UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA COORDENAÇÃO GERAL DE POS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM HISTÓRIA OSNERA PINTO DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA COORDENAÇÃO GERAL DE POS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM HISTÓRIA OSNERA PINTO DA SILVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA COORDENAÇÃO GERAL DE POS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM HISTÓRIA OSNERA PINTO DA SILVA CAMINHANDO PELOS MORTOS, CAMINHANDO PELA VIDA: CONFLITOS, ROMARIAS E SANTIDADE NO SUDESTE PARAENSE (c.1980 c. 2010) VASSOURAS 2012

2 UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA COORDENAÇÃO GERAL DE POS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM HISTÓRIA CAMINHANDO PELOS MORTOS, CAMINHANDO PELA VIDA: CONFLITOS, ROMARIAS E SANTIDADE NO SUDESTE PARAENSE (c.1980 c. 2010) Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Severino Sombra, Vassouras/RJ, como requisito para obtenção do título de mestre em história social. Osnera Pinto da Silva Orientador: Dr. Jorge Victor de Araújo Souza Vassouras 2012

3

4 OSNERA PINTO DA SILVA CAMINHANDO PELOS MORTOS, CAMINHANDO PELA VIDA: CONFLITOS, ROMARIAS E SANTIDADE NO SUDESTE PARAENSE (c.1980 c. 2010) Dissertação apresentada em, 28 de junho de BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Jorge Victor de Araújo Souza (PPG/USS) Orientador Prof. Dr Ricardo Medeiros Pimenta (USS) Examinador interno Prof. Dr. Willian de Souza Martins (UFRJ) Examinador externo

5 DEDICATÓRIA Aos romeiros e romeiras da Romaria da Libertação e da Caminhada Irmã Adelaide que caminham incansavelmente por seus mortos, mas principalmente pelos vivos, pelo fim da matança no campo e por uma sociedade com mais justiça e igualdade. In memorian do padre Humberto Rialland, falecido em Em seu trabalho incansável ele muito contribuiu com a luta dos posseiros na região Sudeste do Pará. Por sua amizade e pelo grande incentivo e contribuição à minha pesquisa na Romaria da Libertação em 1997 e 2007.

6 AGRADECIMENTOS Aos romeiros e romeiras da Romaria da Libertação e da Caminhada Irmã Adelaide, porque o interesse em conhecer melhor a história dos eventos por eles elaborados em suas lutas proporcionou a minha participação na seleção desse curso de mestrado e também por colaborarem com minha pesquisa concedendo entrevistas e auxiliando minha participação nas caminhadas. Ao amigo, companheiro, irmão, camarada Vilmar, pela força e apoio durante o período de nossa estadia em Vassouras/RJ e depois já de volta no período da pesquisa, quando disponibilizou tempo para me ouvir e ombro amigo nas horas de angústia. Às religiosas Filhas do Amor Divino (FDC), em especial às irmãs Angelita Fernandes, Lourdes Follmann, Adélia Rossato e Joselina Amaral, pela acolhida e disponibilidade de tempo em contribuir com a pesquisa de campo e também pela cessão de documentos que contribuíram não só para o estudo, mas, sobretudo para a compreensão das romarias como eventos religiosos dentro de uma prática militante. Ao padre Paulo Joanil, por disponibilizar tempo contribuindo com entrevistas, sempre acessível e paciente, mas principalmente pela cessão de documentos que foram valiosos para este estudo. À amiga querida Nancy Cardoso, vizinha em Vassouras/RJ e a pessoa que teve muito carinho e cuidados sem igual para conosco (eu e Vilmar), por ter sempre se disposto a ler meus escritos dando sua valiosa opinião e pela cedência de livros para as leituras iniciais. Ao professor Rômulo Mattos, que caminhou comigo por algum tempo durante a pesquisa e que auxiliou na busca de documentos indicando o que buscar, onde buscar. Ao meu orientador professor Jorge Victor Araújo Souza, por confiar na minha capacidade quando eu mesma já duvidava e por orientar de forma sábia e paciente essa pesquisa. A todos os professores do curso de mestrado: Gisele Sanglard, Eduardo Scheidt, José Jorge Siqueira e Nancy Cardoso Pereira pelos ensinamentos durante todo o curso. À professora Ana Moura, pelo incentivo e por proporcionar aprendizagem mesmo nos momentos de descontração, mas principalmente por confiar em nossa competência, incentivando a produção de trabalhos.

7 Aos colegas de turma do mestrado: Jorge (e seus marinheiros), Vladimir (e seu comerciante), Ênio (com seus indígenas e guerras santas), Marcelo (e seu Maquiavel), André (história e fotografia), Douglas (a voz do rádio), Vilmar (e seus Parkatêjê), Bete (e o serviço social em Valença), Sirlene (e sua escola de enfermagem), Mari (e a memória da esposa de Villa Lobos), posso dizer que foi uma grande experiência de vivência e debate em sala de aula e, principalmente nos espaços informais. Às amadas Sandra Feijó (secretária do mestrado), minha amiga linda e loira, e Beth (Boop) Guilherme (biblioteca do mestrado), por todo apoio, carinho, incentivo, pelos cafés e pela amizade linda que nasceu entre nós. Às minhas filhas Marla e Sílvia e às minhas netinhas, Maria Eduarda e Maria Eloísa por serem a razão que faz meu coração bater sempre; ao meu filho Charles que confiou na minha proteção e amparo financeiro mesmo estando ausente; à Oziene e Mayara, e ao Bruno (quase filhos) pela paciência, amor, carinho, compreensão e apoio durante minha ausência no período de estudo. À comissão Pastoral da Terra (CPT), à Fundação Casa de Cultura de Marabá (FCCM) e às Paróquias de Jacundá, Rio Maria e Curionópolis, pela boa vontade em abrir seus arquivos para essa pesquisa. Aos amigos Airton, Edileuza, e Gláucia pela cedência de livros que ajudaram a costurar e a tecer os textos dessa pesquisa. A todos e a todas minha eterna gratidão.

8 AS PEDRAS GRITARÃO Há uma nação de homens Excluídos da nação. Há uma nação de homens Excluídos da vida. Há uma nação de homens, Calados, Excluídos de toda palavra. Há uma nação de homens Combatendo depois das cercas. Há uma nação de homens Sem rosto, soterrados na lama, Sem nome, soterrados pelo silêncio. Incontáveis. Formigas revolvendo socavões. Homens de lama e fulgor. Perseguidos pelo delírio dos metais: o ouro da terra, no sonho, o estanho das armas, na carne. Nesse tempo de palavras dilaceradas, levadas à moenda até o bagaço mais seco, o silêncio pesa como os olhos de uma criança depois da fuzilaria. Mas como gritar? Se os lançados da ponte não tem um nome que os distingue? Se calarmos, as pedras gritarão. (Comissão Pastoral da Terra. Cadernos de Conflitos no Campo Brasil, 1987).

