições de fixação e funcionamento Durante o lançamento: a) observar para que os cabos saiam sempre por baixo das bobinas; b) controlar a velocidade de rolamento da bobina; c) utilizar rádio portátil para a comunicação entre os empregados que estiverem puxando o cabo e aqueles que estiverem controlando a bobina; d) cuidar para que não ocorram danos a bens, a terceiros e suas propriedades; e) proteger os pontos de ancoragem provisória dos cabos ao solo, para evitar que se soltem acidentalmente ou por vandalismo; f) distribuir o pessoal ao longo do trecho de lançamento, equipado com rádio portátil; deve existir comunicação direta entre os operadores dos equipamentos de tração e de freio; 20

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO 18.1 Objetivo e Campo de Aplicação 18.2 Comunicação Prévia 18.3 Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

NR-12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

NR-12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NR-12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Atualizações D.O.U. Portaria SSST n.º 12, de 06 de junho de 1983 14/06/83

Leia mais

TREINAMENTO DE INTEGRAÇÃO MÓDULO 4 3 PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA A CONTRATADA

TREINAMENTO DE INTEGRAÇÃO MÓDULO 4 3 PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA A CONTRATADA MÓDULO 4 1 PERMISSÃO PARA O TRABALHO 2 INSPEÇÕES E AUDITORIAS DE SMS 3 PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA A CONTRATADA 4 SUSPENSÃO DO TRABALHO NENHUM TRABALHO NÃO PROCEDIMENTADO A SER EXECUTADO NAS INSTALAÇÕES

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO CARTILHA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO na Construção Civil/ES NR-18 CARTILHA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO na Construção Civil/ES NR-18 4 Segurança e Saúde do Trabalho na Construção Civil/ES NR-18

Leia mais

Manual de Operador Catálogo de Peças www.semeato.com.br

Manual de Operador Catálogo de Peças www.semeato.com.br Manual do Operador O PRESENTE CATÁLOGO DE PEÇAS CONTÉM O DESENHO, O CÓDIGO E A DENOMINAÇÃO DE CADA PEÇA DA SEME ADORA ADUBADORA FACILITANDO ASSIM Á IDENTIFICAÇÃO E O RECONHECIMENTO DAS MESMAS NO ATO DA

Leia mais

I. INTRODUÇÃO II.TRABALHOS PRELIMINARES

I. INTRODUÇÃO II.TRABALHOS PRELIMINARES I. INTRODUÇÃO O princípio que deve nortear qualquer construção, grande ou pequena é o de fazer uma obra praticamente perfeita, no menor tempo possível e ao menor custo, aproveitando o máximo rendimento

Leia mais

www.honda.com.br/posvenda/motos POP 100

www.honda.com.br/posvenda/motos POP 100 www.honda.com.br/posvenda/motos POP 100 ATENÇÃO! Nível de Óleo Verifique o nível de óleo do motor diariamente, antes de pilotar a motocicleta, e adicione se necessário. Consulte a página 6-7 para mais

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 010/DAT/CBMSC) SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 010/DAT/CBMSC) SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 010/DAT/CBMSC)

Leia mais

NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE (Texto dado pela Portaria GM n.º 598, de 07 de dezembro de 2004) 10.1 - OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214,

Leia mais

Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas

Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas FEV 2001 NBR 5419 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 / 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS

COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS NORMA GERAL PARA PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO SANITÁRIO NT-3.200-000.000-SPT-04-001 OUTUBRO/2006 REVISÃO 0 APRESENTAÇÃO A presente regulamentação

Leia mais

Manual de Oficina. Série 10

Manual de Oficina. Série 10 Manual de Oficina Série 10 Manual de Oficina Série 10 MWM INTERNATIONAL Assistência ao Cliente / Asistencia al Cliente / Customer Assistance Av. das Nações Unidas, 22.002 CEP- 04795-915 - São Paulo -

Leia mais

4) Um silvo longo emitido pelo apito do agente de trânsito significa: a) Seguir com atenção b) Motorista aposto c) Parar d) Diminuir a marcha