9 RESUMO Esta dissertação analisa as romarias que ocorrem na região do sudeste paraense, a partir de um olhar sobre as práticas dos atores e suas interações. Essas romarias nasceram no contexto dos muitos conflitos que assolavam a região no decorrer da década de Tanto a Romaria da Libertação quanto a Caminhada Irmã Adelaide, surgem do medo que tomou conta das pessoas devido ao grande índice de violência e impunidade. As romarias nascem como uma forma de enfrentar o medo e também de dizer que estavam prontos para denunciar os vários tipos de injustiça que vinham sofrendo. Este trabalho visa contribuir com o debate em torno dessas romarias que buscam através de uma visão sócio-politico e religiosa a construção de um espaço de convivência com um mínimo de dignidade para os trabalhadores campesinos, ressaltando as práticas culturais como meio de oferecer um novo olhar em relação às formas de enfrentamento da violência no campo. Neste sentido, analisamos os conflitos no período na tentativa de demonstrar a que condições estavam submetidos os posseiros da região a partir do contexto da luta pela posse da terra, considerando a ausência do Estado e o papel exercido por alguns órgãos de mediação como elemento incentivador desse processo violento. O nascimento das romarias se deu a partir de dois crimes que chocaram a população que se levanta em oração e protesto na tentativa de dar um basta na situação. Analisamos ainda a participação da Igreja, como instituição que mediava os conflitos e apoia o evento das romarias como forma de protesto. Colocamos em evidência os espaços onde ocorrem as romarias e as relações engendradas nesses espaços, e por fim o processo devocional construído em torno das santas-mártires da luta pela terra, a reconfiguração dos espaços e da romaria a partir das modificações no processo histórico e nas políticas implementadas na região. O estudo demonstrou que ao longo desses anos apesar das muitas modificações resultantes das políticas implementadas para a região a partir das lutas do povo, a violência ainda é muito grande e nesse contexto, as romarias continuam em seu protesto, rememorando seus mártires e criando seus novos santos (as). Palavras-chave: Conflitos; Romaria; Martírio; Devoção; e, Santidade.

10 ABSTRACT This dissertation analyzes the festivals occurring in southwestern Pará, from a look at the practices of the actors and their interactions. These pilgrimages were born in the context of the many conflicts that ravaged the region during the 1980s. Both the festival and the Path of Liberation Sister Adelaide, arise from the fear that gripped the people due to high rates of violence and impunity. The pilgrimages are born as a way to face fear and also to say that they were ready to denounce the various kinds of injustice that had been suffering. This work aims to contribute to the debate on these pilgrimages looking through a socio-political and religious construction of a living space with a minimum of dignity for peasant workers, highlighting the cultural practices as a means to offer a new look about the ways of coping with violence in the countryside. In this sense, we analyze the conflicts in the period in an attempt to demonstrate that conditions were subjected to the settlers of the region from the context of the struggle for land, considering the absence of the state and the role played by some agencies as an incentive to mediate this process violent. The birth of the pilgrimages were made from two crimes that shocked the people who get up in prayer and protest in an attempt to put a stop to the situation. We also analyzed the participation of the Church as an institution that mediated conflicts and supports the event of the pilgrimage as a form of protest. We put in evidence the spaces where there are pilgrimages and relations engendered in these spaces, and finally the devotional process built around the 'holy-martyrs' struggle for land, the reconfiguration of spaces and the pilgrimage from the changes in the historical process and policies implemented in the region. The study showed that over the years despite the many changes resulting from the policies implemented for the region from the struggles of the people, violence is still very large and in this context, pilgrimages continue their protest, remembering their martyrs and creating their new Saints (s). Keywords: Conflict, Pilgrimage, Martyrdom, Devotion, and Holiness.

11 LISTA DE SIGLAS ADETUNE Associação de Defesa dos Trabalhadores Unidos de Nova Jacundá CEB Comunidade Eclesial de Base CESE Coordenadoria Ecumênica de Serviços CF Campanha da Fraternidade CNBB conferencia nacional dos Bispos do Brasil CONIC conselho nacional de igrejas Cristãs CONTAG Confederação dos Trabalhadores na Agricultura CPT Comissão Pastoral da Terra FCCM Fundação Casa de Cultura de Marabá FDC Filhas do Amor Divino FETAGRI Federação dos Trabalhadores na Agricultura GETAT Grupo Executivo de Terras do Araguaia-Tocantins IBRA Instituto Brasileiro de Reforma Agrária INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária ITR Imposto Territorial Rural MEB Movimento de Educação de Base MIRAD Ministério Extraordinário para o Desenvolvimento e Reforma Agrária PJ Pastoral da Juventude PM Policia Militar PO Pastoral Operária RCC Renovação Carismática Católica SDDH Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos STR Sindicato dos Trabalhadores Rurais SUDAM Superintendência para o Desenvolvimento da Amazônia UDR União Democrática Ruralista

12 LISTA DE FIGURAS E IMAGENS FIGURA 01: Mapa da Região sudeste do Pará. Fonte: Laboratório Sócio-Agronômico do Tocantins LASAT. FIGURA 02: Croqui representativo da rota do crime. Fonte: Jornal O Liberal, 01/10/1980. Dossiê do Arquivo da CPT Marabá. IMAGEM 01: A cruz do memorial Santa Elizabete e Santa Elineuza. Fonte: Arquivo da Paróquia de Jacundá. IMAGEM 02: Cinzas das crianças Elizabete e Elineuza. Fonte: Arquivo da CPTMarabá. IMAGEM 03: Casa das irmãs FDC em Eldorado dos Carajás. Acervo da autora, IMAGEM 04: Cartaz de Irmã Adelaide Molinari. Acervo da autora, IMAGEM 05: Romeiros de Jacundá. Fonte: Acervo da Paróquia de Jacundá. IMAGEM 06: Saída - Caminhada Irmã Adelaide. Acervo da autora, IMAGEM 07: Morte de Irmã Adelaide. Acervo da autora, IMAGEM 08: Cartaz Invocativo. Acervo da autora, IMAGEM 09: Kit romeiro. Acervo da autora, IMAGEM 10: Camisetas da Caminhada Irmã Adelaide. Acervo da autora, IMAGEM 11: Santuário de Sta. Elizabete e Sta. Elineuza. Fonte: DVD produzido pela Verbo Filmes sobre a Romaria da Libertação, IMAGEM 12: Túmulo de Irmã Adelaide ao lado da Igreja N. S. das Graças Curionópolis. Acervo da autora, IMAGEM 13: Sala dos milagres no Santuário de Sta. Elizabete e Sta. Elineuza. Fonte: DVD produzido pela Verbo Filmes sobre a Romaria da Libertação, IMAGEM 14: Mesa com ex-votos. Fonte: DVD produzido pela Verbo Filmes sobre a Romaria da Libertação, IMAGEM 15: Ex-votos: membros curados. Romaria da Libertação. Acervo da autora, IMAGEM 16: Mesa e toneis usados pelos romeiros. Romaria da Libertação. Acervo da autora, IMAGEM 17: Fogões de barro usados pelos romeiros. Romaria da Libertação. Acervo da autora, 2007.

13 LISTA DE QUADROS QUADRO 1: Temas desenvolvidos na Caminhada Irmã Adelaide. Fonte: História de Luz. Fascículo 04, Rio Maria, QUADRO 2: Tipos de promessas encontrados num total de 150 entrevistados. Fonte: Questionários de entrevistas realizadas nas romarias de 1997, 2006 e 2011, elaborados pela autora. LISTA DE TABELAS TABELA 01: Resumo dos conflitos criados pela grilagem de terras na rodovia PA-150. Fonte: O Grito da PA-150. Diocese de Marabá. Ano I nº02, junho de TABELA 02: Número de assassinatos em conflitos agrários no Sul e Sudeste do Pará. Fonte: Comissão Pastoral da Terra. Conflitos no Campo Brasil. Goiânia/GO, TABELA 03: Conflitos pela posse da terra na região Norte. Fonte; Comissão Pastoral da Terra. Conflitos no Campo Brasil. Goiânia/GO, TABELA 04: Prisões ilegais efetuadas contra lavradores em conflitos de terra. Fonte: Comissão Pastoral da Terra. Conflitos no Campo Brasil. Goiânia/GO, TABELA 05: Número de ameaças de morte em conflitos de terra no Brasil. Fonte: Comissão Pastoral da Terra. Conflitos no Campo Brasil. Goiânia/GO,

14 SUMÁRIO Introdução Região Sudeste do Pará: uma fronteira em constante conflito CAPÍTULO 01: DO MEDO DOS VIVOS SURGEM AS ROMARIAS PARA OS MORTOS Sudeste do Pará: região dos conflitos e do medo Terras concentradas: o carro abre alas dos conflitos A Igreja como mediadora dos conflitos Da chacina de Tucuruí à Romaria da Libertação Outro crime, mais uma (e a mesma) romaria: Caminhada Irmã Adelaide Nenhuma justiça para Elizabete, Elineuza ou Adelaide... CAPÍTULO 02: DE ROMARIA EM ROMARIA BUSCANDO A LIBERTAÇÃO Romarias e Santuários Situando as cidades, conhecendo as santas As cidades: espaços de vivências e de santidade Elizabete, Elineuza e Adelaide: martírio, mística e memória A Romaria como forma de expressão das vítimas da violência no campo Caminhar, rezar, brincar Caminhar com Adelaide Caminhar com as santinhas O comércio e as mudanças Comerciando no santuário As mudanças na Romaria da Libertação... CAPÍTULO 03: MARTÍRIO E SANTIDADE NO SUDESTE PARAENSE Martírio como testemunho cristão Adelaide, mártir da justiça, mártir pelo reino Elizabete e Elineuza, mártires da inocência Devoção e Santidade: as santas do povo Sobre a santidade As promessas como impulso mobilizador As relações de controle... CONSIDERAÇÕES FINAIS... FONTES... ENTREVISTAS UTILIZADAS... BIBLIOGRAFIA

15

16 INTRODUÇÃO É com os pés, ao que se diz, que se ora nas melhores romarias. (Rubem César Fernandes, 1994). 1. Região Sudeste do Pará: uma fronteira em constante conflito Olhar a região Sudeste do Pará significa pensar a fronteira como lugar de acolhimento de pessoas que foram chegando de vários lugares do país para tentar uma nova vida, seja em busca de trabalho, de terras ou de riquezas minerais. Mas significa também pensar essa fronteira como lugar de muitos conflitos, principalmente os conflitos pela posse da terra. Esses conflitos configuram-se de várias formas, como ameaças, intimidações, despejos, massacres, chacinas, entre outros. Nas últimas três décadas, como resultante desse processo conflituoso centenas de trabalhadores rurais foram assassinados. Confirmando as diversas vidas perdidas nos conflitos agrários, a historiadora Rosa Acevedo Marín conclui que, Na região sudeste do Pará, observa-se a passagem do massacre para o genocídio. E essa ação é entendida enquanto extermínio de uma determinada categoria social, simbolizada tanto por indígenas, quanto por posseiros e sem terra 1. No documento Os pobres possuirão a terra, os bispos fizeram o seguinte pronunciamento: Os problemas enfrentados pelos camponeses e camponesas, trabalhadores e trabalhadoras do campo brasileiro, notadamente pelos pequenos produtores rurais, posseiros, meeiros, arrendatários, semterra, acampados e assentados, assalariados rurais e pelas diferentes comunidades ribeirinhas, extrativistas, quilombolas e povos indígenas, estão presentes no horizonte das preocupações pastorais de nossas igrejas.2 Como ficou demonstrado na fala dos bispos e pastores acima, são muitas as categorias do campo em conflitos e desassistidas dos poderes constituídos, e são essas categorias ou parte delas que reinventaram as romarias no sudeste paraense, que têm se apresentado de uma forma um tanto peculiar, em protesto contra essa realidade social 1 MARÍN, Rosa Elizabeth Acevedo. Conflitos Agrários no Pará. In: Contando a História do Pará, vol II: os conflitos e os grandes projetos na Amazônia contemporânea (século XX). Belém: E. Motion, 2002, p Os pobres possuirão a terra: pronunciamentos de bispos e pastores sinodais sobre a terra. São Paulo: Paulinas; São Leopoldo, RS: Editora Sinodal, CEBI Centro de Estudos Bíblicos, 2006, p