4) Um silvo longo emitido pelo apito do agente de trânsito significa: a) Seguir com atenção b) Motorista aposto c) Parar d) Diminuir a marcha 1) O condutor que estiver com o direito de dirigir suspenso e for encontrado dirigindo será punido com: a) Remoção do veículo b) Cassação do documento de habilitação c) Suspensão do direito de dirigir

Leia mais

Inserir imagem no tamanho 215x70 mm. Diretrizes para Montagem de Carroçarias e Equipamentos

Inserir imagem no tamanho 215x70 mm. Diretrizes para Montagem de Carroçarias e Equipamentos Inserir imagem no tamanho 215x70 mm Diretrizes para Montagem de Carroçarias e Equipamentos Índice Índice L 1Introdução... 6 1.1Estrutura deste Manual... 8 1.2Formas de apresentação...10 1.3Segurança do

Leia mais

ALFREDO CARLOS ORPHÃO LOBO Presidente do Inmetro em Exercício

ALFREDO CARLOS ORPHÃO LOBO Presidente do Inmetro em Exercício MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 30 de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

Hidrogeradores. Linha S Horizontais Sem escovas. Manual de Instalação, Operação e Manutenção

Hidrogeradores. Linha S Horizontais Sem escovas. Manual de Instalação, Operação e Manutenção Motores Automação l Energia Transmissão & Distribuição Tintas Hidrogeradores Linha S Horizontais Sem escovas Manual de Instalação, Operação e Manutenção Manual de Instalação, Operação e Manutenção Nº

Leia mais

ADENSAMENTO DO CONCRETO POR VIBRAÇÃO

ADENSAMENTO DO CONCRETO POR VIBRAÇÃO ADENSAMENTO DO CONCRETO POR VIBRAÇÃO Gestão de Equipamentos e Obras Dezembro 2005 Apresentação A falta de literatura especializada em nosso idioma e o comportamento das pessoas envolvidas no trabalho de

Leia mais

Bem-vindo a bordo de seu veículo

Bem-vindo a bordo de seu veículo Bem-vindo a bordo de seu veículo Este manual de usuário e manutenção coloca à sua disposição as informações que permitem: conhecer bem seu veículo para melhor uso e obter o pleno benefício, e nas melhores

Leia mais

Brasil 0800-702-4200 Argentina 0800-555-11-15 Uruguai 0800-1115 Paraguai 0010 (a cobrar) 0054-11-478-81-115

Brasil 0800-702-4200 Argentina 0800-555-11-15 Uruguai 0800-1115 Paraguai 0010 (a cobrar) 0054-11-478-81-115 As informações e descrições dos equipamentos, contidas neste Manual, tomaram como base um veículo totalmente equipado com os opcionais e acessórios disponíveis na data da publicação indicada na lombada.

Leia mais

CONSIDERANDO a melhor adequação do veículo de transporte coletivo de passageiros à sua função, ao meio ambiente e ao trânsito;

CONSIDERANDO a melhor adequação do veículo de transporte coletivo de passageiros à sua função, ao meio ambiente e ao trânsito; RESOLUÇÃO Nº 316, 08 DE MAIO DE 2009. Estabelece os requisitos de segurança para veículos de transporte coletivo de passageiros M2 e M3 (tipos microônibus e ônibus) de fabricação nacional e estrangeira.

Leia mais

Manual de Transporte Vertical em Edifícios Elevadores de Passageiros, Escadas Rolantes, Obra Civil e Cálculo de Tráfego.

Manual de Transporte Vertical em Edifícios Elevadores de Passageiros, Escadas Rolantes, Obra Civil e Cálculo de Tráfego. Manual de Transporte Vertical em Edifícios Elevadores de Passageiros, Escadas Rolantes, Obra Civil e Cálculo de Tráfego. PREFÁCIO É com satisfação que Elevadores Atlas Schindler dá continuidade a este

Leia mais

LOGAN MANUAL DE PROPRIETÁRIO

LOGAN MANUAL DE PROPRIETÁRIO LOGAN MANUAL DE PROPRIETÁRIO Bem-vindo a bordo do seu veículo Este manual do usuário e manutenção fornece as informações que lhe permitirão: conhecer bem o seu veículo para melhor utilizá-lo e obter os