17 vivenciada pela população da região: a da violência contra o homem campesino, líderes religiosos, sindicalistas e outros, e, principalmente, em protesto contra a impunidade dos criminosos, mas também contra outras tantas injustiças sociais. O presente trabalho tem a pretensão de estudar essas romarias, analisá-las, compará-las, bem como, analisar os elementos que combinados podem explicitar as situações de conflitos e de violência na luta pela posse da terra. Os crimes que deram origem as romarias aconteceram no decorrer da década de 1980 na esteira dos conflitos agrários na região. Nossa pesquisa abarca as décadas de 1980 a 2010, o que possibilitará observar mudanças e permanências nesses eventos ao longo de sua vigência, bem como, dar visibilidade às formas encontradas pelos camponeses para lidar com as adversidades encontradas para sua inserção e/ou permanência no campo. O estudo dessas romarias parte do pressuposto de que com a forte migração para essa região do estado nas décadas de 1970 e 1980 formou-se uma zona de conflito entre três categorias: posseiros, grileiros e fazendeiros3 que se tornou bastante acirrada em finais dos anos de 1970 e nas décadas posteriores, com destaque para a década de 1980 quando em decorrência desses conflitos, dezenas de pessoas foram assassinadas, sendo muitos desses alvos os líderes sindicais e também religiosos. O sudeste paraense, assim como outras regiões do país, é uma área conflituosa insuflada, talvez, pela certeza da impunidade de mandantes e assassinos, que em boa parte dos casos sequer são indiciados. Nessas disputas pela terra, mandantes e assassinos não tem um limite quanto a quem vão matar. Assim, num contexto de extermínio, ninguém é poupado, nem mesmo as crianças e muito menos religiosos/as. Em meio a essa configuração, a impunidade dos criminosos, e outras formas de injustiça social, indignou ainda mais uma grande parcela da população dos municípios de Jacundá, Goianésia do Pará Curionópolis e Eldorado dos Carajás que resolveram protestar e buscar conforto através de caminhadas 3 Posseiro, no Brasil, o lavrador que trabalha na terra sem possuir nenhum título legal, nenhum documento reconhecido legalmente e registrado em cartório que o defina como proprietário é classificado como ocupante de terra, nos censos oficiais, ou como posseiro, na linguagem comum. Ver: MARTINS, José de Souza. O Massacre dos posseiros: conflitos de terras no Araguaia-Tocantins. São Paulo: Brasiliense, A categoria meeiro é definida como sendo aquele trabalhador que planta em terreno alheio repartindo o produto de seu trabalho com o dono das terras, sem possuir vínculo empregatício. Grileiro, significa aquele que se apropria ilegalmente de terras alheias com documentos falsificados ou pela ação violenta. Ver: HÉBETTE, Jean. A velha questão da terra na Amazônia; a estrutura fundiária amazônica da colônia até hoje. In: Cruzando Fronteira: 30 anos de estudo do campesinato na Amazônia. Vol. II. Belém: UDUFPA, Sobre a grilagem na região, ver ASSELIN, Victor. Grilagem: corrupção e violência em terras do Carajás. Petrópolis, Vozes/CPT,

18 religiosas, nas romarias. Assim, nasceram duas romarias na região: A Romaria da Libertação, para cultuar duas crianças, Elizabete e Elineuza, assassinadas em 17 de setembro de 1980, e a Caminhada Irmã Adelaide, para reverenciar a memória da religiosa, Adelaide Molinari, assassinada em 14 de abril de1985. As romarias representam o movimento de centenas de romeiros e romeiras em caminhada, em oração e em protesto contra a violência e contra a impunidade de quem comanda o crime. Essas romarias denunciam também várias outras formas de injustiça social, como fome, desemprego, falta de serviços de atendimento à saúde, etc., e esse tipo de performance faz desse povo, protagonista de romarias bastante peculiares. Todavia, para dar visibilidade a esses dois eventos precisaremos investigar os crimes que deram origem aos mesmos. No primeiro caso, a chacina de uma família inteira e nesse caso, temos as duas crianças que foram santificadas pela população. Esse crime teve como acusado, um cabo da Polícia Militar (PM) de Marabá, Manoel Dias Aragão, junto com mais duas outras pessoas: um mecânico e um ex-policial da PM do Maranhão que foram indiciados como autores do crime 4. O policial acusado de cometer essa barbárie havia sido destacado para a localidade de Goianésia do Pará, com a finalidade de manter a ordem diante dos conflitos lá existentes, conforme informou o Pe. Humberto Rialland5 que, juntamente com o Pe. Paulo Joanil eram, à época os párocos responsáveis pela paróquia de Jacundá que englobava Goianésia e outras localidades da circunvizinhança. Em meados da mesma década (1985), no município de Eldorado dos Carajás foi assassinada, a religiosa, Adelaide Molinari. Alguns fazendeiros, os srs. José Batista Veloso, Aloysio Ribeiro Vieira e José Eduardo de Abreu Vieira (acusados de serem os mandantes), e o sr. José de Ribamar Rodrigues Lopes (acusado de ser o pistoleiro), foram denunciados pelo crime. Entretanto nenhum deles foi condenado por falta de provas. Esse crime originou a Caminhada Irmã Adelaide. Essas romarias procedem para os locais considerados sagrados pelos romeiros: no caso de Irmã Adelaide, sua sepultura; no caso das crianças, Elineuza e Elizabete, o local onde foram queimadas pelos assassinos. Nesse lugar, que fica às margens da PA-263, entre Goianésia do Pará e Tucuruí, ergueu-se um monumento e uma capela em memória das duas crianças. 4 Processo nº 147/90. Poder Judiciário. Comarca de Curionópolis Pará, p. 01. Entrevista concedida, em 09 de setembro de 2005, para a realização de minha monografia de conclusão da especialização em História Social, Romaria da Libertação: memórias do medo, caminhada de esperança, pela Universidade Federal do Pará,

19 Interessada em estudar a Romaria da Libertação fiz minha primeira participação no evento em 1997, para a realização do trabalho de minha monografia de graduação. Naquela ocasião fiquei muito impressionada com a diversidade dos participantes: jovens, crianças, adultos, velhos, namorados, famílias inteiras, pequenos agricultores, posseiros, fazendeiros e madeireiros, etc., todos em caminhada para reverenciar as santinhas, que é como os romeiros chamam as crianças assassinadas. Assim, empreendi minha primeira pesquisa sobre essa romaria. No período, busquei a origem da romaria e seu discurso político-religioso. Porém, não pesquisei sobre a Caminhada Irmã Adelaide, evento sobre o qual só tomei conhecimento depois, e que tem características similares à primeira romaria, como por exemplo: o culto à memória de uma santa não reconhecida oficialmente; a duração do evento ao longo desses anos e seu crescimento em número de romeiros; e, por ser um fenômeno devocional que insere em sua prática o protesto. Mais de uma década já se passou desde a primeira pesquisa. Essa nova investigação permitirá a busca de respostas para outras questões como: qual é a base que sustenta essas romarias ao longo desses anos? O que impulsiona ou mobiliza os romeiros? O que diferencia ou aproximam esses dois eventos? Essas são algumas questões, mas muitas outras poderão surgir no decorrer da investigação. Olhando a história como resultado da experiência humana, acreditamos que a partir dessa pesquisa podemos produzir um trabalho construído sob a ótica de quem vivenciou e vivencia os problemas da região e também as formas possíveis de combatêlos. Pois como escreveu Paul Vayne todo acontecimento é tão histórico quanto um outro, pode-se dividir o campo factual com toda a liberdade 6. Esse trabalho se insere no campo dos estudos da História Regional, entendendo região como território delimitado, passível de ser concebido como decomponível em sub-regiões, e, em segundo lugar, um sistema de valores e interesses que dá forma a uma identidade coletiva capaz de gerar atitudes de lealdade e apego por parte dos habitantes 7, que nos oferece(m) elementos insubstituíveis para estudos comparativos e esta contribuição apenas a justifica e a torna necessária 8. No espaço regional aflora, com maior clareza as práticas dos movimentos sociais, as identidades culturais, as 6 VAYNE, Paul. Como se Escreve a História. Brasília:UNB, p. 42. Ver: SILVA, Vera Alice Cardoso. Regionalismo: o enfoque Metodológico e a Concepção Histórica. In: SILVA, Marcos A. da. A República em Migalhas: História regional e local. São Paulo: Marco Zero, p Idem. p

20 práticas econômicas, o que possibilita o exame das diferenças existentes dentro de um espaço maior, o nacional. Para a historiadora Janaína Amado, A historiografia regional tem ainda a capacidade de apresentar o concreto e o cotidiano, o ser humano historicamente determinado, de fazer a ponte entre o individual e o social. Por isso, quando emerge das regiões economicamente mais pobres, muitas vezes ela consegue também retratar a História dos marginalizados, identificando-se com a chamada História popular ou História dos vencidos 9. Essa é a intenção dessa pesquisa: retratar um pouco da história desse povo marginalizado, porem de forma alguma visto como coitado, pois é uma gente de luta, que mesmo tendo que enfrentar o risco de perder a própria vida continua sempre buscando a realização de seus sonhos. A pesquisa justifica-se pela necessidade de demonstrar, a partir desse trabalho as diversas formas de inserção encontradas pelos trabalhadores do campo no enfrentamento da violência. E mais ainda, entender esse espaço da Amazônia, a partir da compreensão dos sujeitos, de suas vivências e concepções de mundo, de suas formas de lutar por justiça, de suas concepções políticas, dialogando com disciplinas das ciências sociais como a sociologia e a antropologia. Para a realização do trabalho elencamos alguns objetivos: analisar os conflitos na região onde ocorrem as romarias; apresentar as romarias como forma de manifestação da religião popular e a relação entre manifestação religiosa e os conflitos na região; e contribuir para a discussão acerca da manifestação religiosa da romaria como forma de sacralização/reverência/homenagem/protesto. Visando a concretização dos objetivos propostos, a estratégia de pesquisa se pautou na utilização de entrevistas, na leitura de relatórios, jornais da época dos crimes, Livrinhos e cadernos de cordel sobre a romaria, informativos da paróquia de Jacundá, Folders das romarias, livros de canto, processo criminal, alvará de soltura, entre outros documentos, e na leitura de bibliografias que pudessem me auxiliar na tessitura do trabalho. Assim, a escrita apresenta o resultado de diálogos comparativos e no cruzamento das fontes, onde as várias informações podem corroborar umas com as outras. Outra estratégia foi participar das caminhadas o que permitiria aproximar do evento em sua concretude para tentar compreender e registrar a amplitude de relações sociais inscritas nessas caminhadas. Utilizamos também, relatórios das paróquias e da Diocese de Marabá sobre as romarias e os crimes, para analisar os contextos em que estes ocorreram e que as 9 AMADO, Janaína. História e Região: reconhecendo e construindo espaços. In: SILVA, Marcos A. da. A República em Migalhas: História regional e local. São Paulo: Marco Zero, p

21 romarias foram pensadas; Cadernos de Conflitos da Comissão Pastoral da Terra (CPT), para discutir as questões que suscitam nos romeiros/as o desejo de mudança; fotografias; faixas e cartazes produzidos pelos romeiros; livros de Tombo da Paróquia de Jacundá, onde foram registrados acontecimentos considerados importantes na comunidade; DVD sobre a Romaria da Libertação produzido pela Verbo Filmes. Optei também pela construção de um trabalho que se utiliza da oralidade, na tentativa de conseguir uma maior aproximação com o objeto de estudo, pois para Michel Pollak,10 a história oral possibilita analisarmos os excluídos, os marginalizados, as minorias. Já para Mercedes Vilanova, ela tem o papel de desmistificar a história, deixando que os silêncios venham à tona. Desmistificar as interpretações historiográficas: esta função é a base de nosso ofício e das múltiplas utilidades das entrevistas. O primordial das fontes orais é que nos devolvem o senso comum e a orientação das bússolas através dos acontecimentos e dos tempos, para abrir-nos as portas do caminho insólito e fascinante em direção do invisível, o qual, como os silêncios, resulta ser sempre a rocha sobre a qual se sedimenta uma interpretação, senão certeira, ao menos profícua 11. É nesse sentido, considerando as múltiplas utilidades das entrevistas, que estamos utilizando a oralidade, como recurso que ajuda a entender o universo dos romeiros e romeiras em suas lutas cotidianas, como recurso que coloca à vista o seu modo de pensar, a sua ótica de mundo. O trabalho está organizado em três capítulos. No primeiro, intitulado: Do medo dos vivos surgem as romarias para os mortos, realizamos uma análise do contexto conflituoso na região, traçando um panorama dos conflitos e crimes através de dados tabulados a partir das pesquisas apresentadas pelos cadernos de conflitos da Comissão Pastoral da Terra da década de 1980 e também de dados apresentado pelo jornal regional da Diocese de Marabá, na década de 1980, O Grito da PA-150. Sob o título, De romaria em romaria buscando a libertação, o segundo capítulo apresenta as cidades onde ocorrem as romarias e a história de vida das crianças, santas Elizabete e Elineuza, e de Irmã Adelaide Molinari. Discute de maneira mais ampla os crimes que deram origem as romarias e apresenta uma análise comparativa dos dois eventos demonstrando ainda quais as mudanças que ocorreram (ou não) no interior e externamente aos dois eventos. 10 POLLAK, Michel. Memória, Esquecimento e Silêncio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro. Vol. II, nº 03, 1989, p VILANOVA, Mercedes. A história presente e a história oral. Relações, balanço e perspectivas. Belém, Páginas de História. Laboratório de História/UFPA, v. 11, n. 2, p