Leia mais

Generalidades OBSERVAÇÕES IMPORTANTES. Generalidades. Combustível e lubrificantes. Peças e Acessórios

Generalidades OBSERVAÇÕES IMPORTANTES. Generalidades. Combustível e lubrificantes. Peças e Acessórios Generalidades OBSERVAÇÕES IMPORTANTES Combustível e lubrificantes O funcionamento correto e a durabilidade do motor do seu Volare dependem, fundamentalmente, da qualidade dos produtos utilizados. Abasteça

Leia mais

Diretrizes Básicas de Meio Ambiente e Segurança do Trabalho do Grupo AES Brasil Gestão de Empresas Contratadas

Diretrizes Básicas de Meio Ambiente e Segurança do Trabalho do Grupo AES Brasil Gestão de Empresas Contratadas Diretrizes Básicas de Meio Ambiente e Segurança do Trabalho do Grupo AES Brasil Gestão de Empresas Contratadas 1 de 35 ÍNDICE APLICAÇÃO:...4 CONDIÇÕES GERAIS:...4 CAPÍTULO 1 - SEGURANÇA DO TRABALHO E MEDICINA

Leia mais

Manual de Primeiros Socorros no Trânsito

Manual de Primeiros Socorros no Trânsito Manual de Primeiros Socorros no Trânsito DETRAN/GO 2 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CPI) Biblioteca Goiandira Ayres de Couto Departamento Estadual de Trânsito de Goiás. Manual de primeiros

Leia mais

3.4 Equipamento Dispositivo de propriedade da Distribuidora ou da Ocupante, com forma, dimensões e massa perfeitamente definidos e especificados.

3.4 Equipamento Dispositivo de propriedade da Distribuidora ou da Ocupante, com forma, dimensões e massa perfeitamente definidos e especificados. Norma: ENERGIA ELÉTRICA Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDORES 1/16 Primeira Edição: Edição: Data: 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para aprovação de projetos

Leia mais

NORMAS PARA A EXECUÇÃO DE OBRAS, REPAROS E SERVIÇOS EM VIAS PÚBLICAS DA AEIU DO PORTO MARAVILHA.

NORMAS PARA A EXECUÇÃO DE OBRAS, REPAROS E SERVIÇOS EM VIAS PÚBLICAS DA AEIU DO PORTO MARAVILHA. NORMAS PARA A EXECUÇÃO DE OBRAS, REPAROS E SERVIÇOS EM VIAS PÚBLICAS DA AEIU DO PORTO MARAVILHA. ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO I ORGANIZAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRAS... 3 Capítulo II DA ESCAVAÇÃO E REATERRO...

Leia mais

Acoplamento De Diafragma Flexível Modelo Naval MS. Instruções de Instalação Folheto Técnico 13-402 Revisado Fevereiro 2003 AVISO

Acoplamento De Diafragma Flexível Modelo Naval MS. Instruções de Instalação Folheto Técnico 13-402 Revisado Fevereiro 2003 AVISO Acoplamento De Diafragma Flexível Modelo Naval MS Instruções de Instalação Folheto Técnico 13-402 Revisado Fevereiro 2003 Kop-Flex, Inc., P. O. Box 1696, Baltimore, Maryland 21203, 410-768-2000 Kop-Flex

Leia mais

ANEXO II LAUDO DE VISTORIA DE ENGENHARIA

ANEXO II LAUDO DE VISTORIA DE ENGENHARIA ANEXO II LAUDO DE VISTORIA DE ENGENHARIA 15 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE VISTORIA DE ENGENHARIA 1. IDENTIFICAÇÃO DO SOLICITANTE 1.1. Nome: 1.2. Telefone: 1.3.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA NOS CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO E VENDA DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

CÓDIGO DE CONDUTA NOS CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO E VENDA DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS CÓDIGO DE CONDUTA NOS CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO E VENDA DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DGADR DSPFSV DSPFSV 2/10 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS DIRECÇÃO-GERAL DE AGRICULTURA

Leia mais