22 No terceiro capítulo, Martírio e santidade no sudeste paraense, discutiremos os conceitos de martírio, fé, devoção e santidade e também como se dá o processo de santificação em torno dos santos, bem como, os caminhos que poderão levar à santificação de Irmã Adelaide Molinari e das crianças Elizabete e Elineuza ou as santas do povo. O aporte teórico que dá sustentabilidade ao trabalho e ajuda a compreender as diferentes formas de luta e inserção do homem do campo e o universo simbólico e místico desses povos na Amazônia e também em outras partes do país está baseado em estudos de autores como José de Souza Martins A reforma agrária e os limites da democracia na Nova República, entre outros; Octávio Ianni Ditadura e Agricultura: o desenvolvimento do capitalismo na Amazônia; Jean Hebette Cruzando Fronteira: 30 anos de estudo do campesinato na Amazônia. Os autores destacados estão entre vários outros autores, utilizados na tentativa de entender os conflitos e as vivências no campo. Buscando entender as romarias enquanto práticas inseridas no simbolismo das crenças católicas, me ancorei em autores como Natalie Zemon Davis Culturas do Povo; Rubém César Fernandes Romarias da Paixão; Isidoro Alves O Carnaval Devoto: um estudo sobre a festa de nazaré em Belém; Carlos Rodrigues Brandão Prece e folia, festa e romaria; e outros, que possuem estudos significativos sobre o assunto aqui pesquisado. Em autores como Pierre Bourdieu A economia das trocas simbólicas; apresentando os sistemas de reprodução social nas práticas religiosas; Marília Schneider Memória e história: Antoninho da Rocha Marmo ; Renata de Castro Menezes A dinâmica do sagrado; Kenneth L. Woodward A fábrica de Santos, busquei o fundamento para a necessária compreensão do que sejam as romarias tanto de uma forma mais generalizada quanto no contexto do sudeste paraense e das lutas campesinas, bem como, do processo de santificação dos mortos tanto na forma oficial como no imaginário do povo. PRIMEIRO CAPÍTULO DO MEDO DOS VIVOS SURGEM AS ROMARIAS PARA OS MORTOS Todo mundo acredita Que o homem traz uma sina Mas a miséria não vem 22

23 Pela vontade Divina São coisas premeditadas Feitas por mãos assassinas12. (Cordel: Chacina de Goianésia. s/d). 2- Sudeste do Pará: região de conflitos e de medo Este capítulo apresentará um breve exame dos conflitos pela terra na região Sudeste do Pará na década de 1980 que resultou nos dois eventos religiosos mencionados em nossa introdução e na transformação de pessoas mortas nesses conflitos em mártires da terra e santas populares. Num sentido laico, o termo mártir é associado a alguém que sacrifica a sua vida por uma causa. No Brasil o termo é historicamente associado à figura de Tiradentes, por exemplo, num sentido político da palavra. Outras pessoas envolvidas em lutas políticas são também consideradas mártires em nossa historiografia. Assim, por exemplo, é possível falar em mártires de revoluções como: Farroupilha ou Pernambucana. Numa visão cristã; o mártir é uma pessoa submetida à pena de morte pela recusa de renunciar à fé cristã ou a qualquer de seus princípios. O mártir é sempre vítima de agressão e violência. O mártir cristão é aquele que prefere morrer a renegar seu Senhor e sua fé 13. As santinhas Elizabete e Elineuza (de quatro anos e um ano e quatro meses, respectivamente), mártires da inocência, são cultuadas pelos romeiros na Romaria da Libertação, que é organizada por moradores das cidades de Jacundá14 e Goianésia do Pará, ambas situadas na supracitada região. Essas duas crianças foram assassinadas em 17 de setembro de 1980, nas proximidades de Goianésia do Pará. Um policial militar da cidade de Marabá, o cabo Manoel Dias Aragão e mais dois comparsas, o ex-militar Élcio da Silva e o mecânico José Itamar Brito 15 foram indiciados como autores desse crime. 12 Os livrinhos de cordel com os quais eu trabalho são produzidos por cordeleiros da região, como Ives Borges, por exemplo, famoso por escrever um caderno de cordel para cada Romaria da Libertação. Outros, como o acima referido são anônimos e não consta nem data, nem local onde foram produzidos. O uso desses cordéis no trabalho tem a intenção de demonstrar como os artistas populares revelam sua leitura dos acontecimentos. 13 Ver: FOXE, John. O Livro dos Mártires. São Paulo: Mundo Cristão, 2003, p A palavra Jacundá refere-se ao nome de vários peixes abundantes na região, vindo daí o nome do lugar. Designa também uma dança indígena, que imita a pesca do jacundá. Sul e Sudeste do Pará: hoje. Associação dos Municípios do Araguaia e Tocantins - AMAT. Belém: UNICEF, 1996, p O Monstro da Chacina é PM. Jornal O Estado do Pará, de 27 de setembro de Dossiê Arquivo da CPT Marabá, pp. 19 a

24 Para os romeiros, essas crianças são mártires da luta pela terra, são santinhas para as quais prestam homenagens e cultos. Muitas pessoas afirmam ter alcançado graças por intermédio delas, outros acreditam que virão a alcançá-las por meio das promessas que fazem geralmente nos momentos de grande dor e aflição. As romarias são também um recurso para protestar contra a impunidade de assassinos e mandantes de crimes ou ainda para discutir assuntos referentes aos problemas sócio-políticos e econômicos recorrentes na região, tais como: fome, baixos salários, reforma agrária, impunidade de criminosos, etc. O segundo evento que também será analisado nesse trabalho, a Caminhada Irmã Adelaide, é outra romaria que acontece entre os municípios de Eldorado dos Carajás e Curionópolis, tem o objetivo de relembrar, homenagear e cultuar a religiosa Irmã Adelaide Molinari, assassinada em A análise historiográfica dessas romarias, todavia, precisa ser entendida não só do ponto de vista da religiosidade, mas também como a reflexão sobre as práticas de enfrentamento da violência no Sudeste paraense que faz parte do universo dos camponeses envolvidos. Os romeiros se valem de algo já existente (a romaria) para garantir sua proteção no momento do protesto. Há dois traços marcantes nessas romarias: um é justamente fazer o protesto minimizando o perigo, partilhando os riscos ao se fazer denúncias sobre a violência. E o outro está na própria prática religiosa, pois uma parte da caminhada é dedicada à realidade vivenciada e outra ao simbolismo que ordena a ação religiosa. O presente capítulo tem como objetivo identificar e compreender os conflitos pela terra vivenciados pela população, direta ou indiretamente, decorrentes do processo de ocupação e distribuição das terras, e também discutiremos a atuação das Igrejas junto aos camponeses na mediação desses conflitos, evidenciando os instrumentos usados nesse processo. A análise está voltada para a região do Sudeste paraense, cuja história é marcada pelo contexto da migração e dos conflitos, embora os conflitos pela terra sejam recorrentes em todo o estado do Pará e no Brasil. O mapa abaixo é ilustrativo da região16 e traz em destaque, marcados com cores diferentes os municípios onde ocorrem as romarias. Figura 01 Mapa da região Sudeste do Pará 16 A região Sudeste do Pará é formada por 18 municípios: Abel Figueiredo, Bom Jesus do Tocantins, Brejo Grande do Araguaia, Canaã dos Carajás, Curionópolis, Eldorado dos Carajás, Goianésia do Pará, Itupiranga, Jacundá, Marabá, Nova Ipixuna, Piçarra, Parauapebas, Palestina do Pará, Rondon do Pará, São João do Araguaia, São Domingos do Araguaia e São Geraldo do Araguaia. 24

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Cardeal Sebastião Leme Grito por justiça Dom Helder Câmara Não deixe morrer o profetismo Dom Luciano Mendes de Almeida Não esqueçam

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM. Frei David Santos, OFM - out de 2012

Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM. Frei David Santos, OFM - out de 2012 Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM Frei David Santos, OFM - out de 2012 Dados disponibilizados pelo Sistema de Informações sobre Mortalidade

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA Resumo Na história da educação brasileira é perceptível que o direito à educação foi negado às classes menos favorecidas da população,

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO Mara Pereira da Silva IFPA- CRMB pereiracantora1@hotmail.com RESUMO A pesquisa foi realizada mediante análise

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE A Novena de Natal deste ano está unida à Campanha da Fraternidade de 2013. O tema Fraternidade e Juventude e o lema Eis-me aqui, envia-me, nos leva para o caminho da JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE Faça a

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1

ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1 ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1 BETWEEN THE PAST AND THE PRESENT: THE CONSTRUCTION AND AFFIRMATION OF ETHNIC

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA-DF

Leia mais

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA Nestes últimos anos tem-se falado em Catequese Renovada e muitos pontos positivos contribuíram para que ela assim fosse chamada. Percebemos que algumas propostas

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS As mobilizações conhecidas como "Gritos ocorrem desde o início da década de 1990. O primeiro Grito do Campo aconteceu em maio de 1991 em Belém do Pará. O II Grito do Campo,

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

CONFLITOS NO PONTAL DO PARANAPANEMA: IMAGENS E DISCURSOS DA REPRESSÃO NO CAMPO Autora: Barbara Giovanna Ortiz 1 barbara.ortiz@live.

CONFLITOS NO PONTAL DO PARANAPANEMA: IMAGENS E DISCURSOS DA REPRESSÃO NO CAMPO Autora: Barbara Giovanna Ortiz 1 barbara.ortiz@live. CONFLITOS NO PONTAL DO PARANAPANEMA: IMAGENS E DISCURSOS DA REPRESSÃO NO CAMPO Autora: Barbara Giovanna Ortiz 1 barbara.ortiz@live.com Resumo Este trabalho faz parte das reflexões iniciais uma pesquisa

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL (FASE)

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL (FASE) APRESENTAÇÃO DA SÉRIE FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL (FASE) Esta série contempla documentos produzidos pela Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional. Trata-se

Leia mais

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE Silvia Ramos A pesquisa mídia e violência O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 77 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente,

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente, ** Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 05/06/2013. MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, No dia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 26 DE OUTUBRO PALANQUE-PRAÇA SÃO

Leia mais

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Em nome da comissão que organizou este evento agradeço a todos aqueles que convidamos para compor as diversas mesas e a todos vocês que acompanharam

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita.

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita. Câmara dos Deputados Centro de Formação e Treinamento CEFOR Programa de Pós-Graduação Nara Lucia de Lima O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação ***************************************************************************

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação *************************************************************************** DIOCESE DE AMPARO - PASTORAL DA EDUCAÇÃO- MARÇO / 2015 Todo cristão batizado deve ser missionário Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos e fazei-me conhecer a vossa estrada! Salmo 24 (25) Amados Educadores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL IRENILDO COSTA DA SILVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL IRENILDO COSTA DA SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL IRENILDO COSTA DA SILVA SUSTENTABILIDADE DOS SISTEMAS DE USO DA TERRA NO ASSENTAMENTO

Leia mais

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA DEPUTADO MARCELO SERAFIM

Leia mais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais Bárbara Duarte de Arruda Universidade Federal Fluminense barbara.dda@gmail.com A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA Introdução: A devoção à Sagrada Família alcançou grande popularidade no século XVII, propagando-se rapidamente não só na Europa, mas também nos países da América. A festa, instituída

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA

MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UFF - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PURO - PÓLO UNIVERSITÁRIO DE RIO DAS OSTRAS RIR - DEPARTAMENTO INTERDISCIPLINAR DE RIO DAS OSTRAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Uma

Leia mais

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS PORTO ALEGRE 2010 SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE

Leia mais

Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento?

Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento? ANA LÚCIA ALVES Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento? Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco Notícias de Família Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida 06 JUNHO 2014 Permanece conosco Vivemos dias de graça, verdadeiro Kairós com a Celebração

Leia mais

MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1. CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina

MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1. CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1 CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina FACULDADE MARECHAL RONDON/ UNINOVE NPI NÚCLEO DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

Durante todos esses anos o estudo e reflexão da Bíblia nas comunidades foram e são a força geradora na luta.

Durante todos esses anos o estudo e reflexão da Bíblia nas comunidades foram e são a força geradora na luta. Eu, Irmã Rita Rodrigues Pessoa, religiosa do Sagrado Coração de Maria há 57 anos, sou nordestina da Paraíba - Brasil. Há 30 anos trabalho no semi-areado sertão da Bahia nas cidades de Pindobaçu e Filadélfia-

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina: O(s) Uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Ditadura Militar e Anistia (1964 a 1985). Anos de Chumbo no Brasil. Ieda Maria Galvão dos Santos 2º

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE FÁTIMA PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE FÁTIMA PESQUISA DIRIGIDA AOS JOVENS COM IDADE ENTRE 15 E 35 ANOS RELATÓRIO : 1º PESQUISA MISSA : 08:30 DATA : 09/04/2011 - Nº de Entrevistados : 16 1º QUESTÃO - IDADE Foi perguntado

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA

UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA Selma Dansi 1 RESUMO As Representações do Rural nos Processos Organizativos da Juventude Rural (UFRRJ/FAPERJ/NEAD/MDA).

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 "A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE DA TERRA E A EXPERIÊNCIA DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DO MUNICÍPIO DE CANDÓI-PR.

Mostra de Projetos 2011 A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE DA TERRA E A EXPERIÊNCIA DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DO MUNICÍPIO DE CANDÓI-PR. Mostra de Projetos 2011 "A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE DA TERRA E A EXPERIÊNCIA DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DO MUNICÍPIO DE CANDÓI-PR." Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos em implantação,

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Comunicar PAPA. Jornal. Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano. Administração Pública. www.governo.cv

Comunicar PAPA. Jornal. Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano. Administração Pública. www.governo.cv Jornal Comunicar Administração Pública Governo de Cabo Verde Edição Gratuita Mensal nº18 Setembro de 2010 Edição Especial www.governo.cv www.governo.cv PAPA Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano

Leia mais

Escola desamba do Batel: Música e História

Escola desamba do Batel: Música e História Escola desamba do Batel: Música e História Cainã Alves 1ª Edição Curitiba/PR 1 2 DEDICATÓRIA Este livro é dedicado: À todas as pessoas que, direta ou indiretamente, fazem o carnaval de Antonina, não se

Leia mais

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família A transmissão da fé na Família Reunião de Pais Família Plano Pastoral Arquidiocesano Um triénio dedicado à Família Passar de uma pastoral sobre a Família para uma pastoral para a Família e com a Família

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

JANEIRO Escola para formadores

JANEIRO Escola para formadores JANEIRO Escola para formadores De 02 a 28, as Irmãs da casa de formação, tiveram a oportunidade de participar da escola para formadores. A mesma é promovida pela Associação Transcender, com sede em São

Leia mais

Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~

Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~ Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~ O COMPORTAMENTO DAS CEB S NO MARANHÃO NO PERÍODO DE DITADURA MILITAR Camila da Silva Portela Graduanda em História pela UFMA

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE Introdução A CF deste ano convida-nos a nos abrirmos para irmos ao encontro dos outros. A conversão a que somos chamados implica

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 SOUZA, Murilo M. O. 2 ; COSTA, Auristela A. 2 ; SANT ANNA, Thiago S. 3 ; SILVA, Fábio

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*)

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) RELATÓRIO SOBRE O MAPEAMENTO ADICIONAL DE AGROPECUÁRIA ÁREA COMPREENDIDA POR 18 MUNICÍPIOS DA ÁREA LIVRE DE AFTOSA DO PARÁ REALIZADO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta 13/12/2015 - Copyleft Ameaçado o primeiro Assentamento Agroecológico do Rio de Janeiro O mais grave é que o laudo do MPF nega a possibilidade de permanência das famílias e ignora a potencialidade ambiental

Leia mais

Enquete. Dia dos Professores

Enquete. Dia dos Professores Enquete Dia dos Professores No dia 15 de outubro será comemorado o dia do professor. Muito se fala que a profissão, apesar de muito importante, perdeu seu glamour e prestígio, sendo incapaz de atrair a

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

OLHARES SOBRE A REALIDADE DO RIBEIRINHO: UMA CONTRIBUIÇÃO AO TEMA. 1

OLHARES SOBRE A REALIDADE DO RIBEIRINHO: UMA CONTRIBUIÇÃO AO TEMA. 1 OLHARES SOBRE A REALIDADE DO RIBEIRINHO: UMA CONTRIBUIÇÃO AO TEMA. 1 Josélia Fontenele Batista Cabral 2 RESUMO: Trata das variadas leituras que são elaboradas dos ribeirinhos, as leituras são variadas;

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

UNIJUI - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CRISTIANE TREULIEB DOS SANTOS

UNIJUI - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CRISTIANE TREULIEB DOS SANTOS UNIJUI - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CRISTIANE TREULIEB DOS SANTOS BULLYING ESCOLAR E JUSTIÇA RESTAURATIVA MECANISMOS ALTERNATIVOS DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS ENTRE ADOLESCENTES

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO Ana Claudia Silva Almeida Universidade Estadual de Maringá - UEM anaclaudia1985@yahoo.com.br Elpídio Serra Universidade Estadual de

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Igreja Amiga da criança. Para pastores

Igreja Amiga da criança. Para pastores Igreja Amiga da criança Para pastores Teste "Igreja Amiga da Criança" O povo também estava trazendo criancinhas para que Jesus tocasse nelas. Ao verem isso, os discípulos repreendiam aqueles que as tinham

Leia mais

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis Grupos de Oração sem a experiência do Batismo no Espírito Santo, exercício dos carismas e o cultivo da vivência fraterna, revelam uma face desfigurada da RCC. Reflitamos a esse respeito tendo por base

Leia mais

Pendências fundiárias no Pará

Pendências fundiárias no Pará Pendências fundiárias no Pará Brenda Brito*, Sara Baima, Jamilye Salles No Estado do Pará, a situação fundiária é confusa e associada a conflitos no campo. Apesar de avanços nos últimos anos com a criação

Leia mais

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO DE... Tema do Pôster DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS ALUNO: EXEMPLO TURMA: XXXXXXXXXXX CURITIBA 2013 SUMÁRIO

Leia mais

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA Gina Sanchez, Instituto de Ensino Superior de Bauru IESB PREVE; Leila Maria Ferreira Salles, UNESP/IB - Rio Claro. A participação

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO Quanto à Educação do Campo Superar as discrepâncias e desigualdades educacionais

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE Aluna: Sandra Regina de Souza Marcelino Orientador: Luís Corrêa Lima Introdução Este relatório tem por finalidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 29 Discurso na cerimónia de premiação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - IGC GERSON DINIZ LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - IGC GERSON DINIZ LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - IGC GERSON DINIZ LIMA AGRICULTURA CAMPONESA EM TERRITÓRIOS DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS RURAIS NO ALTO

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais